Você está na página 1de 9

UNIVERSIDADE PAULISTA – UNIP

CURSO DE EDUCAÇÃO FÍSICA (SALA 1)

DISCIPLINA: HISTOLOGIA/BIOLOGIA

RAFAEL SOUZA DE
CARVALHO

ESTUDO DAS PROTEINAS, ÁCIDOS NUCLEICOS, VITAMINAS E


MINERAIS

Trabalho apresentado ao
Professor Elton da disciplina
Biologia/Histologia da turma
2018.2, sala 01 do curso de
Educação Física.

Imperatriz - MA
1 PROTEINAS

As proteínas são essenciais para o organismo humano, devendo estar presente em


quantidades adequadas na alimentação. Não só as quantidades são suficientes para garantir
um bom aporte proteico na dieta, mas principalmente a qualidade da proteína, que dependerá
da sua composição, digestibilidade, biodisponibilidade de aminoácidos essenciais, ausência de
toxicidade e de fatores antinutricionais.

1.1 Classificações dos tipos de proteínas

Elas podem ser proteínas de origem animal ou de origem vegetal, o que diferencia as
duas são os aminoácidos (estruturas que formam as proteínas). Existem ao todo 20 tipos de
aminoácidos e 8 deles são obtidos através da dieta, chamados aminoácidos essenciais, os
demais são produzidos pelo próprio organismo, chamados aminoácidos não essenciais.

Proteínas Animais

As proteínas animais são as mais completas, pois fornecem todos os aminoácidos


essenciais. A sua composição é a mais ideal para o bom desenvolvimento do organismo..

Principais fontes: carnes, peixes, ovos e leite.

Camarão (24g de proteínas a cada 100g) Peixes (20g de proteínas a cada 100g)

Frango (23g de proteínas a cada 100g) Ovos (6g por unidade)

Carne vermelha (21g de proteínas a cada 100g) Leite de vaca (8g de proteínas a cada 8g)

Proteínas Vegetais

As proteínas vegetais possuem pouco valor nutricional por oferecerem menor


quantidade de aminoácidos essenciais. Entretanto, elas possuem aminoácidos não essenciais
que também são muito benéficos.

Principais fontes: leguminosas (feijões, ervilha, soja, lentilha, grão de bico) e


oleaginosas (nozes, castanhas, amêndoas, amendoim).

Soja (30g de proteínas a cada 100g) Arroz cozido (2,5g de proteínas a cada 100g)

Amêndoa (21,1g de proteínas a cada 100g) Ervilhas (6g de proteínas a cada 100g)

Feijão (6g de proteínas a cada 100g) Quinoa (12g de proteínas a cada 100g)
Recomenda-se que as proteínas de fonte vegetal sejam combinadas umas com as
outras para que a união dos aminoácidos forme uma proteína boa, como por exemplo: Arroz e
feijão; arroz e ervilhas; quinoa e milho.

Também é importante variar as combinações de proteínas, para manter uma variedade


de nutrientes e manter o crescimento e o bom funcionamento do organismo, principalmente se
tratando de pessoas vegetarianas.

1.2 Funções

A proteína não está presente apenas nos músculos. Essas importantes moléculas estão
presentes em todas as estruturas do nosso corpo com varias funções, são elas: reparação de
células e tecidos; construção e manutenção da massa muscular; crescimento e
desenvolvimento de crianças e adolescentes; cicatrização; transporte de outros nutrientes;
função hormonal.

Muitas pessoas usam de suplementação para fazer a ingestão de proteínas necessária


ao seu organismo, mas nem sempre é necessário o uso de suplementos, já que ela está
presente em muitos alimentos.

1.3 Benefícios do consumo

Por participar no funcionamento de varias estruturas do corpo humano, o consumo


adequado dessas proteínas podem trazer por consequência vários outros benefícios , que são:
o aumento da saciedade; aumento da temperatura do corpo, acelerando o metabolismo; ajuda
na digestão dos alimentos; ajuda a manter pele, cabelos e unhas saudáveis; previne algumas
doenças, como diabetes e anemia; ajuda a controlar o stress;

1.4 Cuidados no consumo

Como todos os alimentos, a proteína também não deve ser consumida em excesso,
sendo recomendado que seu consumo esteja ligado a uma dieta balanceada.

Seu consumo excessivo pode sobrecarregar o funcionamento dos rins, comer proteína
excessivamente e por um longo período de tempo pode aumentar as chances do
desenvolvimento de uma insuficiência renal.

Os alimentos proteicos também possuem gordura, o que pode levar ao aumento da


quantidade de gordura no organismo e aumentar o colesterol, tanto o ruim quanto o bom. Esse
aumento pode ser bastante prejudicial para o coração e causar problemas cardiovasculares,
por isso à importância de se ter uma dieta equilibrada.

É recomendado que a quantidade de proteína ingerida por dia deve ser de 0,8 a 1,2
gramas para cada quilo que a pessoa pesa. Outra recomendação é que devemos evitar ingerir
líquidos durante as refeições e mastigar bem os alimentos, para melhorar a absorção da
proteína no nosso organismo.
2 ÁCIDOS NUCLEICOS
Os ácidos nucleicos são macromoléculas encontradas em todas as células vivas, que
constituem os genes, responsáveis pelo armazenamento, transmissão e tradução das
informações genéticas. Tais moléculas recebem esse nome devido ao seu caráter ácido e
também por terem sido descobertos no núcleo celular, em meados do século XIX.

2.1 Classificações dos tipos de ácidos nucleicos

Existem dois tipos de ácido nucleico: o ácido desoxirribonucleico, mais conhecido


pela sigla DNA e o ácido ribonucleico, conhecido como RNA. Os ácidos nucleicos são
constituídos por três diferentes componentes:

 Pentoses: são carboidratos cuja molécula é formada por cinco carbonos. A pentose que
forma o DNA é conhecida como desoxirribose, enquanto a do RNA é chamada ribose
(daí os nomes desoxirribonucleico e ribonucleico).
 Bases nitrogenadas: são compostos cíclicos que contêm nitrogênio. As bases
nitrogenadas são cinco: adenina, citosina, guanina, timina e uracila; e destas somente
as três primeiras são encontradas tanto no DNA quanto no RNA. A base nitrogenada
timina ocorre somente no DNA, enquanto a uracila é uma base exclusiva do RNA.
 Fosfato: um radical derivado da molécula do ácido fosfórico, composto químico
responsável pelo caráter ácido dos ácidos nucleicos.

2.2 Funções

Ambos os tipos de ácidos nucleicos são compostos por uma sequência de


nucleotídeos, que são ligados entre si por meio dos radicais fosfatos, formando longas cadeias
polinucleotídicas. Os nucleotídeos detêm grandes quantidades de energia, o que contribui para
a realização de diversos processos metabólicos.

As moléculas de DNA são constituídas por duas cadeias polinucleotídicas enroladas


uma sobre a outra, essas duas cadeias se unem por meio de pontes de hidrogênio entre
determinados pares de bases nitrogenadas. Já as moléculas de RNA, em geral, são compostas
por uma única cadeia, que é enrolada sobre si mesma por meio do emparelhamento das bases
complementares num mecanismo semelhante ao do DNA. Em alguns casos, o RNA também
pode ter dupla-fita, como é o caso do mosaico do tabaco.

Por tanto, os ácidos nucleicos coordena a síntese das enzimas (e demais proteínas)
determinando assim as características dos indivíduos, como: cor dos olhos, cor da pele,
estatura, tendências de comportamento, doenças hereditárias (diabetes, hemofilia,
daltonismo), etc.

Dessa forma controla o metabolismo, a reprodução e constituem o material genético


ou hereditário de todos os seres vivos.
3 VITAMINAS

São micronutrientes importantes no processo de metabolismo de carboidratos, lipídios


e proteínas. Embora as vitaminas sejam substâncias essenciais ao organismo, a maioria dos
animais não consegue produzi-las em quantidade suficiente, Por esse motivo, a ingestão de
alimentos que as contenham é necessária.

No ser humano, a quantidade a ser ingerida pode variar conforme idade, sexo, estado
de saúde e atividade física do indivíduo. As doses devem ser aumentadas em gestantes e
lactantes, em indivíduos em crescimento ou com saúde debilitada, e mesmo trabalhadores em
funções que exijam muito esforço físico.

3.1 Classificações dos tipos de vitaminas

As vitaminas são classificadas conforme substâncias que as dissolvem. São


lipossolúveis, solúveis em gorduras, as vitaminas A, D, K, armazenadas no fígado, e a
vitamina E, que é distribuída para todos os tecidos de gordura no corpo. As substâncias
lipossolúveis não são facilmente excretadas pelo organismo e tendem a se acumular
provocando intoxicação se ingeridas em excesso.

Outro grupo é o das hidrossolúveis, ou solúveis em água, como as vitaminas C e as do


complexo B (1, 2, 3, 5, 6, 8 e 9), que permanecem no corpo por um pequeno período de tempo
antes de serem excretadas pelos rins e, por essa razão, devem ser ingeridas diariamente. A
B12 também é hidrossolúvel, mas permanece armazenada no fígado.

3.2 Funções, benefícios e fonte

Grupo das vitaminas lipossolúveis compreende:

- Vitamina A
Fontes: fígado de aves, animais e cenoura.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): problemas de visão, secura da pele,
diminuição de glóbulos vermelhos, formação de cálculos renais.
Funções no organismo: combate radicais livres, formação dos ossos, pele e funções da retina.

- Vitamina D
Fontes: óleo de peixe, fígado e gema de ovos.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): raquitismo e osteoporose.
Funções no organismo: É sintetizada com a ajuda dos raios solares e imprescindível para a
produção de insulina e a manutenção do sistema imunológico. Ajuda na absorção do cálcio.

- Vitamina K
Fontes: fígado e verduras de folhas verdes (couve, couve de Bruxelas, brócolis,
salsa), abacate.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): deficiência na coagulação do sangue,
hemorragias.
Funções no organismo: Componente na formação de 13 proteínas essenciais para a
coagulação do sangue e envolvida na construção dos ossos.

- Vitamina E (tocoferol)
Fontes: Principais fontes: óleos (girassol, amendoim), sementes de girassol, amêndoas,
amendoim, vegetais de folhas verde-escuras.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): dificuldades visuais e alterações
neurológicas.
Funções no organismo: Forte antioxidante contra radicais livres; previne o câncer e doenças
cardiovasculares; protege o sistema reprodutor; previne catarata; reforça o sistema
imunológico; melhora a ação da insulina.

Grupo das principais vitaminas hidrossolúveis (complexo B):

- Vitamina B1 (Tiamina)
Fontes: vegetais de folhas (alface romana, espinafre), berinjela, cogumelos, grãos de cereais
integrais, feijão, nozes, atum, carne bovina e de aves.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): beribéri.
Funções no organismo: Mantém sistema nervoso e circulatório saudáveis; auxilia na formação
do sangue e no metabolismo de carboidratos; previne o envelhecimento; melhora a função
cerebral; combate a depressão e a fadiga; converte o açúcar no sangue em energia.

- Vitamina B2 (Riboflaviana)
Fontes: vegetais, grãos integrais, leite e carnes.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): inflamações na língua, anemias, seborreia.
Funções no organismo: Ligada à formação de células vermelhas do sangue e anticorpos;
envolvida na respiração e processos celulares; previne catarata; ajuda na reparação e
manutenção da pele e na produção do hormônio adrenalina.

- Vitamina B3 (Nicotinamida)
Fontes: levedura, carnes magras de bovinos e de aves, fígado, leite, gema de ovos, cereais
integrais, vegetais de folhas (brócolis, espinafre), aspargos, cenoura, batata-doce, frutas secas,
tomate e abacate.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): insônia, dor de cabeça, dermatite, diarreia,
depressão.
Funções no organismo: Aumenta a circulação; reduz triglicérides e colesterol; ajuda no
funcionamento adequado do sistema nervoso e imunológico; regula o açúcar no sangue;
protege o corpo contra poluentes e toxinas.

- Vitamina B5 (Ácido pantotênico)


Fontes: carnes, ovos, leite, grãos integrais e inteiros, amendoim, levedura, vegetais (brócolis),
algumas frutas (abacate), ovário de peixes de água fria e geleia real.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): fadigas, cãibras musculares, insônia.
Funções no organismo: ajuda na formação de células vermelhas do sangue e na
desintoxicação química; previne degeneração de cartilagens; ajuda na construção de
anticorpos; reduz colesterol e triglicérides; ajuda nas disfunções hormonais.

- Vitamina B6 (Piridoxina)
Fontes: cereais integrais, semente de girassol, feijões (soja, amendoim, feijão), aves, peixes,
frutas (banana, tomate, abacate) e vegetais (espinafre).
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): seborreia, anemia, distúrbios de
crescimento.
Funções no organismo: Reduz o risco de doenças cardíacas; ajuda na manutenção do sistema
nervoso central e no sistema imunológico; reduz espasmos musculares; alivia enxaquecas e
náuseas; reduz o colesterol; melhora a visão; previne aterosclerose e câncer.

- Vitamina B9 (ácido fólico)


Fontes: cogumelos, hortaliças verdes fígado, rins e couve-flor.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): anemia megaloblástica, doenças do tubo
neural.
Funções no organismo: Manutenção dos sistemas imunológico, circulatório e nervoso;
antitóxico; ajuda a combater o primeiro infarto, o câncer de mama e de cólon, parasitas
intestinais e envenenamento alimentar; diminui o risco de aterosclerose; promove a saúde dos
cabelos e da pele; reforça o sistema imunológico e o sistema nervoso central.

- Vitamina B12 (Cobalamina)


Fontes: fígado, rins, carnes, peixes, ovos, leite, queijo, cogumelos e hortaliças verdes.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): anemia megaloblástica, doenças do tubo
neural.
Funções no organismo: metabolismo dos aminoácidos, formação das hemácias e tecidos
nervosos.

- Vitamina C (ácido ascórbico)


Fontes: laranja, limão, abacaxi, kiwi, acerola, morango, brócolis, melão e manga.
Doenças provocadas pela carência (avitaminoses): escorbuto.
Funções no organismo: atua no fortalecimento de sistema imunológico, combate radicais
livres e aumenta a absorção do ferro pelo intestino.

.
4 SAIS MINERAIS

Os Sais Minerais são substâncias inorgânicas essenciais para o bom funcionamento do


corpo, porém, não são produzidas pelo ser humano. Encontrados em diversos alimentos, a
ingestão desses minerais precisa ser em quantidades adequadas.

4.1 Funções e fontes dos Sais Minerais


SAL MINERAL PRINCIPAIS FUNÇÕES FONTE
Componente das moléculas Encontrado no leite e derivados,
de DNA e RNA, o fósforo auxilia ovos, carnes, peixe, repolho,
FOSFORO na formação dos ossos e dos dentes. ervilha, feijão e cereais.

Auxilia na absorção e transporte de Vegetais verdes, leite, ovos, carnes,


FERRO oxigênio no corpo. fígado, gema de ovo, aveia, feijão,
pinhão, aspargos.
Auxilia nas reações químicas Legumes, hortaliças de folhas
celulares e nos processos verdes, nozes, maçã, banana, figo,
MAGNÉSIO enzimáticos. soja, gérmen de trigo, aveia,
cereais, peixes, carnes, ovos,
feijão.
Auxilia na contração muscular e Sal de cozinha, ovos, carnes,
SÓDIO regula o líquido do corpo. verduras, algas marinhas.

Componente de alguns hormônios Frutos do mar, peixes, sal de


importantes para o organismo, cozinha iodado.
IODO como por exemplo, da Tireoide.

Auxilia na calcificação e formação Leite e derivados, ovos, couve,


CÁLCIO de ossos e dentes; coagulação do espinafre, rúcula, brócolis, cereais.
sangue, contração muscular.

Auxilia na remineralização dos Verduras, carnes, peixes, arroz e


FLUOR dentes, protegendo da formação de feijão. É acrescentado na água
cáries. encanada.

Auxilia na contração muscular Carne, leite, ovos, cereais, banana,


POTASSIO e transmissão dos impulsos melão, batata, feijão, ervilha,
nervosos. tomate, frutas cítricas.

Auxilia no metabolismo Carne, fígado, frango, peixe,


ZINCO da insulina. mariscos, ovos, germe de trigo,
ervilha, castanha do Pará.
Auxilia no metabolismo de Carnes, ovos, tomate, milho,
SELÊNIO gorduras. cereais, frutos do mar.

Auxilia nos processos enzimáticos. Cereais integrais, legumes, café,


MANGANÊS chás.

Auxilia na produção de Fígado, ovos, peixe, trigo integral,


COBRE hemoglobina. ervilhas, amendoim, feijão, cereais
integrais, nozes.
Auxilia o metabolismo e Carnes, peixes, ovos, feijão,
ENXOFRE estruturação das proteínas. repolho, brócolis, cebola, alho,
germe de trigo.
Auxilia no metabolismo da glicose. Carnes, mariscos, cereais integrais,
CROMO levedo de cerveja.