Você está na página 1de 2

Check-list" diário básico

Ao entrar na SO
• observe a localização da fonte de gases (cilindro, central com posto de parede ou
"coluna de Ohio")
• observe o tipo de aterramento e as conexões elétricas, localize e diferencie as
tomadas de 110v e 220v

Mesa cirúrgica
• localize e identifique os controles da mesa cirúrgica, seus acessórios (como
braçadeiras, por exemplo) e a fonte de alimentação
• verifique o funcionamento dos: cefaloaclive, cefalodeclive, laterais, dorso,
perneiras
• verifique como a mesa está fixa

Fontes de gases
• observe a localização da fonte de gases, seus cabos e a mobilidade do "carrinho"
em relação à fonte
• observe que tipos de gases existem na sala e pergunte ao funcionário como
proceder em caso de interrupção do funcionamento
• observe todas as conexões dos gases (incluindo aquelas do carrinho)
• verifique a presença de válvulas redutoras (para fornecimento central) e sua
pressão de saída (deve permanecer entre 3,0 e 4,0 Kpa)
• verifique o conteúdo de gases (em caso de cilindros). Para o oxigênio, sempre
será maior que 50 Kpa

Material de urgência
• verifique a existência de "carrinho" de PCR no bloco cirúrgico com drogas,
material de via aérea e desfibrilador. Teste-os sempre
• verifique a presença de AMBU na sala de cirurgia

Equipamento de anestesia
• observe o "carrinho" e tente identificar a sessão de fluxo contínuo, vaporizadores,
respiradores e sistema circular e seus principais alarmes. Em caso de dúvida,
pergunte antes de usar o material
• verifique as conexões de gases e as conexões internas ("borrachas") e observe se
o sistema circular está adequadamente montado
• verifique sua mobilidade na SO (observe se existem cabos no chão)
• ligue o equipamento completamente, verificando a localização dos principais
controles e alarmes
• verifique o manomentro interno - ele deve estar (para O2 e N2O) entre 3,0 e 4,0
Kpa - acione o "fluxo direto de O2" e verifique se há queda acentuada da pressão
• verifique se os vaporizadores estão fechados e perfeitamente conectados
• feche todas as válvulas "pop-off", feche a saída de gases do sistema circular,
acione o "fluxo direto de O22", pressione a bolsa e observe se há vazamentos
• verifique o canister (vazamentos) e o absorvedor de CO2 (se está gasto ou velho)
• ligue e identifique o respirador, assim como seus principais controles, verifique se
suas conexões estão adequadas e procure e teste como passar de ventilação
manual à mecânica

Monitores
• verifique se há monitorização mínima
• identifique e ligue os monitores. Em caso de dúvida, pergunte antes de usá-los
• verifique se tudo está funcionando adequadamente, caso contrário, solicite a
reposição do material imediatamente
Verificando o material básico de anestesia
• laringoscópio e duas lâminas: teste-os
• canulas de guedel: pelo menos duas, em tamanho adequado ao paciente
• máscaras faciais: pelo menos duas, em tamanho adequado ao paciente
• pinça de Magyll em tamanho adequado
• AMBU
• guia para entubação
• tubos: sempre três, nos tamanhos para o paciente, com balonetes testados -
verificar a permeabilidade da luz
• seringa para insuflar o balonete
• aspirador testado e canulas de aspiração
• sonda nasogástrica acima de # 16
• gazes e luvas

Visita pré-anestésica
Realizada na enfermaria no dia anterior à cirurgia com avaliação clínica completa do
paciente, conhecimento de possíveis comorbidades, medicações em uso pelo
paciente, verificação dos últimos exames. É realizada a prescrição de fármaco pré-
anestésico, caso seja indicada, e a orientação ao paciente sobre o ato anestésico e
analgesia.

Admitindo o paciente na SO
• apresentação ao paciente
• avaliar o prontuário com atenção e separar a folha de pré-anestesia e o risco
cirúrgico
• colocar o paciente confortável na mesa cirúrgica
• revisão oral da avaliação pré-anestésica

Técnicas anestésicas utilizadas


Anestesia geral intravenosa, anestesia geral inalatória, anestesia geral combinada,
bloqueio de nervos periféricos e bloqueio no neuro-eixo.

Técnicas analgésicas utilizadas


Analgésicos sistêmicos de demanda, analgésicos sistêmicos regulares, analgesia
controlada pelo paciente, infusão contínua de analgésicos, analgesia regional
segmentar, analgesia no neuro-eixo, analgesia interpleural, adesivos
transdérmicos, analgesia em infusão subcutânea, agentes adjuvantes, acupuntura,
TENS e Crioanalgesia.