Você está na página 1de 464

Manual do Usuário Série Evolution Parte: Funcionamento

B4065 Rev. U

Série Evolution Parte: Funcionamento B4065 Rev. U Este manual é propriedade da Ceragon Networks. Nenhuma

Este manual é propriedade da Ceragon Networks. Nenhuma parte deve ser copiada, reescrita ou distribuída a terceiros sem o consentimento por escrito da Ceragon Networks.

Para melhor legibilidade, é recomedada uma resolução de no mínimo 1280 x 1024 pixels. Exibição das configurações de fonte: Comprimento normal.

Além da edição para WEB, o manual está disponível em formato PDF (adequado para impressão). Se você não possuir o Adobe® Acrobat Reader® instalado em seu computador, poderá fazer o download abaixo.

em seu computador, poderá fazer o download abaixo. O manual está dividido em 5 partes: Geral

O manual está dividido em 5 partes:

Geral

Esta parte apresenta uma visão geral do equipamento da série Evolution

Instalação

Fornece detalhes de como instalar o equipamento

Funcionamento

Descreve como operar o sistema com ênfase no Evolution Series Manager [Gerenciador da Série Evolution].

Manutenção

Fornece detalhes quanto a manutenção do equipamento

Apêndices

A compilação de planos de frequência, listas de alarme, especificações técnicas, etc.

Índice

GeralÍndice Instalação Operação Evolution Manager [Gerenciador Evolution] Descrição Geral Interface Gráfica do

InstalaçãoÍndice Geral Operação Evolution Manager [Gerenciador Evolution] Descrição Geral Interface Gráfica do Usuário

OperaçãoÍndice Geral Instalação Evolution Manager [Gerenciador Evolution] Descrição Geral Interface Gráfica do Usuário

Evolution Manager [Gerenciador Evolution] [Gerenciador Evolution]

Descrição Geral Interface Gráfica do Usuário Limpeza de cache do navegador

ConfiguraçãoInterface Gráfica do Usuário Limpeza de cache do navegador Governança de Unidade Ajuste de Frequência Ajuste

Governança de Unidade Ajuste de Frequência Ajuste de IP Ajuste de DCC Backup Mudança de Senha Adicionar novo usuário

Descrição do Recursode DCC Backup Mudança de Senha Adicionar novo usuário Especificações de Menu Configuração Governança RPS

Especificações de Menu Configuração Governança RPS Frequência Backup Software Elemento Roteamento Network Canais OH Detecção de Vizinhos

Configuração da Unidade Config. SU Config. RIU Config. de Ventilador Config. LIU STM-1/STS-3 Config. de LIU Óptico Config. de LIU 12xE1 Config. de LIU 25xE1 Config. de LIU 8xT1 Config. de LIU 16xT1 Config. de LIU 3xDS3/E3 Config. de Gigabit Eth

Config. DXC Config. EOW Config. 64kb/s Config. Alm & Ctrl Config. E1/T1 Wayside IFU Estrutura Básica Transceptor Falha Ativo Completo Registro de Evento

Execução

Registro

Cumulativa

Entrada

Análogo

Segurança

Manutençãode Evento Execução Registro Cumulativa Entrada Análogo Segurança Apêndices Clique em para expandir o menu Home

ApêndicesEvento Execução Registro Cumulativa Entrada Análogo Segurança Manutenção Clique em para expandir o menu Home

Clique em

Clique em para expandir o menu

para expandir o menu

Home

Evolution Manager [Gerenciador Evolution]

Descrição Geral

O Gerenciador Evolution é uma interface da web do Elemento de Rede. É utilizado para configuração, teste e monitoração do Elemento de Rede. O Gerenciador Evolution pode ser acessado de um navegador ou por meio de um elemento do sistema de gerenciamento de rede, como o “NetMaster”.

pode ser acessado de um navegador ou por meio de um elemento do sistema de gerenciamento

Interface Gráfica do Usuário (GUI)

Uma visão esquemática da GUI está demonstrada na figura abaixo:

esquemática da GUI está demonstrada na figura abaixo: O Gerenciador Evolution possui dois elementos de navegação

O Gerenciador Evolution possui dois elementos de navegação principais, o menu superior e o Equipment view [Visualização de equipamento]. O content frame [quadro de conteúdo] exibirá informações como resultado das seleções feitas nos dois menus. Essa opção permite uma filtragem das informações no quadro de conteúdo, através da seleção de uma unidade especifica na visualização de equipamento. O Gerenciador Evolution possui duas formas de navegação :

“Elemento de Rede”:

Quando não há unidades selecionadas na visualização de equipamento, seleções no menu superior produzirão informações relevantes para o Elemento de Rede como um todo, a serem exibidas no quadro de conteúdo. O status de navegação lerá como “Elemento de Rede”, e o Gerenciador Evolution é considerado no modo “Elemento de Rede”:

“Unidade Individual” Em contrapartida, quando uma unidade específica houver sido selecionada na visualização de equipamento, seleções no menu superior gerarão informações relevantes somente para a unidade selecionada para serem exibidas no quadro de conteúdo. Esse modo é chamado de “Modo de Unidade Individual”, e o status de navegação refletirá isso exibindo o nome da unidade selecionada.

Para sair do modo “Unidade Individual”, a opção de menu “Home” deverá ser selecionada no menu superior. Isso faz com que o Gerenciador Evolution volte ao modo “Elemento de Rede”, e isso refletirá no status de navegação.

Limpeza de cache do navegador

Quando um novo software é descarregado e ativado, esse aviso é exibido no canto superior direito da tela:

esse av iso é exibido no canto supe rior direito da tela: [Aviso – você deve

[Aviso – você deve limpar o cache de seu navegador e atualizar a página!]

Dependendo no navegador em uso, o procedimento seguinte deve ser realizado para garantir que a imagem correta seja exibida na interface gráfica do usuário:

Internet Explorer 6 (IE6)

Internet Explorer 7 (IE7)

Internet Explorer 8 (IE8)

Firefox 2 e 3

Firefox 3.6

Internet Explorer 6

Selecione "Tools" -> "Internet Options

"

na Barra de Ferramentas.

Internet Explorer 6 Selecione "T ools" -> "Internet Options " na Barra de Ferramentas.

Aperte o botão "Delete Files

"

Aperte o botão "Delete Files " Aperte o botão "OK". Esse processo poderá levar algum tempo

Aperte o botão "OK". Esse processo poderá levar algum tempo dependendo do número de arquivos temporários que serão apagados.

do número de arquivos temporários que serão apagados. Aperte o botão "OK". Selecione "View"

Aperte o botão "OK".

Selecione "View" -> "Refresh" na Barra de Ferramentas, ou aperte o botão “F5” do teclado.

Voltar

Voltar

Internet Explorer 7

Selecione "Tools"-> "Internet Options

"

na Barra de Ferramentas.

7 Selecione "T ools"-> "Internet Options " na Barra de Ferramentas. Aperte o botão "D elete

Aperte o botão "Delete

"

Aperte o botão "Delete f iles " Aperte o botão "Yes" Esse processo poderá levar

Aperte o botão "Delete files

"

Aperte o botão "Delete f iles " Aperte o botão "Yes" Esse processo poderá levar algum

Aperte o botão "Yes" Esse processo poderá levar algum tempo dependendo do número de arquivos temporários a serem apagados.

poderá levar algum tempo dependendo do número de arquivos temporários a serem apagados. Aperte o botão

Aperte o botão "Close"

Aperte o botão “OK”. Selecione “View” -> “Refresh" na Barra de Ferramentas, ou aperte o

Aperte o botão “OK”.

Selecione “View” -> “Refresh" na Barra de Ferramentas, ou aperte o botão "F5" do teclado.

Selecione “View” -> “Refresh" na Barra de Ferramentas, ou aperte o botão "F5" do teclado. Voltar

Voltar

Internet Explorer 8

Selecione "Tools"-> "Internet Options

"

na Barra de Ferramentas.

8 Selecione "T ools"-> "Internet Options " na Barra de Ferramentas. Aperte o botão "D elete

Aperte o botão "Delete

"

Selecione a caixa de seleção "Temporary Internet files" e aperte o botão "D elete". Esse

Selecione a caixa de seleção "Temporary Internet files" e aperte o botão "Delete". Esse processo poderá levar algum tempo dependendo do número de arquivos temporários a serem apagados. Nota! A caixa de seleção “Preserve Favorites website data” deve estar desmarcada.

Nota! A caixa de seleção “Preserve Favorites website data” deve estar desmarcada . Aperte o botão

Aperte o botão “OK”

Selecione “View” -> “Refresh" na Barra de Ferramentas, ou aperte o botão "F5" do teclado.

Selecione “View” -> “Refresh" na Barra de Ferramentas, ou aperte o botão "F5" do teclado. Voltar

Voltar

Firefox 2 and 3

Selecione "Tools" -> "Clear Private Data

"

na Barra de Ferramentas.

"Clear P rivate Data " na Ba rra de Ferramentas. Selecione a caixa de seleção “Cache”

Selecione a caixa de seleção “Cache” e aperte o botão “Clear Private Data Now”.

Selecione “View” -> “Reload” na Barra de Ferramentas, ou aperte “Ctrl+R” no teclado.

Data Now”. Selecione “V iew” -> “R eload” na Barra de Ferramentas, ou aperte “Ctrl+R” no

Voltar

Firefox 3.6

Selecione “Tools” -> “Clear Recent History…” na Barra de Ferramentas.

“Clear Recent History…” na Barra de Ferramentas. Selecione "Everything" no menu suspenso e a caixa de

Selecione "Everything" no menu suspenso e a caixa de seleção “Cache”. As outras caixas de seleção não devem estar marcadas. Aperte o botão “Clear Now”.

Selecione "View" -> "Reload" na Barra de Ferramentas ou aperte “Ctrl+R” no teclado.

Voltar

Voltar

Configuração

Governança de Unidade

Sempre que mudanças na configuração do hardware estão para acontecer, o Unit Housekeeping Wizard [Assistente de Governança da Unidade] deve ser executado (Ex. novas Unidades de Interface, ou uma unidade de plug-in inserida em um novo slot na IFU).

Para iniciar o Assistente de Governança da Unidade: Clique em Configuration e depois em Housekeeping. Realizando a sequência da figura abaixo, um tutorial de Governança de Unidade será iniciado.

depois em Housekeeping . Realizando a sequência da figura abaixo, um tutorial de Governança de Unidade

Assistente de Governança

Passo 1 - Station Configuration METRO

de Governança Passo 1 - Station Configuration METRO Clique nos botões “Next” ou “Previous”, etc. para

Clique nos botões “Next” ou “Previous”, etc. para navegar pelo tutorial de assistente de Governança.

[Legenda da Figura]

1. Digite o Nome da Estação e Nome do Terminal

2. Selecione o Tipo de Sistema. O Tipo de Sistema

é determinado pelos documetos de licença.

3. Selecione as Opções de Transmissão Padrão:

ETSI ou ANSI

4. Selecione o número de Direções de Antena

5. Clique em Next para continuar

Assistente de Governança

Passo 2 – Configuração de Antena METRO

de Governança Passo 2 – Configuração de Antena METRO [Legenda da Figura] 1. Digite o Nome

[Legenda da Figura]

1. Digite o Nome da Direção.

Nota! Se existe mais de uma direção de Antena, a

configuração nessa página deve ser realizada para cada uma das direções, através do botão “Next”

2. Selecione o tipo de Proteção contra Radiação

desejada

3. Selecione o número de Canais Regulares.

4. Clique em Next para continuar ou Previous para

voltar a página anterior

Assistente de Governança

Passo 3 – Configuração de sistema IFU METRO

Governança Passo 3 – Configuração de sistema IFU METRO [Legenda da Figura] 1. Selecione o número

[Legenda da Figura]

1. Selecione o número de IFUs no Elemento de

Rede

2. Selecione essa caixa se uma Unidade de

Interconexão Cruzada Direta ou Sistema for utilizado.

3. Selecione essa caixa para desabilitar

mapeamento ethernet

4. Quando a caixa de seleção XPIC está

selecionada, os rádios conectados ao Sistema IFU

são configurados no modo XPIC.

5. Clique em Next para continuar ou Previous para

voltar a página anterior

Assistente de Governança

Passo 4 – Interface de Configuração METRO

de Governança Passo 4 – Interface de Configuração METRO [Legenda da Figura] 1. Clique no slot

[Legenda da Figura]

1. Clique no slot a ser configurado.

Slots configuráveis em Quadros azuis.

2. Selecione na lista uma Unidade de Interface

Clique no botão “Add To List” e o slot configurado

aparecerá em uma lista de Slots de Interface Configurados.

3. Para reconfigurar um slot: marque a caixa de

seleção atual e clique no botão “Remove”.

4. Clique em Next para continuar ou Previous para

voltar a página anterior

Assistente de Governança

Passo 5 – Configuração de Roteamento METRO

Cada LIU e RIU devem ser roteadas. Selecione a primeira LIU da lista de roteamento
Cada LIU e RIU devem ser roteadas.
Selecione a primeira LIU da lista de roteamento e
Aperte o botão “Connect To”.
Selecione na lista a RIU.
Repita o procedimento para todas as unidades
da lista.
A figura mostra o número de
conexões LIU-RIU possíveis entre
os Sistemas IFU
Clique em Next para continuar
ou Previous para voltar a
página anterior

Assistente de Governança

Passo 6 – Interface Auxiliar de Configuração METRO

Passo 6 – Interface Auxiliar de Configuração METRO [Legenda da Figura] 1. Clique no slot a

[Legenda da Figura]

1. Clique no slot a ser configurado.

Slots configuráveis em Quadros azuis.

2. Selecione na lista uma Unidade de Interface

Clique no botão “Add To List” e o slot configurado

aparecerá em uma lista de Slots de Interface Auxiliares Configurados.

3. Para reconfigurar um slot: marque a caixa de

seleção atual e clique no botão “Remove”.

4. Clique em Previous para voltar ou Finish para

sair do Assistente de Governança

Assistente de Governança

Passo 1 – Configuração da Estação IP

de Governança Passo 1 – Configuração da Estação IP Clique nos botões “Next” ou “Previous” etc.

Clique nos botões “Next” ou “Previous” etc. para navegar pelo tutorial de Assistente de Governança

[Legenda da Figura]

1. Digite o Nome da Estação e Nome do Terminal

2. Selecione o Tipo de Sistema. O Tipo de Sistema

é determinado pelos documetos de Licença.

3. Selecione as Opções de Transmissão Padrão:

ETSI ou ANSI

4. Selecione o número de Direções de Antena

5. Clique em Next para continuar

Assistente de Governança

Passo 2 – Configuração do IP da Antena

de Governança Passo 2 – Configuração do IP da Antena [Legenda da Figura] 1. Digite o

[Legenda da Figura]

1. Digite o Nome da Direção.

Nota! Se existe mais de uma direção de Antena, a

configuração nessa página deve ser realizada para cada uma das direções, através do botão “Next”

2. Selecione o tipo de Proteção contra Radiação

desejada

3. Clique em Next para continuar ou Previous para

voltar a página anterior

Assistente de Governança

Passo 3 – Configuração de IP do Sistema IFU

Clique em Next para continuar ou Previous para voltar a página anterior.
Clique em Next para
continuar ou Previous para
voltar a página anterior.

Assistente de Governança

Passo 4 – Configuração de IP de Roteamento

O SU deve ser conectado a RIU na tabela de Roteamento. Se a roteação não
O SU deve ser conectado a RIU na tabela
de Roteamento.
Se a roteação não estiver predefinida, o
procedimento pode ser realizado
manuamente:
Selecione o SU da lista de roteamento.
Selecione na lista a RIU desejada.
Clique em Next para
continuar ou Previous para
voltar a página anterior

Assistente de Governança

Passo 5 – Configuração do IP da Interface Auxiliar

Passo 5 – Configuração do IP da Interface Auxiliar [Legenda da Figura] 1. Clique no slot

[Legenda da Figura]

1. Clique no slot a ser configurado.

2. Selecione na lista uma Unidade de Interface

Clique no botão “Add To List” e o slot configurado aparecerá em uma lista de Slots de Interface Configurados.

3. Para reconfigurar um slot: marque a caixa de

seleção atual e clique no botão “Remove”.

4. Clique em Previous para voltar ou Finish para

sair do assistente de Governança

Assistente de Governança

Passo 1 – Configuração de Estação XPAND

de Governança Passo 1 – Configuração de Estação XPAND Clique nos botões “Next” ou “Previous”etc para

Clique nos botões “Next” ou “Previous”etc para navegar pelo tutorial de Assistente de Governança

[Legenda da Figura]

1. Digite o Nome da Estação e Nome do Terminal

2. Selecione o Tipo de Sistema. O Tipo de Sistema

é determinado pelos documentos de Licença.

3. Selecione as Opções de Transmissão Padrão:

ETSI ou ANSI

4. Selecione o número de Direções da Antena

5. Clique em Next para continuar

Assistente de Governança

Passo 2 – Configuração da Antena XPAND

de Governança Passo 2 – Configuração da Antena XPAND [Legenda da Figura] 1. Digite o Nome

[Legenda da Figura]

1. Digite o Nome da Direção. Nota! Se existe mais

de uma direção de Antena, a configuração nessa

página deve ser realizada para cada uma das direções, através do botão “Next”

2. Selecione a Capacidade de Transmissão de

acordo com a Licença

3. Selecione o tipo de Proteção contra Radiação

desejada

4. Clique em Next para continuar ou Previous para

voltar a página anterior.

Assistente de Governança

Passo 3 – Configuração IFU do Sistema XPAND

Governança Passo 3 – Configuração IFU do Sistema XPAND [Legenda da Figura] 1. Selecione o número

[Legenda da Figura]

1. Selecione o número de IFUs e o tipo de Subrack

no Elemento de Rede.

2. Selecione esta caixa para habilitar a mapeação

de Ethernet em E1 (ETSI) ou T1 (ANSI). A porta ETH2 do SU é a interface para tráfego da Ethernet. (O ETSI é mostrado nesse exemplo)

3. Quando a caixa de seleção XPIC está

selecionada, os rádios conectados ao Sistema IFU atual são configurados no modo XPIC.

4. Clique em Next para continuar ou Previous para

voltar a página anterior

Assistente de Governança

Passo 4 – Interface de Configuração XPAND

de Governança Passo 4 – Interface de Configuração XPAND [Legenda da Figura] 1. Clique no slot

[Legenda da Figura]

1. Clique no slot a ser configurado.

2. Selecione na lista uma Unidade de Interface

Clique no botão “Add To List” e o slot configurado aparecerá em uma lista de Slots de Interface Configurados.

3. Para reconfigurar um slot: marque a caixa de

seleção atual e clique no botão “Remove”.

4. Clique em “Ok” para aceitar ou Cancel para

manter a página atual sem mudanças

Assistente de Governança

Passo 5 –Interface de Configuração Auxiliar XPAND

Passo 5 –Interface de Configuração Auxiliar XPAND [Legenda da Figura] 1. Clique no slot a ser

[Legenda da Figura]

1. Clique no slot a ser configurado.

Slots configuráveis em Quadros azuis.

2. Selecione na lista uma Unidade de Interface

Clique no botão “Add To List” e o slot configurado aparecerá em uma lista de Slots de Interface

Auxiliares Configurados.

3. Para reconfigurar um slot: marque a caixa de

seleção atual e clique no botão “Remove”.

4. Clique em Previous para voltar ou Finish para

sair do Assistente de Governança

Ajuste de Frequência

Para entrar na página de ajuste de frequência: Clique em Configuration e depois em Frequency. Faça a mesma sequência da figura abaixo para visualizar a descrição da página de configuração.

para visualizar a descrição da página de configuração. [Legenda da Figura] 1. Selecione na lista o

[Legenda da Figura]

1. Selecione na lista o plano de frequência

adequado. Todos os planos de frequência

disponíveis serão listados. Nota! Essa ação não poderá ser realizada se o rádio estiver desconectado do IFU. Pode ser selecionada como opção “Manual Channel Setting”.

2. Selecione na lista a largura de banda adequada.

As opções disponíveis estão listadas.

3. Selecione na lista a frequência Tx ou Rx (a

frequência Rx ou Tx correspondente será

automaticamente selecionada. Essa ação deverá ser realizada em todos os canais. Se “Manual Channel Setting” está selecionado desde o passo 1, as frequências Tx e Rx podem ser digitadas manualmente.

4. Clique em “Set” para aceitar as mudanças

Configuração de IP

Para entrar na configuração de IP: Clique em Configuration e depois em Network. Clique a mesma sequência da figura abaixo para visualizar a descrição da página de configuração de IP.

Nota! A configuração de IP também pode ser realizada utilizando uma interface de USB e SU.

pode ser realizada utilizando uma interface de USB e SU. Volte para a página principal de

Volte para a página principal de Configuração clicando no botão “Set

[Legenda da Figura]

1. Certifique-se de que a opção “eth0” está

selecionada. (A opção “DIR0@1” é utilizada para configurações de comunicação DCC)

2. Introduza o novo endereço IP, Subnet, Máscara

e Gateway, de acordo com a configuração e o plano de rede da área local.

Nota! O PC conectado deve estar dentro da mesma Máscara de Sub-Rede, caso contrário a conexão com o Elemento de Rede será perdida quando o botão “Set” for clicado.

3. Clique em “Set” para aceitar as mudanças.

Configuração do IP da porta de rádio (canal DCC)

Para entrar na configuração DCC: Clique em Configuration e depois em Network. Faça a mesma sequência da figura abaixo para visualizar a descrição da página de configuração. Para mais informações veja a Gestão de Tráfego de Roteamento.

mais informações veja a Gestão de Tráfego de Roteamento. [Legenda da Figura] 1. Selecione a opção

[Legenda da Figura]

1. Selecione a opção “DIR0@#”. Onde “#”

determina o número RIU.

2. Marque a opção “Enable” e digite o endereço IP.

3. Selecionando “Unnumbered” a interface atual irá

utilizar o endereço de IP da porta LAN (eth0). Essa

funcionalidade é disponível para RIP, OSPF e protocolos de roteamento estático.

4. Clique em “Set” para aceitar as mudanças.

Backup

Quando o botão “Backup” é pressionado, um backup das configurções é armazenado no seu Computador Pessoal ou PC servidor. O backup pode ser restaurado através da página “Configuration Restore”. O backup também pode ser utilizado se todo o SU ou o IFU houver sido realocado, ou também pode ser utilizado para IFUs múltiplas com configuração idêntica.

Clique no botão “Backup” para iniciar o backup.
Clique no botão “Backup”
para iniciar o backup.

Mudança de Senha

Para entrar em configurações de senha:

Click em Security na figura abaixo para visualizar a descrição da página de Mudança de Senha.

figura abaixo para visualizar a descrição da página de Mudança de Senha. Passo 1 Clique na

Passo 1

Clique na aba “Change Password”.
Clique na aba “Change
Password”.

Passo 2

Passo 2 Aviso! Quando a senha do administrador é alterada de seu padrão (admin), não é

Aviso! Quando a senha do administrador é alterada de seu padrão (admin), não é possível para a Nera Networks voltar a senha anterior ou fornecer uma nova.

Nera Networks voltar a senha anterior ou fornecer uma nova. [Legenda da Figura] 1. Entre com

[Legenda da Figura]

1. Entre com a senha atual.

2. Entre com a nova senha (veja detalhes abaixo).

3. Confirme a nova senha.

4. Aceite a nova senha clicando no botão para

salvar.

Comprimento da Senha:

Caracteres possíveis:

8-32 caracteres (alfanuméricos)

A-Z, a-z, 0-9 (maiúsculas e minúsculas)

Adicionar novo usuário

Para entrar na página Adicionar Novo Usuário: Cique em Security. Clique em security na figura abaixo para visualizar a descrição da página Adicionar Usuário.

abaixo para visualizar a descrição da página Adicionar Usuário. Passo l Clique em “Add User” para

Passo l

Clique em “Add User” para continuar
Clique em “Add User”
para continuar

Passo 2

Passo 2 [Legenda da Figura] 1. Digite o novo “Nome de Usuário“, “Senha“ e redigite a

[Legenda da Figura]

1. Digite o novo “Nome de Usuário“, “Senha“ e

redigite a senha selecionada (veja os detalhes

abaixo).

2. Selecione “Privilege“

Alternativas: Passivo, Ativo, Master, Admin. (veja os detalhes abaixo). Selecione “Status“ Alternativas:“Usuário Permanente“, “Usuário Temporário“. Se o Usuário Temporário está selecionado: Selecionar o período ativo.

Alternativas: 1 a 100 dias.

3. Aceite a nova senha clicando no botão para

salvar.

Comprimento do nome de Usuário:

Caracteres possíveis:

Comprimento da senha:

Caracteres possíveis Privilégio:

4-32 caracteres (alfanuméricos) A-Z, a-z, 0-9 (não diferencia maiúsculas e minúsculas) 8-32 caracteres (alfanuméricos) A-Z, a-z, 0-9 (diferencia maiúsculas e minúscuas)

Passivo:

Monitoramento do sistema

Ativo:

Configurações de comunicação e coleta de dados

Master:

Todos os comandos incluindo download de software

Admin:

Todos os comandos incluindo download de software e administração das contas de usuário

Descrição do Recurso IFU Universal

Uma vasta série de configurações, testes e monitoramente de sistemas pode ser executada através do Gerenciador Evolution. As capturas de tela mostradas neste capítulo e a navegação estão são as mesmas do programa Evolution Manager, para determinada configuração de equipamento. As capturas de tela no Gerenciador Evolution mudarão dinâmicamente com relação as configurações atuais de equipamento e podem diferir deste exemplo em determinados sub menus. Nota! Este é apenas um tutorial e nenhum parâmetro pode ser estabelecido através dele. Os alarmes e os detalhes de configuração de sistema são fictícios e não estão relacionados a um sistema “em atividade”.

Detalhes do Menu

Na captura de tela abaixo, uma breve descrição das funcionalidades é exibida quando o cursor é colocado sobre os itens do menu ou sobre as unidades de Plug in do Sistema IFU (incluindo o Sistema IFU básico).

Clique em um item do menu ou em uma Unidade de Plug in IFU para obter uma descrição detalhada do item específico. Nota! A configuração do Sistema Básico de IFU é acessada clicando na barra amarela na parte inferior da IFU ou na barra cinza na parte superior.

Configuração

No menu de configuração, o sistema pode ser configurado de acordo com as preferências do usuário e os parâmetros da Licença. Clique nos sub menus para explorar a funcionalidade.

Para a configuração de unidades Plug in e ODU, clique na imagem Radio/IFU da captura de tela. Nota! A aba principal é acessada clicando na barra amarela da parte inferior da IFU ou na barra cinza superior.

tela. Nota! A aba principal é acessada clicando na barra amarela da parte inferior da IFU

Assistente de Governança Passo 1

O Assistente de Governança deve ser executado inicialmente quando o sistema for estabelecido pela primeira vez e se a configuração de hardware houver sido modificada. Nota! Clique nos botões Next, Previous, etc para navegar pelo tutorial.

nos botões Next, Previous, etc para navegar pelo tutorial. [Legenda da Figura] Passo 1 Digite a

[Legenda da Figura] Passo 1 Digite a Estação e o Nome do Terminal Selecione em System Type Options:







“METRO”, “IP” e “XPAND” Selecione em Transmission Standard



Options: “ETSI” e “ANSI” Escolha o número de opções de direção da



antena : 1, 2, 3, 4 Clique em Next

Assistente de Governança Passo 2

Assistente de Governança Passo 2 [Legenda da Figura] Passo 2 Digite o nome da Direção da

[Legenda da Figura] Passo 2 Digite o nome da Direção da Antena Escolha entre as alternativas de capacidade de Transmissão: (SDH (STM-1 ou 2xSTM-1) SONET (STS-3/OC-3 ou 2x





STS-3/OC-3)



Nenhum Padrão (NENHUMA CAPACIDADE) Escolha o tipo de Proteção contra Radiação Selecione o número de Canais Regulares Selecione a caixa de seleção “Indoor Equipment” se esse é todo o equipamento interno (Marque essa opção para ir ao tutorial independente de Equipamento interno). Clique em “Next” (Nota! Uma configuração de página para cada dir. ant.)







Assistente de Governança Passo 3

Assistente de Governança Passo 3 Ativação de ATPC [Legenda da Figura] Passo 3 Selecione o tipo

Ativação de ATPC

[Legenda da Figura] Passo 3 Selecione o tipo de Subrack. Se existe apenas uma IFU, “No rack” é selecionado. Selecione a Unidade DXC ou Sistema se aplicável (A unidade DXC possui capacidade de interconexão cruzada de 4xVC-4/STS-3 enquanto o Sistema DXC é usado em sistemas que exigem até





8xVC/STS-3)



Habilite “Ethernet Mapped in PDH OR STM-



1/STS-3” se for exigida Ethernet na porta B (ETH2) de Ethernet SU. Se XPIC está selecionado é altamente



recomendável que a ATPC esteja ativada Clique em “Next”

Assistente de Governança Passo 4

Assistente de Governança Passo 4 [Legenda da Figura] Passo 4 Clique na Interface do slot a

[Legenda da Figura] Passo 4 Clique na Interface do slot a ser configurada Selecione na lista a Unidade de Interface correta Aperte o botão “Add to List” Aperte o botão “Next”









Assistente de Governança Passo 5

Assistente de Governança Passo 5 [Legenda da Figura] Passo 5 Cada LIU e RIU deve ser

[Legenda da Figura] Passo 5 Cada LIU e RIU deve ser roteada:

Selecione a primeira LIU da lista de roteamento. Aperte o botão “Connect To” Selecione na lista a RIU desejada Repita o procedimento para todas as unidades presentes na lista Veja a animação abaixo para detalhes









“Rack Connection Layout” exibe o número total de conexões LIU/RIU entre os Sistemas IFUs ou IFU/DXC. Observe que em sistemas com quadro DXC (como demonstrado no exemplo acima) o número total de portas DXC é igual a oito, ou seja, um total de oito LIUs/RIUs podem ser roteadas para o quadro DXC.

Assistente de Governança Passo 6

Assistente de Governança Passo 6 [Legenda da Figura] Passo 6 Clique em um slot de Interface

[Legenda da Figura] Passo 6 Clique em um slot de Interface AUX Selecione uma Interface AUX da lista Aperte o botão “Add to List” Repita o procedimento para todos os slots de Interface Aux a serem equipados Aperte o botão “Finish”











Assistente de Governança Passo 2 (Interno)

Equipamento Interno

de Governança Passo 2 (Interno) Equipamento Interno [Legenda da Figura] Passo 2 Digite o nome da

[Legenda da Figura] Passo 2 Digite o nome da Direção da Antena Escolha entre as alternativas de capacidade de Transmissão: (SDH (STM-1 ou 2xSTM-1) SONET (STS-3/OC-3 ou 2x STS-3/OC-3) Nenhum Padrão (NENHUMA CAPACIDADE) Escolha o tipo de Proteção contra Radiação Selecione o número de Canais Regulares Desmarque a caixa de seleção “Indoor Equipment” para ir a um tutorial independente para equipamentos de monntagem Split. Clique em “Next” (Nota! Uma configuração de página para cada dir. ant.)













Assistente de Governança Passo 3 (Interno)

Assistente de Governança Passo 3 (Interno) Activation of ATPC [Legenda da Figura] Passo 3 Selecione o

Activation of ATPC

[Legenda da Figura] Passo 3 Selecione o tipo de Subrack. Se existe apenas uma IFU, “No rack” é selecionado. Selecione a Unidade DXC ou Sistema se aplicável (A unidade DXC possui capacidade de interconexão cruzada de 4xVC-4/STS-3 enquanto o Sistema DXC é usado em sistemas que exigem até





8xVC/STS-3)



Habilite “Ethernet Mapped in PDH OR STM-



1/STS-3” se for exigida Ethernet na porta B (ETH2) de Ethernet SU. Se XPIC está selecionado é altamente



recomendável que a ATPC esteja ativada Clique em “Next”

Assistente de Governança Passo 4 (Interno)

Assistente de Governança Passo 4 (Interno) [Legenda da Figura] Passo 4 Com o intuito de corresponder

[Legenda da Figura] Passo 4 Com o intuito de corresponder a colocação do XCVR na Interface Gráfica de Usuário com a posição física do rack, os XCVRS podem ser rearranjados na Interface Gráfica de Usuário através de “click and drag” [clicar e arrastar]. Clique no botão “Next”





Assistente de Governança Passo 5 (Interno)

Assistente de Governança Passo 5 (Interno) [Legenda da Figura] Passo 5 Clique no slot de Interface

[Legenda da Figura] Passo 5 Clique no slot de Interface a ser configurado Selecione na lista a Unidade de Interface correta Aperte o botão “Add To List” Aperte o botão “Next”









Assistente de Governança Passo 6 (Interno)

Assistente de Governança Passo 6 (Interno) [Legenda da Figura] Passo 6 Cada LIU e RIU deve

[Legenda da Figura] Passo 6 Cada LIU e RIU deve ser roteada:

Selecione a primeira LIU da lista de roteamento. Aperte o botão “Connect To” Selecione na lista a RIU desejada Repita o procedimento para todas as unidades presentes na lista Veja a animação abaixo para detalhes









“Rack Connection Layout” exibe o número total de conexões LIU/RIU entre os Sistemas IFUs ou IFU/DXC. Observe que em sistemas com sistema DXC (como demonstrado no exemplo acima) o número total de portas DXC é igual a oito, ou seja, um total de oito LIUs/RIUs podem ser roteadas para o quadro DXC.

Assistente de Governança Passo 7 (Interno)

Assistente de Governança Passo 7 (Interno) [Legenda da Figura] Passo 7 Clique em um slot de

[Legenda da Figura] Passo 7 Clique em um slot de Interface AUX Selecione uma Interface AUX da lista Aperte o botão “Add to List” Repita o procedimento para todos os slots de Interface Aux a serem equipados Aperte o botão “Finish”











Comutação de Proteção de Rádio

Operações de Comutação de Proteção de Rádio (RPS) para N+1 e sistemas Hot Stand-by são administradas pela Unidade Supervisora. Esse módulo RPS interage com outros recursos de sistema de hardware para realizar operações automáticas de chaves de proteção baseadas em critérios de dados de comutação nos canais de rádio individuais. Esse módulo também suporta operações de comutação controladas manuamente e relatório de status.

Selecione a configuração do sistema:

Sistemas 1+1 sem LPT

Sistemas HSB

Sistemas N+1 incuindo 1+1 com LPT

RPS, Diversidade de Frequência 1+1 (sem Tráfego de Prioridade Baixa (LPT)

Instalação e configuração de Freq. 1 + 1. Sistemas Div. Clique nas diferentes sub páginas da captura de tela abaixo (“Switch Configuration" ou “Switch Channel Status") para mais informações.

da captura de tela abaixo (“Switch Configuration" ou “Switch Channel St atus") para mais informações.

Trocar Configuração (Freq. Div.)

Proteção de comutação 1+1 FD

Um processo automático de comutação é iniciado no lado de recepção baseado em um conjunto de critérios de comutação obtidos a partir dos recursos de hardware

Se possível, uma comutação alinhada será executada. O canal ativo que deve ser protegido, é apurado para status de alinhamento de dados. Quando os dados fluem com o fluxo de dados do canal demodulador ativo, uma transição impecável é executada.

Caso o processo de alinhamento falhe, uma comutação forçada deve ser executada dependendo dos critérios ativos e das definições de configuração para o sistema RPS (se um critério de continuidade está ativo o RPS não irá procurar por alinhamento, mas imediatamente irá selecionar a opção de comutação forçada.

Quando os critérios para proteção do canal não estiverem mais ativos, o canal será restaurado se o RPS estiver configurado no modo de reversão.

do canal não estiverem mais ativos, o canal será restaurado se o RPS estiver configurado no

Botão de Função:

Set

Estabelecimento de parâmetros de Seção de Comutação

Manual Switch

Comutação manual para o canal selecionado

Auto

Estabelecer o modo automático de comutação

Get

Obter status

Menu suspenso:

Switch mode

Alternativas:

Modo Reversivo Um canal ativo configurado para standby será restaurado mediante a reafirmação de todos os critérios. Esse deve ser o modo padrão de operação.

 

Modo Não Reversível Um canal ativo configurado para standby continuará no modo standby mesmo se todos os critérios forem reafirmados, até que outro acanal ativo necessite de proteção ou até que o canal de proteção se torne reduzido, caso em que uma operação de restauração é executada.

 

Mudar o Limite

Alternativas:

LOWRF (Nível Baixo de Produção do Transceptor) EW (Aviso Antecipado) LBER (Taxa Baixa de Bit padrão) HBER (Taxa Alta de Bit Padrão) OOF (Perda de Sincronização) RXINPUT (Nível Baixo de Entrada do Receptor)

Canal RX Ativo

Alternativas:

1, P

Trocar Status de Canal (Div. Freq.)

Exibe o status do Canal comutador.

de Canal (Div. Freq.) Exibe o status do Canal comutador. Botões de Função: Get Obter o

Botões de Função:

Get

Obter o Status do Canal de Comutador

Start Polling

Iniciar a função de polling. A sequência de polling irá continuar até que Stop Polling seja selecionado.

Stop Polling

Para a sequência de Polling

RPS, Hot Stand-by

Estabelecimento e configuração dos sistemas de Hot Stand-by. Clique nas diferentes sub páginas na captura de tela abaixo (“Switch Configuration" ou “Switch Channel Status") para mais informações.

na captura de tela abaixo (“Switch Configuration" ou “Switch Channel Status") para mais informações.

Troca de Configuração (Hot Stby)

Hot Standby efetua proteção de equipamento hop de rádio. Uma seção de comutação de proteção é composta pelo equipamento de transmissão e recepção necessário para utilização como antena. A seção de comutação é monitorada e controlada por um único módulo RPS. Os dois caminhos do equipamento são identificados como Ch. 1 e Ch 2. O estado de comutação de proteção é tanto “Ch.1 ativo” quando “Ch. 2 ativo”. Cada direção do tráfego (transmite e recebe) possui suas próprias configurações de critérios de comutação. O sistema pode ser configurado como “Unidirecional” ou “Bidirecional”.

Bidirecional Bidirecional significa que a comutação entre as direções Tx e Rx irão seguir uma a outra.

Unidirecional Unidirecional significa que as duas direções de tráfego são controladas individualmente e são independentes uma da outra (tratadas como duas seções de comutação independentes).

Cenário de comunicação típico de 1+1 HSB (bidirecional)

Se o critério de Tx está ativo, consequentemente o RPS controla as funções ativar/desativar nos dois transceptores. O RPS deve proteger a direção Rx para este mesmo canal, enquanto o canal está livre de falhas.  Se o RPS detecta um critério RX, deve proteger o canal associado e reverter ao modo bidireional quando o critério Rx desaparecer. A comutação não será executada no lado Tx.





Se existe critérios Rx ativos em ambos canais Rx, o critério mais rigoroso deve ser reconhecido. Isso significa que a comutação HSB automática na verdade opera no modo unidirecional enquanto o critério conflitante está ativo. Quando não houver mais conflitos entre os critérios Rx e Tx o reconhecido deve ser modificado para bidirecional.

Cenário de comutação típico 1+1 HSB (unidirecional)



RPS controla a comutação Rx baseada no critério de informação Rx para 1 + 1 FD de comutação automática. Se o critério Tx está ativo, consequentemente RPS controla as funções ativar/desativar nos dois transceptores.



Solicitações Manuais A responsabilidade da função manual de comutação é a de estabeler o canal de trabalho requisitado no modo standyby em ambas direções de tráfego enviando comandos ativar/desativar para os transceptores e executando uma comutação Rx

Hot Standby com Baseband Dupla. Com relação a proteção no lado Rx, existe uma exceção a descrição acima:

Se a opção "HSB - Dual Baseband" para os sistemas HSB está especificada, RPS irá evitar realizar qualquer comutação Rx. Nesse caso, o equipamento externo (mux) irá duplicar a entrada de linha para o tráfego em duas portas de entrada, e o equipamento RR irá duplicar o sinal RF em dois ramos Rx (demodulador receptor baseband) e fazer com que ambos fluxos de informações estejam disponíveis nas duas portas de saída. O RPS somente modifica o lado Tx.

Troca Manual As solicitações de troca/restauração manual são consideras locais para a estação e, para uma determinada direção de antena, envolvem a troca de transceptor RF para transceptor Rx e troca de alinhamento de baseband para Rx. Essa operação é implementada como dispositivo de troca bidirecional

Botão de Função:

Set

Estabelecimento de parâmetros de Troca de Seção

Manual Switch

Mudar canal

Auto

Comutação definida para Auto

Get

Obter Status

Menus Suspensos: Traffic direction dependency

Alternatives:

UNIDIR, BIDIR

Switch Limit

Alternativas:

LOWRF (Nível Baixo de Produção do Transceptor) EW (Aviso Antecipado) LBER (Taxa Baixa de Bit padrão) HBER (Taxa Alta de Bit Padrão) OOF (Perda de Sincronização) RXINPUT (Nível Baixo de Entrada do Receptor)

Switch mode

Alternativas:

Reversível, Não Reversível

Mudar o Status do Canal (Hot Stby)

Exibe o status atual da Mudança de Canal

Canal (Hot Stby) Exibe o status atual da Mudança de Canal Botões de Função: Get Obter

Botões de Função:

Get

Obter o Status do Canal de Comutação

Start Polling

Iniciar a função de polling. A sequência de polling irá continuar até que Stop Polling seja selecionado.

Stop Polling

Para a sequência de Polling

RPS, Diversidade de Frequêcia N+1

Estabelecimento e configuração de sistemas N+1 (incluindo tráfego 1+1 w/LP). Clique nas diferentes sub páginas na captura de tela abaixo (“Section Config", “Channel Config" ou “Channel Status" para mais informações).

ou “Channel Status" para mais informações). Nota: Se uma IFU é removida e reinserida (ex. por

Nota: Se uma IFU é removida e reinserida (ex. por razões de manutenção), o SU deve ser iniciado depois de forma reservada para garantir que o sistema RPS correto seja alcançado.

manutenção), o SU deve ser iniciado depois de forma reservada para garantir que o sistema RPS

Diversidade de Frequêcia N+1

Comutação de proteção N+1 FD

Um procedimento de troca automático é iniciado no lado receptor baseado em uma série de critérios de troca adquiridos dos recursos de hardware.

Se possível uma comutação alinhada será executada. O canal ativo que está protegido, é sondado para dados de alinhamento. Quando o fluxo de dados do demodulador protetor é alinhado com o fluxo de dados do canal demodulador ativo, uma comutação impecável é realizada.

Caso o processo de alinhamento falhe, uma comutação forçada deve ser executada dependendo dos critérios ativos e das definições de configuração para o sistema RPS (se um critério de continuidade está ativo o RPS não irá procurar por alinhamento, mas imediatamente irá selecionar a opção de comutação forçada.

Quando os critérios para proteção do canal não estiverem mais ativos, o canal será restaurado se o RPS estiver configurado no modo reversivo.

proteção do canal não estiverem mais ativos, o canal será restaurado se o RPS estiver configurado

Caixas de Seleção:

Protection

Selecionado: A Diversidade de Frequêcia N+1 está habilitada. Não Selecionado: A proteção do sistema não está habilitada.Todos os canais estão encerrados em seus status regulares. Operações automáticas ou de Troca Manual não podem ser executadas

Low Priority Traffic

Quando marcado, o tráfefo de baixa prioridade é habilitado no ChP. O tráfego LPT somente é possível se nenhum dos canais regulares estiverem usando o canal de proteção.

Botões de Função:

Set Local RX Switch / Remote TX Bridge / High Priority Channel

Estabelecimento dos parâmetrs selecionados.

Set Switch Setting

Esabelecimento dos Parâmetros Manuais ou Automáticos de troca.

Get

Obter status

Menus Suspensos: Local RXSwitch

Alternativas: Modo Reversível Um canal ativo utilizando proteção será restaurado em meio a reafirmação de todos os critérios. Este deve ser o modo de operação padrão.

Modo Não Reversivel Um canal ativo utilizando proteção irá continuar no estado de proteção mesmo se todos os critérios forem reafirmados, até que outro canal precise de proteção ou o canal de proteção seja reduzido, caso em que uma operação de restauração é executada.

Remote TX Bridge

Esta propriedade define o estado da ponte remota de TX quando nenhum canal regular está utilizando o canal de proteção. O canal em ponte do lado TX irá disponibilizar a mesma proteção que a Performance da comutação como se estivesse em um sistema 1+1 (tempo de comutação de operação menor)

Modo: (sempre reversivo e Ch. P se LPT estiver habilitado ou automático). Reversivo: Quando nenhum canal necessita de proteção a ponte TX irá reverter ao canal especifiado através da propriedade “Revert to Ch” (o tráfego do canal será duplicado no canal de proteção);

Não reversível: O canal regular que houver sido protegido mantém sua ponte no lado TX (a ponte TX é deixada sem modificações quando o canal reverte ao seu estado regular do lado RX). Isso permite a comutação preparada do canal que houver sido protegido mais recentemente enquanto nenhum outro cana necessitar de proteção.

Revert to Channel

No modo de Reversão, isso controla o canal a ser transposto no lado TX enquanto não houver necessidade de comutador. Indisponível em modo Não-Reversivo

High Priority Channel

Se um canal é selecionado como Canal de Alta Prioridade, ele terá um Limite de Intrusão associado que define a degradação ao qual o esse canal que sempre está protegendo, não importando quais condições possam existir em qualquer outro canal regular.

Switch Setting Operation

Switch Type

Canal: Alternativas: nenhuma, 1

Limite de Intrusão: Se o nível de degradação do canal de alta propriedade exceder esse limite, ele

sempre tetá proteção (a menos que Ch. P esteja mais degradado). Alternativas: EW, LBER, HBER.

N

Selecione comutação Manual ou Automática

Alternativas: Encerrado Todos os critérios automáticos estão substituídos pelo requerimento deste manual, e os canais de comutação manual não poderão ser revertidos em nenhum evento a não ser um pedido de restauração manual.

Não encerrado A operação de comutação será executada somente se nenhum outro canal estiver degradado ao nível definido no “Switch Limit”. Se a degradação de outro canal atingir esse nível mais tarde, a operação manual é suspendida e o canal é restaurado ao seu estado natural. O pedido manual será reativado quando nenhum outro canal estiver degradado a esse nível.

Channel to protect

Alternativas: - Sistema com LPT: 1

N,

LPT. Selecionar “LPT” significa: Transmitir LPT protegido

enquanto a degradação de nenhum canal regular atinge o nível definido por “Switch Limit”.

- Sistema sem LPT: 1

para seu estado natural a menos que sua degradação está no nível ou acima do nível

definido por “Switch Limit”.

N,

P. Selecionando “P” significa: Reverter um canal protegido

Diversidade de Frequência N+1, Config. do Canal

Esta página contém definições de configuração RPS para cada canal regular individual.

de configuração RPS para cada canal regular individual. Botão de Função: Set Definição dos parâmetros

Botão de Função:

Set

Definição dos parâmetros selecionados

Menus Suspensos:

Priority

A prioridade de comutação do canal (valor mais elevado significa prioridade mais baixa). A necessidade de proteção tem precedência a prioridade do canal (isto é, somente quando dois ou mais canais possuem condições de falha iguais, serão protegidos de acordo com a prioridade). Um canal que possui prioridade “Excluded” está desprotegido e nunca será comutado.

Switch Limit

Se as condições de falha de um canal receberam sinais iguais ou maiores do que esse limie, o canal requer a utilização do canal de proteção.

 

Alternativas: LOWRF, EW, LBER, HBER, OOF

Diversidade de Frequência N+1, Config. do Canal

Exibibe o estado atual do comutador

N+1, Config. do Canal Exibibe o estado atual do comutador Botões de Função: Get Apurar Status

Botões de Função:

Get

Apurar Status do Comutador

Start Polling

Inicia a função de polling. A sequência de polling irá continuar até que Stop Polling esteja selecionado.

Stop Polling

Para a sequência de Polling

Diversidade de Frequência N+1, Performance

PSAC Contagem Atual da Proteção do Comutador

O

número de comutadores de um canal em funcionamento para um canal em stand-by.

FSRC Pedido de Contagem do Comutador sem Efeito

O

número de comutadores de um canal em funcionamento para um canal em standy-by quando

o

canal em standy-by está indisponivel. Ttambém é válido para a volta ao canal em

funcionamento, quando esse possuir uma condição de comutação.

PSAD Duração Atual da Proteção do Comutador

O

número de segundos em que um canal em funcionamento foi comutado para o canal em

standy-by.

FSRD Duração do Pedido do Comutador Sem Efeito

O

número de segundos em que um canal em funcionamento exige comutação para um canal

em standy-by, quando o canal em standy by está indisponível.

standy-by, quando o canal em standy by está indisponível. Botões de Função: Get Obtém o status

Botões de Função:

Get

Obtém o status de Execução

Reset

Reseta o status de Execução

Frequência

Nota! Definições na frequência exigem a conexão com o Transceptor.

XPIC

O Co-canal com XPIC pode ser configurado em sistemas múltiplos de canal. A função XPIC exige uma Licença XPIC para cada par de canais (Máx. 4)

Nota! Os cabos IFU-ODU não devem ter diferença de comprimento maior que 3 metros nas duas polarizações. Definindo o XPIC:

1 Selecione a Interface XPIC (Disabled/Internal/External): IFU possui uma interface XPIC interna. Utilizando interface “Internal”, os dois canais da mesma IFU podem ser um par XPIC (Canais 1 - 2, 3 – 4, 5 – 6 e 7 – 8). Se no XPIC entre canais é solicitado diferentes IFU, RIU com XPIC é solicitada (Veja RIU Overview) e deve ser selecionado “External”.

2 XPIC (Disabled/Vertical/Horizontal): Selecione polarização Vertical ou Horizontal em um dos canais do par XPIC. Veja exemplos de configuração.

Nota: Nas configurações XPIC, é altamente recomendável que a opção ATPC esteja habilitada. Nas configurações XPIC, é altamente recomendável que a opção ATPC esteja habilitada.

Frequência

A página de Frequência exibe as definições de frequência para todas as unidades de transceptores na mesma direção de antena.

Para mudar as frequências:

1 Selecione um plano de frequência na caixa de combinação. Também é possível selecionar “Manual Channel Setting” como opção.

2 Selecione a largura de banda na caixa de combinação.

Nota: Para sistemas de branching LH utilizando Adjacent Channel Co-Polarization (ACCP) com 27,5-30 MHz de espaço Para sistemas de branching LH utilizando Adjacent Channel Co-Polarization (ACCP) com 27,5-30 MHz de espaço no canal, a opção "27.5-30 MHz ACCP” deve ser selecionada.

a opção "27.5-30 MHz ACCP” deve ser selecionada. 3 Selecione o tipo Branching / Diplexer. Observe!

3 Selecione o tipo Branching / Diplexer. Observe! Se o Diplexer está selecionado (ODU): a orientação Diplexer deve ser selecionada. Condutores altos na passband alta e receptores na passband baixa (O “H” sobre os pontos de etiqueta do Diplexer em direção a parte superior (alça lateral).

4 Se este é um sistema de polarização dupla, é possivel habilitar o XPIC. O IUF possui [sic]

5 Para cada canal, selecione as frequências:

5.1 Selecione uma Frequência Tx da caixa de combinação. O canal Rx correspondente será automaticamente selecionado. Ou:

5.2 Selecione uma Frequência Rx da caixa de combinação. O canal Tx correspondente será automaticamente selecionado.

Nota! Se “Manual Channel Setting” estiver selecionado no Passo 1, as frequências Tx e Rx terão que ser digitadas manualmente.

Marcando a caixa “Remote frequency setting” as frequências no XCVR do lado oposto do link podem ser configurada para corresponder às novas frequências. Nota! A definição de frequência remota pode ser executada somente em um link com tráfego estabelecido.

Botões de Função: Set Aceitar Mudanças Advanced As configurações de Canal para cada c anal

Botões de Função:

Set

Aceitar Mudanças

Advanced

As configurações de Canal para cada canal podem ser ajustadas separadamente.

Get

Obter status

Start Polling

Iniciar status de polling

Stop Polling

Parar status de polling

Configurações do menu Suspenso

Selected plan

Seleciona o plano de Frequência correta

Bandwidth

Seleciona a Largura de banda correta

 
  Nota! Nos sistemas utilizando ACCP (Co-Polarização Adjacente de Canal), não utilize a alternativa

Nota! Nos sistemas utilizando ACCP (Co-Polarização Adjacente de Canal), não utilize a alternativa

 

27.5-30 (ACAP)

 

Selected Branching

Selecione Diplexer (ODU) ou Channel filter (Long Haul). Se "If Advanced settings" está selecionado, a filtração das configurações para cada canal pode ser feita individualmente.

Select Diplexer

Se Diplexer está selecionado (Selected branching), o Diplexer atual pode ser selecionado.

Tx (MHz)

Selecione a Frequência do Transdutor

Rx (MHz)

Selecione a Frequênia do Receptor

Backup

A página de Backup é dividida em 4 sub páginas: Configuration Backup, Configuration Restore, SU Replace e Clear Configuration.

Descrição:

Configuration Backup

Configuration Restore

Realiza um arquivo de backup da configuração de SU e armazena o arquivo em seu compuador pessoal ou servidor PC.

Restaura a configuração de SU através de um arquivo de Backup armazenado em seu computador Pessoal ou PC servidor.

SU Replace Essa função realiza a mesma operação que o “Backup”. Além disso uma Licença de limite de tempo é ativada. Essa função é utilizada se o SU foi substituído físicamente. As licenças disponíveis no SU subtituído estarão temporariamente disponíveis por 90 dias. Licenças para o novo SU devem ser requisitadas na Ceragon e devem ser instaladas antes do que o período de 90 dias acabe. Observe que todas as novas licenças devem estar instaladas. Se o SU for apagado após as licenças permanentes terem sido instaladas, as licenças temporárias estão perdidas.

instaladas, as licenças temporárias estão perdidas. Dica! É recomendado fazer um backup quando o sistema

Dica!

É recomendado fazer um backup quando o sistema houver sido configurado ou reconfigurado. O backup também deve ser executado quando uma nova versão SW é instalada.

Clique nas guias de página para explorar a funcionalidade individual

executado quando uma nova versão SW é instalada. Clique nas guias de página para explorar a

Backup de Configuração

Todos os dados de configuração NE serão armazenados no ficheiro de configuração (arquivo TAR), incluindo roteamento, contas de usuário e senhas. Informações de Licença também são armazenadas no backup.

de Licença também são armazenadas no backup. Botões de Função: Backup Execute um Backup das configur

Botões de Função:

Backup

Execute um Backup das configurações da NE para o seu computador como uma cópia de segurança

Restauração de Configuração

Restauração de Configuração Botões de Função: Browse Procura no computador local o arquivo de configuração

Botões de Função:

Browse

Procura no computador local o arquivo de configuração para baixar para NE

Restore

Inicia a operação de "Restauração"

Caixa de Seleção:

Cold Restore

Com a marcação dessa caixa, será executada uma restauração do elemento como uma restauração reservada. Essa é uma restauração completa do elemento e irá interromper o tráfego.

Substituição do SU

Esta função é utilizada quando um SU defeituoso é fisicamente substituído por um novo SU. A configuração deve ser carregada do SU substituído, utilizando a configuração de recurso de upload sob a guia de página de Configuração de Backup.

A configuração do SU substituído será baixada para o novo SU. Além disso as licenças do SU substituído serão habilitadas temporariamente por um período de 90 dias em adição a qualquer Licença existente no novo SU. Essas licenças temporárias podem ser utilizadas durante a requisição de novas chaves de Licença da Ceragon.

a requisição de novas chaves de Licença da Ceragon. Botões de Função: Browse Procure um ficheiro

Botões de Função:

Browse

Procure um ficheiro de configuração em seu computador local para baixá-lo para NE

Replace SU

Baixe um ficheiro de configuração para NE e substituia o ficheiro NE atual

Limpar Configuração

Todas as configurações serão apagadas, incluindo configurações de roteamento, contas de usuário e senhas. O endereço IP será resetado para 10.0.0.10. O nome do usuário é configurado para adm com senha admin. Licenças não serão afetadas. Nota! Não desligue a alimentação de energia durante essa operação.

desligue a alimentação de energia durante essa operação. Botões de Função: Clear Configuration Inicie a operação

Botões de Função:

Clear Configuration

Inicie a operação "Clear Configuration".

Software

A página de Software está dividida em 2 sub páginas: Software Versions e Software Download. Clique nas guias de página para explorar a funcionalidade individual.

Software Versions e Software Download . Clique nas guias de página para explorar a funcionalidade individual.

Versões de Software do SU

Quando um novo software é baixado para o elemento, tem o seu estado definido automaticamente como inativo (não ativo). Clique no botão “Switch software” para trocar o Pacote de Software. O sistema irá executar um iniciação a quente enquanto o software é alternado.

um iniciação a quente enquanto o software é alternado. Nota! Se somente um pacote de software

Nota! Se somente um pacote de software está presente no Elemento de Rede, somente uma linha será visível no índice “Software Packages” na captura de tela acima.

Botões de Função:

Switch Software

Alterne ente os dois pacotes de software disponíveis

Reset Software

Execute uma redefinição a quente do software NE

Nota! Uma falha no bit pode ocorrer quando os pacotes de software são trocados. Uma falha no bit pode ocorrer quando os pacotes de software são trocados.

Nota! É recomendável a Governança do cache de arquivos em seu navegador após mudança de software. É recomendável a Governança do cache de arquivos em seu navegador após mudança de software. A razão para isso é se certificar de que o navegador recebe os arquivos

corretos.

Estado completo Se todos os arquivos requisitados estão presentes e a soma de verificação está OK, o pacote de software está no estado Completo. Estado Compatível Cada pacote de software contém uma lista de requerimentos de compatibilidade de hardware. Isso consiste de uma lista de módulos de hardware com um intervalo de versões acompanhantes. Se todos os módulos detectados no sistema são encontrados na lista, e suas versões estão dentro dos intervalos especificados, o pacote de software é compatível.

Download de Software

Uma versão de software geralmente consiste de diversos arquivos “.tar”. Quando uma nova versão de software é baixada para o NE, é recomendável iniciar com o arquivo “.tar” no menor número. (ex. “SW – EVOLUTION-APP-R1A00_1.tar” e então “SW-EVOLUTION-APP-R1A00_2.tar”etc). Siga as instruções na tela. Se já existe algum pacote de software inativo na NE, o pacote de software será sobrescrito. Dependendo da configuração do sistema, nem sempre é necessário baixar todos os arquivos “.tar” da versão atual do software. Após baixar o primeiro arquivo, você será solicitado a baixar o próximo arquivo, se for requisitado. Quando todos os arquivos requisitados forem baixados, a seguinte mensagem será exibida:

O software foi baixado com sucesso e agora está em estado completo.

O software baixado ainda está inativo. A ativação de novos softwares é realizada na página “Software Packages”.

softwares é realizada na página “ Software Packages ”. Botões de Função: Browse Pesquise em seu

Botões de Função:

Browse

Pesquise em seu compuador local por arquivos “Tar” a serem baixados para NE

Download

Baixe os arquivos “Tar” selecionados e construa uma nova hierarquia de softwares na NE

Elemento

A página Element é divida em 11 sub-páginas: Inventory, User Configured Routes, Licenses, Time and SNTP, SNMP, Housekeeping Names, Web, SSL, Unconfigured Boards, Men at Work e Report Generator. Clique nas guias de página para explorar a funcionalidade individual.

Boards, Men at Work e Report Generator . Clique nas guias de página para explorar a

Inventário do Subrack

A página Inventory exibe o inventário do Subrack e está visível apenas para configurações utilizando Subrack (4 positions ou 4 positions+DXC frame). O Subrak (UBMxxxx), contém um painel remoto (UWBxxxx-x) para interconexão IFU.

contém um painel remoto (UWBxxxx-x) para interconexão IFU. Campo de Entrada: Log Log disponível para entrada

Campo de Entrada:

Log

Log disponível para entrada de texto definida por usuário |

Botão de Função:

Set Log

Salva as entradas de texto para o Log

ID Terminal

Os nomes de Estação, Ponto Limite e Direção de Antena podem ser modificados através dessas páginas.

de Antena podem ser modificados através dessas páginas. Campos de Entrada: Station Campo de entrada para

Campos de Entrada:

Station

Campo de entrada para Nome da Estação

Terminal

Campo de entrada para Nome do Terminal

Direction 1 ---

Campo de entrada para Nome de Direção da Antena

Location

Campo de entrada de coordenadas geográficas para a Localização do Elemento (pode ser utilizado para localização do elemento de um sistema de supervisão).

Description

Pode ser utilizado para campo de entrada de texto descritivo

Licenças

Uma Licença de tráfego pode ser requisitada para habilitar o tráfego do equipamento. Um Elemento de Rede pode ter várias licenças instaladas, habilitando diferentes funções, como função de capacidade de transmissão, tráfego de ethernet e tráfego wayside de ethernet. Para capacidades de transmissão abaixo de 50 Mb/s, não é necessário licença.

A Chave de Licença é uma sequência de 40 caracteres alfanuméricos.

A Licença também pode ser baixada como um arquivo de Licença.

Tipos de Licença disponíveis

EVLIC-300M

capacidade de transmissão de 300 Mbit/s, por ODU

EVLIC-150M

capacidade de transmissão de 150 Mbit/s, por ODU

EVLIC-125M

capacidade de transmissão de 125 Mbit/s, por ODU

EVLIC-100M

capacidade de transmissão de 100 Mbit/s, por ODU

EVLIC-80M

capacidade de transmissão de 80 Mbit/s, por ODU

EVLIC-50M

capacidade de transmissão de 50 Mbit/s, por ODU

EVLIC-ETHERMAP

Tráfego de Ethernet rápido via porta SU

EVLIC-XPIC

Necessária Licença XPIC para habilitar filtragem XPIC quando dois ODUs operam no Modo Co-Channel. Uma Licença pr. Par ODU.

EVLIC-SSL

Necessária Licença SSL para hablitar a função SSL.

Campo de Entrada: License Key Digite a chave de licença Botões de Função: Apply Aplica

Campo de Entrada:

License Key

Digite a chave de licença

Botões de Função:

Apply

Aplica a chave de licença/arquivo.

Browse

Procura por um arquivo de licença em seu computador/servidor.

Remove License

Remove a Licença selecionada.

Upload License Info

Visível apenas quando há licença(s) temporária(s). Pressionando esse botão, um arquivo de texto contendo número de Série, endereço MAC é informação do número de Licença, é preparado. Esse arquivo pode ser anexado em solicitações de licenças permanentes.

Tempo e SNTP

Um relógio em tempo real é utilizado pela NE para ajustar a data/hora no alarme e eventos de segurança. Esse relógio também é usado para gerenciar a coleta e o cálculo das medições de performance.

O sistema também fornece funcionalidade SNTP para sincronização de todos os relógios na rede. Essa função exige um servidor SNTP, localmente ou na internet (necessária conexão com a internet).

Esta captura de tela mostra a Hora e a página SNTP com o SNTP não selecionado.

Clique na caixa de seleção “SNTP” para ir para as Configurações de SNTP
Clique na caixa de
seleção “SNTP” para ir
para as Configurações
de SNTP

Botões de Função:

Time Status Get

Obtém Status de Tempo

SNTP Configuration Set

Configura parâmetros de SNTP

Synchronize

Sincroniza a configuração de tempo da NE ao relógico do computador

Menus Suspensos:

Manual Time Setting

Data: yyyy-mm-dd

 

Hora: hh:mm:ss

Esta captura de tela mostra o Tempo e a página SNTP com o SNTP selecionado.

Clique na caixa de seleção “Manual time setting” para voltar para a Configuração de tempo
Clique na caixa de
seleção “Manual time
setting” para voltar
para a Configuração de
tempo manual.

Botões de Função:

Time Status Get

Obtém Status de tempo

SNTP Configuration Set

Configura parâmetros de SNTP

Input Field:

SNTP Server's IP-address

Insere endereço IP para o servidor SNTP

Menus Suspensos:

Threshold-level for stratum alarm

O nível de stratum indica a precisão do relógio SNTP do servidor. A precisão mais alta é o nível 1. Alternativas: 1 a 15. Valor padrão 2.

 
Dica! Se stratum de alarme ocorrer frequentemente, o nível do limiar deve ser ajustado para

Dica! Se stratum de alarme ocorrer frequentemente, o nível do limiar deve ser ajustado para a precisão mais baixa (número mais alto). Isso não influenciará a Performance do equipamento.

 

Poll Interval (seconds)

Determina os intervalos entre cada atualização de relógio. Alternativas: 64 a 1024.

SNMP

Simple Network Management Protocol (SNMP) é um protocolo de camada de aplicação que facilita a troca de informações de gestão entre os dispositivos de rede. O SNMP habilita os administradores da rede a administrarem a Performance da rede e descobrir e solucionar problemas com ela. O SNMP é um protocolo de solicitação/resposta simples. O sistema de gerenciamento de rede emite uma solicitação, e os dispositivos administrados emitem respostas.

Definitions

Community Strings

Private

Atribui uma senha para consultas de apenas leitura

 

Public

Atribui uma senha para consultas de leitura/escrita

SNMP Traps

IP Address

O endereço IP para o servidor SNMP

Trap Community String

A sequência de Senha de Comunidade Privada ou Pública

Trap Port

O número da porta para enviar a armadilha SNMP para

Botões de Função: Set Define Sequência Comunitária Add Adiciona Armadilha Reset Restaura

Botões de Função:

Set

Define Sequência Comunitária

Add

Adiciona Armadilha

Reset

Restaura Sequências Comunitárias

Edit

Edita Armadilha

Remove

Remove Armadilha

Rotas Configuradas pelo Usuário

Uma lista de quaisquer conexões LIU - RIU no Elemento de Rede atual.

Rotas Configuradas pelo Usuário Uma lista de quaisquer conexões LIU - RIU no Elemento de Rede

WEB

WEB

Botão de Função:

Set

Aceitar mudanças

Caixas de Seleção:

Local Time

Com a marcação dessa caixa, a apresentação da hora na GUI será no horário local. Nota! A referência do Elemento de tempo ainda será GMT, mas o navegador mostrará o horário local.

Global Polling Sondagem de status em todo o sistema. Habilita/Desabilita a sondagem de status em segundo plano para todas as páginas web contendo informações de status. Você tem a opção de sobrescrever essa configuração. A configuração sobrescrita irá ocorrer unicamente nas páginas em que você sobrescreveu as configuracões e durará somente enquanto a página estiver ativa. Padrão: OFF

Alarm Polling

Configuração da sondagem de alarme em todo o sistema. Exibirá a gravidade de alarme mais elevada do sistema na parte inferior da página. Padrão: OFF

Housekeeping Polling

Configuração de sondagem por todo o sistema. Fornecerá uma notificação caso a configuração do sistema tenha sido modificada. Padrão: OFF

Nota! Configurações de Sondagem não são contínuas entre as seções, ou seja, quando a janela no navegador está fechada as configurações de pesquisa irão voltar para o padrão.

Placas não Configuradas

Uma lista de qualquer placa ou unidade não configurada

Placas não Configuradas Uma lista de qualquer placa ou unidade não configurada

SSL

A página SSL (Camada de Conexão Segura) pode ser visualizada somente com a Licença "EVLIC-SSL" instalada. Para utilizar a função SSL (Camada de Conexão Segura), é necessário uma Licença SSL. Um "Certificado Ceragon" está disponível por padrão. Esse certificado não é emitido para um Elemento de Rede específico. Dessa forma, a utilização dessa Licença irá resultar em avisos do navegador. Ao aceitar uma excessão para esse endereço de rede no navegador, essa Licença pode ser utilizada para uma comunicação segura com o Elemento de Rede.

Licenças SSL também podem ser obtidas por um fornecedor de licenças SSL externo.

segura com o Elemento de Rede. Licenças SSL também podem ser obtidas por um fornecedor de

Caixas de Seleção:

Enable

Habilita comunicação Segura com o Elemento de Rede. Nota! Quando o SSL é habilitado, o endereço da rede muda de http://

para https://

Botão de Função:

Set

Aceita as mudanças SSL

Browse

Procura por um certificado SSL

Download Certificate

Descarrega um certificado SSL para o Elemento de Rede

Delete Current Certificate

Deleta o certificado SSL ativo

Men At Work

Men At Work Botão de Função: RAISE/CLEAR Ativa/Desativa o alarme "Men at Work" no registro de

Botão de Função:

RAISE/CLEAR

Ativa/Desativa o alarme "Men at Work" no registro de evento

Gerador de Relatório

O Gerador de Relatório cria um alarme e configura arquivos de dados, que podem ser salvos em um computador local. Quando um relatório de falha é enviado a Ceragon, esse arquivo deve estar anexado como uma eficiente ferramenta para diagnóstico de falhas.

como uma eficiente ferramenta para diagnóstico de falhas. Nota! Esse arquivo destina-se a fins diagnósticos na

Nota! Esse arquivo destina-se a fins diagnósticos na Ceragon. Uma ferramenta especial para criação de arquivo PDF a partir do arquivo de relatório de falha, para visualização do

cliente, está disponivel no CD Manual Evolution. Veja abaixo detalhes de como utilizar o Leitor de Relatório.

abaixo detalhes de como utilizar o Leitor de Relatório. Botões de Função: Generate Report Cria um

Botões de Função:

Generate Report

Cria um arquivo de Falha e Desempenho no Elemento de Rede disponível por 30 minutos após sua criação.

Fetch Report

Armazena o arquivo em seu Computador Pessoal ou PC servidor.

Leitor de Relatório

O Leitor de Relatório pode ser encontrado no CD Manual Evolution. Por intermédio deste, um arquivo PDF pode ser criado, baseado no arquivo criado pelo Gerador de Relatório.

baseado no arquivo criado pelo Gerador de Relatório. 1. Navague para um Relatório de arquivo (*.tar)

1. Navague para um Relatório de arquivo (*.tar)

2. Procure para uma Pasta de Destino

3. Aperte o botão "Create Report"

Uma cópia em PDF do relatório já está disponível na pasta de destino.

PDF do relatório já está disponível na pasta de destino. Nota! O arquivo .pdf é para

Nota! O arquivo .pdf é para uso do cliente. Em uma situação de falha, somente o arquivo .tar deve ser enviado para a Ceragon.

Roteamento

A página de roteamento é dividida em 7 subpáginas: General Settings, Active Routes, Static Routes, RIP Interfaces, OSPF Interfaces, OSPF Areas e Virtual Links. Clique nas abas da página para explorar suas funcionalidades individuais.

OSPF Interfaces, OSPF Areas e Virtual Links. Clique nas abas da página para explorar suas funcionalidades

Configurações Gerais

A página das configurações gerais permite ao usuário, controlar o uso geral dos protocolos OSPF e RIP 1 e 2 para o NE. A habilitação dos protocolos nas interfaces específicas é feita nas páginas de propriedades das interfaces RIP e OSPF.

dos protocolos nas inte rfaces específicas é feita nas páginas de propriedades das interfaces RIP e

Botão de Função

Set

Aceita as mudanças

Caixas de

OSPF Protocol

Enable

Habilita ou Desabilita o protocolo de roteamento OSPF.

verificação

 

Redistribute

Configuração da redistribuição do roteador de outros protocolos para o OSPF, COMO um roteador externo. Habilitando qualquer um destes fará com que o roteador se torne um Roteador de Borda de Sistema Autônomo (ASBR).

 

RIP

Redistribuição dos Controles dos roteadores, de RIP para OSPF.

Static

Redistribuição dos Controles dos roteadores estáticos para OSPF.

Direct

Redistribuição dos Controles dos roteadores diretos para OSPF.

 

RIP Protocol

Enable

Habilita ou Desabilita o protocolo de roteamento RIP.

 

Redistribute

Configuração da redistribuição de outros protocolos para RIP.

 

OSPF

Redistribuição dos controles dos roteadores, de OSPF para RIP.

Static

Redistribuição dos Controles dos roteadores estáticos para RIP.

Direct

Redistribuição dos Controles dos roteadores diretos para RIP

Campos de Inserção

Lista

OSPF Protocol Default Cost

RIP Protocol Default Metric

IP Configurable Interfaces

Configuração do valor de custo padrão para o protocolo OSPF.

A opção “Redistribuir” permite que o protocolo OSPF transfira as informações de roteamento de outros protocolos de

roteamento. Para que as informações sejam transferidas entre os protocolos OSPF e RIP, o NE atual deve ter ambos os protocolos habilitados.

Configuração do valor de custo padrão usado para o protocolo RIP.

A opção “Redistribuir” permite que o protocolo RIP transfira as informações de roteamento

de outros protocolos de roteamento. Para que as informações sejam transferidas entre os protocolos RIP e OSPF, o NE atual deve ter ambos os protocolos habilitados.

Lista de Interfaces disponíveis no NE atual para os protocolos OSPF e RIP (Interfaces de IP Habilitadas). As Interfaces podem ser habilitadas para IP na página Portas de Comunicação, para interfaces especificas (por exemplo, interface NI no Metro).

Roteadores Ativos

Esta é a lista dos roteadores atualmente ativos na tabela de roteamento. Estes são os roteadores que baseiam o encaminhamento de IP. Os roteadores inativos não são mostrados.

Destination:

O Destino do Roteador

Gateway:

A Porta de Entrada do Roteador

Subnet mask:

A Máscara da subrede do roteador

Interface:

O nome da interface associada com este roteador

Protocol:

O Protocolo que este foi aprendido por este roteador

O nome da interface associada com este roteador Protocol: O Protocolo que este foi aprendido por

Roteadores Estáticos

Edite os roteadores estáticos em relação ao IP de roteamento utilizando esta página.

em relaç ão ao IP de roteamento utilizando esta página. Botões de Função Add Adiciona um

Botões de Função

Add

Adiciona um roteador estático.

Delete

Deleta um roteador estático.

Set

Aplica as configurações.

Cancel

Descarta as mudanças.

Menus Suspensos

Interface

A Interface de Entrada é especificada. Interface Padrão “Qualquer”.

Metric

A métrica do roteador. Valores possíveis: 0-15.

Campos de Inserção

Destination

O Destino do roteador na numeração “xxxx”. Observação! O endereço de IP deve ser valido para a máscara da subrede fornecida.

Gateway

A Porta de Entrada do roteador na numeração “xxxx” caso necessário. Observação! A Porta de Entrada deve estar presente caso a interface seja configurada como “Qualquer”.

Subnet mask

A Máscara da Subrede na numeração “xxxx”. Observação! A máscara da subrede deve ser permanente.

Interfaces RIP

Aqui configuramos em quais interfaces vai rodar o RIP e quais os parâmetros utilizados para cada interface. Observação! Para editar as configurações das “áreas RIP”, o protocolo RIP deve ser desabilitado na página das Configurações Gerais.

ser desabilitado na página das Configurações Gerais. Botões de Função Add Adiciona uma interface para se

Botões de Função

Add

Adiciona uma interface para se rodar o RIP.

Edit

Altera as configurações para uma interface rodando o RIP.

Delete

Remove a configuração RIP de uma interface

Set

Aplica as configurações

 

Cancel

Descarta as mudanças

Menus Suspensos

Interface

O nome da interface sendo configurada. Selecione entre as alternativas: Io#, eth#, DIR0@#

Metric

A métrica associada à interface. Valores possíveis: 0-16.

RIP Version

A versão do RIP para rodar em uma interface. (RIP v.1 ou RIP v.2). Alternativas: 1, 2 Observação! Quando rodando RIP v.1 em uma interface, as limitações no protocolo RIP v.1 irão restringir quais roteadores poderão ser anunciados por esta interface.

Interfaces OSPF

Aqui configuramos quais interfaces irão rodar o OSPF e os parâmetros utilizados para cada interface. Observação! Para editar as configurações das “áreas OSPF”, o protocolo OSPF deve ser desabilitado na página das Configurações Gerais.

ser desabilitado na página das Configurações G erais. Botões de Função Add Adiciona uma interface para

Botões de Função

Add

Adiciona uma interface para rodar o OSPF.

Edit

Altera as configurações para uma interface rodando o OSPF.

Delete

Remove a configuração OSPF de uma interface.

Set

Aplica as configurações.

 

Cancel

Descarta as mudanças.

Menus Suspensos

Interface ID

O nome da interface sendo configurada. Selecione entre as alternativas Io#, eth#, DIR0@#.

Área

O ID da área associada a essa interface.

Campos de Inserção

Cost

Custo associado a está interface.

 

Transmit delay

Atraso estimado de transmissão através desta interface em segundos.

 

- Valor Padrão é de 1 segundo

- Valores Possíveis: 1-65535

 

Designated Router Priority

Indica a confiabilidade do NE atual como o Roteador Designado (RD). Valores mais altos = Maior confiabilidade.

 

- 0 = Não pode ser RD

- Valores Possíveis: 0 – 255.

 

Retransmit Interval

Valores Possíveis: 1 – 65535.

Hello Interval

O intervalo entre os pacotes hello do OSPF nesta interface.

Router Dead Interval

O tempo antes de declarar a queda em uma conexão na ausência dos pacotes hello.

Áreas OSPF

Aqui configuramos as Áreas OSPF para este roteador. Observação! Para editar as configurações das “áreas OSPF”, o protocolo OSPF deve ser desabilitado na página das Configurações Gerais.

as confi gurações das “áreas OSPF”, o protocolo OSPF deve ser desabilitado na página das Configurações

Botões de

Função

Áreas OSPF

Adicionar

Adiciona uma área OSPF.

Editar

Altera a configuração para uma área OSPF.

Deletar

Remove a configuração da área OSPF.

Redes

Adicionar

Adiciona uma Rede.

Adicionar/Editar Áreas OSPF

Definir

Aplica as Configurações.

Cancelar

Descarta as mudanças.

Adicionar Redes

Definir

Aplica as Configuração

Cancelar

Descarta as mudanças

Campos de Inserção

ID da Área

O ID da área. Tanto em numeração “xxxx” quanto em número simples.

Área Stub

Configura esta área como uma Área Stub.

Custo Padrão

Configura o custo padrão para esta área. Valores possíveis: 0 – 65535.

Conexões Virtuais

Aqui configuramos as conexões virtuais OSPF para este roteador.

configuramos as conexões virtuais OSPF para este roteador. Botões de Função Adicionar Adiciona uma conexão

Botões de Função

Adicionar

Adiciona uma conexão virtual OSPF.

Deletar

Remove a configuração de uma conexão virtual OSPF.

Definir

Aplica as configurações

Cancelar

Descarta as mudanças

Menus Suspensos.

Área de Transição

O ID da área que será usada como uma área de transição para a conexão que

Situação

Não está em uso.

Campos de Inserção

ID do Roteador

O ID do Roteador Espinhal na outra Extremidade

da conexão.

Redes

Configuração do endereço de IP da Interface.

Redes Configuração do endereço de IP da Interface. Botões de Função Definir Confirma as alterações.

Botões de Função

Definir

Confirma as alterações.

Definir DSCP

Define o valor DSCP selecionado.

Menus Suspensos

Gerência de Tráfego

Valor DSCP para gerência de tráfego (Valor padrão: 48).

EOW0@17

Configuração do endereço de IP para o canal HDLC no Engineering Orderwire, Unidade AUX número um na estrutura IFU 1, espaço 7.

S64KB0@18

Configuração do endereço de IP para o canal HDLC no 4x64kb/s, Unidade AUX número um na estrutura IFU 1, espaço 8.

DIR0@1

Configuração do endereço de IP para o canal DCC. O canal DCC tem capacidade de 256kb/s e é utilizado para comunicação entre os elementos sobre o radio hop.

Canais OH

Habilitando as conexões cruzadas através da conexão de Bytes SOH/TOH. Um total de 4 conexões podem ser feitas. Uma em cada subpágina (OH X-Connect1-4). Clique nas abas da página para explorar as funcionalidades individuais.

feitas. Uma em cada subpágina (OH X-Connect1-4). Clique nas abas da página para explorar as funcionalidades

Status OH

Esta página traz uma visão geral da situação do OH (OverHead). Ambos os Bytes SOH/TOH e os canais NOH são listados.

). Ambos os Bytes SOH/TOH e os canais NOH são listados. Botão de Função Aplicar Filtros

Botão de Função

Aplicar Filtros

Lista de filtros de acordo com as seleções.

Menus Suspensos

Posição Física

Posição Física da unidade onde as medições de performances são realizadas.

Posição Lógica

Localização da unidade de direção de tráfego w.r.t.

OverHead

Bytes SOH (ETSI) / bytes TOH (ANSI) ou canais NOH.

OH X-Connect1

Habilitando a conexão cruzada através da conexão de bytes SOH/TOH. Um total de 4 conexões podem ser feitas. Um em cada subpágina (OH X-Connect1-4). A caixa de verificação “Habilitar” deve ser marcada. Procedimento:



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 1”. A tabela SOH/TOH aparece.



Selecione o byte desejado para se conectar ao canal de direção/tráfego da antena vigente.



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 2”. A tabela SOH/TOH para conexão 2 aparece.



Seleciona o byte desejado no canal de direção/tráfego da antena vigente para a conexão.



Aperte o botão “Definir”.

Em acréscimo aos bytes únicos, Bytes D1 a D3 podem ser selecionados. Para desabilitar a X-connection atual, desmarque a caixa de verificação “Habilitar”.

Caixa de Verificação Habilitar Habilita a conexão cruzada. Botões de Função Obter Overhead Mostra a

Caixa de Verificação

Habilitar

Habilita a conexão cruzada.

Botões de Função

Obter Overhead

Mostra a tabela de SOH/TOH.

Definir

Configuração da X-connection.

Menus Suspensos

Direção

Seleciona a Antena de Direção.

Canal de tráfego principal

Selecione o canal de tráfego principal.

OH X-Connect2

Habilitando a conexão cruzada através da conexão de bytes SOH/TOH. Um total de 4 conexões podem ser feitas. Uma em cada subpágina (OH X-Connect1-4) A caixa de verificação “Habilitar” deve estar marcada. Procedimento:



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 1”. A tabela SOH/TOH aparece.



Selecione o byte desejado para se conectar ao canal de direção/tráfego da antena vigente.



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 2”. A tabela SOH/TOH para conexão 2 aparece.



Seleciona o byte desejado no canal de direção/tráfego da antena vigente para a conexão.



Aperte o botão “Definir”.

Em acréscimo aos bytes únicos, Bytes D1 a D3 podem ser selecionados. Para desabilitar a X-connection atual, desmarque a caixa de verificação “Habilitar”.

Caixa de Verificação Habilitar Habilita a conexão cruzada. Botões de Função Obter Overhead Mostra a

Caixa de Verificação

Habilitar

Habilita a conexão cruzada.

Botões de Função

Obter Overhead

Mostra a tabela de SOH/TOH.

Definir

Configuração da X-connection.

Menus Suspensos

Direção

Seleciona a Antena de Direção.

Canal de tráfego principal

Selecione o canal de tráfego principal.

OH X-Connect3

Habilitando a conexão cruzada através da conexão de bytes SOH/TOH. Um total de 4 conexões podem ser feitas. Uma em cada subpágina (OH X-Connect1-4) A caixa de verificação “Habilitar” deve estar marcada. Procedimento:



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 1”. A tabela SOH/TOH aparece.



Selecione o byte desejado para se conectar ao canal de direção/tráfego da antena vigente.



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 2”. A tabela SOH/TOH para conexão 2 aparece.



Seleciona o byte desejado no canal de direção/tráfego da antena vigente para a conexão.



Aperte o botão “Definir”.

Em acréscimo aos bytes únicos, Bytes D1 a D3 podem ser selecionados. Para desabilitar a X-connection atual, desmarque a caixa de verificação “Habilitar”.

Caixa de Verificação Habilitar Habilita a conexão cruzada. Botões de Função Obter Overhead Mostra a

Caixa de Verificação

Habilitar

Habilita a conexão cruzada.

Botões de Função

Obter Overhead

Mostra a tabela de SOH/TOH.

Definir

Configuração da X-connection.

Menus Suspensos

Direção

Seleciona a Antena de Direção.

Canal de tráfego principal

Selecione o canal de tráfego principal.

OH X-Connect4

Habilitando a conexão cruzada através da conexão de bytes SOH/TOH. Um total de 4 conexões podem ser feitas. Uma em cada subpágina (OH X-Connect1-4) A caixa de verificação “Habilitar” deve estar marcada. Procedimento:



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 1”. A tabela SOH/TOH aparece.



Selecione o byte desejado para se conectar ao canal de direção/tráfego da antena vigente.



Aperte o botão “Definir Overhead” para “Ponto Final 2”. A tabela SOH/TOH para conexão 2 aparece.



Seleciona o byte desejado no canal de direção/tráfego da antena vigente para a conexão.



Aperte o botão “Definir”.

Em acréscimo aos bytes únicos, Bytes D1 a D3 podem ser selecionados. Para desabilitar a X-connection atual, desmarque a caixa de verificação “Habilitar”.

Caixa de Verificação Habilitar Habilita a conexão cruzada. Botões de Função Obter Overhead Mostra a

Caixa de Verificação

Habilitar

Habilita a conexão cruzada.

Botões de Função

Obter Overhead

Mostra a tabela de SOH/TOH.

Definir

Configuração da X-connection.

Menus Suspensos

Direção

Seleciona a Antena de Direção.

Canal de tráfego principal

Selecione o canal de tráfego principal.

Detecção de Vizinhos

Mostra o endereço de IP dos elementos da Evolution Series detectados nas várias interfaces de gestão. O elemento do lado remoto da conexão ou os elementos no caso de nó de multi- direção, são mostrados na interface do tipo DCC_RADIO, enquanto os elementos detectados na interface de Ethernet local são mostrados na interface tipo ETH. Observação! Caso a conexão seja estabelecida com uma gestão em banda via Wayside ou tráfego principal de ethernet, os terminais remotos também serão mostrados na interface tipo ETH.

A caixa de verificação “aviso de LAN vizinha” determina se este elemento deve responder as mensagens recebidas na interface LAN local do vizinho detectado. Para sistemas com gestão em banda, esta caixa de verificação deve estar marcada para que o elemento seja detectado na extremidade distante da conexão.

esta caixa de verificação deve estar marcada para que o elemento seja detectado na extremidade distante

SU

Existem duas principais variações de SU; Uma com duas portas USB e 2 portas Ethernet e uma com 4 portas Ethernet. Selecione a SU atual abaixo.

variações de SU; Uma com duas portas USB e 2 portas Ethernet e uma com 4

SU, FKCN5551A/B/C

Instalação e Configuração da Unidade de Interface de Rádio. Clique nas diferentes subpáginas para mais informações.

Caso Configuração, Falha ou Performance forem selecionados na barra de Menu, com a Unidade SU destacada, os dados de Configuração, Falha ou Performance para a Unidade SU são exibidos.

Falha ou Performance para a Unidade SU são exibidos. Nota! Dependendo da configuração do sistema, diferentes

Nota! Dependendo da configuração do sistema, diferentes subpáginas estão visíveis

Quando o sistema é configurado como Metro (Veja Governança), as subpáginas “Inventário”, “Wayside” e “Ethernet” são visíveis. Além disso, as subpáginas: “GFP”, “Estatísticas” e “Ciclos” são visíveis quando o wayside está habilitado. Quando o “Ethernet mapeado em STM-1” está habilitado, as subpáginas “Inventário”, “Ethernet”, “GFP”, “POH”, “Estatísticas”, “Ciclos” e “PRBS” são visíveis.

Quando o sistema é configurado com XPAND (Veja Governança) e “Ethernet mapeado em PDH” está habilitado, as subpáginas “Inventário”, “Ethernet”, “GFP”, “Estatísticas” e “Ciclos” são visíveis.

Quando o sistema é configurado com IP (Veja Governança) as subpáginas “Inventário”, “Ethernet”, “GFP”, “POH”, “Estatísticas”, “Ciclos” e “PRBS” são visíveis.

Metro

Metro

SU, Inventário

Lista dos Inventários SU, incluindo versões de Software, Número de Série do Código do Artigo e Revisão.

Inventário Lista dos Inventários SU, incluindo versões de Software, Número de Série do Código do Artigo

SU, Wayside

Tráfego Ethernet Wayside de 2Mb/s pode ser inserido na Seção de bytes dedicados de Overhead.

ser inserido na Seção de bytes dedicados de Overhead . Nota! Se um ou mais bytes

Nota! Se um ou mais bytes usados no tráfego wayside (amarelo) já estão atribuídos a canais de 64kb/s(Unidades AUX, Engineering Orderwire ou 4x64kb/s), o tráfego Ethernet de

2Mb/s não pode ser habilitado. Neste caso os canais de 64kb/s devem ser atribuídos a bytes que não são usados para tráfego wayside. Veja instalação das unidades Engineering Orderwire e 4x64kb/s. Os bytes também podem ser utilizados pela Unidade Wayside E1/T1 auxiliar.

Engineering Orderwire e 4x64kb/s. Os bytes também podem ser utilizados pela Unidade Wayside E1/T1 auxiliar.

Caixa de Verificação

Habilitar Ethernet de 2Mb/s

Marque está caixa para habilitar o Wayside de 2Mb/s.

Botão de Função

Definir

Aplica as configurações selecionadas.

Menus Suspensos

Direção

Direção da Antena (Nome).

Canal de Tráfego Principal

Selecione o número do Canal de Tráfego principal.

SU, Ethernet

A Porta Ethernet (ETH2) pode ser configurada como 10/100 Base-T (metade ou duplo completo)

r configurada como 10/100 Base-T (metade ou duplo completo) Nota! “Ethernet Mapeada em STM-1/STS-3” deve se

Nota! “Ethernet Mapeada em STM-1/STS-3” deve ser habilitada no assistente de Governança.

Nota! Uma licença de tráfego é necessária para habilitar o tráfego Ethernet em SU.

no assistente de Governança. Nota! Uma licença de tráfego é necessária para habilitar o tráfego Ethernet

Botões de Função

Definir

Aplica os parâmetros selecionados

Obter

Obtém os status das conexões Ethernet.

Iniciar Sondagem

Inicia o status de Sondagem da Conexão Ethernet.

Parar Sondagem

Para o status de Sondagem da Conexão Ethernet.

Caixas de Verificação

Trocar Habilitado

Com esta caixa marcada, uma troca de camada-2 é ativada, habilitando a troca MAC e “gestão em banda”. Neste modo, ambos ETH1 e ETH2 podem ser usados para o tráfego Ethernet incluindo a gestão de tráfego.

Habilitar Alarme de perda de conexão ETH1 Com esta caixa marcada, o Alarme de perda de conexão ETH1 será ativado caso ocorra uma perda de conexão no

 

ETH1.

 

Habilitar ETH2

Habilita/Desabilita a Porta Ethernet

Controle de Fluxo

Habilita/Desabilita o Controle de Fluxo para Porta Ethernet

Acompanhamento de perda de conexão

Habilita/Desabilita o Acompanhamento de perda de conexão. Veja a descrição abaixo.

Menus Suspensos

Velocidade de Conexão e Duplos

Tempo limite de endereço MAC

Capacidade

Automático, 10/100 Metade ou Duplo Completo.

Selecionável: Desligado, Ligado – 5 min ou Ligado – 15seg.

Seleciona a capacidade a ser alocada para o tráfego Ethernet.

Acompanhamento de Perda de Conexão (LLF). Com esta função habilitada, a perda do sinal de um elemento de rede (por exemplo, falha no cabo/desconectado) será detectada no elemento de rede correspondente e irá desligar esta porta Ethernet.

Nota! O Acompanhamento de Perda de Conexão deve estar habilitado em ambos os elementos de rede O Acompanhamento de Perda de Conexão deve estar habilitado em ambos os elementos de rede correspondentes.

Na figura abaixo, uma perda de uma conexão Ethernet será detectada em NE2. Um sinal LLF será enviado para NE1 e a porta Ethernet será desligada.

será enviado para NE1 e a porta Ethernet será desligada. Na figura abaixo, uma perda de

Na figura abaixo, uma perda de sinal será detectada em ambos os elementos de rede e as portas Ethernet serão desligadas.

os elementos de rede e as portas Ethernet serão desligadas. Uma função LLF é especialmente útil

Uma função LLF é especialmente útil em sistemas de anéis de proteção. No Exemplo abaixo, um cabo está quebrado entre o Roteador B e o NE2. Uma falha de perda de conexão será detectada em NE1 e a transmissão será desligada. O tráfego Ethernet entre o roteador A e B será roteado via NE3 e NE4

Ethernet entre o roteador A e B será roteado via NE3 e NE4 Nota! Se as

Nota! Se as portas Ethernet são desligadas a força devido à perda de sinal (LLF habilitado), Se as portas Ethernet são desligadas a força devido à perda de sinal (LLF habilitado), a aplicação de um ciclo de tráfego em um dos NEs pode resultar em uma ativação

indesejada das portas Ethernet no NE em questão assim como no NE correspondente. Caso seja necessário que as portas Ethernet permaneçam desabilitadas, as portas devem ser manualmente desabilitadas nos NEs ou em um equipamento periférico.

SU, GFP

Procedimento de Enquadramento Genérico (GFP) é um esquema para encapsulamento de 2 camadas dos dados de tráfego Ethernet.

encapsulamento de 2 camadas dos dados de tráfego Ethernet. Botões de Função Redefinir Redefine o status

Botões de Função

Redefinir

Redefine o status GFP.

Obter

Obtém o status GFP.

Iniciar Sondagem

Inicia o status de Sondagem GFP.

Parar Sondagem

Para o status de Sondagem GFP.

SU, POH

Caminho Overhead (POH)

SU, POH Caminho Overhead (POH) Botões de Função Obter Obtém o status POH. Iniciar Sondagem Inicia

Botões de Função

Obter

Obtém o status POH.

Iniciar Sondagem

Inicia o status de Sondagem POH.

Parar Sondagem

Para o status de Sondagem POH.

SU, Estatísticas

Estatísticas do grupo de oito pacotes de contadores, entrada (Valor Rx) e saída (Valor Tx) para portas Ethernet.

(Valor Rx) e sa ída (Valor Tx) para portas Ethernet. Botões de Função Obter Obtém o

Botões de Função

Obter

Obtém o status da Porta.

Zerar Porta

Zera o contador na Porta atual.

Zerar Todos

Zera os contadores de todas as portas.

SU, Ciclos

Dois ciclos diferentes podem ser ativados no SU (Extremidade

Próxima e Extremidade

ser ativados no SU (Extremidade Próxima e Extremidade Nota! Quando um ciclo é ativado, o tráfego

Nota! Quando um ciclo é ativado, o tráfego Ethernet no SU será interrompido.

Distante).

Antes da ativação de um laço, o Valor de Tempo Limite deve ser selecionado. O ciclo é ativado pelo clique na seta atual e o símbolo ficará vermelho. Somente um ciclo pode ser ativado por vez. O ciclo ativado deve ser desativado, antes que outro ciclo possa ser ativado.

ser desativado, antes que outro ciclo possa ser ativado. Botões de Função Obter Obtém o status

Botões de Função

Obter

Obtém o status do Laço.

Iniciar Sondagem

Inicia o status de Sondagem do Laço.

Parar Sondagem

Para o status de Sondagem do Laço.

SU, PRBS

Um sinal PRBS pode ser inserido, ao invés de tráfegos regulares para testar o SU.

O

SU contém um Gerador e um Verificador.

A

seta preta no diagrama indica o Gerador. A seta verde é o verificador ativo.

O

gerador é iniciado pelo clique na seta do gerador no bloco do diagrama. A seta se tornará vermelha.

gerador no bloco do diagrama. A seta se tornará vermelha. Nota! Quando o gerador é ativado,

Nota! Quando o gerador é ativado, o tráfego Ethernet no SU será interrompido.

diagrama. A seta se tornará vermelha. Nota! Quando o gerador é ativado, o tráfego Ethernet no

Botões de Função

Definir Gerador

Define os parâmetros do Gerador.

Definir Verificador

Define os parâmetros do Verificador.

Erro de Bit simples

Insere um sinal de Erro de Bit simples. Isto é uma característica útil para checagem do sistema (Atente que o total de erros é aumentado em um quando este botão é apertado).

Zerar Verificador Ativo

Zera a contagem de erros no verificador.

Obter

Obtém o status do Erro.

Iniciar Sondagem

Inicia o status de Sondagem do Erro.

Parar Sondagem

Para o status de Sondagem do Erro.

Caixas de Verificação

Gerador Invertido

Inverte o sinal do Gerador.

Verificador Invertido

Inverte o sinal do Verificador.

XPAND.

XPAND.

SU, Inventário

Lista dos Inventários SU, incluindo versões de Software, Número de Série do Código do Artigo e Revisão.

Inventário Lista dos Inventários SU, incluindo versões de Software, Número de Série do Código do Artigo

SU, Ethernet

A Porta Ethernet (ETH2) pode ser configurada como 10/100 Base-T (metade ou duplo completo)

r configurada como 10/100 Base-T (metade ou duplo completo) Nota! “Ethernet Mapeada em PDH” deve ser

Nota! “Ethernet Mapeada em PDH” deve ser habilitada no assistente de Governança.

Nota! A Configuração das conexões de Ethernet deve ser feitas na página “Quadro Básico IFU, Conexões Cruzadas”.

Nota! Uma licença de tráfego é necessária para habilitar o tráfego Ethernet em SU.

IFU, Conexões Cruzadas”. Nota! Uma licença de tráfego é necessária para habilitar o tráfego Ethernet em

Botões de Função

Definir

Aplica os parâmetros selecionados

Obter

Obtém os status das conexões Ethernet.

Iniciar Sondagem

Inicia o status de Sondagem da Conexão Ethernet.

Parar Sondagem

Para o status de Sondagem da Conexão Ethernet.

Caixas de Verificação

Trocar Habilitado

Com esta caixa marcada, uma troca de camada-2 é ativada, habilitando a troca MAC e “gestão em banda”. Neste modo, ambos ETH1 e ETH2 podem ser usados para o tráfego Ethernet incluindo a gestão de tráfego.

Habilitar Alarme de perda de conexão ETH1

Com esta caixa marcada, o Alarme de perda de conexão ETH1 será ativado caso ocorra uma perda de conexão no ETH1.

Habilitar ETH2

Habilita/Desabilita a Porta Ethernet

Controle de Fluxo

Habilita/Desabilita o Controle de Fluxo para Porta Ethernet

Acompanhamento de perda de conexão

Habilita/Desabilita o Acompanhamento de perda de conexão. Veja a descrição abaixo.

Menus Suspensos

Velocidade de Conexão e Duplos

Tempo limite de endereço MAC

Capacidade

Automático, 10/100 Metade ou Duplo Completo.

Selecionável: Desligado, Ligado – 5 min ou Ligado – 15seg.

Seleciona a capacidade a ser alocada para o tráfego Ethernet.

Acompanhamento de Perda de Conexão (LLF). Com esta função habilitada, a perda do sinal de um elemento de rede (por exemplo, falha no cabo/desconectado) será detectada no elemento de rede correspondente e irá desligar esta porta Ethernet.

Nota! O Acompanhamento de Perda de Conexão deve estar habilitado em ambos os elementos de rede O Acompanhamento de Perda de Conexão deve estar habilitado em ambos os elementos de rede correspondentes.

Na figura abaixo, uma perda de uma conexão Ethernet será detectada em NE2. Um sinal LLF será enviado para NE1 e a porta Ethernet será desligada.

será enviado para NE1 e a porta Ethernet será desligada. Na figura abaixo, uma perda de

Na figura abaixo, uma perda de sinal será detectada em ambos os elementos de rede e as portas Ethernet serão desligadas.

os elementos de rede e as portas Ethernet serão desligadas. Uma função LLF é especialmente útil

Uma função LLF é especialmente útil em sistemas de anéis de proteção. No Exemplo abaixo, um cabo está quebrado entre o Roteador B e o NE2. Uma falha de perda de conexão será detectada em NE1 e a transmissão será desligada. O tráfego Ethernet entre o roteador A e B será roteado via NE3 e NE4

Ethernet entre o roteador A e B será roteado via NE3 e NE4 Nota! Se as

Nota! Se as portas Ethernet são desligadas a força devido à perda de sinal (LLF habilitado), Se as portas Ethernet são desligadas a força devido à perda de sinal (LLF habilitado), a aplicação de um ciclo de tráfego em um dos NEs pode resultar em uma ativação

indesejada das portas Ethernet no NE em questão assim como no NE correspondente. Caso seja necessário que as portas Ethernet permaneçam desabilitadas, as portas devem ser manualmente desabilitadas nos NEs ou em um equipamento periférico.

SU, GFP

Procedimento de Enquadramento Genérico (GFP) é um esquema para encapsulamento de 2 camadas dos dados de tráfego Ethernet.

encapsulamento de 2 camadas dos dados de tráfego Ethernet. Botões de Função Redefinir Redefine o status

Botões de Função

Redefinir

Redefine o status GFP.

Obter

Obtém o status GFP.