Você está na página 1de 18

UNIVERSIDADE PRESBITERIANA MACKENZIE

CCSA - CENTRO DE CIÊNCIAS SOCIAIS E APLICADAS


CIÊNCIAS CONTÁBEIS
CONTABILIDADE SOCIETÁRIA I

CPC 30 – Receitas (IAS 18)

Profa. Dra. Kelly Teixeira Rodrigues Farias


1158004@mackenzie.br

SÃO PAULO
2018.2
Objetivo

Apresentar e discutir o tratamento contábil das


Receitas, conforme CPC 30 (R1) - Receitas
Aplicação do CPC
 Na contabilização da receita proveniente de:
 venda de produtos industriais e comerciais;
 prestação de serviços; e
 juros, royalties e dividendos.

Receitas para as quais há CPC com tratamento próprio


Receitas IASB Brasil
De contratos de leasing IAS 17 CPC 06
De dividendos de investimentos avaliados pelo MEP IAS 28 CPC 18
Contratos de seguro IFRS 4 CPC 11
De alterações no valor justo de ativos e passivos financeiros IAS 39 CPC 38
De alterações no valor justo de ativos biológicos
IAS 41 CPC 29
relacionados a atividade agrícola
3
Caracterização da Receita
Oriundas das atividades da
Receita
empresa, em um dado período.
Acréscimo de
ativo Aumento de
dívida ou Oriundas dos sócios ou de
Ativo terceiros
Capital
Ativo

Ativo

Receitas em geral. Surgem das atividades de: a)


Período 1 Período 2 vendas, b) prestação de serviços e c) uso por
terceiros de ativos da empresa que gerem juros,
dividendos, honorários, franquias e royalties.
Receitas na forma de ganhos. São decorrentes
de: a) lucro na venda de ativos permanentes; b)
conversão de balanço para outra moeda; c) ajuste
ao valor justo de ativos financeiros e não
financeiros.
4
Não se considera como Receita
• Quantias cobradas por conta de terceiros – tais como
tributos sobre vendas, tributos sobre bens e serviços e
tributos sobre valor adicionado;

Lembrar da estrutura da Demonstração do


Resultado

• Ingressos brutos de benefícios econômicos provenientes


das operações efetuadas pelo agente, em nome do
operador.

Exemplo:
Agências de vendas de passagens aéreas e
companhias
5
aéreas
Reconhecimento da Receita
Identificação da Transação
 A regra geral é reconhecer a cada transação;

 Contudo, em uma única transação pode haver


componentes separadamente identificáveis: a) receita de
venda; b) receita de prestação de serviço.
 Exemplo: quando no preço de um serviço está incluído um
valor referente a serviço, por exemplo, assistência técnica,
a ser executada posteriormente. Como tratar?
A receita de serviço deverá ser diferida e reconhecida à
medida que o serviço for prestado.
COMENTÁRIO: esse tipo de situação tem impacto nos
contratos das empresas com seus clientes.

6
Reconhecimento da Receita
VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS
 Condições a serem satisfeitas:
1) Já houve a transferência significativa dos riscos e benefícios ao
cliente.
Exemplos nos quais não houve transferência significativa dos riscos:
 A entidade é responsável por repor o produto que falhar sem
que tal reposição esteja coberta por provisões para garantias;
 A receita será recebida quando e se o comprador revender o
produto;
 Os produtos enviados ao comprador estão sujeitos à instalação
e inspeção como etapas importantes do processo de venda
constantes no contrato;

7
Reconhecimento da Receita
VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS

 Condições a serem satisfeitas:


2) Vendedor e comprador são independentes. A entidade não
mantenha envolvimento continuado na gestão dos bens
vendidos em grau normalmente associado à propriedade nem
efetivo controle de tais bens;
3) A receita possa ser confiavelmente mensurada e pode ser
confrontada com os custos. Há necessidade de se confrontar
receita com custos para reconhecimento simultâneo.
Exemplo: A mercadoria foi despachada ao cliente, mas os custos
com garantias e àqueles que ocorrerão até que a venda seja
concluída ainda não podem ser estimados. Então, qualquer parcela
recebida pela venda deve ser reconhecida como passivo.

8
Reconhecimento da Receita
VENDA DE PRODUTOS INDUSTRIAIS E COMERCIAIS

 Condições a serem satisfeitas:

4) For provável que os benefícios econômicos associados à


transação fluirão para a entidade. Enquanto existir a
probabilidade de não conclusão da venda, não se deve
reconhecer a venda.

Exemplo. Quando o recebimento de uma exportação depende


de permissão da autoridade governamental estrangeira.
(Lemes e Carvalho, 2010)

9
Reconhecimento da Receita
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

 Condições a serem satisfeitas (Regra Geral):


 O valor da receita puder ser confiavelmente mensurado;
 For provável que os benefícios econômicos associados à transação fluirão
para a entidade;
 A proporção dos serviços executados até a data do balanço puder ser
confiavelmente mensurada; e
 As despesas incorridas com a transação assim como as despesas para
concluí-la possam ser confiavelmente mensuradas.

 Para efeitos de reconhecimento, os pagamentos


parcelados e os adiantamentos recebidos de clientes não
correspondem, necessariamente, aos serviços
executados

10
Reconhecimento da Receita
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS

 A fase de conclusão dos serviços pode ser determinada


por:
 levantamento ou medição do trabalho executado;
 serviços executados até a data, indicados como um
percentual do total dos serviços a serem executados; ou
 a proporção entre os custos incorridos até a data e os
custos totais estimados da transação.

REGRA GERAL:
A receita é reconhecida pelo método da percentagem completada

11
Reconhecimento da Receita
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS – CASOS ESPECÍFICOS

 Caso 1: quando os serviços prestados correspondam a um nº indeterminado


de etapas, durante um período específico de tempo
 A receita deve ser reconhecida linearmente durante tal período, a menos que
haja evidências de que outro método represente melhor a fase da execução do
serviço
 Caso 2: Quando uma determinada etapa for muito mais significativa do que
quaisquer outras
 o reconhecimento da receita deve ser adiado até que essa etapa seja executada.
 Caso 3: Quando a conclusão da transação que envolva a prestação de
serviços não puder ser estimada confiavelmente
 a receita somente deve ser reconhecida na proporção dos gastos recuperáveis.
 Quando a conclusão da transação não puder ser confiavelmente estimada, não
deve ser reconhecido qualquer lucro

12
Reconhecimento da Receita
PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS – CASOS ESPECÍFICOS

 Caso 4: Quando a conclusão da transação não puder ser


confiavelmente estimada e não for provável que os custos
incorridos sejam recuperados
 a receita não deve ser reconhecida e os custos incorridos devem ser
reconhecidos como despesa

 Caso 5: Quando deixarem de existir as incertezas do Caso 4


 a receita deve ser reconhecida de acordo com base na proporção dos
serviços prestados até a data do balanço (método da percentagem
completada).

13
Reconhecimento da Receita
JUROS, ROYALTIES E DIVIDENDOS (REGRA GERAL)

 Condições a serem satisfeitas:


 for provável que os benefícios econômicos associados com a transação
fluirão para a entidade; e
 o valor da receita puder ser confiavelmente mensurado.
 Deve ser reconhecida nas seguintes bases:
 Juros: devem ser reconhecidos utilizando-se o método da taxa efetiva de
juros (CPC 38);
 Royalties: devem ser reconhecidos pelo regime de competência de
acordo com a essência do acordo; e
 Dividendos: devem ser reconhecidos quando for estabelecido o direito
do acionista de receber o respectivo valor.

14
Divulgação

 A entidade deve divulgar:


 as políticas contábeis adotadas para o reconhecimento
das receitas, incluindo os métodos adotados para
determinar a fase de execução de transações que
envolvam a prestação de serviço;
 o montante de cada categoria significativa de receita
reconhecida durante o período, incluindo as receitas
provenientes de:
 (i) venda de bens;
 (ii) prestação de serviços;
 (iii) juros;
 (iv) royalties;
 (v) dividendos;

15
Divulgação

 A entidade deve divulgar:


 o montante de receitas provenientes de troca de bens ou
serviços incluídos em cada categoria significativa de
receita; e
 a conciliação entre a receita divulgada na demonstração
do resultado e a registrada para fins tributáveis.
 Passivos contingentes e ativos contingentes (CPC 25)
 Ex: custos de garantias, reivindicações, penalidades ou
possíveis perdas

16
Principais Referências Citadas e/ou Sugeridas

ALMEIDA, Marcelo Cavalcanti. Curso de contabilidade introdutória em IFRS e


CPC: atende à programação do 1º ano do curso de ciências contábeis. São
Paulo: Atlas, 2014.

IUDÍCIBUS, S.; MARTINS, E.; GELBCKE, E. R.; SANTOS, A. Manual de


contabilidade societária: aplicável a todas as sociedades de acordo com as
Normas Internacionais e do CPC. São Paulo: Atlas, 2010.

LEMES, S; CARVALHO, L. N. Contabilidade internacional para graduação: texto,


estudos de casos e questões de múltipla escolha. São Paulo: Atlas, 2010.

BORINELLI, M. L. e PIMENTEL, R. C. Curso de Contabilidade para gestores,


analistas e outros profissionais. São Paulo: Atlas, 2010.

COMITÊ DE PRONUNCIAMENTOS CONTÁBEIS - CPC. Pronunciamento Técnico


CPC 30 (R1) – Receitas. Brasília, 08/11/2012. Disponível em www.cpc.org.br.
Acesso em 10/09/2018.

17

Você também pode gostar