Você está na página 1de 6

INTRODUÇÃO / NORMAS TÉCNICAS

INTRODUÇÃO

Histórico Antes mesmo da linguagem falada, a expressão gráfica foi a primeira forma de comunicação humana, desde os primórdios da civilização o homem utilizou o desenho como instrumento de comunicação. Mesmo depois da introdução da linguagem escrita o desenho continua sendo uma forte expressão na comunicação humana.

continua sendo uma forte expressão na comunicação humana. Pintura Rupestre Gruta de Lascaux, França Fonte: PUTNOKY

Pintura Rupestre Gruta de Lascaux, França

Fonte: PUTNOKY

Conceito O Desenho é a ciência e a arte de representar, graficamente objetos e ideias através de linhas, cores e formas à mão livre ou com instrumentos e materiais adequados. É uma descrição gráfica que nos fornece, mediante linhas a imagem de um objeto que dificilmente poderia ser explicado com palavras.

Classificação

1. Desenho Técnico

Possui como característica principal a precisão absoluta. Pode ser subclassificado em:

Desenho Mecânico: Representa projetos de máquinas; Desenho Arquitetônico: Representa projetos para construção civil; Desenho Topográfico:

Representa levantamentos topográficos; Desenho Cartográfico: Representa cartas e mapas

2. Desenho Artístico

É a representação gráfica da livre expressão da criatividade, podendo ser classificado em

Natural, abstrato, ornamental e publicitário.

3. Desenho Projetivo

É a representação de figuras sólidas, ou seja, de três dimensões, em um plano.

4. Desenho Geométrico

É a representação gráfica com precisão absoluta, de figuras planas, ou seja de até duas

dimensões. Baseia-se portanto na geometria plana.

Normas Técnicas

Todo desenho é executado dentro de padrões estabelecidos e regras de conhecimento geral, que permitem seu entendimento por todos que o utilizem. As Normas técnicas surgem então como a legislação do desenho técnico, sem as quais este não pode existir.

Segundo Montenegro (2001) o desenho técnico não pode ficar sujeito aos gostos e caprichos de cada desenhista, pois o objetivo do desenho é ser utilizado por um número considerável de profissionais que podem estar envolvidos na fabricação de um objeto como uma cadeira, uma máquina ou uma casa.

INTRODUÇÃO / NORMAS TÉCNICAS

Conforme o autor a NBR 10067 (Princípios gerais de representação em desenho técnico) difere apenas em detalhes das normas utilizadas em quase todos os países do mundo. As normas Brasileiras são anotadas pelas iniciais NBR - que significam Normas Brasileiras Registradas; o número que acompanha as iniciais identifica uma norma específica, que foi discutida e aprovada pela ABNT.

A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é a entidade que regulamenta as normas técnicas. Existem normas para as mais variadas atividades e produtos, o que inclui o desenho técnico e o desenho arquitetônico.

Ainda segundo Montenegro (2001) as normas, apesar de não ser uma lei, devem ser adotadas por escritórios particulares, por firmas e por repartições, pois são baseadas em pesquisas e são racionais, tendo por objetivo a unificação e a ordem.

Linhas - largura ou espessura.

Linha Grossa

Linha Média

Linha Fina

Metade da anterior

No desenho arquitetônico o traço grosso tem uma variação de espessura em função da escala. Na escala de 1:50 é de 0,6 ou 0,8 mm, já na escala de 1:100 é de 0,5mm ou 0,6 mm. Essas especificidades serão complementadas em módulos posteriores.

Tipos de Linhas.

Linhas

Traço

Exemplo

Visíveis

Contínuo

Invisíveis

Curto

 
 

De eixo

Traço e ponto

 
 

Formato de Papéis

De acordo com a NBR 10068/87 o papel deverá ter os formatos da série “A”, que é segundo a norma, a série principal. O formato básico para desenhos técnicos é o retângulo de área igual a 1m² e lados medindo 841 mmx1189mm, isto é guardando entre si a relação que existe entre o lado e a digonal do quadrado. O formato básico recebe o nome de A0 ( A zero). Assim temos os seguintes formatos e suas dimensões:

INTRODUÇÃO / NORMAS TÉCNICAS

841 mm

X

Dimensões das Pranchas

Formato

X

Y

a

A0

841

1189

10

A1

594

841

10

A2

420

594

7

A3

297

420

7

A4

210

297

7

A5

148

210

5

Medidas em mm

841 x

7 A4 210 297 7 A5 148 210 5 Medidas em mm 841 x 2 =

2 = 1189 mm

A0

7 A4 210 297 7 A5 148 210 5 Medidas em mm 841 x 2 =
A1 A2 A3 A4 A5 Y 25 a a
A1
A2
A3
A4
A5
Y
25
a
a

CALIGRAFIA TÉCNICA

CALIGRAFIATÉCNICA

O desenho técnico não se faz somente pelo uso de linhas e desenhos de precisão

absoluta. Também utiliza-se da linguagem escrita representada em letras e algarismos.

A caligrafia técnica ou letra bastão, estabelecida após estudos de legibilidade e de

execução, é a simplificação máxima do “desenho” de letras e números. Tal simplificação busca evitar os riscos de dupla interpretação das informações que elas trazem.

O tipo bastão é recomendada pela Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Trata-se de caracteres desenhados com linhas de espessura uniforme, sem enfeites ou serifas.

EXEMPLO COMPARATIVO:

A

BASTÃO

A A

ROMANO

GÓTICO INGLÊS

Os desenhos são compostos de informações escritas, dispostas segundo a hierarquia apresentada a seguir:

Títulos e números, somente maiúsculas de 6mm de altura;

Subtítulos e números, maiúsculas de 5mm de altura;

Subtítulos e números, maiúsculas de 5mm de altura;

Listas de materiais, peças, dimensões e notas em geral, maiúsculas de 4mm de altura;

A ABNT, pela NB-8, dispõe sobre o uso de letras maiúsculas e números na vertical, ou seja, sem inclinação.

Porém,

nos exercícios seguintes de traçado da caligrafia técnica são apresentadas

também letras minúsculas, para que se tornem conhecidas e sejam aprimoradas.

A B C D E F G H I J K L M N O
A
B
C
D
E
F
G
H
I
J
K
L
M
N
O
P
Q
R
S
T
U
V
W
X
Y
Z
1
6
2
7
3
8
4
9
5
0
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UnUCET
DATA:
ARQUITETURA E URBANISMO
DESENHO TÉCNICO I
I- x
ORIENTADOR:
ORIENTADOR:
DATA:
00 / 00 / 0000
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UnUCET PRANCHA: ARQUITETURA E URBANISMO DESENHO TÉCNICO I I- x
UNIVERSIDADE ESTADUAL DE GOIÁS - UnUCET
PRANCHA:
ARQUITETURA E URBANISMO
DESENHO TÉCNICO I
I- x
ORIENTADOR:
ORIENTADOR:
DATA: