Você está na página 1de 54

MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES

QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS


E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

1 - INTRODUÇÃO..................................................................................................................................................3

2-PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS (ORIGEM).....................................................................................3


2.1 -ESTADUAL...................................................................................................................................................3
2.2 -FEDERAL.....................................................................................................................................................3
2.3 -BANCO MUNDIAL.....................................................................................................................................3
2.4 -RECURSOS DIRETAMENTE ARRECADADOS.......................................................................................3
3- NATUREZA DA DESPESA...............................................................................................................................4
3.1-DESPESAS CORRENTES.............................................................................................................................4
3.2- DESPESAS DE CAPITAL............................................................................................................................4
4 - OBJETO DO REPASSE....................................................................................................................................5

5 - PROCEDIMENTOS PRELIMINARES..........................................................................................................5
5.1- ABERTURA DE CONTA BANCÁRIA........................................................................................................5
5.2- ASSINATURA DO TERMO DE COMPROMISSO.....................................................................................5
5.3- PAGAMENTO...............................................................................................................................................6
6 - MOVIMENTAÇÃO DOS RECURSOS...........................................................................................................6
7 - UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS__________________________________________________________8
8- OBSERVAÇÕES QUANTO À EMISSÃO DOS DOCUMENTOS DE DESPESA E DOS ENCARGOS
DECORRENTES....................................................................................................................................................9
8.1 - NOTAS FISCAIS EM CIRCULAÇÃO......................................................................................................11
8.2 - RECIBOS....................................................................................................................................................12
8.3 - ENCARGOS...............................................................................................................................................12
8.3.1 – IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF........................................................................12
8.3.2– IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS – ISS...................................................................................................12
8.3.3 – INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS...................................................................13
8.4 - CARIMBOS QUE DEVERÃO CONSTAR EM TODOS OS DOCUMENTOS DE DESPESA.............13
8.4.1- IDENTIFICAÇÃO DO RECURSO.......................................................................................................13
8.4.2- ORDEM DE PAGAMENTO.................................................................................................................13
8.4.3- DECLARAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS PELO RECEBIMENTO DOS MATERIAIS E/OU
SERVIÇOS......................................................................................................................................................14
8.4.4- REFERÊNCIA BANCÁRIA..................................................................................................................14
8.4.5- QUITAÇÃO...........................................................................................................................................14
9 - EXECUÇÃO DOS RECURSOS....................................................................................................................15
9.1 - REPASSES PARA MANUTENÇÃO E CUSTEIO / QESE......................................................................15
9.1.1 - Materiais de Consumo.........................................................................................................................15
9.1.2 - Fornecimento de Serviços Essenciais................................................................................................15
9.1.3 - Serviços Eventuais...............................................................................................................................16
9.2 -MANUTENÇÃO E CUSTEIO / FNDE / PDDE........................................................................................17
9.3 -REPASSES PARA AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS – MERENDA ESCOLAR.............17
9.4 -REPASSES PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE E DE CONSUMO..........................18
9.5 -REPASSES PARA OBRAS DE REPARO, REFORMA E/OU ADEQUAÇÃO.........................................18
9.5.1 - Contratação de Pessoa Jurídica.........................................................................................................20
9.5.2 - Contratação de Pessoa Física.............................................................................................................21
9.6 - REPASSES PARA CAPACITAÇÃO..........................................................................................................23
9.6.1 - Contratação de Pessoa Física.............................................................................................................24
9.6.2 - Contratação de Pessoa Jurídica.........................................................................................................25
9.7 - RECURSOS DIRETAMENTE ARRECADADOS....................................................................................25

2003 Página 1 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
10 - CONSIDERAÇÕES FINAIS........................................................................................................................26
10.1 - UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO......................................................................................................28
10.2 - BENS PATRIMONIAIS...........................................................................................................................29
11 - DOCUMENTOS QUE DEVERÃO COMPOR A PRESTAÇÃO DE CONTAS......................................29
11.1 - DOCUMENTOS COMUNS A TODOS OS PROJETOS.........................................................................29
11.2 - DOCUMENTOS PARA COMPOSIÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE PROJETOS
ESPECÍFICOS....................................................................................................................................................30
3011.2.1 - MERENDA ESCOLAR...........................................................................................................................30
11.2.2 - Manutenção das Unidades de Ensino................................................................................................30
11.2.3 -Capacitação de Pessoal.....................................................................................................................30
11.2.4 -Obras..................................................................................................................................................31
12 - REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS.........................................................................................................32

13 - ANEXOS.........................................................................................................................................................34
ANEXO I - OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO.............................................................................................34
ANEXO II - PARECER DO COLEGIADO.......................................................................................................35
ANEXO III - RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICA DO PROJETO.............................................................36
ANEXO IV - DEMONSTRATIVO FINANCEIRO DA RECEITA E DA DESPESA.......................................37
ANEXO V - DEMONSTRATIVO FINANCEIRO DA RECEITA E DA DESPESA DE APLICAÇÃO
FINANCEIRA.....................................................................................................................................................38
ANEXO VI - CONTROLE DE LIGAÇÕES......................................................................................................39
ANEXO VII - RECIBO DE PAGAMENTO DE AUTÔNOMO........................................................................40
ANEXO VIII - FOLHA DE PAGAMENTO......................................................................................................41
ANEXO IX - TERMO DE ACEITAÇÃO DA OBRA........................................................................................42
ANEXO X - FICHA DE CAIXA........................................................................................................................43
ANEXO XI - RELAÇÃO DOS PAGAMENTOS EFETUADOS......................................................................44
ANEXO XII - PARECER DO COLEGIADO....................................................................................................45
ANEXO XIII - PARECER DO CONSELHO FISCAL......................................................................................46
ANEXO XIV - MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE OBRAS/ REFORMAS.47

2003 Página 2 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

1- INTRODUÇÃO

Este Manual tem a finalidade de orientar as Caixas Escolares na utilização de recursos repassados pela
Secretaria de Estado de Educação, por meio de Termo de Compromisso, e de recursos diretamente
arrecadados, assim como na elaboração do Processo de Prestação de Contas.

O uso de recursos públicos é regulamentado por complexa legislação à qual se sujeitam tanto o órgão
financiador quanto as instituições beneficiadas, sendo, portanto, de extrema conveniência observar
cuidadosamente todas as normas e instruções contidas neste documento.

Agindo assim, a Caixa Escolar evitará questionamentos que poderão inviabilizar futuras liberações por parte
da SEE/MG.

Este Manual entrou em vigor em maio de 2003.

2- PRINCIPAIS FONTES DE RECURSOS (ORIGEM)

2.1 - ESTADUAL

 QESE (Quota Estadual de Salário Educação)


 Tesouro
 Outras

2.2 - FEDERAL

 FNDE (Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação)


 Outras

2.3 - BANCO MUNDIAL

 Financiamento do projeto PROQUALIDADE

2.4 - RECURSOS DIRETAMENTE ARRECADADOS

2003 Página 3 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

3- NATUREZA DA DESPESA

De acordo com a lei orçamentária vigente (Lei nº 4.320/64), existem dois grupos de despesas definidos para
a contabilidade pública (União, Distrito Federal, Estados e Municípios):

 3.1 - DESPESAS CORRENTES

São aquelas realizadas com recursos públicos na execução, manutenção e funcionamento de suas
atividades.

São despesas correntes: as aquisições de materiais de consumo e o pagamento de prestação de serviços de


quaisquer natureza. Enfim, o custeio da instituição para o seu regular funcionamento.

Material de consumo é aquele que, com o uso, perde a identidade física em razão de suas características de
deterioração e fragilidade.

3
.2 - DESPESAS DE CAPITAL

Classificam-se como despesas de capital aquelas que contribuem para formar um bem de capital ou adicionar
um valor a um bem já existente.

As despesas de capital trazem necessariamente a idéia de PATRIMÔNIO (bens patrimoniais). São os


investimentos feitos em equipamentos e materiais permanentes.

EQUIPAMENTOS - São utilizados para a produção de um bem classificado como investimento.

MATERIAIS PERMANENTES - aqueles que, com o uso, não perdem sua identidade física.

É importante observar que, ao liberar os recursos, a Secretaria, por meio da Unidade Executora responsável,
especifica no instrumento de repasse quais bens poderão e deverão ser adquiridos pelas Caixas Escolares.
Por exemplo, recursos liberados para aquisição de mobiliário escolar (carteiras) não poderão ser utilizados
em prestação de serviços de reforma de carteiras.

2003 Página 4 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
4- OBJETO DO REPASSE

Além de projetos pedagógicos específicos, a SEE repassa recursos financeiros destinados a:

 manutenção da unidade de ensino , QESE e FNDE;

 aquisição de mobiliário e equipamento para sala de aula, cantina, cozinha e dependências administrativas;

 obras de reparo, reforma e /ou adequação;

 aquisição de gêneros alimentícios;

 outras liberações congêneres.

5- PROCEDIMENTOS PRELIMINARES

5.1- ABERTURA DE CONTA BANCÁRIA

Para cada Termo de Compromisso firmado, a Caixa Escolar deverá providenciar a abertura de uma conta
bancária específica para a movimentação dos recursos a serem repassados por esta Secretaria de Estado de
Educação.

Os números do banco, da agência e da conta corrente da Caixa Escolar deverão ser informados à
Superintendência Regional de Ensino e conferidos pelo Presidente da Caixa Escolar no ato da assinatura do
Termo de Compromisso

A conta bancária aberta para a movimentação dos recursos descentralizados terá obrigatoriamente dois titulares:

 Presidente da Caixa Escolar e


 Tesoureiro da Caixa Escolar.

Portanto, caberá ao Presidente da Caixa Escolar, juntamente com seu Tesoureiro, a assinatura de
cheques emitidos para quitação da despesa de cada projeto, o controle da receita e despesa e a elaboração da
prestação de contas, de acordo com as normas estabelecidas pela Superintendência de Finanças - SEE.

5.2- ASSINATURA DO TERMO DE COMPROMISSO

2003 Página 5 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
As Caixas Escolares deverão assinar os Termos de Compromisso na SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE
ENSINO de sua jurisdição .

5.3- PAGAMENTO

A Superintendência Regional de Ensino terá a responsabilidade de processar o pagamento do Termo de


Compromisso, para o qual será necessário:

exatidão de todos os dados relativos à Caixa Escolar (denominação, CNPJ, nome do Presidente);

 assinatura do Presidente da Caixa Escolar em todas as vias do Termo de Compromisso;

 exatidão dos dados bancários;

 adimplência da Caixa Escolar em prestações de contas relativas a repasses anteriores.

6- MOVIMENTAÇÃO DOS RECURSOS

1. a) Ao receber os recursos, observar atentamente o instrumento de repasse “TERMO DE COMPROMISSO”,


verificando:

 objeto (a que ele se destina);

 valor;

natureza da despesa (corrente ou capital);

 prazo de vigência e prestação de contas.

2. b) Todos os recursos repassados pela Secretaria de Estado de Educação só poderão ser movimentados a
partir do momento em que o presidente da Caixa Escolar a apresentar o PLANO DE APLICAÇÃO DOS
RECURSOS, ao Colegiado da escola e ele ser aprovado por, no mínimo, 2/3 de seus membros, em
reunião lavrada em ata. Caberá ao Colegiado discutir detalhadamente o plano apresentado, priorizando as
necessidades da escola,

mas sempre observando o objeto do Termo de Compromisso que é imutável, e sua classificação
orçamentária.

2003 Página 6 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
Caso o Colegiado decida aprovar o plano de aplicação parcialmente, poderá fazê-lo, apresentando
novas propostas, devidamente fundamentadas, que serão discutidas, analisadas e aprovadas por seus
membros, em reunião lavrada em ata.

c) A Caixa Escolar deverá movimentar os recursos em conta bancária específica, sendo vedada a realização
de despesa em data anterior ao seu recebimento (crédito na conta do projeto) e posterior à vigência do
Termo de Compromisso. É vedada, também, a emissão de cheque para pagamento de despesa anterior à
emissão de notas fiscais, faturas e recibos.

Para cada despesa efetuada deverá ser emitido um cheque nominal no valor correspondente, assinado pelo
Tesoureiro e pelo Presidente da Caixa Escolar. Para cada cheque emitido deverá haver uma ficha de caixa
correspondente .

NÃO É PERMITIDO PAGAMENTO EM ESPÉCIE.

Tal procedimento implicará na devolução dos recursos utilizados.

É vedado, também, manter em arquivo cheques em branco assinados pelo Tesoureiro da Escola e / ou
Presidente da Caixa Escolar para cobrir despesas futuras.

d) Não é permitido o pagamento de taxas bancárias (manutenção de conta, emissão de extrato, etc.) com
recursos do projeto .

Os débitos referentes à Contribuição Provisória sobre Movimentação Financeira (CPMF) serão acatados
como despesas do Termo de Compromisso.


e) Todos os recursos públicos liberados pelo Estado ou pela União deverão ser aplicados no mercado
financeiro, conforme legislação em vigor:

 Lei Federal nº 8.666, de 21 de junho de 1993, art. 116, parágrafo 4º;

 Instrução Normativa nº 01 da Secretaria do Tesouro Nacional, de 15 de janeiro de 1997, capítulo VI, art. 20,
Inciso 1º.

Os recursos transferidos, enquanto não utilizados na sua finalidade, deverão ser aplicados da seguinte forma:

 FUNDO DE APLICAÇÃO FINANCEIRA DE CURTO PRAZO, quando sua utilização estiver prevista para um
prazo de tempo inferior a um mês.

2003 Página 7 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 CADERNETA DE POUPANÇA, quando a previsão de utilização for igual ou superior a um mês.

Os rendimentos auferidos com a aplicação financeira poderão ser utilizados de acordo com o objeto do Termo de
Compromisso e sua classificação orçamentária.

Deverão ser inclusos à prestação de contas , extrato bancário específico de aplicação financeira, demonstrativo
da receita e dos despesa de rendimentos, conforme Anexo V e documentos comprobatórios de cada despesa
efetuada (notas fiscais, faturas, recibos).

O saldo dos recursos ou os rendimentos de aplicação financeira não utilizados deverãoá ser devolvidos, por
meio de cheque nominal à Secretaria de Estado de Educação, no ato do protocolo da prestação de contas.

Saldos devolvidos fora do prazo estabelecido para prestação de contas sujeitam-se à correção monetária, a
partir do crédito do recurso na conta do projeto, conforme índices atuais vigentes.

O cheque no valor da devolução deverá ser grampeado junto ao ofício de encaminhamento da prestação de
contas, devendo ser mencionado o motivo da devolução, valor, nº do cheque, conta bancária e banco.

7- UTILIZAÇÃO DOS RECURSOS

Nos termos do pronunciamento da Procuradoria-Geral do Estado de Minas Gerais, Parecer nº 8253, de 05.06.92,
ratificado pelo Parecer nº 10.597, de 04.08.99, às Caixas Escolares, instituições de direito privado sem fins
lucrativos, não é exigida a prática do procedimento licitatório previsto na Constituição Federal e disciplinada pela
Lei Federal nº 8.666/93, de 21.06.93, e suas alterações posteriores .

Entretanto as Caixas Escolares não se desobrigam, da obediência aos princípios da impessoalidade, legalidade,
moralidade, probidade e transparência, dentre outros, que devem nortear todos os atos de gestores de recursos
públicos. Portanto, a Caixa Escolar deverá realizar processo de cotação de preços com a finalidade de escolha
da proposta mais vantajosa, levando-se em consideração o melhor preço, mas sempre garantindo aquisição de
bens e serviços de qualidade.

A Caixa Escolar deverá proceder a pesquisa de preços para toda aquisição de materiais de consumo e
permanente e contratação de serviços de qualquer natureza.

Os orçamentos poderão ser confeccionados pela Caixa Escolar por meio de mapa comparativo que contenha, no
mínimo :

- data da cotação ;
- objetivo da cotação ( projeto a que se destina o produto ) ;
- item cotado com especificação completa ;
2003 Página 8 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
- empresa fornecedora ( dados cadastrais ) ;
- valor unitário ;
- assinatura do responsável por sua elaboração ( Presidente da Caixa Escolar ) .

Os orçamentos, no mínimo três, deverão ser anexados à cópia ( 2ª via ) de cada prestação de contas arquivada
na escola.

Quando se tratar de transferência de recursos para execução de obras, os orçamentos deverão compor a
prestação de contas encaminhada à SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO, sendo anexadas cópias
junto à 2ª via arquivada na escola .

8- OBSERVAÇÕES QUANTO À EMISSÃO DOS DOCUMENTOS DE DESPESA E DOS ENCARGOS


DECORRENTES

As despesas realizadas para aquisição de materiais e/ou serviços deverão ser comprovadas por meio de
documentos originais (notas fiscais, faturas, recibos) emitidos em nome da Caixa Escolar.

Os documentos de despesa (notas fiscais) deverão ser conferidos pelo Presidente da Caixa Escolar e seu
Tesoureiro, no ato da entrega pelos fornecedores, antes de se efetuar o pagamento (emissão de cheque),
devendo ser observados:

Cabeçalho
 nome da caixa escolar;
 endereço;
 CNPJ;
 data de emissão;
 data de saída e hora;
 natureza da operação;
 venda;
 prestação de serviços;
simples faturamento;
 remessa para entrega futura.

Descrição

 Quantidade

2003 Página 9 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 Valor unitário e total de cada item

 Unidade

 Destaque de IPI, ICMS, ISSQN, se houver, ou comprovante de isenção

 Valor total da nota

 Nome do transportador

 Data de autorização da impressão do documento fiscal (AIDF)

 Prazo de validade

As notas fiscais modelo 1 ou 1A e notas fiscais de produtor modelo 4 ou 4A terão prazo para utilização, fixado em
até 36 meses contados da data do deferimento da Autorização para Impressão de Documentos Fiscais - AIDF.

No documento fiscal deverá estar impresso no quadro “Emitente”, em destaque logo abaixo da indicação da
via, a seguinte expressão: “DATA-LIMITE PARA EMISSÃO” _____/_____/_____.

Não é obrigatório constar o prazo de validade do documento fiscal no qual esteja impressa tipograficamente e
em destaque a informação que o mesmo não gera crédito do ICMS, devendo ser impressa logo abaixo
da indicação da via, a seguinte expressão: “DATA-LIMITE PARA EMISSÃO” , 00/00/00.

O formulário destinado à impressão de documento fiscal ou processamento eletrônico de dados terá prazo
de validade fixado em 36 (trinta e seis) meses.

Na nota fiscal do produtor, quando emitida pela Administração Fazendária, não é obrigatório constar o prazo de
validade.

Não será aceito nenhum documento cujo prazo para utilização esteja vencido. Verificar essas informações
no próprio documento. Caso isso ocorra, solicitar à Firma o cancelamento imediato do documento e emissão de
um novo ou apresentação de “Denúncia Espontânea” junto à Administração Fazendária local, se a irregularidade
não tiver sido identificada no ato do recebimento da nota fiscal pela Caixa Escolar.

Somente será aceita NOTA DE CORREÇÃO para informações contidas no cabeçalho (dados cadastrais) do
documento, exceto data de emissão e saída.

2003 Página 10 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
NÃO SERÁ ACEITO NENHUM TIPO DE RASURA. A RASURA INVALIDA O DOCUMENTO E A CAIXA
ESCOLAR ESTARÁ SUJEITA À DEVOLUÇÃO TOTAL DO VALOR DO DOCUMENTO CORRIGIDO.

8.1 - NOTAS FISCAIS EM CIRCULAÇÃO

 Nota Fiscal de Prestação de Serviços - autorizada pela prefeitura municipal.

 Nota Fiscal modelo 01 ou 01-A - autorizada pela Administração Fazendária (AF) Regional, utilizada para
comprovação de aquisição de mercadorias.

Nota Fiscal Modelo 01 ou 01-A Conjugado – caso a firma faça opção por este tipo de documento, a Caixa
Escolar deverá observar atentamente se há autorização da Administração Fazendária Regional e da Prefeitura
Municipal para emissão da nota, uma vez que este documento poderá ser utilizado para comprovação de
aquisição de mercadorias e/ou prestação de serviços.

 Nota Fiscal de Venda a Consumidor Modelo 2 - autorizada pela AF Regional, sem prazo de validade
pre-determinado, emitida para consumidor final. Destina-se às operações de venda à vista a consumidor,
quando a mercadoria é retirada pelo comprador.

 Nota Fiscal de Produtor Modelo 4 ou 4-A - emitida pelo produtor rural.

 Nota Fiscal Avulsa - emitida pela AF Regional, no caso de venda , e pela Prefeitura , no caso de serviços,
quando o fornecedor não dispõe de talonário autorizado na data da transação .

Quando a Caixa Escolar adquirir mercadorias que não serão entregues imediatamente, a Empresa poderá emitir,
conforme previsto no Regulamento de ICMS, nota fiscal, comprovando a aquisição das mercadorias com o
campo - NATUREZA DA OPERAÇÃO como SIMPLES FATURAMENTO. O ICMS não deverá ser destacado
neste documento.

Na efetiva entrega da mercadoria adquirida, deverá ser emitida nota fiscal com o campo - NATUREZA DA
OPERAÇÃO como REMESSA/ENTREGA FUTURA e , agora , destacando-se o ICMS .

A entrega poderá correr de uma única vez ou em parcelas, sendo emitida uma nota de remessa/entrega futura
para cada parcela, até se fechar o valor da nota de simples faturamento.

No que se refere a aquisições, lembramos que ao se utilizar nota fiscal com natureza da Operação Simples
Faturamento, todas as notas fiscais de remessa deverão ser emitidas e as respectivas mercadorias recebidas,
respeitado o prazo de vigência do Termo de Compromisso. Nenhum material poderá ser entregue após esse
prazo.

2003 Página 11 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
Observar ainda se, no campo DADOS ADICIONAIS, a Empresa justificou, com embasamento legal, a emissão
de cada nota:

- SIMPLES FATURAMENTO - emissão facultativa nos termos do art. 322, anexo IX, Decreto nº 38.104, de
28.06.96, do Regulamento do Imposto Sobre Circulação de Mercadoria e Serviços - RICMS.

 - REMESSA ENTREGA FUTURA - emissão nos termos do art. 323, anexo IX, Decreto nº 38.104, de
28.06.96, do Regulamento do Imposto Sobre Circulação de Mercadoria e Serviços - RICMS.

8.2 - RECIBOS

Despesa com contratação de prestação de serviços por pessoa física deverá ser comprovada mediante
apresentação de RECIBO em que constarão o valor bruto dos serviços, o IRRF, o ISS, o valor do recolhimento
ao INSS e o valor líquido a ser pago, além da descrição e natureza dos serviços prestados, período,
localidade, data e assinaturas identificadas do trabalhador (carteira de identidade, CPF, endereço, etc.) e
de, pelo menos, duas testemunhas.

8.3 - ENCARGOS

8.3.1 – IMPOSTO DE RENDA RETIDO NA FONTE - IRRF

A remuneração paga a trabalhador autônomo (prestador de serviços) está sujeita à apuração do IRRF, de
acordo com a tabela progressiva vigente à época do pagamento.

Havendo imposto a recolher, deverá ser utilizado o Documento de Arrecadação de Receitas Federais - DARF.

O recolhimento do imposto deverá ocorrer dentro do prazo legalmente estabelecido pelo


Ministério da Fazenda, para evitar acréscimos moratórios que são de responsabilidade da
Caixa Escolar e não podem ser cobertos com os recursos transferidos pela Secretaria de
Educação.

8.3.2– IMPOSTO SOBRE SERVIÇOS – ISS

O fato gerador do ISS é a prestação de serviços.

O prestador de serviços (quando inscrito na Prefeitura) deverá recolher o ISS, conforme legislação municipal
vigente.

Quando o profissional autônomo não estiver inscrito, o ISS deverá deverá ser dele pelo tomador de serviços
( Caixa Escolar ) e recolhido segundo a legislação municipal em vigor. Isso quer dizer que, do valor dos serviços

2003 Página 12 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
prestados, será deduzido o ISS (alíquota local) a ser recolhido em guia própria pela Caixa Escolar, a favor do
Município.

8.3.3 – INSTITUTO NACIONAL DO SEGURO SOCIAL - INSS

Quanto ao INSS, observar a legislação vigente à época da execução dos serviços.

Atualmente, a alíquota de INSS para prestação de serviços por prestadores autônomos é de 20% (vinte por
cento).

Com a edição da Instrução Normativa INSS/DC nº 87, de 27 de março de 2003, além do percentual de 20% que
é recolhido pela contratante (Caixa Escolar) sobre o valor dos serviços do profissional autônomo, deverá ainda
ser retido o montante de 11% (onze por cento) sobre o valor dos serviços e recolhido ao INSS dentro do prazo
estipulado, ou seja, 2º dia útil subseqüente ao pagamento da prestação pelo autônomo.

8.4 - CARIMBOS QUE DEVERÃO CONSTAR EM TODOS OS DOCUMENTOS DE DESPESA

Todo documento fiscal, emitido para comprovação da despesa, deverá ser carimbado e assinado pelos
responsáveis, após a conferência do preenchimento de todos os campos e da entrega dos produtos adquiridos
ou serviços prestados e antes da emissão do cheque para quitação da despesa.

8.4.1- IDENTIFICAÇÃO DO RECURSO

Pago com o Recurso


TC: ___________________ Este carimbo deverá ser utilizado em todos os documentos
de despesa. Caso a Caixa Escolar não tenha o carimbo,
Projeto: ___________________ os dados ( TC, Projeto e Data) deverão ser manuscritos no
cabeçalho do documento.
Data: ___________________

8.4.2- ORDEM DE PAGAMENTO

2003 Página 13 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
PAGUE-SE
____/____/____

___________________________
Assinatura do Ordenador de
Despesa

Deverá ser utilizado no verso de cada documento de despesa, contendo assinatura do Ordenador de
Despesa (Presidente da Caixa Escolar).

8.4.3- DECLARAÇÃO DOS RESPONSÁVEIS PELO RECEBIMENTO DOS MATERIAIS E/OU


SERVIÇOS

Certificamos que o material e/ ou serviço


constante deste documento foi recebido em
perfeitas condições.
____________________ _____________
Assinatura: Masp
_____________________ _____________
Assinatura Masp

Data do recebimento: _____/____/_____

Deverá ser colocado no verso de cada documento de despesa, com assinatura identificada de dois funcionários,
exceto a do Ordenador de Despesa (Presidente da Caixa) e a do Tesoureiro da escola.

8.4.4- REFERÊNCIA BANCÁRIA

2003 Página 14 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
Cheque n ________, de _____/_____/_____
Conta: _________________________
Banco: _________________________
________________________________
Assinatura do Tesoureiro

Deverá ser carimbado no verso de cada comprovante de despesa.

8.4.5 - QUITAÇÃO**

RECEBEMOS

em _____/_____/_____
_______________________
Assinatura do Fornecedor

Representa a quitação pelo fornecedor no ato do pagamento.

** A data deste carimbo nunca poderá ser anterior à data de emissão do cheque e da nota fiscal
correspondente.

9 - EXECUÇÃO DOS RECURSOS

9.1 - REPASSES PARA MANUTENÇÃO E CUSTEIO / QESE

A lei orçamentária classifica as transferências para manutenção e custeio na natureza de despesa 335043-01,
Despesas Correntes.

Os recursos transferidos nessa rubrica somente poderão ser utilizados na contratação de serviços eventuais, na
quitação de faturas de água, luz e telefone e na aquisição de materiais de consumo que visem garantir o bom e
regular funcionamento da unidade de ensino.

2003 Página 15 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

9.1.1 - Materiais de Consumo

artigos para limpeza e higiene;

 artigos para esportes;

 materiais de secretaria;

 materiais de ensino;

 materiais de informática;

 materiais para manutenção e conservação de imóveis;

 utensílios para refeitório e cozinha.

9.1.2 - Fornecimento de Serviços Essenciais

 água;

 energia elétrica;

 Telefone.

As despesas com água, luz (daquelas Caixas Escolares cujas contas não estão centralizadas na SEE/MG) e
telefone deverão ser quitadas pela Caixa Escolar no prazo estabelecido pelas concessionárias, não sendo
permitido o pagamento de juros, multa ou qualquer taxa adicional.

A despesa telefônica será comprovada por meio de documento de cobrança emitido pela concessionária local,
devendo a via original permanecada à prestação de contas.

O usuário registrará cada ligação telefônica no Anexo VI, devendo, ao final do mês, as chamadas particulares
serem ressarcidas à Caixa Escolar por meio de cheque nominal ou comprovante de depósito bancário.

9.1.3 - Serviços Eventuais

2003 Página 16 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

Os serviços classificados como “EVENTUAIS” poderão ser prestados por bombeiros, eletricistas e outros , para
recuperação de válvulas e encanamentos, interruptores, tomadas, etc.

Ao contratar esses profissionais, a Caixa deverá recolher os encargos e quitar as despesas, mediante
apresentação de Recibos, conforme Lei Federal nº 9876/99 – alteração da contribuição previdenciária - editada

em 26/11/99, em vigor desde sua publicação em 29/11/99, que produzirá efeitos quanto à majoração da
contribuição a partir do dia 1º de março de 2000.

“São segurados obrigatórios da Previdência Social como contribuinte individual, entre eles, a pessoa física que
exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não”.

A contribuição previdenciária a cargo da empresa (Caixa Escolar) será de 20% sobre o total das remunerações
pagas, no decorrer do mês, aos segurados contribuintes individuais que lhe prestem serviços.

A Caixa Escolar deverá recolher o valor referente a 20% sobre o total da remuneração paga ao prestador de
serviço, por meio da Guia da Previdência Social (GPS) e preencher mensalmente a Guia de Recolhimento do
FGTS e Informações à Previdência Social (GFIP), identificando os prestadores de serviço. A GFIP deverá ser
entregue em agência bancária conveniada até o dia 07(sete) do mês seguinte àquele em que a remuneração foi
paga. Caso não haja expediente bancário no dia sete, a entrega deverá ser antecipada para o dia de expediente
bancário imediatamente anterior.

No mês em que não houver contratação de prestador de serviço informar à Previdência Social através da GFIP
SEM MOVIMENTO.

Os recursos de manutenção não se destinam à execução de obras nos prédios escolares, podendo ser utilizados
em pequenos reparos emergências que não exijam elaboração e aprovação de planilha de custos pela SEE/MG.

A contratação de outros serviços deverá ser compatível com o objeto do Termo de Compromisso firmado.

NÃO PODERÃO SER REALIZADAS AQUISIÇÕES DE MATERIAIS PERMANENTES E/OU EQUIPAMENTOS,


POR SE TRATAREM DE DESPESAS DE CAPITAL, ESTANDO O EXECUTOR SUJEITO À DEVOLUÇÃO DO
VALOR GASTO INDEVIDAMENTE.

9.2 - MANUTENÇÃO E CUSTEIO / FNDE / PDDE

Os recursos do Programa Dinheiro Direto na Escola – PDDE são diretamente transferidos pelo Fundo Nacional
de Desenvolvimento da Educação - FNDE às Caixas Escolares e destinam-se à manutenção e custeio da
2003 Página 17 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
unidade escolar (despesas correntes) e aquisições de material permanente (despesas de capital), sendo
previamente estabelecido o valor para cada natureza de despesa .

Por determinação do Órgão Concedente, FNDE, os saldos remanescentes em 31 de dezembro de um exercício


não deverão ser devolvidos, devendo ser reprogramados para utilização no exercício seguinte.

9.3 - REPASSES PARA AQUISIÇÃO DE GÊNEROS ALIMENTÍCIOS – MERENDA ESCOLAR

Os recursos financeiros decorrentes de Termos de Compromisso para aquisição de alimentos deverão ser
utilizados observando-se as normas do FNDE que definem: “Os produtos a serem adquiridos para a clientela do
Programa nacional de Alimentação Escolar - PNAE devem conter padrões de identificação e qualidade de acordo
com as normas estabelecidas pela Secretaria de Vigilância Sanitária de Defesa Agropecuária do Ministério da
Agricultura – SDA/MA”.

A Caixa Escolar deverá adquirir produtos que se enquadrem na sugestão de cardápios encaminhados pela
SEE/SAE, observado o hábito alimentar da região.

No cardápio de alimentação escolar, conforme orientações do FNDE, recomenda-se não constar os seguintes
produtos: chocolates sob a forma de tabletes, de barras, de ovos, ou de bombons; balas; pirulitos; chicletes;
refrigerantes; pó para preparo de refresco e outros alimentos caracterizados como “guloseimas”. Os produtos
com teor alcóolico e pimenta, também, não deverão integrar o cardápio da alimentação escolar.

Deverá ser mantido um controle de estoque, registrando-se a entrada e a saída dos produtos.

A Caixa Escolar deverá estar atenta no ato da aquisição dos produtos ao prazo de validade impresso na
embalagem, conforme determinação legal.

Apenas produtos com prazo de validade que permita sua utilização até o final do estoque, deverão ser adquiridos
e armazenados em locais arejados para garantir a manutenção da qualidade.

Caso algum produto não seja consumido dentro do prazo de validade previsto, deverá ser recolhido do estoque
e, em hipótese alguma, ser distribuído aos alunos da escola.

A Caixa Escolar deverá emitir relatório discriminando o tipo e a quantidade do produto vencido e encaminhá-lo à
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO/SEE para avaliação e medidas cabíveis podendo ocorrer
devolução do valor dos produtos que serão incinerados.

NENHUM PRODUTO VENCIDO PODERÁ SER DISTRIBUÍDO AOS EDUCANDOS PELA CAIXA ESCOLAR

2003 Página 18 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

9.4 - REPASSES PARA AQUISIÇÃO DE MATERIAL PERMANENTE E DE CONSUMO

Quando os recursos financeiros forem decorrentes de Termos de Compromisso para aquisição de material
permanente (móveis, equipamentos, etc.) ou material de consumo (cantina, limpeza, didático, pedagógico, etc.),
a Caixa Escolar deverá utilizá-los dentro da NATUREZA prevista.

Em hipótese alguma será aceita despesa fora do objeto do Termo de Compromisso e em discordância com sua
NATUREZA.

Ex.: Recursos repassados para aquisição de material permanente (despesas de capital) não poderão ser
utilizados na aquisição de material de consumo (despesas correntes) e vice-versa.

9.5 - REPASSES PARA OBRAS DE REPARO, REFORMA E/OU ADEQUAÇÃO

Os recursos financeiros decorrentes de Termos de Compromisso destinados às obras de reparo, reforma e/ou
adequação deverão ser utilizados conforme planilha de custos aprovada pela Diretoria de Rede Física, podendo
a Caixa Escolar optar pela contratação de pessoa física ou jurídica para a execução das obras.

Havendo necessidade de alteração da planilha, a Caixa Escolar deverá, antes da execução da obra, solicitar
autorização à Superintendência Regional de Ensino. De forma alguma será aceita prestação de contas em
desacordo com a planilha de custos aprovada.

NOTA: Para se executarem obras de ampliação, construção e reforma de natureza estrutural, sem ônus para o
Estado, as Caixas Escolares deverão encaminhar planilha de custos à Superintendência Regional de Ensino
para análise e aprovação. Portanto, modificações na estrutura física dos prédios escolares só poderão ser
feitas com autorização prévia da SEE . Nesses casos, é necessário que a Caixa Escolar apresente um
responsável técnico pela execução do projeto.

SEM AUTORIZAÇÃO DA SEE/MG NÃO SE ALTERA O PATRIMÔNIO DO ESTADO.

De acordo com a legislação do INSS, considera-se obra de construção civil a construção, adequação,
demolição, reforma ampliação de edificação ou outra benfeitoria agregada ao solo ou ao subsolo (construção de
salas, muros, reforma de telhados, etc.), estando a Caixa Escolar sujeita à legislação vigente.

2003 Página 19 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

Alguns conceitos:

Retenção: é o valor referente à antecipação compensável relativo à parcela de 11% (onze por cento) descontada
pela empresa contratante, do valor bruto dos serviços realizados constantes da nota fiscal.

Contratante: é a empresa tomadora de serviços mediante cessão de mão-de-obra ou empreitada, no caso a


Caixa Escolar.

Contratada: é a empresa prestadora de serviços que os executa por cessão de mão-de-obra ou empreitada.

Cessão de mão-de-obra: é a disponibilização à contratante, em suas dependências ou nas de terceiros, de


segurados que realizem serviços contínuos relacionados ou não com a atividade-fim da empresa,
independentemente da natureza e da forma de contratação.

Empreitada: é a execução da tarefa, obra ou serviço, contratualmente estabelecida, relacionada ou não com a
atividade da empresa contratante, nas suas dependências, nas da contratada ou nas de terceiros, tendo como
objeto um fim específico ou resultado pretendido.

Contrato por Empreitada Total: é aquele celebrado exclusivamente com empresa construtora, registrada no
Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura – CREA que assume a responsabilidade direta pela execução
total da obra, com ou sem fornecimento de material.

Contrato por Empreitada Parcial: é aquele celebrado com empresa prestadora de serviços na área de
construção civil para execução de parte da obra com ou sem fornecimento de material.

Empreitada Parcial: a empreiteira, na condição de contratada, quando da emissão da nota fiscal, deverá
destacar obrigatoriamente o valor da Retenção (11%) no corpo da nota fiscal e a Caixa Escolar ficará com a
responsabilidade de efetuar o devido recolhimento mediante GPS, entregando uma cópia para a empreiteira e
arquivando a guia original durante 10 (dez) anos.

Obs. : Lembramos que a Legislação do INSS poderá sofrer alterações. Caso alterada, a SEE/MG repassará as
informações necessárias.

9.5.1 - Contratação de Pessoa Jurídica

A Caixa Escolar poderá contratar Firma de Engenharia legalmente constituída para a execução da obra,
mediante Contrato de Empreitada, (Anexo XIV ). A Caixa Escolar deve observar o seguinte:

2003 Página 20 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

1. Na empreitada de construção civil, aplicar-se-á a Responsabilidade Solidária na contratação de execução


de obra por empreitada total. Neste caso, caberá à Empreiteira a matrícula da obra junto ao INSS.

Para cada obra realizada, deverá ser realizada uma matrícula e conseqüentemente a "Baixa" junto ao INSS
Isso quer dizer que, se houver várias obras no prédio da escola em diferentes períodos, tem que ser
providenciada matrícula e baixa para cada uma.

Obs. : Embora esteja em regime de Responsabilidade Solidária (empreitada total), a Caixa Escolar poderá
ajustar com a Empreiteira a opção pelo sistema de retenção, para tanto, no corpo da nota fiscal de prestação de
serviços, será feito o destaque do título “Retenção para Seguridade Social – 11%”, ou seja, a Caixa, na
condição de contratante, pagará à Empreiteira o valor líquido da nota fiscal e ficará com a responsabilidade de
recolher ao INSS o valor da retenção, mediante da GPS em nome da empresa contratada, no dia 02 do mês
subseqüente ao da emissão da nota fiscal. Entregar uma cópia à empreiteira e arquivar o original durante 10
anos. Dessa forma a Caixa Escolar desobrigar-se-á da Responsabilidade Solidária.

Quando o dia dois do mês cair em dia em que não haja expediente bancário, o vencimento fica prorrogado para
o primeiro dia útil subseqüente ao da emissão da nota fiscal.

Em caso de ampliação, construção e reforma de natureza estrutural, solicitar à Contratada a indicação do


Responsável Técnico – R.T e o registro da Anotações de Responsabilidade Técnica) – A.R.T junto ao CREA/MG.

Estabelecer, no Contrato de Empreitada, cláusula condicionando o pagamento de cada parcela do valor


contratado à apresentação, pela FIRMA, das guias quitadas do INSS e FGTS dos empregados que,
eventualmente, estiverem trabalhando na obra.

Em caso de não pagamento das obrigações sociais pela contratada, a Caixa, tem a Responsabilidade
Solidária, respondendo pelo pagamento de tais obrigações. Portanto, a Caixa deverá solicitar à contratada
cópia dos comprovantes de recolhimento ao INSS, FGTS, etc., e arquivá-los na escola, antes da quitação de
cada parcela.

O valor da primeira parcela não deverá ultrapassar 20% do valor global.

As parcelas subseqüentes deverão ser quitadas de acordo com a execução das obras previstas na planilha de
custos. Portanto, a cada etapa concluída, a Firma de Engenharia deverá emitir uma nota fiscal em nome da
Caixa Escolar, não sendo permitido pagamento antecipado, nem através de recibo.

A última parcela dos serviços prestados será quitado, somente na entrega da obra pela EMPREITEIRA,
conforme contrato firmado.

Ao término da obra, a Caixa, através da Empreiteira, deverá providenciar a "Baixa" junto ao INSS e solicitar a
CND (Ceo Negativa de Débito - CND) à conratada.
2003 Página 21 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

A Caixa Escolar poderá estipular no Contrato que a aquisição de materiais será feita pela própria Firma ou
ainda, optar pela compra dos materiais e contratar Firma de Engenharia apenas para Prestação de Serviços
de mão- e bra.

As notas fiscais de aquisição de materiais deverão ser emitidas em nome da Caixa Escolar, sendo de sua
responsabilidade a quitação do documento. Neste caso, é considerada também como empreitada total.

9.5.2 - Contratação de Pessoa Física

Na execução das obras de reparo e reforma e/ou adequação, através de contratação de pessoa física, caberá à
Caixa Escolar fazer a matrícula da obra junto ao INSS, com apresentação dos seguintes documentos:

 cartão de CNPJ;

 Estatuto atualizado da Caixa Escolar;

matrícula da obra.

Em caso de contratação de pessoa física para realização da obra (ampliação, demolição, reforma de
salas, muros, telhado, piso, etc.), a Caixa Escolar deverá seguir o regime determinado na Consolidação das Leis
do Trabalho - CLT.

A contratação de um empregado com carteira assinada implica em uma série de procedimentos estabelecidos
pela Legislação Trabalhista, Previdenciária e Tributária. Portanto, para se manter um "quadro de empregados
registrados", é necessário observar atentamente a legislação vigente, de forma a evitar erros no pagamento
dos salários, encargos sociais e nas rescisões dos Contratos de Trabalho, ao final da obra.

A admissão de um empregado com "Registro em Carteira" demanda, dentre outros, os seguintes


procedimentos:

 assinatura da Carteira de Trabalho da Previdência Social – CTPS;

registro, no Ministério do Trabalho, do Contrato de Trabalho em livro próprio, ou ficha apropriada;

 comunicação de admissão e dispensa ao Ministério do Trabalho;

2003 Página 22 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 elaboração da folha de pagamento;

recolhimento dos encargos sociais (INSS - FGTS e IRRF), em guias próprias, de acordo com a legislação
vigente;

 GFIP mensal;

recolhimento da contribuição sindical, quando for o caso;

rescisão do Contrato de Trabalho (pode ocorrer com justa causa ou sem justa causa);

 na rescisão, deverão ser pagos todos os direitos trabalhistas do empregado, como por exemplo:

 aviso prévio;
 férias indenizadas ou proporcionais, mais 1/3 de férias de acordo com a Constituição Federal;
 13º salário (integral ou proporcional);
 FGTS do mês da rescisão, 40% sobre o saldo do FGTS depositado em Banco e o valor do FGTS
pago na rescisão;

Obs.: O percentual de 40% incidente sobre o FGTS é devido nas rescisões sem justa causa.

recolhimento ao INSS;

 seguro Desemprego, de acordo com a legislação vigente;

Obs.: Toda documentação relativa ao registro de empregado (carteira assinada) deverá permanecer
no arquivo arquivada nda Eescola, à disposição dos Órgãos de Fiscalização do Ministério do Trabalho e
Previdência Social.

Exemplo: - livro de registro de empregados;


- guias originais do recolhimento ou pagamento dos encargos sociais;
- livro de ponto;
- uma via da rescisão do Contrato de Trabalho;
- quadro de horário de empregados.

9.6 - REPASSES PARA CAPACITAÇÃO

2003 Página 23 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
Caberá à Caixa Escolar a elaboração do projeto a ser executado conforme padrões básicos já estabelecidos e o
encaminhamento à SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO para análise e aprovação.

A Caixa Escolar deverá observar atentamente a planilha de custos do projeto aprovada pela
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO antes de utilizar os recursos recebidos, verificando a carga
horária a ser ministrada e o número previsto de participantes, para que haja aquisição e/ou elaboração adequada
de material necessário no período.

O material adquirido pela Caixa Escolar destina-se exclusivamente à execução do projeto, não sendo permitido,
portanto, seu armazenamento para utilização futura.

Ex.: papel ofício, tinta guache, cartolina, papel crepom, cola, stencil, etc.

A despesa com reprodução de material (xerox), se necessário, deverá ser comprovada por meio de nota fiscal e
o nº de folhas compatível com o nº de participantes do curso.

A aquisição e a distribuição de lanche é de competência da Caixa Escolar, observando-se sempre o valor


aprovado na planilha de custos.

Despesas com hospedagem, refeição e transporte dos capacitadores contratados somente serão aceitas se,
devidamente, autorizadas no projeto e comprovadas. Não será permitida a despesa com passagens aéreas.

Hospedagem e refeições deverão ser comprovadas por meio de notas fiscais e o transporte pela própria
passagem (via original).

A apresentação de RECIBO, como comprovante de despesa, só será aceita quando se tratar de pagamento de
pessoal envolvido no projeto e de táxi.

No caso de despesas de táxi , o RECIBO deverá estar datado, assinado e preenchido com a identificação do
percurso feito, do veículo utilizado (placa) e do motorista que prestou o serviço.

NÃO É PERMITIDA A AQUISIÇÃO DE COMBUSTÍVEL COMO DESPESA.

Caberá à Caixa Escolar emitir pagamento aos bolsistas, caso houver, por meio de cheque nominal. Comprovar
a despesa com recibos e relacioná-la no Anexo VIII.

2003 Página 24 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
A contratação de CONSULTORES e CONFERENCISTAS será permitida em caso de projetos específicos,
devidamente aprovados pela SRE/UNIDADE EXECUTOR/SEE.

Quanto à contratação de PALESTRISTA, será permitido o pagamento de no máximo 03 (três) horas para
encontros ou seminários, devendo ser observado o seu Curriculum Vitae e sua qualificação. O valor a ser pago
será de acordo com sua titulação.

O recolhimento das obrigações sociais deverá ser baseado na legislação vigente à época e comprovado com
documento hábil.

9.6.1 - Contratação de Pessoa Física

A Caixa Escolar poderá optar pela contratação de profissional autônomo para ministrar a capacitação,
obedecidas os critérios da Lei nº 9.876/99 que passou a vigorar a partir de 1º de março de 2000.

Nesse caso, a despesa com prestação de serviços será comprovada por meio de recibo, emitido com a
descrição do conteúdo ministrado, carga horária correspondente e período de execução do curso. Cada recibo
deverá ser assinado pelo prestador do serviço e por duas testemunhas e carimbado conforme os
procedimentos adotados para as notas fiscais.

Todo o pessoal contratado deverá ser pago de acordo com a função exercida no projeto, tendo como base a
TABELA I DE REMUNERAÇÃO DE PESSOAL ENVOLVIDO EM PROJETO, vigente à época, observando-se
sempre o valor/hora trabalhada, com exceção do Datilógrafo que receberá por lauda:

 Professor de 3º grau, Mestre, Doutor

 Serviçais

 Mecanógrafo

 Outros

Ao contratar professor para ministrar curso, a Caixa Escolar deverá solicitar cópia do documento que comprove
sua titulação e anexá-la ao recibo de prestação de serviços.

9.6.2 - Contratação de Pessoa Jurídica

2003 Página 25 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
A Caixa Escolar também poderá optar pela contratação de uma Firma para a execução do projeto. Nesse caso
deverá ser emitida nota fiscal de prestação de serviços , com o devido destaque do ISS, discriminação de
conteúdo ministrado, carga horária correspondente e período de execução do curso.

O pagamento à firma contratada deverá ser baseado na TABELA I DE REMUNERAÇÃO DE PESSOAL


ENVOLVIDO EM PROJETO, vigente à época da execução do Termo de Compromisso, de acordo com a
titulação de cada professor cuja cópia deverá ser anexada à nota fiscal para comprovação.

A Firma receberá pelas horas trabalhadas no período, ficando a cargo da Caixa Escolar o pagamento aos
bolsistas, se houver, a aquisição de material de consumo, o lanche a ser servido e a reprodução de material
a ser distribuído, se necessário.

9.7 - RECURSOS DIRETAMENTE ARRECADADOS

Os recursos internos da Caixa Escolar são provenientes da arrecadação de receitas previstas em seus
estatutos, tais como, venda de ingressos para festas e exibições, bazares com prendas angariadas,
contribuições espontâneas de alunos, pais ou responsáveis e de membros da comunidade, como também da
iniciativa privada.

A utilização dos recursos diretamente arrecadados também obedecerá as normas contidas neste Manual,
devendo a Caixa Escolar manter registro de toda movimentação em LIVRO-CAIXA, submetendo ao Conselho
Fiscal, para aprovação, todos os documentos relativos às receitas e despesas contraídas com esses recursos.

A movimentação financeira dos recursos internos será registrada diariamente no LIVRO-CAIXA, através do
sistema de crédito e débito, contendo a assinatura do Presidente da Caixa Escolar e do Tesoureiro.

Todo crédito deverá ter a sua origem identificada:

doações;

 venda de ingressos;

 Bazar;

 outros ( com especificação ).

Ao registrar os débitos, deverão ser informados:

 número do cheque utilizado para efetuar o pagamento;

2003 Página 26 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 valor da despesa;
corresponde
 nome do favorecido;

 serviço prestado e/ou materiais adquiridos.

asSerá permitida a permanência, em caixa, de numerário em espécie, até o limite de 01(Hum) salário mínimo
vigente para cobrir despesas miúdas emergenciais, que se caracterizam pda por terem o valor até o limite de até
10% do salário referência.

A Caixa Escolar deverá registrar a data inicial do crédito em espécie, controlando diariamente o saldo do caixa.

Somente poderá ser lançado um novo valor, quando o saldo anterior for zero ou inferior a 10% do salário mínimo.
Nesse caso o valor a ser retirado da conta da Caixa Escolar irá somar-se ao saldo existente, perfazendo o total
permitido.

A CAIXA ESCOLAR DEVERÁ ESTAR ATENTA AO VALOR DO SALÁRIO MÍNIMO À ÉPOCA DA UTILIZAÇÃO
DOS RECURSOS.

A prestação de contas dos recursos diretamente arrecadados deverá ser elaborada em única via, a ser mantida,
no arquivo da 0escola após aprovação do Colegiado e do Conselho Fiscal, devendo a Caixa Escolar
disponibilizá- la quando solicitada pela Superintendência Regional ou demais Órgão de Controle Interno e
Externo para análise e parecer.

10 - CONSIDERAÇÕES FINAIS

Em caso de dúvidas quanto à aplicação de recursos de cada Termo de Compromisso, a Caixa Escolar deverá
entrar em contato, imediatamente, com a Superintendência Regional de Ensino .

A SECRETARIA DE ESTADO DE EDUCAÇÃO NÃO INDICA FORNECEDORES. A AQUISIÇÃO DE BENS E


SERVIÇOS É DE INTEIRA RESPONSABILIDADE DA CAIXA ESCOLAR COM APROVAÇÃO DO COLEGIADO
DA ESCOLA .

2003 Página 27 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

 É vedado o pagamento de frete com os recursos destinados à merenda escolar, devendo a Caixa Escolar
consultar a SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO/SEE, em caso de dúvida quanto á contratação
desses serviços.

 É vedada à Caixa Escolar a utilização de recursos transferidos pela SEE ou diretamente pelo FNDE para:

 elaboração de produtos alimentícios a serem vendidos na escola;

 aquisição de presentes;

 preparação de lanches, almoços e jantares festivos;

 aAquisição de uniforme, material escolar e outros produtos para revenda aos alunos.

Se, ao final da execução do projeto, houver saldo disponível, este deverá ser devolvido, por meio de cheque
nominal, à Secretaria de Estado de Educação, juntamente com a Prestação de Contas, fazendo referência no
ofício de encaminhamento. O cheque deverá ser grampeado na 1ª folha da Prestação de Contas ( ofício ), não
podendo ser colado.

 Após a elaboração da Prestação de Contas em duas vias, o responsável deverá conferir todo o processo, a
fim de verificar o cumprimento das normas estabelecidas e sanar as irregularidades porventura existentes. A
primeira via deverá ser encaminhada à SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO, devendo a segunda
via ser mantida em arquivo na Caixa Escolar.

 No anexo X, Ficha de Caixa, não há obrigatoriedade de quitação por parte da empresa/fornecedor, uma vez
que já haverá a quitação no documento de despesa, por meio do carimbo de “Recebemos”, ou por
autenticação mecânica em alguns casos .

O espaço destinado à cópia do cheque deverá ser utilizado para que seja colada cópia do cheque emitido.
Na impossibilidade de realizar a cópia xerox , poderá ser utilizada cópia do cheque através de carbono ,
devendo ser justificado o motivo .

 O processo de Prestação de Contas não deverá ser numerado. A numeração é de competência da SRE.

 A comprovação de irregularidades pela SRE será comunicada à Caixa Escolar, para as providências
cabíveis, por meio de ofício.

A Caixa Escolar, em situação considerada "irregular" pela SRE, que não sanar as pendências existentes dentro
do prazo estabelecido, terá seu processo convertido em "Tomada de Contas Especial" junto ao Tribunal e ontas
do Estado e inas Gerais, ficando mpedidaode eceber recursos de quaisquer natureza, até que seja julgado
pelo Órgão competente.

2003 Página 28 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 Todos os cheques da conta bancária do projeto anulados pela Caixa Escolar deverão ser anexados à
segunda via da prestação de contas, caso tenham sido destacados do talonário.

 O canhoto de cada talonário deverá estar preenchido com todos os dados necessários à identificação da
despesa efetuada.

Cada canhoto de talonário deverá ser mantido em arquivo junto à segunda via da prestação de contas de cada
projeto.

As contas bancárias de projetos específicos com obras de reparos e/ou adequação, aquisição de mobiliário
escolar e outros, com prazo de encerramento pré-determinado e sem possibilidade de continuidade, deverão ser
encerradas pela Caixa Escolar logo após a comprovação, mediante extrato bancário, do débito de todos os
cheques emitidos, constando SALDO ZERO.

10.1 - UTILIZAÇÃO DO ESPAÇO FÍSICO

 O espaço físico da escola com exceção da biblioteca escolar, laboratório, dependências reservadas à
Diretoria, à Secretaria, à despensa e à guarda e conservação de equipamentos, tais como aparelho de
áudio, de vídeo, som copiadoras e outros classificados como de uso restrito às atividades didático-
pedagógicas, poderá ser cedido às entidades sem fins lucrativos, legalmente constituídas.

 O espaço poderá ser cedido para realização de eventos como:

 reuniões;
mostras;
seminários;
 cursos;
 debates;
 comemorações;
 competições esportivas.

10.2 - BENS PATRIMONIAIS

 Todo bem adquirido deverá ser incorporado ao patrimônio da escola (equipamentos e materiais
permanentes), devendo a Caixa Escolar informar à SEE, por intermédio das Superintendências Regionais
de Ensino, as aquisições realizadas .

2003 Página 29 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 Quando o bem não tiver mais condições de uso (bem inservível) , a Caixa Escolar deverá entrar em contato
com a SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO para que seja instruída quanto à aplicação da
Resolução 3.914/97, de 02/12/97.

NENHUM BEM PODE SER DOADO, CEDIDO, VENDIDO OU LEILOADO SEM O CUMPRIMENTO DAS
NORMAS ESTABELECIDAS PELA DIRETORIA DE PATRIMÔNIO E DA LEGISLAÇÃO VIGENTE.

11 - DOCUMENTOS QUE DEVERÃO COMPOR A PRESTAÇÃO DE CONTAS

A CAIXA ESCOLAR deverá verificar a documentação específica para elaboração da prestação de contas de
cada projeto.

11.1 - DOCUMENTOS COMUNS A TODOS OS PROJETOS

 ofício de encaminhamento (Anexo I);

 restituição do saldo dos recursos não utilizados e/ou despesas bancárias indevidas, por meio de cheque
nominal à Secretaria de Estado de Educação;
;
parecer do Colegiado aprovando a aplicação dos recursos (Anexo II).

 relatório de execução física do projeto visado pelo Presidente da Caixa Escolar e pelo Diretor da
SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO (Anexo III);

extrato bancário completo da movimentação dos recursos, desde o crédito até o final da execução do projeto;
;
extrato bancário específico de aplicação financeira;
;
demonstrativo financeiro da receita e despesa (Anexo IV);

 demonstrativo financeiro da receita e despesa dos rendimentos auferidos sobre aplicação financeira
(Anexo V);

 ficha de caixa (Anexo X);

 relação de pagamentos efetuados (Anexo XI);;

2003 Página 30 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 comprovantes de despesas referentes aos recursos repassados e rendimentos auferidos sobre aplicação
financeira (notas fiscais, fatura e recibos);

 parecer do colegiado aprovando a prestação de contas (Anexo XII);

 parecer do conselho fiscal (Anexo XIII);

11.2 – DOCUMENTOS PARA COMPOSIÇÃO DE PRESTAÇÃO DE CONTAS DE PROJETOS ESPECÍFICOS

11.2.1 - Merenda Escolar

 cardápio elaborado no período da execução.

11.2.2 – Manutenção das Unidades de Ensino


;

 controle de ligações telefônicas (Anexo VI);

 comprovante de ressarcimento à Caixa Escolar do valor referente a ligações particulares;

 GFIP mensal;

11.2.3 – Capacitação de Pessoal

 planilha de custos aprovada pela Secretaria;

 contrato de prestação de serviços;

cópia do comprovante de graduação dos professores;

 comprovante de deslocamento e hospedagem dos capacitadores;

 comprovante de participação nos cursos(lista de presença);

folha de pagamento (Anexo VIII);

 recibo de pagamento de autônomo (Anexo VII);

2003 Página 31 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
 GFIP mensal.

11.2.4 - Obras

Em caso de Responsabilidade Solidária:;

 contrato de empreitada (prestação de serviços);

registro da obra junto ao INSS;

 registro da obra junto ao CREA-MG;

 folha de pagamento de empregados registrados para execução de obras de reparo, reforma e/ou adequação;

 contribuição sindical e IRRF (se houver);

 GPS mensal;

 GFIP mensal;
;
protocolo da baixa ou baixa da obra junto ao INSS;

 CND ( averbação do imóvel;

 termo de aceitação da obra.

;
Em caso de Retenção:

 contrato de empreitada (prestação de serviços);

 registro da obra junto ao INSS;

 registro da obra junto ao CREA-MG;

 comprovante de pagamento da Retenção ( GPS );

 GFIP mensal;

2003 Página 32 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
protocolo do pedido de baixa ou baixa da obra;

 CND;
;
termo de aceitação da obra (Anexo IX).

12 – REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

 CONSTITUIÇÃO ESTADUAL;
 CONSTITUIÇÃO FEDERAL;
 DECRETO Nº1.9849, de 12 de março de 1979;
 DECRETO DO SIAF Nº 35305, de 30 de dezembro de 1993;
LEI Nº 869, de 05 de julho de 1952;
 ESTATUTO DA CAIXA ESCOLAR;
 LEI ORÇAMENTÁRIA Nº 4320, de 17 de março de 1964;
 LEI Nº 5692, de 11 de agosto de 1971;
 RESOLUÇÃO Nº 2289, de 09 de março de 1977;
 LEI Nº 9122, de 30 de dezembro de 1985;
 INSTRUÇÃO NORMATIVA 06-SEE, de 11 de novembro de 1991;
 RESOLUÇÃO Nº 6907, de 24 de janeiro de 1992;
 PARECER DA PROCURADORIA GERAL DO ESTADO Nº 8253, de 09 de junho de 1992;
 RESOLUÇÃO Nº 7005, de 10 de junho de 1992;
 LEI Nº 8666, de 21 de junho de 1993;
 INSTRUÇÃO NORMATIVA 02-TRIBUNAL DE CONTAS DO ESTADO DE MINAS GERAIS, de 11 de maio de
1994;
 LEI Nº 11815, de 24 de janeiro de 1995;
 INSTRUÇÃO NORMATIVA 11-SEE (Tabela de remuneração de pessoal), de 05 de abril de 1995;
 LEI Nº 11822, de 15 de maio de 1995;
 LEI COMPLEMENTAR Nº 84, de 18 de janeiro de 1996;
 RESOLUÇÃO Nº 7832, de 22 de janeiro de 1996;
 INSTRUÇÃO NORMATIVA 01-SECRETARIA DO TESOURO NACIONAL, de 15 de janeiro de 1997;
 RESOLUÇÃO Nº 7943, de 23 de janeiro de 1997;
 IN 01-SEE, de 19 de janeiro de 1999;
 REGULAMENTO DO ICMS;
 LEI Nº 9876, de 26 de novembro de 1999;

2003 Página 33 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

13 - ANEXOSParecer do Colegiado aprovando a Prestação de Contas (Anexo X).


2003 Página 34 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO I - OFÍCIO DE ENCAMINHAMENTO

_____________________________ , ________de ______________ de 200__ .

Senhor(a) Superintendente:

Submetemos à aprovação de V.S.ª a Prestação de Contas anexa, referente ao Termo de Compromisso nº


____________________, firmado entre a Caixa Escolar_______________________
_______________________________________ e a Secretaria de Estado de Educação, no valor de
R$_______________ ( ______________________________________________________________),
destinados a ___________________________________________________________________________.
( Objeto do Termo de Compromisso )

Atenciosamente,

_________________________________________
Presidente da Caixa Escolar

Ilmo(a). Sr(a).

Superintendente
_________________________________________
_________________________________________

2003 Página 35 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO II - PARECER DO COLEGIADO

Os abaixo assinados, membros do colegiado da E.E. _____________________________________________,

depois de examinarem as prioridades, nesta reunião, conforme ata lavrada, aprovam o Plano de Aplicação

dos Recursos do Termo de Compromisso nº _____________________, no valor de

R$ _________________ (______________________________________________ ) destinados a

_________________________________________________________________________________________

(Objeto do Termo de Compromisso)

Localidade:_________________________________________ , _____/_____/_____ .

Nome : __________________________________________________________________________

Assinatura: _____________________________________________________________________

Identidade: _____________________________________________________________________

Segmento de representação: __________________________________________________


(Pai, aluno, funcionário, etc.)

Nome : __________________________________________________________________________

Assinatura: _____________________________________________________________________

Identidade: _____________________________________________________________________

Segmento de representação: __________________________________________________


(Pai, aluno, funcionário, etc.)

2003 Página 36 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO III - RELATÓRIO DE EXECUÇÃO FÍSICA DO PROJETO

CAIXA ESCOLAR: __________________________________________________________________

ESCOLA ESTADUAL: __________________________________________________________________

TERMO DE COMPROMISSO Nº __________________________________________________________

PERÍODO DE APLICAÇÃO DOS RECURSOS:

ASSINATURA DO TERMO: _____/_____/_____

TÉRMINO DA VIGÊNCIA: _____/_____/______

VALOR DOS RECURSOS RECEBIDOS – R$ _______________________________________

(Este espaço será utilizado pela Caixa Escolar para descrever com clareza e objetividade a execução do
projeto.)

Localidade: _____________________________________________ , _____/_____/_____.

Nome do Presidente: ____________________________________________________________

___________________________ ________________
Assinatura MASP

Nome do Diretor da SUPERINTENDÊNCIA REGIONAL DE ENSINO:

_____________________________________________________

_____________________________________________ ____________________
Assinatura MASP

2003 Página 37 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO IV - DEMONSTRATIVO FINANCEIRO DA RECEITA E DA DESPESA

CAIXA ESCOLAR:

TERMO DE COMPROMISSO Nº :

Período de vigência : de _____/_____/_____ a ____/_____/_____

DESCRIÇÃO RECEITA DESPESA

Recursos liberados pela Secretaria de


Estado de Educação de Minas Gerais.

Recursos do executor

Subtotal

Saldo

Total

Localidade : __________________________________________________ , _____/_____/_____.

Nome do Presidente: __________________________________________________________________

___________________________________ _______________________
Assinatura MASP
Nome do Tesoureiro : _________________________________________________________________

____________________________________ _______________________
Assinatura MASP

ANEXO V - DEMONSTRATIVO FINANCEIRO DA RECEITA E DA DESPESA – APLICAÇÃO FINANCEIRA

CAIXA ESCOLAR:

TERMO DE COMPROMISSO Nº.

2003 Página 38 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

Período de vigência : de _____/_____/_____ a ____/_____/_____

DESCRIÇÃO RECEITA DESPESA

Rendimentos auferidos sobre


aplicação financeira.

Subtotal

Saldo

Total

Localidade : __________________________________________________ , _____/_____/_____.

Nome do Presidente: ___________________________________________________________________

___________________________________ ________________________
Assinatura MASP

Nome do Tesoureiro : ___________________________________________________________________

____________________________________ _________________________
Assinatura MASP

ANEXO VI - CONTROLE DE LIGAÇÕES

CAIXA ESCOLAR: _____________________________________________________________________

MÊS: _____________________________________________________________________

Nº DO CONTATO RESPONS. PELA


DATA TELEFONE LOCALIDADE PESSOA / ÓRGÃO ASSUNTO LIGAÇÃO,
CHAMADO NOME LEGÍVEL

2003 Página 39 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

Localidade: ________________________________________________________, _____/ _____ / _____

_____________________________________________ ____________________
Assinatura do Presidente da Caixa Escolar MASP

ANEXO VII - RECIBO DE PAGAMENTO DE AUTÔNOMO

RECIBO
( + ) VALOR BRUTO R$ _____________________________________
DESCONTOS
( - ) IRRF R$ _____________________________________
( - ) ISS R$ _____________________________________
( - ) INSS – RETENÇÃO 11% _____________________________________

VALOR LÍQUIDO R$ _____________________________________

Recebi da Caixa Escolar _____________________________________________________________ a

importância de R$_________________ (_________________________________________________)

2003 Página 40 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
referente a _______________________________________________________________________, por

conta dos recursos financeiros liberados pela Secretaria de Estado de Educação.

Por ser verdade, firmo o presente recibo.

Localidade : _____________________________________ , de ____________________de 200__.

____________________________________________________
Assinatura do Favorecido

Nome: __________________________________________ Inscrição INSS: __________________________

CPF: __________________________________ CI: ___________________________________________

Testemunhas:

Nome: _____________________________________________ CPF:_______________________________

_____________________________________________
Assinatura
Nome: ___________________________________________ CPF: ______________________________

______________________________________________
Assinatura

ANEXO VIII - FOLHA DE PAGAMENTO

CAIXA ESCOLAR: _________________________________________________________________

ESCOLA ESTADUAL: _________________________________________________________________

PROJETO:____________________________________________________________________________

TERMO DE COMPROMISSO:____________________________________________________________

PERÍODO: _____/_____/_____ a _____/_____/_____

MASP VALOR VALOR VALOR


NOME FUNÇÃO H/T IRRF ISS
CPF HORA BRUTO LÍQUIDO

2003 Página 41 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

TOTAL

Importa a presente folha o valor líquido de R$_____________________________.

Nome do Presidente: ____________________________________________________________________

____________________________________ __________________________
Assinatura CPF

Nome do Tesoureiro: ___________________________________________________________________

___________________________________ ___________________________
Assinatura CPF

ANEXO IX – TERMO DE ACEITAÇÃO DA OBRA

CAIXA ESCOLAR: _____________________________________________________________________

UF : _______________________________

Nº DO CNPJ: _______________________________

Certifico, para fins de prova junto à Secretaria de Estado da Educação, que a reforma e / ou adequação do

prédio da Escola Estadual ___________________________________________________________________

_______________________________________, Município de _____________________________________,

de que trata o Termo de Compromisso nº ______________________________, no valor de R$____________

(_______________________________________________________), foi realizada obedecendo aos padrões

técnicos exigidos e que o prédio se encontra em perfeito funcionamento, atendendo plenamente à comunidade.

2003 Página 42 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

Localidade : _______________________________________________, _____/_____/_____.

________________________________________________ ________________________
Assinatura do Presidente da Caixa Escolar MASP

Membros do Colegiado:

Nome: ________________________________________________________________

Assinatura : _________________________________________________________________

Identidade : _________________________________________________________________

Segmento de representação: ________________________________


(Pai, aluno, funcionário, etc. )

2003 Página 43 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO X – FICHA DE CAIXA

2003 Página 44 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

Este espaço é reservado à cópia do cheque

HISTÓRICO:

Pagamento referente à aquisição de:_______________________________________________________


____________________________________________________________________________________
pela Caixa Escolar: ___________________________________________________________________ ,
cheque Nº __________________ Banco: __________________ C/C Nº _________________________ ,
conforme N.F. nº___________________ , emitida pela empresa: ________________________________
____________________________________________________________________________________

___________________________________________, em _____ / _____ / ______ .

____________________________________ _____________________________________
Assinatura Presidente Assinatura Tesoureiro

Recebi o cheque acima, referente ao pagamento especificado. ( PREENCHIMENTO FACULTATIVO )

________________________________________________________ - ______________________
Assinatura do responsável pela Empresa CPF

.________________________________________, __________ de ___________________________.

ANEXO XI - RELAÇÃO DE PAGAMENTOS EFETUADOS

Caixa Escolar : ___________________________________________________________________________


Termo de Compromisso nº : __________________________________________________________________
Valor R$ : _______________________________
Objeto:___________________________________________________________________________________

2003 Página 45 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
Nº do Nº
Documento Nome da Firma Data Cheque Valor

Localidade: _________________________________________________________, _____/_____/_____.

_______________________________________ _______________________________________

Assinatura do Tesoureiro Assinatura do Presidente da Caixa Escolar

2003 Página 46 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO XII -
PARECER DO COLEGIADO

Os abaixo assinados, membros do Colegiado da E.E. _____________________________________________

______________________________________________________________________, depois de examinarem

cuidadosamente os documentos que compõem a Prestação de Contas do Termo de

Compromisso nº _________________________________________________________________, no valor de

R$________________________, ( __________________________________________________________),

destinados a _____________________________________________________________________________,

são de parecer favorável à sua aprovação, conforme ata lavrada nesta reunião.

Localidade ________________________________________, de _____________________ de 200__.

Nome: ________________________________________________________________________

Assinatura: ________________________________________________________________________

Identidade: ________________________________________________________________________

Segmento de representação: ________________________________________


(Pai, aluno, funcionário, etc.)

Nome: _______________________________________________________________________

Assinatura: _______________________________________________________________________

Identidade: _______________________________________________________________________

Segmento de representação: ________________________________________


(Pai, aluno, funcionário, etc.)

2003 Página 47 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

ANEXO XIII -
PAREC PARECER DO CONSELHO FISCAL

Os abaixo assinados, membros do Conselho Fiscal da Caixa Escolar ________________________________

___________________________________________________________________, depois de examinarem

cuidadosamente os documentos que compõem a Prestação de Contas do Termo de

Compromisso nº _______________________________________, no valor de R$______________________ ,

( __________________________________________________________________________ ), destinados a

______________________________________________________________________________, são de

parecer favorável à sua aprovação.

Localidade ________________________________________, de _____________________ de 200___.

Nome: _________________________________________________________________

Assinatura: _________________________________________________________________

Identidade: _________________________________________________________________

Nome: ________________________________________________________________

Assinatura: ________________________________________________________________

Identidade: ________________________________________________________________

Nome: ________________________________________________________________

Assinatura: ________________________________________________________________

Identidade: ________________________________________________________________

2003 Página 48 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
ANEXO XIV – MODELO DE CONTRATO DE PRESTAÇÃO DE SERVIÇOS DE BRAS/REFORMAS

Contrato nº _____/________

São partes contratantes a Caixa Escolar ________________________, de ora em diante denominada


Contratante, com sede em ____________________________________, na (Rua/AV.) ____________________
____________________________________________,Bairro ________________ - ______________________,
representada neste ato pelo (a) seu (a) Presidente da Caixa Escolar ___________________________________
________________________________________________________, CPF_____________________________
e a empresa ________________________ ___________________________________________, de ora em
diante denominada Contratada, com sede em __________________________________________________,
na
(Rua/Av.)__________________________________________________________________________________,
Bairro _____________________________,CNPJ____________________________, representada neste ato por
___________________________________, CPF____________________.

CLÁUSULA PRIMEIRA - DO OBJETO

1.1- O presente contrato tem por fundamento a execução de______________________(reparo, reforma,


construção, ampliação, etc), conforme planilha de custos e/ou serviços anexa aprovada por ambas as
partes.

1.2- É objeto do presente contrato a execução, em regime de ___________________________(empreitada


global, parcial, etc.) da_____________________(nome da escola), conforme especificações constantes
da planilha de custos e/ou serviços que passam a fazer parte integrante deste instrumento.

CLÁUSULA SEGUNDA - NORMAS DE EXECUÇÃO

2.1
2.2 Os trabalhos, objeto deste contrato, serão desenvolvidos de acordo com a programação de obras do
Contratante e proposta da Contratada que da mesma forma integram este instrumento.

2003 Página 49 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

CLÁUSULA TERCEIRA - PREÇOS E CONDIÇÕES DE PAGAMENTO

3.1 O Contratante pagará à Contratada, pelos trabalhos executados o valor global de R$______________,
(valor por extenso), em conformidade com a planilha de custos e/ou serviços aprovada pela Diretoria de
Rede Física e de acordo com a evolução da obra especificada.

Nota: Especificar no cronograma de execução os percentuais das etapas concluídas e respectivos prazos de
pagamentos.

3.2 O preço acima é inalterável e inclui todos os custos de qualquer espécie e natureza, diretos e indiretos,
mobilização e desmobilização, viagens e diárias, remuneração, tributos e encargos sociais e
trabalhistas.

3.3 Os pagamentos das parcelas subseqüentes deverão ser quitados de acordo com a execução das obras
previstas na planilha de custos e/ou serviços. Portanto, a cada etapa concluída deverá ser emitida uma
nota fiscal em nome da Caixa Escolar.

3.4 O pagamento dos serviços executados será efetuado por meio de cheque nominal à Contratada, até o
__º (por extenso) dia após a execução dos serviços ou do mês subsequente ao da elaboração da
medição mensal, se for o caso somente se a contratada apresentar fatura e nota fiscal acompanhadas
dos comprovantes de quitação do INSS e do FGTS do último mês exigível

3.5 Em nenhuma hipótese, a Contratada terá direito ao pagamento de serviços que executar em virtude de
ordens verbais.

Nota: Conforme Ordem de Serviço nº 209, de 20/05/99, em vigor a partir de 1º de julho de 1999, o INSS
estabelece: "procedimentos de arrecadação e fiscalização da retenção incidente sobre a remuneração
decorrente da prestação de serviços através da cessão de mão-de-obra ou empreitada". Neste caso, a
Caixa Escolar deverá observar o tipo de contrato que será assinado (por empreitada global, parcial,
etc.), a fim de observar a "Responsabilidade Solidária" e a obrigatoriedade de quem deverá recolher a
GFIP. (Observar procedimentos neste Manual).

CLÁUSULA QUARTA - GARANTIA E EXECUÇÃO

4.1 Como garantia de execução deste contrato, a Contratante poderá reter da contratada __% de cada
medição até a medição seguinte.

4.2 O pagamento da última parcela só será quitado na entrega da obra pela Contratada, de acordo com o
Contrato firmado.
Nota: Observar Lei nº 8.666, art. 56 - § 2º e 3º

2003 Página 50 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

CLÁUSULA QUINTA - REGISTRO DA OBRA

5.1 Todas as despesas que se tornem necessárias à realização da correrão por conta da Contratada,
inclusive os itens relativos às exigências das autoridades fiscalizadoras competentes e todas as demais
despesas decorrentes da obra.

5.2 É responsabilidade da Contratada registrar a obra junto ao INSS e, após sua conclusão, proceder a
"baixa" no mesmo órgão , apresentado no final da execução da obra a Certidão Negativa de Débito à
Contratante.

Nota: Na execução das obras de reparo e reforma e/ou adequação, por intermédio da de contratação de
pessoa física, caberá à Caixa Escolar fazer a matrícula da obra junto ao INSS, com apresentação dos
documentos constantes do Manual de Prestação de Contas. (Observar procedimentos neste Manual).

CLÁUSULA SEXTA - ADIANTAMENTO

6.1 A Caixa Escolar, quando autorizado o inicio da obra, repassará à Contratada adiantamento de ______%
do valor contratual.

Nota: O valor da primeira parcela, no início da obra, não deverá ultrapassar 20% do seu valor global.
(Observar procedimentos neste Manual).

CLÁUSULA SÉTIMA - PRAZOS

7.1 A Contratada executará a obra observando rigorosamente a planilha de custo e/ou serviços aprovado
pelo Contratante, em obediência às normas técnicas.

7.2 O Contratante poderá determinar ou admitir alterações do cronograma atendidas, sempre, as


conveniências administrativas, desde que por essa razão não sejam modificados os prazos contratuais.

7.3 A obra será iniciada no prazo máximo de ____(por extenso) dias contados da data de recebimento, pela
Contratada, da ordem de início.

7.4 A obra deverá estar concluída no prazo de____(por extenso) dias consecutivos contados da data de
recebimento, pela Contratada, da ordem de início, podendo ser prorrogado por força maior ou caso
fortuito, nos termos da lei, por decisão prévia e expressa do Contratante.

2003 Página 51 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

CLÁUSULA OITAVA - FISCALIZAÇÃO E ACOMPANHAMENTO

8.1 A fiscalização e acompanhamento da execução do objeto deste Contrato serão feitos pela Contratante,
por intermédio do seu representante, e serão complementados com os serviços de apoio dos
Consultores da Secretaria de Estado de Educação - SEE/MG.

8.2 A Contratada responderá em relação a terceiro pelos danos que resultem da sua imperícia ou
negligência e pela culpa de seus empregados ou prepostos, segundo os princípios gerais da
responsabilidade civil.

CLÁUSULA NONA - NOVAÇÃO

9.1 Qualquer tolerância por parte da Contratante na exigência do presente contrato, não constituirá novação
ou extinção da respectiva obrigação, podendo a mesma ser exigida a qualquer tempo.

CLÁUSULA DÉCIMA - RECEBIMENTO E MANUTENÇÃO

10.1 Executado o seu objeto, será considerado de recebimento provisório a partir da data de conclusão até
_____ meses (conforme acordo entre as partes) e definitivo após este prazo.

10.2 O recebimento provisório ou definitivo não exclui a responsabilidade civil pela solidez e segurança da
obra ou do serviço, nem a ético-profissional pela perfeita execução do contrato, dentro dos limites
estabelecidos por lei ou pelo contrato.

CLÁUSULA DÉCIMA PRIMEIRA – DAS PENALIDADES

11.1 Em caso de descumprimento das obrigações contraídas neste instrumento, a Contratada ficará sujeita
às penalidades previstas:

11.1.1. Advertência.

11.1.2. Multas de:


2003 Página 52 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS

a)_____%(por extenso) calculada sobre o valor total do contrato, por dia que exceder a data de
conclusão de cada etapa da obra conforme previsto na planilha de custos
b)_____%(por extenso) calculada sobre o valor total do contrato, no caso de desobediência de qualquer
cláusula contratual para a qual não esteja prevista multa especial ou, ainda, no caso de reincidência de
atraso especificado no item anterior.
c)_____%(por extenso) calculada sobre o valor total do contrato, na hipótese de sua rescisão por motivo
imputado à Contratada.

11.1.3 Suspensão temporária do direito de licitar e contratar com a Administração Pública por prazo não
superior a 2(dois)anos.

11.2 Em qualquer caso, garantir-se-á à Contratada a ampla defesa.

CLÁUSULA DÉCIMA SEGUNDA – DA RESCISÃO

13.1 Este contrato poderá ser rescindido nos termos e nas condições negociadas por ambas partes, ou
unilateralmente em decorrência de descumprimento das obrigações pactuadas por alguma das partes.

CLÁUSULA DÉCIMA TERCEIRA – DA VIGÊNCIA

14.1 Este contrato terá vigência de_______________(por extenso) dias consecutivos, contados da data de
expedição da ordem de início.

14.2 A prorrogação do prazo contratual poderá ocorrer, a critério da Contratante, mediante Termo Aditivo.

CLÁUSULA DÉCIMA QUINTA – DO FORO

15.1 Para a solução das questões decorrentes deste contrato elege-se o foro de ____________, renunciando
as partes a qualquer outro por mais privilegiado que seja.

2003 Página 53 de 54
MANUAL DE INSTRUÇÃO ÀS CAIXAS ESCOLARES
QUANTO À UTILIZAÇÃO DE RECURSOS FINANCEIROS
E À PRESTAÇÃO DE CONTAS
E, por estarem as partes de pleno acordo em tudo que se encontra disposto neste contrato particular, assinam o
presente Contrato na presença das testemunhas abaixo, em ______ (por extenso) vias de igual teor e forma,
delas sendo extraídas as cópias para seu registro.

Belo Horizonte, _____ de ______________________ de ____________.

______________________________________________
(Nome do presidente da Caixa Escolar)

Contratada:

Nome do representante da empresa


Nome da empresa contratada e CNPJ:

Testemunhas:

1:Nome:___________________________________CPF:____________

(Assinatura)

2: Nome: ________________________________CPF:______________

(Assinatura)

2003 Página 54 de 54