Você está na página 1de 36

ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

E DOS SERVIÇOS RADIOLÓGICOS


ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR
E DOS SERVIÇOS RADIOLÓGICOS
SUMÁRIO
ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR E DOS SERVIÇOS RADIOLÓGICOS
Noções de administração .............................................................................................................. 5
Objetivos e metas da instituição .............................................................................................. 6
O processo de planejamento .................................................................................................... 6
A organização ............................................................................................................................... 6
Relações humanas entre o paciente e o profissional.......................................................... 7
Meios de comunicação no hospital......................................................................................... 8
Comunicação não formal .......................................................................................................... 8
Barreira à comunicação efetiva ................................................................................................ 9
Barreiras interpessoais ................................................................................................................ 9
Atos Normativos ............................................................................................................................. 10
Terminologia do pessoal: ............................................................................................................. 10
Da administração ........................................................................................................................... 10
Gráficos representativos ............................................................................................................... 11
Da Dinâmica Administrativa ....................................................................................................... 11
Terminologia Física utilizada na Instituição Hospitalar ........................................................ 12
Recursos Materiais ......................................................................................................................... 14
Recursos Humanos ........................................................................................................................ 15
Histórico dos hospitais .................................................................................................................. 17
Funções do hospital: ................................................................................................................. 17
Função restaurativa: .................................................................................................................. 17
Função preventiva: .................................................................................................................... 17
Função educativa:...................................................................................................................... 18
Função pesquisadora:............................................................................................................... 18
Classificações ................................................................................................................................... 18
Ambiente hospitalar ...................................................................................................................... 19
Relacionamento interprofissional .............................................................................................. 21
Considerações gerais ....................................................................................................................21
A estrutura organizacional do hospital pode estar assim representada: ....................22
Conceito: ..........................................................................................................................................23
Deveres: ........................................................................................................................................24
Infrações que acarretam rescisão de contrato: ..................................................................24
Punições: ..........................................................................................................................................26
Aposentadoria ................................................................................................................................27
Organização dos Serviços Radiológicos ...................................................................................29
Farmácia ...........................................................................................................................................30
Almoxarifado ...................................................................................................................................30
Documentação médica: ...............................................................................................................30
Arquivo: ............................................................................................................................................30
Divisão do arquivo de raios x: .....................................................................................................30
Laudos:..............................................................................................................................................31
Conceito: ..........................................................................................................................................32
Conceito: ..........................................................................................................................................32
Planejamento: .................................................................................................................................33
Localização ......................................................................................................................................34
Localização da câmara escura: ...................................................................................................35
ADMINISTRAÇÃO HOSPITALAR

Noções de administração

Administração é interpretar os
objetivos da instituição transformando-
os em ação através de cinco funções:
planejamento, organização, direção,
controle e avaliação.

Além da necessidade de
conhecimentos sobre administração
existem características importantes no
seu modo pessoal de agir. Para que o
administrador execute com eficácia o processo administrativo são necessárias algumas
habilidades:

1. Habilidade Técnica: Consiste em utilizar métodos, técnicas,


conhecimento e equipamentos necessários para a realização de suas
tarefas.
2. Habilidade Humana: Consiste na capacidade para trabalhar com o ser
humano, compreender suas capacidades e suas limitações.
3. Habilidade Conceitual: Consiste na habilidade para compreender as
complexidades da instituição, ajustando seu comportamento de acordo
com os objetivos da empresa.

Portanto administrar é decidir o que fazer ou designar ou autorizar alguém para


fazê-lo, ou seja, administrar é fazer coisas através das pessoas, trabalhar em conjunto
para conseguir objetivos comuns.

O administrador (a) de um serviço de enfermagem tem uma área de autoridade


muito mais elevada do que a enfermeira da unidade, mesmo assim o fato permanece.
Todos que obtém resultados através de subordinados tem basicamente as funções de
administrador.

Com o avanço das ciências biológicas a função do hospital ampliou-se.

As instituições hospitalares revisam constantemente seus serviços, a fim de,


oferecer os melhores padrões de atendimento hospitalar.

5
A estrutura hospitalar aumentou sua complexidade e a equipe de saúde
ampliou o número de seus componentes.

Antigamente havia três tipos de pessoas no hospital: pacientes, médicos e


enfermagem. Com a evolução foram surgindo outras: enfermeiro, técnico, auxiliar,
psicólogo, laboratorista, fisioterapeuta, técnico de raio X, anestesista, farmacêutico,
terapeuta ocupacional, assistente social, nutricionista, médico, e muitos outros. Cada
um contribui com seu trabalho para o bom funcionamento do hospital e todos eles se
relacionam com o paciente e são muito importantes para seu bem-estar.

A administração aumenta sua complexidade à medida que a instituição vai


aumentando seu número de pessoas.

Objetivos e metas da instituição

Os objetivos e metas da instituição serão os guias, isto é, o modelo para orientar


a direção dos planos de serviços.

Os objetivos determinam o comportamento da organização tornando-a mais


racional e mais eficaz. Objetivos são mais amplos e metas são mais específicas. Tanto
um como outro, visa indicar um resultado final.

O processo de planejamento

Começa com a análise dos objetivos e metas do sistema e termina com a


implantação e controle dos planos estabelecidos.

É um processo contínuo. Os objetivos e metas devem ser analisados levando em


consideração: prioridades, tempo e estrutura.

A organização

Significa a criação de uma estrutura ou organograma de posições, cargos e


funções especificando responsabilidade determinando regulamentos e
procedimentos que orientarão todo o pessoal da área da saúde.

6
Relações humanas entre o paciente e o profissional

A doença cria a ansiedade e o medo devido a isso o verdadeiro objetivo da


Instituição de Saúde é deformado pela esperança e sonhos de quem utiliza esse
serviço.

Do conflito entre aquilo que as pessoas julgam que a Instituição oferece e aquilo
que realmente a Instituição oferece ou deveria oferecer.

É aí que está a origem dos problemas humanos entre cliente/paciente e o


pessoal da Instituição. O indivíduo sadio não pensa na doença, logo ela representa
uma ameaça para sua estabilidade, uma ruptura para suas defesas, criando a
necessidade de pôr de lado sua rotina de vida levando o indivíduo à procura de
proteção e de carinho na Instituição de Saúde que geralmente é o hospital. A queixa
principal a respeito de quase todas as situações no hospital é a falta de informações.
Se a entrada do cliente/paciente na Instituição, envolve várias pessoas e se nenhuma
é responsável pela coordenação do processo não haverá ninguém responsável pelas
informações do que está se passando ao cliente/paciente ou familiar.

Na prática, cada funcionário, parte do princípio que o cliente/paciente foi


informado pelo colega que o procedeu.

Uma das características do pessoal hospitalar é a ação, e falar com o


cliente/paciente ou seu familiar significa, perder tempo. A preocupação com o tempo
e ação embora, racional e justificada é também psicológica, pois, falar com o
cliente/paciente, faz com que se sintam mais próximos do perigo de se envolver e se
ligar afetivamente a ele.

O doente fica ansioso e incapaz de tolerar o perigo da doença. O pessoal


hospitalar age de maneira a fugir dos riscos de ficar ligado ao doente na sua condição
de ser humano.

A simpatia que uma pessoa normal sente por outra em situação difícil, fica
perdida em uma rede intrínseca de regulamentos, normas e rotinas.

7
Meios de comunicação no hospital

A comunicação é um meio pelo


qual a chefia de enfermagem constrói a
motivação. Seu principal objetivo é
informar à Equipe as implicações nas
metas programadas e, particularmente
o que estas metas exigirão de cada
pessoa.

A aceitação de um objetivo não


será realizada a não ser que o livre fluxo de informações ocorra entre a administração
e toda equipe hospitalar.

Comunicação é um processo de transferir significado sob a forma de ideias ou


informações de uma pessoa para outra. Portanto, comunicação é a cadeia de
entendimento que liga os membros de várias unidades de uma organização em
diferentes níveis e áreas e consiste em: fazer-se entender, passar a informação e um
sistema de comunicação.

A comunicação é um intercâmbio, para que tenha sucesso, a informação tem


que fluir para frente e para trás. Exemplo: Emissor-Receptor, Receptor-Emissor.

Os canais de transmissão foram designados por alguém para alcançar um


objetivo. Existe, entretanto, a Comunicação Informal que serve para:

 Satisfazer as necessidades das pessoas de relacionarem-se umas com as


outras;
 Procurar influenciar o comportamento dos outros.

Comunicação não formal

Muitas vezes a comunicação não verbal tem mais peso no resultado de uma
mensagem do que a comunicação verbal.

As expressões faciais, tom de voz ou a postura do corpo, podem comunicar


mensagens fortes, ruidosas ou sutis. Muitas vezes estas mensagens não verbais
contrariam as verbais.

A comunicação não verbal desempenha um papel importante no processo de


comunicação.

8
As pessoas devem estar atentas, não somente na linguagem não verbal que
utilizam, mas também nas mensagens não verbal que os outros lhe transmitem.

Barreira à comunicação efetiva

A comunicação deixa de ser efetiva devido a forças externas organizacionais e


interpessoais.

Organizacionais: À medida que a mensagem encaminhada para baixo ou para


cima, nos níveis hierárquicos de uma organização, ela passa por filtros, com suas
próprias percepções, motivos, necessidades e relacionamentos. Cada nível na cadeia
de comunicação pode acrescentar, tirar, modificar ou mudar a intenção da mensagem.

Barreiras interpessoais

Percepção: é o processo que damos sentido ao mundo que nos rodeia. Cada
um percebe “seu mundo” de acordo com suas expectativas e suas experiências
anteriores.

Status do comunicador: é a tendência de medir, avaliar e pesar a mensagem de


acordo com a pessoa que envia, especialmente sua credibilidade.

Atitude defensiva: nesta forma faz com que nos concentremos mais na resposta
que vamos dar, do que no que estamos ouvindo ou lendo. Quando se está na
defensiva, em geral distorce o que recebe e não percebe o real motivo e o valor da
mensagem.

Má escuta: somos capazes de recordar 50% do que ouvimos imediatamente


após ouvirmos e 25% no final de 2 meses. O que mostra que precisamos aprender a
ouvir efetivamente.

Uso impreciso da mensagem: este é um dos maiores problemas, pois existem


dificuldades para que essa comunicação se realize corretamente.

A comunicação pode ser realizada:

 Direta: De pessoa a pessoa


 Indireta: são utilizados instrumentos denominados documentos.

Documentos administrativos visam divulgar decisões de caráter administrativo


e/ ou transmitir informações, ordens, instruções e normas relacionadas com as
atividades de serviço.

9
AÇÕES ORGANIZACIONAIS

Atos Normativos

São documentos que estabelecem normas, regras, diretrizes básicas com o


objetivo de uniformizar a execução das tarefas de uma instituição, isto é, normatização
das atividades da empresa.

São Atos Normativos:

 Estatutos: Conjunto de normas básicas que rege a instituição, definindo


seus objetivos e sua organização.
 Regulamentos: Destina-se a esclarecer e a completar o estatuto.
 Regimento: Especifica dispositivos regulamentares, interpretando e
completando o regulamento.

Terminologia do pessoal:

Cargo/emprego: é a posição, com denominação própria, atribuições específicas


e remuneração correspondente, para ser provido e exercido por um titular.

Função: é a atribuição ou conjunto de atribuições conferidas a cada profissional.

Classe: é o agrupamento de cargos da mesma profissão e com idênticas


atribuições, responsabilidades e vencimentos. As classes constituem os degraus de
acesso a carreira.

Lotação: é o número de servidores e/ ou empregados que devem ter exercício


em cada organização, órgão ou setor.

Da administração

Rotinas: é o conjunto de elementos que especifica a maneira exata pela qual


uma ou mais atividades devem ser realizadas.

Instrução de Serviço: é a ordem escrita, a respeito do modo e forma de execução


de determinado serviço, expedido por superior hierárquico, com objetivo de
orientação sobre desempenho de atribuição.

Portaria: é o ato administrativo interno onde expede determinações gerais ou


especiais a seus subordinados ou designa servidores/empregados para funções ou
cargos.

10
Resoluções: é o ato normativo expedido por autoridade executiva, para
disciplinar matéria de sua competência específica.

Gráficos representativos

Cronograma: é a representação gráfica da execução de um trabalho, no qual se


indicam os prazos em que deverão ser executadas as suas diversas fases.

Fluxograma: é a representação gráfica de sequência de uma ou mais atividades,


caracterizada as fases, operações e os agentes executores.

Organograma: é o gráfico representativo da estrutura administrativa de uma


organização de serviço, indicando as relações de autoridade e responsabilidade
existente.

Da Dinâmica Administrativa

Processo: é a maneira da execução de uma função exprimindo os atos ou


operações praticadas e os meios mediante os quais a função é realizada ou o objetivo
é alcançado.

Método: é a maneira ou modo específico de realizar um processo ou uma


operação.

Operação: é o desempenho de trabalho específico, realizado em qualquer lugar


ou fase de um processo.

Atividade: é o conjunto de operações e movimentos independentes, que


objetiva atingir um fim determinado.

Atestado: é a declaração escrita e assinada sobre a verdade de um fato, para


servir de documento a outra pessoa.

Boletim: é a publicação periódica, que em geral constitui órgão de divulgação


do que acontece na empresa.

Circular: é o texto relativo a determinado assunto, que se quer dar


conhecimento a diversas pessoas.

Norma: é o que se estabelece como base de medida para realização ou


avaliação de alguma coisa.

Manuais Administrativos e Técnicos

11
Manual: é uma coleção de instruções a longo prazo, reunidas dentro de uma
capa, classificadas, providas de índice e preparadas para ser usadas como referência
no local de trabalho.

Objetivos:

 Prestar informações sobre atividades desenvolvidas pelos servidores na


empresa;
 Subsídio para treinamento de empregados novos;
 Definir claramente as responsabilidades e deveres de cada categoria
profissional;
 Coordenar as funções do Serviço de Técnico com outros departamentos e/
ou setores;
 Normatizar e uniformizar direitos, deveres e ações dos servidores.

RECURSOS DA INSTITUIÇÃO DE SAÚDE

Terminologia Física utilizada na Instituição Hospitalar

Elemento: É a área ou compartimento com finalidade determinada que em


conjunto, compõem uma Unidade do Hospital.

Unidade Hospitalar: É o conjunto de elementos funcionalmente agrupados,


onde são executadas as atividades a fins, visando o melhor atendimento ao paciente,
dando-lhe conforto, segurança e facilitando o trabalho do pessoal.

Unidade de Internação ou Unidade de Enfermagem: É o conjunto de elementos


destinados à acomodação do paciente internado, e que englobam facilidades
adequadas à prestação de cuidados necessários a um bom atendimento.

Unidade de Internação Geral: É a existente nos hospitais gerais, possuindo ao


redor de 25 leitos quando localizados só em quartos individuais, 32 a 40 leitos quando
em quartos de até 2 leitos e enfermarias.

Unidade Especial de Internação: É o conjunto destinado a pacientes que


recebem assistência especializada, exigindo características especiais:

Unidade de Internação Pediátrica: É o conjunto de elementos destinados a


pacientes de idade até 14 anos, reunidos por grupo etário, possuindo não mais de 70
leitos, por unidade.

12
Unidade de Internação para doenças transmissíveis: É o conjunto de elementos
destinados a pacientes portadores de doenças transmissíveis, permitindo condições de
isolamento, cujo número não deve ultrapassar de 30 leitos por unidade.

Unidade de Internação para doenças mentais agudas: É o conjunto de


elementos destinados a pacientes portadores de doenças mentais agudas, cujo
número não deve ultrapassar de 30 leitos por unidade.

Unidade de Berçário: É o conjunto de elementos destinados a alojar para


assistência, recém-nascidos sadios, prematuros e patológicos.

Unidade de Tratamento Intensivo – UTI: É o conjunto de elementos destinados


a receber pacientes em estado grave, com possibilidades de recuperação, exigindo
assistência médica e de enfermagem permanente, além da utilização eventual de
equipamentos especializados.

Unidade de Emergência: É o conjunto de elementos que servem ao


atendimento, diagnóstico e tratamento de pacientes acidentados ou acometidos de
mal súbito, com ou sem risco de vida.

Unidade de Centro Cirúrgico: É o conjunto de elementos destinados às


atividades cirúrgicas, bem como a recuperação pós-anestésica e pós-operatória
imediata.

Unidade de Centro Obstétrico: É o conjunto de elementos onde são realizados


o trabalho de parto, o parto, a cirurgia obstétrica e os primeiros cuidados com o recém-
nascido.

Unidade de Centro Cirúrgico – Centro Obstétrico: É o conjunto de elementos


destinados às atividades cirúrgico-obstétricas, em uma única área, em hospitais
pequenos.

Unidade de Centro de Material: É o conjunto de elementos destinados a


expurgo, preparo e esterilização, guarda e distribuição do material para as unidades
do hospital.

Unidade de Lactário: É o conjunto de elementos destinados ao preparo de


alimentação para as crianças, incluindo basicamente fórmulas lácteas, sucos e
dietéticos prescritos.

Unidade de Serviços Complementares de Diagnósticos e Tratamento: É o


conjunto de elementos onde está localizada a maioria dos serviços que complementam

13
o diagnóstico, ou auxiliam na recuperação da saúde, tais como: laboratório, radiologia,
fisioterapia e outros.

Unidade de Serviços Gerais: É o conjunto de elementos onde se realizam os


serviços que suprem roupa, alimentação, transportes, energia elétrica, vapor e todo o
material necessário para o funcionamento do hospital. Compreende entre outros os
seguintes serviços: alimentação, lavanderia, material de limpeza, oficina de
manutenção, conservação e reparos, central de vapor, vestiários, garagem e
necrotério.

Unidade de Administração: É o conjunto de elementos onde está localizada a


maioria dos serviços destinados às atividades administrativas do hospital,
compreendendo, basicamente, pessoal, contabilidade, comunicações, transportes,
matrícula e registro de pacientes.

Unidade de Ambulatório ou Unidade de Pacientes Externos: É o conjunto de


elementos que possibilita o atendimento de pacientes para diagnóstico e tratamento,
não necessitando internação.

Recursos Materiais

Uma função administrativa que pode ser de grande utilidade para o Técnico é
o auxílio na requisição, organização e controle de material. Assim como: evitar
problemas de insuficiência, inadequação, improvisação, excesso, uso inadequado de
material.

Os recursos materiais permitem ao pessoal, desempenhar suas funções


adequadamente de forma a realizar os objetivos do serviço.

Classificação de Materiais:

Permanente: duração mínima de dois anos. Ex. móveis, máquinas,


instrumentais, etc.

Consumo: o que se desgasta com o uso ou que tem a vida máxima de até dois
anos, e pode ser classificado em:

a) Perecível: que sofre a ação de agentes físicos: luz, calor, umidade. Ex.
medicamentos, alimentos.

14
b) Perecibilidade relativa: sofrem a ação de agentes físicos em menor
intensidade, assim como a ação de agentes mecânicos. Ex.: material de
borracha, plástico, vidro, roupa, etc.

Requisição:

 Identificar consumo médio diário;


 Verificar saldo existente;
 Observar rotina (dias e horário);
 Conferência e/ ou testagem.

Organização do material:

 Manter e controlar a ordem do material quanto a:


 Arrumação
 Disposição
 Localização
 Acondicionamento

Auxílio no Controle:

Aspectos a serem considerados: uso, guarda, armazenagem. Controle de


material permanente Controle de roupa e outros materiais: considerando avaria,
quebra, desvio, depreciação, gasto.

Manutenção, deve ser: corretiva e preventiva.

Inventário: Deve ser periódico: mensal, semanal, diário, por turno, dependendo
do material. Pode ser por ambiente, por elemento. Ex.: sala de curativos, rouparia,
posto de enfermagem, etc. Pode ser por classe: Ex.: aparelhos, roupas, etc.

Recursos Humanos

Para a realização de seus objetivos essenciais é necessário oferecer ao


cliente/paciente e a comunidade o melhor padrão de atendimento.

A complexidade de tarefas executadas pelos profissionais da saúde e a


multiplicidade de Leis que regem o trabalho remunerado, dá a importância do
relacionamento do serviço do Técnico de Radiologia com o administrador de pessoal.

Devido à complexa diversificação de tarefas executadas pelos profissionais da


saúde é que levou a dividi-las em níveis de complexidade:

15
Nível 1 – Tarefas simples que necessitam apenas de treinamento.

Nível 2 – Tarefas intermediárias que necessitam, além de treinamento,


conhecimento e responsabilidade.

Nível 3 – Tarefas complexas que, além de treinamento, conhecimento,


responsabilidade, exigem operações mentais de análise e avaliação.

A taxa de falta ao serviço e da troca constante de funcionários, nas instituições


de saúde é devido a problemas de Valorização e Profissional e Pessoal, demonstrado
pelos baixos salários pagos e as condições de trabalho que lhes é oferecido.

Chega a ser contraditório, de um lado, é demonstrada a importância do


profissional da área da saúde por estar ao lado do cliente/paciente, 24 horas do dia e
ser o maior grupo da instituição, pois representa 60% a 65% de todo pessoal da
empresa. Por outro lado, é o pior remunerado e o que tem as piores condições de
trabalho além de ser o que está sujeito a maiores estresses por lidar com o indivíduo
quando está mais carente e fragilizado.

A valorização do profissional, permitirá um atendimento mais eficiente ao


cliente/paciente, maior segurança no conforto físico e psicológico para isso é
necessário:

 Sistema de seleção adequado.


 Programa de treinamento, capacitação e acompanhamento.
 Instalação de creche e pré-escola para atender os filhos do pessoal de
enfermagem, pois 95% são do sexo feminino.
 Sistema de avaliação de desempenho.
 Sistema de promoção por mérito.
 Escala de reajustamento de salário e outros incentivos não salariais.
 Biblioteca específica – incentivos para estudo e pesquisa, com
possibilidades de participações em cursos e congressos, na Instituição e
fora dela.

A disponibilidade de pessoal em uma instituição, varia de acordo com seus


objetivos, porém há elementos que são básicos e, que devem ser levados em
consideração na organização do quadro de pessoal, isto é, deve-se empregar métodos
que levem em consideração as necessidades do cliente/paciente e a competência
técnica necessária para o bom atendimento dessas necessidades.

16
O HOSPITAL

O hospital é a parte integrante de um


sistema coordenado de saúde, cuja função é
dispensar à comunidade completo assistência
médica, preventiva e curativa, incluindo serviços
extensivos à família em seu domicílio e ainda um
centro de formação dos que trabalham no
campo da saúde e para as pesquisas biossociais,
segundo as definições da Organização Mundial de Saúde (OMS).

Histórico dos hospitais

Inicialmente, os hospitais surgiram com a qualificação apenas de albergue, de


hospedaria, onde os desprotegidos da sorte eram recolhidos, cuidados e alimentados.
As pessoas eram recebidas não por estarem doentes e necessitarem de tratamentos;
os que requeressem tratamentos médicos permaneciam em suas casas, onde eram
visitados pelos profissionais da época e onde eram tratados, tanto clínica quanto
cirurgicamente. Não se conhecia, na época, nada sobre esterilização, desinfecção ou
antissepsia.

Funções do hospital:

A comissão de Especialidades da Organização Mundial de Saúde agrupou as


funções que devem ser desenvolvidas no hospital, como segue:

Função restaurativa:

 Diagnóstico: em serviço de ambulatório e internação;


 Tratamento de doenças: curativo e paliativo, envolvendo atividades
médicas, cirúrgicas e especiais;
 Reabilitação física, mental e social;
 Tratamento de emergência: acidentes e doenças.

Função preventiva:

 Supervisão da gravidez normal e do parto;

17
 Supervisão do crescimento normal e do desenvolvimento da criança e do
adolescente;
 Controle das doenças contagiosas;
 Prevenção das doenças de longa duração;
 Prevenção da invalidez física e mental;
 Educação sanitária;
 Saúde ocupacional.

Função educativa:

 Estudantes de medicina;
 Formação de pós-graduados: especialistas e clínicos gerais;
 Enfermeiros e obstetrizes;
 Assistentes sociais;
 Outras profissões afins.

Função pesquisadora:

 Aspectos físicos, psicológicos e sociais da saúde e da doença;


 Atividades hospitalares, técnicas e administrativas.

Classificações

O hospital, como vimos em sua definição, é parte integrante de um sistema


coordenado de saúde.

O Ministério da Saúde denomina a rede hospitalar como Rede Médico-


Assistencial e a define como um sistema de assistência integrada de saúde, planejada
dentro de uma gradação hierárquica, obedecendo a critérios progressivos e de
zoneamento, visando dar cobertura médico-assistencial à população, em correlação
com as suas necessidades e disponibilidades socioeconômicas e culturais.

A rede hospitalar é constituída das seguintes unidades entrosadas, segundo o


Ministério da Saúde:

 Hospital Unidade Sanitária;


 Hospital Local;
 Hospital Regional;

18
 Hospital de Base;
 Hospital de Ensino.

Podemos ainda classificar os hospitais sob os aspectos clínicos e administrativos.


Segundo os aspectos clínicos, os hospitais podem ser:

a) Gerais: são os capacitados a receberem pacientes de várias


especialidades clínicas ou cirúrgicas, podendo ser limitados a um grupo
etário. Exemplos: Hospital Infantil, Hospital Geriátrico;
b) Especializados: são os capacitados a receberem pacientes
predominantemente de uma especialidade, como, por exemplo:
psiquiatria, oncologia etc. Atualmente a tendência é colocar os pacientes
com qualquer tipo de patologia nos hospitais gerais.
Quanto ao aspecto administrativo, de acordo com a propriedade e
manutenção, os hospitais podem ser:
c) Oficiais (governamentais):
 Federais;
 Estaduais;
 Municipais;
d) Particulares.

Ambiente hospitalar

O hospital é uma organização que tem características próprias que a


diferenciam de outras instituições. Muitas de suas áreas funcionais devem ser
interdependentes e se inter-relacionarem, de forma a propiciarem um funcionamento
eficiente de todos os seus componentes e de maneira a comporem um todo e não um
somatório de partes desagregadas.

Seu principal objetivo é proporcionar assistência adequada aos pacientes


dentro dos limites de conhecimento da tecnologia médica, da organização das
atividades humanas e dos limites dos recursos institucionais, que são escassos.

O hospital deve assegurar ao paciente uma assistência eficiente através de uma


melhor organização do corpo clínico, da assistência de pessoal competente e de
serviços complementares de diagnóstico e tratamento.

19
Em toda instituição deve haver um organismo, um elemento encarregado de
traçar suas normas administrativas, um indivíduo ou um grupo que planeja e dita a
política que a empresa irá seguir.

O hospital é dirigido por um conselho administrativo, que tem como delegado


executivo o diretor.

O diretor não tem possibilidade de executar todas as deliberações emanadas do


conselho. Ele necessita compartilhar essas atribuições com um grupo de pessoas; estas,
por sua vez, delegam parte de sua responsabilidade às diferentes chefias do hospital.
Portanto, o hospital é organizado em três grandes divisões: divisão médica, técnica e
administrativa.

Divisão médica é aquela formada pelo corpo médico do hospital e é mais ou


menos desenvolvida de acordo com as finalidades da instituição e com as
possibilidades da comunidade.

Fazem parte da divisão médica: clínicas médicas, clínicas cirúrgicas, clínicas


especializadas, serviços médicos auxiliares, serviços complementares de diagnóstico e
tratamentos – radiologia, laboratórios, serviço de fisioterapia, serviço de anestesia,
serviço de anatomia patológica, banco de sangue.

A divisão de serviços técnicos constitui-se daqueles serviços que colaboram


diretamente com o médico, para que ele possa desempenhar com eficiência suas
atribuições na instituição.

É constituída dos seguintes serviços: enfermagem, nutrição, serviço social


médico, arquivo médico e estatístico, farmácia e odontologia, sendo que os dois
últimos podem pertencer à divisão médica.

A divisão de serviços administrativos contribui, no hospital, para que os serviços


técnicos possam, mais facilmente, colaborar com o médico, para ele desempenhar bem
a sua função.

Integram a divisão de serviços administrativos: protocolo e arquivo, seção de


pessoal, contabilidade, tesouraria, serviço de material ou almoxarifado, lavanderia,
serviço de conservação e reparos, zeladoria ou seção de serviços gerais.

20
Relacionamento interprofissional

Para se manter um bom entrosamento e relacionamento entre os vários serviços


do hospital, é necessário que as funções de cada seção sejam bem definidas e que haja
estreita colaboração entre todos que executam.

O serviço de enfermagem inter-relaciona-se, praticamente, com todos os


serviços hospitalares, devendo ser lembrado o grande valor que desempenham as
reuniões administrativas periódicas das chefias de serviços, para que se consiga manter
o máximo de harmonia interna e externa do hospital.

ORGANIZAÇÃO E FUNCIONAMENTO DO HOSPITAL

Considerações gerais

O hospital é definido pelo


Ministério de Saúde, como: uma parte
integrante de uma organização médica e
social, cuja função básica consiste em
proporcionar à população assistência
médica integral, curativa e preventiva, sob quaisquer regimes de atendimento,
inclusive o domiciliar, constituindo-se também em centro de educação, capacitação de
recursos humanos e de pesquisa em saúde, bem como encaminhamento de pacientes,
cabendo-lhe supervisionar e orientar os estabelecimentos de saúde a ele vinculado
tecnicamente.

Para atingir seus objetivos, o hospital necessita de equipe multiprofissional


especializada, capaz de oferecer assistência qualificada; portanto, é importante que
tenha uma coordenação interna eficiente.

O hospital “não pode funcionar efetivamente sem uma coordenação interna,


motivação, autodisciplina e ajustes informais e voluntários de seus membros”

Apesar de o hospital possuir materiais e equipamentos de alta resolutividade, a


equipe de saúde necessita conscientizar-se de que o paciente deve ser visto como um
ser humano, pois seu tratamento depende muito de interação entre pessoas
responsáveis pelo seu cuidado.

21
A organização hospitalar é constituída de unidades que funcionam de forma
integrada, com objetivos gerais semelhantes. O hospital deve ter um quadro de pessoal
especializado, agrupado por funções similares, formando Seções, Serviços e Setores,
que constituirão a organização do hospital.

Todo hospital necessita de um Estatuto que defina suas finalidades, objetivos,


estrutura e competência. Deve possuir estrutura interna com suas funções bem
delineadas.

A estrutura organizacional do hospital pode estar assim representada:

Órgão Deliberativo do Hospital ou Conselho de Administração, Mesa


administrativa, Conselho Diretor, Diretoria Geral, Junta Administrativa. Esse órgão é
encarregado de traçar a política administrativa do hospital. Além desse órgão há o
diretor, que é o encarregado de executar as deliberações do órgão superior.

Divisão médica: composta pelos serviços médicos, serviços cirúrgicos, serviços


médicos auxiliares.

Divisão técnica: composto pelo serviço de enfermagem, serviço de nutrição,


serviço social, serviços médicos, serviço de arquivo médico e estatística, serviço de
odontologia, serviço de farmácia, serviço de psicologia.

O serviço de enfermagem, responsável pela assistência de enfermagem, é


chefiado por um enfermeiro e constitui-se das unidades: centro obstétrico, centro
cirúrgico, ambulatório, berçário, internação e emergência.

O serviço de nutrição é responsável pelo preparo das dietas e deve ser chefiado
por um nutricionista.

O serviço social encarrega-se de estudar e solucionar problemas


socioeconômicos de forma ampla. É chefiado por assistente social.

O serviço de arquivo médico e de estatística é responsável pelo prontuário do


paciente. Nesse prontuário são registradas todas as informações sobre o paciente e
seu tratamento. Possui os setores de registro geral, estatística e arquivo médico.
Atualmente suas atividades estão sendo informatizadas.

O serviço de odontologia é responsável pelo tratamento odontológico no


hospital. O serviço de farmácia deve ser chefiado pelo farmacêutico.

22
O serviço de psicologia é responsável pela assistência psicológica. É chefiado
por um psicólogo.

Divisão administrativa: serviço de pessoal, serviço de contabilidade (financeiro),


serviço de almoxarifado, serviço de manutenção e reparos, serviços de comunicação e
arquivo, serviço de lavanderia, serviço de atividades gerais.

Serviço de pessoal: encarregado do recrutamento, admissão, orientação e


acompanhamento de funcionários.

Serviço de contabilidade: realiza a contabilidade de custos, imprescindível para


o hospital.

Serviço de almoxarifado: encarregado pelo abastecimento, recebimento,


guarda, controle e distribuição do material utilizado no hospital.

Serviço de manutenção e reparos: encarregado de manter em boas condições


o prédio, os materiais, aparelhos e equipamento do hospital.

Serviço de lavanderia: responsável por todo o processamento da roupa no


hospital. Possui também o setor de costura e reparos.

Serviço de atividades gerais: Pode agrupar as atividades de transporte, limpeza,


vigilância, portaria, parques e jardins do hospital, telefones, horta, estacionamento,
velório e biotério*, quando houver.

*Biotério: Local onde são criados e conservados animais vivos destinados a


experiências biológicas.

LEGISLAÇÃO TRABALHISTA

Os recursos humanos nas Instituições de Saúde são diversificados. Existem várias


categorias profissionais, com diversificadas funções, desde as mais complexas, porém
todas muito importantes para o eficaz funcionamento da Instituição.

Para manter o equilíbrio, entre os deveres e direitos de todo pessoal, é que


existem as Leis de Trabalho: CLT (Consolidação das Leis de Trabalho).

Conceito:

Empregador: Considera-se empregador a empresa, individual ou coletiva que


admite, assalaria e dirige a prestação pessoal de serviço.

23
Empregado: Toda pessoa física que presta serviços de natureza não eventual a
empregador, sob dependência deste e mediante salário.

Vínculo Empregatício – CLT: Consolidação das Leis do Trabalho

Público: Federal, Estadual ou Municipal.

Direitos: Remuneração prevista, à segurança ditada pelo contrato de trabalho,


a assistência médica hospitalar, às folgas, licenças e férias remuneradas.

Deveres:

 Assiduidade, pontualidade, e permanecer no trabalho o horário


contratado.
 Agir com urbanidade e educação com superiores e público.
 Lealdade e zelo nos interesses da Instituição.
 Acatar ordens de autoridades superiores hierárquicas.
 Levar ao conhecimento do superior hierárquico qualquer irregularidade
que tiver ciência.
 Guardar reserva sobre o assunto sigiloso.
 Vestir-se corretamente, manter adequada conduta moral e social.
 Submeter-se às inspeções médicas determinadas por lei.

Infrações que acarretam rescisão de contrato:

 Má conduta moral.
 Negociação habitual no recinto de trabalho.
 Condenação criminal.
 Violação do segredo da Instituição.
 Negligência no desempenho das funções.
 Ato de indisciplina ou de insubordinação.
 Embriagues habitual ou em serviço.
 Abandono de emprego.
 Prática constante de jogo de azar.
 Ausentar-se do serviço em hora de expediente sem autorização e sem
motivo.

24
 Prática de atos atentatórios à segurança Nacional devidamente
comprovado por inquérito administrativo.

Contrato individual de trabalho: Poderá ser acordado verbalmente ou por


escrito e por prazo determinado ou indeterminado o qual não poderá ser estipulado
por mais de dois anos.

Interrupção do contrato: Afastamentos em virtude das exigências do serviço


militar e encargos públicos, são assegurados por ocasião de sua volta todas as
vantagens que tenham sido atribuídas a categoria.

Estágio Probatório: O contrato de experiência não poderá exceder a 90 dias.

Treinamento: Será feito durante o expediente sob as formas de:

 Iniciação para os novos servidores


 Específicos nas especialidades
 Atualização
 Ocasional

Viso prévio: Uma das partes deverá avisar a outra com antecedência de 8 dias
se o pagamento for efetuado por semana, 30 dias aos que recebem por quinzena ou
mensal. A falta de aviso dá direito ao salário.

Tempo de serviço: Computar-se-ão na contagem, para efeito de indenização e


estabilidade, os períodos em que o empregado estiver afastado do trabalho, por
motivo de acidente de trabalho e prestando serviço militar.

Estabilidade: Após 10 anos de serviço na mesma empresa, senão por motivo de


falta grave ou circunstância de força maior. O pedido de demissão do empregado
estável só será válido com assistência do sindicato.

Rescisão de contrato: É assegurado a todo empregado, não existindo prazo


estipulado para terminar um contrato, e quando não haja ele dado motivo para
cessação das relações de trabalho, o direito e haver do empregador uma indenização,
paga na base da maior remuneração que tenha percebido na mesma empresa.

Jornada de trabalho: No máximo 8 horas diárias, poderá ser acrescida de 2


horas suplementares que serão remuneradas em % superior a da hora normal.

Refeições: Devem ser gratuitas no serviço noturno.

25
Folgas e descanso: Entre duas jornadas de trabalho haverá um período mínimo
de 11 horas consecutivas para descanso. Jornadas que excedam 6 horas é obrigatório
o intervalo de 1 hora e máximo de 2 horas para repouso e alimentação. Não
excedendo 6 horas e superior a 4 horas é obrigatório 15 minutos de intervalo.

Dobras e horas extras: Para atender à realização ou conclusão de serviços


inadiáveis. A remuneração será pelo menos % superior à hora de trabalho normal e o
trabalho não poderá exceder 12 horas.

Marcação de ponto: Estabelecimento com mais de 10 empregados estará


obrigado a anotação da hora de entrada e saída, devendo ser assinalados os intervalos
para repouso.

Atrasos: Terá tolerância de 4 atrasos por mês que não sejam superiores a 15
minutos. A partir do 4.º atraso e 16.º minuto, a administração fará o desconto de 1/3
do salário correspondente ao dia de atraso.

Faltas: O empregado terá direito ao abono de faltas desde que apresente


comprovante:

 Casamento: 3 dias
 Falecimento: 2 dias
 Nascimento de filho
 Tratar título de eleitor: 1 dia
 Comparecer à justiça de trabalho: de acordo com a convocação
 Doação de sangue: 1 dia a cada 12 meses

Falta grave: As injustificadas, que ocorrem nos sábados, domingos, feriados e


serviço noturno.

Punições:

 Advertência
 Suspensão por 1,3,5,10 e 15 dias
 Demissão por justa causa

Saída antecipada: Por motivo justificado são toleradas 4 saídas antecipadas no


decorrer do mês.

Permanência no setor: Não poderá ausentar-se do setor de trabalho durante o


expediente sem autorização do superior hierárquico.

26
Fadiga: É de 60 Kg o peso máximo que um empregador pode remover
individualmente. É obrigatório a colocação de assentos que assegurem postura
correta.

Trabalho da mulher: Os mesmos preceitos aplicados ao trabalho masculino.

Lei dos 2/3: A proporcionalidade será de 2/3 de empregados brasileiros.

Contrato de experiência: Não poderá exceder de 90 dias.

Salário: O salário-hora normal corresponde ao total de salário mensal dividindo-


se por 30 dias ou 240 horas.

Serviço noturno: Remuneração de % sobre a hora noturna.

Insalubridade: Calculada sobre o salário mínimo regional em:

% máximo

% mínimo

% médio

Salário família: Ajuda na manutenção de filhos menores de 14 anos ou


dependentes e corresponde a 5% do salário mínimo regional para cada filho ou
dependente.

13.º salário: Equivale a um salário completo para os que têm mais de 1 ano, ou
1/12 para os que não tem mais de 1 ano de casa por cada mês.

Auxílio à maternidade: À segurada ou ao segurado, pelo parto de sua esposa


não segurada ou a companheira designada como dependente, pelo menos 38 dias
antes do parto o valor de ½ salário mínimo.

Auxílio doença: Ao segurado incapacitado para o trabalho durante mais de 15


dias por motivo de doença. Mensalidade de 70% de salário de benefício mais 1% por
ano completo de atividade abrangida pela previdência social, até o máximo de 20%.

Aposentadoria

Abono permanência: Ao segurado que tendo 30 anos de serviço, prefere


continuar trabalhando. Mensalidade: 25% do salário benefício. Início: data do
requerimento.

27
Invalidez: Ao segurado que for considerado incapaz e insuscetível de
reabilitação para o exercício de atividade que lhe garanta a subsistência. Mensalidade:
70% do salário benefício. Início: dia imediato ao da cessação do auxílio doença.

Velhice: 65 anos ou mais de idade. 75% do salário benefício.

Por tempo de serviço: 30 anos ou mais de serviço. Mensalidade: 80% do salário


benefício mais 4% para cada ano.

Aposentadoria especial: Segurado que contando 50 anos de idade, tenha


trabalhado em serviço considerado insalubre ou perigoso, durante pelo menos 15
anos, 20 ou 25 anos. Mensalidade: 70% salário benefício.

Pensão: Aos dependentes do segurado em virtude do falecimento deste.


Mensalidade: 50% da aposentadoria que tinha direito o segurado na data do seu
falecimento.

Auxílio reclusão: Aos dependentes do segurado detento que não receba


remuneração ou aposentadoria. Mensalidade: a mesma da pensão.

Auxílio funeral: Ao executor do enterramento do segurado. Valor: o dobro do


salário mínimo se o executor for dependente e até esse limite, de acordo com as
despesas se não for.

Fundo de garantia por tempo de serviço: Constitui, mediante depósito de 8%


do total da remuneração mensal do empregado. Quando indenizado disporá da
importância depositada acrescida de juros de 3% e correção monetária.

Acidente de trabalho: Aquele que decorrer pelo exercício do trabalho,


provocando lesão corporal ou doença que cause a morte ou a perda permanente ou
temporária da capacidade de trabalho.

Pis Pasep (Programa de Formação do Patrimônio do Servidor Público): Vínculo


do empregado é como beneficiário. Os recursos são aplicados ao desenvolvimento
econômico social do país. A retirada do saldo total é permitida em: Casamento,
aposentadoria, invalidez e falecimento.

Férias: Todo servidor terá direito a: 30 dias de férias quando não tiver faltado ao
serviço mais de 5 vezes; 24 dias quando houver faltado de 5 a 14 dias e 18 dias quando
houver tido de 15 a 23 dias de faltas e 12 dias quando houver de 24 a 32 faltas.

28
Registro do empregado: É obrigatório ao empregador o registro dos respectivos
empregados em livro próprio ou em fichas no modelo do ministério do Trabalho. Serão
anotados todos os dados relativos a sua estada na empresa.

Anotações na carteira: serão anotados na carteira de trabalho: admissão,


remuneração, acidente de trabalho.

Segurança do trabalho: Incumbe ao órgão de âmbito Nacional coordenar,


orientar, controlar e supervisionar a fiscalização e as demais atividades relacionadas
com a segurança e medicina do trabalho.

Servidor Público tem legislação própria em cada nível: municipal, estadual ou


federal. Pela constituição, ninguém poderá ingressar no Serviço Público sem concurso.

ADMINISTRAÇÃO DE SERVIÇOS RADIOLÓGICOS

Organização dos Serviços Radiológicos

 Médico clínico ou especializado


 Médico radiologista
 Ortopedista

Serão os profissionais responsáveis pelos pedidos de radiografias no serviço


hospitalar.

Serviços de radiologia se dividem em:

Recepção: profissional operacional especializado - recepcionista ou escriturário.

Função: receber os pacientes que procurarem os serviços de radiodiagnósticos


informá-los e encaminhar para a sala de exames.

Marcação de exames solicitados mediante a solicitação médica.

Radiografias de exames contratados devem sempre ser agendada, pois o


paciente necessita de preparo orgânico de 24 a 36 horas antes.

Providenciar a autorização de atendimentos e a internação do convenio.


Liberação de radiografias que forem laudadas.

29
Farmácia

O setor de radiologia deve se dispor de uma pequena farmácia, contendo


materiais para exames de contrastes, e também outros medicamentos de primeiros
socorros e higiene profilaxia. (Seringas, luvas, tesouras, etc).

Almoxarifado

Filmes virgens: 13/18; 18/24, 24/30, 30/40, 35/35, 35//43 etc, filmes de
tomografias, filmes de mamografia, filmes de ressonância magnética, ecrans, chassis,
químicos: reveladores, fixadores, avental de chumbo, avental descartável, etc.

Salas de aparelho de raios x: Sala para exames convencionais Sala para exame
contrastado Sala para exames especializados

Sala para ultrassonografia

Sala para ressonância magnética Sala de radioterapia

Sala de medicina nuclear

Sala de câmara escura: Sala onde é feita a revelações das imagens radiográficas.

Sala de câmara clara: Sala de controle de qualidade de radiografias.

Sala de interpretação de imagens: Sala onde estão localizados os negatoscópios,


onde as radiografias são interpretadas, onde as radiografias são enviadas para laudo
médico, onde as radiografias também são arquivadas.

Responsável: médicos radiologistas.

Documentação médica:

A seção de documentação medica é dividida em seguintes setores: Arquivo;

Laudos;

Documentação e estatística;

Arquivo:

Responsável: arquivistas,

Divisão do arquivo de raios x:

Arquivo morto: tem duração de 5 anos a partir da data em que o exame foi feito.

30
Arquivo vivo: Arquivo geral arquivado por ordem numérica, por ordem de
exames.

Arquivo nosológico: por doença.

Arquivo especial: doenças especiais e raras.

Arquivo de coleção de ensino: São radiografias diferenciadas usadas para aula,


congresso, seminário, encontros, etc.

Laudos:

Responsável: escriturário/ recepcionista.

Função: receber os laudos escritos e transformá-los em modelos prontos.


Documentação e estatística:

Função da documentação da estatística dentro do departamento de raios x:

Uma das formas mais eficientes para a evolução do setor é corrigir as falhas do
passado, para tanto é necessário manter uma documentação e estatística o mais fiel
possível.

Todo o atendimento deveria ser transcrito em requisições e mantidos


juntamente com os respectivos em resultados em arquivos.

Todo resultado é o reflexo real da produtividade baseada na estatística. Os


gráficos representativos da estatística devem incluir:

Número de exames radiológicos realizados no dia, na semana e no mês.

Tipos de exames;

Despesas com manutenção;

Despesas com material de consumo;

Produção por aparelho;

Produção por técnico;

Lucros e perdas;

31
ORGANOGRAMA DO SETOR DE RAIO X

Conceito:

É uma representação gráfica de organização de um serviço, indicando funções,


atribuições e etapas de trabalho relacionados entre si.

FLUXOGRAMA DO SETOR DE RAIO X

Conceito:

As atividades do serviço de radiodiagnóstico, muito se assemelha com a


produção de linha de uma fábrica. Acompanhando o regime do médico, desde que
chega a recepção até a entrega do resultado, a radiografia passa por várias etapas.

Recepção: O pedido do exame radiológico é transformado em requisição. O


paciente é encaminhado para a sala de espera do raio x e a requisição é encaminhada
para a triagem.

Triagem: A triagem vai interpretar o método de exame e encaminhar o para a


execução do exame.

Sala de exames: Paciente é confrontado com o tipo de exame solicitado na


requisição e é realizada a sua radiografia.

Câmara escura: Ocorre o processamento de revelação e fixação do filme,


transformando-o em exames radiológicos.

Identificação dentro da câmara escura: A ficha solicitante do exame acompanha


o chassi dentro da câmara escura, onde há o nome do paciente a data do exame e a
idade, será gravada no filme, usando um dispositivo chamado de agente marcador.
Após a identificação da radiografia ela volta para a recepção.

A câmara clara faz a correção se houver falha na identificação.

Sala de laudos: Onde ocorre a interpretação da radiografia. Após o laudo da


radiografia, vai para a recepção.

Na ausência do radiologista, o residente pode laudar, ou se não na ausência de


ambos a radiografia e o laudo serão aguardados, para serem retirados em outro dia.

Organização dos exames programados: Os exames contrastados, normalmente


envolvem procedimentos especiais, tais como:

32
Paciente em jejum de 24 a 36 horas, sem alimentos sólidos, somente líquidos.
Tempo de realização dos exames

Bloqueio da sala.

Solicitação do almoxarifado do raio x, do volume de contraste que será utilizado


na realização do exame.

Caso o hospital não forneça o contraste, o paciente é orientado junto a uma


receita médica a comprar na farmácia.

Paciente que requer o atendimento imediato de exames contrastado é feito sem


agendamento.

Planejamento:

A unidade de radiologia ou radiodiagnostico é a unidade onde se concentra


equipamento que realizam atividades ao uso de raios x para fins de diagnósticos.

Tal unidade é de importância vital na dinâmica de funcionamento do hospital


em conta que o desenvolvimento técnico-científico de ponta, alcançado nesta área,
permite a eficiência no processo de diagnósticos clinico cirúrgico das afecções que o
desenvolvimento técnico-científico de ponta, alcançado nesta área, permite a
eficiência no processo de diagnósticos clinico cirúrgico das afecções.

FINALIDADES DA UNIDADE DE RADIODIAGNÓSTICO

Realizar exames radiológico diversos, contrastado ou não, respeitando as


determinações constantes na portaria 453/1998, de modo a prevenir danos à saúde
dos profissionais, que atuam no ambiente, e do paciente.

Servir de campo de ensino para alunos dos cursos técnico e tecnólogo em


radiologia, médicos residentes e outros profissionais da saúde, visando à formação e
aprimoramento aos conhecimentos técnicos e científicos.

Favorecer o desenvolvimento de pesquisa para aprimorar as condições de


ensino, assistenciais e técnicas nesta área.

33
Localização

Segundo a portaria 453/1998, a unidade padrão deve localizar no pavilhão


térreo do hospital, a fim de possibilitar o acesso fácil proveniente dos pacientes de
ambulatório, das unidades de emergência e internação (circulação vertical).

ESTRUTURA FÍSICA DA UNIDADE DE RADIODIAGNOSTICO

Área para registro de pacientes (secretaria):


localizada na entrada da unidade, para não
atrapalhar o fluxo de pacientes e funcionários;
onde ocorre o agendamento de exames e
recebimentos de fichas com pedidos de exame de
raios-X.

Sala de espera de pacientes e


acompanhantes: este ambiente deve ser provido
de cadeiras confortáveis e ter espaço suficiente para estacionamento de cadeiras de
rodas e macas com pacientes, enquanto aguardam a entrada para sala de raios-X deve
ter. Sanitário anexo.

Sala administrativa: sala destinada à chefia administrativa da unidade.

Sala de serviços/ preparo de pacientes: utilizada para a assistência pré ou pós


exame ou prestar cuidados necessário à realização de procedimentos radiológicos.

Exemplos: mielografia, exame contrastado, angiografia, etc.

Dimensionamento Vestiário provido de sanitário: deve estar próximo as salas de


exames de raio-x, este ambiente no planejamento evita que o paciente tenha que
trocar de roupa na sala de exames, preservando assim seu conforto.

Vestiário provido de chuveiros e sanitário: utilizado pelo profissional para a troca


de roupa e banho.

Quarto para descanso: provido de beliche, utilizado para descanso em plantões


de longa duração.

Sala de exames de raio-x: sala destinada a realização de exames e intervenções


por meio da radiologia, através dos resultados de estado radiográfico e fluoroscópico
são dois tipos de sala de exame:

34
Sala de exame (com comando)

Sala de exame (telecomando)

Sala de exame com comando

Sala destinada à localização do painel de comando, podendo estar dentro ou


fora da sala de raio-x separada por um biombo blindado por chumbo, adequado para
garantir a proteção radiológica, e um visor de vidro plumbífero.

A área física das salas de raios-X, paredes, tetos, pisos, portas, janelas, ventilação
e instalação elétrica deverão seguir as normas da portaria 453/1998-ministério da
saúde.

Localização da câmara escura:

Conforme portaria 453/1998, a área física da câmara escura deve medir no


mínimo 6m2, deve ser dotada de um sistema próprio para exaustão de vapores e gases
tóxicos, localizados no mesmo setor de raio-x e mamografia.

Conforme resolução RDC 33 – Avisa:

Os resíduos químicos (revelador e fixador) devem ser tratados, não poderão ser
jogados na rede de esgoto

35