Você está na página 1de 46

INSTITUTO FEDERAL DE EDUCAÇÃO, CIÊNCIA E

TECNOLOGIA DE MATO GROSSO


CAMPUS PRIMAVERA DO LESTE

Prof. Anne Cerqueira


<anne.cerqueira@pdl.ifmt.edu.br>
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Sistema de Controle

2
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Sistema de Controle
 Definição

Entrada; estímulo Saída; resposta


Sistema
de controle
Resposta desejada Resposta real 3
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Controle
 Definição
• Controle
- É o processo no qual o valor de determinada variável
de um sistema é ajustado para se igualar a um valor de
referência.
• Variável controlada
- Variável cujo valor deseja-se controlar.
• Processo
- Sequência de ações destinadas a atingir determinados
resultados.
• Sistema
- Conjunto de componentes que funcionam de maneira
integrada com o objetivo de realizar determinada
operação. 4
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Controle
 Definição
• Realimentação ou retroação
- É o processo no qual a variável controlada é medida e
seu valor utilizado em seu controle.
• Sensor
- Dispositivo responsável pela medição da variável
controlada.
• Transdutor
- Tem a função de converter o sinal recebido. Podem
converter sinal elétrico em pneumático; elétrico em
hidráulico; analógico em digital e vice-versa.
Normalmente são instalados entre o sensor e o
comparador, ou entre o controlador e o elemento final
de controle. 5
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Controle
 Definição
• Comparador
- Sua função é comparar o valor medido com o valor
desejado, gerando um sinal de erro, cuja amplitude é
proporcional à diferença algébrica entre o sinal de
referência (setpoint) e o sinal de realimentação
(feedback).
• Controlador
- Sua função é gerar um sinal de controle, o qual irá
posicionar o elemento final de controle, afim de manter a
variável controlada dentro do valor desejado.
• Transmissor
- Dispositivo que detecta uma variável de processo por meio
de um elemento primário e que tem um sinal de saída cujo
valor é proporcional ao valor da variável controlada. 6
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Controle
 Definição

• Sinal de controle
- É o valor resultante da equação algébrica entre o valor
desejado e o valor da variável controlada medido.
Também denominado sinal de erro.
• Atuador
- Dispositivo utilizado para alterar o valor da variável
controlada do processo.
- Perturbação (Distúrbio)
- É um sinal indesejável, pois tende a desestabilizar o
sistema e, consequentemente, alterar o valor da
variável comandada.
7
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Sistemas do Controle
• Controle a Malha Aberta e Malha Fechada

8
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Sistema de Controle

9
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Um processo industrial pode envolver uma
operação mecânica, um circuito elétrico, uma
reação química ou uma combinação desses .
• Sob o ponto de vista do tempo e do tipo de
operação envolvido, um processo industrial pode
ser classificado em:
- Processo contínuo;
- Processo em batelada;
- Processo discreto.
10
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo contínuo
• Um processo industrial é contínuo quando a matéria
prima entra num lado do sistema e o produto final sai
do outro, continuamente.

Matéria prima Produto final


Processo Contínuo

• Neste processo o termo contínuo significa um período


de tempo relativamente longo, medido em horas, em
dias e até em meses dependendo do processo.
11
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo contínuo
• As paradas totais dos processos contínuos se
realizam em intervalos de um ano ou mais.
• Um processo contínuo pode levar até vários dias
para entrar em regime estável e permanente de
produção.

12
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo contínuo

13
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo Discreto
• No processo discreto, cada item a ser fabricado é processado em uma
etapa, como um item separado e individual.
• As montadoras de automóveis, fábricas de auto peças e industrias
eletro-eletrônicas são exemplos de processos discretos.
• Neste tipo de processo, atualmente, usam-se células de manufatura
com robôs, máquinas de comando numérico computadorizado (CNC)
para executar certas operações repetitivas .

14
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo Discreto

15
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo em Batelada
• No processo em batelada, uma dada quantidade de
material é processada através de passos unitários, cada
passo sendo completado antes de passar para o seguinte.
• A entrada do processo em batelada é feita por quantidades
discretas de modo descontínuo.
• O processo é alimentado, a operação é executada, o
produto é descarregado e reinicia-se outro ciclo.
• Cada operação do processo em batelada pode ser
considerada como um processo contínuo, porém o tempo
envolvido é relativamente pequeno, medido em minutos ou
horas.
16
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo em Batelada
• Uma batelada tem características específicas, tais como
seu tamanho, peso, cor, matérias primas, aditivos,
catalisadores, entre outros.
• A informação, tal como a condição sob a qual a batelada foi
produzida, ou o equipamento da planta industrial usado
para produzi-la, pode ser necessária para determinar as
propriedades do produto ou satisfazer as exigências legais.
• Como a maioria dos problemas de controle ocorre durante
os transientes da partida, o processo tipo batelada é mais
difícil de ser controlado, pois ele realiza muitas partidas e
fica parado durante intervalos de tempo.
17
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Processo em Batelada

Industria Alimentícia 18
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Processos Industriais
• Atrasos em processos: Algumas características dos
processos podem atrasar as mudanças nos valores das
variáveis envolvidas no controle. Isso aumenta a dificuldade
de controle. São causados por três propriedades:
- Resistência: Resistem a transferência de energia ou de um
material (Ex: paredes das serpentinas, resistência a
passagem de um fluido em uma tubulação, resistência a
transferência de energia térmica.
- Capacitância: É a característica apresentada por alguns
componentes do processo que acumula energia ou
material. (Ex: tanques, reservatórios).
- Tempo morto: É o intervalo de tempo entre o instante em
que o sistema sofre uma variação qualquer e o instante em
que esta começa a ser detectada pelo elemento sensor.
19
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Variáveis do Controle
• São grandezas físicas ou químicas que podem alterar seu
valor com o tempo, as quais podem ser mensuráveis. Em
princípio, qualquer variável de processo que venha a
produzir um movimento ou uma força, poderá ser
detectada por instrumentos.
• Variáveis de processo mais importantes: Pressão,
temperatura, vazão, nível, umidade, velocidade, tensão,
entre outros.
• A partir do controle dessas variáveis se consegue o
controle da composição do produto final.
• As variáveis de controle são classificadas em:
- Medida, controlada ou de processo (PV);
- Manipulada (MV);
- Aleatórias ou distúrbios. 20
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose

21
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose

22
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose

23
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Segundo Araújo (2010) a fabricação de
papel é constituída por operações unitárias
e aplicação de vários princípios físicos e
químicos. Entre as operações unitárias, as
principais fases da fabricação de papel são:
• Preparação de Massa;
• Formação;
• Prensagem;
• Secagem.
24
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Preparação de Massa:
consiste em um setor que
recebe a celulose em
fardos e prepara a massa
que será utilizada na
máquina de papel em uma
fábrica de papel não
integrada, ou seja, fábrica
de papel que não possui
uma fábrica de polpa de
celulose anexa para
abastecer a máquina de
papel. 25
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Desagregação: a celulose é desagregada no pulper ou
hidrapulper para iniciar o preparo da massa.

26
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Refinação: a massa passará pelo refinador que tem a
função de provocar o desfibrilamento e hidratação das
fibras, facilitando assim a ligação mecânica entre as
fibras.

27
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Tanque de mistura: tem a função de armazenar e manter a
uniformidade da massa por meio de uma agitação
adequada.

28
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Tanque de mistura:

29
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Tanque de máquina: tem a função de armazenar a
massa após a homogeneização dos aditivos que foi
realizada no tanque de mistura. Para manter a
uniformidade da massa, o tanque da máquina
também possui uma agitação adequada para
posteriormente por meio da bomba do tanque da
máquina fazer a transferência da massa para a caixa
de nível que tem a função de eliminar o ar contido na
massa, evitar pulsações hidráulicas e manter a
pressão constante sobre a válvula que controla a
gramatura do papel a ser fabricada.
30
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Tanque de máquina

31
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Sistema de diluição: tem as funções de
diluir a massa, uniformizar o fluxo,
retirar impurezas leves por meio da
depuração, estabilizar a carga de
químicos e o fluxo de massa para
alimentar continuamente a caixa de
entrada da máquina de papel.

32
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Sistema de diluição:

33
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Depuração: é o
processo de limpeza
da massa realizado
pelos depuradores,
que por meio da força
centrífuga removem
as impurezas da
massa.
34
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• As demais fases (formação, prensagem e secagem) são
as principais operações unitárias existentes em uma
máquina de papel.

35
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• A máquina de papel: é um dispositivo para
formação contínua, prensagem e secagem de
uma folha de papel.

36
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Caixa de entrada: recebe a suspensão fibrosa (massa +
água) e distribui a mesma continuamente e
uniformemente sobre a tela formadora.

37
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Mesa Plana: é composta por vários equipamentos que
tem como objetivo principal fazer a drenagem gradual e
uniforme da água presente na suspensão fibrosa.

38
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Prensas: são utilizadas para retirar água da folha por meio
da aplicação de força mecânica.

39
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Prensas

40
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Secaria: faz a remoção da
água por meio de
transferência de calor,
onde os cilindros
secadores recebem vapor
internamente e transferem
calor para a folha que
está em contato com a
superfície externa do
cilindro secador, fazendo
com que a água seja
evaporada.
41
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Secaria

42
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Calandra: é responsável pelo acabamento superficial da
folha de papel, como a lisura e o brilho da folha.

43
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Enroladeira: tem a função de enrolar a folha de papel com
tensão uniforme e formar um rolo jumbo.

44
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Enroladeira

45
IFMT
AUTOMAÇÃO E CONTROLE DE PROCESSOS AGROINDUSTRIAIS - I

Estudo de Caso – Papel e Celulose


• Fabricação de Papel
• Metodologia para Gestão de Malhas
• DMAIC (Definir, Medir, Analisar, Implementar e Controlar)
- Definir: Nesta etapa são definidas as malhas críticas do
sistema (preparação de massa).
- Medir: Após a definição das malhas críticas é realizada a
medição do desempenho das malhas de controle de cada
item.
- Analisar: consiste em verificar os indicadores de
desempenho para avaliar o desempenho das malhas de
controle.
- Implementar: implementação das melhorias no processo.
- Controle: objetivo de realizar gestão das malhas de
controle. 46