Você está na página 1de 4

1

LIDERANÇA EM ENFERMAGEM
 Os significados da liderança: “A liderança, como um dos processos que
concretiza a administração de pessoal nas organizações, trata basicamente da
condução ou coordenação de grupos”. KURCGANT
 Ao líder é primordial conhecer a filosofia da instituição, a política de pessoal
adotada e as propostas de trabalho desenvolvidas nessas organizações.
 À medida que aumenta a complexidade das atividades do grupo, aumenta,
também, a necessidade de um líder
 Nos conceitos iniciais de liderança, sua concepção detinha-se nas
características pessoais do líder. Atualmente é considerada como resultante da
soma dos fatores líder, liderados e situação.
 Na literatura das ciências sociais pensa-se liderança como: atributo de uma
posição, como a característica de uma pessoa e como uma categoria de
conduta.
 TIPOS DE LIDERANÇA
 Liderança transformacional – termo utilizado por Burns pela primeira vez em
1978
-Este tipo de liderança caracteriza-se por ter uma forte componente pessoal na
medida em que o líder transformacional motiva os seguidores, introduzindo
mudanças nas suas atitudes de modo a inspirá-los para a realização de objetivos
suportados por valores e ideais.
- O líder transformacional é respeitado pelos seguidores, inspira confiança e é
visto como um exemplo a seguir. O líder transformacional é proactivo e
comporta-se de forma a motivar os seguidores, desafiando-os a superar os seus
limites e a procurar soluções criativas e estimulantes para a resolução de
problemas.
- O líder transformacional aumenta o grau de compromisso dos seguidores
para com a visão, a missão e os valores organizacionais comuns ao enfatizar a
relação entre os esforços dos seguidores e o alcançar das metas
organizacionais.
 A liderança transaccional baseia-se numa dicotomia clara entre o líder
enquanto superior e o seguidor enquanto dependente, numa perspectiva mais de
2
conformidade do que de criatividade face aos desafios e às metas impostas pela
realidade organizacional

 White e Lippitt – estilos de liderança: autocrático, democrático e laissez-


faire.Formas diferentes de exercer influência nos grupos
- Autocrático: explora e estimula a dependência mediante a satisfação
das necessidades evidenciadas pelos liderados. Enfraquece as
iniciativas individuais. Resultados quantitativos.
- Democrático: desenvolve a determinação, a responsabilidade e a
criatividade dos membros do grupo. Exige segurança técnico-
profissional daqueles que dirigem.
- Laissez-faire: o líder não exibe comportamentos típicos de liderança,
evitando tomar decisões, e abdicando da sua responsabilidade e
autoridade (Antonakis et al., 2003: 265)

SUPERVISÃO DE ENFERMAGEM
SUPERVISÃO
Definição “... é um processo educativo e contínuo, que consiste
fundamentalmente em motivar e orientar os supervisionados na execução de
atividades com base em normas, a fim de manter elevada a qualidade dos serviços
prestados” MINISTÉRIO DA SAÚDE
 Importância: exerce grande influência em aspectos fundamentais das
organizações. Ex: nível de absenteísmo e rotatividade de funcionários /
qualidade do serviço prestado
 Origem: formação dos primeiros grupos de pessoas, com o intuito de
desenvolver atividades específicas – necessidade de um elemento que
pudesse assegurar o cumprimento das ordens, a detecção de falhas e a
aplicação de sanções.
 Características da função supervisão: sofrem modificações de acordo com o
contexto social e político da instituição

 SUPERVISÃO DE ENFERMAGEM
 Os enfermeiros, enquanto elementos supervisores, desenvolvem
atividades de complexidades variadas dependendo do cargo que
3
ocupam, sendo mais complexas nos níveis hierárquicos mais altos
da estrutura organizacional.
 O enfermeiro precisa ter – como requisito para o desenvolvimento da
função supervisão – competência profissional, habilidade para
relacionar-se com as pessoas, motivação para o desenvolvimento do
pessoal, crença no potencial do ser humano e na importância do
envolvimento de todos os funcionários nas decisões relativas às
rotinas de trabalho, visando a manutenção de uma assistência de
enfermagem eficaz
 Desenvolve junto aos funcionários, atividades diversificadas como,
por exemplo:
- Caracterização da clientela atendida;
- Identificação das necessidades de assistência de enfermagem;
- Avaliação da assistência de enfermagem prestada;
- Previsão e provimento de recursos humanos, materiais, físicos e orçamentários
necessários ao desenvolvimento das atividades de enfermagem;
Orientação e avaliação dos funcionários durante a execução das atividades;
Elaboração, implantação e avaliação de normas, procedimentos, rotinas e manual do
serviço de enfermagem;
- Prevenção de situações problemáticas;
-Estabelecimento, utilização e avaliação de métodos de trabalho
- Atividades específicas às diferentes realidades das instituições e serviço de
enfermagem.
“Na enfermagem são poucos os enfermeiros que não desenvolvem a função
supervisão, pois, desde os que prestam cuidados diretos aos pacientes até os
que chefiam divisões ou serviços de enfermagem, todos, em maior ou menor
complexidade, desenvolvem atividades que visam o aprimoramento do pessoal
de enfermagem e à manutenção de condições necessárias para a prestação de
uma assistência eficiente e eficaz. Esses são os objetivos principais da função
supervisão.” KURCGANT

Dificuldades para o processo


 Filosofia de enfermagem que não enfatize a importância do
desenvolvimento de pessoal e da manutenção de relações interpessoais
4
fundamentadas no respeito mútuo, no interesse em ajudar pessoas a
superarem suas limitações e com isso terem um desempenho de melhor
qualidade.
 Política de trabalho centralizadora, autoritária e tarefista, não–
estimuladora dos funcionários no processo decisório.
 Inadequação de recursos humanos, materiais, físicos e financeiros
 O despreparo dos enfermeiros

Referências:
Patrícia Castanheira e Jorge Adelino Costa, (2007) Lideranças transformacional,
transaccional e laissez-faire: um estudo exploratório sobre os gestores escolares com
base no MLQ.
MOTTA, Paulo Roberto.Gestão Contemporânea: A Ciência e a Arte de Ser Dirigente.
P.11-43, 2003. 14ª ed. RECORD. RJ

KURCGANT, Paulina. Coord. Administração em Enfermagem. Edit. E.P.U. 1 991