Você está na página 1de 19

Mecanismo de formação e controle do cavaco

Início do corte, a) distribuição de tensão, b) propagação de trica em


material frágil, c) Deformação elastoplástica em materiais dúcteis.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


1

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


2
Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC
3

IPT, WZL Aachen

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


4
Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC
5

A formação do cavaco é um processo periódico


de deformação e cisalhamento de material

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


6
Modelos clássicos de formação do cavaco

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


7

Modelos:

a. Modelo de Ernst e Merchant – formação de cavaco por um processo


puramente de cisalhamento;
b. Lee e Shafer – aplicação da teoria slip-line…. a tensão cisalhante é máxima
na região da linha AB; não há força atuante acima da linha AC.
c. Shaw, Cook e Finnie – atenção na inter-relação entre o processo de cisalha-
mento e atrito. Foi incorporada a hipótese que o plano de cisalhamento não
está contido na direção da tensão máxima cisalhante.
d. Okushima e Hitomi – colocam que o cisalhamento acontece dentro de uma
região particular triangular de escoamento e não num simples plano de
cisalhamento.
e. Kececiogly – sugere que o cisalhamento ocorre não em um plano, mas em
uma região paralela ao plano.
f. Zorev – a região de deformação plástica é limitada pelas linha OL (ao longo
do qual ocorre a primeira deformação plástica) e a linha OM ( ao longo da
qual ocorre a última deformação plástica).

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


8
Modelo clásssico da formação de cavaco

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


9

Os problemas nos modelos de corte ortogonal – determinação


do ângulo de cisalhamento

Fonte: Astakhov

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


10
Princípio da tensão cisalhante máxima
π
ϕ= −θ + γ
4
Princípio da mínima energia

π θ +γ
ϕ= −
4 2
Fonte: Astakhov

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


11

Os modelos de Ernst e Lee não são confirmados com ensaios


experimentais

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


12
Modelos mais complexos baseados na teoria do Slip-line

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


13

Teoria do Slip-line (continuação)

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


14
A formação do cavaco segundo Astakhov

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


15

Segundo Diniz os tipos de cavacos são:

a) Cavaco contínuo – presenta-se constituido de lamelas justaposrtas numa


disposição contínua. A distinção das lamelas não é nítida. Forma-se na
usinagem de materiais dúcteis (aço, p.e.), onde o ângulo de saída deve
assumir valores elevados.
b) Cavaco de cisalhamento – apresenta-se constituído de lamelas justapostas
bem distintas.
c) Cavaco de ruptura – apresenta-se constituído de fregmentos arrancados da
peça usinada. A superfície de contato entre cavaco e superfície de saída
da ferramenta é reduzida, assim como a ação do atrito; o ângulo de saída
deve assumir valores baixos, nulos ou negativos

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


16
Segundo alguns autores alemães:

a) Cavaco contínuo – O cavaco escorrega sobre a superficie de saída com


velocidade constante em fluxo contínuo. Sua formação é facilitada por
estrutura de fina e homogênea de grãos e alta ductilidade do material,
através de alta velocidade de corte, baixo atrito do cavaco com a ferramenta,
ângulo de saída positivo e baixa espessura de corte.

b) Cavaco lamelar – parecido com o contínuo, mas apresenta formação de


cavaco periódica (deformação plástica e cisalhamento). As bandas de
cisalhamento são visíveis. São observados em materiais de boa deformabili-
dade de alta resistência, principalmente na usinagem em altas velocidades
de corte.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


17

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


18
Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC
19

São caracterizados por grandes


deformações continuadas em estreitas
bandas entre segmentos com muito
pouca, ou quase nenhuma deformação
no interior destes segmentos.
Acontece pelo processo de
“cisalhamento termoplástico
adiabático”

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


20
a) Cavaco de cisalhamento – o material ao escorregar ao longo do plano de
cisalhamento, fissura no ponto mais solicitado. Esta fissura não progride, então,
até à ruptura parcial ou total do cavaco. Este, aprsenta-se, entretanto, em geral,
como uma fita contínua, pois os efeitos da pressão e da temperatura provocam
a solda dos diversos segmentos.

b) Cavaco de ruptura – é o que é produzido na usinagem de materiais frágeis,


como ferro fundido e latão, tendo a forma de pequenos fragmentos independentes
e distintos, gerados essencialmente por ruptura, pela ação de tensões principais
de tração-compressão.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


21

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


22
Modelo de formação de cavaco segundo Viktor P. Astakhov
www.astvik.com

trinca

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


23

Fases:
1- Fase inicial, quando a ferramenta está em contanto com a peça. A aplicação da força de
penetração P leva à formação de uma zona de deformaçã na frente da aresta.

2 – A peça primeiramente se deforma elasticamente e depois plasticamente.


Como resultado, uma certa zona elastoplástica se forma a frente da ferramenta que leva a
ferramenta a avançar mais na peça de tal modo que uma parte da camada a ser removida
entra em contato com a superfície de saída do cavaco

3 – Quando um contato completo acontece, o estado de tensão a frente da ferramenta se


torna complexo incluindo uma combinação de tensões de compressão e de flexão.
A dimensão da zona deformada e a tensão máxima aumentam com a força de penetração P.
Quando a tensão combinada nessa zona, atinge o limite (para um dado material), uma
superfície de escorregamento se forma na direção da tensão máxima combinada. Esse
instante pode ser considerado como o início da formação do cavaco.

4 – Tão logo a superfície de escorregamento se forme, todo o material do cavaco começa a


escorregar ao longo dessa superfície e então ao longo da superfície de saída do cavaco.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


24
Continuação …
5 – Após o escorregamento, a resistência a penetração da ferramenta diminui, levando à
diminuição do tamanho da parte plástica da zona deformada. Entretanto, a estrutura do
material da peça, o qual tem sido deformado plasticamente e agora retorba ao estado elástico,
é diferente do material original. Ele parec corresponder à estrutura de um material deformado
a frio.

6 – o processo se repete …

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


25

Usinagem de materiais frágeis com ângulo γ positivo segudo


Astakhov

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


26
Usinagem de materiais frágeis com ângulo γ negativo

Fonte: Astakhov, V.P. A system concept in metal cutting. Journal of Material Processing Technology 79 (1998) 189-199.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


27

Modelos de formação de cavaco na usinagem de materias frágeis

Fonte: Astakhov, V.P. A system concept in metal cutting. Journal of Material Processing Technology 79 (1998) 189-199.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


28
Relação tensão-deformação e tipo de cavaco segundo König

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


29

Resumo dos tipos de cavacos segundo Astakhov

Astakhov: Tribology of Metal Cutting

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


30
Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC
31

Aresta posiça de corte/ Gume postiço

O gume postiço constitui uma massa mais ou menos estacionária de metal,


soldada na face da ferramenta (superfície de saída). Ela é formada devido a
um forte atrito entre o cavaco e a ferramenta, que produz o arrancamento de
pequenas partículas de material da ferramenta. Provoca um péssimo acabamen-
to superficial da peça usinada.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


32
Built-Up Edge (BUE) Chips

• Layers of workpiece material are gradually deposited on the tool


• BUE eventually breaks off and is carried away by the chip and/or deposited
randomly on the workpiece surface (b)
• Large tool tip radius with BUE
• Produces rough surface finishes
• Generally undesirable but a thin, stable BUE can
reduce wear and protect the rake face
• Reduce probability of BUE forming by: (c)
• Decreasing depth of cut
• Increasing rake angle
• Using a sharp tool
• Using an effective cutting fluid
(b) Surface finish in turning 5130 steel
• Using cold-worked metals rather with a built-up edge. (c) surface finish
annealed on 1018 steel in face milling.
Magnifications: 15X. Source: Courtesy
of Metcut Research Associates, Inc.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


33

Hardness of Built-Up Edge (BUE) Chips

(a)

Figure 20.6 (a) Hardness


distribution in the cutting
zone for 3115 steel. Note
that some regions in the
built-up edge are as much
as three times harder than
the bulk metal. Source:
Courtesy of Metcut
Research Associates, Inc.

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


34
Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC
35

Grau/ fator de recalque

Grande importância na teoria da usinagem, pois orienta sobre fatores de


usinabilidade como:
• pressão específica do cavaco sobre a ferramenta;
• volume de cavaco produzido por unidade de potência;
• temperatura;
• é uma relação que diz respeito a quanto o cavaco se deformou, mas
nada diz sobre a vida da ferramenta de corte.

Exemplo:
• Torneamento de cobre com ferramenta de MD
condições: vc= 69 m/min, f=0,06 mm/rot, ap=1,6 mm γn=4,5°
Λh= 7;
• Sob as mesmas condições de usinagem, mas com ferr. de diamante
Λh= 1,8;

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


36
Determinação do grau/ fator de recalque

m
Λh =
f ⋅ap ⋅ ρ ⋅l'

onde:
m – peso do cavaco [g];
f e ap – avanço e profundidade de corte [mm];
ρ – peso específco do material [g/mm3];
l’ – comprimento do cavaco [mm].

Fonte: Stemmer – Ferramentas de Corte I

Prof. Dr.-Ing. Joel Martins UDESC


37