Você está na página 1de 8

SISTEMA DE CONTABILIZAÇÃO POR CARGA E DESCARGA

 Aspectos gerais:
o Cada transação será registrada apenas uma vez;
o CARGA no sentido de se atribuir uma responsabilidade e DESCARGA no sentido
de se desresponsabilizar, seja pelo gasto legítimo dos bens ou pela transmissão
dessa obrigação a um terceiro;
o Com o tempo, se tornou mais sofisticado:
 já havia um saldo inicial e depois identificava-se, de forma muito clara,
os recebimentos e os pagamentos;
 deixou de utilizar somente um livro para se valer de vários livros
(separava-se despesa, receita, etc.)
o Não se pode dizer que esse sistema é inadequado, uma vez que dependerá do
contexto;
o Esse sistema antecedeu o sistema de “partilha dobrada”, que é um sistema mais
adequado para quando há muitas transações, necessidade de controle,
principalmente quando à distância;
o Eficácia no sistema baseada na existência de regras claras, rastreabilidade das
operações e vigilância mútua;
o Tem controle sobre a totalidade das receitas. O método é cego a tudo aquilo
que não foi pago ou recebido.
o Não se encontram, nesse método, o conceito de lucro ou capital
o 7 preocupações das organizações feudais que eram satisfeitas por este método:
 Montagem de uma organização operacional de tarefas, incluindo a
divisão das mesmas pelos diversos oficiais;
 Formação de cada oficial nas tarefas a desempenhar, incluindo
supervisão e inspeção frequente;
 Montagem de um sistema contábil interligado, adaptado à estrutura
resultante dos itens acima;
 Montagem de um sistema de armazenamento e de guarda dos bens
eficaz;
 Segregação das tarefas entre quem recebe e quem paga e entre quem
faz o registro contábil das receitas e quem autoriza as despesas;
 Programação de inventários periódicos e ligação dos seus resultados
aos registros de recebimentos e de pagamentos em espécie;
 Programação de auditorias, abrangendo todos os setores e pessoas,
incluindo os principais responsáveis.
o Características:
 Existência de estatutos/constituições/avisos/ordens/instruções;
 Rotação de funções;
 Segregação de tarefas;
 Utilização extensiva de recibos nas transações;
 Auditorias periódicas;
 Existência de catálogos de ativos geradores de receitas (ex:
propriedades, produções estimadas, etc.);
 Existência de ementas de custos (ex: custos anuais com salários, etc.);
 Preocupação em listar dívidas ativas e passivas.

O CASO DO MOSTEIRO DE SANTA ANA DE VIANO DO CASTELO

 Contexto:
o Período de grandes transformações na Europa: Separação Estado e Igreja;
o Os exércitos francês e inglês provocaram destruições e roubaram tudo que era
valioso;
 Características:
o O governo econômico do mosteiro assentava em 2 órgãos: um financeiro e
outro de armazenamento;
o Vários livros convergindo para um livro principal (para o qual eram passadas
todas as contas dos outros livros): O livro da Madre ou Livro da Receita e
Despesa;
 Nele, as contadas eram aprovadas pelo Arcebispado;
 As receitas eram registradas trienalmente e as despesas, anualmente;
 No último ano, passaram a ser registradas anualmente.
o Contabilidade assentava no Regimen da Fazenda, emanado pelo Arcebispo de
Braga, em 1621;
o A contabilidade tinhas duas finalidades: controle de recursos e tomada de
decisão e dispor de dados para a prestação obrigatória de contas ao
Arcebispado;
o Foi sempre utilizado o Sistema de Carga e Descarga;
o Controle interno mensal era realizado às despesas realizadas pela Madre
Tesoureira e ao Celeiro;
o Havia menções honrosas a algumas contas;
o Contabilidade como uma ferramenta poderosa para o Arcebispado controlar o
mosteiro à distância.

PARTIDAS SIMPLES X PARTIDAS DOBRADAS

 Para ser mais fácil o entendimento, vamos contrapor o método de partidas dobradas ao
de partidas simples. Essa forma de escrituração leva em conta apenas as operações que
envolvem pessoas. Tudo o que está relacionado ao patrimônio e o resultado é registrado
em outros controles que não os da contabilidade. Só o débito ou o crédito ocorrido em
transações é que são levados em conta. O nome “simples” oriunda justamente do fato
de que esse método é menos completo e eficiente.

 Já o método de partidas dobradas está baseado na compensação: para cada débito


existente, um crédito deve ser tomado como correspondente. Um evento pode ter
vários débitos e créditos, de modo que haja um equilíbrio entre ativos e passivos. Isso
faz com que haja um balanço patrimonial mais seguro, e as despesas e receitas passam
a ser mais facilmente trabalhadas na demonstração do resultado do exercício.
O CASO DO MOSTEIRO DE AROUCA

Períodos Contabilidade
Contabilidade Arcáica

Nesse contexto surge a escrita – está relacionada à contabilidade (dispositivos de controle


econômico)

1. Dispositivos de controle econômico

2. Tabletes protocueneiformes (ou arcaicos)


Registro de Eventos na Mesopotâmia

1 - Estoques
Tablete Kushim

Dentro do tablete havia diversas formas de contagem

Trazem sinais de administração da informação

2 – Empréstimos

Tablete Kushim – exibe detalhes de uma transação com grãos

No tablete há o tipo de produto e tempo de empréstimo e nome do responsável

3- Escambo

A contabilidade começou a ser utilizada para notar os detalhes dessas transações


Antecedentes das partidas dobradas

7 Elementos:

1. Comércio

2. Capital

3. Crédito

4. Propriedade Privada

5 Dinheiro

6 Escrita

7 Aritmerica

A) Contabilidade no mundo antigo - Que se inicia nas primeiras civilizações e vai até 1202 d.C.,
nesse período a contabilidade era feita de forma empírica, mais tinha como objeto o
patrimônio representado por rebanhos e outros bens. Estes primeiros registros eram feitos de
forma mental, mas com a sua evolução, foram encontradas maneiras de registrar essas
informações através de gravações e outros métodos alternativos. O método mais adequado
nesse período para exercer o controle dos bens, era a contagem. Ainda nesse período, houve a
invenção do papiro (tipo de papel feito com planta de mesmo nome fabricado pelos egípcios) e
das penas, na qual as informações passaram a ser registradas diariamente, agrupando-se
vários períodos, o que lembrava o diário.

B) Contabilidade no período medieval - Inicia-se em 1202 e vai até 1494 com o surgimento do
"Summa de Arithmetica, Geometria, Proportione et Proportionalita" de Frei Luca Pacioli,
publicado em 1494, que vincula a teoria contábil do débito e do crédito com a teoria dos
números positivos e negativos. Nesse período havia uma preocupação com o estudo de
técnicas matemáticas possibilitando ao homem, um avanço nos conhecimentos comerciais e
financeiros. Foi nesse período que houve a criação do método das partidas dobradas pelos
italianos, o que obrigou a adoção de outros livros que tornassem a contabilidade mais
analítica. Surge então o livro de contabilidade de custos.

C) Contabilidade no período moderno – Esse período inicia-se em 1494 e vai até 1840 com a
obra “La Contabilità Applicatta alle Amministrazioni Private e Pubbliche” de Francesco Villa.
Obra marcante na história da contabilidade. A obra "Summa de Arithmetica, Geometria,
Proportione et Proportionalita" de Frei Luca Pacioli, que foi publicada em 1494, dá início à
contabilidade no período moderno. Pacioli foi um matemático, teólogo e contabilista que,
apesar de não ter criado o método das partidas dobradas, uma vez que o método já era
utilizado na Itália, foi o que melhor conseguiu desenvolvê-lo, sistematizando a contabilidade,
dando a ele o título de pai da contabilidade e abrindo procedentes para que novas obras
pudessem ser escritas sobre o assunto.

D) Contabilidade no mundo científico – Esse período teve início no ano de 1840 e continua até
os dias atuais. A obra “La Contabilità Applicatta alle Amministrazioni Private e Pubbliche” de
Francesco Villa é o marco inicial para essa nova fase da contabilidade. Foi nesse período que
surgiram três escolas do pensamento contábil. A Escola Lombarda, chefiada por Franscesco
Villa; a Escola Toscana, chefiada por Giusepe Cerboni e a Escola Veneziana, chefiada por Fábio
Bestá. Mas a ciência contábil ainda era confundida com a ciência da administração e o
patrimônio, segundo postulados jurídicos, se definia como um direito. Na Itália, a
contabilidade passa a ser lecionada na universidade com a aula de comércio da corte.
Francesco Villa elabora o pensamento patrimonialista, no qual entende que a contabilidade
implicava em conhecer a natureza, os detalhes, as normas, as leis e as práticas que regem o
patrimônio. Mas já Fábio Bestá, que era seguidor de Francesco Villa, superou o seu mestre ao
demonstrar o elemento fundamental da conta, o valor e quase definiu o patrimônio como
apenas objeto da contabilidade. Quem conseguiu definir o patrimônio como objeto de estudo
da contabilidade foi o seguidor de Fábio Bestá, Vicenzo Mazi.

Interesses relacionados