Você está na página 1de 23

Prof. Dr.

Tiago Zenker Gireli


 Transporte de sedimentos
 Morfologia fluvial
 Equilíbrio de meandros
 Embarcações fluviais
 Dimensões básicas de hidrovias
Embarcações fluviais
Embarcações fluviais
 Características gerais desejáveis:

 Calado compatível com a hidrovia


 Dimensões adequadas aos raios de curvatura da hidrovia
 Proteção para os apêndices do casco (lemes, hélices etc)
 Boa manobrabilidade
 Ampla visibilidade
 Recursos para desencalhe
 Autonomia de combustível
 Tratamento da água do rio
 Radar
 Holofote com foco direcional
 Ecobatimento
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Embarcações fluviais
 Tipos de embarcações fluviais

 Automotores
o Emprego nas hidrovias pioneiras (carga movimentada não atinja
valores que compensem a adoção de grandes comboios de empurra)

o Hidrovias consolidadas para cargas de rápida movimentação (granéis


líquidos - maiores velocidades médias de percurso)

 Comboios de empurra
o Sistemas compostos por empurradores e chatas

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Embarcações automotoras

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Comboios de Empurra

 Empurradores
 São embarcações dotadas de meios próprios de propulsão e manobra e destinados a
deslocar chatas de empurra num comboio de empurra.

 dispõem de uma ampla plataforma, aonde encontram-se as estruturas de suportes de


sustentação compostas por perfis

verticais, articulados com as embarcações

que deverão ser movimentadas.

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Comboios de Empurra

 Chatas
o formas predominantemente retilíneas

o facilidade de construção a baixo custo

o Favorece o acoplamento em conjunto para o transporte de cargas

o Dispensam propulsão, leme e tripulação

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Comboios de Empurra

Comboios Hidrovia Tietê - Paraná Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Comboios de Empurra

Comboio Hidrovia Paraná - Paraguai Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Comboios de Empurra

Comboio Rio Madeira Comboio Rio Amazonas

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Dimensões básicas das embarcações
A Superestrutura

Borda livre
Linha d'água
Calado Pontal
A
Boca
Comprimento entre perpendiculares
Comprimento total
CORTE A-A

A ESTIBORDO/BORESTE

PROA
POPA

A BOMBORDO
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Embarcações fluviais
 Dimensões básicas das embarcações
 Comprimento (L): corresponde à distância entre as verticais que passam
pelos extremos de popa e proa

 Boca (B): corresponde à distância entre as verticais tangentes aos


extremos de bombordo e boreste da seção mestra (maior transversal)

 Calado (T): corresponde à distância entre a quilha e a linha d’água da


seção mestra

 Pontal (P): corresponde à altura entre a quilha e o convés principal

 Deslocamento total: corresponde ao peso do volume de água deslocado


pela embarcação

 Porte bruto ou capacidade de carga: corresponde à diferença entre o


deslocamento total e o peso do casco, motor e equipamentos. Costuma ser
citado em tpb (tonelagem de porte bruto)

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Embarcações fluviais
 Capacidade de carga

Barcaça Tietê Comboio Tietê


1.100 t 4 barcaças = 4.400 t

Vagão Hopper Comboio Hopper


55 t 50 vagões = 2.750 t

Caminhão Semi-Reboque
27 t Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Embarcações fluviais
 Capacidade de carga

1 Barcaça Tietê
1.100 t 20 Vagões Hopper 41 Caminhões

1 Comboio
4.400 t 80 Vagões Hopper 163 Caminhões
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Dimensões básicas de hidrovias
Dimensões básicas de hidrovias
 As hidrovias devem atender a certos
requisitos visando garantir a navegação livre e
segura das embarcações tipo

 Condicionada a estudos econômicos e


ambientais

 Custo de transporte é barateado quanto maior


o porte da embarcação, em contrapartida,
acarreta aumento no custo das obras de infra-
estrutura da hidrovia

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Dimensões básicas de hidrovias
 Profundidade mínima:
 T + 0,3 a 0,5 m (na estiagem, trechos restritos com 90% de
probabilidade de profundidades superiores a esta)
 Profundidades menores do que 2xT provocam redução do
rendimento propulsivo com redução de velocidade e aumento do
consumo de combustível

 Largura mínima:
 4,4 B p/ mão dupla sem redução de velocidade
 2,2 B p/ via singela

 Área mínima da seção molhada:


 >5 a 6x BxT (seção mestra) – p/evitar perda de
redimento propulsivo

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Dimensões básicas de hidrovias
 Raio de curvatura:
 Sem restrição de velocidade nas curvas, o raio
mínimo de curvatura deverá ser de 10xL

 Caso admitam-se curvas mais fechadas dever-


se-á adotar sobre-largura (s) de:

L2
s =
2.R
Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli
Dimensões básicas de hidrovias
 Vãos livres
 trecho retilíneo as faces internas dos pilares devem ter distância mínima:
o 4,4B+5 m ou 2x(2,2B+5m) (com cruzamento)
o 2,2B+5 m (sem cruzamento)
 nas curvas cada caso deve ser avaliado

 Altura livre
 Desejável 15 m p/passagem de grandes comboios de empurra (Tietê 7 m)
 Pontes elevadiças
 cabine dos empurradores retrátil

 Velocidade máxima das águas


 Máximo maximorum de 5 m/s contra ou a favor paralela ao rumo de
navegação (potência dos propulsores/manobrabilidade) (trechos restritos)
 Limites recomendados:
o (0°) Vmáx = 2 m/s (para que o transporte não se torne anti-econômico)
o (30 a 45°) Vmáx = 1,2 m/s
o (90°) Vmáx = 0,7 m/s

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Dimensões básicas de hidrovias
 Bacias de evolução ou espera
 Nas margens de 15 a 30 km
 Manobras
 Inversão de curso
 Cruzamentos

 Áreas abrigadas c/ cabeços


 Falta de sinalização noturna
 Condições hidrológico-meteorológicas desfavoráveis
 Arrumação das embarcações

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli


Dimensões básicas de hidrovias
 Bacias de evolução

Prof. Dr. Tiago Zenker Gireli