Você está na página 1de 31

TRANSFERENCIA DE MASSA / REFRIGERAÇÃO

Profª Drª Agnes Cristina Oliveira Mafra

1ℎ 7200
7200𝑠 → 𝑝𝑎𝑟𝑎 ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 7200𝑠 . = = 2ℎ
3600𝑠 3600
2𝑚2 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑐𝑚2
1002 𝑐𝑚2
2𝑚2 . = 2 𝑋 10000𝑐𝑚² = 20.000𝑐𝑚2
1𝑚2

3 𝑎𝑛𝑜𝑠, 4𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠, 14𝑑𝑖𝑎𝑠, 8ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 𝑒 23 𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠


12𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
3𝑎𝑛𝑜𝑠 . = 3𝑋12𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 = 36𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
1𝑎𝑛𝑜
36𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 + 4𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 = 40𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
30𝑑𝑖𝑎𝑠
40𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 . = 40𝑋30𝑑𝑖𝑎𝑠 = 1200𝑑𝑖𝑎𝑠
1𝑚ê𝑠
1200𝑑𝑖𝑎𝑠 + 14𝑑𝑖𝑎𝑠 = 1214𝑑𝑖𝑎𝑠
24ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
1214𝑑𝑖𝑎𝑠 . = 1214𝑋24ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 = 29136ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
1𝑑𝑖𝑎
29136ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 + 8ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 = 29144ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
60𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠
29144ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 . = 29144𝑋60𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 = 1.748.640𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠
1ℎ𝑜𝑟𝑎
1.748.640𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 + 23𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 = 1.748.663𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠
60𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠
1.748.663𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 . = 1.748.663 𝑋 60𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠 = 104.919.780𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠
1𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜

𝑐𝑚
32,2 𝑓𝑡⁄𝑠 2 𝑝𝑎𝑟𝑎 ∴
𝑎𝑛𝑜 2
(31536000)2 𝑠 2 32,2𝑓𝑡
. = 9,945 . 1014
𝑎𝑛𝑜 2 𝑠2
32,2𝑓𝑡
9,945 . 1014 𝑋 = 3,2 . 1016 𝑓𝑡⁄𝑎𝑛𝑜 2
𝑎𝑛𝑜 2
100𝑐𝑚
3,2 . 1016 𝑓𝑡⁄𝑎𝑛𝑜 2 . = 9,75 . 1015 𝑐𝑚⁄𝑎𝑛𝑜²
3,2808𝑓𝑡

15𝑁 15𝑁 1002 𝑐𝑚2 150000𝑁 1𝑃𝑎 1,01325𝑏𝑎𝑟


2
𝑝𝑎𝑟𝑎 𝐵𝐴𝑅 ∴ 2
. 2
= 2
. 2
= 150000𝑃𝑎 .
𝑐𝑚 𝑐𝑚 1𝑚 𝑚 1 𝑁 ⁄𝑚 1,01325. 105 𝑃𝑎
= 1,5𝐵𝐴𝑅
100𝑙𝑏𝑓 . 𝑖𝑛 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝐾𝑤ℎ
3,2808𝑓𝑡 100𝑙𝑏𝑓 . 3,2808𝑓𝑡
100𝑙𝑏𝑓 . 𝑖𝑛 𝑋 = = 8,333248𝑙𝑏𝑓. 𝑓𝑡
39,37𝑖𝑛 39,37
2,778 . 10−7 𝑘𝑤ℎ
8,333248𝑙𝑏𝑓. 𝑓𝑡 . = 0,000003138𝑘𝑤ℎ
0,7376𝑙𝑏𝑓. 𝑓𝑡

30𝑐𝑎𝑙
𝑝𝑎𝑟𝑎 𝐻𝑃

30𝑐𝑎𝑙 1ℎ
𝑋 = 0,00833 𝑐𝑎𝑙 ⁄𝑠
ℎ 3600𝑠

1,341 . 10−3 𝐻𝑃
0,00833 𝑐𝑎𝑙 ⁄𝑠 𝑋 = 0,000046736𝐻𝑃
0,23901 𝑐𝑎𝑙 ⁄𝑠

PRINCIPIO DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA: SISTEMA FECHADO

𝐸𝑁𝐸𝑅𝐺𝐼𝐴 𝐸𝑁𝑇𝑅𝐴𝑁𝐷𝑂 → 𝑆𝐼𝑆𝑇𝐸𝑀𝐴 1 → 2 → 𝐸𝑁𝐸𝑅𝐺𝐼𝐴 𝑆𝐴𝐼𝑁𝐷𝑂


∆𝐸 = 𝐸 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 − 𝐸 𝑠𝑎𝑖
∆𝐸 = ∆𝑈 + ∆𝐸𝑐 + ∆𝐸𝑝

∆𝑈 = 𝑚(𝑢2 − 𝑢1 )
𝑚 2
∆𝐸𝑐 = (𝑣 − 𝑣12 )
2 2
∆𝐸𝑝 = 𝑚𝑔(𝑧2 − 𝑧1 )
Exemplo: Expanção isotérmica de gás perfeito
∆𝐸 = 𝐸 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 − 𝐸 𝑠𝑎𝑖 = 𝑄𝑖𝑠𝑜𝑡 − 𝑊𝑖𝑠𝑜𝑡
𝐸 = 𝑈 + 𝐸𝑐 + 𝐸𝑝 ∴ ∆𝐸 = 0 {𝑇 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡}

𝑊 𝑖𝑠𝑜𝑡𝑒𝑟𝑚𝑖𝑐𝑜 = 𝑄 𝑖𝑠𝑜𝑡é𝑟𝑚𝑖𝑐𝑜
2 2 2
𝑛𝑅𝑇 𝑑𝑣
𝑊𝑖𝑠𝑜𝑡 = ∫ 𝑃𝑑𝑉 = ∫ 𝑑𝑉 = 𝑛𝑅𝑇 ∫
1 1 𝑉 1 𝑉

𝑉2
𝑊𝑖𝑠𝑜𝑡 = 𝑛𝑅𝑇 ln ( ) = 𝑄𝑖𝑠𝑜𝑡
𝑉1
𝑉2 > 𝑉1 ⟹ 𝑊𝑖𝑠𝑜𝑡 𝑒 𝑄𝑖𝑠𝑜𝑡
𝑠ã𝑜 𝑝𝑜𝑠𝑖𝑡𝑖𝑣𝑜𝑠 𝑐𝑜𝑒𝑟𝑒𝑛𝑡𝑒 𝑐𝑜𝑚 𝑎 𝑐𝑜𝑛𝑣𝑒𝑛çã𝑜 !

20/08/2018

Ciclo do ar
condicionado

Similar!

∫ 𝑇1 𝛿𝑤 ≠ ∫ 𝑇2 𝛿𝑤
𝑇1 → 𝑎𝑏𝑠𝑜𝑟𝑣𝑒 𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑒 𝑝𝑟𝑜𝑑𝑢𝑧 𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙ℎ𝑜 𝑊1−2 = 0
𝑇2 → 𝑟𝑒𝑗𝑒𝑖𝑡𝑎 𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑒 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑜𝑚𝑒 𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙ℎ𝑜 𝑃 > 0 𝑑𝑣 < 0
𝑂𝑏𝑠: 𝑄𝑢𝑎𝑛𝑡𝑜 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑚𝑎𝑖𝑜𝑟 𝑜 𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙ℎ𝑜

Exemplo e aplicação: Panela de Pressão


𝑝𝑒𝑠𝑜 9,8 𝑚⁄𝑠 2 . 0,1𝑘𝑔 2
𝑃𝑟𝑒𝑔 = = −3 2 = 138 . 103𝑘𝑔⁄𝑚𝑠 → 𝑃𝑟𝑒𝑔 = 1,386𝑏𝑎𝑟
á𝑟𝑒𝑎 𝜋(3𝑚 . 10 )
4
𝑅𝑒𝑓𝑃𝑟𝑜𝑝 → 𝑇𝑟𝑒𝑔 = 108,9°𝐶

PRINCIPIO DA CONSERVAÇÃO DA ENERGIA: SISTEMA ABERTO

MASSA QUE ENTRA


Energia térmica,
MASSA QUE SAI
trabalho
SISTEMA
ENERGIA QUE ENTRA ENERGIA QUE SAI
Calor, trabalho (calor, trabalho)

∆𝐸 = (𝐸 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 − 𝐸 𝑠𝑎𝑖) + (𝐸 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 − 𝐸 𝑠𝑎𝑖)𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎


𝑄, 𝑊
𝑑𝐸 𝑑𝐸 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 𝑑𝐸 𝑠𝑎𝑖 𝑑𝐸 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 𝑑𝐸 𝑠𝑎𝑖
=( − ) +( − )
𝑑𝑡 𝑑𝑡 𝑑𝑡 𝑄, 𝑊 𝑑𝑡 𝑑𝑒 𝑚𝑎𝑠𝑠𝑎
As leis da física só são violadas se o tempo fluir ao contrário
𝐵𝑜𝑙𝑡𝑧𝑚𝑎𝑚 → 𝑆 = 𝑘 𝑙𝑜𝑔𝑊
𝐴 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑜𝑝𝑖𝑎 𝑑𝑜 𝑢𝑛𝑖𝑣𝑒𝑟𝑠𝑜 𝑠𝑒𝑚𝑝𝑟𝑒 𝑎𝑢𝑚𝑒𝑛𝑡𝑎:

Menor Maior
desordem desordem

energia

∗ 𝑈𝑚 𝑔á𝑠 𝑝𝑜𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑟 𝑚𝑜𝑑𝑒𝑙𝑎𝑑𝑜 𝑐𝑜𝑚𝑜 𝑢𝑚𝑎 𝑛𝑢𝑣𝑒𝑚 𝑑𝑒 𝑝𝑎𝑟𝑡í𝑐𝑢𝑙𝑎𝑠 𝑒𝑚 𝑐𝑜𝑛𝑠𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒


𝑎𝑔𝑖𝑡𝑎çã𝑜 𝑎𝑙𝑒𝑎𝑡ó𝑟𝑖𝑎!

Energia total liquida Taxa de variação da


Entrando no volume = Energia interna no
De controle (VC) (VC)

Energia total liquida


Entrando no volume = 0 (sistema
De controle (VC) conservativo)

̇ 𝜃𝑘 = (𝑄𝑠̇ + 𝑊̇ 𝑠 ) + ∑ 𝑚𝑘
(𝑄𝑒̇ + 𝑊̇𝑒 ) + ∑ 𝑚𝑘 ̇ 𝜃𝑘
𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎

𝑄̇ − 𝑊̇ = ∑ 𝑚̇ 𝑘 𝜃𝑘 − ∑ 𝑚̇ 𝑘 𝜃𝑘
𝑠𝑎𝑖 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎

𝑣 2𝑘 𝑣 2𝑘
𝑄̇ − 𝑊̇ = ∑ 𝑚̇ 𝑘 (ℎ𝑘 + 𝑔𝑧𝑘 + ) − ∑ 𝑚̇ 𝑘 (ℎ𝑘 + 𝑔𝑧𝑘 + )
2 2
𝑠𝑎𝑖 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎

𝑣𝑘2 𝑣𝑘2
𝑄̇ − 𝑊̇ = ∑ 𝑚𝑘̇ (𝑢𝑘 + 𝑔𝑧𝑘 + + 𝑃𝑉𝑘 ) − ∑ 𝑚𝑘̇ (𝑢𝑘 + 𝑔𝑧𝑘 + + 𝑃𝑉𝑘 )
2 2
𝑠𝑎𝑖 𝑒𝑛𝑡𝑟𝑎

ℎ = 𝑢 + 𝑃𝑉 𝑃𝑉 = 𝑡𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙ℎ𝑜 𝑑𝑒 𝑓𝑙𝑢𝑥𝑜
Na figura (a) a curva indica que a pressão
decresce som o aumento do volume. A
integral fornece o trablho sob a curva,
que é positivo pois o volume aumenta.

Na figura (b) a mudança ocorre em duas


etapas. De (𝑖 → 𝑎) o processo ocorre a
pressão constante (trabalho positivo) na
mudança de (𝑎 → 𝑓) o processo ocorre
a volume constante, ou seja, não realiza
trabalho.

Na figura ( c ) temos um processo que


ocorre a volume constante e um outro
processo que ocorre a pressão
constante. O trabalho é menor neste
caso do que no anterior
Na figura (d) vemos que é possível
minimizar o trabalho realizado pelo gás
tanto quanto queira (𝑖𝑐𝑑𝑓) ou
aumenta-lo a gosto (𝑖𝑔ℎ𝑓). O trabalho
W e o calor Q fornecido ou retirado são
grandezas dependentes da trajetória.

Na figura (e) temos um exemplo de


trabalho negativo, quando uma força
externa comprime o sistema, reduzindo
seu volume.

Na figura (f) temos um ciclo


termodinâmico no qual o sistema é
levado de um estado inicial 𝑖 até um
estado final 𝑓 e então volta para 𝑖.
Durante o ciclo o trabalho total
realizado é positivo, pois:
𝑊𝑒𝑥𝑝𝑎𝑛çã𝑜 > 𝑊𝑐𝑜𝑚𝑝𝑟𝑒𝑠𝑠ã𝑜
27/08/2018
𝑄𝑄 -Reação Nuclear,

Termosolar

Combustão

FLUIDO DE TRABALHO EXECUTANDO MAQUINA


𝑊 𝑙í𝑞𝑢𝑖𝑑𝑜
UM CICLO TERMODINÂMICO TÉRMICA

𝑄𝐹
1-2 compressão isentrópica (bomba)
2-3 aquecimento isotérmico (caldeira)
3-4 Expanção isentrópica (turbina)
4-1 Resfriamento isotérmico (condensador)

* Pressão líquido comprimido é impossivelmente elevada


** Dificil controle da temperatura nas regiões monofásicas.
̇ 𝑑𝑇
𝑞 = −𝑘 . 𝐴 .
𝑑𝑥

10/09/2018
EXERCÍCIOS
Uma máquina reversível tipo Carnot recebe 3000𝑘𝑐𝑎𝑙 de uma fonte quente (vapor a
2,5𝑎𝑡𝑎𝑠 𝑒 150°𝐶) e rejeita calor para o reservatório frio a temperatura de 30°𝐶. Pede-
se:
a) O rendimento do ciclo;
b) O trabalho realizado em HP;
𝑇𝐹 303𝐾
𝑎) 𝜂𝑐 = 1 − = 1− = 1 − 0,7163 = 0,2837 → 28,4%
𝑇𝑄 423𝐾
𝑊𝑐
𝑏) 𝜂𝑐 = = 𝑊𝑐 = 𝜂𝑐 . 𝑄𝑄 = 0,284 . 3000𝐾𝑐𝑎𝑙 = 852𝐾𝑐𝑎𝑙
𝑄𝑄

𝑊𝑐 = 852𝐾𝑐𝑎𝑙 . (1,56 . 10−3 ) = 1,33𝐻𝑃

Uma máquina térmica, recebe 500000 𝐾𝑐𝑎𝑙⁄ℎ de uma fonte quente, e produz uma
potencia de 250𝐻𝑃. Calcular:
a) Fluxo de calor transferido para a fonte fria
b) O rendimento térmico da máquina
c) A variação da entalpia que ocorre na fonte quente e na fonte fria cujas
temperaturas são respectivamente 400°𝐶 𝑒 50°𝐶

𝐹𝑄 = 400°𝐶 → 400 + 273 = 673𝐾

𝐹𝐹 = 50°𝐶 → 50 + 273 = 323𝐾


𝑊𝑐 = 250𝐻𝑃 → 250 . 640,85 = 160212,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑄𝑄 = 500000 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ

𝑄𝐹 =?
𝑎) 𝑊𝑐 = 𝑄𝑄 − 𝑄𝐹 ∴ 𝑄𝐹 = 𝑄𝑄 − 𝑊𝐶 ∴ 𝑄𝐹 = 500000 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ − 160212,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ

𝑄𝐹 = 339787,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑊𝑐 160212,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑏) 𝜂𝑐 = ∴ 𝜂𝑐 = ∴ 𝜂𝑐 = 0,32%
𝑄𝑄 500000 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑄𝐹 339787,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝜂𝑐 = 1 − ∴ 𝜂𝑐 = 1 − ∴ 𝜂𝑐 = 1 − 0,679 = 0,32%
𝑄𝑄 500000 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑄
𝑐) 𝑆 =
𝑇
−500000 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑆𝐹𝑄 = = −742,94 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄𝐾ℎ (𝑛𝑒𝑔𝑎𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑝𝑜𝑟𝑞𝑢𝑒 𝑐𝑒𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟)
673𝐾
500000 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝑆𝐹𝐹 = = 1547,99 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄𝐾ℎ (𝑝𝑜𝑠𝑖𝑡𝑖𝑣𝑜 𝑝𝑜𝑟𝑞𝑢𝑒 𝑟𝑒𝑐𝑒𝑏𝑒 𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟)
323𝐾

Uma máquina de Carnot funciona entre duas fontes de calor. Sabe-se que, funcionando
com um motor térmico ela fornece uma potencia de 3600 𝐵𝑡𝑢⁄ℎ, funcionando com
refrigerador ela tem COP de 2, funcionando como uma bomba de calor tem COP de 3.
Sendo 𝑄1 𝑒 𝑄2 o calor fornecido pela fonte quente ao motor de Carnot e o calor
rejeitado pelo mesmo a fonte fria respectivamente. Determine de forma literal a
condição que torna possível ao dispositivo operar segundo as condições descritas.

𝑄𝐹 𝑄𝐹 𝑄𝐹
𝑃𝑎𝑟𝑎 𝑒𝑠𝑓𝑟𝑖𝑎𝑟 𝐶𝐷 = ∴ 𝐶𝐷 = ∴ 2= ∴ 𝑄𝐹 = 2 . (𝑄𝑄 − 𝑄𝐹 )
𝑊𝑐 𝑄𝑄 − 𝑄𝐹 𝑄𝑄 − 𝑄𝐹
3
𝑄𝐹 = 2𝑄𝑄 − 2𝑄𝐹 ∴ 2𝑄𝑄 = 𝑄𝐹 + 2𝑄𝐹 ∴ 2𝑄𝑄 = 3𝑄𝐹 ∴ 𝑄𝑄 = 𝑄
2 𝐹
𝑄𝑄 𝑄𝑄 𝑄𝑄
𝑃𝑎𝑟𝑎 𝑎𝑞𝑢𝑒𝑐𝑒𝑟 𝐶𝐷 = ∴ 𝐶𝐷 = ∴ 3= ∴ 𝑄𝑄 = 3 . (𝑄𝑄 − 𝑄𝐹 )
𝑊𝑐 𝑄𝑄 − 𝑄𝐹 𝑄𝑄 − 𝑄𝐹
3
𝑄𝑄 = 3𝑄𝑄 − 3𝑄𝐹 ∴ 3𝑄𝐹 = 3𝑄𝑄 − 𝑄𝑄 ∴ 3𝑄𝐹 = 2𝑄𝑄 ∴ 𝑄𝑄 = 𝑄
2 𝐹
Duas máquinas de Carnot são colocadas em série entre 2 reservatórios térmicos, cujas
temperaturas são 327°C e 45°C. Sabendo-se que a primeira máquina recebe 100𝑘𝑐𝑎𝑙
do reservatório quente e que as 2 máquinas tem o mesmo rendimento térmico,
pergunta-se:
a) A temperatura na qual o calor é rejeitado pela 1ª máquina e recebido pela 2ª;
b) Os trabalhos desenvolvidos pelas máquinas (𝑘𝑔𝑓 . 𝑚);
c) O calor rejeitado pela 2ª máquina (𝑘𝑐𝑎𝑙)

𝑇𝑄 − 𝑇𝑋 𝑇𝑋 − 𝑇𝐹
𝑎) = ∴ 𝑇𝑋 (𝑇𝑄 − 𝑇𝑋 ) = 𝑇𝑄 (𝑇𝑋 − 𝑇𝐹 )
𝑇𝑄 𝑇𝑋

𝑇𝑋 (600𝐾 − 𝑇𝑋 ) = 600𝐾(𝑇𝑋 − 318𝐾) ∴ 600𝑇𝑋 − (𝑇𝑋 )2 = 600𝑇𝑋 − 190800

𝑇𝑋2 = 190800 ∴ 𝑇𝑋 = √190800 ∴ 𝑇𝑋 = 436,8𝐾


436,8𝐾 − 273 = 163,8°𝐶
𝑇𝑋 = 163,8°𝐶

𝑊𝑅1
𝑏) 𝜂𝑅1 = ∴ 𝑊𝑅1 = 𝜂𝑅1 . 𝑄1
𝑄1
𝑇𝑋 436𝐾
𝜂𝑅1 = 1 − ∴ 𝜂𝑅1 = ∴ 𝜂𝑅1 = 0,272
𝑇𝑄 600𝐾

𝑊𝑅1 = 0,272 . 100𝑘𝑐𝑎𝑙 = 27,2𝑘𝑐𝑎𝑙 (𝑏)


𝑄1 − 𝑄
𝜂𝑅1 = ∴ 𝜂𝑅1 . 𝑄1 = 𝑄1 − 𝑄 ∴ 𝑊𝑅1 − 𝑄1 = −𝑄 ∴ 𝑄 = 𝑄1 − 𝑊𝑅1
𝑄1
𝑄 = 100𝑘𝑐𝑎𝑙 − 27,2𝑘𝑐𝑎𝑙 = 72,8𝑘𝑐𝑎𝑙 (𝑏)
𝑊𝑅2
𝜂𝑅2 = ∴ 𝑊𝑅2 = 𝜂𝑅2 . 𝑄 ∴ 𝑊𝑅2 = 0,272 . 72,8𝑘𝑐𝑎𝑙 = 19,8𝑘𝑐𝑎𝑙 (𝑏)
𝑄
𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑡𝑟𝑎𝑛𝑠𝑓𝑜𝑟𝑚𝑎𝑟 𝑘𝑐𝑎𝑙 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑘𝑔𝑓. 𝑚
𝑊𝑅1 = 27,2𝑘𝑐𝑎𝑙 . 427 𝑘𝑔𝑓. 𝑚⁄𝑘𝑐𝑎𝑙 = 11614,4𝑘𝑔𝑓. 𝑚
𝑊𝑅2 = 19,8𝑘𝑐𝑎𝑙 . 427 𝑘𝑔𝑓 . 𝑚⁄𝑘𝑐𝑎𝑙 = 8454,6𝑘𝑔𝑓. 𝑚
𝑐) 𝑊𝑅2 = 𝑄 − 𝑄2 ∴ 𝑄2 = 𝑄 − 𝑊𝑅2 ∴ 𝑊𝑅2 = 72,8𝑘𝑐𝑎𝑙 − 19,8𝑘𝑐𝑎𝑙 = 53𝑘𝑐𝑎𝑙

No diagrama da figura tem-se 2 máquinas térmicas reversíveis de Carnot (𝑅1 𝑒𝑅2 ).


Ambas com rendimento de 56%. Sabendo-se que 𝑄1 = 15000𝑘𝑐𝑎𝑙, calcular:
a) O calor rejeitado 𝑄2 para a fonte fria em 𝑘𝑐𝑎𝑙;
b) O trabalho da máquina 𝑅2 em 𝑘𝑊 ⁄ℎ;
c) O calor a ser recebido pela máquina 𝑅3 e também reversível de Carnot, que fosse
entre as mesmas fontes de forma a substituir a operação das duas primeiras
(𝑊3 = 𝑊2 + 𝑊1 ) e cujo rendimento seja 86,4%

𝑄1 − 𝑄
𝑎)𝜂𝑅1 = ∴ 𝜂𝑅1 . 𝑄1 = 𝑄1 − 𝑄 ∴ 𝑊𝑅1 − 𝑄1 = −𝑄 ∴ 𝑄 = 𝑄1 − 𝑊𝑅1
𝑄1
𝑄 = 15000𝑘𝑐𝑎𝑙 − (0,56 . 15000𝑘𝑐𝑎𝑙) ∴ 𝑄 = 15000𝑘𝑐𝑎𝑙 − 8400𝑘𝑐𝑎𝑙
𝑄 = 6600𝑘𝑐𝑎𝑙

𝑄 − 𝑄2
𝜂𝑅2 = ∴ 𝜂𝑅2 . 𝑄 = 𝑄 − 𝑄2 ∴ 𝑄2 = 𝑄 − (𝜂𝑅2 . 𝑄)
𝑄
𝑄2 = 6600 − (0,56 . 6600)
𝑄2 = 6904𝑘𝑐𝑎𝑙
𝑊𝑅2
𝑏) 𝜂𝑅2 = ∴ 𝑊𝑅2 = 𝜂𝑅2 . 𝑄 ∴ 𝑊𝑅2 = 0,56 . 6600𝑘𝑐𝑎𝑙
𝑄
𝑊𝑅2 = 3696𝑘𝑐𝑎𝑙
3696𝑘𝑐𝑎𝑙 . (1,16 . 10−3 ) = 4,3 𝑘𝑊 ⁄ℎ
𝑐) 𝑊3 = 𝑊2 + 𝑊1
𝑊𝑅1
𝜂𝑅1 = ∴ 𝑊𝑅1 = 𝜂𝑅1 . 𝑄1 ∴ 𝑊𝑅1 = 0,56 . 15000𝑘𝑐𝑎𝑙 ∴ 𝑊𝑅1 = 8400𝑘𝑐𝑎𝑙
𝑄1
𝑊3 = 3696𝑘𝑐𝑎𝑙 + 8400𝑘𝑐𝑎𝑙 ∴ 𝑊3 = 12096𝑘𝑐𝑎𝑙
𝑊𝑅3 𝑊𝑅3 12096𝑘𝑐𝑎𝑙
𝜂𝑅3 = ∴ 𝑄3 = ∴ 𝑄3 = ∴ 𝑄3 = 14000𝑘𝑐𝑎𝑙
𝑄3 𝜂𝑅3 0,864

Na figura abaixo se tem 3 maquinas reversíveis de Carnot (𝑀1 , 𝑀2 𝑒 𝐵). As máquinas


𝑀1 𝑒 𝑀2 são motores térmicos com rendimento de 25 e 20% respectivamente e juntas
oferecem o trabalho mecânico necessário para fazer operar a bomba de calor B. A
máquina 𝑀1 absorve da fonte quente 420𝑘𝐽. Determinar:
a) O calor rejeitado pela maquina 𝑀1 em 𝑘𝐽;
b) O trabalho recebido pela troca de calor em B (𝑘𝐽);
c) O COP da máquina de Carnot B, de forma que ela absorva e rejeite as mesmas
quantidades de calor absorvida e rejeitada pelas máquinas 𝑀1 , 𝑀2 , como mostra
a figura.

𝑄1 − 𝑄
𝑎) 𝜂𝑀1 = ∴ 𝑄 = 𝑄1 − (𝜂𝑀1 . 𝑄1 ) ∴ 𝑄 = 420𝑘𝐽 − (0,25 . 420𝑘𝐽)
𝑄1
𝑄 = 420𝑘𝐽 − 105𝑘𝐽 = 315𝑘𝐽

𝑄 − 𝑄2
𝑏) 𝜂𝑅2 = ∴ 𝜂𝑅2 . 𝑄 = 𝑄 − 𝑄2 ∴ 𝑄2 = 𝑄 − (𝜂𝑅2 . 𝑄)
𝑄
𝑄2 = 315𝑘𝐽 − (0,20 . 315𝑘𝐽) = 252𝑘𝐽
𝑊1 = 𝜂1 . 𝑄1 ∴ 𝑊1 = 0,25 . 420𝑘𝑗 = 105𝑘𝐽
𝑊2 = 𝜂2 . 𝑄2 ∴ 𝑊2 = 0,20 . 315𝑘𝑗 = 63𝑘𝐽
𝑊3 = 𝑊1 + 𝑊2 ∴ 𝑊3 = 105𝑘𝐽 + 63𝑘𝑗 = 168𝑘𝐽

𝑐) 𝑎 𝑚á𝑞𝑢𝑖𝑛𝑎 𝐵 𝑒𝑠𝑡𝑎 𝑎𝑞𝑢𝑒𝑐𝑒𝑛𝑑𝑜, 𝑙𝑜𝑔𝑜:


𝑄1 420𝑘𝐽
𝐶𝐷𝐵 = ∴ 𝐶𝐷𝐵 = ∴ 𝐶𝐷𝐵 = 2,5
𝑄1 − 𝑄2 420𝑘𝐽 − 252𝑘𝐽

Quais os valores máximos teóricos do COP para um refrigerador com interior a 2°𝐶 e
temperaturas ambientes 12°𝐶 𝑜𝑢 30°𝐶?
𝑇𝐴 = 12°𝐶 → 12 + 273 = 285𝐾
𝑇𝐵 = 2°𝐶 → 2 + 273 = 275𝐾
𝑇𝐵 275𝐾
𝐶𝑂𝑃𝑀Á𝑋𝐼𝑀𝑂 = ∴ 𝐶𝑂𝑃𝑀Á𝑋𝐼𝑀𝑂 = ∴ 𝐶𝑂𝑃𝑀Á𝑋𝐼𝑀𝑂 = 27,5
𝑇𝐴 − 𝑇𝐵 285𝐾 − 275𝐾
𝑇𝐴 = 30°𝐶 → 30 + 273 = 303𝐾
𝑇𝐵 = 2°𝐶 → 2 + 273 = 275𝐾
𝑇𝐵 275𝐾
𝐶𝑂𝑃𝑀Á𝑋𝐼𝑀𝑂 = ∴ 𝐶𝑂𝑃𝑀Á𝑋𝐼𝑀𝑂 = ∴ 𝐶𝑂𝑃𝑀Á𝑋𝐼𝑀𝑂 = 9,8
𝑇𝐴 − 𝑇𝐵 303𝐾 − 275𝐾
REFRIGERAÇÃO

Profª Drª Agnes Cristina Oliveira Mafra

1ℎ 7200
7200𝑠 → 𝑝𝑎𝑟𝑎 ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 7200𝑠 . = = 2ℎ
3600𝑠 3600
2𝑚2 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑐𝑚2
1002 𝑐𝑚2
2𝑚2 . = 2 𝑋 10000𝑐𝑚² = 20.000𝑐𝑚2
1𝑚2

3 𝑎𝑛𝑜𝑠, 4𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠, 14𝑑𝑖𝑎𝑠, 8ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 𝑒 23 𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠


12𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
3𝑎𝑛𝑜𝑠 . = 3𝑋12𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 = 36𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
1𝑎𝑛𝑜
36𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 + 4𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 = 40𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠
30𝑑𝑖𝑎𝑠
40𝑚𝑒𝑠𝑒𝑠 . = 40𝑋30𝑑𝑖𝑎𝑠 = 1200𝑑𝑖𝑎𝑠
1𝑚ê𝑠
1200𝑑𝑖𝑎𝑠 + 14𝑑𝑖𝑎𝑠 = 1214𝑑𝑖𝑎𝑠
24ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
1214𝑑𝑖𝑎𝑠 . = 1214𝑋24ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 = 29136ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
1𝑑𝑖𝑎
29136ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 + 8ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 = 29144ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠
60𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠
29144ℎ𝑜𝑟𝑎𝑠 . = 29144𝑋60𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 = 1.748.640𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠
1ℎ𝑜𝑟𝑎
1.748.640𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 + 23𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 = 1.748.663𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠
60𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠
1.748.663𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜𝑠 . = 1.748.663 𝑋 60𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠 = 104.919.780𝑠𝑒𝑔𝑢𝑛𝑑𝑜𝑠
1𝑚𝑖𝑛𝑢𝑡𝑜

𝑐𝑚
32,2 𝑓𝑡⁄𝑠 2 𝑝𝑎𝑟𝑎 ∴
𝑎𝑛𝑜 2
(31536000)2 𝑠 2 32,2𝑓𝑡
. = 9,945 . 1014
𝑎𝑛𝑜 2 𝑠2
32,2𝑓𝑡
9,945 . 1014 𝑋 = 3,2 . 1016 𝑓𝑡⁄𝑎𝑛𝑜 2
𝑎𝑛𝑜 2
100𝑐𝑚
3,2 . 1016 𝑓𝑡⁄𝑎𝑛𝑜 2 . = 9,75 . 1015 𝑐𝑚⁄𝑎𝑛𝑜²
3,2808𝑓𝑡

15𝑁 15𝑁 1002 𝑐𝑚2 150000𝑁 1𝑃𝑎 1,01325𝑏𝑎𝑟


2
𝑝𝑎𝑟𝑎 𝐵𝐴𝑅 ∴ 2
. 2
= 2
. 2
= 150000𝑃𝑎 .
𝑐𝑚 𝑐𝑚 1𝑚 𝑚 1 𝑁 ⁄𝑚 1,01325. 105 𝑃𝑎
= 1,5𝐵𝐴𝑅
100𝑙𝑏𝑓 . 𝑖𝑛 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝐾𝑤ℎ
3,2808𝑓𝑡 100𝑙𝑏𝑓 . 3,2808𝑓𝑡
100𝑙𝑏𝑓 . 𝑖𝑛 𝑋 = = 8,333248𝑙𝑏𝑓. 𝑓𝑡
39,37𝑖𝑛 39,37
2,778 . 10−7 𝑘𝑤ℎ
8,333248𝑙𝑏𝑓. 𝑓𝑡 . = 0,000003138𝑘𝑤ℎ
0,7376𝑙𝑏𝑓. 𝑓𝑡

30𝑐𝑎𝑙
𝑝𝑎𝑟𝑎 𝐻𝑃

30𝑐𝑎𝑙 1ℎ
𝑋 = 0,00833 𝑐𝑎𝑙 ⁄𝑠
ℎ 3600𝑠

1,341 . 10−3 𝐻𝑃
0,00833 𝑐𝑎𝑙 ⁄𝑠 𝑋 = 0,000046736𝐻𝑃
0,23901 𝑐𝑎𝑙 ⁄𝑠

03/09/2018
Exercício 18.1
Suponha que vc encontre notas científicas antigas que descrevem uma escala de
temperatura chamada de Z na qual o ponto de ebulição da água é 65,0°𝑍 e o ponto de
congelamento é −14,0°𝑍. A quanto uma temperatura 𝑇 = 98,0°𝑍 corresponde na
escala Fahrenheit? Supponha que a escala Z é linear, o tamanho de um grau Z é o mesmo
em toda a escala Z

−98,0 − 65 𝑇 − 212
=
−14 − 65 32 − 212
Exercício 18.3
(a) Que quantidade de calor deve absolver uma mostra de gelo com massa 𝑚 =
720𝑔 a −10°𝐶 para ser levada ao estado líquido a 15°𝐶?

𝐴𝑞𝑢𝑒𝑐𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑜 𝑔𝑒𝑙𝑜
𝑇𝑖 = −10°𝐶
𝑇𝑓 = 0°𝐶

𝐶𝑔𝑒𝑙𝑜 = 2220 𝐽⁄𝑘𝑔. 𝐾

𝑄 = 𝑐 . 𝑚 . ∆𝑇

𝑄1 = 𝑐𝑔𝑒𝑙𝑜 . 𝑚 . (𝑇𝑓 − 𝑇𝑖 )

𝑄1 = (2220 𝐽⁄𝑘𝑔. 𝐾 ). (0,720𝑘𝑔). [0°𝐶 − (−10°𝐶)]


𝑄1 = (2220 𝐽⁄𝑘𝑔. 𝐾 ). (0,720𝑘𝑔). (10°𝐶)
𝑄1 = 15984𝐽 = 15,98𝑘𝐽
𝐹𝑢𝑠ã𝑜 𝑑𝑜 𝑔𝑒𝑙𝑜
𝑄 = 𝐿 .𝑚
𝐿𝑓 = 333 𝑘𝐽⁄𝑘𝑔

𝑄2 = 𝐿𝑓 . 𝑚

𝑄2 = (333 𝑘𝐽⁄𝑘𝑔). (0,72𝑘𝑔)


𝑄2 = 239,76𝑘𝐽
𝐴𝑞𝑢𝑒𝑐𝑖𝑚𝑒𝑛𝑡𝑜 𝑑𝑎 á𝑔𝑢𝑎
𝑇𝑖 = 0°𝐶
𝑇𝑓 = 15°𝐶

𝐶á𝑔𝑢𝑎 = 4190 𝐽⁄𝑘𝑔. 𝐾

𝑄 = 𝑐 . 𝑚 . ∆𝑇

𝑄3 = 𝑐á𝑔𝑢𝑎 . 𝑚 . (𝑇𝑓 − 𝑇𝑖 )

𝑄3 = (4190 𝐽⁄𝑘𝑔. 𝐾 ). (0,720𝑘𝑔). [15°𝐶 − (0°𝐶)]


𝑄3 = (4190 𝐽⁄𝑘𝑔. 𝐾 ). (0,720𝑘𝑔). (15°𝐶)
𝑄3 = 45252𝐽 ≈ 45,25𝑘𝐽
𝑇𝑂𝑇𝐴𝐿
𝑄𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 𝑄1 + 𝑄2 + 𝑄3
𝑄𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 15,98𝑘𝐽 + 239,76𝑘𝐽 + 45,25𝑘𝐽
𝑄𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 = 300,99𝑘𝐽

(b) Se fornecermos ao gelo uma energia total de apenas 210𝑘𝐽 (sob a forma de
calor), quais são o estado final da amostra e sua temperatura?
𝑄𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑟𝑒𝑠𝑡𝑎𝑛𝑡𝑒 = 210𝑘𝐽 − 15,98𝑘𝐽 = 194,02𝑘𝐽 ≈ 194𝑘𝐽
𝑄𝑅 194𝑘𝐽
𝑚= ∴ 𝑚= ∴ 𝑚 = 0,58𝑘𝑔
𝐿𝑓 333 𝑘𝐽⁄𝑘𝑔

720𝑔 − 580𝑔 = 140𝑔


580𝑔 𝑑𝑒 á𝑔𝑢𝑎 𝑒 140𝑔 𝑑𝑒 𝑔𝑒𝑙𝑜 𝑎 0°𝐶
𝐼 − 𝑄 = 𝑚𝑐∆𝑇
𝐼𝐼 − 𝑄 = 𝑚𝐿
𝐼𝐼𝐼 − 𝑞 = 𝑚𝑐∆𝑇

Exercício 18.4
Uma barra de cobre cuja massa 𝑚𝑐 = 75𝑔 é aquecida em forno até a temperatura 𝑇 =
312°𝐶. A barra é então colocada em um béquer de vidro contendo uma massa de água
𝑚𝑎 = 220𝑔. A capacidade calorífica do béquer é 𝐶𝑏 = 45 𝑐𝑎𝑙⁄𝐾 . A temperatura inicial
do béquer e da água é 𝑇𝑖 = 12°𝐶. Supondo que a barra, o béquer e a água são um
sistema isolado e que a água não evapora, encontre a temperatura final do sistema em
equilíbrio térmico.
𝑚𝑐 = 75𝑔
𝑇𝐹 = 312°𝐶
𝑚𝑎 = 220𝑔
−𝑄𝑐𝑜𝑏𝑟𝑒 = 𝑄á𝑔𝑢𝑎 + 𝑄𝑏é𝑞𝑢𝑒𝑟

−𝑚𝑐 . 𝑐𝑃 𝑐𝑜𝑏𝑟𝑒 . ∆𝑇𝑐𝑜𝑏𝑟𝑒 = 𝑚𝑎 . 𝐶𝑝𝑎 . ∆𝑇𝑎 + 𝑚𝑏 . 𝐶𝑝𝑏 . ∆𝑇𝑏


0,0923𝑐𝑎𝑙
−75𝑔 . . (𝑇𝑒𝑞 − 312)°𝐶
𝑔°𝐶
1𝑐𝑎𝑙 45𝑐𝑎𝑙
= 220𝑔 . . (𝑇𝑒𝑞 − 12)°𝐶 + . (𝑇𝑒𝑞 − 12)°𝐶
𝑔°𝐶 °𝐶
−6,9225𝑐𝑎𝑙 220
. (𝑇𝑒𝑞 − 312)°𝐶 = . (𝑇𝑒𝑞 − 12)°𝐶 + 45𝑐𝑎𝑙 𝑇𝑒𝑞 − 540
°𝐶 °𝐶
−6,9225𝑐𝑎𝑙 𝑇𝑒𝑞 + 2159,82 = 220 𝑇𝑒𝑞 − 2640 + 45𝑐𝑎𝑙 𝑇𝑒𝑞 − 540

−6,9225𝑐𝑎𝑙 𝑇𝑒𝑞 − 220 𝑇𝑒𝑞 − 45𝑐𝑎𝑙 𝑇𝑒𝑞 = −2159,82 − 3180

−271,9225𝑐𝑎𝑙𝑇𝑒𝑞 = −5339,82
−5339,82
𝑡𝐸𝑄 = = 19,64°𝐶
−271,9225

EL 531
∆𝑈 + ∆𝐸𝐶 + ∆𝐸𝑃 = 𝑄 + 𝑊

Exercicio R 1.2.1
Um equipamento condicionador de ar deve manter uma sala, de 15m de comprimento,
6m de largura e 3m de altura a 22°C. As paredes da sala, de 25cm de espessura, são
feitas de tijolos com condutividade térmica de 0,14 𝐾𝑐𝑎𝑙⁄ℎ. 𝑚. °𝐶 e a área das janelas
podem ser consideradas desprezíveis. A face externa das paredes pode estar até a 40°C
em um dia de verão. Desprezando a troca de calor pelo piso e pelo teto, que estão bem
isolados, pede-se o calor a ser extraído da pelo condicionador (em HP).
OBS: 1𝐻𝑃 = 641,2 𝐾𝑐𝑎𝑙⁄ℎ

𝑇1 = 40°𝐶 𝑇2 = 22°𝐶
𝑘 = 0,14 𝐾𝑐𝑎𝑙⁄ℎ. 𝑚. °𝐶
𝐿 = 25𝑐𝑚 = 0,25𝑚
𝑠𝑎𝑙𝑎: 6𝑋15𝑋3
Para o cálculo da área de transferencia de calor desprezamos as áreas do teto e do
piso, onde a transferencia de calor é desprezível. Desconsiderando a influência das
janelas, a área das paredes é:

𝐴 = 2𝑋(6𝑋3) + 2𝑋(15𝑋3) = 126𝑚²


Considerando que a área das quinas das paredes, onde deve ser levada em conta a
transferencia de calor bidimensional, é pequena em relação ao resto, podemos utilizar
a equação 1.3:
𝑘 .𝐴
𝑞̇ = . (𝑇1 − 𝑇2 )
𝐿
(0,14 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ. 𝑚. °𝐶) . (126𝑚2 )
𝑞̇ = . (40°𝐶 − 22°𝐶) = 1270 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
0,25𝑚
1𝐻𝑃
𝑞̇ = 1270 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . = 1,979𝐻𝑃
641,2 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ
𝐴 𝑝𝑜𝑡𝑒𝑛𝑐𝑖𝑎 𝑟𝑒𝑞𝑢𝑒𝑟𝑖𝑑𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑐𝑜𝑛𝑑𝑖𝑐𝑖𝑜𝑛𝑎𝑑𝑜𝑟 𝑑𝑒 𝑎𝑟 𝑚𝑎𝑛𝑡𝑒𝑟 𝑎 𝑠𝑎𝑙𝑎 𝑟𝑒𝑓𝑟𝑖𝑔𝑒𝑟𝑎𝑑𝑎 é:
𝑞̇ = 2𝐻𝑃
Exercício R.1.2.2
Uma camada de material refratário (𝑘 = 1,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ. 𝑚. °𝐶) de 50𝑚𝑚 de espessura
está localizada entre duas chapas de aço (𝑘 = 45 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶 ) de 6,3𝑚𝑚 de
espessura. AS faces da camada refratárias adjacentes, as placas são rugosas de modo
que apenas 30% da área total esta em contato com o aço. Os espaços vazios são
ocupados por ar (𝑘 = 0,013 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶 ) e a espessura média da rugosidade de
0,8𝑚𝑚.
Considerando que as temperaturas das superfícies externas da placa de aço são
430°𝐶 𝑒 90°𝐶, respectivamente, calcule o fluxo de calor que se estabelece na parede
composta. OBS: na parede rugosa o ar esta parado (considerar apenas a condução).

𝑘𝑎ç𝑜 = 45 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶

𝑘𝑟𝑒𝑓 = 1,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶

𝑘𝑎𝑟 = 0,013 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶


𝐿𝑎ç𝑜 = 6,3𝑚𝑚 = 0,0063𝑚

𝐿𝑟𝑒𝑓 = 50𝑚𝑚
𝐿′𝑟𝑒𝑓 = 50𝑚𝑚 − (2𝑋0,8𝑚𝑚) = 48,4𝑚𝑚 = 0,0484𝑚

𝐿𝑟𝑢𝑔 = 0,8𝑚𝑚 = 0,0008𝑚

𝑇1 = 430°𝐶
𝑇2 = 90°𝐶
O circuito equivalente para a parede composta é:

Cálculo das resistências térmicas (para uma área unitária)


𝐿𝑎ç𝑜 0,0063𝑚
𝑅1 = = = 0,00014 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙
𝑘áç𝑜 . 𝐴 45 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶 . 1
𝐿𝑟𝑢𝑔 0,0008𝑚
𝑅2 = = = 0,08791 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙
𝑘𝑎𝑟 . 𝐴 0,013 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶 . (0,7 . 1)
𝐿𝑟𝑢𝑔 0,0008𝑚
𝑅3 = = = 0,0018 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙
𝑘𝑟𝑒𝑓 . 𝐴 1,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶 . (0,3 . 1)
𝐿𝑟𝑒𝑓 0,0484𝑚
𝑅4 = = = 0,0323 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙
𝑘𝑟𝑒𝑓 . 𝐴 1,5 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ . 𝑚 . °𝐶 . 1

A resistência equivalente à parede rugosa (refratário em paralelo com o ar) é:


1 1 1 1 1 0,0018 + 0,08791
= + = + =
𝑅2∕∕3 𝑅2 𝑅3 0,08791 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙 0,0018 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙 0,000158238
0,08971
=
0,000158238
1 1
= 566,9308 ∴ 𝑅2∕∕3 = = 0,00176 ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙
𝑅2∕∕3 566,9308

A resistência total, agora é obtida por meio de uma associação em série:

𝑅𝑡 = 𝑅1 + 𝑅2//3 + 𝑅4 + 𝑅2//3 + 𝑅1 = 0,0361ℎ . °𝐶 ⁄𝐾𝑐𝑎𝑙

𝑈𝑚 𝑓𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟 é 𝑠𝑒𝑚𝑝𝑟𝑒 𝑜 (𝐷𝑇)𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑠𝑜𝑏𝑟𝑒 𝑎 𝑅𝑡 , 𝑒𝑛𝑡ã𝑜:


(∆𝑇)𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑇1 − 𝑇2 430 − 90
𝑞̇ = = = = 9418𝐾 𝑐𝑎𝑙⁄ℎ
𝑅𝑡 𝑅𝑡 0,0361
Exercício R.1.2.3. Uma parede de um forno é constituída de duas camadas : 0,20 m de
tijolo refratário (k = 1,2 kcal/h.m.oC) e 0,13 m de tijolo isolante (k = 0,15 kcal/h.m.oC).
A temperatura da superfície interna do refratário é 1675 oC e a temperatura da
superfície externa do isolante é 145 oC. Desprezando a resistência térmica das juntas
de argamassa, calcule :
a) o calor perdido por unidade de tempo e por m2 de parede;
b) a temperatura da interface refratário/isolante.

𝑎) 𝐶𝑜𝑛𝑠𝑖𝑑𝑒𝑟𝑎𝑛𝑑𝑜 𝑢𝑚𝑎 á𝑟𝑒𝑎 𝑢𝑛𝑖𝑡á𝑟𝑖𝑎 𝑑𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 (𝐴 = 𝐴1 = 𝐴2 = 1𝑚2 ). 𝑡𝑒𝑚𝑜𝑠:

(∆𝑇)𝑡𝑜𝑡𝑎𝑙 𝑇1 − 𝑇3 𝑇1 − 𝑇3
𝑞̇ = = =
𝑅1 𝑅𝑟𝑒𝑓 + 𝑅𝑖𝑠𝑜 𝐿1 𝐿
+ 2
𝑘1 . 𝐴 𝑘2 . 𝐴

1675 − 145 1530


𝑞̇ = ∴ 𝑞̇ = ∴ 𝑞̇ = 1479,6 𝑘𝑐𝑎𝑙 ⁄ℎ 𝑝𝑜𝑟 𝑚²
0,20 0,13 0,167 + 0,867
1,2 . 1 + 0,15 . 1

𝑏) 𝑜 𝑓𝑙𝑢𝑥𝑜 𝑑𝑒 𝑐𝑎𝑙𝑜𝑟 𝑡𝑎𝑚𝑏é𝑚 𝑝𝑜𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑟 𝑐𝑎𝑙𝑐𝑢𝑙𝑎𝑑𝑜 𝑒𝑚 𝑐𝑎𝑑𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 𝑖𝑛𝑑𝑖𝑣𝑖𝑑𝑢𝑎𝑙.

𝑁𝑎 𝑝𝑎𝑟𝑒𝑑𝑒 𝑑𝑒 𝑟𝑒𝑓𝑟𝑎𝑡á𝑟𝑖𝑜, 𝑜𝑏𝑡𝑒𝑚𝑜𝑠:

𝑇1 − 𝑇2 𝑇1 − 𝑇2 𝑘1 . 𝐴
𝑞̇ = = = . (𝑇1 − 𝑇2 )
𝑅𝑟𝑒𝑓 𝐿1 𝐿1
𝑘1 . 𝐴

1,2 . 1
1479,6 = . (1675 − 𝑇2 )
0,20
1479,6 = 6 . (1675 − 𝑇2 )

1479,6 = 10050 − 6𝑇2

−8570,4 = −6𝑇2

8570,4
𝑇2 = = 1428,4°𝐶
6

Exercício de aplicação da primeira Lei da Termodinâmica (∆𝑈 = 𝑄 − 𝑊). A figura


apresenta um ciclo ABCA realizado por um gás, onde o processo AB é adiabático e
alguns valores de 𝑊, 𝑄 𝑒 ∆𝑈 são dados. Completar a tabela com os valores que
faltam.

𝑊 𝑄 ∆𝑈

𝐴→𝐵 1144𝐽 0 −1144𝐽

𝐵→𝐶 −405𝐽 −1418𝐽 −1013𝐽

𝐶→𝐴 0 2157𝐽 2157𝐽

𝑂 𝑝𝑟𝑜𝑐𝑒𝑠𝑠𝑜 𝐴𝐵 é 𝑎𝑑𝑖𝑎𝑏á𝑡𝑖𝑐𝑜, 𝑝𝑜𝑟𝑡𝑎𝑛𝑡𝑜 𝑄𝐴𝐵 = 0

𝑂 𝑇𝑟𝑎𝑏𝑎𝑙ℎ𝑜 𝑛𝑜 𝑝𝑟𝑜𝑐𝑒𝑠𝑠𝑜 𝐶𝐴 é 𝑛𝑢𝑙𝑜 (𝑑𝑉 = 0) 𝑊𝐶𝐴 = 0

𝑃𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑝𝑟𝑜𝑐𝑒𝑠𝑠𝑜 𝐶𝐴: ∆𝑈𝐶𝐴 = 𝑄𝐶𝐴 − 𝑊𝐶𝐴 ∴ ∆𝑈𝐶𝐴 = 2157𝐽 − 0 = 2157𝐽

𝑃𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 𝑓𝑒𝑐ℎ𝑎𝑑𝑜 𝐴𝐵𝐶𝐴: ∆𝑈𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 0

∆𝑈𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = ∆𝑈𝐴𝐵 + ∆𝑈𝐵𝐶 + ∆𝑈𝐶𝐴 = 0

∆𝑈𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = −1144𝐽 + ∆𝑈𝐵𝐶 + 2157𝐽 = 0

∆𝑈𝐵𝐶 + 1013𝐽 = 0 ∴ ∆𝑈𝐵𝐶 = −1013𝐽


𝑃𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑝𝑟𝑜𝑐𝑒𝑠𝑠𝑜 𝐵𝐶:

∆𝑈𝐵𝐶 = 𝑄𝐵𝐶 − 𝑊𝐵𝐶 ∴ 𝑄𝐵𝐶 = ∆𝑈𝐵𝐶 + 𝑊𝐵𝐶 ∴ 𝑄𝐵𝐶 = −1013𝐽 + (−405𝐽)

𝑄𝐵𝐶 = −1418𝐽

𝑃𝑎𝑟𝑎 𝑎𝑜 𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 𝑓𝑒𝑐ℎ𝑎𝑑𝑜 𝐴𝐵𝐶𝐴, ∆𝑈𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 𝑄𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 − 𝑊𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 0

∴ 𝑄𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 𝑊𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜

𝑊𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 𝑄𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 𝑄𝐴𝐵 + 𝑄𝐵𝐶 + 𝑄𝐶𝐴 = 0 − 1418𝐽 + 2157𝐽 = 739𝐽

𝑊𝑐𝑖𝑐𝑙𝑜 = 𝑊𝐴𝐵 + 𝑊𝐵𝐶 + 𝑊𝐶𝐴

𝑊𝐴𝐵 − 405𝐽 + 0 = 739𝐽

𝑊𝐴𝐵 = 739𝐽 + 405𝐽 = 1144𝐽

𝐶𝑜𝑚𝑜 𝑝𝑜𝑑𝑒 𝑠𝑒𝑟 𝑣𝑒𝑟𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎𝑑𝑜, 𝑝𝑎𝑟𝑎 𝑜 𝑝𝑟𝑜𝑐𝑒𝑠𝑠𝑜 𝐴𝐵 𝑡𝑎𝑚𝑏é𝑚 𝑠𝑒 𝑣𝑒𝑟𝑖𝑓𝑖𝑐𝑎 𝑞𝑢𝑒:


∆𝑈𝐴𝐵 = 𝑄𝐴𝐵 − 𝑊𝐴𝐵