Você está na página 1de 16

1

A ALTA FREQUÊNCIA NO ESTÍMULO DA CICATRIZAÇÃO: REVISÃO DE


LITERATURA

Emanuelle Ferreira da Silva 1


Taliane Steiner2
Felipe Lacerda3

Resumo: A alta frequência é um equipamento que possui propriedades


bactericida, fungicida, antimicrobiana e cicatrizante. Tais efeitos são resultado da
ação do ozônio liberado pelo equipamento e são de grande importância no
processo cicatricial. Não há como evitar a formação de cicatrizes após uma
cirurgia, porém é possível tentar amenizar seu aspecto com a realização de
tratamentos estéticos, sendo a alta frequência uma opção de tratamento de baixo
custo, fácil aplicação e indolor. Este estudo teve como objetivo reunir materiais que
tenham relação direta com essas propriedades e uma melhora no resultado de
cicatrização. A bibliografia na área da estética ainda é limitada, por este motivo
foram utilizados artigos e livros de outras áreas da saúde, como fisioterapia e
odontologia. Conclui-se com este estudo que os efeitos do equipamento de alta
frequência encaixam-se perfeitamente nas necessidades de uma boa cicatrização.
Portanto, este é um recurso eletroterapêutico que pode e deve ser utilizado com a
função de aperfeiçoar o resultado de cicatrizes.

Palavras-chaves: alta frequência, cicatrização, ozônio.

1 INTRODUÇÃO

Na área da Estética, a prática clínica mostra a necessidade de estudos


sobre um equipamento de fácil acesso, simples manuseio e menor custo que os
procedimentos tradicionalmente empregados no tratamento de cicatrizes pós-
cirúrgicas. Optou-se pelo estudo do equipamento de alta frequência pelo fato deste
ser comumente encontrado nos estabelecimentos que oferecem tratamentos
estéticos, utilizado geralmente em procedimentos estéticos faciais e que, apesar da
bibliografia explanar seu benefício cicatrizante, ainda ser pouco empregado com
esta finalidade.

1
Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI,
Balneário Camboriú, Santa Catarina. E-mail: manuferreiradasilva@hotmail.com
2
Acadêmica do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí – UNIVALI,
Balneário Camboriú, Santa Catarina. E-mail: talisteiner@hotmail.com
3
Orientador, Professor do Curso de Cosmetologia e Estética da Universidade do Vale do Itajaí –
UNIVALI, Balneário Camboriú, Santa Catarina. E-mail: flacerda@univali.br
2

Os principais efeitos terapêuticos da alta frequência baseiam-se em suas


propriedades antimicrobianas. Estas propriedades ocorrem através das faíscas de
ozônio que são liberadas ao entrar em contato com o oxigênio do ambiente. É a
ação oxidante deste ozônio em contato com a superfície da pele que proporciona
estas características (BORGES, 2006).
A interação da corrente elétrica de alta frequência com um gás especial,
comumente o neon, contido em eletrodos de vidro, produz a formação do gás
ozônio (O3), forma trivalente do oxigênio atmosférico, de efeito anti-séptico. Em
função deste efeito a alta frequência é indispensável em todas as situações em que
o processo de cicatrização seja necessário (PEREIRA, 2007).
A utilização da alta frequência no tratamento de cicatrizes possibilita a
atuação dos tecnólogos em cosmetologia e estética em uma condição clínica na
qual complicações são comuns em função do processo infeccioso inerente. Os
cuidados e a otimização de cicatrizes representam um nicho de mercado em
constante ascensão.

2 FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA

2.1 Pele

A pele é considerada um dos maiores órgãos do corpo humano, constituindo


aproximadamente 20% do peso corporal, e está dividida em epiderme e derme. Ela
reveste quase todo o corpo, com exceção dos orifícios genitais e alimentares, olhos
e superfícies mucosas genitais que são formadas pela ectoderme (VAZ, 2008).
Devido a sua complexa estrutura, a pele exerce diversas funções, como a
manutenção da integridade do organismo pela proteção contra agressões de
agentes externos, absorção e secreção de líquidos, controle da temperatura
corporal, absorção da luz ultravioleta (protegendo o organismo dos seus efeitos
nocivos), metabolismo da vitamina D, além das funções estéticas e sensoriais. Tais
funções são a aparência, o toque, a maciez, a exalação de odores, a coloração e a
sensibilidade, responsáveis pela atração física e social do individuo. Por esse
motivo se considera que a saúde psicossocial do indivíduo depende de sua
3

aparência externa e da aceitação instintiva das características de sua pele pelos


demais componentes de seu grupo social (HARRIS, 2005).

2.2 Cicatrização

A cicatrização é um fenômeno fundamental para a sobrevivência do ser


humano, já que representa um mecanismo sofisticado de defesa (HERSON, 2008).
Na pele, ocorre continuamente a restauração tecidual do epitélio, o que
permite a renovação celular e garante sua integridade morfológica e funcional.
Diferentemente desse processo natural de regeneração, o processo de
cicatrização, que envolve camadas mais profundas, resulta em alterações da
morfologia original do tecido com conseqüente alteração da função, gerando uma
cicatriz (HERSON, 2008).
Quando ocorre grande destruição tecidual que ultrapassa os limites da
regeneração ou perante a destruição de células permanentes, o processo de
reparação é feito pelo tecido conjuntivo não especializado, formando um tecido
fibroso (GOMES, 2009).
A cicatrização de uma ferida depende do tipo de lesão sofrida pelo tecido
agredido: quando há pequena perda de substância, como no caso das feridas
incisivas ou cirúrgicas, cujas bordas são lisas e regulares e sua cicatrização é
rápida por haver coaptação das margens com suturas, ocorre um aumento de
fibras colágenas e a cicatriz apresenta um aspecto regular e fino (GOMES, 2009).
Todas as fases do processo cicatricial estão inter-relacionadas, sendo que
uma ferida jamais reagirá da mesma forma que outra. Uma mesma lesão pode se
apresentar em vários estágios simultaneamente, podendo estar infectada, com
tecido de granulação, e com tecido necrótico. Portanto é importante que se saiba o
que esta acontecendo, para poder avaliar a indicação da melhor intervenção para
esse processo extremamente complexo (PEREZ, 1999).
A resolução de uma lesão implica a ocorrência de vários acontecimentos
biológicos, que independem do agente causal e não seguem, necessariamente,
uma ordem cronológica exata ou compartimentada – apenas as diferentes etapas
ocorrerão com maior ou menor intensidade segundo a localização, o tipo de tecido
envolvido e o nível da lesão (HERSON, 2008).
4

O processo de reparação tecidual inclui uma sequência de fases que se


somam, e resultam na interação complexa entre as células da epiderme e da
derme, proteínas da matriz e do plasma e angiogênese controlada (KEDE;
SABATOVICH, 2009).
A cicatrização ocorre através de três estágios: inflamação ou fase
inflamatória, fibroplasia ou fase proliferativa, e maturação ou fase de remodelação.
A fase inflamatória ocorre nas primeiras doze horas após a lesão. Quando
um tecido mole precisa ser reparado, as plaquetas sanguíneas e os mastócitos do
conjuntivo tornam-se ativos, liberando substâncias que iniciam o reparo. Estas
substâncias incluem agentes quimiotáxicos que atraem os leucócitos
polimorfonucleares e os monócitos para o sitio da lesão (GUIRRO; GUIRRO,
2002).
Segundo Kede e Sabatovich, 2009:
“A fibroplasia é o nome dado à formação de tecido de granulação
originado no fibroblasto. Ela é composta por macrófagos, fibroblastos,
neomatriz e neovasculatura, que aparecem simultaneamente dentro da
ferida, formando um tecido macio que dá suporte à neoepiderme e produz
a neoderme.”

A segunda fase dura cerca de três a quatro semanas. Essas células que
estão em atividade começam a agir de forma combinada, tentando formar um novo
tecido, que seja altamente vascularizado, e que esse, faça o preenchimento da
ferida. A célula essencial para que possa ocorrer a cicatrização é o macrófago, é
através da liberação de agentes quimiotáticos que ocorre a estimulação da
atividade fibroblástica e a angiogênese. É através de novos vasos capilares que o
sangue começa a fluir, oxigenando assim o tecido lesionado. E é através dos
fibroblastos que aparecem novas fibras de colágeno, que ajudará no processo de
cicatrização (LOW; REED, 1999).
A fase de maturação ou remodelação pode durar meses, esta é considerada
a fase mais lenta. É nessa fase que o tecido de granulação irá se tornar mais
denso e menos vascularizado, tornando-se assim um tecido fibrosado, ou seja,
forma-se a cicatriz. No início desse processo as fibras são aleatórias umas as
outras, e é só subsequentemente que elas irão ficar reorganizadas (LOW; REED,
1999).
Em feridas cutâneas, a profundidade e a amplitude da lesão determinarão
em última instância a intensidade da resposta cicatricial (HERSON, 2008).
5

Em ferimentos nos quais o componente dérmico esteja envolvido, ocorrerá


não somente o processo de reepitelização a partir das bordas da lesão e dos restos
anexais, mas também uma reorganização na derme lesada e remodelação do leito
da ferida. Será formada a cicatriz cujas características finais dependerão de fatores
intrínsecos ou locais (como a quantidade e a profundidade do tecido inicialmente
lesado, contaminação, etc.) e extrínsecos (doenças de base, deficiências
nutricionais, etc.) (HERSON, 2008).
Quando ocorre grande perda de tecido por necrose ou acidente, leva-se um
tempo maior para a reparação, sendo produzido colágeno no centro da lesão em
direção à sua extremidade, formando uma cicatriz fibrosa e desenvolvendo uma
superfície irregular espessa e deformada. Quando a cicatriz possui grande
quantidade de tecido fibroso com aspecto irregular e elevado há quelóide (GOMES,
2009).
Quanto mais demorada ou complicada for a oclusão de uma ferida, maiores
serão as chances de que evolua com uma cicatriz de pior qualidade funcional e
estética (HERSON, 2008).
A cicatriz final, secundária a um processo de reparação, é variável e nunca
completamente previsível. Além do trauma, a cicatriz pode resultar de uma
patologia, podendo apresentar-se hipertrófica, atrófica ou normotrófica (GUIRRO;
GUIRRO, 2002).

Uma ferida não irá cicatrizar se estiver infectada, a presença de


microrganismos provocará uma resposta inflamatória, portanto deve-se priorizar a
destruição dos microrganismos presentes na mesma. Esses microrganismos
retardam a cicatrização ao consumir os nutrientes e oxigênio que seriam utilizados
no processo de reparação tecidual (MANDELBAUM et. al., 2003).

2.2.1 Classificação das cicatrizes

As cicatrizes são o resultado inevitável de uma lesão, intencional ou


acidental da pele, podendo ser planas, deprimidas ou elevadas, como o quelóide
(GOMES, 2009).
As cicatrizes hipertróficas ocorrem devido a um excesso de síntese de
colágeno, esse excesso gera uma desorientação das fibras colágenas, ao invés de
se orientarem ao longo das linhas de fenda, elas ganham forma de espiral na
6

superfície cutânea, acontecendo assim um desarranjo total das fibras colágenas,


ficando emaranhadas. Essa desorientação deixa a epiderme com um aspecto
estético problemático, e o seu tratamento pode ser de difícil correção (GUIRRO;
GUIRRO, 2002).
A cicatriz hipertrófica se limita à área do corte, possui aparência grossa e
avermelhada, e pode involuir naturalmente em um a dois anos (BORELLI, 2004).
Levando-se em consideração que elas obedecem as bordas da lesão, ao
serem extirpadas elas não aparecem novamente, tomando a cor natural da pele
(GUIRRO; GUIRRO, 2002).
Cicatrizes hipertróficas aparecem comumente em lugares como tronco,
mama, abdome e face. Isso pode ocorrer devido a alguns fatores como: fazer uma
incisão com uma direção diferente às linhas de fenda, pela raça de cada indivíduo
(levando-se em consideração que indivíduos negros e asiáticos têm maior
predisposição a esse tipo de cicatriz) e à espessura da pele (quanto mais fina,
maior probabilidade) (GUIRRO; GUIRRO, 2002).
As cicatrizes queloideanas apresentam um aspecto rígido, irregular, firme e
muito espesso. Ela ocorre por um defeito no processo de cicatrização, isso
acontece devido à produção exacerbada de matriz extracelular (KEDE;
SABATOVICH, 2009).
A quelóide ultrapassa ostensivamente a área do corte, invadindo a pele ao
redor, possui aspecto arredondado. Inicialmente róseo e mole, posteriormente se
apresenta esbranquiçado, duro e sem elasticidade. Raramente involui
espontaneamente e é extremamente doloroso (BORELLI, 2004).
O aspecto da cicatriz depende do local, cor, comprimento, textura e
profundidade. Algumas regiões do corpo possuem tendência a formar cicatrizes
mais evidentes e inestéticas, normalmente em regiões de grande movimento, como
os ombros e a mandíbula (GOMES, 2009).
O processo de cicatrização é influenciado pela espessura da pele, sendo
que as peles mais espessas possuem uma chance maior de terem cicatrizes mais
evidentes, diferentemente das peles com estrias ou mais finas, pois essas
possuem menos colágeno (CERATI, 2007).
Alguns cuidados são fundamentais no processo cicatricial. Após uma
cirurgia plástica, deve-se respeitar o período de cicatrização, pois a exposição solar
7

pode acelerar o processo de produção de melanina, deixando assim cicatrizes mais


escuras e difíceis de serem tratadas, sendo que se houver a exposição, deve-se
passar filtro solar e utilizar micropore sobre a cicatriz. Também é de grande
importância obedecer o tempo de descanso indicado pelo médico, pois o excesso
de esforço ou movimento pode prejudicar o resultado final da cicatriz (CERATI,
2007).

2.3. Alta frequência

Oliveira e Perez (2008, p.22), descrevem alta frequência como:


“Técnica que utiliza correntes alternadas de alta frequência, em que os
gases argón, chenon ou neon, em contato com o oxigênio do ar
transformam-se em ozônio. Os principais efeitos fisiológicos são: efeito
térmico, vasodilatação e hiperemia, aumento da oxigenação celular, ação
bactericida e antisséptica e melhora do trofismo dérmico.”

A eletricidade é uma forma básica de energia que pode produzir efeitos


significativos sobre os tecidos biológicos, pois a condução de carga elétrica através
da matéria, de um ponto para outro, causa mudanças fisiológicas durante todo o
processo de aplicação, por isso tem sido usada por centenas de anos como
proposta terapêutica (ROBINSON, 2002).
O equipamento de alta frequência auxilia na limpeza de pele, nos
tratamentos capilares para ativação da circulação periférica do couro cabeludo, na
cicatrização das lesões causadas por acnes, favorecendo o processo de reparação
da pele, e na ionização indireta de substâncias como ampolas aquosas nutritivas a
base de colágeno (SANTOS; GUIMARÃES, 2008).
Assim como o laser, é conhecido o benefício da utilização do gerador de alta
frequência na aceleração do processo de cicatrização, porém há poucos dados da
literatura comprovando tais benefícios (SÁ et al., 2010).
A alta frequência, de acordo com Borges (2006, p.76), “É um aparelho que
trabalha com correntes alternadas de alta frequência, cujos parâmetros de
frequência e tensão podem variar de acordo com o fabricante.”
A corrente de alta frequência ao atravessar o eletrodo adquire diferentes
tonalidades de acordo com o conteúdo do mesmo, no caso do vácuo à corrente
adquire uma luminescência azulada, já na presença de gás neón, a corrente
adquire uma tonalidade alaranjada (SORIANO et. al. 2002).
8

Os equipamentos tradicionais comportam um só porta eletrodo, os


equipamentos recentes, com maior performance permitem a utilização de vários
eletrodos simultaneamente, tais eletrodos são flexíveis por serem envoltos em
silicones (HERNANDEZ; MERCIER-FRESNEL, 1999).
A aplicação da alta frequência deixa sobre a pele certa quantidade de
energia em forma de calor, apesar de pouco significativo esse aumento de
temperatura é suficiente para acelerar o metabolismo, estimulando a circulação
periférica com consequente ação vasodilatadora e hiperemiante, aumentando a
oxigenação celular e a eliminação de anidrido carbônico (SORIANO et. al., 2002).
A ação eletrosmótica é uma particularidade das correntes de alta frequência,
permitindo que substâncias diversas, sem a associação molecular, penetrem nos
tecidos por osmose (HERNANDEZ; MERCIER-FRESNEL, 1999).
Através de pequenas faíscas produzidas pela corrente de alta frequência
ocorre o favorecimento da mobilização dos produtos químicos cosméticos, e
através deste, tem-se a penetração aumentada pela dilatação dos óstios, devido ao
calor (PEREIRA, 2007).
Em equipamentos de melhor desempenho foi bloqueada a produção de
ozônio para que os princípios ativos possam permear nos tecidos sem sofrer
modificação em sua estrutura, pois substâncias mais frágeis seriam destruídas pelo
poder oxidante do ozônio (HERNANDEZ; MERCIER-FRESNEL, 1999).
Sendo um recurso termoterápico, o equipamento de alta frequência acelera
consideravelmente a divisão celular, o ozônio age como um bactericida, evitando o
processo inflamatório na lesão, facilitando assim o desenvolvimento do tecido de
granulação. A aplicação deste recurso contribui ainda para o processo de
neoformação (SILVA & SILVA; DUARTE, 2010).
Para Traina AA. (2008 apud SÁ et al., 2010) o ozônio, liberado pela alta
frequência é um potente oxidante que, ao entrar em contato com fluídos orgânicos,
vai promover a formação de moléculas ativas de oxigênio que agirão no
metabolismo celular, proporcionando tanto benefícios à reparação tecidual, quanto
tendo ação antimicrobiana.
O ozônio é uma substância instável que se decompõe rapidamente em
oxigênio molecular (O2) e em oxigênio ativo (O) o grande poder de desinfecção do
ozônio é resultado da grande agressividade do oxigênio ativo nascente liberado
9

durante a decomposição do ozônio. Esse oxigênio ativo é um radical livre, sendo o


oxidante mais agressivo depois do flúor (WINTER, [200-]).
A ozonioterapia, por ser capaz de intervir no equilíbrio de óxido-redução,
vem sendo bastante explorada como uma terapia alternativa no tratamento de
doenças agudas e crônicas. O equipamento gerador de alta frequência vem sendo
amplamente utilizado no tratamento de afecções de pele, acelerando o processo de
cicatrização de feridas cutâneas (SÁ et al., 2010).
Ao estudar a atividade do ozônio sobre dois microrganismos presentes na
pele humana, o Staphylococcus aureus e esporos de Bacillus subtilis foi possível
constatar através de estudos preliminares que o ozônio é um agente esterilizante,
capaz de destruir completamente os Bacillus subtilis em tempo inferior a 15
minutos e células de Staphylococcus aureus quando exposto ao ozônio por 10
minutos. Notou-se então que o ozônio representa uma opção bactericida de grande
importância na abordagem fisioterapêutica dermato-funcional através do
equipamento de alta frequência (SUMITA, et. al., 2000).
O ozônio pode ser utilizado em todos os tipos de pele e é ampla a sua
utilização como germicida ou bactericida. Este gás penetrante é considerado uma
forma instável do oxigênio, possuindo as mesmas propriedades deste, porém muito
mais energético (PEREIRA, 2007).
A eficácia do ozônio contra patógenos é bem reconhecida, porém seu uso
na medicina foi por muito tempo ignorado ou desprezado, principalmente porque
ele foi mal utilizado ou utilizado sem o controle adequado. O ozônio pode
apresentar efeitos biológicos relevantes e, tendo seu índice terapêutico definido,
pode-se tornar um importante e confiável método para o tratamento de várias
doenças (BOCCI, 1996).
O ozônio tem efeito bactericida, fungicida e de inativação viral, por tal motivo
é empregado tanto na desinfecção de lesões infectadas, como em algumas
doenças causadas por bactérias ou vírus. É recomendado no tratamento de
distúrbios circulatórios e também para uma revitalização do organismo devido a
seus benéficos efeitos sobre a circulação sanguínea. Em baixas concentrações o
ozônio pode ainda modificar e estimular a resposta imunológica (KONRAD, [19-?]).
A ação direta antimicrobiana que o ozônio exerce contra bactérias, vírus e
fungos ocorrem devido a esses microrganismos não possuírem um sistema de
10

tamponamento antioxidante, portanto o estresse causado pelo ozônio acaba


tornando-os frágeis. Já a ação microbicida indireta do ozônio é resultante das
mudanças metabólicas que este provoca (PEREIRA et. al., 2005).
O tratamento médico com ozônio foi introduzido no Brasil em 1975, pelo
médico paulista Dr. Heinz Konrad ([19-?]) e, segundo ele, “é preciso que se domine
perfeitamente a técnica correta, e que se tenha noção exata das quantidades e das
concentrações de ozônio a serem utilizadas, para que se possa obter os melhores
resultados possíveis.”
A alta frequência é utilizada após a extração, por conta de seu efeito
bactericida, descongestionante e cicatrizante (OLIVEIRA; PEREZ, 2008).
Outro importante efeito terapêutico é a melhora do trofismo dérmico, que
está relacionado à ação bactericida da alta frequência, pois muitas vezes o trofismo
da pele, tem relação direta com os processos de regeneração tecidual, sendo
prejudicado pela ação de bactérias (BORGES, 2006).
Os efeitos diretos do calor são mais importantes do que as alterações
sanguíneas, pois eles se manifestam por um pronunciado aumento de fagocitose e
leucocitose (PEREIRA, 2007).
De acordo com Pereira (2007, p. 9), “As aplicações do calor local
determinam um sensível aumento da circulação e, pelo exposto, o vapor ozonizado
é fundamental nos tratamentos.”
Em estudo sobre a aceleração do processo cicatricial com o uso da
eletroterapia, Silva e Duarte (2010), apontam a ação da alta frequência na
cicatrização: “os resultados das aplicações contribuíram com um processo de
neoformação, com a aceleração de fibroblastos e organização do colágeno, com
isso, um melhor estado estético em pacientes com lesão de primeira intenção.”
No pós-operatório da abdominoplastia e da rinoplastia o uso de alta
frequência é bem vindo para auxiliar a oxigenação do tecido e pelo seu efeito
bactericida. Utiliza-se uma gaze sobre a pele durante a aplicação da alta frequência
para facilitar o deslizamento e diminuir a incidência da corrente direta sobre a pele
(MAUAD, 2003).
A aplicação da alta frequência varia entre três a dez minutos. A intensidade
adotada é aquela suficiente para gerar faiscamento, respeitando a sensibilidade do
indivíduo. A desinfecção dos eletrodos após o uso é feita com algodão embebido
11

em álcool 70%. As principais contra indicações são: marca-passo cardíaco,


gestantes, alterações de sensibilidade, pele com produtos inflamáveis e neoplasias
(OLIVEIRA; PEREZ, 2008).
Para as diversas aplicações de alta frequência são utilizados eletrodos
constituídos por um tubo de vidro que podem assumir formatos variados,
adaptando-se às diferentes regiões corporais nas quais serão aplicados (SORIANO
et. al. 2002).

3 METODOLOGIA

O estudo foi baseado em pesquisa bibliográfica exploratória qualitativa,


podendo ser caracterizado da seguinte forma:
Pesquisa bibliográfica: elaborada a partir de livros, artigos e material já
publicado. É fundamental em estudos históricos, pois se torna mais fácil conhecer
os acontecimentos passados através de uma pesquisa com base em dados
secundários (GIL, 1999).
Exploratória: tem por objetivo desenvolver, esclarecer e modificar conceitos
e idéias, visando solucionar problemas ou hipóteses pesquisáveis para estudos
posteriores. Para tanto é feito um levantamento bibliográfico e documental.
Procedimentos de amostragem e técnicas de coleta de dados não são realizados
neste tipo de pesquisa. Este tipo de estudo é feito especialmente quando um
determinado assunto é pouco explorado, visando fazer uma investigação mais
ampla. Ao final do processo de pesquisa o problema passa a ser mais bem
esclarecido (GIL, 1994).
Qualitativa: ocorre uma relação dinâmica entre o mundo real e o sujeito, isto
é, um vínculo indissociável entre o mundo objetivo e a subjetividade do sujeito que
não pode ser traduzido em números. Não requer uso de métodos e técnicas
estatísticas. O ambiente natural é a fonte direta para coleta de dados e o
pesquisador é o instrumento-chave. Tem como focos principais de abordagem,
analisar dados indutivamente (SILVA E MENEZES, 2001).
A pesquisa a respeito do tema foi realizada através da análise sistemática de
capítulos de livros-texto da área de Estética e de Eletroterapia que abordavam o
assunto em questão. Foi também realizada busca nas seguintes bases de dados
12

de informação em saúde: Pubmed/Medline, Lilacs, Scielo e Google Acadêmico


utilizando como unitermos as seguintes palavras-chave: alta-frequência,
ozonioterapia, pele, cicatrização, cicatrização+pele, alta frequência+bactericida,
alta-frequência+cicatrização nas bases de dados em português e high frequency,
wound healing e ozone therapy nas bases de dados em inglês sendo encontrados
e estudados sistematicamente quatro artigos.

4 CONSIDERAÇÕES FINAIS

Sabe-se que uma ferida infectada não cicatrizará satisfatoriamente, por isso
é de grande importância a destruição dos microrganismos presentes na mesma. A
aplicação da alta frequência promete acelerar o processo cicatricial devido a sua
ação antimicrobiana. As propriedades do equipamento de alta frequência são
resultado da liberação do gás O3, um potente oxidante que ao destruir as bactérias
presentes na lesão evita a resposta inflamatória, facilitando assim a formação do
tecido de granulação, contribuindo para o processo de neoformação, acelerando a
produção de fibroblastos e a organização do colágeno, proporcionando uma cicatriz
de melhor aparência.
Outro importante efeito da corrente de alta frequência é a geração de calor,
o que aumenta o fluxo sanguíneo, resultando em uma melhora do trofismo, da
oxigenação e do metabolismo celular.
Conclui-se com este estudo que os efeitos do equipamento de alta
frequência encaixam-se perfeitamente nas necessidades de uma boa cicatrização.
Portanto, este é um recurso eletroterapêutico que pode e deve ser utilizado com a
função de aperfeiçoar o resultado de cicatrizes. Observando-se as contra
indicações, as formas de aplicação, o tempo e a concentração adequada para cada
caso, o tecnólogo em cosmetologia e estética pode ter na alta frequência uma
opção para proporcionar um tratamento satisfatório, indolor e de baixo custo em
cicatrizes de seus clientes.
Este estudo teve o intuito de colaborar com estudos já realizados e
pesquisas futuras na área da eletroterapia estética, sendo sugerida a realização de
estudos práticos para a determinação de parâmetros ideais de utilização como o
13

tempo de aplicação, intensidade da corrente e a averiguação dos resultados


estéticos no tratamento de cada tipo de cicatriz.
14

REFERÊNCIAS

BOCCI, V.; Does ozone therapy normalize the cellular redox balance?
Implications for therapy of human immunodeficiency virus infection and several
other diseases. Med. Hypotheses, 1996.

BORELLI, Shirlei. As idades da pele: orientação e prevenção. 2. ed. São Paulo:


Senac São Paulo, 2004.

BORGES, F S. Dermato-funcional: modalidades terapêuticas nas disfunções


estéticas. São Paulo, SP: Phorte, 2006. 541 p.

CERATI, D. Cicatrizes: marcas do passado. Plástica e Beleza: guia especial de


inverno, São Paulo, n. 07, p.56-58, 2003. Mensal.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 4. ed. São Paulo: Atlas,


1994.

GIL, A. C. Métodos e Técnicas de Pesquisa Social. 5. ed. São Paulo: Atlas,


1999.

GOMES, S. J.; DUARTE, C. S. Inflamação. In: LACRIMANTI, L.,M. (Coord.). Curso


Didático de Estética. Vol. 1. São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2008. Cap. 16, p.
101-104.

GUIRRO, E.; GUIRRO, R. Fisioterapia dermato-funcional. 3. ed. rev. e ampl. São


Paulo: Manole, 2004.

HARRIS, M. I. N. C. Pele: estrutura, propriedades e envelhecimento. 3. ed. rev. e


ampl. São Paulo, SP: SENAC, 2009.

HERNANDEZ, M.; MERCIER-FRESNEL, M. M. Manual de cosmetologia. 3. ed.


Rio de Janeiro, RJ: Revinter, c1999. 353 p.

HERSON, M. R.; KAMAMOTO, F.; FERREIRA, M. C. Cicatrização de Feridas. In:


GAMA-RODRIGUES, J. J.; MACHADO, M. C. C.r; RASSLAN, S. (Ed.). Clínica
Cirúrgica. Barueri, SP: Manole, 2008. Cap. 9, p. 121-129.

KEDE, M. P. V.; SABATOVICH, O.. Dermatologia estética. 2. ed. rev. e ampl. São
Paulo, SP: Atheneu, 2009. [38], 1015 p.

KONRAD, H. O que é Ozônio? [19-?] Disponível em: <


http://www.ozonio.med.br/ozonio.htm >. Acesso em: 20 abr. 2011.

LOW, J.; REED, A.; RIBEIRO, L. B.; CASAROTTO, R. A. Eletroterapia


explicada: princípios e prática. 3. ed. São Paulo: Manole, 2001.
15

MANDELBAUM, S. H.; DI SANTIS, É. P.; MANDELBAUM, M. H. S. Cicatrização:


conceitos atuais e recursos auxiliares. Parte I. An bras Dermatol, Rio de Janeiro,
78(4): 393-410, jul./ago. 2003.

MAUAD, R. (Org). Estética e cirurgia plástica: tratamento no pré e pós-


operatório. 2. ed. São Paulo: Senac, 2003.

OLIVEIRA, A. L.; PEREZ, E. Estética Facial: Curso Didático de Estética. Vol. 2.


São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2008.

PEREIRA, F. Eletroterapia sem mistérios: aplicações em estética facial e


corporal. Rio de Janeiro: Rubio, 2007.

PEREIRA. M.M.S; NAVARINI, A.; MIMICA, L.M.J.; PACHECO,Jr. A.M.; SILVA, R.A.
Efeito de diferentes gases sobre o crescimento bacteriano: estudo
experimental “in vitro”. Revista do Colégio Brasileiro de Cirurgiões, 32, 2005. p.12-
14.

PEREZ, A. J. L.; GONZALEZ, G. Z. Experiência clínica em abdominoplastia.


Cirurgia Plástica, 1999: 9(3): 112-9.

ROBINSON, A. J.; MACKLER, L. S. Eletrofisiologia clinica. 2. ed. Porto Alegre:


Artmed, 2002.

SÁ, H.P.; NUNES, H. M.; SANTO, L. A. E. Estudo comparativo da ação do laser


GaAlInP e do gerador de alta frequência no tratamento de feridas cutâneas em
ratos: estudo experimental. Conscientiae Saúde, São Paulo, v. 9, n. 03, p.360-
366, 2010. Trimestral. Disponível em:
<http://www4.uninove.br/ojs/index.php/saude/article/viewFile/2315/1765>. Acesso
em: 15 abr. 2011

SANTOS, B. M.; GUIMARÃES, C. C. Tecnologia em estética. In: LACRIMANTI,


L.,M. (Coord.). Curso Didático de Estética. Vol. 2. São Caetano do Sul, SP:
Yendis, 2008. Cap. 5, p. 111-123.

SILVA, E. L.; MENEZES, E. M.. Metodologia da Pesquisa e Elaboração de


Dissertação. 3. ed. rev. e atual.- Florianópolis : Laboratório de Ensino a Distância
da UFSC, 2000

SILVA E SILVA, M. S.; DUARTE, M. S. Aceleração do processo cicatricial com


uso da eletroterapia. Faculdade de Reabilitação da ASCE. Disponível em:
<http://www.frasce.edu.br/nova/prod_cientifica/cicatrizacao.pdf>. Acesso em: 20
abr. 2011.

SORIANO, M.C.D.; PÉREZ, S.C.; BAQUÉS, M.I.C. Electroestéstica Profissional


Aplicada: teoria e prática para a utilização de correntes em estética. 1º ed.
Barcelona: Sorisa, 2002.

SUMITA, T. C.; UENO, M.O. Estudo da Atividade do Ozônio sobre o


Staphylococcus Aureus e esporos de Bacillus Subtilis. In: V Encontro de
16

Iniciação Científica - I Mostra de Pós-graduação. Universidade de Taubaté.


Resumos de Biociências, 2000.

TRAINA, A. A. Efeitos biológicos do ozônio diluído em água na reparação


tecidual de feridas dérmicas em ratos. 2008. 122 f. Tese (Doutorado) -
Faculdade de Odontologia da Universidade de São Paulo, São Paulo, 2008.

VAZ, D., P. Sistema tegumentar. In: LACRIMANTI, L.,M. (Coord.) Curso Didático
de Estética. Vol. 1. São Caetano do Sul, SP: Yendis, 2008. Cap. 2, p. 7-14.

WINTER, W. R. Eletrocosmética. 3. ed. Rio de Janeiro: Vida Estética, [200-]. 243


p.

Você também pode gostar