Você está na página 1de 2

CASO SEMANA 12 14/06/2018

Disciplina: Prática Simulada III – CCJ0149 Página: 1/2


Aluno: TORRES
MATRICULA: 2013000000000
1.

Título
Apelação - Procedimento do Tribunal do Júri

EXCELENTÍSSIMO SENHOR JUIZ DE DIREITO DO 4º TRIBUNAL DO JURI DA COMARCA DA


CAPITAL DO ESTADO DO RIO DE JANEIRO.

PROCESSO Nº XXX

GEORGE, já qualificado nos autos do processo, vem, por seu advogado, com endereço XXX
interpor RECURSO DE APELAÇÃO da sentença condenatória, objetivando a declaração da nulidade da
julgamento com fulcro no art. 593 III, ‘c do CPP e nas Razões anexas.

Nestes termos,
Pede deferimento.
Rio de Janeiro, 16 de dezembro de 2016.
Advogado
OAB nº...

RAZÕES DO RECURSO DE APELAÇÃO


Colenda Câmara Criminal
APELANTE: GEORGE
APELADO: MINISTÉRIO PÚBLICO.

GEORGE, já qualificado, vem respeitosamente, perante está Egrégia Corte, por seu advogado,
regularmente constituído e qualificado apresentar RECURSO DE APELAÇÃO, visando a nulidade com
base no art. 593 III, ‘a do CPP, do julgamento que o condenou a 15 anos em regime fechado, pelos motivos
de fato e de direito que abaixo seguem.

I - DOS FATOS

O apelante foi pronunciado, na forma do art. 413 do CPP, pelo crime previsto no art. 121, § 2º, II do
CP, por em tese ter matado a vítima Leonidas Malta em uma briga na saída da boite The Night. O processo
tramitou regularmente na primeira fase do procedimento, com designação de AIJ para o dia 11 novembro de
2015, tendo sido o acusado pronunciado no dia 2 de março de 2016. Assim, o julgamento em Plenário
ocorreu efetivamente no dia 9 de dezembro de 2016. Após a oitiva das testemunhas arroladas para o
julgamento em Plenário, como tese defensiva, o acusado, orientado por seu advogado, optou por exercer a
garantia constitucional prevista no art. 5º, LXIII da CRFB/88. Em sede de debates orais o MP sustentou a
acusação nos limites da denúncia, sendo certo que a defesa técnica sustentou a tese de legítima defesa e a
ausência de provas nos autos que comprovassem o que fora sustentado pela acusação. Em réplica, o ilustre
membro do Parquet apontou para o acusado e sustentou para os jurados que “se o acusado fosse inocente ele
não teria ficado calado durante o interrogatório, que não disse nada porque não tem argumentos próprios
para se defender e que, portanto, seria efetivamente o responsável pela morte da vítima, pois, afinal, quem
cala consente”. A defesa reforçou seus argumentos de defesa em tréplica, contudo, George foi condenado
pelo Conselho de Sentença e o Juiz Presidente fixou a reprimenda estatal em 15 anos de reclusão em regime
inicialmente fechado por homicídio qualificado por motivo fútil (art.121, §2º, II, CP).
CASO SEMANA 12 14/06/2018

Disciplina: Prática Simulada III – CCJ0149 Página: 2/2


Aluno: TORRES
MATRICULA: 2013000000000

I – DO DIREITO

Analisando o conteúdo dos autos, verifica-se a falha do Ministério Publico ao não acatar um direito
previsto na Constituição, o qual garante o direito de manter-se calado como disposto no art. 5º, LXIII da
CRFB/88, como consta as folhas... Ao expor o fato, pode ter influenciado a decisão. O Juiz deveria ter
cancelado o julgamento, corrigindo a falha do Ministério Publico, de 478 acordo com art.,II c/c art.593,III,’c
do CPP.

III – DO PEDIDO

Ante a todo o exposto requer:


a) o recebimento do pedido com a consequente reforma da decisão anterior para decretar a absolvição
do Apelante, com base no artigo 386, V do Código de Processo Penal, uma vez que não está provada tenha o
acusado concorrido para prática da infração penal;
b) na impossibilidade da decretação da absolvição, que seja declarada nula a decisão condenatória,
eis que não observadas as condições impostas para o reconhecimento de pessoas, existindo omissão
quanto a formalidade essencial do ato, de acordo com o previsto no artigo 226, I I e artigo 564, IV
do Código de Processo Penal;
c) ainda, não sendo possível a absolvição ou nulidade, seja o acusado, ora Apelante, beneficiado
pelo princípio do in dúbio pro reo, a fim de vê-lo, no máximo, condenado por crime de furto, com
causa de diminuição de pena e consequente modificação do regime de cumprimento de pena. Requer ainda
o Autor a fixação de justa indenização com fulcro no artigo 630 do Código de Processo Penal. Por ser
medida de Justiça,

Termos em que

Pede Deferimento.

Rio de Janeiro, 19 de novembro de 2015

Assinatura do advogado/ n° OAB