Você está na página 1de 43

Eletricidade e Eletrónica

Curso Técnico de Eletrónica, Automação e Comando – EAC77


Ciclo de Formação 2015/2018
2
Amplificadores Operacionais
Amplificador operacional ideal

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


3 Amplificador Operacional Ideal (1/10)
Símbolo Identificação dos Pinos

Um amplificador operacional (ampop) é um


circuito/componente/dispositivo que se apresenta numa
cápsula de 8 terminais.
Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018
4 Amplificador Operacional Ideal (2/10)
Símbolo Identificação dos Pinos

Um amplificador operacional apresenta uma


entrada diferencial e uma saída de um terminal.
Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018
5 Amplificador Operacional Ideal (3/10)

´Uma entrada diferencial é uma entrada composta


por dois terminais, em que o efeito produzido não
depende dos valores de tensão em qualquer um
desses terminais individualmente mas sim da
diferença de tensões/potencial entre esses dois
terminais.
´As entradas têm nome: não-inversora e inversora.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


6 Amplificador Operacional Ideal (4/10)

´Idealmente, o amplificador operacional tem:


´um ganho de tensão infinito;
´impedância de entrada infinita;
´impedância de saída igual a zero.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


7 Amplificador Operacional Ideal (5/10)

´Assim podemos dizer que, idealmente, será uma


fonte de tensão controlada por tensão, como se
mostra no esquema seguinte:

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


8 Amplificador Operacional Ideal
(6/10)
´É claro que na realidade, mesmo que se tente lá
chegar, não é possível fabricar o ampop ideal.
Característica Símbolo Ideal LM741C LF157A
Ganho de tensão em malha aberta AOL Infinito 100 000 200 000
Frequência de ganho um Funidade Infinito 1 MHz 20 MHz
Resistência de entrada Rin Infinito 2 MΩ 1012 Ω
Resistência de saída Rout Zero 75 Ω 100 Ω
Corrente de polarização de entrada Iin(polarização) Zero 80 nA 30 pA
Corrente de offset de entrada Iin(offset) Zero 20 nA 3 pA
Tensão de offset de entrada Vin(offset) Zero 2 mV 1 mV
Relação de rejeição de modo comum CMRR Infinito 90 dB 100 dB

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


9 Amplificador Operacional Ideal (7/10)

´Devido ao ganho de tensão ser tão alto, os offsets de


entrada podem saturar facilmente o amplificador
operacional.
´Esta é a razão para que os circuitos práticos tenham
sempre componentes externos entre a entrada e a
saída, de forma a estabilizar o ganho de tensão.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


10 Amplificador Operacional Ideal (8/10)

´ Tensão de Offset de entrada é a tensão V+ - V- que se verifica


quando o ampop está alimentado mas não ligamos nada
nas suas entradas de sinal (inversora e não-inversora).
´ Idealmente este valor devia ser zero mas, devido a pequenas
imperfeições de construção, existe lá um valor pequeno
embora diferente de zero.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


11 Amplificador Operacional Ideal (9/10)

´ O mesmo raciocínio se aplica para a corrente de offset.


´ AOL significa Amplification Open Lace, isto é, Ganho em
Malha Aberta (quando não há realimentação da saída para
a(s) entrada(s) de sinal – inversora e/ou não-inversora).

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


12 Amplificador Operacional Ideal
(10/10)
´ ACL significa Amplification Closed Lace, Ganho em Malha
fechada, é quando, existe uma ligação entre a saída e uma
entrada ou as duas entradas.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


13
Amplificadores Inversor
Características

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


14 Amplificador Inversor (1/3)

´É o circuito mais básico.


´Utiliza realimentação negativa para estabilizar o
ganho de tensão total.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


15 Amplificador Inversor (2/3)

´A razão porque é necessário estabilizar este


ganho é porque AOL é demasiado elevado e
instável para ser útil sem realimentação.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


16 Amplificador Inversor (3/3)

´Por exemplo, o 741C tem um AOL mínimo de 20 000


e máximo de 200 000.
´Um ganho de tensão desta magnitude e
variabilidade não é útil sem realimentação.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


17 Realimentação Negativa Inversora

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


18 Realimentação Negativa Inversora:
Funcionamento (1/5)
´Uma tensão de entrada vin excita a entrada
inversora através da resistência R1, o que produz
uma tensão de entrada inversora de v2.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


19 Realimentação Negativa Inversora:
Funcionamento (2/5)
´A tensão de entrada amplifica-se pelo ganho de
tensão em malha aberta para produzir uma tensão
de saída invertida.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


20 Realimentação Negativa Inversora:
Funcionamento (3/5)
´A tensão de saída é realimentada até à entrada
através da resistência de realimentação R2, o que
produz uma realimentação negativa porque a
saída está desfasada 180º em relação à entrada.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


21 Realimentação Negativa Inversora:
Funcionamento (4/5)
´Por outras palavras, a qualquer mudança em v2
produzido pela tensão de entrada opõe-se uma
mudança, de sinal contrário, devido ao sinal de
saída.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


22 Realimentação Negativa Inversora:
Funcionamento (5/5)
´É assim que a alimentação negativa estabiliza o
ganho total de tensão:
´Se o ganho de tensão em malha aberta cresce por
alguma razão (ou o sinal de entrada aumentar de
valor), a tensão de saída crescerá e realimentará
mais tensão na entrada inversora.
´Esta realimentação oposta de tensão reduz v2 e
igualando-a sempre a v1

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


23 Realimentação Negativa Inversora:
Massa Virtual (1/4)
´ É um método que permite analisar mais facilmente os
circuitos com ampops.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


24 Realimentação Negativa Inversora:
Massa Virtual (2/4)
´ Este conceito baseia-se no ampop ideal: quando um
ampop é ideal, tem um ganho de tensão em malha aberta
infinito e uma resistência de entrada infinita, pelo que:
´ Como Rin é infinita à i2 é zero
´ Como AOL é infinitoà v2 é zero

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


25 Realimentação Negativa Inversora:
Massa Virtual (3/4)
´ Como i2 é zero, a corrente através de R2 deve ser igual à
corrente de entrada através de R1.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


26 Realimentação Negativa Inversora:
Massa Virtual (4/4)
´ Além disso, como v2 é zero, a massa virtual mostrada na
figura, significa que a entrada inversora atua como uma
massa para tensão, mas como um circuito aberto para a
corrente.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


27 Realimentação Negativa Inversora:
Ganho de Tensão (1/3)
´Se imaginarmos uma massa virtual na entrada
inversora, o extremo direito de R1 é uma massa
virtual, e pode escrever-se:
´vin = iin . R1

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


28 Realimentação Negativa Inversora:
Ganho de Tensão (2/3)
´De maneira similar, o lado esquerdo de R2 é uma
massa para a tensão, e podemos escrever:
´vout = - iin . R2

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


29 Realimentação Negativa Inversora:
Ganho de Tensão (3/3)
´Se dividirmos vout por vin, obtemos o ganho de
tensão do circuito (em malha fechada):
&'
´𝐴"# = −
&(

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


30 Realimentação Negativa Inversora:
Impedância de Entrada
´Em algumas aplicações podemos precisar de uma
impedância de entrada com um valor específico.
´zin(CL) = R1

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


31 Realimentação Negativa Inversora:
Largura de Banda (1/6)
´Em malha aberta este valor é muito baixo.
´Para o 741 a frequência de corte é de 10 Hz
apenas, devido ao elevado ganho em malha
aberta.

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


32 Realimentação Negativa Inversora:
Largura de Banda (2/6)
´No entanto, à medida que, por realimentação
(malha fechada) diminuímos o ganho,
aumentamos a frequência de corte e, assim, a
largura de banda da montagem. Assim:
+,-./0/1
´𝐿𝐵 =
|345 |6(

𝑓89:;<;= - no caso do 741C é igual a 1 MHz

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


33 Realimentação Negativa Inversora:
Largura de Banda (3/6)
´Graficamente

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


34 Realimentação Negativa Inversora:
Largura de Banda (4/6)
´Graficamente:
´Para o efeito, no nosso
caso, a Largura de
Banda é igual à
chamada Frequência
de Corte (fc);

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


35 Realimentação Negativa Inversora:
Largura de Banda (5/6)
´Graficamente:
´Se quisermos passar o
Ganho para decibéis
(dBs), a fórmula a usar
é:
´ACL (dB) = 20 x log ACL

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


36 Realimentação Negativa Inversora:
Largura de Banda (6/6)
´Graficamente:
´Por exemplo, olhando
para o nosso gráfico
acima, para o caso de
ACL = 10 000, teremos
´ACL (dB) = 20 x log 10
000 = 80

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


37
Exemplo
Amplificador Inversor

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


38 Exemplo 1
´ A figura é um circuito equivalente para sinal (não se
representam as tensões contínuas, de alimentação e
outras eventuais), pelo que se pode desprezar o offset
de saída causado pelas correntes de polarização de
offset.
´ A) Qual é o ganho de tensão e a largura de banda em
malha fechada?
´ B) Quanto vale a tensão de saída a 1 KHz?
´ C) E a 1 MHz?

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


39 Exemplo 1 – Solução (1/4)

?@A
´𝐴"# = − = −50
(,@A
(E
´𝐿𝐵 = = 19,6𝐾𝐻𝑧
F@G 6(

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


40 Exemplo 1 – Solução (2/4)

´Nota: Quando baixamos 6dB em ganhos


de tensão, quer dizer que o ganho passou
para metade. É a matemática,….

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


41 Exemplo 1 – Solução (3/4)

´Como 1 MHz é a frequência em que o


ganho é igual a um (unidade), a tensão
de saída a 1MHz É:
´vout = 10 mV pp
Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018
42 Exemplo 1 – Solução (3/4)

´A tensão de saída a 1 KHz vale então:


´vout = 50 (10 mV pp) = 500 mV pp

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018


43
Vamos fazer:

Exercícios
no Quadro

Ana Reis - EE - Ano Letivo 2017/2018