Você está na página 1de 2

CASO SEMANA 14 14/06/2018

Disciplina: Prática Simulada III – CCJ0149 Página: 1/2


Aluno: TORRES
MATRICULA: 2013000000000
1.

Título
Recurso Ordinário Constitucional

EXCELENTÍSSIMO SENHOR DESEMBARGADOR PRESIDENTE DO EGRÉGIO TRIBUNAL DE


JUSTIÇA DO ESTADO DE SÃO PAULO/SP.

Habeas Corpus n.xxx

JOÃO, já qualificado nos autos de “habeas corpus” em epígrafe, por seu advogado, que esta
subscreve, não se conformando, “data vênia”, com o v. acórdão denegatório da ordem, vem, muito
respeitosamente, à presença de Vossa Excelência, dentro do prazo legal, interpor RECURSO ORDINÁRIO
CONSTITUCIONAL, Com fulcro nos artigos 105, II, “a”, da Constituição Federal, e 30/32 da Lei 8.038/90.
Requer o recebimento e processamento deste recurso, e encaminhado, com as razões anexadas, ao Colendo
Superior Tribunal de Justiça.

Termos em que
Pede deferimento.
São Paulo, data.
Advogado,
OAB/Estado.

Razões de Recurso Ordinário Constitucional


Recorrente: João.
Recorrida: Justiça Pública.
Habeas Corpus n.:xxx.
Superior Tribunal de Justiça,
Colenda Turma,
Douto Procurador da República,

Em que pese o ilibado saber jurídico da Colenda Câmara Criminal do Egrégio Tribunal de
Justiça de São Paulo, o venerando acórdão que denegou a ordem de Habeas Corpus não merece prosperar,
pelas razões de fato e de direito a seguir expostas:

I. DOS FATOS

O recorrente foi preso em flagrante pela prática, em tese, do crime de concussão, previsto no
artigo 316 do Código Penal.
Obedecidas as formalidades legais, foi requerida a concessão da liberdade provisória do
acusado, mediante o pagamento de fiança. Contudo, o pedido foi negado.
Reiterado o pedido junto ao Tribunal de Justiça, a concessão de liberdade provisória foi
novamente negada, sob o argumento de que o crime é muito grave.
CASO SEMANA 14 14/06/2018

Disciplina: Prática Simulada III – CCJ0149 Página: 2/2


Aluno: TORRES
MATRICULA: 2013000000000

II. DO DIREITO

Entretanto, o v. acórdão não merece prosperar, pois viola frontalmente os ditames legais.
Segundo o artigo 5º, LXVI, da Constituição Federal, “ninguém será levado à prisão ou nela
mantido, quando a lei admitir a liberdade provisória, com ou sem fiança”.
A concussão, crime previsto no artigo 316 do Código Penal, tem pena mínima de 02 (dois)
anos, sendo, portanto, afiançável, nos termos do artigo 323 do Código de Processo Penal:

Art. 323. Não será concedida fiança:


I – nos crimes punidos com reclusão em que a pena mínima cominada for superior a 2 (dois) anos.

Ademais, a suposta gravidade do crime não pode embasar a manutenção da prisão, sendo
imperioso a concessão de liberdade provisória mediante o pagamento de fiança.

III – DO PEDIDO

Diante do exposto requer:


a) requer seja conhecido e provido o presente recurso, para que se conceda a ordem de “habeas corpus”
denegada pela Corte Estadual;
b) o arbitramento da respectiva fiança para a concessão de liberdade provisória.

Termos em que,
Pede deferimento.
São Paulo, data.
Advogado,
OAB/Estado