Você está na página 1de 99

MORFOLOGIA DA RAIZ

Fig. 1. Regiões da raiz (Fonte wikipédia)

--17--
1.2. TIPOS FUNDAMENTAIS DE SISTEMAS RADICULARES

• Sistema radicular axial ou pivotante

-2-
Sistema radicular fasciculado ou em cabeleira

Sistema radicular fasciculado ou em cabeleira (Fonte: Autoras)

Sistema adventício caulinar Sistema adventício


(Fonte: Autoras) foliar (Fonte: Autoras)

Sistema adventíceo –

-3-
Raízes aquáticas –

Subterrâneas – quando se fixam ao solo.

Planta aquática natante (Eichornia crassipes


(Mart.) Solms. – aguapé; (Fonte: Autoras).

-4-
Raízes tuberosas -

Raízes tuberosas laterais Raiz tuberosa axial da


da batata-doce. cenoura (Fonte: Autoras)
(Fonte: Autoras)

Raízes estranguladoras –

Raiz estranguladora Raiz estranguladora


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

-5-
Raízes sugadoras ou haustórios

Cuscuta sp: detalhe do


Cuscuta sp,: hábito ramo e flores
(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

Psitacanthus sp: hábito Struthanthus sp: detalhe da


(Fonte: Autoras) ramificação no ramo
suporte (Fonte: Autoras)

-6-
Raízes grampiformes –

Raiz grampiforme de Raiz grampiforme de


Araceae Araceae
(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)
Raízes respiratórias ou pneumatóforos –

Pneumatóforo
(Fonte: Autoras)

-7-
Raízes suporte ou escora

Raiz suporte Raiz suporte no milho


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

Raízes tabulares

Raízes tabulares (Fonte: Autoras)

-8-
2. MORFOLOGIA DO CAULE

Acúleo (Fonte: O. Pereira) Espinho (Fonte Autoras)

Regiões do caule

-9-
Esquema representativo da divisão do caule
(Apezzato-da-Glória et al., 2006)

2.3 CLASSIFICAÇÃO DOS CAULES

Quanto à forma:
• Caules cilíndricos –
• Caules cônicos -
• Caules achatados
• Caules angulosos -
• Caules sulcados –
• Caules bojudos ou barrigudos

- 10 -
Quanto à consistência:
• Caules herbáceos -
• Caules sublenhosos –
• Caules lenhosos
Quanto ao desenvolvimento:
• Ervas –
• Subarbusto –
• Arbusto –
• Árvore –

Fuste em uma angiosperma


(Fonte: Autoras)

- 11 -
Quanto à ramificação:

Indivisos –
Ramificados –
Monopodial –
Simpodial –

Ramificação monopodial em Gimnospermas


(Fonte: Autoras)

- 12 -
Ramificação simpodial em eudicotiledôneas
(Fonte: Autoras)

Quanto aos tipos:

Caules aéreos erguidos:

Haste –

Caule tipo haste (Fonte: Autoras)

Tronco –

- 13 -
Caule tipo tronco (Fonte: Autoras)

Estipe –

Caule tipo estipe Copernicia prunifera


(Mill.) H.E. Moore) (Fonte: Autoras)

Colmo -

- 14 -
Saccharum officinarum L. (Fonte: Bambusa sp (Fonte: Autoras)
Autoras)

Cladódio -

Cladódios em Cactaceae (Fonte: Autoras)

- 15 -
Cladódios em Euphorbiaceae
(Fonte: Autoras)

Caules rasteiros:

Radicantes, estolho ou estolão –

Estolão (Fonte: Autoras)

- 16 -
Prostrados ou rastejantes –

Caule rastejante em abóbora – Cucarbita pepol L.

Caules trepadores:

Volúveis –

Caule volúvel em Asdepiadaceae Caule volúvel em Leguminosae


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

- 17 -
Sarmentosos –

Caule sarmentoso com


gavinhas (Fonte: Autoras)

Lianas ou cipós –

Detalhe do cipó-escada.
Bauhinia sp (Fonte: Autoras)

- 18 -
Caules subterrâneos

Rizoma –

Tubérculo –

Bulbos –

Bulbo tunicado –

Bulbos tunicados
(Fonte: Autoras)

- 19 -
Bulbo escamoso –

Bulbo sólido –

Bulbo composto -

Pseudobulbo –

Xilopódios –

Caules aquáticos –

- 20 -
Detalhe do caule de Detalhe da flor de Neptunia
Neptunia sp (Fonte: Autoras) sp (Fonte: Autoras)

- 21 -
1. MORFOLOGIA DA FOLHA

Superfície abaxial - Melastomataceae (Fonte: Autoras)

Superfície adaxial – Melastomataceae (Fonte: Autoras)

- 22 -
Regiões da folha

Representação das principais partes de uma


folha de angiosperma (JUDD et al., 2009).

- 23 -
De acordo com a ocorrê ncia das suas partes componentes, podem ser
classificadas como:

- 24 -
Folha peciolada –

Folha peciolada (RADFORD et al.,1974)

Folha séssil –

Folha séssil (RADFORD et al.,1974)

- 25 -
Folha invaginante –

Folha com bainha (RADFORD et al.,1974)

- 26 -
1.1. CLASSIFICAÇÃO DAS FOLHAS

1. Quanto à disposição da folha no caule – FILOTAXIA

Padrões principais de filotaxia (JUDD et al., 2009)

- 27 -
Fasciculadas –

Filotaxia fasciculada (Fonte: Autoras)

- 28 -
Rosuladas –

Folha rosulada (Fonte: Autoras)

CLASSIFICAÇÃO DO LIMBO

1. Quanto à superfície, as folhas podem apresentar-se:

Glabra –

Pilosa –

Folhas evidenciando superfície pilosa (Fonte: Autoras)

- 29 -
Lisa – superfície sem a ocorrência de elevações.

Folha com superfície lisa (Fonte: Autoras)

Rugosa –

Folha rugosa (Fonte: Autoras)

- 30 -
2. Quanto à coloração.

Folha maculada Folha variegada


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

- 31 -
Folha listrada Folha bicolor (ou discolor)
(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

3. Quanto à subdivisão do limbo

Folha de limbo simples Folha de limbo composto


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

- 32 -
4.1. Tipos de folhas compostas

Paripinada -

Imparipinada –

Folha composta imparipinada


(Fonte: Autoras)
Bipinado –

Folha composta bipinada


(Fonte: Autoras)

- 33 -
Palmada ou digitada –

Trifoliolada –

Unifoliolada –

Organização dos folíolos


(JUDD et al., 2009)

- 34 -
4. Forma do limbo:

Formas básicas da lâmina

foliar (JUDD et al., 2009)

Falciforme –

Folha falciforme (RADFORD et al.,1974)

- 35 -
Hastiforme –

Folha hastiforme
(RADFORD et al.,1974)

Reniforme –

Folha reniforme
(Radford et al.,1974)

Runcinada –

Folha runcinada
(RADFORD et al.,1974)

- 36 -
Sagitiforme –

Folha sagitiforme

(RADFORD et al.,1974)

Espatulada –

Folha espatulada

(RADFORD et al.,1974)

Cordiforme –

Folha cordiforme
(RADFORD et al.,1974)

- 37 -
Peltiforme –

Folha peltiforme

(RADFORD et al.,1974)

5. Formas do ápice

Diferentes formas do ápice foliar

(JUDD et al., 2009)

- 38 -
6. Formas da base

Diferentes formas da base


foliar (JUDD et al., 2009)

- 39 -
Amplexicaule –

Base amplexicaule
(RADFORD et al.,1974)

Perfoliada (conada) –

Base perfoliada
(RADFORD et al.,1974)

Peltada –

Base peltada
(RADFORD et al.,1974)

- 40 -
Auriculada –

Base auriculada

(RADFORD et al.,1974)

7. Formas da margem

Inteira

Margem inteira
(RADFORD et al.,1974)

Serreada –

- 41 -
Margem serreada
(RADFORD et al.,1974)

Crenada –

Margem crenada
(RADFORD et al.,1974)

Ciliada –

Margem ciliada
(RADFORD et al.,1974)

Aculeada –

Margem aculeada
(RADFORD et al.,1974)

- 42 -
Crispada –

Margem crispada
(RADFORD et al.,1974)

Palmatífida –

Margem palmatífida
(RADFORD et al.,1974)

Lacerada –

Margem lacerada
(RADFORD et al.,1974)

Revoluta –

Margem revoluta
(RADFORD et al.,1974)

- 43 -
Ondulada –

Margem ondulada
(RADFORD et al.,1974)

8.Tipos de venação ou nervação

Padrão de organização das


nervuras terciárias
(JUDD et al., 2009)

Pinado ou peninérvea –

- 44 -
Tipos de organização peninérvea
(JUDD et al., 2009)

Palmado –

Paralelo –

Tipos de venação: A) Padrão palmado; B)


padrão paralelo (JUDD et al., 2009)

- 45 -
3.3. Modificações estruturais da folhas

Ascídia ou ascídio

Ascídia em Nepenthes sp
(Fonte: Autoras)

Espinho –

Espinhos em cactos
(Fonte: Autoras)

- 46 -
Gavinha –

Gavinhas (Fonte: Autoras)

Gavinhas (Fonte: Autoras)

Bráctea

Bráctea floral em Vriesea sp


(Fonte: Autoras)

- 47 -
4. MORFOLOGIA FLORAL, INFLORESCÊNCIAS E
SÍNDROME DE POLINIZAÇÃO

Corte longitudinal de uma flor


evidenciando corola, androceu e
gineceu.

Partes constituintes

Esquema de uma flor com suas partes


constituintes (Fonte: MORANDINI, 1970)

- 48 -
4.1. CLASSIFICAÇÃO DA FLOR QUANTO À PRESENÇA
DOS VERTICILOS DE PROTEÇÃO

Periantada:

Flor periantada, heteroclamídea


(Fonte: Autoras)

Perigoniada

Flores perigoniadas (Fonte: Autoras)

- 49 -
Monoclamídea –

Flor de Bougainvillea
(Fonte: Autoras)

Aclamídea –

4.2. CÁLICE

Espádice em Araceae (Fonte: Autoras).

- 50 -
Classificação do cálice

a) Quanto à cor:

b) Quanto à concrescência (união) das sépalas:

c) Quanto ao número de sépalas:

d) Quanto à duração:

Caduco –
Persistente –
Decíduo –
Acrescente –

Sépala acrescente envolvendo Sépala acrescente rasgada


o fruto de canapu - Physalis demonstrando o fruto de
angulata L. (Fonte: Autoras) canapu - Physalis angulata L.
(Fonte: Autoras)

- 51 -
4.3. COROLA

Classificação da corola

a) Quanto à cor:

Corola colorida (Fonte: Autoras)

b) Quanto à concrescência (união) das pétalas:

Corola gamopétala Corola dialipétala (Fonte


(Fonte: Autoras) Autoras)

- 52 -
c) Quanto ao número de pétalas:

Flor trímera Flor tetrâmera Flor pentâmera


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

d) Quanto à simetria:

Actinomorfa –

Esquema de flor
actinomorfa Flor actinomorfa
(Fonte: JUDD et al., 2009) (Fonte: Autoras)

- 53 -
Flor zigomorfa -

Esquema de flor zigomorfa Flor zigomorfa


(Fonte: JUDD et al., 2009) (Fonte: Autoras)

Flor assimétrica –

Esquema de flor assimétrica Flor assimétrica


(Fonte: JUDD et al;. 2009) (Fonte: Autoras)

e) Quanto ao tipo ou forma da corola:

- 54 -
Flor actinomorfa
(Fonte: Autoras)

(Fonte: Autoras)

(Fonte: Autoras)

- 55 -
(Fonte: Autoras)

Algumas formas de corola simpétala (gamopétala) e


dialipétala:

 Campanulada.

Corola campanulada
(Fonte: Autoras)

 Infundibuliforme:

- 56 -
Corola infundibuliforme
(Fonte: Autoras)

 Hipocrateriforme:

Corola hipocrateriforme
(Fonte: Autoras)

 Ligulada:

Corola ligulada em Asteraceae


(Fonte:Autoras)

- 57 -
 Labiada: Corola labiada (Fonte:
Autoras)

 Digitaliforme:.

Corola digitaliforme (Fonte: Autoras)

 Unguiculada:

Corola unguiculada (Fonte: Autoras)

- 58 -
 Orquidácea:
Orchidaceae (Fonte: Autoras)

 Papilionácea:

Leguminosae - Papilionoideae
(Fonte: Autoras)

PREFLORAÇÃO

- 59 -
Valvar Contorcida Quincuncial Imbricada
(GONÇALVES; (GONÇALVES; (GONÇALVES;
(GONÇALVES;
LORENZI, 2007) LORENZI, 2007) LORENZI, 2007) LORENZI, 2007)

Tipo especial de flor

Flor calcarada –

Flor calcarada (Fonte: Autoras)

- 60 -
Detalhe da flor de Nectários
Marcgraviaceae em Marcgraviaceae
(Fonte: SMITH et al. 2004) (Fonte: SMITH et al. 2004)

Classificação da flor quanto à presença do aparelho


reprodutivo

Flor monóclina, hermafrodita ou andrógina –

Flor díclina ou unissexual –

Flor estéril –

Classificação das plantas quanto ao sexo das flores

Planta monóica –

- 61 -
Planta dióica

Planta hermafrodita –

Planta poligâmica –

Detalhe dos estames em


Velloziaceae (Fonte: Autoras).

- 62 -
4.7 INFLORESCÊNCIA

Espata:
Glumas:
Glumelas
Cúpula:
Ouriço:

Esquema de inflorescência determinada e indeterminada

(Fonte: JUDD et al., 2009).

- 63 -
(Fonte: JUDD et al., 2009)

- 64 -
Inflorescência simples –

Inflorescência composta –

Tipos comuns de inflorescência simples

Racemo –

Inflorescência racemosa (Fonte: JUDD et al., 1999)

- 65 -
Espiga –

Espiga em Bromeliaceae (Fonte: Autoras)

Amento –

- 66 -
Espádice –

Espádice em Araceae (Fonte: Autoras)

Espádice em Asplundia sp (Fonte: Autoras)

- 67 -
Umbela –

Umbela em Bomarea sp (Fonte: Autoras)

- 68 -
Capítulo –

Capítulos heterógamos em Asteraceae (Fonte: Autoras)

Capítulo homógamo - Flores tubulosas ( Fonte: Autoras).

Capítulo homógamo - Flores liguladas ( Fonte: Autoras)

- 69 -
Glomérulo

Glomérulos em Leguminosae (Fonte: Autoras)

Corimbo –

- 70 -
Inflorescência corimbosa

Cima helicóide (monocásio helicoidal) –

Esquema: helicoide
Heliconia rostrata Ruiz (Fonte:Wikipédia)
. & Pav (Fonte: autoras)

Cima escorpióide (monocásio escorpióide) –

- 71 -
Escorpioides (Fonte: Escorpioides
autoras) (Fonte:Wikipédia)

Espigueta –.
Antécio
Espigueta Flor

(Fonte: Wikipédia)

- 72 -
Espigueta da aveia (Fonte: C.M.G. Reis)

Ciátio –

Esquema de um
ciátio em (Fonte: JUDD Ciátio em Euphorbia
Euphorbiaceae et al., 2009) sp (Fonte: Autoras)

- 73 -
Sicônio –

Sicônio em Ficus sp Detalhe

Tipos comuns de inflorescências compostas

Panícula –

- 74 -
Panículas em Graminae (Fonte: Wikipédia)
(Fonte: Autoras)
Tirso –
(Fonte: Wikipédia)

Dicásio –

- 75 -
Dicásio (Fonte: O. Pereira)

Pleiocásio –

Pleiocásio (Fonte: O. Pereira)

- 76 -
Dupla espiga –

Dupla espiga: (Fonte: Autoras)

4.8 POLINIZAÇÃO

Polinização abiótica –

Polinização biótica –

Recursos florais

- 77 -
Néctar

Nectários florais em Marcgraviaceae


(Fonte: SMITH et al. 2004)

Pólen

(Fonte: JUDD et al., 2009)

Óleos

- 78 -
Resinas

Flores de Clusia sp, produtoras de resina (Fonte:


SMITH et al., 2004)

Outros recursos

perfumes;

gomas

abrigo;

secreções estigmáticas

Polinização abiótica

Polinização pelo vento – anemofilia

- 79 -
Detalhe de inflorescências com polinização anemófila
(Fonte: O. Pereira)

Polinização pela água – hidrofilia

Elodea sp: hábito (Fonte: Wikipédia)

- 80 -
Os animais como polinizadores

Polinização biótica

Síndrome de cantarofilia (polinização por besouros)

Polinização por besouros


(Fonte: A. Lopes)

- 81 -
Síndrome de melitofilia (polinização por abelhas)

Polinização por besouros


(Fonte: Autoras)

- 82 -
Síndrome de psicofilia (polinização por borboletas)

Polinização por borboleta (Fonte: A. Lopes)

Síndrome de falenofilia (polinização por mariposas)

Síndrome de quiropterofilia (polinização por morcegos)

Polinização por morcegos (Fonte: A. Lopes)

Síndrome de ornitofilia (polinização por aves)


- 83 -
Polinização por beija-flor (Fonte: Autoras)

Síndrome de miofilia (polinização por moscas)

Moscas antófilas

Moscas necrófagas

5. MORFOLOGIA DO FRUTO E DISPERSÃO

- 84 -
Corte longitudinal do fruto do abacateiro (Fonte: adaptado de

JUDD et al., 2009)

- 85 -
5.1. PARTES CONSTITUINTES DOS FRUTOS

Epicarpo –

Epicarpo piloso em Asclepias-Apocynaceae (Fonte: Autoras)

Mesocarpo –

Mesocarpo seco em Leguminosae (Fonte: Autoras)

- 86 -
Endocarpo –

Endocarpo com tricomas em limão (Fonte: Autoras)

5.2. CLASSIFICAÇÃO DOS FRUTOS

Frutos agregados

- 87 -
Esquema de carpelo
apocárpico Fruto agregado de
Fonte: wikipedia Annona squamosa
(Fonte: Autoras)
FRUTOS MÚLTIPLOS

Infrutescência em
abacaxi
(Fonte: Autoras)

- 88 -
Frutos simples

Fruto simples - murici - Byrsonima sp (Fonte: Autoras).

Os principais tipos de frutos simples são classificados em dois


grandes grupos: frutos deiscentes e frutos indeiscentes.

Frutos deiscentes

Folículo em Asclepias sp -
Apocynaceae
(Fonte: Autoras)

- 89 -
Folículo –

Legume –

Legume fechado Legume aberto


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

Craspédio –

- 90 -
Craspédio em Leguminosae (JUDD et al., 2009).

Síliqua –

Esquizocarpo –

Esquizocarpo em Sterculia sp (Fonte: Autoras)

- 91 -
Cápsula:

Cápsula denticida -
Cápsula poricida -
Cápsula loculicida
Cápsula loculicida em Velloziaceae (Fonte: Autoras)

Cápsula septicida -

- 92 -
Cápsula septicida em Bromeliaceae (Fonte: Autoras)

Cápsula septifraga -

Cápsula septifraga em Clusiaceae


(Fonte: JUDD et al., 2009)

Cápsula pixidiária (pixídio) -

- 93 -
Cápsula pixidiária em
Sapucaia (Fonte: Autoras) Cápsula pixidiária em Sapucaia
(Fonte: JUDD et al., 2009)

Frutos indeiscentes

Aquênio –

Cariopse (grâo) –

Noz –

- 94 -
Sâmara –

Sâmara (Fonte: JUDD et al., 2009)

Drupa –

Drupa - abacate (Fonte: Autoras)

Baga –

- 95 -
Baga-Passifloraceae (Fonte: Autoras)

Podem ser encontrados dois tipos especiais de bagas:

Pepônio –

Pepônio – Melancia
Pepônio – Abóbora
(Fonte: Autoras)
(Fonte: Autoras)

Hesperídio –

- 96 -
Hesperídio – limão (Fonte: Autoras)

Pseudofrutos

Pseudofruto – Receptáculo
maçã (Fonte: Autoras)

Pseudofruto – Pedicelo
Cajú (Fonte: Autoras)

- 97 -
Frutos partenocárpicos

Pseudofruto – Banana Pseudofruto – Abacaxi


(Fonte: Autoras) (Fonte: Autoras)

- 98 -
5.3. SEMENTE

5.4. DISPERSÃO

Agentes de dispersão

ZOOCORIA – dispersor em: Peixes (Ictiocoria); Répteis


(Saurocoria), Pássaros (Ornitocoria); Mamíferos
(Mamaliocoria); Morcegos (Quiropterocoria) e Formigas
(Mirmecocoria)

ANEMOCORIA –

Sâmaras
(Fonte: JUDD et al., 2009) Dispersão anemocórica de
sementes de Asclepias sp
(Fonte: Autoras).

HIDROCORIA – .

- 99 -