Você está na página 1de 94

Extrato do Projeto

Pedagógico
O CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS

Nome do Curso
Bacharelado em Ciências Contábeis

Endereço de funcionamento
Rua Arthur de Azevedo Machado, nº1225, Ed. Civil Towers – Torre 2 Costa Azul - Salvador - Bahia

Atos Legais
Autorização: Port. MEC nº 1.465 de 29/12/1998

Reconhecimento: Port. MEC nº 1.435 de 13/06/2003

Renovação de Reconhecimento: Portaria MEC nº 458 11/06/2015 (DOU 12/06/2015)

Número de Vagas
150

Turno de Funcionamento
Noturno

Nota do ENADE: 2

CPC: 2

Conceito do Curso: 4

2
2. MISSÃO DO CURSO

A Formação de Bacharéis em Ciências Contábeis capazes de compreender as questões científicas,


técnicas, sociais, econômicas e financeiras, inerentes à profissão contábil, com utilização de inovações
tecnológicas, que contribuem decisivamente para o sucesso das organizações empresariais e da
sociedade.

3
3. OBJETIVOS DO CURSO (GERAL E ESPECIFICOS)

Objetivo Geral
Formar profissionais com conhecimentos multidisciplinares e holísticos, capazes de desenvolver
qualitativamente as atividades inerentes às especializações da Ciência Contábil, num cenário nacional e
internacional.

Objetivos Específicos
Formar técnica e cientificamente profissionais especializados, habilitados a atuar como Auditores,
Peritos, Controllers, Contadores de empresas/entidades públicas, privadas e do terceiro setor, ou seja,
profissionais que tenham formação generalista e especializada, com os seguintes pressupostos:

 Compreender as questões técnicas científicas, e a interdisciplinaridade das Ciências Contábeis


com outras Ciências;
 Utilizar adequadamente os recursos e inovações tecnológicas na execução de suas atividades;
 Ter conhecimento adequado das Ciências Atuariais e de quantificações, patrimoniais,
econômicas e financeiras relacionados a organizações, governamentais e não governamentais
para aplicações em empresas/entidades do setor público e privado;
 Planejar e gerenciar os sistemas de informações contábeis, alinhando-os aos objetivos
estratégicos dos negócios das organizações;
 Atuar socialmente e profissionalmente de forma ética, com claro conhecimento desses valores;
 Entender o seu papel social enquanto profissional responsável por fazer a interface entre o
empreendedor e o Estado.

4
4. COMPETENCIAS E HABILIDADES

Em conformidade com as necessidades atuais do mercado de trabalho, o Centro Universitário Estácio da


Bahia desenvolve no curso de Ciências Contábeis, competências e habilidades profissionais, que
habilitam seus egressos pleno engajamento as demandas exigidas pelas organizações empresariais

5
5. PERFIL DO EGRESSO

O perfil do Bacharel em Ciências Contábeis que a Estácio pretende formar é de profissionais dotados de
conhecimentos multidisciplinares e holísticos, aptos a desenvolver suas atividades num cenário nacional
e internacional, com as seguintes habilidades e competências:

 Elaborar pareceres e relatórios, observando adequadamente a legislação societária e fiscal para


a geração de demonstrativos que atendam aos interesses dos usuários internos e externos;
 Ter habilidade de se expressar oralmente e por escrito;
 Desenvolver, analisar e implantar sistemas de informação contábil e de controle;
 Auxiliar profissionais das outras áreas a compreender forma com que os sistemas de
informações contábeis podem contribuir para as áreas de negócio;
 Ter domínio das funções contábeis, bem como noções de atividades atuariais;
 Conhecer as ciências administrativa, jurídica, econômica;
 Desenvolver o processo de “decisão ação informação controle”, para auxiliar os gestores na
tomada de decisões;
 Observar e aplicar adequadamente os Princípios de Contabilidade;
 Liderar e participar de grupos;
 Ser criativo e inovador na proposição de soluções para os problemas e oportunidades
identificados nas organizações;
 Ter cultura internacional e responsabilidade social;
 Exercer com ética e zelo as atividades inerentes a sua profissão, observando o Código de Ética
Profissional do Contabilista;
 Controlar, analisar e projetar custos de atividades, produtos e serviços.

6
6. MATRIZ CURRICULAR

ESTRUTURA CURRICULAR

CIÊNCIAS CONTÁBEIS - GRADUAÇÃO

Carga Horária
1º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
CONTABILIDADE BÁSICA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
CONTABILIDADE E MERCADO DE TRABALHO PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
ANALISE TEXTUAL (EAD) OBRIGATÓRIA 36 0 0
PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO (EAD) OBRIGATÓRIA 36 0 0
PROFISSIONAL
FUNDAMENTOS DE MATEMATICA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
TOTAL: 06 Disciplinas
Carga Horária
2º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
FUNDAMENTOS DE DIREITO EMPRESARIAL E (EAD) OBRIGATÓRIA 36 0 0
TRIBUTARIO
CONTABILIDADE COMERCIAL E FINANCEIRA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
ADMINISTRAÇÃO DE NOVOS NEGOCIOS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
ESTATISTICA APLICADA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
FUNDAMENTOS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
FUNDAMENTOS DE ECONOMIA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIARIA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
TOTAL: 07 Disciplinas
Carga Horária

7
3º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
PSICOLOGIA NAS ORGANIZAÇÕES (EAD) OBRIGATÓRIA 36 0 0
ANÁLISE ESTATÍSTICA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
CONTABILIDADE DE CUSTOS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 44
TEORIA DA CONTABILIDADE PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
TOTAL: 05 Disciplinas
Carga Horária
4º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
CONTABILIDADE E GESTÃO TRIBUTÁRIA I PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
APURAÇÃO E ANÁLISE DE CUSTOS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTABILIDADE GERENCIAL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
PRÁTICA CONTÁBIL INFORMATIZADA I PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 0 36 44
METODOLOGIA DA PESQUISA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
MATEMATICA FINANCEIRA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
TOTAL: 06 Disciplinas
Carga Horária
5º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
GESTÃO ATUARIAL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
PRÁTICA CONTÁBIL INFORMATIZADA II PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 0 72 0
CONTABILIDADE SOCIETÁRIA I PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
COMUNICAÇÃO NAS EMPRESAS PRESENCIAL ELETIVA 36 0 0
CONTABILIDADE SOCIAL (EAD) ELETIVA 36 0 0
NEGÓCIOS ELETRÔNICOS (EAD) ELETIVA 36 0 0
FILOSOFIA, ETICA E CIDADANIA (EAD) ELETIVA 36 0 0
SUSTENTABILIDADE (EAD) OPTATIVA 36 0 0
TOTAL: 09 Disciplinas
Carga Horária

8
6º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
INFORMAÇÃO
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
CONTABILIDADE E GESTÃO TRIBUTÁRIA II PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
CONTABILIDADE SOCIETARIA II PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
AUDITORIA OPERACIONAL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
TOTAL: 05 Disciplinas
Carga Horária
7º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 264
CONTÁBEIS
ORÇAMENTO EMPRESARIAL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
ORÇAMENTO PÚBLICO (EAD) OBRIGATÓRIA 36 0 0
AUDITORIA CONTABIL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
TÓPICOS ESPECIAIS EM CONTABILIDADE PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM CIÊNCIAS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTÁBEIS
TOTAL: 06 Disciplinas
Carga Horária
8º PERÍODO Modalidade Tipo T P AE
COMPETÊNCIAS GERENCIAIS (EAD) ELETIVA 36 0 0
TÓPICOS EM LIBRAS: SURDEZ E INCLUSÃO (EAD) OPTATIVA 36 0 0
DIREITOS HUMANOS (EAD) OPTATIVA 36 0 0
EDUCAÇÃO AMBIENTAL (EAD) OPTATIVA 36 0 0
HISTORIA DOS POVOS INDIGENAS E AFRO (EAD) OPTATIVA 36 0 0
DESCENDENTES
CONTROLADORIA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTABILIDADE INTERNACIONAL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTABILIDADE PÚBLICA PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 44
PERICIA CONTABIL PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0

9
TCC EM CIENCIAS CONTABEIS PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 0 36 44
MERCADO FINANCEIRO PRESENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
TOTAL: 11 Disciplinas

TOTAL DE HORAS OBRIGATÓRIAS 1836 T P AE


1.800 144 748
OPTATIVAS 180 0 0

ELETIVAS 72
ATIVIDADES COMPLEMENTARES 300
ESTÁGIO FORA DA MATRIZ 0

TOTAL DE HORAS MÍNIMAS + ELETIVAS + ATIVIDADES 3.100


COMPLEMENTARES + ESTÁGIO FORA DA MATRIZ

6.1 Tempo de Integralização


O Curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Estácio da Bahia organiza-se em 08 (oito)
semestres, ou seja, 04 (quatro) anos, totalizando uma carga horária de 3.100 (três mil e cem) horas.

6.2 Requisitos Legais


Em cumprimento aos requisitos legais a matriz curricular contempla a disciplina de “Tópicos em Libras:
Surdez e Inclusão” (Dec. N° 5.626/2005) ofertada na modalidade EAD como optativa no 8º semestre.
Quanto ao cumprimento das Diretrizes Curriculares Nacionais para Educação das Relações Étnico-raciais
e para o Ensino de História e Cultura Afro-brasileira e Indígena (Lei n° 11.645 de 10/03/2008; Resolução
CNE/CP N° 01 de 17 de junho de 2004) temos às disciplinas de “História dos Povos Indígenas e Afro
Descendentes” e “Direitos Humanos” onde são abordadas as respectivas temáticas.

10
Vale ressaltar também o cumprimento da Política de educação ambiental (Lei nº 9.795, de 27 de abril de
1999 e Decreto Nº 4.281 de 25 de junho de 2002) evidenciadas nas disciplinas de: Educação Ambiental e
Sustentabilidade.

6.3 Contextualização Disciplinas on line (EAD)

Em obediência ao princípio da contextualização, a ESTÁCIO FIB optou também pela ampliação das ações
educativas a distância, compreendendo a EAD como uma modalidade educativa que permite eliminar
barreiras e atender níveis, ritmos e estilos de aprendizagem diferenciados, garantindo uma maior
adaptação às características psicopedagógicas dos alunos e favorecendo uma aprendizagem mais
significativa. A escolha destas disciplinas seguiram um rigoroso critério entre a possibilidade de
oferecimento no formato através de discussões do NDE’s dos cursos, colegiados e coordenações. Assim,
seguem abaixo as disciplinas que são ofertadas, no curso, na modalidade de educação à distância.

Disciplinas que compõem as Mínimas Obrigatórias: Análise Textual, Planejamento de Carreira e Sucesso
Profissional, Fundamentos de Direito Empresarial e Tributário, Psicologia nas Organizações e Orçamento
Público.

Disciplinas Eletivas: Contabilidade Social, Negócios Eletrônicos, Filosofia, Ética e Cidadania,


Competências Gerenciais.

Disciplinas Optativas: Sustentabilidade, Tópicos em Libras Surdez e inclusão, Direitos Humanos,


Educação Ambiental e História dos Povos Indígenas e Afro Descendentes.

11
7. INFRAESTRUTURA E SERVIÇOS DE LABORATORIO ESPECIALIZADO

O Centro Universitário Estácio da Bahia - Estácio FIB possui 19 laboratórios de informática que são
compartilhados com todos os cursos, priorizando o uso para aqueles que ofertam disciplinas de
conteúdo prático, como é o caso do curso de Ciências Contábeis. Além destes, para cumprir com a sua
proposta pedagógica o Curso de Bacharelado em Ciências Contábeis, possui um laboratório específico
de Prática Contábil, constituído por três mesas, 8 cadeiras, dois computadores, uma impressora, um
arquivo e um telefone, com o objetivo de desenvolver o seguinte plano de ação:

Ação/Atividade Providências
Informar os procedimentos e normas de cadastro do MEI ao micro
MEI – Micro
empreendedor.
Empreendedor
Acompanhamento do cumprimento das obrigações dos
Individual
empreendedores.
Constituição da empresa:
 Registro SUCOM
 Junta Comercial
 Receita Federal
Acompanhamento contábil e fiscal
Orientação aos sócios
 Escrituração do Diário, Razão
da microempresa e
 Demonstrações contábeis
empresa de pequeno
 Entrega das declarações: DIRF, DCTF, DACON, DIPJ e Declaração
porte
SUPER SIMPLES
 Procedimentos de emissão de Nota Fiscal Eletrônica
Orientação dos procedimentos de baixa da empresa na Junta Comercial
e Receita Federal.
Verificação de pendências na Receita Federal de empresas desativadas.
Preenchimento da Declaração de Imposto de Renda de Pessoa Física.
Imposto de Renda de
Orientar os contribuintes do Imposto de Renda de Pessoa Física que
Pessoa Física
possuem pendências tributárias na Receita Federal.

12
8. EMENTAS E BIBLIOGRAFIA

1º PERÍODO Carga Horária


Tipo T P AE
CONTABILIDADE BÁSICA OBRIGATÓRIA 72 0 0
CONTABILIDADE E MERCADO DE TRABALHO OBRIGATÓRIA 36 0 0
ANALISE TEXTUAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO OBRIGATÓRIA 36 0 0
PROFISSIONAL
FUNDAMENTOS DE MATEMATICA OBRIGATÓRIA 72 0 0
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO OBRIGATÓRIA 36 0 0

CONTABILIDADE BÁSICA

Ementa:

A Contabilidade, campo de aplicação e finalidade. O Patrimônio. Princípios fundamentais Contas e


Planos de Contas. Registro Contábil. Variações patrimoniais. Razonetes e Balancetes de verificação.
Apuração de Resultado e sua destinação. Balanço Patrimonial.
BIBLIOGRAFIA BÁSICA

IUDÍCIBUS, Sérgio de (coord.). Contabilidade introdutória. São Paulo: Atlas, 2010.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade geral fácil. 7. ed. São Paulo: Saraiva,2010- 2011

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade fundamental. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2012-2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

13
PADOVEZE, Clóvis Luís. Manual de contabilidade básica: contabilidade introdutória e intermediária:
texto e exercícios. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

NEVES, Silvério das. VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez. Contabilidade Básica. São Paulo: Frase, 2009.

MULLER, Aderbal Nicolas. Contabilidade básica: fundamentos essenciais. São Paulo: Pearson, 2010.

LIMA, Gudrian Marcelo L de; FREITAG, Viviane da Costa. Contabilidade para entidades sem fins
lucrativos: teoria e prática. Curitiba: InterSaberes, 2014.

CONTABILIDADE E MERCADO DE TRABALHO

Ementa:

Mercado de Trabalho e a Busca de um Emprego; A Contabilidade e o Contador; Metodologias e


Enfoques da Pesquisa em Contabilidade; Relatórios Contábeis, seus Objetivos e Legislação;
Contabilidade, Legislação e o Processo de Internacionalização; Mercado de Trabalho Contábil
Internacional e Perspectivas para o Mercado de Trabalho Contábil.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
IUDÍCIBUS, Sérgio de (coord.). Contabilidade introdutória. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade fundamental. 4. ed. São Paulo: Saraiva, 2012-2013.

MARION, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 15 ed. São Paulo: Atlas, 2009-2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

LIMA, Gudrian Marcelo L de; FREITAG, Viviane da Costa. Contabilidade para entidades sem
finslucrativos:

teoria e prática. Curitiba: InterSaberes, 2014.

14
MULLER, Aderbal. Contabilidade introdutória. São Paulo: Pearson, 2012

RIBEIRO, Osni Moura. Contabilidade Geral Fácil. 7.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

SANTOS Antônio Sebastião dos. (org.) Contabilidade. São Paulo: Pearson, 2014.

ANALISE TEXTUAL

Ementa:

Língua, fala, norma, variações e sociedade; Modalidades linguísticas falada e escrita; O português
coloquial e a norma culta; Leitura e produção escrita; Estratégias de leitura: recuperação da informação;
Compreensão e interpretação de textos; Reflexão sobre forma e conteúdo; O texto e sua
funcionalidade; Textualidade: coesão e coerência, intenção comunicativa, habilidades de interpretação;
Gêneros textuais; O estilo na escrita; Tipologia textual.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA
AZEREDO, José Carlos de. Gramática Houaiss da língua portuguesa. 2. ed. São Paulo: Publifolha Houaiss,
2008-2011;

GARCIA, Othon Moacyr. Comunicação em prosa moderna: aprenda a escrever, aprendendo a pensar.
Rio de Janeiro: FGV, 2010.

FÁVERO, Leonor Lopes. Coesão e coerência textuais. São Paulo: Ática, 2010.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ABAURRE, Maria Luiza; PONTARA, Marcela Nogueira. Gramática: texto: análise e construção de sentido.

São Paulo: Moderna, 2008.

ABAURRE, Maria Luiza; ABAURRE, Maria Bernadete Marques. Produção de texto: interlocução e
gêneros

São Paulo: Moderna, 2010.

15
ILARI, Rodolfo; BASSO, Renato. Português da gente: a língua que estudamos a língua que falamos. São
Paulo: Contexto, 2009.
FIORIN, Jose Luiz; SAVIOLI, Francisco Platão. Lições de texto: leitura e redação. 5.ed. São Paulo: Ática,
2010.

PLANEJAMENTO DE CARREIRA E SUCESSO PROFISSIONAL


Ementa:
Ambientação na Vida Universitária. Métodos de Estudos no Ensino Superior. Planejamento financeiro -
orçamento doméstico. Habilidades e Competências para a Empregabilidade. Empreendedorismo e Cases
de Sucesso.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA

FARIA, Vivian Maerker. Manual de Carreira. São Paulo: Saraiva 2009.

LUQUET, Mara. O Meu Guia de Finanças Pessoais - Como gastar sem culpa e investir sem erros. Rio de
Janeiro: Elsevier - Campus, 2011.

CHIAVENATO, Idalberto. Carreira: você é aquilo que faz. São Paulo: Saraiva, 2006.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR

XAVIER, Ricardo de Almeida Prado. Como Desenvolver Melhor Seus Talentos e Competências. Pearson
Education. 2006.

DRUCKER, Peter F. Inovação e espírito empreendedor (entrepreneurship): práticas, e princípios. São


Paulo: Cengage Learning, 2011.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo na prática: mitos e verdades do empreendedor de


sucesso. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007.

16
BALASSIANO, Moisés; COSTA, Isabel de Sá Affonso da (Org.). Gestão de carreiras: dilemas e
perspectivas. São Paulo: Atlas, 2010.

FUNDAMENTOS DE MATEMÁTICA
Ementa:
Conjuntos. Conceitos fundamentais de álgebra e aritmética. Introdução ao estudo de função. Introdução
ao estudo de função. Função afim ou polinomial do primeiro grau. Função de segundo grau. Função
exponencial. Logaritmos e funções logarítmicas.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

LEITHOLD, Louis. Matemática aplicada à economia e administração. Tradução Cyro de Carvalho


Patarra. São Paulo: Harbra, 2001.

GOLDSTEIN, Larry Joel; SCHNEIDER, David I.; LAY, David C.; ASMAR, Nakhlé H. Matemática
aplicada: economia, administração e contabilidade. 12. ed. Porto Alegre: Bookman, 2007-2012.

HARIKI, Seiji; ABDOUNUR, Oscar João. Matemática aplicada: administração, economia,


contabilidade. Rio de Janeiro: Saraiva, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

TAN, S. T. Matemática aplicada à administração e economia. 2.ed. São Paulo: Thomson, 2011.

MATEMÁTICA para negócios. Rio de Janeiro: Editora Universidade Estácio de Sá, 2014.

GARRITY, Peter. Matemática aplicada aos negócios. Rio de Janeiro: Campus, 2000.

VERAS, Lilia Ladeira. Matemática aplicada à economia. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

WEBER, Jean E. Matemática para economia e administração. Tradução Seiji Hariki. 2. ed. São Paulo:
Harbra, 1986/2001.

17
FUNDAMENTOS DA ADMINISTRAÇÃO
Ementa:
A Administração no Brasil e no mundo. Conceitos fundamentais. O ambiente organizacional. Níveis
organizacionais e o processo decisório. O processo administrativo. As áreas funcionais da Administração
e as organizações funcionais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

CHIAVENATO, Idalberto. Administração: teoria, processo e prática. 4.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2007-
2010.

LACOMBE, Francisco José Masset. HEILBORN, Gilberto. Administração: princípios e tendências. 2.ed. São
Paulo: Saraiva, 2011-2012.

KWASNICKA, Eunice Lacava. Introdução à administração. 6.ed.São Paulo: Atlas, 2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

CHIAVENATO, Idalberto. Administração nos novos tempos. 2. ed. rev. atual. Rio de Janeiro: Elsevier,
2010.

DRUCKER, Peter Ferdinand. Administrando em tempos de grandes mudanças. São Paulo: Cengage
Learning, 2011.

ANDRADE, Rui Otavio Bernardes de; AMBONI, Nério. Teoria geral da administração. 2. ed. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2011.

STONER, James Arthur Finch; FREEMAN, R. Edward. Administração. 5. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2009.

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Introdução à administração. 7. ed. rev. ampl. São Paulo: Atlas,
2010.

18
19
2º PERÍODO Carga Horária
Tipo T P AE
FUNDAMENTOS DE DIREITO EMPRESARIAL E OBRIGATÓRIA 36 0 0
TRIBUTARIO
CONTABILIDADE COMERCIAL E FINANCEIRA OBRIGATÓRIA 72 0 0
ADMINISTRAÇÃO DE NOVOS NEGOCIOS OBRIGATÓRIA 36 0 0
ESTATISTICA APLICADA OBRIGATÓRIA 36 0 0
FUNDAMENTOS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS OBRIGATÓRIA 36 0 0
FUNDAMENTOS DE ECONOMIA OBRIGATÓRIA 36 0 0
LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIARIA OBRIGATÓRIA 36 0 0

FUNDAMENTOS DE DIREITO EMPRESARIAL E TRIBUTÁRIO


Ementa:

Introdução ao Direito Empresarial. Agentes Econômicos da Sociedade. Tipos Societários no Sistema


Jurídico e Econômico. Atividade Financeira do Estado e a Receita Tributária. Teoria Geral do Direito
Tributário. Tributos sobre as atividades negociais. Tributos sobre a renda e o patrimônio.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

MAMEDE, Gladston. Direito empresarial brasileiro. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BORBA, José Edwaldo Tavares. Direito societário. 12.ed. Rio de Janeiro: Renovar, 2010

REQUIÃO, Rubens. Curso de direito comercial. 30.ed. São Paulo: Saraiva, 2011 v.1

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

NEGRÃO, Ricardo. Manual de direito comercial e de empresa. 7.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

COELHO, Fábio Ulhôa. Curso de direito comercial. 8. ed. rev. e atual. São Paulo: Saraiva,2009- 2014. v.1

20
LAZZARESCHI NETO, Alfredo Sérgio. Lei das sociedades por ações anotada. 3ª ed. São Paulo: Saraiva,
2010.

MARTINS, Fran. Curso de direito comercial: empresa comercial, empresários individuais,


microempresas, sociedades empresárias, fundo de comércio. 33. ed. Rio de Janeiro: Forense, 2010.

CONTABILIDADE COMERCIAL E FINANCEIRA


Ementa:

Operações com mercadorias: compras, vendas e ajustes; Tributos incidentes sobre compras e vendas de
mercadorias; Operações financeiras; Ajuste a valor presente das contas a receber e contas a pagar;
Operações com ativo imobilizado; Noções de impairment.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. MARION, José Carlos. Contabilidade Comercial: atualizado conforme Lei
11.638/07 e Lei 11.941/09. 9.ed. São Paulo, Altas, 2010.

MARION, José Carlos. Contabilidade empresarial. 15. ed. São Paulo: Atlas, 2009-2012

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

BRAGA, Hugo Rocha. ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Mudanças contábeis na lei societária: lei 11.638, de
28-12-2007. São Paulo: Atlas, 2009.

PADOVEZE, Clóvis Luís. Manual de contabilidade básica: contabilidade introdutória e intermediária:


texto e exercícios. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

21
NEVES, Silvério das. VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez. Contabilidade Básica. São Paulo: Frase, 2009.

SANTOS, José Luiz dos. SCHIMIT, Paulo. Contabilidade Societária. 3. ed. Rio Grande do Sul: ATLAS, 2009.

ADMINISTRAÇÃO DE NOVOS NEGÓCIOS


Ementa:

Escolha do negócio; Conjuntura Econômica; Planejamento e estratégia; Organização da Empresa;


Marketing; Operações; Gestão de Pessoas; Contabilidade e Finanças para Empreendedores;
Planejamento e Implantação do Negócio.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

MAXIMIANO, Antônio Cesar Amaru. Administração para empreendedores: fundamentos de criação e


da gestão de novos negócios. São Paulo: Pearson Prentice Hall, 2011.

SOBRAL, Filipe; PECI, Alketa. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2013.

DOLABELA, Fernando. Oficina do empreendedor: a metodologia de ensino que ajuda a transformar


conhecimento em riqueza. São Paulo: Cultura, 2006.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

DOLABELA, Fernando. O segredo de Luísa. Rio de Janeiro: Sextante, 2008.

DOLABELA, Fernando. Empreendedorismo, uma forma de saber: saiba o que são empreendedores
individuais e empreendedores coletivos. Brasília: AED, 2003.

DORNELAS, José Carlos Assis. Empreendedorismo: transformando idéias em negócios. 3. ed. Rio de
Janeiro: Elsevier, 2008.

22
TACHIZAWA, Takeshy; FARIA, Marilia de Sant'Anna. Criação de novos negócios: gestão de micro e
pequenas empresas. Rio de Janeiro: FGV, 2002.

ESTATÍSTICA APLICADA
Ementa:

Tipos de Dados, Arredondamentos, Medidas Estatísticas, Preparação de Dados para Análises Estatísticas
Gráficos, Séries Estatísticas, Técnicas de Amostragem, Intervalo de Confiança, Distribuição Normal de
Probabilidade e Noções de Testes de Hipóteses.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

BARBETTA, Pedro Alberto. Estatística aplicada às ciências sociais. 7. ed. Florianópolis: UFSC, 2010-2011.

CRESPO, Antônio Arnot. Estatística fácil. 19.ed. São Paulo: Saraiva, 2010/2011.

TOLEDO, Geraldo Luciano; OVALLE, Ivo Izidoro. Estatística básica. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

FONSECA, Jairo Simon da; MARTINS, Gilberto de Andrade; TOLEDO, Geraldo Luciano. Estatística
aplicada. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estatística geral e aplicada. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

SILVA, Ermes Medeiros da. Estatística: para os cursos de economia, administração e ciências
contábeis. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MORETTIN, Pedro Alberto; BUSSAB, Wilton de Oliveira. Estatística básica. 6. ed. São Paulo: Saraiva,
2010.

SPIEGEL, Murray R. Estatística. Tradução Pedro Cosentino. 3. ed. São Paulo: Makron, 2009.

23
FUNDAMENTOS DAS CIÊNCIAS SOCIAIS
Ementa:

A sociedade como objeto de estudo. Usos e abusos da cultura. Contexto histórico da formação das
Ciências Sociais. Teorias sociológicas clássicas: Sociologia Francesa e Sociologia Alemã. Temas
contemporâneos da Sociologia: Formação cultural e diversidade étnico-racial brasileira. Globalização.
Exclusão social. Questões socioambientais. Novos padrões morais e culturais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

CHARON, Joel M. Sociologia. 2 ed. São Paulo: Saraiva, 2013. 301 p

COSTA, Maria Cristina Castilho. Sociologia: introdução à ciência da sociedade. 4.ed. São Paulo: Moderna,
2011.

LARAIA, Roque de Barros. Cultura: um conceito antropológico. 24.ed. Rio de Janeiro: J. Zahar, 2009-
2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

FORACCHI, Marialice Mencarini; MARTINS, José de Souza. Sociologia e sociedade: leituras de introdução
a sociologia. Rio de Janeiro: LTC, 2002.

ARANHA, Maria Lúcia de Arruda; MARTINS, Maria Helena Pires. Filosofando: introdução a filosofia.
4.ed.São Paulo: Moderna, 2009.

QUINTANEIRO, Tânia; BARBOSA, Maria Lígia de Oliveira; OLIVEIRA, Márcia Gardênia Monteiro de. Toque
de clássicos: Marx/Durkheim/Weber.2. ed. rev. atual. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

DIAS, Reinaldo. Introdução à Sociologia. São Paulo, Pearson Prentice Hall, 2005.

24
MARTINS, Carlos Benedito. Que é sociologia. São Paulo: Brasiliense, 2007.

FUNDAMENTOS DE ECONOMIA
Ementa:

A ciência econômica e seus principais conceitos A evolução do pensamento econômico. Os fundamentos


básicos da microeconomia e da macroeconomia. A importância da ciência econômica para as demais
ciências e para o Direito. Análise da estrutura de mercado. Os objetivos da política macroeconômica e o
papel do estado na economia. O desenvolvimento econômico e a integração internacional.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

VASCONCELLOS, Marco Antonio Sandoval de; GARCIA, Manuel Enriquez. Fundamentos de economia. 4.
ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

REGO, José Marcio; MARQUES, Rosa Maria (Org.). Economia brasileira. 5. ed. São Paulo: Saraiva, 2013.

ROSSETTI, José Paschoal. Introdução à economia. 20.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

VASCONCELLOS, Marco Antônio Sandoval de. Economia: micro e macro. 4. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 34. ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2008.

WONNACOTT, Paul; WONNACOTT, Ronald. Economia. 2. ed. 2004: Makron Books, 2004.

PINHO, Diva Benevides; VASCONCELLOS, Marco Antônio Sandoval de (Org.). Manual de economia. 5. ed.
São Paulo: Saraiva, 2010.

KRUGMAN, Paul; WELLS, Robin;. Introdução à economia. São Paulo: Elsevier, 2011.

25
LEGISLAÇÃO TRABALHISTA E PREVIDENCIÁRIA
Ementa:

Conceituação de Legislação Trabalhista e Previdenciária.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

GOMES, Elizeu Domingues. Rotinas trabalhistas e previdenciárias. 10. ed. Belo Horizonte: Líder, 2012.

CARRION, Valentin. Comentários à Consolidação das Leis do Trabalho. 36. ed. atual. São Paulo: Saraiva,
2012.

HORVATH JÚNIOR, Miguel. Direito previdenciário. São Paulo: Manole, 2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

NASCIMENTO, Amauri Mascaro. Iniciação ao direito do trabalho. 36. ed. São Paulo: LTr, 2007/2011.

MARTINS, Sérgio Pinto. Legislação previdenciária: atualizada de acordo com o Decreto nº 3.048, de 6-5-
1999. 15.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ALCANTARA, Silvano Alves. Legislação trabalhista e rotinas trabalhistas. Curitiba: InterSaberes, 2014.

TSUTIYA, Augusto Massayuri. Curso de direito da seguridade social. 2.ed. São Paulo: Saraiva, 2010.

26
3º PERÍODO Carga Horária
Tipo T P AE
PSICOLOGIA NAS ORGANIZAÇÕES OBRIGATÓRIA 36 0 0
ANÁLISE ESTATÍSTICA OBRIGATÓRIA 36 0 44
CONTABILIDADE DE CUSTOS OBRIGATÓRIA 36 0 0
ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS OBRIGATÓRIA 72 0 44
TEORIA DA CONTABILIDADE OBRIGATÓRIA 72 0 0

PSICOLOGIA NAS ORGANIZAÇÕES


Ementa:

Visão histórica da Psicologia; Psicologia aplicada ao espaço organizacional; formas do comportamento


humano no contexto organizacional; emoção no trabalho; percepção e inteligência; Os processos de
selecionar e treinar nos perfis desejados pela organização; Comportamento Organizacional.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

BERGAMINI; Cecília Whitaker. Psicologia aplicada à administração de empresas: Psicologia do


Comportamento Organizacional. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2010-2011.

ROBBINS, Stephen. Comportamento Organizacional. São Paulo: Pearson Education, 2010.

SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

SCHULTZ, Duane P.; SCHULTZ, Sydney Ellen. História da psicologia moderna. São Paulo: Thomson
Learning, 2011.

27
ZANELLI, José Carlos; BORGES-ANDRADE, Jairo E.; BASTOS, Antonio Virgílio Bittencourt (Org.). Psicologia,
organizações e trabalho no Brasil. Porto Alegre: ARTMED, 2011.

GOULART, Iris Barbosa (Org.). Psicologia organizacional e do trabalho: teorias, pesquisas e temas
correlatos. 2. Ed. São Paulo: Casa do Psicólogo, 2007.

CHIAVENATO, Idalberto. Gestão de pessoas: e o novo papel dos recursos humanos nas organizações.
3.ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010.

REGATO, Vilma Cardoso. Psicologia nas organizações. 3. ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

ANÁLISE ESTATÍSTICA
Ementa:

Revisão das medidas de resumo; Gráficos e medidas de assimetria e de curtose; Probabilidades,


Distribuições de probabilidades discretas, Distribuições de probabilidades contínuas; Correlação e
Regressão; Números índices e uso da estatística com o software Microsoft Excel.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

BERGAMINI; Cecília Whitaker. Psicologia aplicada à administração de empresas: Psicologia do


Comportamento Organizacional. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2010-2011.

ROBBINS, Stephen. Comportamento Organizacional. São Paulo: Pearson Education, 2010.

SPECTOR, Paul E. Psicologia nas organizações. 3.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

28
SPIEGEL, Murray R. Estatística. Tradução Pedro Cosentino. 3. ed. São Paulo: Makron, 2009.

MARTINS, Gilberto de Andrade. Estatística geral e aplicada. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2008.

KAZMIER, Leonard J. Estatística aplicada à economia e administração. 4.ed. Porto Alegre: Artmed, 2008.

FONSECA, Jairo Simon da; MARTINS, Gilberto de Andrade; TOLEDO, Geraldo Luciano. Estatística
aplicada. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CONTABILIDADE DE CUSTOS
Ementa:

Contextualização da Contabilidade de Custos. Terminologia e propósitos de custos. Classificação e fluxo


dos custos. Apuração do resultado. Alocação de custos. Custeio por Absorção. Departamentalização.
Custeio baseado em atividades. Custeio Variável ou Direto.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços: com aplicações na
calculadora HP 12C e Excel. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CREPALDI, Sílvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

MARTINS, Eliseu; ROCHA, Welington. Contabilidade de custos: livro de exercícios. 10. ed. São Paulo:
Atlas, 2010.

29
PEREZ JÚNIOR, Jose Hernandez; OLIVEIRA, Luiz Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão estratégica
de custos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HORNGREN, Charles T; SRIKANT, M. Datar; FOSTER, George. Contabilidade de Custos. São Paulo:
Prentice Hall, 2012 v.1

HORNGREN, Charles T; SRIKANT, M. Datar; FOSTER, George. Contabilidade de Custos. São Paulo:
Prentice Hall, 2012. V.2

SANTOS, Joel José. Contabilidade e Análise de Custos: Modelo Contábil. Métodos de Depreciação. ABC -
Custeio Baseado em Atividades. Análise Atualizada de Encargos Sociais sobre Salários. São Paulo: Atlas,
2011.

ESTRUTURA DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS


Ementa:

Estrutura conceitual da contabilidade. Estrutura e Elaboração das Demonstrações Contábeis: Balanço


Patrimonial, Demonstração do Resultado do Exercício - DRE, Demonstração do Resultado do
Exercício Abrangente - DRA, Demonstração da Mutação do Patrimônio Líquido - DMPL e de Lucros e
Prejuízos Acumulados - DLPA; Demonstração dos Fluxos de Caixa - DFC, Balanço Social; Demonstração
do Valor Adicionado - DVA, Notas Explicativas. Outros Relatórios e Pareceres informativos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDICIBUS, Sergio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

MARION, José Carlos. Análise das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. 5. ed. São
Paulo: Atlas, 2010.

30
ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

PADOVEZE, Clóvis Luís. Manual de contabilidade básica: contabilidade introdutória e intermediária:


texto e exercícios. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e análise de balanços: um enfoque econômico-financeiro: comércio


e serviços, indústria, bancos comerciais e múltiplos. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BRAGA, Hugo Rocha. ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Mudanças contábeis na lei societária: lei 11.638, de
28-12-2007. São Paulo: Atlas, 2009.

TEORIA DA CONTABILIDADE
Ementa:

Estrutura conceitual básica e Evolução histórica da Contabilidade. Objetivos. Princípios Fundamentais de


Contabilidade. Convenções. O Ativo, o Passivo, o Patrimônio Líquido e suas mensurações e avaliações.
Receitas, Despesas, Perdas e Ganhos e suas mensurações. Legislações e Normas Vigentes.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Teoria da Contabilidade. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2009-2010.

IUDÍCIBUS, Sérgio de; MARION, José Carlos; FARIA, Ana Cristina de. Introdução à teoria da
contabilidade: para o nível de graduação. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2009.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

31
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

SCHMIDT, Paulo; SANTOS, José Luiz dos; FERNANDES, Luciane Alves. Fundamentos de teoria avançada
da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2005.

ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SÁ. Antônio Lopes. Teoria da Contabilidade. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2008.

HENDRIKSEN, Eldon S.; VAN BREDA, Michael F. Teoria da contabilidade. São Paulo: Atlas, 2009

32
4º PERÍODO Carga Horária
Tipo T P AE
CONTABILIDADE E GESTÃO TRIBUTÁRIA I OBRIGATÓRIA 36 0 0
APURAÇÃO E ANÁLISE DE CUSTOS OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTABILIDADE GERENCIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
PRÁTICA CONTÁBIL INFORMATIZADA I OBRIGATÓRIA 0 36 44
METODOLOGIA DA PESQUISA OBRIGATÓRIA 36 0 0
MATEMATICA FINANCEIRA OBRIGATÓRIA 36 0 44

CONTABILIDADE E GESTÃO TRIBUTÁRIA I


Ementa:

Funções e Atividades da Contabilidade Tributária. Procedimentos fiscais. Regulamentação e


escrituração fiscal e contabilização de tributos indiretos ISS, ICMS, IPI, PIS e COFINS e encargos sociais.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

OLIVEIRA, Luís Martins de et al. Manual de contabilidade tributária: textos e testes com as
respostas. 12. ed. 2011-2013.

HIGUCHI, Hiromi; HIGUCHI, Fabio Hiroshi; HIGUCHI, Celso Hiroyuki. Imposto de renda das empresas:
interpretação e prática. 36. ed. São Paulo: IR Publicações, 2011.

FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade tributária. 14. ed. rev. e atual. São Paulo: Atlas, 2014.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

CHAVES, Francisco Coutinho. MUNIZ, Érika Gadêlha. Contabilidade Tributária na prática. São Paulo:
Atlas, 2010.

33
PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade avançada: texto e testes com
respostas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LUZ Érico Eleuterio da. Contabilidade Tributária. 2.ed.Curitiba. Intersaberes, 2014

PÊGAS, Paulo Henrique. Manual de contabilidade tributária. 6. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2010.

APURAÇÃO E ANÁLISE DE CUSTOS


Ementa:

Comportamento dos custos. Função de custos. Aplicação dos custos indiretos. Sistemas de acumulação
de custos. Custo-padrão. Produção conjunta.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

BRUNI, Adriano Leal; FAMÁ, Rubens. Gestão de custos e formação de preços: com aplicações na
calculadora HP 12C e Excel. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

CREPALDI, Sílvio Aparecido. Curso Básico de Contabilidade de Custos. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. 10.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

MARTINS, Eliseu; ROCHA, Welington. Contabilidade de custos: livro de exercícios. 10. ed. São Paulo:
Atlas, 2010.

HANSEN, Don R.MOWEN, Maryanne. Gestão de custos: contabilidade e controle. São Paulo: Cengage
Learning, 2009-2010.

PEREZ JÚNIOR, Jose Hernandez; OLIVEIRA, Luiz Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão estratégica
de custos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

34
SANTOS, Joel José. Contabilidade e Análise de Custos: Modelo Contábil. Métodos de Depreciação. ABC -
Custeio Baseado em Atividades. Análise Atualizada de Encargos Sociais sobre Salários. 5.ed. São Paulo:
Atlas, 2009.

CONTABILIDADE GERENCIAL
Ementa:

Contextualização da contabilidade gerencial. Métodos de apuração do resultado. Relação custo x


volume x lucro. Ponto de equilíbrio. Margem de segurança. Grau de alavancagem operacional. Assuntos
que auxiliam o gestor à tomada de decisão. Precificação.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

HANSEN, Don R.MOWEN, Maryanne. Gestão de custos: contabilidade e controle. São Paulo: Cengage
Learning, 2009-2010.

HORNGREN, Charles T.; SUNDEM, Gary L.; STRATTON, William O. Contabilidade gerencial. 12. ed. São
Paulo: Pearson Prentice Hall, 2010.

PEREZ JÚNIOR, Jose Hernandez; OLIVEIRA, Luiz Martins de; COSTA, Rogério Guedes. Gestão estratégica
de custos. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

PADOVEZE, Clovis Luis. Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 7.ed.
São Paulo. Atlas: 2010.

CREPALDI, Sílvio Aparecido. Contabilidade gerencial: teoria e prática. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

MARTINS, Eliseu. Contabilidade de Custos. São Paulo: Atlas, 2009.

35
PRÁTICA CONTÁBIL INFORMATIZADA I
Ementa:

Constituição de empresas, contabilização de fatos contábeis, estudos tributários no ambiente da


empresa de acordo com a legislação comercial e societária, utilizando um software contábil.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

OLIVEIRA, Luís Martins de et al. Manual de contabilidade tributária: textos e testes com as
respostas. 12. ed. 2011-2013.

HIGUCHI, Hiromi; HIGUCHI, Fabio Hiroshi; HIGUCHI, Celso Hiroyuki. Imposto de renda das empresas:
interpretação e prática. 36. ed. São Paulo: IR Publicações, 2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

Pesquisa no site http://www.juceb.ba.gov.br/

Pesquisa no site www.sefaz.ba.gov.br/

CHAVES, Francisco Coutinho. MUNIZ, Érika Gadêlha. Contabilidade Tributária na prática. São Paulo:
Atlas, 2010.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade

METODOLOGIA DA PESQUISA
Ementa:

36
O conhecimento científico e a pesquisa acadêmica: escolha do tema. Problematização do tema.
Justificativa, metodologia e fontes. A determinação dos objetivos. O embasamento teórico. O projeto de
pesquisa, estrutura e formatação. A redação científica: ética e legitimidade do saber. Normas técnicas
para formatação do TCC: artigo científico e monografia.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho


científico: procedimentos básicos; pesquisa bibliográfica: projeto e relatório; publicações e trabalhos
cientíicos. 7.ed. rev e ampl. São Paulo: Atlas, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro A.; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2014.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 11.ed. São
Paulo: Atlas, 2010.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 37. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

SEVERINO, Antônio Joaquim. Metodologia do trabalho científico. 23.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

BARROS, Aidil de Jesus Paes de; LEHFELD, Neide Aparecida de Souza. Projeto de pesquisa: propostas
metodológicas. 19. ed. Rio de Janeiro: Vozes, 2010.

TACHIZAWA, Takeshy; MENDES, Gildásio. Como fazer monografia na prática. 12. ed. Rio de Janeiro:
FGV, 2010-2012.

37
MATEMÁTICA FINANCEIRA
Ementa:

Objetivos e aplicações da matemática financeira. Conceitos e convenções. Fluxo de caixa. Unidade de


medida da taxa de juros. Juros simples. Juros compostos. Operações de desconto. Séries de
pagamentos. Sistemas de amortização de dívidas. Princípios de avaliação de investimentos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

LAPPONI, Juan Carlos. Matemática financeira. 2. ed. Rio de Janeiro: Elsevier, 2014.

PUCCINI, Abelardo de Lima. Matemática financeira: objetiva e aplicada. 9. ed. rev. e atual. São Paulo:
Elsevier, 2011.

SAMANEZ, Carlos Patrício. Matemática financeira. 5. ed. São Paulo: Pearson, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

CASTANHEIRA, Nelson Pereira. Matemática financeira aplicada. Curitiba. Intersaber, 2012.

FORTUNA, Eduardo. Mercado Financeiro: produtos e serviços. 19. ed. rev., atual. e amp. Rio de Janeiro:
Qualitymark, 2013.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 12. ed. São Paulo: Pearson Addison
Wesley, 2010.

SOUSA, Almir Ferreira. Avaliação de Investimentos: uma Abordagem Prática, Saraiva Editora, 2010.

VIEIRA SOBRINHO, José Dutra. Matemática financeira. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

5º PERÍODO Carga Horária

38
Tipo T P AE
GESTÃO ATUARIAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
PRÁTICA CONTÁBIL INFORMATIZADA II OBRIGATÓRIA 0 72 0
CONTABILIDADE SOCIETÁRIA I OBRIGATÓRIA 72 0 0
ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS OBRIGATÓRIA 36 0 44
COMUNICAÇÃO NAS EMPRESAS ELETIVA 36 0 0
CONTABILIDADE SOCIAL ELETIVA 36 0 0
NEGÓCIOS ELETRÔNICOS ELETIVA 36 0 0
FILOSOFIA, ETICA E CIDADANIA ELETIVA 36 0 0
SUSTENTABILIDADE OPTATIVA 36 0 0

GESTÃO ATUARIAL
Ementa:

História do seguro e estrutura do mercado, principais conceitos, características e legislação sobre a


tipologia do seguro, a estrutura do Mercado Segurador e sua importância, tipos de Seguro, aspectos
contábeis da operação de Seguros e seus sistemas de informação para apoio à gestão, provisões
técnicas, limites operacionais, risco, a estatística e a Ciência Atuarial nas operações de seguros,
Auditoria de companhias de seguros. Introdução à Ciência Atuarial. Reservas de Garantia.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

SOUZA, Silney. Seguros: Contabilidade, Atuária e Auditoria. São Paulo: Saraiva 2007.

Cálculo Atuarial Aplicado. 2.ed.Sao Paulo: Saraiva 2014.

Seguros, Matemática Atuarial e Financeira. São Paulo: Saraiva 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

39
IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

PADOVEZE. Clovis Luis. Manual de Contabilidade Básica: Contabilidade Introdutória e Intermediária -


Texto e Exercícios. 7. Ed. São Paulo: Atlas, 2011.

ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PRÁTICA CONTÁBIL INFORMATIZADA II


Ementa:

Estudo dos departamentos contábeis. Aspectos organizacionais. Orientações legais e práticas. Aspectos
tributários. Cumprimento das obrigações principais. Cumprimento das obrigações acessórias. Utilização
de Aplicativos Informatizados Contábeis.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade tributária. 14. ed. rev. e atual. São Paulo: Atlas, 2014.

OLIVEIRA, Luís Martins de et al. Manual de contabilidade tributária: textos e testes com as
respostas. 12. ed. 2013-2011.

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

40
CPC – Comissão de Procedimentos Contábeis. Pronunciamento 26, de 17 de julho de 2009.
Apresentação das demonstrações contábeis. Brasília: Ata da 37ª. Reunião ordinária da comissão de
procedimentos contábeis. Disponível em: <www.cpc.org.br>. Acesso em 06 out. 2010.

HIGUCHI, Hiromi; HIGUCHI, Fabio Hiroshi; HIGUCHI, Celso Hiroyuki. Imposto de renda das
empresas: interpretação e prática. 36. ed. São Paulo: IR Publicações, 2011.

MINISTÉRIO DO TRABALHO E EMPREGO. RAIS: downloads. Disponível em


http://www.rais.gov.br/RAIS_SITIO/downloads.asp Acesso em: 28 out. 2010.

Lei complementar 116 de 31/07/2003. Dispõe sobre o imposto sobre serviços de qualquer natureza, de
competência dos municípios e do distrito federal, e dá outras providências CTN: Acesso disponível em:
www.planalto.gov.br

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA I
Ementa:

Avaliação de Investimentos Societários, Método de Equivalência Patrimonial. Transações entre Partes


Relacionadas, Incorporação, Fusão, Cisão, Dissolução, Liquidação e Extinção de Sociedades.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade avançada: texto e testes com
respostas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade avançada: teoria e questões comentadas sobre os principais


pronunciamentos do CPC. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, 2013.

41
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

CORBARI, Ely Célia. Contabilidade societária. Curitiba. InterSaberes, 2012.

SANTOS, José Luiz dos; SCHIMIT, Paulo. Contabilidade Societária. 3.ed. Rio Grande do Sul: Atlas, 2009.

ALMEIDA. Marcelo Cavalcanti. Contabilidade Avançada. São Paulo, Atlas: 2010.

NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez. Contabilidade avançada e análise das
demonstrações financeiras. 17. ed. São Paulo: Frase, 2013.

BRAGA, Hugo Rocha; ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Mudanças contábeis na lei societária: Lei n. 11.638,
de 28-12-2007. São Paulo: Atlas, 2009.

ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS


Ementa:

A empresa e sua estrutura de informações. Análise tradicional das demonstrações contábeis. Análise
avançada das demonstrações contábeis. Conclusão e elaboração do relatório.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

ASSAF NETO, Alexandre. Estrutura e Análise de Balanços: um enfoque econômico. 9.ed. /2010.

MARION, José Carlos. Análise das demonstrações contábeis: contabilidade empresarial. 6.ed. São Paulo:
Atlas, 2007/2010.

MATARAZZO, Dante Carmine. Análise financeira de balanços: abordagem básica e gerencial. 7. ed. São
Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

42
IUDÍCIBUS, Sérgio. Análise de Balanços. 10.ed.São Paulo: Atlas, 2010.

HOJI, Masakazu. Administração Financeira e Orçamentária: Matemática Financeira Aplicada,


Estratégias financeiras e Orçamento Empresarial. 9.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SILVA, Alexandre Alcântara da.Estrutura, Análise e Interpretação das Demonstrações Contábeis.2ed.


São Paulo, ATLAS: 2010.

SILVA, José Pereira da. Análise financeira das empresas.10. ed. São Paulo: Atlas, 2010

COMUNICAÇÃO NAS EMPRESAS


Ementa:

Estilo e linguagem do moderno texto empresarial. Coesão e coerência. Pontuação. Estrutura do


parágrafo. Correção de principais tipos de vícios de linguagem.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

VANOYE, Francis. Usos da linguagem: problemas e técnicas na produção oral e escrita. 13. ed. São
Paulo: Martins Fontes, 2007.

ESTÁCIO ENSINO SUPERIOR. Programa do Livro Universitário. Comunicação empresarial: a comunicação


escrita nas empresas. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

NEVES, Roberto de Castro. Comunicação empresarial integrada: como gerenciar: imagem, questões
públicas, comunicação simbólica, crises empresariais. 3.ed.Rio de Janeiro: MAUAD, 2004-2009.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

COMUNICAÇÃO eficaz na empresa: como melhorar o fluxo de informações para tomar decisões
corretas. 9. ed. São Paulo: Campus, 2008.

43
BUENO, Wilson da Costa. Comunicação empresarial: políticas e estratégias. São Paulo: Saraiva, 2009.

GUIRAO, Maria Elisabeth Farina. Etiqueta que faz a diferença nas empresas. São Paulo: Novatec, 2008.

TOMASI, Carolina; MEDEIROS, João Bosco. Comunicação empresarial. São Paulo: Atlas, 2010.

CONTABILIDADE SOCIAL
Ementa:

Definições conceituais; Interligação dos agregados macroeconômicos; Sistema de contas econômicas


integradas; Contas nacionais trimestrais; Modelo insumo-produto.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

Feijó, Carmen & Ramos, Roberto Luis (orgs.). Contabilidade Social: a nova referência das contas
nacionais do Brasil Editora Campus, Ed. 1ª. Rio de Janeiro: Elsevier/Campus. 2008.

ROSSETTI, José Paschoal. Contabilidade Social. ed. 5ª. São Paulo: Atlas, (ano 2007).
_______________________. Introdução à Economia. ed. 19ª. São Paulo: Atlas.
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

BRUE, McConnell. Macroeconomia. Rio de Janeiro: LTC. Livros Técnicos e Científicos Editora S.A, 2005.

DORNBUSH, R e FISCHER, S. Macroeconomia. São Paulo: Mac Graw Hill, 2005.

MANKYW, G. Introdução à economia. Rio de Janeiro: Campus, 2002.


VASCONCELLOS, Marco Antônio S. Economia: micro e macro. São Paulo: Atlas, 2005.

NEGÓCIOS ELETRÔNICOS
Ementa:

44
Conceitos de Negócios Eletrônicos; Tipos de comércio eletrônico; Aspectos mercadológicos e legais;
Marketing e o Negócio eletrônico; Tecnologias aplicadas ao negócio eletrônico; Segurança das
transações eletrônicas; Elaboração de planos de negócios para E-business; Implementação de E-
business; E-Commerce e suas aplicações.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

TURBAN, Efraim. Decision support and business intelligence systems. 9. ed. São Paulo: Pearson, 2011.

ALBERTIN, Alberto Luiz. Comércio eletrônico: modelo, aspectos e contribuições de sua aplicação. 6. ed.
atual. ampl. São Paulo: Atlas, 2010.

SOBRAL, Filipe; PECI, Alketa. Administração: teoria e prática no contexto brasileiro. São Paulo: Pearson
Prentice Hall, 2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

COSTA, Gilberto Cézar Guiterrez da. Negócios eletrônicos e gerencial .Curitiba, InterSaberes, 2013.

DALLA COSTA, Armando João. Estratégias e negócios das empresas diante da intercionalização. Curitiba:
Ibpex, 2011.

BIAGIO, Luiz Arnaldo. Como elaborar o plano de negócios + curso on-line. Barueri. Manole, 2013

FILOSOFIA, ÉTICA E CIDADANIA


Ementa:

Matrizes históricas do pensamento filosófico ocidental: a relação ética e filosofia; ética e sociedade;
teoria do conhecimento; sistema de valores; o conceito de justiça; ética e moral; conceito de cidadania e
dimensão éticoprofissional; o fenômeno da globalização e as inclusões e exclusões no mundo do
trabalho.

45
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

ASHLEY, Patrícia Almeida (Coord.). Ética e responsabilidade social nos negócios. 2.ed. São Paulo:
Saraiva, 2010.

TENÓRIO, Fernando Guilherme (Org.). Responsabilidade social empresarial: teoria e prática. 2. ed. rev.
e ampl. Rio de Janeiro: FGV, 2010-2012

SÁNCHEZ VÁZQUEZ, Adolfo. Ética. 32.ed. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2010-2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

RIOS, Terezinha Azerêdo. Ética e competência. 19.ed. São Paulo: Cortez, 2010.

REALE, Miguel. Introdução à filosofia. 4.ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

ALVES, Rubem. Filosofia da ciência: introdução ao jogo e a suas regras. 14. ed. São Paulo: Loyola, 2009.

REIS, Carlos Nelson dos; MEDEIROS, Luiz Edgar. Responsabilidade social das empresas e balanço social:
meios propulsores do desenvolvimento econômico e social. São Paulo: Atlas, 2009.

SUSTENTABILIDADE
Ementa:

Definição legal de Desenvolvimento Sustentável. As ações necessárias para se alcançar o


desenvolvimento sustentável. As sugestões para se alcançar esse desenvolvimento sustentável. A
questão ambiental X consumo. A influência da explosão populacional na sociedade de consumo
colocando o consumidor como novo ator social. A Educação Ambiental como caminho para se alcançar a
Sustentabilidade. As ações necessárias para alcançar a Sustentabilidade em seus aspectos e os
benefícios que essas ações podem trazer para a sociedade culminando em um consumo consciente.

46
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

PORTILHO, Fatima. Sustentabilidade Ambiental, consumo e cidadania, São Paulo: Cortez, 2005.

TRIGUEIRO, André. Mundo sustentável: abrindo espaço na mídia para um planeta em


transformação, São Paulo: Globo, 2005.

DIAS, Reinaldo. Gestão Ambiental. São Paulo, Editora Atlas. 2ª Edição, 2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ALMEIDA, Fernando. Os desafios da sustentabilidade: uma ruptura urgente. Rio de Janeiro, Elsevier,
2007.DONAIRE, Denis. Gestão ambiental na empresa. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

VEIGA, José Eli. Desenvolvimento sustentável: o desafio do século XXI. Rio de Janeiro, Garamond, 2005.

6º PERÍODO Carga Horária


Tipo T P AE
ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO OBRIGATÓRIA 72 0 0
ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA OBRIGATÓRIA 72 0 0
CONTABILIDADE E GESTÃO TRIBUTÁRIA II OBRIGATÓRIA 36 0 44
CONTABILIDADE SOCIETARIA II OBRIGATÓRIA 36 0 0
AUDITORIA OPERACIONAL OBRIGATÓRIA 36 0 44

ADMINISTRAÇÃO DE SISTEMAS DE INFORMAÇÃO


Ementa:

47
Uso estratégico da tecnologia da informação. Administração Estratégica da Informação.
Desenvolvimento de ambientes eficientes/eficazes da tecnologia da informação. Tipos e usos de
informações.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

O'BRIEN, James A. Sistemas de informação e as decisões gerenciais na era da internet. 3. ed. São Paulo:
Saraiva, 2010.

PADOVEZE, Clóvis Luís. Sistemas de informações contábeis: fundamentos e análise. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2009.

LAUDON, Kenneth C.; LAUDON, Jane Price. Sistemas de informação gerenciais. 9. ed. São Paulo:
Pearson, 201.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

O'BRIEN, James A.; MARAKAS, George M. Administração de sistemas de informação: uma


introdução. 13.ed. São Paulo: McGraw-Hill, 2007.

CASSARRO, Antônio Carlos. Sistemas de informações para tomadas de decisões. 4. ed. rev. e ampl. São
Paulo: Cengage Learning, 2011.

PADOVEZE, Clóvis Luís. Contabilidade gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 7. ed.
São Paulo: Atlas, 2010.

ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA
Ementa:

Síntese da Administração Financeira. Risco e Retorno, Administração Financeira a Curto Prazo.


Financiamento de Longo Prazo.

48
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

MOREIRA, Jose Carlos. Orçamento empresarial: manual de elaboração. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

GITMAN, Lawrence J. Princípios de administração financeira. 12. ed. São Paulo: Pearson Prentice Hall,
2010.

ROSS, Stephen A; WESTERFIELD, Randolph W; JORDAN, Bradford D. Princípios de administração


financeira. 2.ed. São Paulo: Atlas, 2010-2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

SANVICENTE, Antônio Zoratto. Administração financeira. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Francisco Filho, Valter Pereira. (org.). Finanças. São Paulo: Pearson ,2014

SOBANSKI, Jaert J. Prática de Orçamento empresarial: um exercício programado. 3. ed. São Paulo: Atlas,
2011.

ROSS, Stephen A.; WESTERFIELD, Randolph W.; JAFFE, Jeffrey F. Administração financeira Corporate
finance: corporate finance. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SILVA, José Pereira da. Análise financeira das empresas.10. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CONTABILIDADE E GESTÃO TRIBUTÁRIA II


Ementa:

Tributos diretos. Regulamentação do IRPJ. Apuração e escrituração dos Lucros Real, Presumido e
arbitrado. IRPJ diferido e Provisão. Apuração da Contribuição Social sobre o Lucro. Obrigações
acessórias. Simples Nacional.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

49
OLIVEIRA, Luís Martins de et al. Manual de contabilidade tributária: textos e testes com as
respostas. 12. ed. 2011-2013.

HIGUCHI, Hiromi; HIGUCHI, Fabio Hiroshi; HIGUCHI, Celso Hiroyuki. Imposto de renda das empresas:
interpretação e prática. 36. ed. São Paulo: IR Publicações, 2011.

FABRETTI, Láudio Camargo. Contabilidade tributária. 14. ed. rev. e atual. São Paulo: Atlas, 2014

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

CHAVES, Francisco Coutinho. MUNIZ, Érika Gadêlha. Contabilidade Tributária na prática. São Paulo:
Atlas, 2010.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade avançada: texto e testes com
respostas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LUZ Érico Eleuterio da. Contabilidade Tributária. 2.ed.Curitiba. Intersaberes, 2014.

PÊGAS, Paulo Henrique. Manual de contabilidade tributária. 6. ed. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2010.

OLIVEIRA, Luís Martins de et al. Manual de contabilidade tributária: textos e testes com as
respostas. 12. ed. 2011-2013.

AUDITORIA OPERACIONAL
Ementa:

Conceitos, diferenças e semelhanças entre auditoria interna e externa. Modalidades de auditoria.


Auditoria governamental. Auditoria operacional. Auditoria interna. Riscos de Auditoria. Controle
Interno. Avaliação dos controles internos. Avaliação dos riscos. Normas Constitucionais sobre o controle
externo. Controle externo. Relatórios de auditoria. Parecer na auditoria governamental.

50
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: um curso moderno e completo. 8. ed. Atlas, 2010-2012.

ATTIE, William. Auditoria: conceitos e aplicações. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010- 2011.

CREPALDI, Sílvio Aparecido. Auditoria contábil: teoria e prática. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

PEREZ JÚNIOR, José Hernandez. Auditoria de demonstrações contábeis: normas e procedimentos. 4.


ed. São Paulo: Atlas, 2010.

WANDERLEY, Carlos Alexandre Nascimento. Auditoria: teoria e mais de 590 questões comentadas. 2.
ed. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, 2013.

ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez. Auditoria de Demonstrações Contábeis. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CONTABILIDADE SOCIETÁRIA II
Ementa:

Consolidação de Demonstrações Contábeis. Noções de Contabilidade em moeda de poder aquisitivo


constante. Balanço Social e DVA - Demonstração do Valor Adicionado.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

SANTOS, José Luiz dos; SCHIMIT, Paulo. Contabilidade Societária. 3.ed. Rio Grande do Sul: Atlas, 2009.

51
ALMEIDA. Marcelo Cavalcanti. Contabilidade Avançada. São Paulo, Atlas: 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

HIGUCHI, Hiromi; HIGUCHI, Fabio Hiroshi; HIGUCHI, Celso Hiroyuki. Imposto de renda das
empresas: interpretação e prática. 36. ed. São Paulo: IR Publicações, 2011.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade avançada: texto e testes com
respostas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade avançada: teoria e questões comentadas sobre os principais


pronunciamentos do CPC. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, 2013.

CORBARI, Ely Célia. Contabilidade societária. Curitiba. InterSaberes, 2012.

52
7º PERÍODO Carga Horária
Tipo T P AE
ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBRIGATÓRIA 36 0 264
ORÇAMENTO EMPRESARIAL OBRIGATÓRIA 72 0 0
ORÇAMENTO PÚBLICO OBRIGATÓRIA 36 0 0
AUDITORIA CONTABIL OBRIGATÓRIA 36 0 44
TÓPICOS ESPECIAIS EM CONTABILIDADE OBRIGATÓRIA 36 0 44
SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS OBRIGATÓRIA 36 0 0

ESTÁGIO SUPERVISIONADO EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS


Ementa:

A Ética profissional e o código de ética do contador. O Estágio e seus aspectos legais. O desenvolvimento
das atividades de Estágio e os relatos de acompanhamento. O Projeto de pesquisa como planejamento
de TCC.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

FORTES, José Carlos. Manual do contabilista. São Paulo: Saraiva, 2005.

MATOS, Francisco Gomes de Matos. Ética na gestão empresarial. São Paulo: Saraiva, 2008.

MORAES, Ana Shirley de França. Estágio curricular e Trabalho de Conclusão de Curso na área de
gestão e negócios - união teoria e prática pela pesquisa. Rio de Janeiro: Freitas Bastos, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6.

53
ed. São Paulo: Atlas, 2005.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para
estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

SILVA, Antônio Carlos ribeiro de. Metodologia da Pesquisa aplicada a contabilidade: orientações
de estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, teses. 3.ed. São Paulo: Atlas,
2010.

ORÇAMENTO EMPRESARIAL
Ementa:

A natureza do processo de planejamento e controle. Orçamento empresarial. Controle orçamentário e


evolução do processo de planejamento. Orçamento operacional. Orçamento de investimentos.
Relatórios financeiros projetados.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

FREZATTI, Fábio. Orçamento Empresarial: Planejamento e Controle Gerencial. 5.ed. São Paulo:
Atlas, 2009.

SOBANSKI, Jaert J. Prática de Orçamento empresarial: um exercício programado. 3. ed. São


Paulo: Atlas, 2009-2011.

MOREIRA, Jose Carlos. Orçamento empresarial: manual de elaboração. 5. ed. São Paulo: Atlas,
2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

NASCIMENTO, Auster Moreira; REGINATO, Luciane. Controladoria: um enfoque na eficácia


organizacional. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

SOBANSKI, Jaert J. Prática de Orçamento empresarial: um exercício programado. 3. ed. São

54
Paulo: Atlas, 2011.

BRUNI, Adriano Leal; GOMES, Sônia Maria da Silva(Org.). Controladoria empresarial: conceitos,
ferramentas e desafios. 22. ed. Salvador: EDUFBA, 2010.

ASSAF Neto, Alexandre. Finanças Corporativas e Valor. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ORÇAMENTO PÚBLICO
Ementa:

A disciplina propõe o debate e a compreensão sobre as questões centrais que envolvem o Orçamento
Público e seu ambiente com estudo de seus principais aspectos como: princípios e planejamento do
Orçamento Público, Ciclos orçamentários , Receitas e Despesas Públicas, Plano plurianual e Lei das
Diretrizes Orçamentárias, Elaboração do orçamento público, Controle e execução orçamentária , Lei de
Responsabilidade Fiscal, legislação que regulamenta os orçamentos públicos, o papel dos vários órgãos
do governo no processo orçamentário, entre outros.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

PISCITELLI, Roberto Bocaccio (et al). Contabilidade Pública: uma abordagem da Administração
Financeira. 11.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública: teoria e prática. 11.ed. São Paulo: Atlas, 2010 .

SILVA, Valmir Leôncio da. A Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público - Uma Abordagem Prática. 2
ed. São Paulo: Atlas, 2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

55
SILVA, Lino Martins da. Contabilidade Governamental: um enfoque administrativo. 9.ed. São Paulo:
Atlas, 2011.

LIMA, Diana Vaz de. CASTRO, Róbison Gonsalves de. Contabilidade pública: integrando União, Estados e
Municípios (Siafi e Siafen). São Paulo: Atlas, 2007.

PRESIDÊNCIA da República. Lei N. 4.320, de 17 de Março de 1964. Disponível em:


<https://www.planalto.gov.br.

SENADO Federal. Lei Complementar N. 101, de 4 de Maio de 2000. Disponível em: www6.senado.gov.br.

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E MANUAL DOS DEMONSTRATIVOS FISCAIS

Disponível: http://www.tesouro.fazenda.gov.br.

AUDITORIA CONTÁBIL
Ementa:

Origem da auditoria externa, desenvolvimento das técnicas de auditoria, evolução da auditoria externa
no Brasil, auditoria interna, órgãos relacionados com os auditores. Normas de auditoria. Demonstrações
financeiras à serem auditadas. Planejamento de auditoria. Controles internos. Procedimentos de
auditoria. Papéis de trabalho. Aspectos Contábeis e Procedimentos de Auditoria das Áreas: caixa e
bancos, contas a receber, estoques, despesa antecipada, investimentos, imobilizado, intangível,
obrigações, empréstimos, patrimônio líquido, receitas, despesas e custos. Processamento Eletrônico de
Dados. Eventos subsequentes. Amostragem estatística aplicada à auditoria. Auditoria de sistemas.
Relatórios/Pareceres de Auditoria.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Auditoria: um curso moderno e completo. 8. ed. Atlas, 2010- 2012.

56
ATTIE, William. Auditoria: conceitos e aplicações. 6. ed. São Paulo: Atlas, 2010- 2011.

CREPALDI, Sílvio Aparecido. Auditoria contábil: teoria e prática. 9. ed. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

PEREZ JÚNIOR, José Hernandez. Auditoria de demonstrações contábeis: normas e procedimentos. 4.


ed. São Paulo: Atlas, 2010.

WANDERLEY, Carlos Alexandre Nascimento. Auditoria: teoria e mais de 590 questões comentadas. 2.
ed. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, 2013.

ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez. Auditoria de Demonstrações Contábeis. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

TÓPICOS ESPECIAIS EM CONTABILIDADE


Ementa:

Ativo Biológico e Produtos Agrícolas. Ativo não Circulante mantido para venda e operação
descontinuada. Benefícios a empregados. Resultado por Ação. Balanço Social. Governança Corporativa.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

IUDÍCIBUS, Sérgio de. Manual de contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades: de acordo
com as normas internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010-2013.

FERREIRA, Ricardo J. Contabilidade avançada: teoria e questões comentadas sobre os principais


pronunciamentos do CPC. Rio de Janeiro: Ed. Ferreira, 2013.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade avançada: texto e testes com
respostas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

57
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ASSAF Neto, Alexandre. Finanças Corporativas e Valor. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

NEVES, Silvério das; VICECONTI, Paulo Eduardo Vilchez. Contabilidade avançada e análise das
demonstrações financeiras. 17. ed. São Paulo: Frase, 2013.

SANTOS, José Luiz dos; SCHIMIT, Paulo. Contabilidade Societária. Rio Grande do Sul: Atlas, 2009.

ALMEIDA. Marcelo Cavalcanti. Contabilidade Avançada. 2.ed. São Paulo, Atlas: 2010.

SEMINÁRIOS INTEGRADOS EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS


Ementa:

O SINAES, teoria contábil; ética geral e profissional; escrituração contábil e elaboração de


demonstrações contábeis; contabilidade societária; análise e interpretação de demonstrações
contábeis; contabilidade e análise de custos; contabilidade gerencial; controladoria; orçamento e
administração financeira; contabilidade e orçamento governamental; auditoria externa e interna; perícia
contábil, legislação societária, comercial, trabalhista e tributária; estatística descritiva e inferência;
sistemas e tecnologias de informações.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

Martins, Eliseu; Ernesto Rubens Gelbcke; Iudicibus, Sergio de. Manual de Contabilidade Societária -
Aplicável a Todas as Sociedades. São Paulo: Atlas, 2010.

Kanitz, Stephen Charles; Iudícibus, Sérgio de; Martins, Eliseu. Contabilidade Introdutória - Livro Texto -
11ª Ed. São Paulo: Atlas, 2010.

Marion, José Carlos. Contabilidade Empresarial. 16ª. Edição, Atlas, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

58
LAKATOS, Eva Maria; MARCONI, Marina de Andrade. Fundamentos de metodologia científica. 6. ed. São
Paulo: Atlas, 2005.

ROESCH, Sylvia Maria Azevedo. Projetos de estágio e de pesquisa em administração: guia para
estágios, trabalhos de conclusão, dissertações e estudos de caso. 2. ed. São Paulo: Atlas, 1999.

59
8º PERÍODO Carga Horária
Tipo T P AE
COMPETÊNCIAS GERENCIAIS ELETIVA 36 0 0
TÓPICOS EM LIBRAS: SURDEZ E INCLUSÃO OPTATIVA 36 0 0
DIREITOS HUMANOS OPTATIVA 36 0 0
EDUCAÇÃO AMBIENTAL OPTATIVA 36 0 0
HISTORIA DOS POVOS INDIGENAS E AFRO OPTATIVA 36 0 0
DESCENDENTES
CONTROLADORIA OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTABILIDADE INTERNACIONAL OBRIGATÓRIA 36 0 0
CONTABILIDADE PÚBLICA OBRIGATÓRIA 36 0 44
PERICIA CONTABIL OBRIGATÓRIA 36 0 0
TCC EM CIENCIAS CONTABEIS OBRIGATÓRIA 0 36 44
MERCADO FINANCEIRO OBRIGATÓRIA 36 0 0

COMPETÊNCIAS GERENCIAIS
Ementa:

Conhecimentos necessários para a gestão contemporânea: comunicação e processos grupais.


Habilidades que precisam ser desenvolvidas: gerenciamento do desempenho, gerenciamento de
mudanças e gerenciamento de equipes. Atitudes a serem formadas ou modificadas: autoconhecimento
e liderança.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

DUTRA, Joel Souza; FLEURY, Maria Tereza Leme; RUAS, Roberto. Competências: Conceito, métodos e
experiências. São Paulo: Atlas, 2010.

ZABALA, Antoni; ARNAU, Laia. Como aprender e ensinar competências. Porto Alegre: ARTMED, 2010.

CHIAVENATO, Idalberto. Gerenciando com as pessoas: transformando o executivo em um excelente


gestor de pessoas. Rio de Janeiro: Elsevier, 2012.

60
BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

KNAPIK, Janete. Gsetão de pessoas e talentos. Curitiba: Inter Saberes, 2012.

FERNANDES, Bruno Henrique Rocha. Competências e Desempenho Organizacional: o que há além do


Balanced Scorecard. São Paulo: Saraiva, 2009.

BALDWIN, Timothy; RUBIN, Robert; BOMMER, William. Desenvolvimento de Habilidades Gerenciais.


Rio de Janeiro: Elsevier, 2008.

JACQUES, Maria da Graça Corrêa et al. Psicologia social contemporânea: livro-texto. 13.ed.Petrópolis:
Vozes, 2008-2010.

BELMIRO, Luiz Alberto Gravina (Autor). Administração estratégica. 2.ed. Rio de Janeiro: LTC, 2008.

TÓPICOS EM LIBRAS: SURDEZ E INCLUSÃO


Ementa:

Diferença, inclusão e identidade na sociedade contemporânea; aspectos sociolinguísticos da Língua


Brasileira de Sinais; especificidades linguísticas e noções instrumentais em LIBRAS

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

SA, Nidia Regina Limeira de. Cultura, poder e educação de surdos. 2. ed. São Paulo: Paulinas, 2010.

PIMENTA, Nelson; QUADROS, Ronice Müller de. Curso de libras 1: iniciante. 4.ed. Rio de Janeiro: LSB Vídeo,
2010.

QUADROS, Ronice Müller de; KARNOPP, Lodenir Becker. Língua de sinais brasileira: estudos
língüísticos. Porto Alegre: ARTMED, 2008.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

61
GOLDFELD, M. A. A criança surda: linguagem e cognição numa perspectiva sócio-interacionista. 2.ed.São
Paulo: Plexus, 2002.

PEREIRA, Marcia Cristina da Cunha et.al. Libras: conhecimentos além dos sinais. São Paulo: Pearson,
2011.

LUCHESI, Maria Regina C. Educação para pessoas surdas: experiências vividas e histórias narradas. 4.ed.
São Paulo: Papirus, 2012.

FERNANDES, Sueli. Educação de surdos. Curitiba: InterSaberes, 2012.

MOLLICA, Maria Cecilia (Org.). Linguagem para formação em letras, educação e fonoaudiologia. São
Paulo: Contexto, 2009.

DIREITOS HUMANOS
Ementa:

A evolução dos direitos humanos; As gerações de direitos; Aplicabilidade das normas constitucionais; A
eficácia social dos direitos fundamentais e seus óbices; As garantias constitucionais e os direitos
fundamentais; O sistema constitucional de emergência e os direitos fundamentais; A colisão de direitos
fundamentais; A proteção internacional dos direitos humanos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

PIOVESAN, Flávia. Temas de direitos humanos.6.ed. São Paulo: Saraiva, 2014.

COMPARATO, Fábio Konder. A afirmação histórica dos direitos humanos. 7.ed. rev.e atual.São Paulo:
Saraiva, 2013.

FERREIRA FILHO, Manoel Gonçalves. Direitos humanos fundamentais. 13.ed. São Paulo: Saraiva, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

62
SARLET, Ingo Walfgang. A eficácia dos direitos fundamentais: uma teoria geral dos direitos fundamentais na
perspecvtiva constitucional. 11. ed, rev., atual. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2012.

SILVA NETO, Manoel Jorge e. Curso de Direito Constitucional: Atualizado até a EC n. 71, de 29 de Novembro
de 2012. 8. ed. Rio de Janeiro: Saraiva, 2013.

BARROSO, Luís Roberto. A reconstrução democrática do direito público no Brasil. Rio de Janeiro: Renovar,
2007.

ÁVILA, Humberto. Teoria dos princípios: da definição à aplicação dos princípios jurídicos. 15. ed. São Paulo:
Malheiros, 2013.

SILVEIRA, Vladimir de Oliveira. ROCASOLANO, Maria Mendez. Direitos humanos.Conceitos, significados e


funções. São Paulo:Saraiva, 2010.

EDUCAÇÃO AMBIENTAL
Ementa: Abordagem das Correntes Pedagógicas clássicas e recentes da Educação Ambiental (EA).
Análise crítica das Declarações Internacionais da EA (Belgrado, Tbilisi, Moscou e Tessalonique) e
Encontros Brasileiros de Educação Ambiental. Programas e políticas públicas governamentais em EA.
Educação Ambiental e o Currículo Escolar e desenvolvimento de projetos em EA.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

RUSCHEINSKY, Aloísio. Educação ambiental: abordagens múltiplas. Porto Alegre: ARTMED, 2007.

DIAS, Genebaldo Freire. Educação Ambiental - Princípios e Práticas. São Paulo: Gaia 2013.

SÁNCHEZ, Luis Enrique. Avaliação de impacto ambiental: conceitos e métodos. São Paulo: Oficina de
Textos, 2007.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

SATO, Michele; CARVALHO, Isabel. Educação Ambiental: Pesquisa e Desafios. São Paulo: Artmed, 2008.

63
PHILIPPI, Arlindo Jr; PELICIONI,Maria Cecïlia. Educação Ambiental e Sustentabilidade. São
Paulo: Manole 2014.

SEIFFERT, Mari Elizabete Bernardini. Gestão ambiental: instrumentos, esferas de ação e educação
ambiental. São Paulo: Atlas, 2010.

MEDINA, Naná Mininni; SANTOS, Elizabeth da Conceição. Educação ambiental: uma metodologia
participativa de formação. 7. ed. Petrópolis, RJ: Vozes, 2011.

HISTÓRIA DOS POVOS INDÍGENAS E AFRO-DESCENDENTES


Ementa:

O impacto cultural do contato entre europeus e índios. As semelhanças e diferenças entre a escravidão
indígena e a escravidão negra. A guerra justa e a ocupação do interior do território. A abolição da
escravatura e a negação da cidadania negra. A política indigenista. As contribuições do índio e do negro
à cultura brasileira. O movimento negro e as políticas afirmativas. Índios e afro-descendentes como
sujeitos históricos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

SILVÉRIO, Valter Roberto; SILVÉRIO, Valter Roberto (Coord.). História geral da África: pré-história ao
século XVI. Rio de Janeiro: UNESCO, 2013.

SILVÉRIO, Valter Roberto; SILVÉRIO, Valter Roberto (Coord.). História geral da África: século XVI ao
século XX. Rio de Janeiro: UNESCO, 2013.

VAINFAS, Ronaldo. Heresia dos índios: catolicismo e rebeldia no Brasil colonial. São Paulo: Companhia
das Letras, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

64
MONTEIRO, John Manuel. Negros da terra: índios e bandeirantes nas origens de São Paulo. São Paulo:
Companhia das Letras, 2013.

GOMES, Mércio Pereira. Os índios e o Brasil: presente passado e futuro. São Paulo: Contexto, 2012.

RAMOS, Fábio Pestana; MORAIS, Marcus Vinícius. Eles formaram o Brasil. São Paulo: Contexto, 2010.

MATTOS, Regiane Augusto de. História e cultura afro-brasileira. São Paulo: Contexto, 2007.

SILVA, T.T. (Org.). Alienígenas em sala de aula: uma introdução aos estudos culturais em educação.
Petrópolis: Vozes, 2013.

CONTROLADORIA
Ementa:

Principais conceitos, objetivos, e a estrutura da área de Controladoria. O Controller e suas funções.


Sistema Empresa. Controladoria no processo de gestão. Controladoria na Estratégia, na Execução e no
Controle. Instrumentos utilizados pela Controladoria - Sistemas de Informação, Avaliação de
Desempenho: Balanced Scorecard, Orçamento, Gestão Operacional, Gestão do Capital de Giro, Análise
Financeira, Gestão de Custos. Valor da Empresa: EVA - Economic Value Added (Valor Econômico
Agregado ou Adicionado)

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

CREPALDI, Silvio Aparecido. Contabilidade Gerencial: Teoria e Prática. 5.ed. São Paulo. Atlas: 2011.

NASCIMENTO, Auster Moreira; REGINATO, Luciane. Controladoria: um enfoque na eficácia


organizacional. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2013.

65
PADOVEZE, Clóvis Luís. Controladoria estratégica e operacional: conceitos, estrutura, aplicação. 3. ed.
rev., atual. São Paulo: Cengage Learning, 2012.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Contabilidade intermediária: participações societárias, fluxos de caixa,


valor adicionado: de acordo com as exigências do MEC para o curso de ciências contábeis: texto,
exemplos e exercícios resolvidos. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

MOSIMANN, Clara Pellegrinello. FISCH, Sílvio. Controladoria: seu papel na administração de empresas.
2.ed. São Paulo, Atlas: 2008.

PADOVEZE, Clovis Luis. Contabilidade Gerencial: um enfoque em sistema de informação contábil. 7.ed.
São Paulo. Atlas: 2007-2010.

BRUNI, Adriano Leal; GOMES, Sônia Maria da Silva (Org.). Controladoria empresarial: conceitos,
ferramentas e desafios. 22. ed. Salvador: EDUFBA, 2010.

CONTABILIDADE INTERNACIONAL
Ementa:

Contabilidade Internacional: origem, organismos internacionais (IASC, IAS, IASB, IASCF, IFRIC, SAC).
Convergência das Normas Brasileiras às Normas Internacionais. Apresentação das Demonstrações
Contábeis (IAS 1). Estoques (IAS 2). Políticas Contábeis, Estimativas e Eventos subsequentes (IAS 8 e IAS
10). Imposto de Renda (IAS 12). Imobilizado (IAS 16).LEASING (IAS 17). Receitas (IAS 18). Custos dos
Empréstimos (IAS 23). Demonstrações Contábeis Consolidadas e Separadas (IAS 27). Investimentos em
Coligadas (IAS 28). Combinação de Negócios (IFRS 3). Impairment de ativos (IAS 36). Provisões, Passivos
Contingentes e Ativos Contingentes (IAS 37). Ativos Intangíveis (IAS 38).

66
BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

ERNST & YOUNG. Manual de normas internacionais de contabilidade: IFRS versus normas brasileiras. 2.
ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SCHMIDT, Paulo; SANTOS, José Luiz dos; FERNANDES, Luciane Alves. Contabilidade internacional
avançada. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

LEMES, Sirlei; CARVALHO, L. Nelson. Contabilidade internacional para graduação: texto, estudos de
casos e questões de múltipla escolha. São Paulo: Atlas, 2010.

NIYAMA, Jorge Katsumi. Contabilidade internacional: causas das diferenças internacionais,


harmonização contábil internacional, estudo comparativo entre países, divergência nos critérios de
reconhecimento e mensuração e evidenciação segundo FASB e IASB. 2. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

PEREZ JUNIOR, José Hernandez; OLIVEIRA, Luís Martins de. Contabilidade avançada: texto e testes com
respostas. 7. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

CONTABILIDADE PÚBLICA
Ementa:

A disciplina propõe o debate e a compreensão sobre as questões centrais que envolvem a Contabilidade
Pública e seu ambiente com estudo de aspectos inerentes ao orçamento público das entidades
governamentais, como: Receitas e Despesas Públicas, Estrutura dos Balanços Públicos, Plano de Contas,
Sistemas Orçamentário, Financeiro, Patrimonial.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

PISCITELLI, Roberto Bocaccio (et al). Contabilidade Pública: uma abordagem da Administração

67
Financeira. 11. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

SILVA, Lino Martins da. Contabilidade Governamental: um enfoque administrativo. 9. ed. São
Paulo: Atlas, 2011.

SILVA, Valmir Leôncio da. A Nova Contabilidade Aplicada ao Setor Público: uma Abordagem
Prática. 2 ed. São Paulo: Atlas, 2013.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

KOHAMA, Heilio. Contabilidade Pública: teoria e prática. 11.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

LIMA, Diana Vaz de. CASTRO, Róbison Gonsalves de. Contabilidade pública: integrando União,
Estados e Municípios (Siafi e Siafen). São Paulo: Atlas, 2007.

PRESIDÊNCIA da República. Lei N. 4.320, de 17 de Março de 1964. Disponível em:


<https://www.planalto.gov.br.

SENADO Federal. Lei Complementar N. 101, de 4 de Maio de 2000. Disponível em:


www6.senado.gov.br.

MANUAL DE CONTABILIDADE APLICADA AO SETOR PÚBLICO E MANUAL DOS DEMONSTRATIVOS


FISCAIS. Disponível em: http://www.tesouro.fazenda.gov.br

PERÍCIA CONTÁBIL
Ementa:

Fundamentos de Perícia Contábil; Plano de Trabalho em Perícia Contábil; Laudos Periciais; Objetivos e
Espécie de Perícia Contábil; Perícia Judicial; Exercício da Função Pericial Contábil; Tipos de Perícia
Contábil; Os Processos de Apuração de Haveres; Normas e Procedimentos na Perícia Contábil.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

68
MAGALHÃES, Antônio de Deus Farias et al. Perícia contábil: uma abordagem teórica, ética, legal,
processual e operacional. 7. ed. São Paulo: Atlas.

ORNELAS, Martinho Maurício Gomes de. Perícia Contábil. 5.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

SÁ, Antônio Lopes. Perícia Contábil 10.ed. São Paulo: Atlas, 2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

MAGALHÃES, Antônio de Deus Farias; LUNKES, Irtes Cristina. Perícia contábil nos processos cível e
trabalhista: o valor informacional da contabilidade para o sistema judiciário. São Paulo: Atlas, 2008.

ALMEIDA. Marcelo Cavalcanti. Contabilidade Avançada. 2.ed. São Paulo, Atlas: 2010.

COMISSÃO DE VALORES IMOBILIÁRIOS: Disponível em:www.cvm.gov.br/.

NORMA BRASILEIRA DE PERICIA CONTÁBIL: Disponível em: www.cfc.or.br.

TCC EM CIÊNCIAS CONTÁBEIS


Ementa:

Os Modelos de TCC e a análise do Pré-Projeto de TCC de Estágio. Orientação metodológica e de


conteúdo. Desenvolvimento da produção escrita na modelagem do Relatório de Pesquisa.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

MARCONI, Marina de Andrade; LAKATOS, Eva Maria. Metodologia do trabalho


científico: procedimentos básicos; pesquisa bibliográfica: projeto e relatório; publicações e trabalhos
cientíicos. 7.ed. rev e ampl. São Paulo: Atlas, 2014.

GIL, Antônio Carlos. Como elaborar projetos de pesquisa. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

69
CERVO, Amado Luiz; BERVIAN, Pedro A.; SILVA, Roberto da. Metodologia científica. 6. ed. São Paulo:
Atlas, 2014.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

SILVA: Antonio Carlos ribeiro de. Metodologia da Pesquisa aplicada a contabilidade: orientações de
estudos, projetos, artigos, relatórios, monografias, dissertações, teses. 3.ed. São Paulo: Atlas, 2010.

TACHIZAWA, Takeshy; MENDES, Gildásio. Como fazer monografia na prática. 12. ed. Rio de Janeiro:
FGV, 2010.

MEDEIROS, João Bosco. Redação científica: a prática de fichamentos, resumos, resenhas. 11.ed. São
Paulo: Atlas, 2010.

RUDIO, Franz Victor. Introdução ao projeto de pesquisa científica. 37. ed. Petrópolis: Vozes, 2010.

MATIAS, Antônio Viana; ALEXANDRE FILHO, Sylvio Moreira. Monografia: do projeto à execução. 3. ed.
Rio de Janeiro: LT

MERCADO FINANCEIRO
Ementa:

Sistema Financeiro Nacional. Mercados Financeiros: Monetário, Crédito, Capitais e Cambial. Produtos
Financeiros. Risco da Taxa de Juros na Carteira de Títulos de Renda. Carteira Eficiente de Ações com
Oportunidades de Investimentos em Títulos de Renda Fixa sem Risco. Modelo de Precificação de
Ativos(CAPM). Valor em Risco de uma Carteira de Ações(VaR). Derivativos.

BIBLIOGRAFIA BÁSICA:

ASSAF NETO, Alexandre. Mercado financeiro. 12.ed. São Paulo: Atlas, 2014.

70
FORTUNA, Eduardo. Mercado financeiro: produtos e serviços. 19. ed. rev., atual. e amp. Rio de Janeiro:
Qualitymark, 2013.

LAGIOIA, Umbelina Cravo Teixeira. Fundamentos do mercado de capitais. 3. ed. São Paulo: Atlas, 2011.

BIBLIOGRAFIA COMPLEMENTAR:

ASSAF NETO, Alexandre. Finanças corporativas e valor. 5. ed. São Paulo: Atlas, 2010.

ANDRICH, Emir Guimarães et.al. Finanças corporativas: análise de demonstrativos contábeis e de


investimentos.

Francisco Filho, Valter Pereira. (org.). Finanças. São Paulo: Pearson ,2014.

PEREIRA, Cleverson Luiz. Mercado de capitais. Curitiba. Inter Saberes , 2013.

71
9. REGULAMENTOS

9.1 Regulamento de TCC

CAPÍTULO I

DISPOSIÇÕES PRELIMINARES

Art. 1º O presente regulamento disciplina o processo de elaboração, apresentação e julgamento do


trabalho de conclusão do curso - TCC do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Estácio da
Bahia.

Art. 2º O Projeto de Conclusão de Curso - TCC consiste em uma pesquisa individual, orientado por
docente do Centro Universitário Estácio da Bahia e relatada sob a forma de artigo científico abrangendo
ramo afim à área de sua graduação.

Art. 3º Os objetivos gerais do Projeto de Conclusão de Curso são propiciar aos acadêmicos a ocasião de
demonstrar o grau de conhecimento adquirido, o aprofundamento temático, o estímulo à produção
científica, a consulta à bibliografia especializada, o aprimoramento da capacidade de interpretação, a
crítica às diversas ciências e sua aplicação.

CAPÍTULO II

DAS ATRIBUIÇÕES DOS ÓRGÃOS ENVOLVIDOS

Art. 4º Compete ao Colegiado do Curso de Ciências Contábeis:

72
I - analisar, em grau de recurso, as decisões dos professores-orientadores, encaminhados pelo NDE;

II - deliberar, em instância administrativa inicial, os recursos das avaliações dos professores orientadores
e das bancas examinadoras;

III - deliberar, em primeira instância, sobre todas as decisões e medidas necessárias ao efetivo
cumprimento destas normas e do processo de desenvolvimento do Projeto de Conclusão de Curso.

V - deliberar sobre os casos omissos, neste regulamento, e interpretar seus dispositivos;

Art. 5º Compete ao Núcleo Docente Estruturante:

I - deliberar sobre as alterações deste regulamento, para decisão final do Colegiado do Curso de Ciências
Contábeis do Estácio-FIB;

II – analisar em grau de recurso, as decisões encaminhadas pelos professores-orientadores,

III- aprovar as propostas temáticas semestrais para a iniciação científica, pesquisa e extensão

IV- deliberar sobre a situação dos alunos que não entregarem a monografia ou que não se apresentarem
para a sua defesa oral, sem motivo justificado.

Art. 6º Compete a Coordenação Geral:

I - tomar as decisões administrativas necessárias ao desenvolvimento do processo do Projeto de


Conclusão de Curso- TCC;

II - designar os integrantes das bancas examinadoras, na época prevista no calendário acadêmico;

III - designar os professores-orientadores, no início do cada semestre letivo, para atuarem no processo
de elaboração, execução, acompanhamento e julgamento do TCC;

IV - sugerir medidas que visem ao aprimoramento das atividades do TCC;

73
V - convocar e dirigir reuniões com os professores-orientadores, com vistas à melhoria do processo do
Projeto de Graduação.

Art.7º Cabe ao professor-orientador:

I - orientar os acadêmicos na escolha do tema, compatível com as linhas de pesquisa definidas pelo NDE,
na elaboração e execução do Trabalho de Conclusão de Curso, sob a forma de artigo científico, segundo
calendário semestral e jornada semanal de atividades, aprovados pelo Colegiado;

II - sugerir ao Colegiado de Curso, para que encaminhe, normas ou instruções destinadas a aprimorar o
processo do Trabalho de Conclusão de Curso – TCC.

III - participar de reuniões, convocadas pelo Coordenador do Curso, para análise do processo do
Trabalho de Conclusão de Curso -TCC, assim como da avaliação dos acadêmicos e do processo
abrangente de formação profissional;

IV - emitir relatórios periódicos, parciais e finais, sobre o desempenho e a avaliação dos acadêmicos,
com vistas à elaboração do artigo científico;

V - marcar dia, hora e local da apresentação do artigo científico, perante banca examinadora;

VI - designar orientadores para os alunos. Acompanhar o processo de orientação e verificar o


andamento e evolução do trabalho realizado pelo orientador e aluno

CAPÍTULO III

DOS ALUNOS

74
Art. 8º Os alunos do curso de Ciências Contábeis do Centro Universitário Estácio da Bahia serão
submetidos ao processo de orientação, para efeito de escolha do tema e elaboração do artigo científico.

Parágrafo único. Constitui pré-requisito para matrícula no Trabalho de Conclusão de Curso ter o aluno
concluído todas as disciplinas do Curso, até o 7º semestre.

Art. 9º O aluno matriculado no Trabalho de Conclusão de Curso, tem, entre outros, os seguintes deveres
específicos:

I - frequentar as reuniões convocadas pelo Coordenador de Curso ou pelo seu professor-orientador;

II - manter contatos quinzenais com o seu professor-orientador, para discussão do trabalho acadêmico
em desenvolvimento;

III - cumprir o calendário divulgado pelo Colegiado de Curso, para entrega dos relatórios parciais e do
artigo;

IV - elaborar a versão final de artigo científico, obedecendo às normas e instruções deste regulamento e
outras, aprovadas pelos órgãos colegiados e executivos do Centro Universitário Estácio da Bahia;

V - comparecer em dia, hora e local determinados pelo professor orientador para apresentar e defender
a versão final do artigo, perante banca examinadora;

VI – fazer as correções finais indicados pelos pareceres da banca examinadora;

VII – fazer o depósito da versão final, em encadernação especial, na Biblioteca do Centro Universitário;

Parágrafo Único: O depósito na biblioteca é restrito aos alunos que obtiverem nota igual ou superior a

9,0 (nove vírgula zero).

CAPÍTULO IV

DO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO/ARTIGO

75
Art. 10º O processo de elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso compreende etapas sucessivas, a
serem desenvolvidas nos semestres letivos de cada curso, indicados no currículo pleno.

Parágrafo único. São etapas da elaboração do Trabalho de Conclusão de Curso – TCC:

a) escolha do tema, pelo aluno, sob a orientação docente;

b) revisão do projeto de pesquisa elaborado na disciplina Estágio Supervisionado em Ciências Contábeis;

c) pesquisa bibliográfica e de campo sobre o tema escolhido;

d) relatórios parciais sobre o andamento do trabalho, junto ao professor orientador;

f) elaboração da versão preliminar do artigo científico, para discussão e análise com o professor-
orientador;

g) elaboração do texto final do artigo científico;

h) apresentação do artigo, em três vias e um CD contendo o texto apresentado na íntegra para


julgamento de banca examinadora, com a presença do autor do Trabalho de Conclusão de Curso;

i) entrega dos slides apresentados pelo autor à banca examinadora no mesmo CD do texto;

j) correção das partes indicadas pela banca examinadora;

l) depósito da versão final, em encadernação especial, na Biblioteca do Centro Universitário.

Art. 11. A estrutura formal do artigo científico deve seguir os critérios estabelecidos nas normas da
ABNT sobre o assunto, podendo haver alterações, que devem ser aprovadas pelo professor-orientador.

Art. 12. O artigo científico deve ser entregue ao professor-orientador para aprovação final, em três vias,
encadernadas em espiral, firmadas pelo autor.

76
Parágrafo único. O aluno deve entregar, juntamente com as três vias, uma cópia em CD contendo o
texto na íntegra e o material de apresentação. O CD deve conter a identificação do aluno, título do
trabalho e as informações técnicas para a abertura e impressão do arquivo correspondente.

Art. 13. Cabe ao professor-orientador a avaliação artigo científico.

§ 1º Quando o artigo for aprovado, o aluno poderá dar andamento ao Trabalho de Conclusão de Curso;
caso seja rejeitado, o aluno terá prazo máximo de quinze dias letivos para reformulação e
reapresentação do artigo.

Art. 14. Os relatórios parciais e finais devem ser concisos, objetivos e relatarem sucintamente os
procedimentos obedecidos, as fases vencidas e os pontos positivos e/ou negativos ocorridos, no
período.

§ 1º Cabe ao professor-orientador a avaliação dos relatórios parciais e finais, havendo recurso, em


primeira instância, para o Colegiado de Curso e, em instância final, para o Conselho Superior da
Faculdade.

§ 2º Quando o professor-orientador emitir relatório negativo deve ser oferecida, ao aluno,


oportunidade de correção das falhas, cabendo ao professor - orientador proporcionar todos os meios ao
seu alcance para que o estudante possa concluir, com êxito, suas tarefas relativas ao Trabalho de
Conclusão de Curso.

CAPÍTULO V

DA BANCA EXAMINADORA

Art. 16. Após a aprovação do artigo científico, pelo professor-orientador, este, com a aprovação do
Colegiado de Curso, marcará data, hora e local para sua defesa, perante banca examinadora.

77
Art. 17. A banca examinadora será constituída por três membros, indicados pelo Colegiado de Curso,
dentre professores habilitados para essa tarefa, do quadro docente do Centro Universitário ou de outras
IES.

Art. 18. Os membros das bancas examinadoras, a contar da data de sua designação, têm o prazo mínimo
de quinze e máximo de trinta dias para procederem a leitura e análise das monografias que irão julgar.

Art. 19. Na apresentação do artigo científico o aluno poderá dispor de, até, vinte e cinco minutos.

§ 1º Cada membro da banca disporá de dez minutos para fazer sua arguição e comentários.

§ 2º O aluno poderá usar mais cinco minutos, após a arguição de todos os membros da banca, para
responder questões não esclarecidas.

Art. 20. Os membros da banca examinadora devem atribuir conceitos, de acordo com os seguintes
valores:

I - APROVADA - para aceitação do artigo, que abrange notas iguais ou superiores a seis; e

II – NÃO APROVADA - quando o artigo não merecer a aceitação da banca, correspondendo a notas
inferiores a seis.

Parágrafo único. Será considerado APROVADO o artigo que obtiver dois conceitos iguais ou superiores a
seis.

Art. 21. A banca examinadora, no seu julgamento, deve levar em consideração o texto escrito, a
exposição oral e a defesa do aluno, durante a arguição e os esclarecimentos finais.

Art. 22. A banca examinadora, por maioria, pode sugerir ao aluno a reformulação integral ou parcial do
artigo, em qualquer fase do processo, adiando seu julgamento para a análise do texto reformulado.

Parágrafo único. O aluno poderá utilizar no máximo, quinze dias letivos para a reformulação do artigo
científico.

78
Art. 23. A avaliação final da banca examinadora deve ser registrada em documento próprio, com a
assinatura de todos os seus membros e do coordenador do curso

Parágrafo único: A avaliação final só será encaminhada à Secretaria para registro no Histórico Escolar do
aluno, após o depósito da versão final na biblioteca, para aqueles alunos que obtiverem notas iguais ou
superiores a nove (nove, vírgula, zero).

CAPÍTULO VI

DISPOSIÇÕES GERAIS

Art. 24. O aluno que não entregar o artigo científico ou que não se apresentar para a sua defesa oral,
sem motivo justificado, a critério do Núcleo Docente Estruturante NDE, será automaticamente
reprovado, podendo apresentar novo artigo, somente no semestre letivo seguinte, com a realização de
uma nova matrícula, de acordo com o calendário aprovado.

Art. 25. Na detecção de plágio o aluno estará automaticamente reprovado sem direito à reformulação
do artigo.

Art. 26. Os casos omissos e as interpretações deste regulamento devem ser resolvidos pelo Colegiado
do Curso, com recurso, em instância final, para o Conselho Superior do Centro Universitário.

Art. 26. Este regulamento entra em vigor na data de sua aprovação pelo Colegiado do Curso.

9.2 Regulamento de Estágio Supervisionado Obrigatório

1 INTRODUÇÃO

79
A palavra estágio vem do latim stagiu, que significa “um período de aprendizagem prática de uma
atividade profissional, situação transitória, etapa, passagem, preparação” (ENCICLOPÉDIA BARSA
UNIVERSAL, 2007, p. 2.318).
O Estágio Supervisionado é uma atividade de complementação curricular regulamentado pela Lei nº
11.788/2008, que tem como um dos seus objetivos principais, proporcionar aos estudantes o contato
direto com o mundo do trabalho, que está cada vez mais dinâmico e competitivo. Desse modo, é
possível aplicar, na prática, a teoria adquirida durante a vida acadêmica, permitindo maior assimilação
das disciplinas curriculares, antecipando, ainda, o desenvolvimento de habilidades e competências
profissionais.

CAPÍTULO I
DAS CONSIDERAÇÕES GERAIS

Art. 1º. O Estágio Supervisionado Acadêmico é um requisito obrigatório para a obtenção do grau de
Bacharel em Ciências Contábeis, considerando a carga horária de 300 horas, discriminada na matriz
curricular do curso, atendendo assim as diretrizes curriculares em vigor, estabelecidas pelo Conselho
Nacional de Educação – CNE.

Art. 2º - As políticas de estágio são da competência da Diretoria de Ensino/Coordenação do Curso.

Art. 3º - As diretrizes e os procedimentos sobre estágio são da competência da GEMPES Bahia – setor
responsável pelas atividades de estágio com o mercado de trabalho;

Art. 4º - A aplicação dessas políticas e diretrizes, além das atividades administrativas oriundas da
legislação de estágio é da competência do E4 – Espaço Estágio e Emprego da Bahia, que conduzirá o
processo por meio dos procedimentos pertinentes.

Art. 5º - As atividades pedagógicas, relacionadas às atividades em estágio, serão da competência do


Coordenador de Curso em conjunto com o Professor Supervisor de Estágio.

80
Art. 6º - As atividades pedagógicas a que se refere o item anterior serão administradas pelo Professor
Supervisor.

CAPÍTULO II
O QUE DIZ AS DIRETRIZES CURRICULARES DO CURSO DE CIÊNCIAS CONTÁBEIS SOBRE A
DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Art. 2º. As Instituições de Educação Superior deverão estabelecer a organização curricular para cursos
de Ciências Contábeis por meio de Projeto Pedagógico, com descrição dos seguintes aspectos:

I) Perfil profissional esperado para o formando, em termos de competências e


habilidades;
II) Estágio curricular supervisionado.

§ 1º - O Projeto Pedagógico, além da clara concepção do curso de graduação em Ciências Contábeis,


com suas peculiaridades, seu currículo pleno e operacionalização, abrangerá, sem prejuízo de outros, os
seguintes elementos estruturais:

I – modos de integração entre teoria e prática;


II – concepção e composição das atividades de estágio curricular supervisionado, suas diferentes formas
e condições de realização, observado o respectivo regulamento.

Art. 7º. O Estágio Curricular Supervisionado é um componente curricular direcionado para a


consolidação dos desempenhos profissionais desejados, inerentes ao perfil do formando, devendo cada
instituição, por seus Colegiados Superiores Acadêmicos, aprovar o correspondente regulamento, com
suas diferentes modalidades de operacionalização.

81
§ 1º - O estágio de que trata esse artigo poderá ser realizado na própria instituição de ensino, mediante
laboratórios que congreguem as diversas ordens práticas correspondentes aos diferentes pensamentos
da Ciência Contábil, e desde que sejam estruturados e operacionalizados de acordo com
regulamentação própria, aprovada pelo conselho superior acadêmico competente, na instituição.

§ 2º - As atividades de estágio poderão ser reprogramadas e reorientadas de acordo com os resultados


teórico-práticos gradualmente revelados pelo aluno, até que os responsáveis pelo estágio curricular
possam considerá-lo concluído, resguardando, como padrão de qualidade, os domínios indispensáveis
ao exercício da profissão.

§ 3º Optando a instituição por incluir no currículo do curso de graduação em Ciências Contábeis o


Estágio Supervisionado de que trata este artigo, deverá emitir regulamentação própria, aprovada pelo
seu Conselho Superior Acadêmico, contendo, obrigatoriamente, critérios, procedimentos e mecanismos
de avaliação, observado o disposto no parágrafo precedente.

CAPÍTULO III
SEÇÃO I

DAS FINALIDADES

Art. 4º - O presente regulamento tem por finalidade normatizar o Estágio Supervisionado do Curso de
Ciências Contábeis do Centro Universitário Estácio da Bahia – Estácio FIB, amparado na Resolução Nº
10/04 – que instituiu as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Ciências Contábeis -
Bacharelado, na Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional - LDB 9394/96, além de considerar
outras fontes, como o Regulamento Institucional para Estágio da Estácio de Sá e o livro Proposta
Nacional de Conteúdo para o curso de Graduação em Ciências Contábeis., publicado pela Fundação
Brasileira de Contabilidade no ano de 2009.

82
Art. 5º - A disciplina de Estágio Supervisionado busca garantir ao egresso uma fundamentação
consistente em relação aos conhecimentos teórico-práticos, adquiridos no decorrer do seu curso.

CAPÍTULO IV
SEÇÃO II

DAS CONDIÇÕES PARA A REALIZAÇÃO DO ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Art. 6º - É necessário que o aluno esteja regularmente matriculado na disciplina, e que tenha sido
aprovado em, no mínimo, 80% do total do curso no que diz respeito às matérias cursadas.

Art. 7º - O estágio será desenvolvido individualmente, podendo ser na própria instituição ou em


instituições públicas, privadas ou de terceiro setor, nacionais e internacionais, desde que tenham
condições de proporcionar experiência prática na linha de formação do estudante, além de necessitar
da presença de um professor supervisor, já que será avaliado como atividade curricular.

CAPÍTULO IV
SEÇÃO III

DAS DIRETRIZES

Art. 8º - A efetivação da parceria entre a instituição de ensino e a empresa, deve apoiar-se no que
determina a Lei nº 11.788 de 25 de setembro de 2008.
Art. 9º - A instituição deve estimular o desenvolvimento de estágios, em quaisquer períodos, desde que
as atividades possam proporcionar uma complementação formal escolar ao aluno, viabilizando o seu
desenvolvimento pessoal, preparando-o para o exercício da cidadania e para a sua qualificação ao

83
trabalho, desde que as atividades não se caracterizem como competências profissionais regulamentadas
por leis específicas.
Art.10 - É importante que o aluno seja orientado para compreender e decidir sobre a sua permanência
ou não num determinado estágio, respeitando-se, assim, à sua tomada de decisão.

Art.11 - A indicação de professor para ser o responsável pelo acompanhamento, controle e avaliação do
estágio, deverá ter como exigência o fato do professor ter formação pertinente à atividade a ser
desempenhada no decorrer do estágio supervisionado acadêmico, já que este requer conhecimentos
teóricos, práticos e metodológicos.

CAPÍTULO V
SEÇÃO IV

ETAPAS DO ESTÁGIO

Art. 12 - Cabe ao aluno decidir pela área de atuação no Estágio Supervisionado, elaborar o projeto de
estágio em consonância com as normas, informar a instituição escolhida e fornecer informações
relevantes, como: um breve histórico, sua missão, visão, valores, planejamento estratégico, descrição
das atividades de campo propostas no projeto e realizadas na empresa/instituição e, por fim, o relatório
de estágio que será orientado pelo professor supervisor.

Art. 13 – O aluno estagiário deve respeitar as normas internas e a rotina do local de estágio;

Art. 14 - Cumprir os prazos acordados com o professor supervisor, em conformidade com o Calendário
Acadêmico fornecido pela IES.

84
CAPÍTULO VI
SEÇÃO V

DAS ATRIBUIÇÕES DO ALUNO

Art. 15 – Para a efetiva aprovação do aluno na disciplina Estágio Supervisionado, torna-se necessário
cumprir às seguintes instruções:

I) Frequentar as aulas, assumindo o compromisso de assiduidade, 75% de frequência pois, será


considerado aspectos quantitativos e qualitativos;

II) Identificar a Instituição em que pretende estagiar para que sejam definidas as atividades a serem
desenvolvidas no estágio;

III) Realização do Relatório de Estágio, cumprindo os objetivos propostos;

IV) Confecção do projeto de Pesquisa que será transformado em artigo científico como trabalho de
Conclusão de Curso;

V) Encaminhar a E4 – Espaço Estágio e Empresas da Bahia – setor que representa a Estácio FIB nos
assuntos pertinentes a estágios, 3 vias do Termo de Compromisso assinadas pelo representante
legal da Instituição concedente do estágio.

VI) Retirar no E4 – Espaço Estágio e Empresas da Bahia após 48 horas da entrega, duas vias do
Termo de Compromisso assinadas pela Estácio FIB (uma via ficará em poder do aluno e a outra
com a Instituição onde será realizado o estágio supervisionado);
VII) Apresentar as dificuldades teóricas e práticas encontradas no campo de estágio ao Professor da
disciplina de Estágio Supervisionado, para análise e discussão de alternativas de solução.

CAPÍTULO VII

85
SEÇÃO VI

COMPETÊNCIAS DO COORDENADOR DO CURSO

Art. 16 - É da competência do Coordenador do Curso:

a) Designar o professor para a disciplina de Estágio Supervisionado;

b) Apresentar o presente Regulamento ao Colegiado de Curso, para sua aprovação e homologação;

c) Identificar organizações para futuras parcerias;

d) Divulgar as ofertas de estágios e/ou de empregos, junto ao corpo discente do curso de Ciências
Contábeis;

d) Avaliar o aproveitamento do estágio em termos pedagógicos, apresentando, sempre que possível,


sugestões de melhoria.

CAPÍTULO VIII
SEÇÃO VII

DO PROFESSOR ORIENTADOR DA DISCIPLINA ESTÁGIO SUPERVISIONADO

Art. 17 - São atribuições do Professor Supervisor de Estágio:

a) Avaliar a adequação da Instituição concedente do Estágio Supervisionado quanto à capacidade de


proporcionar o ambiente e as atividades necessárias para o cumprimento dos objetivos constantes
deste Regulamento;

86
b) Orientar, acompanhar e avaliar as atividades teórico-práticas realizadas pelo aluno/estagiário;

c) Identificar no aluno/estagiário possíveis desvios quanto à postura profissional ética e fazer as


intervenções necessárias;

d) Receber dos alunos em data previamente acordada a documentação referente ao cumprimento da


carga hora de campo da disciplina.

e) Orientar, avaliar e atribuir notas ao Relatório Final de Estágio Supervisionado e o projeto de Pesquisa.

CAPÍTULO IX
SEÇÃO IX
DAS ATIVIDADES PROFISSIONAIS EM EXERCÍCIO

Art. 18 - Estudantes que já desempenham atividades profissionais compatíveis com o perfil de sua
formação acadêmica podem requerer seu aproveitamento para a integralização do Estágio
Supervisionado à Coordenação do Curso ou aos professores orientadores, desde que tenham sido
cumpridos os pré-requisitos obrigatórios neste Regulamento, e mais os abaixo citados:

a) Ter cumprido no mínimo, 300 horas de atividades práticas compatíveis com sua formação acadêmica
na empresa em até seis meses anteriores a data do início da matrícula na disciplina.

a) os alunos que se enquadrarem na condição acima deverão ter a frequência mínima em sala de aula
de 75% e entregar o relatório de estágio de acordo com a vivência profissional e o artigo científico.

b) Apresentar a descrição de cargos, funções e atividades desempenhadas na empresa, em papel


timbrado, com carimbo e assinatura do responsável legal da instituição, por meio da Declaração de
Vinculo e cópia da carteira de trabalho.

87
c) Apresentar, nas datas determinadas, o relatório de estágio de acordo com as diretrizes estabelecidas
pelo professor supervisor e constantes nas diretrizes curriculares do curso.

CAPÍTULO XI
SEÇÃO X

DA APROVAÇÃO DO ALUNO

Art. 19 - Serão considerados para aprovação do aluno na disciplina de Estágio Curricular Supervisionado
os seguintes quesitos:

a) Parecer do Professor da disciplina de Estágio Curricular Supervisionado;

b) Comprovação do cumprimento da carga horária mínima de estágio;

c) Apresentação de todos os documentos comprobatórios de estágio;

d) Apresentação do Relatório das Atividades de Estágio Curricular Supervisionado de Ensino;

e) Apresentação do Projeto de Pesquisa sobre tema que norteará o Trabalho de Conclusão de Curso –
TCC;

e) Frequência igual ou superior ao mínimo exigido na carga teórica da disciplina;

f) Desempenho acadêmico com pontuação igual ou superior ao mínimo exigido no Regimento do Centro
Universitário Estácio da Bahia – Estácio FIB.

h) Por ser o Estágio Supervisionado uma atividade obrigatória para a conclusão do curso, o estudante só
poderá colar grau e ter o registro do diploma, após a sua conclusão.

88
g) O aluno que não cumprir aos critérios de avaliação presentes neste Regulamento, estarão
automaticamente reprovados, tendo que cursar novamente a disciplina.

CAPÍTULO XII
SEÇÃO XI

DAS DISPOSIÇÕES GERAIS E TRANSITÓRIAS

Art. 20 - Os casos omissos serão resolvidos pelo Coordenador do Curso e/ou E4 – Espaço Estágio e
Empresas da Bahia, de acordo com suas respectivas competências, não sendo possível nenhum tipo de
recurso, sob nenhuma hipótese, à decisão tomada.

Art. 21 - Este regulamento entrará em vigor nesta data, revogado as disposições em contrário.

REGIMENTO INTERNO DO LABORATÓRIO DE PRÁTICA CONTABIL

Dispõe sobre a função, objetivo e finalidade, organização


interna, e formas de avaliação do Núcleo de Prática Contábil.

Capitulo I - Do Laboratório de Prática Contábil

Art. 1° - O Laboratório de Prática Contábil reger-se-á pelos princípios:

I - da ética profissional e acadêmica;

II - da responsabilidade social;

III - da interdisciplinaridade; e

89
IV - da articulação entre pesquisa, ensino e extensão;

Art. 2º. O Laboratório de Prática Contábil do Centro Universitário Estácio da Bahia é o laboratório de
prática contábil, tendo como proposta desenvolver o conhecimento de seus educandos promovendo
um estágio de qualidade, oferecendo oportunidade de contato com o ambiente de trabalho e com a
prática cotidiana de sua futura área de atuação, por intermédio da prática real, favorecendo uma maior
interação dos educandos com a população, e com os diversos órgãos públicos envolvidos no acesso à
justiça, através de professores e advogados capacitados.

Capítulo II - Dos Objetivos

Art. 3º. São objetivos do Laboratório de Prática Contábil:

§ 1º - Privilegiar a internalização de valores de responsabilidade social e ética profissional, identificando


e estimulando competências e habilidades, além de desenvolver no educando uma formação humana,
técnica, científica, interdisciplinar, integral e, sobretudo crítica;

§ 2º - Oferecer aos alunos do Curso de Ciências Contábeis, a oportunidade de ampliarem os


conhecimentos apreendidos em sala de aula, correlacionando-os às disciplinas processuais e simuladas,
além do atendimento a população carente, contribuindo para a formação de bacharéis em
Contabilidade, qualificados, éticos e competentes, capacitados para o exercício efetivo da cidadania e da
advocacia;

§ 3º - Dinamizar e uniformizar o entendimento material e processual dos conteúdos absorvidos em sala


de aula aplicando-os nas atividades de estágio supervisionado e nas disciplinas de prática contábil, com
o adequado encaminhamento processual ou extraprocessual dos litígios apresentados;

90
§ 4º - Incentivar o educando a trabalhar com compromisso e empenho junto aos seus clientes,
exercitando a ética e responsabilidade como se profissionais fossem;

§ 5º - Desenvolver o interesse, auto estima e confiança do educando, ajudando-o a posicionar-se de


forma adequada no seu exercício profissional;

§ 6º - Preparar, de forma parceira com os professores das demais disciplinas, com reconhecimento em
alto grau de qualidade o educando do Curso de Ciências Contábeis para o mercado de trabalho;

§ 7º - Prestar assistência contábil em eventos externos, organizados pela IES, em comunidades carentes
da região metropolitana e adjacências;

§ 8º - Realizar convênios e parcerias com entes governamentais e não-governamentais, trazendo


benefício à comunidade em qualquer das perspectivas de atuação do Núcleo de Prática Contábil.

Capítulo III - Da Missão

Art. 4º - O Laboratório de Prática Contábil tem como missão:

§ 1° - Desenvolver um ensino que propicie sólida formação ao aluno, constante aprimoramento docente
e atualização curricular periódica.

§ 2° - Formar profissionais conscientes da finalidade da Ciência Contábil como instrumento de


transformação social e construção da cidadania, capazes de aplicá-los nos diferentes espaços da
sociedade.

§ 3° - Formar profissionais capazes de compreender a gênese, as transformações e as múltiplas


implicações do fenômeno contábil, contemplando sua internacionalização.

91
§ 4° - Preparar profissionais aptos ao ingresso, à evolução e ao sucesso na carreira contábil no mercado
de trabalho.

Capítulo IV - Do Estágio Supervisionado

Art. 5° - Na avaliação do Estágio Supervisionado, o educando deverá ter responsabilidade social no


exercício de seu aprendizado.

§ 1º - A pasta do educando será objeto de avaliação, que deverá estar detalhada, completa, atualizada e
sem rasuras.

§ 2º - O educando deverá apresentar ao professor coordenador do estágio os relatórios diários,


relatórios de acompanhamento de processos e as atividades realizadas a cada plantão até a data
previamente divulgada;

§ 3º - Ao final do semestre, obrigatoriamente o educando deverá preencher um relatório final


circunstanciado de todas as atividades, com a documentação comprobatória pertinente.

Capítulo V - Da Utilização dos Computadores e da Biblioteca

Art. 6° - É vedado o acesso a sites pornográficos, Orkut, MSN, ou quaisquer outros que não estejam
vinculados às atividades desenvolvidas no Núcleo de Prática Contábil.

§ 1º - Cabe ao acadêmico obter as suas próprias expensas pen drive para utilização nas atividades
acadêmicas do Núcleo de Prática Contábil.

92
§ 2º - É obrigatória a realização de prévia verificação de vírus a cada utilização do pen drive nos
equipamentos do Núcleo de Prática Contábil.

Art. 7° - Os livros e revistas são responsabilidade de todos, portanto deve-se ter cuidado para não haver
danos nos mesmos.

§ 1º - Ao necessitar utilizar livros ou revistas, nas dependências do Núcleo de Prática Contábil, o


educando deverá solicitar o protocolo na recepção para assinatura no momento do empréstimo e da
devolução;

Capítulo VI - Das Disposições Finais

Art. 8º - Cabe ao educando acompanhar no mural as mudanças, adaptações e providências a serem


tomadas no Núcleo de Prática Contábil.

Art. 9° - Os casos omissos serão resolvidos pela Coordenação do Núcleo de Prática contábil.

Art. 10° - Este Regimento entra em vigor nesta data, revogadas todas as disposições em contrário.

93
[