Você está na página 1de 6

Transformações Gasosas

As transformações gasosas são aquelas em que considera uma


determinada quantidade fixa de um gás ideal as variáveis de estado dos
gases(pressão, volume e temperatura) mudarem de valor. Existem três
tipos de transformações gasosas, que ocorrem quando (1) a temperatura
permanece constante, (2) quando a pressão permanece constante e
(3) quando o volume permanece constante.
(1) Transformação isotérmica: essa é uma transformação gasosa que
ocorre com a temperatura constante, enquanto as outras variáveis
(pressão e volume) variam.
“Com a temperatura sendo mantida constante, a massa de
determinado gás ocupa um volume inversamente proporcional à
sua pressão.”
Isso quer dizer que, se aumentarmos a pressão sobre o gás, o seu volume
diminuirá e vice-versa, como a figura a seguir mostra:

Esquema de transformação isotérmica

Veja um exemplo a seguir de transformação isotérmica. Observe que o


produto entre a pressão e o volume em todos os casos sempre origina o
mesmo resultado:
Passando os dados das transformações isotérmicas para um gráfico que
relaciona a pressão e o volume, obtemos uma hipérbole equilátera, que é
chamada de isoterma:

Representação gráfica de uma isoterma

(2) Transformação isobárica: essa é uma transformação gasosa que


ocorre com a pressão constante, enquanto as outras variáveis
(temperatura e volume) variam.
“Com a pressão sendo mantida constante, a massa de determinado
gás ocupa um volume diretamente proporcional à sua temperatura.”
Isso quer dizer que, se aumentarmos a temperatura do sistema, o volume
ocupado pelo gás também aumentará, ou seja, ele expandir-se-á.

Esquema de transformação isobárica

Matematicamente, temos:

V1= V2
T1 T 2
Veja um exemplo a seguir de transformação isobárica. Por exemplo, se
temos uma massa fixa de um gás em um sistema fechado, sob
temperatura de 100 K e seu volume é “V”, se aumentarmos essa
temperatura para 200 K, ou seja, se dobrarmos a temperatura, o volume
também dobrará, passando para “2V” e assim sucessivamente.

Passando os dados das transformações isobáricas para um gráfico que


relaciona a pressão e o volume, obtemos uma reta, conforme o gráfico a
seguir mostra:

Representação das transformações isobáricas

(2) Transformação isocórica ou isovolumétrica: transformação gasosa


que ocorre com o volume constante, enquanto as outras variáveis
(temperatura e pressão) variam.
“Com o volume constante, a pressão é diretamente proporcional à
sua temperatura.”
Isso quer dizer que, se aumentarmos a temperatura do sistema, a pressão
exercida pelo gás também aumentará e vice-versa. Observe:

Esquema de transformação isocórica

Matematicamente, temos:

P1= P2
T1 T2
A relação entre a pressão e a temperatura sempre dará uma reta.
Lei geral dos gases perfeitos
k é uma constante.

n é a quantidade de matéria, normalmente medida em mols, de


gás no sistema.

R é uma constante universal para os gases ideais que independe


de qualquer condição.

Desta forma temos a expressão mais genérica, e útil para trabalhar


com esse tipo de gás.

PV=nRT

R deve ser utilizada de acordo com as unidades de Pressão e


Volume.

A tabela apresenta alguns valores da constante para diferentes


unidades de pressão e volume.

Pressão Volume Temperatura


Constante (R)
(P) (V) (T)

Atm L K 0,0820 atm.L.K-1.mol-1

Pa m³ K 8,314 Pa.m3.K-1.mol-1

62,364 mmHg.L.K-1.mol-
mmHg L K 1
Teoria cinética dos gases

4 –Boltzmann e Maxwell mostram que a energia cinética média


do total de moléculas de um gás ideal é proporcional à
temperatura conforme a expressão:

Onde k é a constante de Boltzmann que vale


N é o número de moléculas que é calculado pela multiplicação
do número de mols pelo número de Avogadro .

Agora será a fórmula usada para calcular a energia cinética de uma


MOLÉCULA de gás.

K é uma constante definida pela divisão da constante R pelo número de


Avogadro.

T é a temperatura
sempre em Kelvin
Kelvin=Celsius+273
V=
M é a massa molar dividida pelo número de Avogadro