Você está na página 1de 2

8 exercícios divertidos para escrever melhor e

com mais criatividade usando seu livro


favorito

Estas sugestões de técnicas se baseiam na idéia de que você gosta de ler e portanto tem
um ou mais livros preferidos que, por isso, conhece mais ou menos bem.
Também supõem que você gosta de escrever e enquadra isso em algum ponto entre um
passatempo e uma atividade profissional.

Por que o livro preferido

O livro preferido geralmente é aquele que nos faz ter vontade de escrever (quando não nos
faz desistir definitivamente).

Além disso, é mais fácil concentrar-se em uma atividade prazerosa que em uma enfadonha.
O livro favorito é aquele que mais lhe causou e causa prazer na leitura. Portanto, faz sentido
ligá-lo a outra atividade que deseja-se que seja também prazerosa.

Por outro lado, utilizar esse livro vai ajudar a entender porque ele é tão bom e o que você
pode usar de seu para escrever de um modo mais próximo disso.

As sugestões de exercícios

Antes de mais nada, é preciso deixar claro que não existe milagre. Executar esses exercícios
sem repetí-los ou partir para outros não vai fazer de você um Guimarães Rosa.
Você precisa ter constância e disciplina e manter um ritmo de redação. De nada adianta
escrever nove mil palavras hoje e nos próximos dois meses nenhuma. É melhor, então,
escrever uma frase por dia.
Vamos a eles:
1. Reescrever uma frase​: escolha uma frase do livro. Qualquer uma. Não importa que
o ​autor​ a tenha levado à perfeição. Sempre existem infinitas formas de reescrevê-la.
Inverta-a, suprima palavras, use outras, acrescente, mude os significados. Não
julgue, apenas faça, como se fosse um jogo. Você não precisa mostrar isso para
ninguém. Se você gosta de poesia, faça uma ​paródia​. Não precisa ser uma obra-prima
da métrica. Divirta-se.
2. Resumir a história de diferentes maneiras​: isso vai ajudar a entender o enredo e
suas principais partes. Enquanto escreve você também vai poder exercitar a síntese.
Faça resumos cada vez menores. Quando dominar a história subverta-a. Tome
liberdades. Eu fiz isso em ​um resumo de Hamlet​. Não espere fidelidade total.
3. O que vem antes da primeira frase​: alguns começos de livros são geniais. Mas o
que vem antes da primeira frase do primeiro capítulo? Como foi o momento, a noite
ou os anos anteriores? Mais uma vez, não queira ser melhor que o autor. Apenas faça
esse exercício de imaginação de maneira a divertir-se. Não precisa ser nada
gigantesco. Faça vários parágrafos explorando as diferentes possibilidades.
4. O que acontece depois da última frase​: o livro acabou. Mas a não ser que seja
uma história sobre o fim do universo supõe-se que a ​vida​ continue. O que vem depois
da última frase? Como no exercício anterior, você pode fazer vários parágrafos
explorando as infinitas possibilidades.
5. Diálogo com personagens de outras obras​: o que aconteceria se ​Hamlet
encontrasse Tyler Durden, personagem de ​Clube da Luta​, livro de Chuck Palahniuk?
Ou se Bentinho, de ​Dom Casmurro​, encontrasse com ​Harry Potter​? Quando mais
absurdos os encontros mais a sua imaginação será desafiada e você se sentirá
compelido a escrever.
6. Se a obra fosse de outro gênero​: imagine que uma obra originalmente do gênero
policial tivesse sido escrita como um romance meloso. Ou um suspense, então, fosse
um livro de humor. ​Jorge Luis Borges faz um belo exercício​ imaginando que o Dom
Quixote é lido por um leitor de livros policiais. A partir daí destaque e reescreva
trechos de seu livro preferido buscando uma ​nova​ perspectiva. E se ​A Metamorfose
fosse uma obra infantil​? Brinque com as possibilidades.
7. Corte frases​: brinque de editor. Seja cruel. Lime as frases que julga desnecessárias.
Eu sei. Com seu livro preferido vai ser difícil, pois suponho que nada seja
desnecessário na obra de seu autor favorito. Mas mesmo ​Graciliano Ramos​ escreveu
Angústia​, livro sobre o qual concordou com o crítico ​Antonio Cândido​ a respeito de
trechos julgados gordurosos. Isso vai ajudar você a dessacralizar um pouco a escrita e
também a entender melhor o funcionamento do texto, como quem desmonta um
relógio.
8. Depois da edição​: no final desse trabalho cruel, escreva um texto explicando ao seu
autor preferido porque agora aquele capítulo está muito melhor. Não precisa ser
sincero, claro.

Essas são apenas algumas idéias. Espero sinceramente que ajudem. Certamente terei
outras e escreverei sobre elas aqui, em breve.