Você está na página 1de 39

1

Senoides e Fasores

Prof. Karcius Dantas

Copyright © The McGraw-Hill Companies, Inc. Permission required for reproduction or display.
C. K. Alexander e M. N. O Sadiku, Fundamentos de Circuitos Elétricos, 3.ed.
2

Senóides e Fasores

9.1 Introdução
9.2 Senóides
9.3 Fasores
9.4 Relação entre fasores para elementos de
circuitos
9.5 Impedância e Admitância
9.6 Leis de Kirchhoff
9.7 Associações de Impedâncias
3

9.1 Introdução
• Circuitos CA
• Fontes variam de forma senoidal com o tempo
• Corrente Alternada (CA)
• Corrente Senoidal
• Senóide
• Sinal que possui a forma da função seno ou
cosseno
• Regime Estacionário Senoidal
9.2 Senóides
• Tensão senoidal

v(t ) = Vm sin(ωt + φ )
Em que
Vm = amplitude da senóide
ω = frequência angular em rad/s
Ф = fase


T=
ω 4
9.2 Senóides
• Função periódica
▫ v(t) = v(t + nT) para todo t e todo n inteiro.

T=
ω
• Frequência
1
f = Hz ω = 2πf
T

5
9.2 Senóides
• Apenas senoides com mesma frequência podem ser
comparadas com relação à diferenças de amplitude e fase
▫ Se há diferença de fase, os sinais estão defasados (adiantado ou
atrasado um com relação ao outro)


T=
ω

• É indicado comparar ambas como funções seno ou então,


como cosseno, com amplitudes positivas
▫ Usa-se identidades trigonométricas. 6
9.2 Senóides
• Exemplo 1
▫ Dada uma senoide, 5.sen(4πt – 60°), determine sua
amplitude, fase, frequência angular, período e frequência.

• Exemplo 2
▫ Determine o ângulo de fase entre
i1 = −4 sin(377t + 25 o )
i2 = 5 cos(377t − 40 o )

▫ Qual dos dois sinais está adiantado com relação ao outro?

i2 = 5 sin(377t − 40o + 90o ) = 5 sin(377t + 50o )


i1 = −4 sin(377t + 25o ) = 4 sin(377t + 180o + 25o ) = 4 sin(377t + 205o )
7
8

9.3 Fasor (Steinmetz, 1893)


• Se constitue em uma maneira simples para
analisar circuitos lineares excitados por fontes
senoidais

• Número complexo que representa a amplitude e


a fase de uma senóide

• Necessidade de familiarização com números


complexos
9.3 Fasor

• Números complexos
podem ser
representados nas
seguintes formas:

a. Retangular z = x + jy = r (cos φ + j sin φ )


b. Polar z = r ∠φ
jφ r= x2 + y2
c. Exponencial z = re
onde y
φ = tan −1
x
9
9.3 Fasor

Exemplo
Expressar os números abaixo na forma polar e
exponencial e representá-los graficamente

Z1 = 6 + j8
Z2 = 6 – j8
Z3 = -6 + j8
Z4 = -6 – j8

Resp:
Z1 = 10<53,13
Z2 = 10<306,87
10
9.3 Fasor

Exemplo
Calcule ln(-2)

11
9.3 Fasor

Operações com números complexos:


1. Adição z1 + z 2 = ( x1 + x 2 ) + j ( y1 + y 2 )

2. Subtração z1 − z 2 = ( x1 − x2 ) + j ( y1 − y2 )

3. Multiplicação z1 z 2 = r1r2 ∠ φ1 + φ2
z1 r1
4. Divisão = ∠φ1 − φ 2
z 2 r2

5. Inverso 1 1
= ∠ −φ
z r
6. Raiz quadrada z = r ∠φ 2
7. Conjugado z ∗ = x − jy = r ∠ − φ = re − jφ
8. Identidade de Euler e ± jφ = cos φ ± j sin φ
12
9.3 Fasor
Exemplo 3
• Calcule os seguintes números complexos:

a. [(5 + j2)(−1 + j4) − 5∠ 60o ]


b. 10 + j5 + 3∠40o
+ 10 ∠30o
− 3 + j4

Solução:
a. –15.5 + j13.67
b. 8.293 + j2.2

13
14

9.3 Fasor
• Pode ser definido a partir da função cosseno:

▫ Seja v(t ) = Vm cos(ωt + φ )



▫ Usando a fórmula de Euler: e = cos θ + j sin θ

[
v = Re Vm e j (ωt +φ ) ] [ jφ
= Re Vm e e j ωt
] [
= Re Vˆe jωt ]
▫ A grandeza Vˆ = Vm e jφ é denominada de fasor.
9.3 Fasor
• Análise gráfica do seno fasorial no plano complexo
▫ v(t) é a projeção do seno fasorial no eixo real.
▫ Com o tempo crescente, o seno fasorial gira em um círculo de
raio Vm em uma velocidade angular w no sentido anti-horário.

15
9.3 Fasor

• Senóides e fasores
v(t ) = Vm cos(ωt + φ ) Vˆ = Vm ∠φ
(domínio do tempo) (domínio dos fasores)

▫ Para realizar a conversão, aconselha-se escrever


a senóide como uma função cosseno.

▫ Amplitude e diferença de fase são fundamentais


no estudo de tensões e correntes CA.

16
9.3 Fasor

• Diagrama fasorial
▫ Representação gráfica dos fasores de forma
similar a um vetor (com magnitude, fase e
“sentido”).
V = Vm ∠φ

I = Im ∠ −θ
17
9.3 Fasor
Exemplo 4
Transforme as seguintes senóides em fasores e
determine a soma v = v1 + v2:
v1 = 6cos(30t – 40o) V
v2 = –4sin(30t + 50o) V

Solução:
a. V1 = 6∠ − 40° V
b. Como –sen(A) = cos(A+90o);
v2(t) = 4cos (30t+50o+90o) = 4cos(30t+140o) V
Transforme para fasor => V2 = 4∠140° V
18
9.3 Fasor
Example 5:
Transforme os fasores para as senóides correspondentes:
a. V = − 10∠30° V
b. I = j(5 − j12) A

Solução:
a) v(t) = 10cos(ωt + 210o) V
b) Como 5
−1
I = 12 + j5 = 12 + 5 ∠ tan ( ) = 13∠ 22.62°
2 2

12
i(t) = 13cos(ωt + 22.62o) A
19
9.3 Fasor
Diferenças entre v(t) e V:

v(t) V
Representação instantânea ou no Representação em termos de
domínio do tempo frequência ou no domínio dos
fasores
Dependente do tempo Independente do tempo
Sempre real sem nenhum termo Geralmente complexo
complexo

Obs 1.: A análise de fasores se aplica apenas quando a frequência é


constante.

Obs 2.: A análise de fasores se aplica na manipulação de dois ou mais


sinais senoidais apenas se estes tiverem a mesma frequência.
20
9.3 Fasor

• Seja
v(t ) V = V∠φ
• Diferenciar uma senóide equivale a multiplicar seu fasor
correspondente por jw.

dv
dt jωV
• Integrar uma senóide equivale a dividir seu fasor
correspondente pot jw.
V
∫ vdt jω 21
9.3 Fasor
Exemplo 6
Use o método dos fasores para determinar a corrente i(t)
em um circuito descrito pela equação diferencial

di
4i + 8∫ idt − 3 = 50 cos(2t + 75°)
dt

Resposta: i(t) = 4,642cos(2t + 143,2o) A

22
9.3 Fasor
Exemplo 7
Use o método dos fasores para determinar a tensão v(t)
em um circuito descrito pela equação diferencial

dv
2 + 5v + 10 ∫ vdt = 20 cos(5t − 30°)
dt

Resposta: v(t) = 2,12cos(5t - 88o) V

23
9.3 Fasor

• Para o circuito abaixo, podemos obter a equação diferencial para i(t)


e resolver no domínio dos fasores para I.

d 2 i R di i
2
+ + =0
dt L dt LC

Há alguma forma mais simples para resolver o problema?

24
9.3 Fasor
• Ao invés de desenvolver as equações diferenciais
e em seguida usar o método dos fasores:

▫ Transformar em fasores as relações entre tensão e


corrente dos elementos RLC.

▫ Aplicar as leis de Kirchhoff e outros teoremas para


se obter uma equação envolvendo diretamente o
fasor da grandeza a se determinar.

25
9.4 Relação entre Fasores para
Elementos de Circuitos
Resistor: Indutor: Capacitor:

26
9.4 Relação entre Fasores para
Elementos de Circuitos
Resumo das relações tensão-corrente
Elemento Domínio do Domínio dos
tempo fasores
R v = Ri V = RI

L v=L
di V = jωLI
dt
C i=C
dv
V =
I
dt j ωC

27
28

9.5 Impedância (Z)


• Impedância Z de um circuito é a razão entre a
tensão fasorial V e a corrente fasorial I
V
Z= = R + jX
I
▫ Medida em ohms
▫ R = Re[Z] – é a resistência (ohms)
▫ X = Im[Z] – é a reatância (ohms)
 X positivo: impedância indutiva
 X negativo: impedância capacitiva

• Representa a oposição que um circuito oferece


ao fluxo de corrente senoidal.
29

9.5 Admitância (Y)


• Admitância Y é o inverso da impedância
I 1 1
Y= = = = G + jB
V Z R + jX
▫ Medida em siemens (S) ou mho
▫ G = Re[Y] – é a condutância
▫ B = Im[Y] – é a susceptância

• Obs.: 1
Para X ≠ 0 : G ≠
R
9.5 Impedância e Admitância
ω = 0; Z = 0

Z = j ωL ω → ∞; Z → ∞

ω = 0; Z → ∞

Z=
1 ω → ∞; Z = 0
j ωC

30
31

9.6 Leis de Kirchhoff no Domínio da


Frequência
• As leis de Kirchhoff são válidas também no
domínio dos fasores (frequência).

• No entanto, as variáveis em questão são


fasores (números complexos).

• Toda a matemática envolvida está relacionada


com o domínio complexo.
32

9.7 Associações de Impedâncias

• Impedância equivalente (série e paralela)

• Divisor de tensão e corrente

• Transformações Y-Δ
33

Análise em Regime
Estacionário Senoidal
34

Etapas para análise de circuitos lineares CA:


1. Converter fontes para o domínio fasorial

2. Para cada frequência, representar os elementos de


circuitos por impedâncias e admitâncias

3. Obter solução fasorial em cada frequência

4. Obter solução no tempo para cada frequência

5. Usar superposição para obter solução total


35

Resumo das Etapas:


1. Representar o circuito no domínio fasorial

2. Solucionar o problema usando técnicas de circuitos


(análise nodal, análise de malhas, etc.)

3. Transformar os fasores resultantes para o domínio do


tempo.
36

Exemplo

Determine v0(t).

Resposta: v0 = 17,15 cos(4t + 15,96°)

Sem o capacitor, determine o novo v0(t). O que ocorre com


a corrente fornecida pela fonte?
Resposta: v0 = 6,32 cos(4t + 56,56°)
37

Exemplo

Dada uma fonte de tensão senoidal de 100 Vrms em série


com um resistor de 3 ohms, um indutor de 8 ohms e um
capacitor de 4 ohms, determine:
a) a corrente fornecida pela fonte
b) A queda de tensão em cada elemento do circuito
c) Esboce o diagrama fasorial de todas as tensões do
circuito
38

Exemplo

A corrente absorvida por um motor de indução é 60 A e está


atrasada 45° da tensão de alimentação.
Um capacitor conectado e paralelo consome uma corrente
90° adiantada da tensão de alimentação.
Qual deverá ser a corrente do capacitor para que a corrente
total:
a) Seja mínima?
b) Esteja 20° atrasada da tensão gerada?
c) Apresente o diagrama fasorial com as correntes do
circuito e a tensão da fonte para cada caso
Exercícios Sugeridos

• Problemas
• 9.22
• 9.24
• 9.53
• 9.54
• 9.93

• 10.7
• 10.25
• 10.29
• 10.40
• 10.48
39

Você também pode gostar