Você está na página 1de 17

Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.

10

Economia
Carlos Nemer
3ª Ed.

Capítulo 10:

Estruturas de Mercado
Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 1 de 51/2005.1

Sumário

1. Introdução
2. Objetivos da Firma
3. Mercado em Concorrência Perfeita
4. Monopólio
5. Oligopólio
6. Concorrência Monopolística
7. Estruturas no Mercado de Fatores de Produção

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 2 de 51/2005.1

Introdução

As estruturas de mercado dependem de 3 fatores:

1. Número de empresas que compõem esse mercado;

2. Tipo do produto (produtos semelhantes ou não);

3. Existência de barreiras ao acesso de novas


empresas;

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 3 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 1
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Estruturas de Mercado
Mercado de Bens e Serviços
• Concorrência Perfeita
– Número muito grande de firmas, produto homogêneo, sem
restrições à novos produtos.
• Concorrência Imperfeita
– Inúmeras empresas, produto diferenciado e livre acesso ao
mercado.
• Oligopólio
– Pequeno número de empresas dominam o mercado produtos
diferenciados com barreiras à entrada de novos produtos.
• Monopólio
– Uma única empresa, produto sem substituto e barreiras
à entrada de novos produtos.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 4 de 51/2005.1

Estruturas de Mercado

Nenhum poder de Mercado, aceitador de preço

Concorrência Oligopólio Monopólio


Concorrência Monopolística
Perfeita

Aumento nas Barreiras de Entrada,


Nº menor de empresas no Mercado

Diferenciação
De Produtos

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 5 de 51/2005.1

Concorrência Perfeita e Monopólio: Extremos

Competição Imperfeita

Cocorrência Perfeita Monopólio

Poder de Mercado Zero Máximo Poder de Mercado

Aceitadores de Preço Formuladores de Preço

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 6 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 2
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Objetivos da Firma

1. Maximizar o Lucro;

2. Maximizar o “Mark-up”.
– “Mark-up”: margem sobre os custos diretos.
– Mais aplicável em estruturas de mercado mais
concentradas, em geral grandes empresas que
têm poder de barganha.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 7 de 51/2005.1

Maximização dos Lucros


(concorrência perfeita e curto prazo)

Teoria Microeconômica Empresas têm como objetivo


(Teoria Neoclássica ou maior a maximização dos lucros
Teoria Marginalista) (a curto ou a longo prazo)

LT = RT – CT

LT = Lucro total;
RT = Receita total de vendas;
CT = Custo total de produção.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 8 de 51/2005.1

Maximização dos Lucros

Deverá escolher o nível de produção para qual a diferença


positiva entre RT e CT seja a maior possível (máxima).

Definição:

Receita Marginal (RMg) = é o acréscimo da receita total


pela venda de uma unidade adicional do produto.

Custo Marginal (CMg) = é o acréscimo do custo total pela


produção de uma unidade adicional do produto.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 9 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 3
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Teoria Neoclássica ou Marginalista

• Receita Marginal (RMg) = Custo Marginal (CMg)

RT CT
=
q q

Receita Marginal (RMg) = variação do RT = RT


variação do q q

Custo Marginal (CMg) = variação do CT = CT


variação do q q

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 10 de 51/2005.1

Teoria Neoclássica ou Marginalista

RMg = CMg

Se RMg > CMg Há interesse de aumentar a produção, pois cada


unidade adicional fabricada aumenta o lucro.

Se RMg < CMg Há interesse de diminuir a produção, pois cada


unidade adicional que deixa de ser fabricada
aumenta o lucro.

Se RMg = CMg Lucro total máximo.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 11 de 51/2005.1

Teoria do Mark-up

• Surgiu após estudos efetuados em 1930;


• As empresas determinam seus preços
baseadas em seu próprio custo sem ater-se
ao comportamento da demanda já que
conhecem mais sobre seus custos do que a
demanda.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 12 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 4
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Teoria do Mark-up

• Só aplicável em estruturas de mercado mais


concentradas em grandes empresas
(oligopolistas e monopolistas), que têm poder
de barganha para formar preço.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 13 de 51/2005.1

Teoria do “Mark-up”

Mark-up = Receita de Vendas – Custos de Produção.

• Preço de venda:

p = c (1 + m)

• Onde:
• p = preço de venda do produto;
• c = custo;
• m = taxa (%) de mark-up;

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 14 de 51/2005.1

Concorrência Perfeita

Hipóteses do Modelo
Mercado completamente livre e sem barreiras e totalmente
transparente.

1. Mercado Atomizado
2. Produtos Homogêneos
3. Mobilidade de Firmas
4. Racionalidade
5. Transparência do Mercado
6. Inexistência de Externalidades
7. Hipótese de Divisibilidade
8. Mercado de Fatores de Produção Também
em Concorrência Perfeita

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 15 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 5
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Concorrência Perfeita

Mercado atomizado:
Mercado com infinitos vendedores e compradores (“átomos”), de
forma que um agente isolado não tem condições de afetar o preço
de mercado.
Assim, o preço de mercado é um dado fixado para
empresas e consumidores (são price-takers, isto é, tomadores de
preços pelo mercado);

Produtos Homogêneos:
Todas as firmas oferecem um produto semelhante, homogêneo.
Não há diferenças de embalagem ou qualidade nesse mercado.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 16 de 51/2005.1

Concorrência Perfeita

Mobilidade de firmas:
Não há barreiras para o ingresso de empresas no mercado.

Racionalidade:
Os empresários sempre maximizam lucro e os consumidores
maximizam satisfação ou utilidade derivada do consumo de
um bem, ou seja, os agentes agem racionalmente.

Transparência do mercado:
Consumidores e vendedores têm acesso a toda informação
relevante, sem custos, isto é, conhecem os preços,
qualidade, os custos, as receitas e os lucros dos concorrentes;

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 17 de 51/2005.1

Concorrência Perfeita

Inexistência de Externalidades:
nenhuma firma influi no custo das demais.

Hipótese de Divisibilidade:
Hipótese matemática que entende as curvas como sendo contínuas
e, portanto, diferenciáveis o que facilita a utilização dos conceitos
marginalistas por meio de técnicas de derivação.

Mercado de Fatores de Produção também em concorrência Perfeita:


Todas as hipóteses anteriores valem para o mercado de fatores de
produção ou seja as curvas de custos de produção são as mesmas
para todas as firmas.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 18 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 6
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Concorrência Perfeita

A longo prazo, não existem lucros extras ou


extraordinários (onde as receitas supram os
custos), mas apenas os lucros normais, que
representam a remuneração implícita do
empresário (seu custo de oportunidade, ou o
que ele ganharia se aplicasse seu capital em
outra atividade).

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 19 de 51/2005.1

Monopólio

a) uma única empresa produtora do bem ou serviço;


b) não há produtos substitutos próximos;
c) barreiras à entrada de firmas concorrentes.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 20 de 51/2005.1

Monopólio

Barreiras de acesso
Monopólio natural = Devido à alta escala de produção requerida,
exige-se um elevado montante de investimento.
A empresa monopolística já está estabelecida em grandes dimensões
e tem condições de operar com baixos custos (Dumping).
Torna-se muito difícil alguma empresa conseguir oferecer o produto
a um preço equivalente à firma monopolista;
Patentes = Direito único de produzir o bem.

Controle de matérias-primas chaves = Exemplo : o controle das


minas de bauxita pelas empresas produtoras de alumínio.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 21 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 7
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Monopólio

Monopólio estatal: protegido pela legislação,


normalmente setores estratégicos ou de infra-estrutura.

Obs.: Diferentemente da concorrência perfeita, como existem


barreiras à entrada de novas empresas, os lucros extraordinários
devem persistir também a longo prazo em
mercados monopolizados.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 22 de 51/2005.1

Monopólio

• Um mercado monopolista pode produzir


resultados semelhantes aos do mercado
competitivo (devido a ameaças de entrada
de concorrentes )

• Um mercado com apenas duas firmas


pode mostrar uma competição feroz

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 23 de 51/2005.1

Outras Estruturas de Mercado

a) Concorrência Monopolística
(Concorrência Imperfeita)
b) Oligopólio
c) Estruturas no Mercado de Insumos e
fatores de Produção
d) Monopsônio/Oligopsônio
e) Monopólio Bilateral

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 24 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 8
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Concorrência Monopolística

• Muitas empresas produzindo um dado bem ou


serviço;
• Produtos diferenciados mas com substitutos
próximos
• Cada empresa tem certo poder sobre os
preços.
• Mais realista;
• Ex.: mercado de genéricos, serviços médicos e
odontológicos etc.
Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 25 de 51/2005.1

Diferenciação dos produtos

• Características físicas
– Composiçao química
• Embalagem
• Promoção de vendas
• Manutenção, pós-venda etc.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 26 de 51/2005.1

Oligopólio

A oferta é controlada por um pequeno número de


vendedores, e em que a competição
tem por base, não as variações de preços,
mas a propaganda e as diferenças de qualidade.

-Concentrado: pequeno nº de empresas no setor.


Ex. Indústria Automobilística.
-Competitivo: pequeno nº de empresas domina um setor
com muitas empresas.
Ex.: Brahma e Antártica.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 27 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 9
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Oligopólio

Devido à existência de empresas dominantes, elas têm o poder de fixar


os preços de venda em seus termos, defrontando-se normalmente com
demandas relativamente inelásticas, em que os consumidores têm baixo
poder de reação a alterações de preços.

No oligopólio, assim como no monopólio,


há barreiras para a entrada
de novas empresas no setor.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 28 de 51/2005.1

Oligopólio

com produto homogêneo (alumínio, cimento);

com produto diferenciado (automóveis).

Obs.: A longo prazo os lucros extraordinários permanecem,


pois as barreiras à entrada de novas firmas persistirão.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 29 de 51/2005.1

Oligopólio

Formas de atuação das empresas oligopolistas:


- concorrem entre si, via guerra de preços ou de
promoções (forma de atuação menos freqüente);

- formam cartéis (trustes).


Cartel: Acordo (formal ou informal) entre empresas
independentes para atuação coordenada,
especialmente no sentido de restringir a concorrência
através da fixação de preços e cotas de mercado.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 30 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 10
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Índice de Concentração Econômica

• Proporção do valor do faturamento das


quatro maiores empresas de cada ramo
de atividade sobre o total faturado no
respectivo ramo.
• Quanto mais próximo de 100% mais
concentrado.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 31 de 51/2005.1

Economia Brasileira

• Altamente Oligopolizada;
• Excessivamente concentrada;
• Cinco maiores grupos detêm + de 50%
do mercado;
• Facilidade na formação de Cartéis;

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 32 de 51/2005.1

Brasil (Exs.)

• Bebidas (cerveja)
• Chocolate
• Telefonia Local
• Telefonia Longa Distância
• Aviação Civil
• Cimento
• Bancos

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 33 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 11
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Bebidas (cerveja)

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 34 de 51/2005.1

Chocolate

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 35 de 51/2005.1

Telefonia Local

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 36 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 12
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Telefonia Longa Distância

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 37 de 51/2005.1

Aviação Civil

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 38 de 51/2005.1

Cimento

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 39 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 13
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Bancos

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 40 de 51/2005.1

Concorrência Monopolística

- muitas empresas, produzindo um bem ou serviço;


- cada empresa produz um produto diferenciado, mas
com substitutos próximos;
- cada empresa tem um certo poder sobre os preços, dado
que os produtos são diferenciados, e o consumidor tem
opções de escolha, de acordo com sua preferência.

Obs.: Como não existem barreiras para a entrada de firmas, a longo prazo
há tendência apenas para lucros normais (RT=CT), como em concorrência
perfeita, ou seja, os lucros extraordinários a curto prazo atraem novas firmas
para o mercado, aumentando a oferta do produto, até chegar-se a um ponto
em que persistirão lucros normais, quando então cessa a entrada de
concorrentes.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 41 de 51/2005.1

Estruturas de Mercado
nº de Controle
Características Produto Ingresso
Empresas de Preços
Concorrência Sem
Muito grande Homogêneo Rigidez
Perfeita barreiras
Não há subs- Empresa Há barrei-
Só há uma
Monopólio titutos próxi- com poder ras p/ as
empresa
mos novas

Pode ser ho- Poder c/ Há barrei-


Oligopólio Pequeno mogêneo ou interde- ras p/ as
diferenciado pendência novas

Pouca mar- Sem


Concorrência
Grande Diferenciado gem de
Monopolística barreiras
manobra

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 42 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 14
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Estruturas de Mercado

Características Exemplos

Concorrência
Perfeita Paradigma – Ex.: Trigo

Monopólio Petróleo, energia.

Oligopólio Transportes. Concessionárias de veículos.

Concorrência
Software (Editor de Texto, planilhas, etc.)
Monopolística

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 43 de 51/2005.1

Estruturas do Mercado de Fatores de Produção

Concorrência Perfeita = existe uma oferta abundante do fator de


produção (ex.: mão-de-obra não especializada), o que torna o
preço desse fator constante.

Monopsônio = Há somente um comprador para muitos vendedores


dos serviços dos insumos.

Oligopsônio = Existem poucos compradores que dominam o mercado


para muitos vendedores. Ex.: Indústria de laticínios.

Monopólio bilateral = Ocorre quando um monopsonista, na compra


do fator de produção, defronta-se com um monopolista na venda
desse fator.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 44 de 51/2005.1

Concorrência Perfeita

• Hipóteses Ideais, pouco realistas serve


como parâmetro, como referência na
elaboração de modelos mais adequados
à realidade.

• Abordagem cartesiana.

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 45 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 15
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Exercício de Concorrência Perfeita

Prod.eVendas CustoTotal Preço Unit. R.Total Lucro Total Custo Marg. Receita Marg.

Por dia (CT R$) (P) (RT) (RT-CT) (CMg) (RMg)


(6)=((Var 2)/ (7)=(Var4)/(Var1)
(1) (2) (3) (4)=(3)*(1) (5)=((4)-(2)
(Var 1)
0 10,00 5,00
1 15,00 5,00
2 18,00 5,00
3 20,00 5,00
4 21,00 5,00
5 23,00 5,00
6 26,00 5,00
7 30,00 5,00
8 35,00 5,00
9 41,00 5,00
10 48,00 5,00
11 56,00 5,00

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 46 de 51/2005.1

Pede-se:

1. Completar a tabela com os valores da Receita


Total, Lucro Total, Custo Marginal e Receita
Marginal.
2. Qual a produção em que o Lucro é máximo ?

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 47 de 51/2005.1

Maximização dos Lucros

Produção Custo Preço Receita Lucro Custo Marginal Receita Marginal


(por dia) Total Unitário total total (CMg) (RMg)
(CT) (P) em R$ (RT) em R$ = RT - CT (6)= Variação (2) (7)= Variação (4)
(1) (2) (3) (4)=(3)x(1) (5)= (4)-(2) Variação (1) Variação (1)

0 10,00 5,00 0,00 -10,00


1 15,00 5,00 5,00 -10,00 5,00 5,00
2 18,00 5,00 10,00 -8,00 3,00 5,00
3 20,00 5,00 15,00 -5,00 2,00 5,00
4 21,00 5,00 20,00 -1,00 1,00 5,00
5 23,00 5,00 25,00 2,00 2,00 5,00
6 26,00 5,00 30,00 4,00 3,00 5,00
7 30,00 5,00 35,00 5,00 4,00 5,00
8 35,00 5,00 40,00 5,00 5,00 5,00
9 41,00 5,00 45,00 4,00 6,00 5,00
10 48,00 5,00 50,00 2,00 7,00 5,00
11 56,00 5,00 55,00 -1,00 8,00 5,00

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 48 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 16
Poli-UFRJ/2005.1 Estruturas de Mercado Cap.10

Maximização dos Lucros

Maximização do Lucro Total


(Concorrência Perfeita)
Receita Marginal

10,00
Marginal
e Custo

Custo Marginal
5,00
Receita Marginal

0,00
8
3

5
1

Produção (q)
11

Lucro Máximo

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 49 de 51/2005.1

Ex.2:

• Dados:
– Preço de venda: p = R$ 20,00
– Função custo total:
• CT(q)=1+2q+3q2
• Pede-se:
– Qual a quantidade que maximiza o lucro ?
– Qual a magnitude deste lucro ?

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 50 de 51/2005.1

a) Sabe-se que o lucro é máximo quando


CMg=RMg;

b) LT(q) = RT(q) – CT(q)

Poli-UFRJ Copyright © 2005. Direitos Autorais reservados ao Prof.Carlos NEMER Parte II-6-Slide 51 de 51/2005.1

Prof.Carlos NEMER
j20@momentus.com.br 17

Você também pode gostar