Você está na página 1de 93

Analista

Raciocínio Lógico

Prof. Thiago Pacífico


Raciocínio Lógico

Professor Thiago Pacífico

www.acasadoconcurseiro.com.br
Edital

RACIOCÍNIO LÓGICO: Estruturas lógicas. Lógica de argumentação: analogias, inferências,


deduções e conclusões. Lógica sentencial (ou proposicional). Proposições simples e compostas.
Tabelasverdade. Equivalências. Leis de De Morgan. Diagramas lógicos. Lógica de primeira
ordem.

BANCA: Cespe
CARGO: Analista

www.acasadoconcurseiro.com.br
Raciocínio Lógico

LÓGICA SENTENCIAL (OU PROPOSICIONAL) /


LÓGICA DE PRIMEIRA ORDEM / TABELA VERDADE

INTRODUÇÃO

A Lógica Matemática, em síntese, pode ser considerada como a ciência do raciocínio e da


demonstração. Este importante ramo da Matemática desenvolveu-se no século XIX, sobretudo
através das ideias de George Boole, matemático inglês (1815 – 1864), criador da Álgebra
Booleana, que utiliza símbolos e operações algébricas para representar proposições e suas
inter-relações. As ideias de Boole tornaram-se a base da Lógica Simbólica, cuja aplicação
estende-se por alguns ramos da eletricidade, da computação e da eletrônica.

LÓGICA MATEMÁTICA

A lógica matemática (ou lógica simbólica), trata do estudo das sentenças declarativas também
conhecidas como proposições, as quais devem satisfazer aos dois princípios fundamentais
seguintes:

→ PRINCÍPIO DO TERCEIRO EXCLUÍDO: uma proposição só pode ser verdadeira ou falsa, não
havendo alternativa.
→ PRINCÍPIO DA NÃO CONTRADIÇÃO: uma proposição não pode ser ao mesmo tempo
verdadeira e falsa.

As proposições são geralmente, mas não obrigatoriamente, representadas por letras


maiúsculas.
De acordo com as considerações acima, expressões do tipo, "O dia está bonito!", “Que horas
são?”, “x é um número par” e “x + 2 = 7”, não são proposições lógicas, uma vez que não
poderemos associar a ela um valor lógico definido (verdadeiro ou falso).
Exemplificamos a seguir algumas proposições, onde escreveremos ao lado de cada uma delas,
o seu valor lógico V ou F.
•• A: "Fortaleza é a capital do Ceará” (V)
•• B: “O Brasil é um país da Europa” (F)

www.acasadoconcurseiro.com.br 7
•• C: "3 + 5 = 2" (F)
•• D: "7 + 5 = 12" (V)
•• E: "O Sol é um planeta" (F)
•• F: "Um pentágono é um polígono de dez lados" (F)

SENTENÇA ABERTA: Não pode ser atribuído um valor lógico


Ex.: “X é um número par” → Pode ser Verdadeiro (V) ou Falso (F), não se pode afirmar.

SENTENÇA FECHADA: Pode ser atribuído um valor lógico V ou F.


Ex.: “O professor Thiago Pacífico ensina Matemática” → Sentença Verdadeira (V)
Ex.: “A soma 2 + 2 é igual a 5” → Sentença Falsa (F)

SÍMBOLOS UTILIZADOS NA LÓGICA (CONECTIVOS E QUALIFICADORES)

∼ não
∧ e
∨ ou
v ou ... ou
→ se ... então
↔ se e somente se
| tal que
⇒ Implica

⇔ Equivalente

∃ Existe

∃| existe um e somente um

∀ qualquer que seja

8 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

O MODIFICADOR NEGAÇÃO

Dada a proposição p, indicaremos a sua negação por ∼ p . (Lê-se "não p" ).


Exemplo 1:
•• q: “Thiago Pacífico é magro”
•• ∼ q : “Thiago Pacífico não é magro”
•• ∼ q : “Não é verdade que Thiago Pacífico é magro”
Exemplo 2:
•• s: “Fernando Castelo Branco é honesto”
•• ¬s: “Fernando Castelo Branco não é honesto”
•• ¬s: “Não é verdade que Fernando Castelo Branco é honesto”
•• ¬s: “Fernando Castelo Branco é desonesto”

ESTRUTURAS E OPERAÇÕES LÓGICAS

As proposições lógicas podem ser combinadas através dos operadores lógicos ∧ , ∨ , → e ↔ ,


dando origem ao que conhecemos como proposições compostas. Assim, sendo p e q duas
proposições simples, poderemos então formar as seguintes proposições compostas: p ∧ q ,
p ∨ q , p → q, p ↔ q.
Estas proposições compostas recebem designações particulares, conforme veremos a seguir:
→ CONJUNÇÃO: p ∧ q (lê-se "p e q" )
→ DISJUNÇÃO: p ∨ q (lê-se "p ou q")
→ CONDICIONAL: p → q (lê-se "se p então q")
→ BI-CONDICIONAL: p ↔ q (lê-se "p se e somente se q")
Conhecendo-se os valores lógicos de duas proposições simples p e q, como determinaremos os
valores lógicos das proposições compostas acima? Isto é conseguido através do uso da tabela a
seguir, também conhecida pelo sugestivo nome de TABELA VERDADE.

www.acasadoconcurseiro.com.br 9
CONJUNÇÃO (E)

A ∧ B (lê-se “Premissa A e premissa B”)

A CONJUNÇÃO só será verdadeira em apenas um caso, se a premissa A for verdadeira e a


premissa B também for verdadeira, ou seja, caso uma delas seja falsa a conjunção toda torna-
se falsa.
Exemplo:
Analise a afirmação: “Este final de semana irei à praia e ao cinema”.
•• A: “Irei à praia”
•• B: “Irei ao cinema”

TABELA VERDADE

A B A ∧B
V V V
V F F
F V F
F F F

Observe que a afirmação é falsa, se pelo menos uma das premissas forem falsas.

DISJUNÇÃO NÃO-EXCLUDENTE (OU)

A ∨ B (lê-se “Premissa A ou premissa B”)

PREMISSAS NÃO EXCLUDENTES: são aquelas que podem ocorrer simultaneamente. Portanto,
nesse caso o “ou” significa dizer que pelo menos uma das premissas deverá ser verdadeira.
Nesse caso o “ou” significa que pelo menos uma das premissas é verdadeira.
Exemplo:
Analise a afirmação: “Este final de semana irei à praia ou ao cinema”.

10 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

•• A: “Irei à praia”
•• B: “Irei ao cinema”

TABELA VERDADE

A B A ∨B
V V V
V F V
F V V
F F F

Observe que, nesse caso, o “ou” significa que eu irei a “pelo menos” um desses lugares no fim
de semana (o fim de semana é longo e nada impede de ir aos dois lugares).

CONCLUSÕES QUE TORNAM A DISJUNÇÃO NÃO-EXCLUDENTE VERDADEIRA:


•• Sabendo que ele foi à praia, conclui-se que ele pode ter ido ou não ao cinema.
•• Sabendo que ele não foi à praia, conclui-se que certamente foi ao cinema.
•• Sabendo que ele foi ao cinema, conclui-se que ele pode ter ido ou não à praia.
•• Sabendo que ele não foi ao cinema, conclui-se que certamente foi à praia.

DISJUNÇÃO EXCLUDENTE (OU...OU)

A v B (lê-se “Ou premissa A, ou premissa B”)

PREMISSAS EXCLUDENTES: São aquelas que não podem ocorrer simultaneamente. Portanto,
nesse caso o “ou” significa dizer que exatamente uma das premissas deverá ser verdadeira.
Caso seja usado “ou...ou”, devemos entender que se trata de disjunção excludente.
Exemplo:
Analise a afirmação: “Este final de semana Renata ou vai à praia, ou vai ao cinema”.
•• A: “Renata vai à praia”
•• B: “Renata vai ao cinema”

www.acasadoconcurseiro.com.br 11
TABELA VERDADE

A B AvB
V V F
V F V
F V V
F F F

Observe que na tabela verdade é falso o caso de A e B serem verdade ao mesmo tempo. Então,
a afirmação só será verdadeira, se exatamente um das duas premissas for verdadeira.
Quando estamos trabalhando com disjunções, devemos analisar inicialmente se as premissas
são excludentes ou não excludentes.

CONCLUSÕES QUE TORNAM A DISJUNÇÃO EXCLUDENTE VERDADEIRA:


•• Sabendo que Renata foi a praia, conclui-se que ela não foi ao cinema.
•• Sabendo que Renata não foi a praia, conclui-se que ela foi ao cinema.
•• Sabendo que Renata foi ao cinema, conclui-se que ela não foi a praia.
•• Sabendo que Renata não foi ao cinema, conclui-se que ela foi a praia.

CONDICIONAL (SE ... ENTÃO)

A → B (lê-se “Se premissa A, então premissa B”)

Essa condição deixa clara que se a premissa A for verdadeira, então a premissa B será
necessariamente verdadeira também, mas a recíproca não é válida, ou seja, mesmo que A seja
falsa nada impede que B seja verdadeira.
Exemplo:
Analise a afirmação: “Se nasci em Fortaleza, então sou cearense.”
•• A: “Nasci em Fortaleza”
•• B: “Sou Cearense”

12 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

TABELA VERDADE

A B A→B
V V V
V F F
F V V
F F V

Observe que a afirmação só será falsa, se EU NASCER EM FORTALEZA E NÃO FOR CEARENSE.

CONCLUSÕES QUE TORNAM O CONDICIONAL VERDADEIRO:


•• Sabendo que eu nasci em Fortaleza, conclui-se que necessariamente que sou cearense.
•• Sabendo que eu não nasci em Fortaleza, conclui-se que eu posso ser ou não cearense.
•• Sabendo que eu sou cearense, conclui-se que eu posso ter ou não nascido em Fortaleza.
•• Sabendo que eu não sou cearense, conclui-se que necessariamente eu não nasci em
Fortaleza.

BI-CONDICIONAL (SE E SOMENTE SE)

A ↔ B (lê-se “Premissa A, se e somente se a premissa B”)

Nessas condições, fica claro que a premissa A só será verdadeira no caso da premissa B
também ser. Fica ainda implícito que a recíproca é válida, ou seja, a premissa B também só será
verdadeira no caso da premissa A também ser.
Exemplo:
Analise a afirmação: “Eduardo fica alegre se e somente se Mariana sorri”.
•• A: “Eduardo fica alegre”
•• B: “Mariana sorrir”

www.acasadoconcurseiro.com.br 13
TABELA VERDADE

A B A↔B
V V V
V F F
F V F
F F V

Observe que a afirmação só será verdadeira, se as duas premissas tiverem o mesmo valor
lógico.

CONCLUSÕES QUE TORNAM O BI-CONDICIONAL VERDADEIRO:


•• Sabendo que Eduardo fica alegre, conclui-se que Mariana sorri.
•• Sabendo que Eduardo não fica alegre, conclui-se que Mariana não sorri.
•• Sabendo que Mariana sorri, conclui-se que Eduardo fica alegre.
•• Sabendo que Mariana não sorri, conclui-se que Eduardo não fica alegre.

14 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

TABELA VERDADE – RESUMO

Sejam A e B duas proposições simples, cujos valores lógicos representaremos (F) quando falsa e
(V) quando verdadeira. Podemos construir a seguinte tabela simplificada:

TABELA VERDADE

A B A ∧B A ∨B AvB A→B A↔B


V V V V F V V
V F F V V F F
F V F V V V F
F F F F F V V

EQUIVALÊNCIAS E NEGAÇÕES ( ∼ ) ou (¬)

Duas proposições são equivalentes quando possuem os mesmos valores lógicos na tabela
verdade, ou ainda, quando podem substituir uma à outra sem perda do sentido lógico.
A negação de uma proposição (A) é outra proposição ( ∼ A) que possui sempre valor lógico
contrário, ou seja, sempre que A for verdadeiro então ∼ A é falso e quando A for falso então
∼ A é verdadeiro.

É comum o aluno confundir antônimo com negação! Mas cuidado, são coisas diferentes. Por
exemplo, “rico” e “pobre” são antônimos, mas “João é pobre” não é a negação de “João é rico”,
afinal se João não for rico não quer dizer que seja pobre, quer dizer apenas que “João não rico”.
Mas existe caso em que o antônimo é a negação, tais como: culpado e inocente, honesto e
desonesto, vivo e morto, dentre outros.

www.acasadoconcurseiro.com.br 15
Exemplo:
A: “Aline é bonita” ==> ~A: ”Aline não é bonita” (não significa que ela é feia)
B: “Kleyton é alto” ==> ~B: ”Kleyton não é alto” (não significa que ele é baixo)
C: “Daniel é magro” ==> ~C: “Daniel não é magro” (não significa que ele é gordo)
E: “Karol foi aprovada” ==> ~D: “Karol foi reprovada” (nesse caso, reprovado significa
não aprovado)
F: “Lia é culpada” ==> ~F: “Lia é inocente” (nesse caso, inocente significa
não culpado)

NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A ∧ B)

NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A ∨ B)

16 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A v B)

NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A → B)

NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A ↔ B)

www.acasadoconcurseiro.com.br 17
NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A ↔ B)

EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A → B)

EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A → B)

18 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A ↔ B)

EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: (A ↔ B)

EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: [(A → B) ∧ (C → B)]

www.acasadoconcurseiro.com.br 19
EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: [A ∧ (B ∨ C)]

EQUIVALÊNCIA DA PROPOSIÇÃO: [A ∨ (B ∧ C)]

FIQUE DE OLHO NO RESUMO

20 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

www.acasadoconcurseiro.com.br 21
NEGAÇÃO DAS PROPOSIÇÃO MAIS USADAS (RESUMO)

Negação de uma Proposição Conjuntiva: (p e q)


Para negarmos uma proposição no formato de conjunção (p e q), faremos o seguinte:

1º Negaremos a primeira ( ∼ p);


2º Negaremos a segunda ( ∼ q);
3º Trocaremos e por ou.

Negação de uma Proposição Disjuntiva: (p ou q)


Para negarmos uma proposição no formato de disjunção (p ou q), faremos o seguinte:

1º Negaremos a primeira ( ∼ p);


2º Negaremos a segunda ( ∼ q);
3º Trocaremos ou por e.

Negação de uma Proposição Condicional: (p → q)


Esta negativa é a mais cobrada em prova! Já, já, veremos exercícios de concursos bem recentes.
Como é que se nega uma condicional? Da seguinte forma:

1º Mantém-se a primeira parte; e


2º Nega-se a segunda.

TAUTOLOGIAS

Dizemos que uma proposição composta é uma tautologia, ou seja, uma proposição logicamente
verdadeira, quando tem o valor lógico verdadeiro independentemente dos valores lógicos das
proposições parciais usadas na sua elaboração.
Ex.: p ∨ q : “No concurso João foi aprovado ou reprovado”

22 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

CONSIDERE A PROPOSIÇÃO COMPOSTA:


s : (p ∧ q) → (p ∨ q) onde p e q são proposições simples lógicas quaisquer.
Vamos construir a TABELA VERDADE da proposição s considerando-se o que já foi visto até
aqui, teremos:

p q (p ∧ q) (p ∨ q) (p ∧ q) → (p ∨ q)
V V V V V
V F F V V
F V F V V
F F F F V

Observe que quaisquer que sejam os valores lógicos das proposições simples p e q, a proposição
composta s é sempre logicamente verdadeira. Dizemos então que s é uma TAUTOLOGIA.
Trazendo isto para a linguagem comum, considere as proposições:
→ p: O Sol é um planeta (valor lógico F)
→ q: A Terra é um planeta plano (valor lógico F),
Podemos concluir que a proposição composta
s: "Se o Sol é um planeta e a Terra é um planeta plano então o Sol é um planeta ou a Terra é
um planeta plano" é uma proposição logicamente verdadeira.

FIQUE DE OLHO

Será apresentado a seguir, exemplos de TAUTOLOGIAS, as quais você poderá verifica-las,


simplesmente construindo as respectivas tabelas verdades:
Sendo p e q duas proposições simples quaisquer, podemos dizer que as seguintes proposições
compostas, são

TAUTOLOGIAS:

1. (p ∧ q) → p
2. p → (p ∨ q)
3. [p ∧ (p → q)]→ q (esta tautologia recebe o nome particular de "modus ponens")
4. [(p → q)∧ ∼ q]→∼ p (esta tautologia recebe o nome particular de "modus tollens")

www.acasadoconcurseiro.com.br 23
Você deverá construir as tabelas verdades para as proposições compostas acima e comprovar que
elas realmente são tautologias, ou seja, na última coluna da tabela verdade teremos V V V V.

CONTRADIÇÃO

Dizemos que uma proposição composta é uma contradição, ou seja, uma proposição
logicamente falsa, quando tem o valor lógico falso independentemente dos valores lógicos das
proposições parciais usadas na sua elaboração.
Ex.:
p ∧ q : “Thiago Pacífico nasceu em Fortaleza e em São Paulo”
p∧ ∼ q : “Amanhã choverá e amanhã não choverá”

Opostamente a tautologia, se ao construirmos uma tabela verdade para uma proposição


composta e verificarmos que ela é sempre falsa, diremos que ela é uma CONTRADIÇÃO.
Exemplo:
A proposição composta t :p∧ ∼ p é uma contradição, senão vejamos:

p ∼p p∧ ∼ p
V F F
F V F

Portanto, uma contradição nunca poderá ser verdadeira.

24 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

PROPOSIÇÃO COMPOSTA QUALQUER OU CONTINGÊNCIA

Nesse caso, as proposições compostas que não são nem “Tautologia” nem “Contradição” são
chamadas de “Contingência”, ou seja, podem assumir valor lógico (V) ou (F), dependendo das
demais proposições simples.
Exemplo:
Construindo a tabela verdade da proposição composta t : (p ∧ q)∨ r , teremos:

p q r (p ∧ q) (p ∧ q)∨ r
V V V V V
V V F V V
V F V F V
V F F F F
F V V F V
F V F F F
F F V F V
F F F F F

UM POUCO MAIS SOBRE TABELA-VERDADE

Trataremos agora um pouco mais a respeito de uma TABELA-VERDADE.


Aprendemos que se trata de uma tabela mediante qual são analisados os valores lógicos de
proposições compostas.
Na aula passada, vimos que uma Tabela-Verdade que contém duas proposições apresentará
exatamente um número de quatro linhas! Mas e se estivermos analisando uma proposição
composta com três ou mais proposições componentes? Como ficaria a tabela-verdade neste
caso?

www.acasadoconcurseiro.com.br 25
Generalizando para qualquer caso, teremos que o número de linhas de uma tabela-verdade
será dado por:

Nº de Linhas da Tabela-Verdade = 2Nº de proposições

Ou seja: se estivermos trabalhando com duas proposições p e q, então a tabela-verdade terá 4


2
linhas, já que 2 = 4.
E se estivermos trabalhando com uma proposição composta que tenha três componentes p, q
3
e r? Quantas linhas terá essa tabela-verdade? Terá 8 linhas, uma vez que 2 = 8.
E assim por diante.

TAUTOLOGIA:
Uma proposição composta formada por duas ou mais proposições p, q, r, ... será dita uma
Tautologia se ela for sempre verdadeira, independentemente dos valores lógicos das
proposições p, q, r, ... que a compõem.

CONTRADIÇÃO:
Uma proposição composta formada por duas ou mais proposições p, q, r, ... será dita uma
contradição se ela for sempre falsa, independentemente dos valores lógicos das proposições p,
q, r, ... que a compõem.

CONTINGÊNCIA:
Uma proposição composta será dita uma contingência sempre que não for uma tautologia nem
uma contradição.

26 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

ATENÇÃO! UM POUCO MAIS DE SE...ENTÃO...

Algumas maneiras diferentes de escrever a proposição condicional “Se A então B”:


S →P S → P ⇔∼ P →∼ S
A: “Se fizer sol então vou à praia” A: “Se não for à praia então não fez sol”
A: “Se fizer sol, vou à praia” A: “Não ir à praia é condição suficiente
para não ter feito sol”
A: “Fazendo sol, vou à praia”
A: “Não fazer sol é condição necessária
A: “Quando fizer sol, vou à praia” para não ir à praia”
A: “Sempre que faz sol, vou à praia”
A: “Toda vez que faz sol, vou à praia”
A: “Caso faça sol, irei à praia”
A: “Irei à praia, caso faça sol”
A: “Irei à praia, se fizer sol”
A: “Fazer sol implica em ir à praia”
A: “Irei à praia, pois fez sol”
A: “Irei à praia, desde que faça sol”
A: “Fui à praia, porque fez sol”
A: “Fazer sol é condição suficiente para
que eu vá à praia”
A: “Ir à praia é condição necessária para
ter feito sol”

SUPER-RESUMO SOBRE O “SE... ENTÃO...” – NEGAÇÃO E EQUIVALÊNCIAS -

www.acasadoconcurseiro.com.br 27
PROVANDO AS EQUIVALÊNCIAS E A NEGAÇÃO –
MAIS UM POUCO DE TABELA VERDADE

A B ¬A ¬B A→B ¬B → ¬A ¬A ∨ B A ∧ ¬B
V V F F V V V F
V F F V F F F V
F V V F V V V F
F F V V V V V F

NECESSÁRIO x SUFICIENTE

CONDIÇÃO SUFICIENTE: condição máxima que deve ser atendida (basta que A ocorra para B
ocorrer)
CONDIÇÃO NECESSÁRIA: condição mínima que deve ser atendida (caso B não ocorra, A não
ocorre)

RESUMINDO:
Quem está do lado esquerdo do condicional é sempre condição suficiente para quem fica do
lado direito.

28 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Quem está do lado direito do condicional é sempre condição necessária para quem fica do lado
esquerdo.

No caso do bi-condicional, sabemos que A implica em B e, ao mesmo tempo, B implica em A,


logo tanto A quanto B funcionam simultaneamente como condição necessária e suficiente.

EXEMPLOS

1. Dadas às proposições simples:


• A: “Lidiane é arquiteta”
• B: “Lidiane gosta de viajar”
• C: “Lidiane é feliz”
Traduza para a linguagem natural às proposições dadas a seguir, de acordo com a simbologia.
a) ∼ A : “Lidiane não é arquiteta”
b) ∼ (∼ A) : “Não é verdade que Lidiane não é arquiteta”
c) ∼ B : “Lidiane não gosta de viajar”
d) A ∧B : “Lidiane é arquiteta e gosta de viajar”
e) A ∨B : “Lidiane é arquiteta ou gosta de viajar”
f) A v B: “Ou Lidiane é arquiteta, ou Lidiane gosta de viajar”
g) ∼ A ∨B : “Lidiane não é arquiteta ou gosta de viajar”
h) A∨ ∼ B : “Lidiane é arquiteta ou não gosta de viajar”
i) ∼ (A ∨B) : “Não é verdade que Lidiane é arquiteta ou gosta de viajar”
j) A → B : “Se Lidiane é arquiteta então gosta de viajar”
k) A → B : “Se e somente se Lidiane é arquiteta então gosta de viajar”
l) ∼ A → B : “Se Lidiane não é arquiteta então gosta de viajar”

www.acasadoconcurseiro.com.br 29
m) ∼ (A → B): “Não é verdade que se Lidiane é arquiteta, gosta de viajar”
n) (A ∧B) → C : “Se Lidiane é arquiteta e gosta de viajar, então é feliz”
o) A → (B ∧ C) : “Se Lidiane é arquiteta, então gosta de viajar e é feliz”
p) ∼ A → (B ∨ C) : “Se Lidiane não é arquiteta, gosta de viajar ou é feliz”

2. Dadas às proposições simples:


• A: “Thiago é rico”
• B: “Thiago é honesto”
Passe da linguagem natural para a linguagem simbólica, às proposições compostas dadas a
seguir.
a) “Thiago é rico, mas é honesto”: A ∧B
b) “Thiago não é rico, mas é honesto”: ∼ A ∧B
c) “Thiago é rico, mas é desonesto”: A∧ ∼ B
d) “Não é verdade que Thiago é rico e é honesto”: ∼ (A ∧B)
e) “Thiago é rico ou é honesto”: A ∨B
f) “Thiago não é rico ou é honesto”: ∼ A ∨B
g) “Não é verdade que Thiago é rico ou é honesto”: ∼ (A ∨B)
h) “Se Thiago é rico, então ele é honesto”: A → B
i) “Se Thiago é rico, então ele é desonesto”: A →∼ B
j) “Se Thiago não é rico, então ele é honesto”: ∼ A → B
k) “Não é verdade que se Thiago é rico, então ele é honesto”: ∼ (A → B)
l) “Se e somente se Thiago não é rico, então ele é honesto”: ∼ A ↔ B

30 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

QUESTÕES RESOLVIDAS

(CESPE) Considere que as letras P, Q, R e T representem proposições e que os símbolos ¬,


∧ , ∨ e → sejam operadores lógicos que constroem novas proposições e significam não,
e, ou e então, respectivamente. Na lógica proposicional, cada proposição assume um único
valor (valor-verdade), que pode ser verdadeiro (V) ou falso (F), mas nunca ambos.
Com base nas informações apresentadas no texto acima, julgue os itens a seguir.

1. Se as proposições P e Q são ambas verdadeiras, então a proposição (¬P)∨(¬Q) também é


verdadeira.
Solução:

P Q ¬P ¬Q (¬P)∨ (¬Q)
V V F F F

Resposta: ERRADO

2. Se a proposição T é verdadeira e a proposição R é falsa, então a proposição R → (¬T) é falsa.


Solução:

T R ¬T R → (¬T)
V F F V

Resposta: ERRADO

3. Se as proposições P e Q são verdadeiras e a proposição R é falsa, então a proposição


(P ∧R) → (¬Q) é verdadeira.
Solução:

P Q R ¬Q (P ∧ R) (P ∧ R) → (¬Q)
V V F F F V

Resposta: CERTO

www.acasadoconcurseiro.com.br 31
4. O número de valorações possíveis para (Q ∧ ¬R) → P é inferior a 9.
Solução:
n = 3 (Q, ¬R, P), então 2n = 23 = 8 < 9
Resposta: CERTO

(CESPE) Considere a assertiva seguinte, adaptada da revista comemorativa dos 50 anos da


PETROBRAS:
Se o governo brasileiro tivesse instituído, em 1962, o monopólio da exploração de petróleo e
derivados no território nacional, a PETROBRAS teria atingido, nesse mesmo ano, a produção
de 100 mil barris/dia.
Julgue se cada um dos itens a seguir apresenta uma proposição logicamente equivalente à
assertiva acima.

5. Se a PETROBRAS não atingiu a produção de 100 mil barris/dia em 1962, o monopólio da


exploração de petróleo e derivados não foi instituído pelo governo brasileiro nesse mesmo ano.
Solução:
• Instituído → 100 mil barris/dia
• ∼ Instituído →   100 mil barris/dia
∼ 100 mil barris/dia
Se não atingiu a produção de 100 mil barris/dia então não foi instituído.
Resposta: CERTO

6. Se o governo brasileiro não instituiu, em 1962, o monopólio da exploração de petróleo e


derivados, então a PETROBRAS não atingiu, nesse mesmo ano, a produção de 100 mil barris/
dia.
Solução:
• Instituído → 100 mil barris/dia
• ∼ Instituído →   100 mil barris/dia
∼ 100 mil barris/dia
Se não instituiu então pode ou não ter atingido a produção de 100 mil barris/dia.
Resposta: ERRADO

32 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

7. Se João é rico, Maria é bonita. Se Maria é bonita, José é carpinteiro. Ora, José não é carpinteiro.
Logo:
a) Maria é bonita
b) João é rico
c) José é rico
d) João não é rico
e) Maria é rica
Solução:
Representação por siglas das proposições:
• JR: “João é rico”
• MB : “Maria é bonita”
• JSC: “José é carpinteiro”

Então:
• João não é rico
• Maria não é bonita
• José não é carpinteiro
Resposta: D

8. Se Ana não é advogada, então Sandra é secretária. Se Ana é advogada, então Paula não é
professora. Ora, Paula é professora, portanto:
a) Ana é advogada
b) Sandra é secretária
c) Ana é advogada ou Paula não é professora
d) Ana é advogada e Paula é professora
e) Ana não é advogada e Sandra não é secretária.
Solução:
Representação por siglas das proposições:
• AA: “Ana é advogada”
• SS: “Sandra é secretária”
• PP: “Paula é professora”

www.acasadoconcurseiro.com.br 33
Então:
• Ana não é advogada
• Sandra é secretaria
• Paula é professora
Resposta: B

9. Receber dinheiro é condição suficiente para eu viajar. Viajar é condição suficiente para eu
ficar feliz. Fazer uma boa ação é condição necessária para eu ficar feliz. Sabendo que eu recebi
dinheiro, então:
a) Estou feliz e fiz uma boa ação.
b) Estou feliz, mas não fiz uma boa ação.
c) Não estou feliz, mas fiz uma boa ação.
d) Não estou feliz e não fiz uma boa ação.
Solução:
Representação por siglas das proposições:
• RD: “Receber dinheiro”
• EV: “Eu viajar”
• BA: “Fazer boa ação”
• FF: “Eu ficar feliz”

Então:
• Recebi dinheiro
• Eu viajei
• Fiz boa ação
• Eu estou feliz
Resposta: A

34 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

10. (CESPE – UNB) Sendo p e q proposições quaisquer, r uma proposição verdadeira, s uma
proposição falsa, a proposição (p ∧r) → (q∨ s) será:
a) verdadeira, somente se p for verdadeira
b) verdadeira, somente se q for verdadeira
c) verdadeira, para qualquer valores lógicos de p e q
d) falsa, se p for verdadeira e q falsa
e) falsa, se p e q forem ambas falsas
Solução:

p q r s p∧r q∨s (p ∧ r) → (q ∨ s)
V V V F V V V
V F V F V F F
F V V F F V V
F F V F F F V

Resposta: D

11. (FCC) Do ponto de vista lógico, se for verdadeira a proposição condicional “se eu ganhar na
loteria, então comprarei uma casa”, necessariamente será verdadeira a proposição:
a) se eu não ganhar na loteria, então não comprarei uma casa.
b) se eu não comprar uma casa, então não ganhei na loteria.
c) se eu comprar uma casa, então terei ganho na loteria;
d) só comprarei uma casa se ganhar na loteria.
e) só ganharei na loteria quando decidir comprar uma casa.
Solução:
• Ganhar na loteria → casa
• Não ganhar na loteria →   casa
não casa
Resposta: B

12. (ESAF) Na tabela-verdade abaixo, p e q são proposições.

P Q ?
V V F
V F V
F V F
F F F

www.acasadoconcurseiro.com.br 35
A proposição composta que substitui corretamente o ponto de interrogação é
a) P∧Q
b) P→Q
c) ∼ (P → Q)
d) P↔Q
e) ∼ (P ∧ Q)
Solução:

P Q P∧Q P→Q ~(P → Q) P↔Q ∼ (P ∧ Q)


V V V V F V F
V F F F V F V
F V F V F F V
F F F V F V V

Resposta: C

13. Dizer que: "André é artista ou Bernardo não é engenheiro" é logicamente equivalente a dizer
que:
a) André é artista se e somente se Bernardo não é engenheiro.
b) Se André é artista, então Bernardo não é engenheiro.
c) Se André não é artista, então Bernardo é engenheiro.
d) Se Bernardo é engenheiro, então André é artista.
e) André não é artista e Bernardo é engenheiro.
Solução:
Para resolver essa questão lembre-se que a negação do condicional A → B é
∼ (A → B) = A∧ ∼ B

Logo
∼ (∼ (A → B)) =∼ (A∧ ∼ B)

Ou ainda,
A → B =∼ A ∨B
Nesse caso, as proposições abaixo são equivalentes
∼ BB ∨ AA = BB → AA

36 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

VERIFICAÇÃO ATRAVÉS DA TABELA VERDADE


Dado
AA∨ ∼ BB : "André é artista ou Bernardo não é engenheiro"

TABELA VERDADE

AA ∼ BB AA ∨ ∼ BB
V V V
V F V
F V V
F F F

Observe, que apenas a premissa composta


B → AA : "Se Bernardo é engenheiro, então André é artista"
tem os mesmos valores lógicos de AA∨ ∼ BB . Onde ∼ BB é a negação de BB, logo eles terão
valores lógicos contrários.

TABELA VERDADE

AA BB BB → AA
V F V
V V V
F F V
F V F

Resposta: D

14. Aponte o item abaixo que mostra a negação de “Rosélia viajará para Londres ou comprará uma
casa”.
a) Não é verdade que Rosélia viajará para Londres e comprará uma casa
b) Rosélia não viajará para Londres ou não comprará uma casa
c) Rosélia não viajará para Londres e não comprará uma casa
d) Rosélia viajará para Londres e comprará uma casa
e) Rosélia não viajará para Londres e comprará uma casa

www.acasadoconcurseiro.com.br 37
Solução:
Sabemos que a negação de A ∨B é
∼ (A ∨B) =∼ A∧ ∼ B
 
Portanto, as possíveis negações para “Rosélia viajará para Londres ou comprará uma casa”, são
∼ (A ∨B) : “Não é verdade que Rosélia viajará para Londres ou comprará uma casa”
Ou então
∼ A∧ ∼ B : “Rosélia não viajará para Londres e não comprará uma casa”
Resposta: C

15. Sabendo que “Chover em Guaramiranga é condição suficiente para fazer frio”, podemos
logicamente concluir que a única afirmação falsa é:
a) Se chover em Guaramiranga então fará frio.
b) Se não fizer frio em Guaramiranga é porquê não choveu.
c) choveu em Guaramiranga e não fez frio.
d) Sempre que chove em Guaramiranga, faz frio.
e) Faz frio em Guaramiranga é condição necessária para chover.
Solução:
A proposição composta dada, é equivalente a
A → B : “Se chover em Guaramiranga então faz frio”
Portanto, sua negação será
∼ (A → B) = A∧ ∼ B
Ou ainda
∼ (A → B): “Não é verdade que se chover em Guaramiranga então faz frio”
Que por sua vez equivale a
A∧ ∼ B : “Choveu em Guaramiranga e não fez frio”
Resposta: C

38 www.acasadoconcurseiro.com.br
Questões

QUESTÕES DE CONCURSOS – CESPE

Considere que as letras P Q e S representam tem grande apreço pela matemática” de va-
proposições e que os símbolos ¬, ∧ e ∨ são lor lógico falso, então o valor lógico de
operadores lógicos que constroem novas p → ¬q é falso.
proposições e significam “não”, “e” e “ou”
respectivamente. Na lógica proposicional, ( ) Certo   ( ) Errado
cada proposição assume um único valor (va-
lor-verdade) que pode ser verdadeiro (V) ou 4. (STJ – CESPE – 2015) Designando por p e q
falso (F), mas nunca ambos. Considerando as proposições “Mariana tem tempo sufi-
que P, Q, R e S são proposições verdadeiras, ciente para estudar” e “Mariana será apro-
julgue os itens seguintes. vada nessa disciplina”, respectivamente, en-
tão a proposição “Mariana não tem tempo
1. (CESPE) ¬[(¬P ∨ Q)∨ (¬R ∨ S)] é verdadeira. suficiente para estudar e não será aprovada
nesta disciplina” é equivalente a ¬p ∧ ¬q .
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

2. (CESPE) [P ∧ (Q ∨ S)]∧[(¬R ∨ Q)∨(P ∧ S)] é 5. (CESPE) Seja S a seguinte proposição com-


verdadeira. posta: [P∧ ∼ (Q ∨R)]→ [R ∧(P ↔ Q)]. Se Q
( ) Certo   ( ) Errado for uma proposição verdadeira, então, inde-
pendentemente dos valores lógicos de P e
R, a proposição S será sempre verdadeira.
Mariana é uma estudante que tem grande
apreço pela matemática, apesar de achar ( ) Certo   ( ) Errado
essa uma área muito difícil. Sempre que tem
tempo suficiente para estudar, Mariana é 6. (CESPE) Considere que o seguinte enunciado
aprovada nas disciplinas de matemática que é verdadeiro: “Se uma mulher está grávida,
cursa na faculdade. Neste semestre, Mariana então a substância gonadotrofina coriônica
está cursando a disciplina chamada Introdu- está presente na sua urina”. Duas amigas, Fá-
ção à Matemática Aplicada. No entanto, ela tima e Mariana, fizeram exames e constatou-
não tem tempo suficiente para estudar e não -se que a substância gonadotrofina coriônica
será aprovada nessa disciplina. está presente na urina de Fátima e não está
A partir das informações apresentadas nes- presente na urina de Mariana.
sa situação hipotética, julgue os itens a se- Utilizando a proposição enunciada, os re-
guir, acerca das estruturas lógicas. sultados dos exames e o raciocínio lógico
dedutivo garante-se que: Mariana não está
3. (STJ – CESPE – 2015) Considerando-se como grávida e não se pode garantir que Fátima
p a proposição “Mariana acha a matemática está grávida.
uma área muito difícil” de valor lógico ver-
dadeiro e como q a proposição “Mariana ( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 39
7. (CESPE) A proposição “Se roteirista não for 11. (CESPE) Caso sejam falsas as proposições
diretor, então dublador não será maquia- “Um empresário tem atuação antieconô-
dor” é logicamente equivalente à proposi- mica ou antiética” e “Ele merece receber a
ção “Se algum dublador for maquiador, en- gratidão da sociedade”, então a proposição
tão algum roteirista será diretor”. P4 também será falsa.
( ) Certo   ( ) Errado ( ) Certo   ( ) Errado

8. (CESPE) A proposição “Se Marcos não estu- Considere que cada uma das proposições
da, João não passeia” é logicamente equiva- seguintes tenha valor lógico V.
lente a dizer que “Marcos estudar é condi- I – Tânia estava no escritório ou Jorge foi ao
ção necessária para João passear”. centro da cidade.
( ) Certo   ( ) Errado II – Manuel declarou o imposto de renda na
data correta e Carla não pagou o condomí-
nio.
9. (CESPE) A proposição “Se as reservas inter-
nacionais em moeda forte aumentam, en- III – Jorge não foi ao centro da cidade.
tão o país fica protegido de ataques espe- A partir dessas proposições, é correto afir-
culativos” pode também ser corretamente mar que a proposição
expressa por “O país não ficar protegido de
ataques especulativos é condição suficiente 12. (CESPE) “Carla pagou o condomínio” tem
para que as reservas internacionais não au- valor lógico F.
mentam”.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

13. (CESPE) “Manuel declarou o imposto de


10. (CESPE) São dadas as seguintes proposi- renda na data correta e Jorge foi ao centro
ções: da cidade” tem valor lógico V.
•• p: Computadores são capazes de pro- ( ) Certo   ( ) Errado
cessar quaisquer tipos de dados.
•• q: É possível provar que ∞ + 1 = ∞.
14. (CESPE) “Tânia não estava no escritório”
Se p implica em q, então o fato de não ser tem, obrigatoriamente, valor lógico V.
possível provar que ∞ + 1 = ∞ é condição
suficiente para que os computadores não ( ) Certo   ( ) Errado
sejam capazes de processar quaisquer tipos
de dados. 15. (CESPE) Ao investigar um assalto, a polícia
( ) Certo   ( ) Errado levantou três proposições acerca das carac-
terísticas dos possíveis responsáveis pelo
delito: os envolvidos conheciam a vítima
P4: Se um empresário tem atuação antieco- (p), os envolvidos já tinham passagem pela
nômica ou antiética, ele merece receber a polícia (q) e os envolvidos tinham conheci-
gratidão da sociedade. Tendo como referên- mento de que a vítima transportava valores
cia essa proposição, julgue o item seguinte. no dia do crime (r). A partir dessas proposi-
ções e avançando nas investigações, a polí-
cia chegou a quatro suspeitos e aos seguin-

40 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

tes argumentos (o símbolo lógico ¬ indica Com base nas proposições acima, conside-
negação): rando que cada funcionário deve fiscalizar
apenas uma empresa e que todas as em-
I – se p ou ¬ q ou r, então o suspeito 1 par- presas devem ser fiscalizadas, então nessa
ticipou do crime; semana Carlos fiscaliza a empresa A, Maria
II – se p ou ¬ r, então o suspeito 2 partici- fiscaliza a empresa B, Augusto fiscaliza a
pou do crime; empresa C e João fiscaliza a empresa D.
III – se q ou r, então o suspeito 3 não partici-
pou do crime; ( ) Certo   ( ) Errado
IV – o suspeito 4 participou do crime se, e
somente se, p e ¬ q. 18. (CESPE) A negação da proposição “Não di-
rija após ingerir bebidas alcoólicas ou você
Ao final da investigação, a polícia verifi- pode causar um acidente de trânsito” é, do
cou a veracidade ou não das hipóteses p, ponto de vista lógico, equivalente à afirma-
q e r e, seguindo os argumentos I, II, III e ção “Dirija após ingerir bebidas alcoólicas e
IV, todos válidos, conseguiu identificar o(s) você não causará um acidente de trânsito”.
suspeito(s) participante(s) do crime. Se o
suspeito 1 não participou do crime, então ( ) Certo   ( ) Errado
apenas o suspeito 2 participou do crime.
( ) Certo   ( ) Errado 19. (CESPE) A negação da proposição “A ginás-
tica te transforma e o futebol te dá alegria”
está assim corretamente enunciada: “A gi-
16. (CESPE) Considere que as seguintes afirma- nástica não te transforma nem o futebol te
ções sejam verdadeiras: dá alegria”.
•• Se é noite e não chove, então Paulo vai ( ) Certo   ( ) Errado
ao cinema.
•• Se não faz frio ou Paulo vai ao cinema,
então Márcia vai ao cinema. 20. (CESPE) A negação da proposição “O presi-
dente é o membro mais antigo do tribunal e
Considerando que, em determinada noite, o corregedor é o vice-presidente” é “O pre-
Márcia não foi ao cinema, é correto afirmar sidente é o membro mais novo do tribunal
que, nessa noite, fez frio, Paulo não foi ao ou o corregedor não é o vice-presidente”.
cinema e não choveu.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

21. (CESPE) A proposição equivalente à negação


17. (CESPE) A formação das escalas na divisão de “Comi feijoada com couve, mas não bebi
dos trabalhos da semana, obedece às se- vinho” é “Não comi feijoada ou não comi
guintes proposições: couve ou bebi vinho”.
•• Carlos fiscaliza a empresa A e João não ( ) Certo   ( ) Errado
fiscaliza a empresa B.
•• João fiscaliza a empresa B ou Maria não
fiscaliza a empresa D.
•• Augusto fiscaliza a empresa D se e so-
mente se Maria não fiscaliza a empresa
B.

www.acasadoconcurseiro.com.br 41
P1: Se a impunidade é alta, então a crimina- 28. (CESPE) A negação da sentença “A inflação
lidade é alta. não é controlada e não há projetos de de-
senvolvimento.” É equivalente a proposição
22. (CESPE) A negação da proposição P1 pode “Se a inflação não é controlada, então há
ser escrita como “Se a impunidade não é projetos de desenvolvimento”.
alta, então a criminalidade não é alta.”
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
29. (CESPE) As proposições “Se o delegado não
23. (CESPE) A negação da sentença “Ou estudo prender o chefe da quadrilha, então a ope-
para concurso ou trabalho”, é equivalente ração agarra não será bem-sucedida” e “Se
a “Estudo para concurso, se e somente se, o delegado prender o chefe da quadrilha,
trabalho”. então a operação agarra será bem-sucedi-
da” são equivalentes.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
24. (CESPE) A negação da sentença “Ou estudo
para concurso ou trabalho”, é equivalente a 30. (CESPE) A proposição “um papel é rascunho
“Se estudo para concurso, trabalho; porém, ou não tem mais serventia para o desenvol-
quando trabalho, estudo para concurso”. vimento dos trabalhos” é equivalente a “se
um papel tem serventia para o desenvol-
( ) Certo   ( ) Errado vimento dos trabalhos, então é um rascu-
nho”.
25. (CESPE) A negação da proposição “Ou Mau- ( ) Certo   ( ) Errado
ro gosta de rock ou João gosta de samba”
pode ser corretamente expressa por “Se
Mauro gosta de rock, então João gosta de 31. (CESPE) Considerando como proposição P:
samba e se Mauro não gosta de rock, então “Se Ricardo não contribui com o INSS, então
João não gosta de samba”. a sua família está segurada”, logo a proposi-
ção “Não é verdade que Ricardo não contri-
( ) Certo   ( ) Errado bui com o INSS nem que sua família esteja
segurada” é equivalente a P.
26. (CESPE) A negação da proposição “A Terra é ( ) Certo   ( ) Errado
redonda se e somente se o céu não é azul”
é equivalente a “A Terra é redonda e o céu
é azul, ou o céu não é azul e a Terra não é 32. (CESPE) A proposição “Caio é segurado do
redonda”. regime geral de previdência social se, e
somente se, for participante de previdên-
( ) Certo   ( ) Errado cia complementar fechada” é logicamente
equivalente a “Caio é segurado do regime
27. (CESPE) A negação da sentença “A Terra é geral de previdência social e participante
chata e a Lua é um planeta.” é equivalente a de previdência complementar fechada, ou
proposição “Se a Terra é chata, então a Lua Caio não é segurado do regime geral de pre-
não é um planeta”. vidência social e não é participante de pre-
vidência complementar fechada”.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

42 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Com base na proposição P: “Quando o clien- 37. (CESPE) A negação de S pode ser corretamen-
te vai ao banco solicitar um empréstimo, ou te expressa por [∼ P ∨(Q ∨R)]∧[(∼ R)∨ ∼ (P ↔ Q)] .
ele aceita as regras ditadas pelo banco, ou
ele não obtém o dinheiro”, julgue os itens ( ) Certo   ( ) Errado
que se seguem.
38. (CESPE) Se P for uma proposição verdadeira
33. (CESPE) Se for falsa a proposição “O clien- e se Q e R forem falsas, então as proposi-
te vai ao banco solicitar um empréstimo”, ções S e [P → (Q ∨R)]∧ (P ↔ Q) terão valo-
então a proposição P também será falsa, res lógicos diferentes.
independentemente dos valores lógicos das
demais proposições constituintes de P. ( ) Certo   ( ) Errado

( ) Certo   ( ) Errado
Ao comentar a respeito das profissões de al-
guns suspeitos, um delegado federal fez as
34. (CESPE) A negação da proposição “Ou o seguintes afirmações:
cliente aceita as regras ditadas pelo banco,
ou o cliente não obtém o dinheiro” é logi- P1: Se Clara é policial e João é analista de sis-
camente equivalente a “O cliente aceita as temas, Elias não é contador.
regras ditadas pelo banco se, e somente se, P2: Se Clara é policial e Elias é contador, João
o cliente não obtém o dinheiro”. é analista de sistemas.
P3: Se João é analista de sistemas e Elias é
( ) Certo   ( ) Errado contador, Clara não é policial.
Com base nessas informações, julgue os
35. (CESPE) A proposição “Ou o cliente aceita as itens seguintes.
regras ditadas pelo banco, ou o cliente não
obtém o dinheiro” é logicamente equiva- 39. (CESPE) A proposição P1 é logicamente equi-
lente a “Se não aceita as regras ditadas pelo valente a “Se Elias é contador, Clara não é
banco, o cliente não obtém o dinheiro”. policial nem João é analista de sistemas”.
( ) Certo   ( ) Errado ( ) Certo   ( ) Errado

Considerando que o símbolo lógico ∧ corres-


ponda à conjunção “e”; ∨ , à disjunção “ou”; 40. (CESPE) A proposição P2 é logicamente equi-
→ , à condicional “se..., então”; ↔ , à bicon- valente a “Clara não é policial ou Elias não é
dicional “se, e somente se”; ∼ corresponda à contador, ou João é analista de sistemas”.
negação “não”; P, Q e R sejam proposições ( ) Certo   ( ) Errado
simples; e S seja a seguinte proposição com-
posta: [P∧ ∼ (Q ∨R)]→ [R ∧ (P ↔ Q)], julgue
os próximos itens. 41. (CESPE) Se P3 for falsa, então João é analista
de sistemas, Elias é contador e Clara é poli-
36. (CESPE) Se Q for uma proposição verdadei- cial.
ra, então, independentemente dos valores
( ) Certo   ( ) Errado
lógicos de P e R, a proposição S será sempre
verdadeira.
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 43
Considerando que a proposição P: “Se o Considerando a sentença “Se o radar não
comprador não escritura o imóvel, então estiver danificado ou desligado, o motorista
ele não o registra” seja verdadeira, julgue os levará uma multa”, julgue os itens subsecu-
itens seguintes. tivos.

42. (CESPE) A negação da proposição P pode ser 48. (CESPE) A sentença “o radar não está dani-
expressa corretamente por “Se o compra- ficado ou desligado” é logicamente equiva-
dor escritura o imóvel, então ele o registra”. lente à sentença “o radar não está danifica-
do e também não está desligado”.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
43. (CESPE) A proposição P é logicamente equi-
valente à proposição “O comprador escritu- 49. (CESPE) Se forem falsas as afirmações “o
ra o imóvel, ou não o registra”. radar estava desligado” e “o motorista le-
vou uma multa”, então a sentença “se um
( ) Certo   ( ) Errado motorista passou em excesso de velocidade
por um radar e este não estava danificado
44. (CESPE) Um comprador que tiver registrado ou desligado, então o motorista levou uma
o imóvel, necessariamente, o escriturou. multa” será verdadeira, independentemen-
te dos valores lógicos das outras proposi-
( ) Certo   ( ) Errado ções simples que a compõem.
( ) Certo   ( ) Errado
45. (CESPE) Se A for o conjunto dos comprado-
res que escrituram o imóvel, e B for o con-
junto dos que o registram, então B será sub- 50. (CESPE) Se forem verdadeiras a afirmação
conjunto de A. do enunciado e a sentença “um motorista
levou uma multa”, então, do ponto de vis-
( ) Certo   ( ) Errado ta lógico, é correto concluir que tal moto-
rista passou em excesso de velocidade por
um radar, que o radar não está danificado e
46. (CESPE) As proposições “Não precisa mais
também que o radar não está desligado.
capturar ou digitar o código de barras” e
“Não precisa mais capturar nem digitar o ( ) Certo   ( ) Errado
código de barras” são equivalentes.
( ) Certo   ( ) Errado Julgue os itens a seguir, relativos a raciocí-
nio lógico.
Com base na proposição P: “A empresa não
51. (INSS – CESPE – 2016) Para quaisquer pro-
garante que o serviço por ela prestado não
posições p e q, com valores lógicos quais-
será interrompido, ou que seja livre de er-
quer, a condicional p → (q→ p) será, sem-
ros”, julgue o item subsequente.
pre, uma tautologia.
47. (CESPE) Se as proposições “O serviço pres- ( ) Certo   ( ) Errado
tado pela empresa não será interrompido”
e “O serviço prestado pela empresa é livre
de erros” forem verdadeiras, então a propo- 52. (INSS – CESPE – 2016) Caso a proposição
sição P também será verdadeira. simples “Aposentados são idosos” tenha va-
lor lógico falso, então o valor lógico da pro-
( ) Certo   ( ) Errado

44 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

posição “Aposentados são idosos, logo eles que ele faça depois de eleito, perderei meu
devem repousar” será falso. voto.
( ) Certo   ( ) Errado P4: Eu voto no candidato X.
C: O candidato X me dará um agrado antes
da eleição ou serei atingido por uma benfei-
53. (INSS – CESPE – 2016) Dadas as proposições toria que ele fizer depois de eleito.
simples p: “Sou aposentado” e q: ”Nunca
faltei ao trabalho”, a proposição composta A partir das proposições de P1 a P4 e da pro-
“Se sou aposentado e nunca faltei ao traba- posição C apresentadas acima, julgue os
lho, então não sou aposentado” deverá ser itens seguintes, que se referem à lógica sen-
escrita na forma (p ∧ q) →∼ p , usando-se os tencial.
conectivos lógicos.
57. (CESPE) A negação da proposição “Eu voto
( ) Certo   ( ) Errado no candidato X, ele não é eleito e ele não
me dá um agrado antes da eleição” está
Ao comentar a respeito da instabilidade corretamente expressa por “Eu não voto
cambial de determinado país, um jornalista no candidato X, ele é eleito e ele me dá um
fez a seguinte colocação: “Ou cai o ministro agrado antes da eleição”.
da Fazenda, ou cai o dólar”. Acerca desse ( ) Certo   ( ) Errado
comentário, que constitui uma disjunção
exclusiva, julgue os itens seguintes.
58. (CESPE) Se as proposições P1 e P4 e a pro-
54. (CESPE) Caso o ministro da Fazenda perma- posição “o candidato X é eleito” forem ver-
neça no cargo e a cotação do dólar mante- dadeiras, a proposição P3 será verdadeira,
nha sua trajetória de alta, a proposição do independentemente do valor lógico da pro-
jornalista será verdadeira. posição “não sou atingido por uma benfei-
toria que o candidato faça após eleito”.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
55. (CESPE) A negação da colocação do jornalis-
ta é equivalente a “Cai o ministro da Fazen- 59. (CESPE) Caso as proposições P1, P2 e P4 se-
da se, e somente se, cai o dólar”. jam verdadeiras, será verdadeira a proposi-
ção “o candidato X é eleito ou ele me dá um
( ) Certo   ( ) Errado agrado antes da eleição”.
( ) Certo   ( ) Errado
56. (CESPE) A proposição do jornalista é equiva-
lente a “Se não cai o ministro da Fazenda,
então cai o dólar”. 60. (CESPE) A proposição C é equivalente à se-
guinte proposição: “Se o candidato X não
( ) Certo   ( ) Errado me der um agrado antes da eleição, serei
atingido por uma benfeitoria que ele fizer
P1: Não perco meu voto. após ser eleito”.
P2: Se eu votar no candidato X, ele não for ( ) Certo   ( ) Errado
eleito e ele não me der um agrado antes da
eleição, perderei meu voto.
P3: Se eu votar no candidato X, ele for elei-
to e eu não for atingido por uma benfeitoria

www.acasadoconcurseiro.com.br 45
61. (CESPE) A proposição “Se as reservas interna- 67. (CESPE) Se A for o conjunto dos servidores
cionais em moeda forte aumentam, então o que atendem a todos os requisitos, e B for
país fica protegido de ataques especulativos” o conjunto dos servidores para os quais foi
pode também ser corretamente expressa concedido auxílio-moradia, então A será
por “O país ficar protegido de ataques espe- subconjunto de B.
culativos é condição necessária para que as
reservas internacionais aumentem”. ( ) Certo   ( ) Errado

( ) Certo   ( ) Errado Considerando que P seja a proposição “A es-


cola não prepara com eficácia o jovem para
Considerando que P seja a proposição “Con- a vida, pois o ensino profissionalizante não
ceder-se-á auxílio-moradia a servidor se faz parte do currículo da grande maioria dos
este atender a todos os requisitos”, julgue centros de ensino”, julgue os itens seguin-
os itens seguintes. tes.

62. (CESPE) Se a proposição “O servidor atende 68. (CESPE) A proposição P estaria corretamen-
a todos os requisitos” for falsa, então a pro- te representada por R → Q , em que R e Q
posição P será verdadeira, independente- são proposições lógicas convenientemente
mente do valor lógico da proposição “Con- escolhidas.
ceder-se-á auxílio-moradia a servidor”.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
69. (CESPE) A proposição P é equivalente a "Se
63. (CESPE) A proposição P é equivalente a “Se o ensino profissionalizante não faz parte do
o servidor atender a todos os requisitos, en- currículo da grande maioria dos centros de
tão conceder-se-á auxílio moradia a ele”. ensino, então a escola não prepara com efi-
cácia o jovem para a vida".
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
64. (CESPE) Considere que Carlos seja um servi-
dor do INSS. Dessa forma é correto concluir 70. (CESPE) A proposição P é equivalente a "O
que a ele será concedido auxílio moradia. ensino profissionalizante não faz parte do
currículo da grande maioria dos centros de
( ) Certo   ( ) Errado ensino ou a escola prepara com eficácia o
jovem para a vida".
65. (CESPE) Um servidor que atenda a todos os ( ) Certo   ( ) Errado
requisitos, mas para o qual não seja conce-
dido auxílio moradia é um contraexemplo
para a proposição considerada. 71. (CESPE) “A escola preparar com eficácia o
jovem para a vida" é condição suficiente
( ) Certo   ( ) Errado para que “o ensino profissionalizante fazer
parte do currículo da grande maioria dos
66. (CESPE) Não atender a pelo menos um dos centros de ensino”.
requisitos é condição necessária para que ( ) Certo   ( ) Errado
não seja concedido auxílio-moradia a servi-
dor.
( ) Certo   ( ) Errado

46 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

72. (CESPE) A negação da proposição P está cor- 76. (CESPE) A negação da proposição “O con-
retamente expressa por "O ensino profissio- tribuinte individual presta serviço a outro
nalizante não faz parte do currículo da gran- contribuinte individual ou a uma empresa”
de maioria dos centros de ensino, e a escola pode ser expressa corretamente como “O
não prepara com eficácia o jovem para a contribuinte individual não presta serviço
vida". a outro contribuinte individual nem a uma
empresa”.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
Tendo como referência a proposição P: “O
contribuinte individual ficará isento do re- 77. (CESPE) A tabela-verdade correspondente à
colhimento de sua contribuição previden- proposição P tem mais de 5 linhas.
ciária desde que preste serviço a outro
contribuinte individual ou a uma empresa” ( ) Certo   ( ) Errado
e considerando apenas a proposição nele
contida e os aspectos desse mandamento
78. (CESPE) A negação da proposição P é logica-
atinentes à lógica, julgue os seis itens sub-
mente equivalente a “O contribuinte indivi-
sequentes.
dual prestou serviço a outro contribuinte in-
dividual ou a uma empresa ou ele não ficou
73. (CESPE) A proposição P é logicamente equi- isento do recolhimento de sua contribuição
valente a “Se o contribuinte individual pres- previdenciária”.
ta serviço a outro contribuinte individual ou
a uma empresa, então ele ficará isento do ( ) Certo   ( ) Errado
recolhimento de sua contribuição previden-
ciária”.
Ao comentar sobre as razões da dor na re-
( ) Certo   ( ) Errado gião lombar que seu paciente sentia, o mé-
dico fez as seguintes afirmativas.

74. (CESPE) De acordo com a proposição P, ficar P1: Além de ser suportado pela estrutura
isento do recolhimento de sua contribuição óssea da coluna, seu peso é suportado tam-
previdenciária é condição suficiente para o bém por sua estrutura muscular.
contribuinte individual prestar serviço a um P2: Se você estiver com sua estrutura mus-
outro contribuinte individual ou a uma em- cular fraca ou com sobrepeso, estará com
presa”. sobrecarga na estrutura óssea da coluna.
( ) Certo   ( ) Errado P3: Se você estiver com sobrecarga na es-
trutura óssea da coluna, sentirá dores na
região lombar.
75. (CESPE) Supondo-se que a proposição P e as P4: Se você praticar exercícios físicos regu-
proposições “O contribuinte individual pres- larmente, sua estrutura muscular não esta-
ta serviço a outro contribuinte individual” e rá fraca.
“O contribuinte individual presta serviço a P5: Se você tiver uma dieta balanceada, não
uma empresa” sejam verdadeiras, é correto estará com sobrepeso.
concluir que também será necessariamen-
te verdadeira a proposição “O contribuinte Tendo como referência a situação acima
individual ficará isento do recolhimento de apresentada, julgue os itens seguintes, con-
sua contribuição previdenciário”. siderando apenas seus aspectos lógicos.
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 47
79. (CESPE) A proposição P1 pode ser correta- Considere que, no argumento apresentado
mente representada pela forma simbólica abaixo, as proposições P, Q, R e S sejam as
P ∧ Q , em que P e Q são proposições conve- premissas e T, a conclusão.
nientemente escolhidas e o símbolo ∧ re-
presenta o conectivo lógico denominado P: Jornalistas entrevistam celebridades ou
conjunção. políticos.
Q: Se jornalistas entrevistam celebridades,
( ) Certo   ( ) Errado então são irônicos ou sensacionalistas.
R: Ou são irônicos, ou perspicazes.
80. (CESPE) Se a proposição “Você está com sua S: Ou são sensacionalistas, ou sagazes.
estrutura muscular fraca” for verdadeira e T: Se jornalistas são perspicazes e sagazes,
as proposições “Você está com sobrepeso” então entrevistam políticos.
e “Você está com sobrecarga na estrutura
óssea da coluna” forem falsas, então a pro- A respeito dessas proposições, julgue os
posição P2 será verdadeira. itens seguintes.

( ) Certo   ( ) Errado 84. (CESPE) Suponha que as proposições “Jor-


nalistas são irônicos” e “Jornalistas são
81. (CESPE) A negação da proposição P2 é equi- sensacionalistas” sejam falsas. Nesse caso,
valente à proposição “Você não está com também será falsa a proposição “Se jorna-
sua estrutura muscular fraca nem com so- listas entrevistam celebridades, são irônicos
brepeso, mas está com sobrecarga na estru- ou sensacionalistas”.
tura óssea da coluna”. ( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
85. (CESPE) Caso sejam falsas as proposições
82. (CESPE) De acordo com as informações “Jornalistas são perspicazes” e “Jornalistas
apresentadas, estar com a estrutura mus- são sagazes”, então também será falsa a
cular fraca ou com sobrepeso é condição conclusão do argumento.
suficiente para o paciente sentir dores na ( ) Certo   ( ) Errado
região lombar.
( ) Certo   ( ) Errado 86. (CESPE) A proposição Q é logicamente equi-
valente a “Se jornalistas não são sensacio-
83. (CESPE) Se todas as afirmações feitas pelo nalistas e não são irônicos, então não entre-
médico forem verdadeiras, também será vistam celebridades”.
verdadeira a afirmação “Se você não sentis- ( ) Certo   ( ) Errado
se dor na região lombar, então não estaria
com sobrecarga na estrutura óssea da colu-
na”. 87. (CESPE) A conclusão do argumento é uma
proposição logicamente equivalente a “Jor-
( ) Certo   ( ) Errado nalistas não são perspicazes ou não são sa-
gazes ou entrevistam políticos”.
( ) Certo   ( ) Errado

48 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Considere que as seguintes proposições se- supermercado no sábado, então comprará


jam verdadeiras. arroz” é verdadeira.
•• Quando chove, Maria não vai ao cine- ( ) Certo   ( ) Errado
ma.
•• Quando Cláudio fica em casa, Maria vai 92. (CESPE) Se, em uma sexta-feira, Cássio dis-
ao cinema. ser a Cássia: “Se eu te amasse, eu não iria
•• Quando Cláudio sai de casa, não faz embora”, será correto concluir que Cássio
frio. não ama Cássia.
•• Quando Fernando está estudando, não
chove. ( ) Certo   ( ) Errado
•• Se é noite, faz frio.
P1: O consumidor terá acesso a taxas mais
Tendo como referência as proposições apre- baixas para financiar a compra de veículo se e
sentadas, julgue os itens subsecutivos. somente e se possuir histórico de pagamentos
em dia ou o prazo do financiamento for curto.
88. (DPU – CESPE – 2016) Se Maria foi ao cine- P2: Se o consumidor possuir histórico de
ma, então Fernando estava estudando. pagamentos em dia, então ele terá discipli-
( ) Certo   ( ) Errado na para poupar.
P3: Se o consumidor tiver disciplina para
poupar, então ele não precisará financiar o
89. (DPU – CESPE – 2016) É noite e não chove. veículo.
( ) Certo   ( ) Errado P4: Se o prazo do financiamento for curto,
então este não precisará financiar o veículo.
O casal Cássio e Cássia tem as seguintes pe- Conclusão: Se o consumidor não precisa
culiaridades: tudo o que Cássio diz às quar- financiar o veículo, então ele tem acesso a
tas, quintas e sextas-feiras é mentira, sendo taxas mais baixas para financiamento.
verdade o que é dito por ele nos outros dias
da semana; tudo o que Cássia diz aos do- Considerando as informações apresenta-
mingos, segundas e terças-feiras é mentira, das, julgue os itens que se seguem.
sendo verdade o que é dito por ela nos ou-
tros dias da semana. 93. (CESPE) A premissa P1 pode ser simbolica-
mente representada por A ↔ [B ∨ C], em
A respeito das peculiaridades desse casal, que A, B e C sejam proposições adequada-
julgue os itens subsecutivos. mente escolhidas e os símbolos ↔ e ∨ re-
presentem, respectivamente, a bicondicio-
90. (CESPE) Se, em certo dia, ambos disserem nal e a disjunção.
“Amanhã é meu dia de mentir”, então essa
afirmação terá sido feita em uma terça-fei- ( ) Certo   ( ) Errado
ra.
( ) Certo   ( ) Errado 94. (CESPE) A conclusão do argumento do jor-
nalista também pode ser expressa da se-
guinte forma: “O consumidor precisa finan-
91. (CESPE) Na terça-feira, Cássia disse que iria ciar o veículo ou ele tem acesso a taxas mais
ao supermercado no sábado e na quarta- baixas para financiamento”.
-feira, que compraria arroz no sábado.
Nesse caso, a proposição “Se Cássia for ao ( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 49
Um jovem, ao ser flagrado no aeroporto Ser síndico não é fácil. Além das cobranças
portando certa quantidade de entorpecen- de uns e da inadimplência de outros, ele
tes, argumentou com os policiais conforme está sujeito a passar por desonesto.
o esquema a seguir:
A esse respeito, um ex-síndico formulou as
Premissa 1: Eu não sou traficante, eu sou seguintes proposições:
usuário;
•• Se o síndico troca de carro ou reforma
Premissa 2: Se eu fosse traficante, estaria seu apartamento, dizem que ele usou
levando uma grande quantidade de droga e dinheiro do condomínio em benefício
a teria escondido; próprio. (P1)
Premissa 3: Como sou usuário e não levo •• Se dizem que o síndico usou dinheiro do
uma grande quantidade, não escondi a dro- condomínio em benefício próprio, ele
ga. fica com fama de desonesto. (P2)
Conclusão: Se eu estivesse levando uma •• Logo, se você quiser manter sua fama
grande quantidade, não seria usuário. de honesto, não queira ser síndico. (P3)
Considerando a situação hipotética apre- Com referência às proposições P1, P2 e P3
sentada acima, julgue os itens a seguir. acima, julgue os itens a seguir.

95. (PF – CESPE) Se P e Q representam, respec- 98. (CESPE) A negação da proposição “O síndico
tivamente, as proposições “Eu não sou tra- troca de carro ou reforma seu apartamen-
ficante” e “Eu sou usuário”, então a premis- to” pode ser corretamente expressa por “O
sa 1 estará corretamente representada por síndico não troca de carro nem reforma seu
P∧Q . apartamento”.
( ) Certo   ( ) Errado ( ) Certo   ( ) Errado

96. (PF – CESPE) A proposição correspondente à 99. (CESPE) Se a proposição “Dizem que o sín-
negação da premissa 2 é logicamente equi- dico usou dinheiro do condomínio em be-
valente a “Como eu não sou traficante, não nefício próprio” for falsa, então, indepen-
estou levando uma grande quantidade de dentemente do valor lógico da proposição
droga ou não a escondi”. “O síndico fica com fama de desonesto”, a
premissa P2 será verdadeira.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
97. (PF – CESPE) Se a proposição “Eu não sou
traficante” for verdadeira, então a premissa 100. (CESPE) A proposição P3 é equivalente a “Se
2 será uma proposição verdadeira, indepen- você quiser ser síndico, não queira manter
dente dos valores lógicos das demais propo- sua fama de honesto”.
sições que a compõem.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
O exercício da atividade policial exige pre-
paro técnico adequado ao enfrentamento
de situações de conflito e, ainda, conheci-
mento das leis vigentes, incluindo interpre-
tação e forma de aplicação dessas leis nos

50 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

casos concretos. Sabendo disso, considere Considerando que R e T são proposições ló-
como verdadeiras as proposições seguintes. gicas simples, julgue os itens a seguir, acer-
ca da construção de tabelas-verdade.
P1: Se se deixa dominar pela emoção ao
tomar decisões, então o policial toma deci- 104. (CESPE) Se a expressão lógica envolvendo R
sões ruins. e T for (R → T) ↔ R , a tabela-verdade cor-
P2: Se não tem informações precisas ao to- respondente será a seguinte.
mar decisões, então o policial toma deci-
sões ruins.
R T (R → T) ↔ R
P3: Se está em situação de estresse e não
teve treinamento adequado, o policial se V V V
deixa dominar pela emoção ao tomar deci- V F F
sões.
F V V
P4: Se teve treinamento adequado e se de-
dicou nos estudos, então o policial tem in- F F F
formações precisas ao tomar decisões.
( ) Certo   ( ) Errado
Com base nessas proposições. julgue os
itens a seguir.
105. (CESPE) Se a expressão lógica envolvendo R
101. (CESPE) A proposição formada pela conjun- e T for (R ∧ T)∨(¬R) , a tabela-verdade cor-
ção de P1 e P2 é logicamente equivalente respondente será a seguinte.
à proposição “Se se deixa dominar pela
emoção ou não tem informações precisas (R ∧ T)∨(¬R)
R T
ao tomar decisões, então o policial toma
decisões ruins”. V V V
( ) Certo   ( ) Errado V F F
F V V
102. (CESPE) Admitindo-se como verdadeiras as F F V
proposições “O policial teve treinamento
adequado” e “O policial tem informações ( ) Certo   ( ) Errado
precisas ao tomar decisões”, então a pro-
posição “O policial se dedicou nos estudos”
será, necessariamente, verdadeira. 106. (CESPE) A tabela de interpretação de
(P → ¬Q) → ¬P é igual à tabela de inter-
( ) Certo   ( ) Errado pretação de P → Q .

103. (CESPE) A negação de P4 é logicamente P Q (P → ¬Q) → ¬P


equivalente à proposição “O policial teve
treinamento adequado e se dedicou nos V V
estudos, mas não tem informações preci- V F
sas ao tomar decisões”.
F V
( ) Certo   ( ) Errado F F

( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 51
Considerando as proposições simples p e Considerando que P, Q e R sejam proposi-
q e a proposição composta r :p ∨ q→ p ∧ q , ções simples, a tabela abaixo contém ele-
julgue o item abaixo. mentos para iniciar a construção da tabela-
-verdade da proposição P ↔ (Q ∧R) .
107. (CESPE) Considerando todos os possíveis
valores lógicos das proposições p e q, é
P Q R P ↔ (Q ∧R)
correto afirmar que a proposição r possui 3
valores lógicos F. V V V

( ) Certo   ( ) Errado V V F
V F V
108. (CESPE) Sendo p e q proposições quaisquer, V F F
r uma proposição verdadeira, s uma propo- F V V
sição falsa, a proposição (p ∧r) ↔ (q∨ s)
será verdadeira, somente se p for verda- F V F
deira. F F V
( ) Certo   ( ) Errado F F F

A partir dessas informações, julgue o próxi-


mo item.
P Q R S
V V V 110. (CESPE) Completando-se a tabela, a coluna
correspondente à proposição P ↔ (Q ∧R) .
V V F
Conterá, na ordem em que aparecem, de
V F V cima para baixo, os seguintes elementos: V,
V F F F, F, F, V, V, V, V.
F V V ( ) Certo   ( ) Errado
F V F
F F V
P Q R
F F F
① V V V
A tabela acima corresponde ao início da ② F V V
construção da tabela-verdade da proposi-
③ V F V
ção S, composta das proposições simples P,
Q e R. Julgue o item seguinte a respeito da ④ F F V
tabela-verdade de S. ⑤ V V F

109. (CESPE) Se S = (P → Q)∧R , então, na últi- ⑥ F V V


ma coluna da tabela-verdade de S, apare- ⑦ V F F
cerão, de cima para baixo e na ordem em
⑧ F F F
que aparecem, os seguintes elementos: V,
F, F, F, V, F, V e F.
A figura acima apresenta as colunas iniciais
( ) Certo   ( ) Errado de uma tabela-verdade, em que P, Q e R re-
presentam proposições lógicas, e V e F cor-

52 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

respondem, respectivamente, aos valores Uma sequência de proposições A1, A2, ..., Ak
lógicos verdadeiro e falso. é uma dedução correta se a última proposi-
ção, Ak, denominada conclusão, é uma con-
Com base nessas informações e utilizando sequência das anteriores, consideradas V e
os conectivos lógicos usuais, julgue o item denominadas premissas.
subsecutivo.
Duas proposições são equivalentes quando
111. (MEC – CESPE – 2015) A ultima coluna da têm os mesmos valores lógicos para todos
tabela-verdade referente a proposição lo- os possíveis valores lógicos das proposições
gica P ∨(Q ↔ R) quando representada na que as compõem.
posição horizontal e igual a
A regra da contradição estabelece que, se,
① ② ③ ④ ⑤ ⑥ ⑦ ⑧ ao supor verdadeira uma proposição P, for
obtido que a proposição P ∧(¬P) é verda-
P ∨ (Q ↔ R) V V V F V F V V deira, então P não pode ser verdadeira; P
tem de ser falsa.
( ) Certo   ( ) Errado
A partir dessas informações, julgue os itens
Considere que P, Q e R sejam proposições os itens subsequentes.
simples, julgue o item abaixo.
114. (CESPE) A proposição [(¬P)∨ Q]→ (R ∧ S) é
112.(PF – CESPE/2014) A partir do preenchi- logicamente equivalente a [P → Q]→ [R ∧ S].
mento da tabela-verdade abaixo, é correto ( ) Certo   ( ) Errado
concluir que a proposição P ∧ Q ∧R → P ∨ Q
é uma tautologia.
115. (CESPE) As proposições [A ∨(¬B)]→ (¬A)
e [(¬A)∧B]∨(¬A) são equivalentes.
P Q R P∧Q ∧R P∨Q P∧Q ∧R → P∨Q
( ) Certo   ( ) Errado

116. (CESPE) A Proposição ¬[(P → Q)∨ Q] é


equivalente à proposição [P ∧(¬Q)]∧(¬Q) ,
em que ¬P é a negação de P.
( ) Certo   ( ) Errado

117. (CESPE) Considere todas as possíveis va-


lorações V ou F atribuídas às proposições
simples P, Q e R. Nesse caso, a proposição
composta ¬[(P → R)∧(Q → R)] tem exata-
( ) Certo   ( ) Errado mente os mesmos valores lógicos da pro-
posição [P ∧(¬R)]∨[Q ∧(¬R)].
113. (CESPE) A partir do preenchimento da tabe- ( ) Certo   ( ) Errado
la-verdade, é correto concluir que a propo-
sição (P → R)∨ (Q → R) apresenta 4 linhas
em sua tabela-verdade ou tem exatamente
uma maneira de ser valorada como falsa.
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 53
Considerando os símbolos lógicos ¬ (ne- 123. (CESPE) A sentença (P ∧ ¬P) → [(¬Q ∨R)∨P]
gação), ∧ (conjunção), ∨ (disjunção), → é um exemplo de tautologia.
(condicional) e as proposições.
( ) Certo   ( ) Errado
S :[(p ∧ ¬q)∨ (¬p ∧r)]→ q∨r
e
124. (CESPE) A proposição [P ↔ Q]→ [(¬P)∨ (¬Q)]
T :[(p ∧ ¬q)∨ (¬p ∧r)]∧ (¬q∧ ¬r)
tem somente o valor lógico V, independen-
Julgue os itens que se seguem temente dos valores lógicos de P e Q.
( ) Certo   ( ) Errado
118. (CESPE) A proposição T → S é uma tauto-
logia.
125. (CESPE) A proposição {[(P ∨ Q) ↔ (¬R)]→ [S ∨(¬S)]}
( ) Certo   ( ) Errado
é uma tautologia, ou seja, ela é sempre
verdadeira independentemente dos valo-
119. (CESPE) As proposições compostas ¬S e res lógicos de P, Q, R e S.
T são equivalentes, ou seja, têm a mesma
( ) Certo   ( ) Errado
tabela-verdade, independentemente dos
valores lógicos das proposições simples p,
q e r que as constituem. 126.(CESPE) A proposição
[(P ∨ Q)∧(R ∨ S)] ↔ [Q ∧(R ∨ S)]∨[(P ∧R)∨(P ∧ S)] é
( ) Certo   ( ) Errado
uma tautologia.
( ) Certo   ( ) Errado
120. (CESPE) As proposições (P ∨ Q) → S e
(P → S)∨(Q → S) possuem tabelas de valo-
rações iguais. Proposições simples são simbolizadas por
letras maiúsculas, e as proposições compos-
( ) Certo   ( ) Errado tas são construídas com o uso de conecti-
vos. Uma proposição simples, da forma ¬A ,
121. (CESPE) As proposições P → (Q ∧R) e é a negação de A e é V quando A é F, e é F
(¬P ∨ Q)∧ (¬P ∨R) são logicamente equi- quando A é V. Parênteses podem ser usados
valentes. para agrupar as proposições e evitar ambi-
guidades. A partir dessas definições, julgue
( ) Certo   ( ) Errado os itens a seguir.

Considerando que, P, Q e R sejam proposi- 127. (CESPE) A proposição "O SEBRAE facilita e
ções conhecidas, julgue os próximos itens. orienta o acesso a serviços financeiros" é
uma proposição simples.
122. (CESPE) Se P e Q são proposições sim- ( ) Certo   ( ) Errado
ples, completando a tabela-verdade, se
necessário, conclui-se que a proposição
(P → Q) ↔ (∼ P ∨ Q) é uma tautologia. 128. (CESPE) Com relação à lógica formal, julgue
o item subsequente: A frase “Pedro e Paulo
( ) Certo   ( ) Errado são analistas do SEBRAE” é uma proposi-
ção simples.
( ) Certo   ( ) Errado

54 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

129. (CESPE) A sentença “o acidente de trabalho 133. (CESPE) A frase “O ser humano precisa se
e a aposentadoria são fatores que devem sentir apreciado, valorizado para crescer
ser considerados na decisão de contribuir com saúde física, emocional e psíquica” é
para o INSS” pode ser representada sim- uma proposição lógica simples.
bolicamente por P ∧ Q , em que as propo-
sições P e Q são convenientemente esco- ( ) Certo   ( ) Errado
lhidas.
( ) Certo   ( ) Errado 134. (CESPE – 2015) A sentença “A vida é curta e
a morte é certa” pode ser simbolicamente
representada pela expressão logica P ∧ Q ,
Com relação às proposições lógicas, julgue em que P e Q são proposições adequada-
os próximos itens. mente escolhidas.

130. (INSS – CESPE – 2016) A sentença “Bruna, ( ) Certo   ( ) Errado


acesse a internet e verifique a data da apo-
sentadoria do Sr. Carlos!” é uma proposi- 135. (CESPE – 2015) A sentença “Somente por
ção composta que pode ser escrita na for- meio da educação, o homem pode crescer,
ma p ∧ q . amadurecer e desenvolver um sentimento
( ) Certo   ( ) Errado de cidadania” pode ser simbolicamente re-
presentada pela expressão logica P ∧ Q ∧R ,
em que P, Q e R são proposições adequada-
131. (CESPE) A expressão “Como não se indig- mente escolhidas.
nar, assistindo todos os dias a atos de vio-
lência fortuitos estampados em todos os ( ) Certo   ( ) Errado
meios de comunicação do Brasil e do mun-
do?” é uma proposição lógica que pode ser 136. (CESPE) A sentença “Os exames serão apli-
representada por P → Q , em que P e Q são cados nos 26 estados e no Distrito Federal”
proposições lógicas convenientemente es- pode ser simbolicamente representada
colhidas. pela expressão lógica P ∧ Q , em que P e Q
( ) Certo   ( ) Errado são proposições adequadamente escolhi-
das.

132. (CESPE) A sentença “Quem é o maior de- ( ) Certo   ( ) Errado


fensor de um Estado não intervencionista,
que permite que as leis de mercado sejam 137. (CESPE) A sentença “O governo declarou
as únicas leis reguladoras da economia na estar otimista com o resultado da votação
sociedade: o presidente do Banco Central do processo de impeachment e com a re-
ou o ministro da Fazenda?” é uma proposi- cuperação da economia” é uma proposição
ção composta que pode ser corretamente lógica simples.
representada na forma (P ∨ Q)∧R , em que
P, Q e R são proposições simples conve- ( ) Certo   ( ) Errado
nientemente escolhidas.
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 55
Considerando que as proposições lógicas 139. (CESPE) A sentença “A indicação de juí-
sejam representadas por letras maiúsculas zes para o STF deve ser consequência de
e utilizando os conectivos lógicos usuais, um currículo que demonstre excelência e
julgue os itens a seguir a respeito de logica grande experiência na magistratura” pode
proposicional. ser corretamente representada na forma
P → Q , em que P e Q sejam proposições
138. (CESPE – 2015) A sentença “A aprovação simples convenientemente escolhidas.
em um concurso é consequência de um
planejamento adequado de estudos” pode ( ) Certo   ( ) Errado
ser simbolicamente representada pela ex-
pressão logica P → Q , em que P e Q são Julgue o item subsequente, relacionado a
proposições adequadamente escolhidas. lógica proposicional.
( ) Certo   ( ) Errado 140. (AFT – CESPE) A sentença “O crescimento
do mercado informal, com empregados
sem carteira assinada, é uma consequên-
cia do número excessivo de impostos inci-
dentes sobre a folha de pagamentos” pode
ser corretamente representada, como uma
proposição composta, na forma P → Q ,
em que P e Q sejam proposições simples
convenientemente escolhidas.
( ) Certo   ( ) Errado

Gabarito: 1. E 2. C 3. E 4. C 5. C 6. C 7. C 8. C 9. C 10. C 11. E 12. C 13. E 14. E 15. C 16. E 
17. C 18. C 19. E 20. E 21. C 22. E 23. C 24. C 25. C 26. C 27. C 28. C 29. E 30. C 31. C 32. C 
33. E 34. C 35. E 36. C 37. E 38. E 39. E 40. C 41. C 42. E 43. C 44. C 45. C 46. C 47. E 48. C 49. E 
50. E 51. C 52. E 53. C 54. E 55. C 56. E 57. E 58. E 59. C 60. C 61. C 62. C 63. C 64. E 65. C 66. C 
67. C 68. C 69. C 70. E 71. C 72. E 73. C 74. E 75. C 76. C 77. C 78. E 79. C 80. E 81. E 82. C 83. C 
84. E 85. E 86. C 87. C 88. E 89. C 90. C 91. C 92. E 93. C 94. C 95. C 96. E 97. C 98. C 99. C 100. C 
101. C 102. E 103. C 104. E 105. C 106. C 107. E 108. E 109. C 110. E 111. C 112. C 113. C 114. C 115. C
116. C 117. C 118. E 119. C 120. E 121. C 122. C 123. C 124. E 125. C 126. C 127. E 128. C 129. E 130. E
131. E 132. E 133. C 134. C 135. E 136. E 137. E 138. E 139. E 140. E

56 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

LÓGICA DE ARGUMENTAÇÃO:
ANALOGIAS, INFERÊNCIAS, DEDUÇÕES E CONCLUSÕES

INTRODUÇÃO

A análise de um conjunto de proposições requer conhecimento da álgebra das proposições


visto nas aulas anteriores, sobretudo os “dicas” apresentados para cada conectivo estudado:
“ou” ∨ , “ou...ou” v, “e” ∧ , “se...então” → e “se e somente se” ↔ .
Tudo consiste em organizar as proposições (de preferência usando linguagem simbólica),
localizar um ponto de partida através de uma proposição simples dada (ou de uma hipótese) e
a partir daí, através de um “efeito dominó”, deduzir todos os valores lógicos (V ou F) das outras
proposições simples, admitindo que todas as proposições compostas são verdadeiras.

INFERÊNCIA

Inferência, do latim inferre, é o mesmo que dedução. Em lógica, inferência é a passagem,


através de regras válidas, do antecedente ao consequente de um argumento.
A inferência é, portanto, um processo pelo qual se chega a uma proposição, afirmada na base
de uma ou outras mais proposições aceitas como ponto de partida do processo.
Então, inferir significa deduzir.

PREMISSA

Num silogismo (raciocínio ou conexão de ideias), as premissas são os juízos que precedem
à conclusão e dos quais ela decorre como consequente necessário – antecedentes – de que
se infere a consequência. Nas premissas, o termo maior (predicado da conclusão) e o menor
(sujeito da conclusão) são comparados com o termo médio e assim temos premissa maior e
premissa menor segundo a extensão dos seus termos.
O silogismo é estruturado do seguinte modo:
•• Todo homem é mortal (premissa maior)
•• homem é o sujeito lógico, e fica à frente da cópula;
•• é representa a cópula, isto é, o verbo que exprime a relação entre sujeito e predicado;
•• mortal é o predicado lógico, e fica após a cópula.

www.acasadoconcurseiro.com.br 57
•• Sócrates é homem (premissa menor)
•• Sócrates é mortal (conclusão)
Há palavras que ajudam a identificar as premissas (indicadores das premissas), como: se, caso,
quando, porque, desde que, pois que, como, dado que, tanto mais que, pela razão de que.
Podemos então dizer que as premissas são as proposições que, em uma argumentação,
precedem a conclusão.

CONCLUSÃO

A conclusão de um argumento é aquela que se afirma com base nas outras proposições desse
mesmo argumento, e, por sua vez, essas outras proposições que são enunciadas como prova
ou razões para aceitar a conclusão são as premissas desse argumento.
Proposição é normalmente usado para expressar o significado de uma sentença ou oração
declarativa. Note que "proposição" e "enunciado" não são sinônimos, mas no contexto lógico
são usados em sentido quase idêntico
Oportuno esclarecer que "premissa" e "conclusão" são termos relativos, uma só proposição
pode ser premissa num argumento e conclusão noutro. Isoladamente, nenhuma proposição
é uma premissa ou uma conclusão. "Só é premissa quando ocorre como pressuposição num
argumento ou raciocínio. Só é conclusão quando ocorre num argumento em que se afirma
decorrer das proposições pressupostas nesse argumento". Deste modo premissa e conclusão
são termos relativos, como empregador e empregado, dependem do contexto: empregador
para a sua doméstica, empregado para a empresa que trabalha.
Frequentemente, a conclusão é apresentada (enunciada) primeiro, seguindo-se-lhe as
premissas propostas em seu apoio. Mas pode corretamente estar no final do argumento ou
intercalada entre as premissas.
Palavras como: portanto, daí, logo, assim, consequentemente, segue-se que, podemos inferir,
podemos concluir, são indicadores da conclusão.

ARGUMENTO

Argumento é uma linha de raciocínio utilizada em um debate para defesa de um ponto de vista.
O argumento é o elemento básico para a fundamentação de uma teoria.
O argumento exprime com frequência o conceito geral de prova. Chama-se argumento porque
estimula a mente e a ilumina para intuir a verdade e dar-lhe a sua adesão.
No mínimo, um argumento envolve duas proposições: uma premissa (ou mais) e uma conclusão.
Para se distinguir um argumento correto de um incorreto é preciso, antes de mais, reconhecer
quando os argumentos ocorrem e identificar as suas premissas e conclusões.

58 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Exemplo:

Exemplo:

Exemplo:

ANALOGIA

Uma analogia é uma relação de equivalência entre duas outras relações.


As analogias têm uma forma de expressão própria que segue o modelo: A está para B, assim
como C está para D. Por exemplo, diz-se que: "Os patins estão para o patinador, assim como os
esquis estão para o esquiador". Ou seja, a relação que os patins estabelecem com o patinador é
idêntica à relação que os esquis estabelecem com o esquiador.
A maior parte das pessoas achará a analogia dos esquis/patins verdadeira. No entanto, é
extremamente difícil estabelecer de forma rigorosa porque é que é verdadeira. Normalmente,
as analogias são fluidas e uma análise mais detalhada poderá revelar algumas imperfeições na
comparação. Afinal, esquiar e patinar são atividades parecidas, mas não são exatamente iguais.
Em matemática foi desenvolvida uma versão mais formal de analogia, o isomorfismo.

www.acasadoconcurseiro.com.br 59
DEDUÇÃO

Raciocinar dedutivamente, é partir de premissas gerais, em busca de uma verdade particular.


Exemplo:
•• O Ser humano é imperfeito;
•• Eu sou um ser humano;
•• Logo, eu sou imperfeito;
Exemplo:
•• Todo mamífero tem um coração;
•• Todos os cavalos são mamíferos;
•• Logo, todos os cavalos têm coração;

INDUÇÃO

Os “indutivistas” acreditavam que as explicações para os fenômenos advinham unicamente da


observação dos fatos. Então, raciocinar indutivamente é partir de premissas particulares, na
busca de uma lei geral, universal.
Exemplo:
Sabe-se que:
•• O ferro conduz eletricidade
•• O ferro é metal
•• O ouro conduz eletricidade
•• O ouro é metal
•• O cobre conduz eletricidade
•• O cobre é metal
Logo os metais conduzem eletricidade.
Exemplo:
•• Todos os cavalos até hoje observados tinham um coração;
•• Logo, todos os cavalos tem um coração;
O princípio de indução não pode ser uma verdade lógica pura, tal como uma tautologia ou um
enunciado analítico, pois se houvesse um princípio puramente lógico de indução, simplesmente
não haveria problema de indução, uma vez, que neste caso todas as inferências indutivas teriam
de ser tomadas como transformações lógicas ou tautológicas, exatamente como as inferências
no campo da Lógica Dedutiva.

60 www.acasadoconcurseiro.com.br
Questões

QUESTÕES DE CONCURSOS – CESPE

1. (CESPE) Um argumento que tenha P1, P2, P3 4. (CESPE) Um argumento válido é uma sequ-
e P4 como premissas e C como conclusão ência finita de proposições em que algumas
será um argumento válido. são chamadas premissas e assumidas como
verdadeiras, e as demais são conclusões que
P1: A ∧B se garantem verdadeiras em consequência
P2: ∼ B v ∼ C da veracidade das premissas e de conclu-
P3: D → C sões previamente estabelecidas. Suponha
P4: ∼ D ↔∼ E que a proposição “Se Josué foi aprovado no
C: ∼ E → C concurso e mudou de cidade, então Josué
mudou de emprego” seja uma premissa
( ) Certo   ( ) Errado de um argumento. Se a proposição “Josué
não mudou de emprego” for outra premissa
desse argumento, uma conclusão que ga-
2. (CESPE) Um argumento que tenha P1, P2 e rante sua validade é expressa pela proposi-
P3 como premissas e C como conclusão será ção “Josué não foi aprovado no concurso ou
um argumento válido. não mudou de cidade”.
P1: A → (∼ B ∧ C) ( ) Certo   ( ) Errado
P2: ∼ A → B
P3: D∧ ∼ C P1: Se a impunidade é alta, então a crimina-
C: B →∼ D lidade é alta.
( ) Certo   ( ) Errado P2: A impunidade é alta ou a justiça é eficaz.
P3: Se a justiça é eficaz, então não há crimi-
nosos livres.
3. (CESPE) Suponha que as proposições “Edu
P4: Há criminosos livres.
tem um laptop ou ele tem um celular” e
“Edu ter um celular é condição necessária C: Portanto a criminalidade é alta.
para Edu ter um laptop” sejam verdadeiras. Considerando o argumento apresentado
Nesse caso, considerando essas proposi- acima, em que P1, P2, P3 e P4 são as pre-
ções como premissas e a proposição “Edu missas e C, a conclusão, julgue o item sub-
tem um laptop” como conclusão de um ar- sequente.
gumento, então esse argumento é válido.
( ) Certo   ( ) Errado 5. (CESPE) O argumento apresentado é um ar-
gumento válido.
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 61
Ser síndico não é fácil. Além das cobranças Um jovem, ao ser flagrado no aeroporto
de uns e da inadimplência de outros, ele portando certa quantidade de entorpecen-
está sujeito a passar por desonesto. tes, argumentou com os policiais conforme
o esquema a seguir:
A esse respeito, um ex-síndico formulou as
seguintes proposições: Premissa 1: Eu não sou traficante, eu sou
usuário;
•• Se o síndico troca de carro ou reforma
seu apartamento, dizem que ele usou Premissa 2: Se eu fosse traficante, estaria
dinheiro do condomínio em benefício levando uma grande quantidade de droga e
próprio. (P1) a teria escondido;
•• Se dizem que o síndico usou dinheiro do Premissa 3: Como sou usuário e não levo
condomínio em benefício próprio, ele uma grande quantidade, não escondi a dro-
fica com fama de desonesto. (P2) ga.
•• Logo, se você quiser manter sua fama Conclusão: Se eu estivesse levando uma
de honesto, não queira ser síndico. (P3) grande quantidade, não seria usuário.

Com referência às proposições P1, P2 e P3 Considerando a situação hipotética apre-


acima, julgue o item a seguir. sentada acima, julgue o item a seguir.

6. (CESPE) Considerando que P1 e P2 sejam as 8. (PF – CESPE) Sob o ponto de vista lógico, a
premissas de um argumento de que P3 seja argumentação do jovem constitui argumen-
a conclusão, é correto afirmar que, do pon- tação válida.
to de vista lógico, o texto acima constitui
um argumento válido. ( ) Certo   ( ) Errado

( ) Certo   ( ) Errado
Ao comentar a respeito das profissões de al-
guns suspeitos, um delegado federal fez as
Ao comentar a respeito da qualidade dos seguintes afirmações:
serviços prestados por uma empresa, um
cliente fez as seguintes afirmações: P1: Se Clara é policial e João é analista de sis-
temas, Elias não é contador.
P1: Se for bom e rápido, não será barato. P2: Se Clara é policial e Elias é contador, João
P2: Se for bom e barato, não será rápido. é analista de sistemas.
P3: Se João é analista de sistemas e Elias é
P3: Se for rápido e barato, não será bom. contador, Clara não é policial.
Com base nessas informações, julgue o item Com base nessas informações, julgue o item
seguinte. seguinte.
7. (CESPE) Um argumento que tenha P1 e P2 9. (CESPE) Um argumento que tenha P1 e P2
como premissas e P3 como conclusão será como premissas e P3 como conclusão será
um argumento válido. um argumento válido.
( ) Certo   ( ) Errado ( ) Certo   ( ) Errado

62 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

P1: Não perco meu voto. O exercício da atividade policial exige pre-
P2: Se eu votar no candidato X, ele não for paro técnico adequado ao enfrentamento
eleito e ele não me der um agrado antes da de situações de conflito e, ainda, conheci-
eleição, perderei meu voto. mento das leis vigentes, incluindo interpre-
P3: Se eu votar no candidato X, ele for elei- tação e forma de aplicação dessas leis nos
to e eu não for atingido por uma benfeitoria casos concretos. Sabendo disso, considere
que ele faça depois de eleito, perderei meu como verdadeiras as proposições seguintes.
voto. P1: Se se deixa dominar pela emoção ao to-
P4: Eu voto no candidato X. mar decisões, então o policial toma deci-
C: O candidato X me dará um agrado antes sões ruins.
da eleição ou serei atingido por uma benfei- P2: Se não tem informações precisas ao to-
toria que ele fizer depois de eleito. mar decisões, então o policial toma deci-
sões ruins.
A partir das proposições de P1 a P4 e da pro-
posição C apresentadas acima, julgue o item P3: Se está em situação de estresse e não
seguinte, que se refere à lógica sentencial. teve treinamento adequado, o policial se
deixa dominar pela emoção ao tomar deci-
10. (CESPE) O argumento cujas premissas sejam sões.
as proposições P1, P2, P3 e P4 e cuja conclu- P4: Se teve treinamento adequado e se de-
são seja a proposição C será válido. dicou nos estudos, então o policial tem in-
formações precisas ao tomar decisões.
( ) Certo   ( ) Errado
Com base nessas proposições, julgue o item
a seguir.
Considere que, no argumento apresentado
abaixo, as proposições P, Q, R e S sejam as 12. (CESPE) Considerando que P1, P2, P3 e P4
premissas e T, a conclusão. sejam as premissas de um argumento cuja
P: Jornalistas entrevistam celebridades ou conclusão seja “Se o policial está em situa-
políticos. ção de estresse e não toma decisões ruins,
então teve treinamento adequado”, é corre-
Q: Se jornalistas entrevistam celebridades,
to afirmar que esse argumento é válido.
então são irônicos ou sensacionalistas.
R: Ou são irônicos, ou perspicazes. ( ) Certo   ( ) Errado
S: Ou são sensacionalistas, ou sagazes.
T: Se jornalistas são perspicazes e sagazes, Ao comentar sobre as razões da dor na re-
então entrevistam políticos. gião lombar que seu paciente sentia, o mé-
dico fez as seguintes afirmativas.
A respeito dessas proposições, julgue o item
seguinte. P1: Além de ser suportado pela estrutura
óssea da coluna, seu peso é suportado tam-
11. (CESPE) Considerando que P, Q, R, S sejam bém por sua estrutura muscular.
as premissas de um argumento cuja con- P2: Se você estiver com sua estrutura mus-
clusão seja “Se jornalistas são perspicazes e cular fraca ou com sobrepeso, estará com
sagazes, então entrevistam políticos”, é cor- sobrecarga na estrutura óssea da coluna.
reto afirmar que esse argumento é válido. P3: Se você estiver com sobrecarga na es-
( ) Certo   ( ) Errado trutura óssea da coluna, sentirá dores na
região lombar.

www.acasadoconcurseiro.com.br 63
P4: Se você praticar exercícios físicos regu- 14. (CESPE) Incluindo entre as premissas a cons-
larmente, sua estrutura muscular não esta- tatação da equipe de fiscalização, o argu-
rá fraca. mento do gestor será um argumento válido.
P5: Se você tiver uma dieta balanceada, não ( ) Certo   ( ) Errado
estará com sobrepeso.
Tendo como referência a situação acima Pedro, um jovem empregado de uma em-
apresentada, julgue o item seguinte, consi- presa, ao receber a proposta de novo em-
derando apenas seus aspectos lógicos. prego, fez diversas reflexões que estão tra-
duzidas nas proposições abaixo.
13. (CESPE) Será válido o argumento em que as
premissas sejam as proposições P2, P3, P4 e •• P1: Se eu aceitar o novo emprego, ga-
P5 e a conclusão seja a proposição “Se você nharei menos, mas ficarei menos tem-
praticar exercícios físicos regularmente e ti- po no trânsito.
ver uma dieta balanceada, não sentirá do- •• P2: Se eu ganhar menos, consumirei
res na região lombar”. menos.
( ) Certo   ( ) Errado •• P3: Se eu consumir menos, não serei fe-
liz.
•• P4: Se eu ficar menos tempo no trânsi-
Verificando a regularidade da aquisição de to, ficarei menos estressado.
dispositivos sensores de presença e movi-
mento para instalação em uma repartição •• P5: Se eu ficar menos estressado, serei
pública, os fiscais constataram que os pro- feliz.
prietários das empresas participantes da A partir dessas proposições, julgue os dois
licitação eram parentes. Diante dessa cons- itens a seguir.
tatação, o gestor argumentou da seguinte
maneira: 15. (CESPE) Considerando que as proposições
P: As empresas participantes do certame fo- P1, P2, P3, P4 e P5 sejam todas verdadeiras,
ram convidadas formalmente ou tomaram é correto concluir que Pedro não aceitará o
conhecimento da licitação pela imprensa novo emprego.
oficial. ( ) Certo   ( ) Errado
Q: Os proprietários das empresas convida-
das formalmente não eram parentes.
16. (CESPE) É válido o argumento em que as
R: Se os proprietários das empresas convi-
proposições P1, P2, P3, P4 e P5 são as pre-
dadas formalmente não eram parentes e os
missas e a proposição “Se aceitar o novo
proprietários das empresas participantes da
emprego, serei feliz e não serei feliz” é a
licitação eram parentes, então as empresas
conclusão.
participantes não foram convidadas formal-
mente. ( ) Certo   ( ) Errado
Conclusão: As empresas participantes to-
maram conhecimento da licitação pela im- As proposições a seguir são as premissas de
prensa oficial. um argumento.
A partir das informações acima apresenta- I – Se uma companhia tem grande porte e
das, julgue o item a seguir. numerosas ramificações, sua falência teria
um custo intolerável para a sociedade.

64 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

II – Se a falência de uma companhia tem um •• P2: Se um empresário tem atuação an-


custo intolerável para a sociedade, o gover- tieconômica ou antiética, então ocorre
no protegê-las-á durante de uma crise séria. um escândalo no mundo empresarial.
III – Se o governo protege uma companhia •• P3: Se ocorre um escândalo no mundo
durante uma crise séria, recursos públicos empresarial, as ações do empresário
são usados em benefício de um ente priva- contribuíram para a manutenção de
do. certos empregos da estrutura social.
17. (CESPE) A conclusão “Se uma companhia •• P4: Se um empresário tem atuação an-
tem grande porte e numerosas ramifica- tieconômica ou antiética, ele merece
ções, então recursos públicos são usados receber a gratidão da sociedade.
em benefício de um ente privado”, junta-
mente com as premissas acima, constituem Tendo como referência essas proposições,
um argumento válido. julgue o item seguinte.

( ) Certo   ( ) Errado 19. (CESPE) O argumento que tem como pre-


missas as proposições P1, P2 e P3 e como
P1: Os clientes europeus de bancos suíços conclusão a proposição P4 é válido.
estão regularizando sua situação com o fis- ( ) Certo   ( ) Errado
co de seus países.
P2: Se os clientes brasileiros de bancos suí- P1: O consumidor terá acesso a taxas mais
ços não fazem o mesmo que os clientes eu- baixas para financiar a compra de veículo se
ropeus, é porque o governo do Brasil não e somente e se possuir histórico de paga-
tem um programa que os incite a isso. mentos em dia ou o prazo do financiamento
Considerando que as proposições P1 e P2 for curto.
apresentadas acima sejam premissas de um P2: Se o consumidor possuir histórico de
argumento, julgue o item a seguir, relativo à pagamentos em dia, então ele terá discipli-
lógica de argumentação. na para poupar.
18. (CESPE) O argumento formado pelas pre- P3: Se o consumidor tiver disciplina para
missas P1 e P2 e pela conclusão “Os clientes poupar, então ele não precisará financiar o
brasileiros de bancos suíços não estão re- veículo.
gularizando sua situação com o fisco de seu P4: Se o prazo do financiamento for curto,
país.” é um argumento válido. então este não precisará financiar o veículo.
Conclusão: Se o consumidor não precisa
( ) Certo   ( ) Errado financiar o veículo, então ele tem acesso a
taxas mais baixas para financiamento.
Considere as proposições P1, P2, P3 e P4,
apresentadas a seguir. Considerando as informações apresenta-
das, julgue o item que se segue.
•• P1: Se as ações de um empresário con-
tribuírem para a manutenção de certos 20. (CESPE) O argumento do jornalista é um ar-
empregos da estrutura social, então tal gumento válido, no sentido da lógica propo-
empresário merece receber a gratidão sicional.
da sociedade.
( ) Certo   ( ) Errado
Gabarito: 1. E 2. E 3. E 4. C 5. C 6. E 7. C 8. E 9. C 10. C 11. C 12. C 13. E 14. C 15. C 16. C 
17. C 18. E 19. C 20. E

www.acasadoconcurseiro.com.br 65
ESTRUTURAS LÓGICAS

INVESTIGANDO

As questões de estrutura lógica, também chamadas de investigações, estão presentes na


maioria das provas de raciocínio lógico, mas cada edital descreve esse tipo de questão de
maneira diferente. Podemos dizer que essas questões tratam do entendimento da estrutura
lógica de relações arbitrárias entre pessoas, lugares, objetos ou eventos fictícios, deduzindo
novas informações a partir de relações fornecidas e avaliação das condições usadas para
estabelecer a estrutura daquelas relações.
Uma investigação é um processo de construção do conhecimento que tem como metas
principais gerar novos conhecimentos e/ou confirmar ou refutar algum conhecimento pré-
existente. A investigação, no sentido de pesquisa, pode ser definida como o conjunto de
atividades orientadas e planejadas pela busca de um conhecimento.
As questões de investigação são muito interessantes e prazerosas de se fazer. No enunciado,
são dadas pistas que associadas a hipóteses nos fazem concluir a resposta correta ou ainda
nos levam a conclusões diretas, sem precisar supor. O primeiro passo então, é perceber se
precisaremos ou não supor alguma coisa, ou seja, se todas as informações são verdadeiras ou
existem mentiras. Quando todas as informações forem verdadeiras, não haverá necessidade de
hipóteses, mas quando existirem verdades e mentiras envolvidas, devemos fazer suposisções
para chegarmos as conclusões.

IDENTIFICANDO CADA CASO

Existem basicamente três casos de questões de investigações. Todos eles procuram deduzir
novas informações, com base nas informações fornecidas no enunciado.
Para resolver questões de investigação, devemos inicialmente identificar o caso (ordenação,
associação ou suposição) e seguir os procedimentos peculiares a cada um deles.

1º CASO – SOMENTE VERDADES: ORDENAÇÕES

Esse tipo de questão dá apenas informações verdadeiras, que nos permite colocar em ordem
pessoas, objetos, datas, idades, cores, figuras ou qualquer outra coisa, mediante pistas que
devem ser seguidas. O fato de colocar os dados fornecidos na ordem desejada permitirá
identificar o item correto a ser marcado.

66 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Exemplo:
Em um prédio de 4 andares moram Erick, Fred, Giles e Heitor, cada um em um andar diferente.
Sabe-se que Heitor não mora no 1º andar, Erick mora acima de Todos, Giles mora abaixo de
Fred e este acima de Heitor, Determine quem mora no 2º andar.
a) Heitor
a) Erick
d) Fred
e) Giles
SOLUÇÃO:
Com base nas informações fornecidas no enunciado, vamos ordenar os moradores.
Inicialmente como “Erick mora acima de todos”, então ele mora no 4º andar.
Como “Fred mora acima de Heitor” e “Heitor não mora no 1º andar”, então Heitor tem que
morar no 2º andar e Fred no 3º andar, para satisfazer essas condições.
Por exclusão, Giles mora no 1º andar, o que satisfaz a condição de “morar abaixo de Fred”.

2º CASO – SOMENTE VERDADES: ASSOCIAÇÃO

Como todas as informações dadas são verdadeiras, o que será importante é saber organizar
as informações em uma tabela para cruzar os dados. Por exemplo, cada coluna trata das
informações ou características e as linhas tratam das pessoas. O que devemos fazer é preencher
a tabela cruzando as informações de cada uma das pessoas, iniciando pelas informações diretas
e posteriormente deduzindo as outras.
Exemplo:
(FCC) Em 2015, três Técnicos Judiciários, Alfredo, Benício e Carlos, viajaram em suas férias, cada
um para um local diferente. Sabe-se que:
•• seus destinos foram: uma praia, uma região montanhosa e uma cidade do interior do
Estado;

www.acasadoconcurseiro.com.br 67
•• as acomodações por ele utilizadas foram: uma pousada, um pequeno hotel e uma casa
alugada;
•• o técnico que foi à praia alojou-se em uma pousada;
•• Carlos foi a uma cidade do interior;
•• Alfredo não foi à praia;
•• Quem hospedou-se em um hotel não foi Carlos.
Nessas condições, é verdade que
a) Aquele que foi às montanhas hospedou-se em um hotel.
b) Alfredo alugou uma casa.
c) Benício foi às montanhas.
d) Carlos hospedou-se em uma pousada.
e) Aquele que foi à cidade hospedou-se em uma pousada.
SOLUÇÃO:
1) Quem hospedou-se em um hotel não foi Carlos

Destinos Acomodações
praia montanha interior pousada hotel casa alugada
Alfredo
Benício
Carlos –

2) Alfredo não foi à praia

Destinos Acomodações
praia montanha interior pousada hotel casa alugada
Alfredo –
Benício
Carlos –

3) Carlos foi a uma cidade do interior

Destinos Acomodações
praia montanha interior pousada hotel casa alugada
Alfredo – ok –
Benício ok – –
Carlos – – ok –

68 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

4) O técnico que foi à praia alojou-se em uma pousada

Destinos Acomodações
praia montanha interior pousada hotel casa alugada
Alfredo – ok – – ok –
Benício ok – – ok – –
Carlos – – ok – – ok

Então:
•• Alfredo – montanha – hotel
•• Benício – praia – pousada
•• Carlos – interior – casa alugada
Resposta: A

3º CASO – VERDADES E MENTIRAS: HIPÓTESES

Esse último caso requer maior atenção, pois existem verdades e mentiras envolvidas no
enunciado e através da análise das hipóteses chegaremos às devidas conclusões. Por exemplo,
quando um “delegado” procurar descobrir quem é o verdadeiro culpado entre cinco suspeitos,
ele lança mão de hipóteses, ou seja, ele vai supondo que cada um deles seja o culpado e vai
analisando a veracidade de informação que ele possui, a fim de confirmar ou rejeitar a hipótese.
Exemplo:
(ESAF) Cinco colegas foram a um parque de diversões e um deles entrou sem pagar. Apanhados
por um funcionário do parque, que queria saber qual deles entrou sem pagar, eles informaram:
•• “Não fui eu, nem o Manuel”, disse Marcos.
•• “Foi o Manuel ou a Maria”, disse Mário.
•• “Foi a Mara”, disse Manuel.
•• “O Mário está mentindo”, disse Mara.
•• “Foi a Mara ou o Marcos”, disse Maria.
Sabendo-se que um e somente um dos cinco colegas mentiu, conclui-se logicamente que quem
entrou sem pagar foi:
a) Mário
b) Marcos
c) Mara
d) Manuel
e) Maria

www.acasadoconcurseiro.com.br 69
SOLUÇÃO:
Dados da questão:
•• Uma declaração é falsa
•• Quatro declarações são verdadeiras

Suspeitos
Declarações

1) Marcos culpado (2 VERDADEIRAS E 3 FALSAS – NÃO SATISFAZ A CONDIÇÃO)

2) Mário culpado (2 VERDADEIRAS E 3 FALSAS – NÃO SATISFAZ A CONDIÇÃO)

3) Manuel culpado (1 VERDADEIRAS E 4 FALSAS – NÃO SATISFAZ A CONDIÇÃO)

70 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

4) Mara culpada (4 VERDADEIRAS E 1 FALSAS – SATISFAZ A CONDIÇÃO)

5) Maria culpada (2 VERDADEIRAS E 3 FALSAS – NÃO SATISFAZ A CONDIÇÃO)

Então:
•• Mara entrou sem pagar
Resposta: C

www.acasadoconcurseiro.com.br 71
DIAGRAMAS LÓGICOS

QUANTIFICADORES

São elementos que transformam as sentenças abertas em proposições.


Eles são utilizados para indicar a quantidade de valores que a variável de uma sentença precisa
assumir para que esta sentença torne-se verdadeira ou falsa e assim gere uma proposição.

TIPOS DE QUANTIFICADORES

a) Quantificador existencial:
É o quantificador que indica a necessidade de “existir pelo menos um” elemento satisfazendo
a proposição dada para que esta seja considerada verdadeira.
É indicado pelo símbolo “ ∃ ”, que se lê “existe”, “existe um” ou “existe pelo menos um”.
Exemplo:
(p) ∃x ∈R / x ≥ 3
(q) Existe dia em que não chove.

b) Quantificador universal:
É o quantificador que indica a necessidade de termos “todos” os elementos satisfazendo a
proposição dada para que esta seja considerada verdadeira.
É indicado pelo símbolo “ ∀ ”, que se lê “para todo” ou “qualquer que seja”.
Exemplo:
(m) ∀x ∈R / x ≥ 5 (Lê-se: “para todo x pertencente aos reais, tal que x é maior ou igual a 5”)
(n) Qualquer que seja o dia, não choverá.

72 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

TEORIA DOS CONJUNTOS

NOMENCLATURA UTILIZADA
ℜ conjunto dos números reais

ℜ* conjunto dos números reais não nulos

ℜ+ conjunto dos números reais não negativos

ℜ*+ conjunto dos números reais positivos

Q conjunto dos números racionais

Q* conjunto dos números racionais não nulos

Z conjunto dos números inteiros

Z+ conjunto dos números inteiros não negativos

Z* conjunto dos números inteiros não nulos

N conjunto dos números naturais

N* conjunto dos números naturais não nulos

∅ conjunto vazio
∪ símbolo de união entre dois conjuntos
∩ símbolo de intersecção entre dois conjuntos
∈ símbolo de pertinência entre elemento e conjunto
⊂ símbolo de inclusão entre dois conjuntos

∀ qualquer que seja

UNIÃO (∪ )
União de dois conjuntos A e B é o conjunto formado pelos elementos que pertencem ao
conjunto A, ou ao conjunto B ou a ambos.

Ex.: "Pessoas que são


atletas (A) ou baianos (B)"
(o "ou" não é excludente,
portanto isso significa que
o conjunto união abrange
os elementos que fazem
parte de pelo menos um
dos conjuntos)
 

www.acasadoconcurseiro.com.br 73
INTERSEÇÃO (∩ )

Interseção de dois conjuntos A e B é o conjunto formado pelos elementos que pertencem ao


mesmo tempo a ambos os conjuntos dados.

Ex.: Pessoas que são atletas


(A) e são baianos (B)

DIFERENÇA ( – ) ou COMPLEMENTAR

Diferença entre os conjuntos A e B, nesta ordem, é o conjunto formado pelos elementos


que pertencem a A, porém, não pertencem a B. O conjunto A – B também é chamado de
complementar de B e em A, pois é o que falta para B completar o conjunto A.

Ex.: "Pessoas que são atletas (A), mas são baianos (B)"

COMPLEMENTAR EM RELAÇÃO AO UNIVERSO

O complementar de A, é o conjunto de todos os elementos do conjunto universo que não


pertencem ao conjunto A.

Ex.: "Pessoas que não são atletas (A)"


(Dentre todos os envolvidos, podendo ser, ou não, baianos)

74 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

DIFERENÇA ENTRE UNIÃO E INTERSEÇÃO

A diferença o conjunto união e o conjunto interseção de A e B, resulta nos elemento que


pertencem a somente um desses conjuntos, ou seja, pertencem somente ao conjunto A, ou
somente ao conjunto B.

Ex.: "Pessoas que ou são atletas (A), ou são baianos (B)"


(O "ou...ou" é excludente)

FIQUE DE OLHO!

Observe como representar em três diagramas, alguns termos muito usados em provas:

NENHUM ( ∼ ∃ )

Não existe interseção entre os conjuntos. Por exemplo, ao dizer que “nenhum A é B”, garante-
se que não existe um elemento de A que também esteja em B. Sendo a recíproca verdadeira,
ou seja, “nenhum B é A”.
Ex.:

A: “Nenhum advogado é  
bancário”

www.acasadoconcurseiro.com.br 75
ALGUM ( ∃ )

Existe pelo menos um elemento na interseção entre os conjuntos, mas não necessariamente
todos. Por exemplo, ao dizer que “algum A é B”, garante-se que existe pelo menos um elemento
de A que também esteja em B. Sendo a recíproca verdadeira, ou seja, “algum B é A”.
Ex.:

B: “Algum advogado  é
bancário”

TODO ( ∀ )

Um dos conjuntos é subconjunto do outro. Por exemplo, ao dizer que “todo A é B”, garante-se
que se um elemento está em A, então ele também está em B, mas não necessariamente se está
em B também estará em A.
Ex.:

C: “Todo advogado é  
bancário”

76 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

EXEMPLOS

1. Considere que os argumentos são verdadeiros:


•• Todo comilão é gordinho;
•• Todo guloso é comilão;
Com base nesses argumentos, é correto afirmar que:
a) Todo gordinho é guloso.
b) Todo comilão não é guloso.
c) Pode existir gordinho que não é guloso.
d) Existem gulosos que não são comilões.
e) Pode existir guloso que não é gordinho.
Solução:
Do enunciado temos os conjuntos:

Portanto, podemos concluir que pode existir gordinho que não seja guloso.
Resposta: C

2. (IPAD) Supondo que “todos os cientistas são objetivos e que alguns filósofos também o são”,
podemos logicamente concluir que:
a) não pode haver cientista filósofo.
b) algum filósofo é cientista.
c) se algum filósofo é cientista, então ele é objetivo.
d) alguns cientistas não são filósofos.
e) nenhum filósofo é objetivo.
Solução:
Dadas as premissas:
A: “todos os cientistas são objetivos”
B: “alguns filósofos são objetivos”
Sejam
O – Objetivos
C – Cientistas
F – Filósofos

www.acasadoconcurseiro.com.br 77
Do enunciado, para satisfazer as premissas A e B, temos os seguintes diagramas possíveis:

Dessa forma, temos que “se algum filósofo é cientista” ele fica de acordo com o 2º ou 3º
diagrama, o que implica necessariamente que “esse filósofo será objetivo”, pois “todo cientista
é objetivo”.
Resposta: C

3. (IPAD) Supondo que cronópios e famas existem e que nem todos os cronópios são famas,
podemos concluir logicamente que:
a) nenhum cronópio é fama.
b) não existe cronópio que seja fama.
c) todos os cronópios são famas.
d) nenhum fama é cronópio.
e) algum cronópio não é fama.
Solução:
Dada a premissa:
A: “Nem todos os cronópios são famas”
Sejam
C – Cronópios
F – Famas
Do enunciado, para satisfazer a premissa A, temos os seguintes diagramas possíveis:

Podemos concluir que “Se nem todo cronópio é fama, então necessariamente existe pelo
menos um cronópio que não é fama”.
Resposta: E

78 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

4. (IPAD) Em um país estranho sabe-se que as pessoas estão divididas em dois grupos: o grupo
dos que têm uma idéia original e o grupo dos que têm uma idéia comercializável. Sabe-se
também que 60% das pessoas têm uma idéia original e apenas 50% têm ideias comercializáveis.
Podemos afirmar que:
a) 15% das pessoas têm ideias originais e comercializáveis.
b) 10% das pessoas têm ideias originais e comercializáveis.
c) 30% das pessoas têm ideias comercializáveis, mas não originais.
d) 70% das pessoas têm ideias originais e não comercializáveis.
e) 65% das pessoas têm ideias originais e não comercializáveis.
Solução:
Sejam
A – grupo dos que têm uma idéia original ;
B – grupo dos que têm uma idéia comercializável;
Como todas as pessoas (100%) estão em pelo menos um dos grupos (A ou B), temos:

Sabendo que
n(A ∪B) = n(A)+n(B)−n(A ∩B)
100% = 60% + 50% – x
x = 10%
portanto
10% das pessoas têm ideias originais e comercializáveis
Resposta: B

5. É verdade que "Alguns A são R" e que "nenhum G é R" então é necessariamente verdade que:
a) Alguns A não é G.
b) Algum A é G.
c) Nenhum A é G.
d) Algum G é A.
e) Nenhum G é A.
Solução:
Sabe-se que todos os A que também são R, não podem ser G, pois nenhum G é R, então existem
alguns A que nunca serão G.
Resposta: A

www.acasadoconcurseiro.com.br 79
OBS.:
Os outros itens estão errados por que podem ser verdade ou não, dependendo de como for
o diagrama. Mas como não se pode garantir que G e A têm interseção ou não, nada se pode
afirmar.

6. Através de uma pesquisa, descobriu-se que “nenhum politico é honesto” e que “alguns
advogados são honestos”. Dessa forma, aponte o único item errado.
a) É possível que alguns politicos sejam advogados.
b) Alguns advogados não são politicos.
c) É impossível que algum advogado seja político.
d) Há possibilidade de que nenhum politico seja advogado.
e) Pode ou não haver advogado político.
Solução:
Do enunciado temos os possíveis diagramas, que satisfazem as condições impostas:

Cuidado! Não podemos afirmar que “existe A que é P”, nem tão pouco dizer que “não existe
A que é P”. O fato é que pode ou não existir A que seja P, ou seja, podemos até afirmar que “é
possível existir um A que seja P”, ou ainda, “é possível que não exista A que seja P”. Então, será
errado dizer que “é impossível que um A seja P”.
Resposta: C

(CESPE) Considere que os livros L, M e N foram indicados como referência bibliográfica para
determinado concurso. Uma pesquisa realizada com 200 candidatos que se preparam para
esse concurso, usando esses livros, revelou que:
•• 10 candidatos utilizaram somente o livro L;
•• 20 utilizaram somente o livro N;
•• 90 utilizaram o livro L;
•• 20 utilizaram os livros L e M;
•• 25 utilizaram os livros M e N;
•• 15 utilizaram os três livros.
Considerando esses 200 candidatos e os resultados da pesquisa, julgue os itens seguintes.

7. Mais de 6 candidatos se prepararam para o concurso utilizando somente os livros L e M.


JULGAMENTO: ERRADO

80 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Do enunciado, podemos construir o diagrama a seguir.

O preenchimento deve ser feito a partir do centro, onde n(L ∩M∩N) = 15 .

Como 25 pessoas usaram M e N, ou seja n(M∩N) = 25 , então 10 usaram somente M e N.

Como 20 pessoas usaram M e L, ou seja n(M∩L) = 20 , então 5 usaram somente M e L.

Portanto, já podemos verificar que somente 5 candidatos se prepararam para o concurso


utilizando somente os livros L e M.

8. Mais de 100 candidatos se prepararam para o concurso utilizando somente um desses livros.
JULGAMENTO: CERTO

www.acasadoconcurseiro.com.br 81
Podemos preencher diretamente os 10 que usaram somente L.

Como 90 pessoas usaram L, descontando 10 + 5 + 15 = 30, sobram 60 que usaram somente N e L.

Podemos preencher diretamente os 20 que usaram somente N.

Do total de 200 pessoas, descontando 15+10+5+60+10+20 = 120, sobram 80 que usaram


somente M.

Portanto, realmente mais de 100 candidatos (10+20+80=110) se prepararam para o concurso


utilizando somente um desses livros.

82 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

9. Noventa candidatos se prepararam para o concurso utilizando pelos menos dois desses livros.
JULGAMENTO: CERTO

Exatamente noventa candidatos (60 + 10 + 5 + 15 = 90) se prepararam para o concurso utilizando


pelos menos dois desses livros (2 ou 3).

10. O número de candidatos que se prepararam para o concurso utilizando o livro M foi inferior a
105.
JULGAMENTO: ERRADO
O número de candidatos que se prepararam para o concurso utilizando o livro M não foi inferior
a 105, na verdade foram 110 (80 + 10 + 15 + 5).

(CESPE) Em um tribunal, todos os 64 técnicos administrativos falam inglês e(ou) espanhol; 42


deles falam inglês e 46 falam espanhol.

11. Nessa situação, 24 técnicos falam inglês e espanhol.


JULGAMENTO: CERTO
Do enunciado, temos:
•• n(I∪E) = 64
•• n(I) = 42
•• n(E) = 46
Sabendo que
n(I∪E) = n(I)+n(E)−n(I∩E)
então
64 = 42 + 46 – n(I∩E)
n(I∩E) = 88 – 64
n(I∩E) = 24

12. Podemos afirmar que 18 técnicos falam somente inglês.


JULGAMENTO: CERTO
Dos dados anteriores, temos o diagrama preenchido a partir da interseção de I e E.

Portanto, realmente podemos afirmar que 18 falam somente inglês.

www.acasadoconcurseiro.com.br 83
13. Dentre um grupo de N alunos, que estudam para concursos, sabe-se que:
•• 40 tem aulas presenciais;
•• 70 assistem vídeo-aulas;
•• 20 utilizam os dois métodos;
•• 10 estudam sozinhos;
Determine o total de alunos do grupo.
a) 80
b) 90
c) 100
d) 120

1ª Solução:
O preenchimento deve ser feito a partir do centro.
Sendo n(P ∩ V) = 20 , temos:

Se n(P) = 40, então 20 estão somente em P.

Se n(V) = 70, então 50 estão somente em V.

84 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Como 10 não estão nem P, nem V, temos


N = 20 + 20 + 50 + 10 = 100.

2ª Solução:
Sabendo que
n(P ∪ V) = n(P)+n(V)−n(P ∩ V)
Temos
n(P ∪ V) = 40 + 70 − 20
n(P ∪ V) = 90

Como 10 não estão nem P, nem V, temos


N = 90 + 10 = 100

www.acasadoconcurseiro.com.br 85
Questões

QUESTÕES DE CONCURSOS – CESPE

Estudo divulgado pelo Instituto de Pesqui- 3. (CESPE) A negação da proposição “Todo


sas Econômicas Aplicadas (IPEA) revela que, ator sabe cantar e dançar” é equivalente a
no Brasil, a desigualdade social está entre as “Existe ator que não sabe cantar ou que não
maiores causas da violência entre jovens. sabe dançar”.
Um dos fatores que evidenciam a desigual- ( ) Certo   ( ) Errado
dade social e expõem a população jovem à
violência é a condição de extrema pobreza,
que atinge 12,2% dos 34 milhões de jovens 4. (CESPE) A negação da proposição “Alguns
brasileiros, membros de famílias com renda juízes são honestos ou nenhum acusado é
per capila de até um quarto do salário míni- culpado” pode ser expressa por “Nenhum
mo, afirma a pesquisa. juiz é honesto e todo acusado é culpado”.

Como a violência afeta mais os pobres, é ( ) Certo   ( ) Errado


usual fazer um raciocínio simplista de que a
pobreza é a principal causadora da violência 5. (CESPE) A negação da proposição “Todo ser
entre os jovens, mas isso não é verdade. O humano é responsável pelo bem que não
fato de ser pobre não significa que a pessoa faz”, é logicamente equivalente a “Algum
será violenta. Existem inúmeros exemplos ser humano não é responsável pelo bem
de atos violentos praticados por jovens de que faz”.
classe média.
Internet <"http://amaivos.uol.com.br> (com adaptações) ( ) Certo   ( ) Errado

Tendo como referência o texto acima, jul-


gue os itens seguintes. 6. (CESPE) Dizer que “todas as senhas são nú-
meros ímpares” é falsa, do ponto de vista
1. (CESPE) Considerando que Jorge não seja lógico, equivale a dizer que “pelo menos
pobre, mas pratique atos violentos, é cor- uma das senhas não é um número ímpar”.
reto afirmar que Jorge é um contraexemplo
( ) Certo   ( ) Errado
para a afirmação: “Todo indivíduo pobre
pratica atos violentos”.
7. (CESPE) A proposição “Se todo diretor é ex-
( ) Certo   ( ) Errado
cêntrico e algum excêntrico é mau ator, en-
tão algum diretor é mau ator” é logicamen-
2. (CESPE) A negação da proposição "Toda te equivalente à proposição “Algum diretor
pessoa pobre é violenta" é equivalente a não é excêntrico ou todo excêntrico é bom
"Existe alguma pessoa pobre que não é vio- ator ou algum diretor é mau ator”.
lenta".
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 87
8. (CESPE) Considere a proposição “Pelo me- 10. (CESPE) Considerando como premissas as
nos um ministro participará da reunião ou proposições “Nenhum universitário é ana-
nenhuma decisão será tomada”. Para que lista judiciário” e “Todo analista judiciário
essa proposição seja falsa é necessário que faz curso de informática”, e como conclusão
nenhum ministro tenha participado da reu- a proposição “Nenhum universitário faz cur-
nião e duas decisões tenham sido tomadas. so de informática”, então o raciocínio for-
mado por essas proposições é correto.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
9. (CESPE) Considere as seguintes proposi-
ções. 11. (CESPE) A dedução expressa por “Todos os
dinossauros são animais extintos; existem
A: Nenhum funcionário do MCT é celetista. mamíferos que são animais extintos; por-
B: Todo funcionário celetista foi aprovado tanto, existem mamíferos que são dinossau-
em concurso público. ros” é um raciocínio correto.
C: Nenhum funcionário do MCT foi aprova- ( ) Certo   ( ) Errado
do em concurso público.
Nesse caso, se A e B são as premissas de um 12. (CESPE) Considere que a sequência de pro-
argumento e C é a conclusão, então esse ar- posições a seguir constituam três premis-
gumento é válido. sas e a conclusão, nessa ordem: “Todas as
mulheres são pessoas vaidosas”; “Todas as
( ) Certo   ( ) Errado pessoas vaidosas são caprichosas”; “Exis-
tem pessoas tímidas que são mulheres”;
A lógica sentencial, ou proposicional, trata “Existem pessoas tímidas que são capricho-
do raciocínio expresso por sentenças, ou sas”. Nesse caso, tem-se uma dedução que
proposições, que podem ser julgadas como expressa um raciocínio correto.
verdadeiras (V) ou falsa (F), mas que não ( ) Certo   ( ) Errado
admitem os julgamentos V e F simultanea-
mente. A lógica de primeira ordem também 13. (CESPE) A proposição equivalente a “Todas
trata do raciocínio expresso por sentenças, as mesas são para quatro pessoas” é cor-
ou proposições, que são julgadas como V retamente enunciada por “Nenhuma mesa
ou F dependendo do conjunto, ou domínio, não é para quatro pessoas”:
ao qual pertencem os objetos referenciados
nas sentenças e das propriedades, ou predi- ( ) Certo   ( ) Errado
cados, associadas a esses objetos. Na lógica
de primeira ordem, os objetos de um do- 14. (CESPE) Suponha que um argumento tenha
mínio são quantificados por todos, alguns, como premissas as seguintes proposições.
nenhum etc. As deduções da lógica propo- Alguns participantes da PREVIC são servido-
sicional ou da lógica de primeira ordem têm res da União.
uma estrutura cuja análise permite decidir
se o raciocínio expresso está correto ou não, Alguns professores universitários são servi-
isto é, se a conclusão é uma consequência dores da União.
verdadeira das proposições que são coloca- Nesse caso, se a conclusão for “Alguns parti-
das como premissas, sempre consideradas cipantes da PREVIC são professores univer-
verdadeiras. sitários”, então essas três proposições cons-
Com base nas informações do texto ante- tituirão um argumento válido.
rior, julgue os itens a seguir. ( ) Certo   ( ) Errado

88 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Considere as proposições: 20. (CESPE) Considerando que (∀x)Ax e


(∃x)A(x) são proposições, é correto afirmar
P: Ninguém será considerado culpado até o que a proposição (∀x)A(x) → (∃x)A(x) é ava-
trânsito em julgado de sentença penal con- liada como V em qualquer conjunto em que
denatória. V x assuma valores.
Q: Todos os princípios constitucionais pos-
suem caráter absoluto. ( ) Certo   ( ) Errado

Sabendo que as proposições P e Q podem


ou não estar de acordo com a Constituição 21. (CESPE) Se Q é o conjunto dos nú-
Federal de 1988 (CF), julgue os três itens a meros racionais, então a proposição
seguir. (∃x)(x ∈Q)(x2 = 2) é valorada como V.
( ) Certo   ( ) Errado
15. (CESPE) A negação da proposição P é logica-
mente equivalente à “Alguém não será con-
siderado culpado até o trânsito em julgado O quadro de pessoal de uma empresa conta
de sentença penal condenatória”. com 7 analistas: 2 da área de contabilidade
e 5, de arquivologia. Em 4 dias consecuti-
( ) Certo   ( ) Errado vos, desses 7 analistas, estiveram presentes
aos trabalhos:
16. (CESPE) O princípio da publicidade é um •• no dia 1: Bárbara, Diogo, Marta e San-
contraexemplo para a proposição Q, visto dra;
que é um princípio constitucional que não •• no dia 2: Diogo, Fernando, Hélio e San-
possui caráter absoluto. dra;
( ) Certo   ( ) Errado •• no dia 3: Bárbara, Célio, Diogo e Hélio;
•• no dia 4: Célio, Fernando, Marta e San-
17. (CESPE) Seja P(x) a propriedade “x é princípio dra.
constitucional” e Q(x) a propriedade “x tem Sabendo que, em cada um desses 4 dias,
caráter absoluto”. Dessa forma, podemos dos presentes, 1 era analista de contabili-
dizer que a proposição Q poder ser correta- dade e 3, de arquivologia; que cada um dos
mente simbolizada por (∀x)(p(x)∧ Q(x)). analistas de contabilidade esteve presente
( ) Certo   ( ) Errado em apenas 2 dias; e que Fernando é analista
de arquivologia, julgue os itens seguintes.

18. (CESPE) Se R é o conjunto dos nú- 22. (CESPE) Todas as mulheres são analistas de
meros reais, então a proposição arquivologia.
(∀x)(x ∈ℜ)(∃y)(y ∈ℜ)(x + y = x) é valorada
como V. ( ) Certo   ( ) Errado

( ) Certo   ( ) Errado
23. (CESPE) Célio é analista de arquivologia.

19. (CESPE) Se Q é o conjunto dos nú- ( ) Certo   ( ) Errado


meros racionais, então a proposição
(∀x)(x ∈Q e x > 0)(x2 > x) é valorada como
F.
( ) Certo   ( ) Errado

www.acasadoconcurseiro.com.br 89
Uma empresa bancária selecionou dois de mia de ginástica, sendo que escolheram
seus instrutores para o treinamento de três atividades diferentes, quais sejam, muscu-
estagiários durante três dias. Em cada dia lação, ioga, natação e ginástica aeróbica. O
apenas um instrutor participou do treina- intuito é manter a forma e, se possível, per-
mento de dois estagiários e cada estagiário der peso. No momento, o peso de cada fun-
foi treinado em dois dias. As escalas nos cionária assume um dos seguintes valores:
três dias foram: 1º dia: Ana, Carlos, Helena; 50 kg, 54 kg, 56 kg ou 60 kg. O que também
2º dia: Helena, Lúcia, Márcio; 3º dia: Ana, se sabe é que:
Carlos, Lúcia.
•• a) Ana não faz musculação e não pesa
Considerando que um dos instrutores era 54 kg.
mulher, julgue os itens que se seguem. •• b) Bia faz ioga e não tem 50 kg.
•• c) A jovem que faz musculação pesa 56
24. (CESPE) Os dois instrutores eram mulheres. kg e não é a Clara.
( ) Certo   ( ) Errado •• d) A jovem com 54 kg faz natação.
Com base nessas informações, é correto
25. (CESPE) Um estagiário era Lúcia ou Márcio. afirmar que
( ) Certo   ( ) Errado 28. (CESPE) Bia é mais pesada que Clara.

Paulo, Tiago e João, auditores do trabalho, ( ) Certo   ( ) Errado


nasceram, um deles em Brasília, o outro, em
Goiânia e o terceiro, em Curitiba. Suas ida- 29. (CESPE) o peso de Ana é 56 kg.
des são 25, 27 e 28 anos. Sabe-se que João
não nasceu em Brasília e não tem 25 anos; ( ) Certo   ( ) Errado
que o auditor que nasceu em Goiânia tem
28 anos; que Paulo não nasceu em Curitiba Mara, Júlia e Lina são assessoras em um
nem tem 25 anos; e que Tiago nasceu na re- tribunal. Uma delas ocupa a função de ce-
gião Centro-Oeste. rimonialista, outra, de assessora de assun-
Com base nessas informações, julgue os se- tos internacionais e a outra, de analista pro-
guintes itens. cessual. Uma dessas assessoras ocupa a sua
função há exatos 11 anos, outra, há exatos
26. (CESPE) O auditor brasiliense tem 27 anos. 13 anos, e a outra, há exatos 20 anos. Sabe-
-se, ainda, que:
( ) Certo   ( ) Errado
•• Mara não é a cerimonialista e não é a
assessora que exerce a função há exa-
27. (CESPE) O auditor que nasceu em Curitiba tos 11 anos;
tem 25 anos. •• a analista processual ocupa a função há
( ) Certo   ( ) Errado exatos 20 anos;
•• Júlia não é a assessora de assuntos in-
ternacionais nem é a assessora que
Uma empresa incentiva o viver saudável de ocupa a função há exatos 13 anos;
seus funcionários. Para isso, dispensa mais
•• Lina ocupa a função há exatos 13 anos.
cedo, duas vezes por semana, aqueles en-
volvidos em alguma prática esportiva. Apro- Com base nessa situação hipotética, julgues
veitando a oportunidade, Ana, Bia, Clara e os itens subsequentes.
Diana decidiram se associar a uma acade-

90 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

30. (CESPE) A assessora de assuntos internacio- Paulo, com diferença de idade inferior a 30
nais ocupa a função há exatos 11 anos. anos, e descobriu também que o de 28 anos
de idade era médico e o outro, professor.
( ) Certo   ( ) Errado Com base nessas informações, podemos
afirmar que Alex tem 36 anos de idade e
31. (CESPE) Mara é a assessora que ocupa essa Paulo é médico.
função há mais tempo. ( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado
35. (CESPE) Em uma avenida comercial, sabe-se
Paulo, Mauro e Arnaldo estão embarcando que três lojas consecutivas têm proprietá-
em um voo para Londres. Sabe-se que: rios, cores e produtos distintos. Sabe-se que
o proprietário da loja à direita é Roberto e
•• os números de suas poltronas são C2, que Fábio não vende pães e sua loja não é
C3 e C4; vermelha. A loja central é verde e a loja de
•• a idade de um deles é 35 anos e a de Gustavo não é azul nem vende cigarros. A
outro, 22 anos; loja azul não vende motos e não fica à direi-
•• Paulo é o mais velho dos três e sua pol- ta. Se a loja que vende pães está à esquerda
trona não é C4; da loja que vende motos, então a loja de Fá-
•• a poltrona C3 pertence ao de idade in- bio é azul.
termediária; ( ) Certo   ( ) Errado
•• a idade de Arnaldo não é 22 anos.
Com base nessas informações, julgue os Em um restaurante, João, Pedro e Rodrigo
itens seguintes. pediram pratos de carne, frango e peixe,
não necessariamente nessa ordem, mas
32. (CESPE) Se a soma das idades dos três pas- cada um pediu um único prato. As cores de
sageiros for 75 anos, então as idades de suas camisas eram azul, branco e verde; Pe-
Paulo, Mauro e Arnaldo serão, respectiva- dro usava camisa azul; a pessoa de camisa
mente, 35, 22 e 18 anos verde pediu carne e Rodrigo não pediu fran-
go.
( ) Certo   ( ) Errado
Considerando a situação apresentada e, jul-
gue os itens seguintes.
33. (CESPE) Se a soma das idades dos três pas-
sageiros for igual a 100 anos, então a pol- 36. (CESPE) Se João pediu peixe, então Rodrigo
trona de numero C4 pertencerá a Mauro, não usava camisa branca.
que terá 35 anos.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

37. (CESPE) Das informações apresentadas, é


34. (CESPE) Em uma investigação, um detetive possível inferir que Pedro pediu frango.
recolheu de uma lixeira alguns pedaços de
papéis semidestruídos com o nome de três ( ) Certo   ( ) Errado
pessoas: Alex, Paulo e Sérgio. Ele conseguiu
descobrir que um deles tem 60 anos de ida-
de e é pai dos outros dois, cujas idades são:
36 e 28 anos. Descobriu, ainda, que Sér-
gio era advogado, Alex era mais velho que

www.acasadoconcurseiro.com.br 91
38. (CESPE) As informações apresentadas na si- 41. (CESPE) Considerando-se as proposições “A:
tuação em apreço e o fato de João ter pedi- José tirou férias em janeiro de 2013”; “B:
do peixe não são suficientes para se identifi- Luís tirou férias em janeiro de 2013”; e “C:
carem a cor da camisa de cada uma dessas Mário tirou férias em janeiro de 2013”, é cor-
pessoas e o prato que cada uma delas pe- reto afirmar que a proposição (A ∧ ¬C) → B
diu. não é uma tautologia, isto é, dependendo
de A, B ou C serem verdadeiras ou falsas, ela
( ) Certo   ( ) Errado pode ser verdadeira ou falsa.

A respeito de Fábio, Maria e Pedro, servi- ( ) Certo   ( ) Errado


dores de uma mesma organização, sabe-se
que: 42. (CESPE) Mário é analista, José é técnico e
•• um deles é contador; outro, gestor; ou- Luís, auditor.
tro, analista; ( ) Certo   ( ) Errado
•• a idade de um deles é 25 anos; a de ou-
tro, 31 anos; a de outro, 33 anos;
43. (CESPE) Se os três servidores trabalharem
•• Fábio é quem tem 31 anos de idade; e o até o momento da aposentadoria e se apo-
gestor é quem está com 25 anos de ida- sentarem nos tempos previstos, então José
de. ou Mário ainda estarão trabalhando quando
Com base nessas informações, julgue os Luís completar o tempo necessário para se
itens a seguir. aposentar.
( ) Certo   ( ) Errado
39. (CESPE) Se a soma da idade de Maria com a
de Fábio for superior ao dobro da idade de
Pedro, então, necessariamente, Pedro será Um líder criminoso foi morto por um de
o gestor. seus quatro asseclas: A, B, C e D. Durante o
interrogatório, esses indivíduos fizeram as
( ) Certo   ( ) Errado seguintes declarações.
•• A afirmou que C matou o líder.
40. (CESPE) Se Pedro for o analista, então Maria •• B afirmou que D não matou o líder.
será a mais jovem dos três servidores.
•• C disse que D estava jogando dardos
( ) Certo   ( ) Errado com A quando o líder foi morto e, por
isso, não tiveram participação no crime.
José, Luís e Mário são funcionários públicos •• D disse que C não matou o líder.
nas funções de auditor, analista e técnico, Considerando a situação hipotética apre-
não necessariamente nessa ordem. Sabe-se sentada acima e sabendo que três dos com-
que José não é analista, que o técnico será parsas mentiram em suas declarações, en-
o primeiro dos três a se aposentar e que o quanto um deles falou a verdade, julgue o
analista se aposentará antes de Mário. Todo item seguinte.
ano os três tiram um mês de férias e, no ano
passado, no mesmo mês que José saiu de 44. (CESPE) D matou o líder.
férias, ou Luís ou Mário também saiu.
( ) Certo   ( ) Errado
Com base nessas informações, julgue os
itens que se seguem.

92 www.acasadoconcurseiro.com.br
Bacen (Analista) – Raciocínio Lógico – Prof. Thiago Pacífico

Durante blitz de rotina, um agente de trânsi- 48. (CESPE) Considere que, em um pequeno
to notou um veículo que havia parado a dis- grupo de pessoas – G – envolvidas em um
tância, no qual o condutor trocou de lugar acidente, haja apenas dois tipos de indivídu-
com um dos passageiros. Diante dessa situ- os: aqueles que sempre falam a verdade e
ação, o agente resolveu parar o veículo para os que sempre mentem. Se, do conjunto G,
inspeção. Ao observar o interior do veículo e o indivíduo P afirmar que o indivíduo Q fala
constatar que havia uma lata de cerveja no a verdade, e Q afirmar que P e ele são tipos
console, indagou aos quatro ocupantes so- opostos de indivíduos, então, nesse caso, é
bre quem teria bebido a cerveja e obteve as correto concluir que P e Q mentem.
seguintes respostas:
( ) Certo   ( ) Errado
•• Não fui eu, disse Ricardo, o motorista.
•• Foi o Lucas, disse Marcelo. Duas pessoas carregam fichas nas cores
•• Foi o Rafael, disse Lucas. branca ou preta. Quando a primeira pes-
•• Marcelo está mentindo, disse Rafael. soa carrega a ficha branca, ela fala somen-
te a verdade, mas, quando carrega a ficha
Considerando a situação hipotética acima, preta, ela fala somente mentiras. Por outro
bem como o fato de que apenas um dos lado, quando a segunda pessoa carrega a fi-
ocupantes do veículo bebeu a cerveja, jul- cha branca, ela fala somente mentira, mas,
gue os itens subsequentes. quando carrega a ficha preta, fala somente
45. (CESPE) Considerando-se que apenas um verdades.
dos ocupantes do carro estivesse mentindo, Se a primeira pessoa diz “nossas fichas não
é correto afirmar que Rafael foi quem bebeu são da mesma cor” e a segunda pessoa diz
a cerveja. “nossas fichas são da mesma cor”, então
( ) Certo   ( ) Errado com base no texto, julgue os itens a seguir.

49. (CESPE) As duas pessoas carregam fichas


46. (CESPE) Em face dessa situação, é correto pretas.
afirmar que Marcelo e Rafael mentiram.
( ) Certo   ( ) Errado
( ) Certo   ( ) Errado

47. (CESPE) Considere que um delegado, quando 50. (CESPE) Pode-se concluir que a segunda
foi interrogar Carlos e José, já sabia que, na pessoa está dizendo a verdade.
quadrilha à qual estes pertenciam, os compar- ( ) Certo   ( ) Errado
sas ou falavam sempre a verdade ou sempre
mentiam. Considere, ainda, que, no interro-
gatório, Carlos disse: José só fala a verdade, e
José disse: Carlos e eu somos de tipos opostos.
Nesse caso, com base nessas declarações e na
regra da contradição, seria correto o delegado
concluir que Carlos e José mentiram.
( ) Certo   ( ) Errado

Gabarito: 1. E 2. C 3. C 4. E 5. E 6. C 7. C 8. E 9. E 10. E 11. E 12. C 13. C 14. E 15. E 16. C 
17. E 18. C 19. C 20. C 21. E 22. E 23. C 24. E 25. C 26. E 27. E 28. C 29. E 30. E 31. C 32. C 
33. E 34. C 35. C 36. C 37. E 38. E 39. C 40. C 41. E 42. E 43. C 44. C 45. C 46. E 47. C 48. C 49. C 
50. C

www.acasadoconcurseiro.com.br 93