Você está na página 1de 260

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA - UNEB

Reitor: Lourisvaldo Valentim da Silva; Vice-Reitora: Amélia Tereza Santa Rosa Maraux
DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO - CAMPUS I
Diretora: Ângela Maria Camargo Rodrigues;
Programa de Pós-Graduação em Educação e Contemporaneidade – PPGEduC – Coordenadora: Nadia Hage Fialho
Editora Geral: Yara Dulce Bandeira de Ataide
Editor Executivo: Jacques Jules Sonneville
Grupo Gestor: Ângela Maria Camargo Rodrigues, Elizeu Clementino de Souza, Jumara Novaes Sotto Maior
(coordenadora), Luciene Maria da Silva, Nadia Hage Fialho.

CONSELHO EDITORIAL
Conselheiros nacionais Raquel Salek Fiad
Adélia Luiza Portela Universidade de Campinas
Universidade Federal da Bahia Robert Evan Verhine
Cipriano Carlos Luckesi Universidade Federal da Bahia
Universidade Federal da Bahia Walter Esteves Garcia
Edivaldo Machado Boaventura Associação Brasileira de Tecnologia Educacional /
Universidade Federal da Bahia Instituto Paulo Freire
Jaci Maria Ferraz de Menezes Yara Dulce Bandeira de Ataíde
Universidade do Estado da Bahia Universidade do Estado da Bahia
Jacques Jules Sonneville Conselheiros internacionais
Universidade do Estado da Bahia Adeline Becker
João Wanderley Geraldi Brown University, Providence, USA
Universidade de Campinas Antônio Gomes Ferreira
Jonas de Araújo Romualdo Universidade de Coimbra, Portugal
Universidade de Campinas Edmundo Anibal Heredia
José Carlos Sebe Bom Meihy Universidade Nacional de Córdoba, Argentina
Universidade de São Paulo Ellen Bigler
José Crisóstomo de Souza Rhode Island College, USA
Universidade Federal da Bahia Francisco Antonio Loiola
Kátia Siqueira de Freitas Université Laval, Québec, Canada
Universidade Católica de Salvador Giuseppe Milan
Marcos Silva Palácios Universitá di Padova – Itália
Universidade Federal da Bahia Julio César Díaz Argueta
Maria José Palmeira Universidad de San Carlos de Guatemala
Universidade do Estado da Bahia e Luís Reis Torgal
Universidade Católica de Salvador Universidade de Coimbra, Portugal
Maria Luiza Marcílio Marcel Lavallée
Universidade de São Paulo Université du Québec à Montréal, Canada
Nadia Hage Fialho Mercedes Vilanova
Universidade do Estado da Bahia Universidade de Barcelona, España
Paulo Batista Machado Paolo Orefice
Universidade do Estado da Bahia Universitá di Firenze - Italia

Os pareceristas ad hoc do n. 27 serão divulgados junto com a lista na publicação do n. 28 da revista.


Revisão: Lígia Pellon de Lima Bulhões; Bibliotecária: Jacira Almeida Mendes; Tradução/revisão: Eric Maheu;
Capa e Editoração: Linivaldo Cardoso Greenhalgh (“A Luz”, de Carybé – Escola Parque, Salvador/BA); Secretaria:
Nilma Gleide dos Santos Silva; Claudejane Gonçalves da Silva.

REVISTA FINANCIADA COM RECURSOS DO DEPARTAMENTO DE EDUCAÇÃO I – UNEB


ISSN 0104-7043

Revista da FAEEBA

Educação
e Contemporaneidade

Departamento de Educação - Campus I

Revista da FAEEBA: Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, jan./jun., 2007

UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB


Revista da FAEEBA – EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE
Revista do Departamento de Educação – Campus I
(Ex-Faculdade de Educação do Estado da Bahia – FAEEBA)
Publicação semestral temática que analisa e discute assuntos de interesse educacional, científico e cultural.
Os pontos de vista apresentados são da exclusiva responsabilidade de seus autores.
ADMINISTRAÇÃO: A correspondência relativa a informações, pedidos de permuta, assinaturas, etc. deve ser
dirigida à:
Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade
UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA
Departamento de Educação I - NUPE
Rua Silveira Martins, 2555 - Cabula
41150-000 SALVADOR - BAHIA
Tel. (071)3117.2316
E-mail: refaeeba.dedc1@listas.uneb.br

Normas para publicação: vide últimas páginas.


E-mail para o envio dos artigos: jacqson@uol.com.br
Site da Revista da FAEEBA: http://www.revistadafaeeba.uneb.br
Indexada em / Indexed in:
- REDUC/FCC – Fundação Carlos Chagas - www.fcc.gov.br - Biblioteca Ana Maria Poppovic
- BBE – Biblioteca Brasileira de Educação (Brasília/INEP)
- Centro de Informação Documental em Educação - CIBEC/INEP - Biblioteca de Educação
- EDUBASE e Sumários Correntes de Periódicos Online - Faculdade de Educação - Biblioteca UNICAMP
- Sumários de Periódicos em Educação e Boletim Bibliográfico do Serviço de Biblioteca e Documentação -
Universidade de São Paulo - Faculdade de Educação/Serviço de Biblioteca e Documentação.
www.fe.usp.br/biblioteca/publicações/sumario/index.html
- CLASE - Base de Dados Bibliográficos en Ciencias Sociales y Humanidades da Hemeroteca Latinoamericana
- Universidade Nacional Autônoma do México:
E-mails: hela@dgb.unam.mx e rluna@selene.cichcu.unam.mx / Site: http://www.dgbiblio.unam.mx
- INIST - Institut de l’Information Scientifique et Technique / CNRS - Centre Nacional de la Recherche
Scientifique de Nancy/France - Francis 27.562. Site: http://www.inist.fr

Pede-se permuta / We ask for exchange.

Revista da FAEEBA: Educação e contemporaneidade / Universidade do


Estado da Bahia, Departamento de Educação I – v. 1, n. 1 (jan./jun.,
1992) - Salvador: UNEB, 1992-
Periodicidade semestral
ISSN 0104-7043
1. Educação. I. Universidade do Estado da Bahia. II. Título.
CDD: 370.5
CDU: 37(05)

Tiragem: 1.000 exemplares


SUMÁRIO

9 Editorial
10 Temas e prazos dos próximos números da Revista da FAEEBA – Educação e
Contemporaneidade
13 Educação Especial: apresentação
Luciene Maria da Silva

EDUCAÇÃO ESPECIAL

19 Normalização e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do


filme ‘Os dois mundos de Charly’
José Leon Crochík
31 O que pensam e sentem crianças não-deficientes em relação às deficiências e à inclusão:
revisão bibliográfica
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari
41 Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto daescola
inclusiva
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks
55 A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado
Lazara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna
69 Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das IFES mineiras
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela
Silveira Meireles
89 A percepção dos estudantes do curso de pedagogia sobre educação inclusiva
Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes
97 A inclusão e suas relações no cotidiano escolar
Graciela Fagundes Rodrigues
105 Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com
deficiência mental no ensino fundamental da rede municipal de ensino de São Luís-MA
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva
125 Do horror à diferença: uma aproximação com o conto ‘O alienista’ de Machado de
Assis
Luciene Maria da Silva
131 Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a Educação Especial no
contexto educacional brasileiro
Rosalba Maria Cardoso Garcia

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 1-258, jan./jun., 2007
143 Educação profissional: um desafio para pessoas com necessidades educacionais especiais
Isa Regina Santos dos Anjos
149 Pode-se falar em um ‘movimento de deficientes’ no Brasil ?
Alessandra Santana Soares e Barros
159 O teatro na educação do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht
Roberto Sanches Rabello
169 No silêncio dos sons: música e surdez: construindo caminhos
Marisa Pinheiro Mourão; Lázara Cristina da Silva
183 Proposta de análise de habilidades de letramento emergente para crianças com
dificuldades de aprendizagem
Elisandra André Maranhe; Tânia Maria Santana de Rose
203 Crianças autistas de alto funcionamento e síndrome de Asperger: estratégias para
trabalhar as habilidades narrativo-discursivas e a produção verbal
Simone Aparecida Lopes-Herrera; Maria Amélia Almeida
223 Concepções de mães sobre desenvolvimento infantil e desempenho cognitivo de filhos
com deficiência visual, em situação de avaliação assistida e tradicional
Ana Cristina Barros da Cunha; Sônia Regina Fiorim Enumo; Cláudia Patrocínio
Pedroza Canal
239 Conhecendo as necessidades e potencialidades de mães de crianças com necessidades
educacionais especiais
Aline Maira da Silva; Enicéia Gonçalves Mendes; Morgana de Fátima Agostini
Martins

RESENHAS

251 BOM MEIHY, J.C.S. Augusto e Lea: um caso de (des)amor em tempos modernos. São
Paulo: Contexto, 2006. 172 p.
Yara Dulce Bandeira de Ataide
253 OLIVEIRA, Cleiton de; GANZELI, Pedro; GIUBILEI, Sonia; BORGES, Zacarias
Pereira. Conselhos Municipais de Educação: um estudo da região metropolitana de
Campinas. Campinas/SP. Editora Alínea, 2006. 300 p.
Desimary Ferreira Lima de Miranda

255 Normas para publicação

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 1-258, jan./jun., 2007
CONTENTS

11 Editorial
12 Themes and Time Limit to Submit Manuscript for the Next Volumes of Revista da
FAEEBA – Education and Contemporaneity
13 Education and Disability: an introduction
Luciene Maria da Silva

EDUCATION AND DISABILITY

19 Normalization and Differentiation of Individual with Mental Deficiency: an Analysis of


the Film ‘Charly’
José Leon Crochík
31 What Children without Disabilities Think and Feel about Disabilities and Inclusion:
a review of literature
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari
41 Educational Practice and Inclusion: Wondering about the Experience of Being Professor
within the Context of an Inclusive School
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks
55 School Inclusion of the Deaf Person: some Reflections about Daily Life
Lazara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna
69 Analyzing the Inclusion Discourses of the IFES Mineiras Psychology Courses
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela
Silveira Meireles
89 Students of Pedagogy’s Perception about Inclusive Education
Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes
97 Inclusion and its Relationships with Daily Life at School
Graciela Fagundes Rodrigues
105 Perceptions of School Headteachers about School Inclusion of Students with Mental
Impairment in Primary Schools from São Luís-MA (Brazil)
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva
125 Horror of Difference: an approximation with Machado de Assis’ short story ‘The
Alienist’
Luciene Maria da Silva
131 Theoretical-methodological Reflections upon Special Education Policies in the Brazilian
Educational Context
Rosalba Maria Cardoso Garcia

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 1-258, jan./jun., 2007
143 Professional Education: A Challenge for People with Special Educational Needs
Isa Regina Santos dos Anjos
149 Is it Possible to Speak of a “Movement of People with Disabilities” in Brazil?
Alessandra Santana Soares e Barros
159 Theater in Education of Visually Impaired Persons and the Brecht’s Theory of Didactic
Play
Roberto Sanches Rabello
169 In the Silence of the Sounds: Music and Deafness: Constructing Ways
Marisa Pinheiro Mourão; Lázara Cristina da Silva
183 Proposal of Analysis of Emergent Literacy Abilities in Children with Learning Disabilities
Elisandra André Maranhe; Tânia Maria Santana de Rose
203 Strategies to Work with Narrative-Discoursive Abilities and Verbal Production in Children
with High-Funcioning Autism and Asperger Syndrome
Simone Aparecida Lopes-Herrera; Maria Amélia Almeida
223 Mother Conceptions about Child Development and Cognitive Performance of Visually
Impairment Children in Dynamic and Static Assessment
Ana Cristina Barros da Cunha; Sônia Regina Fiorim Enumo; Cláudia Patrocínio
Pedroza Canal
239 Knowing the Necessities and Potentialities of Mothers of Children with Disabilities
Aline Maira da Silva; Enicéia Gonçalves Mendes; Morgana de Fátima Agostini
Martins

BOOK REVIEWS

251 BOM MEIHY, J.C.S. Augusto and Lea: a case of (un)love in modern times. São Paulo:
Contexto, 2006. 172 p.
Yara Dulce Bandeira de Ataide
253 OLIVEIRA, Cleiton de; GANZELI, Pedro; GIUBILEI, Sonia; BORGES, Zacarias Pereira. Cities’
Education Counsels: a study of the metropolitan area of Campinas (São Paulo, Brazil). Campinas/
SP: Editora Alínea, 2006. 300 p.
Desimary Ferreira Lima de Miranda

255 Instructions for publication

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 1-258, jan./jun., 2007
Luciene Maria da Silva

EDITORIAL
EDUCAÇÃO ESPECIAL é o tema do número 27 da Revista da FAEEBA
– EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE. Para sua elaboração rece-
bemos a valiosa colaboração da professora Luciene Maria da Silva, da Linha
de Pesquisa 3 do Programa de Pós-Graduação Educação e Contemporaneida-
de – PPGEduC, da UNEB, e membro do Grupo Gestor da Revista. Como
coordenadora deste número, ela fez uma ampla divulgação da temática e con-
seguiu reunir uma equipe de 20 pareceristas ad hoc, a fim de avaliar os 48
textos recebidos para fins de publicação.
Educação inclusiva é o conceito-chave que define o conjunto dos textos,
propondo uma reforma radical no sistema educacional, que deve reestruturar
os seus sistemas curriculares, avaliativos, pedagógicos e métodos de ensino, a
fim de respeitar a diversidade de desenvolvimento educacional e as necessida-
des especiais, garantindo que todos os alunos tenham acesso ao ensino regular
e impedindo qualquer forma de segregação e isolamento.
Ficou claro que se trata de um processo dinâmico, não se limitando apenas
a uma reformulação administrativa, mas a um processo contínuo de reestrutu-
ração educacional em construção e transformação permanente. A inclusão
não pode se restringir à mera inserção de alunos com necessidades educacio-
nais especiais nas escolas regulares. Significa a proposta de uma escola de
qualidade para todos os alunos.
Além dessa abordagem, esse número traz vários artigos que tratam de
conteúdos específicos que dizem respeito à questão das necessidades educa-
cionais especiais.

Os Editores

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007 9
Educação Especial: apresentação

Temas e prazos dos próximos números


da Revista da FAEEBA:
Educação e Contemporaneidade

10 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007
Luciene Maria da Silva

EDITORIAL
Education and disability is the theme of the volume 27 of the Revista da
FAEEBA – EDUCAÇÃO E CONTEMPORANEIDADE. This volume be-
nefited from the valorous help of Luciene Maria da Silva, from a research
group of the master program in Education at UNEB, who is also a member of
the Editorial Committee of this journal. As a coordinator, not only did she publi-
cize the theme but she succeeded in enrolling not less than 20 manuscript
evaluators to analyze the 48 texts received for publication.
Inclusive education is the keyword which define the set of texts which
proposes a radical reform of the educational system which must restructure its
curriculum, its ways of evaluating, its pedagogies and teaching methods, so as
to respect the diversity of educational development and the special needs,
granting to everyone the access to regular school and prohibiting all ways of
segregation and isolation.
It is clear that we speak about a dynamic process, not limited only to an
administrative reform but to a continuous process of restructuring and trans-
forming education. Inclusion may not be restricted to the simple inclusion of
pupils with special needs in regular schools. It means the proposal of quality
school for all.
Beyond these approaches, this volume contains papers which discuss spe-
cific contents related to special educational needs.

The editors

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007 11
Educação Especial: apresentação

Themes and terms for the next journals


of Revista da FAEEBA:
Educação e Contemporaneidade

12 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007
Luciene Maria da Silva

EDUCAÇÃO ESPECIAL: APRESENTAÇÃO

Luciene Maria da Silva *

Os artigos organizados neste número da Revista da FAEEBA – Educação


e Contemporaneidade atendem a nossa pretensão de aprofundar a reflexão
acerca das questões relacionadas à educação para pessoas com deficiência,
motivada pelo entendimento de que a temática encerra uma grande complexi-
dade no seu enfoque, e pelo reconhecimento do difícil caminho que ainda te-
mos para efetivar uma política educacional que reafirme o direito à educação
para todos, respeitando as singularidades dos indivíduos.
A crescente diversidade no âmbito da escola, resultado da pressão social
por maiores oportunidades de escolarização, vem se tornando objeto de inves-
tigação que dá centralidade às instituições escolares, por estas se constituírem
em espaço de possíveis práticas heterogêneas envolvendo sujeitos e identida-
des variadas. Alunos que possuem atributos particulares por terem algum tipo
de deficiência fazem parte desse universo e são classificados no contexto edu-
cacional como alunos especiais vinculados à modalidade de educação especi-
al. Esse campo consolidou-se a partir da forte influência da psicologia e da
biologia na aceitação de padrões de normalidade e classificações ajuizadas
como adequadas, e do pressuposto de que indivíduos “especiais” podem ser
educados por meio de procedimentos educacionais especiais, em escolas se-
paradas do sistema regular de ensino.
É importante observar que, para o senso comum, a educação especial está
nitidamente relacionada às instituições especiais para educação de pessoas
com deficiências. O “especial” dessa educação, por certo, advém daquilo que
é particular do indivíduo - seu atributo físico, sensorial ou mental. É a única
modalidade do sistema educacional cuja denominação reporta-se de forma
subjetiva a uma peculiaridade do sujeito, ao que lhe é próprio e inegável, por
estar circunscrito às suas características pessoais. Diante disso, fica claro que
o “especial” da educação está fixado no indivíduo pela deficiência, pelo limite
ou pela falta. Sendo o “especial” a deficiência, que diz respeito a uma particu-
laridade que está no indivíduo, a organização do espaço escolar, o método e o
próprio cotidiano da escola tornam-se especiais porque centrados não no alu-
no, mas no aluno deficiente, na sua dificuldade para aprender desvinculada de
outras variáveis. Nesse sentido a educação especial em vários momentos da
história da educação apresentou-se como algo distanciado da educação em
geral, não incorporando, inclusive, importantes reflexões sobre a articulação
entre educação e sociedade. E por ter focado de forma tão intensa a deficiên-
cia e o ensino especial, sinônimo de ensino segregado, gerou uma resistência
ao próprio campo de conhecimento.

* Doutora em Educação pela PUC/SP. Professora adjunta da Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Endereço para
correspondência: Departamento de Educação I – UNEB, Rua Silveira Martins, 2555, Cabula – 41150-000 Salvador/
BA. E-mail: luciene@portfolium.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007 13
Educação Especial: apresentação

Os debates sobre educação inclusiva, fartos na década de noventa, salien-


tam que as desvantagens e limitações das pessoas com deficiência nas suas
atividades cotidianas não dizem respeito apenas à ausência de acessibilidade,
mas principalmente à condição ou posição que ocupam na sociedade. Entre-
tanto, não podemos direcionar o foco totalmente para o meio social como se
não existissem, de fato, questões específicas que dizem respeito às deficiênci-
as e suas interações com a educação. Ademais, a inclusão deve ser compre-
endida como um princípio. Portanto, não podemos pensar a educação inclusiva
senão como possibilidade dentro de um contexto, pois a sua realização depen-
de dos sujeitos que a constituem.
Considerando esses aspectos, compreendemos a importância de organizar
um número da Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade com
artigos que apresentam reflexões e experiências sobre educação especial nas
suas abordagens relacionadas às categorias de deficiência, contexto escolar e/
ou questões sobre pesquisa. Dezoito artigos compõem esse número temático
da Revista da FAEEBA, do qual participam autores, pesquisadores e profissi-
onais de diversas regiões do país, com variadas abordagens sobre problemas
atuais postos pela pesquisa nesta área.
Abre essa coletânea o ensaio de José Leon Crochik intitulado Normaliza-
ção e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do
filme ‘Os dois mundos de Charly’, em que o autor evidencia que a normali-
zação busca tornar o indivíduo com deficiência mental o mais próximo possível
dos que não a têm, enquanto a diferenciação defende que os indivíduos devem
ser aceitos com os seus limites, não sendo nem melhores ou piores que os
outros, mas diferentes.
Seguem-se artigos que discutem a inclusão sob abordagens diversas. O
artigo O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às
deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica, de Camila Mugnai Vieira e
Fátima Elisabeth Denari, apresenta uma revisão bibliográfica de estudos sobre
concepções e atitudes de crianças não deficientes em relação às deficiências
e à inclusão. Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser
professor no contexto da escola inclusiva é o trabalho de Viviane Preichar-
dt Duek e Maria Inês Naujorks, o qual busca uma compreensão da experiên-
cia de ser professor na escola inclusiva. A inclusão escolar do surdo:
algumas reflexões sobre um cotidiano investigado, de Lazara Cristina da
Silva e Silvana Malusá Baraúna, traz o resultado de fragmentos de duas pes-
quisas realizadas entre 1998 e 2004, na cidade de Uberlândia, em que se discu-
tem as condições e possibilidades de inclusão dos aprendizes surdos nas escolas
regulares de ensino.
O artigo Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psico-
logia das IFES mineiras, de Luciana Pacheco Marques, Cristina Toledo, Fre-
derika de Assis Burnier e Gabriela Silveira Meireles, objetiva desvelar os sentidos
do termo inclusão para os referidos cursos a partir das produções acadêmicas
(dissertações) dos programas de mestrado em psicologia. Cristiane Regina
Xavier Fonseca-Janes, no seu artigo A percepção dos estudantes do curso
de pedagogia sobre educação inclusiva, constata que as representações
dos alunos em relação à inclusão na escola corresponde à mera inserção de
pessoas com necessidades especiais na sala de aula regular. O artigo A inclu-

14 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007
Luciene Maria da Silva

são e suas relações no cotidiano escolar, de Graciela Fagundes Rodrigues,


faz uma análise das representações das diferenças, dando especial atenção à
surdez e à síndrome de Down entre crianças no cotidiano escolar, em uma
escola da rede pública estadual de Porto Alegre. Zinole Helena Martins Leite
e Silvana Maria Moura da Silva, no artigo Percepções dos diretores de esco-
las-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no
ensino fundamental da rede municipal de ensino de São Luís-MA, fazem
uma descrição da implantação da inclusão escolar de alunos com deficiência
mental no ensino fundamental da rede municipal de ensino de São Luís do
Maranhão, segundo as percepções dos diretores das escolas-pólo. Luciene
Maria da Silva, no seu artigo Do horror à diferença: Uma aproximação com
o conto ‘O alienista’ de Machado de Assis, traz uma discussão sobre dife-
renças a partir do entendimento de ciência por parte de Simão Bacamarte,
personagem do conto ‘O Alienista’, escrito por Machado de Assis.
Rosalba Maria Cardoso Garcia destaca, no seu artigo Reflexões teórico-
metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contex-
to educacional brasileiro, o procedimento de análise documental frente às
proposições políticas no campo educacional. O artigo Educação profissio-
nal: um desafio para pessoas com necessidades educacionais especiais
insere-se no campo de investigação da educação profissionalizante, e a sua
autora, Isa Regina Santos dos Anjos, considera que a idéia central da inclusão
no ensino profissional deve ser a de uma mudança na forma de entender a
pessoa com necessidades educacionais especiais, propiciando uma “sociedade
para todos”. Já Alessandra Barros, em seu artigo Pode-se falar em um ‘mo-
vimento de deficientes` no Brasil?, descreve a atividade das entidades de
atenção aos deficientes no tocante à qualidade da assistência prestada, optan-
do pelo recorte junto às APAEs - Associações de Pais e Amigos dos Excepci-
onais e às Associações de Síndrome de Down.
Os dois artigos seguintes referem-se às possibilidades da inclusão por meio
da arte. O artigo de Roberto Sanches Rabello, intitulado O teatro na educa-
ção do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht, tem como
base um estudo de caso que investigou as possibilidades, limites e significado
da utilização da linguagem teatral por um grupo de adolescentes deficientes
visuais. Por sua vez, o trabalho No silêncio dos sons: música e surdez –
construindo caminhos, de Marisa Pinheiro Mourão e Lázara Cristina da Sil-
va, discute as contribuições da música no desenvolvimento cognitivo de crian-
ças surdas.
Elisandra André Maranhe e Tânia Maria Santana de Rose discutem as
habilidades de letramento emergente por parte de alunos com dificuldades de
aprendizagem, no trabalho Proposta de análise de habilidades de letramen-
to emergente para crianças com dificuldades de aprendizagem. Em segui-
da, Simone Aparecida Lopes-Herrera e Maria Amélia Almeida apresentam,
no artigo Crianças autistas de alto funcionamento e síndrome de Asper-
ger: estratégias para trabalhar as habilidades narrativo-discursivas e a
produção verbal, algumas conclusões que demonstram uma reciprocidade
comunicativa entre adulto e participantes, sendo os seus perfis comunicativos
semelhantes em termos de medidas de produção verbal, como extensão média
dos enunciados (EME) e complexidade de fala (CF).

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007 15
Educação Especial: apresentação

Os dois últimos trabalhos fazem reflexões sobre as percepções de mães de


crianças com deficiência. Ana Cristina Barros da Cunha, Sônia Regina Fiorim
Enumo e Cláudia Patrocínio Pedroza Canal são as autoras do artigo Concep-
ções de mães sobre desenvolvimento infantil e desempenho cognitivo de
filhos com deficiência visual, em situação de avaliação assistida e tradi-
cional, que discute os comportamentos maternos que têm potencial capacida-
de de influenciar diretamente o desenvolvimento da criança com DV. Aline
Maira da Silva, Enicéia Gonçalves Mendes e Morgana de Fátima Agostini
Martins finalizam a lista de artigos da coletânea com o trabalho Conhecendo
as necessidades e potencialidades de mães de crianças com necessida-
des educacionais especiais, cujo objetivo foi construir e testar um instrumen-
to para identificar as necessidades e potencialidades de parentes de crianças
com necessidades educacionais especiais
Os textos aqui reunidos não expressam a totalidade das abordagens e nem
dos posicionamentos teóricos-metodológicos das pesquisas na área de educa-
ção especial. Por certo, os autores dos trabalhos esperam que as idéias apre-
sentadas estimulem, de alguma forma, o debate sobre os seus aspectos mais
importantes.

16 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 13-16, jan./jun., 2007
EDUCAÇÃO
ESPECIAL
José Leon Crochík

NORMALIZAÇÃO E DIFERENCIAÇÃO
DO INDIVÍDUO COM DEFICIÊNCIA MENTAL:
uma análise do filme ‘Os dois mundos de Charly’

José Leon Crochík *

RESUMO

Neste ensaio são discutidas e relacionadas as tendências de normalização e


diferenciação na inclusão de pessoas com deficiência mental. Para isso utilizase
da análise do filme “Os dois mundos de Charly”, produzido em 1968 por Ralph
Nelson; das discussões da área de educação inclusiva, e obras dos pensadores
da Teoria Crítica da Sociedade.
Palavras-chave: Normalização – Diferenciação – Inclusão – Deficiência
mental

ABSTRACT

NORMALIZATION AND DIFFERENTIATION OF INDIVIDUAL


WITH MENTAL DEFICIENCY: an analysis of the film ‘ Charly’
In this essay we argued about normalization and differentiation of people with
mental deficiency. To do so, we use an analysis of the film “Charly”, produced
in 1968, by Ralph Nelson; as well as the debates in the field of inclusive education;
and the work of the thinkers of critical social theory.
Keywords: Normalization – Differentiation – Inclusion – Mental deficiency

Este ensaio tem como objetivo discutir as diferenciação são apresentados em conjunto
tendências de normalização e de diferencia- com algumas de suas implicações, tendo em
ção do indivíduo com deficiência mental em vista a sociedade atual; além disso, discute-se
nossa sociedade. A tendência de normaliza- o anacronismo de uma educação voltada para
ção busca tornar o indivíduo com deficiência as competências destinadas ao mundo do tra-
mental o mais próximo possível dos que não a balho, que não deixa de se pautar em normas
têm, e a tendência de diferenciação defende para a adaptação deste momento histórico. Na
que os indivíduos devem ser aceitos com os segunda parte, a partir de análise do filme “Os
seus limites, não sendo nem melhores nem pi- dois mundos de Charly”, a discussão acerca
ores que os outros, mas diferentes. Para essa da normalização e diferenciação é retomada,
discussão, o texto é dividido em três partes. e na última parte são expostas as considera-
Na primeira, os conceitos de normalização e ções finais.
* Doutor em Psicologia Escolar e do Desenvolvimento Humano pelo Instituto de Psicologia da Universidade de São
Paulo. Professor titular do Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo. Bolsista de produtividade em pesquisa
pelo CNPq. Endereço para correspondência: Instituto de Psicologia da Universidade de São Paulo, Av. Prof. Mello de
Morais, 1721, Bloco A, sala 196, Cidade Universitária – 05508-030, São Paulo/SP. E-mail: jlchna@usp.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007 19
Normalização e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do filme ‘Os dois mundos de Charly’

1. Os conceitos de normalização e A inclusão não diz respeito a colocar as crianças


diferenciação nas escolas regulares, mas a mudar as escolas
para torná-las mais responsivas às necessidades
O termo normalização se refere às nor- de todas as crianças; diz respeito a ajudar todos
os professores a aceitarem a responsabilidade
mas, à padronização, à uniformização. De-
quanto à aprendizagem de todas as crianças nas
signa também a adaptação a um modelo que suas escolas e prepará-los para ensinarem aque-
permite ao indivíduo se constituir por sua in- las crianças que estão atual e correntemente ex-
corporação. Há normas para a linguagem, cluídas das escolas por qualquer razão. (p. 16)
para o pensamento, para a ação, as quais se
Abramowicz (2002) discute a distinção en-
formam e se transformam historicamente. Se
tre normalização e diferenciação nas propostas
elas não são incorporadas, não há como se
de educação inclusiva, sem a diferençar da edu-
comunicar, pensar, agir; não há como expres-
cação integrada. A partir dos estudos de De-
sar as próprias diferenças individuais. Se a
leuze e de Pelbart, a autora evidencia a
normalização, porém, for a meta e não um
transformação da sociedade disciplinar para a
meio, a diferenciação, ou seja, a constituição
de controle e se pergunta pela possibilidade de
de um indivíduo, no sentido liberal do termo,
exterioridade nas propostas de educação inclu-
também não ocorre. Assim, neste texto, apre-
siva, uma vez que a possibilidade de novas vo-
senta-se a concepção de que não há diferen-
zes na sociedade de controle é sufocada. Ela
ciação sem normalização, quando essa é en-
não se contrapõe ao movimento de educação
tendida como a internalização das normas, e
inclusiva, mas pergunta pelos seus objetivos, e
que se esse processo se torna um fim em si
até que ponto a voz diversa dos incluídos não
mesmo também não há diferenciação. Essa
poderia apontar novas possibilidades sociais. A
questão é inerente à formação do indivíduo,
inclusão, nesse sentido, assim como as altera-
e se torna mais nítida quando se tenta incluir
ções das instituições prisionais, psiquiátricas,
os que mais distam da normalidade, conside-
comportaria a possibilidade de uma prisão ‘a
rada como o conjunto de características e
céu aberto’. Ao contrário dessa prisão, a auto-
competências para ser normal.
ra propõe:
A discussão acerca da normalização e/ou
diferenciação do indivíduo com deficiência men- ... nem aceitar, muito menos tolerar diferenças,
tal está presente nas atuais propostas de edu- mas sim produzir diferenças. Há uma incessante
forma de vida que são produzidas pelos diferen-
cação inclusiva, ainda que nem sempre de
tes que é preciso estar atento para aproveitar.
forma explícita, e na distinção dessa da educa- Ou seja a educação só será inclusiva se prestar a
ção integrada. Na educação integrada, grosso exterioridade, ou seja, se ‘estes novos alunos’
modo, a criança com deficiência ocupa um lu- envergarem a escola com suas diferenças, e a
gar na sala de aula regular sem que nada mais modificarem. E ao mesmo tempo, teremos uma
seja alterado, além da especificidade de méto- educação inclusiva quando tais crianças e jo-
dos e avaliações dirigidas a ela; na educação vens puderem passear a céu aberto com toda a
exuberância de suas diferenças. (p, 310)
inclusiva, a própria escola é discutida, incluindo
seu currículo, métodos, avaliações, relação dos As diferenças a serem produzidas pelos já
educadores com os alunos etc. Em um dos ca- diferentes devem se contrapor à normalização.
sos - o da educação integrada, a questão da Nessa citação, contudo, essas diferenças não
normalização está no centro; no outro – o da são negadas nem a princípio, nem a posteriori,
educação inclusiva – além do reconhecimento e assim a relação entre natureza e cultura pa-
das diferenças do aluno com deficiência men- rece se perder. Não se trata de abstrair a dife-
tal, são propostas modificações na própria es- rença entre os homens dada pela natureza, mas
cola e em sua relação com a sociedade (ver
AINSCOW, 1997, e MITTLER, 2003)1 . Segun- 1
Há diversas propostas e entendimentos do que seja educação
do Mittler (2003): inclusiva; não é, contudo, objetivo deste texto apresentá-los.

20 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007
José Leon Crochík

que essas são significadas socialmente, e que, ... quando a utopia baconiana de ‘imperar na prá-
independentemente da deficiência, todos devem tica sobre a natureza’ se realizou numa escala
incorporar a cultura para poder melhor expres- telúrica, tornou-se manifesta a essência da coa-
ção que ele atribuía à natureza não dominada.
sar essa diferença como universal, expressan-
Era a própria dominação. É à sua dissolução que
do também a diversidade humana, que é pode proceder o saber em que Bacon vê a ‘supe-
essência da humanidade. Segundo Adorno rioridade dos homens’. Mas, em face dessa pos-
(1991), “...lo esencial no es lo abstractamente sibilidade, o esclarecimento se converte, a
repetido, sino lo general en tanto que diferenci- serviço do presente, na total mistificação das
ado. Lo humano se forma como sensibilidad massas. (HORKHEIMER; ADORNO, 1986, p. 52)
para la diferencia sobre todo en su experiencia Mesmo com condições objetivas suficien-
más poderosa, la de los sexos.” (p. 203). tes, a libertação dos homens ainda se encontra
Kant, ao se referir à natureza humana como subjugada ao desejo de dominação, cuja supe-
sendo a da sociabilidade insociável, defende a ração implica liberdade. Frente a essa possibili-
formação que deve ‘domar’ os impulsos mas dade, nas palavras dos autores, o esclarecimento
ao mesmo tempo preservar a natureza do avan- se torna regressivo como mistificação das mas-
ço da civilização (ver ADORNO, 1971). Se- sas. Nessa mistificação, a liberdade que seria
gundo Adorno (1971), a diferenciação individu- possível é delimitada pela existente, que ainda
al ocorre pela incorporação da cultura: “...la é dependente das formas de produção, quando
formación no es otra cosa que la cultura por el não mais precisaria ser. Um dos elementos des-
lado de su apropiación subjetiva” (p. 234). As- sa liberdade seria a autodeterminação, a dife-
sim, a diferenciação parte da natureza, mas se renciação segundo os próprios interesses
constitui pela cultura que a permite se desen- substanciais conjugados com o reconhecimen-
volver: “En tanto que se cancelan los momen- to de e em uma outra autoconsciência. A dife-
tos de diferenciación – originariamente sociales renciação individual preservaria a diferenciação
– en que residía la formación, pues formación de nossa espécie tornando-a distinta da vida
cultural y estar diferenciado son propiamente puramente natural, para a qual a regra é a re-
lo mismo, en lugar suyo prospera un sucedá- produção; o indivíduo, isto é a diferenciação,
neo.” (p. 251). Se a formação cultural se modi- seria um resultado e não existente a priori:
fica historicamente, suas normas, valores, prin-
É inverossímil que no princípio tenha surgido,
cípios – que estão associados às necessidades
primeiro, arquetipicamente, um homem individu-
e conflitos sociais – são imanentes ao desen- al qualquer. A crença nisso projeta miticamente
volvimento do indivíduo, isto é, à sua diferenci- para o passado, ou para o mundo eterno das
ação. Com o desenvolvimento da cultura, e a idéias, o ‘principium individuationis’ já plena-
conseqüente geração de novas formas de ex- mente constituído na história. A espécie talvez
pressão, a possibilidade de diferenciação indi- se tenha individuado por mutação para, logo,
vidual aumenta. Essas novas formas de expres- através de individuação, reproduzir-se em indi-
são não são independentes do desenvolvimento víduos, apoiando-se no biologicamente singu-
lar. (ADORNO, 1995, p. 200)
de novas técnicas, que por sua vez são atrela-
das ao desenvolvimento social. Pela mediação social o indivíduo se consti-
No progresso social estão envolvidos quer a tui, e ele se define como diferenciação dos de-
melhoria das condições objetivas de vida – ali- mais; assim, as regras, as normas, os princípios
mento, moradia, remédios, meios de locomoção são fundamentais, e a objetividade do indivíduo
– quer o estabelecimento de relações sociais é sua subjetividade. Quanto mais sujeito for,
justas. O progresso, contudo, não é linear, con- mais objetivo e capaz de exterioridade será.
tém a contradição social entre aqueles dois ob- Claro, se a normalização se refere às necessi-
jetivos, de forma que a libertação dos grilhões dades sociais, e se esta sociedade tem o traba-
da natureza é contida pelos grilhões da nature- lho como base, real ou ideológica, as normas
za humana sob a forma de dominação, e assim: devem também se referir às questões das rela-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007 21
Normalização e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do filme ‘Os dois mundos de Charly’

ções de produção. Não se pode esquecer que tes como os que não a têm. Mas na sociedade
em uma sociedade de classes a formação é dis- de abundância de produção, real ou potencial,
tinta para os proprietários dos meios de produ- em que vivemos, há que se perguntar se a vida
ção e para os trabalhadores, ainda que, com a ainda precisa ser centrada no trabalho voltado
homogeneização sociopsicológica, todos tendem à produção, e se o valor dos homens deve ain-
a ter uma formação semelhante e, mais do que da ser aferido pela sua capacidade de ser efici-
isso, com a redução da cultura à civilização, esta ente.
tende a ser técnica e instrumental (ver ADOR- Com o avanço da tecnologia e da ciência,
NO, 1971). Tal formação instrumenta os indiví- há muito a miséria poderia ser eliminada da face
duos, não os forma. Nesse sentido, a educação da Terra, se não o é, isso se deve a motivos
predominantemente técnica não forma, mas políticos e não propriamente econômicos2 (ver
adestra, não permitindo a diferenciação indivi- HORKHEIMER; ADORNO, 1985, e MARI-
dual. Assim, o avanço objetivo não tem possibi- NI, 1997). Os economistas constatam, já há al-
litado a diferenciação individual, mas a sua gum tempo, que o desemprego que temos é
regressão; ao invés do avanço técnico garantir estrutural e que, assim, a lei da compensação,
a base da sustentação individual e permitir ao descrita também por Marx (1978), pela qual se
indivíduo se diferenciar por suas experiências, a tecnologia suprimia alguns empregos num
a técnica se torna o modelo da não diferencia- setor gerava outros em novos setores, quase
ção. Na análise de Benjamin (1989), o modelo não vige mais. Com a automação cada vez mais
de produção em série, no qual cada movimento desenvolvida, a necessidade do trabalho dimi-
não se associa ao anterior, é independente dele, nui (ver MARCUSE, 1981). Se é assim, o que
expressa a experiência restrita dos homens a significa a escola propor, entre os seus objeti-
partir do século XIX nas cidades mais desen- vos, a preparação para o trabalho? Significa a
volvidas. Pela ação técnica que finda em seu possibilidade de que com a escolarização os in-
resultado, deixa de haver continuidade entre as divíduos tenham mais chances de encontrar um
ações do homem. Isso ocorre também devido trabalho, numa competição acirrada. A pesqui-
ao predomínio das informações sobre a forma- sa de Lessa et al. (1997) mostra, no entanto,
ção, que são destacadas dessa, impedindo a que nos anos 1990 o deslocamento da mão-de-
continuidade, a experiência, o tempo: obra empregável da indústria para o setor de
La experiencia, la continuidad de la conciencia serviços3 foi acompanhado da escolha, por parte
en que perdura lo no presente y en que el ejerci- dos empregadores, de pessoas com maior es-
cio y la asociación fundan una tradición en el colaridade para cargos em que conhecimentos
individuo singular del caso, queda sustituida por básicos seriam suficientes.
un estado informativo puntual, deslavazado, in- A escola, para desenvolver habilidades e
tercambiable y efímero, al que hay que anotar competências, como hoje é fortemente defen-
que quedará borrado en el próximo instante por
dido, encontra-se algo ultrapassada se conside-
otras informaciones; ... (ADORNO, 1971, p. 260)
radas as necessidades sociais. Quando essas
Assim, não só em relação aos indivíduos com habilidades e competências não se referem ao
deficiência, a diferenciação individual tem sido convívio social e à incorporação da cultura, pela
obstada pela tendência regressiva do progres-
so, que torna a formação aquém do que pode- 2
Se a sociedade analisada por Marx (1978), constituída por
ria ser, posto que ela tende a ocorrer externa- classes sociais, tinha na economia um forte alicerce na sua
mente ao indivíduo, sem uma relação imanente estrutura, isso indicava a passagem de uma sociedade de
carência de produção para uma outra de produção abundan-
com os conteúdos que são apreendidos. te. Como a atual sociedade resolveu economicamente essa
Se as normas da modernidade se associam questão, resta o problema político: o usufruto dos bens por
todos; se os motivos econômicos continuam preponderan-
ao trabalho e à técnica, os indivíduos com defi- tes em nossos dias, os são em função da dominação política.
ciência são diferentes também devido a elas, e 3
Área que também está sendo automatizada, podendo pres-
têm, em geral, dificuldades de ser tão eficien- cindir de empregos.

22 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007
José Leon Crochík

qual a subjetividade se constitui, conforme foi dem se valer para expressar os seus desejos,
assinalado, mas ao preparo para o trabalho, as suas preocupações e medos, e essa expres-
devemos considerar que esse último já não é são é parte da possibilidade da diferenciação.
imprescindível, mesmo sob a forma de empre- Assim, o patrimônio da cultura deve estar dis-
go, para a produção dos bens necessários para ponível a todos para que seja apropriado, ainda
todos, como o era em outros tempos. Se a quan- que isso não implique métodos iguais para to-
tidade de trabalho necessário para a produção dos. Claro que se a escola mudasse seus obje-
diminuiu e se a exigência para o trabalho é ob- tivos, no sentido indicado, a necessidade da
jetivamente menor, volta a pergunta: que signi- avaliação deveria ser repensada. Já são visí-
fica educar para o trabalho? Este é um objetivo veis, na atualidade, algumas propostas escola-
anacrônico, e se ele se mantém é como crença, res que se contrapõem ao modelo tradicional,
como ilusão. Poderíamos já, tendo em vista as mas para que se disseminem é necessário com-
condições objetivas, ter uma educação que se bater os limites da sociedade atual, ainda cal-
volte para a vida. Algo disso está presente nas cada na relação capital-trabalho e em suas
proposições dos parâmetros curriculares, como ilusões.
o combate à discriminação, por exemplo, mas Há aproximadamente meio século Adorno
não parece suficiente. (1995) enfatizou que a educação só faz sentido
Assim, a luta pela modificação dos objeti- se for para a auto-reflexão, para o combate à
vos escolares e, portanto, da escola não se res- barbárie. Se a escola não se modificou subs-
tringe às crianças que têm dificuldades em tancialmente no intento de cumprir esses obje-
aprender, como às que têm deficiência mental, tivos, implica que continua a reproduzir, sem ter
por exemplo. Vale para todos os indivíduos. Se consciência disso, o que socialmente produz a
a questão da deficiência é contraditória à efici- violência: a necessidade da sobrevivência alia-
ência necessária para o trabalho, e se esse já da à competição. Isto é, a escola contemporâ-
não encontra sustentação objetiva para conti- nea tem uma limitada contribuição para
nuar a ser exigido de todos nós como outrora, formação de indivíduos que transcenda a luta
isso não significa que a escola não deva mais pela existência, ao mesmo tempo que incremen-
existir; ela é uma das principais instituições res- ta os impulsos necessários à competição e, por-
ponsáveis pela transmissão da cultura e, como tanto, à dominação. O objetivo da escola de
dito antes, sem a incorporação da cultura o in- formar para a eficiência, ainda que importante,
divíduo não tem como se diferençar; assim ela reproduz uma diferenciação, tida como natural,
deveria alterar os seus objetivos e, em conse- mas que é socialmente gerada: a hierarquia dos
qüência, seus métodos. mais e menos aptos; o indivíduo com deficiên-
Os indivíduos com deficiência mental são cia está na base dessa hierarquia. A escola para
diferençados pela discriminação, que os coloca a qual queremos atribuir o objetivo da inclusão
em um lugar desprezado socialmente. Mas não já se mostrava problemática antes desse movi-
é dessa diferenciação que tratamos até aqui, mento social; mais do que isso, como visto, ela
mas daquela que permite aos indivíduos se de- se tornou anacrônica, tendo em vista as mu-
senvolverem e se diferenciarem uns dos outros danças sociais que tornam prescindíveis boa
para além de suas condições materiais, corpó- parte do trabalho (alienado) humano.
reas etc. Isto é, uma diferenciação que vá além Antes de passarmos para a próxima parte
da discriminação por categorias. Ela pode ser deste texto, sublinhamos a título de síntese que:
pensada superando-se a dicotomia expressa no 1 - a contraposição entre as tendências para
início deste texto entre normalização e diferen- a normalização e para a diferenciação individu-
ciação, posto que implica a incorporação tam- al é falsa, posto que a normalização, se essa é
bém das normas culturais para que ocorra. entendida como a aquisição e o desenvolvimento
Quanto mais diversificada uma cultura, mais dos universais humanos, tais como a linguagem
instrumentos existem de que os indivíduos po- e o pensamento, deve servir de meio para a

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007 23
Normalização e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do filme ‘Os dois mundos de Charly’

diferenciação, sem a qual ela não é possível. intelecção envolve não só a separação do es-
Isto também diz respeito aos indivíduos com pectador do filme, mas também o envolvimento
deficiência, posto que sem a cultura não se di- com os personagens e com a trama. O duplo
ferenciam para além da deficiência, que é sig- movimento se dá com a multiplicidade possível
nificada culturalmente; e apresentada na sensibilidade que o diretor trans-
2 - a inclusão social deve ser pensada se- mite para a sensibilidade do espectador. Um fil-
gundo novas formas de convivência que não me não retrata diretamente a realidade, mas a
somente as requeridas pelo mundo do trabalho, visão da realidade do diretor, que apresenta um
tendo em vista que o avanço social já permite mosaico. Segundo Benjamin (1989), o filme é
que seja dedicado um mínimo de esforço de adequado à sensibilidade moderna habituada a
todos para a reprodução de bens necessários choques contínuos sem relação entre si, à vi-
para a sobrevivência da humanidade. Trata-se vência, mas é tarefa do esclarecimento, por meio
de uma luta política que, considerando o desen- do pensamento e da linguagem, relacionar o que
volvimento econômico, já pode reivindicar di- se encontra separado. No caso do filme em
reitos iguais para todos. questão, a relação entre os diversos momentos
diz respeito também à construção do tempo no
tempo da obra. Tempo da transformação de
2. “Os dois mundos de Charly” Charly, daquilo que era – alguém com deficiên-
cia mental – para aquilo que passou a ser, por
O filme “Os dois mundos de Charly” foi re- meio de uma operação – alguém dotado de in-
alizado em 1968 por Ralph Nelson, e traz a dis- teligência acima da média. Tempo que ele e
cussão da normalização da deficiência mental Algernon – o rato cobaia que se submeteu à
ou da resignação a ela4 . Charly tem deficiên- operação antes de Charly e que também au-
cia mental e após se submeter a uma neuroci- mentou a sua inteligência – gastam para des-
rurgia passa a ter uma inteligência acima da cobrir o caminho no labirinto5 ; tempo que Charly
média, sendo que, antes dele, alguns ratos tam- levou para aprender o conteúdo escolar; tempo
bém se submeteram a essa cirurgia com bons que ele levou para operar a máquina de fazer
resultados. Com o tempo – a fase 5 após a ope- pães6 ; tempo defasado em que Charly amadu-
ração, o rato Algernon morre, indicando a to- receu cognitivamente em comparação com o
dos que o êxito da cirurgia era temporário e tempo de seu desenvolvimento afetivo7 ; tempo
que, portanto, Charly voltaria a ser como antes, que Charly levou para buscar a solução de seu
o que acabou acontecendo. problema8 . São tempos de comparação, tem-
Ao longo do filme são mostradas as ativida- pos de separação, tempos de descoberta, tem-
des de Charly na padaria onde trabalhava, lim- pos de reconhecimento, perenidade e aflição
pando o chão; as aulas no curso noturno que presentes nas visões distintas do amanhã da
freqüentava para melhorar sua alfabetização;
4
o quarto que alugava; a balança na qual se di- Deve-se sublinhar que nesse filme, datado da década de
1960, de movimentos sociais expressivos que lutavam por
vertia; e suas relações – antes e após a cirurgia modificações sociais e culturais, a discussão sobre a diversi-
– com a professora, com os seus colegas de dade em relação às pessoas com deficiência ainda não se
apresentava com a força de hoje.
trabalho e com a locadora de seu quarto. Esse 5
Charly competia com Algernon quanto ao tempo que
é um resumo do filme que certamente não lhe necessitariam para chegar ao fim de um labirinto. O labirin-
faz justiça, mas penso que suficiente para a to de Algernon era percorrido com o corpo, e o labirinto
desenhado para Charly, pela mão.
análise que se segue. 6
Após a cirurgia, um colega o desafiou a operar a sua máqui-
Analisar um filme envolve necessariamente na, algo que levou tempo para aprender, e Charly, de imedi-
a intelecção do que o diretor quis apresentar, ato, consegue operá-la.
7
além da interpretação daquilo que é mostrado O afetivo nesse caso se refere especialmente aos seus
desejos sexuais.
como conteúdo manifesto. O conteúdo e a sua 8
Ao saber que voltaria a ser como antes, Charly tenta
forma de transmissão são inseparáveis. Essa encontrar uma saída para que isso não ocorra.

24 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007
José Leon Crochík

professora e de Charly. Charly prevê as bodas o tempo dos objetos e não mais convivemos com
de ouro, no casamento com a professora; essa eles. Segundo Benjamin (1989), os objetos na
prevê o café da manhã seguinte. O tempo é de modernidade tendem a perder a sua aura, já
superação do tempo e da impossibilidade des- não suscitam mais o nosso olhar que, assim
sa. O tempo que leva da não diferenciação para como as palavras, quanto mais permite proxi-
a diferenciação e dessa para a não diferencia- midade, mais longe nos leva. O olhar para o
ção. Não é o tempo que aperfeiçoa os homens indivíduo que têm deficiência mental – para a
e as coisas, como propõe Joubert, citado por sua lerdeza de movimento – , o olhar do indiví-
Benjamin (1989), nem o tempo da recordação, duo com deficiência para os seus objetos pe-
como busca Proust. O passado – Charly com dem pela proximidade que nos leva longe, sem
deficiência mental – é negado e só aparece precisar voar.
como desespero, quando Charly procura reagir Charly sem deficiência perde os amigos que
a ele, buscando, pela ciência, não retornar a ter nunca teve9 : “É igual a lei da gravidade, diz ele,
deficiência. mais inteligência significa a perda de amigos”.
Ora, a luta de Charly para não se tornar o Charly está sozinho, nós estamos sozinhos.
que era é compreensível para nós. Implica, no Esse, contudo, é o resultado do movimento do
entanto, algo de universal: a negação da fragili- progresso da civilização. Horkheimer e Ador-
dade de nossa infância individual e coletiva, que no (1985) nos lembram: “... a socialização uni-
é correlata ao desejo de regressão à natureza versal, esboçada na história de Ulisses, o
que, segundo Horkheimer e Adorno (1985), gera navegante do mundo, e na de Robinson, o fa-
a crueldade: “Extirpar inteiramente a odiosa, bricante solitário, já implica desde a origem a
irresistível tentação de recair na natureza, eis solidão absoluta, que se torna manifesta ao fim
aí a crueldade que nasce na civilização malo- da era burguesa. Socialização radical significa
grada, a barbárie, o outro lado da cultura” (p. alienação radical.” (p. 66)
106). Se o regresso ao passado significa fragi- O desenvolvimento da inteligência, possível
lidade a ser negada, o tempo deve ser negado. com a socialização radical, nos põe a distância
O tempo do que é significativo para nós deve daqueles que superamos. Assim, como quere-
ceder lugar ao tempo dos relógios. Para os que mos negar o passado como algo já superado,
se movem sob a égide dos ponteiros do relógio, aqueles que superamos por nossa inteligência
a lentidão dos que têm deficiência mental gera se separam de nós. Charly, ao se tornar mais
irritação, pois, assim como negam o passado, inteligente do que seus colegas de trabalho, é
desaprenderam a se voltar ao amanhã, a um abandonado por eles. Por ter deficiência men-
projeto, uma vez que a rapidez é resposta de- tal não pertencia propriamente ao grupo de co-
sesperada a poder morrer no segundo seguin- legas (era humilhado por esses); já como
te; é o medo de não ter tempo para concluir a inteligente não pode mais pertencer (os cole-
tarefa. Na luta de Charly para negar o passa- gas se sentem humilhados por ele). Somente a
do, esse é igualado à morte. Segundo a frase inteligência medíocre, isto é, a que está no limi-
de Bernard Shaw, citada no filme, a transfor- te das tarefas cotidianas não é alvo nem de des-
mação dada pelo conhecimento gera a sensa- prezo e nem de medo. A amizade para Charly
ção de algo que perdemos, mas que o filme não é possível com a sua deficiência e nem como
mostra que não perdemos. alguém que se destaca pela inteligência. O so-
A impaciência que temos com a lentidão dos litário não quer solidão, como ocorre com a per-
que têm deficiência revela a repulsa do domí- sonagem de Proust na busca do tempo perdido,
nio do tempo dos objetos sobre nós. Marx (1978) que para escrever sobre a vida mundana afas-
indica que com o desenvolvimento da maquina-
ria o homem se torna apêndice da máquina; 9
Após operar a máquina de fazer pães, algo que seria supos-
deve, assim, obedecer ao seu ritmo. Mas, com tamente impossível para Charly, seus colegas pedem para
a construção do tempo dos relógios, destruímos que ele seja demitido.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007 25
Normalização e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do filme ‘Os dois mundos de Charly’

ta-se dela. No caso de Charly, a lembrança do com dificuldades, busca a possibilidade daquilo
passado, ao qual resiste a retornar, é forte e o que não é: ser inteligente, ver o mundo. Essa
leva a tentar conseguir o que não tinha antes: a comparação, de outro lado, faz sentido, se lem-
amizade. Das reações dos colegas de Charly brarmos que o homem da civilização industrial
depreende-se que ninguém deve se diferençar ‘perdeu’ o olfato com a predominância da vi-
para pior ou para melhor, e que ninguém deve são. O cheiro nos aproxima ou nos distancia de
ser diferente do que é. imediato do objeto, o qual, por sua vez, para
“A neurose resulta da perda de contato com continuar a ser visto, pede pela distância. Mais
o universal”, expressa o universitário, ao início um elemento da solidão radical. Não que a vi-
do filme, citando Jung. O universal contém as são não seja importante, mas seu desenvolvi-
idéias de eternidade, perenidade e perfeição que mento não deveria nos mutilar outros sentidos.
se contrapõem à limitação e às imperfeições No labirinto exibido no filme, e também repre-
das contingências mundanas. O imperfeito – sentado pela saída cirúrgica, não se procura a
todos nós – tem o lugar do excluído-incluído no saída, mas o seu fim: para Algernon, o rato, a
universo perfeito, apontando para aquilo que morte, para Charly, o retorno, o sempre igual10 ;
somos e não queremos ser. Dessa forma, o efê- será a morte?
mero, o particular, não tem importância frente Charly, antes da operação, queria ser mais
ao eterno; a idéia do universal tolhe qualquer esperto, tinha a percepção de que era diferente
particular, como se ele não fosse constituído de pois não percebia o que os outros diziam, falta-
particulares. Além disso, a tentativa do concei- va-lhe algo para compreender o que é ‘prema-
to – representando o universal – coincidir com turamente científico’. As respostas que deu à
o objeto obsta a percepção particular desse úl- platéia de cientistas11 mostram o retorno à bar-
timo, algo próprio do preconceito. Isso não sig- bárie dado pela padronização da cultura; assim,
nifica que o conceito não seja importante para a ciência não deu conta de seus objetivos. A
que possamos superar as dificuldades existen- impotência da cultura e da ciência frente a Char-
tes e sobrevivermos, mas quando ele tenta co- ly é a impotência frente ao homem. Esse che-
incidir com o objeto, não deixando restos, gou a um estágio da cultura no qual a razão
aniquila as possibilidades de liberdade desse úl- onipotente é irracional. A idiotização da cultura
timo. A palavra, o conceito, pode aprisionar ou refletida nas guerras, na padronização da edu-
libertar; quando não guarda distinção do objeto, cação pelos meios de comunicação, é fruto de
o aprisiona: sua sofisticação, alheia aos interesses de proxi-
Antes, o juízo passava pela etapa de pondera- midade entre os homens. Ela – a cultura – não
ção, que proporcionava certa proteção ao sujei- é irracional por tentar fazer os homens melho-
to do juízo contra uma identificação brutal com o res do que são, mas por tentar anular neles o
predicado. Na sociedade industrial avançada, que os difere dos animais: a própria compreen-
ocorre uma regressão a um modo de efetuação são dos limites.
do juízo que se pode dizer desprovido de juízo, Charly é considerado inferior, e na sua fala,
do poder de discriminação. (HORKHEIMER;
quando despedido da padaria, a pedido dos co-
ADORNO, 1985, p. 188)
legas, mostra o significado dessa inferiorização:
A comparação apresentada entre a inteli- “Ninguém ri de um cego, de um deficiente físi-
gência do rato e a do homem, se centrada na co, mas ri daqueles que têm deficiência men-
inteligência, na compreensão do problema, é tal”. Quem tem deficiência é o semelhante-di-
insustentável, dado o instrumental e o objetivo ferente, consegue compreender que lhe falta
que cada um deles – Algernon e Charly – têm.
Algernon, principalmente, pelo olfato, sem ter a 10
O desespero de Charly operado aparece num labirinto, no
qual em cada cruzamento encontra seu outro eu.
‘visão’ do todo (o labirinto), busca aquilo de que 11
Com o resultado da operação, os cientistas responsáveis
foi privado – o alimento. Charly, utilizando a vi- por ela reuniram cientistas do mundo todo, para fazer ques-
são como instrumento de uma mente que ‘vê’ tões a Charly, isto é, para confirmar o êxito obtido.

26 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007
José Leon Crochík

algo para ser igual aos outros, o que o torna ça bruta, mas enquanto força bruta e não no
semelhante aos demais. É um ‘incluído-excluí- seu sentido social, que a obrigaria a se voltar
do’ da cultura, é aceito para fazer determina- para o bem comum e à compreensão da possi-
dos trabalhos, mas é ridicularizado. Quando bilidade de pessoas diferentes conviverem. As
Charly mostrou, na padaria, ser mais inteligen- respostas de Charly à platéia de cientistas mos-
te do que os outros, continuou a ser diferente, tram isso. O que é questionável, então, não é só
pois, então, os outros é que passaram a se sen- o ato do cientista, mas o que move a ciência e a
tir ridicularizados. O encontro do Charly inteli- sua separação da moral e do mundo. A ques-
gente com o Charly ridicularizado, vivido pelo tão é: por que tornar Charly inteligente, no sen-
garçom desastrado12 , cessa o riso. Da solidari- tido em que o filme denota inteligência? Por que
edade, movida pela identificação, e não pela julgá-lo deficiente? Charly responde à platéia
compaixão, o homem pode se reconciliar com de cientistas: para ver o mundo, e ele vê guer-
o seu outro ‘eu’, mas isso só ocorre após Char- ras, tristeza, destruição.
ly saber que voltará a ser o que era, e foge da Mas vê também o prazer, o amor. O amor
lembrança, no labirinto, no qual em todos os que via antes da operação quase que aparece
cruzamentos se reencontra. na lembrança da mãe, que não era a mãe, e sim
O diferente-semelhante gera o ódio pelo di- a mulher da instituição que punha a mão em
ferente por lembrar o quão próximos estamos sua cabeça. Não era só a ausência de inteli-
dele, e o quanto nos esforçamos por dele nos gência que lhe negava o amor, o abandono tam-
afastar. Queremos modelar o diferente, tal qual bém. O despertar da sexualidade, expressado
modelamos a massa do pão. O direito de Char- nos quadros de Charly, levaram à dupla inter-
ly se tornar mais semelhante aos outros, pela pretação: o cientista defendia que o pensamen-
experiência científica, e o dever dos cientistas to abstrato se expunha na tela; a cientista que o
de conseguir isso perpassa o filme. Será que desenvolvimento emocional não acompanhara
Charly tinha condições de optar pela operação? o intelectual; num caso e no outro, a sexualida-
Será que o médico deveria ser responsabiliza- de de Charly é negada. É negada também pela
do eticamente por fazer experiências com se- professora, quando ele a beija e abraça à força,
res humanos, sem antes ter experimentado o e a sua resposta é chamá-lo de ‘retardado’. É
suficiente com animais? necessário que Charly viaje, namore, tome dro-
A primeira questão nos coloca frente a um gas, para voltar e ser aceito como homem por
paradoxo. Trata da autonomia da razão para ela.
poder escolher, de alguém que supostamente O cientista sabia que o êxito da operação
não tem essa capacidade, mas compreende que poderia ser temporário, mas tudo é temporário,
com a operação, no caso, pode ser mais igual e esse é o sentido que se extrai da frase de
aos outros. A segunda questão envolve, além Einstein dita no filme e da recusa da professora
do aspecto ético, algo que lhe é inseparável, que em se casar com Charly. O que é permanente
é a epistemologia. Impossível não associar os é a deficiência à qual ele está condenado. O
ratos da fase cinco com a idéia de computado- balançar do personagem repete sempre o mes-
res de última geração. A inteligência é associa- mo movimento: se move para voltar ao mesmo
da à capacidade de trabalhar com variáveis lugar; do vôo às alturas retorna à proximidade
abstratas, com o pensamento formal, e é esse da terra.
que é utilizado pelos cientistas para tornarem O sorriso estúpido de Charly frente aos co-
possível a operação de Charly, e que é requisi- legas ilude a impotência frente aos zombetei-
tado dele para resolver o seu problema. O per- ros, que lembra a impotência desses frente à
correr o labirinto para Charly não tem sentido,
assim como o culto à inteligência humana que, 12
Em um bar, Charly, que já sabe que retornará ao que era,
vê um garçom derrubar a sua bandeja com copos; enquanto
dissociada de seu aspecto ético, leva à regres- todos riem, Charly o ajuda. Nesse ato, faz todos cessarem o
são, à barbárie. A inteligência substituiu a for- riso.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007 27
Normalização e diferenciação do indivíduo com deficiência mental: uma análise do filme ‘Os dois mundos de Charly’

obediência à Carta Magna, que desconhecem rar a cultura da natureza é infrutífera. No seu
mas a qual se submetem. Contrasta com o olhar texto, Mal-estar na civilização, Freud (1986)
sério e triste de Charly frente à impotência que argumenta que o sentido da vida para os ho-
tem: quando de posse do universal da razão, mens é sua felicidade e que o progresso, ape-
tem de se submeter aos limites dessa. O que sar de sua inegável importância, não tem
Charly deseja com a operação é compreender contribuído com esse objetivo. Segundo
o que os amigos dizem para ser mais amigo Horkheimer e Adorno, o progresso ainda está
deles, e não para ver as coisas como são. Charly envolvido com a necessidade de dominação, que
e os cientistas se enganaram. Charly perdeu Freud não deixou de relacionar com a onipo-
seus amigos, e os cientistas perderam a razão tência infantil. O avanço da sociedade racional
de Charly. trouxe consigo a regressão infantil. Os desejos
A solidão parece ser a marca do filme. Char- não só não se desenvolvem na sua possível bus-
ly, a professora, a locadora. O animal domésti- ca de objetos, como regridem à sua expressão
co preenche o espaço da comunicação mais primitiva.
impossível com o outro. Cuidamos do animal No que tange aos que têm deficiência men-
de estimação para que ele nos dê algo em tro- tal, a cultura atual tenta lhes proporcionar a
ca. Mas ele precisa ser domesticado. Quando possibilidade de sua incorporação e assim a
obtém a inteligência, Charly não é mais domes- possibilidade de expressão e elaboração dos seus
ticável, não precisa mais de cuidados, para, em desejos. As possibilidades da busca de objetos
troca, ter de abarcar a manifestação dos senti- consoantes a esses desejos, contudo, ainda são
mentos dos outros. Mas ele busca a domesti- em boa parte obstadas: amizade, amor, escola-
cação de seus sentimentos na procura do rização e trabalho (mesmo com os limites ex-
casamento. Quer se casar com a professora- plicitados no início deste texto).
mãe-mulher, criadora e castradora; no casa- Até que ponto os que têm deficiência men-
mento, vê a perenidade. Mas ele precisa viajar, tal conseguirão ir é difícil dizer, ainda que as
se separar da criadora, para que ela veja nele perspectivas sejam promissoras. Mas da dis-
um outro, que não a sua criação, aceitando-o cussão que contrapõe normalização à diferen-
como amante, e não como marido. O casamento ciação, podemos dizer que ambas são
só é aceito pela professora quando ela tem a importantes: não dizem respeito unicamente aos
garantia de que ele irá acabar. Frente à possibi- que têm deficiência, mas a todos nós. Todos
lidade da ilusão, o personagem prefere ficar só. passamos pelo processo de socialização para
Limite de Charly, limite dos homens. podermos viver uma vida humana, isto é, em
civilização. A socialização, por meio de suas
normas e transmissão da cultura, deveria nos
3. Considerações finais diferençar. Quanto mais incorporarmos da cul-
tura, mais poderemos elaborar, expressar e bus-
A questão discutida neste texto envolve uma car os objetos e objetivos importantes para nós.
dialética: a dos limites. Os homens têm, histori- Essa interpretação também pode ser feita do
camente, superado limites e, ao mesmo tempo, filme analisado, a crítica de Charly à nossa cul-
buscado negá-los. Somos natureza e mais do tura envolve a sua padronização e tendência
que natureza. Se desconhecermos os limites de destrutiva. Qualquer alteração na socialização
nossa natureza, perdemos qualquer objetivo, toda só é possível com alterações profundas na so-
finalidade que dela emana. Os desejos, segun- ciedade. Se essa é uma sociedade que enfatiza
do a psicanálise, levam à busca de objetos que a eficiência e a competição, dificilmente os
tentam satisfazê-los. Para essa busca precisa- menos competitivos terão um lugar que não seja
se da imaginação, dos símbolos, da inteligência, o de menosprezo. Se por outro lado nos dermos
mas eles remetem ao corpo. A definição de conta de que a eficiência pode, em boa parte,
desejos ilustra que a discussão que tenta sepa- ficar a cargo das máquinas e que a competição

28 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007
José Leon Crochík

não é necessária para a sobrevivência dos ho- nhum de nós – incluindo os que têm deficiência
mens e entre os homens, poderemos ter uma – precise sofrer a ameaça do abandono devido
sociedade efetivamente humana, na qual ne- aos seus limites.

REFERÊNCIAS

ABRAMOWICS, Anete. Educação inclusiva. In: SANTOS, Gislene A.; SILVA, Divino José da (Org.). Estu-
dos sobre a ética: a construção de valores na sociedade e na educação. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2002.
p. 299-311.
ADORNO, Theodor W. Teoria de la pseudocultura. In: HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W.
Sociologica. Tradução de Victor Sánchez de Zavala. Madri: Taurus ediciones, 1971. p.233-267.
_____. De la relación entre sociología y psicología. In: ADORNO, Theodor W. Actualidad de la filosofia.
Tradução de José Luís Arantegui Tamayo. Barcelona: Ediciones Paidós Ibérica. 1991. p.135-204.
_____. Sobre sujeito e objeto. In: _____. Palavras e sinais. Tradução de Maria Helena Ruschel. Petrópolis:
Vozes, 1995. p.181-201.
HORKHEIMER, Max; ADORNO, Theodor W. Dialética do esclarecimento. Tradução de Guido Antonio de
Almeida. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.
BENJAMIN, Walter. Sobre alguns temas em Baudelaire. In: _____. Charles Baudeleire: um lírico no auge
do capitalismo. Tradução de José Martins Barbosa e Hemerson Alves Baptista. São Paulo: Brasiliense, 1989.
FREUD, Sigmund. El mal estar em la cultura. In: BRAUSTEIN, Nestor, A. (Org.). A medio siglo de el mal estar
en la cultura de Sigmund Freud. México: Siglo Veintiuno, 1986. p. 13-116.
LESSA, Carlos et al. Pobreza e política social: a exclusão nos anos 90. Praga: Hucitec, 1997. n.3, p.63-87.
(Estudos marxistas)
MARCUSE, Herbert. Eros e civilização. Tradução de Álvaro Cabral. Rio de janeiro: Zahar, 1981.
MARINI, Ruy Mauro. Proceso y tendencias de la globalización capitalista. Praga: Hucitec, n. 3, p. 89-107,
1997. (Estudos marxistas)
MARX, Karl. O capital: crítica da economia política. 9. ed. Tradução de Reginaldo Sant’Anna. São Paulo:
Difel, 1984. (Livro primeiro, v. 1)
MITTLER, Peter. Educação inclusiva: contextos sociais. Tradução de Windiz Brazão Ferreira. Porto Alegre:
Artmed, 2003.

Recebido em 30.10.06
Aprovado em 30.10.06

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 19-29, jan./jun., 2007 29
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari

O QUE PENSAM E SENTEM CRIANÇAS NÃO DEFICIENTES


EM RELAÇÃO ÀS DEFICIÊNCIAS E À INCLUSÃO:
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

Camila Mugnai Vieira *


Fátima Elisabeth Denari **

RESUMO

O presente artigo apresenta uma revisão bibliográfica de estudos sobre


concepções e atitudes de crianças não deficientes em relação às deficiências
e à inclusão. Os principais resultados são apresentados, com o intuito de realizar
algumas reflexões sobre o tema. De modo geral, as pesquisas indicam uma
falta de conhecimento das crianças em relação às deficiências, e determinadas
deficiências parecem ser percebidas mais facilmente que outras. Alguns estudos
indicam que as crianças reproduzem as concepções sociais sobre as pessoas
com deficiência e as vêem como dependentes e incapazes. Os dados coletados
sobre a escolarização de crianças com deficiência, a aceitação social delas e
as atitudes em relação à inclusão são bastante diversos. Apesar de os resultados
ainda serem variados e até contraditórios, a maioria dos estudos indica que o
contato com pessoas deficientes e o acesso a informações sobre o tema podem
contribuir para a construção de concepções mais adequadas e atitudes positivas.
Os resultados também apontam para a necessidade de ampliação de pesquisas
e intervenções sobre o tema.
Palavras-chave: Atitudes sociais – Concepções – Crianças – Deficiências –
Inclusão

ABSTRACT

WHAT CHILDREN WITHOUT DISABILITIES THINK AND FEEL


ABOUT DISABILITIES AND INCLUSION: A REVIEW OF
LITTERATURE
The present article presents a review of literature of conceptions and attitudes
of children without disabilities concerning disabilities and inclusion. Our study

* Psicóloga formada pela Universidade Estadual de Londrina, atua no Ambulatório de Saúde Mental da Prefeitura de
Cândido Mota-SP. Mestre em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Univer-
sidade Federal de São Carlos. Endereço para correspondência: Rua Coronel Siqueira Reis, 45, Jardim Estoril – 17514-
320 Marília-SP. E-mail: camilamugnai@gmail.com
** Mestre em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação Especial e Doutora em Educação, área
de Metodologia de Ensino, pelo Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal de São Carlos.
Professora adjunta do Depto. de Psicologia e do Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Universidade
Federal de São Carlos. Endereço para correspondência: Programa de Pós-Graduação em Educação Especial da Univer-
sidade Federal de São Carlos. Rodovia Washington Luis, Km 235 – 13565-905 São Carlos/SP. E-mail:
fadenari@terra.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007 31
O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica

reveals lack of information about disabilities. and that some disabilities seem to
be perceived more easily than others. Some studies indicate that the children
reproduce social conceptions about people with disabilities, as they see them
as incapable and dependent. The data collected about education of children
with disabilities, their social acceptance and attitudes toward inclusion are very
diverse. Although the results are still varied and sometimes contradictory, the
majority of the studies indicates that contact with people with disabilities and
access to information about the subject can contribute to the construction of
more appropriate conceptions and positive attitudes. The results also indicate
the necessity to develop more research and intervention about this subject.
Keywords: Social attitudes – Conceptions – Children – Disabilities – Inclusion

Introdução O presente trabalho faz parte de uma dis-


sertação de mestrado (VIEIRA, 2006)1 que
A proposta da educação inclusiva baseia-se teve como objetivos analisar concepções, sen-
nos pressupostos de que todos podem e devem timentos e atitudes de crianças não deficientes
fazer parte da vida escolar comunitária, tendo sobre a deficiência mental e a inclusão, e avali-
suas necessidades educacionais e sociais aten- ar os efeitos de um programa informativo que
didas. Propõe-se que se escolarize na rede re- trata da temática. Neste artigo será apresenta-
gular de ensino todas as crianças, buscando da uma revisão bibliográfica de estudos reali-
recursos do ensino comum sempre que possí- zados em diferentes países sobre concepções
vel, na direção de uma participação cada vez e atitudes infantis em relação às deficiências e
mais integral com os demais alunos. à inclusão, com a síntese dos principais resulta-
Stainback e Stainback (1999) apontam que, dos encontrados, com o intuito de realizar algu-
para se efetivar uma real inclusão educacional mas reflexões sobre o tema.
e social, são necessárias muitas transformações
nos âmbitos políticos, curriculares, estruturais,
ideológicos, de formação e capacitação profis- O processo de estigmatização: as-
sional, entre outros. pectos da aprendizagem e do con-
Além destes, há outro aspecto que merece texto social
atenção quando se fala em inclusão, que é o
aspecto social, as relações humanas envolvi- As pessoas aprendem desde muito cedo
das no processo. A inclusão refere-se a intera- valores, noções de normalidade e anormalida-
ções entre pessoas que possuem crenças, de, a julgar o que é belo e feio e o que é certo e
valores e atitudes construídas socialmente ao errado. Aprende-se por orientação direta dos
longo da história de sua cultura e de sua vida, e parentes e professores, por regras sociais, por
que perpassam sua forma de entender o mun- observação de modelos, por mensagens veicu-
do e relacionar-se com a diversidade humana. ladas na mídia ou em livros infantis. Assim, as
Considerando tais aspectos, torna-se funda- crianças aprendem quais os grupos estigmati-
mental a ampliação de estudos que não se ocu- zados e os estereótipos sobre estes. Segundo
pem apenas das pessoas com necessidades Coleman (1986), as crianças usam a reação
educacionais especiais ou com deficiência, mas emocional e as interpretações alheias para for-
também das relações que estas mantêm com o mar suas próprias.
mundo à sua volta, e das representações e ati-
tudes construídas na sociedade acerca dos de- 1
Pesquisa financiada pela CAPES – Coordenação de Aper-
ficientes, que interferem no processo de feiçoamento de Pessoal de Nível Superior, na forma de
inclusão. Bolsa de Mestrado PROESP.

32 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari

Pensando no desenvolvimento infantil, o es- desenvolvida posteriormente por Adorno; a te-


tigma pode estar relacionado a vários proces- oria da aprendizagem social, de Bandura e Mis-
sos de aprendizado e socialização. Dentre os chel; e a teoria do desenvolvimento cognitivo,
principais, estão: capacidade de discriminar o de Piaget.
“eu” do “não eu”, pessoa de não pessoa, e uma Segundo a teoria psicanalítica, a estigmati-
pessoa da outra; capacidade de categorizá-las zação reflete conflitos internos originados em
em grupos; formação da própria identidade; in- experiências da tenra infância, possivelmente a
terpretação do comportamento dos outros; e restrição aos impulsos sexuais. A estigmatiza-
respostas diferentes às discriminações feitas ção seria a expressão de mecanismos de defe-
(SIGELMAN e SINGLETON, 1986). sa, como a projeção, ou seja, atribuir ao outro
Sigelman e Singleton (1986) discutem resulta- características suas, e o deslocamento, que se
dos de estudos na área de desenvolvimento que refere à expressão de frustração ou a senti-
indicam que dos sete meses até os três anos a mentos negativos com relação a um grupo, não
criança desenvolve a diferenciação clara e o tra- sendo possível expressá-los com relação ao real
tamento distinto entre pessoas conhecidas e des- grupo que os originou. Esses conflitos internos
conhecidas. Assim, desde muito cedo, as crianças podem gerar uma “personalidade autoritária”,
criam esquemas ou modelos cognitivos para ca- uma pessoa hostil e rígida diante das diferen-
tegorização. Por volta do final do primeiro ano ças, o que resulta na restrição de suas intera-
geralmente ocorre a chamada ansiedade frente ções sociais. A maior importância dessa teoria
ao estranho. Conseqüentemente, diante de uma parece ser a retomada dos aspectos emocio-
pessoa desconhecida, ou que a criança não dis- nais, muitas vezes negligenciados.
crimina em sua gama de categorias cognitivas, A teoria da aprendizagem social defende que
ela pode reagir com medo, rejeição, ou choro. Isso o aprendizado da estigmatização ocorre como
ocorre pelo perigo que o estranho representa, pela o aprendizado de outros comportamentos, por
incerteza e insegurança que gera, necessitando a meio da observação de modelos e especialmente
criança defender-se. Além do mais, as reações devido às conseqüências dos comportamentos,
dos pais diante de estranhos podem influenciar as que vão mantê-los ou diminuir sua freqüência.
reações infantis. Não se entende que essa reação Dessa maneira, o fundamental em tal teoria é a
ao estranho possa se transformar em estigmati- importância dada ao ambiente social.
zação, embora reações desta ordem possam con- Segundo a teoria do desenvolvimento cogni-
ter um tipo de protótipo para ela, que indicaria que tivo, as crianças constroem o conhecimento in-
todas as pessoas têm um potencial para a estig- ternamente em função da maturação e das
matização e que o seu desenvolvimento vai de- experiências de interação. São desenvolvidos
pender da experiência social no crescimento estágios subseqüentes do conhecimento, quali-
(SIGELMAN e SINGLETON, 1986). tativamente diferentes, que seriam bases univer-
Algumas teorias do desenvolvimento podem sais do desenvolvimento infantil. A estigmatização
auxiliar na compreensão de como as pessoas se desenvolveria nesse processo de construção
estigmatizam determinados grupos em função do conhecimento pelas crianças, assim como o
de sua maturação enquanto seres humanos e desenvolvimento de sua moralidade (SIGEL-
de suas experiências específicas de aprendiza- MAN e SINGLETON, 1986).
gem desde a infância. Essas teorias podem au- Apesar das variadas explicações que podem
xiliar na compreensão de como as crianças se auxiliar na compreensão das reações das pes-
sentem e agem diante de pessoas com defici- soas sem deficiência diante das com deficiên-
ência, uma vez que os deficientes formam um cia, pode-se dizer que elas englobam elementos
grupo bastante estigmatizado na sociedade atual. cognitivos, afetivos, sociais e comportamentais,
Sigelman e Singleton (1986) descrevem al- desenvolvidos de acordo com a interação de
gumas teorias sobre o tema, entre elas a teoria aspectos maturacionais com o meio ambiente,
psicanalítica, baseada nos preceitos de Freud e a cultura e o momento sócio-histórico. Pode-se

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007 33
O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica

afirmar também que, independentemente dos e emocionais das deficiências, indicando ver as
mecanismos que geram tais reações, de um pessoas com deficiência como indivíduos tris-
modo geral elas criam “barreiras atitudinas”. tes, sem amigos, incapazes de brincar. Quanto
Essas barreiras são ações ou comportamentos ao futuro, também foram apresentadas visões
discriminatórios dirigidos a algo ou alguém, que pessimistas de que as pessoas com deficiência
se concretizam nas relações interpessoais ba- não poderão trabalhar nem manter relaciona-
seadas em estereótipos e que funcionam como mentos afetivos mais íntimos.
“entrepostos” entre as pessoas. São baseadas Ferreira (1998) realizou um estudo com 192
no desconhecimento vivencial e intelectual e têm crianças de cinco a oito anos, alunas da pré-
como componentes ambivalentes emoções e escola e da primeira série das redes munici-
opiniões ambíguas (AMARAL, 1996). pal, estadual e particular da cidade de
Segundo Coll e Miras (1995), em um estudo Londrina-PR, com o objetivo de investigar as
específico da interação entre alunos e profes- suas concepções acerca da deficiência men-
sores, as pessoas constroem representações tal. Os resultados revelaram uma ausência de
umas das outras em suas interações, baseadas informações sobre deficiência por parte das
na história pessoal, nos valores e na cultura de crianças participantes. A partir disso, a autora
cada um. Isso ocorre mediante diferentes me- desenvolveu um programa informativo sobre
canismos: por informações prévias cedidas por o tema por meio da realização de diversas ati-
terceiros, pela observação mútua direta de suas vidades educacionais e lúdicas, cujos dados,
características e seus comportamentos, marca- de modo geral, indicaram transformações con-
da pela impressão inicial, e por uma observa- sideráveis nas concepções, atitudes e senti-
ção continuada. mentos das crianças a ele submetidas,
indicando uma assimilação dos conteúdos tra-
balhados. Participaram do programa 148 cri-
Concepções e atitudes infantis em anças da pré-escola e primeira série, sendo
relação à deficiência: o que di- que esse trabalho representa uma das raras
zem as pesquisas intervenções acerca do tema no Brasil.
Marques, Moreira, Maria e Passos (1997),
Magiati, Dockrell e Logotheti (2002) reali- em uma pesquisa realizada com crianças da
zaram um estudo na Grécia com 83 crianças rede pública municipal de Juiz de Fora-MG so-
de oito a onze anos sobre a variedade de defici- bre suas concepções a respeito da deficiência,
ências, sua natureza e causas. As crianças fo- observaram que as crianças relacionam a defi-
ram entrevistadas e avaliadas por uma escala, ciência à falta, ausência e especificamente a
e muitas delas apresentaram respostas inapro- um corpo imperfeito. Assim, aspectos de maior
priadas ou não souberam responder às ques- visibilidade foram mais citados entre as crian-
tões. Com relação aos tipos de deficiências aos ças na definição de deficiência. Muitas delas
quais as crianças se referiram, 70% foram de- apresentaram uma visão do deficiente como
ficiências físicas e apenas 18% problemas cog- extremamente dependente, inclusive para rea-
nitivos ou mentais. Segundo os autores, além lizar atividades básicas. Com relação ao futuro,
de as crianças perceberem mais rapidamente as crianças entrevistadas também disseram que
as deficiências com características mais visí- as pessoas com deficiência não podiam traba-
veis, as identificam porque geralmente estas lhar, partindo da idéia de déficit social. Algu-
exigem mais técnicas e equipamentos diferen- mas sugeriram adaptações e possibilidades de
ciados, possíveis de serem observados, como trabalho, segundo determinadas condições,
por exemplo cadeira de rodas, máquina de es- como a escolha de atividades adequadas e a
crita Braile, linguagem de sinais, próteses, en- utilização de equipamentos.
tre outros. As crianças apresentaram concep- Algumas diferenças quanto às idades pude-
ções estereotipadas sobre as implicações sociais ram ser observadas. As crianças de sete anos

34 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari

ressaltaram a falta, a ausência de membros ou ses especiais para deficientes e a outra metade
funções; as de oito anos citaram a necessidade de escolas sem alunos deficientes. Muitas cri-
de cura para a convivência social; as de nove anças apresentaram dificuldades em responder
anos mostraram-se dispostas a ajudar; e as se conheciam uma pessoa com deficiência e
mais velhas apresentaram discursos de carida- de caracterizar a pessoa conhecida, mesmo
de e demonstraram ter piedade pelas pessoas aquelas que estudavam em escolas com clas-
com deficiência, devido à sua impossibilidade ses especiais. Assim, a autora concluiu que,
de viver uma vida normal. A maioria das crian- apesar de freqüentarem o mesmo espaço es-
ças não acredita na escolarização de todos de- colar, as crianças pareciam não estar interagin-
ficientes, em função de alguns tipos de do. Alguns alunos deram a impressão de não
deficiência que impossibilitam a realização de ter conseguido caracterizar as pessoas com
algumas atividades escolares. Elas falaram das deficiência que conheciam pela invisibilidade da
necessidades de ajuda às pessoas com defici- deficiência. E várias crianças (43,9%) descre-
ência e de sua disponibilidade em ajudá-las. Os veram os deficientes pelas características ne-
pesquisadores interpretaram esses relatos como gativas observadas, como anomalias e limita-
uma combinação de sentimentos de solidarie- ções. No mesmo estudo, o deficiente foi descrito
dade e piedade. como incapaz e improdutivo, dependendo de
Lewis (1995) desenvolveu várias pesquisas ajuda não apenas nas questões acadêmicas, mas
com crianças acerca do tema, na Inglaterra. Entre também no atendimento a necessidades bási-
algumas de suas descobertas pode-se destacar cas. Quanto à possibilidade de as crianças com
que, quando as crianças são questionadas para deficiência estudarem, a grande maioria (48 de
descrever pessoas com deficiência, geralmente 64 no total) respondeu positivamente, enquanto
citam a deficiência física, por ser a mais facil- treze responderam negativamente e três colo-
mente reconhecida e compreendida. As crian- caram restrições. Todavia, 65,4% responderam
ças de até cinco anos percebem a deficiência que as crianças deveriam estudar em escolas
física e as deficiências sensoriais, enquanto os ou classes de ensino especial, enquanto 28,8%
problemas emocionais só são percebidos a partir responderam que deveriam estudar em escolas
dos oito anos. Segundo Lewis (1995), se a crian- e classes comuns. Entre os motivos apresenta-
ça tem familiaridade com uma deficiência, pode dos pelos alunos para não estudarem com cri-
generalizar características desta para outras de- anças com deficiência foram citadas as dificul-
ficiências que não conhece. dades acadêmicas e o possível aumento de
Diamond e Kensinger (2002), nos Estados trabalho para os professores e todos os cole-
Unidos, entrevistaram 21 crianças pré-escola- gas. Nenhum aluno citou a possibilidade de o
res após estas assistirem a vídeos sobre crian- professor de ensino especial participar da in-
ças com deficiência física e outras com clusão ou trabalhar conjuntamente com o pro-
Síndrome de Down. A deficiência física foi mais fessor do ensino comum.
percebida e compreendida que a deficiência Batista e Enumo (2004) estudaram a intera-
mental. Nesse estudo, algumas crianças ver- ção entre alunos com deficiência mental e seus
balizaram que as crianças com Síndrome de colegas de sala, em escolas de Vitória-ES, por
Down teriam conseguido realizar as atividades meio de testes sociométricos e filmagens das
no vídeo se tivessem se esforçado mais, evi- interações. A pesquisa indicou que as crianças
denciando uma incompreensão da deficiência com deficiência mental foram menos aceitas,
mental. mais rejeitadas e permaneceram isoladas dos
Martins (1999) entrevistou 64 crianças do demais alunos da sala.
ciclo I do ensino fundamental de escolas de Resultados semelhantes foram encontrados
Marília-SP sobre diferentes aspectos da inclu- na Austrália por Roberts e Zubrick (1993), em
são de alunos com deficiência, sendo metade cujo estudo foram levantados apontamentos
dos alunos entrevistados de escolas com clas- negativos sobre alunos com deficiência por parte

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007 35
O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica

de alunos sem deficiência, que relacionaram podem precisar de ajuda em alguns momentos.
comportamentos inadequados e problemas aca- Isso pode cansar ou irritar algumas das outras
dêmicos percebidos à sua aceitação do defici- crianças, que não estão acostumadas a espe-
ente. Ray (1985) também evidenciou concep- rar, ter paciência ou tolerância.
ções negativas dos alunos sem deficiência com Bussab (1997), de São Paulo, discute estu-
relação aos deficientes. dos experimentais sobre comportamentos pró-
Roberts, Pratt e Leach (1991) observaram sociais em crianças. A empatia é vista em
a interação de crianças com deficiência, inte- muitos estudos como mediadora de comporta-
gradas a uma escola comum. Os dados indica- mentos pró-sociais e de ajuda. Porém, altos ní-
ram que as crianças com deficiência não veis de angústia diante do sofrimento do outro
interagiram diferentemente das outras na sala revelaram-se prejudiciais aos comportamentos
de aula e com seus professores. Porém, nos de ajuda, tendo as crianças a tendência de fo-
recreios, essas crianças não eram tão solicita- calizar-se em seus próprios sentimentos em
das quanto as outras e mostravam-se isoladas detrimento do outro nestas situações. No en-
ou interagindo com adultos. tanto, outras pesquisas descritas pela autora
Glat (1995), no Rio de Janeiro, coletou rela- mostram resultados contrários e relacionam a
tos de crianças que temiam a contaminação pela ansiedade diante do sofrimento do outro a uma
criança com deficiência. Além desses dados, preocupação com ele e um aumento do com-
pais de crianças sem deficiência disseram sen- portamento de ajuda. Alguns estudos citados
tir-se temerosos com a interação de seus filhos pela autora mostram diferenças quanto ao gê-
com crianças com deficiência na sala de aula, nero, sendo que na pré-escola as meninas de-
supondo que seus filhos poderiam imitar com- monstram mais comportamentos sociais que os
portamentos inadequados ou ter seu desenvol- meninos.
vimento comprometido. Lee, Yoo e Bak (2003) realizaram, na Co-
Mulderij (1996), na Holanda, apresenta re- réia, observações de pares formados por cri-
sultados semelhantes aos de Roberts et al. anças sem deficiência e crianças com
(1991), nos quais crianças já indicam “barrei- deficiência, comparando-os com pares forma-
ras atitudinais” pelo desconhecimento ou não dos apenas por crianças sem deficiência. Os
compreensão da deficiência, excluindo os cole- autores levantaram, como principais tipos de
gas com deficiência de situações de jogos. As interação social relatados por crianças sem de-
atividades comuns da infância, como brincar, ficiência com relação a crianças com defici-
são essenciais para socialização. As crianças ência, o “brincar juntos” e “ajudar o outro”, o
com deficiência geralmente não participam de que revela a possibilidade de relacionamentos
tais atividades, apenas interagem com familia- de troca nas amizades e de interações basea-
res e profissionais. Em instituições especiais e das na ajuda prestada pela criança sem defi-
ambientes restritos, as crianças com deficiên- ciência à deficiente.
cia diminuem suas possibilidades de aprendiza- York et al. (1992) entrevistaram crianças do
do de iniciação e manutenção de amizades com ensino comum que estudavam em classes com
crianças não-deficientes. Mulderij (1996) rela- alunos deficientes integrados, nos Estados Uni-
tou que algumas limitações do corpo impossibi- dos. As crianças mostraram reconhecer atri-
litam a participação de crianças com deficiência butos positivos dos deficientes, ter respeito por
em algumas brincadeiras, mas a não aceitação eles enquanto indivíduos e estar dispostas a
delas nas brincadeiras não ocorre apenas por auxiliá-los. A grande maioria das crianças
esse motivo, mas também apenas com a justifi- (89,5%) mostrou-se a favor da integração, em
cativa de serem deficientes. Segundo a pesqui- função da importância para os deficientes de
sadora, as crianças com deficiência podem estar entre os normais e para os alunos sem
necessitar de um tempo maior para aprender deficiência aprenderem mais sobre seus cole-
as brincadeiras ou para se adaptar a elas, e gas com deficiência. Apesar de a maioria ser a

36 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari

favor da integração, muitos (78,4%) restringi- de desenhos e figuras para serem avaliados por
ram a participação dos deficientes a algumas elas. Os participantes indicaram atitudes positi-
aulas. vas, visão das habilidades dos deficientes, dis-
Krajewski, Hyde e O’keeffe (2002) estuda- ponibilidade para brincar e ajudar, diferente-
ram as mudanças ocorridas nas concepções de mente de alguns estudos que mostram
jovens estudantes americanos de 1987 a 1998, isolamento e rejeição (BATISTA e ENUMO,
referentes às deficiências, utilizando um inven- 2004, RAY, 1985, ROBERTS e ZUBRICK,
tário multidimensional, com escalas que avalia- 1993). Segundo Tamm e Prelliwitz (2001), pode
ram questões sobre integração, direitos, crenças ser que isso tenha ocorrido por essa ser uma
e proximidade social. Os resultados indicaram situação hipotética e não real. As crianças, de
distinções quanto ao gênero, tendo as mulheres modo geral, perceberam os obstáculos que as
apresentado atitudes mais positivas que os ho- crianças com deficiência física enfrentam. Hou-
mens. Uma importante diferença encontrada no ve diferenças de gênero quanto às sugestões
período foi um aumento nas atitudes positivas de feitas, sendo que os meninos referiram-se mais
todos, mas especialmente nas dos homens. Os à necessidade de equipamentos e as meninas à
autores atribuem essas mudanças às transfor- ajuda e serviços humanos. Também foi obser-
mações nas escolas e ao crescimento dos ambi- vada uma diferença entre as crianças de seis e
entes inclusivos de 1987 a 1998. oito anos quanto ao caráter permanente da de-
Vayer e Roncin (1989) realizaram um estu- ficiência, tendo as mais novas certa dificuldade
do com crianças de quarta e quinta séries de de compreendê-lo, imaginando que as deficiên-
classes com deficientes integrados, na França. cias pudessem ser curadas ou fossem passa-
Em seus relatos, as crianças participantes dis- geiras. As crianças já podem falar de aspectos
seram que as crianças deficientes precisam ser mais abstratos, segundo o autor, mas quando
ajudadas, e apresentaram certa culpabilidade questionadas, e não voluntariamente.
nas respostas, algumas se sentindo capazes de
ajudar e outras não. Outro tema comum foi o
medo, especialmente relacionado à reação da Síntese dos resultados e considera-
sociedade à deficiência. As crianças não se ções finais
sentiam superiores aos deficientes, recusavam-
se a fazer um julgamento negativo sobre o com- De modo geral, as pesquisas indicam um
portamento deles, e a deficiência era vista como grande desconhecimento das deficiências por
injustiça. Ainda no estudo de Vayer e Roncin parte das crianças. Os dados indicam assimila-
(1989), a maioria das crianças disse que os de- ções de informações equivocadas ou falta de
ficientes deviam ficar entre os normais, e que a acesso às mesmas, possibilitando, assim, a cri-
integração era benéfica também para os pais. ação de explicações fantasiosas e carregadas
A tendência à zombaria foi reconhecida, mas muitas vezes de estereótipos e preconceitos. A
passageira. As crianças falaram da necessida- falta de conhecimento sobre o tema é apresen-
de de os adultos, especialmente os professores, tada mesmo por crianças em ambientes inclu-
darem mais atenção a tais alunos e apresenta- sivos, o que indica a escassez de trabalhos
ram as mesmas atitudes de procura, aceitação educacionais sobre a temática, voltados à po-
e tolerância com relação aos deficientes quan- pulação infantil (FERREIRA, 1998; MAGIATI
do comparados com outras crianças sem defi- et al., 2002; MARTINS, 1999).
ciência. Os autores apontam o recreio como Alguns tipos de deficiência parecem ser
um momento fundamental, no qual a interação percebidos mais facilmente pelas crianças, ain-
pode ser enriquecida. da na pré-escola, enquanto outros passam sem
Tamm e Prelliwitz (2001) realizaram um ser percebidos até o primário. As crianças mais
estudo na Suécia com quarenta e oito crianças novas reagem a aspectos visíveis das outras
pré-escolares e do primário, com a utilização pessoas. No caso da deficiência, aspectos físi-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007 37
O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica

cos e necessidade de equipamentos são perce- bilidades de interações positivas, as pesquisas


bidos mais prontamente por elas. Apenas mais indicam resultados diversos. Algumas indicam
tarde notam deficiências mentais e, posterior- uma visão negativa da escolarização do defici-
mente, problemas de conduta (SIGELMAN e ente no ensino comum, em função de dificulda-
SINGLETON, 1986). Dados dessa natureza des que ele possa vir a apresentar, prejudicando,
foram encontrados por Diamond e Kensinger assim, seu próprio aprendizado, em função de
(2002), Lewis (1995), Magiati et al. (2002) e problemas que possa vir a causar ao ambiente
Marques et al. (1997). escolar, impedindo a rotina dos outros alunos.
Alguns estudos indicam que as crianças pa- As pesquisas apontam ainda para a exclusão
recem reproduzir as concepções vigentes na do aluno com deficiência pelos demais alunos e
sociedade sobre as pessoas com deficiência, para concepções bastante negativas e equivo-
vendo-as como dependentes, incapazes, sem cadas sobre ele (BATISTA e ENUMO, 2004;
perspectivas de futuro e de uma vida plena. Isso GLAT, 1995; MARQUES et al., 1997; MUL-
é evidenciado nos estudos de Magiati et al. DERIJ, 1996; RAY, 1985; ROBERTS et al.,
(2002), Marques et al. (1997) e Martins (1999). 1991; ROBERTS e ZUBRICK, 1993).
Os resultados de algumas pesquisas indicam Alguns achados apontam para posiciona-
diferenças nas concepções e nos relatos, de acor- mentos contraditórios entre as crianças com
do com as idades ou os gêneros (MARQUES et relação ao tema e para sentimentos ambivalen-
al., 1997; TAMM e PRELLIWITZ, 2001). Se- tes (BUSSAB, 1997; MARQUES et al., 1997).
gundo Sigelman e Singleton (1986), as crianças A questão da inclusão é polêmica, pois algu-
de idade pré-escolar apresentam maior aceita- mas crianças parecem aceitá-la, porém parci-
ção de colegas com corpos perfeitos do que de almente. As crianças também indicam uma falta
colegas com deficiências físicas. As crianças de articulação entre o ensino regular e o ensino
parecem reagir à percepção inicial, à aparência especial em seu cotidiano, como pode ser ob-
de normalidade ou não. Apesar disso, não pare- servado na pesquisa de Martins (1999).
ce haver grandes indícios de preconceito e atitu- Há ainda os estudos que indicam atitudes
des negativas com relação às pessoas deficientes positivas e aceitação social do deficiente por
nessa faixa etária. Em crianças mais velhas, as crianças (LEE et al., 2003; TAMM e PRE-
reações parecem mais influenciadas pelas con- LLIWITZ, 2001; VAYER e RONCIN, 1989;
cepções dos pais e pelos valores culturais. As YORK et al., 1992).
crianças passam a aprender quais as respostas Apesar de os resultados ainda serem varia-
e atitudes socialmente aceitas ou politicamente dos e até contraditórios, alguns apontando para
corretas com relação à deficiência. Assim, quan- atitudes e concepções negativas de crianças,
do são acessadas informações verbais ou de base com relação às pessoas com deficiência, e ou-
racional, é encontrado menos preconceito com o tros indicando concepções e atitudes positivas,
passar dos anos. Mas, observações e estudos a maioria dos estudos em diferentes partes do
que buscam evitar a possibilidade de o sujeito mundo indica que o contato com pessoas defi-
saber as respostas esperadas indicam que quan- cientes e o acesso a informações sobre o tema
do são acessados aspectos emocionais ou com- podem contribuir para a construção de concep-
portamentais, o preconceito aumenta com a ções e atitudes mais favoráveis. Dessa forma,
idade. De acordo com os autores, estudos socio- o aumento do contato em ambientes inclusivos
métricos mostram que crianças e adolescentes produziria concepções e atitudes mais positivas
avaliam pessoas com deficiência mais negativa- e benefícios para todos os envolvidos (MAGI-
mente que as outras, depositando-lhes menos ATI et al., 2002).
créditos sociais. A maioria dos trabalhos ainda volta-se ape-
Com relação à escolarização de crianças nas para o levantamento e descrição das con-
com deficiência, quanto à aceitação destas por cepções e atitudes infantis, sendo os trabalhos
parte das crianças sem deficiência e às possi- de intervenção ainda escassos, especialmente

38 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007
Camila Mugnai Vieira; Fátima Elisabeth Denari

os sistematizados e disponíveis à população em conclusões de várias das pesquisas citadas an-


geral, sobretudo no Brasil. Ainda mais raras são teriormente, entende-se como necessária a am-
as investigações aprofundadas sobre os efeitos pliação de pesquisas desta natureza, que
de programas informativos ou de mudanças de produzam conhecimento científico sobre a rea-
atitudes sobre o tema. Tendo em vista a evi- lidade e subsidiem intervenções mais eficazes
dente importância de intervenções acerca des- à construção de facilitadores ao processo de
sa temática junto a crianças, indicadas nas inclusão.

REFERÊNCIAS

AMARAL, L. Deficiência: questões conceituais e alguns de seus desdobramentos. Cadernos de Psicolo-


gia, Belo Horizonte, n. 1, p. 3-12, 1996.
BATISTA, M. W.; ENUMO, S. R. F. Inclusão escolar e deficiência mental: análise da interação social entre
companheiros. Estudos Psicológicos, Natal, v. 9, n.1, p. 101-111, jan./abr. 2004.
BUSSAB, V. S. R. O desenvolvimento de comportamentos pró-sociais na criança: considerações sobre a
natureza dos fatores e dos processos envolvidos. Temas em psicologia, Ribeirão Preto, n. 3, p. 19-26, 1997.
COLEMAN, L. M. Stigma: an enigma demiystified. In: AINLAY, S. C.; BECKER, G.; COLEMAN, L. M.
(Orgs.). The Dilemma of Difference: a multidisciplinary view of stigma. New York: Plenumm Press, 1986. p.
211-231.
COLL, C.; MIRAS, M. A representação mútua professor/aluno e suas repercussões sobre o ensino e a
aprendizagem. In: COLL, C; PALÁCIOS, J.; MARCHESI, A. (Orgs.). Desenvolvimento psicológico e educa-
ção: psicologia da educação. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. v. 2, p. 265-280.
DIAMOND, K.; KENSINGER, K. Vignettes from Sesame Street: preeschooler’s ideas about children with
Down Syndrome and physical disability. Early Education and Development, v. 13, n. 4, p. 409-422, Oct. 2002.
FERREIRA, S. L. Aprendendo sobre a deficiência mental: um programa para crianças. São Paulo: Memnon,
1998.
GLAT, R. A integração social dos portadores de deficiências: uma reflexão. Rio de Janeiro: Sette Letras,
1995.
KRAJEWSKI, J. J.; HYDE, M. S.; O’KEEFFE, M. K. Teen attitudes toward individuals with mental retardation
from 1987 to 1998: impact of respondent gender and school variables. Education and Training in Mental
Retardation and Developmental Disabilities, v. 37, n.1, p. 27-39, 2002 .
LEE, S.; YOO, S.; BAK, S. Characteristics of friendship between children with and without mild disabilities.
Education and Training in Developmental Disabilities, v. 38, n.2, p.157-166, Jun. 2003.
LEWIS, A. Children’s Understanding of Disability. London: Routledge, 1995.
MAGIATI, I.; DOCKRELL, J. E.; LOGOTHETI, A. E. Young children’s understanding of disabilities: the
influence of development, context and cognition. Journal of Applied Developmental Psychology, v. 23, p.
409-430, Sept. 2002.
MARQUES, L. P.; MOREIRA, E. V.; MARIA, G. J.; PASSOS, N. S. A concepção infantil da deficiência.
Temas sobre desenvolvimento, São Paulo, v. 35, n. 6, p. 8-14, 1997.
MARTINS, G. A. H. A integração do deficiente na classe comum: o ponto de vista de alunos do ciclo I do
ensino fundamental. Dissertação (Mestrado em Educação) – Faculdade de Filosofia e Ciências, Universida-
de Estadual Paulista, Marília, 1999.
MULDERIJ, K. J. Research into the lifeword of physically disabled children. Child: Care, Health and
Development, v. 22, n. 5, p. 331-322, 1996.
RAY, B. M. Measuring the social position of the mainstreamed handicapped child. Exceptional Children,
New York, v. 52, n. 1, p. 57-62, 1985.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007 39
O que pensam e sentem crianças não deficientes em relação às deficiências e à inclusão: revisão bibliográfica

ROBERTS, C.; PRATT, C.; LEACH, D. Classroomand playgrond interaction of students with and without
disabilities. Excepcional Children, New York, v. 57, n. 3, p. 212-224, 1991.
ROBERTS, C.; ZUBRICK, S. Factors influencing the social status of children with mild academic disabilities
in regular classrooms. Exceptional Children, New York, v. 59, n.3, p. 192-202, Dec./Jan. 1993.
SIGELMAN, C. K.; SINGLETON, C. Stigmatization in childhood: a survey of development trends and issues.
In: AINLAY, S. C.; BECKER, G.; COLEMAN, L. M. (Orgs.). The Dilemma of Difference: a multidisciplinary
view of stigma. New York: Plenumm Press, 1986. p. 185-208.
STAINBACK, S.; STAINBACK,W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas, 1999.
TAMM, M.; PRELLWITZ, M. If I had a friend in a wheelchair: children’s thougths on disabilities. Child:
Care, Health and Development, v. 27, n. 3, p. 223-240, 2001.
VAYER, P.; RONCIN, C. A integração a criança deficiente na classe. São Paulo: Manole, 1989.
VIEIRA, C. M. Programa informativo sobre deficiência mental e inclusão: efeitos nas atitudes e concep-
ções de crianças não-deficientes. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Faculdade de Educação,
Universidade Federal de São Carlos, São Carlos, 2006.
YORK, J. et al. Feedback about integrating middle-school students with severe disabilities in general education
classes. Exceptional Children, New York, v. 58, n. 3, p. 244-258, Dec./Jan. 1992.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 23.01.07

40 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 31-40, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

DOCÊNCIA E INCLUSÃO:
reflexões sobre a experiência de ser professor
no contexto da escola inclusiva

Viviane Preichardt Duek *


Maria Inês Naujorks **

RESUMO

O presente estudo, de cunho qualitativo, inserido no Programa de Pós-Graduação


em Educação da UFSM/RS, buscou alcançar uma compreensão da experiência
de ser professor na escola inclusiva. Participaram do estudo seis professoras
de uma escola estadual de Santa Maria, RS, que trabalham com alunos com
necessidades especiais no ensino fundamental. As informações, obtidas através
de observações e entrevistas, foram analisadas à luz dos pressupostos da
Abordagem Centrada na Pessoa, de Carl Rogers, como o self e as atitudes
facilitadoras do professor. As reflexões produzidas neste trabalho nos apontam
que ser professor no cenário da escola inclusiva exige desprendimento e abertura
existencial, no sentido de se aceitar e acolher o outro em sua diferença,
possibilitando devires para a aprendizagem do aluno e do professor. A inclusão,
para as professoras do estudo, representa um desafio devido, sobretudo, à
ausência de formação em educação especial. Para elas, um espaço para
compartilhar saberes e experiências é fundamental para o aprimoramento da
sua prática. Nesse sentido, a escola assume lugar privilegiado de aprendizagem,
uma vez que, com a inclusão, o professor é convidado, constantemente, à criação
e re-invenção de suas ações e de si mesmo, num processo de (auto)formação.
Palavras-chave: Inclusão escolar – Prática docente – Formação de professores

ABSTRACT

EDUCATIONAL PRACTICE AND INCLUSION: wondering about the


experience of being professor within the context of an inclusive school
This qualitative research was realized at the graduate program in Education
from the Federal University of Santa Maria, Brazil. We aimed to understand

* Doutoranda no Programa de Pós-Graduação em Educação da Universidade Federal do Rio Grande do Norte. Mestre
em Educação e especialista em Educação Especial pelo Programa de Pós-Graduação em Educação - CE/UFSM. Espe-
cialista em Educação Infantil pela UNIFRA. Endereço para correspondência: Universidade Federal do Rio Grande do
Norte, Centro de Ciências Sociais Aplicadas, Av. Salgado Filho, s/n, Departamento de Educação, Sala 14, Campus
Universitário, Lagoa Nova – 59078-970 Natal/RN. E-mail: vividuek@hotmail.com
** Doutora em Psicologia Social - USP/SP. Professora do Departamento de Educação Especial, credenciada no Progra-
ma de Pós-Graduação em Educação - CE/UFSM. Endereço para correspondência: Universidade Federal de Santa
Maria, Centro De Educação, Av. Roraima, Campus Universitário, Camobi – 97105-900 Santa Maria/RS. E-mail:
minau@terra.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 41
Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto da escola inclusiva

the experience of being a professor within the context of an inclusive school,


investigating the ways professors of regular classes perceive the reality of
working with students with special educational needs (SSEN). Data was
collected using interviews and observations with six teachers of a public school
at Santa Maria, RS, who work with SSEN. The analysis was based upon the
Person Centered Approach, including its relevant factors such as Carl Rogers’
concept of self. We conclude that being professor in an inclusive school requires
an open-minded’s profile, in order to accept and to receive the other with its
difference, making possible learning opportunities for both, student and professor.
For the teachers involved in this study, inclusion constitutes a great challenge
to be surpassed, and the relationship with SSEN can change their way of
perceiving and is related to the phenomenon of deficiency in the context of the
inclusive school, where professors are invited to create and re-invent their
actions and themselves.

Keywords: Scholar inclusion – Educational practice – Teacher’s vocational


formation

1. Introdução parcela dos professores, de que não são capa-


zes de trabalhar com o aluno com necessida-
A inclusão, enquanto princípio educacional, des educacionais especiais, pois não foram
volta-se para a construção de um projeto de preparados durante o seu percurso acadêmico.
ensino-aprendizagem norteado pelo respeito e Diante desse cenário, passamos a nos inda-
a valorização das diferenças, visando oferecer gar acerca de como professores do ensino re-
a todos os alunos, não obstante suas peculiari- gular, sem formação na área da educação
dades, a oportunidade de construir o conheci- especial, que não optaram por trabalhar com o
mento no cerne da escola comum. aluno com necessidades educacionais especi-
Nessa direção, a inclusão desafia o profes- ais no ensino regular, vêm lidando com essa
sor, que precisa educar alunos fundamentalmen- realidade. A fim de responder tal questionamen-
te diferentes num mesmo espaço, qual seja, a to, realizamos um estudo com o propósito de
escola regular. Isso vem exigindo que o docen- compreender a experiência de ser professor no
te seja capaz de atuar em ambientes diversos e contexto da escola inclusiva, investigando o
com uma população cuja característica maior é modo como percebem e vivenciam essa reali-
a heterogeneidade. dade.
Apesar dos avanços percebidos em relação Trata-se de uma pesquisa de cunho qualita-
ao processo inclusivo, este ainda não represen- tivo, circunscrita a uma escola da rede pública
ta um consenso, suscitando reações e posicio- estadual de Santa Maria, RS, reconhecida pelo
namentos diversos e, por vezes, contraditórios, seu pioneirismo no trabalho com a inclusão de
que evidenciam a dificuldade – histórica, diga- pessoas com necessidades educacionais espe-
se de passagem – da escola e dos professores ciais nas classes regulares. Colaboraram com
em compreender e lidar com o que é diferente, a pesquisa seis professoras de séries iniciais do
estranho aos padrões estabelecidos como “nor- ensino fundamental, as quais foram escolhidas
mais”. com base nos seguintes critérios: (a) não pos-
A complexidade gerada pela realidade in- suir formação em educação especial; (b) estar
clusiva confronta o docente com situações, cuja trabalhando com alunos com necessidades edu-
formação inicial não lhe deu condições de an- cacionais especiais no momento da realização
tever. Com isso vigora o discurso, entre uma da pesquisa; (c) desejar de participar do estu-

42 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

do, caracterizando, assim, a sua livre adesão ao 2. Abordagem Centrada na Pessoa:


trabalho. algumas notas teóricas
As informações foram compiladas por meio
de observações e entrevistas semi-estrutura- A Abordagem Centrada na Pessoa (ACP),
das. Na perspectiva de Lüdke e André (1986), de cunho fenomenológico-existencial, tem seus
a observação permite que o pesquisador esta- aportes teóricos ancorados na Terapia Centra-
beleça contato íntimo com o universo pesqui- da no Paciente, mais especificamente na teoria
sado e uma maior aproximação da “perspectiva de personalidade de Carl Rogers (1902-1987).
dos sujeitos”, bem como dos significados que Vale ressaltar que a construção de tal aborda-
atribuem à realidade que os cerca e às própri- gem guarda relação com sua experiência clíni-
as ações. Nesse sentido, as observações rea- ca, haja vista que Rogers formulou muitas de
lizadas contribuíram para o estreitamento dos suas hipóteses a partir da escuta de gravações
vínculos entre as pesquisadoras e as profes- das entrevistas realizadas com seus clientes,
soras participantes, traduzindo-se numa pos- preocupando-se, essencialmente, com o proces-
tura de confiança e envolvimento com a so de transformação da personalidade, com
pesquisa. ênfase, portanto, sobre a dimensão processual
Também foram realizadas entrevistas semi- do ser humano.
estruturadas que, segundo Minayo (2002), re- O self ou autoconceito ocupa lugar central
presentam um instrumento que tem o propósito na teoria de personalidade de Carl Rogers. O
de “dar voz” ao entrevistado, no sentido de self, segundo a perspectiva rogeriana, tem pa-
conhecer o que ele tem a dizer acerca da te- pel fundamental na dinâmica do comportamen-
mática evidenciada. As entrevistas foram re- to humano: “a idéia do eu aparece, pois, como
alizadas no segundo semestre de 2005, com um mecanismo regulador do comportamento”
datas e horários definidos, mediante a disponi- (ROGERS & KINGET, 1975, p. 167).
bilidade das professoras. As entrevistas foram De acordo com Dutra (2000), essa aborda-
divididas em tópicos, e a cada encontro foi gem prioriza o vivido, a experiência subjetiva
entregue uma cópia do roteiro para que cada do indivíduo, ou seja, o mundo interno da expe-
professora pudesse visualizar previamente as riência, onde cada pessoa percebe o meio de
questões, dando maior fluidez à sua fala. O acordo com o seu mundo interno, seus senti-
conteúdo foi gravado em áudio e transcrito na mentos, emoções e experiências, ou seja, de
sua totalidade. acordo com as percepções que ela tem do seu
A análise versou sobre temas que, no nosso estar-no-mundo.
entender, perfazem a experiência de ser pro- Rogers (1975, p. 468) afirma que: “o orga-
fessor no contexto da escola inclusiva. Os da- nismo reage ao campo perceptivo tal como este
dos coletados foram analisados à luz dos é experimentado e apreendido. Este campo é,
pressupostos da Abordagem Centrada na Pes- para o indivíduo, a realidade”. Para ele, cada
soa (ACP), de Carl Rogers, com destaque para percepção é uma hipótese sobre o mundo cir-
o constructo do self e as atitudes facilitadoras cundante. Dependendo de tal hipótese ser con-
do professor. firmada ou refutada pela experiência, a forma
Nosso intuito, com a tessitura do presente como o indivíduo reage ao campo perceptual
texto, é o de compartilhar parte dos achados poderá modificar-se. Pensar-se-ia, então, que
de nossa pesquisa de mestrado, desenvolvida a percepção que cada um tem das suas carac-
no Programa de Pós-Graduação em Educa- terísticas, dos seus afetos, humores, relações e
ção da Universidade Federal de Santa Maria valores, traduzida pelos termos “autoconceito”
(UFSM), visando contribuir para o repensar ou “self”, tem forte influência sobre a conduta
do processo inclusivo, além de mostrar possi- do indivíduo. Em outras palavras, significa di-
bilidades para a instrumentalização do saber- zer que a maneira como o sujeito se comporta
fazer docente. se dá pelo modo como vê/percebe as situações.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 43
Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto da escola inclusiva

Tais idéias, quando pensadas no contexto valores alheios como se fossem seus, os quais,
deste estudo, nos levam a inferir que, embora por sua vez, vão formando parte do seu campo
os professores desenvolvam sua prática peda- perceptual. Isso pode gerar uma certa “distor-
gógica em condições ambientais e materiais ção” entre os sentimentos e sua devida repre-
semelhantes, a experiência de trabalhar com sentação, resultando na alienação em relação à
alunos com necessidades educacionais especi- experiência vivida, chegando a comprometer,
ais no ensino regular é considerada conforme inclusive, a tendência à atualização. A isso Ro-
as percepções de cada um, traduzidas no modo gers denominou de incongruência que, segun-
como esses professores a vivenciam e como do Rezola (1975), ocorre mediante a instalação
se comportam nesse contexto. de um conflito psíquico em virtude da discre-
A Abordagem Centrada na Pessoa parte da pância entre o que acontece em termos orga-
premissa de que o homem possui uma tendên- nísmicos e as percepções conscientes de si
cia auto-realizadora ou atualizante para o mesmo.
crescimento, a qual pode ser compreendida como A incongruência ou inautenticidade é tida
a capacidade interna que todo indivíduo possui como o estado em que o sujeito não consegue
de realização, impelindo o organismo no sentido estar em sintonia com os próprios afetos, nem
da unidade e da autonomia. Nas palavras de expressá-los de modo adequado, ou seja, é a
Rogers e Kinget (1975, p. 159), esse pressupos- representação insatisfatória ou a negação do
to obedece à seguinte proposição: “todo organis- que se pensa ou se sente realmente, compro-
mo é movido por uma tendência inerente para metendo a tendência atualizante (DUTRA,
desenvolver todas as suas potencialidades e para 2000).
desenvolvê-las de maneira a favorecer sua con- A Terapia Centrada no Cliente, dessa for-
servação e seu enriquecimento”. ma, intenta colocar o homem em contato com
Esse movimento natural do organismo é pos- sua experiência organísmica (funcionamento do
sibilitado pelo self, ou seja, pelo conceito que cada corpo e mente de forma indissociável), em sin-
um tem de si mesmo, entendido como aquele que tonia com suas percepções/imagens sobre o
impulsiona o ser para o crescimento e atualiza- próprio eu. Para tanto, Rogers (1961) enfatiza
ção de suas potencialidades. Rogers e Kinget a necessidade de se criar um ambiente favorá-
(1975, p. 167) explicitam que o self é “o critério vel, uma atmosfera em que o cliente se sinta
que ajuda o organismo a selecionar experiênci- seguro e acolhido pelo terapeuta, a fim de que
as: os elementos da experiência que concordam consiga apreender os significados de suas ex-
com a imagem do eu tornam-se disponíveis à periências. O autor acredita que a criação de
consciência, enquanto que os que não concor- um ambiente com tais condições está atrelada
dam com essa imagem são interceptados”. a algumas atitudes facilitadoras por parte da
O self, tal como apreendido na teoria roge- pessoa do terapeuta, quais sejam: a congruên-
riana, refere-se ao conjunto de percepções ou cia do terapeuta, a aceitação positiva incon-
imagens relativas ao “eu”. Seu desenvolvimen- dicional do terapeuta pela pessoa do cliente,
to é de natureza relacional, isto é, envolve as e a compreensão empática do terapeuta para
relações do sujeito consigo mesmo, com os ou- com o outro.
tros que lhe são significativos e com o mundo Criada no contexto da clínica, essa aborda-
circundante, sendo, portanto, um constructo gem veio, mais tarde, influenciar outras áreas
passível de mudanças à medida que o homem do conhecimento, dentre elas a educação. As
avança pela vida e se depara com novas situa- atitudes facilitadoras referentes ao terapeuta são
ções (ROGERS; KINGET, 1975). consideradas, também, como qualidades funda-
Ao longo de sua existência, no entanto, a mentais do professor, cujo papel passa a ser o
fim de preservar a própria estima, o sujeito, de facilitador da aprendizagem.
motivado por essa necessidade básica de con- Vista por esse ângulo, a criação de um am-
servação do conceito de si mesmo, assimila biente favorável está atrelada a três atitudes

44 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

que Rogers (1961, 1971) considera essenciais O pensamento de Rogers sofreu algumas
ao professor (facilitador), quais sejam: a con- atualizações, tais como aquelas propostas por
gruência, pois, para que o ensino resulte efici- Eugene Gendlin, ao introduzir o termo experi-
ente, o professor precisa atuar de maneira encing1 . As contribuições de Gendlin auxilia-
unificada e integrada, sendo autêntico em sua ram na consolidação de alguns pressupostos
vivência junto ao aluno; a aceitação positiva introduzidos por Rogers, ao mesmo tempo em
incondicional do professor em relação ao que o levaram a revisar e reformular outros,
educando, que consiste numa postura de acei- como o próprio conceito de autenticidade ou
tação irrestrita e de respeito à pessoa do aluno, congruência, concebido não mais como uma
no sentido de acolher sua alteridade, respeitan- equação entre o organismo e a consciência, mas
do-o em sua singularidade; e a compreensão como um modo de experienciar a si mesmo num
empática do professor para com o aluno, a dado instante (DUTRA, 2000).
fim de captar seu mundo “como se” fosse o Para Gendlin, a autenticidade representa a
seu próprio mundo. abertura ao mundo, a abertura às experiências,
Compreende-se, assim, que essa abordagem ao vivido, e não mais a simbolização de proces-
está centrada na pessoa, tanto do professor sos conscientes. É um modo de viver a realida-
quando do aluno, e ao fazê-lo, Rogers lança uma de de maneira plena e imediata, tal como ela
nova possibilidade de se pensar o saber-fazer flui no momento, possibilitando que os valores
pedagógico, uma vez que se volta para o relaci- da pessoa procedam de seu organismo, sem que
onamento professor-aluno em detrimento da isso implique uma renúncia dos valores e signi-
aplicação de técnicas. Rogers (1961) argumen- ficados sociais (REZOLA, 1975). Sob essa
ta, aqui, que a eficácia do processo educacio- perspectiva, estar em congruência pressupõe
nal reside na aprendizagem resultante desse uma abertura ao fluxo de experiências, e não
encontro entre pessoas, sem se restringir à ca- mais a simples concordância entre experiência
pacidade intelectual do professor. e consciência.
Nesse entorno, compreendemos que Rogers Nesse contexto, Dutra (2000) nos lembra
atribuiu papel importante aos sentimentos e à que o conceito de self foi revisto pelo próprio
experiência como fator de crescimento pessoal Rogers, a partir das influências do pensamento
(auto-realização). Enquanto a experiência pode de Eugene Gendlin. Tal revisão denota que o
ser compreendida como sinônimo de vivência e conceito de self deixa de ser uma mera per-
de sentimento corporalmente sentido, o termo cepção de si, e passa a priorizar a dimensão
sentimento serve para designar “a significação subjetiva, ao mesmo tempo em que parece con-
pessoal da experiência com um acento afetivo templar o estar no mundo do indivíduo.
ou emocional” (ROGERS; KINGET, 1975, p. Assim sendo, podemos afirmar que, longe
162), abrangendo, ao mesmo tempo, a experi- de ser uma estrutura rígida e imutável, o self é
ência afetiva e a significação cognitiva para o uma entidade passível de novas configurações
indivíduo, tal como é experimentada no contex- mediante as experiências com as quais o sujei-
to vivido, isto é, no momento em que ocorre. to /vai se deparando ao longo de sua existên-
Rezola (1975) nos lembra que a teoria roge- cia. Conforme postula Rogers, a conduta do
riana concebe a adaptação psicológica em ter- indivíduo se encontra ancorada num processo
mos de uma congruência ou coerência entre o perceptivo mutável na relação com o mundo.
organismo e o self. Nesse sentido, entende-se Desse modo, ao ocorrerem mudanças no cam-
que a congruência representa uma espécie de po perceptual ou fenomenal, o comportamento
ajuste interior entre o conceito que a pessoa
tem de si mesma e a sua experiência, isto é, o 1
Rogers & Rosemberg (1977) comentam que Gendlin utili-
indivíduo está familiarizado com todos os senti- za o termo experienciação para se referir a um fluxo
vivencial ao qual o indivíduo pode se voltar repetidas vezes,
mentos e experiências que estão em contínua usando-o como ponto de referência para descobrir o signi-
mudança. ficado de sua existência.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 45
Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto da escola inclusiva

tende a sofrer alterações, revelando a crença socialização. Ao terem na socialização o aspecto


no devir humano e a possibilidade do homem sobressalente da inclusão, essas professoras
ressignificar a própria experiência. deixam transparecer que elementos de ordem
cognitiva estão sendo deixados à margem, o que
encerra o conceito de que os alunos são tidos
3. A experiência de ser professor como incapazes de aprender em razão da sua
no contexto da escola inclusiva: deficiência. Isso sugere um quadro em que a
tecendo compreensões inclusão encontra-se divorciada de aspectos
oriundos da organização escolar, a qual se man-
A coleta dos dados, realizada por meio de tém exonerada de mudanças, a fim de receber
observações e entrevistas semi-estruturadas, e atender todos os alunos em sua singularida-
almejava uma aproximação do modo como a de.
experiência de ser professor na escola inclusi- Compreende-se, portanto, que a inclusão faz
va foi “captada” pelas participantes da pesqui- alusão à capacidade da escola de rever sua
sa, bem como suas maneiras de sentir, pensar e estrutura organizacional como um todo, de modo
(re)agir frente a essa realidade. a atender as necessidades de cada um dos seus
O tratamento dos dados consistiu na sua alunos, engendrando estratégias em favor da
transcrição e leitura exaustiva, resultando em sua formação integral. Uma escola inclusiva
temáticas de análise que, no nosso entender, demanda tempo e comprometimento de todos
melhor traduzem a experiência de ser profes- os envolvidos nesse processo, além de profissi-
sor no contexto da escola inclusiva, e que são: onais abertos e dispostos a assumir o seu papel
1) Percepções acerca da inclusão escolar; 2) de agentes transformadores da realidade.
Percepções sobre o aluno com necessidades Por meio dessa temática, entendemos que a
educacionais especiais; 3) Sentimentos que inclusão traz à tona inúmeros desafios para o
emergem da prática inclusiva; 4) Necessidade professor, mobilizando elementos diferentes e,
de uma equipe de trabalho mais integrada; e 5) por vezes, contraditórios num mesmo indivíduo.
Percepções acerca da formação docente. Sob esse prisma, pensar-se-ia que a noção de
A primeira temática, percepções acerca deficiência é decorrente de uma forma de con-
da inclusão escolar, contempla o olhar das ceber e perceber o outro, fruto de uma elabo-
professoras sobre o processo inclusivo na es- ração psicossocial. Isto é, as imagens da
cola em que atuam, evidenciando maneiras dis- deficiência e da inclusão estão ligadas a con-
tintas de se relacionar com o fenômeno da teúdos oriundos de nosso mundo interno, per-
deficiência/diferença no cotidiano escolar, bem passados por códigos e normas sócio-culturais,
como o vínculo que estabelecem com o seu tra- o que se traduz numa forma de ver e atribuir
balho. significado à realidade.
Algumas falas revelam um modo de ser pro- Em outras palavras, pensar-se-ia que as ati-
fessora no cenário da escola inclusiva que con- tudes e os comportamentos dos professores
diz com a sensação de que a inclusão é algo frente à inclusão refletem concepções de es-
imposto, sem margem para escolhas ou discus- cola e de educação que irão definir formas de
sões a respeito dessa realidade. As professo- ação e interação, bem como potencialidades e
ras, assim, ficam “presas” entre o “ter” e o limitações dos educandos.
“querer” fazer, entre o que gostariam de fazer Entendemos, assim, que essas professoras
e o que conseguem realizar na prática, acarre- não se opõem à inclusão escolar, apenas não se
tando um sistema de desvínculos com o seu tra- sentem parte ativa desse processo, donde com-
balho em que vão, aos poucos, alienando-se da preendemos que ainda existem várias questões
sua experiência vivida. pendentes, uma vez que a vigência de leis que
Outro ponto que merece destaque refere- preconizam a inclusão não é capaz de garantir
se ao sentido de inclusão enquanto sinônimo de a efetivação desse projeto, pois a legislação não

46 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

conduz, necessariamente, a uma nova constru- existentes, maior a probabilidade de tal com-
ção subjetiva acerca desse paradigma. portamento repercutir de maneira negativa so-
A segunda temática refere-se às percep- bre os ritmos de aprendizagem. Em outras
ções sobre o aluno com necessidades edu- palavras, a rigidez nas expectativas acarreta
cacionais especiais, abordando a imagem e dificuldades quanto ao cambiamento de certas
os sentidos que essas professoras atribuem à concepções e práticas em relação ao aluno com
presença deste educando em sala de aula. O necessidades educacionais especiais, ficando
conteúdo das entrevistas elucida que, no uni- ele impedido de avançar na sua aprendizagem,
verso escolar, a diferença tende a se apresen- e assumir, de fato, o seu lugar de aluno.
tar como uma incógnita, sobretudo em se Sobre isso Mantoan (2003a, p. 76) destaca
tratando do outro deficiente que, por suas difi- que “a maioria dos professores tem uma visão
culdades de aprendizagem, destitui a imagem funcional do ensino e tudo que ameaça romper
do que viria a ser um “bom aluno” ou um “alu- o esquema de trabalho prático que aprenderam
no regular”. a aplicar em suas salas de aula é inicialmente
Logo, visões diversas sobre o fenômeno da rejeitado”. Acredita-se, portanto, que a inclu-
deficiência parecem se sobrepor no imaginário são tem a ver com a postura que o professor
das professoras participantes do estudo, deli- assume frente ao que lhe é estranho, desco-
neando um quadro de pouca clareza conceitual nhecido. No caso da deficiência, isso irá de-
por parte delas, traduzido na dificuldade em iden- pender de como o educador percebe a diferença
tificar quem é o aluno com necessidades edu- do outro.
cacionais especiais, que necessidades são essas, Sob esse viés, algumas professoras buscam
se elas existem ou não, e em que casos o aten- traçar uma divisão entre o que é “patológico” e
dimento especializado se faz pertinente. o que é “normal”. A diferença, estabelecida
A imagem de que o aluno com necessida- com base num padrão de referência, faz com
des educacionais especiais é aquele que apre- que as palavras “igual” e “diferente” surjam car-
senta “problemas” ou “dificuldades” de regadas de sentido, cuja ênfase maior parece
aprendizagem vem atrelada aos aspectos clíni- recair sobre a necessidade de determinar o rol
co-patológicos que envolvem o fenômeno da dos “escolarizáveis” e dos “não escolarizáveis”,
deficiência, ainda muito presentes no discurso isto é, dos que conseguem e dos que não con-
dessas professoras e que constituem uma vi- seguem aprender.
são das dificuldades de aprendizagem como algo Nesse ínterim, o diagnóstico, apontado como
inerente ao aluno, subestimando as condições fundamental para que se possam traçar estra-
do meio ao qual estão circunscritas. tégias de ensino com fins de que o aluno “apren-
Percebemos, com essas falas, que para além da”, pode servir, ainda, para avalizar e reiterar
dos conteúdos e recursos metodológicos o en- as antecipações docentes em relação às condi-
contro pedagógico abrange elementos atitudi- ções de aprendizagem desse aluno. Em outras
nais e comportamentais dos professores, os palavras, o diagnóstico – ou a falta de – pode
quais são transpostos para a relação pedagógi- estar contribuindo para situar o lugar ocupado
ca. Segundo Coll, Marchesi e Palacios (1995, pelo educando no contexto da classe regular,
p. 20): “os professores que valorizam, sobretu- equivalendo, não obstante, a um “não lugar”.
do, o desenvolvimento dos conhecimentos e os Em contraposição a essa imagem de inca-
progressos acadêmicos têm mais dificuldades pacidade e impossibilidade, imputada ao aluno
em aceitar os alunos que não vão progredir com com necessidades educacionais especiais, for-
um ritmo normal nesta dimensão”. ma-se outra, em que o educando é tido como
O olhar do professor é que guiará o desen- símbolo de lição de vida e exemplo de força e
volvimento da criança incluída, e quanto maior humanidade. Sob essa ótica, vimos que, a partir
a rigidez de suas expectativas e a tendência de da estranheza gerada no encontro com a dife-
querer enquadrar esse aluno em padrões pré- rença, essas professoras têm conseguido aden-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 47
Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto da escola inclusiva

trar num movimento de busca que envolve a Com a proposta inclusiva, o sentimento de
(auto)descoberta, de si e do outro, como seres impotência é renovado no professor que, ao
inacabados e incompletos, com limitações e deparar-se com o seu “não saber”, anseia por
possibilidades. “receitas”, por uma “solução definitiva” que
A convivência vem representando a pos- venha dirimir seu mal-estar. Esse movimento
sibilidade de uma compreensão maior sobre pode estar sendo motivado pela necessidade do
a realidade e as necessidades dos alunos. A professor de manter sua estrutura de self, o que
experiência de trabalhar com alunos com ne- poderá se desdobrar na perpetuação de práti-
cessidades educacionais especiais parece cas cristalizadas que se constituem em verda-
estar contribuindo para que o professor re- deiras barreiras para a construção de uma
veja seus conceitos e posturas, auxiliando na escola inclusiva. Segundo Mantoan (2003b),
formação de atitudes positivas, de reconhe- face à angústia e ao mal-estar, muitos profes-
cimento e valorização das diferenças, bem sores ficam paralisados, impedidos de ver e re-
como na ressignificação da própria experi- conhecer as diferenças e a riqueza que essas
ência de co-existência. trazem para o desenvolvimento de todos.
O desafio de ensinar todos os alunos na es- A sensação de “não saber o que esperar”
cola, que se quer inclusiva, exige o compromis- ou “não poder contar” com a aprendizagem do
so com indagações, a fim de que o ideal de aluno com necessidades educacionais especi-
turmas homogêneas possa ser revisto, dando ais e, até mesmo, de não estar sendo útil, de
lugar a uma nova postura, de aceitação e de não estar contribuindo para o seu desenvolvi-
abertura ao outro como ser incompleto, dotado mento surgem como desdobramentos da angús-
de sentimentos e potencialidades, o que pode tia dessas professoras. De acordo com Carvalho
servir de elemento facilitador da sua aprendi- (2004a), o receio de muitos professores em tra-
zagem. balhar com o aluno com necessidades educaci-
Os sentimentos que emergem da práti- onais especiais pode ser interpretado como
ca inclusiva, retratados na terceira temática, má-vontade, medo, pouca colaboração ou, ain-
evidenciam que a inclusão mobiliza elementos da, como a tradução do desejo de contribuir para
diversos numa mesma pessoa, não represen- o sucesso na aprendizagem do aluno, para o
tando um consenso entre as professoras do es- qual se sentem desqualificados e, segundo seu
tudo, que se questionam sobre a validade desse autoconceito, incapazes.
processo e os rumos da educação das pessoas Um aspecto emergente nas falas é quanto à
com deficiência, pois estão incertas e insegu- proximidade com o aluno com necessidades edu-
ras de que é possível ensinar TODOS num con- cacionais especiais, que leva o professor a ques-
texto que, por longa data, esteve destinado só tionar ele mesmo, o seu “jeito de ser”, a repensar
para ALGUNS. sua postura profissional e (re)examinar sua pró-
Ao relatarem a sua experiência, esta surge pria vida. Sob esse viés, a angústia pode repre-
perpassada por sentimentos ambíguos, em que sentar o “motor” para um movimento reflexivo,
o paradoxo satisfação-frustração desponta oportunizando um “vir a ser” gerador de novas
como sinalizador da angústia do professor que, concepções e atitudes em relação à pessoa com
ao se deparar com o “não aprender” do aluno deficiência, contribuindo para uma maior eficá-
com deficiência, conflita com o seu saber-fa- cia e autenticidade da ação docente.
zer, que pode ser pensado, ainda, como da or- A imagem de um aluno “perfeito”, “ideal”,
dem do “não saber o que fazer”. Logo, fruto da formação proporcionada por essas pro-
entende-se que a inclusão destitui o “chão de fissionais, também contribui para o aumento da
certezas” do professor, que ao se deparar com angústia e do mal-estar sentidos no momento
o incerto e o insólito, vê-se diante do vazio de em que se deparam com o aluno com deficiên-
“não saber lidar com aquilo que está aconte- cia, o que se traduz na “fissura” de um ideal de
cendo”, angustiando-se. professor que “tudo sabe” e “tudo pode”. Nes-

48 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

se sentido, reconhecer os próprios limites surge estamos constantemente sendo impulsionados


como um fator importante para a inclusão, a a superar nossos próprios limites” (p. 32).
fim de que o professor consiga estabelecer um Pelo aqui exposto, vimos que a angústia, ao
distanciamento útil à reflexão e apropriação da invés de um efeito paralisante, tem representa-
experiência, promovendo a abertura ao outro do, para a maior parte dessas professoras, um
“diferente”. combustível que as têm impulsionado para no-
As professoras descrevem que o estar jun- vas formas de ser e agir, propiciando uma mai-
to desse educando, ao mesmo tempo em que or abertura à experiência e abrindo caminhos
surge como algo difícil, contribui para a cons- para o conhecimento delas próprias, ao tomar
trução do seu saber-fazer, para o amadureci- consciência de suas potencialidades e de seus
mento e desenvolvimento profissional. Desse limites.
contato parece resultar um movimento no qual Um aspecto apontado de maneira unânime
essas professoras vão descobrindo maneiras de pelas docentes do estudo diz respeito à neces-
lidar com a realidade inclusiva, em que elas ar- sidade de uma equipe de trabalho mais in-
ticulam estratégias de enfrentamento para os tegrada, tida como condição essencial para que
problemas que emergem do cotidiano junto ao o atendimento dispensado ao aluno com neces-
educando com deficiência, revendo, assim, sua sidades educacionais especiais seja de melhor
prática, tanto do ponto de vista teórico-metodo- qualidade. Para esse grupo de professoras, a
lógico como das relações interpessoais. inclusão tem configurado um desafio, sobretu-
O fato de não conseguirem atingir os objeti- do pelo fato delas não possuírem formação na
vos aos quais se propuseram de antemão surge área da educação especial, o que demanda, não
como a principal fonte de frustração e insatis- raro, um saber que elas julgam não possuir, pois
fação para essas professoras, conferindo-lhes agregado a um perfil profissional de vocação e
um sentimento de impotência e incapacidade altruísmo que supõem próprio de educadoras
que dificulta a vinculação com a sua atividade especiais.
profissional. Isso as têm levado a recorrer ao profissio-
Contudo, tais sentimentos parecem ser res- nal especialista na crença de que ele antecipa-
significados na medida em que visualizam os rá as questões do seu trabalho junto ao aluno
resultados do seu trabalho e os progressos no com necessidades educacionais especiais. Ci-
desenvolvimento do aluno, traduzidos na cren- tam, também, que o número expressivo de alu-
ça de que a inclusão, apesar de difícil, é possí- nos nas classes regulares e o fato de terem
vel. Diante disso, a angústia se constitui no deficiências diversas numa mesma sala de aula
combustível que move essas profissionais rumo são impeditivos de um atendimento mais indivi-
à criação de estratégias de enfrentamento para dualizado, o que, crêem, seria facilitado se hou-
os problemas pedagógicos que se apresentam vesse um maior contato com as educadoras
no cotidiano escolar. Pouco a pouco, a impo- especiais da escola.
tência, que antes representava sinônimo de pa- O fato dos professores sentirem-se “aban-
ralisia, cede lugar a um trabalho de construção donados”, e sem um espaço-tempo para dar
de estratégias contribuintes da aprendizagem do vazão aos seus sentimentos e questionamentos
educando. sobre a inclusão, vem acarretando sentimentos
Nos reportamos a Müller e Glat (1999) ao de incapacidade e despreparo ao trabalharem
enfatizarem que a maior riqueza do trabalho com o aluno com necessidades educacionais
junto ao aluno com deficiência é, justamente, a especiais. Isso sugere a importância de um tra-
necessidade de aprendermos a conviver com balho colaborativo, por meio de dispositivos de
sentimentos conflitantes. “Assim, se por um lado acompanhamento do professorado.
vivenciamos, freqüentemente, decepções e fra- Tais considerações vão ao encontro daquilo
cassos (diga-se de passagem, geralmente cau- que Rogers (1971) postula como essencial aos
sados por nossas expectativas irreais), por outro, que têm, como meta, a aprendizagem. Segundo

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 49
Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto da escola inclusiva

o autor, as pessoas que desejarem aprender te- Esse autor entende que toda aprendizagem
rão que “sentar juntas”, terão que se reunir, se que nos obrigue a rever a nossa estrutura de
encontrar. Pensar-se-ia que, no concernente à “eu” surge como ameaçadora: “a aprendizagem
realidade inclusiva, essa prerrogativa faz-se le- que envolve mudanças na organização de cada
gítima no momento em que concebemos que a um na percepção de si mesmo – é ameaçadora
inclusão requer um trabalho conjunto e integra- e tende a suscitar reações” (ROGERS, 1971,
do entre todos os envolvidos nesse processo. p. 155). Pensar-se-ia, no contexto dessa pes-
Uma ressalva a ser feita é que a incapaci- quisa, que será tão ou mais difícil, senão impos-
dade carece ser pensada como uma suposta sível, avançar na trilha da inclusão quão maiores
característica, em que essas professoras encer- e mais fixadas as barreiras que impedem o pro-
ram uma condição de paralisia e estagnação fessor de adentrar um movimento crítico-refle-
que as mantém imobilizadas, e sucumbindo, por xivo que o mantém nesse lugar estéril, antes
vezes, a um saber que julgam não possuir. talvez, um “não lugar”.
Voltemo-nos, aqui, ao paradoxo que se ins- Daí inferirmos a necessidade dos professo-
tala. Ainda que o discurso em prol de uma mai- res do ensino regular não estarem sozinhos no
or integração e colaboração entre a equipe de trabalho com a inclusão, fazendo-se urgente, ao
trabalho encontre sua legitimidade em meio ao nosso ver, a criação e a manutenção de um es-
mote inclusivo, convém mencionar que, elemen- paço onde possam entrar em contato com os
tos circunscritos ao percurso histórico da edu- colegas da equipe de trabalho, dentre eles, as
cação especial, têm amargado a construção do educadoras especiais. Um espaço onde possam
ideário inclusivo, pois nutridos, fundamentalmen- dar vazão aos seus sentimentos e possam falar
te, pela emissão de laudos ou pareceres, que das suas angústias e inquietações em relação
segundo os professores, cabe a um “especialis- ao processo inclusivo, compartilhando e signifi-
ta” fornecer-lhes. cando a sua experiência, sem que isso implique
Logo, o professor, sob a presença de uma no apaziguamento da dúvida, às expensas de
dada peculiaridade tida, antes de tudo, como supostas “receitas” para os problemas impos-
destoante do que acredita poder estar em sala tos pela prática.
de aula, dirige-se ao profissional “especialista”, Ligada às temáticas anteriores, nos debru-
nesse caso a educadora especial, com vistas a çamos agora sobre a que aborda as percep-
obter as respostas pelas quais tanto anseia, na ções acerca da formação docente, por meio
crença de que, a partir delas, far-se-á possível da avaliação feita pelas participantes do estudo
a tão preconizada inclusão. Essa visão é refor- quanto às suas repercussões, no seu cotidiano
çada por Mantoan (2003a, p. 28), quando diz de trabalho junto ao aluno com necessidades
que: “estamos habituados a repassar nossos educacionais especiais. As professoras, ao ava-
problemas para outros colegas, os ‘especializa- liarem essa dimensão, traçam apontamentos
dos’ e, assim, não recai sobre nossos ombros o referentes às lacunas presentes na sua forma-
peso de nossas limitações”. ção inicial e sugerem avanços no tocante à for-
Em face de tal conjectura, nos parece certo mação continuada ou em serviço.
que incluir exige que o professor, além da con- Ao relatarem sua experiência as professo-
dição de quem ensina, se ponha no lugar de quem ras referem-se à formação recebida em seus
aprende. Para Rogers (1971), a aprendizagem cursos de licenciatura como insuficiente e re-
que realmente importa é aquela tida como sig- pleta de lacunas, sobretudo no que concerne à
nificativa. Essa, por sua vez, é auto-iniciada e inclusão escolar. A queixa maior destina-se à
envolve o sujeito como um todo, afetiva e cog- ausência de um currículo que contemple ques-
nitivamente. Dela resultam mudanças nas ati- tões referentes à educação especial e às tipo-
tudes e comportamentos do indivíduo, logias da deficiência. Elas deixam transparecer,
extrapolando, assim, a mera fixação de um de- em suas falas, a idéia de que estar preparado
terminado saber. para trabalhar com esses alunos é uma condi-

50 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

ção alcançada a partir de uma formação pro- Além disso, é imprescindível que haja o
fissional, que, vinda de “fonte externa”, lhes dará reconhecimento de um “não-saber absolu-
condições e autonomia de atuação. to” como forma de tornar o aprendizado con-
Arriscamo-nos a supor, nesse sentido, que tínuo e dar sentido ao trabalho desenvolvido.
mesmo que a formação inicial destinada aos É preciso pensar nesse espaço-tempo tam-
professores pudesse ser “completa”, ainda as- bém como um recurso que possibilite atenu-
sim produziria “respostas” parciais para os pro- ar a angústia que perpassa o cotidiano de
blemas pedagógicos, visto ser a docência uma trabalho junto ao educando com necessida-
atividade feita às expensas do inusitado e do des educacionais especiais, constituindo-se,
efêmero, não cabendo, portanto, a instauração ainda, em elemento indispensável para a res-
de receitas ou modelos pedagógicos prévios. significação e desenvolvimento de um saber-
Na vertente desse pensamento, uma das fazer pedagógico mais comprometido e
professoras aponta que não basta ao professor eficaz.
que trabalha com a inclusão uma formação Pensar a formação de professores para
“conteudista”, um título apenas, e enfatiza a atuarem com a diversidade é um fato que, à
necessidade de um compromisso ético-político revelia dos alunos em questão, demanda uma
desse profissional, o que extrapola a formação mudança de postura dos professores. Nes-
“especializada”. se contexto, a formação deixa de represen-
A formação de professores poderia ser pen- tar a possibilidade de atualização ou
sada como uma questão de natureza complexa, reciclagem de saberes e conhecimentos pe-
pois não versa apenas sobre a construção de dagógicos, para se transformar num movi-
habilidades e competências profissionais, reque- mento de criação de espaços onde as
rendo, ainda, o seu deslocamento para outros pessoas possam vir a aprender a conviver
formatos em que prevaleça o gosto pelo novo e com a mudança e a incerteza. Colocar-se
o direito de “não saber”, enquanto elemento no lugar de quem aprende ao ensinar nos
basilar do poder criador. parece fundamental para aqueles que têm
Nesse ínterim, surge a formação contínua em suas mãos o desafio de incluir alunos an-
ou em serviço, cuja efetivação esbarra, princi- tes excluídos do âmbito da escola.
palmente, nas questões da ordem estrutural e Nesse sentido Rogers (1971) pontua que:
organizacional da escola. Nesse sentido, nos
reportarmos a Rogers (1971) quando diz que O único homem que se educa é aquele que apren-
deu como aprender; que aprendeu como se adap-
as pessoas, para aprenderem, terão que “sen-
tar e mudar; que se capacitou de que nenhum
tar juntas”, terão que se encontrar, comparti- conhecimento é seguro, que nenhum processo
lhando experiências. Nessa perspectiva, o autor de buscar conhecimento oferece uma base de
defende que não caberiam mais exames, notas segurança. Mutabilidade, dependência de um
e créditos. Abolir-se-iam os diplomas, dados processo, antes de um conhecimento estático,
como títulos de competência, contraponto, se- eis a única coisa que tem certo sentido como
gundo ele, de uma aprendizagem crescente e objetivo da educação, no mundo moderno (RO-
GERS, 1971, p. 105).
continuada.
Convém refletirmos, portanto, sobre a ne- Para tanto, é necessário que haja uma re-
cessidade da criação de um “espaço de escu- flexão da prática inclusiva, a fim de que o
ta”, enquanto momento de circulação da palavra, professor seja capaz de assumir um compro-
à medida que os professores, ao expressarem misso ético-político com as demandas emer-
seus sentimentos, consigam ouvir a própria voz, gentes do contexto profissional, em que seu
significando a sua experiência. Este lugar, ao saber-fazer seja sinônimo de ressignificação,
nosso ver, pode representar uma estratégia de em detrimento de práticas cristalizadas, fun-
formação continuada ou em serviço para esses damentadas no mero “achismo” ou em espe-
professores. culações empíricas.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 51
Docência e inclusão: reflexões sobre a experiência de ser professor no contexto da escola inclusiva

5. (Re)dizendo da experiência... bus- ao se julgarem não detentoras de um saber-fa-


cando formas para encerrar zer junto ao aluno com deficiência, ao invés de
despertarem para o desejo de aprender, são
Percebemos, com esta pesquisa, que embo- acometidas de um “bloqueio” frente ao que se
ra elementos comuns perpassem a experiência constitui ameaçador à sua estrutura de self.
das professoras colaboradoras, a maneira como Talvez resida aí parte do que leva muitos pro-
a realidade inclusiva foi “captada” por elas de- fessores a resistirem à atual proposta inclusiva.
corre de um quadro de referência interna, as- Sob esse viés, urge que se (re)pense a for-
sumindo um significado particular para cada uma mação dos professores no sentido de que essa
das professoras, o qual irá orientar os seus confirme e de certa forma realimente a dúvida
modos de ser no mundo. – ou o direito a ela. Uma formação que incen-
As reflexões produzidas neste trabalho anun- tive o gosto pelo novo, pelo diferente, a fim de
ciam que ser professor no cenário da escola que esses profissionais possam se lançar sobre
inclusiva exige desprendimento e abertura exis- aquilo que ainda não sabem, edificando estra-
tencial, no sentido de aceitar e acolher o outro tégias criativas para aquilo que ainda é desco-
(aluno) em sua diferença. Implica, também, em nhecido. Para que o ideário inclusivo tome lugar
ter que lidar com situações diversas, em que o nas escolas do ensino comum, convém pensá-
contato com o aluno com deficiência se traduz lo de maneira ampla, abrangendo a possibilida-
numa intensa mobilização do professor que pa- de de inclusão nesse contexto do próprio
rece vir acompanhada do sentido de aprendiza- docente que trabalha com o educando com ne-
gem. Isso denota uma realidade na qual o cessidades educacionais especiais.
professor é convidado, constantemente, à cria- Nesse ínterim, a escola surge enquanto um
ção e re-invenção de suas ações e de si mes- espaço privilegiado de aprendizagem (autofor-
mo, num movimento de busca por estratégias mação), não só do aluno, mas também do pro-
que venham oportunizar devires na aprendiza- fessor. É mister, portanto, a edificação no seu
gem do educando. âmbito de momentos que proporcionem o en-
É importante salientar que a discussão acer- contro entre os profissionais dessa instituição,
ca dos sentidos de ser professor junto ao edu- para que possam compartilhar experiências e
cando com necessidades educacionais especiais saberes em prol da elaboração de estratégias
nos remete às condições “concretas” dessa de enfrentamento para as dificuldades que sur-
profissão, como a falta de recursos humanos e gem no cotidiano da prática educativa.
materiais, e de questões salariais, que podem Convém refletirmos, ainda, sobre o fato de
impedir a formação profissional. Tais condições que, muito embora a legislação vigente trate de
influenciam a constituição do self do indivíduo, salvaguardar o direito de TODOS a uma edu-
podendo comprometer a sua tendência à atua- cação de qualidade, a escola não é um espaço
lização. “vazio” a ser preenchido com exigências e im-
Estas questões são de fundamental impor- posições legais. O conteúdo das entrevistas
tância para a reflexão sobre a formação de pro- evidencia, nesse sentido, que o desafio de in-
fessores, entendida aqui como sinônimo de cluir diz respeito, dentre outros fatores, a um
aprendizagem, de vir a ser. Com a inclusão, tor- investimento pessoal do professor, cujas práti-
nou-se condição essencial que o professor as- cas não serão alteradas pelo simples fato da
suma o lugar de aprendiz. Mas esse processo, inclusão ter sido decretada.
em que a aprendizagem se faz urgente e ne- Assim sendo, a necessidade de uma equi-
cessária, pode estar se tornando algo doloroso pe de trabalho integrada e de um suporte a ser
para o professor, que sente uma espécie de oferecido aos professores, os quais têm, em
desconforto em aprender. suas mãos, a tarefa de incluir alunos com ne-
Em outras palavras, os dados dessa pesqui- cessidades educacionais especiais, põe em
sa apontam para o fato de que essas docentes, evidência a necessidade de se pensar a esco-

52 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007
Viviane Preichardt Duek; Maria Inês Naujorks

la enquanto uma organização que aprende, doscópicas” – expressão do próprio Rogers, a


isto é, uma comunidade capaz de rever(-se) e fim de atender às demandas do novo contexto
adaptar(-se) num mundo de “mudanças calei- educacional.

REFERÊNCIAS

CARVALHO, R. E. Educação inclusiva: com os pingos nos “is”. Porto Alegre: Mediação, 2004a.
COLL, C.; MARCHESI, A.; PALACIOS, J. (Org.). Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades
educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artmed, 1995. v.3.
DUTRA, E. M. S. Compreensão das tentativas de suicídio de jovens sob o enfoque da abordagem centrada na
pessoa. Tese (Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia,Universidade de São Paulo, São Paulo,
2000.
LÜDKE, M.; ANDRÉ, M. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
MANTOAN, M. T. E. Inclusão escolar: o que é? porque é? como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003a.
_____. Uma escola para todos e com todos: o mote da inclusão. In: MOSQUERA, J. J. M.; STÖBAUS, C. D.
(Org.). Educação especial: em direção à educação inclusiva. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003b. p. 27-40.
MINAYO, M. C. S. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. Petrópolis: Vozes, 2002.
MÜLLER, T. M. P.; GLAT, R. Uma professora muito especial: questões atuais em educação especial. Rio de
Janeiro: Viveiros de Castro, 1999.
REZOLA, J. M. G. La psicoterapia de Carl R. Rogers: sus origenes, evolucion y relacion con la psicologia
cientifica. Bilbao: Desclée de Brouwer, 1975.
ROGERS, C. R. A terapia centrada no paciente. São Paulo: Martins Fontes, 1975.
_____. Liberdade para aprender. Belo Horizonte: Interlivros, 1971.
_____. Tornar-se pessoa. São Paulo: Martins Fontes, 1961.
_____ ; KINGET, G. Psicoterapia e relações humanas. Belo Horizonte: Interlivros, 1975.
_____ ; ROSEMBERG, R. L. A pessoa como centro. São Paulo: EPU, 1977.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 27.11.06

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 41-53, jan./jun., 2007 53
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

A INCLUSÃO ESCOLAR DO SURDO:


algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

Lázara Cristina da Silva *


Silvana Malusá Baraúna **

RESUMO

Este artigo tem por objetivo discutir as condições e possibilidades de inclusão


dos aprendizes surdos1 nas escolas regulares de ensino, fazer um panorama
das questões educacionais relativas à surdez no cenário nacional e apresentar
um estudo sobre a inclusão de educandos surdos na rede pública municipal de
Uberlândia-MG. Ele é resultado de fragmentos de duas pesquisas realizadas
entre 1998 e 2004, na cidade de Uberlândia, pela autora principal. Neste período,
acontecem experiências educacionais variadas: há uma inserção em salas de
aulas comuns de alunos surdos, sendo estas salas mistas compostas por alunos
surdos e ouvintes; e, posteriormente, são criadas salas regulares para alunos
surdos. O artigo aborda estas experiências a partir das diferentes percepções
dos envolvidos: profissionais da educação, alunos surdos e seus parentes.
Palavras-chave: Educação inclusiva – Surdez – Inclusão escolar

ABSTRACT
SCHOOL INCLUSION OF THE DEAF PERSON: Some Reflections
About Daily Life
This paper aims to discuss the conditions and possibilities of the deaf apprentices
in the regular schools, trough a panorama of the educational questions related to
deafness in the Brazilian context and a study about the inclusion of deaf students
in a municipal public school of Uberlândia/MG. The present article is a result of
fragments of two researches realized between 1998 and 2004, at Uberlândia, by
the main authoress. In this period, various educational experiences happened :
the inclusion of deaf students in regular classroom, mixing deaf students and
listeners, and, later, regular classrooms for the deaf pupil are created. This paper
approaches these experiences from the different perceptions of the people
involved: professionals of education, deaf students and their parents.
Keywords: Inclusive education – Deafness – School inclusion

* Doutoranda em Educação pela UFU e mestre em Educação pela UnB. Professora Assistente III da Faculdade de
Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Endereço para correspondência: Av. João Naves de Ávila, 2121,
Campus Santa Mônica, Bloco G, Universidade Federal de Uberlândia – 38.408-100 Uberlândia/MG. E-mail:
lazara@ufu.br
** Doutora em Educação. Professora Adjunta III da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia.
Professora dos cursos de mestrado e doutorado do Programa de Pós-Graduação em Educação. Endereço para corres-
pondência: Av. João Naves de Ávila, 2121, Campus Santa Mônica, Bloco G, Universidade Federal de Uberlândia –
38.408-100 Uberlândia/MG. E-mail: silmalusa@yahoo.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 55
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

A inclusão de pessoas com necessidades fletir sobre as condições de inclusão escolar


especiais no ensino regular, antes atendidas em destes sujeitos, tendo como referência as ex-
escolas especiais, tem trazido a educação es- periências nesta área desenvolvidas na cidade
pecial ao campo do debate e/ou do trabalho de Uberlândia-MG5 durante o período de 1992
pedagógico de muitos profissionais da área. O a 2004.
fato indica a necessidade de discussão de te-
mas que atendam a nova realidade que se con-
figura no campo educacional, a ser inserida e/ 1. Apresentando a história da in-
ou ampliada no processo de formação desses clusão escolar do surdo em
profissionais em cursos de pós-graduação latu Uberlândia
senso ou stritu senso.
Atualmente, na esfera política, há um em- A Prefeitura Municipal de Uberlândia criou,
bate entre, no mínimo, três grupos com diferen- a partir de 1992, um projeto visando atender as
tes concepções de educação para surdos. Assim necessidades legais de inclusão: O Programa
há: a) os que são a favor da inclusão dos surdos Básico Legal Ensino Alternativo. De acordo
no ensino regular, em salas mistas de surdos e com este projeto, todas as crianças com neces-
ouvintes, cuja língua básica utilizada nas ativi- sidades educativas especiais passam por uma
dades de ensino e aprendizagem é a língua por- triagem com multiprofissionais (psicopedagogos,
tuguesa; b) os que defendem a concepção psicomotricistas, médicos neurologistas, larin-
anterior de inclusão, porém com salas específi- gologistas, etc.) visando verificar o seu poten-
cas/regulares2 para surdos; e c) os que dese- cial educativo. Em seguida, as crianças são
jam a permanência desses aprendizes nas matriculadas no ensino regular e, no extra-tur-
escolas especiais. no, recebem atendimento especializado no en-
Entretanto, é preciso estar atento a este sino alternativo6 . Durante a sua existência o
embate, pois não se trata de incluir para garan- 1
Segundo Behares (1995), ‘surda’ é a expressão mais co-
tir o direito constitucional de igualdade educa- mum na cultura padrão para fazer referência à pessoa que
cional. A questão principal é garantir a essas não ouve. A utilização do termo surdo em detrimento de
deficiente auditivo ressitua a elaboração do conceito de sur-
crianças o acesso e a permanência na escola dez no marco sócio-cultural, e o retira do âmbito clínico.
com qualidade educacional3 . Esta preocupação 2
Entende-se por salas específicas para alunos surdos e/ou salas
é decorrente da necessidade de se romper com regulares de alunos surdos aquelas em que a língua utilizada nas
atividades de ensino e aprendizagem é a Língua Brasileira de
a cultura do fracasso escolar presente no espa- Sinais (LIBRAS). Assim, a sala não precisa ser composta ape-
ço educacional, pois, se este paradigma não se nas por alunos surdos, já que o que a caracteriza de fato é a
definição da modalidade de língua utilizada. Entretanto, na
reverter, a marginalização e as histórias de fra- prática, como a LIBRAS é utilizada apenas por pessoas surdas,
casso escolar poderão continuar presentes “nas estas turmas são compostas apenas por alunos surdos.
escolas ditas para todos”. 3
Qualidade aqui entendida enquanto educação significativa
e promotora de aprendizagem em condições equânimes às
Neste contexto, nos perguntamos: “A cri- destinadas aos demais alunos ouvintes.
ança surda responde bem à inclusão no en- 4
Foram realizadas duas pesquisas na área pela autora Lázara
sino regular? Como trabalhar com lingua- Cristina da Silva: a primeira entre 1999 a 2002, intitulada O
Processo de Alfabetização de Aprendizes Surdos na Rede
gens diferentes em um mesmo espaço?” A Municipal de Uberlândia/MG, e a segunda entre 2002 a
inclusão da criança surda no ensino regular, além 2004, cujo título é A Prática Pedagógica e a educação de
Aprendizes Surdos.
de todos os complicadores enfrentados pelas 5
Uberlândia, desde 1992, vem desenvolvendo experiências
demais pessoas em condição de deficiência fí- escolares de integração escolar de pessoas em condição de
sica e/ou sensorial, ainda enfrenta o diferencial deficiência física e/ou sensorial na rede regular de ensino.
Iniciou-se com uma concepção de integração e atualmente
da língua utilizada na sua comunicação – a lín- tem trabalhado para alcançar os objetivos da inclusão edu-
gua de sinais. cacional.
Este artigo contempla discussões de pesqui- 6
O Ensino Alternativo pode ser caracterizado como salas-
recurso que na escola atendem individualmente e/ou em
sas realizadas4 no âmbito da inclusão escolar pequenos grupos alunos em condição de deficiência física e/
de aprendizes surdos, e tem a intenção de re- ou sensorial, no turno inverso ao que eles freqüentam.

56 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

projeto sofreu mudanças superficiais, e conti- na escola para ensiná-la. No entanto, na primei-
nua funcionando em treze escolas municipais. ra fase do ensino fundamental, nas escolas em
O trabalho desenvolvido contempla o ideal que se trabalha com salas mistas, o uso da LI-
da filosofia integracionista7 para crianças com BRAS se torna mais presente no atendimento
deficiência física e/ou sensorial em condição no Programa Ensino Alternativo, pois o profes-
para freqüentar o ensino regular. A existência sor regente e os demais alunos nem sempre a
de condição para se freqüentar o ensino regu- dominam para manter uma comunicação efeti-
lar é definida na fase de diagnóstico psicope- va entre eles. Nestes casos, é garantida a pre-
dagógico realizado durante o processo de sença do intérprete em LIBRAS, embora nem
matrícula destas crianças. No caso dos apren- todas as salas o possuam. A presença deste pro-
dizes surdos, o Programa Básico Legal Ensi- fissional é uma realidade a partir da primeira sé-
no Alternativo os insere em turmas de surdos rie da segunda fase do ensino fundamental.
e ouvintes do ensino regular8 , ou em salas re- Diante da situação apresentada, salientamos
gulares de surdos das escolas–pólo para sur- que os professores regentes de classes regula-
dos, criadas em 2002. No primeiro caso, no res que recebem alunos surdos necessitam do-
extra-turno, eles recebem apoio pedagógico de minar a LIBRAS para garantir condições
profissionais “qualificados”9 , visando atender mínimas ao aprendizado. Como ensinar sem
as especificidades de cada um, além do apren- comunicação? Há, inicialmente, um bloqueio
dizado da Língua Brasileira de Sinais (LI- entre locutor e interlocutor.
BRAS), que sempre foi valorizada pelos O contexto atual apresenta uma iminente
profissionais do referido programa. No caso necessidade de se propor uma reflexão sobre
das escola-pólo, o atendimento no extra-turno as características do surdo e suas necessida-
acontece esporadicamente de acordo com os des educacionais. A criança surda precisa ser
projetos de cada unidade de ensino. incluída na escola regular, mas com qualidade,
Os documentos legais sobre esta questão no que se refere ao respeito à sua língua do
abrem a possibilidade de existência de traba- surdo e a procedimentos metodológicos com
lhos com salas mistas e salas específicas/regu- características próprias, que viabilizem uma
lares; neste sentido, a Declaração de Salaman- aprendizagem significativa.
ca10 , documento referencial para os demais11 ,
7
No paradigma da integração a pessoa com deficiência
pontua que: precisa se adequar ao projeto educativo da escola. Ela é
preparada para se integrar à escola e à sociedade. Cabe a ela
Deve ser levada em consideração, por exemplo, adaptar-se às exigências do espaço no qual está sendo inserida.
a importância da linguagem dos sinais como meio A escola, no caso da inclusão escolar, não precisa se adaptar
de comunicação para os surdos, e ser assegura- para recebê-la, basta garantir as suas condições de acesso.
do a todos os surdos acesso ao ensino da lin- 8
A composição das salas é realizada de forma que fiquem no
guagem de sinais de seu país. Face às necessi- máximo dois alunos surdos em cada turma.
9
dades específicas de comunicação de surdos e Os profissionais do Programa Básico Legal Ensino Alter-
nativo, a princípio, não possuíam qualificação específica
de surdos-cegos, seria mais conveniente que a para os atendimentos especializados; porém, no momento
educação lhes fosse ministrada em escolas es- em que ingressam iniciam um processo permanente de for-
peciais ou em classes ou unidades especiais nas mação continuada, que visa qualificá-los para atender as
múltiplas necessidades dos alunos do referido programa.
escolas comuns. (Declaração de Salamanca, 1994, 10
Documento internacional firmado em Salamanca,
p.30 - grifos nossos.) Espanha, no ano de 1994, com o objetivo de traçar políti-
cas, princípios e metas visando orientar a educação especial
Assim, a proposta de trabalho para pessoas no mundo.
surdas desenvolvida pela rede municipal de 11
A Lei de Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, lei
Uberlândia atendia plenamente a recomenda- 9394/96, possui uma diretriz inclusiva apontando para o
atendimento de todos aqueles com necessidades educativas
ção inicial do documento, no que diz respeito ao especiais, preferencialmente no ensino regular. Considerar:
aprendizado da LIBRAS, sendo que as crian- Cap. V, art. 58º, parágrafo 2º. No estado de Minas, a Lei Nº
10.379/91, de 10 de janeiro de 1991, reconhece oficial-
ças surdas sempre foram estimuladas a utilizá- mente a LIBRAS como meio de comunicação objetiva e de
la. Para tal, sempre existiu um profissional surdo uso corrente entre os surdos.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 57
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

Diante deste quadro, no início de 2002 foi Desta forma, trabalhar com salas regulares
proposta uma pesquisa em que se buscava de surdos não infringe o seu caráter inclusivista
ampliar as condições de sucesso escolar deste nem as recomendações legais, como alguns
grupo de pessoas. Para tal, foram organizados educadores pensam. O fato de se atenderem
os atendimentos de alunos surdos em três es- as características peculiares aos surdos (língua
colas-pólo12 , para melhor servir a essa cliente- e cultura) lhes garante as condições de acesso
la. Duas escolas trabalhavam com salas e permanência na escola, pois neste espaço eles
regulares para surdos13 , com professores em aprendem e são respeitados, de fato, em suas
formação continuada e envolvidos na pesquisa, condições. Esta prática demonstra que este gru-
e uma outra escola com salas mistas (compos- po de pessoas possui condições de aprendiza-
tas por alunos surdos e ouvintes), com dois pro- gem e desenvolvimento escolar em tempo
fessores – o regente e o de apoio, este usuário equivalente ao dos ouvintes, o que revela al-
da LIBRAS, também envolvidos no estudo. guns conceitos equivocados mantidos pelo gru-
Essas escolas passaram a assumir a respon- po de profissionais que trabalham em instituições
sabilidade de realizar um trabalho coletivo, jun- com vistas à integração e à inclusão, e presen-
tamente com a equipe multidisciplinar do Núcleo tes até mesmo entre aqueles da educação es-
do Programa Básico Legal Ensino Alternativo14 , pecial, que defendem que as pessoas surdas
visando a preparação dos profissionais, propi- levam um tempo maior para aprender e cursar
ciando-lhes condições para o aprendizado da as fases educacionais.
Língua de Sinais, e, também, a busca de for- Seguindo os mesmos princípios, a Lei de
mas adequadas de atuação com as salas regu- Diretrizes e Bases da Educação Brasileira, lei
lares para alunos surdos. Esses professores 9394/96, influenciada pela Declaração de Sala-
atuaram na sala regular e na sala do Programa manca, possui uma diretriz inclusiva apontando
Ensino Alternativo. para a inserção de todos os educandos em con-
dição de deficiência física e/ou sensorial prefe-
2. Aspectos legais: algumas leitu- rencialmente no ensino regular. Esta situação
ras sobre a inclusão educacional tem sido motivo de preocupação para os pro-
do surdo fissionais da educação15 , principalmente para
12
A tentativa de realizar um trabalho com escolas-pólo vi-
Desde o início da década de 90, o cenário sava facilitar os trabalhos de acompanhamento, orientação
educacional brasileiro deparou-se com a utopia e avaliação do projeto, uma vez que aproximava os profis-
sionais e os alunos, buscando encontrar uma melhor forma
da escola para todos, inclusiva, capaz de atender de atender as dificuldades e necessidades do sujeito surdo.
aprendizes independentemente de suas condições Durante o estudo, duas escolas abandonaram a proposta de
pesquisa, mas não a forma de trabalho. Todas as referências
físicas, intelectuais, sociais, emocionais, lingüísti- e análises são apenas da escola que permaneceu até o final
cas e outras. A conferência mundial sobre ne- do estudo trabalhando com salas regulares para surdos na
primeira fase do ensino fundamental.
cessidades educativas especiais, organizada pelo 13
Considera-se sala regular para surdos e/ou sala específica
governo da Espanha e realizada em Salamanca, para surdos aquela composta apenas por alunos surdos e/ou
em 1994, teve o objetivo de definir princípios surdos e ouvintes, cuja língua básica utilizada para as ativi-
dades de ensino e aprendizagem é a Língua Brasileira de
políticos e práticos para as necessidades educa- Sinais (LIBRAS).
tivas especiais. No que diz respeito à política e à 14
O Núcleo do Programa Básico Legal Ensino Alternativo
organização, essa conferência chama atenção foi criado com o objetivo de realizar pesquisa e dar assesso-
ria a pessoas com necessidades educativas especiais em
para as garantias específicas de trabalho con- Uberlândia. Mas desde a sua fundação, em 1992, o núcleo
forme cada diferença. No que tange à surdez, não realizou pesquisa por falta de profissionais qualificados,
permanecendo apenas com a assessoria.
entre outras questões, assegura-se à pessoa o 15
O sentimento de desconforto em receber algum aluno em
acesso, a utilização da língua de sinais e o aten- condição de deficiência física e/ou sensorial por parte dos
dimento em escolas especiais ou classes e/ou professores da rede regular de ensino é geral, sendo, portan-
to, uma realidade conhecida pelos pesquisadores da área.
unidades especiais, no interior de escolas comuns, Este texto, entretanto, abordará apenas as questões relati-
durante a sua escolarização. vas à pessoa surda.

58 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

aqueles que trabalham diretamente com cri- de aprendizes surdos também servem para ilus-
anças surdas, pois eles se sentem vulneráveis trar a dicotomia entre o reconhecimento da ne-
quanto às condições didáticas e lingüísticas cessidade de uma “política da diferença” e sua
apropriadas ao ensino e a aprendizagem des- efetivação nos espaços escolares.
tes alunos. Uma leitura superficial e ideológica do fe-
O papel social da escola nesta realidade é nômeno da inclusão escolar e social pode ser
fundamental; entretanto, observa-se que as cri- percebida no constrangimento existente por
anças surdas, ao serem inseridas em classes parte de grande parcela dos profissionais que
regulares com professores ouvintes, sem for- trabalham na rede municipal de educação de
mação adequada, acabam não se desenvolven- Uberlândia em questionar essa política inclusi-
do a contento. Em nome de uma pseudo-so- va. De forma geral, todos aprovam os argu-
cialização, elas ficam restritas apenas ao mentos apontados para que se proceda à
universo ouvinte, sem uma identificação com inclusão dos aprendizes em condição de defici-
seus pares, além de não se desenvolverem sa- ência na escola regular. A análise desta situa-
tisfatoriamente nos campos afetivos, cogniti- ção e o posicionamento de resistência frente a
vos e sociais. Conseqüentemente acumulam ela encontram ressonância no fato de não se
fracassos, rebaixam sua auto-estima e, com ter conhecimento, no Brasil, de experiências
baixa resistência a frustrações, tornam-se ner- verdadeiramente inclusivistas capazes de apre-
vosas e agressivas. Essas crianças não têm sentar resultados inquestionáveis com relação
em quem se espelhar para perspectivas de su- à surdez.
cessos futuros. Existem muitas iniciativas, mas que ainda
Segundo a história, quando a educação acon- não estão amplamente consolidadas, de se ofe-
tecia nas escolas especiais para surdos, com recer um respaldo necessário a este campo.
todas as ressalvas que possam ser feitas, pos- Outro elemento a ser destacado é o fato de a
sibilitava-se no mínimo o convívio da criança inclusão ser um tema relativamente recente. É
com seus pares, o que contribuía com o seu comum encontrar experiências com integração.
desenvolvimento geral. Atualmente a convivên- Isto limita um pouco o universo de questiona-
cia com a comunidade surda se restringe a al- mentos, uma vez que sempre que se discute o
guns alunos que, na adolescência, influenciados assunto, muitos se preocupam com a integra-
pelos instrutores de LIBRAS (pessoas surdas), ção, com os seus resultados e conseqüências,
procuram a associação de surdos, que desen- confundindo muitas vezes as duas situações.
volve atividades de cunho esportivo e de lazer.16 Dentro desse quadro, o que se percebe é
Questionar a inclusão neste momento histó- uma grande indefinição de como realizar esta
rico, em que esta é apontada como a solução inclusão no ensino fundamental.
para os problemas apresentados pela educação
especial, gera certo constrangimento. Entretan-
to, essa crítica se faz necessária na medida em 3. A inclusão sobre a perspectiva
que a escola regular passa por uma profunda da escola e da família uberlandense
crise estrutural que tem sido desvelada, de cer-
ta forma, pela inserção das crianças em condi- Alguns educadores e pais argumentam ser
ção de deficiência física e/ou sensorial no seu positiva a inclusão de seu aluno(a) / filho(a)
contexto. Ainda, a inserção deste grupo de surdo(a), pelo fato de neste processo todos se
aprendizes no ensino regular, como vem acon-
16
tecendo em nossas escolas, pode colaborar para A Associação de Surdos de Uberlândia não possui um tra-
balho bem estruturado, de cunho educativo e
aprofundar mais esta crise, pois na prática esse profissionalizante, de seus associados. Existe um anseio para
processo tem sido excludente na medida em que que isto comece a acontecer nos próximos anos, embora
não haja recursos financeiros para a sua efetivação. A Pre-
não se viabilizam condições específicas de feitura Municipal de Uberlândia ainda não incluiu a ASUL
aprendizagem. Estas experiências de inclusão em suas propostas orçamentárias de subvenções.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 59
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

ajudarem enquanto seres humanos solidários: Assim, no campo do discurso, há uma acei-
“Afinal todos os colegas o ajudam muito, são tação generalizada da situação. Neste sentido,
solidários com ele” (relato de uma professora). se pergunta: como questionar um programa do
Uma fala carregada de humanismo igualitário, o qual a escola faz parte, se o profissional não
que reforça o constrangimento naqueles que ques- possui conhecimentos sobre a temática da in-
tionam o movimento de inclusão escolar, como clusão?
vem ocorrendo. Na realidade, em Uberlândia, Assim os alunos estão na escola, freqüen-
nas práticas observadas, existe muito mais uma tam a sala de aula, mas seu desempenho esco-
experiência integracionista que inclusivista. lar não é satisfatório. Na realidade os profes-
A fundamentação do discurso da escola in- sores não sabem o que fazer com estes alunos.
clusiva tem como base o respeito às diferen- O relato da professora abaixo, analisado a par-
ças, a democratização do ensino e a igualdade tir das observações de como suas aulas eram
de oportunidade para todos. Esta perspectiva conduzidas, dos materiais didáticos utilizados,
inclusivista defende a necessidade dos “defici- da sua postura diante dos alunos surdos, e das
entes” de conviver com os colegas “normais” formas de comunicação utilizadas com eles, ilus-
e vice-versa, constituindo a possibilidade mais tra esta questão, uma vez que demonstra uma
indicada de integração desses grupos historica- fragilidade muito grande com relação aos co-
mente segregados. (SKLIAR, 1999 e 2000; nhecimentos mínimos necessários para se tra-
SASSAKI, 1999; BOTELHO, 2002; PALHA- balhar diariamente com uma criança surda.
RES, 2002; GOUVÊA, 2005; SILVA & VIZIM;
Eu acho interessante ter o surdo como aluno,
2001, QUADROS, 2003). que a gente aprende com ele. Ele é um cidadão
Contudo, esse discurso gera uma série de comum como os demais, irão viver as mesmas
questionamentos, como por exemplo: O que sig- dificuldades. Assim têm os mesmos direitos de
nifica aceitar as diferenças? É a prática de estar na escola junto com os demais. Acho difí-
convivência e de tolerância? Como o surdo cil porque eu não sou bem preparada para tra-
tem sido conduzido à sala de aula do ensino balhar com eles. Só comecei o curso de
regular? Os pais optaram pela inserção do LIBRAS. É a primeira vez que tenho aluno
DA17 (relato de professor Ensino Regular – grifo
seu filho nessa escola? Como os professo-
nosso).
res lidam com aprendizes surdos? Estes pro-
fessores recebem alguma formação especí- VYGOTSKY, em seus trabalhos, defende
fica para lidar com estes alunos surdos que o aprendizado acontece, sobretudo, pela
incluídos? Como as escolas estão receben- interação social. Logo, como pode haver apren-
do estas crianças surdas? dizado, se a comunicação entre a criança surda
Diante destas questões, o contexto discursi- e sua professora está bloqueada? Se não há
vo presente nas entrevistas dos profissionais das comunicação, em geral o desenvolvimento de
escolas da rede municipal de Uberlândia que todo o processo educativo no interior da sala de
possuem o Programa Básico Legal Ensino Al- aula, com essa criança, fica comprometido.
ternativo revelou a existência de uma atitude Quanto à argumentação da professora de que
passiva diante da diferença, uma “aceitação” os surdos terão as mesmas dificuldades que os
do fato da integração ser uma realidade. ouvintes na vida diária, e de que eles possuem
Eu acho que não teria que ser feito agora, teria direitos iguais como cidadãos, é uma fala cons-
que acontecer, mas a pessoa precisa estar pre- truída a partir do discurso dos profissionais do
parada para trabalhar com a criança surda, Programa Básico Legal Ensino Alternativo, uti-
senão ela não tem condições de passar para o
surdo a realidade, os conteúdos, em qualquer 17
A sigla DA utilizada pela professora equivale a deficiente
área. Não tem jeito. Se a pessoa não tiver pre- auditivo, termo ainda utilizado pelos profissionais da esco-
la. Esse termo é próprio da abordagem clínico-terapêutica,
parada para começar a trabalhar com esse sur- em que se enxerga o surdo como um deficiente, um doente
do não vai ter resultado (relato de uma professora que precisa superar a perda da audição para se ajustar à
de Educação Física). sociedade.

60 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

lizado nos cursos de formação continuada de com as peculiaridades, as potencialidades e as


seus professores. Este discurso garante a pre- necessidades de cada grupo, ou seja, que não
sença dos alunos em condições variadas de se faça um atendimento apenas de apoio no
deficiência nas salas de aula comuns, e ainda extra-turno, pois essas crianças, na sua maio-
reforça a sua necessidade de convivência e ria, não possuem maiores complicadores com
socialização. No caso dos surdos cria-se um relação à aprendizagem, apenas são surdas e
imaginário de que uma boa interação com os necessitam de um atendimento pedagógico di-
ouvintes é fundamental para seu futuro pro- ferenciado dos demais ouvintes. Acreditamos
fissional e pessoal, ou seja, o seu futuro no na necessidade de salas regulares próprias para
mundo dos ouvintes depende do bom desem- surdos, com professores realmente capacitados,
penho desta relação. e com domínio da LIBRAS para interagir de
O que se questiona é: só a convivência da forma dinâmica e eficaz no processo educativo
forma como vem acontecendo nas escolas ob- desses alunos.
servadas vai garantir aos surdos, no futuro, A partir das experiências com salas regula-
melhores chances no mercado de trabalho? res de surdos da Rede Municipal de Ensino de
Acredita-se que não, pois uma pessoa frustra- Uberlândia, MG, realizadas entre 2000 e 2004,
da e/ou fragilizada pelas condições educativas tentou-se implantar novas estratégias de traba-
de aprendizagem dos conteúdos curriculares, e lho. Buscando-se alcançar a inclusão no ensino
com poucas vivências cidadãs, dificilmente será regular organizaram-se duas escolas-pólo para
bem sucedida no mercado de trabalho. Aqui se atendimento de alunos surdos. Nestas escolas
justifica a luta pela garantia de lugares reserva- foram criadas salas regulares para surdos, em
dos a pessoas com algum tipo de “deficiência” que a LIBRAS foi a primeira língua utilizada
nas atividades públicas. pelos professores em todas as atividades de
Percebe-se que, apesar dos autores que fo- ensino. Para assumir estas turmas, foi designa-
ram citados neste artigo, por conta dos estudos do um grupo de professores que dominava a
que realizaram, relatarem a falta de formação língua de sinais.
pedagógica18 que atenda as necessidades de Durante a avaliação dos resultados desta
um trabalho efetivo com as crianças surdas, experiência, perguntou-se aos pais de uma das
existe certa dificuldade em se questionar a in- escolas que trabalham com salas regulares para
serção dessas pessoas na sala de aula. Primei- surdos se estes tinham percebido diferenças
ro pela questão humanitária, o que gera um significativas no desenvolvimento escolar do fi-
desconforto diante do grupo, já que existe um lho/filha, decorrentes do trabalho desenvolvido
forte sentimento de piedade envolvendo as re- nestas salas regulares, específicas para surdos,
lações de aceitação da criança surda. Segun- em detrimento do trabalho realizado em salas
do, pelo receio do seu questionamento ser regulares mistas, compostas por alunos surdos
considerado pelo grupo uma demonstração de e ouvintes, cuja língua principal utilizada pelos
incompetência. professores é a língua portuguesa, sendo a lín-
A inclusão do surdo nas escolas regulares, gua de sinais utilizada apenas por intérpretes,
como sugere a lei, não pode ser uma conduta quando estes se encontram disponíveis, e/ou no
de subordinação e assimilação, mas sim de uma atendimento extra-turno com o professor espe-
consciência crítica e autônoma (BOTELHO, cializado. Dos trinta e dois pais entrevistados,
2002). A escola regular não está apta a rece- vinte e oito responderam que sim e quatro que
ber todos os aprendizes “especiais”. Os surdos
18
Os profissionais entrevistados relataram que não recebe-
compõem este grupo que a grande maioria das ram nenhuma formação acadêmica e nem continuada na
escolas não possui a menor condição de rece- rede municipal de Uberlândia, enquanto profissionais que
ber, e com quem não consegue realizar um tra- atuam diretamente com essas crianças.
19
A palavra espaço utilizada no texto não é relativa apenas
balho satisfatório. É necessário um espaço19 ao espaço físico, mas também à organização curricular, à
nas instituições de ensino em que se trabalhe estrutura da sala de aula, à formação de professores, etc.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 61
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

não, porém estes não souberam justificar suas dade surda e de sua cultura24 , para criar condi-
respostas. ções reais para a inclusão. Neste sentido, ainda
As justificativas listadas pelos pais referem- que a proposta inclusiva vise contemplar a ne-
se ao fato dos professores possuírem uma quan- cessidade de um olhar para as diferenças, sabe-
tidade menor de alunos, de todos os alunos do se que as representações e a construção de
grupo serem surdos20 e todos os professores uti- significados são determinadas por uma cultura
lizarem a LIBRAS, estando estes, portanto, se- dominante (a dos ouvintes). Isso significa dizer
gundo os pais, preparados para atender as que a construção de significados de uma cultu-
necessidades específicas dos alunos e possibili- ra ouvinte não pode ser enquadrada no que tem
tar melhores condições para o seu aprendizado. de específico na cultura existente entre os sur-
Os elementos destacados pelos pais não dos (SKLIAR, 2000).
acontecem nas escolas regulares com salas Desta forma, mesmo que o surdo viva en-
mistas, compostas por alunos surdos e ouvin- tre os ouvintes e partilhe de sua cultura, há
tes, já que a maioria dos professores21 desco- traços culturais próprios de seu grupo que são
nhece a criança surda, o seu processo chamados de cultura surda (SKLIAR, 1998).
cognitivo22 , sua língua, sua história... Como pode
ser possível incluir assim? 20
Não se defende a separação entre surdos e ouvintes, pelo
contrário, valoriza-se a condição humana independente de
No cotidiano de sala de aula observado, o suas características particulares. Entretanto, não se pode
que se encontra são professores angustiados, negar a importância da convivência com pares surdos para
a aprendizagem e desenvolvimento lingüístico e cognitivo
tensos com a diversidade de problemas que têm dos alunos surdos. O espaço de socialização e convivência
de enfrentar e, para complicar mais a situação, entre surdos e ouvintes precisa ser cultivado. No entanto,
depara-se com problemas de ordem comunica- não é possível compactuar com as crenças de que, em nome
da boa convivência e socialização, os aprendizes surdos fi-
tiva, já que eles não dominam a língua de sinais quem privados de todas as condições necessárias à sua apren-
para se comunicar com seus alunos surdos, e dizagem escolar e desenvolvimento humano. Assim, não se
pretende estimular a cisão entre surdos e ouvintes, mas
estes, não raras às vezes, ainda não possuem garantir um desenvolvimento saudável dos primeiros para
nenhuma língua estruturada. A realidade das que seja possível a existência de uma sociedade para todos.
21
escolas de Uberlândia tem sido essa: professo- A formação continuada destinada ao atendimento de cri-
anças surdas na rede municipal de Uberlândia, têm sido his-
res sem formação específica para receber cri- toricamente priorizada aos professores de atendimento es-
anças surdas, que não usam a LIBRAS, e cuja pecializado. Os professores da sala regular de ensino que
possuem uma carga horária maior de trabalho com os alu-
única recomendação recebida é a de falar de- nos e a responsabilidade por sua escolarização ficam à mar-
vagar, olhando diretamente para os alunos sur- gem deste processo.
22
dos. O desconhecimento é tão profundo que O desenvolvimento cognitivo de uma criança surda se
estrutura tendo por base informações visuais. A imagem e a
muitos profissionais da escola, inclusive profes- experiência são fundamentais para que haja aprendizagem
sores, pensam que todos os surdos sabem ler e, consequentemente, evolução e desenvolvimento. Assim,
não se defende que crianças surdas possuem naturalmente
os lábios, ou ainda, que se comunicam com a um déficit cognitivo em relação às ouvintes; o déficit é
leitura do alfabeto manual (datilologia23 ). A co- provocado pela ausência de linguagem e de informação, não
sendo, portanto, naturais, mas circunstanciais.
municação originária de recursos como mími- 23
Datilologia: uso de alfabeto manual para soletrar as pala-
ca, datilologia de forma generalizada, e mesmo vras na língua oficial do país. A datilologia é um recurso
leitura labial, de maneira geral tem se mostrado utilizado pela comunidade surda para a apresentação de no-
mes próprios de pessoas e/ou locais que não possuem sinais
insuficiente, não respondendo, portanto, às ne- convencionais, sendo utilizada, também, para a introdução
cessidades comunicativas inerentes ao proces- de novos vocábulos e conceitos. Entretanto, só possui sen-
tido ao ser utilizada por pessoas surdas alfabetizadas.
so de escolarização. 24
Entende-se por cultura a expressão máxima de um grupo
Esta realidade demonstra a necessidade de e/ou povo, a sua forma de enxergar e se relacionar com o
compreensão por parte da sociedade em geral mundo, suas crenças e seus valores. A cultura surda, no caso
origina-se da língua de sinais, da experiência de mundo pró-
e, neste caso, por parte da escola, do que vem pria das pessoas surdas, e seu principal canal é visuo-gestual.
ser a surdez, as diferentes concepções de sur- Não se pode negar a existência, por parte das pessoas sur-
das, de uma forma muito peculiar de se relacionar com o
dez, e suas repercussões nestes contextos. É mundo. Por ser peculiar a este grupo, é denominada por
preciso compreender a existência da comuni- muitos de cultura surda.

62 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

Isto não quer dizer que os surdos tenham uma no momento em que ela os inclui na sala de
cultura totalmente distinta da chamada cultu- aula regular mista, composta de alunos surdos
ra ouvinte, mas a própria natureza visuo-ges- e ouvintes, com o professorado sem formação,
tual deste grupo o faz dar prioridade a faces e sem o mínimo de estrutura, inviabiliza o pro-
da cultura de seu país que, muitas vezes, não cesso de apropriação lingüística destes apren-
são percebidas e valorizadas pelos ouvintes. dizes; aceita-se a língua de sinais, sem
O que propicia aos surdos construírem uma viabilizá-la.
cultura própria é a significação e/ou ressigni- Este fato pode ser ilustrado pelo relato de
ficação que eles dão a tudo que existe na cul- uma professora do ensino regular que possuía
tura ouvinte, criando assim costumes próprios, em sua sala de aula crianças surdas, mas, que
formas de ver e interpretar o mundo peculia- ao iniciar seu trabalho com estes alunos, não
res à sua natureza visuo-gestual. É salutar sabia a LIBRAS e nem possuía conhecimentos
compreender que “a riqueza da diversidade cul- preliminares sobre a surdez:
tural habita nas diferenças, na possibilidade de Antes de fazer o curso de LIBRAS, eu ficava meio
existência de diferentes sujeitos culturais” perdida, porque eu tentava passar alguma coi-
(CANDAU, 2002, p. 74). sa e eles não entendiam, ficava uma comunica-
Assim, não é possível incluí-los sem respei- ção bloqueada. Eu escrevia, mas como eu
tar sua cultura em toda sua diversidade. Não trabalhava com alfabetização, as crianças não
basta buscar garantir a condição bilíngüe25 , mas conseguiam ler. Então, não tinha comunicação.
(relato de uma professora regente).
entender que o universo bilíngüe dos surdos, que
opera entre a língua de sinais e a língua portu- O desconhecimento da língua de sinais - sua
guesa, é um espaço que necessita de interven- estrutura gramatical e lexical, sua abrangência
ções didáticas. Neste processo é preciso, ainda, e complexidade - torna deficitária a relação do
se garantir a presença de profissionais surdos. professor regente com a língua, gera precon-
Pois, como se efetivar de fato uma inclusão, se ceitos e dificulta as condições de ensino e apren-
os principais interessados são excluídos do pro- dizagem. Assim, a língua de sinais passa a ser
cesso de organização do trabalho pedagógico utilizada no cotidiano da sala como uma mímica
que os atenderá? para traduzir grosseiramente algumas palavras
Acreditamos numa escola com salas de au- do português, como sinais soltos sem contextu-
las regulares para surdos, que trabalhe a partir alização. Esta situação foi amplamente obser-
de uma perspectiva bilíngüe, respeitando os as- vada durante as fases de coleta de dados das
pectos específicos do processo cultural, social duas pesquisas de referência deste artigo.
e cognitivo desses aprendizes. Skliar (2002) Assim, as observações realizadas em sala
destaca dois aspectos fundamentais para a es- de aula apontaram para uma falta de conheci-
colarização dos surdos: a língua e a identidade. mento generalizado sobre a língua de sinais, pois
Conhecer o papel e a importância da língua muitas vezes o professor utiliza sinais relativos
na constituição do sujeito é fundamental para a um objeto/palavra e pensa que faz uso da lín-
se pensar numa proposta curricular diferencia- gua, ou ainda utiliza o tempo todo a datilologia
da para os surdos. Saber que a língua de sinais também pensando que está se comunicando e/
imprime uma identidade surda é uma questão ou mesmo fazendo uso da língua de sinais. Ele
preponderante neste movimento. Assim, ao des- não compreende que esta língua, no caso a LI-
considerá-la, nega-se ao surdo o direito de cons- BRAS, possui estrutura e gramática próprias, é
truir seu saber, sua identidade, sua cultura complexa como todas as línguas, etc; e que usar
(PENIN, 1998).
Neste aspecto, a realidade investigada em 25
Bilingüismo no caso da educação de pessoas surdas não se
Uberlândia ilustra um paradoxo. A escola tem reduz ao uso e/ou domínio de duas línguas, a portuguesa e a
de sinais; trata-se de uma filosofia de educação que inclui
a intenção de valorizar e de estimular o uso da uma perspectiva histórica, identitária e cultural da comuni-
LIBRAS entre seus alunos surdos; entretanto, dade surda. Representa, também, uma opção política.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 63
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

sinais isolados não significa fazer uso da LI- do homogêneo, sem diferenças, com direitos
BRAS. Mesmo quando se usam esses sinais iguais para todos, cabendo aos surdos se adap-
na estrutura da língua portuguesa, não é LI- tarem da melhor forma possível aos processos
BRAS, mas português sinalizado, muitas vezes de trabalho pensados para eles. Estas práticas,
não compreendido pelos surdos. discutidas por Quadros (2003), refletem uma
Esta prática contraria as disposições legais inclusão visando atender a interesses políticos
sobre este tema, pois atualmente a criança sur- baseados no princípio da homogeneidade. Des-
da brasileira possui o direito legal de ter acesso considerar as diferenças, no caso dos surdos, é
à LIBRAS como primeira língua, assim como o no mínimo discriminar, pois o fato de não ouvir
de ser escolarizada tendo-a como base. É o é uma diferença sensorial considerável, que
aprendizado e a fluência nesta língua que lhe requer formas distintas de comunicação e, por
garante as condições básicas de desenvolvimen- conseguinte, de ensino.
to afetivo, cognitivo e social. Assim, a criança Em decorrência da concepção de uma es-
conseguirá relacionar-se com o mundo de re- cola para todos, as crianças surdas estão sendo
presentações, garantindo o estabelecimento de aceitas nas escolas regulares, tendo oportuni-
bases mais sólidas para a aquisição de uma se- dade de se socializar com os outros, e de adqui-
gunda língua – o português e, por conseguinte, rir, com grande dificuldade e sofrimento, alguns
para a alfabetização. conhecimentos elementares para sua sobrevi-
Ainda foi possível perceber que, no cotidia- vência em sociedade. As experiências investi-
no escolar investigado, existem muitas situações gadas em Uberlândia demonstram o pouco
que desconsideram a presença dessas crian- preparo dos profissionais da escola para traba-
ças surdas no interior da sala de aula do ensino lhar com estes alunos, pois nenhum aluno ou-
regular. Pode-se ilustrar esta situação com o vinte fica tanto tempo na escola apenas para se
seguinte fato: numa aula de artes, a atividade socializar; ele está lá para aprender os conhe-
proposta pela professora foi a de se ouvir uma cimentos socialmente acumulados.
fita, identificar o som produzido pelos objetos e Esta prática ainda revela a questão da baixa
animais e finalizar com um desenho do objeto expectativa pedagógica dos profissionais ouvin-
e/ou animal que emite o som ouvido. A propos- tes com relação à aprendizagem dos educan-
ta foi inadequada, a professora demonstrou não dos surdos26 . Como os ouvintes, estes possuem
ter conhecimento para trabalhar com crianças o direito de estar na escola, e de aprender e se
surdas, e não se preocupou com a aprendiza- desenvolver com dignidade. Assim, é preciso
gem e a participação delas neste processo. Isto garantir aos profissionais que atuam nestas es-
não quer dizer que não se possa trabalhar com colas uma formação adequada, para que reali-
música na sala de aula onde haja crianças sur- zem um trabalho capaz de promover a
das e ouvintes, mas este trabalho exige uma aprendizagem de todos, inclusive daqueles que
metodologia própria que propicie a toda a tur- se encontram em condição de deficiência físi-
ma o envolvimento e o aproveitamento da aula. ca e/ou sensorial. Logo, não se trata apenas de
recebê-los nem de incorporar o discurso pater-
nalista e superprotetor, para o qual apenas o
4. Algumas reflexões finais fato de se garantir a oportunidade de convivên-
cia e socialização já representa uma grande
Na realidade, as crianças surdas estão sen- evolução. Não se trata de construir uma socie-
do incluídas apenas fisicamente em classes re- dade melhor a partir do sofrimento e da exclu-
gulares, e o fracasso escolar é atribuído a elas.
Na escola integracionista para surdos, tudo é 26
A presença da baixa expectativa pedagógica em relação à
pensado, organizado e gerido pelos ouvintes, aprendizagem de pessoas em condição de deficiência física
e/ou sensorial é uma realidade comum nas escolas regulares,
profissionais que, possuindo consciência ou não, que precisa ser superada como condição básica para que se
representam e reproduzem a idéia de um mun- processe uma prática real de educação inclusiva.

64 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

são velada de um grupo. É preciso que os pro- no seu processo de aprendizagem, pois, mesmo
fissionais tenham consciência deste fato. A quando possuem professores bilíngües, estes sem-
melhoria das relações é construída a partir do pre oferecem explicações e/ou explorações dos
conhecimento sobre a deficiência e suas impli- temas trabalhados em sala de aula primeiro para
cações na vida de cada pessoa, do reconheci- os ouvintes e, posteriormente, com inúmeras in-
mento da condição do outro, do respeito e da terrupções, para os surdos. Assim, a prática do-
oportunidade de aprendizagem e desenvolvimen- cente desempenhada em um ambiente em que o
to que são oferecidas às novas gerações. professor precisa realizar a mesma tarefa por
No caso dos pais e educadores de Uberlân- no mínimo duas vezes, utilizando estratégias de
dia que participaram dos estudos citados neste ensino distintas e sendo interrompido pela dinâ-
texto, a grande maioria demonstrou não possuir mica da aula por diversas vezes, é muito esta-
conhecimentos específicos e pedagógicos so- fante. Ele fica sobrecarregado e o aluno surdo
bre a surdez, a língua de sinais, a cultura surda, sempre perde, por ser minoria dentro da sala de
etc. Ainda existe fortemente, nos relatos dos aula. O que ocorre nestas situações é que, du-
pais e educadores, a crença de que, através da rante a explicação do professor, os alunos sur-
oralização, os surdos se tornarão “ouvintes”, ou dos acabam não recebendo um atendimento
seja, terão um desenvolvimento cognitivo, soci- completo com informações com início, meio e
al e lingüístico “normal” como as outras pesso- fim, o que prejudica o seu aprendizado.
as. Isto é possível. Porém não será através da A partir desta situação, construiu-se, no seio
oralização27 que a criança surda poderá se de- dos profissionais que trabalham com escolas
senvolver naturalmente como uma criança sem inclusivas, na educação de pessoas em condi-
seqüelas cognitivas, sociais e afetivas. ção de deficiência física e/ou sensorial em Uber-
Este desenvolvimento ocorre através da in- lândia, o discurso de que este grupo de crianças,
serção sócio-cultural e educacional das crian- e aqui no caso, as crianças surdas, aprende e
ças surdas, desde a primeira infância, em possui potencial escolar. Entretanto, para estes
projetos educacionais que lhes garantam o aces- alunos, é necessário um tempo escolar distinto
so à língua de sinais e à convivência com ou- dos demais, já que eles não conseguem cursar
tros pares surdos, e a oportunidade de interagir uma série escolar em um ano, como ocorre com
com os conhecimentos socialmente acumula- as demais crianças. Sendo assim, é necessário,
dos pela humanidade, como ocorre com as cri- para este grupo, de dois a três anos para se
anças ouvintes. cursar uma série.
A comunidade surda da cidade assume, nes- Este pensamento naturaliza o fracasso es-
te processo, um papel muito importante: o de colar das crianças em condição de deficiência,
realizar a ponte entre ela e a família da criança e ainda centraliza nelas a responsabilidade pelo
surda, além de desmistificar as representações
de surdez como fardo social e familiar, e de 27
Se isto fosse possível, provavelmente hoje a realidade das
apresentar aos envolvidos outra face da expe- pessoas surdas seria outra, considerando que o Oralismo
imperou no mundo por quase um século.
riência de ser surdo. É seu papel divulgar a Lei 28
Existe uma grande polêmica nesta questão, pois levam-se
n. 10.436, de 24 de abril de 2002, que dispõe muitos anos para se formar um professor. Esta formação
sobre a Língua Brasileira de Sinais – LIBRAS, exige aquisição de conhecimentos específicos da área de
atuação e de conhecimentos pedagógicos para atuar na pro-
e ainda trata do direito de os alunos surdos se- fissão. Além disso, são necessários muitos outros saberes
rem educados através dela, o que reforça a que são construídos durante a docência, os quais os intérpre-
tes não possuem. Assim, sempre se pergunta a quem cabe a
necessidade de salas regulares para surdos, uma tarefa de ensinar os alunos surdos. Ao professor ou ao intér-
vez que cabe ao professor ensinar, e não aos prete? Esta tarefa é sem dúvida do professor. Então, como
fazê-lo se não há comunicação entre professor e aluno?
intérpretes de LIBRAS28 . Como o professor pode ter a garantia de que o intérprete
As experiências com salas mistas de Uber- está interpretando corretamente os conceitos ensinados?
Estes são desafios que precisam ser superados. Cada profis-
lândia têm evidenciado que os alunos surdos, sional poderá encontrar um caminho. Porém, o ideal é o
por serem minoria, ficam sempre prejudicados professor ser bilíngüe.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 65
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

seu desenvolvimento escolar. Esta postura ainda Esta questão também não pode ser entendi-
inibe a busca por conhecimentos específicos e da sem se levarem em consideração a seletivi-
pedagógicos capazes de ampliar as condições dade e a exclusão presentes no sistema
de ensino e de aprendizagem das pessoas em educacional brasileiro. Assim, discute-se a in-
condição de deficiência no meio escolar. As cri- clusão, mas, na prática, exercita-se a exclusão.
anças surdas têm potencial de se desenvolver Isto porque não se pode negar o fato de que
em tempo escolar igual ou semelhante ao de cri- historicamente a escola regular brasileira tem
anças ouvintes. É necessária, entretanto, a pre- sido altamente excludente e seletiva em suas
sença de conhecimentos específicos e pedagó- práticas educativas.
gicos adequados ao processo de ensino e Todavia, não se pode desconsiderar que sig-
aprendizagem destinado a este grupo. nifica um modo de inclusão social os alunos
Neste sentido, existe um grande trabalho a surdos se encontrarem em uma escola regular
ser desenvolvido nas escolas da rede municipal de ensino, possuindo a possibilidade real de se
de educação de Uberlândia, a fim de se supe- relacionar com todos da escola, independente
rar a integração e se chegar à inclusão. Porém, das suas condições físicas e sensoriais. Entre-
pensar a inclusão com o modelo de escola que tanto, acreditamos que esta inclusão social acon-
tem sido desenhada atualmente parece-nos uma tece também via inclusão real das possibilidades
proposta fadada ao fracasso. de aprendizagem e desenvolvimento. Não bas-
Nesta perspectiva, as salas regulares para ta colocá-los em classes mistas para dizer que
surdos, com professores realmente capacitados, esta é uma ação inclusiva.
bilíngües e, portanto, aptos para interagirem de A experiência tem mostrado que o trabalho
forma dinâmica e eficaz no processo educativo em salas mistas não tem oferecido condições
desses alunos, têm se mostrado um caminho de desenvolvimento escolar satisfatórias a este
que, se bem estruturado, poderá ser capaz de grupo de alunos 29 . Em Uberlândia, atualmen-
ampliar e respeitar o seu potencial de aprendi- te, após mais de treze anos de experiência es-
zagem. colar com salas mistas, os alunos surdos
É preciso romper com as amarras do medo apresentam altos índices de reprovação esco-
e a falácia de que só existe inclusão quando lar. E mesmo aqueles que alcançaram alguns
estão surdos e ouvintes juntos em uma mesma índices de sucesso escolar não conseguem ler
sala de aula. Urge a presença de um conceito e escrever em língua portuguesa, mesmo es-
de inclusão que ultrapasse as questões físicas. tando em séries avançadas da segunda fase do
Não se trata de inserir o aluno surdo em salas ensino fundamental (7ª e/ou 8ª séries), bem
regulares e heterogêneas, contendo pessoas como do ensino médio. O que limita as suas
surdas e ouvintes, mas em garantir condições condições de inserção no ensino superior e no
reais de aprendizagem e de desenvolvimento mercado de trabalho.
humano para ele. Desta forma, a existência de Não se pretende, no entanto, dizer que em
salas regulares para surdos não sinaliza para a salas regulares para surdos não há dificuldades
segregação e nem para a “exclusão”. Segre- de aprendizagem e de desenvolvimento esco-
gar e excluir significa colocar o surdo em uma lar. Existem muitas dificuldades, já que a sala
sala de aula em que este permanece sempre regular para surdo também não homogeneíza,
isolado dos demais nas questões relativas à como muitos pensam. Cada surdo é um sujeito
aprendizagem e desenvolvimento escolar. Esta diferente; mesmo que os déficits sensoriais pos-
é uma forma velada de segregação e exclusão. sam ser semelhantes e/ou idênticos, os fatores
Em que melhora as condições de vida reais das biológicos, sociais e culturais acabam constitu-
pessoas surdas a sua inclusão física na escola? indo pessoas diversas. Existem dificuldades,
O que faria essa diferença seria uma inclusão
de fato, em que se garantissem condições de 29
Esta análise e discussão se restringem ao grupo de aprendi-
ensino e de aprendizagem a estes aprendizes. zes surdos, em decorrência das especificidades lingüísticas.

66 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Lázara Cristina da Silva; Silvana Malusá Baraúna

desde aquelas relacionadas à falta de conheci- no mercado de trabalho, através de isenções


mentos simples e informações do cotidiano es- de impostos e outras facilidades para as gran-
colar, até as relativas ao entendimento de des empresas que colocarem em seu quadro
conceitos mais complexos, decorrentes da fal- de profissionais pessoas com deficiências sen-
ta de competência lingüística na LIBRAS e em soriais e/ou físicas. No caso das empresas
português, e de formação docente dos profissi- públicas, 10% das vagas em concursos públi-
onais envolvidos, etc. cos são destinadas a este grupo; entretanto,
As dificuldades ultrapassam as questões os surdos não possuem condições de desfru-
pedagógicas e de formação docente, e esbar- tar destas garantias, pois lhes falta um desen-
ram em questões inerentes à falta de informa- volvimento escolar e profissional capaz de ofe-
ções e de vontade política da sociedade em recer condições reais para pleitearem tais
geral. Existe um número considerável de sur- vagas. Esta tarefa tem sido assumida pelas
dos em Uberlândia 30 , e os meios de comunica- associações das categorias. No caso da for-
ção de massa não atentam para as necessidades mação educacional, estas associações não
deste grupo de pessoas. Um exemplo simples conseguem desempenhar este papel, que, ali-
diz respeito aos telejornais locais e nacionais, ás, é de obrigação do Estado.
que não possuem um intérprete de LIBRAS, o Neste sentido, trata-se de se criarem con-
que deixa os surdos à margem das informações dições reais de aprendizagem, e de não haver
veiculadas. Atualmente existem recursos tec- preocupação com o fato de ser ou não inclu-
nológicos que permitem que estes programas são os alunos estarem em salas regulares de
sejam apresentados com legendas, para que surdos. Para o grupo de profissionais que atua
possam ser acompanhados através da leitura. em salas regulares de surdos, este trabalho é
Todavia, esta leitura, além de ter que ser muito inclusivo de fato, pois lhes possibilita, além de
rápida, não atende plenamente as necessida- aprender os conteúdos curriculares, compre-
des destes sujeitos, pois eles possuem dificul- ender e inserir-se na sociedade como um todo.
dades de compreensão de todas as informações Não se trata aqui de uma ação inconstitucio-
em língua portuguesa. Ademais, uma grande nal, porque a legislação garante atendimento
parcela desse grupo é semi-analfabeta. especializado aos grupos que demandam aten-
Muitos pesquisadores da área defendem dimentos específicos decorrentes de condições
que essas mudanças podem acontecer via es- lingüísticas, como no caso dos surdos, estran-
cola, e que o fato das crianças crescerem con- geiros e indígenas.
vivendo com as diferenças as torna mais Por outro lado, as escolas que possuem
conscientes e respeitosas com relação à cau- salas regulares para surdos têm buscado es-
sa do outro. Porém, acreditamos ser este um tabelecer ações que viabilizem a aproxima-
raciocínio simplista. A escola historicamente ção social entre todos os seus alunos,
tem servido muito mais como meio de se man- oferecendo cursos de LIBRAS para a comu-
terem os interesses políticos e econômicos do nidade escolar e local, a fim de que os inte-
que como instrumento propulsor de grandes ressados possam aprender a se comunicar e
transformações sociais. Esse raciocínio trans- interagir com os aprendizes surdos. Além dis-
fere para a escola algo que ultrapassa os seus so, na convivência diária, nos eventos, nos
limites educacionais. recreios e nas brincadeiras estes vão apren-
Outro ponto a ser ressaltado é que não se dendo a se comunicar. Não há preconceitos,
trata apenas de se oferecerem espaços soci- há possibilidades de escolhas.
ais e profissionais a este grupo de pessoas, mas
também de se garantirem condições de desen-
volvimento escolar condizentes com a sua in- 30
A Associação de surdos apresenta um quantitativo de mais
de seiscentas pessoas associadas. Acredita-se, porém, que
serção nestes espaços. Atualmente a legisla- exista um número significativo destas que não freqüentam a
ção garante aos surdos o direito de ingresso associação e, portanto, não são associadas.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007 67
A inclusão escolar do surdo: algumas reflexões sobre um cotidiano investigado

REFERÊNCIAS

BOTELHO, Paula. Linguagem e letramento na educação dos surdos: ideologias e práticas pedagógicas.
Belo Horizonte: Autêntica, 2002.
CANDAU,V.M. Multiculturalismo e educação: a construção de uma perspectiva. In: CANDAU, V. M. (Org.)
Sociedade, educação e cultura(s): questões e propostas. Petrópolis: Vozes, 2002. p. 52-80.
BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. 2. ed. Brasília,
DF: CORDE,1997.
GOUVÊA. Joyldson. Educação inclusiva é desafio. Jornal Estado de Minas Gerais, terça-feira, 8 mar. 2005.
(Palestra).
PALHARES, M.S. Escola inclusiva. São Carlos: EDUFSCar, 2002.
PERLIN, Gladis. Identidade e cultura surda. In: SKLIAR, Carlos.A surdez: um olhar sobre as diferenças.
Porto Alegre: Dimensão, 1998. p. 51-74.
QUADROS, R. M. Situando as diferenças implicadas na educação de surdos: inclusão/exclusão. Revista
Ponto de Vista, Florianópolis, n. 5, p. 81-112, 2003.
SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.
_____. Inclusão dá trabalho. Belo Horizonte: Armazém de Idéias, 2000.
SILVA, Shirley; VIZIM, Marli (Org.). Educação especial: múltiplas leituras e diferentes significados. Campi-
nas: Mercado de letras, 2001.
SKLIAR, Carlos (Org.). A surdez: um olhar sobre a diferença. Porto Alegre: Mediação, 1998.
_____. Educação e exclusão: abordagens sócio-antropológicas em educação. Porto Alegre: Mediação,
1997.
_____. Perspectivas políticas e pedagógicas da educação bilíngüe para surdos. In: SILVA S.; VIZIM, M.
(Org) Educação especial: múltiplas leituras e diferentes significados. Campinas: Mercado de Letras, 2001. p.
85-109.
VIGOTSKY, L.S. Linguagem e pensamento. São Paulo: Martins Fontes, 1989.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 07.12.06

68 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 55-68, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

ANALISANDO OS DISCURSOS SOBRE INCLUSÃO


NOS CURSOS DE PSICOLOGIA DAS IFES MINEIRAS

Luciana Pacheco Marques *


Cristina Toledo **
Frederika de Assis Burnier ***
Gabriela Silveira Meireles ****

RESUMO 1

Este texto objetiva desvelar os sentidos do termo inclusão nos Cursos de


Psicologia das Instituições Federais de Ensino Superior de Minas Gerais (IFES
Mineiras). Utiliza como referencial metodológico a Análise de Discurso e tem
como corpus discursivo as produções acadêmicas (dissertações) dos programas
de mestrado em Psicologia das IFES Mineiras; a grade curricular dos cursos
de psicologia destas instituições com a(s) respectiva(s) ementa(s) da(s)
disciplina(s) relacionada(s) à temática; e uma entrevista individual realizada
com três alunos(as) do último ano, o(a) professor(a) responsável pela área de
Educação Especial, e o(a) coordenador(a) destes cursos. Ao desvelar os
sentidos do termo inclusão que estão sendo formados nestes cursos de
Psicologia, são três as formações ideológicas no tratamento da diferença imposta
pela deficiência: exclusão, integração e inclusão.
Palavras-chave: Formação do Psicólogo – Inclusão – Diversidade – Educação
Especial

* Doutora em Educação. Professora da Faculdade de Educação/UFJF. Endereço para correspondência: Campus da


Universidade Federal de Juiz de Fora/Faculdade de Educação/Núcleo de Educação Especial, Bairro Martelos – 36036-
330 Juiz de Fora/MG. E-mail: lupmarques@uol.com.br
** Psicóloga. Mestranda do PPGE/UFJF. Endereço para correspondência: Campus da Universidade Federal de Juiz de
Fora/Faculdade de Educação/Núcleo de Educação Especial, Bairro Martelos – 36036-330 Juiz de Fora/MG. E-mail:
cristld@yahoo.com.br
*** Psicóloga. Mestranda do PPGE/UFJF. Endereço para correspondência: Campus da Universidade Federal de Juiz
de Fora/Faculdade de Educação/Núcleo de Educação Especial, Bairro Martelos – 36036-330 Juiz de Fora/MG. E-mail:
frederika_assis@hotmail.com
**** Pedagoga. Mestranda do PPGE/UFJF. Endereço para correspondência: Campus da Universidade Federal de Juiz
de Fora/Faculdade de Educação/Núcleo de Educação Especial, Bairro Martelos – 36036-330 Juiz de Fora/MG. E-mail:
gabrielasilveirameireles@hotmail.com
1
Pesquisa financiada pela FAPEMIG e pelo CNPq, realizada pelo Núcleo de Educação Especial/UFJF, Campus da Universi-
dade Federal de Juiz de Fora/Faculdade de Educação/Núcleo de Educação Especial. Bairro Martelos – 36036-330, Juiz de
Fora/MG.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 69
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

ABSTRACT

ANALYZING THE INCLUSION DISCOURSES OF THE IFES


MINEIRAS PSYCHOLOGY COURSES
The aim of this study is to unravel the different meanings of the term inclusion
in the Psychology Schools at the Minas Gerais Federal institutions for Higher
Education (IFES Mineiras). It uses the Discourse Analysis method and its
discursive corpus is based on academic productions (dissertations) in the IFES
Mineiras Master’s Degree Programs, the subjects and schedules of the
Psychology schools at the IFES Mineiras, along with the respective appendices
to the subjects related to the aforementioned theme and an interview with
three separate students at the same year in college, the teacher responsible for
the Special Education area and the Coordinator of these courses. Upon
unraveling the meanings of the term inclusion which are being taught at these
Psychology schools, three ideological themes were found in the treatment of
the difference imposed by disability: exclusion, integration and inclusion.
Keywords: Formation of a Psychologist – Inclusion – Diversity – Special
Education

Introdução Fundamentos teóricos

Durante muitos anos buscou-se um enten- Historicamente percebe-se a busca da so-


dimento da escola como locus de atendimen- ciedade em encontrar artifícios que estabele-
to à diversidade humana. No entanto, as insti- çam normas para a aceitação social dos
tuições de ensino deparavam-se com indivíduos. Muitas vezes impõem-se estigmas
psicólogos formados por currículos homoge- às pessoas que divergem de um determinado
neizadores, que lhes obstaculizavam a com- padrão em função da diversidade humana, en-
preensão de que a modernidade onde estavam tendida nesse sentido com um caráter coletivo,
inseridos os situavam numa formação ideoló- uma vez que também considera as diferenças
gica excludente, onde imperava a dicotomia individuais.
normal x anormal. O estigma constitui uma marca de caráter
Verificou-se, assim, que era preciso com- negativo e pejorativo empregada para identifi-
preender os cursos de formação inicial aos car e segregar pessoas que não se enquadram
quais estes profissionais eram submetidos, em padrões estabelecidos de normalidade. Se-
para que se pudesse, junto com seus colabo- gundo Goffman (1988, p. 14):
radores – professores universitários, coorde- ... o indivíduo que poderia ter sido facilmente
nadores de curso, graduandos e outros , recebido na relação social cotidiana possui um
refletir sobre a questão da heterogeneidade traço que se pode impor à atenção e afastar aque-
destes/nestes cursos. les que ele encontra, destruindo a possibilidade
Inicialmente abordou-se a questão da estig- de atenção para outros atributos seus. Ele pos-
matização, da construção dos paradigmas da sui um estigma, uma característica diferente da
exclusão, integração e inclusão, e tratou-se da que havíamos previsto.
formação em nível superior dos psicólogos para Acreditando acima de tudo no saber cien-
o atendimento à diversidade. Apresenta-se, en- tífico por ele produzido, o homem se encon-
tão, o objetivo, a metodologia, as análises e as tra no direito de poder dizer o que lhe convier
conclusões dessa pesquisa. a respeito do outro, principalmente daquele

70 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

entendido como desviante do padrão de nor- De acordo com Sassaki (1997, p. 35):
malidade, estabelecido em tal momento como ... no modelo integrativo, a sociedade, pratica-
único e absoluto. Já no cenário do mundo atu- mente de braços cruzados, aceita receber porta-
al 2 o discurso se funda na consideração da dores de deficiência desde que estes sejam
diversidade. Pressupõe-se que todas as pes- capazes de: moldar-se aos requisitos dos servi-
soas são iguais no que se refere ao valor ços especiais separados (classe especial, escola
máximo da existência: a humanidade. Assim, especial, etc.); acompanhar os procedimentos
tradicionais (de trabalho, escolarização, convi-
considera-se que ser negro ou branco, ser alto
vência social, etc.); contornar os obstáculos exis-
ou baixo, ser deficiente ou não-deficiente, ser tentes no meio físico (espaço urbano, edifícios,
homem ou mulher, ser rico ou pobre são ape- transportes, etc.) (...) desempenhar papéis soci-
nas algumas das inúmeras probabilidades de ais individuais (aluno, trabalhador, usuário, pai,
ser humano. mãe, consumidor, etc.) com autonomia, mas não
A exclusão social, porém, se constituiu como necessariamente com independência.
ideologia dominante na relação da sociedade Embora imbuída dos princípios de equipara-
com as pessoas com deficiência, estabelecen- ção de oportunidades, de respeito às diferen-
do uma relação marcada pela dicotomia do cer- ças e inserção plena das pessoas com
to e errado, bom e ruim, normal e anormal. deficiência em todas as atividades sociais, a in-
Dentro desse contexto, a deficiência é remeti- tegração não conseguiu propiciar a verdadeira
da à idéia de incapacidade e ineficiência. Me- igualdade de oportunidades. Somente alguns,
diante a situação de inferioridade existencial da considerados mais capazes de superar e adap-
pessoa com deficiência, esta é isolada em insti- tar-se às barreiras físicas e atitudinais da soci-
tuições de natureza segregadora. edade conseguiram integrar-se. E a exclusão
De acordo com Marques e Marques (2003, ainda se fez presente para aqueles não capa-
p. 227): zes de se adaptar ao sistema produzido na
... observa-se uma forte tendência em se avaliar Modernidade. Ou seja, não houve mudança
a deficiência do outro sobre o prisma biológico, no contexto social, político e ideológico para que
passando seu portador a ser tratado como um a integração ocorresse efetivamente. Neste
doente, ou seja, uma pessoa fragilizada, sempre sentido, na tentativa de resgatar o sentido origi-
necessitada de assistência, por isso, digna de
nal de integração é assumido, no contexto da
pena. Assim procedendo, as pessoas ditas nor-
mais reduzem os significados da normalidade e atualidade, o paradigma da inclusão.
da adaptação para os padrões estéticos e de pro- Nas palavras de Sassaki (1997, p. 41), a in-
dutividade do corpo. clusão é “o processo pelo qual a sociedade se
adapta para poder incluir, em seus sistemas so-
Sob esta ótica se fundamenta a manuten-
ciais gerais, pessoas com necessidades especi-
ção dos asilos, hospitais e internatos para isola-
ais e, simultaneamente, estas se preparam para
mento de pessoas que se encontrem fora dos
assumir seus papéis na sociedade. A inclusão
padrões estabelecidos como normais. Camu-
social se constitui, então, em um processo bila-
flando a ideologia preconceituosa e discrimina-
teral.”
tória da sociedade, estas instituições se
Segundo Marques e Marques (2003), sendo
mantiveram sob a justificativa de proteção e
a escola parte constitutiva do todo social, ela
preparação das pessoas com deficiência para
refletirá os desdobramentos de todas as mu-
uma futura integração no ambiente social.
danças ocorridas nas concepções que signifi-
Para combater a prática de segregação a
cam a vida, e a passagem de uma concepção
que eram submetidas as pessoas com deficiên-
excludente de escola para outra fundada na di-
cia, surgiu a idéia de integração, que na década
versidade humana, o que deve significar uma
de 1960, procurou inserir estas pessoas nos sis-
temas sociais gerais, seja na educação, no tra- 2
Foram empregados os termos Atual e Atualidade para
balho ou no lazer. designar o momento histórico que estamos vivendo.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 71
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

profunda mudança em toda a dinâmica educaci- Diante disso, acredita-se, assim como Silva
onal. (1999, p. 20-21), que
Para estes autores (2003, p. 236): ... embora o currículo não coincida com a cultu-
... a escola inclusiva constitui uma proposta den- ra, embora o currículo esteja submetido a regras,
tro de um paradigma capaz de ressignificar as prá- a restrições, a convenções e a regulamentos pró-
ticas desenvolvidas no cotidiano da escola, como prios da instituição educacional, também ele pode
exigência da reorganização do trabalho escolar. A ser visto como um texto e analisado como dis-
escola inclusiva contribui para uma significativa curso (...) O currículo, tal como a cultura, é uma
mudança na postura do professor e para a cons- zona de produtividade. Essa produtividade, en-
trução de um novo perfil de escola que, a partir de tretanto, não pode ser desvinculada do caráter
então, objetiva contemplar e valorizar a singulari- social e das práticas de significação. Cultura e
dade de cada um dos sujeitos, trabalhando para currículo são, sobretudo, relações sociais.
uma visão de conjunto e parceria na busca da A formação dos psicólogos implica não so-
transposição do ideal para o real. mente na constituição de sua identidade profis-
O contexto da educação é marcado por su- sional, como também na sua identidade pessoal.
cessivos fracassos. Entre as causas apontadas Esta identidade deve estar alicerçada nos sa-
por alguns autores, destaca-se a má e precária beres curriculares, nos saberes da experiência
formação que os profissionais que atuam nesta e nos saberes sobre o processo pedagógico
área recebem nos cursos secundários, ou mes- (PEREIRA; MARTINS, 2002).
mo nos cursos superiores. Nesta perspectiva, Segundo Santos (2002, p. 158):
os psicólogos têm apresentado uma visão res- ... os documentos oficiais, emanados do poder
trita dos alunos, desconsiderando a realidade em central, têm destacado não apenas a necessida-
que eles se inserem e, na maioria das vezes, de de os docentes possuírem uma cultura geral
apenas realizam avaliações, rotulando os que que os situe no mundo contemporâneo, como
se encontram “fora do padrão”. Fica evidente também conhecimentos que lhes forneçam uma
visão ampla sobre o papel econômico, político e
portanto que não basta apenas adotar medidas
social da educação. Além disso, (...) falam tam-
legais através de promulgações de leis, sem que bém em uma educação de qualidade, educação
haja uma discussão envolvendo todos estes pro- inclusiva, educação para a cidadania, com base
fissionais, no que se refere a uma visão crítica em análises sobre a diversidade cultural e as
da prática escolar. desigualdades educacionais e sociais.
A escola que temos hoje no Brasil está apa- Demasiadamente amplas são as discussões
rentemente preparada para receber e trabalhar que podem ser suscitadas das determinações
com alunos de boa capacidade cognitiva, que legais postas para a formação e atuação do
podem caminhar com êxito com o apoio da es- psicólogo escolar, mas ressaltamos como ponto
cola, sem o apoio da escola, ou apesar do apoio de nosso estudo a formação para uma educa-
da escola. Entretanto, no Brasil, nos depara- ção comprometida com a inclusão, especifica-
mos com um alunado marcado por diferenças mente quando tal processo se refere às pessoas
sociais, físicas, intelectuais, étnicas, religiosas, com deficiência.
emocionais, entre outras. Sob este contexto se Muito se tem discutido sobre a matrícula do
faz cada vez mais necessária a discussão so- aluno com deficiência no ensino regular. A
bre a atual formação de nossos profissionais da Constituição Federal de 1988 e a Lei de Dire-
educação. trizes de Bases da Educação Nacional, Lei n.
Os psicólogos devem ter asseguradas as 9.394, de 20 de dezembro de 1996, recomen-
condições materiais concretas que possibilitem dam que a educação de crianças com deficiên-
processos de mudança e acesso ao conheci- cia seja realizada, preferencialmente, na rede
mento produzido na área da educação e da cul- regular de ensino e, conseqüentemente, que tal
tura em geral, que auxiliem a constituição do discussão seja levada para a formação dos pro-
currículo no espaço escolar onde atua. fissionais que irão trabalhar com este alunado.

72 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

A atual LDB traz em seu artigo 59, inciso outros e viver a cidadania. Assim, o desejo de
III, ao tratar especificamente sobre a forma- aprender deve superar o currículo proposto, res-
ção do professor, que “os sistemas de ensino peitando a cultura de cada aluno.
assegurarão professores com especialização Não se trata de formar um psicólogo para
adequada em nível médio ou superior, para aten- suprir as necessidades clínicas e terapêuticas
dimento especializado, bem como professores dos alunos, mas para auxiliá-los na compreen-
do ensino regular capacitados para a integra- são de seu desenvolvimento e de sua aprendi-
ção desses educandos nas classes comuns”. zagem, visando eliminar as barreiras próprias
Nesse sentido, devemos ressaltar a importân- de suas relações na escola.
cia de uma formação mais ampla, que favore- Conforme Almeida (2001, p. 65):
ça o reconhecimento das especificidades de ... quanto à formação de professores para a in-
cada aluno, e ao mesmo tempo contemple a clusão escolar, entendemos que inicialmente se
coletividade presente na sala de aula. faz necessário desconstruir algumas concep-
No que se refere à formação tanto do pro- ções, tais como a idéia de que a escola inclusiva
fessor quanto do psicólogo, em 27 de dezem- requer muito treinamento e só é possível con-
bro de 1994, segundo Marques e Marques cretizá-la com experts ou com especialistas em
educação especial; a idéia de que só turmas ho-
(2004), o então Ministro da Educação e do
mogêneas de alunos garantem o desenvolvimen-
Desporto, Murilo de Avellar Hingel, baixou a to de um bom trabalho, como se todos os alunos
Portaria n° 1.793, que recomenda a inclusão assimilassem da mesma forma e numa mesma
de disciplina específica e conteúdos sobre os proporção o que lhes foi repassado; e finalmen-
portadores de necessidades especiais em cur- te, a idéia de que o domínio da teoria precede a
sos de terceiro grau, prioritariamente nos Cur- prática (visão precedente de formação) como se
sos de Pedagogia, Psicologia e nas demais a formação a priori, sem conhecer o aluno con-
licenciaturas, tornando estes profissionais ca- creto e real, assegurasse ao professor facilida-
des para o trabalho.
pacitados para atuar junto a esses educandos
e suas escolas. As atitudes de resistência são respostas de
Tais determinações causam polêmica entre insegurança diante da exigência de mudanças,
os profissionais da educação, por estes terem da necessidade de substituir o conhecido e se-
assimilado uma concepção equivocada sobre guro pelo novo e desconhecido. Desta forma,
como atender os alunos com deficiência. Tal- para que se efetive de fato a inclusão é preciso
vez resida nesse fato o grande impasse da/na mais que garantia de vagas impostas por lei,
formação dos profissionais da educação, uma sendo necessário que a escola reveja suas con-
vez que esta questão não implica somente na cepções, reflita e reestruture sua prática peda-
aquisição do domínio de técnicas e regras, sen- gógica e sua organização.
do essencial que eles criem uma perspectiva Ao contrário do paradigma da inclusão, o
crítica em relação à escola, permitindo uma atu- nascimento da psicologia escolar teve como
ação para além do contexto da sala de aula. objeto de estudo os problemas de aprendiza-
A formação dos psicólogos deve levar em gem, transformando o ambiente de trabalho do
consideração a diversidade cultural, não se res- psicólogo, de acordo com Kupfer (1997, p. 52),
tringindo à cultura dominante. Pressupondo a in- em “uma sala de atendimento, um espaço em
clusão como a possibilidade dada aos alunos de que se podia aplicar testes”, constituindo-se,
desenvolver plenamente suas potencialidades, portanto, num modelo clínico. A forte influên-
entende-se que os psicólogos devem contemplar cia de uma visão médico-hospitalar deixou raí-
e ampliar a visão sociocultural dos alunos, dan- zes profundas na formação dos psicólogos e na
do-lhes oportunidade de vivenciar experiências maneira de compreender a atuação destes no
multissociais, de acordo com uma concepção que processo educacional.
aceite a diversidade, gerando na escola um es- Esta visão imprimiu na ação dos psicólogos
paço onde todos possam aprender uns com os uma linha nitidamente clínica, norteada, sobre-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 73
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

tudo, por atuações diagnósticas e curativas, nas se ainda a importância de uma reformulação
quais predominam um atendimento psicotera- crítica do papel do psicólogo escolar, enquanto
pêutico individualizado. O trabalho desenvolvi- uma especialidade profissional que pode auxili-
do pelo psicólogo escolar centra-se no aluno, ar as escolas no equacionamento das suas difi-
ficando em segundo plano a atuação junto à culdades.
escola, aos professores e aos pais, já que ele se
isenta do processo de ensino-aprendizagem na
escola e na política pedagógica adotada, enfo- Objetivo e metodologia
cando apenas, as deficiências e os possíveis
atrasos cognitivos dos alunos. Observa-se, en- Considerando como fundamental o papel do
tão, a necessidade de reconstrução da identi- psicólogo na constituição desta nova prática
dade do psicólogo no contexto educacional, a educacional, buscou-se desvelar os sentidos do
partir da revisão das suas concepções e práti- termo inclusão nos Cursos de Psicologia das
cas profissionais, de modo que elas possam dar Instituições Federais de Ensino Superior de
conta da complexidade da realidade. Minas Gerais (IFES Mineiras).
Nesse sentido, a psicologia é historicamen- Na análise desses discursos considerou-se
te responsável, tanto no saber como na prática, o tratamento dado à questão da deficiência, por
pelas produções excludentes de concepções serem mais visíveis os processos de exclusão e
normalizadoras, que desestabilizam os divergen- marginalização na escolaridade das pessoas
tes das curvas normais. São inúmeras as influ- com deficiência do que de outras categorias
ências geradas pelas idéias psicológicas nos historicamente excluídas.
processos de naturalização da separação das Como referência teórica para a análise pro-
diferenças, na sua administração institucional, posta utilizou-se o trabalho de Orlandi (1993,
na criação dos grupos segregados e na produ- 1996), que se orienta pela Escola Francesa de
ção dos instrumentos técnicos e concepções que Análise de Discurso (AD). Tendo iniciado na
fundamentam a sua seleção e apartação. Há década de 1970, com Michel Pêcheux, a AD
uma cumplicidade da psicologia com os proje- situa-se, nesta perspectiva, como uma discipli-
tos eficientizadores, de racionalização da Edu- na de entremeio, no domínio de três campos de
cação, que somente encontram seu descanso conhecimento: a Lingüística, o Marxismo e a
na produção da ordem, da disciplina estéril e da Psicanálise, adquirindo seu sentido pleno ao
serialização dos sujeitos. conceber a própria língua dentro de um proces-
Ao se restringir o trabalho do psicólogo nas so histórico-social que coloca o sujeito e o sen-
escolas à elaboração de diagnósticos, fortale- tido como partes desse processo. O discurso,
ce-se uma atuação avaliativa do desempenho então, é a conjugação necessária da língua com
da criança, de forma a acentuar uma imagem a história, produzindo a impressão da realidade;
reducionista do aluno, valorizando a avaliação e essa noção vai tornar possível na análise da
psicométrica, para a qual o aluno-problema é linguagem, independente do seu domínio, as re-
aquele que foge à média, que não é capaz de flexões sobre o sujeito e a situação em que ele
aprender e que está fora da norma estabeleci- está inserido, sendo o discurso uma noção fun-
da pelo rendimento escolar, valores, atitudes e dadora.
expectativa daqueles que se constituem como Assim, de acordo com Orlandi (1996, p. 56),
a classe dominante. Nossa proposta consiste “o objetivo da AD é compreender como um tex-
na ampliação da concepção de queixa escolar to funciona, como ele produz sentidos, sendo
que focalize não só a criança, mas também iden- ele concebido enquanto objeto lingüístico-histó-
tifique os fatores intra e extra-escolares asso- rico”. Dessa maneira, compreender, para a au-
ciados a estas queixas, tornando possível uma tora (1993, 1996), é explicitar o modo como o
intervenção mais adequada às necessidades da discurso produz sentidos, ou seja, considerar o
escola, dos professores e dos alunos. Destaca- funcionamento do discurso na produção de sen-

74 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

tidos, ressaltando o mecanismo ideológico que 2003 nas IFES que na época ofereciam o Cur-
o sustenta. O caminho para a compreensão do so de Psicologia. Estas foram a Universidade
texto é relacioná-lo com os diferentes proces- Federal de Belo Horizonte (UFMG), Universi-
sos de significação que nele ocorrem, estando dade Federal de Juiz de Fora (UFJF), Universi-
estes em função da historicidade, ou seja, da dade Federal de São João Del Rei (UFSJ) e
história do sujeito e do sentido. Universidade Federal de Uberlândia (UFU).
Além disso, Orlandi (1993, 1996) afirma que Dentre estas somente a UFMG tinha Mestra-
a heterogeneidade do discurso é caracterizada do em Psicologia com dissertações já defendi-
pela dispersão dos textos e do sujeito, este afe- das. Os sujeitos entrevistados foram referenci-
tado pela ideologia. O texto, atravessado por ados por pseudônimos a fim de preservar sua
diferentes posições do sujeito, corresponde a identidade.
várias formações discursivas, que se caracteri-
zam pelas diferentes relações estabelecidas com
a ideologia. Análise dos currículos
Conforme Orlandi (1993, p. 58), “a forma-
ção discursiva se define como aquilo que numa Em todas as instituições investigadas, a gra-
formação ideológica dada (isto é, a partir de de curricular do curso de psicologia apresenta-
uma posição dada em uma conjuntura sócio- va disciplinas relacionadas ao processo de
histórica dada) determina o que pode e o que inclusão de pessoas com deficiência. Porém, a
deve ser dito”. Já as formações ideológicas se disciplina Psicologia do Excepcional era com-
referem ao conjunto de atitudes e representa- ponente comum das grades curriculares pes-
ções das posições de classes em conflito umas quisadas, variando somente no seu critério de
com as outras. Neste sentido, cumpre ressaltar oferta, sendo de caráter obrigatório em três
que o sujeito se apropria da linguagem no inte- cursos e optativa em outro.
rior de um movimento social, no qual está refle- O Curso de Psicologia da UFJF tinha dura-
tida sua interpelação feita pela ideologia. Como ção de cinco anos ou dez períodos. Ele oferecia
conseqüência, uma formação discursiva divide duas terminalidades: Formação do Psicólogo e
o espaço discursivo com outras formações dis- Bacharelado. As áreas de atuação eram as ins-
cursivas, numa constante interpenetração de tituições privadas e públicas, com a Psicologia
sentidos oriundos de formações ideológicas di- do Trabalho; as escolas do 1º grau (sic), lidando
ferentes. Ela representa, pois, o lugar de cons- com problemas de aprendizagem; e a Psicologia
tituição do sentido e da identificação do sujeito. Clínica e Hospitalar em consultórios, ambulató-
Nela o sujeito adquire identidade e o sentido rios e hospitais gerais e psiquiátricos.
adquire unidade. A disciplina Psicologia do Excepcional apa-
O procedimento adotado foi o de compre- receu em caráter obrigatório e, de acordo com
ender tudo que compõe o corpus discursivo, sua ementa, trabalhava com “a classificação e
constituído das produções acadêmicas (disser- etiologia dos deficientes mentais. Técnicas de
tações) sobre inclusão dos programas de mes- avaliação da deficiência mental em crianças.
trado em psicologia das IFES Mineiras; da grade Psicologia do gênio: técnicas de avaliação. Ti-
curricular dos cursos de psicologia destas insti- pos de deficiências auditivas e visuais. Psicolo-
tuições, com a(s) respectiva(s) ementa(s) gia da paralisia cerebral e DCM (Disfunção
relacionada(s) à(s) temática(s); e de uma en- Cerebral Mínima). Psicologia dos acidentes fí-
trevista realizada com três alunos(as) do último sicos. Técnicas de exame e ação do psicólogo
ano, o(a) professor(a) responsável pela área da na reabilitação”. Nas entrevistas foram citadas
Educação Especial, e o(a) coordenador(a) des- outras disciplinas que também trabalhavam com
tes cursos. a questão da deficiência: Psicologia Escolar e
A pesquisa realizou-se no período corres- Problemas de Aprendizagem, Tópicos Especi-
pondente ao segundo semestre letivo do ano de ais em Psicologia Escolar I, Tópicos Especiais

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 75
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

em Psicologia Escolar II e Tópicos Especiais onal, Organizacional e Institucional, visando pro-


em Psicologia do Desenvolvimento I, sendo mover a melhoria das relações humanas, quali-
essas duas últimas em caráter optativo. dade de vida em contextos diversos e
O Curso de Psicologia da UFSJ tinha dura- desenvolvimento do homem nos seus aspectos
ção de cinco anos ou dez períodos, quando in- psicossociais, além de formar professores e
tegral, e seis anos e meio ou treze períodos, pesquisadores em psicologia.
quando noturno. O curso oferecia duas termi- Neste curso a disciplina Psicologia do Ex-
nalidades: Formação do Psicólogo e Licencia- cepcional era oferecida em caráter obrigatório,
tura em Psicologia. As áreas de atuação eram e sua ementa tratava da “questão da excepcio-
psicologia organizacional em clínicas multipro- nalidade, nos modelos explicativos (médico e
fissionais, hospitais, empresas, escolas, escolas educacional), aspectos históricos e sociocultu-
especiais, com participação em equipes que atu- rais e as principais definições e classificações
am no âmbito da saúde, educação, trabalho, – DM (deficiência mental), DV (deficiência
comunidade e demais locais onde o trabalho do visual), DF (deficiência física), DA (deficiên-
psicólogo seja utilizado. cia auditiva) e Superdotações, abordando a eti-
Na UFSJ a disciplina Psicologia do Excep- ologia, características principais e avaliação
cional era oferecida em caráter obrigatório as- educacional e psicológica da excepcionalidade.
sim como as disciplinas Psicopatologia Geral I, O estudante deverá conhecer e discutir os pro-
Técnicas de Entrevista Psicológica, Psicologia gramas institucionais dentro da área de Educa-
Social, e Escola I e II. Na ementa da disciplina ção Especial, assim como as perspectivas da
Psicologia do Excepcional constava do “con- pesquisa e atuação psicológica nesta área”. As
ceito, classificação e etiologia dos vários tipos disciplinas Psicopatologia Geral I e II, Proces-
de excepcionalidade: abordagens terapêutico- sos Cognitivos, Psicologia Escolar e Problemas
educacionais possíveis”. de Aprendizagem, e Estudos Avançados em
O Curso de Psicologia da UFMG tinha du- Psicologia da Educação também foram citadas
ração de cinco anos ou dez períodos, e oferecia como as que trabalham a questão da deficiên-
três terminalidades: Licenciatura, Bacharelado cia, sendo que a última em caráter optativo.
e Formação do Psicólogo. Os campos de atua- Observou-se que as disciplinas buscavam
ção profissional abrangiam consultórios e clíni- classificar as deficiências, fornecer técnicas de
cas; postos de saúde e hospitais; centros de avaliação psicométrica e estudar as formas de
reabilitação; instituições de ensino e de pesqui- reabilitação. Não se encontrou uma disciplina
sa; empresas e organizações; agremiações es- que tratasse, especificamente, da inclusão.
portivas e comunitárias. Destaca-se, então, a manifestação de uma for-
A grade curricular do curso da UFMG apre- te influência dos moldes médicos do estudo da
sentava como disciplinas relacionadas à defici- deficiência, que vai desde a nomenclatura da
ência: Psicologia Geral II, Psicopatologia Geral disciplina até o seu programa, o qual em ne-
I, Psicofarmacologia, Laboratório de Brincar e nhum momento discute o tratamento histórico
Psicomotricidade. A ementa da disciplina Psi- dado à deficiência e como esta tem-se inserido
cologia do Excepcional, oferecida em caráter no paradigma de inclusão, com a abordagem
opcional, referia-se à “definição, conceituação da questão da diversidade humana.
e categorização nas diversas áreas e modos dos Como já mencionado anteriormente, nos
desvios. Ajustamento pessoal e social do ex- cursos de psicologia, a disciplina que diretamente
cepcional e sua família: problemas”. relacionava-se com a Educação Especial era a
O Curso de Psicologia da UFU tinha dura- Psicologia do Excepcional apesar do termo “ex-
ção de cinco anos ou dez períodos, e oferecia cepcional” ter sido extinto desde 1986, quando
três terminalidades: Licenciatura, Bacharelado o Centro Nacional de Educação Especial edi-
e Formação do Psicólogo. As áreas de atuação tou a Portaria CENESP/MEC n°. 69, na qual
eram a Psicologia Clínica, Psicologia Educaci- apareceu, pela primeira vez, a expressão “edu-

76 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

cando com necessidades especiais” em substi- acho, né? Que não é uma coisa que, que você tá
tuição à expressão “aluno excepcional”, que daí atuando, de repente você vai trabalhar com isso,
por diante foi praticamente abolida dos textos vê formas de tá integrando as pessoas. É... eu
acho que fica meio falho, que é uma disciplina
oficiais (MAZZOTTA, 1996).
que você estuda isso e...não tem, parece que
Pela análise das entrevistas foi possível per- não tem aplicação nenhuma aquilo que você
ceber que desafios existem, já que apenas dois tá estudando. Cê viu de forma limitada e de-
entrevistados apontaram o equívoco com rela- pois, não sei.
ção à nomenclatura da disciplina:
Ao contrário do enfoque adotado por esta
Professora Leandra: Então, em tudo que eu vou pesquisa, os Cursos de Psicologia das IFES
falar, de um jeito ou de outro, eu acabo tocan- Mineiras ainda utilizavam currículos homoge-
do nessa questão, né? Mas, oficialmente é a neizadores que não permitiam aos estudantes,
Psicologia do Excepcional, nós estamos acei-
tando sugestões pra outros nomes, porque esse
aos professores e às instituições promoverem
nome é horrível, démodé, ultrapassado. um debate crítico acerca da diversidade huma-
na, permanecendo a lógica econômica. A res-
Coordenador Maurício: É, eu poderia dizer que trição do tema inclusão em uma única disciplina
é... especificamente, vamos dizer assim, restri- – Psicologia do Excepcional – mantinha a for-
tamente, é a disciplina ainda com esse nome mação dos psicólogos repousada em tradições
tradicional de Psicologia do Excepcional, né? de valorização do sujeito padrão, reconhecen-
Alguns recortes das falas dos entrevistados do a estratificação da sociedade através da clas-
sobre a situação em que se encontra a temáti- sificação dos indivíduos, desde os “mais aptos”
ca da inclusão, dentro do curso, mostra uma até os “incapazes”.
manifestação de insatisfação que se refere, prin- De acordo com Macedo (1999, p. 57),
cipalmente, à dificuldade das demais discipli- ... as disciplinas curriculares, como já aborda-
nas em tratar o assunto por resistência dos mos, não representam necessariamente campos
professores, seja por não compartilharem des- de saber cientificamente estabelecidos. São es-
te ponto de vista, seja por se restringirem ao paços curriculares criados com critérios especí-
estudo de sua área específica de trabalho, não ficos, alguns deles reproduzem esses campos
considerando ser este um assunto que atinge o de saber cientificamente estabelecidos, outros
buscam tematizar questões julgadas relevantes
sistema educacional como um todo:
em um dado momento histórico.
Coordenador Marcos: É... eu não pensei muito
sobre isso, esse assunto. A gente não trabalha
Como as discussões acerca da diferença e
isso muito bem porque a gente, não é assunto da diversidade, em geral, não perpassavam toda
que é muito trabalhado, a gente tem dificulda- a grade curricular dos cursos, silenciava-se a
de até num nível é... aceitando colegas que são possibilidade de uma formação crítica dos alu-
de outra linha de... de... de aceitar pessoas dife- nos em relação aos movimentos histórico-soci-
rentes, necessariamente isso é um ponto forte ais, principalmente no que diz respeito ao
no momento.
tratamento dado à deficiência. De acordo com
Professora Jéssica: Pra gente falar que existe Orlandi (1995), o silenciamento significa “pôr
uma preocupação da instituição é porque a em silêncio”, caracterizando processos de pro-
instituição, entre outras coisas, se preocupa em dução de sentidos que são silenciados: “o fun-
tá é... formando pessoas assim, né? Então, eu, cionamento do silêncio atesta o movimento do
objetivamente, não percebo isso. Agora, em ter- discurso que se faz na contradição entre o ‘um’
mos práticos, tipo em relação aos alunos, não e o ‘múltiplo’, o mesmo e o diferente, entre pa-
só a formação específica, também não percebo
grande movimento nessa área.
ráfrase e polissemia” (p. 17). Na pesquisa esse
movimento fica ainda mais claro quando se con-
Aluna Bruna: Olha, na verdade, esse tipo de... sideram os relatos de que, muitas vezes, os pro-
essa discussão ela é muito limitada, né? Eu, eu fessores que lecionavam a disciplina Psicologia

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 77
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

do Excepcional não tinham comprometimento de mundo. Portanto, acredito que as atitudes, às


com essas discussões, ou de que, no caso da vezes negativas, estão ligadas ao medo do des-
UFMG, a disciplina não era obrigatória. conhecido. Temos que respeitar esses medos e
compreendê-los, e devemos levá-los em consi-
Aluna Denise: Acho que o meu primeiro conta- deração e partir dali para construir o processo.
to assim realmente próximo com deficiente foi
nesse estágio que eu fiz, e o primeiro contato Dentro desse contexto, os cursos de psico-
não foi bom, foi horrível, porque eu não sabia logia das IFES Mineiras funcionavam como um
muito bem o que era o trabalho e eu tava acho instrumento de reprodução do status quo e de
que no quarto período de psicologia, é mais ou atendimento às necessidades do sistema eco-
menos, quarto ou quinto e eu não tinha feito a nômico neoliberal.
disciplina de Psicologia do Excepcional, en-
tão foi horrível porque eu sabia que eu ia tra- Aluna Érica: Minha concepção? Eu, eu tenho
balhar com autismo, mas eu não tinha muita dúvidas a respeito da inclusão. Dúvidas seve-
idéia do que era autismo. ras, inclusive, porque o que a gente trabalhou,
o tempo todo, foi sobre a inclusão. Só que é
Professora Jéssica: Eu acho sério, eu acho que muito complicado pro deficiente, pra ele poder
a maior... prova de que isso não acontece, que acompanhar a pessoa dita normal, assim, né?
ninguém nunca me perguntou o que eu ia leci- Então, eu acho que isso pode acontecer no fu-
onar em Psicologia do Excepcional. Eu acho turo, mas agora eu acho muito difícil.
que seria a preocupação básica de uma insti-
Os programas dos cursos não objetivavam
tuição, ou de um... de um conjunto que acha
isso importante. um campo de atuação autônomo, através de
estudos críticos que envolvessem a análise dos
Aluna Sara: E eu acho que é muito mais fácil cê pressupostos ideológicos presentes na atualida-
pegar a teoria e, as duas coisas tão juntas tam- de, e a reflexão sobre os movimentos sócio-
bém, não tem como separar, eu acho que a gen- históricos anteriores.
te ir a campo também, sem ter, sem ter alguma
teoria na cabeça, a gente fica meio perdido, eu Coordenador Marcos: A gente pode criar es-
vejo isso pelos meus estágios iniciais é... eu fi- paços às... às pessoas. Mas isso é complicado
cava meio perdida, eu pensava: Gente, o quê também, porque a gente tem uma cultura que
que a psicologia tá fazendo aqui? No início os valores das pessoas são muito, são muito
também eu achava que psicologia era só uma vinculados à sua capacidade de ganhar di-
coisa clínica, então eu chegava e falava: Uai nheiro e facilitar como ganhar dinheiro às
gente, o que eu tô fazendo aqui, não é nada de outras pessoas.
psicologia, é senso comum.
Marques (2000, p. 38) esclarece essa idéia
Uma das justificativas para esse silenciamen- ao afirmar que: “associada à concepção funci-
to, em direção a uma discussão sobre a diversi- onalista de sociedade está a idéia de corpo pro-
dade e o paradigma de inclusão, pode ser o medo dutivo. Um corpo deficiente é considerado um
das diferenças e o receio do desconhecido. corpo improdutivo, sobre o qual as relações de
Coordenador Marcos: Acho que o primeiro pas- poder têm alcance imediato”.
so da inclusão é o nível psicológico. É a pessoa Essa ideologia de “corpo improdutivo” que
ter uma coisa, a gente pode, a gente pode ten- apareceu nas entrevistas acaba por colocar,
tar forçar uma inclusão. Mas é complicado muitas vezes, a pessoa com deficiência como
quando as pessoas têm preconceito, quando um ser digno de caridade, explicitando porque
isso, a pessoa tá se sentindo ameaçada, a pes-
a psicologia assume muitas vezes esse papel
soa tá se sentindo desconfortável com a pre-
sença das diferenças das outras pessoas. caritativo.
Aluna Amanda: a gente fazia um trabalho vo-
Como mostra Blanco (2002, n. p.):
luntário lá, que era só com crianças, então era
... as mudanças são difíceis, gostamos que o um trabalho, assim, mais de acolher, mais ma-
novo que chega se encaixe mais ou menos na ternal, não era de cidadania, de tá colocando
estrutura na qual temos organizada nossa visão o deficiente e inserindo na sociedade de novo,

78 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

até porque eram crianças de zero, né? (...) en- fazendo com que o discurso em direção à di-
tão o núcleo é um núcleo voluntário aqui (...) versidade fique restrito a algumas pessoas.
De uma entidade religiosa que dá medicamen-
tos, que tem outros profissionais também, as- Professora Jéssica: Às vezes, um ou outro pro-
sim, exercendo essa função. fissional que se envolve nisso, né? Me questio-
no muito nesse sentido, porque eu acho que
Marques (2000, p. 38) explica esse movi- não existe uma transformação, principalmente
mento ao afirmar: quando a gente pensa em inclusão, num con-
... os portadores de necessidades especiais, e texto mais amplo: que sociedade é essa que a
em particular os portadores de deficiência, cons- gente vai transformar, se a gente não se preo-
tituem uma categoria historicamente discrimina- cupa em começar a transformar aqui?
da. Vítimas da rejeição ou da compaixão social,
tais pessoas estiveram sempre à margem do con-
vívio com os cidadãos considerados normais. Análise das dissertações
Tal fato não pode ser desvinculado da concep-
ção vigente de sociedade. Ao ser concebida Procedeu-se também à análise de disserta-
como um corpo estruturado com órgãos e onde
ções do Programa de Pós-Graduação em Psi-
cada órgão tem uma função social muito precisa,
a sociedade estabelece as funções de cada um cologia da UFMG, contemplando-se trabalhos
dos seus membros e determina quem deve e já finalizados e entregues à Instituição, e que
quem não deve desempenhar os respectivos estivessem voltados para a temática da defici-
papéis sociais. ência, com o objetivo de analisar o sentido do
Para Orlandi (2002), a linguagem vai se discurso neles explicitado. Ressalta-se que as
constituindo entre dois processos: a paráfrase IFES Mineiras não oferecem o curso de Dou-
e a polissemia: “os processos parafrásticos são torado em Psicologia, sendo que na época da
aqueles pelos quais em todo dizer há sempre pesquisa as únicas faculdades que possuíam
algo que se mantém, isto é, o dizível, a memó- Mestrado nesta área eram a Universidade Fe-
ria” (p.36); já “na polissemia, o que temos é o deral de Uberlândia, a Universidade Federal de
deslocamento, ruptura de processo de signifi- Minas Gerais, e a UFU, sendo que esta, por ter
cação” (p.36). Esse movimento parafrástico começado o curso em 2003, não possuía ne-
ocorre no discurso da Professora Leandra quan- nhuma dissertação concluída.
do, ao falar da sua concepção de deficiência, O Mestrado em Psicologia da UFMG foi cri-
faz uma citação de Vitor da Fonseca, porém, ado em 1988 e, tendo admitido a sua primeira
logo em seguida se contradiz, mantendo o sen- turma em março de 1989, objetivava estudar as
tido de restrição da deficiência à limitação. condutas sociais dos indivíduos e os fatores que
as influenciam, e analisar situações concretas da
Professora Leandra: A deficiência, plagiando
atualidade à luz da teoria psicanalítica. Dividido
Vitor da Fonseca, é uma das muitas formas do
ser, do ser humano, ser humano, né? Então, a em duas áreas de concentração: Psicologia So-
deficiência é uma condição oriunda de uma cial e Estudos Psicanalíticos, o curso possuía nove
característica deficitária, né? Que provoca a linhas de pesquisa: construção da identidade na
necessidade de um recurso adicional, recurso interação social; processos grupais nas institui-
esse que, que ele não é conseguido de uma for- ções; processos coletivos e comunitários; pro-
ma natural. cessos psicossociais e saúde; cultura e subjetivi-
Os sentidos produzidos nas IFES Mineiras dade; aspectos psicolingüísticos e psicossociais
estão calcados na paráfrase uma vez que estas da aquisição da linguagem oral e escrita; história
reproduzem os discursos de exclusão presen- da psicologia e contexto sócio-cultural; concei-
tes na sociedade. Não ocorre um rompimento tos fundamentais em psicanálise; e investigações
a nível institucional que caracterize uma polis- clínicas em psicanálise.
semia, ou quando isto ocorre é através de pe- Foram encontradas neste Mestrado cinco
quenos movimentos dentro das Universidades, dissertações sobre a temática em questão, de-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 79
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

fendidas entre 1996 e 2001, sendo que apenas se que as chamadas ‘deficiências’ nada mais são
uma discute o processo de inclusão. do que reflexos dos valores sociais, fazendo parte
Em 20 de novembro de 1996, Juliana Gonti- portanto das relações e não propriamente de um
determinado indivíduo. (p. 161).
jo Aun defendeu a dissertação intitulada “O
processo de ‘co-construção’ como um con- O objetivo do trabalho foi pesquisar sobre a
texto de autonomia: uma abordagem às po- profissionalização de pessoas com deficiência
líticas de assistência às pessoas portadoras mental dentro das instituições especializadas.
de deficiência”. Sua pesquisa, através de uma Para isso, a autora procurou conhecer como as
metodologia participante, buscou investigar um instituições conceituavam a deficiência mental
método de “co-construção” e estudar possibili- e, conseqüentemente, quais as possibilidades de
dades de sua utilização na elaboração de um desenvolvimento destes indivíduos na percep-
convênio entre um órgão do governo e entida- ção institucional, utilizando como recurso me-
des particulares, que prestavam assistência a todológico a Análise de Discurso.
pessoas portadoras de deficiência. A autora concluiu que a representação do-
Envolvendo, no período de maio de 1994 a minante que as instituições tinham dos indivídu-
junho de 1995, os membros do Departamento os portadores de deficiência mental estabeleci-
de apoio ao Portador de Deficiência da Secre- am-se de acordo com cada grupo. Para o grupo
taria Municipal de Desenvolvimento Social da de não profissionalização, eles eram indivíduos
Prefeitura de Belo Horizonte, usuários, técni- deficientes, doentes, incapazes; para os de
cos e administradores de vinte entidades de pré-profissionalização eram desadaptados, pos-
assistência e/ou atendimento aos portadores de suíam problemas emocionais e cognitivos, e ti-
deficiência conveniadas, a pesquisadora, Julia- nham capacidade para aprender; e para o gru-
na Aun (1996) chegou à conclusão de que se po de profissionalização eles eram portadores
deve procurar “encontrar o que existe em co- de deficiência, podendo desenvolver qualquer
mum em todas as crianças, no ato de aprender outro aspecto que não estivesse relacionado com
a ler e escrever” (p. 103). Enfatiza-se o fato da o conceito de deficiente.
autora conceituar a deficiência como: Objetivando estudar o conceito de liberdade
dentro da obra de Helena Antipoff, Luciana
...o termo portadoras de deficiência refere-se
àquelas pessoas que são socialmente definidas Santoro Campanário defendeu, em 17 de de-
como necessitando de cuidados especiais, in- zembro de 1999, a dissertação intitulada “O
clusive de políticas públicas especiais, para atin- estado próprio de todo ser vivo: a liberdade
girem seu desenvolvimento pleno. Estas pessoas em Helena Antipoff”.
assim definidas têm sido as com deficiência físi- A autora procurou mostrar como Helena
ca, visual, auditiva e mental que englobam os Antipoff trabalhou o conceito de liberdade re-
portadores de deficiência intelectual, seja de grau lacionado-o a vários aspectos. Um desses as-
profundo ou leve, de origem definida como or- pectos foi a liberdade como ambiente, quando
gânica, psíquica ou social. (p. 45).
a partir da criação da Fazendo do Rosário ela
Em sua dissertação de mestrado, intitulada percebeu que as crianças tinham um desempe-
“Representações das instituições especiali- nho melhor em um ambiente de liberdade e as-
zadas sobre a profissionalização dos porta- sistência: “fica subentendida no texto também
dores de deficiência mental”, defendida no a idéia de que a natureza, os ‘espaços abertos’,
dia 01 de novembro de 1996, Maria de Fátima propiciam além de liberdade, regras, normas e
Pio Cassemiro argumentou que, ao se conside- limites” (p. 98).
rarem: Conclui, então, seu trabalho dizendo que a:
... os indivíduos portadores de deficiência men- ... liberdade é o excepcional e próprio, inato, do
tal a partir da perspectiva da diferença, ou seja, ser humano, sendo assim a liberdade o que tor-
que não existe uma ruptura entre estes indivídu- na a ‘pessoa humana’, termo também abstrato e
os e aqueles considerados normais, evidencia- democraticamente destituído de personalidade,

80 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

em um ser totalmente individual e particular, úni- dos para o ensino especial, numa escola espe-
co e inigualável, ao mesmo tempo em que a liber- cializada de Belo Horizonte.
dade é também o que todos possuímos, e o que Percebeu-se que a autora enfatizou o para-
nos ‘irmana’, o que nos garante direitos pesso-
digma da inclusão, mesmo tendo utilizado o ter-
ais iguais inalienáveis. (p.190).
mo integração:
Érika Lourenço defendeu a dissertação inti-
Se coube à escola o papel de transformar os alu-
tulada “A Psicologia da Educação na obra
nos em ‘incapazes’, agrupando-os em classes
de Helena Antipoff: uma contribuição para ou escolas especiais, fica agora o desafio de que
a historiografia da Psicologia”, em 07 de ela desenvolva maneiras de ensinar que estejam
agosto de 2001. Neste seu trabalho ela utilizou adequadas à heterogeneidade dos alunos. E,
a abordagem biográfica proposta por Sokal para para isso, faz-se necessário que a escola se tor-
a historiografia da psicologia e, com objetivo de ne aberta ao debate sobre a Integração Escolar
investigar as propostas de Helena Antipoff, bus- dos ‘alunos especiais’. (p. 65).
cou identificar aspectos de sua originalidade em
relação a outras propostas desenvolvidas na
área, na mesma época. A autora deixou claro Análise das entrevistas
que não pretendia fazer nenhuma análise da
obra, no sentido de contextualizá-la dentro do Percebeu-se a existência de uma confusão
tratamento histórico dado à deficiência. conceitual sobre a deficiência, sendo incluídas
Durante toda a sua pesquisa, Lourenço con- dentro desta categoria as altas habilidades, as
siderou o trabalho de Helena Antipoff atual e condutas típicas, a hiperatividade e até a indisci-
defendeu a sua continuidade ainda hoje, como plina. Porém, a Política Nacional de Educação
se pode observar no seguinte trecho: “na vasta Especial (1994, p.13) definiu que os “portadores
obra escrita de Helena Antipoff sobre a educa- de necessidades educativas especiais classifi-
ção do excepcional não há referência direta à cam-se em: portadores de deficiência (mental,
psicologia da educação. O que, pode-se dizer, visual, auditiva, física, múltipla), portadores de
não se faz necessário, pois a psicologia da edu- condutas típicas (problemas de conduta) e por-
cação emerge das próprias propostas práticas tadores de altas habilidades (superdotados)”.
que apresenta para educar os excepcionais”
Professor Fernando, ao ser questionado sobre
(p.148). quais disciplinas leciona no curso que envol-
Das dissertações investigadas, a única que vem a questão da deficiência: É Psicopatologia
contextualizou o tratamento histórico dado à Geral I, né? Que trata dos transtornos mentais,
deficiência, abordando os paradigmas de exclu- né? Infância e adolescência, que é mais especi-
são, integração e inclusão, foi a intitulada “Se- ficamente com o retardo, com o retardo mental
gregação, Integração, Inclusão: trajetórias e transtornos globais do desenvolvimento, como
escolares do ´Aluno Especial´”, de Dilma o caso do autismo, né? A gente também trata a
questão das deficiências também.
Fróes Vieira, aprovada em 20 de outubro de
2000. Aluno Carlos: Uns dos primeiros casos que eu
A autora objetivou construir uma reflexão peguei foi uma criança que tinha é... hiperati-
sobre o processo de escolarização de crianças vidade, transtornos de hiperatividade mesmo,
com deficiências físicas, sensoriais, cognitivas a gente, juntamente com a pedagoga e as coor-
e sociais com a intenção de “trazer um outro denadoras, nós fazíamos como oficina, né?
‘olhar’ sobre as dificuldades encontradas na
Aluno Alex: Doenças mentais mesmo? Então
proposta de integração” (p.07). Utilizando uma
tem psicopatologia, tem psicofarmacologia, é...
abordagem qualitativa, baseada no referencial bom... Ah, a minha mãe já teve... já teve proble-
teórico da psicossociologia, Dilma Vieira (2000) mas assim com esquizofrenia, sim. Tem, na ver-
dedicou uma parte de seu trabalho a um estudo dade, ela toma remédio, tal. E a minha vó tem
de caso envolvendo cinco alunos encaminha- Alzheimer.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 81
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

Nos discursos analisados apareceu, freqüen- ra da APAE e tudo e... ela falou que uma escola
temente, a idéia da escola enquanto uma insti- aí que ela foi, que alunos dela estavam prepa-
tuição seletiva, que tem como função classificar rados para entrar nessas escolas.
e selecionar os sujeitos:
Aluna Paula: A inclusão hoje no Brasil, ela pre-
Coordenadora Beatriz: Eu acho que de um modo cisa ser muito bem tratada, muito bem revista,
geral, né? A gente deve facilitar, né? O máximo assim, porque tem muito problema é... Mesmo
que a gente puder para que o deficiente possa nesse sentido, é, coloca uma criança numa sala
ter, é, uma... uma vida mais normal possível, é... é, sem nenhum, preparo, uma professora é,
né? que não tem preparo é, específico pra tratar
daquilo. (...) Como, é... como deficiente, ela deve
Aluna Paula, quando questionada sobre quais é, existir sim, mas deve haver um, um preparo,
disciplinas cursou que envolvem a questão da um programa mais concreto sobre inclusão, que
deficiência: A gente teve, mais no início, Pro- não existe, hoje em dia, assim, a, no, no, na mi-
blemas de Aprendizagem, a disciplina Proble- nha opinião.
mas de Aprendizagem, que era PEPA, que
tratava mais da questão disciplinar da escola. Essas ideologias acabam construindo a de-
finição de que as deficiências causam dificul-
Aluna Taís: Então assim, o processo era desco- dades de aprendizagem ou defasagem nas
brir, assim, o quê que reforçava, o quê que era crianças com relação ao currículo que lhes cor-
um reforço, pra aqueles, pra aquelas pessoas responde à idade.
pra tá usando isso. Então trabalhava assim, é,
comportamentos inadequados tinha punição, Coordenadora Sandra: Nós temos o (...) onde
é reforço e punição basicamente. Então era pra integra as, as crianças e jovens mais compro-
eliminar comportamentos inadequados. metidos. São aqueles que não conseguem mui-
to alfabetizar-se, então, eles ficam ou ficam o
Coerente com a idéia de que a escola é uma período todo lá ou então fica meio período lá e
instituição seletiva, veio a crença de que é ne- outro meio período fica na escola formal, né?
cessário se esperar que a sociedade se torne
mais inclusiva para que, posteriormente, come- Aluna Amanda: Eu costumo falar assim: uma
ce-se a construir uma educação inclusiva. analogia pra vocês entenderem, se tem a idade
cronológica, se tem a idade mental, se tem a
Professor Fernando: Agora assim, concordo com idade do corpo e a idade da alma; às vezes, isso
todo esse processo, de inclusão, né? Por exem- é um pouco mais atrasado, mas não significa
plo, você ter, é... salas especiais, as escolas tam- que você não vai tá desenvolvendo, não vai
bém receberem essas crianças também, mas, tá... como é que eu posso falar para vocês en-
pelo que eu vi na disciplina, né? Pelo contato tenderem? Não vai tá trabalhando isso, para
com os profissionais também, né? Que tem que
poder alcançar ou chegar mais ou menos perto
ter um preparo das escolas pra isso. Acho que
do que uma pessoa normal tenha.
todo esse processo de inclusão é muito interes-
sante, né? De, de, é... as crianças participarem Blanco (2002, n. p.) contrapõe essas idéias
disso, com outras crianças também no proces- à sua argumentação sobre os objetivos da es-
so de ensino e aprendizagem e tal, né? Mas eu cola, a qual:
acho que nada adianta se, se as próprias esco-
las, né? E os professores não forem capacita- ... tem como importante finalidade promover, de
dos e treinados pra isso. forma intencional, o desenvolvimento de certas
capacidades, a apropriação de certos conteúdos
Aluna Taís: Que a pessoa, é a questão dos pro- da cultura que são fundamentais para que as
fessores, aí, trabalha muito com esse professor pessoas depois se tornem membros ativos des-
na escola, vamos supor, é a preparação da es- sa cultura, o que se chama, no Brasil, Constru-
cola pra tá recebendo esse tipo de... de traba- ção da Cidadania. (...) A escola não é reprodutora
lho, pra tá fazendo esse tipo de trabalho, né? do sistema social estabelecido. Obviamente a
(...) eu acho que a questão da preparação da educação escolar tem a missão de socializar as
escola, dos professores ainda não tá, por exem- futuras gerações para que se insiram na socie-
plo, a gente teve palestra aqui de, com a direto- dade, mas numa perspectiva de transformar a

82 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

sociedade. (...) se continuarmos falando de difi- deveríamos fazer não necessariamente precisa
culdades de aprendizagem, estamos centrando de ser com uma deficiência tão aparente, né?
o foco na criança e a idéia é ver como modifica- Nós temos a, a inclusão ela tem que ser feita
mos o sistema educativo e a resposta educativa diariamente no nosso cotidiano, né? Porque o
para daí acolher toda essa diversidade que te- diferente tá sempre presente. Então, pra mim, a
mos nas salas de aula. inclusão é isso, a, a possibilidade de você tra-
balhar com um conjunto, né? Mas com o dife-
De acordo com Marques (2000), é possível rente, com a possibilidade de cada um se
identificar a existência de três formações ideo- perceber, conhecer as suas diferenças, mas am-
lógicas no tratamento da diferença imposta pela pliar, né?
deficiência. A formação discursiva que coloca o
sujeito com deficiência como “desviante”, tendo Professora Jéssica: Eu acredito que a inclusão
como referencial a dicotomia normalidade x anor- é você criar condições para que todas as pes-
soas tenham a possibilidade de ter atendimen-
malidade, constitui a formação discursiva da se-
to à saúde, aprendizado, trabalho. Você criar
gregação, que se filia à formação ideológica da as condições num contexto macro social. Isso
exclusão. A outra, que pode ser identificada como pra mim é inclusão. Em contrapartida existe a
a da integração, torna visível a “diferença”, onde inclusão, termo burocrático, né? Que acho que
são valorizados os considerados capazes e man- a gente precisa diferenciar. Onde a gente vê,
tidos isolados os ditos incapazes. A formação dis- até em alguns casos, como a exigência de que
cursiva inclusiva, que faz parte da formação algo seja feito, às vezes as coisas partem daí
ideológica da inclusão, pressupõe pensar os su- mesmo, de uma exigência, de obrigar que as
adaptações sejam feitas a ferro e fogo. Mas, eu
jeitos na sua diversidade. acredito em inclusão num contexto mais amplo
Alguns sujeitos se posicionam dentro de uma e não só voltado ao portador de necessidades
perspectiva histórica da deficiência, fazendo especiais, inclusão voltada pra qualquer po-
uma diferenciação entre os conceitos de inte- pulação: é pra criança, é pro idoso, é pra mu-
gração e inclusão. lher grávida, é pro trabalhador que se aposenta
antes do tempo, onde você cria condição pra
Professora Leandra: A diferença básica, a inte- que as pessoas encontrem uma realização, uma
gração você se preocupa, você parte do pres- satisfação, um aprendizado, alcancem níveis
suposto de que existe um modelo normal, ideal, mais altos em todos os aspectos.
né? Aonde a maioria das pessoas vive esse mo-
delo e que o deficiente é alguém é desajustado, Por considerar normalidade como padrão
é... defeituoso, incapacitado, que deve ser cu- estabelecido pela sociedade, alguns sujeitos
rado, reparado, reajustado pra, se não ficar expuseram uma posição de segregação
“norma”, pelo menos se aproximar dessa nor- quando limitaram a possibilidade de realiza-
malidade. Então a integração, ela é uma cisão ção de tarefas para a pessoa com deficiên-
entre o grupo nós somos normais e você que é o
cia. Percebe-se que os discursos sobre
deficiente, então nós vamo, você pode vim, a
gente te aceita desde que você se adeque a nós.
deficiência estão calcados na dicotomia nor-
A inclusão não, a inclusão parte do pressupos- mal x anormal, demarcando a existência de
to que somos todos diferentes, diferenças parti- fronteiras entre aqueles que se encontram
culares nisso ou naquilo, alguns vão ter essa dentro da média e os que estão fora desta.
necessidade, outros, outras necessidades, e que, Junto a esta concepção forma-se o discurso
na interação, pra gente viver bem, todo mundo do sujeito padrão, onde as pessoas com de-
tem que fazer a sua parte, todo mundo tem que ficiência encontram-se fora deste padrão
é... se transformar na interação com o outro. estabelecido pela sociedade, ou seja, fogem
à curva normal.
Coordenadora Sandra: Bom, a inclusão, pra mim,
é a possibilidade de lidar com a diversidade, Coordenadora Sandra: Bom, um deficiente pra
lidar com o diferente, né? Então, incluir, né? mim seria aquele que apresente um déficit em
Seria você trabalhar no dia-a-dia a possibili- alguma área, né? Aquele que apresente um dé-
dade de aceitar, compreender, né? As diferen- ficit, que pode ser tanto na área motora, ex-
ças no dia-a-dia que não necessita é, isso nós pressiva, intelectual, social ou afetiva. Então,

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 83
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

pra mim, a deficiência seria uma pessoa que Aluna Paula: Como uma pessoa que precisa de,
aprende de forma ou aprende e apreende os de outra estratégia, mas que ela vai conseguir
conhecimentos de forma diferenciada do ou- do mesmo jeito que as outras crianças, mas isso
tro, aquele que não entra na curva normal de precisa de treino.
um desenvolvimento, como a maioria, né?
Aluna Taís: Porque assim, claro que, por exem-
Coordenador Marcos: Eu não gosto da palavra plo, nesse trabalho de habilidades sociais, e
deficiência... de... de uma perspectiva e todas todo trabalho que era feito lá, era no sentido
as características e, é... acredito estar distribu- de que, tem cura, então tá melhorado a quali-
ído na população e sempre tem pessoas que... dade de vida daquelas pessoas.
são mais no nível da norma, tem pessoas nesses
extremos, de uma área na outra. Evidencia-se, assim, que tais discursos es-
tão inscritos na formação ideológica da exclu-
Professora Jéssica: Atualmente, minha concep- são, marcando a existência do Outro, que
ção de deficiência é um, um mau ajustamento, pertence a um outro grupo, que possui uma ou-
um mau funcionamento que exija uma estimu- tra identidade vista como negativa, não ocor-
lação adicional, onde as coisas não aconte- rendo um movimento no sentido de entender a
cem num ritmo ou num momento esperado, nada diversidade humana.
além disso, tá? Outros sujeitos filiaram-se a uma posição
Dentro deste discurso de normalidade justi- integracionista ao impor condições para que as
fica-se a existência de instituições especializa- pessoas com deficiência pudessem estar na
das uma vez que as crianças com deficiência escola regular, limitando as possibilidades de
não seriam capazes de acompanhar o desen- inserção na mesma para alguns casos.
volvimento das crianças sem deficiência. Aluno Alex: Mas eu acho que é, que ocorre
Aluna Taís: Então, nessa visão, sim, mas, por muito um... uma coisa meio forçada assim, eu
exemplo, como não tem cura o trabalho era acho que, considerando como inclusão, vamos
assim, nas melhores, nas pequenas coisas da relevar a criança que tem uma deficiência men-
qualidade de vida dele, tá sabendo arrumar a tal muito forte, ah, põe na sala com todos os
cama, escovar o dente, as chamadas AVD (ativi- outros. Acho que isso é meio pra inglês ver, sabe,
que é tapar o sol com a peneira e não, não...
dades da vida diária), né? Que a gente fazia, pra
eles tarem é... se tornando dentro do possível, Alguns sujeitos se colocaram num movimento
independentes, pra ter essa ressocialização. (...) da posição integracionista para a da inclusão,
É claro que todo trabalho visava isso, no fun- pois embora situassem que uma escola inclusi-
do, no fundo era depois tá, a pessoa não ia va deve oferecer condições para o aluno com
ficar ali pra sempre, era um período que ela
deficiência, admitiram a possibilidade do trata-
tinha pra ficar internada, na verdade eles fica-
mento diferenciado dos outros alunos, demons-
vam internados lá.
trando ainda não ter rompido completamente
De acordo com Silva (2000, p. 83), “norma- com uma posição integracionista.
lizar significa eleger – arbitrariamente – uma
Aluna Taís: Tinha até uma... como é que se diz,
identidade específica como o parâmetro em não é oficina, mas tinha uma... um trabalho que
relação ao qual as outras identidades são avali- a gente fazia de habilidades sociais que até no
adas e hierarquizadas”. Percebe-se assim, que final parou, que era sair com eles de ônibus,
o objetivo da psicologia aparece como o de nor- passeava, assim, com dois ou três, dependendo
malizar a vida das pessoas com deficiência, atra- do número de estagiários, né? Pra fazer habili-
vés da busca do diagnóstico, do tratamento e dades sociais.
da cura, e sendo a deficiência vista como algo Percebeu-se também que, muitas vezes, o
limitante. único fator apontado pelas pessoas para que
Aluna Roberta: E agora, eu trabalho com o pro- ocorra a inclusão é o que se refere à remoção
cesso de psicodiagnóstico, com crianças com das barreiras naturais ou arquitetônicas, ou seja,
Síndrome de Down. a falta de acessibilidade. As barreiras atitudi-

84 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

nais, como o preconceito, foram deixadas de fato destes passarem a atuar como um agente
lado. social, trabalhando com a diversidade cultural,
Aluno Alex: Eu acho que tem uma estrutura le- em detrimento de uma construção calcada num
gal pra isso. Claro que eu tô falando de quem tá sistema onde “saber é poder” e no qual a di-
de fora e quem tá meio distante. Mas parece-me mensão social está associada à dicotomia “de-
que tem uma estrutura boa assim, tipo os eleva- sejável-indesejável”. O que se propõe, com isso,
dores aqui, tem o sistema de biblioteca, enfim. é que o processo de escolarização passe por
uma redefinição de sentidos e de propósitos.
Coordenadora Beatriz: A queixa dele eu acho
Dentro desse contexto, pode ser que se encon-
que era outra, falta de rampas, né? Falta de
uma estrutura dessa coisa de tá lendo o materi- tre o maior impasse da formação de psicólo-
al pra ele, né? Tá ajudando ele, né? Devia ter gos, uma vez que se passa a exigir, nas palavras
uma estrutura pra fazer isso. de Pereira (1983, p.429), a “realização de uma
nova aprendizagem: de valores, atitudes vitais,
simbologia e linguagem”.
Considerações finais Nessa concepção propõe-se um discurso
que vá além de uma igualdade educacional,
Os Cursos de Psicologia ainda estão calcados em que o sujeito seja aceito e compreendido
na perspectiva da normalidade considerando o dentro de uma pluralidade etnocultural. Para
educando padrão, uma vez que as temáticas do tanto, a escola e seus recursos humanos de-
sujeito com deficiência, o sujeito na diversidade, o verão adotar uma prática reflexiva e cultural-
paradigma da inclusão ficam restritas a basica- mente comprometida, defendendo a constru-
mente uma disciplina e que nem sempre é obriga- ção de um currículo que desafie os discursos
tória. A produção acadêmica pouco discute a evidenciadores das diferenças e dos precon-
questão e, principalmente, evidencia-se a cristali- ceitos, promovendo uma sensibilidade à diver-
zação dos professores, coordenadores e alunos sidade cultural.
em um ideário médico, de tratamento e cura. Defende-se, portanto, na mesma perspecti-
O que se percebe é que além da dificuldade va de Moreira e Macedo (1999), a formação
em reconhecer a relevância do tema para a de um “psicólogo cosmopolita”, que se relacio-
formação do profissional, que deve estar en- ne com sujeitos plurais e não mais homogenei-
volvido no trabalho com a diversidade, a situa- zados; ou seja, um psicólogo que tenha uma
ção se agrava pela maneira como se encontra posição intelectual de abertura para trabalhar
organizada a estrutura curricular dos cursos. com sujeitos diversos, que não mais tenham que
Desvelando os sentidos de inclusão nos/dos obedecer a um padrão de normalidade. O sa-
Cursos de Psicologia das IFES Mineiras pude- ber cosmopolita, “ainda que especializado, pode
mos verificar os impasses e as perspectivas ser melhor caracterizado por uma orientação
presentes na formação de psicólogos, dando geral para as estruturas de significados impli-
base para que se possa deslocar os discursos cadas na noção de discurso crítico” (p.23).
construídos nos Cursos de Psicologia, possibili- Assim sendo, o “psicólogo cosmopolita” pode-
tando a constituição de uma escola e de uma rá ter um estudo histórico, social, educacional e
sociedade inclusivas. clínico dos indivíduos, visto que a perspectiva
Considera-se, portanto, que uma das pers- do intelectual cosmopolita sugere a apreciação
pectivas da formação de psicólogos engloba o estética da diversidade cultural.

REFERÊNCIAS
ALMEIDA, Dulce Barros de. Formação de Professores para a escola inclusiva. In: LISITA, V. M. S. S. (Org.).
Formação de professores: políticas, concepções e perspectivas. Goiânia: Alternativa, 2001. p. 59-68.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 85
Analisando os discursos sobre inclusão nos cursos de psicologia das ifes mineiras

AUN, Juliana Gontijo. O processo de “co-construção” como um contexto de autonomia: uma abordagem às
políticas de assistência às pessoas portadoras de deficiência. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filo-
sofia e Ciências Humanas , Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1996.
BLANCO, Rosa. Aprendendo na diversidade: implicações educativas. 2002. Disponível em: http://
www.entreamigos.com.br/textos/educa/aprendendodiversi.htm. Acesso em: 04 maio. 2002.
BRASIL. Constituição da República Federativa de Brasil de 05 de outubro de 1988. Diário Oficial da
República Federativa do Brasil. Brasília, DF, 05 out. 1988.
_____. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Especial do Ministério da Educação.
Política nacional de educação especial. Brasília: MEC/SEESP, 1994.
_____. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Diário Oficial da República Federativa do Brasil. Brasília,
DF, 23 dez. 1996.
CAMPANÁRIO, Luciana Santoro. O estado próprio de todo ser vivo: a liberdade em Helena Antipoff.
Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas
Gerais, Belo Horizonte, 1999.
CASSEMIRO, Maria de Fátima Pio. Representações das instituições especializadas sobre a
profissionalização dos portadores de deficiência mental. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia
e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1996.
GOFFMAN, Erving. Estigma: notas sobre a manipulação da identidade deteriorada. 4. ed. Rio de Janeiro:
Guanabara Koogan, 1988.
KUPFER, Maria Cristina Machado. O que toca à/a Psicologia Escolar. In: MACHADO, A M., SOUZA, M. P.
R. (Orgs.). Psicologia escolar em busca de novos rumos. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997. p. 51-61.
LOURENÇO, Érika. A Psicologia da educação na obra de Helena Antipoff: uma contribuição para a
historiografia da psicologia. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Univer-
sidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2001.
MACEDO, Elizabeth Fernandes de. Parâmetros curriculares nacionais: a falácia de seus temas transversais.
In: MOREIRA, A F. Currículo: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 1999. p. 43-58.
MARQUES, Carlos Alberto. As universidades na formação de professores para o ensino inclusivo. In:
CONGRESSO BRASILEIRO SOBRE SÍNDROME DE DOWN, 3., 2000, Curitiba. Anais... Brasília: Federação
Brasileira das Associações de Síndrome de Down, 2000, v. 1. p. 34-44.
MARQUES, Carlos Alberto; MARQUES, Luciana Pacheco. Do universal ao múltiplo: os caminhos da inclu-
são. In: LISITA, V. M. S. S.; SOUSA, L. F. E. C. P. (Orgs.). Políticas educacionais, práticas escolares e
alternativas de inclusão escolar. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 223-239.
_____. O conhecimento no mundo atual: os rumos da educação especial. In: MENDES, E. G., ALMEIDA, M. A;
WILLIAMS, L. C. A. Temas em educação especial: avanços recentes. São Paulo: EdUFSCar, 2004. p. 143-147.
MAZZOTTA, Marcos José Silveira. Educação especial no Brasil: história e políticas públicas. São Paulo:
Cortez, 1996.
MOREIRA, Antônio Flávio Barbosa, MACEDO, Elizabeth Fernandes de. Faz Sentido ainda o conceito de
transferência educacional? In: MOREIRA, A. F. Currículo: políticas e práticas. Campinas: Papirus, 1999. p.
11-28.
ORLANDI, Eni Pulcinelli. Discurso e leitura. 2. ed. São Paulo: Cortez, 1993.
_____. As formas do silêncio. 3. ed. Campinas: UNICAMP, 1995.
_____. A linguagem e seu funcionamento. Campinas: Pontes, 1996.
_____. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 4. ed. Campinas: Pontes, 2002.
PEREIRA, Liliana Patrícia Lemos Sepúlveda; MARTINS, Zildete Inácio de Oliveira. A identidade e a crise do
profissional docente. In: BRZEZINSKI, I. Profissão professor: identidade e profissionalização docente.
Brasília: Plano, 2002. p. 113-131.

86 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007
Luciana Pacheco Marques; Cristina Toledo; Frederika de Assis Burnier; Gabriela Silveira Meireles

PEREIRA, Sílvia Leser de Melo. A formação profissional dos psicólogos: apontamentos para um estudo. In:
PATTO, M. H. S. (Org.). Introdução à psicologia escolar. São Paulo: T. A. Queiroz, 1983. p. 424-430.
SANTOS, Lucíola Licínio de Castro Paixão. Identidade docente em tempos de educação inclusiva. In:
VEIGA, I. P. A, AMARAL, A L. (Orgs.). Formação de professores: políticas e debates. Campinas: Papirus,
2002. p. 155-174.
SASSAKI, Romeu Kazumi. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 1997.
SILVA, Tomaz Tadeu da. O currículo como fetiche: a poética e a política do texto curricular. Belo Horizonte:
Autêntica, 1999.
_____. A produção social da identidade e da diferença. In: _____ (Org.). Identidade e diferença: a perspec-
tiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p.73-102.
VIEIRA, Dilma.Fróes. Segregação, integração, inclusão: trajetórias escolares do “aluno especial”. Disserta-
ção (Mestrado) - Faculdade de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade Federal de Minas Gerais, Belo
Horizonte, 2000.

Recebido em 15.09.06
Aprovado em 20.11.06

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 69-87, jan./jun., 2007 87
Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes

A PERCEPÇÃO DOS ESTUDANTES DO CURSO DE


PEDAGOGIA SOBRE EDUCAÇÃO INCLUSIVA

Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes *

RESUMO

A educação inclusiva é tida como uma educação de qualidade que deve ser
oferecida pelo sistema educacional. Teria como objetivo, além de oferecer os
saberes sistematizados, acumulados ao longo da história da humanidade, também
atender as diversificadas esferas sociais. A partir dessa perspectiva, o presente
trabalho pretendeu fazer um levantamento sobre o que os alunos do primeiro
semestre do curso de pedagogia de uma faculdade em Dracena estariam
entendendo por educação inclusiva. Para atingir tal objetivo, procurou-se:
(1) elaborar um questionário sobre a temática; (2) aplicar o questionário; (3)
tabular o levantamento; e (4) discutir e refletir sobre os resultados. A partir
dos resultados pode-se inferir que os alunos pesquisados não estão entendendo
a educação inclusiva como uma educação de qualidade que atenda a todos
os cidadãos, independentemente de suas particularidades, como é discutido na
literatura; mas, como a inserção de pessoas com necessidades especiais na
sala de aula regular. Desta forma, devemos preparar os futuros profissionais
da educação para esse grande desafio do sistema educacional.1
Palavras-chave: Educação básica – Inclusão – Formação

ABSTRACT

STUDENTS OF PEDAGOGY’S PERCEPTION ABOUT INCLUSIVE


EDUCATION
Inclusive education is considered as a quality education that should be offered
by the educational system. Its goal together with offering systematised
knowledge, gradually increased in amount along of humanity history, would be
to deal with the various social spheres. From that perspective, this paper aimed
at investigating how students attending the first term of a higher training course
for primary school teachers of a Faculty of Dracena grasped the concept of
inclusive education. For that, (1) a questionnaire about the subject was printed;

* Pedagoga com habilitação em Educação Especial, doutoranda em Educação, área de concentração Educação Especial
no Brasil, pela Universidade Estadual Paulista – UNESP, Faculdade de Filosofia e Ciência – FFC/Campus de Marília.
Professora de História da Educação Geral e Brasileira da União das Faculdades de Dracena – UNIFADRA/FUNDEC.
Membro do Grupo de pesquisa Cátedra do Oprimido da FFC/UNESP/Campus de Marília e membro da Associação
Brasileira de Pesquisadores em Educação Especial - ABPEES. Endereço para correspondência: Avenida Alcides Chacon
Couto, 395, Bairro Metrópole, Dracena. E-mail: crisrefonseca@fundec.edu.br
1
Este trabalho faz parte de um projeto amplo que foi desmembrado em três partes, até o presente momento. Para maiores
informações sobre o projeto central, entrar em contato com a autora por e-mail.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007 89
A percepção dos estudantes do curso de pedagogia sobre educação inclusiva

(2) it was sent out to the students to be completed and returned; (3) data were
tabulated; and (4) results were discussed and reflected on. From the results
we can infer that the students questioned do not understand inclusive education
as a quality education that deals with all citizens regardless of their particularities,
as the subject is discussed in the literature; otherwise, they think of it as the
inclusion of people with special necessities in the ordinary classrooms.
Therefore we must prepare future professionals for this great challenge of the
educational system.
Keywords: Basic education – Inclusion – Training

INTRODUÇÃO Mantoan argumenta, também, que essa es-


cola que aceita e convive com a diversidade
A literatura aponta que a educação inclusi- cultural possibilita uma educação para a verda-
va seria uma espécie de reforma radical no sis- deira cidadania, uma vez que “novas identida-
tema educacional, uma vez que deveria des são construídas a partir dos desequilíbrios
reestruturar os seus sistemas curriculares, ava- provocados pela tensão entre as diferenças” (p.
liativos, pedagógicos e métodos de ensino. A x). Entretanto, a autora evidencia que, para a
educação inclusiva, para Mittler, seria “basea- fundamentação dessa nova comunidade esco-
da em um sistema de valores que faz com que lar, todos devem estar dispostos a desconstruir
todos se sintam bem-vindos” (2003, p.34), res- a escola tradicionalista, pautada no ensino ver-
peitando, ainda, a diversidade cultural, social, balista e elitista (FREIRE, 1982), e buscar al-
de gênero, etnia, desenvolvimento educacional ternativas educacionais que respeitem as
e necessidades especiais. Ainda, segundo esse diferenças, ou seja, “um ensino que coloca o
autor, tal reforma educacional garantiria que aluno como foco de toda ação educativa e pos-
todos os alunos tivessem acesso ao ensino re- sibilita a todos a descoberta contínua de si e do
gular, oferecendo, assim, estratégias para se outro, dando sentido ao saber/sabor de educar”
impedir a segregação e o isolamento. (MANTOAN, 2004, p. 141, grifo meu).
A educação inclusiva seria mais do que a Para Stainback; Stainback (1999), a educa-
retirada dos obstáculos que impediriam alguns ção inclusiva seria uma educação de qualidade
alunos de freqüentarem a escola regular. An- direcionada a todos os alunos da comunidade
tes de tudo seria um processo dinâmico sem escolar. Ao conviver com as diversidades to-
término, uma vez que não seria um mero esta- dos os integrantes da comunidade escolar teri-
do de mudança, mas um processo contínuo de am mais benefícios do que perdas. Por outro
reestruturação educacional tanto organizacio- lado, o aluno com necessidades educativas es-
nal quanto pedagógico. Ou seja, ainda está em peciais não deve apenas ser inserido na escola,
construção e passível de transformação e re- mas fazer parte de uma comunidade escolar
significação (MITTLER, 2003). que prime pela inclusão social. E para se atingir
Para Mantoan, o termo inclusão não deve a meta de implementar uma educação inclusi-
se restringir apenas “à inserção de alunos defi- va seriam necessários administradores preocu-
cientes e/ou com necessidades educacionais pados com a reforma, reestruturação e
especiais nas escolas regulares” (MITTLER, renovação de suas unidades de ensino. Cabe,
2003, p. ix), mas ser empregado quando houver ainda, a esta unidade a formação continuada
“a flexibilidade dos critérios de admissão e de do seu corpo docente em metodologias de ensi-
permanência nos ambientes escolares” (p. ix), no que privilegiem uma abordagem de ensino
ou seja, uma escola que aceite e mantenha to- progressista.
dos os alunos sobretudo, a meu ver, com quali- Com esses passos estaríamos próximos de
dade de ensino. uma educação inclusiva, cujo resultado seria um

90 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007
Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes

sistema educacional fortalecido e eficiente, ao nidade. Entretanto, por volta dos anos 90, a so-
qual todas crianças teriam acesso. Diferente- ciedade inclusiva transformou-se “em um im-
mente dessa posição, os seus opositores argu- perativo moral” (p. 299), intensificado pelos
mentam que o ensino regular não está prepara- defensores dos direitos humanos. Para esse
do para receber os alunos com necessidades autor, ao se pensar em uma comunidade esco-
educativas especiais. Ora, se a educação in- lar inclusiva, reflexo de tal imperativo, deve-se
clusiva é percebida como uma mudança de contar não apenas com soluções didático-pe-
mentalidade visando uma sociedade mais hu- dagógicas, mas também com:
mana e justa, então ser uma pessoa com defici- ... outras medidas e arranjos, cientificamente fun-
ência seria uma das inúmeras diversidades. A damentados, que possibilitem o convívio e a co-
meu ver, o que está em questão não seria ser ação, por parte das pessoas com as mais variadas
uma pessoa com deficiência ou não, mas o com- diferenças, em principais situações e atividades
promisso de todo educador que busca a cons- da vida diária, de modo que favoreçam a realiza-
trução de uma sociedade democrática e, con- ção e o desenvolvimento de todos que delas
participam (OMOTE, 2004b, p. 302).
seqüentemente, de um sistema educacional
democrático. Sistema educacional que prime Dessa forma, pensar a educação inclusiva
por uma educação de qualidade e acessível a seria pensá-la não de maneira fragmentada e
todos os estratos sociais. Com essa perspecti- descontextualizada, mas na sua construção his-
va, a rede regular pública de ensino responsá- tórica, social, psicológica e biológica.
vel pela educação básica – infantil, fundamen- A educação inclusiva, para Omote, implica
tal e média – deveria oferecer qualidade de numa mudança de mentalidade que perpasse
ensino em equivalência com a rede particular mudanças nas concepções educacionais pau-
que se destaca nesta área. Assim, o êxito para tadas na padronização “de capacidades indivi-
tal educação: duais de realização” (OMOTE, 2005, p. 35), ou
... é nossa disposição para visualizar, trabalhar e seja, do ensino verbalista ou bancário (FREI-
conseguir uma rede regular que se adapte e dê RE, 1982, 1987), para as abordagens que res-
apoio a todos. Todos os alunos, incluindo os peitem as diversificadas diferenças, “reconhe-
rotulados como alunos com deficiência [pobres, cendo nelas a oportunidade de aprendizagem
ricos, negros, dentre outros], querem estar em de todos” (OMOTE, 2005, p. 35). Entretanto,
uma rede regular que satisfaça às suas necessi- para conseguirmos essa educação não deve-
dades e na qual se sintam bem-vindos e segu- mos partir de decretos e vontade de uma mino-
ros” (STAINBACK; STAINBACK, 1999, p. 434 ria; a educação inclusiva só será possível a partir
– palavras entre colchetes são minhas)
de uma sociedade inclusiva, sociedade essa que
Omote (2005), baseado em Stainback; muito tem a trilhar.
Stainback, e analisando o processo histórico Saliente-se que a história e a filosofia da
e pragmático da educação inclusiva, aponta educação brasileira (ABREU, 2000; COTRIM,
que o sistema educacional brasileiro está pro- 1989; FARIA FILHO, 2000; GADOTTI, 1994;
curando incorporar estratégias para uma edu- GHIRALDELLI-JÚNIOR, 2003; LOPES &
cação que atenda a todos alunos. Ainda GALVÃO, 2001; NAGLE, 1977; PAIVA, 2000;
segundo o autor, a educação inclusiva visa, XAVIER; RIBEIRO; NORONHA, 1994;
antes de tudo, um trabalho educacional vol- WEREBE, 1971) têm mostrado que a educa-
tado para a diversidade. Para Omote, os de- ção já foi muito mais excludente. Hoje ainda
fensores da educação inclusiva apontam temos diversas formas de exclusão social e es-
inúmeros benefícios para a comunidade es- colar, mas, como aponta Omote, precisamos de
colar como um todo que possivelmente irão um novo homem, e esse homem novo pode ser
se estender à sociedade. construído e formado na escola, preferencial-
Omote (2004b) argumenta que a busca pela mente numa escola que saiba conviver com as
inclusão sempre fez parte da história da huma- diversidades.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007 91
A percepção dos estudantes do curso de pedagogia sobre educação inclusiva

De acordo com o mesmo autor, essa escola O critério de seleção da sala foi a possibilidade
já está começando a ser construída e, como tal, de acesso da pesquisadora – docente da insti-
alguns casos de inclusão têm sido relatados. tuição –, e interesse dos alunos em participar
Entretanto, sugere-se que sejam criadas medi- da pesquisa.
das avaliativas científicas para a verificação dos Após a seleção da sala elaborou-se um
processos de educação inclusiva, uma vez que questionário-piloto semi-aberto com identifica-
na análise de algumas práticas pedagógicas ção e quatro questões sobre a temática. De-
sobre a inclusão percebeu-se a ocorrência de: pois de elaborado, o questionário foi aplicado
“(1) uma mera inserção do aluno deficiente em pela própria pesquisadora aos alunos, que leva-
classes comuns a título de inclusão, (2) a mi- ram em média quinze minutos para respondê-
gração de deficientes no sentido inverso do que lo. Todos os questionários foram respondidos e
ocorria no passado recente, (3) a institucionali- entregues.
zação da normificação e (4) o desvirtuamento Mediante a coleta de dados os questionári-
de objetivos precípuos da educação escolar” os foram tabulados, refletidos e discutidos. A
(OMOTE, 2004a, p. 05). tabulação e discussão podem ser conferidas no
Diante dessas discussões teóricas fica-nos, tópico a seguir.
ainda, uma dúvida: como os futuros profissio-
nais da educação, que irão lidar com inúmeras TABULAÇÃO E DISCUSSÃO DOS RE-
divergências em sala de aula, estão perceben- SULTADOS
do a educação inclusiva? Assim, este trabalho
de pesquisa teve como objetivo detectar e en- Na tabela 1 verificou-se que todos os ques-
tender a percepção e compreensão de 36 estu- tionários aplicados foram respondidos e entre-
dantes do primeiro semestre do curso de gues, o que parece demonstrar o interesse
pedagogia da região de Dracena em relação desses estudantes com relação à temática.
aos fundamentos da educação inclusiva. Para Apenas 3% dos estudantes possuem outra gra-
atingi-lo, aplicou-se um questionário que foi ta- duação e 47% possuem cursos voltados à área
bulado e discutido, e seus resultados estão nos educacional, como CEFAM ou Magistério, per-
tópicos que virão a seguir. fazendo um total de 50% dos alunos. Pode-se
inferir que esses estudantes possuem subsídios
teóricos e pedagógicos para atuarem em salas
DESENVOLVIMENTO DO ESTUDO de aula. Ainda pode-se verificar que, do total
dos participantes, 25% já estão trabalhando na
A partir dos pressupostos teóricos e das in- sala de aula, o que demonstra que de forma
dagações feitas foi escolhida uma sala do pri- direta ou indireta já podem estar trabalhando
meiro semestre do curso de Pedagogia de uma com a inclusão de alunos com necessidades
faculdade da região de Dracena no ano de 2006. educativas especiais.

Tabela 1 - Identificação dos alunos

92 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007
Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes

Na tabela 2 verifica-se que apenas 36% dade de, ao longo do curso, essa lacuna ser
dos participantes que responderam os questi- sanada, uma vez que na grade curricular do
onários afirmam ter tido informações sobre o curso de pedagogia existem disciplinas sobre
que seria educação inclusiva, sendo que 64% os fundamentos da educação inclusiva. Por
desconhecem tais informações. Esses levan- outro lado, se 25% dos estudantes já estão atu-
tamentos demonstram que a temática não está ando como profissionais, é de extrema urgên-
fazendo parte do cotidiano dos participantes cia a atuação na formação dos professores em
da pesquisa até o momento; mas há possibili- exercício.

Tabela 2 - O conhecimento sobre educação inclusiva

Tabela 3 – A aquisição do conhecimento sobre educação inclusiva

Na tabela 3 foi possível verificar como es- porar cursos qualitativos à formação dos edu-
ses estudantes adquiriram informação sobre cadores em exercício.
educação inclusiva. Dos 36% que responderam Já na tabela 4 procurou-se verificar se o
na tabela 2 ter conhecimento sobre a temática, conhecimento sobre a educação inclusiva
46% assinalaram que esse foi adquirido em sala adquirido por esses estudantes está em
de aula e 23% no local de trabalho (escola). consonância com a literatura pesquisada. Para
Podemos inferir que a sala de aula é um dos isso, procurou-se colocar nos questionários
maiores responsáveis pela transmissão dos co- alternativas com visões do senso comum e
nhecimentos, reforçando assim o papel dos do- deixar uma questão aberta para verificar se
centes que ministram aulas no ensino superior, algum estudante levantaria hipótese diferente
para que estejam preparados para discutir e das propostas. Essas alternativas, com as
ampliar o debate sobre educação inclusiva. Por respectivas freqüências, seriam: 1) colocar
outro lado, a inserção do local de trabalho dos todos os deficientes em idade escolar na sala
participantes como um “outro” local de forma- de aula regular (53%); 2) colocar somente os
ção de conhecimento indica que se deve incor- surdos em idade escolar na sala de aula regular

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007 93
A percepção dos estudantes do curso de pedagogia sobre educação inclusiva

(11%); 3) colocar somente os cegos em idade pesquisados com interesse em se informar


escolar na sala de aula regular (5%); 4) colocar sobre a temática apresentam conhecimentos
somente os deficientes mentais em idade que estão em dissonância com a literatura.
escolar na sala de aula regular (8%); 5) colocar Para a maioria desses estudantes, a educação
somente os deficientes físicos em idade escolar inclusiva seria a colocação do deficiente na
na sala de aula regular (5%); 6) colocar todas sala de aula regular, enquanto a literatura
as pessoas em idade escolar na sala de aula específica da área tem apontado como sendo
regular (33%); e 7) outros (8%). Pode-se o acesso a uma educação de qualidade a todos
inferir por esta questão que mesmo os sujeitos os cidadãos.

Tabela 4 - O conhecimento dos discentes sobre a educação inclusiva

Ressalte-se que 2,64% dos estudantes pes- pação dos órgãos públicos em criar estratégias
quisados afirmam não ter tido informações an- para ampliar o debate. Ficam-nos algumas dú-
teriores sobre o que seria educação inclusiva. vidas. Onde o processo de inclusão está falhan-
Este dado nos parece preocupante, uma vez que do? Na transmissão de conhecimento ou no
os meios de comunicação já estão explorando interesse dos alunos de se apropriarem dessa
a temática, assim como tem havido a preocu- área específica?

Tabela 5 - A opinião dos discentes sobre a preparação dos professores da rede regular
de ensino com relação à educação inclusiva

Na tabela 5 verificou-se que 92 % dos clusiva. Salienta-se que 82% dos participan-
estudantes pesquisados não acreditam que os tes da pesquisa estão entendendo a educa-
professores do ensino regular estejam pre- ção inclusiva como a colocação de
parados para trabalhar com a educação in- deficientes no ensino regular.

94 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007
Cristiane Regina Xavier Fonseca-Janes

E, na tabela 6, 86 % desses estudantes acre- cursos de especialização sobre a temática.


ditam não estarem preparados para trabalhar Observa-se que, como os participantes da pes-
com educação inclusiva. Para sanar essas de- quisa estão no primeiro semestre, esta falta de
ficiências de formação 100% dos estudantes preparação poderá ser sanada pela grade cur-
sugeriram, em questão aberta, ser necessário ricular até o final do curso.

Tabela 6 - A opinião dos discentes sobre sua preparação para trabalhar com a educação
inclusiva

CONSIDERAÇÕES FINAIS Ressalte-se, ainda, o surgimento de uma


variável que não havia aparecido em traba-
Na introdução deste artigo discutiu-se o con- lhos anteriores (FONSECA-JANES, 2006), a
ceito de educação inclusiva de acordo com lite- qual aponta ser 23% do conhecimento sobre
ratura especializada, que resumidamente educação inclusiva adquirido no local de tra-
poderíamos dizer ser uma educação de quali- balho, sendo este local a própria escola. Des-
dade a ser oferecida pelo sistema educacional. ta forma, é possível sugerir que a formação
Seu objetivo seria, além de oferecer os saberes em exercício deve ser pensada de forma qua-
sistematizados e acumulados ao longo da histó- litativa por especialistas de vários setores edu-
ria da humanidade, também atender às diversi- cacionais.
ficadas esferas e substratos sociais, através de Até o momento esta pesquisa tem aponta-
metodologias e recursos apropriados. do que, antes da discussão sobre a educação
Diante dessa perspectiva teórica, tinha-se inclusiva, deve-se repensar a formação holís-
como hipótese que os alunos em formação do tica e específica dos futuros profissionais da
1º semestre do curso de pedagogia, sendo 25% educação. É sabido que existem particulari-
deles professores em exercício, poderiam es- dades próprias de cada deficiência que somen-
tar compreendendo a educação inclusiva como te uma equipe interdisciplinar seria capaz de
semelhante ou próxima da literatura. Entretan- trabalhar. Por outro lado, os cursos de peda-
to, as tabulações e análises dos dados apon- gogia devem oferecer subsídios teóricos e prá-
tam uma grande lacuna entre a literatura e o ticos para formar um profissional reflexivo,
que está sendo entendido como educação in- crítico e transformador de sua realidade. Com
clusiva nesse curso específico de formação. essa formação o educador criaria e adaptaria
Se, por um lado, encontramos essa grande dis- recursos para se lidar com as divergências e
sonância, e 46 % dos participantes da pesqui- diversidades próprias da sala de aula. Esse
sa afirmam ter adquirido esse conhecimento profissional está em construção, e nos cabe,
em sala de aula, pode-se inferir que os cursos enquanto formadores de educadores, propici-
de formação precisam de corpo docente qua- ar esses subsídios necessários para que a edu-
lificado para abordar essa temática, ou que o cação de qualidade realmente ocorra. Dessa
questionário-piloto, aplicado aos participantes, forma, a necessidade de se preparar os futu-
não está dando conta de apreender o que re- ros profissionais da educação para esse gran-
almente os alunos estão entendendo por edu- de desafio do século XXI é de extrema
cação inclusiva. urgência e de nossa responsabilidade.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007 95
A percepção dos estudantes do curso de pedagogia sobre educação inclusiva

REFERÊNCIAS

ABREU, C. Capítulos de história colonial, 1500-1800. 7. ed. Belo Horizonte: Itatiaia, 2000. (Grandes nomes
do pensamento brasileiro).
COTRIM, G. Educação para uma escola democrática. São Paulo: Saraiva, 1989.
FARIA FILHO, L. M. Instrução elementar no século XIX. In: LOPES, E. M. e outros. 500 anos de educação
no Brasil. Belo Horizonte: Autentica, 2000. p. 135-150.
FONSECA-JANES. C. R. X. Educação Inclusiva: a visão de futuros profissionais da educação. In: JORNA-
DA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL: INCLUSÃO E ACESSIBILIDADE,8., 2006. Marilia. Anais.... Marília:
FUNDEP/ABPEE, 2006. p. 187-193.
FREIRE, P. Educação como prática da liberdade. 13. ed. Rio de Janeiro: Paz e Terra,1982.
_____. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1987.
GADOTTI, M. História das idéias pedagógicas. 2. ed. São Paulo: Ática, 1994.
GHIRALDELLI-JÚNIOR, P. Filosofia e história da educação brasileira. Barueri: Manole, 2003.
LOPES, E. M. T.; GALVÃO, A. M. O. História da educação. Rio de Janeiro: DP&A, 2001.
MANTOAN, T. E. In: OMOTE, S. (Org.) Inclusão: intenção e realidade. Marília: FUNDEP, 2004a. 211p.
MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Tradução de Windyz Brazão Ferreira. Porto Alegre:
Artmed, 2003.
NAGLE, J. A educação na primeira república. In: FAUSTO, Boris (Org.). História da civilização brasileira:
o Brasil republicano, sociedade e instituições, 1889-1930. São Paulo: Difel, 1977. t.3, v. 2, p. 261-291.
OMOTE, S. (Org.) Inclusão: intenção e realidade. Marília: FUNDEP, 2004a. 211p.
_____. Estigma no tempo da inclusão. Revista Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 10, n. 3, p. 287-
308, jul./set., 2004b.
_____. A construção de uma escala de atitudes sociais em relação à inclusão: notas preliminares. In: Revista
Brasileira de Educação Especial. Marília, v. 11, n. 1, p.33-47, jan./mar. 2005.
PAIVA, J. M. Educação jesuítica no Brasil colonial. In: LOPES, E. M. e outros. 500 anos de educação no
Brasil. Belo Horizonte: Autentica, 2000. p. 43 - 59.
REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, Marília, v. 08, n. 1, jan./mar. 2002.
REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, Marília, v. 10, n. 1, jan./mar. 2004.
REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, Marília, v. 10, n. 2, abr./jun. 2004.
REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, Marília, v. 10, n. 3, jul./set., 2004.
REVISTA BRASILEIRA DE EDUCAÇÃO ESPECIAL, Marília, v. 11, n. 1, jan./mar. 2005.
STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão um guia para educadores. Tradução de Magda França Lopes,
Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999.
UNESCO. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília:
CORDE, 1994.
WEREBE, M. J. G. A educação. In: BUARQUE DE HOLANDA, Sérgio. (Dir.) História geral da civilização
brasileira: o Brasil monárquico. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1971. t .2. p.366-383.
XAVIER, M. E.; RIBEIRO, M. L.; NORONHA, O. M. História da educação: a escola no Brasil. São Paulo:
FTD, 1994.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 03.04.07

96 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 89-96, jan./jun., 2007
Graciela Fagundes Rodrigues

A INCLUSÃO E SUAS RELAÇÕES NO


COTIDIANO ESCOLAR

Graciela Fagundes Rodrigues *

RESUMO

A inclusão enquanto paradigma escolar vem, gradativamente, constituindo um


modelo de escola em que é possível acreditar na educabilidade de todos os
alunos independentemente de suas diferenças. Este trabalho analisa as
representações das diferenças, dando especial atenção à surdez e a síndrome
de Down entre crianças no cotidiano escolar, e resulta de uma pesquisa
realizada pela autora em 2004 em uma escola da rede pública estadual de
Porto Alegre/RS. Por meio das práticas discursivas, das atitudes cotidianas e
relações sociais entre os interlocutores foi possível caminhar no sentido de
trazer para reflexão alguns dos dados obtidos. Objetiva-se problematizar as
representações circulantes no cotidiano escolar; e perceber como estas
representações (des)constroem olhares e formas de conviver tanto no espaço
educacional quanto no social e familiar. Partindo de uma retomada histórica
sobre as diferenças até alcançarmos uma possível reconceitualização de olhares
e ações, podemos construir práticas que sejam tentativas de desmitificar o
passado, em que a “diferença” deveria ser eliminada e “corrigida”. Sendo
assim, “ouvir” os alunos que são integrantes deste amplo movimento de inclusão,
entender de que maneira eles representam o “outro” possibilita entendermos a
inclusão como um dos elementos favorecedores para a (des)construção de
olhares simplificadores.
Palavras-chave: Inclusão escolar – Representações – Diferenças

ABSTRACT

INCLUSION AND ITS RELATIONSHIPS WITH DAILY LIFE AT


SCHOOL
Inclusion, as a scholar paradigm, has gradually constituted a School Model
that makes possible to believe in schooling for all, independently of their
differences. This paper analyses the representations of differences, giving
special attention to deafness and Down syndrome among children in their daily
school life, which was the result from a research that has been carried out by
the author in one public school in Porto Alegre/RS, Brazil. Through discursive
practices, quotidian attitudes and social relationships among the interlocutors,

* Especialista em Educação Inclusiva pela Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul (PUCRS). Educadora
especial da Fundação de Articulação e Desenvolvimento de Políticas Públicas para pessoas com deficiência e altas
habilidades no Rio Grande no Sul (FADERS). Endereço para correspondência: Rua Pedro Werlang, 1011, Bairro
Intercap – 91630-110, Porto Alegre/RS. E-mail: graciela2281@yahoo.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007 97
A inclusão e suas relações no cotidiano escolar

it has been possible to go ahead in order to reflect about some data which has
been obtained from a former investigation. Having as a goal to problematize
about representations, it was perceived how these representations (dis)construct
point of views and ways of co-existing within the educational field as well as
the social and familiar fields. Starting from a historical review about differences
until reaching a possible re-conceptualization of views and actions, we could
construct some practices that could be attempts for demystifying the past,
where the “difference” should be eliminated and “corrected”. In this way,
“listening” to students who are part of this ample inclusion movement,
understanding in which way they represent the “other”, make possible to
understand inclusion as one of the elements in favor for (dis)constructing short-
minded points of view.
Keywords: School Inclusion – Representations – Differences

Introdução aqueles alunos que, por diversos fatores (físi-


cos, intelectuais, psíquicos, culturais, étnicos ou
Lugar de encontros e desencontros, lugar de sexuais), distanciam-se dos padrões de “nor-
encantos e desencantos. Sob este panorama con- malidade” construídos ao longo do tempo por
figura-se o espaço da sala de aula. Este espaço nossa sociedade.
– em que atualmente as atenções estão voltadas Observamos que, circunscritos a esse meio
para questões de acessibilidade a todos e per- “inclusivo,”, se encontram vários sentimentos
manência – tem a responsabilidade de não tra- (pena, assistencialismo e rejeição), que, histori-
balhar apenas com o modelo ideal de aluno – camente, tomaram corpo na educação especial
quieto, passivo e de “aspecto saudável” – mas e que hoje percorrem os caminhos da escola e,
também com aqueles que não seguem esta line- mais especificamente, da sala de aula. E é nes-
aridade de aluno ideal, ou seja, alunos provindos sa sala de aula que o aluno com necessidades
de diferenças étnicas, sociais, físicas, sexuais e educativas especiais é integrado/incluído1 – o
intelectuais. Porém é preciso esclarecer que não que nos leva a investigar e compreender a re-
é somente o ambiente escolar que não está fa- presentação das crianças nesse processo.
miliarizado com esta descontinuidade de perfil O texto, desse modo, organiza-se da seguinte
do ser humano, mas a sociedade como um todo. forma: primeiramente buscamos percorrer o ca-
Como conseqüência disso, vivenciamos as desi- minho e os olhares historicamente construídos
gualdades sociais manifestadas em diferentes ti- sobre as pessoas com deficiência; e em seguida,
pos de exclusão, em diferentes segmentos sociais abordamos as representações no cotidiano es-
– seja no lar ou na escola. colar, na tentativa de construirmos um (meta)
O interesse por este espaço e pelos seus olhar na escola para além das deficiências, to-
principais personagens, os alunos, dão o direci- madas como sinônimo de “anormalidade”.
onamento a este trabalho, constituído a partir 1
O termo integração foi o primeiro a ser utilizado nas
das representações infantis que perpassam o propostas de inclusão, porém posteriormente o MEC pro-
cotidiano escolar de uma turma de séries inici- põe a distinção entre eles, que é a seguinte: “o termo
integração passou a ser utilizado no sentido de se ter acesso
ais, que se encontra sob o enfoque da proposta ao sistema de ensino, e não exclusivamente ao ensino regu-
de inclusão. A partir desta proposta, quem an- lar; o termo inclusão passou a ser utilizado no sentido de ter
acesso ao ensino regular, que inicia um processo de
teriormente era considerado portador de defi- reestruturação, mantendo os serviços de apoio de Educação
ciência, atualmente identifica-se sob uma nova Especial”. (BRASIL, 2000). Porém, nesse estudo, não faze-
mos esta diferenciação. Entendemos que ambos os termos
denominação, que é pessoa com necessidade têm um único objetivo, que é o acesso e a permanência de
educativa especial, incluindo-se aqui todos TODOS os alunos na Escola.

98 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007
Graciela Fagundes Rodrigues

Projetando um olhar através da his- ordem mais objetiva nos quais a “cura” foi o
tória principal objetivo a ser alcançado. Contudo, ao
ser a diferença considerada uma doença, os
As representações da deficiência na anti- indivíduos passaram a sofrer isolamentos em
güidade e no presente determinaram e ainda asilos e hospitais, já que o perigo de transmis-
determinam as formas de olhar para a diferen- são e contágio assusta a população. No século
ça significativa2 . Para melhor entendermos o XVIII, na Europa, a internação dessas pessoas
contexto atual, é importante ressaltar alguns representou um grande movimento, um período
aspectos históricos buscando compreender os de segregação e categorização dos indivíduos,
caminhos através dos quais olhar para a dife- internando a loucura pela mesma razão que a
rença significativa foi sendo manifestado, na devassidão e a libertinagem. Os indivíduos ex-
tentativa de podermos, na atualidade, reconcei- cluídos eram alienados, separados em grupos,
tualizá-los. entre os quais havia indigentes, vagabundos e
Consideramos que a sociedade constrói for- mendigos; prisioneiros e «pessoas ordinárias»;
mas de viver, assim como constrói valores para «mulheres caducas», «velhas senis ou enfer-
que seja possível esta vivência. Segundo Fou- mas»; «velhas infantis», pessoas epiléticas, «ino-
cault, mais importante que buscar explicar a centes” malformados e disformes; pobres bons
cultura, a ciência, as idéias de uma época ou e “moças incorrigíveis” (FOUCAULT, 2002).
determinada sociedade, é “buscar o que em uma No século XIX, na França, Jean Itard ela-
sociedade é rejeitado e excluído. Quais as idéi- borou o primeiro programa sistemático de edu-
as ou os comportamentos, quais as condutas ou cação especial, sendo assim considerado o pai
os princípios jurídicos ou morais que não são da Educação Especial (FONSECA, 1995). A
aceitos?” (1999, p.75 - tradução minha), sendo primeira experiência realizada por ele foi em
para ele o louco e o prisioneiro os principais 1800, quando investiu na tentativa de recupera-
modelos de exclusão. ção e educabilidade de Victor de Aveyron, “o
As imagens de deficiência alimentadas pe- menino selvagem”. De acordo com Baptista &
las sociedades ao longo de seu desenvolvimen- Oliveira (2002, p.100), na época considerava-
to nada mais são que o produto de suas formas se Victor deficiente, porém Itard argumentou
de organização. A história nos mostra a polari- que esse estado poderia estar relacionado ao
zação eficiência/deficiência a que as diferen- seu modo de vida anterior, em que viveu numa
ças significativas estiveram sempre atreladas, floresta junto apenas de animais, sem qualquer
sendo dadas a partir desta polarização as justi- contato com seres humanos. Esse tipo de vida
ficativas para as diferentes práticas de exclu- teria provocado um estado completo de ‘priva-
são, inclusive o extermínio nas sociedades grega ção social’.
e romana, principalmente. Podemos considerar Nesse esforço de Itard em oportunizar a
que tanto as diferenças quanto as exclusões não Victor uma educabilidade, nasce, poderíamos
são temas apenas atuais, já que sempre estive- dizer, uma das primeiras tentativas de educar e
ram presentes no contexto histórico da huma- modificar o potencial cognitivo de uma criança
nidade. Assim, concordamos com Albrecht “diferente”. Outros nomes também importan-
(apud BARNES, 1998, p.65) quando afirma tes, que perduraram ao longo do século XIX,
que: “A insuficiencia es tan antigua como el como representantes que “alimentavam” as idéi-
cuerpo humano y las primeras sociedades co- as de Itard, são: Pinel, John Locke e Rousseau.
nocidas: es una constante humana”. Através desse breve panorama histórico pode-
Com o desenvolvimento da ciência o con-
junto de saberes simplificadores, como crendi- 2
Termo utilizado por Amaral (1998), designado para os
ces, bruxarias e misticismos, que caracterizava sujeitos, ou um grupo, por suas características físicas, men-
tais, sensoriais, psíquicas, não correspondendo a um tipo
os deficientes na Idade Média, foi aos poucos “ideal” de sujeito. A diferença significativa desdobra-se em
sendo desconstruído, dando lugar a estudos de três subconceitos: deficiência, incapacidade e desvantagem.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007 99
A inclusão e suas relações no cotidiano escolar

mos dar uma caminhada pelos percursos que a sala de aula onde se encontra o aluno com ne-
deficiência passou, ora como algo a ser exter- cessidades educativas especiais, o ir além se
minado e ora como de possível educabilidade. torna: “ficar em....” Esse “ficar em” é na in-
Podemos pensar no presente, no qual urge a completude, na falta, no vazio. Relacionamos
necessidade de olharmos para as diferenças esse aspecto com o olhar. De que maneira olha-
significativas centradas nas possibilidades e não mos para nossos alunos? E de que maneira os
mais nas impossibilidades. Nas sábias palavras próprios alunos olham para seus colegas? Um
de Amaral (2001, p.150), “um dos caminhos é olhar do que lhes falta ou um olhar para possi-
percebermos o que está se passando para que bilidades? É preciso considerar, e esta é a pers-
possamos não eliminar preconceitos (objetivo pectiva dessa reflexão, que os olhares, assim
impossível de ser atingido), mas reconhecê-los como as representações, formam-se nas rela-
em nós e, então, elaborá-los para que não se ções sociais, no contato do Eu e o Outro. Com
interpolam em nossas relações vivas e pulsan- relação ao olhar para além da superfície, Omo-
tes de cada dia”. te (apud CARNEIRO, 1998, p.19) afirma que
“...é preciso olhar para a coletividade que o iden-
tifica como deficiente, encaixando-o em uma
A inclusão como possibilidade de categoria de desviante e tratando-o distintamen-
(des)contruções de representações te. Ninguém é deficiente por si só. Alguém é
deficiente perante uma audiência e dentro de
A inclusão, entendida como um processo em determinadas circunstâncias”.
permanente construção, vem aos poucos dimi- As relações em sala de aula estão imersas
nuindo as fronteiras entre a educação e a edu- em diferentes olhares. E, a partir da inclusão,
cação especial, e entre escola regular e escola de que forma os educadores podem possibilitar
especial. Ambas iniciam, dessa forma, um pro- a construção de olhares acerca da diferença?
cesso de ressignificação de padrões conceptu- Temos que tomar cuidado para que este aluno
ais e organizacionais, planejamentos, formação não se restrinja ao disléxico, ao surdo, ao defi-
de turmas, currículo, avaliação, e gestão de pro- ciente, ao Down, dentre outras tantas maneiras
cesso educativo em sua totalidade. Podemos
simplificadoras de chamá-lo. O processo de in-
afirmar que a inclusão escolar sugere a instabi-
clusão, enquanto proposta educacional, envol-
lidade, a busca constante de alternativas peda-
ve diferentes âmbitos da escola, e um dos
gógicas diferenciadas, que não estão postas
principais é a própria sala de aula. Este espaço
como guias. Ensinar e aprender não podem ser
precisa ser investigado a fim de possibilitar a
mais atribuídos ao professor e ao aluno respec-
desmitificação de idéias pré-concebidas acer-
tivamente, mas à rede que o processo educati-
ca da diferença, da “estranheza”, já que é nes-
vo incita.
te lugar que ocorre, basicamente, o aprender,
... a criança que nos chega, em cada turma, a mas que também é uma estrutura social em que
criança com deficiência, com dificuldades, o alu- a convivência e as trocas sócio-afetivas ocor-
no inteligente, o menino de rua, o aluno do Su-
rem constantemente – sendo essenciais ao cres-
pletivo e, ao mesmo tempo, são os alunos que
nos fazem profissionais apaixonados, inquietos, cimento de cada ser humano. Eizirik (2003, p.
que precisam decifrar esses misteriosos seres, 07) refere-se a este espaço como contendo
que nos provocam o encontro com um Outro “...um mundo de significados, potencialidades,
desconhecido, que nos colocam em perigo, que descobertas e aprendizagens, mas que também
nos mostram os nossos limites, mas que nos fa- pode ser a própria representação do vazio, da
zem ir além de nós mesmos (MANTOAN, 2004, perda de tempo, da repetição, dos exercícios
p.81).
de poder e de violência, que ocorrem em múlti-
E o que é ir além de nós mesmos em uma plas vias, fazendo vítimas e algozes, entre alu-
sala de aula? Observa-se que muitas vezes, na nos e professores”.

100 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007
Graciela Fagundes Rodrigues

Não esqueçamos que incluir não é acabar ser criança quanto do que é ser deficiente, as-
com as diferenças, na medida em que integra- sim como inúmeras outras que não necessitam
mos os alunos com diferenças significativas aos ser apontadas, são construídas nas relações
“iguais”, mas, pelo contrário, é enfraquecer a sociais, na convivência em grupos sociais nos
idéia de “padronização” e “normalização”. A quais se convencionam determinadas represen-
escola não é – e acreditamos que nunca foi – o tações, como as anteriormente citadas, sendo a
espaço próprio de iguais. Assim, o questiona- partir delas que iremos constituir outras ou rea-
mento feito pela escritora Virginia Woolf (apud firmar as mesmas.
EIZIRIK, 2003, p. 02): “Não deveria a educa-
ção fortalecer as diferenças, e não as similari-
dades?” permanece vivo no cenário atual, As representações no cotidiano es-
apesar dela o ter escrito em 1928, ou seja, há colar
quase oitenta anos.
Ao se apresentar o panorama da sala de aula Para iniciarmos a descrição de aspectos re-
inclusiva, observa-se que os sujeitos geralmen- lacionados às representações, uma situação
te são julgados sob diferentes imagens, tais relevante ocorrida no primeiro dia da pesquisa
como “doentes”, “loucos” ou “coitados”, con- merece ser destacada. Enquanto eu procurava
tribuindo para que estas representações sejam pela sala de aula alvo do estudo, uma aluna pas-
confirmadas tanto por adultos como por crian- sava pelo corredor. Como não estava conse-
ças. E, provavelmente, é deste representar que guindo encontrar o local, resolvi lhe perguntar:
são antecipadas as expectativas sobre o aluno, – Você sabe qual é a sala da 3ª série?
conferindo-lhe seu respectivo espaço e seu res- Ela respondeu:
pectivo lugar no ambiente em que se insere, já – A 3ª dos “normais” ou a dos surdos?
que, conforme Omote (1994, p. 70): “Na medi- Com curiosidade a contestei:
da em que a pessoa é percebida como se per- – Como assim, eu não entendi. O que são
tencesse a essa categoria e, conseqüentemente, “normais”?
portasse as características previstas nos mem- Ela imediatamente me disse:
bros dessa categoria, criam-se expectativas para –“Normal” é que nem a gente.
o desempenho dessa pessoa”. Como gostaria de ouvi-la ainda mais, lhe
Apesar de estarmos vivenciando um con- perguntei novamente:
texto educacional onde, na medida do possível, – Então quem é surdo não é “normal”, é
se abrem as portas das escolas para a diversi- “anormal”?
dade de culturas, sendo estas reconhecidas e A menina ficou completamente sem graça
respeitadas, por outro lado presenciamos a e saiu correndo, não querendo continuar a con-
grande desinformação acerca desta diversida- versa comigo. Percebemos nessa situação, cla-
de que, em conseqüência, se apóia em um con- ramente, a dicotomia: normal/anormal. O normal
junto de representações. Por essas atitudes se como o que está padronizado, poderíamos dizer
obtêm os pré-conceitos, as opiniões já forma- os “sem deficiência”, e o anormal como o que
das a respeito de um determinado assunto, ob- é significativamente diferente de mim, ou os
jeto ou pessoa, como, por exemplo, a represen- “com deficiência”. De acordo com Oliveira
tação da criança como um ser “puro”, “frágil”, (2004, p. 162), “...temos que ter um olhar críti-
“ingênuo”, ou as representações sobre a defi- co para esses discursos dualistas que viabili-
ciência, que as associam a “anormalidade”, “ine- zam a construção do imaginário de discriminação
ficiência” ou “doença”. Com base nesses este- social e buscar fundamentos teóricos que vi-
reótipos, a observação de um deficiente, por sem a “desconstrução” deste imaginário”.
exemplo, nas ruas, na escola ou até mesmo no Uma outra fala significativa, remetida a alu-
mercado de trabalho, nos causa surpresa ou nos surdos desta escola, ocorreu durante o re-
espanto. Essas idéias, portanto, tanto do que é creio quando me dirigi a uma das alunas

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007 101
A inclusão e suas relações no cotidiano escolar

participantes da pesquisa, lhe perguntando o que Considerações para recomeçar....


ela havia feito durante este intervalo de aula.
Sua resposta foi: Investigar as representações dos alunos so-
– Ah! Eu estava brincando com a “mudi- bre as diferenças significativas no contexto es-
nha”! colar foi o trajeto seguido e “inacabado” deste
Essa denominação “mudinha” é muito fre- estudo aqui apresentado. Entendemos que a
qüente não apenas em crianças, mas também inclusão escolar envolve diferentes aspectos que
em adultos, pois eles desconhecem que ser sur- vão além da sala de aula, porém ainda é princi-
do não é ser mudo, uma vez que a mudez tem palmente nesse espaço que as aprendizagens
causas que não estão diretamente ligadas ao se efetivam, emergindo múltiplas relações tan-
déficit auditivo, e a surdez pode não ser, em to com o saber quanto com os demais integran-
alguns casos, um impeditivo de aquisição de uma tes deste processo. A existência dessas relações,
língua oral ou não. principalmente com os outros, se torna funda-
A sala de aula é configurada sobre uma mental e propicia variadas investigações na es-
rede de relações que lá se estabelece, seja de cola, sendo, portanto, este trabalho impulsionado
pertencimento ou não ao grupo. Esse grupo é pelas experiências e situações vividas por alu-
de suma importância para o desenvolvimento nos em um espaço contido de significados. Sig-
social de todos os alunos; daí a necessidade nificados esses favorecedores de elementos que
se incorporam ao seu significante, criando-o e
do professor ficar atento aos “ditos” e “não
limitando-o a uma determinada imagem que,
ditos”das crianças na sala de aula, a fim de
muitas vezes, não é possível de ser
procurar estratégias que favoreçam as trocas
(re)construída, uma vez que a busca pela ho-
sócio-afetivas no grupo e o respeito às singu-
mogeneidade é histórica, sendo um caminho
laridades. Falas do tipo “ela é doente”, “ela
“natural” a segregação dos diferentes (DOR-
não é que nem nós”, “ela tem problema na
NELLES, 2004).
cabeça” (expressões das crianças remetidas
Referindo-se às diferenças significativas, o
à colega com síndrome de Down) favorecem trabalho desvelou as imagens que foram, ao lon-
um diálogo produtivo com os alunos. Um diá- go da história, lançadas às pessoas, conferin-
logo em que estas representações sejam des- do-lhes rótulos de “doentes”, “loucos”,
construídas e possam abrir espaços para um “anormais”, etc. Estas são denominações per-
olhar diferente, fugindo das idéias de invali- petuadas e ainda perpassadas nos diferentes
dez, defeituosidade e incapacidade. A partir espaços de nossa sociedade e que, se não fo-
dessas colocações podemos afirmar o quanto rem problematizadas, correm o risco de per-
é necessária a escuta do professor para o que manecerem sob estes olhares históricos. Dessa
os alunos pensam e expressam. Oliveira (2004) forma, ainda vivenciamos a presença dos alu-
observa que: “Esse conversar com o outro, es- nos “diferentes” nas escolas comuns como sen-
cutando o “dizer da palavra” do outro, consti- do causadores da desordem, da angústia e do
tui-se numa prática ética e democrática. (...) medo, pois permanecemos em um modelo de
Ao dizerem a palavra, homens e mulheres escola no qual se configuram padrões de que
expressam em suas falas as suas representa- tudo deve ser “belo”, “perfeito” e “normal”.
ções, seus desejos e angústias, a sua concep- Refletir sobre essas “falsas” crenças envolve
ção e posição de mundo” (p. 165). É uma desmitificar as representações enraizadas no
escuta que vai além do que é certo, do que é contexto social e que são adquiridas pelas pes-
errado ou de “lições de moral”. Uma escuta soas, chegando até a escola.
para as relações, como alicerces para a cons- A perspectiva traçada não se fundamenta
trução de um grupo em que todos possam se em querer negar as diferenças com a proposta
sentir incluídos nas ações, nas escutas e nas da inclusão, mas, sim, em visualizar, a partir
conversas com o outro. desta proposta, possibilidades de quebrar esses

102 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007
Graciela Fagundes Rodrigues

“muros”, dialogando, questionando e conhecen- Devemos sempre pensar, portanto, que os ca-
do a diferença. Segundo Abramowicz (2001, p. minhos são feitos ao caminhar, pouco a pouco,
8), devemos “...nem aceitar, muito menos tole- deixando para trás aquilo que irá ser “pesado”, e
rar as diferenças, mas sim produzir diferenças. ir o mais leve possível para que, no percurso,
Há uma incessante forma de vida que é produ- possamos nos alimentar de idéias e desafios, a
zida pelos diferentes; que é preciso estar aten- fim de conseguirmos cumprir nosso objetivo, que
to para aproveitar. (...) a educação só será é a chegada. Porém, não uma única chegada,
inclusiva se se prestar à exterioridade, ou seja, tendo a impressão de que finalizamos nosso ca-
se ‘estes novos alunos’ envergarem a escola minhar. Pelo contrário, ao chegarmos podemos
com suas diferenças, e a modificarem”. Pois o recomeçar, mas com um novo jeito de caminhar
desejo de querermos tornar “natural” uma sala e para uma nova chegada, onde até nós já não
de aula em que a presença da diferença chama somos mais o que éramos ao iniciar. E, finalizan-
a atenção é dar margem à produção de atitu- do para recomeçar, compartilho dessa significa-
des ancoradas no desconhecimento, na pieda- tiva passagem de Baptista (2003, p.30), quando
de e na patologia. Consideramos que o nos diz que: “O futuro não é apenas a conquista
silenciamento não é produtivo, uma vez que as de metas estabelecidas a priori, mas, principal-
crianças “falam”, “ecoam vozes” às diferentes mente, a possibilidade de novas respostas a no-
situações vividas no cotidiano – seja ele famili- vas perguntas que escapam a todo e qualquer
ar ou escolar. critério de previsibilidade”.

REFERÊNCIAS

ABRAMOWICZ, Anete. Educação inclusiva: incluir para quê? Revista Brasileira de Educação Especial,
Marília, v.7, n. 2, p. 01-09, jul./dez., 2001.
AMARAL, Lígia. Sobre crocodilos e avestruzes: falando de diferenças físicas, preconceitos e sua supera-
ção. In: AQUINO, Julio Groppa (Coord.). Diferenças e preconceitos na escola: alternativas teóricas e
práticas. São Paulo: Summus, 1998. p. 11-30,
_____. A diferença corporal na literatura: um convite a “segundas leituras”. In: SILVA, Shirley; VIZIM,
Marli (Org.). Educação especial: múltiplas leituras e diferentes significados. Campinas: Mercado das Letras,
2001. p. 131-161.
BARNES, Colin. Las teorias de la discapacidad y los orígenes de la opresión de las personas discapacitadas
en la sociedad occidental. In: BARNES, Colin. Discapacidad y sociedad. Madrid: Morata, 1998. p. 59-76.
BAPTISTA, Cláudio Roberto. Diálogo e contratação na ação educativa: algumas reflexões sobre uma peda-
gogia das diferenças. Revista de Educação: inclusão, Porto Alegre: Projeto, v. 5, n. 7, p. 25-30, out. 2003.
_____; OLIVEIRA, Aniê. Lobos e médicos: primórdios da educação dos “diferentes”. In: BAPTISTA,
Cláudio Roberto; BOSA, Cleonice et al. Autismo e educação: reflexões e propostas de intervenção. Porto
Alegre: Artmed, 2002. p. 93-109.
BRASIL. Ministério da Educação e Cultura. Secretaria de Educação Especial. Relatório de avaliação: políti-
cas e programas governamentais em educação especial: EFA 2000. Disponível em: http://http://
www.inep.gov.br/download/cibec/1999/titulos_avulsos/efa2000.doc. Acesso em: 25 abr. 2004.
CARNEIRO. Maria Sylvia. Tentativas de integração escolar de alunos considerados portadores de deficiên-
cia. Revista Integração, Brasília, a. 8, n. 20, p. 18-21, 1998.
DORNELES, Beatriz Vargas. Laboratórios de aprendizagem: funções, limites e possibilidades. In: MOLL,
Jaqueline (Org.). Ciclos na escola, tempos na vida: criando possibilidades. Porto Alegre: Artmed, 2004.
p.209-217.
EIZIRIK, Marisa. Educação e construção de mundos: por onde passa a inclusão na escola regular? Revista
de Educação: inclusão. Porto Alegre: Projeto, v. 5, n. 7, p. 02-08, out. 2003.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007 103
A inclusão e suas relações no cotidiano escolar

FONSECA, Victor da. Educação especial. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
FOUCAULT, Michel. História da loucura. São Paulo: Perspectiva, 2002.
_____. Estética, ética y hermenêutica. Obras essenciales. Buenos Aires: Paidós, 1999. v. 3.
MANTOAN, Maria Tereza Eglér. Caminhos pedagógicos da educação inclusiva. In: GAIO, Roberta;
MENEGHETTI, Rosa Gitana Krob et al. Caminhos pedagógicos da educação especial. Petrópolis: Vozes,
2004. p. 79-94.
OLIVEIRA, Ivanilde. Apoliceno. de. Saberes, imaginários e representações na educação especial: a pro-
blemática da ética da “diferença” e da exclusão social. Petrópolis: Vozes, 2004.
OMOTE, Sadao. Deficiência e não deficiência: recortes do mesmo tecido. Revista Brasileira de Educação
Especial, Marília, n. 2, p. 65-73, jan./jun., 1994.

Recebido em 29.09.06
Aprovado em 30.11.06

104 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 97-104, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

PERCEPÇÕES DOS DIRETORES DE ESCOLAS-PÓLO


sobre a inclusão escolar de alunos com
deficiência mental no ensino fundamental
da rede municipal de ensino de São Luís-MA

Zinole Helena Martins Leite *

Silvana Maria Moura da Silva **

RESUMO

Este artigo descreve a implantação da inclusão escolar de alunos com


deficiência mental no ensino fundamental da rede municipal de ensino de São
Luís do Maranhão, segundo as percepções dos diretores das escolas-pólo, que
incluem os referidos alunos em salas regulares do ensino fundamental. Os
instrumentos utilizados para coleta de dados foram entrevistas estruturadas
com cinco diretores das referidas escolas situadas na zona urbana de São Luís,
nos bairros Centro, Cohab, Pão-de-açúcar, Cidade Operária e Alemanha. Os
resultados apontam para a implantação da inclusão com a manutenção das
modalidades de atendimento em educação especial. Os alunos com deficiência
mental são preparados em classes especiais e, posteriormente, encaminhados
para a sala regular. Esse procedimento, no entanto, não se coaduna com o
paradigma da inclusão, e sim com o da integração. Conclui-se que a rede
municipal de ensino de São Luís parece trabalhar nos moldes da educação
integrada e não da educação inclusiva, na medida em que o aluno com deficiência
mental não se mostra apto a freqüentar a sala regular.
Palavras-chave: Inclusão escolar – Deficiência mental – Ensino fundamental

ABSTRACT

PERCEPTIONS OF SCHOOL HEADTEACHERS about school


inclusion of students with mental impairment in primary schools from
São Luís-MA (Brazil)
This paper deals with the description of the school inclusion of students with
mental impairment at the Fundamental Teaching at the Municipal Teaching
Net of São Luís of Maranhão, according to the perception of the principals at

*
Mestre em Educação (UFMA). Especialista em Saúde Pública, Magistério Superior e Psicomotricidade. Psicóloga
(UFRJ). Professora do Centro Universitário do Maranhão – UNICEUMA. Endereço para correspondência: Rua
Professor Luis Pinho Rodrigues, n. 16, Condomínio Costa Azul, Bloco II, apt. 201. Renascença II – 65.075-740, São
Luís/MA. E-mail: zinoleleite@ceuma.com.br
**
Doutora em Educação Motora (UNICAMP); mestre em Educação Especial (UFSCar). Professora Adjunta IV do
Deptº de Educação Física da Universidade Federal do Maranhão. Professora e orientadora do Mestrado em Educação/
UFMA. Endereço para correspondência: Rua dos Portugueses, S/N, Núcleo de Esportes, Campus Bacanga – 65085-
580, São Luís/MA. E-mail: smmourasilva@bol.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 105
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

the so called “Escolas-Pólo” which include such kind of students. The tools
which were used for the collecting of data were structered interviews with
5(five) principals from those “Escolas-Pólo” situated in the urban zone in São
Luís, from the neighborhood Centro, Cohab, Pão-de-Açúcar, Cidade Operária
and Alemanha. The results point to the implantation of the inclusion while keeping
the modalities of special education. The students with mental impairment are
prepared in special classes and, later, taken to the regular classroom. This
procedure however does not correspond to the paradigm of inclusion but to the
one of integration. We conclude expressing that the Municipal net of schooling
in São Luís seems to work in integrated education and not in inclusive education
as student with mental impairment seems not to show himself apt of attending
the regular classroom.
Keywords: School inclusion – Mental impairment – Basic education

1. INTRODUÇÃO de pessoas deficientes. A idéia central desse


paradigma era de que as pessoas deficientes,
Durante séculos, pessoas com deficiência inclusive aquelas com deficiência mental, pu-
mental viveram à margem da sociedade, sendo dessem transitar de um serviço para o outro,
discriminadas e sem direito a uma educação de buscando-se sempre aqueles menos segrega-
qualidade. Autores como Pessotti (1984) e dos no âmbito educacional.
Mendes (1995) retratam esse aspecto no âm- Contudo, o movimento da integração sofreu
bito mundial, sendo que semelhante abordagem várias críticas, posto que essa transição rara-
é destacada por Januzzi (1985) no contexto da mente ocorria, na medida em que a pessoa de-
educação brasileira. ficiente é que deveria mostrar-se apta à
O percurso histórico da educação de pesso- mudança no sistema de cascata ou serviços,
as com deficiência mental inicia-se através da não havendo a preocupação de se reestruturar
intervenção médica, podendo-se citar Itard o contexto educacional para acolher essas pes-
como exemplo de um dos precursores desse soas. Desta forma, a integração tornou-se ine-
processo ao educar através de uma metodolo- ficaz em alguns casos, o que desencadeou vários
gia própria Victor, “o selvagem de Aveyron”. questionamentos e críticas a esse movimento
Outros estudos podem ser citados, a exemplo no âmbito educacional.
de Seguin e Montessori, que contribuíram so- Entretanto, a partir da década de 90, um novo
bremaneira para a educação de pessoas com paradigma se instaura neste contexto: a inclu-
deficiência mental. são. Esta, na esfera educacional, pressupõe que
Inicialmente, o atendimento educacional às todos os alunos, sem exceção de raça, cor, gê-
pessoas com deficiência mental realizou-se em nero, sexo e deficiência sejam educados em
ambientes segregados, como as escolas espe- salas regulares de ensino.
ciais, as classes especiais, até que, a partir da A inclusão escolar de pessoas com necessi-
década de 70, um novo movimento de âmbito dades especiais tem sido amplamente estudada
internacional, a integração, veio propor a edu- por diversos autores, entre eles Ramos (2005);
cação dessas pessoas, assim com a dos demais Carvalho (2004); Mantoan (2003a 2003b); Sas-
deficientes, em ambientes o menos restritivo saki (2003); Fonseca (2003); Mittler (2003);
possível. A integração fundamentava-se no prin- Oliveira (2003); Ribeiro (2003); Stainback e
cípio da normalização e tinha como perspectiva Stainback (1999). Estes autores têm oferecido
o modelo médico da deficiência, apontando para inúmeras contribuições teóricas sobre o assun-
uma série de serviços destinados à educação to, destacando-se aspectos como a conceitua-

106 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

ção de inclusão escolar, os obstáculos que se de suas condições. Saliente-se que esta é a
interpõem à sua efetivação, as medidas adota- abordagem defendida por Mantoan (2003a).
das para a sua execução, assim como os bene- A inclusão com a manutenção das modali-
fícios advindos desse processo. dades de atendimento em educação especial é
Do ponto de vista filosófico, a inclusão es- a proposta defendida por Carvalho (2004) e
colar fundamenta-se na Conferência mundial Correia e Cabral (1999). Prevê-se nesta abor-
sobre educação para todos: satisfação das dagem a inserção tanto em salas regulares
necessidades básicas de aprendizagem, de como nas diferentes modalidades de atendimen-
1990 (UNESCO, 1990), e na Declaração de to em educação especial, dependendo das ca-
Salamanca e linhas de ação sobre as neces- racterísticas dos educandos.
sidades educativas especiais, de 1994 (UNES- No âmbito internacional, o direito à educa-
CO, 1994). Esses documentos internacionais ção já vem sendo assegurado desde a Declara-
asseguram indistintamente a todos os indivídu- ção Universal dos Direitos Humanos
os com necessidades especiais ou não o direito (UNESCO, 1948). Entretanto, a adesão ao pa-
à educação de qualidade na rede regular de radigma da inclusão teve início com a Declara-
ensino. Conclama-se o respeito à dignidade ção Mundial sobre Educação para Todos:
humana e enaltece-se a diversidade como ele- Satisfação das Necessidades Básicas de Apren-
mento indispensável na aprendizagem. dizagem, de 1990, que, também, preconiza ser
A inclusão escolar representa um novo pa- a educação um direito fundamental de todos,
radigma no âmbito educacional, ao propor que começando desde o nascimento e prolongan-
a diversidade seja aceita como elemento cons- do-se por toda a vida. Tratando-se especifica-
tituinte do processo ensino-aprendizagem. Para mente de pessoas com necessidades especiais,
Carvalho (2004, p. 27) “o paradigma da inclu- a Declaração de Salamanca de 1994 (UNES-
são representa um resgate histórico do igual CO, 1994) pressupõe que a Educação Inclusi-
direito à educação de qualidade”. va é imprescindível para a construção de uma
Segundo Mantoan (2003b, p. 57) sociedade justa, democrática e igualitária.
A inclusão é uma inovação que implica um es- No plano nacional, a Constituição Federal
forço de modernização e de reestruturação das (BRASIL, 1988) assegura que a educação é
condições da maioria de nossas escolas (espe- um direito de todos e um dever do Estado. O
cialmente as de nível básico), ao assumirem que documento também prescreve que o atendimen-
as dificuldades de alguns alunos não são ape- to educacional a pessoas portadoras de defici-
nas deles, mas resultam, em grande parte, do ência (terminologia à época) deve ocorrer
modo como o ensino é ministrado e de como a preferencialmente na rede regular de ensino.
aprendizagem é concebida e avaliada.
Semelhante determinação é encontrada na Lei
No contexto da inclusão a escola deve adap- de Diretrizes e Bases da Educação Nacional
tar-se às necessidades educacionais dos alu- (BRASIL, 1996). Embora anterior a esta lei, a
nos, com deficiência ou não. A inclusão Política Nacional de Educação Especial (BRA-
preconiza, também, o respeito à dignidade hu- SIL, 1994) já previa a expansão do atendimen-
mana no contexto educacional, visto que se to àqueles com necessidades especiais na rede
apóia no modelo social da deficiência, minimiza regular de ensino.
a responsabilidade do educando em relação ao Em nível estadual, a Constituição do Estado
fracasso escolar. Convém salientar que, no âm- do Maranhão (MARANHÂO, 1989) assegura
bito da inclusão escolar, persistem duas tendên- o direito à Educação, e a Resolução nº 291/2002
cias: a da inclusão total e a da inclusão com a do Conselho Estadual de Educação (MARA-
manutenção das modalidades de atendimento NHÃO, 2002) estabelece normas para a Edu-
em educação especial. Na primeira perspecti- cação Especial na educação básica do sistema
va está prevista a inserção radical e sistemáti- de ensino do Estado do Maranhão, e prevê ou-
ca do aluno no contexto escolar independente tras providências. O documento em questão

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 107
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

adverte que o atendimento educacional a alu- ram por um modelo de exclusão e segregação
nos com necessidades especiais deve aconte- escolar dessa clientela, que representa uma
cer no sistema regular de ensino em qualquer grande parte da sua população. Segundo Ribei-
etapa ou modalidade da educação básica. ro (1991), desde os primórdios da colonização
Tratando-se do município de São Luís do do Brasil a educação esteve voltada para uma
Maranhão, convém destacar dois documentos: elite, fundamentou-se num modelo ideal de alu-
a Resolução nº 10/2004 do Conselho Municipal no, produziu repetências, analfabetismo, evasões
de Educação (SÃO LUÍS, 2004a) e o Plano e excluiu do contexto escolar aqueles que dife-
Decenal Municipal de Educação de São Luís – riam desse modelo, como o são as pessoas com
2004/2013 (SÃO LUÍS, 2004b). A Resolução deficiência mental.
nº 10/2004 assegura em âmbito municipal as Uma análise dos dados apresentados pelo
prescrições contidas na Resolução nº 291/2002 Censo Escolar de 2005 e pela Secretaria Muni-
do Conselho Estadual de Educação. Por sua cipal de Educação (SÃO LUÍS, 2005) sugere
vez, o Plano Decenal Municipal de Educação que, dado o percentual elevado de pessoas com
de São Luís apresenta as diretrizes norteado- deficiência mental no Estado do Maranhão,
ras da Política de Educação Inclusiva da rede persistem ainda atitudes de segregação no
municipal de ensino, dando destaque à escola contexto educacional em relação às pessoas
inclusiva como espaço para a construção de com deficiência mental. Esses dados suscitam
uma sociedade justa e democrática que aceite questionamentos diversos, dentre eles: como
e respeite a diversidade humana. está ocorrendo o processo de inclusão escolar
Embora existam determinações de âmbito de alunos com deficiência mental no ensino fun-
internacional, nacional, estadual e municipal, damental da rede municipal em São Luís-MA?
tratando-se da sociedade brasileira pode-se ve- A perspectiva que tem sido adotada na inclu-
rificar, no que se refere ao cumprimento das são escolar de pessoas com deficiência mental
prescrições desses documentos, que ainda se é a da inclusão total ou a da inclusão com a
vive num estado de barbárie. A situação é tão manutenção de modalidades de atendimento em
alarmante que, segundo dados do Instituto Bra- educação especial? Analisar como está ocor-
sileiro de Geografia e Estatística (IBGE, 2000), rendo o processo de inclusão escolar de alunos
24.965.200 (vinte e quatro milhões novecen- com deficiência mental no ensino fundamental
tos e sessenta e cinco mil e duzentos) habitan- na rede municipal em São Luís - MA constitui
tes no Brasil apresentam deficiência! Desse o objeto deste trabalho.
total, 8,3% apresentam deficiência mental e, Para operacionalizar essa pesquisa delimi-
em 2003, apenas 251.506 recebiam atendimen- taram-se os seguintes objetivos específicos:
to educacional.
a) especificar as principais barreiras enfren-
No Estado do Maranhão, segundo o Censo
tadas no processo de inclusão escolar de pes-
Demográfico de 2000, 99.307 pessoas apresen-
soas com deficiência mental;
tam deficiência mental. Desse total, apenas 601
b) enumerar as medidas adotadas para a in-
alunos com deficiência mental encontram-se
clusão escolar de pessoas com deficiência men-
matriculados em salas regulares da rede muni-
tal;
cipal de São Luís, segundo a Secretaria Muni-
c) caracterizar os benefícios decorrentes da
cipal de Educação (2005), incluindo-se os níveis
inclusão escolar de pessoas com deficiência
de Educação Infantil, Ensino Fundamental e
mental para a comunidade escolar e para a so-
Educação de Jovens e Adultos. Além disso,
ciedade em geral.
apenas 198 alunos com deficiência mental en-
contram-se matriculados em classes especiais A escolha da rede municipal de ensino, como
na rede municipal de ensino. centro deste estudo, deve-se ao fato de estar
Do exposto, verifica-se que a sociedade bra- prescrita, no Inciso I do Artigo 208 do Capítulo
sileira e, especificamente, a maranhense opta- III (Da Educação, da Cultura e do Desporto)

108 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

da Constituição Federal (BRASIL, 1998) e no IV – o fortalecimento dos vínculos de família,


Inciso I do Artigo 4º do Título III (Do Direito à dos laços de solidariedade humana e de
Educação e do Dever de Educar) da Lei de Dire- tolerância recíproca em que se assenta a vida
trizes e Bases da Educação Nacional (BRASIL, social.
1996), a obrigatoriedade de atendimento educaci- Estudos visando analisar como se tem pro-
onal no ensino fundamental. Nesta perspectiva, cessado a inclusão escolar de pessoas com de-
acredita-se que, neste nível de ensino, a aprendi- ficiência mental foram realizados por diferentes
zagem entre alunos com necessidades especiais autores, como Voivodic (2004), Wise (2003),
e os ditos “normais” levem à valorização da di- Santos (2003) e Oliveira (2003). Esses estudos
versidade, da condição humana e de valores uni- procuraram analisar as medidas adotadas para
versais. Podem proporcionar mudanças de atitudes a inclusão, o percentual de alunos com defici-
desde as fases iniciais da escolarização. A edu- ência mental matriculados no ensino regular,
cação, em suas dimensões humanizadora e soci- além dos benefícios desse processo para pro-
alizante, possibilitará um novo olhar sobre os fessores, alunos com deficiência mental e para
educandos com necessidades especiais, respei- a sociedade como um todo.
tando-os nas diferenças e desenvolvendo suas po- Em São Luís do Maranhão encontram-se
tencialidades no sistema regular de ensino, contribuições científicas de Leitão (2001) e
estabelecendo uma convivência construtiva, sa- Carvalho (1998), a partir de pesquisas sobre
dia e sem preconceitos entre os alunos não defici- pessoas com necessidades especiais. A pes-
entes e aqueles com deficiência. quisa de Leitão (2001) procurou estudar a re-
A educação promove o pleno desenvolvimen- construção histórica da Educação Especial e
to da personalidade e das potencialidades dos in- teve como objetivo “problematizar conceitos,
divíduos e, nos primeiros anos de vida, é fundamentações, bases teórico-conceituais que
indispensável para evitar transtornos futuros nas compõem o planejamento público educacional
aprendizagens escolares. Além disso, a possibili- para os sujeitos denominados portadores de ne-
dade de construção de uma sociedade para todos cessidades especiais.” (LEITÃO, 2001, p. 9).
começa, também, no ensino fundamental, pressu- A autora concluiu que as políticas de educação
pondo-se que, neste nível de ensino, preconceitos especial precisam ser analisadas no bojo das
em relação à pessoa com deficiência mental pos- políticas sociais do estado capitalista, destacan-
sam ser dirimidos e atitudes calcadas em valores do que estas devem ser consideradas em seu
humanos relativos à igualdade, à fraternidade e à contexto social, econômico e político.
solidariedade possam ser cultivados. Carvalho (1998), por sua vez, dedicou-se ao
Corroborando o exposto, convém salientar estudo da integração de alunos de classes es-
que, segundo o Artigo 32º do Capítulo I (Da peciais, especificamente de pessoas deficien-
Composição dos Níveis Escolares) do Título V tes mentais, nas escolas públicas estaduais de
(Dos Níveis e das Modalidades de Educação e 1º grau de São Luís do Maranhão. A autora
Ensino) da atual Lei nº 9.394/96 (BRASIL, optou por “analisar as oportunidades que a es-
1996), estabelece-se que: cola pública estadual de 1º grau do município
O ensino fundamental, com duração mínima de de São Luís oferece para a integração do alu-
oito anos, obrigatório e gratuito na escola públi- nado da classe especial – área de deficiência
ca, terá por objetivo a formação básica do cida- mental.” (CARVALHO, 1998, p. 8). Os resul-
dão, mediante: tados desse estudo demonstraram que ocorre
I - o desenvolvimento da capacidade de apren- uma integração parcial nas classes especiais das
der, tendo como meios básicos o pleno domínio escolas pesquisadas.
da leitura, da escrita e do cálculo; (...) Verifica-se, do exposto, que há uma carên-
III – o desenvolvimento da capacidade de apren- cia de estudos e pesquisas em São Luís do
dizagem, tendo em vista a aquisição de conheci- Maranhão em relação ao atendimento educa-
mentos e a formação de atitudes e valores; cional a pessoas com necessidades especiais,

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 109
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

mais especificamente à educação de pessoas A inclusão escolar representa novo paradig-


com deficiência mental. Mendes (2002) ressal- ma no âmbito educacional, ao propor que a di-
ta que a literatura científica demonstra escas- versidade seja aceita como elemento constituinte
sez de pesquisas avaliativas e propositivas sobre do processo de ensino-aprendizagem. Para
a inclusão na realidade brasileira. Segundo a Carvalho (2004, p. 27) “o paradigma da inclu-
autora, são necessários estudos que contribu- são representa um resgate histórico do igual
am para a elucidação de vários aspectos relati- direito à educação de qualidade”.
vos a esse processo, tais como a avaliação de Segundo Mantoan (2003b, p. 57):
como se tem dado a inclusão, a perspectiva dos A inclusão é uma inovação que implica um es-
envolvidos na comunidade escolar, especialmen- forço de modernização e de reestruturação das
te professores regulares e demais alunos, e os condições da maioria de nossas escolas (espe-
efeitos no acesso a recursos e serviços e nas cialmente as de nível básico), ao assumirem que
atitudes e preferências das famílias. Para Men- as dificuldades de alguns alunos não são ape-
des (2002), a ausência de avaliações compro- nas deles, mas resultam, em grande parte, do
modo como o ensino é ministrado e de como a
mete a implantação da educação inclusiva, e
aprendizagem é concebida e avaliada.
faltam conhecimentos sobre os suportes neces-
sários para se garantir não apenas o acesso, No contexto da inclusão a escola deve adap-
mas também a permanência e o sucesso de alu- tar-se às necessidades educacionais dos alu-
nos com necessidades especiais em classes nos, com deficiência ou não. A inclusão
comuns de escolas regulares. Esse estudo pode fundamenta-se no modelo social da deficiên-
preencher lacunas relativas à realidade educa- cia, minimizando, assim, a responsabilidade do
cional da pessoa com deficiência mental em São educando em relação ao fracasso escolar. Sali-
Luís/Maranhão, dada a escassez de pesquisas ente-se que no âmbito da inclusão escolar per-
nesta área. sistem duas tendências: a da inclusão total
Por fim, salienta-se que, além de sensibili- (MANTOAN, 2003a), e a da inclusão com a
zar autoridades e a população para a proble- manutenção das modalidades de atendimento
mática do atendimento educacional a pessoas em Educação Especial defendida por Carvalho
com deficiência mental, essa pesquisa pode ofe- (2004) e Correia e Cabral (1999).
recer um diagnóstico da situação educacional A inclusão pode ser entendida como um prin-
de alunos com deficiência mental no ensino fun- cípio que preconiza a convivência das diversi-
damental. Pode constituir-se, também, num pri- dades, pressupondo-se que as diferenças são
meiro passo para que medidas adequadas sejam constituintes do ser humano e caracterizam-se
efetivadas na rede municipal de ensino, no sen- como a maior riqueza da vida em sociedade. A
tido de concretizar a inclusão escolar de pesso- ênfase no papel da diversidade é ressaltada por
as com deficiência mental, atendendo as suas autores como Carvalho (2004), Mantoan
reais necessidades. (2003a; 2003b), Marques e Marques (2003),
Fonseca (2003), Stainback e Stainback (1999)
e Correia e Cabral (1999).
2. INCLUSÃO ESCOLAR DE PESSO- Para Carvalho (2004), a inclusão dirige-se a
AS COM NECESSIDADES ESPECIAIS todos os educandos, contempla inúmeras ofer-
tas educativas e considera a heterogeneidade e
Carvalho (2004) e Mantoan (2003a, 2003b) a diversidade. No entanto, para esta autora, ao
têm oferecido inúmeras contribuições teóricas se adotar essa proposta não se deve eliminar
sobre o assunto, destacando-se aspectos como as modalidades da educação especial, princi-
a conceituação de inclusão escolar, os obstácu- palmente para aqueles que necessitam de apoio
los que se interpõem à sua efetivação, as medi- intenso e permanente.
das adotadas para a sua execução, assim como Em comentário acerca do paradigma da in-
os benefícios advindos desse processo. clusão, Mantoan (2003b, p. 15) adverte:

110 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

... a escola se entupiu do formalismo da raciona- contando-se, para esse fim, com um apoio apro-
lidade e cindiu-se em modalidades de ensino, priado às suas características e necessidades.
tipos de serviço, grades curriculares, burocra- Para esses autores, a inclusão deve também
cia. Uma ruptura de base em sua estrutura orga-
admitir um contínuo educacional em que a mo-
nizacional, como propõe a inclusão, é uma saída
para que a escola possa fluir, novamente, espa- dalidade de atendimento mais adequada para o
lhando sua ação formadora por todos os que aluno com necessidades educacionais especi-
dela participam. ais deverá ser determinada pelo Plano Educati-
vo Individualizado (PEI). A proposta de Correia
Outros aspectos relacionados à inclusão, ci-
e Cabral (1999) é de inclusão com a manuten-
tados pela autora (2003b, p. 55), são os seguin-
ção do continuum de serviços educativos como
tes: “A inclusão implica em acesso, permanên-
resposta às necessidades da criança. A seguinte
cia e prosseguimento da escolaridade até o nível
citação ilustra essa idéia defendida por Correia
que cada aluno for capaz de atingir. (...) não há
e Cabral (1999, p.38).
inclusão, quando a inserção de um aluno é con-
dicionada à matricula em uma escola ou classe Há casos em que as características, as capacida-
especial.” des e as necessidades de aprendizagem de de-
A inclusão, ainda, envolve basicamente “uma terminada criança podem requerer modalidades
de atendimento diversificadas. Acreditamos, as-
mudança de atitude face ao Outro: (...) o outro sim, como muitos dos defensores do princípio
é alguém que é essencial para a nossa consti- da inclusão, que devem ser consideradas op-
tuição como pessoa e dessa Alteridade é que ções e providenciados serviços adequados para
subsistimos, e é dela que emana a Justiça, a as crianças com necessidades educacionais es-
garantia da vida compartilhada.” (MANTOAN, peciais severas, sempre que possível, na classe
2004, p. 55). regular, mas não excluímos a hipótese da res-
Para Mantoan (2003b, p. 8), “As escolas posta não estar sempre, o tempo inteiro, nessa
mesma classe regular.
inclusivas são instituições abertas incondicional-
mente a todos os alunos”. Nelas atende-se às Correia e Cabral (1999) sugerem um mode-
diferenças sem qualquer discriminação, traba- lo de inclusão progressivo, que permita a for-
lhando-se conjuntamente com todos os alunos. mação de níveis de inclusão – de limitado a total,
De maneira geral, para a autora, a inclusão afe- dependendo de uma série de fatores: natureza
ta várias categoriais: profissionais da área de e severidade da problemática da criança com
Saúde e Educação (geral e especial), associa- necessidades educacionais especiais; os recur-
ção de pais, pais de crianças normais e grupos sos humanos e materiais existentes; o relacio-
de pesquisa das universidades. namento entre o professor de ensino regular e
Segundo Marques e Marques (2003), como o da Educação Especial; a participação paren-
princípio alicerçado no dado atual da diversidade tal; os apoios prestados por outros serviços; e a
a inclusão contempla necessariamente todas as formação do professor e de outros agentes edu-
formas possíveis da existência humana. Para cativos.
esses autores a diversidade pressupõe dois as- Dessa forma, Correia e Cabral (1999) pro-
pectos: “o reconhecimento e o respeito pelo que põem três níveis de inclusão que devem ter por
faz uma pessoa um ser diferente de todos os base as atividades acadêmicas e sociais desen-
demais e a preservação do dado de que todas as volvidas na escola regular. Segundo esses au-
pessoas são iguais no que se refere ao valor tores, a maioria dos alunos com necessidades
máximo da existência: a humanidade do homem.” educacionais especiais (situações ligeiras e
(MARQUES; MARQUES, 2003, p. 233). moderadas) deve ser inserida no nível I – inclu-
Correia e Cabral (1999) entendem que a in- são total. Só um pequeno número de alunos (si-
clusão implica na inserção do aluno na classe tuações moderadas e severas que requeiram
regular, onde, sempre que possível, deve rece- práticas excepcionais) deve ser considerado no
ber todos os serviços educativos adequados, nível II – inclusão moderada. E só um número

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 111
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

reduzido de alunos (situações severas que o tem alimentado a idéia de que tais pessoas ne-
exijam) é que deve ser mantido no nível III – cessitam de espaços próprios e específicos para
inclusão limitada. serem trabalhadas, assim como de tratamento
Mantoan (2004), por sua vez, mostra-se e profissionais especializados, o que reforça a
radical em sua perspectiva, admitindo que a insegurança, o medo e a resistência dos pro-
inclusão escolar pressupõe a inserção do alu- fessores das classes regulares em trabalharem
no com ou sem deficiência na classe regu- com alunos com deficiência, justificando-se a
lar. A autora admite que o atendimento sua queixa de despreparo profissional. Desfa-
segregado, seja provisório ou definitivo, de- zer esse núcleo de representações sociais, se-
riva do paradigma que se fundamenta na gundo Carvalho (2004), constitui-se numa das
Educação Especial, promovendo a exclusão tarefas iniciais para a implementação da inclu-
parcial ou total. são, levando os educadores, em geral, a enten-
No que tange às barreiras ou dificuldades derem que a proposta de educação inclusiva
enfrentadas na concretização da Educação In- diz respeito a todos os que, por diversas razões,
clusiva, a opinião dos autores é ampla. Carva- têm sido excluídos, abandonando precocemen-
lho (2004) afirma ser indispensável, para que te a educação escolar.
a Educação Inclusiva se concretize, a remo- Quanto à queixa de despreparo dos pro-
ção de barreiras conceituais, atitudinais e polí- fessores para trabalharem com alunos com de-
tico-administrativas, cujas origens são múlti- ficiências, Carvalho (2004) é enfática,
plas e complexas, não havendo, no entanto, afirmando que os professores consideram-se
necessidade de hierarquizá-las, na medida em despreparados para a tarefa, porque a forma-
que se relacionam. Essa autora identifica como ção habilitou-os a trabalhar sob a hegemonia
principais barreiras à implantação da proposta da normalidade. Segundo a autora, é preciso
inclusiva os seguintes aspectos: formação dos ultrapassar a qualidade da formação inicial e
professores; as necessidades educacionais dos continuada dos educadores, levando-os a con-
alunos; a freqüência das reuniões nas esco- siderar a diversidade e a heterogeneidade
las; as atitudes negativas frente à diferença e como elementos significativos no processo
à deficiência; os modelos classificatórios de
ensino-aprendizagem.
avaliação educacional; as injustiças sociais e
Mantoan (2004) afirma como resistências
econômicas produtoras da desigualdade soci-
ou barreiras à inclusão as atitudes familiares,
al; a concepção que se tem da sociedade e
as dos professores da educação especial e do
das funções da escola.
ensino regular, e as atitudes dos próprios alu-
Uma atenção especial é dada ao diagnósti-
nos. Para essa autora a reação dos professo-
co que, segundo Carvalho (2004), se configura
res à inclusão, justificando a sua falta de preparo
como mais uma dificuldade na implementação
para lidar com a diversidade dos alunos, mas-
da proposta inclusiva. A cultura de diagnosti-
cara na verdade o medo de enfrentar o novo,
car, seja com a finalidade de triagem, seja para
uma das principais barreiras à inclusão.
escolher o melhor procedimento, ainda está
Outra barreira que precisa ser transposta,
muito arraigada, segundo a autora. Além do
para a efetivação do ensino inclusivo, segundo
resquício em relação ao modelo médico, esse
Mantoan (2004, p. 84), é a:
aspecto é considerado um dos maiores obstá-
culos à inclusão, na medida em que reforça os ... inadequação de métodos e técnicas de ensino
estigmas. tradicional, baseados na transmissão de conhe-
cimentos e na individualização das tarefas de
Um outro aspecto significativo ressaltado por
aprendizagem. Nessas condições organizacio-
Carvalho (2004), como empecilho à proposta nais de trabalho pedagógico é impossível criar
inclusiva, diz respeito ao mito de que as pesso- situações, a partir das quais cada aluno possa
as com deficiência apresentam diferenças, en- aprender e perceber-se como sujeito ativo na
tendidas como qualidades negativas. Este mito conquista do conhecimento.

112 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

Para Mantoan (2004), nas condições tradi- las dos alunos com necessidades especiais, con-
cionais de ensinar, reforçam-se a competição e siderando-se sua idade cronológica; e combate
a homogeneização entre os alunos. Isto impede à prioridade de aprendizagem de conteúdos em
os professores de contemplarem as diferenças detrimento da aprendizagem da vida.
e reconhecerem o valor e a riqueza que elas Além desses aspectos, Ramos (2005, p. 15-
representam para o desenvolvimento dos pro- 16) acrescenta que, para a inclusão efetivar-
cessos educativos, dentro e fora das escolas. se, faz-se necessária a desmistificação de que:
Uma outra barreira à inclusão, destacada por ... portadores de necessidades especiais
Mantoan (2004), é a presença de professores necessitam de cuidados especiais (...); aqueles
especialmente destacados para acompanharem que lidam com portadores de necessidades
o aluno com deficiência nas atividades de sala especiais, principalmente os professores
de aula, servindo como apoio ou mesmo res- precisam ser especialistas (...); portadores de
pondendo diretamente pela inserção desse alu- necessidades especiais têm de estar em escolas
no no meio escolar. Segundo a autora, essa especiais; (...) de que eles atrapalham a
atitude exclui e segrega o aluno, além de des- aprendizagem de outras crianças.
qualificar o professor responsável pela turma, Ramos (2005) ainda se refere à necessida-
que não modificará a sua maneira de atuar na de de mudanças no processo avaliativo, que
sala de aula, visto que as necessidades educati- deve considerar o potencial do aluno e não as
vas do aluno com deficiência estão sendo su- exigências do sistema escolar, e respeitar o rit-
pridas pelo educador especializado. mo de aprendizagem de cada um como aspec-
Infelizmente, segundo essa pesquisadora tos a serem contemplados na inclusão escolar.
(2004), muitos sistemas educacionais entendem Segundo Mantoan (2004), os princípios edu-
que essa solução é válida em fases intermediá- cacionais humanistas norteiam a escola inclusi-
rias de implantação do sistema inclusivo, consi- va e os professores devem ter um perfil
derando-se a presença dos professores de apoio compatível com esses princípios. A sua forma-
e até mesmo das classes especiais sediadas em ção necessita ultrapassar a graduação e os cur-
escolas regulares como degraus necessários sos de pós-graduação, constituindo-se mesmo
para se chegar à inclusão. numa autoformação, na medida em que acon-
Convém destacar, também, a contribuição de tece no interior das escolas a partir do interes-
Oliveira (2003, p.37), para quem a maior dificul- se docente em melhorar a sua prática escolar.
dade à inclusão é “lidar com as diferenças de Outro aspecto salientado por Mantoan
forma diferente, garantindo o princípio de igual- (2004), no que tange à consecução de projetos
dade de oportunidades a todos os educandos”. educacionais inclusivos, diz respeito à partici-
Uma vez analisadas as principais barreiras pação de toda a comunidade escolar (pais, pro-
para a efetivação da educação inclusiva têm-se fessores, diretor, alunos e todos os interessados
as principais medidas a serem adotadas nos sis- em Educação) na organização curricular, que
temas educacionais para que eles se tornem in- deve considerar as condições físicas e sócio-
clusivos. Infere-se de Ramos (2005) que os prin- culturais do meio em que se insere a escola.
cipais requisitos para a efetivação da inclusão Salienta Mantoan (2004, p. 91) que:
são os seguintes: filosofia educacional de base
Nas escolas inclusivas, a progressão no ensino
construtivista, pois considera as diferenças na
não é serial, linear, mas sincrônica e organizada
aprendizagem dos indivíduos; de consciência da em ciclos de formação/desenvolvimento que
comunidade (alunos, pais) de que os educandos cobrem as faixas etárias de 6 a 11 anos, de 11 a 14
com necessidades especiais não vão atrapalhar anos para o caso do ensino fundamental.
o processo de ensino-aprendizagem mas, sim, Esses tempos permitem que o aluno transite num
ajudar, construindo sentimentos de solidariedade dado nível sem reprovações, sem desvios para o
e respeito às diferenças; presença de uma equi- ensino especial, pois não estabelecem quando
pe preparada para o novo, o inusitado; matrícu- uma criança ou jovem deve mudar de série esco-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 113
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

lar ou se estão ou não preparados num certo professores especializados em cada escola e
momento para uma ou outra de suas passagens. reestruturação do sistema educacional escolar.
Referindo-se à formação dos professores, A mesma autora (2004) salienta, também,
uma outra medida relativa à consecução da in- que as condições sócio-econômicas do Brasil
clusão escolar, Mantoan (2003a) sugere que seja devem ser revistas, principalmente no que diz
feita a fusão entre a educação especial e a edu- respeito às suas implicações na desvalorização
cação regular nos sistemas escolares, e a im- do magistério, a fim de que as escolas se tor-
plantação da formação única para todos os nem espaços inclusivos.
educadores. A formação inicial dos educado- Por sua vez, Oliveira (2003) propõe uma
res eliminaria, em grande parte, as reações ne- série de modificações à escola quando da im-
gativas dos professores do ensino regular diante plantação do paradigma da inclusão, para aten-
dos alunos com deficiência. Quanto à forma- der às necessidades do educando. Essas
ção continuada, os professores teriam garanti- mudanças refletem-se em vários aspectos da
do um tempo de estudo nas escolas e em seus escola como organização, e dizem respeito a
horários de trabalho. ofertas de apoios específicos para professores
Mantoan (2003a) discorda do caráter espe- e alunos; utilização de recursos da comunidade
cial e da validade de métodos de ensino escolar (de ordem clínica, pedagógica, material ou físi-
para pessoas com deficiências, pois tais proce- ca); intercâmbio entre escolas, classes e co-
dimentos levam a um rebaixamento do nível de munidade; treinamento de funcionários;
expectativa do professor em relação às poten- alterações arquitetônicas e estruturais; e capa-
cialidades do aluno, à sua capacidade de cons- citação do pessoal técnico-administrativo.
truir conhecimentos. Segundo a autora, os Infere-se de Fonseca (2003) que, para a
procedimentos de adaptar currículos, facilitar implantação de escolas inclusivas, são neces-
tarefas e diminuir o alcance dos objetivos edu- sárias as seguintes providências: modificações
cacionais devem ser substituídos pela crença na gestão, na organização, no equipamento, nos
nas potencialidades do educando e pela valori- suplementos multiterapêuticos e, sobretudo, nas
zação do que foi produzido por ele. atitudes e atuação de uma equipe multidiscipli-
A extinção das habilitações dos cursos de nar. Além desses aspectos, salienta o autor, caso
Pedagogia para formação de professores de se queira promover uma educação inclusiva,
alunos com deficiência é sugerida por Mantoan visando os efeitos benéficos de longo prazo,
(2004, p.93) quando afirma: devem-se criar serviços de suporte, realizar
... os cursos de especialização não deveriam se modificações psicopedagógicas, curriculares, e
dedicar a especializar os educadores em algum do processo avaliativo (que deve ser dinâmico
tipo de incapacidade, em uma categoria de alu- e longitudinal), reestruturar a cultura, as políti-
nos, mas estar voltados para o aprofundamento cas e as práticas escolares, de forma a respon-
pedagógico desse profissional, de modo que der à diversidade.
pudesse entender melhor as crianças em geral, Embora as escolas possam desenvolver inú-
em seu desenvolvimento.
meras ações em prol da inclusão, também é
Carvalho (2004) propõe, como medidas para verdade que elas enfrentam inúmeros limites
a efetivação da inclusão: projeto político-peda- que só poderão ser superados com mudanças
gógico da escola compatível com o paradigma sistemáticas nas políticas nacionais, com ênfa-
da inclusão; revisão da metodologia didática se para aquelas diretamente relacionadas à edu-
atualmente adotada; intensificação da relação cação. Além disso, a política educacional deve
família/escola; oferta de mais cursos para os articular-se com as políticas públicas responsá-
professores; redução do numero de alunos por veis pela distribuição de recursos financeiros
turma; presença de outra professora em sala- para programas de saúde, nutrição, bem-estar
de-aula; trabalho, separadamente, com os alu- familiar, trabalho, emprego, ciência e tecnolo-
nos com deficiência; aumento do número de gia, transportes, desporto e lazer.

114 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

De tudo que foi exposto, convém salientar Para Carvalho (2004, p. 133), os professo-
que a inclusão implica, em primeiro lugar, na acei- res “reconhecem vantagens na inclusão de de-
tação de todas as crianças como pessoas, como ficientes, nos aspectos sociais (54%) e nos
seres humanos únicos e diferentes entre si, o que cognitivos (15%) na medida em que preconcei-
acontecerá realmente quando todas as escolas tos serão eliminados, facilitar-se-à a integração
se modificarem. A modificação não é somente social desses alunos, gerando solidariedade en-
nas instalações físicas, mas em todas as propos- tre os colegas que se estimularão para ajudar
tas pedagógicas, metodológicas e administrati- na aprendizagem”.
vas. Sassaki (2003) e Mantoan (1997) afirmam No que tange especificamente aos benefí-
que é a escola que deve se adaptar às crianças, cios para os professores, salientam Karagian-
de modo a atender todos os alunos e não o con- nis, Stainback e Stainback (1999) que o ensino
trário. A inclusão necessita de professores es- inclusivo requer destes novas habilidades para
pecializados para todos os alunos. Tais trabalharem com alunos acadêmica e social-
professores deverão voltar a estudar, a refletir mente deficientes. Há apoio cooperativo e me-
sobre suas práticas e a buscar metodologias ino- lhoria das habilidades profissionais, e a
vadoras de ensino para esse fim. O maior desa- oportunidade de planejarem e conduzirem a
fio para implantar-se a inclusão diz respeito ao educação como parte de uma equipe, manten-
fator humano, segundo Mantoan (2003b). do-se a cooperação entre professores e técni-
Depreende-se das contribuições de Sassaki cos (apoio psicológico), e consultas a outros
(2003) e de Stainback e Stainback (1999), que colegas. Essa atitude leva os professores a
alguns benefícios da inclusão compreendem os melhorarem suas habilidades profissionais.
seguintes aspectos: desenvolvimento da apre- Os mesmos autores asseveram que a razão
ciação da diversidade individual; aquisição de mais importante para o ensino inclusivo é o va-
experiência direta com a variação natural das lor social da igualdade. Em contraste com as
capacidades humanas; acesso a uma gama experiências passadas de segregação, a inclu-
ampla de modelos de papel social; atividades são reforça a prática de que as diferenças são
de aprendizagem de redes sociais; demonstra- aceitas e respeitadas. Quando as escolas inclu-
ção crescente de responsabilidade e melhorias em todos os alunos, a igualdade é respeitada e
na aprendizagem através do ensino entre alu- promovida como um valor na sociedade. Para
nos; ganhos nas habilidades sociais e acadêmi- Karagiannis, Stainback e Stainback, (1999), em
cas e preparação para a vida na comunidade, uma sociedade cada vez mais diversificada o
assim como atitudes positivas. ensino inclusivo ensina os alunos a aceitarem
Além desses aspectos, Karagiannis, Stain- as pessoas que são diferentes.
back e Stainback (1999) destacam que progra-
mas adequados de inclusão tanto para alunos
com deficiência como para os sem deficiência 3. METODOLOGIA
promovem ganhos nas habilidades sociais e
acadêmicas, preparando-os para a vida na co- Para abordar o tema sobre a inclusão esco-
munidade e para atitudes positivas. Madden e lar de alunos com deficiência mental no ensino
Silva (apud STAINBACK; STAINBACK, fundamental, optou-se pelo método dialético, por
1999) corroboram esta perspectiva e acrescen- ele possibilitar a análise do fenômeno da inclu-
tam que há ganhos, também, nas habilidades da são escolar em seu contexto mais amplo, con-
vida diária. Prosseguem os autores, afirmando siderando-se as contradições internas deste
que, em casos de graves deficiências cogniti- fenômeno social.
vas, é importante não se preocupar com habili- Optou-se pela pesquisa descritiva tendo em
dades acadêmicas. Para esses alunos o que vista que, segundo Gil (1999), busca-se a des-
importa é a oportunidade de adquirir habilida- crição do fenômeno, a inclusão escolar de alu-
des sociais através da sua inclusão. nos com deficiência mental na rede regular de

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 115
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

ensino, além da relação entre os fatores deter- b)localização na zona urbana de São Luís,
minantes desse processo, considerando-se a sua devidamente delimitada, segundo documento da
inerente contradição. Por sua vez, as informa- SEMED.
ções para a realização do referido estudo fo- Optou-se pelas escolas da zona urbana por
ram buscadas em documentos internacionais, apresentarem percentual maior de escolas-pólo,
nacionais, estaduais e municipais, na própria segundo dados da SEMED, além de maior fa-
bibliografia sobre o assunto e no campo, confi- cilidade de acesso.
gurando-se, assim, respectivamente, um estu- A pesquisa foi realizada portanto em cinco
do de caráter documental, bibliográfico e de escolas-pólo da rede municipal de ensino de São
campo, segundo Gonsalves (2003). Luís. Estas, segundo a SEMED, são escolas
Quanto à natureza dos dados, a pesquisa em que apresentam classes especiais, salas de re-
questão é qualitativa, pois preocupa-se com a cursos e alunos inclusos. As cinco situam-se
compreensão e a interpretação do fenômeno. nos bairros da Alemanha, Anil, Centro, Pão-
Entretanto, fez-se uso de medidas objetivas, de de-Açúcar, Cidade Operária e Cohab.
base estatística, o que também caracteriza o O instrumento de coleta de dados utilizado
estudo como quantitativo, segundo Gonsalves foi a entrevista estruturada, feita com os dire-
(2003). Embora a ênfase tenha sido dada à pes- tores. Após a sua elaboração, realizou-se uma
quisa qualitativa, procurou-se nesse estudo su- pré-testagem com diretores de uma Instituição
perar a dualidade existente entre os modelos Filantrópica em São Luís-MA.
qualitativos e quantitativos de pesquisa, anali- O passo seguinte na coleta e análise de da-
sando-se os dados objetivos a fim de oferecer dos foi a realização de um contato junto à SE-
uma melhor compreensão do fenômeno a ser MED, a fim de se realizar um levantamento de
estudado. quantas e quais escolas-pólo, situadas na zona
Foram sujeitos deste estudo cinco diretores urbana de São Luís do Maranhão, apresenta-
de escolas-pólo da rede municipal de ensino de vam alunos com deficiência mental matricula-
São Luís-MA, que incluem em salas regulares dos em sala regular. Num segundo momento,
alunos com deficiência mental. Os diretores ti- foram contatados os diretores de cada uma
nham, na época da pesquisa, respectivamente dessas escolas, devidamente enumeradas pela
56, 52, 51, 48 e 45 anos, sendo quatro do sexo SEMED, para verificar se nelas havia alunos
feminino e um do sexo masculino. Quanto à na mesma situação. Após se certificar de que
formação profissional, um era formado em His- as escolas-pólo apresentavam alunos com de-
tória, outro em Matemática, e os demais em ficiência mental matriculados, um novo contato
Pedagogia, sendo que um deles com habilita- foi feito com as escolas para agendar entrevis-
ção em Administração e Magistério de 1º e 2º tas com os diretores. Estas foram realizadas
graus e outro com habilitação em Orientação individualmente no ambiente da escola, com a
Educacional e Magistério. Três diretores pos- autorização dos entrevistados, sendo gravadas
suíam especialização, um (D1) em Administra- e, posteriormente, transcritas.
ção Escolar, outro (D3) em Educação Especial, As entrevistas com os diretores das esco-
enquanto um terceiro (D5) tinha três especiali- las-pólo foram inicialmente transcritas na ínte-
zações: Coordenação Pedagógica, Psicopeda- gra, preservando-se os conteúdos originais das
gogia e Gestão Pública. falas. Inicialmente ouviu-se o começo dessas
Do total de dez escolas-pólo elencadas pela entrevistas; quando necessário se voltou ao iní-
Secretaria Municipal de Educação (SEMED) cio das gravações, sendo estas ouvidas nova-
apenas cinco corresponderam aos critérios de mente. A transcrição ocorreu de forma paulatina
seleção adotados pela pesquisa. Estes incluí- e progressiva, voltando-se várias vezes às fa-
ram os seguintes aspectos: las até que se conseguisse a transcrição por
a)presença de alunos com deficiência men- completo, em termos impressionistas, confor-
tal na sala regular; me entendido.

116 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

Na transcrição dos conteúdos das gravações res em efetivarem a inclusão escolar dessas
considerou-se a perspectiva teórica de Queiroz pessoas também constitui um empecilho. Res-
(1983, p. 90), de modo a “... buscar os princípi- ta salientar que para os outros dois diretores
os que presidiram a construção do texto e des- não existem dificuldades desta ordem no ensi-
vendar a origem do mesmo, pela compreensão no fundamental, da rede municipal de ensino de
em profundidade daquilo que ele contém.” Após São Luís-MA.
ter transcrito as entrevistas, deu-se prossegui- O aspecto salientado nos depoimentos, re-
mento à análise dos depoimentos, identifican- ferente à resistência dos professores em efeti-
do-se “... trechos que aparecem no discurso e varem a inclusão, lembra Carvalho (2004),
que se relacionam com o objetivo da pesquisa, quando esta autora destaca que os professores
pinçando-se ou ressaltando-os para uma discus- se consideram despreparados, porque a forma-
são do conteúdo.” (MANZINI, 1991, p. 81). ção habilitou-os a trabalhar sob a hegemonia
Após a transcrição das entrevistas e análise da normalidade. Além disso, parece que a re-
dos conteúdos, os dados foram agrupados em sistência dos professores passa pela dificulda-
categorias, conforme cada pergunta realizada. de em aceitar a diversidade humana, como
salienta Oliveira (2003). Convém ressaltar que,
para Mantoan (2004), o “discurso do desprepa-
4. RESULTADOS E DISCUSSÃO ro profissional” na verdade mascara o medo de
enfrentar o novo, representado pela inclusão.
Seguem-se as perguntas das entrevistas com
3ª Quais medidas têm sido adotadas na
as respectivas respostas:
escola para facilitar a inclusão de alunos
com deficiência mental na rede municipal
4.1. Entrevistas com os Diretores
de ensino?
1ª O que é inclusão escolar para o Sr.(a)? Os quatro diretores ressaltaram que a for-
Ao referir-se à inclusão escolar observou- mação de professores tem sido a medida mais
se que três diretores a associam ao atendimen- comumente adotada nas escolas para facilitar
to educacional voltado para a diversidade, a inclusão de pessoas com deficiência mental.
enquanto os outros dois diretores interpretam a Entretanto, um diretor apontou a sensibilização
inclusão escolar com sendo a inserção de alu- da comunidade escolar como medida para a
implantação da inclusão escolar de pessoas com
nos com necessidades especiais na escola re-
deficiência mental.
gular, o que constitui um equívoco.
O despreparo dos professores para trabalha-
Depreende-se dos depoimentos dos direto-
rem com alunos com deficiências é apontada por
res que ainda persistem entre eles equívocos
diversos autores. Carvalho (2004) explica esse
em relação ao entendimento do que venha a
despreparo, justificando que a formação habili-
ser inclusão escolar, associando-a apenas à in-
tou-os a trabalhar sob a hegemonia da normali-
serção de alunos com necessidades educacio-
dade. É necessário considerar a diversidade e a
nais especiais no contexto escolar, apesar de
heterogeneidade como elementos significativos
três dos entrevistados considerá-la um proces-
no processo de ensino-aprendizagem.
so mais amplo que diz respeito a todo aluno.
A preocupação com a sensibilização da co-
2ª Quais as dificuldades enfrentadas para munidade escolar serve para dirimir preconcei-
a inclusão escolar de alunos com deficiência tos em relação à pessoa com deficiência mental,
mental na rede municipal de ensino? fazendo surgir atitudes adequadas e favoráveis
Segundo dois diretores, as atitudes familia- à aceitação das diferenças. Proporcionam-se,
res constituem a principal barreira à inclusão dessa forma, elementos para minimizar uma das
escolar de pessoas com deficiência mental. maiores dificuldades de inclusão, conforme Oli-
Segundo um diretor, a resistência dos professo- veira (2003), que é lidar com as diferenças,

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 117
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

aceitando-se a diversidade humana, evitando- dos os diretores declararam que, para eles, o
se rótulos e comparações entre alunos com principal benefício da inclusão escolar é o de-
deficiência mental e os “normais”. senvolvimento de suas condições psicológicas,
tais como auto-estima, potencialidades, talen-
4ª Que benefícios traz a inclusão escolar
tos, capacidades, relacionamento interpessoal
de alunos com deficiência mental para a
e socialização.
escola, os professores, alunos em geral, para
Para o pessoal administrativo o principal
os próprios alunos com deficiência mental,
benefício destacado por todos os diretores foi
pessoal administrativo e para a sociedade
aprender a lidar e a conviver com os especiais,
em geral?
aprender a conviver com as diferenças, ou di-
Todos os diretores afirmaram que a inclu-
minuir o preconceito.
são escolar de pessoas com deficiência mental
Em relação aos benefícios da inclusão es-
traz benefícios. Tratando-se especificamente da
colar de alunos com deficiência mental para a
escola, três diretores admitiram que o grande
sociedade, as diminuições do preconceito e da
benefício para ela é a mudança de olhar e atitu-
discriminação, levando a uma visão mais positi-
de em relação à pessoa com deficiência men-
va destes sujeitos, foram descritas por quatro
tal, decorrente da diminuição de preconceitos e
diretores. Essa visão mais positiva leva à dimi-
discriminações. Por sua vez, um diretor admitiu
nuição dos preconceitos em relação a eles que,
como benefício para a escola o fato dela tor-
conseqüentemente, passam a acreditar mais nas
nar-se um espaço de referência para a comu-
suas potencialidades. Para um diretor, os alu-
nidade. Apenas um diretor acredita que a
nos deixam de representar um perigo para a
socialização da pessoa com deficiência mental
sociedade.
é um benefício para a escola, decorrente da in-
A visão de que pessoas com deficiência
clusão deste tipo de aluno.
mental são um risco para a sociedade repre-
As mudanças que se processaram no mun-
senta um resquício da teoria da degenerescên-
do, a partir da década de 80, com a internaciona-
cia de Morel, destacada por Pessotti (1984), para
lização da economia, levou ao estreitamento das
a qual a deficiência mental representa o último
relações entre as culturas e os povos. Essas pres-
grau de degradação humana, constituindo-se em
cindem de espaços, onde se possa aprender a
um risco à sociedade, na medida em que pode
conviver com as diversidades e aceitar as dife-
ser transmitida geneticamente.
renças, como as escolas inclusivas. Assim sen-
Os benefícios citados pelos diretores em
do, tornar-se uma referência como escola aberta
relação à inclusão corroboram as contribuições
a todos, corresponde a uma das exigências para
de Sassaki (2003), Stainback e Stainback (1999),
a construção de uma sociedade, que também
já que envolvem ganhos nas habilidades soci-
aceite a diversidade e se torne inclusiva.
ais, preparação para a vida na comunidade, as-
Três diretores destacaram que aprender a
sim como atitudes positivas.
lidar e conviver com as diferenças é o principal
ganho para os professores. Por sua vez, de acor- 5ª Qual a sua opinião sobre a política de
do com dois diretores, os docentes tendem a educação inclusiva da rede municipal de
melhorar suas habilidades profissionais quando ensino?
há inclusão de pessoas com deficiência mental Todos os diretores foram favoráveis à polí-
no contexto escolar. tica de educação inclusiva da rede municipal
No que tange aos benefícios para os alunos de ensino. Entretanto, um diretor advertiu para
em geral, todos os diretores destacaram que há a necessidade de melhorias na política de edu-
melhora no relacionamento e na aceitação das cação inclusiva da rede municipal de ensino, com
diferenças. a adoção de investimentos na formação de pro-
Em relação ao benefícios da inclusão para fessores e a reestruturação do contexto esco-
os próprios alunos com deficiência mental, to- lar. Dessa forma, a inclusão escolar exige

118 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

mudanças estruturais na escola para que ela se reia e Cabral (1999), a qual prevê a inserção
adapte às necessidades dos educandos, como desses alunos tanto em salas regulares como
preconiza a Declaração de Salamanca de 1994 nas diferentes modalidades de atendimento em
(UNESCO, 1994). A inserção de alunos com educação especial, dependendo das caracterís-
deficiência mental sem as devidas modificações ticas dos educandos.
de ordem atitudinal, conceitual, arquitetônica e
7ªQuanto à inclusão escolar de alunos
pedagógica no âmbito da escola, como salien-
com deficiência mental na rede municipal
tam Oliveira (2003) e Ribeiro (2003), conduzi-
de ensino, o(a) Sr.(a) é favorável à inclusão
ria não à inclusão, mas sim à integração, baseada
total ou considera necessária a inclusão com
no modelo médico.
a manutenção das modalidades de atendi-
6ª Na sua opinião, como está ocorrendo mento em educação especial? Justifique a
o processo de inclusão escolar de alunos com sua resposta.
deficiência mental na rede municipal de en- Todos os diretores são favoráveis à inclu-
sino? são com a manutenção das modalidades de
Quatro diretores demonstraram ter apenas atendimento em educação especial. As justifi-
conhecimento parcial sobre o processo, com ex- cativas dos diretores consideram que, depen-
ceção de um diretor, que demonstrou saber como dendo do grau de deficiência mental, o aluno
este está ocorrendo, destacando que os alunos não consegue resultados acadêmicos satisfató-
são encaminhados para as escolas pela SEMED, rios em classes consideradas heterogêneas e
após serem submetidos a uma avaliação diag- normais. Outros motivos relatados consistem em
nóstica, realizada por técnicos da secretaria. que nem todos os professores estão prepara-
A partir dos dados coletados junto aos direto- dos para a inclusão e os alunos com deficiência
res, depreende-se que o processo de inclusão mental deveriam ser trabalhados em salas es-
escolar de pessoas com deficiência mental está peciais, com professores especializados.
ocorrendo com a manutenção das modalidades Saliente-se que os autores favoráveis à in-
de atendimento em educação especial, na medi- clusão com a manutenção das modalidades de
da em que as escolas-pólo apresentam classes atendimento em educação especial, como Cor-
especiais e alunos com deficiência mental nelas reia e Cabral (1999) e Carvalho (2004), não
matriculados, assim como professor itinerante. destacam que o aluno deva ser preparado para
Dos resultados deste estudo depreende-se a classe regular nessas modalidades de atendi-
que o processo de inclusão escolar de pessoas mento, pois isso seria contra o paradigma da
com deficiência mental na rede municipal de inclusão. O que eles observam é que as moda-
ensino está ocorrendo da seguinte forma: os lidades de atendimento em Educação Especial
alunos com deficiência mental são submetidos devam atender às necessidades educacionais
a um processo de diagnóstico e, dependendo dos alunos, e que as escolas se reestruturem, o
do resultado, são encaminhados para a sala re- que é compatível com o paradigma da inclusão.
gular ou classe especial. Nas classes especiais A idéia de que o aluno deva ser preparado para
são preparados para o ingresso no ensino regu- a sala regular parece situar-se no âmbito da in-
lar, sendo acompanhados na escola por um pro- tegração, e não da inclusão.
fessor itinerante, funcionário da SEMED, a fim
de observar se estão aptos ou não para o ensi-
no regular. Por sua vez, conforme os dados 5. CONCLUSÃO
obtidos com os diretores, sujeitos da pesquisa,
o processo de inclusão escolar está ocorrendo Não restam dúvidas de que a inclusão esco-
com a manutenção das modalidades de atendi- lar de alunos com deficiência mental no ensino
mento em educação especial, correspondendo fundamental apresenta-se como um desafio a
à proposta defendida por Carvalho (2004), Cor- ser cumprido pelas redes municipais de ensino,

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 119
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

como a de São Luís do Maranhão, dada à obri- Tratando-se das condições favoráveis à in-
gatoriedade de sua oferta, principalmente por clusão escolar de pessoas com deficiência men-
essa instância administrativa. Verificou-se com tal na rede regular de ensino, ressalta-se que,
esse estudo que, no segmento do ensino funda- embora os documentos internacionais, nacionais,
mental, há um atendimento educacional reduzi- estaduais e municipais sugiram a formação con-
do a alunos com deficiência mental, dada a tinuada e em serviço para professores, esses
escassez de escolas que o fazem, sugerindo que ainda mantêm o mito de que estão desprepara-
as determinações legais não estão sendo cum- dos para trabalhar com alunos com deficiência
pridas pela rede municipal de ensino. Assim, mental. Talvez o motivo desse despreparo seja
parece que a inclusão escolar de alunos com a presença de preconceitos em relação a essas
deficiência mental ainda é descumprida, levan- pessoas, mascarados pelo discurso da necessi-
do a crer que existe um descaso do Estado para dade de cuidados especiais. Os professores
com as prescrições que norteiam o processo parecem não perceber que há necessidade de
educacional tanto em âmbito internacional, aceitar o aluno com deficiência mental como
como estadual e municipal. um ser único, capaz, com características e po-
Os dados apresentados sugerem que a rede tencialidades que podem ser trabalhadas. É esta
municipal de ensino tem realizado a inclusão visão que se deve ter de qualquer aprendiz, pois
escolar com a manutenção das modalidades de a diferença é que deve ser normal, e não a ho-
atendimento em educação especial. No entan- mogeneidade.
to, tais modalidades, como a classe especial, para O discurso do despreparo dos professores,
onde é encaminhada a maioria dos alunos que embora a rede municipal de ensino esteja inves-
não freqüenta as salas regulares, servem de tindo na sua formação, conforme relato dos di-
preparo para a inserção no ensino regular. Ob- retores, demonstra a sua inabilidade para traba-
serva-se, pois, que o modelo adotado aproxi- lhar com a diversidade humana em sua prática
ma-se mais do da educação integradora do que pedagógica. Os professores foram preparados
da educação inclusiva. para conviver com uma suposta homogeneida-
Em vez de buscar a reestruturação tanto de, que durante séculos tem excluído e segrega-
pedagógica como arquitetônica das escolas, o do do contexto escolar pessoas com deficiência
que é condição para a inclusão, a SEMED pre- mental.
fere encaminhar os alunos com deficiência As barreiras que dificultam a efetivação da
mental para modalidades de atendimento, como inclusão situam-se mais no âmbito atitudinal. O
a classe especial, que os mantêm segregados investimento na formação de professores como
do convívio escolar, ainda que essas se situem medida principal parece não sanar as dificulda-
no âmbito da escola regular. Além disso, o uso des enfrentadas, pois a formação pode ser ape-
de uma avaliação psicopedagógica, como pré- nas teórica, não levando a mudanças de atitudes
requisito para a inserção nas classes regulares nem à compreensão maior das necessidades,
ou nas classes especiais, sugere que ainda pre- limitações e potencialidades do aluno com defi-
valecem na rede municipal de ensino resquíci- ciência mental. Certamente, o trabalho de cons-
os do modelo médico, condicionando a matrícula cientização da comunidade escolar alcançaria
de alunos com deficiência mental na classe re- melhores objetivos e poderia ser utilizado para
gular conforme o resultado de tal avaliação. explicitar que alunos com deficiência mental são
Embora a inclusão esteja associada à aten- pessoas diferentes como as demais, desmistifi-
ção educacional, à diversidade, persistem equí- cando preconceitos e estereótipos em relação
vocos sobre ela na medida em que alguns a eles.
entrevistados a associaram à inserção de alu- No que concerne aos obstáculos à inclusão
nos com necessidades especiais na escola re- escolar de alunos com deficiência mental na
gular, e não a relacionaram à inclusão de todas rede municipal de ensino, o grande “vilão da
as pessoas excluídas. história” parece ser a formação de professo-

120 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

res. No entanto, parece contraditório tal discur- uma sociedade mais eqüitativa, justa e menos
so, porque os entrevistados enfatizaram que a preconceituosa.
rede municipal tem realizado investimentos na Quanto aos alunos com deficiência mental,
área. Resta perguntar: onde estão os professo- esses tendem a desenvolver suas condições
res que dizem não estar preparados para atuar psicológicas, como auto-estima, potencialidades,
com alunos com deficiência mental, apesar dos talentos, capacidades e respeito, quando inclu-
investimentos? Não restam dúvidas de que a sos no ensino regular.
implantação da inclusão passa pelo compromisso Conforme o que já foi dito, é dever do Esta-
social de cada um com a construção de uma do oferecer educação à população. No entan-
educação de qualidade para todos, não somen- to, o que se observa é a sua omissão no
te alunos com deficiência mental, como sugere cumprimento de determinações neste sentido,
este trabalho, mas também para todos os ex- relegando a um segundo plano os investimen-
cluídos dos diferentes sistemas sociais. tos na área educacional. Mais do que de leis,
Outras medidas detectadas nesse trabalho, um país, um estado ou município necessita de
como a sensibilização da comunidade escolar, atitudes que concretizem as prescrições das leis,
apontam para a necessidade de se efetivarem garantindo à população (mesmo aos alunos com
mudanças no âmbito atitudinal em relação aos deficiência mental), dentre outros, o direito à
alunos com deficiência mental. Essas mudan- educação.
ças devem acontecer inicialmente em relação Frente às dificuldades enfrentadas pela rede
aos próprios professores, na medida em que municipal de ensino no que se refere à inclusão
estes alimentam, ainda, idéias preconceituosas escolar de alunos com deficiência mental, já enu-
em relação a este alunos. É oportuno salientar meradas nesse trabalho, sugere-se que mais in-
que essas atitudes constituem um entrave à in- vestimentos sejam aplicados na capacitação de
clusão escolar, considerando-se que podem con- recursos humanos que garanta a adoção de uma
duzir à idéia errônea de que pessoas com postura inclusiva com relação a alunos com de-
deficiência mental não são capazes de acom- ficiência mental. Cursos eminentemente teóricos
panhar o curso normal de salas regulares, ne- contribuem para o enriquecimento profissional do
cessitando de espaços segregados para que professor; entretanto, não sensibilizam para a
sejam educadas. questão da aceitação das diferenças humanas
Foi dito pela maioria dos entrevistados que como condição natural e peculiar a todos.
o grande benefício da inclusão escolar de pes- Os professores precisam entender que ne-
soas com deficiência mental, na rede municipal cessitam rever a sua postura em relação aos
de ensino, é a aprendizagem da convivência aprendizes, sejam eles pessoas com deficiên-
com a diferença, dada a diminuição de precon- cia mental ou consideradas “normais”. Isto só
ceito em relação a essas pessoas. Certamente, se consegue com práticas vivenciadas, com
se o benefício fosse estendido à sociedade sensibilizações, em que cada um possa se colo-
como um todo, contribuiria para uma mudança car no lugar do outro e, numa verdadeira em-
de olhar em relação a elas, o que a levaria a ser patia, se compatibilizar com a sua realidade.

REFERÊNCIAS

BRASIL. Constituição. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília, DF: Senado, 1988.
BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário
Oficial [da] República Federativa do Brasil, Brasília, DF, v. 143, n. 248, 23 dez. 1996.
_____. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Especial. Política nacional de educação especial.
Brasília, DF: MEC/SEESP. 1994. livro 1.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 121
Percepções dos diretores de escolas-pólo sobre a inclusão escolar de alunos com deficiência mental no ensino fundamental ...

CARVALHO, M. B. W. B. Integração do aluno de classe especial: área de deficiência mental: as oportunida-


des oferecidas pela escola pública estadual de 1º grau em São Luís no Estado do Maranhão. Dissertação
(Mestrado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade Estadual do Rio de Janeiro, Rio de
Janeiro, 1998. 238 f.
CARVALHO, R. E. Educação inclusiva com os pingos nos is. Porto Alegre: Mediação, 2004.
CORREIA, L. L.; CABRAL, M. C. Uma nova política em educação. In: CORREIA, L. L. Alunos com necessi-
dades educativas especiais nas classes regulares. Portugal: Porto Ed., 1999. p. 19-41.
FONSECA, V. Tendências futuras da educação inclusiva In: STOBÄUS, C. D.; MOSQUERA, J. J. M. (Org.).
Educação especial: em direção à educação inclusiva. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003. p. 41-63.
GIL, A. C. Métodos e técnicas de pesquisa social. 5. ed. São Paulo: Atlas, 1999.
GONSALVES, E. P. Conversas sobre iniciação à pesquisa científica. 3 ed. Campinas: Alínea, 2003.
INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo Demográfico 2000: características da
população e dos domicílios: resultados do universo. 2000. Disponível em: http://www.ibge.gov.br/home/
estatistica/populacao/censo2000/default.shtm. Acesso em: 8 nov.2005.
JANUZZI, G. A luta pela educação do deficiente mental no Brasil. São Paulo: Autores Associados, 1985.
KARAGIANNIS, A.; STAINBACK, W.; STAINBACK, S. Fundamentos do ensino inclusivo. In: STAINBACK,
S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul, 1999. p. 21-34.
LEITÃO, A. As políticas públicas de educação especial: uma análise de fundamentos históricos conceituais.
Dissertação (Mestrado em Políticas Públicas) – Faculdade de Educação, Universidade Federal do Maranhão,
São Luís, 2001. 142f.
MANTOAN, M. T. E. Caminhos pedagógicos da educação inclusiva. In: GAIO, R.; MENEGHETTI, R.
(Orgs). Caminhos pedagógicos da educação especial. Petrópolis: Vozes, 2004. p. 79-94.
_____. Uma escola de todos, para todos e com todos: o mote da inclusão. In: STOBÄUS, C. D.; MOSQUERA,
J. J. M. (Org.). Educação especial: em direção à educação inclusiva. Porto Alegre: EDIPUCRS, 2003a. p. 27-40.
_____. Inclusão escolar. O que é? por quê? como fazer?. São Paulo: Moderna, 2003b.
MANZINI, E. J. A entrevista na pesquisa social. São Paulo: Didática, 1991.
MARANHÃO. Conselho Estadual de Educação. Resolução n° 291/2002. São Luis: CEE/MA, 2002.
_____. Constituição, 1989. Constituição do Estado do Maranhão. Disponível em: <http://www.pge.ma.gov.br/
pagina.php?>. Acesso em: 8 nov. 2005.
MARQUES, C. A. A.; MARQUES, L. P. Do universal ao múltiplo: os caminhos da inclusão. In: LISITA, V. M.;
SOUSA, L. F. (Org.). Políticas educacionais, praticas escolares e alternativas de inclusão escolar. Rio de
Janeiro: DP&A, 2003. p. 223-239.
MENDES, E. Deficiência mental: a construção científica de um conceito e a realidade educacional. Tese
(Doutorado em Psicologia) – Instituto de Psicologia, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1995. 387f.
_____. Perspectivas para a construção da escola inclusiva no Brasil. In: PALHARES, M. S.; MARINS, S. M.
(Org.). Escola inclusiva. São Carlos: EdUFSCAR, 2002. p. 61-85.
MITTLER, P. Educação inclusiva: contextos sociais. Porto Alegre: Artmed, 2003.
OLIVEIRA, A. S. Educação inclusiva: concepções teóricas e relato de experiência. In: MARQUEZINE, M. C.
et al. (Org.). Inclusão. Londrina: EDUEL, 2003. p.33-43. (Coleções perspectivas multidisciplinares em educa-
ção especial).
PESSOTTI, I. Deficiência mental: da superstição à ciência. São Paulo: EDUSP, 1984.
QUEIROZ, M. I. P. Variações sobre a técnica de gravador no registro da informação viva. São Paulo: EDUSP,
1983.
RAMOS, R. Passos para a inclusão. São Paulo: Cortez, 2005.

122 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007
Zinole Helena Martins Leite; Silvana Maria Moura da Silva

RIBEIRO, M. L. S. História da educação brasileira: a organização escolar. 11. ed. São Paulo: Cortez; Autores
Associados, 1991.
RIBEIRO, M. L. S. Perspectivas da escola inclusiva: algumas reflexões. In: RIBEIRO, M. L. S.; BAUMEL, R.
C. (Org.). Educação especial: do querer ao fazer. São Paulo: Avercamp, 2003. p. 41-51.
SANTOS, M. P. A prática da educação para a inclusão. In: MARQUEZINE, M. C. et. al. (Org.). Inclusão.
Londrina: EDUEL, 2003.
SÃO LUÍS. Conselho Municipal de Educação. Resolução nº 10/2004. São Luís: CME, 2004a.
_____. Secretaria Municipal de Educação. Plano decenal municipal de educação de São Luís: 2004/2013.
São Luís: SME, 2004b.
_____. Secretaria Municipal de Educação. Quadro demonstrativo de alunos atendidos pela Superintendên-
cia da Área de Educação Especial. São Luis: SME, 2005.
SASSAKI, R. K. Inclusão: construindo uma sociedade para todos. Rio de Janeiro: WVA, 2003.
STAINBACK, S.; STAINBACK, W. Inclusão: um guia para educadores. Porto Alegre: Artes Médicas Sul,
1999.
UNESCO. Declaração de Salamanca e linhas de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília, DF:
CORDE, 1994.
_____. Declaração mundial sobre educação para todos: satisfação das necessidades básicas de aprendiza-
gem. 1990. Disponível em: <http://www.unesco.org.br/publicacoes/copy_of_pdf/decjomtien>. Acesso em:
11 ago.2005.
_____. Assembléia Geral das Nações Unidas. Declaração universal dos direitos humanos. 1948. Disponível
em: <http://www.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.htm>. Acesso em: 11 ago. 2005.
VOIVODIC, M. A. Inclusão escolar de crianças com Síndrome de Down. Petrópolis: Vozes, 2004.
WISE, L. Trabalhando com Hannah: uma criança especial em uma escola comum. Porto Alegre: Artmed,
2003.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 03.11.06

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 105-123, jan./jun., 2007 123
Luciene Maria da Silva

DO HORROR À DIFERENÇA:
uma aproximação com o conto ‘O alienista’
de Machado de Assis

Luciene Maria da Silva *

RESUMO
O artigo trata de uma discussão sobre diferenças a partir do entendimento de
ciência por parte de Simão Bacamarte, personagem do conto ‘O Alienista’,
escrito por Machado de Assis e publicado pela primeira vez entre 1881 e 1882.
A discussão dá-se em torno das concepções científicas de então a respeito de
razão e sanidade, que evidencia uma anormalidade historicamente construída,
tendo como base a referência biológica e as respostas dadas nas relações com
o meio. Esse é o mote para uma reflexão sobre diferenças, deficiência e a
proposta de Educação Inclusiva.
Palavras-chave: Deficiência – Diferença – Preconceito – Inclusão –Educação
Inclusiva

ABSTRACT

HORROR OF DIFFERENCE: AN APPROXIMATION WITH


MACHADO DE ASSIS’ SHORT STORY ‘THE ALIENIST’

This article discourses about differences from the Simão Bacamarte´s


perception, personage of the Machado de Assis short story ‘the Alienist’,
published for the first time between 1881 and 1882. The reflection turns around
scientific conceptions of the time about reason and health that evidence a
constructed abnormality having from based biological reference and the answers
given in the relations with the context. This is the motto for a reflection on
differences, deficiency and the proposal of inclusive education.
Keywords: Disability – Difference– Discrimination – Inclusion – Inclusive
Education

A negação da diferença na sociedade é uma p.15) relata em O Alienista, uma trama que
discussão que tem na literatura de ficção uma tem Simão Bacamarte como personagem prin-
rica fonte para reflexões, dada sua possibilida- cipal: homem de ciência, casado com uma mu-
de de instaurar realidades ancoradas no cotidi- lher que “reunia todas as condições fisiológicas
ano e na imaginação. Machado de Assis (1999, e anatômicas de primeira ordem, digeria com

* Doutora em Educação pela PUC/SP. Professora adjunta da Universidade do Estado da Bahia – UNEB. Endereço para
correspondência: Departamento de Educação I – UNEB, Rua Silveira Martins, 2555, Cabula – 41150-000 Salvador/
BA. E-mail: luciene@portfolium.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 125-130, jan./jun., 2007 125
Do horror à diferença: uma aproximação com o conto ‘O alienista’ de Machado de Assis

facilidade, dormia regularmente, tinha bom pul- ordens conceituais e dispô-los de tal forma que
so e excelente vista; estava assim apta para ele mesmo e todos que devem utilizá-los pos-
dar-lhes filhos robustos sãos e inteligentes”. sam dominar os fatos o mais amplamente pos-
Bacamarte, tendo direcionado suas ativida- sível”. A partir dessa apropriação dos fatos é
des de pesquisador para o recanto psíquico, que a teoria tradicional vai justificar suas pro-
entendeu que deveria construir a Casa Verde, postas, assim como Bacamarte, com sua ciên-
asilo que recolheria os deserdados do espíri- cia organicista e higienista que tinha um objetivo:
to, os doidos e dementes da cidade, que seri- “O principal nesta minha obra da Casa Verde é
am o objeto de análise metódica sobre seus estudar profundamente a loucura, os diversos
hábitos, palavras e gestos. Segundo ele, a insâ- graus, classificar-lhes os casos, descobrir en-
nia abrangia vasta superfície de cérebros e já fim a causa do fenômeno e o remédio univer-
havia corrompido personalidades históricas sal” (ASSIS, 1999, p.19). Esta abordagem é
como Sócrates, porque possuía um demônio marcada pelo entendimento de que no plano
familiar, Pascal, que via um abismo à esquer- empírico configura-se uma relação do objeto
da, entre outros. Desde então, passou a encar- com seu meio, que para ser investigado deve
cerar em seu prédio para alucinados todos os ser separado do contexto. E é assim que o mo-
que se distanciavam do seu padrão de sanida- delo hierárquico de conhecimento para essa
de: os que emprestavam dinheiro sem juros, os teoria tradicional tem uma disciplina subjacente
doidos de amor, os que tinham vocação para as ou ciência básica que fornece os pressupostos
cortesias, os mentirosos, os cultores de enig- para a prática.
mas, os fabricantes de charadas, os maldizen- Nesse ponto é que gostaria de iniciar algu-
tes, os curiosos da vida alheia, os gesticuladores mas reflexões sobre a questão do preconceito
e a própria esposa tida como demente. em relação aos alunos com deficiência na es-
Longe de querer empreender qualquer tipo cola. Um aspecto importante para essa refle-
de análise literária deste brilhante conto macha- xão diz respeito aos mecanismos de discrimi-
diano, é quase irresistível, após lê-lo, realçar al- nação social. Sabe-se, pelos estudos realizados
guns aspectos narrados pelo autor para pensar por diversas ciências (paleontologia, arqueolo-
sobre as práticas segregacionistas que ainda hoje gia, sociologia, história etc), que as atitudes pre-
se fazem presentes na sociedade e na escola, dominantes no decorrer da história da civiliza-
no que tange às pessoas com deficiência. ção em relação a esses indivíduos têm sido as
Essas atitudes são perceptíveis no conto, po- de abandono, exclusão, rejeição, discriminação
rém, mais concentradas no olhar fixo do especi- ou preconceito.
alista em que se tornou Simão Bacamarte. Sua Nos primórdios, o critério de sobrevivência
volúpia científica, cuja meta era alargar as bases às rudes condições de vida era a plena capaci-
da psicologia, tornava-o infatigável: “se alguma dade física. Na antigüidade, o corpo guerreiro
coisa o preocupava naquela ocasião, se ele dei- era um ideal legitimado por leis de Estado. Nos
xava correr pela multidão um olhar inquieto e tempos de emergência do Cristianismo incor-
policial, não era outra coisa mais que a idéia de porou-se alma ao corpo deficiente, impedindo
que algum demente podia achar-se lá misturado sua eliminação, porém instaurando a dúvida cris-
com a gente de juízo” (ASSIS, 1999, p.25). tã: “Se idiota, está livre do pecado? Tem mes-
Sua fé inabalável na racionalidade científi- mo alma, já que não possui virtudes? Qual a
ca, coerente com o contexto histórico de então, culpa pela deficiência e a quem atribuí-la?”
reverenciava o fato sob o disfarce da neutrali- (PAIXÃO, 1996, p.22). Pensadores e médicos
dade na busca da correção. E o experimento passaram a se interessar pela questão a partir
puro, como esclarece Horkheimer (1983, p.163), do século XV, com variadas explicações que
é a atividade teórica do cientista tradicional: resultaram no surgimento dos primeiros estu-
“Dentro da divisão social do trabalho, o cientis- dos sobre a escolarização de pessoas com de-
ta tem que conceber e classificar os fatos em ficiência.

126 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 125-130, jan./jun., 2007
Luciene Maria da Silva

Esse caldo de cultura exerce influência até A discussão sobre a escola inclusiva no Bra-
os dias atuais, sendo que, agora, a demarcação sil tem gerado polêmicas que se reportam a
das fronteiras da normalidade se constitui mais aspectos legais, metodológicos e organizacio-
nitidamente pela segregação das pessoas con- nais da escola para a efetivação da proposta.
sideradas fora dos padrões funcionais de pro- Consideramos, todavia, que essas são questões
dução. Mesmo com os avanços tecnológicos fundamentais para a educação de todos os alu-
que já poderiam ter eliminado o trabalho repeti- nos, posto que são diferentes, não cabendo for-
tivo e o esforço físico, é o ideal do corpo e da mulações e políticas educacionais diferenciadas,
mente úteis que predomina, demandando um no que se refere às condições para sua imple-
corpo rígido e funcional. Rejeita-se uma outra mentação. Sendo assim, a que pode se atribuir
referência de corpo que admita a flexibilidade, a resistência à inclusão de alunos com defici-
a possibilidade e as particularidades. Além do ência nas escolas comuns?
corpo útil para o trabalho, valoriza-se também Muitos dos que se posicionam contrários à
o corpo falsamente belo, porque padronizado proposta receiam que as crianças com defici-
em limites estéticos de peso, altura, cor e for- ência sejam mais marginalizadas nos ambien-
ma que favorecem a negação dos diferentes tes de escolas comuns, principalmente pelos
corpos fora dessas especificações. colegas de classe. Outros consideram que as
A educação das pessoas com deficiência crianças sem deficiência podem ter o desen-
tem uma trajetória marcadamente segregacio- volvimento retardado, causado pela convivên-
nista. O conhecimento teórico que lhe dá sus- cia e influência dos colegas que têm diferenças
tentação tem origem na perspectiva clínica da física, mental ou sensorial.
medicina que classifica as patologias, e na psi- No entanto, pesquisas empíricas desmistifi-
cologia cognitivista que concentra sua preocu- cam crenças sobre as interações desses alunos
pação no desenvolvimento da inteligência e da na escola. À guisa de exemplificação, podemos
cognição. Disso resultou o ensino segregado, citar a pesquisa de Odom, Deklyen e Jenkins
também chamado de especial, que separa os (1984), que investigou os efeitos da inserção de
considerados deficientes, denominados alunos alunos sem deficiência em classes de pré-es-
especiais, dos ambientes comuns de escolari- cola, formadas por crianças com deficiência,
zação. Esse ensino especial é também siste- concluindo que o ambiente assim constituído,
matizado em diversas subclassificações, com por tornar-se mais complexo, estimula as inte-
variadas metodologias e recursos, segundo o tipo rações, influenciando o desenvolvimento cog-
de deficiência, tal como Simão Bacamarte pro- nitivo e a socialização das crianças. Segundo
cedia com os habitantes da cidade de Itaguaí os autores, o potencial de efeitos negativos da
há mais de cem anos. Para cada tipo, uma es- imitação dos comportamentos singulares das
cola como a Casa Verde. Ocorre que grande crianças com deficiência pelas crianças sem
parte dos supostamente deficientes não apre- deficiência não se realiza.
senta distúrbios que demandem serviços espe- O estudo de Klinger e Vaughn (1999), que
cializados para sua escolarização. E, mesmo analisou a percepção de estudantes em classes
para os que deles necessitam, nada os impede integradas sobre os processos de ensino e
de se beneficiarem da socialização possibilita- aprendizagem, mostrou que os alunos não per-
da pelas atividades escolares com suporte de cebem as adaptações instrucionais para respon-
recursos adicionais. der às necessidades especiais como algo
A partir da década de noventa um novo refe- problemático. Essas e outras pesquisas descons-
rencial é posto: a escola inclusiva, cuja proposta troem concepções estanques nas quais a dife-
se insere na dinâmica da sociedade atual, no sen- rença é individualizada e percebida como inata,
tido de afirmação dos direitos sociais, entenden- sem as marcas sócio-culturais. Nessas concep-
do que pessoas com deficiência são sujeitos ções, as diferenças não são vistas como produ-
inteiros, independentemente de seus atributos. zidas socialmente, envolvendo relações de poder.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 125-130, jan./jun., 2007 127
Do horror à diferença: uma aproximação com o conto ‘O alienista’ de Machado de Assis

As atitudes de preconceito se desenvolvem Nesse contexto, cabe enfatizar o elemento


no processo de socialização que é fruto da cultu- psicológico como determinante na adesão ou
ra e da sua história, como afirma Crochik (1995, vinculação do indivíduo aos valores que contra-
p.11): “Como tanto o processo de se tornar indi- dizem seus próprios interesses. O ajustamento
víduo, que envolve a socialização, quanto o do à sociedade dá-se pela incompreensão de que
desenvolvimento da cultura têm se dado em fun- podemos nos constituir como seres autônomos,
ção da adaptação à luta pela sobrevivência, o capazes de realização dos objetivos além dos
preconceito surge como resposta aos conflitos puramente imediatos. A saída vislumbrada é o
presentes nessa luta”. O preconceito depende e ajustamento à sociedade tal qual nos é apre-
independe do seu objeto, não admitindo uma con- sentada, pela impossibilidade de negar o real e,
ceituação universal, pois tem aspectos constan- assim, refletir sobre os condicionantes e a pró-
tes e aspectos variáveis, que “remetem às pria constituição do indivíduo.
necessidades específicas do preconceituoso, sen- O preconceito materializa um possível efei-
do representadas nos conteúdos distintos atribu- to do encontro entre pessoas, quando são acio-
ídos aos objetos” (CROCHIK, 1995, p.12). nados mecanismos de defesa diante de algo que
A ação irrefletida, a economia do esforço deve ser combatido por constituir-se numa ame-
intelectual são as bases do preconceito enquanto aça. Um mundo em que o medo prevalece, in-
pré-disposição para a ação de discriminação. dicando um perigo objetivo, e ao mesmo tempo
Essa atitude em relação aos alunos com defici- não possibilita sua elaboração, é porque as for-
ência na escola configura-se como um meca- mas de organização social seguem negando a
nismo de negação social, uma vez que suas diferença de forma renovada.
diferenças são ressaltadas como uma falta, ca- A cultura, que se converteu em mercadoria,
rência ou impossibilidade. Nesse ambiente, o renuncia a ser liberdade do espírito para ser um
aluno se constitui de forma defensiva para evi- veículo da alienação e domesticação, bloque-
tar maior sofrimento, não conseguindo, porém, ando gradativamente o pensamento crítico que
evitar a adaptação dolorosa. Como afirma Ador- tornaria viável desvelar os sentidos da sobrevi-
no (1995, p.145), “pelo fato de o processo de vência constantemente ameaçada, os quais de-
adaptação ser tão desmesuradamente forçado, terminam os comportamentos hostis. O
por todo o contexto em que os homens vivem, esclarecimento como desencantamento do mun-
eles precisam impor adaptação a si mesmos de do seguiu uma trilha determinada pela intenção
um modo dolorido e, nos termos de Freud, iden- explícita de rompimento da natureza, de domi-
tificando-se com o agressor”. nação do mundo. Tal metamorfose fez-se pela
Muitas vezes as pessoas com deficiência objetividade que a tudo busca assemelhar, in-
aceitam e até defendem encaminhamentos que duzindo à estranheza irracional. O cientificis-
negam as suas possibilidades de escolha e atu- mo daí decorrente enrijece seu objeto na busca
ação, reforçando ações beneficentes e assis- de apoderar-se dele para classificar, nomear,
tencialistas que têm a incapacidade como calcular até torná-lo nulo, a custo de suprimir
princípio. Nesse sentido, se distanciam cada vez também o sujeito que intenciona conhecer, e que,
mais da possibilidade de autonomia e diferenci- dessa forma, vê-se desprovido da possibilidade
ação, restando apenas a adaptação à situação de discriminar/diferenciar.
existente. Geralmente, na escola comum, eles A deficiência inscreve no indivíduo seu ca-
pouco solicitam, permitindo a correção de suas ráter particular. O aluno com deficiência lem-
diferenças para não perder o que já conquista- bra ao preconceituoso a própria fragilidade
ram, que é a convivência com colegas diferen- humana que se quer negar. A estrutura funcio-
tes. Uma espécie de “irracionalidade da nal da sociedade demanda pessoas fortes, que
adaptação dócil”, que se torna mais “racional tenham um corpo e mente “sãos”, que sejam
que a razão” (HORKHEIMER; ADORNO, eficientes para competir no mercado de traba-
1985, p.190). lho. O corpo fora de ordem, e a sensibilidade

128 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 125-130, jan./jun., 2007
Luciene Maria da Silva

dos fracos são um obstáculo para a produção. suas necessidades, e possibilidades de aprendi-
Os considerados fortes se sentem ameaçados zagem na escola regular, entre outras.
pela lembrança da fragilidade, factível, conquan- Este pode ser um instrumento questionador
to se é humano. Por isso é que “a violência con- dos preconceitos que, por dificultar o contato
tra os fracos se dirige, principalmente, contra com pessoas diferentes, não possibilitam a ex-
os que são considerados fracos” (ADORNO, periência. E o pensamento que prescinde dela
1995, p.122). A agressão é encaminhada para é puramente formal. É ela que permite a identi-
o alvo errado, por não terem consciência de que ficação com o outro a partir da idéia de ser igual
são os princípios da sociedade impregnados nas na diferença. A experiência desafia os medos
relações sociais e nas formas de trabalho que do contato com o diferente, medo de ser discri-
devem ser combatidos, e não suas vítimas. O minado, de experimentar algo não habitual,
preconceito é, portanto, contrário às diferenças, medo de arriscar-se ao erro. E é o medo que
levando o preconceituoso a uma outra identifi- impede o confronto com o sofrimento, que se
cação, como esclarecem Horkheimer e Ador- torna mais resistente se não nos colocamos fren-
no (1973, p.179): “Para que se sintam alguém, te a ele. A identificação só é possível por meio
essas pessoas têm necessidade de se identifi- da convivência, na medida em que enfatiza o
car com a ordem estabelecida e essa identifi- que não é igual e, ao mesmo tempo, ressalta a
cação faz-se com tanto mais agrado quanto idéia de ser igual na diferença, desafiando os
mais inflexível e poderosa for essa ordem”. É receios do estranhamento e do medo. A desva-
dessa forma que as particularidades são des- lorização e distanciamento da experiência po-
troçadas em função da totalidade. dem se explicar, também, porque queremos ver
Impedir a escolarização dos alunos com defi- os resultados, subtraindo-a, tal como demandam
ciência em ambientes comuns é não permitir a as relações contemporâneas baseadas no ime-
experiência. A proposta de inclusão no contexto diatismo e automatismo.
da democracia formal traz acoplada as idéias li- Como nossa sociedade cultua o útil e apa-
berais, porém, defendê-la é tornar possível o rentemente saudável, aqueles que portam uma
avanço das reflexões sobre a formação que ad- deficiência lembram a fragilidade que se quer
mita a diferenciação. A política inclusivista, por- negar. Não os aceitamos porque não queremos
tanto, nada tem de revolucionária, é uma proposta que eles sejam como nós, pois assim nos igua-
liberal para a educação, como o são as demais laríamos. É como se eles nos remetessem a uma
políticas compensatórias. Os princípios univer- situação de inferioridade. Tê-los em nosso con-
sais formulados pelo liberalismo põem ênfase nos vívio funcionaria como um espelho que nos lem-
direitos do homem e têm a educação como um bra que também poderíamos ser como eles.
meio para o indivíduo fazer-se indivíduo social. Esse potencial que é real, dadas as trágicas
Essa orientação ainda está para ser cumprida, mudanças que nos podem ocorrer, é que nos
mesmo que a sociedade já tenha conseguido faz frágeis, uma vez que queremos ser sempre
avançar em outros aspectos. completos e constantes.
A proposta de colocar alunos com deficiên- O que também parece perturbar nos conta-
cia na escola regular pode favorecer a identifi- tos com pessoas com deficiência é o fato de não
cação, base para uma educação mais humana sabermos como lidar com elas, posto que a pre-
que admita a aproximação com o outro. Sua abor- visibilidade é uma forte característica das rela-
dagem se fará de diversas formas, enfatizando ções sociais da contemporaneidade. O estigma,
vários aspectos, considerando que a orientação por ser uma marca, um rótulo, é o que mais se
inclusivista segue um sentido de olhar a escola evidencia, possibilitando a identificação. Quan-
como um todo: formação dos professores, apa- do passamos a reconhecer alguém pelo rótulo, o
relhamento das escolas e implantação de servi- relacionamento passa a ser com ele, não com o
ços de apoio, flexibilização e adaptação indivíduo. E assim, idealizamos uma vida parti-
metodológica, definição do perfil de aluno e de cular dos cegos, por exemplo, que passa a expli-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 125-130, jan./jun., 2007 129
Do horror à diferença: uma aproximação com o conto ‘O alienista’ de Machado de Assis

car todos os seus comportamentos de uma for- mens, torna-se irracional. Como foi a atividade
ma inflexível: ele age assim porque é cego. do personagem de Machado de Assis, cujo pen-
Nesse processo de rotulação o indivíduo samento objetivador o impeliu a encerrar quase
estigmatizado incorpora determinadas represen- toda a população da cidade na sua Casa Verde.
tações, passa a se identificar com uma tipifica- Após aplicar seu racional sistema terapêutico,
ção que o nega como indivíduo. Essas pessoas pôde concluir que havia estabelecido em Itaguaí
passam a ser percebidas, a princípio, por essa “o reinado da razão (...) não havia loucos em
diferença negativa, o que irá indicar fortemen- Itaguaí, em Itaguaí não havia um só mentecap-
te como elas irão se comportar. to” (ASSIS, 1999, p.69). Foi quando ele mesmo
A ideologia induz os indivíduos a comporta- questionou seu absoluto. Lampejo de humildade
mentos “normais”e “naturais” tornando o mun- científica? Ou ainda a busca da perfeição? Tran-
do cada vez mais uniforme e homogêneo. Nesse cou-se na Casa Verde para entregar-se ao estu-
processo a ciência tem servido mais à domina- do e cura de si próprio, num gesto obstinado, pois,
ção do que à perspectiva de seu abrandamento, achava ele, que em si próprio reuniam-se “teoria
na medida em que abstrai o sujeito e prioriza as e prática”. Fez-se assim sujeito-objeto da sua ci-
classificações, renunciando ao seu potencial de ência como se admitindo ter sido sua teoria im-
emancipação em função da apreensão de fatos potente e sua práxis arbitrária.
isolados. Desta forma a ciência, como atividade Dizem os cronistas que ele morreu dali a dezes-
racional que busca superar as limitações postas sete meses no mesmo estado em que entrou, sem
pela natureza para reduzir o sofrimento dos ho- ter podido alcançar nada. (ASSIS, 1999, p.69).

REFERÊNCIAS

ASSIS, Joaquim Maria Machado de. O Alienista. São Paulo: LPM, 1999.
ADORNO, T. Opinión, locura e sociedad. In: ADORNO, T. Intervenciones. Caracas: Monte Ávila, 1969. p.
137-161.
_____. Educação: para que? In: ADORNO, T. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1995.
p.139-154.
_____. O que significa elaborar o passado. In: ADORNO, T. Educação e emancipação. Rio de Janeiro: Paz e
Terra., 1995. p.29-49.
CROCHIK, Leon. Preconceito, indivíduo e cultura. São Paulo: Robe, 1995.
HORKHEIMER, M. Teoria tradicional e teoria crítica. In: BENJAMIN, W.; HORKEIMER, M.; ADORNO T.
W. E; HABERMASS, J. Textos escolhidos. São Paulo: Abril Cultural, 1983. p. 117-154. (Os pensadores).
HORKHEIMER, M.; ADORNO, Theodor W. Preconceito. In: _____; _____. Noções básicas de sociologia.
São Paulo: Cultrix, 1973. p.172-183.
_____; _____. Elementos do antisemitismo. In: _____; _____. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro:
Jorge Zahar, 1985. p.157-194.
KLINGER, Janett; VAUGHN, Sharon. Students Perceptions of Instructions Inclusion Classroom: Implications
for students with learning disabilities. Exceptional Children, Arlington/VA,v. 66, n. 1, p. 23-37, 1999.
ODOM, Samuel; DEKLYEN, Michell; JENKINS, Joseph. Integrated Handicapped and Nonhandicapped
Preschoolers: developmental impact on nonhandicapped children. Exceptional Children, Arlington/VA, v.
51, n. 1, p.41-48, 1984.
PAIXÃO, Adriana Gomes. As representações sociais e a deficiência: entre o estigma e a transcendência.
Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro. Rio de Janeiro, 1996.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 20.03.07

130 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 125-130, jan./jun., 2007
Rosalba Maria Cardoso Garcia

REFLEXÕES TEÓRICO-METODOLÓGICAS
ACERCA DAS POLÍTICAS PARA A EDUCAÇÃO ESPECIAL
NO CONTEXTO EDUCACIONAL BRASILEIRO

Rosalba Maria Cardoso Garcia *

RESUMO

O objetivo do artigo é apresentar alguns elementos teórico-metodológicos


utilizados para compreender as políticas educacionais e os subsídios empregados
para o desenvolvimento de pesquisas que privilegiam a análise das que se
voltam para a educação especial. Serão destacadas reflexões acerca das
possibilidades de uma abordagem que busca analisar as proposições políticas
no campo educacional sem perder de vista suas vinculações e seu papel de
significação nos processos de implementação de ações educacionais. Nesse
caso, salienta-se o procedimento de análise documental frente às proposições
políticas no campo educacional, observando alguns elementos que as constituem,
tais como os discursos específicos que dão vida aos pensamentos de natureza
política e a sustentação dos mesmos nos conceitos que veiculam. Ressalta-se
a importância de expor a concepção de política que sustenta nossos estudos. O
trabalho culmina com um enfoque sobre as políticas para a educação especial
e algumas referências para a pesquisa neste campo.
Palavras-chave: Política Educacional – Educação Especial – Análise
Documental – Pesquisa

ABSTRACT
THEORETICAL-METHODOLOGICAL REFLECTIONS ABOUT
THE POLICIES FOR SPECIAL EDUCATION IN THE BRAZILIAN
EDUCATIONAL CONTEXT
The objective of the paper is to present some theoretical-methodological
elements used to understand the educational policies and the subsidies employed
for the development of researches which offer advantages for the analysis of
those engaged in special education. Reflections about the possibilities of an
approach which seeks to analyze the policy propositions in the educational
field will be highlighted, without loosing sight of their links and role of significance
in the implementation of educational actions. In this case, one underlines the
procedure of a documental analysis in view of the political propositions in the
educational field, observing some elements which constitute them, like the specific
speeches which give life to thoughts of a political nature and the support of

* Doutora em Educação pela Universidade Federal de Santa Catarina. Professora da Universidade Federal de Santa
Catarina – Centro de Ciências da Educação, Departamento de Estudos Especializados em Educação – Campus Univer-
sitário, Trindade – 88040-900, Florianópolis/SC. E-mail: rosalba@ced.ufsc.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007 131
Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contexto educacional brasileiro

these speeches within the concepts they convey. The importance of exposing
the political conception, which sustains our studies, is highlighted. The work
culminates with a focus on the policies for special education and some references
for research in this field.
Keywords: Educational Policy – Special Education – Documental Analysis
– Research

Introdução inclusão educacional e nesse universo manifes-


tando claro interesse pela educação de alunos
As políticas para a educação especial no con- com deficiência, está apoiado numa concepção
texto educacional brasileiro recente têm causa- de políticas e práticas. A compreensão que nu-
do impactos no âmbito da educação básica no tre nossos estudos toma como pressuposto que
que se refere à organização escolar, às questões pensar a política educacional implica pensar
curriculares, à formação de professores, entre práticas sociais vividas por sujeitos concretos
outros aspectos. Por outro lado, tais políticas tam- que representam forças sociais diferenciadas e
bém atingem as instituições de atendimento es- em luta constante. Tal compreensão pode ser a
pecializado, gerando reflexões acerca de seu base para estudos que enfoquem as proposi-
papel educacional. A chamada perspectiva “in- ções e concepções de políticas, assim como
clusiva” vem interpelando as redes de ensino no para a sua implementação e mesmo para análi-
sentido de uma reorganização, propondo novas ses da efetividade de propostas.
demandas e definindo competências e respon- Gramsci apresenta uma compreensão de
sabilidades. Com o intuito de contribuir com este política como “ação permanente” (1989, p. 14),
debate, apresentamos nesse artigo alguns ele- que supõe movimento, dinamismo, contradição
mentos teórico-metodológicos para a compreen- e antagonismo. O autor trabalha com a noção
são das políticas para a educação especial e os de que a qual a política é constituída por “for-
subsídios empregados para o desenvolvimento ças sociais em luta”. (1989, p. 17).
de pesquisas neste campo. Percebe-se, na contribuição desse autor, uma
O enfoque a ser privilegiado refere-se às idéia de política como uma apreensão da “von-
reflexões acerca das possibilidades de uma tade coletiva” (GRAMSCI, 1989), a qual é de-
abordagem que busca analisar as proposições volvida à população na forma de uma síntese e
políticas no campo educacional sem perder de por uma figura que possa exercer a condução
vista suas vinculações e seu papel de significa- política, que tenha o poder político de conduzir
ção nos processos de implementação de ações as idéias, ou seja, a política se relaciona com a
educacionais. Para tanto, serão apresentados disputa hegemônica das idéias, das concepções
alguns elementos que o constituem, tais como e das práticas. A condução da vontade coletiva
os discursos específicos que dão vida aos pen- implica estar à frente desse processo de divul-
samentos de natureza política e a sua sustenta- gação de idéias para transformá-las em “ban-
ção nos conceitos que veiculam. deiras” e, com isso, organizar uma reforma
intelectual e moral. Tal processo está relacio-
nado à produção de consenso operada por um
Uma concepção para trabalhar com grupo social frente aos demais grupos sociais,
as políticas educacionais impondo seu projeto de sociedade (STACCO-
NE, 1991).
O exercício de aproximação que vimos fa- Este papel de condottiero consagrou histo-
zendo em relação às políticas educacionais, to- ricamente os partidos políticos, mas também foi
mando como objeto de estudo as políticas de exercido por sindicatos e outras organizações.

132 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007
Rosalba Maria Cardoso Garcia

Após a segunda guerra mundial, vimos surgir subordinação (GRAMSCI, 1978). Portanto,
estruturas que aos poucos foram ganhando es- estamos falando da relação da política e da lin-
paço político no cenário internacional, apreen- guagem da política com a produção das consci-
dendo a vontade coletiva e transformando-a em ências.
diretrizes, metas e propostas de ações para o Com isso, estamos afirmando uma compre-
mundo todo, com estratégias organizadas para ensão segundo a qual as políticas educacionais
cada continente. Estamos falando dos organis- se constituem em meio a processos cujos con-
mos internacionais.1 tornos são dados pelos discursos, pelas teorias,
Os organismos internacionais têm exercido pelas ações e estratégias, pelos recursos finan-
o papel de condutores das ações no campo da ceiros, pelos compromissos e interesses pesso-
política econômica e também das políticas rela- ais e institucionais, enfim, por uma trama de
cionadas à distribuição dos direitos sociais, pro- relações e significados que podem ser apreen-
movendo aí ressignificações importantes a partir didos, analisados e discutidos.
de fundamentos neoliberais e neoconservado- Dentre os autores contemporâneos que têm
res. Tais mudanças no campo dos sentidos e contribuído para o desenvolvimento das análi-
das práticas marcam as políticas sociais, onde ses que estamos desenvolvendo sobre políticas
se localizam as políticas educacionais, objeto de educacionais, destacaremos os que seguem
nossas reflexões. abaixo, procurando apresentar algumas de suas
Podemos apoiar nossas ponderações acerca idéias.
das transformações nos significados que acom- Michael Apple (2000) tem explicitado a con-
panham as bases de sustentação das políticas dição de “modernização conservadora” presen-
educacionais no pensamento de Gramsci (1978), te nas políticas educacionais recentes propostas
também quando o autor tece considerações so- pelos organismos internacionais.
bre a relação entre linguagem e política, e refe- Roger Dale (2004) chama nossa atenção
re-se ao conceito de “transformismo”. Segundo para a “agenda globalmente estruturada para a
ele, no processo histórico-político da Itália, cam- educação”: a produção de uma reforma edu-
po empírico de sua análise, foi possível observar cacional em diferentes regiões do mundo com
um tipo de inteliggentzia que concebia a si mes- elementos em comum, com um discurso uni-
ma como “continuação ininterrupta na história” forme, mas que conduz a resultados diferentes
e independente da luta dos grupos sociais. Tais em países distintos, mediados pela divisão in-
intelectuais, representantes de uma corrente po- ternacional do trabalho. Esse autor destaca a
lítica e defensores de uma concepção de mundo, importância de se analisar o vocabulário da po-
estariam a divulgar a existência de uma realida- lítica como estratégia para perceber suas mu-
de que se instalava pela força de suas concep- danças, a partir dos significados que ganha em
ções, o que não significa, na compreensão gra- diferentes contextos. Nesse caso, joga luz so-
msciana, transformações sociais, mas sim o que bre o poder dos discursos políticos e, por con-
o autor denomina de “revolução passiva”, ou seguinte, sobre a importância atribuída aos
“conservadorismo-reformista”. conceitos: as palavras fazem diferença.
É importante ressaltar, portanto, que o es- Stephen Ball (1999) indica que, embora as
paço de disputa no campo da política está per- políticas educacionais sejam produzidas em con-
meado por uma intelectualidade que disputa textos particulares e de forma datada, não de-
terreno, nesse caso, no campo teórico. Assim
sendo, o processo de desenvolvimento político 1
Destacamos aqueles que consideramos serem os principais
está ligado a uma dialética intelectuais-massa organismos internacionais e as respectivas datas de funda-
ção: Organização das Nações Unidas para a Educação, a
(GRAMSCI, 1978), qualquer que seja o projeto Ciência e a Cultura - UNESCO (1945); Banco Mundial - BM
social em questão. Grupos sociais pouco arti- (1944); Comissão Econômica para a América Latina -
CEPAL (1948); Organização para a Cooperação e Desen-
culados tomam para si uma concepção de mundo volvimento Econômico - OCDE (1960); Organização das
estranha, por meio de relações de submissão e Nações Unidas (1945).

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007 133
Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contexto educacional brasileiro

vemos esquecer que há sempre uma interação tos e grupos envolvidos. Há uma relação de
com as políticas de outros campos. Com base sentidos uma vez que cada sujeito ou grupo
nessa percepção, podemos concluir que os dis- ocupa um lugar que também constitui aquilo que
cursos políticos devem ser confrontados. ele diz e compreende do que é dito.
Jenny Ozga (2000) aprofunda a discussão Deste modo, a análise de proposições políti-
numa abordagem mesoanalítica, compreenden- cas não se circunscreve a uma visão que oponha
do que o processo de apropriação da política é discurso e prática, uma vez que estes são dois
também de formulação, uma vez que os sujei- elementos constitutivos da realidade social e que
tos da educação operam uma contestação ou se formam mutuamente. Além disso, compreen-
negociação em relação aos textos e discursos demos que o discurso é prática política, é expres-
à medida que refletem sobre manter ou modifi- são e constituição da realidade social, não o único,
car suas práticas. As diretrizes políticas che- mas um elemento fundamental no conjunto de
gam aos sistemas de ensino e às escolas pelas relações sociais (FAIRCLOUGH, 2001).
mais diversas vias de divulgação. Cada diretriz Nesse caso, a máxima de que o discurso
sofre um processo de interpretação por parte político não se materializa na prática está sen-
dos profissionais, e muitas compreensões dis- do considerada aqui como superada pela com-
tintas são elaboradas. Todavia, alguns temas são preensão de que os discursos políticos já são
mais enfatizados, com o intuito de que sejam práticas (FAIRCLOUGH, 2001), que se põem
incorporados pelos professores. Estes, por sua sob suas próprias concepções.
vez, estabelecem uma relação ativa e direta com Contudo, pensar a importância dos discursos
a política, concordam com alguns pontos do e dos conceitos que os constituem no processo
debate, discordam de outros, num processo de de significações não implica considerar a reali-
reelaboração de sentidos que tem repercussões dade social e educacional apenas como textos.
sobre seus discursos e práticas. Além disso, as
diferentes compreensões presentes na escola
também entram em negociação ou confronto, O estudo das proposições políticas:
no conjunto de relações de poder que ali estão uma abordagem de pesquisa edu-
estabelecidas. Aquilo que já está presente nas cacional
escolas, que são suas práticas e as formas de
realizar o trabalho pedagógico, constituem as Ao investigar a política educacional por
políticas educacionais, e acabam também im- meio da análise da documentação oficial, é im-
primindo suas marcas nos textos documentais. portante ter como referência a compreensão
Ao desenvolver uma análise das políticas de que as escolas nem ficam inertes nem ado-
educacionais no âmbito de sua proposição, é tam absolutamente todas as suas prescrições.
importante que se diga qual a compreensão que Diferentes movimentos das e nas escolas, em
norteia esta abordagem. Neste caso, a política relação às proposições políticas, remetem no-
não está sendo considerada como um pacote vamente à noção de “contestação” (OZGA,
de medidas que é entregue para a população, 2000). Os discursos políticos veiculam, muitas
mas como um objeto de “contestação”, como vezes, noções de responsabilidade e exigên-
algo a ser discutido, mais como um processo do cia que colocam em cheque a “competência”
que um produto (OZGA, 2000). dos professores e professoras. Reações de dis-
As propostas políticas são elaboradas, re- cordância e resistência convivem com apro-
formuladas pelo debate público, apresentadas vações e mesmo sedução em torno das
para serem implementadas, rediscutidas assis- políticas para a educação. Tais posicionamen-
tematicamente no processo de implementação. tos têm expressão nas práticas desenvolvidas
Aquilo que é proposto politicamente é imple- nas escolas, de modo que os educadores tam-
mentado em termos, a partir dos sentidos que bém podem ser considerados, nesse caso, como
essa proposição imprime nos diferentes sujei- formuladores de políticas (OZGA, 2000). Pes-

134 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007
Rosalba Maria Cardoso Garcia

quisar as proposições políticas não significa sos, os discursos sobre política educacional (ou
descuidar das apropriações que são feitas acer- seus fragmentos) absorvidos e reproduzidos
ca de seus conteúdos e sentidos no interior das acriticamente substituem a teoria na orientação
escolas. Ao contrário, nessa abordagem valo- do trabalho educacional e pedagógico.2
rizam-se também os estudos sobre esses pro- A ação de reproduzir um discurso repetida-
cessos em relação aos discursos em foco, mente pode basear-se na premissa segundo a
contribuindo para sua realização em uma des- qual “o que funciona numa sociedade, na pers-
sas esferas. pectiva da linguagem, não é a coisa mas os efei-
Ao se trabalhar com essa abordagem, por- tos imaginários que ela produz” (ORLANDI,
tanto, é prudente tomar cuidado com duas ques- 1996, p. 96). Com esta compreensão, pode-se
tões: em primeiro lugar, não considerar discurso afirmar que os textos não são a política propri-
e prática como antagônicos, mas como consti- amente, mas sua representação.
tutivos da realidade social, portanto contraditó- O discurso é um objeto simbólico e histórico
rios; em segundo, não tomar o proposto como que pode ser analisado. Ao expressar e consti-
realizado, mas como o conjunto de princípios e tuir sentidos, o discurso é também a materiali-
intencionalidades em relação a uma política. dade específica da ideologia, que não é apenas
Considerando que a sociedade atual é hierar- a “representação imaginária do real”, relacio-
quizada e dividida em classes e frações de clas- nada a processos de dominação e de substitui-
se, é preciso levar em conta as relações de força ção das “ações históricas reais” (CHAUÍ,
que se explicitam e são silenciadas no discurso, 1990). A ideologia é a forma pela qual os sujei-
de modo a perceber quais as formações dis- tos representam “o aparecer social, econômi-
cursivas que ganham mais força na sua rela- co e político” que constitui o “ocultamento ou a
ção com as condições histórico-sociais de dissimulação do real”. É, portanto, “um corpo
produção de um discurso que sustenta as políti- sistemático de representações e de normas que
cas educacionais. nos ‘ensinam’ a conhecer e a agir” (CHAUÍ,
1990, p. 3 – grifo no original).
A ideologia é criada e recriada ininterrupta-
As proposições políticas são cons- mente naquilo que os sujeitos falam e naquilo
tituídas por discursos específicos que calam, entre o dito e o não-dito. Esse movi-
mento implica no uso dos signos, de modo a
Ao analisar as políticas educacionais toma- evitar a coincidência entre aparência e essên-
mos como ponto de partida que os discursos cia (BAKTHIN, 1997).3 É claro que esse pro-
que sustentam suas proposições são de um tipo cesso não é tramado previamente e executado
específico. Tais discursos são produzidos à luz de forma a resultar em um discurso ideológico,
de um embate de interesses: são gestados, são pelo contrário, o discurso resulta ideológico em
expressão, e são apreendidos em relações de condições de não coincidência entre aparência
conflito. São assimilados por grupos diferentes e essência. Segundo Chauí (1990, p. 3):
de maneira seletiva, a partir de seus crivos, se- ... o discurso ideológico é aquele que pretende
gundo aquilo que é julgado como mais impor- coincidir com as coisas, anular a diferença entre o
tante nos enunciados. pensar, o dizer e o ser e, destarte, engendrar uma
Os discursos podem ser apreendidos, por- lógica da identificação que unifique pensamento,
tanto, sob bases e filtros diferentes daqueles com linguagem e realidade para, através dessa lógica,
os quais foram formulados. Mas, até que isso obter a identificação de todos os sujeitos sociais
seja percebido, os slogans já foram divulgados com uma imagem particular universalizada, isto é,
a imagem da classe dominante.
e as palavras-chave já dominaram o discurso
do cotidiano escolar. Alguns conceitos passam 2
A este respeito ver: Duarte (2001), Moraes (2003).
a integrar a linguagem cotidiana dos profissio- 3
Para uma discussão mais ampla sobre ideologia, ver Konder
nais da educação, de modo que, em alguns ca- (2002).

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007 135
Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contexto educacional brasileiro

Bakhtin (1997) colabora com este debate mais que concentrar a atenção no discurso, é
afirmando os aspectos ideológicos do discurso, preciso observar a mudança discursiva, procu-
mas destacando sua dinamicidade, o fato de ser rando perceber a reconfiguração ou mutação
uno e plural ao mesmo tempo. A pluralidade de dos elementos da ordem de discurso pela ação
sentidos que pode ser atribuída a um discurso que se realiza sobre as práticas discursivas e
está relacionada à dinâmica social, aos diferen- sobre os sujeitos e suas identidades, as rela-
tes modos de significar que podem coexistir na ções sociais e os sistemas de conhecimentos
presença de emissores e receptores com com- (FAIRCLOUGH, 2001).
preensões distintas de mundo. Ao mesmo tem- Nessa perspectiva analítica, pensar as pro-
po, cada discurso é único, pois expressa um posições políticas pode ser possível pelo aces-
pensamento pessoal e social, representante da so aos discursos, mas não só, pois é necessário
cultura de um grupo, de uma época, de uma também identificar e analisar quem são os su-
classe, de um posicionamento político. jeitos históricos que estão sintetizando posições
Contudo, a significação de um discurso não políticas em lugares concretos na luta social. O
pode ser – e não é – acessada apenas pela lida discurso valoriza alguns pontos mais que ou-
com palavras, conceitos e textos. A especifici- tros, desconsidera algumas questões, cala so-
dade dos discursos que divulgam as proposi- bre outras, mostra e esconde elementos
ções políticas sugere a busca de formas também conforme os sentidos a serem divulgados. A
específicas para apreendê-los. O salto de qua- produção de discurso depende sempre das con-
lidade na análise pode ser dado pela compreen- dições históricas: sujeitos, situação, memória de
são do discurso em sua tridimensionalidade: sentidos, que constituem a realidade social. A
como texto, como prática discursiva e como identificação destes elementos pode possibili-
prática social (FAIRCLOGH, 2001). tar ao pesquisador apreender a essência de um
A concepção tridimensional do discurso res- discurso que é específico no seu modo de tra-
gata três tradições analíticas: análise textual e tar a política educacional, uma vez que ele é
lingüística, a tradição macrossociológica de aná- veiculado com a tarefa de divulgar e sedimen-
lise da prática social e a tradição microssocio- tar propostas e diretrizes para o setor, além de
lógica, que percebe a prática social como algo princípios, objetivos e valores.
que as pessoas produzem e entendem com base Tal discurso, como qualquer outro, tem filia-
em procedimentos de senso comum partilhado ções e, em conjunturas diferentes, lança mão
(FAIRCLOUGH, 2001). de enunciados já ditos, que já foram significa-
O discurso é expressão da realidade social, dos historicamente e que são inseridos em no-
mas ao mesmo tempo causa impressões sobre vas conjunturas, nas quais ganham outros
ela, é constituído e constituidor em relação à significados.
vida social. Os textos são feitos de formas às quais a
Os discursos não apenas refletem ou represen- prática discursiva passada, condensada em con-
tam entidades e relações sociais, eles as cons- venções, dota de significado potencial. O signi-
troem ou as ‘constituem’; diferentes discursos ficado potencial de uma forma é geralmente
constituem entidades-chave (...) de diferentes heterogêneo, um complexo de significados di-
modos e posicionam as pessoas de diversas versos, sobrepostos e algumas vezes contradi-
maneiras como sujeitos sociais (...), e são esses tórios, de forma que os textos são em geral
efeitos sociais do discurso que são focalizados
altamente ambivalentes e abertos a múltiplas
na análise de discurso (FAIRCLOUGH, 2001, p.
22 – palavra entre aspas no original). interpretações (FAIRCLOUGH, 2001, p.103).
Esse redizer é tratado pelos autores da aná-
Para tanto, destaca-se a importância dos lise do discurso como intertextualidade, que é
conceitos de “interdiscurso”, de Michel “a propriedade que têm os textos de ser cheios
Pêcheux, e de “ordem de discurso”, de Micha- de fragmentos de outros textos, que podem ser
el Foucault (FAIRCLOUGH, 2001). Porém, delimitados explicitamente ou mesclados e que

136 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007
Rosalba Maria Cardoso Garcia

o texto pode assimilar, contradizer, ecoar ironi- O procedimento da análise docu-


camente, e assim por diante” (FAIRCLOUGH, mental frente às proposições po-
2001, p. 114). líticas no campo educacional
Compreender os discursos contidos nos do-
cumentos educacionais implica saber como, na A análise documental é um procedimento
condição de objetos simbólicos, eles produzem metodológico possível frente ao acesso a docu-
sentidos: quais os sentidos que eles produzem mentos que contêm proposições em termos das
em um dado momento histórico? Em que ba- políticas educacionais. Ao longo dos anos 1990
ses se sustentam? Essa compreensão implica observou-se uma prática das agências multila-
na “explicitação dos processos de significa- terais (Banco Mundial, OCDE, Unesco, Cepal,
ção presentes no texto e permite que se pos- entre outras) de disponibilizar na internet seus
sam ‘escutar’ outros sentidos que ali estão, documentos, muitos dos quais abordando ques-
compreendendo como eles se constituem” (OR- tões referentes à política educacional nos paí-
LANDI, 2001, p. 26 – palavra entre aspas no ses da América Latina, incluindo o Brasil.
original). Temas como “educação para todos”, descen-
Na direção de fazer uma leitura dos ele- tralização da gestão educacional, flexibilização
mentos presentes e em disputa nos discursos na formação de professores passaram a ser
sobre política educacional, uma das estratégi- discutidos também em nosso país, ganhando
as aqui sugerida é a tentativa de perceber a visibilidade em documentos nacionais. Da mes-
intertextualidade manifesta e a constitutiva ma forma, a partir de um documento nacional
(FAIRCLOUGH, 2001). A intertextualidade sobre uma temática específica, passaram a ser
manifesta é aquela na qual outros textos estão produzidos documentos no âmbito dos estados
explicitamente presentes no texto analisado; da federação. A grande quantidade de docu-
já na intertextualidade constitutiva são perce- mentos produzidos e divulgados por diferentes
bidos por marcas na superfície do texto em sujeitos sugere a elaboração de uma hipótese,
análise (FAIRCLOUGH, 2001). Desse modo, com base em Orlandi (2001), em torno da ne-
na leitura de um discurso, é possível tentar cessidade de se repetir um discurso para que
apreender suas filiações, as matrizes de pen- ele e os sentidos que carreia se sedimentem.
samento com as quais tem proximidade, assim Observou-se uma certa “catequização” políti-
como perceber outros discursos nos quais po- ca, uma vez que algumas afirmações a respeito
dem ser encontradas passagens, conceitos e da realidade social, em especial no que se refe-
concepções semelhantes. re à educação, são insistentemente repetidas.
A intertextualidade também é reafirmada É preciso, portanto, dedicar às fontes uma
nos estudos de Ozga (2000, p. 24), segundo os importância fundamental. As fontes também
quais “não há linhas perfeitamente claras de são históricas, constituídas sob um conjunto de
demarcação entre políticas educacionais e ou- condições e, portanto, deve-se extrair delas os
tras áreas de política social”. Essas esferas elementos relacionados a cada objeto de inves-
mantêm limites muito tênues, sendo procedente tigação. No tratamento com as fontes, é preci-
buscar em uma referências para compreen- so que se estabeleçam estratégias para abor-
der a outra. dá-las de maneira sistematizada, elaborando as
A análise das políticas educacionais por perguntas apropriadas ao objeto de pesquisa em
meio de uma abordagem de pesquisa que pri- questão (THOMPSON, 1981; GINZBURG,
vilegie as proposições tem como conteúdo de 1993). As idéias e noções veiculadas pelos dis-
suas discussões as concepções, os conceitos, cursos políticos são expressão da realidade, e
as filiações teóricas, os pressupostos e a ideo- como tal podem ser apropriadas, mas o real não
logia de uma proposta política, e possibilita com- é passível de ser prontamente apreendido, o que
preender as bases de sustentação de um torna necessário proceder a um escrutínio que
projeto político. favoreça ao pesquisador captar a significação

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007 137
Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contexto educacional brasileiro

dos dados fornecidos pelas fontes no âmbito de analisados, é importante perceber os tratamen-
seu estudo. É preciso interrogá-las, “fazê-las fa- tos conferidos a estes, as definições, os sujeitos
lar” sob critérios definidos, para não se cair no envolvidos, as redes de influência, o contexto
risco de elevá-las ao status de objeto (THOMP- de elaboração dos discursos, e a que outros
SON, 1981). É importante salientar dentre as conceitos estão relacionados.
possíveis armadilhas metodológicas que se apre- A leitura das fontes permitirá perceber as
sentam, a de que documentos elaborados e di- redes conceituais que dão substância aos dis-
vulgados em âmbito internacional e nacional se- cursos, as quais podem ser rastreadas pela bus-
jam tratados como “demiurgos” da política ca dos conceitos relacionados ao(s) conceito(s)
educacional e das propostas que veiculam. de referência. Identificar quais os conceitos
Os documentos expressam o resultado, num veiculados e com que significados são apreen-
tempo e espaço históricos, do embate vivido por didos pode possibilitar compreender a organi-
diferentes forças sociais; eles representam a zação dos documentos e quais as bases em que
apropriação, por parte de seus formuladores, se sustentam para explicar a realidade social.
de conjuntos de idéias, pensamentos, políticas, Assim, acessando as nuances de um discurso,
ações vividas pelas diferentes populações. Den- aquilo que se pode chamar de linhas ou matizes
tre aquilo que já está presente na vida social, os discursivos, vislumbra-se apreender suas filia-
formuladores dessa documentação enfatizam, ções teóricas e sua racionalidade.
sublinham, focam algumas práticas e pensamen- O conjunto dos materiais a serem examina-
tos; desqualificam, obscurecem, desprezam dos vai ganhando qualificação à medida que,
outros. Pensamentos e práticas mais conveni- pela sua leitura, percebem-se aqueles que cons-
entes a um projeto social ganham corpo, for- tituem o “corpus documental” (FAIRCLOU-
mas, conceitos, concepções que os sustentem GH, 2001), ou seja, as fontes principais, e aqueles
e passem a ser considerados como “propostas”, que são importantes, porém, complementares
“diretrizes” e “parâmetros”. É como se esses ao debate pretendido. Outra qualificação que
materiais ganhassem a força de “realizar”, a pode ocorrer na pesquisa das proposições polí-
magia de “reinventar” o real, o fascínio de “de- ticas refere-se ao caráter dos documentos: há
terminar” a história. Com muito mais cuidado e aqueles com status de lei, que podem ser cha-
atenção podem-se tomar essas fontes docu- mados de normativos, e outros documentos, tam-
mentais como material a ser pesquisado e a bém fundamentais, que podem ser tratados
concorrer para a compreensão da realidade, como orientadores por serem produzidos com
mas que, ao mesmo tempo, ganha legitimidade a função de estabelecer uma interlocução com
para difundir suas idéias ao maior número pos- a sociedade a respeito de idéias, de concep-
sível de pessoas. ções, princípios, visando propor consensos so-
O início do procedimento metodológico nes- bre as questões educacionais.
sa abordagem é a definição das fontes, a esco- É razoável supor que os documentos norma-
lha dos documentos que tratam da temática a tivos também divulguem concepções a respeito
ser pesquisada, mas que também tem uma de- da educação e da sociedade como um todo, da
limitação temporal, espacial e do âmbito das mesma forma que o conteúdo dos documentos
políticas que estão em estudo (internacional, orientadores pode ser apreendido como norma.
nacional, estadual, municipal, privado). Feito Contudo, esta categorização cumpre a função
isso, pode-se principiar com uma leitura explo- de destacar características próprias de cada gru-
ratória, orientada sempre pela percepção e bus- po segundo as finalidades mais explícitas de sua
ca de um ou mais conceitos tratados como produção. Apesar de apresentarem argumentos
referência para a leitura, os quais são definidos e fundamentos comuns, os quais expressam uma
na própria lida com os documentos e pela te- certa unidade na proposição de políticas para a
mática a ser pesquisada. A partir da localiza- educação, cada documento precisa ser exami-
ção dos conceitos definidos nos textos nado em sua singularidade.

138 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007
Rosalba Maria Cardoso Garcia

Ainda um último aspecto que cumpre sali- ção conservadora” para a educação e, num
entar é que os discursos que sustentam as polí- sentido mais amplo, para as políticas sociais.
ticas são constituídos por uma rede ou teia de Isso, em princípio, já coloca uma série de defi-
conceitos e slogans.4 Tratar dos conceitos que nições sobre as políticas para a educação es-
constituem uma proposta política significa lidar pecial. Em síntese, não podemos pensar tais
com palavras que estão “ganhando” sentidos políticas numa perspectiva de autonomia. Em-
numa determinada situação, qual seja, a enun- bora elas possuam características muito pró-
ciação oficial de avaliações, diagnósticos e pres- prias, não podem ser pensadas à parte. Estamos
crições a respeito da educação mundial, compreendendo as políticas de educação espe-
atingindo o Brasil em seus diversos níveis e cial como constituintes das políticas educacio-
modalidades educacionais. nais e, portanto, expressão do modelo vigente
Cada conceito, individualmente, funciona para as políticas sociais. E, nesse caso, pode-
como um ingrediente que ganha novos contor- mos elaborar a seguinte pergunta: Qual a con-
nos mediados pelo caldo ideológico e teórico no dução hegemônica para as políticas sociais e
qual está embebido. Nesse processo, os con- como podemos perceber sua expressão nas
ceitos estão relacionados a representações, a políticas voltadas para a educação especial?
imagens formadas a partir de fatos, objetos, O atual momento das políticas educacionais
pessoas, situações. São históricos e suas signi- tem-se caracterizado pela busca de uma nova
ficações são datadas; portanto, os sentidos atri- governabilidade da educação pública (KRA-
buídos às palavras estão relacionados à história, WCZYK, 2002) e de novas formas de gestão
à ideologia, ao simbólico, ao político, ao cultu- do sistema educacional, dos professores, dos
ral, podendo-se afirmar que “os sentidos não alunos, dos currículos e das unidades escola-
estão nas palavras elas mesmas. Estão aquém res. Tais evidências são expressão daquilo que
e além delas” (ORLANDI, 2001, p. 42). no debate das políticas sociais tem sido chama-
Compreender um conceito implica trabalhar do de “gestão da pobreza” (ANDRADE, 2000),
sobre sua história, sua origem e apreensão. As ou seja, uma abordagem da questão social a
palavras sofrem mudanças em seus sentidos, partir de mecanismos de “regulação focaliza-
devido ao contexto lingüístico e histórico em que da” que visam prioritariamente o alívio à po-
se apresentam (KONDER, 1984). Para além da breza (ANDRADE e DUARTE, 2005). A
importância das palavras, interessa sua signifi- educação especial e as propostas inclusivas no
cação como conceitos que constituem os pro- campo educacional estão sendo aqui tomadas
cessos de atribuição e sedimentação de sentidos como expressão das políticas de alívio à pobre-
às práticas sociais. Portanto, é necessário aten- za. Tal pressuposto apóia-se no caráter de ad-
tar não somente para sua apreensão, mas tam- ministração, justificação e legitimação das
bém para os modos como são relacionados pelos desigualdades sociais e educacionais que assu-
sujeitos nos debates políticos, como antagônicos mem as políticas de inclusão sob a lógica do
ou convergentes, servindo de base de sustenta- mercado (GARCIA, 2004).
ção para explicações sobre a realidade social.
4
Alguns conceitos e slogans que marcam a política educa-
cional atual: pobreza, equidade, desenvolvimento sustentá-
Um enfoque sobre as políticas para vel, capital humano, emprego, responsabilidade, autono-
a educação especial e algumas re- mia, participação, organização social, coesão social,
pertencimento, tolerância, diversidade, governabilidade,
ferências para a pesquisa neste competitividade, proteção social, vulnerabilidade,
campo neoinstitucionalismo estatal, transformação da escola, for-
mação de professores, mudanças curriculares, informação,
gestão, empregabilidade, necessidades básicas de aprendiza-
As propostas aqui em discussão não apenas gem, voluntariado, riscos sociais, capital social, sociedade
do conhecimento, empowerment, exclusão, comunidade,
apresentam conexões, mas constituem organi- terceiro setor, cidadania, inclusão, competências, flexibili-
camente políticas numa linha de “moderniza- dade, entre outros.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007 139
Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contexto educacional brasileiro

As proposições de políticas para a educa- Considerando as bases nas quais estão apoi-
ção especial vêm sendo capitaneadas por agên- adas as proposições para a educação especial
cias internacionais, em especial a UNESCO, a no âmbito internacional, é possível analisar o
qual enfatiza, por meio de diversos documen- nível de sua apreensão no contexto educacio-
tos, propostas de desenvolvimento de uma edu- nal brasileiro. Essa tarefa pode ser desenvolvi-
cação inclusiva.5 Contudo, o Banco Mundial e da pelo escrutínio de alguns documentos nacio-
a OCDE disponibilizaram na internet, nos últi- nais, dentre os quais destaca-se aqui, por sua
mos anos, uma série de materiais por meio dos importância, a Resolução CNE/CEB 2/2001,
quais difundem idéias relacionadas a políticas que institui as Diretrizes Nacionais para a Edu-
de inclusão voltadas para diferentes grupos de cação Especial na Educação Básica, e o Pare-
sujeitos, dentre os quais aqueles identificados cer CNE/CEB 17/2001, o qual contém defini-
como com necessidades especiais.6 ções e abordagens relativas aos conceitos
As proposições aqui mencionadas apóiam- referenciais que sustentam o discurso da edu-
se em um diagnóstico de “exclusão social”, tra- cação inclusiva no Brasil.7
duzido para o campo educacional como não Já em relação aos conceitos mais citados
acesso à educação formal. A solução indicada nos discursos políticos que sustentam as propo-
refere-se a garantir para os sujeitos com ne- sições para a educação especial, cumpre des-
cessidades especiais o acesso à escolaridade. tacar: “serviços de educação especial”;
A educação, numa perspectiva inclusiva, está “atendimento educacional especializado”; “edu-
sendo pensada, portanto, como redentora das candos com necessidades educacionais espe-
questões sociais. ciais”; “professores capacitados”; “professores
Outra idéia fundamental a sustentar as polí- especializados”; “flexibilizações e adaptações
ticas atuais para a educação especial é a ques- curriculares”; e “serviços de apoio pedagógi-
tão do atendimento à diversidade e do respeito co” (BRASIL, 2001a). A compreensão dos
à diferença. A perspectiva “inclusiva” vem se conceitos principais, sua articulação, os signifi-
materializando desde a Conferência Mundial cados que lhe são atribuídos podem contribuir
sobre Educação para Todos (Tailândia, 1990) sobremaneira para uma leitura crítica de pro-
por meio da universalização do ensino funda- postas que são apresentadas como permeadas
mental e, conseqüentemente, da ampliação da por uma aura de inovação e de um sentido de-
cobertura de matrículas. Percebe-se nesse con- mocrático.
texto uma mudança na composição dos alunos
e um acento no discurso do reconhecimento da
heterogeneidade na escola. Deriva dessas me- Considerações finais
didas uma nova proposição de organização ra-
cional do trabalho pedagógico, agora com base As políticas para a educação especial brasi-
na diversidade e na heterogeneidade, que põe leira, numa perspectiva inclusiva, têm gerado
para a escola a necessidade de mudanças cur- impactos para as redes de ensino, propondo
riculares. No caso específico dos alunos com mudanças na organização escolar, no currículo,
necessidades especiais, observa-se uma ênfa- na formação de professores, entre outros as-
se no respeito às diferenças e uma abordagem
das capacidades individuais atualmente reno- 5
O documento mais recente é: UNESCO (2004). Muitos
meada pela expressão ‘diferenças individuais’. estudos já analisaram o documento BRASIL (1994), o qual
Assim sendo, as políticas curriculares que é a versão traduzida do documento original produzido para
a Conferência Mundial sobre Necessidades Educacionais
acompanham a perspectiva “inclusiva” para a Especiais: acesso e qualidade, realizada em Salamanca,
educação estão assumindo um caráter de dife- Espanha, em 1994. Destacamos, também, Laplane (2004).
6
renciação que pode ter como conseqüência a BANCO MUNDIAL (2000) e Ranson (2001).
7
Dentre os estudos que estabelecem análises a partir da
desigualdade no acesso à cultura, justificada instituição dessas diretrizes, destacamos: Bueno; Ferreira et
pela qualidade multicultural da sociedade. al. (2002) e Prieto (2003).

140 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007
Rosalba Maria Cardoso Garcia

pectos. A complexidade de tais proposições os discursos ali contidos têm sido apreendidos,
frente às condições sociais de produção da es- em grande medida, como substitutos da teoria
cola brasileira coloca para as pesquisas no cam- na orientação do trabalho educacional e peda-
po da educação especial a necessidade de uma gógico. Uma constatação como esta sugere a
reflexão teórico-metodológica que contribua para necessidade de que as análises busquem alcan-
a compreensão e explicitação da questão. çar as filiações teóricas de tais discursos e per-
As referências aqui socializadas têm por mitam compreender qual a sua racionalidade.
base o estudo de proposições políticas ampara- A partir dos aportes teórico-metodológicos
das na analise documental e dos discursos, vi- aqui apresentados, podemos afirmar que as
sando perceber as mudanças sociais propostas. políticas para a educação especial numa pers-
Nesse caso, entende-se a política como prática pectiva inclusiva estão sendo analisadas como
social constituída pela disputa hegemônica de promotoras de uma nova organização racional
idéias fundamentais para que se exerça a con- do trabalho educacional e pedagógico, com base
dução política. A forma pela qual tais proposi- na diversidade e na heterogeneidade.
ções são difundidas e apreendidas envolve a O estudo da documentação referente a este
elaboração de discursos políticos, entendidos campo tem permitido perceber que se por um
como práticas sociais constituídas por redes lado propõe-se uma diferenciação educacional
conceituais que lhes atribuem substância. Nos justificada pelo reconhecimento da diversidade,
últimos anos, os sujeitos políticos que vêm as- por outro o respeito às diferenças sustenta uma
sumindo, de maneira privilegiada, a condução proposta de individualização do ensino. Conside-
das orientações e diretrizes para a educação e, rando as condições sociais de produção da es-
da mesma forma, para a educação especial, são cola brasileira, as possibilidades de ampliação da
os organismos internacionais, os quais têm nos desigualdade se fazem presentes.
documentos disponibilizados pela internet o seu As fontes documentais nacionais e interna-
principal instrumento de difusão. Porém, as idéi- cionais foram apresentadas não com o objetivo
as contidas nessa documentação não se pren- de serem aqui analisadas, mas muito mais como
dem apenas a esta forma uma vez que cada referências para a pesquisa nesse campo, com
situação de apreensão é, ao mesmo tempo, um base numa abordagem de investigação de pro-
momento de reformulação das propostas, a par- posições políticas.
tir de novas interpretações que vão sendo de- Pretendeu-se, assim, contribuir com os de-
senvolvidas. Os documentos expressam o bates acerca das políticas inclusivas para a edu-
resultado, num tempo e espaço históricos, do cação especial, com consciência da necessidade
embate vivido por diferentes forças sociais, mas de explicitar suas relações constitutivas.

REFERÊNCIAS

ANDRADE, D. O. Educação básica: gestão do trabalho e da pobreza. Petrópolis: Vozes, 2000.


ANDRADE, D. O.; DUARTE, A. Política educacional como política social: uma nova regulação da pobreza.
Perspectiva: Revista do Centro de Ciências da Educação, Florianópolis, v. 23, n. 2, p.279-301, jul./dez., 2005.
APPLE, M. Política cultural e educação. São Paulo: Cortez, 2000.
BAKTHIN, M. Marxismo e filosofia da linguagem. 8. ed. São Paulo: HUCITEC, 1997.
BALL, S. Education reform: a critical and post-structural approach. Buckingham: Open University Press, 1999.
BANCO MUNDIAL. Relatório sobre o desenvolvimento mundial 2000/2001. Luta contra a pobreza. Panora-
ma Geral. Washington, 2000.
BRASIL. Declaração de Salamanca e linha de ação sobre necessidades educativas especiais. Brasília:
CORDE, 1994.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007 141
Reflexões teórico-metodológicas acerca das políticas para a educação especial no contexto educacional brasileiro

_____. Centro Nacional de Educação. Centro de Educação Brasileiro. Resolução n. 2/2001, institui as
diretrizes nacionais para a educação especial na educação básica. Brasília, 2001a.
_____. _____. Parecer n. 17/2001. Brasília, 2001b.
BUENO, J.G.S.; FERREIRA, J.R. et al. Políticas regionais de educação especial no Brasil. REUNIÃO ANUAL
DA ANPED, 26, 2002, Caxambu, Resumos... Caxambu, 2002.
CHAUÍ, M. de S. Cultura e democracia. 5. ed.. São Paulo: Cortez, 1990.
DALE, R. Globalização e educação: demonstrando a existência de uma “cultura educacional mundial co-
mum” ou localizando uma “agenda globalmente estruturada para a educação”? Educação & Sociedade,
Campinas, v. 25, n. 87, p. 423-460, maio/ago., 2004.
DUARTE, N. Vigotski e o “aprender a aprender”: crítica às apropriações neoliberais e pós-modernas da
teoria vygotskiana. Campinas: Autores Associados, 2001.
FAIRCLOUGH, N. Discurso e mudança social. Traduçãode Izabel Magalhães. Brasília: UNB, 2001.
GARCIA, R.M.C. Políticas públicas de inclusão: uma análise no campo da educação especial brasileira.
Tese (Doutorado em Educação)- Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2004.
GRAMSCI, A. Concepção dialética da história. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1978.
_____. Maquiavel, a política e o Estado moderno. 7. ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1989.
GINZBURG, C. O queijo e os vermes: o cotidiano e as idéias de um moleiro perseguido pela inquisição. 6
reimpressão. São Paulo: Companhia das Letras, 1993.
LAPLANE, A.L.F de. Notas para uma análise dos discursos sobre inclusão escolar. In: GÓES, M.C.R.;
LAPLANE, A.L.F de. (Orgs.) Políticas e práticas de educação inclusiva. Campinas: Autores Associados,
2004. p.5-20.
KONDER, L. A questão da ideologia. São Paulo: Companhia das Letras, 2002.
KONDER, L. O marxismo na batalha das idéias. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1984.
KRAWCZYK, N. Em busca de uma nova governabilidade na educação. In: OLIVEIRA, D.A.; ROSAR, M. F.
F. (Orgs.) Política e gestão da educação. Belo Horizonte: Autêntica, 2002. p. 59-72.
MORAES, M.C.M.de. Recuo da teoria. In: _____ (Org.) Iluminismo às avessas. Produção de conhecimento
e políticas de formação docente. Rio de Janeiro: DP&A, 2003. p. 151-167.
ORLANDI, E.P. Discurso & Leitura. 3. ed. São Paulo: Cortez; Campinas: EdUnicamp, 1996.
OZGA, J. Investigação sobre políticas educacionais: terreno de contestação. Porto: Porto Editora, 2000.
(Coleção currículo, políticas e práticas).
PRIETO, R.G. et al. Políticas de inclusão escolar no Brasil: descrição e análise de sua implementação em
municípios das diferentes regiões. REUNIÃO ANUAL DA ANPED, 27, 2003,Caxambu. Resumos...Caxambu,
2003.
RANSON, S. The new learning for inclusion and capability: towards community governance in the education
action zones. OCDE, 2001.
STACCONE, G. Gramsci: 100 anos: revolução e política. Petrópolis: Vozes, 1991.
THOMPSON, E.P. A miséria da teoria ou um planetário de erros: uma crítica ao pensamento de Althusser.
Rio de Janeiro: ZAHAR, 1981.
UNESCO. Temario Abierto sobre Educación Inclusiv: materiales de apoyo para responsables de políticas
educativas. Santiago, Chile: OREALC/UNESCO, 2004.

Recebido em 29.09.06
Aprovado em 24.10.06

142 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 131-142, jan./jun., 2007
Isa Regina Santos dos Anjos

EDUCAÇÃO PROFISSIONAL:
um desafio para pessoas com necessidades
educacionais especiais

Isa Regina Santos dos Anjos *

RESUMO

Presencia-se, atualmente, no cenário mundial e nacional o debate sobre a política


de inclusão escolar e social de pessoas com necessidades educacionais especiais,
enquanto estratégia para a garantia do direito a uma educação de qualidade, de
acordo com os princípios de educação para todos presentes na Constituição de
1988. No Brasil, a educação profissional para pessoas com necessidades
educacionais especiais vem sendo amplamente discutida no âmbito da Educação
Especial, a partir do pressuposto de que o trabalho constitui-se em uma via de
inclusão social dessa população e, conseqüentemente, em uma forma de propiciar
a aquisição de conhecimentos teóricos, técnicos e operacionais, relacionados à
produção de bens e serviços, sejam estes desenvolvidos tanto na escola quanto
nas empresas. Concluindo, é evidente que uma proposta de educação para o
trabalho para as pessoas com necessidades educacionais especiais representa
um avanço na conquista dos direitos dessas pessoas. Porém, as questões
discutidas neste artigo mostram que ainda há muito por se fazer para que essas
pessoas realmente possam ser incluídas no trabalho, pois o desafio é exatamente
encontrar possibilidades de construção de um sistema educacional inclusivo
nas diferentes formas de conceber e praticar o processo educacional.
Palavras-chave: Educação especial – Educação profissional – Inclusão
escolar

ABSTRACT

PROFESSIONAL EDUCATION: a challenge for people with special


educational needs
It’s observed nowadays, in the worldwide and national setting, a discussion
about the social and school inclusion politics for people with special educational
needs as a strategy for the guarantee of the right for a quality education, in
accordance with the principles of education for all, included in the 1988
Constitution. In Brazil, the professional education for people with special

* Doutoranda em Educação Especial pela Universidade Federal de São Carlos. Mestre em Educação Especial pela
Universidade Federal de São Carlos. Pedagoga do Centro Federal de Educação Tecnológica de Sergipe. Docente da rede
estadual de Sergipe e, atualmente, técnica em Educação Especial da Secretaria de Estado da Educação de Sergipe.
Endereço para correspondência: Centro Federal de Educação Tecnológica de Sergipe, av. Engº. Gentil Tavares da Motta,
1166, Bairro Getúlio Vargas – 49.055-260 Aracaju/SE. E-mail: isaanjos@yahoo.com.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 143-148, jan./jun., 2007 143
Educação profissional: um desafio para pessoas com necessidades educacionais especiais

educational needs is being widely discussed in the Special Education setting,


considering that work constitutes a way of social inclusion for this population
and, consequently, a way of propitiating the acquisition of theoretical, technical
and operational knowledge related to the production of assets and services,
developed both in the school and in the companies. It follows that it is clear that
a proposal of education for work for people with special educational needs
means a progress in the conquest of the rights for these people. However, the
questions discussed in this article show that there’s still much to do so that
these people can, in fact, be included in the work market, since the challenge is
exactly to find possibilities for the construction of an inclusive educational system
in different manners of conceiving and practicing the educational process.
Keywords: Special education – Professional education – School inclusion

A inserção de pessoas com necessidades intensiva; talvez a melhor expressão do avanço


educacionais especiais no contexto da educa- do capitalismo no Brasil seja justamente o re-
ção profissional é um tema que vem sendo bas- gistro de profunda heterogeneidade produtiva e
tante discutido na Educação Especial. No desigualdade das relações de trabalho.
entanto, essa questão começou a ser aprofun- É nesse contexto que vamos refletir sobre a
dada a partir do surgimento de leis específicas educação profissional para pessoas com neces-
que vêm tentando assegurar o direito dessas sidades educacionais especiais, pois entendemos
pessoas obterem uma qualificação profissional que a sua inclusão está pautada em um contexto
para o ingresso no mercado de trabalho. histórico-social permeado por uma prática com-
Entretanto, percebe-se que a crise provo- plexa, mas que se estabelece na direção de ques-
cada pelo capitalismo vem ampliando e apro- tionar e superar práticas sociais baseadas na
fundando as desigualdades sociais, contribuindo desigualdade. No que se refere à educação pro-
para a redução de postos de trabalho e acentu- fissional para pessoas com necessidades educa-
ando o desemprego estrutural. Nesse contexto, cionais especiais, entendemos que as dificuldades
Marx (1968) aponta que o ponto de partida ló- são ainda maiores, pois muitas vezes estas são
gico e histórico do capitalismo é a disponibilida- vistas como merecedores da caridade pública em
de de uma mercadoria especial, a força de função de suas limitações.
trabalho. Tal disponibilidade decorre de um lon- Alguns autores consideram que, no contex-
go processo de expropriação que transfere para to atual das discussões sobre o acesso de pes-
alguns a posse dos meios de produção, impon- soas com necessidades educacionais à educa-
do à grande maioria a condição de despossuído ção profissional, devemos considerar que o
e, logo, vendedor da força de trabalho. caráter educativo do processo profissionalizan-
É possível observar que, após terem decor- te precisa predominar sobre os outros aspec-
rido quase três décadas de mudanças nas for- tos, porque não se trata apenas de inserir-se no
mas de racionalização do capitalismo, que o mercado, mas de envolver o educando no con-
desenvolvimento econômico não mais significa texto da cidadania. Nesse sentido, Viegas (2000)
desenvolvimento social, como ocorreu por um afirma que o compromisso da educação profis-
longo período em países hoje considerados de- sional vai além de ensinar um ofício. Profissio-
senvolvidos. (CASTEL, 1998). Portanto, o de- nalizar é também elevar o nível de escolaridade
semprego já não é resultado da ausência de dos educandos, pois se trata da formação da
crescimento econômico, mas se tornou ineren- pessoa, e não de treinamento.
te ao próprio crescimento econômico. No Bra- Para se compreender de forma mais abran-
sil, essa relação nunca havia se dado de forma gente a questão da educação profissional para

144 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 143-148, jan./jun., 2007
Isa Regina Santos dos Anjos

pessoas com necessidades educacionais espe- inserção no tecido social e no mundo do tra-
ciais, explicitaremos as concepções de alguns balho, como também uma questão de cidada-
estudiosos da área sobre esse tema. nia. No entanto, podemos inferir que a
Silva (2000) afirma que a questão da profis- educação e o conhecimento, particularmente
sionalização se coloca no centro de uma articu- na formação profissional, vêm subordinados
lação entre trabalho e inclusão social. Nesse à lógica da produção e do mercado. Portan-
sentido, considera que a educação profissional to, a cidadania, nesta perspectiva, não deve-
das pessoas com deficiência enfrenta vários ria ser regulada pelas leis do mercado, a fim
desafios colocados tanto pelas políticas gover- de propiciar processos educativos de forma-
namentais, no que diz respeito à educação pro- ção profissional que privilegiem condições
fissional como sinônimo de desenvolvimento para os cidadãos lutarem pelos seus direitos.
social, quanto pelas iniciativas das instituições O termo Formação Profissional, em seu sig-
privadas e/ou assistenciais, que priorizam nes- nificado mais amplo, refere-se aos processos
se momento os projetos de profissionalização e educativos capazes de possibilitar ao indivíduo
inserção dessas pessoas no mercado de traba- a aquisição de conhecimentos teóricos, técni-
lho. Jannuzzi (1994) afirma que exercer uma cos e operacionais relacionados à produção de
atividade produtiva, uma atividade que resulta bens e serviços, sejam estes desenvolvidos tanto
em um bem concreto, ou seja, um trabalho, é na escola quanto nas empresas.
de grande importância para a vida de todos os Analisando-se a literatura sobre profissio-
seres humanos. É de grande importância não nalização para pessoas com necessidades
apenas financeira, mas também se refere à educacionais especiais, verifica-se que sua ori-
possibilidade de levar as pessoas a serem inde- gem encontra-se em iniciativas promovidas por
pendentes em termos sociais e pessoais. A au- instituições não-governamentais, que indicam as
tora ainda diz que a profissionalização é oficinas pedagógicas e as oficinas abrigadas ou
considerada uma atividade produtiva à medida protegidas como modelos de formação profis-
que possibilita às pessoas desenvolverem um sional, os quais vêm sendo utilizados por estas
trabalho no meio em que vivem, considerando pessoas. Essas oficinas eram situadas em insti-
suas condições culturais e diferenças individu- tuições especiais e proporcionavam atividades
ais; sendo assim, “se a possibilidade de traba- consideradas profissionalizantes, remuneradas
lho não lhe é aberta, acentua-se a sua exclusão, ou não, com o objetivo de incluir socialmente os
acentuando então a sua subordinação aos ou- sujeitos através do trabalho. E os serviços pro-
tros, esmaecendo-se a própria identidade”. fissionalizantes eram considerados uma parte
(1994, p.22) do processo de formação do indivíduo com de-
Goyos e Manzini (1989) entendem a pro- ficiência, representando uma escala a mais em
fissionalização como alternativa para a inte- sua trajetória educativa.
gração social do deficiente, ou seja, acreditam Entretanto, as oficinas pedagógicas ou pro-
que a concepção profissional e o desempe- tegidas, ainda em funcionamento em diversas
nho de uma atividade produtiva constituem instituições brasileiras, apresentam uma reali-
direito da pessoa com deficiência, e seria a dade pouco animadora, haja vista que propici-
estratégia principal, senão a única, para sua am o isolamento do trabalhador com deficiên-
integração social. Segundo esses autores, na cia do mundo externo e do próprio mundo do
medida em que o deficiente se integra como trabalho. Além disso, o trabalho nesse contexto
força de trabalho, passa a vivenciar a sua ci- é exercido por meio de subcontratos, os quais
dadania. Percebe-se que os aspectos mais não representam os direitos dos aprendizes/tra-
ressaltados se referem à educação profissio- balhadores sendo, portanto, desfavoráveis a
nal enquanto um fator importante que contri- eles, e é promovido por intermédio de progra-
bui para que a pessoa com deficiência receba mas que possuem uma tessitura rígida e inade-
uma formação social adequada para a sua quada, diante de objetivos que se pretendam de

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 143-148, jan./jun., 2007 145
Educação profissional: um desafio para pessoas com necessidades educacionais especiais

inclusão social. Verifica-se, assim, a presença Rodrigues e Tanaka (2001) afirmam que
de contradições resultantes do desafio de com- nessas oficinas o ensino sistemático das ha-
patibilizar as atividades do ensino com as da bilidades e dos comportamentos necessários
produção, de conciliar as necessidades pesso- para o exercício da atividade profissional aca-
ais do aprendiz/trabalhador com as do merca- ba ficando para um segundo plano, compro-
do, reduzindo o trabalho, categoria fundante de metendo o alcance dos objetivos propostos,
realização do ser social, a mero meio de sobre- tanto em termos de preparação para o traba-
vivência (GOYOS, 1989; MANZINI, 1989; lho em si quanto de colocação no mercado
SILVA, 2000). de trabalho.
Em primeira instância, nas denominadas ofi- Nesse contexto de educação profissional
cinas pedagógicas, o currículo deveria visar o inclusiva, vários autores concluem que os ser-
desenvolvimento de atitudes e hábitos para o viços de formação oferecidos em oficinas abri-
trabalho, e não deveria haver remuneração, nem gadas ou protegidas, situados em instituições
compromissos contratuais. Posteriormente, os especiais ou em apêndices destas, proporcio-
aprendizes poderiam ser encaminhados para as nam, segundo seus projetos pedagógicos, ativi-
oficinas protegidas ou abrigadas que funciona- dades consideradas profissionalizantes, remu-
riam como uma micro-empresas, e o status do neradas ou não, com o objetivo de incluir
indivíduo deveria ser de um trabalhador, com socialmente essas pessoas por meio do traba-
os seus direitos garantidos (FERREIRA, MEN- lho. Percebe-se, entretanto, em um contexto
DES, NUNES, 2003). social marcado pela competitividade, que a for-
A literatura brasileira mostra que essas ofi- mação profissional promovida em oficinas as-
cinas têm sido alvo de várias críticas com re- sume um caráter restrito de adestramento da
lação aos procedimentos que utilizam para mão-de-obra, o que pode ser identificado como
profissionalizar seus aprendizes. As críticas se uma via de estigmatização. Dessa forma, não
referem aos tipos de atividades ensinadas aos se tem clareza dos benefícios ou dos beneficiá-
aprendizes, caracterizadas como profissiona- rios da formação profissional, uma vez que ser
lizantes mas que pouco contribuem para a sua egresso de uma instituição profissionalizante
formação profissional, e ao processo de tran- dificulta a inclusão social, objetivo final das ins-
sição oficina-mercado de trabalho, pois mui- tituições que promovem a formação profissio-
tas vezes a instituição deixa de encaminhar nal. (AMARAL, 1994).
aqueles indivíduos que têm possibilidade de É importante atentar que a simples trans-
exercer um trabalho pela necessidade da sua missão de conhecimentos adquiridos não possi-
mão-de-obra (GOYOS, 1995). Outra crítica bilita à pessoa com necessidades educacionais
recorrente aos programas institucionais de pre- especiais apropriar-se de novos conhecimen-
paração para o trabalho é de que estes se dão tos necessários à sua interação com a realida-
em condições de isolamento, muito distancia- de; ao contrário, pode servir até para a
dos do mundo do trabalho. manutenção da situação vigente, e contribuir
Os teóricos apontam essas modalidades de para alijá-la cada vez mais do processo social,
atendimento como predominantes para a po- culminando na sua segregação. Assim, o tra-
pulação com deficiência mental. As oficinas balho nas oficinas não pode ser considerado
pedagógicas constituíram-se como propostas como fator de equalização entre as pessoas di-
de “educação para o trabalho” e, a partir de- tas “normais” e/ou pessoas com deficiência, pois
las, as oficinas protegidas, ou seja, o chamado a educação brasileira é marcada pela exclusão
trabalho em regime especial, foi considerado e por políticas paliativas que privilegiam na for-
produtivo, sendo então remunerado. Outras va- mação profissional atividades baseadas, muitas
riedades de formação incluiriam desde os in- vezes, em interesses institucionais.
ternatos até os trabalhos em domicílio. (SIL- A literatura vem apontando o sucesso de
VA, 2000). programas desenvolvidos em ambiente regular

146 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 143-148, jan./jun., 2007
Isa Regina Santos dos Anjos

de trabalho, que é o supported employment ou Conclusão


“emprego apoiado”, que consiste em realizar o
treinamento diretamente no local regular de tra- Defendemos nesse artigo que, ao se fazer
balho. Segundo alguns autores, esta é a manei- uma política pública em prol de uma sociedade
ra mais promissora de capacitação e integração inclusiva, é necessário prover os serviços, su-
da pessoa com deficiência no trabalho compe- portes e medidas que garantam às pessoas com
titivo. Porém, afirmam que estes programas necessidades educacionais especiais o acesso
apresentam um custo alto, embora sejam finan- e a possibilidade de participação nas diferentes
ceiramente compensadores a longo prazo, pois instâncias da vida coletiva, da forma mais inde-
possibilitam autonomia do indivíduo e represen- pendente possível. Essas adequações e apoios,
tam custo zero para o Estado. que representam a colaboração da educação
Diante desse cenário, a opção do emprego especial para uma educação profissional inclu-
com apoio surge hoje como opção no contexto siva, devem efetivar-se por meio de:
da formação profissional, relacionada à educa- a) flexibilizações e adaptações dos recursos
ção e à profissionalização de pessoas com ne- instrucionais: material pedagógico, equipamen-
cessidades educacionais especiais. Há, no to, currículo e outros;
entanto, que se considerar que o conceito de b) capacitação de recursos humanos: pro-
educação compreende o de formação integral fessores, instrutores e profissionais especiali-
do sujeito, devendo contemplar as dimensões: zados;
humanas, culturais, afetivas, estéticas, físicas e c) eliminação de barreiras atitudinais, arqui-
biológicas – voltadas para o desenvolvimento e tetônicas, curriculares, de comunicação e sina-
emancipação do sujeito. lização, entre outras.
Portanto, acreditamos que programas de Para Mendes (2006), o debate sobre o prin-
educação profissional para indivíduos com ne- cípio da inclusão escolar no Brasil é hoje um
cessidades educacionais especiais devem con- fenômeno. É necessário que se reivindique o
templar o trabalho na vida do indivíduo enquanto comprometimento dos gestores das políticas
tradução de um significado de satisfação e de educacionais, para que a educação inclusiva
participação social, como também de possibili- receba as condições e os recursos necessários
dade de mostrar suas potencialidades, habilida- para o atendimento adequado aos alunos espe-
des e competências para construir uma vida mais ciais, conforme determinam os documentos
autônoma e independente. normativos vigentes.
Entretanto, é preciso compreender que se, Portanto, a inclusão de pessoas com neces-
por um lado, as pessoas com necessidades edu- sidades educacionais especiais na Educação
cacionais especiais possuem capacidades, por Profissional visa transformar essas posturas
outro, elas também possuem especificidades observadas ao longo da história das socieda-
que não podem ser ignoradas ou escamotea- des, a partir de uma educação inclusiva, opor-
das. Isto é, suas limitações e possibilidades lhes tunizando a essas pessoas disputar com
são próprias, como são próprias as limitações dignidade e capacidade sua inserção no mer-
e possibilidades de cada sujeito social. No en- cado de trabalho. A idéia central da inclusão no
tanto, isso não significa que possam concorrer ensino profissional é a de uma mudança na for-
de maneira igual entre si; tampouco significa ma de entender a pessoa com necessidades edu-
que o possam fazê-lo em igualdade com todos cacionais especiais, propiciando uma “sociedade
os demais sujeitos sociais. Portanto, a inclu- para todos”.
são no mercado de trabalho, na sociedade do Assim, é necessário vislumbrar alternativas
capital, é por si só excludente, pois mantém de processos educativos e de formação técni-
critérios de aceitabilidade ou de rejeição per- co-profissional que se articulem para uma ci-
manentes que independem de características dadania que se constrói no processo de
pessoais. transformações das relações sociais vigentes.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 143-148, jan./jun., 2007 147
Educação profissional: um desafio para pessoas com necessidades educacionais especiais

Talvez esta seja uma das lacunas ou um dos preciso investimentos substantivos em educa-
desafios a enfrentar; portanto, é necessária a ção. Para que o ambiente de aprendizagem na
criação de políticas de inclusão escolar no con- escola se efetive, ele necessita existir enquanto
texto das escolas de educação profissional, fato ambiente e condições objetivas na sociedade
que poderia implicar em mudanças mais pro- em todas as suas dimensões, pois não há esco-
missoras nessa área para o cenário brasileiro. la democrática em uma sociedade autocrática,
Dessa forma, as políticas públicas nesta área injusta e excludente.
devem atender aos interesses sociais, oferecen- Enfim, o futuro da inclusão escolar em nosso
do a essas pessoas a sua inserção e permanên- país dependerá de um esforço coletivo, que nos
cia no mercado de trabalho, enquanto parte da obrigará a uma revisão na postura de pesquisa-
força produtiva do país, a partir da conquista do dores, políticos, prestadores de serviços, familia-
direito igualitário e da sua cidadania. res e indivíduos com necessidades educacionais
Este artigo contribui para evidenciar que, especiais, para se trabalhar numa meta comum,
para oferecer educação profissional a pessoas que seria a de garantir uma educação de melhor
com necessidades educacionais especiais, é qualidade para todos (MENDES, 2006).

REFERÊNCIAS

AMARAL, L. A. Falando sobre o trabalho e a pessoa portadora de deficiência. São Paulo: REINTEGRA, 1994.
CASTEL, R. As metamorfoses da questão social: uma crônica do salário. São Paulo: Vozes, 1998.
FERREIRA, J. R; MENDES, E. G; NUNES, L. R. P. Teses e dissertações sobre educação especial: os temas
mais investigados. In: Colóquios sobre pesquisa em educação especial. Londrina: EDUEL, 2003. p.113-136
GOYOS, A. C. N. A profissionalização de deficientes mentais: estudo de professores acerca dessa questão.
Tese (Doutorado em Educação) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo: USP,
1986.
GOYOS, A. C. N. et al. Justificativas para a formação profissional do deficiente mental: revisão da literatura
brasileira especializada. Cadernos de Pesquisa, São Paulo, v. 69, n. 5, p. 53-67, 1989.
GOYOS, A. C. N. A profissionalização de indivíduos deficientes mentais. São Carlos: EdUFSCar, 1995.
JANNUZZI, G. M. A luta pela educação do deficiente mental no Brasil. Campinas: Autores Associados, 1994.
MANZINI, E. Profissionalização de indivíduos portadores de deficiência mental: visão do agente institucional
e visão do egresso. Dissertação (Mestrado em Educação Especial) – Universidade Federal de São Carlos,
São Carlos: UFSCar, 1989.
MARX, K. O Capital. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1968.
MENDES, E. G. A radicalização do debate sobre inclusão escolar no Brasil. [S.l.: s.n.]. (Mimeografado).
RODRIGUES, R. J; TANAKA, E. D. O portador de deficiência mental: considerações acerca da sua prepara-
ção para o trabalho. In: Perspectivas multidisciplinares em educação especial II. Londrina: EDUEL, 2001. p.
655-658.
SILVA, A. G. A educação profissional de pessoas com deficiência mental: a historia da relação educação
especial/trabalho na APAE-SP. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade Estadual de Campi-
nas, Campinas, 2000.
VIEGAS, C. M. C. Educação, trabalho e pessoas com deficiência. In: Revista Integração, Brasília, DF, MEC,
v. 10, n. 22, p.16-19, 2000.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 26.11.06

148 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 143-148, jan./jun., 2007
Alessandra Santana Soares e Barros

PODE-SE FALAR EM UM
‘MOVIMENTO DE DEFICIENTES’ NO BRASIL ?

Alessandra Santana Soares e Barros *

RESUMO

Este artigo explorou a questão da possível configuração das entidades


organizadas pelos interesses de pessoas deficientes na forma de um movimento
social. Para caracterizar o que se tem como um “movimento” de deficientes
no Brasil, optou-se por descrever a atividade das entidades de atenção aos
deficientes no tocante à qualidade da assistência prestada. Para tanto, optou-
se pelo recorte junto às APAEs - Associações de Pais e Amigos dos
Excepcionais e às Associações de Síndrome de Down, alcançadas através
de suas respectivas federações, em documentos, pesquisas e relatórios de
trabalhos produzidos por elas, ou a respeito delas. Do ponto de vista metodológico
foi empreendida, então, uma pesquisa de cunho documental. As conclusões
alcançadas sugerem que não se pode falar da existência de um movimento
social de deficientes, ao menos não na perspectiva sociológica estrita. Este
trabalhou representou, ainda, uma tentativa de proposição de marcos teórico-
conceituais, a partir dos quais se deve discutir o ativismo e a militância das
entidades de pessoas com deficiências.
Palavras-chave: Movimentos sociais – Entidades de pessoas com deficiências
– Sociedade civil organizada – APAE

ABSTRACT

IS IT POSSIBLE TO SPEAK OF “MOVEMENT OF PEOPLE WITH


DISABILITIES” IN BRAZIL?
This paper explores the question of the possible configuration of the entities
organized for the interests of people with disabilities in the form of a social
movement. To characterize what is called a “movement of people with
disabilities” in Brazil, we opted to describe the activity of the entities who
cared for the disabled regarding the quality of the given assistance. To carry
this out, the author choose the Association of parents and friends of exceptional
children (in Brazilian APAE) - and the Associations of Down Syndrome, reached
through its respective associations, documents, research and reports related to
them or produce by them. Our paper is thus based upon documentary analyses.
We conclude that we cannot speak of the existence of a social movement of
people with disabilities, at least not in a strict sociological perspective. This

* Sanitarista. Doutora em antropologia. Professora adjunta na Faculdade de Educação da Universidade Federal da


Bahia. Endereço para correspondência: Av. Reitor Miguel Calmon, s/nº - Canela – 40.110.100. Salvador/BA. E-mail:
alssb@ufba.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007 149
Pode-se falar em um ‘Movimento de Deficientes’ no Brasil ?

paper represented, still, an attempt of a theoretical-conceptual landmark proposal,


from which should be discussed the political activity of the entities of people
with disabilities in Brazil.
Keywords: Social movements – Entities of people with disabilities – Organized
civil society – APAE

Introdução e Amigos dos Excepcionais e às Associações


de Síndrome de Down, alcançadas através de
Este artigo questionou em que medida a ati- suas respectivas federações a partir de alguns
vidade de entidades organizadas pelos interes- documentos, pesquisas e relatórios de trabalhos
ses de pessoas deficientes, e a mobilização de produzidos por elas, ou a respeito delas. Do
outros sujeitos coletivos em torno da mesma ponto de vista metodológico, diz-se, então, que
causa, configuram um movimento social. Mui- as conclusões alcançadas são fruto de uma
to embora a designação ‘movimento social’ seja pesquisa de cunho documental.
de uso corrente, a apropriação atual da expres-
são é bastante imprecisa – mesmo na literatura
profissional – o que pode ser devido à grande A atividade das entidades de defici-
variedade de fenômenos empíricos aos quais entes não configura um Movimento
essa noção potencialmente se aplica. Assim, não Social
por acaso, entidades filantrópicas como a APAE
e a Associação de S. de Down fazem referên- Ressalvadas as devidas considerações e
cias a si mesmas como parte de um movimento peculiaridades existentes em meio às tantas
(“movimento apaeano” ou “movimento associ- entidades brasileiras voltadas para a atenção
ativo das pessoas Down no Brasil”) em docu- ao deficiente, pode-se dizer que, em geral, o
mentos oficiais ou literatura produzida no âmbito que as caracteriza é o fato de manterem um
destas instituições (TÍBOLA, 2001, p. 22-25; perfil tradicionalmente assistencialista, que se
BARBOSA, 2001, p. 283-290; FEDERAÇÃO sobressai em relação à função promotora de
BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE cidadania, por elas anunciada. Por um perfil
SÍNDROME DE DOWN,1999, p. 126-127). assistencialista entende-se o fato delas se limi-
Sendo, contudo, um conceito caro à teoria soci- tarem ao cumprimento da prestação de servi-
ológica, nem todo modo de ação coletiva per- ços e serem representativas apenas dos
mitiria a denominação de movimento social, interesses particulares e coorporativos de seus
ainda que consideradas especificidades analíti- associados. Logo, a vocação solidária e altruís-
cas que possivelmente conformariam ações ta na qual se afirma estarem baseados seus
desta ordem como ‘novos movimentos sociais’. serviços é acionada apenas para atender as
Para tentar caracterizar o modo como a famílias diretamente afetadas. A esse respeito
categoria pessoas com deficiência estaria or- vale destacar que, no que tange especificamente
ganicamente mobilizada em torno desta causa à atividade das entidades do tipo APAE, estan-
comum, ou em outros termos, o que haveria de do a filiação da clientela beneficiada circuns-
típico no modo como se configurou um “movi- crita pela condição de deficiência, esta, que já
mento” de deficientes no Brasil, optou-se por se mostra circunstanciada à oferta dos servi-
descrever a atividade das entidades de atenção ços assistenciais terapêuticos e/ou educacionais,
aos deficientes no tocante à qualidade da assis- é limitada no tempo pela faixa etária em que
tência social prestada. Não sendo possível ava- esses beneficiados serão atendidos pelos servi-
liar o conjunto das entidades que atuam no Brasil ços. Para exemplificar este aspecto, uma pes-
em favor das pessoas deficientes, optou-se pelo quisa realizada pela própria Federação
recorte junto às APAEs - Associações de Pais Brasileira das Associações de Síndrome de

150 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007
Alessandra Santana Soares e Barros

Down, em um universo composto por aquelas tantes em outra área. (...) Entre os que obtiveram
associações, por APAEs e por unidades Pesta- formação em Saúde, os campos mais referidos –
lozzi, traz referências elucidativas: “Observou- pela ordem – foram Fonoaudiologia, Psicologia,
Fisioterapia e Terapia Ocupacional ... (FEDERA-
se que, na percepção de grande número de pais,
ÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE
a participação em associações só se justifica SÍNDROME DE DOWN, 1999, p.97- 98).
enquanto seus filhos são crianças ou adoles-
centes. Com efeito, uma parcela expressiva dis- Por outro lado, a respeito da formação ma-
se que não se interessava em participar porque joritariamente universitária dos quadros de pes-
seus filhos já eram adultos” (FEDERAÇÃO soal das ONGs, a seguinte referência é
BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE esclarecedora:
SÍNDROME DE DOWN, 1999, p.125). Estas Por ocasião do evento que culminou com a fun-
afirmações são corroboradas por estudos acer- dação da ABONG (Associação Brasileira de Or-
ca da situação organizacional da categoria, que ganizações Não Governamentais), pesquisa
têm concluído que “As pessoas portadoras de efetuada com entidades presentes (...) trouxe in-
formações interessantes. No item dirigentes, foi
deficiências não estão propensas, na sua maio-
constatado que 87% tinham diploma universitá-
ria, à mobilização pela formação própria do pa- rio e 39% pós-graduação (dos quais 19% com-
ternalismo.” (VIVOT, 1994, p.30). pletaram cursos no exterior). Um quadro das
A pouca expressividade do ativismo político disciplinas cursadas na graduação indicava que
é também uma característica diferencial des- a mais freqüentada foi a filosofia, seguida da
tas entidades. Justificativas históricas estariam sociologia, economia, teologia, advocacia e ou-
calcadas no fato de que, em sua gênese, as tras. Na pós-graduação, um terço fez sociologia.
(WANDERLEY, 2002, p. 121).
entidades beneficentes, como as do tipo volta-
das para a atenção aos deficientes, não foram Muito embora seja possível apreciar refe-
marcadas pela crítica ao Estado, por operarem rências às APAEs e às Associações de Sín-
à margem do sistema, ou por terem pouca visi- drome de Down, principalmente quando prove-
bilidade pública e reservas ideológicas às fon- nientes de bibliografia por elas produzidas, como
tes de financiamento. Assim, numa perspectiva sendo as mesmas caracterizáveis na forma de
histórica, suas atuações no Brasil não contribu- organizações não governamentais, uma análise
íram para a mudança da relação entre a socie- dos pressupostos teóricos que distinguem os
dade e o Estado, configurando-se apenas como vários tipos de entidades de assistência social
de complementariedade à presença deste ou de mostrará que tais entidades beneficentes não
suplementação de suas ausências. podem ser descritas nem mesmo como ONGs.
Esta inércia do ponto de vista da mobiliza- Distinguir as ONGs de outras entidades de as-
ção política pode ser explicada ainda pelo fato sistência social ainda tem sido tarefa persegui-
de que os quadros de pessoal das entidades da com afinco por acadêmicos que dividem es-
beneficentes tradicionais, como as APAEs, são paços com a universidade e com a militância, e
compostos por funcionários ou voluntários sem que reclamam por uma distinção que proteja as
formação universitária. Quando existe forma- então reconhecidas ONGs do confundimento
ção superior, esta em grande medida refere-se com a chancela de entidades beneficentes que,
às áreas de saúde e educação, o que em geral no decorrer de seus remetimentos ao senso
não operacionaliza politicamente estes profissi- comum, ficaram notórias pela atuação pouco
onais. Uma pesquisa demonstrou que: idônea que, por vezes, as marcou com a alcu-
nha de “pilantrópicas”. (LANDIM, 2002, p. 17-
Dos 211 profissionais que reportaram ter con-
50). (Acerca da caracterização das ONGs, es-
cluído um curso superior e/ou pós-superior e
responderam à determinada questão, 113 (53,5%) trito senso, ver DURÃO, 2001, p.55-74).
tiveram formação na área de Educação; outros Se as entidades de deficientes não têm bus-
89 (42,2%) na área de saúde; cinco profissionais cado a universidade, pode-se dizer que, do mes-
formaram-se em Serviço Social e os quatro res- mo modo, a universidade não tem buscado as

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007 151
Pode-se falar em um ‘Movimento de Deficientes’ no Brasil ?

entidades de deficientes. Pois, em investigação Em trabalho realizado acerca da indisponi-


acerca das ações realizadas pelas instituições bilidade das entidades beneficentes à presta-
de ensino superior brasileiras, no que diz res- ção de contas, abertura à auditoria e transpa-
peito ao ensino, à pesquisa e às atividades de rência de procedimentos, fica claro que esta
extensão no campo da educação especial, cons- condição se dá, em parte, devido à herança
tatou-se que: advinda da relação destas entidades com a fi-
Por outro lado, as iniciativas [relativas a ativi- lantropia de tradição caritativa e religiosa. Nas
dades de extensão] junto à sociedade civil pri- palavras daquele autor: “De um lado a influên-
vilegiaram tanto entidades assistenciais como cia da Igreja, e em conseqüência das regalias
escolas privadas, o que também se constitui que a Igreja tinha de não ser fiscalizada em ter-
num paradoxo: muito tem se falado e discutido mos organizativos, nem pelo Estado, nem pelo
nas universidades sobre a construção da cida- Vaticano, pois os padres sempre (e apenas)
dania das pessoas deficientes, mas as entida- prestaram contas diretamente ao Criador.” (LO-
des de defesa dos deficientes, bem como os PES, 2002).
conselhos governamentais e municipais, têm As ONGs propriamente ditas também con-
sido alvo de pouquíssimas iniciativas. (BUENO, taram, em sua gênese, com a participação da
2002, p.109). (Grifo meu - palavras entre colche-
Igreja, ainda que a vertente religiosa à qual se
tes são minhas)
filiaram as entidades hoje tidas como ONGs de
A questão da formação profissional e da ca- tradição cívica fosse mais próxima à militância
pacitação do quadro de funcionários das entida- de esquerda, como a Teologia da Libertação,
des do tipo APAE é, a propósito, denunciadora de diferentemente dos ramos da Igreja parceiros
suas condições administrativo-funcionais. Em pes- das entidades assistencialistas tradicionais. De
quisa encomendada pela Federação das APAEs todo modo, pode-se argumentar que estas ONGs
a consultores organizacionais externos, para ava- estariam sujeitas aos mesmos riscos de infor-
liar o que então denominaram Eixo Referencial malidade excessiva no trato institucional e or-
de Atuação destas entidades, concluiu-se, a res- ganizativo. Mas o referido estudo destacou
peito de seus dirigentes, que “A falta de prepara- também a influência da clandestinidade, como
ção gerencial dessas lideranças, no entanto, tem forma de sobrevivência à ditadura, na história
gerado conseqüências na gestão de recursos hu- das ONGs. Segundo LOPES, as ONGs passa-
manos, mesmo porque um grande número de diri- ram, então, a rejeitar a organização e institucio-
gentes não tem experiência em coordenação de nalização formal, como um modo de resistência
equipe, fora da APAE.” (FEDERAÇÃO NACI- à lógica capitalista, que era fortemente identifi-
ONAL DAS APAES, 1997, p. 29). cada com toda uma sistemática organizacional
Além das características já apontadas, pode- voltada para a sustentação lucrativa de uma
se dizer que, enquanto herdeiras do modelo ca- empresa. Contudo, essa premissa não procede
ritativo da filantropia religiosa, as entidades de para o caso das APAEs, tendo em vista que
assistência a deficientes apresentam dificulda- elas não operaram na clandestinidade, ou à
des em imprimir, nas gestões administrativas, margem do regime militar; muito pelo contrá-
maior profissionalismo na captação de recur- rio, tiveram inclusive postos ocupados por ofi-
sos e tratamento empresarial no compromisso ciais do Exército. (ANTUNES, 2000).
com a transparência e com a publicização de No Brasil, a primeira iniciativa de congre-
seus resultados. Este amadorismo as aproxima gar pais de pessoas portadoras de deficiência e
da informalidade com a qual se administram os outras pessoas interessadas em apoiá-las ocor-
espaços domésticos – espaços por excelência reu no estado do Rio de Janeiro, por demanda
privados – e aponta ainda para as mesmas pos- de uma mãe de criança com deficiência men-
turas próprias daquele domínio, o qual se acre- tal. Segundo Tíbola (2001, p.22-25), em dezem-
dita imune às interferências ou exigências da bro de 1954 foi então fundada a primeira APAE
ordem pública. do Brasil. Desde o seu início, a despeito da ini-

152 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007
Alessandra Santana Soares e Barros

ciativa laica, ela contou com a presença da Igreja lações extra-institucionais que promovem os
Católica, tanto que esta primeira assembléia foi ideais das entidades.
presidida por um padre. Além disso, há de se Expressões de confundimento e promiscui-
considerar que os primeiros embriões da filan- dade entre as esferas pública e privada, como
tropia caritativa religiosa no Brasil, que remon- as assinaladas acima, podem ser ainda descri-
tam ao Período Imperial, já elegiam no conjunto tas pelo fenômeno do clientelismo, tipo de rela-
dos assim chamados “desassistidos” as pesso- ção, contudo, cuja natureza corrompida nem
as com deficiência. (MESTRINER, 2001, p.45). sempre é assim identificada pela tradição cul-
O olhar voltado a esta categoria haveria de se tural brasileira. O clientelismo pode ser descri-
estender no tempo por meio da filantropia higi- to como uma relação de troca de favores, em
ênica, própria da Primeira República, e da fi- geral políticos, por benefícios econômicos de
lantropia disciplinadora, própria do Estado Novo. variado escopo. Havendo o clientelismo se dis-
Contudo, entidades criadas com a finalidade seminado na tradição política brasileira, este
exclusiva de atender pessoas deficientes, e tão acaba por transitar para além dos momentos
somente elas, surgiriam no Brasil, de fato, só de manifestação representativa da democracia
na década de cinqüenta. – como a eleição de governantes – contami-
As suposições aqui sugeridas devem ser nando igualmente a dinâmica das trocas esta-
apreciadas, ainda, à luz do fato de que as enti- belecidas ao nível da participação cidadã na
dades beneficentes consideradas para os fins sociedade civil organizada.
deste trabalho estão consubstanciadas em ins- Logo, a perspectiva de análise da cultura po-
tituições com uma característica muito especí- lítica também identificaria expressões de clien-
fica. Pois as instituições de amparo aos telismo quando, por exemplo, o público-alvo de
deficientes mentais – à diferença daquelas que uma entidade beneficente a busca apenas para
atendem deficientes físicos, visuais e auditivos a prestação de serviços imediatos, como um mero
– são instituições tipicamente formadas e diri- cliente busca uma empresa, desobrigado de con-
gidas por mães e pais que se organizaram para tribuir para o fortalecimento identitário da cate-
assistir as necessidades de seus filhos. Ocorre goria por aquela entidade assistida. Clientelismo
que estas instituições, então geridas por paren- e assistencialismo se complementariam na me-
tes dos deficientes mentais, reproduzem nas dida em que o primeiro corresponde ao modo de
gestões institucionais os modelos de relações resposta dos usuários daqueles serviços, oferta-
familiares conflituosas, tensionadas pelo proces- dos de uma forma puramente assistencial pelas
so de luto do filho idealizado. Nas palavras de entidades de atenção.
Dantino: Desde a emergência do Terceiro Setor, nas
décadas de redemocratização do regime e de
Toda gama de sentimentos (culpa, negação, re-
fortalecimento da sociedade civil, as entidades
jeição, autopiedade) que acompanha o proces-
so pelo qual passam os pais quando do de deficientes vêm tentando transpor este ca-
nascimento ou da descoberta que o filho ideali- ráter assistencialista de suas atividades. Supe-
zado não nasceu, tendo vindo outro em seu lu- rar esta marca paternalista de sua atuação se
gar, parece reapresentar-se na instituição, ou seja, fez necessário para que não destoassem do
acredita-se que este conteúdo emocional faça conjunto das organizações não governamentais,
parte do cenário institucional e, como tal, silen- caracteristicamente definidas pela qualidade
cia a cena.” (DANTINO, 1998, p.34).
emancipatória de suas intervenções junto aos
Deste modo, as manifestações emocionais grupos e parcelas da população sob seus cui-
peculiares, e por que não dizer, os valores com dados.
freqüência emanados por estas mães e pais Essa tendência de reordenamento identitá-
acabam por se constituir em elemento signifi- rio das entidades de deficientes, a exemplo da
cativo das relações profissionais mantidas com Federação das APAEs, esteve expressamente
o pessoal técnico contratado, e mesmo das re- visível no processo de discussão da reforma do

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007 153
Pode-se falar em um ‘Movimento de Deficientes’ no Brasil ?

Estado e do enquadramento legal das organiza- pativa e marcada pelo controle social, a com-
ções da sociedade civil (denominado Marco posição deste órgão estava dada tanto por re-
Legal para o Terceiro Setor/Lei das OSCIPs - presentantes governamentais quanto por
Organizações da Sociedade Civil de Interesse representantes da sociedade civil – como as en-
Público), que disciplinou o uso dos fundos pú- tidades de assistência social. Foi neste contex-
blicos de financiamento pelas instituições per- to, então, que se deu a formalização da presença
tencentes ao universo do associativismo. A Lei das entidades de deficientes no processo de
das OSCIPs, n. 9790/99, discriminou ainda, dis- ‘democratização da filantropia’ no Brasil, na
tintivamente, o pertencimento de ONGs, fun- medida em que parte da representação do
dações empresariais e outras entidades de CNAS foi ocupada por organismos como a
assistência social ao universo do associativis- Organização Nacional de Entidades de Defici-
mo. Segundo Landim: entes Físicos e a Federação Brasileira de Insti-
Pode-se então dizer que aquelas entidades ten- tuições de Excepcionais. (MESTRINER, 2001,
dem a se publicizar, ou se politizar, em sentido p. 220).
lato, ou seja, há, nessas dinâmicas, ao mesmo Entretanto, foi justamente no cenário da im-
tempo e de forma contraditória e combinada, uma plantação deste conselho que se puderam ob-
‘filantropização’ e uma ‘politização’ no campo servar sintomas de uma postura pouco
da assistência social através das instituições progressista por parte das entidades beneficen-
privadas. Exemplos: organizações nas áreas de
tes, dentre as quais, as entidades de deficien-
crianças e adolescentes ou dos portadores de
deficiência, ou ainda de idosos, em que uma tra- tes. Nos anos iniciais de vigência da LOAS –
dição de assistencialismo começou a se quebra- Lei Orgânica de Assistência Social, a política
da pela sua entrada no campo da luta por direitos. nacional recentemente abalada pelo escândalo
Muitas ‘viram’ ONGs, no sentido em que pas- da LBA buscava, então, através do CNAS,
sam a se enquadrar em determinadas redes, dis- novas e mais exigentes formas de recadastra-
cursos, espaços institucionais.” (LANDIM, mento de entidades e de renovação de certifi-
2002, p. 33). (grifos meus) cados de filantropia.
Deste modo, passaram a fazer parte das Assim, ocorreu que algumas entidades fi-
agendas destas entidades beneficentes pautas lantrópicas, temerosas com o curso das nego-
como inclusão social do deficiente a partir do ciações e deliberações que partissem do CNAS,
acesso ao ensino regular, empregabilidade, de- cujas normas implementadas poderiam levá-las
fesa ampla de direitos e promoção à vida inde- a perder recursos e subvenções, buscaram for-
pendente, em substituição aos consagrados mas de obstruir esse processo de ‘moralização’
temas da assistência médica e terapêutica e da da política de assistência social. Em relato da
escolarização no ensino especial. Característi- presidente do CNAS, em 1988, pode-se ler:
cas deste momento são as Associações de Sín- “Logo tivemos clareza sobre as forças contrá-
drome de Down que, nascidas na década de rias à redefinição do sistema de regulação da
80, pareceram buscar se identificar menos com filantropia. Sofremos lobbies fortíssimos.(...)
o amparo meramente protetor e paliativo – muito Fomos atropelados por medidas provisórias ge-
próprio das APAEs – e mais com o investimen- radas por pressões de APAEs, Santas Casas,
to no empoderamento das pessoas com síndro- reabrindo prazos, mudando formas de recadas-
me de Down e de suas famílias. tramento.” (MESTRINER, 2001, p. 235).
Este incremento cívico das ações da filan- O nível de engajamento participativo das
tropia foi especialmente apreciável pela esco- entidades de deficientes, ou seja, da referida
lha da representação paritária que passou a “politização” da assistência prestada, pode ser
compor, em 1993, o então instituído Conselho ainda explicitado pela apreciação de suas pre-
Nacional de Assistência Social – CNAS. Uma senças e manifestação junto aos canais de par-
vez que este conselho visava implantar a nova ticipação cidadã, bem como pela utilização de
política de seguridade social de forma partici- mecanismos institucionais e sociais com o mes-

154 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007
Alessandra Santana Soares e Barros

mo fim. Quanto a estes mecanismos, “alguns No tocante à subutilização dos mecanismos


foram institucionalizados a partir de propostas de engajamento participativo por parte das en-
da sociedade civil (...), outros resultam das prá- tidades de deficientes, em especial os mecanis-
ticas dos movimentos e seu uso depende da mos parlamentares, deve-se sublinhar o episódio
conjuntura, da interlocução entre as diversas da revisão do Código Penal Brasileiro, o qual,
forças sociais, e da relação com o Estado.” nos aspectos que tangiam à possibilidade de le-
(TEIXEIRA, 2001, p.173). galização do aborto por anomalia fetal, concla-
Estes mecanismos de participação são ba- mou a ampla participação da sociedade civil para
sicamente mecanismos de expressão do con- que esta opinasse, como forma de expressão
trole social nas tomadas de decisão. Podem ser democrática.
do tipo administrativo, parlamentar ou judicial. Contudo, consta que, por ocasião daquele
São usados para cobrar a responsabilidade de período de espera de sugestões, a parte do an-
autoridades, identificar erros, omissões e frau- teprojeto relativa ao aborto por anomalia fetal
des, ou opinar na propositura de projetos de lei. não chegou a receber nenhuma consideração
No tocante a esta última, por exemplo, a via por parte das entidades de deficientes. Alguma
imediata de intervenção se daria na forma de pressão pela suspensão desta possibilidade de
acompanhamento, por parte de representantes aborto teria partido de setores da igreja católi-
de entidades de deficientes, de sessões parla- ca. Bispos e arcebispos anteciparam ao presi-
mentares ou audiências públicas, nas quais, nes- dente da comissão de revisão do Código Penal,
ses casos, bastaria a inscrição prévia para acesso a possível insatisfação da comunidade de defi-
às tribunas das câmaras (de vereadores, ou do cientes com uma redação que pudesse incluir
Congresso Nacional). vários quadros de deficiências Deve-se desta-
Para além destes mecanismos formalmente car ainda a ausência notória de representantes
instituídos, consideram-se ainda outros tipos de destas entidades ao longo do processo de vota-
instrumentos político-sociais de participação ci- ção, redação e sugestão ao Projeto de Lei do
dadã, como, por exemplo, a publicização de Aborto Legal, o qual também implicava nos in-
moções, cartas-abertas e manifestos, através teresses de pessoas deficientes dada a proxi-
do uso da mídia, ou o advocacy dos ideais da midade da questão com o aborto por anomalia
entidade pela inserção de notícias na grande fetal. (VASCONCELOS, 2000.)
imprensa. (TEIXEIRA, 2001, p. 191). A res- A presença insignificante de vozes de auto-
peito dos fatores críticos para o sucesso do ridade destas entidades no espaço que a mídia
advocacy de um entidade (onde se entenda por ofereceu para debater esta questão deve ser
advocacy a pregação de mensagens, campa- apreciada a partir da consideração de que “Os
nhas ou lobbies em favor de uma causa), Ro- Novos Movimentos Sociais (...) usam a mídia e
che destaca: “... excelente trabalho com a mídia, as atividades de protesto para mobilizar a opi-
fundamentado em bons contatos com os jorna- nião pública a seu favor (...). Criar fatos novos
listas.” (ROCHE, 2000, p.244). que gerem impactos e virem notícia na mídia é
Não obstante, segundo Wanderley Guilher- uma preocupação permanente da maioria dos
me dos Santos (SANTOS, 1993), para o con- movimentos sociais.”(GHON, 2002, p.238).
texto brasileiro como um todo, sejam deficitários Entretanto, segundo a ANDI – Agência de
os índices de participação política e investimento Notícias dos Direitos da Infância (2000, p.17)
colaborativo, bem como se apresentem taxas em relatórios de pesquisas publicados, o tema
baixas de resolução de conflitos mediados pela da deficiência tem recebido cobertura jornalís-
justiça ou normas legais, o caso específico do tica muito pouco significativa. Tendo em vista
associativismo de pessoas deficientes é ilustra- que as pautas jornalísticas surgem, em grande
tivo da condição de fragilidade desta categoria medida, a partir de demandas geradas por fon-
frente às possibilidades de mobilização cidadã tes do poder público e da sociedade civil, a
e participação política. omissão por parte da comunidade de deficien-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007 155
Pode-se falar em um ‘Movimento de Deficientes’ no Brasil ?

tes parece responsável pelo fraco noticiamento ços, estas entidades pouco sucesso têm alcan-
de questões acerca da deficiência. çado na efetivação de práticas que, pelo cará-
Essas constatações, que a princípio se refe- ter político, contribuiriam para este fim.
rem especialmente às entidades de pessoas O recurso adotado pela argumentação até
deficientes não parecem, contudo, surpreenden- aqui desenvolvida, de perseguir o enquadra-
tes, se tomadas as palavras de Teixeira (2001, mento das entidades de deficientes na forma
p. 189), para quem “qualquer processo não está de entidades filantrópicas tradicionais, tipica-
imune às mazelas enraizadas em nossa cultura mente assistenciais, para então distanciá-las
política”. Logo, este viés personalista, por exem- da configuração de um movimento social, pode
plo – que confunde a ordem doméstica com a ser questionado. Pois, a depender do paradig-
ordem pública – na gestão interna das entida- ma explicativo que se adote para descrição e
des beneficentes de assistência ao deficiente análise dos movimentos sociais, esta preocu-
mental, parece, ao fim e a cabo, reflexo de uma pação de enquadramento de entidades que aos
contaminação sofrida a partir das interações movimentos corresponderiam não é absoluta-
anômicas mais amplas iniciadas entre os cida- mente relevante. Assim, segundo a posição de
dãos e o Estado. Melluci (apud GHON, 2002. p.129), os novos
O circuito de trocas, fragilizado no que tan- movimentos sociais, por serem mais fluídos,
ge à circulação da reciprocidade e ao fluxo re- mais flexíveis, são menos forma e mais con-
forçador da confiança, fica expresso pela junto de representações significativas, expres-
incapacidade destas entidades em alargar o âm- sões culturais.
bito de suas atuações e preocupações para além Logo, a forma dada pelas estruturas associ-
do plano familiar, ou de considerar o tratamen- ativas assume menor importância, uma vez que
to empresarial necessário à sobrevivência de a concepção de movimento social que se tem é
longo prazo ou à auto-sustentabilidade financei- aquela pertinente com o conjunto de represen-
ra. Do mesmo modo, Reis (1995), em análise tações que se cria ao longo de sua existência,
do fenômeno do comunitarismo restrito con- não se devendo, assim, buscar objetos empíri-
textualizado para a conjuntura brasileira e para cos concretamente observáveis, consubstanci-
as circunstâncias vigentes de escassez de re- ados, por exemplo, na organicidade de entidades
cursos materiais e culturais, destacou o caráter beneficentes representativas dos interesses dos
estéril de ideais filantrópicos que não logram deficientes. Neste sentido, movimentos sociais
uma institucionalização efetiva de seus resulta- são construções analíticas, e não entidades que
dos, dada a insuficiência organizacional da so- se movem com a unidade de objetivos a eles
ciedade civil. Assim, o caso das entidades de atribuídos.
deficientes mentais, aqui tomado como emble- Todavia, mesmo essa forma de categoriza-
mático, pode apenas estar sinalizando a abran- ção de um movimento social mostra-se proble-
gência dos déficits em acumulação de capital mática no caso da atividade e da militância dos
social na sociedade brasileira. deficientes. Os movimentos sociais têm se con-
centrado em lutas em torno da identidade, sen-
do que a afirmação política destas identidades
Considerações finais exige alguma forma de autenticação (WOO-
DWARD, 2000). Esta se dá, dentre outros fa-
Não obstante as considerações generalistas tores, através da coesão relativa de valores que
que isentam as entidades de deficientes de ex- unificam um discurso que ajuda a construir as
clusividade neste cenário de uma sociedade ci- representações simbólicas em torno daquela
vil fracamente organizada, o que se tem, diante categoria diferenciada. No contexto brasileiro,
do exposto até aqui, é que, a despeito de um o processo de conformação do ideário acerca
discurso que reclama a superação de um mo- da deficiência se debateu ainda com a circuns-
delo de atenção típico da prestação de servi- tância de ter absorvido acriticamente discursos

156 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007
Alessandra Santana Soares e Barros

acerca da igualdade e da diferença – dentre os a questões estratégicas (acesso a fundos públi-


quais, o do modelo social de descrição da defi- cos, relações com o Estado, etc) e de algumas
ciência – maturados na tradição democrática iniciativas de poucas ONGs, a maioria tem se
da sociedade norte-americana, caracterizada ocupado com a realização de microprojetos, se-
pelo associativismo comunitário, do qual o Bra- gundo as temáticas priorizadas pelas agências
sil não compartilha historicidade. internacionais.” (TEIXEIRA, 2001, p.172)
Acrescenta-se que no Brasil, ao longo das Conclui-se, pois, que a marca emancipató-
décadas de oitenta e noventa, o emergir de po- ria, própria deste fenômeno, estaria ausente
líticas de identidade – e a conseqüente forma- nesta forma de organização que são as entida-
tação de imagens de especificidade acopladas des, autodenominadas ou não de “entidade de
a movimentos reinvidicatórios – se deu na es- pais, mães e familiares de deficientes”. Esta
teira das pautas de exigências de agências de posição pode ser corroborada pelas reflexões
cooperação, como o BID e o BIRD, que con- de Andrew Arato (apud GHON, 2002), para
tingenciavam empréstimos à alavancagem de quem, em países periféricos como o Brasil, dada
uma cultura comunitária. Discorrendo acerca a ausência de formas expressivas de participa-
das ONGs do Terceiro Setor, Boaventura de ção democrática, a existência de capital social
Souza Santos destaca que: deficitário e cultura cívica predatória, e a quali-
Nos países periféricos e semiperiféricos os pa- dade específica da cultura política (notória pelo
drões normativos de organização são decisiva- clientelismo e promiscuidade na relação com
mente afectados pelas fontes de financiamento os bens públicos), não teríamos uma sociedade
das suas actividades, quase sempre doadores civil organizada. E sendo os Movimentos Soci-
estrangeiros, e pelas condições por estes pos- ais uma expressão de mobilização organizada
tas quanto à orientação, gestão e responsabili- da sociedade civil, não seria, talvez, cabível fa-
zação da actividade das organizações (SANTOS,
lar na atuação de movimentos sociais no con-
1998, p. 11).
texto brasileiro.
Esta influência se deu, então, basicamente Finalizando, valem aqui as considerações de
através das agências de cooperação internacio- Melucci (apud SCHERER-WARREN, 2002,
nal que financiavam recursos indispensáveis à p.68), para quem as redes de organizações
sobrevivência das entidades civis sem fins lucra- da sociedade civil – categorização mais apro-
tivos. Mesmo as ONGs, tidas como mais repre- priada ao agrupamento das entidades assisten-
sentativas de uma atuação cívica – e neste ciais, como as que prestam atenção aos
sentido diferenciadas das entidades assistencia- deficientes – somente constituirão um movimen-
listas, seriam objeto de críticas, como, por exem- to social à medida que forem reativas às con-
plo, a de Elenaldo Teixeira, para quem “Apesar tradições sistêmicas e estruturais e buscarem
do debate provocado pela ABONG em relação superar estes limites.

REFERÊNCIAS

AGÊNCIA DE NOTÍCIAS DOS DIREITOS DA INFÂNCIA. Infância na mídia: uma pesquisa. Coordenação
Marco Túlio César Alencar. Brasília, DF: ANDI/Instituto Ayrton Senna, 2000.
ANTUNES, M. T. A (Org). Síndrome de Down no Brasil: caminhando para o terceiro milênio. Brasília,DF:
Federação Brasileira das Associações de Síndrome de Down, 2000.
BARBOSA, E. Movimento apaeano: o terceiro setor como realidade. In: CONGRESSO NACIONAL DAS
ASSOCIAÇÕES DE PAIS E AMIGOS DOS EXCEPCIONAIS, 20., 2001, Brasília, DF. Anais... Brasília, DF:
Federação das APAEs, 2001. p. 283-290.
BUENO, J. G. S. A educação especial nas universidades brasileiras. Brasília, DF: MEC, 2002.
DANTINO, M. E. F. A máscara e o rosto da instituição especializada. São Paulo: Memnon, 1998.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007 157
Pode-se falar em um ‘Movimento de Deficientes’ no Brasil ?

DURÃO, J.E.S. Reforma do estado, a ação das ONGs e a assistência social. Cadernos ABONG, São Paulo,
n.30, p. 55-74, nov. 2001.
FEDERAÇÃO BRASILEIRA DAS ASSOCIAÇÕES DE SÍNDROME DE DOWN. Perfil das percepções so-
bre as pessoas com Síndrome de Down e do seu atendimento: aspectos qualitativos e quantitativos. Coor-
denação de Márcio Ruiz Schiavo. Brasília, DF: [s.n.], 1999.
FEDERAÇÃO NACIONAL DAS APAES. Eixo referencial de atuação: relatório analítico. Brasília, DF: Fede-
ração das APAEs, 1997.
GHON, M. G. Teoria dos movimentos sociais: paradigmas clássicos e contemporâneos. São Paulo: Loyola,
2002.
LANDIM, L. Múltiplas Identidades das ONGs. In: HADDAD, S. (Org.). ONGs e universidades: desafios
para a cooperação na América Latina. São Paulo: Abong, 2002.
LOPES, U. M. Acerca da gestão administrativa das organizações não-governamentais. Trabalho de Conclu-
são de Curso (Especialização) – Universidade Estadual de Feira de Santana, Feira de Santana, 2002.
MESTRINER, M. L. O estado entre a filantropia e a assistência social. São Paulo:Cortez, 2001.
REIS, Elisa. Desigualdade e solidariedade:uma releitura do ‘familismo amoral’ de Banfield. Revista Brasilei-
ra de Ciências Sociais, n. 29, a. 10, p. 35-48, out. 1995.
ROCHE, C. Avaliação de impacto dos trabalhos de ONGs. São Paulo: Cortez/ABONG, 2000.
SANTOS, B S. A reinvenção solidária e participativa do estado. São Paulo: Ministério da Administração
Federal e Reforma do Estado, 1998. (Mimeografado).
SANTOS, W. G. Razões da desordem. Rio de Janeiro: Rocco, 1993.
SCHERER-WARREN, I. Redes e sociedade civil global. In: HADDAD, S. (Org.). ONGs e universidades:
desafios para a cooperação na América Latina. São Paulo: Abong, 2002. p. 68-83.
TEIXEIRA, E. Participação cidadã no poder local: algumas experiências no Brasil. In: ____. O local e o
global: limites e desafios da participação cidadã. São Paulo: Cortez/UFBA, 2001. p.172-195.
TÍBOLA, I. M. APAE educadora: a escola que buscamos: proposta orientadora das ações educacionais.
Brasília, DF: Federação Nacional das APAEs, 2001.
VASCONCELOS, M. Os significados do aborto: o labirinto de discursividades na Câmara dos Deputados.
Dissertação (Mestrado) – Departamento de Sociologia, Universidade de Brasília, Brasília/DF, 2000.
VIVOT, A. R. Considerações sobre a situação organizacional de entidades representativas de pessoas
portadoras de deficiência. Brasília, DF: CORDE, 1994.
WANDERLEY, L. E. W. ONGs e Universidades: desafios atuais. In: HADDAD, S. (Org.). ONGs e universi-
dades: desafios para a cooperação na América Latina. São Paulo: Abong, 2002.
WOODWARD, K. Identidade e diferença: uma introdução teórica e conceitual. In: SILVA, T.T. Identidade e
diferença: a perspectiva dos estudos culturais. Petrópolis: Vozes, 2000. p. 7-69.

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 28.10.06

158 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 149-158, jan./jun., 2007
Roberto Sanches Rabello

O TEATRO NA EDUCAÇÃO DO DEFICIENTE VISUAL


E A TEORIA DA PEÇA DIDÁTICA DE BRECHT

Roberto Sanches Rabello*

RESUMO

Este artigo tem como base um estudo de caso, realizado na Faculdade de


Educação da USP, que investigou as possibilidades, limites e significado da
utilização da língua teatral por um grupo de adolescentes deficientes visuais. O
nosso intuito é o de refletir a respeito da utilização do texto dramático Romeu
e Julieta como “modelo de ação” brechtiano, no experimento de teatro-educação
realizado no Instituto de Cegos da Bahia. Para isso, procuramos refletir a
respeito da particularidade da deficiência visual e da educação do cego, tomando
como referência empírica o processo de trabalho desenvolvido junto aos
adolescentes. Além das informações colhidas na literatura especializada em
deficiência visual, tomamos a teoria da peça didática de Brecht como referência
básica para ilustração do processo desenvolvido. O presente artigo mostra que
o teatro contribuiu para a reflexão de problemas de uma determinada
comunidade, atualizando o contexto de uma obra literária, mediante a imitação
de atitudes e ações corporais advindas do cotidiano dos participantes.
Palavras-chave: Arte-educação – Teatro-educação – Deficiência visual –
Cegueira – Peça didática

ABSTRACT

THEATER IN EDUCATION OF VISUALLY IMPAIRED PERSONS


AND BRECHT’S THEORY OF DIDACTIC PLAY
This article is based on a case study research realized at the USP (University
of Sao Paolo) School of Education. We investigated the possibilities, limits and
meaning of the use of the theatrical language with a group of visual deficient
adolescents. We intend to look upon the use of the dramatic text Romeo and
Juliet as a brechtian “model of action”, in the theater-education experiment
accomplished at the Bahia Institute for Blinds. Then, we tried to know in details
the particularities of the visual deficiency and blind person’s education, taking
as empirical reference the work process developed alongside the adolescents.
Besides the informations founded in the specialized literature in visual deficiency,

* Bacharel em Artes Cênicas (UFBA), mestre em Educação pela UFBA e doutor em Educação pela Universidade de São
Paulo (USP). Professor da Faculdade de Educação da Universidade Federal da Bahia (UFBA). Coordenador do projeto
“Ensino de arte e atendimento ao aluno com deficiência visual na rede estadual de ensino”, desenvolvido com o apoio
do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação Científica – PIBIC. Endereço para correspondência: Faculdade de
Educação da Universidade Federal da Bahia, Av. Reitor Miguel Calmon, s/n. Vale do Canela – 40110-100 Salvador/BA.
E-mail: bob@ufba.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007 159
O teatro na educação do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht

we took Brecht’s theory of didactic play as a basic reference to illustrate the


process. The present article shows that theater stimulate reflection about
problems within the community, updating the context of a literary work, through
imitation of attitudes and corporal actions from the daily life of the participants.
Keywords: Art-education – Theater-education – Visual deficiency – Blindness
– Didactic play

As reflexões deste artigo têm como base camente adolescentes que viviam em regime
uma pesquisa de maior abrangência, desenvol- de internato, ávidos por expressarem o explosi-
vida originalmente na Faculdade de Educação vo momento do despertar da sexualidade.
da Universidade de São Paulo – USP 1 . O es- Estudos e pesquisas vêm mostrando a difi-
tudo foi feito a partir do relato das oficinas de culdade dos professores em lidar com alunos
teatro realizadas no Instituto de Cegos da Bahia com necessidades educacionais especiais
- ICB, no período de março a dezembro de 1997. (COLL, 1995), inseridos, muitas vezes por for-
As preocupações surgidas no decorrer dessa ça da lei, em classe regular. Por outro lado, são
atividade provocaram a reflexão sobre os dife- praticamente inexistentes trabalhos que apon-
rentes elementos constitutivos da linguagem te- tem para formas efetivamente empregadas pelo
atral experimentados por meio do jogo teatral e professor de arte no desenvolvimento de pro-
da apropriação de um texto dramático. cessos lúdicos, afetivos, sensoriais e estéticos,
No presente momento, o intuito é o de ilus- sobretudo com alunos deficientes visuais.
trar, com base na teoria da peça didática de O que gostaríamos de discutir nesse proces-
Brecht, o momento em que os alunos do Insti- so é a apropriação do texto teatral e o significa-
tuto de Cegos da Bahia trabalharam com a peça do da experiência, para um grupo de adoles-
Romeu e Julieta de Shakespeare e refletiram centes, alguns sem nenhuma escolarização e
sobre a afetividade entre adolescentes que vi- que pouco conheciam sobre teatro. Eles mes-
vem em regime de semi-internato em institui- mos afirmavam que nunca tinham participado
ções mistas. de dramatizações e nunca tinham apreciado um
O texto dramático foi tomado como “mode- espetáculo teatral. Seria possível uma alfabeti-
lo de ação” brechtiano, ou seja, como forma de zação estética efetiva, no sentido do aprendiza-
imitação crítica e de reflexão a respeito das do de uma linguagem especificamente teatral?
relações entre os participantes da montagem As aulas de teatro deveriam ficar apenas no
teatral. As improvisações criadas a partir da nível da integração e sensibilização ou o traba-
peça teatral exercitaram maneiras de agir, pos- lho poderia ser encaminhado em direção ao
turas e falas cuja imitação consciente através aprendizado dessa linguagem, por meio da mon-
do jogo teatral, como lembra Steinweg (1992, tagem teatral?
p. 48), podem provocar “reflexão e crítica so- O posicionamento teórico do estudo, procu-
bre a sociedade e/ou sociabilidade, comunica- rando valorizar o conteúdo de teatro e os temas
ção interrompida, possibilidades atrofiadas de emergentes, tomou a teoria da peça didática
socialização, de associação”. como forma de espelhar e analisar a experiên-
A intenção ao divulgar essa experiência é, cia realizada. Embora não negando os benefí-
sobretudo, refletir sobre o significado do teatro cios terapêuticos do teatro enquanto expressão,
na educação da pessoa com deficiência visual. levantamos a hipótese do teatro enquanto lin-
Um dos aspectos relevantes deste trabalho é o
registro de uma prática pedagógica de ensino 1
Trata-se de um estudo de caso, orientado pela professora
de arte, em que o autor, mesmo não sabendo Dra. Elcie Fortes Salzano Masini, que investiga as possibili-
dades, limites e significado da utilização da língua teatral
inicialmente nada a respeito de alunos com de- por um grupo de adolescentes deficientes visuais (RABÊLLO,
ficiência visual, se propôs a alfabetizar esteti- 2003).

160 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007
Roberto Sanches Rabello

guagem comunicativa entre adolescentes defi- fundamental a exploração de novas formas de


cientes visuais, que pudesse ser aprendida por expressão e comunicação que transcendam o
meio do fazer e da apreciação teatral. Procu- discurso articulado, valorizem a dimensão ex-
rávamos ressaltar, dessa maneira, tanto o cará- periencial do conhecimento e a percepção do
ter intuitivo, subjetivo, emocional e coletivo do fenômeno estético, por meio da introdução do
fazer teatral, como também o seu valor enquanto jogo teatral e do texto dramático entre pessoas
forma de conhecimento que tem um conteúdo com deficiência visual.
próprio, relacionado com a manipulação expres- Devido a sua localização na fronteira entre
siva de seus elementos estruturais, cujo apren- diferentes áreas, este artigo tem, grosso modo,
dizado ajuda na compreensão da realidade dois pólos referenciais; um relativo à deficiên-
cotidiana, no jogo dialético do ser humano com cia visual e outro ao teatro como arte-educa-
o mundo. ção. Para as nossas reflexões utilizamos
Foi esse posicionamento teórico e político a referências sobre deficiência visual e sobre a
respeito do ensino de teatro como objeto de educação do cego, pois trabalhamos com seis
estudo que nos levou ao problema da aprendi- adolescentes, quase todos cegos congênitos, e
zagem da linguagem teatral pelos adolescentes queríamos entender melhor essa particularida-
deficientes visuais, que participaram das ofici- de. Além disso, com o sentido de mostrar o sig-
nas de teatro, e ao significado desse aprendiza- nificado da apropriação textual para os
do para o seu desenvolvimento. participantes, buscamos alguns conceitos e prin-
O estudo dos processos de aprendizagem cípios, tomados, sobretudo, da teoria da peça
do teatro por pessoas deficientes visuais se le- didática de Brecht, muito explorada no Brasil a
gitima em função do próprio significado da arte partir do trabalho de Koudela (1991, 1996).
para o conhecimento humano. A arte representa
uma das formas de captação da realidade, que
se complementa com a ciência, na compreen- A deficiência visual e a cegueira
são do ser humano e do mundo em que vive
(LANGER, 1962). Se não desenvolver o co- A vivência desenvolvida no Instituto de Ce-
nhecimento em arte, a pessoa não estará apta gos da Bahia estimulou a curiosidade de co-
a uma compreensão totalizadora da realidade. nhecer melhor as características peculiares das
Sabemos que a dimensão estética e artísti- pessoas que não enxergam, ou que têm visão
ca, entretanto, não vem sendo valorizada na reduzida. Procuramos saber mais sobre a ce-
nossa educação cartesiana, racionalista e ver- gueira, sobretudo a respeito do que é estar no
borrágica. No caso do deficiente visual os pro- mundo sem dispor da visão como sentido pre-
blemas se agravam, na medida em que o seu dominante, as desvantagens inerentes à própria
desenvolvimento e aprendizagem são definidos, deficiência, e as limitações causadas também
em geral, a partir de padrões adotados para os pelos estigmas sociais que se manifestam em
videntes, tendo a visão como pressuposto do estereótipos culturais e que terminam atingindo
conhecimento, não se levando em conta a sua efetivamente as pessoas cegas.
maneira diferente de perceber e relacionar-se A falta de informação das pessoas normal-
no mundo, sendo o seu corpo concebido e utili- mente leva a uma incompreensão a respeito da
zado como um mecanismo sem interioridade cegueira. Essa falta de compreensão faz com
(MASINI, 1994). que as capacidades sejam muitas vezes exage-
Diante do que ocorre no cotidiano das esco- radas ou subestimadas. A literatura específica
las brasileiras, com uma educação em que, con- procura desvelar os equívocos de uma falsa
forme Masini (1994), o conhecer tem como concepção de cegueira, desfazendo mitos e
pressuposto o ver, não se levando em conta a estereótipos e situando o problema no campo
totalidade do indivíduo, os processos corporais, educacional, relacionando-o com as diferenças
emocionais e as diferenças de percepção, é individuais. Dessa maneira, essa literatura

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007 161
O teatro na educação do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht

comprova que os sujeitos que nunca enxerga- tal que a leva a necessitar de recursos ópticos
ram não sentem falta da visão, não se sentem e educativos especiais.
compadecidos de si mesmos, não anseiam pela Amiralian (1997) observa que, do ponto de
luz, e a cegueira não tem um significado terrí- vista médico e educacional, cego não é apenas
vel para eles como tem para o vidente. A sua aquele que nada enxerga, geralmente em nú-
relação com os videntes é que vai denotar para mero reduzido, mas também os que conseguem
eles a cegueira como terrível. Os cegos com- distinguir o claro do escuro, percebem vultos e
preendem a falta que a vista representa, devi- contam dedos a uma determinada distância.
do às possibilidades dos que estão enxergando Para Lowenfeld (1957), psicologicamente cego
à sua volta. é quem sempre foi totalmente sem vista, ou que
Quando nos debruçamos sobre a literatura perdeu a visão antes dos cinco anos de idade e,
percebemos que não existe um conceito uni- conseqüentemente, não conserva ou utiliza lem-
versalmente aceito sobre cegueira, ou sobre branças visuais na aquisição de novos conheci-
deficiência visual, e que muitos são os critéri- mentos ou, em outras palavras, não consegue
os adotados para sua definição. Essas expres- pôr em termos de visão as suas impressões tá-
sões geralmente são utilizadas para caracterizar teis, cinestésicas, olfativas e auditivas, como os
a situação dos sujeitos privados da vista ou com videntes o fazem.
visão reduzida (também denominados pesso- Como acentua Ormelezi (2000), os avanços
as com “baixa visão” ou com “visão subnor- da própria prática educacional e clínica nos anos
mal”). setenta provocaram a mudança no enfoque da
Segundo o enfoque médico-oftalmológico, a deficiência visual, determinando uma nova de-
cegueira significa “uma redução da acuidade finição e classificação funcional, não mais com
visual central desde cegueira total (nenhuma base na acuidade visual, e sim na eficiência da
percepção de luz) até acuidade visual menor visão. Assim, as pessoas com baixa visão utili-
que 20/400 P (ou seja 0,05) em um ou ambos zam a visão residual para a leitura e a escrita,
os olhos, ou redução do campo visual ao limite com ou sem recursos ópticos de ampliação e
inferior a 10º”; e visão subnormal (visão re- para situações práticas da vida diária.
duzida) significa “a acuidade visual central Na contemporaneidade, esses conceitos são
maior que 20/400 até 20/70 (ou seja 0,3)” (BRA- discutidos com vistas a uma mudança de atitu-
SIL, 1995, p. 17). Entretanto, alguns autores con- de da sociedade frente à pessoa com deficiên-
sideram pouco apropriada essa delimitação pela cia. O estabelecimento das especificidades
acuidade visual para fins educacionais, consi- ganha uma conotação de respeito às diferen-
derando que o modo pelo qual uma pessoa uti- ças individuais e o sentido da inclusão de indiví-
liza a visão é mais importante que a medida de duos com deficiência nas escolas e nas
sua acuidade visual. atividades de trabalho e de lazer. Para Vygotsky:
Masini (1994), por exemplo, prefere adotar ... é necessário liquidar o isolamento a partir de
a definição, referente à deficiência visual, da uma educação do cego e apagar a demarcação
American Foundation for the Blind, na qual entre a escola especial e a escola normal. A edu-
criança cega é aquela que não pode ser educa- cação de uma criança cega na atualidade deve ser
da através da visão e que necessita, conseqüen- organizada nos mesmos termos da educação de
temente, de um programa educacional que utilize todas as crianças capazes de um desenvolvimen-
o sistema braile, aparelhos de áudio e demais to normal (...) a Ciência Moderna deve dar ao cego
equipamentos especiais necessários para que o trabalho social certo, não degradante, não filan-
alcance seus objetivos educacionais. A pessoa trópico (como tem sido a prática padrão até ago-
com visão subnormal é a que ainda conserva ra), mas em formas que correspondam à verdadeira
essência do trabalho (VYGOTSKY, 1989, p. 108).
visão útil como via de aprendizagem, não ne-
cessita do sistema braile, mas cuja deficiência Essa atitude, entretanto, parece não contem-
visual reduz o progresso escolar em extensão plar a totalidade do indivíduo nos estudos reali-

162 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007
Roberto Sanches Rabello

zados na área de deficiência visual. Masini teve muita influência nos trabalhos científicos
(1994) e Amiralian (1997) afirmam que a mai- sobre a cegueira, afirmava que a ausência de
oria das pesquisas sobre o deficiente visual está um dos sentidos aumentava o grau de acuidade
preocupada com a questão do desenvolvimen- dos sentidos restantes. Assim, uma pessoa cega
to cognitivo ou com a defasagem da comunica- teria em compensação os outros sentidos mais
ção do deficiente visual em relação ao vidente. apurados e uma conseqüente superioridade sen-
Sabemos que a cegueira limita variadas for- sorial em relação aos videntes. Hoje, sabemos
mas de informação sobre o ambiente externo, que as pessoas cegas não possuem melhor au-
ocasionando danos para o sujeito cego, que fica dição, tato, olfato ou paladar, somente pelo fato
impossibilitado de conhecer as características de serem cegas. Na verdade, elas utilizam os
do ambiente de forma rápida e eficaz. Confor- recursos a seu alcance para buscar a estimula-
me Amirialian (1997), a cegueira, ao limitar as ção em vias alternativas, o que exige uma edu-
possibilidades de apreensão do mundo externo cação adequada (COBO; RODRÍGUEZ;
e impor um peculiar processo perceptivo ao in- TORO BUENO, 1994, p.130).
divíduo, interfere no seu próprio desenvolvimento Nem a audição, nem as sensações táteis são
e ajustamento às situações comuns da vida, pro- em nada superiores, apesar das fantasias e len-
vocando uma mudança significativa na estrutu- das que tentam justificar feitos extraordinários
ração cognitiva e na organização e constituição atribuídos aos cegos. A capacidade para distin-
do sujeito psicológico. guir variações de peso, para determinar varia-
Além do mais, a visão, no cotidiano social, ções de pressão em diferentes pontos da pele,
geralmente aparece como pressuposto do co- a acuidade do paladar e do olfato, a capacidade
nhecimento. Masini trata da questão epistemo- para determinar pequenas mudanças de tem-
lógica da mistura confusa do conhecer e do peratura também não mostram superioridade
ver e revela que, dos cegos em relação aos videntes.
... histórica e etimologicamente, na civilização A educação tem que ser adaptada, pois o
ocidental, o “conhecer” se faz com o “ver”; o poder dos sentidos é influenciado pela atenção
“ver” é condição para o “conhecer” e em certas educada. Isso implica em atividade, aplicação
interpretações os dois significados se confun- cuidadosa da mente, concentração. Ademais,
dem. Daí se desvela a situação do deficiente vi- a percepção ocorre em um corpo “visto numa
sual de pertencer a uma cultura na qual o totalidade, na sua estrutura de relação com as
“conhecer” se confunde com uma forma de per- coisas ao redor” (MASINI, 1994, p.85). As-
cepção de que ele não dispõe; condição intensi-
ficada na sociedade de massa do século XX,
sim, as impressões sensoriais não ocorrem de
onde tudo se mostra ao olhar e é produzido para forma isolada, embora possa haver predominân-
ser visto (MASINI, 1994, p. 25-26). cia de um dos sentidos sobre os outros. A visão
parece sobrepor-se aos demais sentidos no caso
Numa cultura onde o saber se origina e de-
do vidente, mas, para o cego, a complementa-
pende basicamente da visão, cabe o questiona-
ção das fontes parece ser fundamental. Por isso,
mento da autora: “Como é o pensar daquele
geralmente as pessoas ficam intrigadas tentan-
que aí está e não é vidente? (...) Como se dá o
do entender como eles conseguem compreen-
conhecimento na ausência da visão?” (MASI-
der o mundo sem o sentido da visão, conside-
NI, 1994, p. 81).
rando-se que grande parte da compreensão do
vidente provém da visão.
A educação do deficiente visual Ao procurarmos informações sobre a defi-
ciência visual tivemos inicialmente dificuldade
Por muito tempo acreditou-se que a pessoa de encontrar na literatura conceitos ou propos-
privada da visão era providencialmente com- tas que compreendessem o sujeito na sua intei-
pensada pela maior acuidade dos sentidos res- reza. Neste sentido, encontramos em Masini
tantes. A teoria da compensação sensorial, que (1994) questionamentos e informações impor-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007 163
O teatro na educação do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht

tantes a respeito do que é estar no mundo sem passaremos a relatar ajudaram muito nesse
depender da visão como sentido predominante. sentido, terminando por integrar o jeito de ser
Isso nos ajudou a refletir melhor sobre o que os de cada um com o direito de sonhar conjunta-
deficientes visuais do grupo de teatro eram ca- mente, projetando um mundo mais feliz, agra-
pazes de fazer teatralmente e o que não cor- dável e prazeroso.
respondia às suas características.
Masini (1994) defende a busca das caracte-
rísticas do sujeito para se poder definir uma ori- O texto dramático como “modelo
entação apropriada para a sua educação, de ação” brechtiniano
mostrando que o corpo é um instrumento de com-
preensão e um caminho possível para conhecer O processo de improvisação teatral teve
a pessoa. A autora acentua a necessidade de como base a proposta de Spolin (1979), que parte
“buscar as raízes do conhecimento no mundo do pressuposto de que todas as pessoas são
vivido, no contato com a experiência original – capazes de atuar no palco e aprender através
na situação em que o sujeito, através do próprio da experiência criativa, desenvolvendo habili-
corpo (que sabe, que sente, que compreende) dades através do jogo teatral e transpondo o
encontra o objeto” (MASINI, 1994, p. 94). processo de aprendizagem para a própria vida.
Compreender o sujeito na sua inteireza sig- Sabemos que o teatro é uma linguagem que
nifica entender a diversidade e heterogeneida- se manifesta por meio de um sistema de signos
de da população. Uma pessoa que perde a visão de enorme riqueza, variedade e densidade, en-
tardiamente possui referências visuais que fa- volvendo não apenas o texto falado, mas incor-
cilitam o trabalho de expressão corporal. O porando a atitude corporal, a expressão física
momento do surgimento dos problemas visuais, do ator (a ação, o movimento, o gesto, a ex-
o grau de diminuição da visão, a forma como pressão facial), a sua localização no espaço,
aconteceu, a circunstância social, familiar e entre outros sistemas (KOWZAN, 1978, p.
psicológica, a própria aceitação da deficiência, 117). Este sistema de signos foi explorado nas
tudo isso pode exercer um efeito sobre o de- oficinas de teatro a partir de jogos tradicionais,
senvolvimento do indivíduo, o que termina por de jogos corporais e de improvisação teatral,
interferir no trabalho das oficinas de teatro. na perspectiva do aparecimento de temas do
No trabalho desenvolvido, verificamos a interesse dos alunos.
importância da percepção do modo como cada Para facilitar a aprendizagem dos participan-
pessoa utilizava os sentidos de que dispunha, tes das oficinas de teatro, seguimos um esque-
inclusive os resquícios de visão. A visão de luz ma pautado nos seguintes pontos: no fator de
e a percepção de vulto, por exemplo, ajudavam interação, envolvendo jogos com dinâmicas lú-
muito na locomoção, na interação com o outro dico-afetivas de união grupal, de cooperação e
e com o espaço, facilitando a agilidade no jogo de pesquisa sensorial; na exploração dos ele-
teatral. Como lembra Masini (1994), a ausên- mentos da linguagem teatral a partir da expres-
cia do sentido da visão muda o modo próprio de são corporal (movimento, ação, gesto, som),
estar no mundo e de relacionar-se, imprimindo antes mesmo da introdução da linguagem ver-
estilos de movimento e atitudes diferenciadas. bal; no aprofundamento de temas sugeridos nas
Além do mais, estamos nos reportando a improvisações, quando os atores combinavam,
um grupo de adolescentes em particular, que em pequenos grupos, a ação, os personagens e
tinha uma potencialidade afetiva muito gran- o ambiente que desejavam representa; e na
de. Pessoas cada vez mais unidas pela vonta- avaliação das cenas produzidas cotidianamen-
de de fazer teatro, de serem amigas umas das te, refletindo a respeito dos temas e da forma
outras, de refletir e de batalhar pelos seus so- criada coletivamente.
nhos, dividindo suas emoções e idéias com Nas improvisações e nas rodas de conversa
outros adolescentes. Os processos teatrais que que realizávamos para refletir sobre as vivên-

164 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007
Roberto Sanches Rabello

cias diárias foi que surgiu o tema do “amor proi- tranhar o que é habitual, assumindo uma po-
bido”, sugerido pelos participantes. Eles não sição crítica em relação ao que estava sendo
queriam falar sobre doenças, nem sobre pre- mostrado.
conceitos e estereótipos a respeito da cegueira, O que é distanciamento? Distanciar um fato ou
queriam falar do “amor proibido” pelas barrei- caráter é, antes de tudo, simplesmente tirar des-
ras institucionais, queriam tratar de situações se fato ou desse caráter tudo o que ele tem de
românticas, da dificuldade de afeto entre ado- natural, conhecido, evidente, e fazer nascer em
lescentes, sobretudo entre os que viviam em seu lugar espanto e curiosidade (...). Distanciar
regime de semi-internato, como era o caso de- é historicizar os fatos e personagens (BRECHT,
1967, p. 137-138).
les na época.
Além de falar de amor, os alunos queriam Com o aprofundamento e aplicação desses
mostrar para as pessoas que eram capazes de conceitos, Brecht (1967) procurou desenvolver
atuar teatralmente e de encenar uma peça. um teatro didático, com o intuito de atingir os
Esse desejo nos levou a uma montagem base- estudantes, os grupos amadores e os corais de
ada no “Romeu e Julieta“ de Shakespeare. trabalhadores, enfim, as pessoas que não fre-
Um texto clássico universal foi utilizado como qüentam o grande teatro, mas que desejam fa-
“modelo de ação”, colocando em pauta a proi- zer arte. Assim, o aluno/ator devia aprender, ao
bição do namoro.2 discutir o conteúdo social da peça e ao experi-
O processo de criação do espetáculo acon- mentar situações que despertassem o espírito
teceu de maneira lúdica, envolvendo situações crítico.
da peça teatral Romeu e Julieta, misturadas No processo de encenação das peças didá-
com situações representadas nas improvisações ticas, Brecht radicaliza a relação entre atores e
teatrais. Nas oficinas de teatro o texto de público, uma vez que a platéia não precisa se-
Shakespeare foi utilizado como modelo de quer existir, importando fundamentalmente a
ação, conceito brechtiano que não tem o senti- educação dos participantes. Essa forma de te-
do da reprodução por imitação fiel de situações atro, ao exigir uma preocupação maior com a
exemplares. Na proposta de Brecht, a monta- conscientização dos atuantes, favorece a sua
gem teatral é um exercício artístico coletivo que utilização como forma de conhecimento. Segun-
utiliza o texto como objeto de “imitação crítica” do a definição de Brecht, as peças didáticas
e investigação de relações construídas social- têm como objetivo ensinar não primordialmen-
mente. A peça não é entendida como uma có- te o público, mas sim aqueles que tomem parte
pia da realidade, mas sim como uma metáfora, de sua representação. Ela instrui pelo fato de
pois, segundo os princípios brechtianos, o cará- ser representada, e não pelo fato de ser vista,
ter estético do experimento teatral é um pres- pois, mesmo contando com a presença de um
suposto para os objetivos de aprendizagem público, o objetivo da encenação é o ensina-
(KOUDELA, 1996, p. 17). mento de atitudes sociais aos próprios atores:
Brecht é conhecido no mundo inteiro como A peça didática se diferencia da peça épica de
representante de um teatro crítico, que ele espetáculo, que exige a arte da interpretação.
denominava “épico” ou “dialético”, que se ca- Brecht sublinha que a principal função da peça
racterizava por uma forma de encenação e didática é a educação dos participantes do Kuns-
de uma técnica de atuação que despertava o takt (ato artístico). A peça didática ensina quan-
público da passividade, sobretudo pelo cará- do nela se atua e não através da recepção estética
ter demonstrativo do jogo do ator. Ao invés passiva (KOUDELA, 1996, p. 13).
de uma imitação da realidade, muito comum O texto é utilizado então como forma de
em um tipo de teatro ilusionista, e que provo- criação de alternativas de atuação (improvi-
ca a identificação passiva do espectador, o 2
O espetáculo teatral foi apresentado e discutido com mais
sistema brechtiano procurava um efeito de de seiscentos adolescentes em teatros e escolas, com apoio
distanciamento que levava o público a es- da UFBA e do Instituto de Cegos da Bahia.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007 165
O teatro na educação do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht

sação) que levem o ator a pensar sobre a sua trechos novos e improvisações produzidas pe-
própria realidade cotidiana. Por isso, não im- los alunos. Inclusive devido à pouca experiên-
porta a memorização mecânica de um texto, cia dos alunos na leitura em braile, utilizamos
sendo permitido inclusive a introdução de tre- apenas fragmentos do texto, como recurso para
chos de invenção própria, em função do alvo sua apropriação. O texto tornou-se um elemento
que se quer atingir. a mais no jogo teatral, e a sua modificação ocor-
Os princípios abordados oferecem grande reu naturalmente, em função da improvisação
contribuição para o ensino de teatro e servem dos alunos, permitindo a comparação direta com
para espelhar a experiência prática desenvolvi- situações de vida.
da no Instituto de Cegos da Bahia, sobretudo As insatisfações com o cotidiano apare-
no que se refere à apropriação do Romeu e ceram no exercício do fazer teatral, possibili-
Julieta como modelo de ação. tando a elaboração de uma questão que
colocava em dúvida as normas sociais esta-
belecidas, lançando um novo olhar sobre o
A apropriação do texto como ob- relacionamento entre os jovens e sobre o pró-
jeto de imitação crítica prio mito presente no Romeu e Julieta. O
foco, entretanto, se deslocou da instituição
O texto dramático tinha sido praticamente família para os internatos.
banido nas oficinas de teatro com crianças e O princípio do distanciamento, muito utili-
adolescentes nos anos 60, com o pressuposto zado por Brecht, também ajuda a espelhar o
de que prejudicaria a espontaneidade natural do trabalho. A história que vinha sendo mostrada
educando. Somente nos anos 70 e 80 as práti- no “aqui e agora” foi colocada em suspenso
cas de teatro-educação passaram a incorporar por um programa onde os atores da peça eram
o desafio da apropriação lúdica de textos dra- entrevistados, colocando-se ora como persona-
máticos, com o objetivo de enriquecer o imagi- gens, ora como atores que comentavam a ação
nário e ampliar a visão de mundo dos partici- da peça, discutindo até mesmo uma nova for-
pantes. ma de “solução para o caso de Romeu e Julie-
Essa tendência do teatro com preocupações ta”. A entrevistadora solicitava, inclusive, um
educacionais e lúdicas é reiterada nos Parâme- posicionamento dos atores e do público a res-
tros Curriculares Nacionais – Arte (BRASIL, peito da “proibição do namoro em instituições
1998), que destacam o texto como objeto de mistas”. O fato de diferentes argumentos e
imitação crítica e princípio unificador do pro- posicionamentos serem colocados, provocava
cesso pedagógico, desde que se possibilite a li- uma discussão sobre uma matéria polêmica e
berdade e diversidade de construções. de interesse coletivo.
No experimento educacional realizado, a Outra forma de distanciamento foi realiza-
encenação do texto de Shakespeare foi desen- da por meio do jogo de representação de um
volvida a partir de improvisações, que expres- mesmo papel por três atores diferentes, como
savam idéias comuns aos atores e ao texto. no exemplo da proposta em que três pessoas
Neste processo, a proposta brechtiana forne- representavam Romeu e três representavam
ceu um método para pensar a realidade. O jogo Julieta. O público não podia se identificar com
com o texto implicou em imitar, acrescentar o personagem central, de forma a ficar hipnoti-
novos elementos, novas cenas, novos diálogos zado, posto que percebia que era uma repre-
e ações, o que envolveu um processo de cria- sentação encenada por um grupo, onde três
ção e aprendizagem. atores representam o mesmo personagem. Esse
Não existia uma estrutura rígida a ser cum- recurso foi utilizado como forma de atender ao
prida, pois, na adaptação realizada, a história interesse de “mostrar que é teatro”, quebrando
do Romeu e Julieta era emoldurada por um a empatia com o personagem central, caracte-
programa de rádio que permitia a inserção de rística do teatro ilusionista.

166 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007
Roberto Sanches Rabello

Considerações finais desencadeador de sentimentos e idéias que pro-


picia o reconhecimento de problemas de sua
A experiência do Instituto de Cegos da Bahia própria comunidade e o relacionamento ação/
evidenciou que os processos teatrais têm a pos- reflexão. Os alunos adaptaram e atualizaram o
sibilidade de fornecer uma série de situações contexto da obra literária mediante a imitação
nas quais os alunos deficientes visuais se en- de atitudes e ações corporais advindas do coti-
contram motivados pela aprendizagem, exerci- diano, apossando-se do texto como “modelo”,
tando o fazer, a leitura e a observação/reflexão para interpretação da própria vivência ou do
do seu contexto cotidiano. grupo social no qual estavam inseridos.
Os processos teatrais empregados, que em Podemos, então, concluir pela possibilidade
nada diferem do método utilizado com atores do desenvolvimento de uma linguagem especi-
videntes, ajudaram a refletir coletivamente so- ficamente teatral entre os adolescentes que
bre a tarefa social de reconstrução da realida- participaram do experimento teatral. As aulas
de. Diferente de situações tradicionais de ensino, de teatro não ficaram apenas no nível da inte-
a aprendizagem não se desenvolveu por um gração e sensibilização, caminhando em dire-
processo passivo de escuta diante do professor ção ao aprendizado do teatro em consonância
e de assimilação de informações teóricas, mas com a apropriação de mundo.
pela ativação da relação teoria e prática reali- E um aspecto que muito contribuiu para essa
zada pela vivência crítica. aprendizagem do teatro entre os participantes
Esse método termina levando o aluno a va- das oficinas foi a linguagem verbal. A lingua-
lorizar seus próprios interesses, refletir sobre a gem, como principal elemento para a aprendi-
sua realidade, lidando com o cotidiano e com o zagem dos elementos sócio-culturais do meio
sentido da experimentação. Observamos que a ambiente, instrumento fundamental de comuni-
criação a partir do texto de Shakespeare pro- cação social, forneceu o nexo para a compre-
porcionou aos participantes a crítica de suas ensão da cena teatral, proporcionando relações
próprias experiências enquanto membros de uma com os colegas em cena e com as pessoas de
instituição social. uma platéia interna ao grupo, assim como os
Sustentamos a proximidade com os princí- meios de entendimento do ambiente onde se
pios brechtianos da peça didática, na medida passava a ação, dos personagens, da época.
em que o texto desencadeou processos que vi- Podemos, então, sugerir que, além da ex-
sam à reconquista de formas de expressão pelo pressão física no espaço e da integração da in-
participante, que imita um “modelo” com ges- formação sensorial recebida por outros canais,
tos, posturas, imagens que tornam reconhecí- que se facilite ao deficiente visual as informa-
vel algo que estava encoberto, revelando outras ções verbais possíveis, dado que esta lingua-
possibilidades de se perceber o que estava sen- gem constitui sua forma preferencial para
do mostrado. A atuação é essencial para o representar o mundo. A linguagem funciona
aprendizado porque permite a criação (cons- como integradora das percepções táteis, auditi-
trução de relações) e, conseqüentemente, a vas, olfativas, gustativas e, nas atividades tea-
aquisição do conhecimento. trais, quando era utilizada pelos alunos, assumia
As relações que se estabeleceram no confron- de fato essa função integradora.
to com o texto despertaram nos alunos um com- O teatro contribuiu para que os alunos pu-
portamento político. O objetivo de fazer teatro não dessem conhecer e compreender melhor seus
está dissociado do significado social e político do problemas, e o texto favoreceu essa compre-
cotidiano. Situações sociais típicas de um interna- ensão ao tratar do tema do namoro. A defesa
to foram reconhecidas e a sua experimentação de aspectos relacionados com a afetividade
jogou com a possibilidade de transformá-las. dentro do ICB aconteceu de maneira dramáti-
Assim, a estrutura dramatúrgica permitiu a ca, mas sem perder o humor que caracterizava
utilização do texto como “modelo de ação”, um as pessoas do grupo. Isso mostra que os pro-

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007 167
O teatro na educação do deficiente visual e a teoria da peça didática de Brecht

cessos teatrais podem colaborar para reverter de lado processos relacionados com o corpo, a
a situação contraditória de instituições como a união, a cooperação, a afetividade, a interação
escola, que pretende educar pessoas deixando e a dramaticidade.

REFERÊNCIAS

AMIRALIAN, M. L. T. M. Compreendendo o cego: uma visão psicanalítica da cegueira por meio de dese-
nhos-estórias. São Paulo: Casa do Psicólogo, 1997.
BRASIL. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Especial. Subsídios para organiza-
ção e funcionamento de serviços de educação especial: área de deficiência visual. Brasília, DF: MED, 1995.
_____. Ministério da Educação e do Desporto. Secretaria de Educação Fundamental. Parâmetros
curriculares nacionais: terceiro e quarto ciclos do ensino fundamental: arte. Brasília, DF: MED, 1998.
BRECHT, Bertolt. Teatro dialético. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1967.
COBO, A. D.; RODRÍGUEZ, M. G.; TORO BUENO, S. T. Aprendizaje y deficiencia visual. In: MARTÍN,
Manuel; TORO BUENO, Salvador (Coord.). Deficiência visual: aspectos psicoevolutivos y educativos.
Archidona, Málaga: Aljibe, 1994. p. 129-144.
COLL C., PALACIOS J., MARCHESI, A. (Org.) Desenvolvimento psicológico e educação: necessidades
educativas especiais e aprendizagem escolar. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995.
KOUDELA, Ingrid Dormien. Brecht: um jogo de aprendizagem. São Paulo: Perspectiva, 1991.
_____. Texto e jogo. São Paulo: Perspectiva, 1996.
_____. (Org.). Um vôo brechtiano: teoria e prática da peça didática. São Paulo: Perspectiva: FAPESP, 1992.
KOWZAN, Tadeusz. Os signos no teatro: introdução à semiologia da arte do espetáculo. In: GUINSBURG, J.;
COELHO NETO, Teixeira; CARDOSO, R. C. (Org.). Semiologia do teatro. São Paulo: Perspectiva, 1978. p. 93-123.
LANGER, Suzanne K. Ensaios filosóficos. Tradução de Jamir Martins. São Paulo: Cultrix, 1962.
LOWENFELD, Berthold. A criança e seu mundo. Tradução de J. Espínola Veiga. Revista Lente. São Paulo,
Fundação para o Livro do Cego do Brasil, v. 1, n. 1, p. 23-31, jan./abr. 1957.
LUDKE, Menga; ANDRÉ, Marli. E. D. A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.
MASINI, Elcie F. Salzano. O perceber e o relacionar-se do deficiente visual: orientando professores
especializados. Brasília: CORDE, 1994.
ORMELEZI, Eliana Maria. Os caminhos da aquisição do conhecimento e a cegueira: do universo do corpo
ao universo simbólico. 282 f. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo,
São Paulo, 2000.
RABÊLLO, Roberto Sanches. Análise de um experimento de teatro-educação no Instituto de Cegos da
Bahia: possibilidades de utilização da linguagem teatral por um grupo de adolescentes. Tese (Doutorado) –
Faculdade de Educação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.
SPOLIN, Viola. Improvisação para o teatro. Tradução de Ingrid Dormien Koudela e Eduardo José de Almeida
Amos. São Paulo: Perspectiva, 1979.
STEINWEG, Reiner. Indicadores de um caminho pela Balinésia: por um teatro associal. In: KOUDELA, Ingrid
Dormien. Um vôo brechtiano: teoria e prática da peça didática. São Paulo: Perspectiva: FAPESP, 1992. p. 47-73.
VYGOTSKY, L. S. A formação social da mente: o desenvolvimento de processos psicológicos superiores.
São Paulo: Martins Fontes, 1991.
_____. Fundamentos de defectología. Havana, Cuba: Editorial Pueblo y Educación, 1989. Tomo 5 (Obras
Completas).

Recebido em 30.09.06
Aprovado em 26.10.06

168 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 159-168, jan./jun., 2007
Marisa Pinheiro Mourão; Lázara Cristina da Silva

NO SILÊNCIO DOS SONS: MÚSICA E SURDEZ


construindo caminhos

Marisa Pinheiro Mourão *


Lázara Cristina da Silva **

RESUMO

Este estudo diz respeito a uma pesquisa realizada de acordo com a abordagem
qualitativa, sendo mais precisamente um estudo de caso. Seu objetivo geral é
discutir as contribuições da música no desenvolvimento cognitivo de crianças
surdas. As fontes pesquisadas e analisadas demonstraram a possibilidade de a
música fazer parte do cotidiano de crianças surdas e ser utilizada como ação
pedagógica, pois constitui uma fonte de expressão, prazer e interação.
Identificou-se o interesse das crianças em conhecer mais sobre a música;
porém, para a maioria das pessoas, ela é privilégio do mundo dos ouvintes e,
por isso é retirada da vida dos surdos. Além disso, poucas pesquisas com esse
tema são realizadas nesta área de estudos. Para que a música esteja ao alcance
dessas crianças, muitas transformações precisam ocorrer nos conceitos da
maioria das pessoas. A principal delas é acreditar no potencial dos surdos, não
rotulá-los e não desacreditar no seu potencial, tendo por base apenas a sua
surdez. Os surdos, assim como os ouvintes, têm o direito de conhecer a música
e expressar sua musicalidade, cabendo, portanto, aos educadores e à família
ampliar sua visão educacional e lhes possibilitar o maior número de experiências
prazerosas, que contribuíam com o seu desenvolvimento global.
Palavras-chaves: Surdez – Música – Desenvolvimento cognitivo

ABSTRACT

IN THE SILENCE OF THE SOUNDS: MUSIC AND DEAFNESS -


Constructing Ways
This paper is based upon a qualitative case study. Its main object is to discuss
the music contribution in the cognitive development of deaf children. The
literature researched and analyzed showed the possibility of music making part
of the deaf children’s daily life and being used in pedagogical action, because it

* Graduanda em pedagogia pela Universidade Federal de Uberlândia. Endereço para correspondência: Universidade
Federal de Uberlândia, Avenida João Naves de Ávila, 2121, Campus Santa Mônica, Bloco G – 38408-100 Uberlândia-
MG. E-mail: marisapmourao@yahoo.com.br
** Orientadora. Professora da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Uberlândia. Endereço para corres-
pondência: Universidade Federal de Uberlândia, Avenida João Naves de Ávila, 2121, Campus Santa Mônica, Bloco G
– 38408-100 Uberlândia-MG. E-mail: lazara@ufu.br

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 169-182, jan./jun., 2007 169
No silêncio dos sons: música e surdez: construindo caminhos

constitutes a source of expression, pleasure and interaction. The interest of


part of the children to know more about music was identified, but, to the majority
of the people, music is a privilege of the listener world and because of this, it is
taken away from the deaf life and few researches are made in this field. To
make music available for these children, a lot of changes must be done in the
concepts of most people, the main one is to believe in the deaf people’s potential
and not label or disbelieve them because they can’t hear. Deaf people, just as
the listeners, have the right to know music and express themselves musically.
It’s up to teachers and parents, to broaden their educational vision and make
possible the greatest number of pleasure experiences, thus contributing to their
global development.
Keywords: Deaf – Music – Cognitive development

Este artigo é o resultado de uma pesquisa no escolar significa ampliar a variedade de lin-
monográfica, realizada no ano de 20031 , que guagens e permitir a descoberta de novos ca-
aborda a possibilidade da presença da música minhos de aprendizagem. É antes de tudo um
na vida de crianças surdas, considerando a sua fazer artístico, é explorar e trabalhar a sensibi-
grande influência no cotidiano das pessoas em lidade humana.
geral e a sua exclusão da vida dos surdos. Pre- Salienta-se, ainda, que música tem grande
tendeu-se com este trabalho conscientizar as repercussão sobre a identidade das pessoas, sua
pessoas de que o surdo pode, assim como os auto-estima, expressividade, socialização, alfa-
ouvintes, ser um sujeito musical. betização, capacidade inventiva, raciocínio, sen-
A música está presente na humanidade des- sibilidade e percepção sonora, contribuindo
de muito cedo. Afinal, todo ser humano nasce também para o desenvolvimento cognitivo.
num mundo rodeado de sons, e a qualidade e Entretanto, a prática musical tem sido, ao
quantidade desses sons dependerá do ambi- longo dos tempos, pouco utilizada como recur-
ente em que se vive. O poder da música na so didático, embora este seja um valioso aliado
humanidade é objeto de estudo de vários cien- na educação de forma geral e esteja presente
tistas que procuram comprovar os benefícios na vida das pessoas desde muito cedo. Funda-
trazidos por ela na busca de uma vida melhor. mentando-se na sua contribuição e significado
Em toda a história a música esteve presente para a educação, surge a questão central desse
como forma de expressão, de protestos, de fes- estudo: a música está presente no cotidiano das
tividades e de cultura. Nesse contexto, a cri- pessoas de forma geral. No entanto, qual o es-
ança entra em contato com a atividade musical paço que ela tem ocupado na vida escolar e
desde muito cedo, uma vez que esta já faz par- familiar de crianças surdas? Estas ao menos
te de sua vida. sabem o que é música?
A música é a linguagem que se traduz em Para muitos, discutir a música para os sur-
formas sonoras capazes de expressar sensa- dos é uma tarefa impossível; mas é importante
ções, sentimentos e pensamentos. Está presente lembrar que, neste trabalho, procurou-se per-
em todas as culturas, no cotidiano das pessoas, ceber se a música poderia contribuir para o
sendo capaz de integrar aspectos afetivos, lin- desenvolvimento cognitivo enquanto ação pe-
güísticos e cognitivos, assim como possibilitar a dagógica, buscando aproximar os surdos da
interação social. Ela é um importante meio de
comunicação existente em nossa vida e, por isso, 1
Este estudo ocorreu num período de um ano, sendo que os
primeiros seis meses foram dedicados ao estudo sobre o
é parte do contexto educacional, particularmen- tema e os últimos meses à coleta, análise de dados e cons-
te na educação infantil. Trabalhá-la no cotidia- trução do texto final da monografia.

170 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 169-182, jan./jun., 2007
Marisa Pinheiro Mourão; Lázara Cristina da Silva

música e não fazê-los entender as proprieda- fissional, através de melhor capacitação para o
des do som e da música em si, pois isto requer atendimento de pessoas surdas, haja vista o
um trabalho mais longo, com a ajuda de profis- aumento da presença de crianças surdas no
sionais da área da música. ambiente escolar e as dificuldades dos profissi-
É comum a indagação sobre a possibilidade onais para atuarem na área de forma a propici-
dos surdos perceberem e sentirem as vibrações ar o desenvolvimento satisfatório deste grupo
musicais. Há, relativamente, poucas pesquisas de aprendizes.
nesta área, mas a relação entre o surdo e a Como objetivo geral deste trabalho, buscou-
música se torna possível através das vibrações se estudar e analisar as contribuições da músi-
e dos recursos sensório-táteis. Ou seja, eles ca para o desenvolvimento cognitivo das
sentem a música através da pele e das suas crianças surdas de sete a onze anos, da 1ª e 2ª
vibrações. Ao explorar as potencialidades dos séries do ensino fundamental de uma escola
surdos na música, torna-se necessário reforçar pública municipal de Uberlândia – Minas Geri-
e explorar as sensações que nascem de infor- as, procurando descobrir o espaço que ela po-
mações recebidas pelas vias não-auditivas, deria ocupar no desenvolvimento cognitivo e
como as vibrações sentidas pelo corpo ou sen- escolar dessas crianças, para, posteriormente,
sações advindas do tato, que servem de apoio identificar e compreender o contato e/ou co-
no processo de percepção corporal e sonora nhecimento que este grupo de aprendizes pos-
deste grupo de pessoas. suía sobre a música. Constituíram os objetivos
O ser humano possui um potencial ilimitado, específicos a investigação e a análise de como
incluindo o potencial do surdo para a música, o professor utilizava a música no espaço esco-
apoiado em suas sensações táteis, corporais, e lar, de como a família desse grupo de crianças
até mesmo auditivas (resíduos auditivos). Segun- a utilizava no contexto familiar e, em caso afir-
do Almeida (2000), desenvolver a capacidade mativo, como isto acontecia.
sensorial, cognitiva e física do surdo poderá aju- Optou-se por realizar um estudo de caso
dá-lo na inserção social, pois, ao se demonstra- qualitativo, envolvendo alunos de uma escola
rem possibilidades e habilidades, adquire-se municipal da cidade que possuía um grande
respeito e conseqüentemente autoconfiança, es- número de aprendizes surdos e realizava um
tabelecendo-se, assim, condições para a intera- trabalho diferencial na área da surdez. A esco-
ção com seu meio social de maneira cada vez lha por esse tipo de metodologia aconteceu por-
mais espontânea e independente, já que se sentir que nela todas as partes envolvidas têm
capaz e participante é essencial para todos. liberdade de participar do processo de conheci-
É fundamental começar uma pesquisa con- mento e serem reconhecidas como sujeitos;
siderando que todas as pessoas podem apren- afinal, a construção do conhecimento é um pro-
der. O que varia são os caminhos utilizados por cesso coletivo, não se limitando a dados isola-
cada um. Cada pessoa possui experiências e dos, em que todos podem ter o direito de propor
aptidões internas diferenciadas que a ajudam a alternativas, soluções e estratégias propícias
fazer seus elos cognitivos e estruturar seus co- para o desenvolvimento da pesquisa.
nhecimentos. Como dizia Villa Lobos, “a músi- A escola objeto desse estudo recebia apren-
ca é um direito de todos” e, com tal frase, dizes surdos de diversos bairros da cidade, for-
conclui-se que, se a música é um direito de to- necendo-lhes atendimento na primeira fase do
dos, por que privar os surdos de entendê-la, dis- ensino fundamental. Ela possuía, ao todo, qua-
cuti-la, apreciá-la e, até mesmo, de tornar-se renta e oito alunos surdos matriculados em sa-
um músico? las regulares de surdos, segundo a série em
As pesquisas nessa área ainda estão sendo curso, e o seu corpo docente compunha-se de
delineadas, mas crê-se na sua importância para professores que conheciam e utilizavam a Lín-
o meio acadêmico-científico no sentido de au- gua de Sinais Brasileira como meio de comuni-
mentar as possibilidades de enriquecimento pro- cação e educação.

Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 169-182, jan./jun., 2007 171
No silêncio dos sons: música e surdez: construindo caminhos

A entrevista semi-estruturada foi utilizada ciados, porém politicamente interdependentes,


como técnica para coleta de dados, pois ao que Skliar (1998) define como uma diferença
mesmo tempo em que ela valoriza a presença política e uma experiência visual2 , caracteriza-
do investigador, também dá espaço para que o da por múltiplas identidades e localizada dentro
sujeito investigado tenha liberdade de partici- do discurso da deficiência.
par e enriquecer a investigação. Para entender como o sujeito surdo se rela-
Foram entrevistados diferentes grupos de ciona socialmente, é necessário entender alguns
pessoas, tais como pais, alunos e professores, o conceitos que permeiam a educação especial,
que contribuiu para o enriquecimento da pesqui- tais como o conceito de integração social, e de
sa, uma vez que estes puderam apresentar al- inclusão social e os modelos clínico-terapêutico
guns pontos importantes que ainda não foram e sócio-antropológico.
abordados nas pesquisas desta área. Na entre- O primeiro deles é o conceito de integração
vista com as crianças, dedicou-se atenção a ques- social que, segundo Sassaki (1999), consiste no
tões relativas à sua percepção sobre a música e esforço de inserir na sociedade pessoas com
sobre o seu conhecimento prévio sobre a temáti- deficiência que alcançaram um nível de com-
ca. Os professores foram questionados sobre a petências compatíveis com os padrões sociais
possibilidade de implantação da música na práti- vigentes. A integração insere a pessoa com
ca pedagógica, e se esta já foi utilizada neste deficiência sensorial e/ou física na sociedade,
contexto. Perguntou-se aos pais se eles consi- mas desde que esta esteja capacitada para su-
deravam a música importante na educação de perar as barreiras físicas e atitudinais existen-
seus filhos e se achavam que ela poderia contri- tes neste contexto. Ou seja, a sociedade aceita
buir para melhorar a sua inclusão na sociedade. de braços cruzados a pessoa, desde que esta
Para todos, o questionamento principal que se seja capaz de se moldar a ela.
realizou foi: a música, ao ser utilizada como ins- Já a inclusão social é um processo pelo qual
trumento pedagógico, contribui para o aprendi- a sociedade se adapta para poder incluir, em
zado de crianças surdas? Ela pode estar presente seus sistemas sociais, pessoas com necessida-
na vida desse grupo de aprendizes? des especiais, enquanto que, simultaneamente,
Com o objetivo de auxiliar a compreensão estas se preparam para assumir seus papéis na
do leitor sobre a temática discutida, inicialmen- sociedade. “A inclusão constitui um processo
te apresenta-se o conceito de surdez e as suas bilateral no qual as pessoas, ainda excluídas,
implicações no imaginário social e educacional; buscam equacionar problemas, decidir e efeti-
em seguida trata-se das contribuições da músi- var a equiparação de oportunidades para todos”
ca para o desenvolvimento cognitivo em geral, (SASSAKI, 1999, p. 42).
para posteriormente se discutir a música e a O que se tem percebido é que essa inclu-
surdez, que são o foco deste artigo. são, tão teorizada e idealizada, não acontece na
realidade como deveria, pois muitas vezes os
surdos são colocados em uma sala com alunos
1. Repensando o conceito de surdez ouvintes, sem a ajuda de um intérprete que do-
mine a Língua Brasileira de Sinais - LIBRAS,
O termo ‘surdo’ é carregado, no imaginário prejudicando, assim, o ritmo e a compreensão
social, de estigma, de estereótipo, da noção de educacional, uma vez que não são atendidas as
deficiência, mas o que afinal o sujeito surdo tem suas necessidades educativas básicas. A inclu-
de diferente? Por que não se pode repensar o são, que deveria ser uma porta que se abre para
modo de vê-los? É urgente a necessidade de 2
Skliar (1998) não restringe o visual a uma capacidade de
uma nova visão sobre o sujeito surdo, que é di- produção e compreensão especificamente lingüística ou a
ferente e não deficiente. uma modalidade singular de processamentos cognitivos.
Experiência visual envolve todo tipo de significações ou
O conceito de surdez que será adotado nes- produções, seja no campo intelectual, lingüístico, ético, es-
te trabalho terá por base quatro níveis diferen- tético, artístico, cognitivo, cultural, etc.

172 Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, Salvador, v. 16, n. 27, p. 169-182, jan./jun., 2007
Marisa Pinheiro Mourão; Lázara Cristina da Silva

o aperfeiçoamento da educação de pessoas referência os seus potenciais e não a sua ‘defi-


com necessidades especiais, acaba sendo mais ciência’, e proporcionando-lhe autonomia e in-
um fator negativo e segregacionista na educa- dependência social, econômica e pessoal.
ção de sujeitos surdos.