Você está na página 1de 45

Escola Superior de Tecnologia da Saúde de Coimbra

Licenciatura em Farmácia
Dermofarmácia Cosmética e Produtos de Saúde 3º ano
Ana Paula Fonseca
2018-19
• Sumário

1.2. A pele humana

1.2.1 Funções principais

1.2.2. Absorção cutânea

1.2.3 Vias de absorção

1.2.4 Mecanismos de absorção

1.2.5 Evolução natural de pele


Fatores Físico Químicos

Regulação da temperatura corporal


Como órgão imunitário

Como órgão dos sentidos

Absorção
Pele
Níveis de penetração

Valores Biológicos

Temperatura cutânea

Permeabilidade estrato córneo

pH cutâneo
FACTORES INTERVENIENTES
Regulação da temperatura corporal

• A pele também é o principal órgão da regulação da

temperatura corporal através de diversos mecanismos:

• Os vasos sanguíneos subcutâneos contraem-se com o frio e

dilatam-se com o calor, de modo a minimizar ou maximizar

as perdas de calor.
 Os folículos pilosos têm músculos que produzem a sua erecção com o frio
(pele de galinha), aprisionando bolhas de ar estático junto à pele que
retarda as trocas de calor - um mecanismo mais eficaz nos nossos
antepassados.

 As glândulas sudoríparas segregam líquido aquoso cuja evaporação diminui

a temperatura superficial do corpo.

 A presença de tecido adiposo (gordura) subcutâneo protege contra o frio

uma vez que a gordura é má condutora de calor.


Como órgão imunitário

• A pele é um órgão importante do sistema imunitário. Apresenta


diversos tipos de leucócitos

• Há linfócitos que regulam a resposta imunitária e desenvolvem


respostas específicas;
• Células que apresentam antigénio (histócitos ou células de

Langerhans) que recolhem moléculas estranhas (possíveis

invasores) que levam para os gânglios linfáticos onde apresentam

aos linfócitos CD4+; mastócitos envolvidos em reacções alérgicas

e luta contra parasitas.


Funções metabólicas

• As funções metabólicas da pele são importantes.

• É na pele que é fabricada, numa reacção dependente da luz solar, a

vitamina D uma vitamina essencial para o metabolismo do cálcio e

portanto na formação/manutenção saudável dos ossos.


Como órgão dos sentidos

 Órgão sensorial, constituindo o sentido do tacto.

 Apresenta numerosas terminações nervosas, algumas livres, outras


com comunicação com órgãos sensoriais especializados, como
células de Merckel, folículos pilosos.

 A pele tem capacidade de detectar sinais que criam as percepções


da temperatura, movimento, pressão e dor.

 É um órgão importante na função sexual.


Valores Biológicos

 Superfície Média
◦ Recém-nascido: 25 dm2
◦ Adulto: 1,5-1,8 m2

 Espessura média da pele (mm)


◦ Epiderme: 0,07 - 0,17
◦ Derme: 1,75 - 2,2
◦ Hipoderme: 4,9

 Média da resistência da pele à ruptura (Kg/mm2)


◦ Recém nascido: 0,25 – 0,35
◦ Adulto: 1,6
Temperatura cutânea

 Pés - 27 ºC

 Mãos - 31-33 ºC

 Face - 33-35 ºC

 Áreas cobertas - 36,5 ºC

 TºC axilar: 36 a 36,5 ºC

 TºC bucal: 36 a 37,4 ºC

 TºC rectal: 36 a 37,5 ºC

Estado febril: ≥37,5 ºC


pH cutâneo

• Couro cabeludo - 4

• Rosto/tronco - 4,7

• Axila - 6,5

• Prega mamária - 6

• Perna - 4,5

• Pregas interdigitais - 7
Absorção

◦ Pele
◦ Pêlos, glândulas

Níveis de penetração:

 Epidérmica - praticamente desprovidas de poder de penetração;

 Endodérmica - quando penetram na epiderme, mas sem

atingir os vasos do corpo papilar dérmico;

 Diadérmica - quando atingem a derme e, portanto,

penetram na circulação sanguínea.


Factores Físico Químicos:
1. Espessura e integridade do estrato córneo

2. Temperatura

3. Hidratação

4. Contacto prévio com solventes

Permeabilidade estrato córneo


Difusão passiva:
 Movimento resultante de partículas de uma região de alta concentração para outra de baixa
concentração.

 O fluxo é proporcional ao gradiente de concentração.

Lei de Fick
Função da pele e dos seus anexos
•Lei de Fick
S = KpS (C1 – C2)

• Em que:

S = superfície da membrana
dQ/dt = quantidade de substância absorvida por unidade de tempo
C1 = Concentração sobre a face externa
C2 = Concentração sobre a face interna
Kp = coeficiente de permeabilidade

17
FACTORES INTERVENIENTES

NATUREZA DO P.A.
◦ peso molecular
◦ estado físico
◦ concentração FORMULAÇÃO
VEÍCULO
◦ pH
◦ Viscosidade
◦ Poder lipossolvente
◦ Emulsões do tipo O/A

TEMPERATURA
FACTORES INTERVENIENTES

 Hidratação da pele

 Espessura da epiderme FISIOLÓGICOS


 Idade

 Fluxo sanguíneo

 Região da pele

 pH
FACTORES INTERVENIENTES

 camada córnea
 nº de folículos pilosos
LOCAL DE
 Estado da pele
APLICAÇÃO
• Sã
• Lesada

 Modo de aplicação
• espessura da camada
• nº de aplicações
• tempo de contacto
A Pele
 Função: A pele reveste o nosso corpo, funcionando
como barreira protectora face ao meio exterior

 Barreira Física - Protecção


 Barreira Térmica - Regulação da temperatura
 Produção vit D
 Sensação
 Excreção
 Respiração
Agressões à pele
Temperatura – quer o frio associado a baixos níveis de humidade,

quer o calor contribuem para deixar a pele seca e gretada;

Ar condicionado e aquecimento – ao reduzirem a humidade do ar

ambiente deixam a pele mais seca;

Banhos Prolongados, frequentes e quentes - vão gastando a

barreira lípidica que protege a pele, formada por hidratantes

naturais;

Sabonetes, champôs e detergentes – alguns produtos podem ser

agressivos para a pele.


Implantes na pele
 Produtos suaves

 Limpeza suave

 Hidratante após duche ou agressão

 Protector solar sempre que se justifique

 Proteger os lábios e mãos

 BEBER LIQUIDOS EM ABUNDÂNCIA


PELE DA CRIANÇA
Epiderme
◦ Camada córnea mais fina
◦ prematuros - epiderme bastante mais fina

Derme
◦ fibras de colagénio e elastina finas e imaturas
◦ pouca diferenciação entre derme reticular e derme papilar

Glândulas sudoríparas - imaturas


◦ écrinas - 24h após nascimento
 vesículas sudorais
PELE DO BEBÉ
◦ apócrinas - só na puberdade
Glândulas sebáceas

• Activas enquanto feto

pele gordurosa nos 1º 3 meses

• Inactivas após o nascimento PELE DO BEBÉ

pele torna-se seca

  sebo   desidratação   risco de gretas e infecções

 Sebo em excesso poderá ser responsável por pequenas


desagregações na pele

 Superfície lipídica menos resistente e mais permeável


• Protecção térmica

• glândulas sudoríparas pouco eficientes

• circulação sanguínea irregular

• Relação superfície cutânea/ peso corporal

• 3 vezes superior ao adulto


PELE DO BEBÉ
• Fotoprotecção

• deficiente produção de melanina

• cor da pele do recém-nascido pouco diferenciada

• Maturidade da pele atingida aos 3 anos


ALTERAÇÕES DA FUNÇÃO DA PELE DO BÉBÉ:

• Protecção mecânica

• diminuída no prematuro

• Permeabilidade cutânea

• aumento da permeabilidade para ácidos gordos

• Metabolismo

• vitamina D

PELE DO BEBÉ
PELE Fina, Frágil, Sensível, Imatura, Desprotegida…

 À nascença, a pele do recém-nascido não adquiriu ainda todas as


qualidades e funcionalidades da pele do adulto;

 Durante este período, a pele do bebé é mais fina e mais frágil;

 Nos prematuros, esta fragilidade é ainda mais nítida;

 Camada córnea mais fina, pH próximo da neutralidade (6,8);


 Células pouco aderentes podem descolar-se mais facilmente formando

bolhas;

 A pele dos bebés é mais permeável e é sensível a substâncias como saliva,

urina e fezes;

 Tem menos capacidade de se defender dos agentes infecciosos e irritantes,

devido ao facto do sistema imunitário do bebé se estar ainda a

desenvolver;

 O filme hidrolipídico insuficiente (formado essencialmente por água e

gordura);
 No recém-nascido até à idade de duas semanas, a acidez é fraca, o que torna a

sua resistência às infecções menor;

 Penetração cutânea acrescida, qualquer lesão da pele pode favorecer a

penetração de um produto aplicado sobre a pele

◦ Esta penetração é facilitada nas zonas cobertas (pelas fraldas ou por um penso)
e nas pregas naturais da pele.
◦ A região do perínio anal, onde as aplicações de cremes são frequentes, é uma
das mais permeáveis.
 A relação entre a superfície da pele e o peso é muito maior no recém-

nascido que no adulto, a mesma aplicação de creme terá consequências

diferentes : a concentração do produto nos tecidos será mais forte no

bebé para a mesma superfície de aplicação;

 Por outro lado, o recém-nascido é mais sensível aos tóxicos pela razão da

imaturidade do seu fígado, dos seus rins e de uma maior fraqueza da

barreira entre o sangue e o cérebro o que favorece uma toxicidade

neurológica.
 Recomenda-se a maior prudência quando se aborda um recém-

nascido, com uma higiene das mãos cuidadosa antes de qualquer

manipulação.

 Os bebés estão mais expostos a sofrer queimadura solares .

(menor produção de melanina, que é o pigmento que nos

protege dos raios solares).

 Os recém-nascidos perdem calor com mais facilidade, e por outro

lado suportam-no pior.


O envelhecimento cutâneo
O Envelhecimento Cutâneo

Distinguem-se normalmente dois tipos de


envelhecimento da Pele:

 Envelhecimento Biológico ou Intrínseco


 Foto-Envelhecimento ou Extrínseco

O envelhecimento cutâneo é um fenómeno fisiológico irreversível, de


evolução lenta, que se inicia antes de se verem os sinais externos
 Causas do Envelhecimento cutâneo

◦ O factor primário que está na base do envelhecimento


cutâneo prende-se com a nossa carga genética.

◦ Os genes predeterminam a velocidade do


envelhecimento de uma espécie porque contêm a
informação sobre quanto tempo viverão as células.

◦À medida que vamos envelhecendo, verificam-se


alterações bioquímicas, histológicas e fisiológicas
que comprometem a integridade da pele, acentuando-
se a partir de determinada idade, com a entrada na
Menopausa e Andropausa.
O Envelhecimento Cutâneo

 Foto-Envelhecimento ou Extrínseco

O envelhecimento cutâneo biológico pode ser agravado ou

antecipado por acção de alguns factores externos:

As radiações solares, a poluição, a própria higiene de vida

nomeadamente no que diz respeito aos hábitos alimentares,

tabaco, descanso, stress…


 Stress
 Exposição não protegida radicais livres
◦ radiação U.V., fumo e poluição,
◦ toma de medicamentos,
◦ hábitos alimentares pouco equilibrados

◦ acumulação e incapacidade do organismo em neutralizá-los

stress oxidativo

◦ A permeabilidade selectiva celular fica comprometida deixando entrar


substâncias nocivas e sair constituintes fundamentais à sua
sobrevivência.
 RADICAIS LIVRES E O ENVELHECIMENTO:

“envelhecemos porque nos oxidamos”

◦ acumulação de espécies químicas altamente reactivas que reagem com muitas


estruturas do organismo e afectam a integridade das células e
consequentemente dos tecidos e órgãos (como a pele)

radicais livres

◦ atacam as estruturas do organismo, nomeadamente a pele, aumentando a


degradação das fibras de colagénio e elastina bem como do Ácido Hialurónico
(substância amorfa)

◦ provocando perda de firmeza,


◦ elasticidade e densidade cutânea
O Envelhecimento Cutâneo

 Quais os sinais externos que indicam o envelhecimento da


pele?

 A pigmentação da Pele perde uniformidade, apresenta manchas devidas à

irregularidade da pigmentação;

 A Pele perde luminosidade, fica mais baça;

 A Pele fica mais fina, menos densa, mais frágil e sensível às agressões externas;

 As rídulas e as rugas instalam-se nas zonas mais sensíveis (ex.: contorno dos

olhos), sobretudo as rugas de expressão;

 Os contornos do rosto vão perdendo a sua nitidez;

 A Pele fica cada vez mais flácida.


’’A minha pele está mais seca, desconfortável , repuxa… ’’

 Diminuição da Produção de Sebo

À medida que a idade avança, a produção

de sebo tem tendência a diminuir

- Melhoria das Peles Oleosas

- Agravamento das Peles Secas

 Diminuição da Absorção dos Ácidos Gordos Essenciais

Com o avançar da idade, sobretudo na fase da pré-menopausa e


menopausa, devido às alterações hormonais, há uma menor absorção dos
AGE, o que conduz à diminuição da qualidade e funcionalidade das
membranas celulares, e do cimento intercelular
’A minha pele está com mais rugas, depois de dormir os ‘vincos’
demoram mais tempo a desaparecer…’’

 Diminuição da Produção de Fibras de Elastina e Colagénio

À medida que a idade avança, os fibroblastos vão envelhecendo e


produzem menor número de fibras de colagénio e de elastina, e as
que produzem são de pior qualidade

Consequência: a pele perde

elasticidade e firmeza
’’A minha pele está mais flácida, com menos tonicidade’’

 Enfraquecimento das Ligações entre Epiderme e Derme

Com a idade verifica-se uma diminuição das ligações químicas e


físicas entre a Epiderme e a Derme. As Fibras de Colagénio e de
Elastina estão mais fracas;

Consequência: a Epiderme fica mais


‘solta’ e por acção da gravidade, tem
tendência a descair, conduzindo a uma
perda dos contornos do rosto, ou seja,
instala-se a Flacidez
Idoso Acamado

• Perda da capacidade homeostática


• Idade cronológica ≠ idade fisiológica

• perda de capacidade funcional

• ↑ vulnerabilidade a doenças e factores Ambientais

• Pele frágil, sensível…