Você está na página 1de 4

Relato de Caso

Doença de Gaucher como diagnóstico


diferencial de esplenomegalia
Gaucher disease in differential diagnosis of
splenomegaly

Resumo Tânia de Cássia Moreira Soares1


Jamille Fernandes Lula2
Leandro de Freitas Teles3
Daniele Mesquita de Brito4
Objetivo: Apresentar a doença de Gaucher como diagnóstico diferencial das espleno- Silvio Fernando Guimarães de
Carvalho5
megalias na infância. 1 Mestrado
Descrição do caso: Este artigo relata um caso de criança do sexo feminino, seis anos, Analista Universitário da Saúde do
Hospital Universitário Clemente de Faria
com anemia e esplenomegalia, equimoses esporádicas, episódios de dores ósseas e abdo- da Universidade Estadual de Montes Claros
minais de repetição. Realizou-se o diagnóstico por meio da atividade diminuída da Beta- (HUCF-UNIMONTES)
2 Doutorado
glicosidase. Após nove meses de tratamento com imiglucerase, a criança apresentou de- Analista Universitário da Saúde do
senvolvimento pôndero-estatural satisfatório, e os exames hematológicos e as vísceras Hospital Universitário Clemente de Faria
da Universidade Estadual de Montes Claros
estavam dentro dos limites da normalidade. (HUCF-UNIMONTES)
Discussão: A doença de Gaucher é uma doença multissistêmica e faz parte do diagnós- 3 Doutorando em Ciências da Saúde da
Universidade Estadual de Montes Claros
tico diferencial das esplenomegalias na infância, sendo considerada a mais prevalente entre Analista Universitário da Saúde do HUCF-
UNIMONTES, Analista de Hematologia e
mais de 50 tipos de doenças de estoque lisossômico até então descritas. Ocorre o acú- Hemoterapia da Fundação Hemominas.
mulo de glicocerebrosídeos nos macrófagos teciduais, alterando o funcionamento normal 4 Graduanda de Medicina da UNIMONTES
5 Doutorado
desses órgãos e tecidos, o que pode causar danos irreversíveis. Os pacientes com a doen- Médico Pediatra e responsável pelo
ça de Gaucher têm apresentações clínicas variáveis, o que nem sempre se correlaciona serviço do Centro de Pesquisa em Doenças
Infectoparasitárias do HUCF-UNIMONTES
com genótipos específicos. Considerando o fato de a esplenomegalia ser comum a várias
patologias, faz-se necessária a inclusão da doença de Gaucher em seu vasto diagnóstico
diferencial. Apesar de a doença de Gaucher ser uma condição infrequente, apresenta um Correspondência:
quadro clínico muito semelhante ao de doenças de elevada prevalência, necessitando de Tânia de Cássia Moreira Soares
um diagnóstico precoce e específico, com acompanhamento multidisciplinar, para obter o Hosp. Universitário Clemente de Faria
controle clínico adequado e consequente menor morbidade. Avenida Cula Mangabeira, 432
Santo Expedito
Palavras-chave: esfingolipidoses; doença de Gaucher; esplenomegalia. 39401-001 - Montes Claros-MG
Tel.: (38) 3224-8378
E-mail: taniamoreiracs@hotmail.com

Recebimento 25.03.2016
Aprovação 15.05.2016

36 Revista de Pediatria SOPERJ - v. 16, no 3, p36-39 out 2016


Abstract
Objective: We aim to present Gaucher disease in the differential diagnosis of espleno-
megalias in childhood.
Case description: This article reports a case of female child of six years-old, with ane-
mia and splenomegaly, bruises sporadic, episodes of bone and abdominal pain of repetition.
She carried out the diagnosis by decreased activity of Betaglicosidase. After nine months
of treatment with imiglucerase, the child presented weight and height satisfactory develo-
pment, and hematology and viscera were within normal limits.
Discussion: Gaucher disease is a multisystem disease and is part of the differential diag-
nosis of splenomegaly in childhood. It is the most prevalent among more than 50 types of
stock lysosomal diseases described. Glucocerebrosides accumulate in tissue macrophages,
altering normal functions of these organs and tissues, and causing irreversible damages.
Patients with Gaucher disease have variable clinical presentation and do not always correla-
te with specific genotypes. Considering the fact splenomegaly is common to many diseases,
it is necessary the inclusion of Gaucher disease in its broad differential diagnosis. Although
Gaucher disease is an uncommon condition, it presents a clinical picture very similar to high
prevalence diseases, requiring an early and specific diagnosis, with multidisciplinary follo-
w-up, in order to obtain proper clinical management and consequently lower morbidity.

Keywords: sphingolipidoses; Gaucher disease; splenomegaly.

Introdução A criança esteve internada, aos quatro (hemoglobina 10,4 g/dL), trombocito-
Este artigo tem como objetivo apresen- anos de idade, com quadro de febre e penia (93x10³/mL), leucócitos sem al-
tar a doença de Gaucher como diagnós- esplenomegalia, recebendo alta com o terações, transaminases levemente al-
tico diferencial das esplenomegalias na diagnóstico provável de mononucleo- teradas, ferritina, ácido fólico, vitamina
infância. Apesar das manifestações clí- se infecciosa. B12, desidrogenase lática, haptoglobi-
nico-laboratoriais iniciarem na infân- Um mês antes da consulta hemato- na, eletroforese de hemoglobina, pes-
cia, o diagnóstico, na maioria dos ca- lógica, internou-se com quadro de fe- quisa molecular de α-talassemia, teste
sos, é tardio, levando ao prejuízo no bre, dor em membro inferior direito de fragilidade osmótica, coombs, bilir-
tratamento precoce ou desenvolvendo e radiografia sugestiva de osteomie- rubinas e γ-gt apresentavam dentro dos
complicações irreversíveis.1,2 lite, sendo submetida à antibioticote- limites da normalidade. Sorologias para
rapia com remissão do quadro febril. toxoplasmose, rubéola, Epstein Baar,
Relato de caso História familiar negativa para patolo- citomegalovírus, hepatites B e C, sífilis
Criança do sexo feminino, seis anos, ad- gias hematológicas. foram negativas.
mitida no ambulatório de Hematologia Ao exame físico, apresentava-se com A radiografia de fêmur direito apre-
da Universidade Estadual de Montes hipodesenvolvimento pôndero-estatu- sentava lesão osteolítica permeativa na
Claros (Unimontes), com anemia e es- ral, hipocorada, hepatoesplenomega- metáfise distal; a radiografia de mão
plenomegalia a esclarecer. Relato de lia moderadas, afebril, anictérica, au- para avaliar a idade óssea era compa-
anemia persistente há três anos, equi- sência de linfadenomegalias, exame tível com a idade de 3 anos e 6 me-
moses esporádicas, episódios de do- neurológico sem alterações. Os exa- ses; a ressonância magnética de colu-
res ósseas e abdominais de repetição. mes laboratoriais revelaram anemia na lombar e fêmures com alterações de

Revista de Pediatria SOPERJ - v. 16, no 3, p36-39 out 2016 37


sinal difusas e dos espaços medulares de macrófagos não está bem definido.6
das diáfises e metáfises (Figura 1); o Essa deficiência enzimática não é
mielograma apresentava-se com célu- completa, independentemente da gra-
las reticulares sugestivas de células de vidade, os pacientes irão apresentar
Gaucher. certa quantidade residual de atividade
A atividade da Beta-glicosidase em enzimática em todos os tipos de células
leucócitos 1,4 nmol/h/mg de proteínas nucleadas; a ausência enzimática com-
(valor normal: 8,0-35,6 nmol/h/mg) e pleta em seres humanos ou em cobaias
a atividade da Quitotriosidase 8219,0 é letal em prematuros ou no período
nmol/h/mL (valor normal: 1,7-175,7 Figura 1 neonatal. As manifestações clínicas
nmol/mL). Após nove meses de trata- ou fenotípicas da doença de Gaucher
mento com imiglucerase (60UI/kg in- glicocerebrosídeo em ceramida e glico- dependerão do grau de deficiência da
travenosa de 15 em 15 dias), a criança se. A deficiência da glicocerebrosidase enzima. A presença e a gravidade dos
cresceu 7 cm e ganhou 2 kg, os exa- induz a um acúmulo de glicolipídeos sintomas neurológicos definirão os três
mes hematológicos e as vísceras en- não digeridos (substratos) e leva a al- tipos clínicos.
contravam-se dentro dos limites da terações histológicas, especialmente Aproximadamente 95% dos pacien-
normalidade. evidentes nos órgãos que são ricos em tes apresentam a doença de Gaucher do
elementos do sistema imune monocí- tipo 1 ou doença não neuropática sem
Discussão tico-fagocitário (baço, fígado e medu- envolvimento neurológico e com início
A doença de Gaucher, descoberta la óssea).3,4 durante a infância ou na idade adulta,
pelo médico Philippe Charles Ernest Os pacientes com a doença de bem como apresentam esplenomegalia
Gaucher em 1882, é multissistêmica, Gaucher têm apresentações clínicas va- progressiva como uma de suas primei-
sendo a mais prevalente entre mais de riáveis e nem sempre se correlacionam ras manifestações, achado comum a to-
50 tipos de doenças de estoque lisossô- com genótipos específicos, o que indica dos os casos. Além disso, o baço pode
mico até então descritas. Tornou-se um a existência de outros fatores, genéticos atingir até 20% do peso corporal.
padrão para a descrição da variabilida- ou ambientais, influenciando o fenóti- Crianças com esplenomegalia maci-
de fenotípica dessas doenças; apresenta po. Em casos mais graves, essa doen- ça são de baixa estatura por causa do
uma herança autossômica recessiva; e o ça pode afetar os pulmões, os rins e o gasto de energia requerida pelo órgão
risco de desenvolver a doença aumenta sistema nervoso central. Esse acúmulo afetado. Ocorre, ainda, hepatomegalia
com a consanguinidade da família. A altera o funcionamento normal desses com ou sem testes de função hepática
sua frequência é diferente em variadas órgãos e tecidos, o que pode causar da- alterados, expansão da medula óssea,
populações, com maior prevalência em nos irreversíveis.4,5 fadiga crônica, anemia e trombocito-
judeus Ashkenazi 1:450 nascidos vivos. Os glicocerebrosídeos, que se acumu- penia. Raramente, outros órgãos po-
No entanto, a prevalência global esti- lam em órgãos viscerais, resultam de dem ser acometidos. O acometimento
mada de doença sintomática é menor, membranas de células sanguíneas em ósseo pode apresentar em crises ósseas
ocorrendo em, aproximadamente, 1 em processo de envelhecimento, as quais agudas secundárias necrose avascular
40.000-100.000 nascidos vivos. Devido contêm glicoesfingolípideos, incluin- aguda, dor óssea crônica, infarto me-
à baixa frequência, é incluída nas cha- do leucócitos, eritrócitos e plaquetas, dular, osteopenia, osteoporose, edema
madas enfermidades órfãs e, possivel- levando ao desenvolvimento de hepa- local, fraturas patológicas ou falha de
mente, afeta menos de 10.000 pessoas tomegalia, esplenomegalia, expansão crescimento. A maioria dos pacientes
no mundo.3 da medula óssea e ativação e prolife- tem evidência radiológica de envolvi-
É uma patologia causada por muta- ração de macrófagos com subsequen- mento do esqueleto, incluindo uma de-
ções no gene GBA (1q21) e mais de 200 te produção de numerosas citocinas e formidade distal do fêmur semelhante
alelos mutantes foram identificados. quimiocinas. Os efeitos pró e anti-in- ao frasco de Erlenmeyer, e a ressonân-
Esse gene que codifica a enzima beta- flamatórios decorrentes dessas citoci- cia magnética é mais sensível do que a
-glicosidase ácida, também conhecida nas provocarão danos teciduais que po- tomografia computadorizada para de-
como glicocerebrosidase, uma enzima dem se tornar irreversíveis. O mecanis- monstrar a extensão das anormalidades
lisossômica que catalisa a hidrólise de mo exato pelo qual ocorre essa ativação em pacientes com doença de Gaucher

38 Revista de Pediatria SOPERJ - v. 16, no 3, p36-39 out 2016


e pode ter um valor prognóstico.7,8,10-12 O diagnóstico clínico da doença de no­me­­ga­l ia ser comum a várias pato-
A doença tipo 2 tem uma progressão Gaucher pode ser confirmado pela aná- logias, faz-se necessária a inclusão da
neurológica rápida com envolvimento lise da atividade da beta-glicosidase áci- doença de Gaucher em seu vasto diag-
visceral acentuado e morte nos primei- da. Além disso, ao contrário do diag- nóstico diferencial. Chama-se a aten-
ros dois anos de vida. As crianças apre- nóstico enzimático, a análise da muta- ção para o cuidado na avaliação clínica
sentam aumento do tônus muscular​, es- ção tem um valor no que se refere ao precisa e cautelosa, e as decisões invasi-
trabismo, falha de crescimento e típico prognóstico da doença.9 A terapia de re- vas como a esplenectomia diagnóstica
estridor laríngeo devido a laringoespas- posição enzimática (TRE) eficiente foi devem ser evitadas sempre que possí-
mos. A rápida degeneração psicomotora desenvolvida e tornou-se um exemplo vel. Apesar de a doença de Gaucher ser
leva à morte, geralmente devido ao com- para a intervenção terapêutica em ge- uma condição infrequente, considerada
prometimento respiratório progressivo. nética humana. A TRE é o tratamen- doença órfã, apresenta um quadro clí-
Os pacientes com a doença de Gaucher to padrão para pacientes portadores da nico muito semelhante ao de doenças
tipo 3 são diagnosticados na infância ou doença de Gaucher tipo 1 e 3. A dose de elevada prevalência, necessitando
na adolescência. Apresentam envolvi- da enzima é estabelecida para cada pa- de um diagnóstico precoce e específico,
mento ósseo, visceral e neurológico; po- ciente de acordo com o peso corporal e com acompanhamento multidisciplinar
rém, menos acentuado que o tipo 2 e as manifestações clínicas.6 para obter o controle clínico adequado
pode atingir a vida adulta.7,8,10-12. Considerando o fato de a es­p le- e consequente menor morbidade.

1. Gaucher registry: treating & researching and polymorphism spectrum in the glu- imaging. J Bone Joint Surg Am 1986;
Gaucher disease. Disponível em: <https:// cocerebrosidase gene (GBA). Hum Mutat. 68(6): 802-8.
www.registrynxt.com/Gaucher/Pages/ 2008; 29(5): 567-83. 10. Mistry PK, Weinreb NJ, Kaplan P, Cole JA,
Home>. 6. Sobreira EAP, Bruniera P. Avaliação de dois Gwosdow AR, Hangartner T. Osteopenia
2. Pozo A L , G od f rey E M , Bowles K M . anos de tratamento da doença de Gaucher in Gaucher disease develops early in life:
Splenomegaly: investigation, diagnosis tipo 1 com terapia de reposição enzimática response to imiglucerase enzyme therapy
and management. Blood rev 2009; 23(3): em pacientes do estado de São Paulo, Brasil. in children, adolescents and adults. Blood
105-11. Rev Bras de Hemat e Hemoter 2008; 30: Cells Mol Dis 2011; 46(1): 66-72.
3. Grabowsk i GA. Gaucher d isease a nd 193-201. 11. Poll LW, Cox ML, Godehardt E, Steinhof
other storage disorders. Hematology, 7. Nagral A. Gaucher disease. J Clin Exp V, vom Dahl S. Whole body MRI in type I
The Education Program of the American Hepatol 2014; 4(1): 37-50. Gaucher patients: evaluation of skeletal in-
Society of Hematology. 2012; 2012: 13-8. 8. Di Rocco M, Andria G, Deodato F, Giona F, volvement. Blood Cells Mol Dis 2011; 46(1):
4. Rozenberg R, Araujo FT, Fox DC, Aranda Micalizzi C, Pession A. Early diagnosis of 53-9.
P, Nonino A, Micheletti C, et al. High fre- Gaucher disease in pediatric patients: pro- 12. Thomas A S, Mehta A B, Hughes DA .
quency of mutation G377S in Brazilian posal for a diagnostic algorithm. Pediatr Diagnosing Gaucher disease: an on-going
type 3 Gaucher disease patients. Braz J Med Blood Cancer 2014 ; 61(11): 1905-9. need for increased awareness amongst
Biol Res 2006; 39(9): 1171-9. 9. Rosenthal DI, Scott JA, Barranger J, Mankin hematologists. Blood Cells Mol Dis 2013;
5. H r uska K S, L a M a rca M E, Scott CR , HJ, Saini S, Brady TJ, et al. Evaluation of 50(3): 212-7.
Sidransky E. Gaucher disease: mutation Gaucher disease using magnetic resonance

Revista de Pediatria SOPERJ - v. 16, no 3, p36-39 out 2016 39

Você também pode gostar