Você está na página 1de 28

Faculdades Integradas de Jacarepaguá

Profª: Daniela Pinto


Disciplina: Embriologia e Histologia

Fecundação e primeira
semana de gestação
Fecundação e primeira semana de gestação
Introdução

Processo pelo qual o gameta masculino (espermatozóide) se une ao gameta


feminino (ovócito) para formar uma célula (zigoto ou célula-ovo)
Fecundação e primeira semana de gestação
Estrutura do ovócito

Zona pelúcida
Camada protéica: 12m de espessura, resistente, permeável e secretada pelo ovócito

Glicoproteínas: ZP1 (200kDa), ZP2 (120kDa), ZP3 (83kDa)

Oligossacarídeos da ZP3 promove ligação com receptores da membrana do espermatozóide


(espécie- específico)

Citoplasma cortical do óvulo

Até 15 000 grânulos delimitados


por membrana:
- 1m de diâmetro
- contém enzimas que alteram as
ZP3 e ZP2 de modo que os
espermatozóides não podem mais
se ligar a zona pelúcida
Fecundação e primeira semana de gestação
Estrutura do espermatozoide

Cabeça: Acrossomo, Núcleo

Cauda: Peça intermediária, principal,


terminal

Viabilidade: não sobrevivem mais de 72


hrs no trato genital feminino

Alguns permanecem nas dobras do colo


uterino, sendo liberados gradualmente.
Fecundação e primeira semana de gestação
Eventos preparatórios

• Maturação dos espermatozóides no epidídimo

• Capacitação dos espermatozóides no trato genital feminino

• Transporte dos gametas


Fecundação e primeira semana de gestação
Transporte dos espermatozoides

Espermatozoides depositados no fundo da vagina

O pH neutro do sêmen (7-8,3) protege os espermatozoides contra a acidez bactericida do


fluido vaginal

Movimentação dos espermatozoides os permitem penetrar no muco cervical

Ação muscular do trato genital feminino (rápida) e


motilidade dos espermatozoides estão envolvidas
com os movimentos no trato reprodutor feminino

Os cílios das células epiteliais que revestem as


tubas uterinas movimentam o fluido e auxiliam sua
passagem ao longo da tuba até o sítio de
fertilização
Fecundação e primeira semana de gestação
Capacitação do espermatozoide

A CAPACITAÇÃO é direcionada por substâncias secretadas por regiões da parede da tuba


uterina, principalmente íons bicarbonato.
É um período de condicionamento no aparelho reprodutor feminino, de 6-7hs.
Somente os espermatozoides capacitados serão capazes de atravessarem a corona radiata e
realizarem a reação acrossômica.

Remoção de proteínas aderentes do


plasma seminal

Alterações metabólicas (aumento


do AMPc, aumento do consumo de
O2, diminuição do pH intracelular)

Hiperativação da motilidade
Fecundação e primeira semana de gestação
Quimiotaxia dos espermatozoides

O óvulo atrai os espermatozoides devido à produção de substâncias químicas – quimiotaxia


- efeito a distâncias curtas (Líquido folicular).

Os espermatozoides capacitados são capazes de se deslocar em direção à região em que o


óvulo se encontra devido a diferença de temperatura cerca de 2°C mais alta (36-38°C) –
termotaxia
Fecundação e primeira semana de gestação
Sequencia de eventos da fertilização

FASES:

• Fase 1 – penetração na corona radiata

• Fase 2 – penetração na zona pelúcida

• Fase 3 – Fusão das membranas plasmáticas do ovócito com a do sptz

• Fase 4 – Formação e fusão dos pró-núcleos masculino e feminino


Fecundação e primeira semana de gestação
Sequencia de eventos da fertilização

Passagem pela corona radiata:

-movimento das caudas dos sptz. (batimento flagelar)

-ação da hialuronidase liberada do acrossomo

Contato com a zona pelúcida - Reação Acrossômica:

-fase importante da fertilização pois forma-se um


caminho na ZP

-ligação da membrana plasmática do espermatozóide


com a Zona Pelúcida mediada pela ZP3

- estimula a reação acrossômica


Fecundação e primeira semana de gestação
Reação acrossômica

Devido ao aumento intracelular de Cálcio, surgem perfurações no acrossomo como


resultado da fusão das membrana plasmática e membrana acrossomal

Proteínase ácida – hidrolisa


proteínas em pH ácido
Colagenase – digere
colágeno
Acrosina – Protease que
digere proteínas da zona
pelúcida
Betaglucuronidase
Hialuronidase
Neuraminidase
Fosfolipase C
Reação acrossômica

Fecundação e primeira semana de gestação


Fecundação e primeira semana de gestação
Fusão das membranas do espermatozoide e do óvulo
- Vários sptz transpõem a zona
pelúcida.
- Contudo, somente um irá se
fundir a membrana citoplasmática
do ovócito secundário.
- Quando isso ocorre, cessa a
hiperativação, entra no ovócito
secundário a parte anterior da
cabeça do espermatozoide,
ficando o restante do lado de fora.
- Esse processo de fusão das
membranas é controlado por
proteínas fusogênicas de ambos os
gametas.
- Conhece-se algumas proteínas
fusogênicas do espermatozoide,
mas conhece-se pouco sobre as
proteínas fusogênicas do ovócito
secundário.
Fecundação e primeira semana de gestação
Bloqueio da polispermia

- Normalmente, o ovócito secundário deve ser fecundado por apenas um


espermatozoide.
-Sendo assim, a membrana citoplasmática do ovócito secundário sofre várias
modificações para evitar a poliespermia.
- Reação cortical: exocitose de enzimas hidrolíticas, que degradam a glicoproteína
ZP2 e modifica a glicoproteína ZP3.
- Isso promove a imobilização e expulsão dos espermatozoides da zona pelúcida.
Fecundação e primeira semana de gestação
Fusão das membranas do espermatozoide e do óvulo e bloqueio da poliespermia
Fecundação e primeira semana de gestação
Formação e fusão dos pró-núcleos feminino e masculino
- Ocorre o reinício da segunda divisão meiótica, a qual gera duas células haploides, o óvulo –
convertido em zigoto – e o segundo corpúsculo polar.
- No zigoto, os núcleos haploides do espermatozoide e do ovócito se chamam pró-núcleo
masculino e feminino.
- Ambos migram para a região central do zigoto, onde ocorre duplicação do DNA.
Fecundação e primeira semana de gestação
Formação e fusão dos pró-núcleos feminino e masculino
Fecundação e primeira semana de gestação
Resultados da fertilização

• Restauração do número diplóide de cromossomos ( 2n = 46 cromossomos)


• Variação da espécie - herança biparental, o evento do crossing over, mistura dos
genes, produzindo recombinação aleatória do material genético
• Determinação primária do sexo óvulo X e espermatozóide X ou Y (óvulo X +
espermtz X = zigoto; óvulo X + espermtz Y = zigoto )
• Ativação do zigoto - início das clivagens
Fecundação e primeira semana de gestação
1ª semana de gestação

Trompa de falópio
Fecundação

1º dia Implantação
Endométrio
2º dia

3º dia

Parede Trofoblasto
Estágio de
4º dia uterina
Mórula
Botão Estágio de
embrionário Blastocisto
5º dia Camada
Cavidade do
superficial de
blastocisto
células
Massa
Cavidade uterina
celular
interna
Fecundação e primeira semana de gestação
1ª semana de gestação

• Blastômeros Compactação Mórula


(glicoproteínas de adesão de superfície celular)
Fecundação e primeira semana de gestação
Clivagem do zigoto

Durante a clivagem, o zigoto fica dentro da zona


pelúcida, espessa, gelatinosa, que se apresenta
translúcida ao microscópio. A divisão do zigoto
em blastômeros começa cerca de 30 horas após
a fertilização. As divisões subsequentes seguem-
se umas as outras, formando blastômeros
progressivamente menores.

Depois do estágio de oito células, os blastômeros


mudam de forma e aderem firmemente uns aos
outros formando uma bola compacta de células.
Este fenômeno – conhecido como compactação
– é mediado por glicoproteínas de adesão de
superfície celular.
Pouco depois de entrar no útero (cerca de 4 dias
após a fertilização), a mórula forma em seu
interior um espaço cheio de fluido, denominado
cavidade blastocística (blastocele).
O fluido da cavidade uterina atravessa a zona
pelúcida para formar este espaço. Com o
aumento do fluido na cavidade blastocística, ele
separa os blastômeros em duas partes.
1ª semana de gestação

Fecundação e primeira semana de gestação


Fecundação e primeira semana de gestaçã
Formação do blastocisto
Pouco depois de entrar no útero (cerca de 4 dias após a fertilização), a mórula forma em seu
interior um espaço cheio de fluido, denominado cavidade blastocística (blastocele).
O fluido da cavidade uterina atravessa a zona pelúcida para formar este espaço. Com o
aumento do fluido na cavidade blastocística, ele separa os blastômeros em duas partes.

• Massa celular interna se agrupa (embrioblasto)


• Massa celular externa (trofoblasto - células achatadas)
• Desaparecimento da zona pelúcida
• Implantação (nidação)
Formação do blastocisto

Fecundação e primeira semana de gestação


Fecundação e primeira semana de gestação
Formação do blastocisto
Neste estágio de desenvolvimento, o concepto é denominado
blastocisto. A massa celular interna, ou embrioblasto, agora faz
saliência na cavidade blastocística, e o trofoblasto forma a parede
do blastocisto. Depois do blastocisto ter flutuado nas secreções
uterinas por cerca de 2 dias, ele sai da zona pelúcida.
A perda da zona pelúcida possibilita o rápido crescimento do
blastocisto. Ao flutuar livremente no útero, o embrião é nutrido
pelas secreções das glândulas uterinas.
Cerca de 6dias após a fertilização (dia 20 de um ciclo menstrual de
28 dias), o blastocisto fixa-se ao epitélio do endométrio,
geralmente do lado adjacente à massa celular interna, o pólo
embrionário.
Fecundação e primeira semana de gestação
Implantação
Aproximadamente no 6º dia tem início o período de implantação. O blastocisto, já sem a
zona pelúcida, dirige-se a mucosa uterina e a região do embrioblasto se adere a ela. Os
trofoblastos por sua vez são estimulados e começam a proliferar, invadindo o endométrio.

Nessa fase distinguem-se o


citotrofoblasto que constitui a
parede do blastocisto e o
sinciciotrofoblasto, cujas células
estão em contato direto com o
endométrio, formando um
sincício com grande capacidade
de proliferação e invasão.
Enquanto isso, o embrioblasto
sofre mudanças que permite
diferenciar duas porções: o
epiblasto e o hipoblasto.
Fecundação e primeira semana de gestação
O útero na implantação
• Parede uterina:
– Endométrio (mucosa)
– Miométrio
– Perimétrio
• Alterações uterinas no ciclo menstrual
(FSH e LH)
– Fases uterinas:
. Folicular ou proliferativa:
Crescimento do folículo (FSH) e liberação
de estrogênio (final da última fase
menstrual)
. Secretora ou pró-gestacional:
Logo após oocitação, formação do corpo
lúteo e produção de progesterona
(hiperplasia endometrial). Camadas
endometriais (compacta, esponjosa e
basal)
. Fase menstrual: queda de
progesterona (sangramento e
descamação)
Fecundação e primeira semana de gestação
Períodos do desenvolvimento pré-natal

• Período pré-embrionário
(fertilização até final da segunda semana)

• Período embrionário
(terceira semana até final da oitava semana)

• Período fetal
(nona semana até o nascimento)

“E é assim, na primeira semana a mulher ainda nem


desconfia que está grávida e acontece tudo isso
dentro do corpo dela!”