Você está na página 1de 20

“AVALIAÇÃO DO COMPORTAMENTO

DE
ASFALTOS À AÇÃO DE DILUENTES”
(PESQUISA LABORATORIAL)

16º ENCONTRO DE ASFALTO/ IBP QUIM.: CARLOS AUGUSTO COSTA


DEZEMBRO/2002
RESUMO:

¾O trabalho apresenta resultados obtidos


sobre corpos de provas de materiais
asfálticos, do comportamento sob a ação
de diluentes de petróleo, com avaliação
de caráter qualitativo de graduação da
modificação, em relação ao tempo de
exposição, em ambiente confinado.
1. INTRODUÇÃO:
¾Obras de pavimentação vem
incrementando o uso de asfaltos
modificados por polímeros, onde
propriedades diferenciadas são exigidas
do ligante asfáltico.
¾OBJETIVANDO:
9 Melhor desempenho;
9 Maior durabilidade;
9 Camadas asfálticas em condições de
maior severidade de uso, tipo e
intensidade de tráfego (progressiva).
OS POLÍMEROS:

¾Empregados em obras correntes (ou


específicas) de pavimentação no
Brasil, são os elastoméricos:

9SBS (estireno-butadieno-estireno)
9SBR (estireno-butadieno- “Rubber”)
9Pó borracha pneu (em início)
PESQUISAS INICIAIS: (PISTA)

⇒ DNER-IPR / Pref. Rio de Janeiro


9Nos primórdios das pesquisas com
asfaltos modificados por polímeros,
segmentos de via urbana foram
executados, concluindo por melhor
desempenho das misturas asfálticas
SBS em relação ao EVA.
(⇒TRABALHO PUBLICADO EM CONGRESSOS)
PESQUISAS ATUAIS: (LABORATÓRIO)
¾ PESQUISAS COM MISTURAS ASFÁLTICA
EMPREGANDO POLÍMERO EVA (ACETATO VINIL
ETILENO) COM 28% ACETATO, PROPICIA
OBTENÇÃO:
9 ASFALTOS MODIFICADOS BOA
COMPATIBILIDADE;
9 RETORNO ELÁSTICO 50%
9 RESISTÊNCIA AO ENVELHECIMENTO (RTOFT)
9 RESISTÊNCIA À DEFORMAÇÃO (ESCOAMENTO)
(CLIMA TROPICAL)

(*BIBLIOGRAFIA 1)
MISTURAS ASFÁLTICAS/ EVA:

¾Estas pesquisas apresentam:

9Resultados de fadiga misturas/ EVA


superior às misturas/ SBS;

9Sendo indicado o emprego das


misturas/ EVA com a composição de
agregados com menor teor de
fillerizados (menor rigidez)
2. PESQUISA: AÇÃO DE DILUENTES

¾Materiais asfálticos e diluentes:


9CAP 50/60 – RLAM (Venezuela)
9CAP50/60 + 5% SBS
9CAP 50/60 + 5% EVA
9Diluente 1 – óleo diesel
9Diluente 2 - querosene
3. PREPARAÇÃO DOS MATERIAIS:

¾As amostras de asfaltos foram


moldadas em caixilho de papel
siliconado (anti-aderente):
C = 8,0 cm
l = 2,5 cm
h = 1,0 cm
v = 20 cm3
4- ENSAIO: PROCEDIMENTO

9Amostras perfuradas fio arame Ø 1mm


91 cm abaixo da parte superior
9Em sua área de espessura (h)
9Apoiada pelo fio nas bordas do recipiente
vidro boca larga
h = 11,5 cm x ø 6,5 cm + tampa
9Mergulhadas (1/2) no diluente
9Suspensas à 2,0 cm do fundo
4. ENSAIO: PROCEDIMENTO

9Ajustou-se as tampas s/ o vidro


9Mantendo o ambiente interno do
recipiente vedado
9Atuação dos gases diluentes sobre a
parte não imersa
9Não contaminação ambiental do
laboratório
ESQUEMA

Tampa

Arame
flexível 1mm

8 cm
11 cm
Nível do diluente
(1/2 da amostra)

2 cm
cm
1cm 2. 5
5. AVALIAÇÃO/ PROCEDIMENTOS:

1 ⇒ ESQUEMA: “0” HORA:

N ÍV E L

D IE S E L QUERO S. D IE S E L QUERO S. D IE S E L QUERO S.

CAP CAP C A P /S B S C A P /S B S C A P /E VA C A P /E VA
Oh Oh Oh Oh Oh Oh
5. AVALIAÇÃO/ PROCEDIMENTOS:

92 > Após 2 horas:


9Retirada da tampa de confinamento
9Içamento da amostra
9Avaliação da deformação parte imersa
parte ñ imersa
9Imersão / cuidados
9Tamponamento/ prosseguimento
924 horas > 48 horas
6. AVALIAÇÃO: > “2” HORAS

N ÍV E L

D IE S E L Q U ER O S. D IE S E L Q U E RO S. D IE S E L Q U E RO S.

CAP CAP C A P /S B S C A P /S B S C A P /E VA C A P /E VA
2h 2h 2h 2h 2h 2h
6. AVALIAÇÃO: > “24” HORAS

N ÍV E L

D IE S E L QU EROS. D IE S E L QU EROS. D IE S E L QU EROS.

CAP CAP C A P /S B S C A P /S B S C A P /E VA C A P /E VA
24h 24h 24h 24h 24h 24h
6. AVALIAÇÃO: > “48” HORAS

D IE S E L QU ERO S. D IE S E L QU ERO S. D IE S E L QU ERO S.

CAP CAP C A P /S B S C A P /S B S C A P /E VA C A P /E VA
48h 48h 48h 48h 48h 48h
7.CONCLUSÃO:

¾ Método simples avaliação qualitativa


permitiu análise do comportamento
de materiais asfálticos à ação de
diluentes de petróleo a que são
expostos os pavimentos.
7.CONCLUSÃO:

¾Poder de solvência:
9Comprovada maior eficiência de
solubilização do querosene a
materiais asfálticos em reação ao óleo
diesel
7. CONCLUSÃO:

¾ Asfalto: (*)
9 Altamente susceptível à diluentes

¾ Asfalto/ SBS:
9 Susceptibilidade retardada

¾ Asfalto/ EVA:
9 Redução considerável da susceptib.
9 Melhor desempenho (*)