Você está na página 1de 310

PETRÓLEO

E ESTADO
PETRÓLEO
E ESTADO
Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis - ANP

PETRÓLEO E ESTADO

Rio de Janeiro, 2015


Copyright ©2015 - Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis — ANP

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS - ANP

Av. Rio Branco, n° 65 – 12º ao 22º andar | Centro | CEP 20.090-004 | Rio de Janeiro | RJ | Brasil.
Tel.: (55-21) 2112-8100 Telefax: (55-21) 2112-8129 | (55-21) 2112-8139 | (55-21) 2112-8149

www.anp.gov.br

Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (Brasil).

Petróleo e Estado / Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis. Rio de Janeiro: ANP, 2015.

312 p. : il. color.

Bibliografia: p. 300-312

1. Petróleo – História – Brasil. 2. Gás natural – História - Brasil. 3. Biocombustíveis – História – Brasil. 4. Combustíveis – História – Brasil. 5. Pré-sal – História
– Brasil. 6. Petróleo – Rodadas de Licitações – Brasil. 7. Indústria do petróleo – Regulação – Brasil. 8. Conselho Nacional do Petróleo – História. 9. Departamento
Nacional de Combustíveis – História. 10. Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis – História. I. Título.

CDD 338.272820981

É permitida a reprodução do conteúdo desta publicação desde que obrigatoriamente citada a fonte. Reproduções para fins comerciais são rigorosamente proibidas.

SUPERINTENDÊNCIA DE COMUNICAÇÃO Texto


E RELAÇÕES INSTITUCIONAIS (SCI /ANP) Gustavo Barbosa
As partes 1 a 5 deste livro foram redigidas a partir do trabalho Do Império à República
Superintendente - O Petróleo e o Estado no Brasil, elaborado originalmente pela equipe do Centro de
Pesquisa e Documentação de História Contemporânea do Brasil - CPDOC/FGV, sob a
Claudia de Vasconcelos Andrade Biffi
coordenação de Regina da Luz Moreira e Sérgio Tadeu de Niemeyer Lamarão.

Superintendente-adjunta
Pesquisa iconográfica
Rose Pires Ribeiro
Rafael Nunan do Nascimento Silva e Roberta Alleixo

EQUIPE EDITORIAL PRODUÇÃO EDITORIAL


Coordenação FSB Comunicações
Cyro Viegas de Oliveira Projeto gráfico e diagramação: Carolina Borges

Supervisão
PRODUÇÃO GRÁFICA
João Carlos de Souza Machado
Stilgraf
PRESIDENTE DA REPÚBLICA

Dilma Vana Rousseff

MINISTRO DE MINAS E ENERGIA

Carlos Eduardo de Souza Braga

AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO,


GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS

Diretora-Geral

Magda Maria de Regina Chambriard

Diretores

Florival Rodrigues de Carvalho

Helder Queiroz Pinto Jr.

José Gutman

Waldyr Martins Barroso


APRESENTAÇÃO
Magda Chambriard – Diretora-Geral da ANP

Com a publicação do livro “Petróleo e Estado”, a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e
Biocombustíveis dá uma colaboração importante para a historiografia desses setores no Brasil,
que ainda é pequena se comparada à sua importância na trajetória econômica, social e política do
nosso país.

Resultado de uma extensa pesquisa feita em parceria com a Fundação Getúlio Vargas, o livro faz
um retrospecto da evolução da indústria do petróleo em diversas épocas da história do Brasil, co-
meçando no Segundo Reinado (1840 a 1889), até meados de 2014.

A publicação relata as primeiras pesquisas e concessões para exploração de rochas betuminosas


e o surgimento das primeiras instituições a atuar nesse campo. Acompanha ainda o acirramento
das divergências entre geólogos sobre a existência de petróleo em nosso subsolo a partir do
rápido aumento da importação de combustíveis, já nas primeiras décadas do século XX.

Na história contemporânea, a indústria do petróleo passou por significativas transformações e de-


sempenhou papel fundamental no crescimento econômico e social, com destaque para a criação
da Petrobras, em 1953, e para o significativo aumento da produção de petróleo nos últimos anos.

A ANP é criada neste contexto, em 1997, com atribuições envolvendo um amplo escopo de ativida-
des regulatórias em toda a cadeia da indústria de petróleo e gás natural, abrangendo mais adiante
também os biocombustíveis.

O leitor poderá notar que ao longo das sucessivas épocas retratadas neste livro, diversos protago-
nistas em variados contextos históricos, com diferentes concepções ideológicas, perseguiram um
objetivo comum: a autossuficiência.

Ao resgatar a história das relações entre petróleo e Estado no Brasil, a ANP espera destacar o
papel dos que participaram dessa trajetória e permitir uma visão mais profunda do desenvol-
vimento dessa indústria estratégica para o Brasil.
1 1850-1937
OS PRIMEIROS TEMPOS
CAPÍTULO 1
2 1938-1943
O CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO
CAPÍTULO 4
CONCESSÕES PIONEIRAS ANOS DE ESTRUTURAÇÃO E FORTALECIMENTO

14 “Minas de petróleo” no Segundo Império 52 O Estado Novo e a Constituição de 1937

17 A Comissão Geológica do Brasil e a Escola de Minas 53 Diretrizes que nortearam a formação do CNP
de Ouro Preto
57 Um marco da entrada do Estado no setor de petróleo
20 As últimas concessões do Império 60 Estrutura e funcionamento
21 O consumo de derivados de petróleo: primeiros 63 A questão do Imposto Único
momentos
65 A questão do refino

CAPÍTULO 2
OS PRIMEIROS ANOS DA REPÚBLICA CAPÍTULO 5
A DESCOBERTA EM LOBATO
22 A exploração mineral e a Constituição de 1891
70 Finalmente jorrou petróleo!
26 O Governo Federal ingressa na pesquisa de petróleo
32 Grandes companhias estrangeiras instalam-se no País
CAPÍTULO 6
34 Lei Calógeras
TEMPO DE CONFLITOS

74 O embate com a Standard Oil


CAPÍTULO 3 77 O confronto com Monteiro Lobato
ESTADO INTERVÉM COM MAIS FORÇA

38 Os primeiros momentos do novo regime CAPÍTULO 7


40 A Constituição de 1934 e o Código de Minas IMPACTOS DA SEGUNDA GUERRA MUNDIAL
42 O desenvolvimento das pesquisas e o papel dos 80 Independência energética entra na pauta das discus-
especialistas estrangeiros sões nacionais
44 Empresários nacionais versus Estado 86 Conflitos internos: CNP x CME
49 A atuação das empresas estrangeiras 87 A saída de Horta Barbosa
3 1943-1953
ANOS DE REDEFINIÇÃO
CAPÍTULO 8
4 1954 –1964
A MUDANÇA DE PERFIL DO CNP
CAPÍTULO 11
NACIONALISMO QUESTIONADO IMPACTOS DA CRIAÇÃO DA PETROBRAS

90 Colaboração hemisférica 126 Relações tensas


92 Exploração e refino 130 A crise de 1954
96 A abertura para o capital privado
CAPÍTULO 12
CAPÍTULO 9 GOVERNO JK: EXPANSÃO DO REFINO
O PETRÓLEO É NOSSO!
134 O Plano de Metas
98 Desenvolvimento econômico em debate 136 A gestão Poppe de Figueiredo
100 O Estatuto do Petróleo 137 O “caso Capuava” e a “justa remuneração”
102 Campanhas na mídia 142 Os primórdios da indústria petroquímica no Brasil
105 Polêmica no Clube Militar 145 O Acordo de Roboré
107 Reviravolta no Congresso Nacional 146 O Relatório Alexínio
108 As realizações do CNP no governo Dutra
109 Refinaria de Mataripe
CAPÍTULO 13
110 Oleoduto Santos/São Paulo
A CONSOLIDAÇÃO DO MONOPÓLIO ESTATAL
111 Refinaria de Cubatão
148 Fortalecimento da Petrobras
112 Frota Nacional de Petroleiros
151 GLP argentino e óleo soviético
113 A polêmica sobre as refinarias privadas
152 Mudanças na distribuição de derivados
153 Intensificam-se as campanhas pelo monopólio
CAPÍTULO 10
PROJETO PETROBRAS MOBILIZA
OPNIÃO PÚBLICA

114 Consolida-se o nacionalismo


117 Capital privado na Petrobras
5 1964-1997
CNP E DNC: DO REGIME MILITAR
À NOVA REPÚBLICA
CAPÍTULO 17
O DEPARTAMENTO NACIONAL DE COMBUSTÍVEIS

194 Início da desregulamentação do setor de petróleo


196 Montagem, atribuições e estruturação do DNC
CAPÍTULO 14
O “MILAGRE BRASILEIRO” 197 A revisão da política de preços

E OS CHOQUES DO PETRÓLEO 199 A continuidade da desregulamentação


200 A estabilização da moeda e as últimas medidas do DNC
160 Da recessão ao crescimento
161 O CNP na primeira década do regime militar

6
162 Revogada a encampação das refinarias
163 A indústria petroquímica se estabelece no Brasil 1998-2013
165 Xisto betuminoso também não é petróleo... ANP, DA CRIAÇÃO AOS DIAS DE HOJE
168 Distribuidores de GLP se organizam CAPÍTULO 18
169 Disposições legais: atribuições e estrutura do CNP O PAPEL DO ESTADO NA REGULAÇÃO DO MERCADO
172 As crises mundiais do petróleo nos governos Geisel
e Figueiredo 204 A flexibilização do monopólio estatal

174 Persistência recompensada 207 A definição do modelo regulatório


209 As boas práticas como pontos de referência
212 Funcionamento da Agência
CAPÍTULO 15
213 Regulação é instrumento do Estado para promover
RESPOSTAS PARA A CRISE bem-estar social

176 Os novos desafios do CNP


179 Política energética prioriza redução do consumo CAPÍTULO 19
182 Cresce a importância da fiscalização UMA INDÚSTRIA QUE GERA DESENVOLVIMENTO

214 Expansão das atividades de exploração e produção


CAPÍTULO 16 217 Rodada Zero: a construção de um modelo
DESESTATIZAÇÕES NA NOVA REPÚBLICA 218 O primeiro ciclo de ingresso das empresas no mercado
186 A campanha das diretas e o governo Sarney 220 Diretrizes do CNPE
188 A gestão de França Domingues 222 “Rodadinhas”
189 O mercado de combustíveis líquidos 223 Três rodadas, diferentes desfechos
191 O estabelecimento dos preço 224 Diretrizes ambientais
225 Conhecimento geológico impulsiona exploração CAPÍTULO 22
226 Novo ciclo de oportunidades para a indústria ABASTECIMENTO: UM DESAFIO
227 Pré-sal inaugura modelo de partilha DO TAMANHO DO BRASIL
228 A vez do gás em terra 258 Esforço logístico
229 Um dos maiores bancos de dados do mundo 260 A ANP e a transição do setor de refino
230 Conteúdo Local 262 A ANP reorganiza o mercado
232 Pesquisa, desenvolvimento e inovação 264 Vetores de inteligência na fiscalização
235 A segurança operacional no upstream 265 Forças-tarefa ampliam leque das fiscalizações
237 Responsabilidade ambiental 268 “Bandeira branca”
269 “Álcool molhado”
CAPÍTULO 20 270 O mercado de GLP e o combate à revenda ilegal
O MARCO REGULATÓRIO DO PRÉ-SAL 271 Melhorando a qualidade dos combustíveis
273 Combustíveis menos poluentes
238 Encontro histórico
275 Garantia da livre concorrência
239 Na ponta da broca
240 Os trabalhos da comissão interministerial
242 As leis do pré-sal CAPÍTULO 23
244 ANP certifica áreas da cessão onerosa BIOCOMBUSTÍVEIS

245 A ANP no regime de partilha 276 Energia limpa e renovável


246 O pré-sal hoje 279 Leilões de biodiesel
281 Experiências pioneiras
282 Inclusão social e desenvolvimento regional
CAPÍTULO 21
284 Regulação do etanol
INDÚSTRIA DO GÁS NO BRASIL
288 Vanguarda internacional
248 Gás natural em novo patamar 289 Vantagens ambientais
250 GNL, uma nova modalidade de transporte de gás natural 291 Planejando o futuro
252 Gás ganha lei específica
253 Primeira licitação de gasoduto
292 PERSPECTIVAS E DESAFIOS
256 Aumento de reservas e da malha de transporte
impulsionam participação do gás na matriz energética 294 REFERÊNCIAS
12 Petróleo e Estado
Capítulo 1 - Concessões pioneiras 13

1850-1937
Os primeiros tempos
14 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 1

CONCESSÕES
PIONEIRAS
“Minas de petróleo” no Segundo Império
Art. 179. A inviolabilidade dos Direitos Civis, e Politicos dos Cidadãos Brazileiros, que tem por
base a liberdade, a segurança individual, e a propriedade, é garantida pela Constituição do
Imperio, pela maneira seguinte.
(...)
XXII. É garantido o Direito de Propriedade em toda a sua plenitude. Se o bem publico legal-
mente verificado exigir o uso, e emprego da Propriedade do Cidadão, será elle préviamente
indemnisado do valor della. A Lei marcará os casos, em que terá logar esta unica excepção, e
dará as regras para se determinar a indemnisação.1

Quando tiveram início as pesquisas de petró- a distinção entre propriedade territorial e pro- sos minerais, desde que se submetessem a pesa-
leo no Brasil, na segunda metade do século XIX, priedade mineral (direito dominial), herdada das taxações. Essas outorgas eram feitas por in-
estava em vigor a Constituição Imperial pro- do período colonial. Essa distinção era caracte- termédio do Ministério dos Negócios do Império
mulgada em 1824, que garantia aos cidadãos rística do sistema regalista ou feudal, que tem e, principalmente, do Ministério dos Negócios da
brasileiros o direito de propriedade, prevendo raízes no Direito Romano: “O suserano tinha a Agricultura, Comércio e Obras Públicas.
uma única exceção a esse princípio básico: a faculdade de explorar diretamente os recursos
exigência de uso por interesse do “bem públi- minerais do subsolo ou atribuir a terceiros a sua Podemos identificar, já em 1854, os primórdios
co”, sempre mediante indenização prévia por exploração, mediante o recebimento de uma da regulação do setor em diretrizes governa-
parte do governo. quantia fixa ou variável.”2 mentais sobre a extração e o uso do petróleo.
O Museu Nacional, encarregado de analisar os
Ainda não havia um conjunto específico de leis Assegurava-se desse modo o domínio do Estado minerais encontrados nas diversas regiões do
regulando a exploração de recursos minerais, sobre as riquezas do subsolo, cabendo-lhe ou- País, elaborou em julho daquele ano o docu-
mas as disposições legais nesse período, den- torgar a particulares, brasileiros ou estrangeiros, mento intitulado Instruções para a extração
tro do espírito da Constituição, já estabeleciam concessões para a prospecção e lavra dos recur- do petróleo e da nafta exigidas pelo governo,

1. BRASIL. Constituição (1824). Constituição Política do Império do Brazil: elaborada por um Conselho de Estado e outorgada pelo Imperador D.
Pedro I, em 25.03.1824. Rio de Janeiro: Secretaria de Estado dos Negócios do Império do Brazil, 1824. Disponível em: <http://www.planalto.gov.
br/ccivil_03/constituicao/constituicao24.htm>
2. PIRES, Paulo Valois. A evolução do monopólio estatal do petróleo. Rio de Janeiro: Lúmen Juris, 2000. p. 8-9.
Capítulo 1 - Concessões pioneiras 15

Fundação Biblioteca Nacional


com descrições do tipo de rocha em que o pe-
tróleo era encontrado, como extraí-lo, suas uti-
lizações, além do processo de uso e extração
da nafta, através de destilação. 3

Dois meses antes, em ofício datado de 17 de


maio, o diretor do Museu Nacional, Frederi-
co Leopoldo César Burlamaque, já discorrera
sobre as formas de extração do petróleo e da
nafta, ao apresentar uma análise de dois cai-
xotes com amostras de minerais oriundos da
Bahia.4 E cinco anos depois, outro ofício assi-
nado por ele fornecia informações sobre uma
“mina de petróleo” às margens do rio Maraú.
Informando que o material coletado na mina e
enviado para análise era efetivamente petró-
leo, Burlamaque afirmava:

“...as pessoas entendidas sabem o


que isso quer dizer e quais são os
usos que até agora lhe tem dado a
indústria. Os próprios exploradores
da mina das margens do rio Maraú
não ignoram parte desses usos. Este
achado, dizem eles no seu ofício de
29 de novembro de 1858, é uma fon-
te de riqueza para o País, e extraída
a parte oleosa (a nafta) que grande
merecimento tem na medicina, tere-
mos com que manufaturar o alcatrão,
verniz e piche.5

3. MUSEU NACIONAL (Brasil). Seção de Memória e Arquivo.


Instruções para a extração do petróleo e da nafta exigidas pelo
governo, 22/7/1854. [Rio de Janeiro], UFRJ, 1854. AO. 659
4. MUSEU NACIONAL (Brasil). Seção de Memória e Arquivo. Ofício
ao governo respondendo ao aviso de 17 de abril que acompanhou
2 caixotes de amostras de minerais da Bahia, 17/5/1854. [Rio de
Janeiro], UFRJ, 1854. RA.3/264, f. 128v -130v
5. MUSEU NACIONAL (Brasil). Seção de Memória e Arquivo. Ofício
dando informações de uma mina de petróleo, explorada na
província da Bahia, pelos senhores João Antonio da Costa Netto e
João da Costa Netto, 05/3/1859. [Rio de Janeiro], UFRJ, 1859. RA Dom Pedro I dissolveu a Assembleia Constituinte, em novembro de 1823, e nomeou um
.4/275, f.108v-111v. Conselho de Estado para redigir o projeto da Constituição de 1824
16 Petróleo e Estado

Embora esses documentos já destacassem a impor- Conflitos de interesses entre propriedade territo- desenvolver os mesmos trabalhos” e que “a lavra
tância econômica do petróleo, ele não foi menciona- rial e propriedade mineral não tardaram a surgir. a que precederam não passara de uma tentativa
do explicitamente nos decretos relativos a pedidos Em 1859, três proprietários de terras, afirmando- passageira”, o governo manteve a concessão a
de concessão até o final da década de 1850. -se como os verdadeiros descobridores das minas, Edward Wilson, pois “não era de conveniência pú-
denunciaram ao Museu Nacional as concessões blica que as riquezas do mencionado solo ficassem
outorgadas a José de Barros Pimentel, Frederico sepultadas nas entranhas da terra quando empre-
Hamilton Southworth e Thomas Sargent.6 endedores ativos e capitais suficientes apareciam
...Não era de para as aproveitar eficazmente”.
Dez anos depois, quando o inglês Edward Pellew
conveniência Wilson7 recebeu autorização para lavrar por 30 Até o final da década de 1860, o Maranhão foi a
pública que as anos carvão-de-pedra, turfa e outros minerais, na única província que, além da Bahia, atraiu o inte-
riquezas ficassem região do rio Maraú, alguns proprietários locais resse de pesquisadores. Em 1867, as rochas betu-
reclamaram formalmente ao imperador D. Pedro minosas localizadas em Codó e Coroatá, no vale
sepultadas II o direito de descobridores dos minerais e pedi- do rio Itapecuru, foram objeto de um pedido de
nas entranhas ram o privilégio exclusivo para a sua extração, ou, concessão, encaminhado por Policarpo Lopes de
da terra. pelo menos, que suas terras fossem excluídas da Leão e pelo engenheiro inglês Nathaniel Plant.9
concessão, e o governo imperial foi obrigado a se
manifestar claramente sobre o assunto. Segundo No começo dos anos 1870, uma nova leva de
um parecer do Conselho de Estado, datado de 15 concessões teve como cenário a província de
A primeira referência explícita à exploração de de agosto de 1870, “a descoberta de minerais não São Paulo, onde “a expansão da rede ferroviá-
petróleo no País consta do Decreto nº 3.352-A, conferia ao descobridor o direito de extraí-los, ria e dos serviços urbanos (...), com muito mais
de 30 de novembro de 1864, que autorizava o mesmo sendo proprietário do solo”. Em feverei- força do que na Bahia, aguçava o interesse por
inglês Thomas Denny Sargent a extrair turfa, ro do ano seguinte, o Ministério dos Negócios da combustíveis minerais, destacadamente o car-
petróleo e outros minerais, pelo prazo de 90 Agricultura, Comércio e Obras Públicas, baixou um vão”.10 Quatro concessões foram registradas
anos, nas comarcas de Camamu e de Ilhéus. Aviso reafirmando que as “riquezas subterrâneas em São Paulo, na região da Bacia do Paraná,
Com 25 cláusulas, o decreto estabelecia de- e os minerais de todas as espécies” pertenciam ao conhecida pela ocorrência de exsudações de
talhes dos trabalhos de mineração e proibia Estado e que “a descoberta de minerais não con- óleo e gás. A primeira referência a petróleo está
expressamente o emprego da mão de obra feria ipso facto aos descobridores o direito de os contida no Decreto nº 4.725, de 9 de maio de
escrava nos trabalhos. Este último item estava extrair, ainda que proprietários da superfície”, sem 1871, que autorizava Antônio Cândido da Rocha
relacionado com a progressiva diminuição da autorização governamental.8 Mencionando ain- e Ângelo Tomaz do Amaral a explorarem vários
força de trabalho cativa após o fim do tráfico da que os proprietários dos terrenos “não tinham minerais em Iporanga, mas não há registros de
negreiro, ocorrido em 1850. empenhado capitais e esforços suficientes para que a concessão tenha sido levada adiante.

6. DIAS, José Luciano de Mattos; QUAGLINO, Maria Ana. A questão do petróleo no Brasil: uma história da Petrobrás. Rio de Janeiro: Fundação Getúlio
Vargas, CPDOC: Petrobras, SERINST, 1993. p. 3
7. SABÓIA, Patrícia. A saga da Wilson Sons. Rio de Janeiro: Índex: BASI, 1997.
8. BRASIL. Ministério dos Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públicas. Aviso nº 53, baixado em 7 de fevereiro de 1871.
9. MOURA, Pedro de; CARNEIRO, Felisberto Olímpio. Em busca do petróleo brasileiro. Ouro Preto, MG: Fundação Gorceix, 1976. p. 55-75
10. DIAS; QUAGLINO, 1993, passim. ; FIGUEIRÔA, Silvia Fernanda de Mendonça. A ciência na busca do Eldorado: a institucionalização das ciências
geológicas no Brasil, 1808-1907. 1992. Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo,
1992. p. 123-124.
Capítulo 1 - Concessões pioneiras 17

A Comissão Geológica do Brasil e a Escola de Minas de Ouro Preto

Serviço Geológico do Brasil - CPRM/Museu de Ciências da Terra


Para atender ao número crescente de pedidos de
concessões em diversas regiões do País, foi criada
pelo governo imperial, em 1875, a Comissão Geoló-
gica do Brasil (CGB). Subordinada ao Ministério dos
Negócios da Agricultura, Comércio e Obras Públi-
cas, a CGB teve como diretor o geólogo canadense,
naturalizado americano, Charles Frederick Hartt. Ele
havia participado da chamada Expedição Thayer,
chefiada pelo naturalista suíço-americano Lou-
is Agassiz e financiada pelo americano Nathaniel
Thayer, realizando pesquisas de geologia, botânica,
zoologia e etnografia em várias províncias do Bra-
sil, entre abril de 1865 e julho de 1866. Foi o próprio
Hartt que elaborou o projeto da Comissão, tendo
como base os geological surveys criados na Europa
Charles Hartt (à direita), geólogo norte-americano, dirigiu a CGB e foi fundamental para a modernização da geologia no Brasil.
e nos Estados Unidos a partir da década de 1830.11

O objetivo era fazer um levantamento preliminar No mesmo ano de constituição da CGB, foi cria- nistradas, além das matérias de caráter geral, mi-
dos possíveis sítios geológicos mais acessíveis do da a Escola de Minas de Ouro Preto (EMOP), que neralogia no primeiro ano e geologia no segundo.
Império. Contudo, em janeiro de 1878 a CGB foi conferiu nova qualidade ao ensino de mineralogia Os alunos que tivessem melhor rendimento pode-
definitivamente extinta pelo governo.12 Apesar de no Brasil.14 Dedicada à formação de engenheiros riam continuar os estudos no exterior, financiados
sua curta existência, foi a principal missão cientí- de minas voltados para a exploração mineral e pelo governo imperial, assim como preferência
fica realizada no País sob os auspícios do governo trabalhos metalúrgicos, a EMOP teve como mo- para o exercício de cargos públicos. O geólogo
imperial, e a primeira no âmbito específico das ci- delo a francesa École des Mines de Saint-Etienne. francês Henri Gorceix foi o diretor da EMOP da
ências geológicas.13 Inicialmente, o curso durava dois anos, sendo mi- sua fundação até a proclamação da República.15

11. FREITAS, Marcus Vinicius de. Hartt: expedições pelo Brasil imperial (1865-1878). São Paulo: Metalivros, 2002. passim. ; FIGUEIRÔA, 1992, p. 123-124.
12. FIGUEIRÔA, Silvia Fernanda de Mendonça. A ciência na busca do Eldorado: a institucionalização das ciências geológicas no Brasil, 1808-1907. 1992.
Tese (Doutorado) - Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São Paulo, 1992. 1992, p. 130.
13. Ibid., p. 123.
14. FREITAS, 2002, p. 108.
15. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 29-30, nota 12.; Id., 1992, p. 105.
18 Petróleo e Estado
Capítulo 1 - Concessões pioneiras 19

Flirckr/Ronald Peret
Fachada da Escola de Minas de Ouro Preto (MG). A instituição foi idealizada por D. Pedro II e fundada pelo geólogo francês Charles Henri Gorceix, em 12 de outubro de 1876
20 Petróleo e Estado

As últimas concessões do Império


e Lorena, Taubaté passou a ser iluminada, em se- reitos dos proprietários” e, ao mesmo tempo, o
Fundação Biblioteca Nacional

tembro de 1882, com o gás produzido pela Com- reconhecimento da “necessidade de ampliar os
panhia de Gás e Óleos Minerais daquela cidade. estímulos à mineração” eram questões que pro-
Entretanto, devido a uma série de dificuldades vocaram celeuma entre os conselheiros, bloque-
técnicas, o serviço seria interrompido em 1897.16 ando a tramitação do projeto.18

A tecnologia para iluminação estava em pau- A Bacia do Paraná, sobretudo a porção situada
ta e suscitou várias concessões nesse período. em São Paulo, continuava na mira dos interes-
Em janeiro de 1881, Antônio Lopes Cardoso teve sados em explorar petróleo,19 levando o gover-
privilégios garantidos por dez anos para desen- no provincial a convidar o geólogo norte-ame-
volver um processo químico que não deixasse o ricano Orville Adelbert Derby, antigo membro
querosene explodir. Em fevereiro do mesmo ano, da Comissão Geológica do Brasil, a organizar a
Joaquim Alves de Sousa registrou um aparelho Comissão Geográfica e Geológica da Província
inventado por ele para extrair gás de turfa. E Fran- de São Paulo. Criada em março de 1886, a Co-
cisco Marques Teixeira recebeu concessão, em missão iniciou nesse mesmo ano o levantamen-
outubro de 1882, para a pesquisa de turfa e outros to da carta geográfica, geológica e topográfica
combustíveis minerais, visando à fabricação de da província, que, porém, demoraria 34 anos
gás de iluminação nos municípios de Mangarati- para ser finalizada.20
D. Pedro II (1825-1891), último imperador do Brasil, foi um dos
ba, Itaguaí e São João do Príncipe, na província
principais incentivadores da exploração geológica no país do Rio de Janeiro.17 Entre os últimos decretos baixados pelo governo
imperial, em 1888 e 1889, figuram autorizações
Fornecer matéria-prima para uma iluminação Um projeto de lei sobre mineração, discutido para pesquisas na Bacia do Paraná e na província
mais eficiente e econômica foi o objetivo que mo- no Conselho de Estado em 1881, fazia referência do Rio de Janeiro, exploração de carvão-de-pe-
tivou a concessão de jazidas de combustíveis mi- à “exploração das turfeiras” e incluía o petróleo dra na Bacia Amazônica, exploração de petróleo
nerais desde São José dos Campos até Lorena, na “entre os minerais que constituíam propriedade e outros minerais em Tatuí, São Paulo e em São
província de São Paulo, em 1881, para Domingos nacional, assim como metais e pedras preciosas”, José da Palhoça, no estado de Santa Catarina.21 O
Moutinho, José Rodolfo Monteiro, Roberto Nor- refletindo um conhecimento mais profundo dos último de todos eles, em 9 de novembro de 1889
manton e William Burnett. Dessa vez, a explora- minerais pesquisados e das condições de sua ex- (poucos dias antes da Proclamação da Repúbli-
ção foi adiante. Com o aproveitamento industrial ploração no Brasil. No entanto, havia dificuldade ca), concedia permissão para pesquisa de petró-
dos folhelhos pirobetuminosos encontrados na em aceitar uma limitação explícita ao direito de leo, carvão-de-pedra e outros minerais no municí-
bacia terciária do vale do Paraíba, entre Jacareí propriedade: a preocupação em “não ferir os di- pio de Prainha, no Pará.22

16. MOURA; CARNEIRO, 1976, passim.; DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 6.


17. Id., 1976, p.66.
18. Id., 1993, p. 27, nota 1.
19. Id., 1976, p. 67-69
20. FIGUEIRÔA, 1992, p. 135-137.
21. Id., 1976, p. 76
22. Ibid., p. 70.
Capítulo 1 - Concessões pioneiras 21

O consumo de derivados de petróleo: primeiros momentos


Usado principalmente na iluminação, o quero- A partir de 1884, o aumento de volume do que- A gasolina começou a chegar ao Brasil no final da
sene era o derivado de petróleo mais popular rosene importado levou-o a ser especificado década de 1870, passando a competir com o car-
do Brasil na segunda metade do século XIX. Os em separado nas estatísticas da Alfândega do vão, o querosene e os óleos vegetais e animais, na
primeiros registros de importação desse produ- Rio. Nessa década surgiram firmas importado- iluminação artificial. Em 1876, o Ministério da Agri-
to datam do início da década de 1870 e a ca- ras e revendedoras que beneficiavam o produ- cultura celebrou um contrato com a firma do Gaz
tegoria “mercador de querosene” já aparecia, to importado, com o objetivo de redestilar o Globo (nome comercial da gasolina, até então) para
desde 1871, na estatística das profissões sujei- querosene, de forma a torná-lo menos suscetí- a iluminação de 11 distritos da Corte, em substituição
tas ao imposto sobre indústria e profissões. Em vel a explosões. ao serviço feito à base de óleos vegetais e animais.
1874, esses profissionais já somavam 64, e eram

Museu Castro Maya/Ibram/MinC


todos portugueses.

Nesses anos e nos seguintes, praticamente


todo o querosene comercializado no mundo
era produzido em refinarias da Standard Oil.
A estratégia da empresa norte-americana era
vender seus produtos a agentes estrangeiros,
não se ocupando diretamente com as ativida-
des de exportação, distribuição e revenda no
exterior. No Brasil, os importadores vendiam
o produto a revendedores ou diretamente ao
consumidor final.

O querosene e outros produtos inflamáveis de-


sembarcavam nos principais portos brasileiros,
como Rio de Janeiro e Santos, de onde, emba-
lados em latas e vasilhames de vidros, entre ou-
tros tipos de embalagens, eram despachados por
ferrovia para o interior, em vagões apropriados
para o transporte desse tipo de mercadoria. Seus
destinos eram as pequenas capitais provinciais e
diversas cidades do interior, onde a iluminação
residencial a gás, à base da destilação do carvão, Esta aquarela de Jean-Baptiste Debret mostra o sistema de iluminação pública do Rio de Janeiro na primeira metade do século XIX, à base de
não havia chegado. óleo de baleia. A função de acendedor de lampiões continuou existindo nos tempos da iluminação a gás ou querosene.
22 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 2

OS PRIMEIROS
ANOS DA REPÚBLICA
A exploração mineral e a Constituição de 1891
Depois de proclamada a República, em 15 de no- patrimônio, virtualmente desconhecido. Outra dos proprietários era proibir qualquer atividade
vembro de 1889, as normas vigentes no Império importante alteração, transferindo para os go- desse tipo em suas terras. Denúncias de irregula-
para as atividades de mineração continuaram vernos estaduais a outorga das concessões de ridades e favorecimentos nas concessões outor-
sendo adotadas durante o Governo Provisório, exploração mineral, resultou em grande redução gadas pelos governos estaduais não tardaram a
chefiado pelo marechal Deodoro da Fonseca, das terras públicas sob jurisdição da União.24 surgir na imprensa.
até que foi promulgada a primeira constituição
republicana, em 24 de fevereiro de 1891. Inspira- As autoridades federais não mostravam preo-
da no modelo norte-americano, a carta magna cupação em adotar uma política de governo
do novo regime transformou o Brasil em uma O ideário liberal voltada para o petróleo e outros minerais, já
república federativa, com um governo central e e federativo que deixavam inteiramente com os particula-
20 estados-membros (no lugar das antigas pro- res a iniciativa da sua exploração. E foi exa-
da Constituição
víncias), que gozavam de grande autonomia ju- tamente um particular que respondeu pela
rídica, administrativa e fiscal. de 1891 modificou primeira iniciativa concreta de exploração de
profundamente petróleo no País.
O ideário liberal e federativo, presente na nova
o modus operandi
constituição, modificou profundamente o mo- Proprietário de terras em Bofete, interior de
dus operandi da mineração no Brasil, inclusive da mineração São Paulo, o fazendeiro Eugênio Ferreira de
a exploração do petróleo. A principal mudança no Brasil. Camargo contratou em 1892 um sondador
vinculava a propriedade do solo à do subsolo, norte-americano para fazer perfurações em
transferindo para as mãos dos proprietários de terrenos de uma antiga concessão para a ex-
terras a pesquisa e a exploração de minérios.23 ploração de carvão. Com base em mapeamen-
Assim, de uma hora para outra, os proprietários A nova legislação acabou dificultando ainda to de superfície elaborado pelo cientista belga
viram ser acrescido aos seus domínios um vasto mais a pesquisa de minérios, pois a tendência Auguste Collon, a operação utilizou uma sonda

23. BRASIL. Constituição (1891). Constituição da República dos Estados Unidos do Brasil. Diário do Congresso Nacional, Congresso Nacional
Constituinte, Rio de Janeiro, em 24 de fev. de 1891, 3º da República. Título Iv – Dos Cidadãos Brasileiros, Seção II, art. 72, § 17.
24. Id., Dos Estados, art. 64.
Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 23

Branco de Imagens Petrobras


Keystone, com capacidade para perfurar 650
metros. Segundo os registros oficiais, o pri-
meiro poço do Brasil chegou a 488 metros de
profundidade, encontrando somente água sul-
furosa. Alguns registros, porém, mencionam a
retirada de dois barris de óleo. O gasto eleva-
do e o modesto resultado levaram ao abando-
no dos trabalhos.

Por outro lado, o governo de São Paulo des-


tacava-se nas pesquisas sobre petróleo, por
intermédio de sua Comissão Geográfica e Ge-
ológica. Um dos seus mais proeminentes pes-
quisadores, o geólogo Luís Filipe Gonzaga de
Campos, foi o primeiro brasileiro a escrever
um trabalho sobre as possibilidades de existir
petróleo no País. Sua obra “Reconhecimentos
geológicos e estudo da substância betumino-
sa da Bacia do rio Maraú, Estado da Bahia”,
publicada em 1902, relaciona a identidade ge-
ológica do Cretáceo da costa nordestina com
as formações não marinhas do Recôncavo
Baiano e admite a presença de petróleo nes-
sa região, sugerindo sondagens “nos pontos
mais convenientes”. 25

Em 1906, a Comissão Geográfica e Geológica


de São Paulo iniciou uma perfuração ao sul de
Guareí, em terrenos particulares, ao lado do ri-
beirão Jacutinga. Mais uma vez os resultados
foram desanimadores. A sondagem atravessou
“uma pequena camada calcária com leve im-
pregnação de asfalto”, sendo suspensa a 139,14
metros de profundidade.26 Foi a primeira sonda-
gem realizada no Brasil por um órgão público. Eugênio Ferreira de Camargo observa a sonda que instalou em Bofete (SP)

25. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 90-91.


26. GUIMARÃES, Archimedes Pereira. Pesquisas de petróleo no Brasil.
Belo Horizonte: Ed. do Autor, 1966. p. 12.
24 Petróleo e Estado
Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 25

Serviço Geológico do Brasil - CPRM/Museu de Ciências da Terra


Praça José de Alencar, no Centro do Rio de Janeiro, em 1906
26 Petróleo e Estado

Serviço Geológico do Brasil - CPRM/Museu de Ciências da Terra

Técnicos e auxiliares da Comissão Geográfica e Geológica de São Paulo fazem medições em campo na Serra do Japi, no sudeste do estado, em 1890

O Governo Federal ingressa na pesquisa de petróleo


Diante do impacto negativo da legislação liberal, ólogos norte-americanos Israel Charles White e mineralógica do País. Seu quadro técnico foi re-
a União retomou aos poucos a regulação das ati- e David White, quatro anos depois a Comissão crutado principalmente entre ex-alunos da Escola
vidades de mineração. Em 1901, por solicitação do apresentou um relatório extremamente cético de Minas de Ouro Preto, profissionais que viriam a
ministro de Viação e Obras Públicas do governo quanto às possibilidades de se encontrar petróleo ter grande importância na ciência geológica brasi-
Campo Sales, Alfredo Maia, o engenheiro de mi- em quantidade suficiente em qualquer parte da leira, especialmente na pesquisa de petróleo.
nas Miguel Arrojado Lisboa analisou as dificulda- região sul do Brasil.
des então enfrentadas pelo setor e concluiu que a Inicialmente, o SGMB voltou-se para a exploração
regulamentação das disposições constitucionais A criação do Serviço Geológico e Mineralógico do carvão e do ferro, manganês, ouro e diaman-
era imprescindível. do Brasil (SGMB),27 subordinado ao Ministério da tes, e para a siderurgia. As preocupações gover-
Agricultura, Comércio e Obras Públicas, em 1907, namentais com o petróleo só vieram à tona com a
No governo Rodrigues Alves, em 1904, o próprio foi primeiro passo efetivo do Governo Federal no Primeira Guerra Mundial. A indústria brasileira vi-
presidente solicitou ao seu ministro da Viação e campo da pesquisa do petróleo no Brasil. Dirigido nha crescendo desde os primeiros anos do século
Obras Públicas, Lauro Muller, que organizasse a por Orville Derby, o órgão viria a se constituir no XX e dependia quase inteiramente da importação
chamada Comissão White. Chefiada pelos ge- principal centro de estudos da estrutura geológica de combustíveis para acionar suas máquinas, mas

27. BRASIL. Decreto nº 6.336, de 21 de Janeiro de 1907. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 21 jan. 1907.
Seção 1, p. 579.
Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 27

teve de lidar com um sério problema de abasteci- de combustíveis provocada pela Primeira Guerra

Wikipedia.org
mento durante o conflito que envolveu as grandes Mundial. Foi nesse contexto que a Empresa Pau-
potências de todo o mundo. lista de Petróleos empreendeu uma sondagem
em Rio Claro, atingindo 300 metros de profundi-
A importância estratégica do petróleo e do mo- dade. A sonda pertencia ao governo estadual e
tor de combustão interna foi também evidencia- as operações foram acompanhadas pela Comis-
da pela Primeira Guerra Mundial, em função do são Geográfica e Geológica de São Paulo. Como
transporte mecanizado das tropas, que mudou estava sem recursos, a empresa executora reque-
“todas as dimensões do conflito armado, até mes- reu uma subvenção ao Governo Federal para dar
mo o próprio significado da mobilidade na terra, prosseguimento à perfuração. Recusado o auxílio,
no mar e no ar”.28 Diante da necessidade de com- os trabalhos foram abandonados.
bustíveis, as potências europeias promoveram
inúmeras manobras diplomáticas para garantir Em 1919, doze anos após sua criação, o SGMB efe-
fontes externas de suprimento de petróleo. tivamente se lançou na pesquisa efetiva de pe-
tróleo, perfurando em Marechal Mallet (PR). Foi a
Em 1915, Gonzaga de Campos assumiu a direção primeira sondagem de petróleo realizada por um
Epitácio Pessoa reconheceu as limitações da pesquisa de petróleo no Brasil
do SGMB, em razão do falecimento de Orville órgão público federal no País. Porém, o poço foi
Derby, e o órgão foi reestruturado, voltando-se abandonado no ano seguinte, chegando apenas a

Serviço Geológico do Brasil - CPRM/Museu de Ciências da Terra


mais para as necessidades econômicas do País do 84,77 metros de profundidade, ao ser identificada
que para estudos exclusivamente científicos. Nes- a existência de um pequeno reservatório de gás
se mesmo ano, o geólogo Euzébio Paulo de Oli- natural. Também foram frustrantes os resultados
veira recebeu a incumbência de estudar a ques- das sondagens em Garça Torta (AL) e em Cururu-
tão do petróleo e publicou o texto “Pesquisa de pe (BA), ainda em 1920.
petróleo”, no qual refutava a opinião do geólogo
Israel Charles White quanto à não existência de Esses resultados negativos deram o tom do
petróleo no sul do País. É muito provável que esse relatório anual do SGMB em 1920, ao acentu-
trabalho tenha estimulado o conselheiro Antônio ar que “em nenhum Estado do Brasil, que nos
Prado, presidente da Companhia Paulista de Es- conste, tem aparecido petróleo in natura”. 30
tradas de Ferro, a fundar a Empresa Paulista de Porém, isso não impediu novas tentativas. No
Petróleos, em 1917, juntamente com outros em- ano seguinte, em uma sondagem na fazenda
presários paulistas.29 Graminha, perto de São Pedro (SP), a perfu-
ração alcançou quase 330 metros, tendo sido
São Paulo não podia parar. Em franco processo extraída apenas uma pequena quantidade de
de industrialização, o estado sofria a escassez gás natural e de água sulfurosa. 31 O geólogo Luís Filipe Gonzaga de Campos foi o primeiro diretor do SGMB

28. YERGIN, Daniel. Petróleo: uma história de ganância, dinheiro e poder. São Paulo: Scritta, 1992. p. 161.
29. Eusébio Paulo de Oliveira, um dos mais importantes geólogos brasileiros do século XX, formado na Escola de Minas de Ouro Preto, trabalhou desde
1907 no Serviço Geológico e Mineralógico do Brasil e, de 1933 a 1939, no Departamento Nacional de Produção Mineral.
30. GUIMARÃES, 1966, p. 15.
31. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 103.
28 Petróleo e Estado

Capa do primeiro boletim do SGMB informando as atividades realizadas em 1918


Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 29

Arquivo Público Mineiro


O próprio presidente Epitácio Pessoa, na Mensa-
gem Presidencial de 1921 endereçada ao Congres-
so, reconhecia que pouco tinha sido feito:

Poucas têm sido, no Brasil, as pesquisas


de jazidas de petróleo, presentemente
um dos mais prezados combustíveis
minerais. (...) Veemente, entretanto, é
a presunção de tais jazidas em alguns
estados. O conhecimento incompleto
da estrutura geológica do País deve
ser a causa do fracasso das investiga-
ções até agora feitas.32
O ex-ministro João Pandiá Calógeras e sua mulher, Elisa
Um novo incentivo veio por intermédio do minis-
tro da Agricultura, Indústria e Comércio, Ildefon- forneceria importantes informações sobre a geo- sobre a geologia de petróleo do estado e coordenar
so Simões Lopes, em 1922, com a aprovação das logia do Baixo Amazonas.34 E no Vale do Iguaçu, as atividades de exploração foi contratado o geólo-
diretrizes do SGMB para exploração do petróleo em Santa Catarina, três perfurações encontraram go ­norte-americano Chester Washburne. Após três
e demais rochas betuminosas. O órgão pôde con- numerosos indícios de óleo.35 anos de trabalho de campo, ele escreveu um livro
tar com as verbas necessárias para sondagens, intitulado Geologia do petróleo do estado de São
estudos e pesquisas em várias regiões, tais como No início de 1927, Pandiá Calógeras (ex-ministro da Paulo, no qual expunha conceitos de “rochas-reser-
Campos (RJ), Sergipe, Paraná­, São Paulo e na Agricultura, da Fazenda e da Guerra) fazia um ba- vatório e rochas de cobertura”, afirmando acreditar
zona terciária da Amazônia.33 lanço pouco animador das atividades do Serviço na existência de petróleo naquela região.37
Geológico e Mineralógico do Brasil, ao afirmar que
Os resultados desta nova orientação começaram a “até os dias recentes, pouco mais se pode afirmar Em fins de 1930, com apenas 25 sondas em todo o
surgir dois anos depois, com a abertura de uma nova do que a existência de indícios de óleos minerais: País, 51 perfurações exploratórias desde 1919, ver-
frente em Riacho Doce, no sul de Alagoas, onde fo- gases naturais, asfaltos, produtos de oxidação”. De bas modestas, equipamentos inadequados e pou-
ram registrados alguns indícios de óleo. Contudo, 1920 a 1926, haviam sido efetuados apenas 8.200 co interesse governamental, o SGMB não regis-
mais uma vez, as dificuldades causadas pelo terreno metros de perfuração, com dez sondas.36 trava qualquer sucesso efetivo em sua busca por
e pelas deficiências do equipamento utilizado leva- petróleo no Brasil. Em contrapartida, foi possível
riam à suspensão dos trabalhos em 1927. Paralelamente, o governo paulista criou seu pró- reunir um imenso volume de informações sobre a
prio Serviço de Pesquisa de Petróleo, em 1927, e o geologia do País, que serviria de base para futuras
Apesar disso, o esforço prosseguia. A sondagem engenheiro Eugênio Bourdot Dutra, do SGMB, foi investigações, aperfeiçoamento e treinamento de
pioneira de petróleo em Bom Jardim, no Pará, convidado para chefiá-lo. Para realizar um estudo uma equipe de geólogos brasileiros.

32. COHN, Gabriel. Petróleo e nacionalismo. São Paulo: Difel, 1968. p. 9


33. CONGRESSO BRASILEIRO DE CARVÃO E OUTROS COMBUSTÍVEIS NACIONAES, 1.,1922, Rio de Janeiro. Conclusões... Rio de Janeiro, 1922. p. 11-13.
34. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 103.
35. Ibid., p. 110-111.
36. JORNAL DO COMMERCIO. Rio de Janeiro: Gráfica Editora Jornal do Commercio, 1827- . Diária. 17 jan. 1927.
37. MARINHO JUNIOR, Ilmar Penna. Petróleo: política e poder: um novo choque do petróleo? Rio de Janeiro: J. Olympio, 1989.
30 Petróleo e Estado

Arquivo Shell

Caminhão-tanque para distribuição de querosene da Anglo-Mexican (atual Shell), na Praça XV, no Rio de Janeiro
Arquivo Shell

Caminhão-tanque para distribuição de gasolina da Shell


Capítulo 2 - Os primeiros anos da República

Posto de serviço da Ipiranga, na década de 1930


31

Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes - Sindicom/Ipiranga


32 Petróleo e Estado

Grandes companhias estrangeiras instalam-se no País


Arquivo Shell

explorar minas, extrair produtos, com-


prar, vender, armazenar, refinar, trans-
portar, manufaturar petróleo e seus di-
versos produtos; (...) colocar e conservar
encanamentos e transportar de qualquer
modo, por terra ou por água, querosene
e seus produtos; (...); e c­ onduzir todos
os privilégios do negócio referente à
produção, transporte, beneficiamento e
venda do querosene.39

Em 1913, foi a vez de a anglo-holandesa Royal


Dutch Shell estabelecer-se no Brasil, mais preci-
samente na cidade do Rio de Janeiro, através da
Anglo-Mexican Petroleum Products, seu braço la-
tino-americano.40 A companhia, com sede em Lon-
Vagão-tanque da Anglo Mexican (atual Shell) dres, era autorizada a

O desenvolvimento da produção e do refino ocor- em Buenos Aires foram os primeiros postos de iniciar e explorar, em todos os seus ra-
rido no México e as possibilidades de diversificação vendas da companhia norte-americana no exte- mos, os negócios de comerciantes de
do mercado consumidor de derivados de petróleo rior. Seu interesse era estabelecer refinarias que óleo e de importadores em grosso e a
levaram as grandes companhias a investirem na processassem petróleo cru norte-americano em retalho de óleo bruto e óleo combustí-
América Latina. Em curto espaço de tempo, três das países onde os impostos de importação sobre os vel, petróleo e outros óleos, nafta, gra-
maiores empresas de petróleo do mundo instala- derivados fossem elevados. No Brasil, esse plano xas, ceras, gases, substâncias minerais
ram-se no Brasil: a Standard Oil, a Shell e a Texaco. não teve sucesso e a Standard limitou-se a uma e químicas, petróleo, asfalto, benzina e
representação comercial, até que em 1912, por de- outros produtos e subprodutos de óleos
A Standard havia chegado em 1897, quando foi creto assinado pelo presidente Hermes da Fonse- (...) [e a] refinar, armazenar, transportar,
autorizada pelo governo a funcionar com o nome ca,38 passou a chamar-se Standard Oil Company vender, entregar e distribuir óleo bruto
de Empresa Industrial de Petróleo. Na ocasião, of Brazil e foi autorizada a desenvolver uma am- e óleo combustível, petróleo e seus pro-
seus escritórios comerciais no Rio de Janeiro e pla gama de atividades: dutos ou óleo de qualquer qualidade.41

38. BRASIL. Decreto nº 9.335, de 17 de Janeiro de 1912. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 20 jan. 1912.
Seção 1, p. 1040.
39. Ibid,. p. 1040.
40. BRASIL. Decreto nº 12.438, de 1º de Abril de 1917. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 11 abr. 1917.
Seção 1, p. 1040. ; PINHEIRO, Letícia; VIANNA, Luciana Heymann. Memória dos 75 anos da Shell Brasil S/A. Rio de Janeiro, 1987.
41. BRASIL. Decreto nº 12.438, de 1º de Abril de 1917.
Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 33

Sua principal atividade nos primeiros anos de

Estadão Conteúdo
Brasil foi a comercialização do óleo combustível e
do querosene Aurora. O progressivo aumento do
consumo de petróleo colocaria os óleos combustí-
veis como principais produtos de venda da Anglo
Mexican, destacando-se a gasolina Energina. Em
1914, a empresa inaugurou o primeiro depósito de
óleo combustível do País, na Ilha do Governador,
na capital federal. Em 1919, inaugurou sua primeira
filial, em Recife, com a finalidade principal de abas-
tecer os navios que passavam pela cidade. A essa
altura, o óleo combustível se firmava como alter-
nativa ao carvão de pedra para a navegação. Nos
anos seguintes, abriu filiais em várias capitais brasi-
leiras e instalou suas primeiras bombas de gasolina
em garagens, ruas e rodovias.42

Em 1915, também a Texas Company (South America)


Ltd. (Texaco) foi autorizada a se instalar no Brasil,43 O famoso Ford-T passou a ser produzido em São Paulo na década de 1920

porém seus produtos já eram distribuídos no País


desde 1913, por uma empresa de representação de No início da década de 1920 mais uma empresa sorvidas pelas grandes companhias, que em 1928
Salvador, a Fry Youle e Cia. Em seu primeiro escri- norte-americana foi autorizada a funcionar no País: respondiam por 98,56% da gasolina e 95,88% do
tório no Brasil, instalado na Avenida Rio Branco, a Atlantic Refining Company of Brazil,44 que havia querosene que o Brasil importava.
Rio de Janeiro, vendiam-se latas de gasolina e tam- sido desmembrada do conglomerado da Standard
bém querosene iluminante, o produto mais procu- Oil, com o nome de Standard Oil of Virginia. O consumo da gasolina era cada vez maior. Enquanto
rado. A empresa expandiu suas atividades, abrindo a importação de querosene se estabilizou em torno
filiais nos principais mercados e agências gerais em O mercado brasileiro também atraiu empresas de 130 mil m³ por ano, entre 1915 e 1930, as compras
outros. Da comercialização em latas, os produtos de médio porte, como a The Caloric Company, de gasolina aumentaram mais de dez vezes (de 28
passaram a ser distribuídos em tambores e depois filial da Pan American Petroleum. Nos anos se- mil para 345 mil m³) e as de óleo combustível cres-
em caminhões-tanque. guintes, porém, as empresas menores foram ab- ceram de 80 mil para 355 mil m³ no mesmo período.

42. PINHEIRO; VIANNA, 1987, p. 7-8.


43. BRASIL. Decreto nº 11.702, de 15 de Setembro de 1915. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 24 set.
1915. Seção 1, p. 10109
44. BRASIL. Decreto nº 15.551, de 7 de Julho de 1922. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 19 jun. 1922.
Seção 1, p. 13835
34 Petróleo e Estado

Lei Calógeras
Serviço Geológico do Brasil - CPRM/Museu de Ciências da Terra

A primeira intervenção do Governo Federal para nicação ao proprietário. O manifestante da mina


regulamentar as atividades de mineração no País (ou seja, o “inventor” criado pela Lei Calógeras)
teve lugar com a chamada Lei Calógeras,45 em poderia agora realizar a pesquisa sem consenti-
alusão ao já mencionado ministro da Agricultura, mento do proprietário, caso este não se pronun-
Pandiá Calógeras, por ter origem no livro publi- ciasse no prazo de um ano.
cado por ele em 1903: As minas do Brasil e sua
legislação. apesar de não fazer referência direta Novas mudanças vieram com a reforma constitucio-
ao petróleo (incluído na categoria de “óleos mi- nal de setembro de 1926, entre elas a proibição de se
nerais”), essa lei representou o primeiro esforço transferir a estrangeiros as “minas e jazidas minerais
legal do poder central no sentido de estabelecer necessárias à segurança e à defesa nacionais” e as
limites aos direitos absolutos dos proprietários do terras onde essas minas estivessem situadas.
solo, conferidos pela Carta de 1891.
Em virtude da política dos países europeus e dos
Embora admitisse ainda que as pesquisas só po- Estados Unidos em favor de suas companhias e da
deriam ser realizadas com autorização do proprie- intromissão destas empresas na política interna dos
tário, a lei previa alternativas criando a figura do países latino-americanos, o interesse de estrangei-
“inventor de minas”. Caso este descobrisse uma ros pelo subsolo brasileiro passou a ser motivo de
mina e afirmasse – reconhecidamente de boa-fé grande preocupação no Congresso Nacional. Os
Euzébio Paulo de Oliveira dirigiu o SGMB de 1925 a 1933 – desconhecer o dono da terra, o resultado da ex- deputados questionavam “se o capital estrangeiro
ploração poderia ser dividido em partes iguais. Se poderia contribuir para o processo de industriali-
o conhecesse e descobrisse uma mina sem a au- zação do Brasil”, sem que fosse “um instrumento
torização dele, teria direito à restituição das des- de dominação econômica puro e simples”. E colo-
pesas da exploração. Além disso, a lei previa que o caram em debate a possível necessidade da “ação
“inventor” poderia requerer a desapropriação, caso soberana do Estado para controlar a força do capi-
o dono das terras se recusasse a explorar as minas. tal estrangeiro em território nacional”.47

Novas alterações, introduzidas na década de 1920, A participação do capital estrangeiro, em função


deram início às bases legais para a intervenção da necessidade de capital para a exploração de
do Estado no setor mineral, que ocorreria alguns petróleo foi prevista em um anteprojeto de lei
anos mais tarde. Foi o caso da chamada Lei de apresentado por Euzébio de Oliveira e publicado
Minas,46 que autorizava o Governo Federal a pro- no Diário do Congresso Nacional em 25 de de-
mover pesquisas a partir de uma simples comu- zembro de 1925.48

45. BRASIL. Decreto nº 2.933, de 6 de Janeiro de 1915. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 7 jan. 1915.
Seção 1, p. 297.
46. BRASIL. Decreto nº 4.265, de 15 de Janeiro de 1921. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 10 fev. 1921.
Seção 1, p. 2823.
47. MOURA, Gérson. A campanha do petróleo. São Paulo: Brasiliense, 1986. p. 14
48. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 32, nota 25.
Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 35

Museu de Ciências da Terra


A região Norte foi objeto de várias pesquisas geológicas nos primeiros anos do século XX. Na imagem, o porto do Acre, em 1911
36 Petróleo e Estado

A Shell foi uma das primeiras empresas a fornecer gasolina de aviação no Brasil na década de 1930
Capítulo 2 - Os primeiros anos da República 37

Em sentido oposto, o ex-ministro da Agricultu-  criação de cadeiras para o estudo do petró-

FGV/CPDOC - Arquivo Ildefonso Lopes/Max Rosenfeld


ra e agora deputado federal Ildefonso Simões leo e derivados nos institutos federais de
Lopes apresentou em junho de 1927 um parecer ensino;
à Comissão de Agricultura da Câmara Federal,
alertando para o teor do relatório do Federal Oil  envio de técnicos ao exterior para que domi-
Conservation Board norte-americano, de 1926, nassem a prática em sondagem de petróleo;
que afirmava, em sua conclusão:
 exame dos contratos firmados com compa-
nhias estrangeiras e rescisão ou anulação
Existem, no México e na América do Sul,
daqueles contrários à segurança e defesa
campos petrolíferos ainda não explora-
nacionais;
dos. Nossas companhias deveriam efe-
tuar, ali, sem demora, explorações, pois  inclusão de geólogos nas comissões milita-
é absolutamente essencial que essas res de fronteira;
jazidas sejam futuramente controladas
por cidadãos norte-americanos.  maiores recursos para sondagens e pesqui-
sas do SGMB.
Mais adiante, Simões Lopes advertia:
O ex-ministro e deputado Ildefonso Simões Lopes
As despesas para execução dessas medidas se-
Nós, brasileiros, (...) precisamos de- riam custeadas por um adicional sobre o valor
fender esse grande patrimônio da Na- da importação de óleos, gasolina e querosene.50
ção do futuro, evitando que se realize exploração de recursos minerais em qualquer
o bote daqueles que pretendem con- A participação de estrangeiros na exploração lugar, exceto no raio de 60 quilômetros da cos-
trolar, na nossa própria terra, a valiosa de petróleo tornava-se um tema cada vez mais ta e das fronteiras nacionais. Este novo projeto
riqueza indispensável ao desempenho recorrente. Uma comissão mista, tendo como permitia que as companhias exploradoras tives-
do nosso papel histórico na obra da relatores Simões Lopes e Alexandre Marcondes sem 75% do capital nas mãos de estrangeiros.52
civilização contemporânea.49 Filho, apresentou projeto substitutivo ao ante- Em agosto de 1930 o deputado Graco Cardoso
projeto de Euzébio de Oliveira, determinando apresentou novo substitutivo, defendendo a
Ao final do parecer, o parlamentar apresentou que “as jazidas de petróleo não pode[ria]m per- abertura aos estrangeiros, sob alegação de que
uma série de sugestões, entre as quais: tencer a estrangeiros nem ser por eles explora- não seria conveniente “despertar, inoportuna e
das”.51 Oliveira, então, propôs que se interditas- inutilmente, hostilidades ainda adormecidas”.53
 reforma da Lei de Minas e a criação de uma se a propriedade do subsolo aos estrangeiros, Sua tramitação seria interrompida, contudo,
lei especial sobre o petróleo; mas que lhes fossem facultadas a pesquisa e a com a Revolução de 1930.54

49. LOPES, Ildefonso Simões. O petróleo brasileiro. Rio de Janeiro: Ministério da Agricultura, 1936.
50. Ibid., p. 40.
51. Ibid., p. 82.
52. SMITH, Peter Seaborn. Petróleo e política no Brasil moderno. Rio de Janeiro: Artenova, 1978.
53. COHN, 1968, p. 31-32.
54. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 16.
38 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 3

ESTADO INTERVÉM
COM MAIS FORÇA
Os primeiros momentos do novo regime
A Revolução de 1930, que pôs fim à Velha Repú- tas até então. Para que as antigas concessões se movimento revolucionário, promoveu uma re-
blica, deu início a uma série de importantes mu- mantivessem legalizadas, seria necessária a auto- forma estrutural e funcional do ministério. Entre
danças políticas, sociais e econômicas na socie- rização federal.55 outros órgãos, foi criada em julho de 1933 a Di-
dade brasileira. O novo regime, comandado por retoria Geral de Produção Mineral, que passou a
Getúlio Vargas, expandiu a intervenção do Estado Em fevereiro de 1931, durante um discurso em centralizar todas as atividades da administração
no campo social e nas atividades econômicas, Belo Horizonte, Vargas enfatizou a necessidade pública federal relacionadas com a exploração
voltadas cada vez mais para a industrialização. de nacionalização das reservas minerais, sobretu- dos bens do subsolo.
do das jazidas de ferro.56 No mesmo ano, o Gover-
Se antes havia preocupações em vários setores no Provisório suspendeu todos os atos que impli- Na conclusão da reforma do Ministério da Agricul-
governamentais com a regulamentação do se- cassem transferência da propriedade a outrem ou tura,58 em março de 1934, a Diretoria Geral de Pro-
tor mineral, a partir de 1930 o governo passou a oneração de qualquer jazida mineral. No docu- dução Mineral foi transformada em Departamento
adotar uma postura mais afirmativa, passando mento, o governo Vargas anunciava a elaboração Nacional da Produção Mineral (DNPM), em cuja
a legislar de fato sobre os recursos minerais em de uma nova lei de minas, para que fosse possível estrutura havia dois órgãos voltados para a mine-
geral, além de chamar para si o planejamento e a “dar ao problema a solução reclamada pelos altos ração: o Serviço de Fomento da Produção Mineral
execução dos serviços ligados a essas atividades. interesses nacionais”.57 e o Serviço Geológico e Mineralógico. Além das
Uma das primeiras medidas, em julho de 1931, foi funções de investigação, o DNPM deveria também
suspender as atividades exploratórias dos gover- Nomeado ministro da Agricultura, o major Jua- criar normas para a aplicação das políticas de mi-
nos estaduais e cancelar todas as concessões fei- rez Távora, um dos mais destacados líderes do nérios e de petróleo, que já tomavam forma.59

55. Ibid., 1993, p. 16-33, nota 28.


56. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 169.
57. Ibid., p. 170.
58. BRASIL. Decreto nº 23.979, de 8 de Março de 1934. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 4 abr. 1934.
Seção 1, p. 6345.
59. SCHWARTZMAN, Simon. Um espaço para a ciência: formação da comunidade científica no Brasil. Brasília, DF: Ministério da Ciência e Tecnologia,
2001. p. 24.
Capítulo 3 - Estado intervém com mais força 39

FGV/CPDOC - Arquivo Antunes Maciel/Photo Weiss


Getúlio Vargas (ao centro) e companheiros durante a Revolução de 1930
40 Petróleo e Estado

Arquivo Público Mineiro

Juarez Távora (à dir.) ao lado de Artur Bernardes, em 1930

A Constituição de 1934 e o Código de Minas


Na condição de ministro de Estado, Juarez to de pesquisa e de lavra das jazidas minerais, Assim, de acordo com o Código de Minas e com
Távora participou como membro nato dos tra- bem como de exploração de energia hidráulica a Constituição de 1934, pela primeira vez na his-
balhos desenvolvidos pela Assembleia Consti- em águas consideradas de domínio público. A tória do Brasil ficava determinado que as rique-
tuinte, instalada em 15 de novembro de 1933, nova Carta incorporou os princípios naciona- zas do subsolo pertenciam à nação, e não aos
tendo sugerido 15 teses. Uma delas recomen- listas e intervencionistas, em oposição à orien- proprietários das terras onde se encontravam.
dava a abolição do chamado “direito de ces- tação liberal da Constituição de 1891, e a maio- No Título IV, Art. 118 da Constituição, dizia-se tex-
são”, incorporando-se as riquezas do subsolo ria das inovações trazidas pela revolução no tualmente: “As minas e demais riquezas do sub-
e as fontes de energia hidráulica ao patrimônio domínio econômico e social. Com base nesses solo, bem como as quedas d’água, constituem
da União, com caráter de imprescritibilidade e princípios, adotados pela nova Constituição, propriedade distinta da do solo para o efeito de
inalienabilidade. A União teria competência seriam sancionados em 10 de julho de 1934 o exploração ou aproveitamento industrial”. Essa de-
exclusiva para outorgar a particulares o direi- Código de Minas e o Código de Águas.60 terminação era complementada no artigo seguinte:

60. VIVACQUA, Attilio. A nova política do sub-solo e o regime legal das minas. São Paulo, Panamericana, 1942. 637 páginas. p. 546.
Capítulo 3 - Estado intervém com mais força 41

“O aproveitamento industrial das minas e das ja- mente suspensas à data da promulgação da Consti- Poucos dias depois da promulgação da nova
zidas minerais, bem como das águas e da ener- tuição, poderiam ser exploradas independentemente Constituição, Juarez Távora foi substituído por
gia hidráulica, ainda que de propriedade privada, de autorização ou concessão; b) as minas ou jazidas Odilon Braga no Ministério da Agricultura. O novo
depende da autorização ou concessão federal na que não tivessem sido lavradas, embora continuas- titular da pasta, tão logo assumiu, promoveu a re-
forma da lei”.61 As autorizações ou concessões po- sem de propriedade privada, só poderiam ser explo- alização de um inquérito sobre a situação da ex-
deriam ser dadas exclusivamente a brasileiros ou radas mediante concessão ou autorização do gover- ploração do petróleo no País. O resultado desse
a empresas organizadas no Brasil. no, estando assegurada ao proprietário preferência trabalho foi a publicação, em 1936, do documento
pela lavra ou participação nos resultados.62 oficial Bases para o inquérito sobre o petróleo.

A Carta de 1934

FGV/CPDOC - Arquivo Pedro Ernesto Batista


incorporou
os princípios
nacionalistas e
intervencionistas,
em oposição
à orientação
liberal de 1891.

Outro dispositivo declarava que a lei regularia a na-


cionalização progressiva das minas e jazidas minerais
tidas como básicas, ou essenciais, à defesa econômi-
ca ou militar do País, o que não implicava transferir
esses bens para o Estado brasileiro, e sim para nacio-
nais brasileiros. O Código assegurou a propriedade
privada das minas que estivessem em lavra até 17 de
julho daquele ano, estabelecendo um procedimento
administrativo mediante o qual os interessados em
jazidas e minas conhecidas deviam declarar ao go-
verno a sua existência e os direitos constituídos sobre
as mesmas. Ficavam assim definidos dois regimes
diversos para a exploração das minas de propriedade Odilon Braga (ao centro, de óculos) diante do Palácio Tiradentes, em 1934
privada: a) as minas, em lavras ainda que transitoria-

61. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 172.


62. CÓDIGO DE MINAS. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 2,
p. 1.397.
42 Petróleo e Estado

O desenvolvimento das pesquisas e o papel dos especialistas estrangeiros

Na prática, apesar das profundas mudanças mesmos estados, com o acréscimo apenas de Odilon Braga, sobre a questão do petróleo. O
institucionais, houve poucos avanços nas ati- uma perfuração no Rio Grande do Sul. presidente informa que Braga fora à reunião
vidades de mineração durante a primeira me- acompanhado de “técnicos do ministério, que
tade da década de 1930. A falta de recursos fi- Diante dos resultados poucos expressivos, o vieram com mapas e relatórios trazer informa-
nanceiros dificultava a aquisição dos materiais DNPM fez uma reavaliação no final de 1934, in- ções sobre a possibilidade da existência desse
e equipamentos necessários para a exploração dicando como áreas prioritárias para a pesquisa combustível no território do Acre, próximo à
das bacias mais promissoras, além de impedir a faixa costeira do Nordeste, de Ilhéus (BA) a fronteira com o Peru”.65
a contratação de especialistas estrangeiros Aracati (CE), e o território do Acre, mais especi-
em número suficiente para treinar técnicos ficamente a bacia do rio Javari. O baixo Amazo- Neste período, especialistas estrangeiros tive-
brasileiros em teoria e prática de geologia do nas e a bacia do Paraná, que desde a década de ram um importante papel nas pesquisas quan-
petróleo, geofísica, aerofotogrametria etc., de 1920 concentravam as atenções governamen- to às possibilidades de petróleo em território
modo a suprir as lacunas referentes aos méto- tais, ficariam agora em segundo plano.64 brasileiro, que determinaram a mudança das
dos exploratórios.63 áreas a serem exploradas. O geofísico norte-a-
No diário de Getúlio Vargas há uma anotação mericano Mark Cyril Malamphy, contratado em
Os trabalhos realizados pelo SGMB em 1930 feita por ele em 25 de fevereiro de 1936, após 1932 pelo Serviço Geológico e Mineralógico do
continuaram praticamente inalterados nos um despacho com o ministro da Agricultura, Brasil, introduziu os processos sísmicos nos

PERFURAÇÕES NO BRASIL (1931-1934)

1931 1932 1933 1934 Total


Pará 1 – 1 – 2
São Paulo 2 1 – – 3
Paraná 2 2 1 – 5
Santa Catarina – 1 – 1 2
Rio Grande do Sul – – 1 – 1
Total 5 4 3 1 13

Fonte: Dias & Quaglino (1992, p. 16-17)

63. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 16.; MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 138.


64. Id., 1993, p. 17, nota 29.
65. VARGAS, Getúlio. Diário. São Paulo: Siciliano; Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1995. Apresentação de Celina Vargas do Amaral Peixoto.
p. 482.
Capítulo 3 - Estado intervém com mais força 43

FGV/CPDOC - Arquivo Artur Neiva


métodos de trabalho do órgão e treinou um
grande número de profissionais. Foi contrata-
do também, em 1933, o geólogo lituano Victor
Oppenheim, que havia prestado serviços para
a Companhia Petróleo Nacional, em Alagoas, e
também para a estatal argentina Yacimientos
Petrolíferos Fiscales.66

Oppenheim desenvolveu estudos sobre as


possibilidades da existência de petróleo na
Bacia do Paraná, incluindo o território paulista,
e publicou em dezembro de 1934 o trabalho
Rochas gondwânicas e geologia do petróleo
no Brasil Meridional. Esse estudo – que coin-
cidia com as posições do diretor do DNPM,
Fleury da Rocha – provocou grande celeuma
por não acreditar na presença de petróleo em
Irati (PR) e também por negar, de maneira ge-
ral, a existência de petróleo no Brasil meridio-
nal. Ele não negava a presença de rochas gon-
dwânicas no sul do País, mas dizia que estas
não eram geradoras de petróleo.67 Suas teses
incomodaram em especial a alguns empreen-
dedores privados, como o escritor Monteiro
Lobato, que buscavam petróleo em São Paulo
e nos estados sulistas.

Poço de petróleo em funcionamento em Lobato (BA), em 1938

66. MARINHO JUNIOR, 1989, p. 55. Para maiores informações sobre a


companhia, ver item 1.3.4.
67. Ibid., p. 57.
44 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

riamente pela exploração do ferro e do petróleo,


fundou, em 1931, o Sindicato Nacional de Indús-
tria e Comércio, voltado para a exploração do
ferro, e a Companhia Petróleos do Brasil.68

Essa polêmica daria início a uma “intensa cam-


panha que colocaria a geologia do petróleo do
País nas manchetes dos jornais e os técnicos
governamentais em embaraçosas situações”.69
Ao concentrar sua atenção no incentivo aos
investimentos privados para a prospecção de
petróleo, a trajetória de Monteiro Lobato se
cruzou com a de Edson de Carvalho, que havia
iniciado trabalhos de perfuração na localidade
de Riacho Doce, com uma sonda emprestada
pelo SMGB ao governo alagoano. Utilizando
um aparelho “descobridor” de petróleo e gás
manejado pelo próprio inventor (o mexicano
Dr. Romero), Edson de Carvalho anunciou a
descoberta de imensas reservas de petróleo
em Alagoas,70 que logo foi negada com ve-
emência pelo diretor do SGMB, Eusébio de
Oliveira, afastando qualquer possibilidade de
Monteiro Lobato, no alto, com seus sócios em 1929
existir petróleo na região e duvidando da inte-
gridade moral dos que afirmavam o contrário.

Empresários nacionais versus Estado Em carta endereçada ao médico sanitarista Ar-


tur Neiva, em fevereiro de 1934, Lobato pedia
O jornalista e escritor Monteiro Lobato foi um Depois de atuar por quatro anos como adido sua intermediação para convencer o ministro
dos protagonistas da acirrada polêmica que comercial em Nova York, Lobato voltou para o Juarez Távora de que “não pode haver dinhei-
se travou entre o capital privado nacional e os Brasil, em 1931, entusiasmado com o progresso ros públicos mais bem empregados do que os
órgãos oficiais, especialmente o Departamento dos Estados Unidos e decidido a buscar formas que vierem ajudar-nos a resolver um proble-
Nacional de Produção Mineral, que passou a ser de transferir a experiência norte-americana para ma muito maior do que todos pensam”. Mais
acusado de submissão aos interesses das pe- as condições brasileiras. Convencido de que o adiante, fazia uma apologia da exploração do
troleiras internacionais. desenvolvimento econômico passava obrigato- petróleo e do ferro:

68. LOBATO, Monteiro. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 3,
p. 3249-3251.
69. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 17.
70. Carta de 23 de março de 1932 enviada a Getúlio Vargas. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 177-178.
Capítulo 3 - Estado intervém com mais força 45

Arquivo ANP
Trabalhadores operam a sonda em Lobato (BA), em 1939
46 Petróleo e Estado

Arquivo ANP

Trabalhadores descansam durante sondagem de petróleo em Ponta Verde (MA), em 1939

Logo ter carbono é o que se impõe. pazvobis71 que praticamente só dis- Araguá, no município de São Pedro de Piraci-
Que carbono? O de mais alto índice põem dos seus fracos músculos – es- caba (SP). Porém, o DNPM divulgou um estu-
energético, [...] o mais barato – e esse tará habilitado a começar a ser algu- do que concluía pela inexistência de petróleo
é o petróleo. Daí a necessidade [...] ma coisa no mundo.72 nesse estado, o que prejudicou frontalmente
de fazer vir a superfície os milhões de a operação financeira de Lobato. Ele reagiu,
toneladas de petróleo que estão em Além de organizar com Edson de Carvalho acusando publicamente o órgão de falsificar
nosso subsolo – e que estão porque a Companhia Petróleo Nacional, lançando os laudos geológicos para boicotar as pesqui-
não podem deixar de estar. Dotados ações para arrecadar fundos, Monteiro Lo- sas desenvolvidas pelas empresas nacionais
de ferro, teremos máquina; dotados bato emitiu ações também de sua Compa- e defender os interesses dos grandes trustes
de petróleo, teremos energia para nhia de Petróleos do Brasil. Seu objetivo era estrangeiros que, segundo o escritor e em-
mover a máquina – e esta infecção levantar fundos para o prosseguimento das presário, desejavam manter inexploradas as
que é o Brasil atual – 40 milhões de pesquisas e da perfuração de um poço em reservas petrolíferas brasileiras.

71. A palavra ‘pazvobis’, usada por Lobato, é dicionarizada como ‘pax-vobis’ (pessoa simples e pacífica) e tem origem na expressão latina “pax vobis”,
a paz esteja convosco.
72. ARTUR HEHL NEIVA (1909-1967) [Arquivo AHN]. Ofício nº 10.610, do CNP. FGV-CPDOC, Arq. Arthur Heil Neiva 1942.09.00 (PI, doc. 27).
Capítulo 3 - Estado intervém com mais força 47

Outro ponto de conflito foi a edição do Códi- acusados. Nesse mesmo ano, publicou o livro O ­ entanto, o documento acabou se perdendo nos
go de Minas, que estabelecia novos critérios escândalo do petróleo e do ferro, em que refutava meandros da burocracia. Em 1933, ele enviou uma
para a exploração das jazidas minerais e su- as afirmações do trabalho de Odilon Braga, Bases amostra do óleo para ser analisada por um pro-
bordinava a operação das companhias priva- para o inquérito sobre o petróleo.75 fessor da Escola Politécnica da Bahia. Em segui-
das ao DNPM. Lobato atacou com veemência da, comunicou sua descoberta ao presidente da
essa regulamentação, que a seu ver defendia Bolsa de Mercadorias da Bahia, Oscar Cordeiro.
os interesses estrangeiros e asfixiava as em- Juntos criaram uma sociedade para explorar as
presas nacionais. Viajou então por todo o País,
Em Lobato, no jazidas e enviaram o óleo obtido para análise no
denunciando a política oficial e tentando ob- Recôncavo Baiano, DNPM, mas tiveram negado o pedido que fizeram
ter recursos para suas empresas, mas não foi os moradores ao Departamento: um técnico e uma sonda para
bem-sucedido. realizarem uma perfuração.
usavam uma espécie
Em Alagoas a situação também estava tensa. de “lama preta” O caso repercutiu na imprensa. O DNPM, instado
O DNPM pediu de volta a sonda emprestada ao nos lampiões, em a dar um veredicto acerca do petróleo de Lobato,
governo do estado, em função de um relatório emitiu um relatório oficial em fevereiro de 1934.
pessimista do engenheiro Bourdot Dutra, en-
vez de querosene, Com base em parecer técnico, desmentiu catego-
viado a Riacho Doce para examinar a suposta para iluminar ricamente a existência do óleo na região. O geó-
descoberta. O governador Osman Loureiro ma- suas residências. logo Victor Oppenheim reiterou categoricamente
nifestou-se contra a medida, exigindo do Go- essa posição, em texto publicado no boletim ofi-
verno Federal a manutenção da sonda no local. cial do Departamento.
Em seguida, contratou os serviços da firma ale-
mã Elbof, que considerou haver “fortes possibi- Em uma localidade que, por coincidência, tinha o A situação complicou-se ainda mais em 1935 e
lidades de existência de petróleo no local”.73 O mesmo nome do escritor, a discussão a respeito 1936, quando dois geólogos estranhos aos qua-
DNPM enviou nova equipe para realizar o mes- de indícios de petróleo começou atrair as aten- dros do DNPM, Matias Roxo e Othon Leonardos,
mo tipo de trabalho, fato que só fez aumentar ções e polarizou a opinião pública de todo o País.76 visitaram Lobato e, mesmo admitindo não serem
o mal-estar. Trata-se de Lobato, no Recôncavo Baiano, assim especialistas em petróleo, recomendaram uma
chamada em homenagem ao senhor de enge- verificação mais acurada. Um novo estudo feito
Monteiro Lobato, por sua vez, prosseguia sua nho Francisco Rodrigues Lobato.77 Conta-se que por técnicos do Departamento, em 1936, dessa
campanha de denúncias. Em 1936, enviou carta os moradores locais usavam nos lampiões uma vez concluiu que era possível a existência de pe-
ao ministro da Agricultura, Odilon Braga, acu- espécie de “lama preta”, em vez de querosene, tróleo e que valia a pena uma investigação mais
sando Mark Melamphy e Victor Oppenheim,74 de para iluminar suas residências. Em 1930 o enge- detida. Mesmo assim, a questão se prolongaria
serem agentes secretos da Standard Oil. Porém, nheiro Manuel Inácio Bastos enviou um relatório por mais tempo e só seria resolvida, de uma for-
uma comissão de inquérito instalada por con- ao presidente Vargas, que o reenviou ao SGMB, ma ou de outra, em 1939, com a descoberta de
ta destas acusações concluiu pela inocência dos sobre os vestígios de óleo naquela localidade. No
­­ petróleo por técnicos do DNPM.

73. LOUREIRO, Osman. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 3,
p. 3305-3306.
74. ARTUR HEHL NEIVA (1909-1967) [Arquivo AHN]. Ofício nº 10.610, do CNP. FGV-CPDOC, Arq. Arthur Heil Neiva 1942.09.00 (PI, doc. 27).
75. COHN, 1968, p. 19-25.
76. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 18-19.
77. Ver capítulo 5: “A descoberta em Lobato”.
48 Petróleo e Estado

Arquivo ANP

Uma sonda americana é usada para prospecção de gás natural em Bongi, Recife (PE), em 1939
Capítulo 3 - Estado intervém com mais força 49

A atuação das empresas estrangeiras


As grandes companhias petrolíferas internacionais

Arquivo Shell
não estavam muito interessadas em fazer inves-
timentos próprios em prospecção de jazidas no
País. Standard Oil78 e Anglo-Mexican (Shell) num
primeiro plano, secundadas pela Atlantic, pela Ca-
loric e pela Texaco: era o mesmo oligopólio que no
final da década de 1920 já dominava no Brasil as
vendas de gasolina, óleo combustível, óleo diesel
e lubrificantes. Esses produtos, importados de re-
finarias norte-americanas e inglesas situadas no
golfo do México e nas Antilhas Holandesas, eram
desembarcados nos principais portos brasileiros,
de onde eram distribuídos para o comércio vare-
jista, em grande parte concentrado em São Paulo.

O mercado interno brasileiro era modesto (represen-


tava apenas 25% do mercado argentino em 1935),
havia sofrido os efeitos da crise de 1929, mas em 1933
Latas de gasolina de aviação da Shell
já se recuperava. Nesse ano, as importações de gaso-
lina registraram o mesmo volume de 1929 (2.496.000
barris). Entre 1931 e 1940, a demanda nacional de pe- tes da Atlantic Refining Company, da Tide Water Oil O objetivo dessas medidas era atenuar a crise
tróleo aumentou a uma taxa média anual de 6,4%. De Export Corporation, da Anglo-Mexican Petroleum econômico-financeira que o País enfrentava.
qualquer modo, as mudanças trazidas pela Revolu- Co. Limited, da Texas Co. e da Standard Oil of Brazil
ção de 1930 foram alvo de muitas reclamações por entregaram um memorial ao chefe do Governo Apesar dos atritos, a Anglo-Mexican diversificou
parte das companhias estrangeiras. Provisório, dando conta das suas preocupações suas atividades neste período. Já em 1930 a em-
com o conteúdo do texto legal.80 Um outro em- presa contava com seu primeiro vagão-tanque
O primeiro atrito ocorreu logo após a subida de bate entre o oligopólio e o Governo Federal se para transporte de combustível. Em 1935, inaugu-
Vargas ao poder, quando foi decretada a aquisi- deveu ao tabelamento, em caráter provisório, do rou um serviço de venda de produtos petroquími-
ção obrigatória de álcool na proporção de 5% da preço da gasolina e à imposição de restrições ao cos e agrícolas, tornando-se a empresa petrolífera
gasolina importada, visando aumentar o consu- mercado cambial, “impedindo que as companhias pioneira nesta área no mercado brasileiro. Além
mo deste subproduto da cana-de-açúcar.79 Um (...) ‘pagassem’ as encomendas de derivados que de filiais em várias cidades, em 1934 foi instalada
dia antes da assinatura do decreto, representan- faziam às suas matrizes e coligadas no exterior”.81 a Companhia de Navegação Shell do Brasil.

78. Em 1930, a Standard Oil fundou uma subsidiária no Brasil, a Companhia Geral de Petróleo Pan-Brasileira S.A., que chegou a deter 96 concessões
privadas e áreas petrolíferas para exploração. Porém, com a entrada em vigor do Código de Minas todos esses contratos foram cancelados. WIRTH,
John D. A política do desenvolvimento na era de Vargas. Rio de Janeiro: FGV, 1973.
79. BRASIL. Decreto nº 19.717, de 20 de Fevereiro de 1931. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 13 mar.
1931. Seção 1, p. 3736.
80. CORREIO DA MANHÃ. Rio de janeiro, 1901-1974 . Periodicidade diária. 20 de fev. de 1931, p. 2.
81. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 50.
50 Petróleo e Estado
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 51

1938-1943
O Conselho Nacional
do Petróleo
52 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 4

ANOS DE
ESTRUTURAÇÃO
E FORTALECIMENTO
O Estado Novo e a Constituição de 1937

A Constituição do Estado Novo, regime autoritário os princípios básicos da Constituição de 1934, que tituídas por acionistas brasileiros, re-
e centralizador implantado em 10 de novembro de estabelecera pela primeira vez a distinção entre servada ao proprietário preferência na
1937, consagrou o corporativismo como doutrina propriedade do solo e das riquezas do subsolo. exploração, ou participação nos lucros.
oficial do Estado Novo, garantindo ao Estado o di- A inovação estadonovista estava na exclusividade
reito de intervir diretamente na esfera da produção para brasileiros e na progressiva nacionalização Art. 144 - A lei regulará a nacionalização
para suprir deficiências da iniciativa privada. O go- dos recursos minerais e das indústrias considera- progressiva das minas, jazidas minerais
verno passou, então, a atuar como regulador das das básicas ou essenciais: e quedas d’água ou outras fontes de
atividades econômicas. Foram criados vários or- energia assim como das indústrias con-
ganismos governamentais – institutos, comissões Art. 143 - As minas e demais riquezas do sideradas básicas ou essenciais à defe-
e empresas estatais, entre outros – para atuar em subsolo, bem como as quedas d’água sa econômica ou militar da Nação.83
áreas nas quais o capital privado estava ausente constituem propriedade distinta da pro-
ou se fazia presente de forma precária, de modo a priedade do solo para o efeito de explo-
diversificar a estrutura produtiva da economia bra- ração ou aproveitamento industrial. O
No Estado Novo,
sileira e assim reduzir a dependência externa. Foi aproveitamento industrial das minas e
esse o caso da Companhia Siderúrgica Nacional das jazidas minerais, das águas e da ener- o governo passou
(CSN), da Fábrica Nacional de Motores (FNM) e da gia hidráulica, ainda que de propriedade a atuar como
Companhia Vale do Rio Doce (CVRD).82 privada, depende de autorização federal.
regulador
A Carta de 1937 representou, igualmente, um § 1º - A autorização só poderá ser con- das atividades
avanço das teses nacionalistas. Foram mantidos cedida a brasileiros, ou empresas cons- econômicas.

82. MEMÓRIA da Eletricidade, 1988, p. 87.


83. BRASIL. Constituição (1937). Constituição dos Estados Unidos do Brasil, de 10 de novembro de 1937. Diário Oficial [da] República Federativa
do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, 10 nov. 1937.
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 53

FGV/CPDOC - Arquivo Horta Barbosa


Membros do CNP em viagem a regiões petrolíferas do Pará, em novembro de 1938

Diretrizes que nortearam a formação do CNP

No início de 1936, quando ocupava a chefia da Di- de rumos entre o DNPM – que afirmava não haver ção constante, ininterrupta, da Standard Oil, Dutch-
retoria de Engenharia do Exército, o general Júlio petróleo no País – e o Governo Federal, responsável -Shell, Anglo-Mexican etc., pelos menores recantos
Caetano Horta Barbosa começou a se envolver na pelas concessões das autorizações para a pesquisa. de nossa pátria”. Para fins de defesa econômica e
polêmica sobre a existência de petróleo no subso- Alertava ele, no documento, que o País se encontra- militar, aconselhava a substituição desses rótulos
lo brasileiro. Nesta época, encaminhou ao ministro va em total dependência do petróleo estrangeiro, e estrangeiros por nomes brasileiros, e ante o reduzi-
da Guerra, general Eurico Dutra, o memorial “O pe- por isso mesmo tornara-se uma nação militarmente do êxito do DNPM, “quem melhor do que o Exército
tróleo e a defesa nacional”, apontando divergência fraca, que a cada instante testemunhava “a penetra- Nacional poderia dar vida a este assunto?”84

84. MOURA; CARNEIRO, 1976, p. 226-227.


54 Petróleo e Estado

Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes - Sindicom/Ipiranga

O navio-tanque argentino Tácito trouxe a primeira remessa de petróleo cru a ser refinada no Brasil

Como presidente do Clube Militar entre julho de de partida o setor de refino, mais rentável, e por que permitia a interferência dos militares na vida
1936 e janeiro de 1937, sua participação no deba- isso mesmo mais vulnerável ao interesse do ca- econômica do País. O tema da “nação em perigo”
te em torno do petróleo ficou ainda mais forte. pital estrangeiro, e potencialmente gerador dos havia sido uma constante no pensamento de Hor-
Após o golpe de Estado de novembro de 1937, capitais de que o setor de exploração se ressen- ta Barbosa ao longo de toda a sua carreira militar.
foi promovido a subchefe do Estado-Maior e, já tia. Ele defendia a construção de refinarias por Assim, não era segredo sua preferência por uma
no início de 1938, encaminhou memorando ao empresários brasileiros, impedindo as empresas solução estatal para a questão do petróleo, muito
general Góis Monteiro propondo a instituição do estrangeiras de monopolizarem esse setor.85 embora se mostrasse aberto à opção do capital
monopólio estatal do petróleo “dentro do plano privado, incluindo-se aí o capital estrangeiro, des-
nacionalista de reorganização econômica” do Suas ideias se apoiavam em estudos desenvolvi- de que sob estreita supervisão do Governo Fede-
Estado Novo. Para viabilizar o processo, Horta dos no âmbito do Estado-Maior do Exército e fo- ral e que os cargos de direção permanecessem
Barbosa sugeria que se tomasse como ponto ram favorecidas pela conjuntura do Estado Novo, em mãos brasileiras, assim como os lucros.

85. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 84.


Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 55

Acervo Refinaria Rio Grandense


Ao receber de Horta Barbosa um memorando
com esses argumentos, em 7 de janeiro de 1938,
o general Góis Monteiro, chefe do Estado-Maior,
imediatamente o reenviou ao secretário-geral
do Conselho de Segurança:

A indústria de refinação de óleo cru,


existente no Brasil em estado ainda
embrionário, começa a despertar in-
teresse às grandes empresas estran-
geiras, detentoras do monopólio co-
mercial de combustível líquido. [...] Na
expectativa do açambarcamento desta
indústria pelo ‘trust’ internacional, ain-
da porque jazidas de petróleo podem
ser descobertas em nosso território,
julgamos de grande alcance para a so-
berania nacional que os departamen-
Construção da Destilaria Riograndense em Uruguaiana (RS), em 1937
tos responsáveis pela sua salvaguarda
meditem sobre tão relevante assun-
to, propondo ao Governo as medidas
acauteladoras que a situação impõe.86 de serviço, razão pela qual sugeria o envio de dicações de setores militares, e como tal foram
brasileiros ao Uruguai, Argentina, México e Bolí- por ele encaminhadas ao CFCE (Conselho Fe-
Tendo por base a experiência de outros países via para o estudo das organizações petrolíferas deral do Comércio Exterior) para avaliação do
latino-americanos, o documento endossado destes países. O memorando fazia ainda uma problema da nacionalização da indústria do
pelo general Góis, além de enfatizar a impor- declaração de fé estatista-nacionalista: óleo cru ou do seu monopólio pelo Estado. Ime-
tância estratégica do petróleo, defendia a im- diatamente, Barbosa Carneiro (diretor-executi-
portância da indústria de refinação, principal- [...] se o Estado chama a si o monopólio vo do CFCE) sugeriu a criação de uma comis-
mente tendo em vista que ainda não haviam de toda a atividade petrolífera, a exem- são sigilosa com a finalidade de promover um
sido descobertas jazidas petrolíferas no territó- plo da Argentina, México, Bolívia, Ja- profundo exame na questão do abastecimento
rio brasileiro. Apontava também para a impor- pão, Uruguai e outras nações, dentro de nacional de combustíveis líquidos. Nos traba-
tância de que essa indústria fosse totalmente um plano preestabelecido, terá então lhos da comissão, o geólogo Domingos Fleury
nacionalizada, mas com o cuidado de evitar a cumprido com êxito um dos principais da Rocha, diretor do DNPM, destacou-se por
formação de trustes nacionais, o que encare- capítulos do plano de reorganização ser o mais familiarizado com a matéria, tendo
ceria o preço de combustíveis e lubrificantes. econômica nacionalista. participado diretamente da redação do projeto
Além disso, era ressaltada a importância da for- dos códigos de Minas e de Águas, em 1934. Esta
mação de técnicos para a exploração geológica Rapidamente essas propostas chegaram às experiência o credenciava a dar forma legislati-
e industrial e para a administração deste tipo mãos do presidente Vargas, vistas como reivin- va às ideias de Horta Barbosa.

86. HORTA BARBOSA (1881-1965) [Arquivo HB]. Correspondência enviada pelo chefe do Estado-Maior do Exército ao secretário geral do Conselho
Superior de Segurança Nacional em 7 de janeiro de 1938. Rio de Janeiro, FGV, CPDOC. Arq. Horta Barbosa, HB vp 1936.11.17, doc. 8, p. 1.
56 Petróleo e Estado

FGV/CPDOC - Arquivo Horta Barbosa

Membros do CNP em visita ao Uruguai, em março de 1939

Tornou-se básico o entendimento de que, para de petróleo e derivados. Para que este controle priedade, transporte, importação de óleo
qualquer esforço voltado à estruturação do se- se fizesse eficaz, tornava-se necessário: cru e comercialização;
tor de petróleo, devia-se partir da constatação
de que o Brasil não era ainda um país produ-  que as refinarias privadas brasileiras fossem  que os preços dos subprodutos do petróleo
tor,87 descartando-se, assim, qualquer tentati- protegidas dos trustes estrangeiros (o capi- fossem definidos de maneira uniforme em todo
va de completa estatização. A proximidade da tal estrangeiro deveria ficar restrito aos se- o território nacional, “mediante a consolidação
guerra e a preocupação com os transtornos que tores de importação e distribuição) e o con- de todas as taxas internas numa única taxa fe-
ela provocaria no abastecimento mundial de sumidor nacional fosse protegido da ação deral fácil de arrecadar: o imposto único”.88
combustíveis também estiveram presentes ao dos capitalistas nacionais;
longo dos debates travados na Comissão, con- Essas diretrizes não apenas orientaram uma série
ferindo urgência à questão do petróleo.   que a indústria do petróleo fosse imple- de projetos, sucessivamente transformados em de-
mentada de acordo com um planejamento cretos-lei que viriam a estruturar o setor, como tam-
A comissão especial do CFCE considerava abso- do Estado, a quem caberia especificar e bém serviram de norte para a criação do Conselho
lutamente necessário o estabelecimento de forte aprovar os itens sobre a produção, controle Nacional do Petróleo, que teve como seu primeiro
controle sobre o refino, transporte e distribuição de qualidade, instalações, localização, pro- presidente, de 1938 a 1943, o general Horta Barbosa.

87. WIRTH, 1973, p. 125.


88. Id., p.126.
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 57

Um marco da entrada do Estado no setor de petróleo


“Das jazidas de petróleo e gases naturais”. Um

Agêncio O Globo
capítulo com esse nome, acrescido ao Código
de Minas de 1934, preparava o arcabouço legal
para a atuação do novo órgão que seria cria-
do especialmente com esse foco. O acréscimo
foi determinado pelo Decreto-Lei nº 366, de
11/04/1938, pelo qual o governo Vargas pro-
clamava não reconhecer o domínio privado de
particulares sobre jazidas de petróleo e gases
naturais, que, quando descobertas, passariam
ao domínio dos estados ou da União. Esse ato,
marcando a entrada definitiva do Estado nas
questões ligadas ao petróleo, precisava ainda
ganhar corpo com a configuração das diretrizes
para o setor e com a criação do CNP – Conselho
Nacional do Petróleo.

O general Góis Monteiro em entrevista ao Repórter Esso, em abril de 1937


Em sessão secreta realizada no Palácio do Itama-
raty, no dia 29 de abril, o relatório da comissão
especial foi apresentado ao plenário do CFCE e “Assinarei de bom grado, se isso é o que você real-
Em 1938, o
aprovado por unanimidade, embora muitos mem- mente deseja”, disse-lhe o presidente. Góis fez ain-
bros hesitassem, por estarem tomando contato da uma última apologia da medida, ­despediu-se governo Vargas
pela primeira vez com a minuta do novo decreto de Vargas e pegou o avião de volta.89 Já no Rio, criou o CNP e
que seria sancionado naquele mesmo dia, defi- encarregou Horta Barbosa de levar pessoalmente
marcou a entrada
nindo a nova orientação a ser dada à política dos o Decreto-Lei nº 395 ao Diário Oficial, a fim de ga-
combustíveis derivados do petróleo. rantir que a publicação se desse de modo seguro definitiva do
e secreto. As máquinas estavam à espera.90 Estado nas
Como o presidente estava em São Lourenço, MG,
questões ligadas
um avião militar foi imediatamente despachado Publicado na edição do dia 1º de maio, o novo decre-
para levar-lhe os documentos. Getúlio folheou, to-lei declarava de utilidade pública o abastecimen- ao petróleo.
mandou vir seu chefe do Estado-Maior. O gene- to nacional de petróleo (“a produção, a importação,
ral Góis Monteiro, que até então não havia lido o o transporte, a distribuição e o comércio de petróleo
dossiê, pediu que Horta lhe explicasse os princi- bruto e seus derivados, e bem assim a refinação de
pais aspectos antes de embarcar no avião para o petróleo importado ou de produção nacional, qual-
encontro com Vargas. quer que seja neste caso a sua fonte de extração”).

89. WIRTH, 1973, p. 127.


90. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 85.
58 Petróleo e Estado

No artigo 2º, estabelecia como competências nha, Fazenda, Agricultura, Viação e Obras Pú-  4.627, de 27/08/1942: regulamentou a im-
exclusivas do Governo Federal: blicas, Trabalho, Indústria e Comércio, assim portação a granel dos produtos de petróleo
como as organizações de classe da Indústria e e seus derivados.
I, autorizar, regular e controlar a im- do Comércio”.91
portação, a exportação, o transpor- Assim, se as leis criadas em 1938 tinham objeti-
te, inclusive a construção de oleodu- Criado o CNP, era preciso agora definir a sua vos de longo prazo, visando à autossuficiência e
tos, a distribuição e o comércio de estrutura interna e, em seguida, complemen- à independência econômica, as que vieram de-
petróleo e seus derivados, no terri- tar a legislação básica que daria respaldo à sua pois expressaram o exercício dos novos pode-
tório nacional; atuação. Nesse sentido, merecem destaque os res reguladores desempenhados pelo Conselho
seguintes decretos-leis:92 Nacional do Petróleo.
II, autorizar a instalação de quais-
quer refinarias ou depósitos, de-  538, de 07/07/1938: estruturou o CNP e defi-
cidindo de sua localização, assim niu suas atribuições, voltadas para a coorde-
como da capacidade de produção nação, execução e supervisão do conjunto Novos poderes
das refinarias, natureza e qualidade de empreendimentos que envolvessem as reguladores
dos produtos refinados; atividades vinculadas ao refino do petróleo.
foram atribuídos
III, estabelecer, sempre que julgar  938, de 08/12/1938: submeteu o funciona- ao CNP
conveniente, na defesa dos interesses mento das sociedades constituídas para fins nas leis criadas
da economia nacional e cercando a de mineração à autorização do Governo.
depois de 1938.
indústria de refinação de petróleo de
garantias capazes de assegurar-Ihe  4.071, de 12/05/1939: colocou o abasteci-
êxito, os limites, máximo e mínimo, mento nacional de petróleo sob o controle
dos preços de venda dos produtos do CNP.
refinados (...) tendo em vista, tanto
quanto possível, a sua uniformidade  3.236, de 07/05/1941: determinou que a pro-
em todo o território da República. priedade das jazidas de petróleo e gases na-
turais, sem exceção, passasse a pertencer à
No artigo 3º, determinava a nacionalização da União.
indústria de refinação do petróleo importado
ou de produção nacional.  4.292, de 07/06/1942: regulou o abasteci-
mento e consumo de petróleo e seus deri-
E, no artigo 4º, criava o Conselho Nacional do vados, definindo para o CNP a devida com-
Petróleo (CNP), “constituído de brasileiros na- petência para expedir recomendações e
tos, designados pelo Presidente da República, instruções às autoridades públicas (federais,
representando os Ministérios da Guerra, Mari- estaduais e municipais).

91. Em 1941, com a criação do Ministério da Aeronáutica, a nova pasta militar passou a integrar o CNP, no lugar do Ministério do Trabalho,
Indústria e Comércio.
92. MARINHO JUNIOR, Ilmar Penna. Petróleo, soberania & desenvolvimento. Rio de Janeiro: Bloch, 1970. p. 349-350.
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 59

Manchete do Jornal do Brasil, em 11 de novembro de 1937, elogia o discurso de Vargas pelo Estado Novo
60 Petróleo e Estado

Estrutura e funcionamento
Com a participação de representantes das or- Quanto ao funcionamento do CNP, para que são Econômica cabia, entre outras atribuições, o
ganizações de classe da indústria e do comércio determinado assunto fosse colocado na pauta controle da importação, exportação, transporte,
no CNP, ao lado dos representantes de órgãos das reuniões era preciso que houvesse uma re- distribuição e comércio do petróleo e seus deri-
do governo, o Estado reconhecia formalmente comendação dos técnicos. Isso significava dizer vados, o processamento das concessões relati-
a cooperação com a iniciativa privada e, por que, além dos estudos, análises e pareceres, era vas ao abastecimento nacional desses produtos,
meio dela, procurava a adesão do setor privado necessário também que houvesse alguma arti- o levantamento dos estoques existentes e o es-
brasileiro à luta contra os trustes estrangeiros. culação, já que a questão petróleo continuava tabelecimento dos estoques mínimos de petró-
Indicados como relatores das investigações, es- a envolver um forte coeficiente político. Assim, leo e seus derivados.
tes representantes classistas teriam uma atua- por exemplo, se os representantes das Forças
ção apenas consultiva. Armadas geralmente atuavam de forma coesa,
o do Ministério da Agricultura e os representan-
Os conselheiros eram investidos em caráter de tes da indústria e do comércio costumavam ter O Estado reconhecia
comissão pelo prazo de três anos, embora pu- posicionamentos discordantes. Assim, as reuni-
dessem ser substituídos ou reconduzidos, con- ões plenárias exigiam do presidente do Conse-
formalmente
forme o caso. As reuniões deveriam acontecer lho uma boa dose de habilidade na condução a cooperação com
regularmente, uma vez por semana, em sessões das discussões, de modo a garantir a aprova- a iniciativa
ordinárias, ou em caráter extraordinário, sem- ção das decisões. Caso contrário, um assunto
pre que o presidente do órgão as convocasse. poderia ser postergado para a reunião seguin-
privada e, por
te, de modo a permanecer em pauta, mas sem meio dela,
Na solenidade de instalação, em 12 de setembro chegar a ser resolvido. Segundo depoimento de procurava adesão
de 1938, no Palácio Tiradentes, Rio de Janeiro, Antônio Seabra Moggi, que entrou para o CNP
o discurso do general Horta Barbosa deu o tom em 1947, esses procedimentos faziam com que
à luta contra os
que seria seguido nas sessões do CNP: o organismo não tivesse a agilidade necessária trustes estrangeiros.
para dar conta do conjunto de atividades rela-
A amplitude de ação que lhe foi con- cionadas com o petróleo.93
ferida para solução de problemas in-
timamente ligados à prosperidade As atividades do CNP eram executadas pela
econômica do Brasil e à sua indepen- Divisão Técnica, pela Divisão Econômica e pela A criação do CNP, que nasceu diretamente subor-
dência política assinala bem a mag- Divisão Administrativa. O principal objetivo da dinado à Presidência da República, se processou
nitude de nossos encargos e revela Divisão Técnica era executar os trabalhos de à margem do Departamento Administrativo do
quão subida foi a honra com que nos pesquisa, lavra e industrialização das jazidas de Serviço Público (DASP), responsável pela padro-
distinguiu o Exmo. Chefe do Governo, petróleo e gases naturais no território nacional, nização no serviço público, pelos concursos para
designando-nos para tão difícil quão e também incentivar o estudo das jazidas de ro- seleção de funcionários e (a partir de 1939) pela
importante investidura. chas betuminosas e pirobetuminosas. Já à Divi- elaboração do orçamento do Governo Federal.

93. MOGGI, Antonio. Antonio Seabra Moggi: depoimento [1988]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 1992. Programa de História Oral. p.50-53.
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 61

FGV/CPDOC - Arquivo Horta Barbosa


O general Horta Barbosa, presidente do CNP, no gabinete de Vargas, em 1939

Estes dois fatores teriam gerado uma situa- determinado pela situação de conflito mun- cial-de-gabinete do general Horta Barbosa
ção de “estranhamento” por parte dos téc- dial. Por um lado, o CNP pleiteava uma cer- no CNP, nessas circunstâncias o Presidente da
nicos do DASP, possivelmente alimentados ta liberdade na aplicação dos recursos e na República mandava ouvir o DASP, que opina-
pela concepção de Horta Barbosa de que o contratação do pessoal; e o DASP respondia va contra. Em seguida, o presidente mandava
CNP deveria ser uma organização paramilitar, que o Conselho era sujeito às mesmas regula- voltar ao CNP, que rebatia os argumentos do
criada para adequar o fornecimento de com- mentações das demais repartições públicas. DASP. Depois disso, Getúlio Vargas aprovava
bustíveis às necessidades do País, no cenário Como conta Alcy Demillicamps, que foi ofi- os expedientes do Conselho. 94

94. DEMILLICAMPS, Alcy. Alcy Demillicamps: depoimento [1987]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC; Petrobras, SERCOM, 1988. (Projeto Memória
da Petrobras). p. 7
62 Petróleo e Estado

Horta Barbosa e comitiva do CNP em visita à Argentina, em abril de 1939


Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 63

A questão do Imposto Único


Uma das grandes preocupações de Horta Bar- A proposta do imposto único, discutida na Após mais de um ano de intensos debates, Ge-
bosa nestes primeiros anos de atuação do CNP mesma época da polêmica provocada pelo túlio Vargas assinou o Decreto-Lei nº 2.615, de 21
era disciplinar as tributações relativas ao setor projeto de estatização do refino, sofreu a de setembro de 1940, criando o imposto único
de petróleo. Para isso, encaminhou ao presi- oposição do governo do estado do Rio de federal sobre os combustíveis líquidos e lubrifi-
dente Vargas um projeto de decreto-lei que Janeiro, dos produtores nacionais e das cantes minerais importados e produzidos no País,
estabelecia preços uniformes para os produ- grandes companhias, sem falar de Monteiro estabelecendo um Fundo Rodoviário e definindo
tos derivados de petróleo em todo o território Lobato, que ridicularizava o imposto único, o CNP como orientador fiscal do rateio das cotas
nacional, mediante a consolidação de todas as dizendo “que cobrava impostos sobre o que do tributo relativo ao consumo local.97
taxas existentes em uma única taxa federal. ainda não existia”. 95
Com base na experiência da estatal argentina Os estados e municípios, porém, se sentiram
Yacimientos Petrolíferos Fiscales (YPF) e no co- prejudicados, conforme o próprio presidente
nhecimento adquirido pessoalmente no interior Vargas assinala em seu diário no dia 25 de se-
brasileiro, durante sua experiência como militar,
O Decreto-Lei tembro de 1940:
Horta Barbosa acreditava que esta medida po- do Imposto Único
deria ser importante como fator de desenvolvi- criou condições [...] A Lei do Imposto Único sobre o Pe-
mento e de integração nacional. tróleo está provocando reclamações
fiscais favoráveis dos estados, porque reduz suas fontes
A consolidação de todas as taxas incidentes à instalação de recursos, bem como dos municípios,
sobre o petróleo e seus derivados (cerca de 35 de refinarias que viviam todos das variadas taxações
diferentes tributos) em um único imposto, de deste produto.98
arrecadação federal, possibilitaria que a União
no País.
empregasse parte do arrecadado na construção Poucos percebiam, até então, uma outra grande
de novas estradas, permitindo a melhor ligação vantagem do novo decreto-lei: ao fixar valores di-
com o interior, e, por extensão, forçando a práti- Além disso, dentro do próprio governo, o pro- ferenciados de taxação para o petróleo importa-
ca de preços menos elevados. Além de garantir a jeto do CNP conseguiu apoio apenas dos mi- do e para o nacional – que pagaria como imposto
manutenção da receita e a possibilidade de esti- nistros das Relações Exteriores e do Trabalho, de consumo o correspondente a 75% do que as
pular preços-padrão tendo como base os portos Indústria e Comércio. Já o ministro da Fazen- distribuidoras pagavam pela importação do pro-
de entrada, o projeto beneficiaria os consumi- da, Souza Costa, embora não fizesse objeção duto – o CNP promovia, na prática, o surgimento
dores do interior com preços mais baixos e as ao Imposto Único, decidiu aumentar as tarifas de condições fiscais favoráveis à instalação de re-
companhias distribuidoras estrangeiras ficariam federais sobre o petróleo enquanto o projeto finarias no País, uma vez que se estabelecia um
liberadas de complexas manobras contábeis. do CNP ainda tramitava.96 incentivo fiscal de 25%.99

95. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 88.


96. WIRTH, 1973, p. 133.
97. BRASIL. Decreto-lei nº 2.615, de 21 de setembro de 1940. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 21 set. 1940.
98. VARGAS, Getúlio. Diário. São Paulo: Siciliano; Rio de Janeiro: Fundação Getúlio Vargas, 1995. Apresentação de Celina Vargas do Amaral
Peixoto. v.II, p. 340.
99. COHN, 1968, p. 62.
64 Petróleo e Estado
Fundação Pró-Memória São Caetano do Sul

O crescente parque industrial brasileiro na década de 1940 exigia quantidades maiores de energia. Na imagem, as Indústrias Reunidas F. Matarazzo, em São Paulo.
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 65

A questão do refino
O temor de que o refino ficasse sob o controle das ploração. As experiências do México, Argentina e de disparidade entre as tarifas sobre o petróleo cru
companhias estrangeiras fez com que o general Hor- Uruguai, em especial, serviram de base para essa e sobre os produtos refinados, podendo-se esperar,
ta Barbosa, desde o início de seu envolvimento com convicção. Horta Barbosa visitou esses três países portanto, lucros expressivos na operação. Em pouco
a questão do petróleo, elegesse este setor como um e voltou ao Brasil totalmente convencido da im- tempo, multiplicaram-se os projetos e propostas para
dos pontos mais importantes a serem examinados. portância do controle do Estado também sobre instalações de refinarias, muitos deles envolvendo o
o refino. Em relatório apresentado a Vargas, ele capital estrangeiro. Horta acreditava que esses pla-
O País possuía apenas três refinarias em seu terri- reivindicou mais recursos e a concessão de pode- nos poderiam ser uma porta dos fundos para a entra-
tório no final da década de 1930. Duas ficavam no res ainda maiores para o CNP. Era sua intenção da das companhias de petróleo estrangeiras.103
Rio Grande do Sul: a Destilaria Rio-Grandense de concentrar sob a orientação do Conselho todas as
Petróleo S.A., em Uruguaiana, fundada em 1934, e atividades relativas ao petróleo e seus derivados.
a Companhia Brasileira de Petróleos Rio Grande, Como o Brasil ainda não produzia petróleo, nada
Para o presidente
da Ipiranga S.A., fundada em 1937, em Rio Grande, mais natural que Horta Barbosa se empenhasse
ambas associadas a grupos uruguaios e argen- inicialmente na luta pelo refino, o que não significa do CNP, eram
tinos. A terceira funcionava em São Caetano, nas dizer que ele não se preocupava com a produção. ‘evidentes’ as
proximidades da cidade de São Paulo: era a refina- Pelo contrário, esta preocupação esteve sempre
vantagens da
ria das Indústrias Reunidas F. Matarazzo S.A. (IMÊ), presente e tornou-se mesmo um diferencial em
fundada em 1936, resultado da associação do Gru- relação aos demais países latino-americanos.101 indústria estatal
po Matarazzo com capitais italianos, e voltada ex- de refinação
clusivamente ao abastecimento das empresas do Se, nos primeiros tempos, Horta Barbosa admitia que
sob monopólio.
grupo. Juntas, as três refinarias processavam ape- a atividade de refino fosse desenvolvida pelo capital
nas 1.650 barris de petróleo bruto por dia. Há ainda nacional – privado ou público –, a viagem à região
informações sobre uma quarta refinaria, a Refinaria do Prata foi sem dúvida um marco para que ele mu-
Brasileira de Petróleo S.A., também localizada em dasse de ponto de vista. Em seu relatório a Vargas, O fato é que os governos dos estados de São
São Paulo, que teria encerrado suas atividades em o presidente do CNP afirmou taxativamente “que Paulo, Bahia e Rio de Janeiro tinham, cada qual,
1941 por dificuldades na obtenção de óleo cru.100 eram ‘evidentes’ as vantagens da indústria estatal a sua moderna unidade de craqueamento nas
de refinação sob monopólio”.102 O refino era o único pranchetas de desenho.104 No caso do Rio de
A priorização do setor de refino decorria do en- setor da indústria do petróleo que atraía o capital na- Janeiro, estado governado por Ernâni Amaral
tendimento de que, a partir dele, seria mais fácil cional, principalmente a partir de meados da década Peixoto, genro do presidente, as negociações
chegar-se ao setor de produção, percorrendo-se de 1930, quando a economia brasileira experimentou com um grupo estrangeiro visando à implanta-
às avessas um caminho de integração das fases franca recuperação. Como a taxação imposta pelo ção, em Niterói, de uma refinaria projetada para
produtivas. Os lucros obtidos com o refino po- governo aos produtos nacionais era bem inferior à produzir quatro mil barris/dia acabaram geran-
deriam ser empregados no financiamento da ex- dos similares importados, criava-se assim uma gran- do um desentendimento com Horta Barbosa.105

100. WIRTH, 1973, p. 119; DIAS; QUAGLINO, 1993, p.60.


101. MARINHO JUNIOR, I., 1970, p.351.
102. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 62-63.
103. WIRTH, 1973, p. 131-132.
104. Id., 1973, p.119.
105. ERNANI [DO] AMARAL PEIXOTO (1905-1989) [Arquivo EAP]. Dossiê EAP int 1938.08.00. FGV-CPDOC, Arq. EAP.
66 Petróleo e Estado

Os primeiros passos foram dados em 1938, quan- palmente por envolver o genro de Vargas. A refi- ria deixado expirar o pedido de autorização do em-
do a firma Murray-Simonsen fez os estudos pre- naria projetada para Salvador foi a primeira a ser préstimo por parte dos empresários brasileiros.108
liminares, contratando em seguida técnicos da descartada, em meados de 1939, após exame dos
empresa americana Foster Wheeller. A proposta técnicos do CNP. Neste caso, Horta Barbosa se Outro fato importante nesse momento eram as ne-
formulada pela Murray-Simonsen ao governo flu- empenhou pessoalmente e conseguiu convencer gociações entre o Brasil e a Bolívia, que vinham-se
minense, segundo depoimento do próprio Amaral o interventor Landulfo Alves de que as negocia- protelando desde antes da criação do CNP. Afinal,
Peixoto, foi a seguinte: ções para a construção da refinaria baseavam-se até este momento, o petróleo ainda não havia sido
na mesma estratégia desenvolvida pelo governo descoberto no País, e o sonho de se ter uma indús-
[...] eles construiriam a refinaria em Ni- paulista: desistir do negócio. tria petrolífera parecia ficar restrito às refinarias.
terói, explorariam durante cinco anos,
com assistência do governo do estado, Em 25 de novembro de 1937, os dois países assi-
que teria participação nos lucros. No fim naram um protocolo estabelecendo a construção,
O petróleo ainda
de cinco anos eles entregariam todo o pelo Brasil, de uma estrada de ferro entre Santa
material ao governo do estado do Rio. não havia sido Cruz de la Sierra e Corumbá, em troca de conces-
Eles seriam associados do governo do descoberto sões nos campos petrolíferos bolivianos e de pa-
estado, e toda a compra de óleo e a distri- gamento em petróleo cru.109 As notas então assi-
no País, e o sonho
buição seriam fiscalizadas em sociedade, nadas só foram ratificadas em 1938, no chamado
entre eles e o governo do estado do Rio.106 de se ter uma Acordo de Roboré. Derrotada pelo Paraguai na
indústria petrolífera guerra do Chaco (1932-1935), a Bolívia procurava
Horta Barbosa reagiu de forma negativa à pro- garantir suas fronteiras e desenvolver seus campos
parecia restrito às
posta, baseado em argumentos técnicos. Outro petrolíferos. Já o Brasil tinha interesse em contar
motivo do veto foi a questão da localização: para refinarias. com o petróleo do país vizinho, não apenas para se
ele, a instalação da refinaria na enseada de São resguardar em termos de defesa, mas como forma
Lourenço não atendia às condições estabelecidas de reduzir a influência argentina na Bolívia, espe-
pelo Estado-Maior do Exército. O projeto da refinaria em São Paulo, orçado em cialmente forte na província de Oriente.
dois milhões de dólares, tinha como financiadores
As negociações não avançaram. Segundo a ava- o Banco de São Paulo e Roberto Simonsen, pre- Mesmo sofrendo pressão da Argentina para não
liação de Amaral Peixoto, o estado do Rio perdera sidente da poderosa Federação das Indústrias do ratificar o tratado com o Brasil, o governo de La
uma oportunidade única, pois “se tivéssemos fei- Estado de São Paulo (Fiesp) e membro do CFCE. Paz acabou concordando com a exploração do
to isso quando a guerra começou, nós estaríamos petróleo por companhias mistas brasileiro-boli-
com a refinaria funcionando. [Mas] enquanto es- A unidade deveria produzir cerca de seis mil barris/ vianas, embora exigisse que o governo brasilei-
távamos discutindo isso, rebentou a guerra. Aí era dia. Tanto Simonsen quanto o banco consideraram ro criasse uma companhia oficial destinada ao
inútil qualquer tentativa”.107 os lucros inicialmente previstos insuficientes e de- transporte, processamento e comercialização
sistiram do projeto. Para Wirth, por trás desta de- do petróleo boliviano no Brasil. Exigiu, da mes-
O caso do projeto da refinaria de Niterói foi o sistência estava a pressão feita pelas companhias ma forma, que as companhias privadas fossem
mais polêmico e o que mais se prolongou, princi- petrolíferas americanas sobre o Eximbank, que te- mantidas à parte do processo, por receio de que

106. PEIXOTO, E., 1985, v. I, p.341-343.


107. PEIXOTO, E., 1985, loc. cit.
108. WIRTH, 1973, p. 133.
109. VARGAS, 1995, v. II, p.77, 2001, v. 5, p. 5.927.
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 67

FGV/CPDOC - Arquivo Getúlio Vargas


Horta Barbosa
encaminhou a Vargas
projeto de decreto-lei
propondo que tudo o
que se relacionasse com
a indústria do refino
fosse revertido à União.

a Standard Oil pudesse de algum modo recupe-


rar os campos petrolíferos bolivianos, que tinham
sido expropriados pela YPFB.

Assim, pressionado pelo tempo e pelas propos-


Getúlio Vargas com o embaixador da Bolívia, David Alvestegui, no Palácio do Catete (RJ), em outubro de 1944
tas de novas refinarias que, muitas vezes, traziam
o empresário nacional associado às empresas es-
trangeiras, Horta Barbosa encaminhou a Vargas que melhor consultava os interesses nacionais”,110 do CSN, em março de 1942, dizia textualmente: “A
projeto de decreto-lei propondo que tudo aquilo desconsiderando assim o capital privado nacional solução que melhor atenderia aos interesses na-
que se relacionasse com a indústria do refino – ter- e os governos estaduais, em uma menção implícita cionais seria a instituição da indústria de destila-
renos, prédios, máquinas e veículos – fosse rever- aos projetos apresentados pelos governos de São ção do petróleo, em princípio, como monopólio da
tido à União. A divulgação deste projeto provocou Paulo, Bahia e Rio de Janeiro. A grande vantagem União”.113 Vargas, porém, mais uma vez não se defi-
grande reação, não apenas por parte das empresas do novo projeto era apresentar o Estado como par- niu quanto à solução da questão, preferindo enca-
estrangeiras que atuavam no setor, mas também te neutra, o que permitiria um controle efetivo so- minhar o projeto de lei ao DASP, que, como era de
de segmentos da burocracia estatal. As dificulda- bre os preços.111 Outra vantagem era o fato de que se esperar, fez várias restrições, e o documento foi
des surgidas se traduziram na demora da aprova- os lucros elevados obtidos com o monopólio do mais uma vez devolvido para o CNP, para estudos.
ção do projeto do CNP, trazendo à tona os limites refino poderiam ser investidos no setor de explo-
da força do órgão e de seu presidente – apesar do ração, suprindo assim a deficiência de recursos, o A entrada do Brasil na Segunda Guerra Mundial al-
apoio de Vargas. que também significava, de certo modo, contornar terou as prioridades e a linha de ação do CNP. Nessa
o controle orçamentário definido pelo DASP. nova conjuntura, o órgão se viu obrigado a transferir
Em julho de 1941, o CNP submeteu a Vargas re- suas atenções para questões mais pontuais decor-
solução propondo que o refino do petróleo fosse Por determinação do Presidente da República, o rentes do conflito, como racionamento, estocagem
exercido exclusivamente pela União. Essa medida projeto foi encaminhado ao Conselho de Segu- e distribuição, deixando em segundo plano a consti-
era justificada por Horta Barbosa como a “solução rança Nacional e por este analisado.112 O parecer tuição do monopólio estatal no setor de refino.

110. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Ofício nº 2.664, de 10 de julho de 1941. Relatório de 1942, CNP, Brasília, 1942.
111. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 64.
112. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de 1942, Brasília, p. 26.
113. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Ofício nº 1.238, de 9 de março de 1942. Relatório de 1942, CNP, Brasília, 1942.
68 Petróleo e Estado
Capítulo 4 - Anos de estruturação e fortalecimento 69

Acervo Refinária Riograndense


Vista aérea de Destilaria de Petróleo Riograndense, uma das primeiras refinarias de petróleo do país
70 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 5

A DESCOBERTA EM LOBATO
Finalmente jorrou petróleo!
Estadão Conteúdo

grama exploratório destinado à comprovação


da capacidade comercial do poço de Lobato. A
médio prazo, eles já anteviam também a criação
de uma companhia destinada exclusivamente à
exploração do petróleo no Recôncavo Baiano.
Formado em 1938 com capitais de Guinle e da
empresa paulista Murray-Simonsen, o empre-
endimento de Oscar Cordeiro contratou, de
imediato, o norte-americano J.E. Brantley, da
O jornal O Estado de S. Paulo destacou a descoberta de petróleo na Bahia em sua capa de 25 de janeiro de 1939 empresa Drilling Exploration Company.114

Em fins de 1937, a insistência de Glycon de


O fato de se priorizar o refino não descartava a Os acontecimentos que promoveriam novo im- Paiva e de Irnack do Amaral junto à direção
pesquisa. Mas as dificuldades eram muitas, como pulso ao setor, no entanto, haviam começado do DNPM começou a surtir algum efeito. Eles
apontou o engenheiro geofísico Irnack Carvalho a se delinear um pouco antes da criação do argumentavam que o órgão vinha desperdi-
do Amaral, em exposição sobre as condições en- CNP. Ainda em 1936 foi realizado um primeiro çando recursos com explorações aleatórias,
contradas pelo CNP ao iniciar suas atividades. levantamento mais rigoroso na Bahia (embora enquanto deveria estar contratando perfura-
Como engenheiro-chefe da equipe de prospec- ainda precário), reunindo o químico Sílvio Fróes ções por metro ou oferecendo percentagem
ção da Divisão de Fomento da Produção Mineral Abreu, Irnack Carvalho do Amaral e o geólogo na produção dos campos que porventura
do DNPM, ele conhecia de longa data o problema Glycon de Paiva Teixeira, também funcionário fossem localizados. Defendendo a moderni-
da escassez de recursos, que limitava as ações do do DNPM. Impressionados com as amostras de zação do processo, os dois técnicos insistiam
órgão e a formação de seus técnicos dentro do petróleo fornecidas pelo empresário Oscar Cor- na necessidade de novos equipamentos e de
padrão desejado. O CNP era herdeiro das funções deiro, e tendo conseguido o financiamento do geólogos adaptados à tecnologia mais avan-
exercidas pelo DNPM e também dos problemas banqueiro carioca Guilherme Guinle, o grupo çada da época. Como isso tudo exigia tempo,
enfrentados pelos órgãos públicos, o que, no licenciou-se de suas funções públicas e viajou a solução de curto prazo seria contratar firmas
caso, se tornava mais grave em função do seu re- para aquele estado. Esta viagem de estudos estrangeiras especializadas para os estudos
lacionamento delicado com o DASP. teve como resultado a elaboração de um pro- geofísicos e os trabalhos de perfuração.

114. WIRTH, 1973, p. 123.


Capítulo 5 - A descoberta em Lobato 71

Agência Petrobras
Em abril de 1938, o ministro da Agricultura Fer-
nando de Sousa Costa deu sinais de aceitação
das sugestões, autorizando Irnack do Amaral a
fazer um levantamento de preços de empresas
perfuradoras em Nova York, ao mesmo tempo
em que solicitava a Glycon de Paiva um pla-
no trienal para o desenvolvimento do setor de
petróleo.115 Esse plano, contudo, foi um pouco
além, propondo a criação de um novo órgão, o
Serviço de Pesquisa do Petróleo. Entretanto a
ideia não iria adiante, porque naquele mesmo
mês estava sendo criado o CNP.

Quando foram transferidos do Ministério da Agri-


cultura para o CNP o pessoal e o material de pes-
quisa e lavra de petróleo e gases naturais, esta-
vam em andamento pesquisas nas localidades
de Moa (território do Acre), Monte Alegre (PA),
Bongi (PE), Ponta Verde (AL), Lobato e Camaçari
(ambas na Bahia). A primeira grande responsa-
bilidade assumida pelo CNP no campo da explo-
ração de petróleo foi, sem dúvida, concretizar as
esperanças despertadas com as descobertas em
Lobato, promovidas pelo DNPM.

No dia 21 de janeiro de 1939, finalmente, foi en-


contrado óleo no poço de número 163. Entre 23
de janeiro e 1º de fevereiro, a produção acumulada
rendeu 1.000 litros – cerca de 110 por dia –, tendo
sido enviados 600 para o laboratório do DNPM.
Foram distribuídos 400 litros ao povo que se pre-
cipitava para a região. A notícia alvissareira foi de-
vidamente registrada no diário de Getúlio Vargas:

Foi descoberto petróleo na Bahia. Esta


é a grande notícia do dia. Seguiram
funcionários conhecedores da matéria
para verificar. [24/jan./1939].116 Oscar Cordeiro tira o chapéu diante do poço de Lobato (BA), em 1938. O empresário repetiria o gesto diversas vezes

115. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 34.


116. VARGAS, G.,1995, v.II, p. 195, 282.
72 Petróleo e Estado

Agência Petrobras

a menor indenização, nem sequer das


despesas que fiz durante tanto tempo
para que o Brasil tivesse petróleo. E fui
corrido do Lobato! Fui expulso do meu
campo! E como não encontrassem
fundamento para me submeter ao Tri-
bunal de Segurança, o governo demi-
tiu-me da presidência da Bolsa de Mer-
cadorias, instituição por mim fundada
e da qual fui organizador e o presiden-
te durante doze anos. E, depois de ar-
rancarem todas as placas que havia no
escritório, nos depósitos e na sonda do
meu campo de Lobato, ergueram ali
um obelisco com os seguintes dizeres:
“O Primeiro Campo onde Jorrou Petró-
leo no Brasil – Organização do Conse-
lho Nacional do Petróleo no Governo
do Dr. Getúlio Vargas”.119
Candeias (BA) foi um dos primeiros poços de petróleo comercialmente rentáveis do Brasil

De qualquer modo, as perfurações em Ponta Ver-


de (AL) e em Lobato (BA) foram reiniciadas pelo
A vazão do poço teve curta duração e Lobato petróleo e gases naturais.”118 A medida, proposta CNP em 1939, quando então as primitivas máqui-
logo se revelou subcomercial,117 mas Horta Babo- pelo CNP, teve imediata aceitação por parte do nas foram substituídas por perfuratrizes do tipo
sa decidiu incluir na jurisdição do CNP a pros- Presidente da República. rotary. A partir de 1940, foram intensificados os
pecção no Recôncavo Baiano e em todas as de- trabalhos em todos os setores (geologia, geofísi-
mais áreas possivelmente petrolíferas do País. Foi arrasador o impacto do novo decreto so- ca e perfuração), o que garantiu a descoberta de
Assim, foi expedido o decreto executivo nº 3.701, bre a iniciativa privada, em especial sobre o petróleo e gás nos campos de Joanes, Candeias
de 8 de fevereiro de 1939, que constituiu reserva empresário Oscar Cordeiro, como se pode ver (maio de 1941), Aratu (maio de 1941) e Itaparica
petrolífera nacional a área “delimitada por uma neste depoimento: (1942). Candeias tornou-se o primeiro campo de
circunferência de sessenta quilômetros de raio, petróleo comercialmente viável do Brasil.
tendo centro no poço número 163, sito em Lo- O prêmio que tive pela imensa traba-
bato, nos arredores da cidade do Salvador”. O lheira de anos de luta para a abertura Ao mesmo tempo em que impulsionava as per-
decreto estabelecia também que, dentro dessa do primeiro poço de petróleo no Brasil furações, o CNP iniciou estudos geológicos ao
área, não seriam outorgadas “autorizações de foi o decreto do Sr. Getúlio Vargas na- longo de toda a faixa litorânea que se estende da
pesquisa, nem concessões de lavra de jazidas de cionalizando as minas do Lobato, sem Baía de Todos os Santos, em Salvador, até a Foz

117. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 22.


118. PEREIRA, 1964 apud VARGAS, Getúlio. A política nacionalista do petróleo no Brasil. Rio de Janeiro: Tempo Brasileiro, 1964, p. 37.
119. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 106-107.
Capítulo 5 - A descoberta em Lobato 73

do rio Parnaíba, no Piauí. No Recôncavo, os es- EVOLUÇÃO DAS ÁREAS PRODUTORAS DO ESTADO DA BAHIA (1940-1942)
tudos se prolongariam até 1943. A partir de 1941,
foram feitos outros reconhecimentos geológicos, 1940 1941 1942
desta feita no estado de Mato Grosso, os quais
Lobato 2.089,12 barris 2.216,00 barris 261,00 barris
se estenderiam até 1943. Além destes estudos, o
Joanes 715,50 barris 6.886,91 barris
CNP realizou também intensa prospecção geofí-
Candeias 188,50 barris 10.037,37 barris
sica por métodos sísmicos na área que circunda
Maceió, assim como na área do contorno da Baía Aratu 13.556,61 barris

de Todos os Santos e suas ilhas. Itaparica 2.089,53 barris


Total 2.089,12 barris 3.120,00 barris 32.831,42 barris

A partir da
ritmo dos trabalhos, mas também compensar caberia ao governo Vargas definir uma política
descoberta em
a insuficiência de técnicos e equipamentos. para o setor. Uma política que englobasse não ape-
Lobato, caberia nas a questão do monopólio no refino, mas tam-
ao governo definir Dos seis poços abertos em Lobato entre 1939 e bém a definição dos preços de combustíveis, seu
1941, apenas dois foram produtores. Além disso, armazenamento e racionamento, questões que o
uma política
os dados relativos à produção destes poços antes andamento da guerra só tenderiam a agravar.
para o setor. de agosto de 1940 não foram registrados, embora
tenha havido produção por meio de bombeio. Des- Os dados acima nos permitem concluir que 1942,
tes dois poços, um foi paralisado em abril de 1942, em termos efetivos, foi o primeiro ano da produ-
No entanto, as dificuldades técnicas e práti- o que justifica a brusca queda dos números totais ção de petróleo no País. No entanto, o marco zero
cas ainda persistiam e eram de grande mon- da produção naquele ano. A perfuração do campo ficou sendo, para sempre, o momento em que
ta. Enquanto a formação da mão de obra não de Joanes foi terminada em 1942, e até este ano começou a jorrar petróleo no Recôncavo Baiano,
se resolvia – por demandar uma solução de eram três os poços produtores. Descoberto em celebrado no diário do presidente Vargas em 31
médio prazo – e o governo dava andamento a 1941, Candeias possuía até o início de 1943 cinco de dezembro de 1939 como acontecimento de
negociações externas para aquisição de equi- poços produtores. Aratu também foi descoberto destaque do ano:
pamentos modernos, o CNP viabilizou a con- em 1942, e até o início de 1943 possuía sete poços
tratação de empresas prestadoras de serviços, produtores, sendo três deles de óleo e gás, e qua- E assim terminou o ano de 1939, tão rico
fazendo uso da maior flexibilidade no manejo tro apenas de gás. Itaparica foi também descober- de acontecimentos importantes para o
de seus recursos. Foram firmados contratos to em 1942, possuindo quatro poços produtores. mundo e para o Brasil. Entre estes, a
com as firmas norte-americanas Drilling and Hora do Brasil anunciou a descoberta
Exploration Co., encarregada da perfuração A confirmação de óleo em Lobato acabou por des- de uma jazida de petróleo em Lobato,
dos poços, e a United Geophysical Company locar a questão do petróleo no Brasil do terreno da na Bahia, com uma produção diária su-
of Texas, o que permitiu não apenas acelerar o geologia para o plano político. A partir de então, perior a 100 litros. [31/dez./1939].120

120. VARGAS, G., 1995, v.II, p. 195, 282.


74 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 6

TEMPO DE CONFLITOS
O embate com a Standard Oil
O enfrentamento entre os adeptos do nacionalis- esse aspecto da proposta da Standard Oil, que se cada vez maior, dos combustíveis lí-
mo e as correntes favoráveis ao liberalismo eco- dispunha a formar uma companhia mista, consti- quidos pelo Estado, princípio em que
nômico – que envolvia o apoio à presença do ca- tuída por capitais estrangeiros e nacionais, se baseia toda a nossa legislação, pre-
pital estrangeiro nas atividades do petróleo – teve tende-se com o referido memorando
um episódio exemplar na posição inflexível do aqueles montando a mais da metade transferir a direção desse setor a uma
CNP diante das propostas da Standard Oil para a do capital social, que tomaria a seu car- empresa em que predominariam os ca-
construção de uma refinaria em Niterói.121 go a pesquisa, a perfuração de poços pitais estrangeiros e, em última análise,
e a produção comercial do petróleo, seria o próprio truste representado pela
Em 1940, a empresa norte-americana enviou a vá- custearia todas as despesas e concor- Standard Oil e a Royal Dutch Shell.123
rias autoridades um memorando em que reforçava reria com sua experiência técnica, rece-
a oferta feita em 1936, junto ao Governo do Esta- bendo, em troca, do Governo Brasilei- Alguns meses mais tarde, já em 1941, por ocasião
do do Rio de Janeiro, propondo, dessa vez, uma ro, uma percentagem em óleo cru que de nova investida da Standard Oil,124 Horta Barbo-
revisão da legislação “exclusivista” como condição obtivesse, com o direito de dispor livre- sa escreveu um novo ofício, agora dirigido a Getú-
fundamental para que o investimento feito por eles mente dele como da sua propriedade.122 lio Vargas, argumentando que a solução indicada
pudesse se dar em “uma base sólida”. A empresa a era ilegal, pois feria a legislação em vigor (Código
ser criada poderia ter participação do capital bra- A sugestão, por parte da empresa, de se alte- de Minas, art. 6º) e sua adoção significaria “torcer
sileiro, desde que a Standard Oil Company of Brazil rar a legislação sobre o petróleo, inclusive com o rumo de nossa política do petróleo, abando-
do Brasil mantivesse o controle majoritário, com uma emenda constitucional, deu ao presidente nando a orientação nacionalista que em boa hora
liberdade de atuar em todas as fases do negócio. do CNP a oportunidade para que mais uma vez adotamos e que está em harmonia com a das de-
Em contrapartida pela construção da refinaria de reafirmar, no ofício ao chefe do Estado-Maior, mais nações da América do Sul”.125
Niterói, a empresa pretendia receber algumas con- a inexequibilidade e ilegalidade de propostas
cessões nas bacias do Amazonas e do Paraná. como estas: Até então, o CNP vinha conseguindo bloquear
as investidas do capital estrangeiro (a Texaco,
Horta Barbosa encaminhou ao general Góis Mon- [...] enquanto a tendência de todas as a Anglo-Mexican e a Atlantic também propu-
teiro um ofício confidencial em que opinava sobre nações soberanas é para o controle, seram construir grandes refinarias no Brasil).

121. WIRTH, 1973.


122. MARINHO JUNIOR, I., 1970, p.351.
123. Id., p. 352.
124. WIRTH, 1973, p.136
125. MARINHO JUNIOR, I., 1970, p.352
Capítulo 6 - Tempo de conflitos 75

FGV/CPDOC - Arquivo Getúlio Vargas


Getúlio Vargas recebe jornalistas americanos em agosto de 1939, semanas antes de a Segunda Guerra eclodir
76 Petróleo e Estado

FGV/CPDOC - Arquivo Getúlio Vargas/Associated Press Photo

com as quatro novas torres de perfuração, volu-


me suficiente para uma refinaria usada de 4.500
barris por dia, mas o consumo brasileiro já che-
gava a quase 32 mil barris diários de petróleo
cru. Por isso, “embora o Brasil realmente possu-
ísse petróleo”, ele concluía que não eram boas as
perspectivas de redução das importações em um
futuro próximo.129 Diante desse parecer, o gover-
no norte-americano – que já estava financiando a
construção de Volta Redonda, além dos compro-
missos com os países aliados na Segunda Guerra
O general Góis Monteiro revista tropas americanas na base aérea de Bolling, em Washington D.C., em junho de 1939
Mundial – preferiu se manter longe da questão
sobre o petróleo.
Por outro lado, o plano de se construir uma refi- queada, com a ajuda do ministro da Guerra Eurico
naria estatal continuava em ponto-morto, o que Dutra –, os governos do Brasil e dos Estados Uni- A recusa norte-americana deu margem a críticas
de certo modo indicava uma indefinição de Var- dos estabeleceram conversações que resultariam contra a atuação de Horta Barbosa e do CNP na
gas diante do embate que vinha sendo travado nos chamados Acordos de Washington.127 Os es- defesa do monopólio estatal. Em artigo no Diário
entre as duas correntes dentro do governo. tudos feitos por uma missão técnica do governo Carioca, o economista Aluízio de Lima Campos
norte-americano, que permaneceu dez semanas afirmava que o problema do setor de petróleo so-
Insatisfeito, após uma reunião do Conselho de no País, incluíam questões como financiamento e mente se resolveria com a participação dos gru-
Segurança Nacional, Horta Barbosa chegou a en- distribuição de recursos.128 pos estrangeiros, que vinham sendo mantidos à
viar a Vargas um pedido de demissão, dizendo- distância desde que a “fase de xenofobia” criara
-lhe que, “como oficial, teria de obedecer; como Esta ocasião foi vista por Horta Barbosa como uma diversos dispositivos legais dificultando sua en-
cidadão, porém, não poderia fazê-lo, e, por isso, excelente oportunidade para seu projeto de cons- trada no País. Horta Barbosa contestou os argu-
renunciava”. A integridade de Horta era respei- trução de uma refinaria estatal para o País. Sendo mentos do economista, por meio de ofício ao mi-
tada por Vargas, que não queria se ver exposto assim, apresentou um pedido de recursos destina- nistro da Guerra, no qual concluía enfaticamente:
em meio a essa controvérsia. Disse ele então ao dos à aquisição de torres de perfuração e de uma
ajudante de Horta, capitão Ibá Jobim Meirelles, refinaria, já usada, em Houston, no Texas (EUA). Nada precisamos [...] para conseguir esse
“que a carta não fora escrita, que a reunião do A contrapartida, no entanto, implicava autorizar a resultado (o desenvolvimento da indús-
Conselho de Segurança não fora realizada, e que visita do geólogo William J. Kemnitzer, contrata- tria do petróleo brasileiro), senão preser-
o petróleo, afinal de contas, era motivo de preo- do pelo governo de Washington para examinar os var a orientação já adotada, mantendo
cupação do Exército”.126 campos petrolíferos localizados na Bahia. inalterados os princípios de nacionaliza-
ção das riquezas naturais e das fontes de
Em 1942 – ano em que uma nova proposta da O relatório de Kemnitzer avaliou que a produção energia, que constituem uma das maio-
Standard foi apresentada e mais uma vez blo- baiana poderia subir para 3.500 barris por dia res conquistas da revolução de 30.130

126. WIRTH, 1973, p. 136.


127. WASHINGTON, Acordos de. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV,
CPDOC, 2001. v. 4, p. 6116-6117.
128. MISSÃO COOKE. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 4, p. 3823.
129. WIRTH, 1973, p. 135.
130. MARINHO JUNIOR, I., 1970, p.353.
Capítulo 6 - Tempo de conflitos 77

Fundo Monteiro Lobato - CEDAE - Centro de Documentação Alexandre Eulalio - Instituto de Estudos da Linguagem - Unicamp
Octalles Ferreira, Anisio Teixeira, Monteiro Lobato e Edson de Carvalho no campo de Araquá (SP), no início da década de 1930

O confronto com Monteiro Lobato


Não foi apenas com as grandes empresas estran- quezas do subsolo brasileiro e a cumplicidade das O escritor e empresário percorria o País, de norte a
geiras que o general Horta Barbosa entrou em autoridades, usando como argumento principal a sul, em campanha para obter capital para a nova em-
choque. O arcabouço legal construído pelo Estado afirmativa de que “o governo não perfurará nem presa, quando foi surpreendido pelo golpe de 1937.
Novo a partir da criação do CNP também gerou permitirá que outros perfurem”.131 Poucos meses depois, em carta dirigida a Vargas,
atritos com as empresas nacionais ligadas à explo- afirmava que empresas como as organizadas por ele
ração de petróleo. Um dos casos mais rumorosos Em meados de 1937, praticamente um ano antes – envolvendo capital de cerca de cinquenta mil pe-
foi protagonizado pelo escritor Monteiro Lobato, de ser criado o CNP, Lobato havia constituído quenos acionistas – seriam inviabilizadas pela nova le-
que desde o início dos anos 1930 vinha participan- mais uma empresa dedicada à exploração do pe- gislação. Nessa carta, ele foi enfático em suas críticas
do de inúmeras e calorosas polêmicas nessa área. tróleo, a Companhia Matogrossense de Petróleo, a Fleury da Rocha, a quem acusou de ser um “agente
sediada em São Paulo. Seu capital inicial – cerca secreto dos poderes ocultos hostis ao petróleo bra-
Lobato era um dos mais renitentes opositores da de vinte mil contos, levantado pelos principais sileiro dentro do oficialismo”. Pedindo ao presidente
atuação de Horta Barbosa. Em seu livro O escân- sócios – era suficiente para implementar um pro- que estudasse a questão com cuidado, ele exorta:
dalo do petróleo, lançado em 1936, ele havia de- grama racional de prospecção, a partir da escolha ‘Pelo amor de Deus, e do Brasil, não preste sua mão
nunciado com cores sensacionalistas o interesse de um local (Porto Esperança - MT) com estrutura generosa à mais cruel e mesquinha obra de vingança
dos trustes estrangeiros em se apoderar das ri- semelhante à da Bolívia. pessoal, disfarçada em sublime nacionalismo”.132

131. WIRTH, 1973, p. 121.


132. AZEVEDO, Carmen Lucia de. Monteiro Lobato: furacão na Botocúndia. São Paulo: SENAC, 1997. p. 294.
78 Petróleo e Estado

Fundo Monteiro Lobato - CEDAE - Centro de Documentação Alexandre Eulalio - Instituto de Estudos da Linguagem - Unicamp

Em carta a Vargas,
Monteiro Lobato
acusou
Horta Barbosa
de “atender aos
interesses do
imperialismo”.

Nesse momento, entre dezembro de 1939 e os


primeiros meses de 1940, o presidente do CNP
começa a denunciar pressões que vinha sofren-
do para regularizar a situação da Companhia Ma-
togrossense, principalmente por meio de cartas
anônimas e ameaçadoras.

[...] ‘Convém evitar, pois, a explosão do


Lobato, homem infernal!’[...].
Monteiro Lobato de pé sobre os equipamentos da Empresa de Petróleos do Brasil, em Araquá (SP)

[...] ‘Caso você persista no propósito de


Esta seria apenas a primeira de muitas outras car- Para alguns historiadores,133 Lobato pretendia que embaraçar os legítimos interesses des-
tas encaminhadas por Monteiro Lobato não ape- o CNP encampasse, no início de 1940, sua empre- sa empresa, ela [a Cia. Matogrossense],
nas a Vargas, mas também a outras autoridades, sa, que estava falida, ou pretendia simplesmente que já conta com a solidariedade dos
denunciando manobras que considerava lesivas à valorizar suas ações. Por outro lado, Horta Barbo- poderes públicos do Estado do Rio e
economia brasileira. sa recusava-se a promover a encampação porque com a simpatia do Dasp, promoverá
via na derrocada das empresas uma demonstra- uma campanha contra os dirigentes do
O tom da polêmica subiu, e as consequências tor- ção da incapacidade da iniciativa privada brasilei- Conselho, da qual resultará provavel-
naram-se mais sérias, quando foram declaradas ra para levar adiante o projeto destinado ao setor mente seu afastamento [...]’.134
ilegais algumas das companhias em que Monteiro de petróleo. Argumentava ele que o Conselho
Lobato tinha participação societária, além de vá- nada mais vinha fazendo senão exigir o cumpri- A recusa do CNP motivou Lobato a enviar uma
rias outras que não passaram pelo crivo da fisca- mento da lei, e que somente seriam reconhecidas longa carta ao Presidente da República, em 24 de
lização do CNP. as empresas que cumprissem as exigências legais. maio de 1940, acusando o general Horta Barbosa

133. FONSECA, Gondin da. O que você sabe sobre o petróleo? Rio de Janeiro: São José, 1955; WIRTH, 1973.
134. HORTA BARBOSA (1881-1965) [Arquivo HB]. Ofício do general Horta Barbosa ao presidente Getúlio Vargas, datado de 3 de abril de 1940.
FGV-CPDOC, Arq. Horta Barbosa, HB, dossiê HB pet 1936.09.16
Capítulo 6 - Tempo de conflitos 79

Arquivo Público do Estado de São Paulo/DEOPS


Em 21 de março de 1941, Monteiro Lobato foi preso, após acusar inúmeras vezes o governo brasileiro de atender interesses estrangeiros

de dirigir o CNP por rumos que fugiam à sua mentou que o criador de Jeca Tatu inventara contra o escritor. Do processo por calúnia, re-
missão, para atender aos “interesses do imperia- “a fórmula mágica que resolveria todas as di- sultou a condenação de Lobato a seis meses
lismo da Standard Oil e da Royal Dutch”. Estas ficuldades do Brasil” e uma “receita admirável” de prisão. Preso em fevereiro de 1941 para ser
duas empresas, segundo o escritor, esperavam para suas empresas. “[...] tudo se resumiria em julgado, Lobato foi inocentado, mas voltou à
apenas que os empresários nacionais falhassem dar-lhe o que lhes falta: técnicos e dinheiro e carga com agressividade ainda maior. Por oca-
para dominar a exploração do petróleo no País. isso justamente pelo governo que o missivista sião do aniversário de Getúlio Vargas, sugeriu a
afirma não possuir recursos para tal.”135 utilização do presidente e dos demais membros
Vargas encaminhou o documento ao general do CNP como combustível para as caldeiras das
Horta Barbosa, que respondeu contestando Indignado com as acusações de Monteiro Lo- sondas. Levado a julgamento perante o Tribunal
cada uma das acusações de Lobato. Usando bato, Horta Barbosa solicitou ao Tribunal de de Segurança Nacional pela segunda vez, não
ironia em um trecho de seu longo ofício, co- Segurança Nacional a abertura de um inquérito escapa da prisão.136

135. HORTA BARBOSA (1881-1965) [Arquivo HB]. Ofício de Horta Barbosa ao presidente Getúlio Vargas, datado de 22 de agosto de 1940. FGV-
CPDOC, Arq. Horta Barbosa, HB, dossiê HB pet 1936.09.16
136. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 88.
80 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 7

IMPACTOS DA SEGUNDA
GUERRA MUNDIAL
Independência energética entra na pauta das discussões nacionais
téticas, ora enfatizavam a perda de potência do
Jornal do Brasil, 23 de agosto de 1942/CPDoc JB.

motor. Muitos diziam também que a manutenção


do luxo dos ricos custava a destruição de reservas
florestais e prejudicava o fornecimento de carvão
para casas e indústrias.

Críticas à parte, o gasogênio isoladamente não


resolveria o problema do abastecimento e o CNP
Após sucessivos ataques a navios mercantes brasileiros por forças do Eixo, o país declarou guerra em 22 de agosto de 1942 buscava implantar ações mais amplas. Era preci-
so aumentar os estoques de petróleo importado,
Em 1939, muito antes da entrada do Brasil na Se- independência energética entrava definitivamen- incentivando-se a construção de novos tanques.
gunda Guerra Mundial (o que só ocorreria no final te na pauta das discussões nacionais. Neste sentido, foi decretado137 que os importado-
de agosto de 1942), esse conflito já afetava a vida res deveriam manter obrigatoriamente um estoque
dos brasileiros. Um dos setores mais atingidos foi Uma das alternativas adotadas para atender à de- mínimo equivalente a 15% do volume total impor-
o do petróleo e seus derivados, pois a redução manda de consumo foi adaptar os veículos movi- tado no ano anterior, o que naturalmente gerou a
das exportações pelos países produtores com- dos a gasolina para que eles pudessem utilizar o construção de novos tanques. Este movimento, no
prometeu gravemente os transportes em todo gasogênio, aparelho em forma de tubo, colocado entanto, enfrentou dificuldades, pois as constru-
o território nacional. O perigo iminente de de- na parte traseira dos veículos ou por cima da ca- ções dependiam de material importado que se tor-
sabastecimento interno provocado pelo conflito pota, e que produzia gás combustível através da nara de fundamental importância para a indústria
despertou o País para o risco de depender quase queima de lenha ou carvão. Já em 1941 começa- bélica. Havia também resistências em setores da
exclusivamente do combustível importado. Mais ram a circular em São Paulo os primeiros ônibus própria administração pública, que não facilitavam
do que nunca, a guerra deixava clara a importân- movidos a gasogênio. Essa solução, porém, foi a importação dos materiais necessários ou mesmo
cia estratégica do petróleo, sobretudo no que diz alvo de inúmeras críticas, inclusive de membros a sua instalação, considerando que isso atenderia
respeito à segurança nacional, e a necessidade de do governo, que ora se apegavam a questões es- ao interesse das grandes companhias estrangeiras.

137. BRASIL. Decreto nº 4.071, de 12 de maio de 1939. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 12 maio 1939.
Capítulo 7 - Impactos da Segunda Guerra Mundial 81

FGV/CPDOC - Arquivo Eurico Dutra /Agência Brasil


Eurico Gaspar Dutra, então ministro da Guerra, visita as tropas da FEB na Itália, em 1944
82 Petróleo e Estado

A guerra fez ressaltar também a carência de na- bustível para atender às tropas aliadas forçara a que fosse ele adicionado à gasolina, se o seu co-
vios-tanque: a frota brasileira tinha apenas 14 na- limitação no número de navios-tanque destina- mércio se conservasse livre”.139
vios, com uma capacidade de transporte de ape- dos ao fornecimento de petróleo para a América
nas 63.440 toneladas, e ficaria ainda menor com do Sul. Logo em seguida, Washington anunciava Em 7 de maio, Getúlio Vargas assinou decreto
a venda do navio Aurora, autorizada pelo governo a drástica redução na exportação para o Brasil de instituindo o racionamento do consumo do pe-
brasileiro, “atendendo ao que solicitara o governo produtos refinados, tendo em vista o agravamento tróleo e seus derivados e conferindo ao CNP ple-
americano, [...] a fim de ser empregado no trans- da situação. Era necessário implementar medidas nos poderes para assegurar, em todo o território
porte de gasolina de aviação, necessária aos ser- efetivas que reduzissem o consumo de petróleo. nacional, o abastecimento e o racionamento do
viços de guerra daquele país”.138 Embora fosse o consumo de petróleo.140 Quatro dias mais tarde, o
navio-tanque de menor capacidade de toda a frota Conselho aprovava uma série de recomendações
– apenas 440 toneladas –, o Aurora vinha sendo à Prefeitura do Distrito Federal para redução do
usado no suprimento de gasolina, querosene e
Durante a consumo de combustíveis, que iam desde a reti-
óleo diesel a granel nos portos gaúchos de Pelotas 2ª Guerra Mundial, rada de linhas de ônibus até a exigência do uso
e Porto Alegre. A pequena frota comprometia ain- foi necessário de gasogênio em caminhões para transporte de
da mais o abastecimento, porque as licenças para cargas. Além disso, o Instituto do Açúcar e do Ál-
a importação do petróleo tiveram que ser condi-
adotar medidas cool (IAA) concordava em aumentar de 20 para
cionadas à capacidade de transporte disponível. drásticas para 30% a cota de álcool, mas estava se esgotando o
Houve, assim, uma sensível redução destas auto- reduzir o consumo estoque de óleo combustível no Distrito Federal e,
rizações que, além de tudo, ainda eram repartidas a partir de julho, gasolina e álcool passaram a ser
pelo CNP entre todos os interessados.
de petróleo. misturados em partes iguais.

Medidas atenuantes, como a importação de gaso- A elevada percentagem de álcool adicionado


lina e óleos produzidos por uma pequena refina- Mais uma vez o CNP repassou as advertências às à gasolina acabou por gerar outro problema de
ria da banda oriental do Peru, pelo rio Amazonas, administrações estaduais, considerando que a di- delicada solução. Diante de pressões dos produ-
além de insuficientes para melhorar o abasteci- mensão do País e as oscilações de preço em cada tores, por intermédio do IAA, para que o preço
mento, não ajudavam a resolver o problema da região não tornavam possível a ação do órgão, do álcool fosse aumentado, tendo em vista “o en-
alta de preços provocada pelas sucessivas eleva- que se responsabilizaria apenas pelo controle do carecimento geral das coisas e a necessidade de
ções nos fretes – internacionais e de cabotagem diesel e do óleo combustível. Poucos dias mais estimular novas lavouras”, o CNP comunicou que
– e pelos valores pagos como seguro de guerra. tarde, na sessão de 26 de março, o plenário apro- não poderia concordar com essa elevação.141 O ál-
varia uma redução de 10% na quantidade total de cool tornara-se importante componente no preço
As dificuldades aumentariam ainda mais em 1942, gasolina a ser entregue para consumo, seguida de venda do combustível misturado.
quando submarinos alemães impuseram forte de mais duas reduções, de igual percentual, em
bloqueio ao comércio marítimo no oceano Atlân- intervalos suficientes para que estados e municí- Em junho, diante da “persistente falta de navios-tan-
tico. No início do ano, o governo norte-americano pios organizassem o racionamento. A mesma re- que”, e para prolongar a vida dos estoques limita-
comunicou a Vargas que a necessidade de com- dução foi aplicada ao querosene, “a fim de evitar dos, assegurando o funcionamento de atividades

138. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de 1942, CNP, Brasília, p. 32-33.
139. Id., p.50
140. BRASIL. Decreto-Lei nº 4.292, de 7 de maio de 1942. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 7 maio 1942.
141. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de 1942, CNP, Brasília, p. 44-46.
Capítulo 7 - Impactos da Segunda Guerra Mundial 83

Agêncio O Globo
essenciais, o CNP encaminhou para aprovação de
Getúlio Vargas as seguintes medidas:

 Proibir em todo o território nacional [...] a cir-


culação de carros de passageiros, particulares
e oficiais, exceto os da Presidência da Repú-
blica, ministros de Estado, presidente do Su-
premo Tribunal Federal, presidente do Supre-
mo Tribunal Militar, presidente do Tribunal de
Segurança Nacional, interventores e governa-
dores dos Estados, prefeito e chefe de Polícia
do Distrito Federal, assim como os chefes de
missões diplomáticas estrangeiras.

 Proceder à revisão do racionamento dos veí-


culos a frete e dos particulares para a carga.142

O planejamento elaborado pelo CNP compre-


endia não apenas as restrições à circulação de
veículos, mas também a distribuição de cotas
mensais aos estados. A linha adotada era permitir
somente a circulação de veículos com atividades
As tropas da FEB regressam vitoriosas ao Brasil em 13 de agosto de 1945
ligadas diretamente ao esforço de guerra e ao in-
teresse maior da coletividade.
do por submarinos alemães já em águas brasilei- tróleo e importantes refinarias. Na ocasião, teve
Em julho, começou a faltar óleo combustível para a ras. Este afundamento exigiu novas medidas de a oportunidade de transmitir ao governo norte-
indústria, situação provisoriamente contornada com racionamento, ainda mais drásticas. No final de -americano a real situação do Brasil quanto ao
a cessão de parte do estoque da Marinha de Guer- 1942, o volume de derivados de petróleo importa- suprimento de produtos de petróleo, bem como
ra. O ápice dessa situação foi uma escassez geral de dos pelo Brasil não ultrapassava 65% do volume a necessidade de equipamentos para aparelhar
gêneros alimentícios e produtos industriais, o que total consumido no ano anterior.143 os campos petrolíferos do estado da Bahia. Em
levou a uma alta vertiginosa nos preços. resposta, obteve o compromisso de que o gover-
Justamente no período em que o racionamento no dos EUA tomaria as providências necessárias
Em meio à crise, o CNP recebeu a notícia de que entrava em vigor no Brasil, Horta Barbosa visi- para assegurar a exportação do produto para o
o navio-tanque Louisiania, com um grande carre- tou os Estados Unidos, a convite do governo da- Brasil, e daria prioridade à fabricação e ao em-
gamento de gasolina e diesel, e cuja chegada era quele país, percorrendo, entre julho e agosto de barque do material destinado à exploração nos
prevista para 20 de agosto, havia sido torpedea- 1942, os principais centros de produção de pe- campos baianos.144

142. ARTUR HEHL NEIVA (1909-1967) [Arquivo AHN]. Rio de Janeiro, FGV, CPDOC. Sigla AHN. 09.00 –P. I (doc. 11A7).
143. ENTREVISTA do Presidente do CNP, João Carlos Barreto. Estado de Minas [Jornal], Belo Horizonte, 02 de junho de 1945.
144. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de 1942, CNP, Brasília.
84 Petróleo e Estado
Capítulo 7 - Impactos da Segunda Guerra Mundial

Posto de serviço da Ipiranga, na década de 1940


85

Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de Lubrificantes-Sindicom/Ipiranga


86 Petróleo e Estado

Conflitos internos: CNP x CME


A entrada formal do Brasil no conflito contra os pelo CNP. Como não bastasse, a CME determinou Para Horta Barbosa, o fato de ser subordinado
países do Eixo (Alemanha, Itália e Japão), de- que o novo setor seria custeado por uma contri- diretamente à Presidência da República impedia
cretada em 31 de agosto de 1942, exigiu novas buição sobre o consumo dos combustíveis líqui- que o CNP fosse transformado em órgão de exe-
medidas para a adequação da economia do País dos derivados do petróleo, acrescida ao preço de cução da CME, sem que para tanto houvesse uma
aos tempos de guerra. Uma delas foi a criação da venda desses produtos. lei expressa. Argumentava que o Decreto-Lei nº
Coordenação da Mobilização Econômica (CME),145 4.750 conferira à CME a atribuição de planejar, di-
que substituiu, com atribuições mais amplas, a No entender de Lins de Barros, o estado de guer- rigir e fiscalizar apenas o racionamento, mas não
Comissão de Defesa da Economia Nacional. Por ra exigia a mobilização máxima de todos os re- a produção, a importação, a exportação e a distri-
intermédio da Coordenação, o Estado passava a cursos, razão da criação da CME. Ao contrário da buição de petróleo e seus derivados.147
intervir nas esferas da produção, circulação, dis- dualidade de comando “que pretende o Conselho
tribuição e consumo, em função da emergência Nacional do Petróleo”, argumentava ele, o órgão Ao analisar a questão, a Secretaria Geral do Con-
provocada pela guerra. de concepção e comando era a CME, cabendo ao selho de Segurança Nacional colocou uma pá de
CNP cooperar diretamente com ele, procurando cal sobre o assunto, fixando como linhas gerais
Porém, não havia definição explícita quanto às facilitar sua atuação. Segundo o presidente da que a CME de fato determinaria a política a ser
atribuições da CME e do CNP, o que deu mar- Coordenação, havia uma “sensível diferença” de seguida pelo CNP. Este seria um “órgão de exe-
gem a uma séria crise entre seus diretores. En- mentalidade: enquanto ele procurava adequar cução do coordenador de Mobilização Econômica
quanto João Alberto Lins de Barros, presidente sua ação à realidade dos tempos de guerra, o CNP em todas as questões relativas ao petróleo e deri-
da recém-criada Coordenação, entendia que lhe continuava limitado a ideias e a procedimentos vados ou sucedâneos no Brasil”.148
cabia a responsabilidade pelo racionamento de que não mais se adequavam ao momento vivido
combustível, para Horta Barbosa tal competência pelo País. Além disso, enumerou pontos que con-
era exclusiva do CNP. Em ofício ao Presidente da siderava falhos na atuação do CNP, como a falta
República, ele queixou-se da atuação de João Al- de providências para aumentar a produção de ga-
berto e solicitou providências. A criação do Setor solina no País; a desorganização na distribuição
de Racionamento de Combustíveis, na CME, era de combustível aos estados; e as dificuldades que
o foco da divergência, porque suas atribuições se enfrentava para incrementar a produção de álcool
sobrepunham às que já vinham sendo exercidas por conta das desavenças entre CNP e IAA.146

145. BRASIL. Decreto-Lei nº 4.750, de 28 de setembro de 1942. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 28 set. 1942.
146. ARTUR HEHL NEIVA (1909-1967) [Arquivo AHN]. Ofício nº 131/42, do Coordenador da Mobilização Econômica. FGV-CPDOC, Arq. Arthur Heil
Neiva 1942.09.00 (PI, doc. 27).
147. ARTUR HEHL NEIVA (1909-1967) [Arquivo AHN]. Ofício nº 10.610, do CNP. FGV-CPDOC, Arq. Arthur Heil Neiva 1942.09.00 (PI, doc. 27).
148. Ibid., 09.00
Capítulo 7 - Impactos da Segunda Guerra Mundial 87

A saída de Horta Barbosa

Arquivo ANP
O ano de 1942 representou o início do declínio ção cada vez mais delicada, uma vez que as ini-
do poder do general Júlio Caetano Horta Bar- ciativas das grandes companhias petrolíferas no
bosa. Em meio à forte oposição que passou a plano internacional eram abertamente apoiadas
enfrentar dentro do governo e sem conseguir pelo governo norte-americano.
concretizar seus planos de construir uma refina-
ria estatal, Horta Barbosa deixou a presidência Em 1947, ao proferir conferência no Instituto de
do CNP em 30 de julho de 1943. As pressões em Engenharia de São Paulo, no âmbito da campa-
relação à questão do petróleo naquele momen- nha “O petróleo é nosso”, Horta Barbosa explicou
to não teriam sido decisivas para o afastamento os motivos de sua decisão:
de Horta, mas sim sua vontade de ocupar uma
função militar. Segundo seu oficial-de-gabinete A guerra, pareceres de órgãos não es-
Alcy Demillicamps, ele entendeu que não de- pecializados, a falta de uma política na-
veria estar ocupando um cargo civil depois da cional de energia, a campanha de zom-
declaração de guerra ao Eixo por parte do go- baria contra o órgão oficial, às vezes
verno brasileiro.149 inconscientemente feita por brasileiros
altamente colocados na administração
Sua demissão, contudo, pode ter sido uma con- pública, as solertes investidas dos trus-
sequência da aproximação entre Brasil e Estados tes, e, sobretudo, uma opinião pública
Unidos, que se intensificou durante a Segunda não preparada, impediram que o Con-
Guerra Mundial, evoluindo para a formalização de selho, até 1943, quando o deixei para ter General Horta Barbosa, presidente do CNP de 1938 a 1943
uma sólida aliança político-militar. Nesse contex- a honra de comandar a Região Militar
to, os grupos empresariais passaram a reivindicar de São Paulo, visse realizada a sua ideia
junto a Vargas, mais intensamente, o direito de [o monopólio de Estado].150
participar das várias fases de produção do petró-
leo, o que contrastava com a perspectiva estati- Designado para o comando da 2ª Região Militar,
zante defendida por Horta Barbosa. Sua posição sediada em São Paulo, Horta Barbosa permane-
assumidamente nacionalista o deixava em situa- ceu no posto até 1945, ano em que foi reformado.

149. DEMILLICAMPS, 1988, p. 30.


150. PETROBRAS. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 4,
p. 4596-4607.
88 Petróleo e Estado
Capítulo 8 - Nacionalismo questionado 89

1943-1953
Anos de redefinição
90 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 8

NACIONALISMO
QUESTIONADO
Colaboração hemisférica
A escolha do coronel João Carlos Barreto para a para a Itália no final de 1944, trouxe enormes combustíveis aos governos estaduais e a res-
presidência do CNP refletia uma mudança de po- dificuldades ao Conselho Nacional do Petró- trição do tráfego de veículos no País, medidas
sicionamento do governo brasileiro nas questões leo, principalmente em função das reduções implantadas na gestão de Horta Barbosa, mas
ligadas ao petróleo. Embora o Conselho ainda es- drásticas da exportação de petróleo pelos pa- abordou também a cooperação do governo nor-
tivesse nas mãos dos militares como ele próprio, o íses produtores e do perigo iminente de de- te-americano, que teria procurado atender aos
novo grupo dirigente se orientava pelas teses de sabastecimento interno. Não era possível, por- pedidos do Brasil em relação ao suprimento de
colaboração hemisférica, defendidas pelo gover- tanto, fugir do racionamento de combustíveis. combustíveis, mesmo em meio às dificuldades
no norte-americano, tanto no plano econômico Por isso, João Carlos Barreto não apenas o da guerra. Além disso, ele destacou a existência
quanto no militar. Foram sendo progressivamente manteve, como criou um setor específico – di- de um mercado clandestino de combustíveis, so-
colocadas de lado as posições nacionalistas, carac- retamente ligado à presidência do CNP – para bretudo de gasolina, que se estabelecera no País
terísticas da presidência de Horta Barbosa. E o vice, os assuntos relacionados com o racionamento. em consequência do racionamento, e informou
Domingos Fleury da Rocha, também se desligou Este setor funcionaria até novembro de 1945, que o CNP solicitaria providências mais rigoro-
do CNP em 1944. Ao assumir a direção do órgão, quando o racionamento como um todo foi sus- sas por parte dos órgãos de segurança para coi-
em setembro de 1943, João Carlos Barreto pro- penso no País. bir a ação desses infratores.
curou cercar-se de técnicos afinados com a nova
orientação. Se, em termos mais amplos, sua gestão Segundo palavras do próprio Barreto na apre- A estrutura de abastecimento, em 1944, con-
representou uma profunda ruptura com o período sentação do Relatório de 1944, a guerra afetou tava com instalações de armazenamento para
anterior, no terreno prático tiveram continuidade as os trabalhos do Conselho, perturbando seu ritmo combustíveis que totalizavam aproximadamente
linhas de ação definidas na gestão anterior, sobre- e o desviando do rumo principal, “em prejuízo, 815.000 m³, além de 100.000 m³ para fins milita-
tudo o racionamento de combustíveis e o progra- não raro, de questões palpitantes e de interesse res, construídas pelas forças armadas americanas.
ma de extração de petróleo no Recôncavo Baiano. para o nosso problema do petróleo”.151 Ao discor- Essas tancagens estavam espalhadas em nove es-
rer sobre as principais atividades de sua gestão, tados e no Distrito Federal, algumas junto a por-
O envolvimento do Brasil na Segunda Guerra durante entrevista ao jornal Estado de Minas,152 tos, com linhas de descarga ligando os navios aos
Mundial, que culminou com o envio de tropas o presidente do CNP citou as cotas mensais de parques de tanques.

151. COHN, 1968, p. 65.


152. ESTADO DE MINAS [Jornal]. Belo Horizonte: Uai, 02 jun. 1945.
Capítulo 8 - Nacionalismo questionado 91

FGV/CPDOC - Arquivo Getúlio Vargas


Getúlio Vargas e Franklin Roosevelt (à frente) na Base Aérea de Natal, 1934
92 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

Com a instalação das primeiras refinarias, a distribuição de petróleo passou a ser um dos principais desafios. Acima, terminal de petróleo em Itaparica (BA), em 1943

Exploração e refino
O CNP teve que reduzir drasticamente suas ativi- esbarraram na extrema morosidade para as au- No Acre, os trabalhos foram suspensos não somen-
dades durante a guerra, principalmente porque fal- torizações de licenças de exportação e de priori- te por conta da morosidade da perfuração, como
tavam verbas e sobravam dificuldades para impor- dade de embarque junto às autoridades norte-a- também devido à decisão de se deixar a explora-
tar equipamentos e contratar pessoal. Os trabalhos mericanas. Como se isso não bastasse, o governo ção naquela área para depois que fosse resolvida
de campo na Bahia, por exemplo, chegaram perto dos EUA promoveu cortes nas encomendas, re- “a situação técnica de regiões economicamente
da paralisação completa, em fins de 1943. duzindo-as em mais de 67% (de US$ 1 milhão para mais favoráveis”, conforme recomendou Everett
325 mil dólares, aproximadamente) sendo que a DeGolyer, o geólogo-chefe da empresa Golyer &
Encomendas feitas nos Estados Unidos no prin- segunda metade do material seria entregue so- Mac Naughton, contratada pelo CNP.154 Ainda em
cípio de 1943, que incluíam três novas sondas, mente no ano seguinte.153 1944, por recomendação de DeGolyer, foram feitas

153. COHN, 1968, p. 66.


154. Id., p.61.
Capítulo 8 - Nacionalismo questionado 93

Arquivo Shell
aos Estados Unidos novas encomendas de equipa-
mentos de sondagem e de transporte, no valor de
600 mil dólares, entregues em 1945.

No Recôncavo Baiano, única área produtora do


País, os resultados eram bastante modestos.
Além do campo de Lobato, que se havia reve-
lado não comercial, mais três campos estavam
em operação: Aratu, Candeias e Itaparica. Em
1944, teve início a exploração de mais um cam-
po, o de Dom João.

Nas operações de prospecção e produção, 15


poços de exploração foram completados em
1944, sendo quatro de petróleo, cinco de gás
natural e seis secos. A capacidade potencial
de produção, em todos os campos, era de 566
barris/dia, e a produção efetiva anual de petró-
leo bruto foi de 57.533 barris. Em 1945, foram
completados 13 poços de exploração, todos em
Candeias e Itaparica, com uma produção efe-
tiva anual de 79.330 barris de petróleo bruto. A falta de infraestrutura logística de distribuição afetava especialmente o interior do país. Na imagem,
homem carrega latas de óleo e lubrificante na garupa de uma mula, em 1948
A capacidade potencial de produção diária de
petróleo, em todos os campos, foi de 2 mil bar-
ris. Esses dados estimularam o CNP a proceder
a estudos preliminares para a instalação de uma pliação da capacidade nacional de refino, até concorrência para concessões privadas na área
refinaria na Bahia, com capacidade de 2.500 então limitada a refinarias privadas de modes- do refino e a construção de uma refinaria para
barris diários.155 tas dimensões. industrializar o petróleo baiano”.156 Outra iniciati-
va do coronel Araújo foi entrar em contato com
O consumo de derivados apresentava acelera- Em meio a essa conjuntura extremamente des- o empresário João Pedro Gouvêa Vieira, da Refi-
do crescimento no Brasil, chegando a 34 mil favorável, o chefe da Divisão Econômica do CNP naria Ipiranga, ao findar a Segunda Guerra Mun-
barris por dia em 1945. O desenvolvimento em 1944, coronel Milton de Lima Araújo, come- dial, no intuito de verificar se ele teria interesse
do comércio deixava claro que o País iria de- çou a desenvolver “um estudo de viabilidade em instalar mais uma refinaria, com as mesmas
pender, em escala cada vez maior, de rodovias econômico-financeira para construção de uma dimensões da que estava prevista para o Pará. O
para integrar e expandir sua economia. Mais refinaria de 10 mil barris/dia no Pará, utilizando empresário reagiu positivamente e o assunto foi
do que nunca era urgente a definição de uma petróleo importado da Venezuela”. Esse estu- encaminhado a João Carlos Barreto, para depois
política governamental que incentivasse a am- do serviria de base também para “a abertura de ser levado ao presidente Vargas.

155. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de 1944; Relatório de 1945.


156. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 67.
94 Petróleo e Estado
Capítulo 8 - Nacionalismo questionado 95

FGV/CPDOC - Arquivo Artur Hehl Neiva


Almoço de confraternização da Conferência Nacional das Classes Produtoras do Brasil, realizado no Higino Palace Hotel (SP), em maio de 1945
96 Petróleo e Estado

A abertura para o capital privado


Uma profunda mudança de rumo começou a Motivos nº 2.558, que serviria de base para a re- sópolis, lançada no final do encontro, destacava a
ocorrer no CNP quando teve início a gestão de definição da política governamental para o se- necessidade de se estimular a prospecção e a per-
João Carlos Barreto. Na opinião do novo pre- tor, destacava a carência de recursos humanos furação de poços para a descoberta de petróleo,
sidente, o Brasil estivera marcando passo com e materiais do País, recomendando que fosse fosse por intermédio da iniciativa privada nacional,
a legislação nacionalista e a orientação estati- admitida “a participação de capitais externos fosse com a cooperação de técnicos e capitais es-
zante que Horta Barbosa imprimira ao órgão. na pesquisa e lavra do petróleo, gases naturais, trangeiros.161 Esse conjunto de recomendações sig-
Diante da enorme tarefa a executar, argumen- rochas betuminosas e pirobetuminosas”, bem nificava, na prática, a revogação da política petrolí-
tava Barreto, não se justificava o monopólio como no seu beneficiamento. As autorizações fera nacionalista do Estado Novo.
estatal da exploração e do refino. A possível seriam conferidas “exclusivamente a pessoas
participação do capital estrangeiro nas ativida- naturais ou jurídicas brasileiras”, dando-se pre- Em outubro, por intermédio da Resolução nº 1/45,
des de petróleo entrou em pauta nas sessões ferência, obrigatoriamente, aos capitais brasi- o CNP permitiu a instalação e exploração de refi-
do Conselho, “pois de há muito vinham sendo leiros, nas empresas de mineração, “bem como narias no Brasil, por empresas nacionais privadas.
formuladas repetidas proposições de grandes na indústria da refinação do petróleo e da des- Parte dos lucros líquidos advindos da atividade
companhias estrangeiras com a ideia de cola- tilação das mencionadas rochas (...)”.160 de refino deveria ser empregada na pesquisa de
borarem na exploração petrolífera do País”.157 jazidas de petróleo. Acredita-se que a resistência
Por outro lado, o capital privado nacional deve- Ainda que timidamente, de início, setores em- do Presidente da República em relação a uma
ria ter preferência “em quaisquer planos futuros presariais brasileiros da indústria e do comércio mudança radical da política do petróleo tenha
de desenvolvimento”.158 começaram a questionar a política do petróleo impedido, naquele momento, a abertura do refino
então vigente. Na visão de seus dirigentes, o País ao capital estrangeiro.162 Essa Resolução foi publi-
Esta nova orientação, embora ainda encontras- não possuía os meios técnicos, administrativos e cada no Diário Oficial de 30 de outubro, um dia
se alguma oposição no plenário do CNP, refletia financeiros necessários para montar a indústria após a deposição de Vargas.
o forte poder de pressão dos grupos econômi- do petróleo, não podendo, portanto, prescindir da
cos privados nacionais e estrangeiros no final colaboração de terceiros. Durante o I Congresso
do Estado Novo, que se fazia presente inclusive Brasileiro de Economia, no final de 1943, os empre-
no interior do próprio Conselho.159 Em maio de sários recomendaram ao governo a revisão do Có-
1945, o CNP recomendou ao presidente Vargas digo de Minas, de modo a permitir a participação
a revisão da legislação do petróleo, no intuito do capital estrangeiro, desde que de forma não
de atrair capitais estrangeiros para as ativida- preponderante. O tema voltou à tona em maio de
des de pesquisa, lavra, beneficiamento e dis- 1945, durante a I Conferência Nacional das Classes
tribuição do produto no Brasil. A Exposição de Produtoras do Brasil: a Carta Econômica de Tere-

157. CONH, 1968, p. 94.


158. WIRTH, 1973, p. 140.
159. CONH, 1968, p. 78.
160. CONH, 1968, p. 77-78.
161. CONH, 1968, p. 74-76; WITH, 1973, p. 139.
162. CONH, 1968, p. 79; DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 90-91.
Capítulo 8 - Nacionalismo questionado 97

Serviço Geológico do Brasil - CPRM


Cópia de mapa geológico do Brasil elaborado pelo DNPM em 1942
98 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 9

O PETRÓLEO
É NOSSO!

Desenvolvimento econômico em debate


O processo de redemocratização decorrente De um lado, os partidários da industrialização O debate sobre o
da deposição de Vargas, em 1945, propiciou acelerada defendiam a intervenção do Estado na
a ampliação do debate sobre o desenvolvi- economia, nos setores em que o capital privado,
papel do Estado e
mento econômico brasileiro. No cenário in- por falta de recursos ou de tecnologia, não tives- do capital privado
ternacional, o fim da Segunda Guerra Mundial se condições de atuar. No interior dessa corrente nacional e estrangeiro
anunciava o fim das restrições econômicas desenvolvimentista coexistiam algumas facções
impostas pelo conflito, a normalização do hostis e outras favoráveis ao capital estrangeiro.
prosseguiu durante
mercado e a retomada do fluxo de investi- Em seu conjunto, ela defendia que o estágio da todo o governo Dutra
mentos. Esse contexto desencadeou no Brasil industrialização pesada deveria ser atingido com
uma série de questões cruciais: as empresas públicas liderando o setor de bens
de produção. Por outro lado, os adeptos dos prin-
 Qual seria o papel da iniciativa privada, na- cípios do liberalismo econômico proclamavam a 1946, Eurico Gaspar Dutra confirmou para o
cional e estrangeira, e o da iniciativa estatal vocação essencialmente agrícola do Brasil e eram CNP o nome de Barreto, que tinha sido mantido
no quadro das transformações estruturais contrários à participação do Estado no desen- no cargo pelo presidente interino José Linhares.
que deveriam ser introduzidas no sistema volvimento da indústria nacional, mostrando-se O debate sobre o papel do Estado, da iniciativa
produtivo? favoráveis à entrada no País de capitais estrangei- privada nacional e da iniciativa privada estran-
ros interessados em investir nesse setor.163 geira no setor do petróleo prosseguiu durante
 Quais seriam os mecanismos e instrumentos todo o mandato presidencial de Dutra (1946-
de ação governamental capazes de imprimir o Eleito em dezembro de 1945 e empossado na 1951), mobilizando parcela significativa da opi-
ritmo de crescimento necessário à economia? Presidência da República em 31 de janeiro de nião pública nacional.

163. MEMÓRIA da eletricidade, 1988, p. 115


Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 99

FGV/CPDOC - Arquivo Eurico Dutra


Eurico Gaspar Dutra em visita ao presidente americano Harry Truman em 1949

Intensos debates sobre essas questões também Em abril de 1946, com os trabalhos constituintes quanto às minas e jazidas, serão regula-
teriam lugar na Assembleia Nacional Constituin- já em andamento, o CNP submeteu à apreciação dos de acordo com a natureza delas.164
te, cujos trabalhos foram abertos em fevereiro do governo a permissão para que capitais exter-
de 1946. Ao elaborar a nova Constituição, o Con- nos cooperassem na exploração e no desenvolvi- A expressão “sociedades organizadas no País”
gresso eleito em dezembro de 1945 – dominado mento do petróleo no Brasil. Essa recomendação foi comemorada pelas grandes companhias pe-
por partidos de orientação liberal-conservadora acabou sendo incorporada à nova Constituição trolíferas, pois era suficientemente ampla para
– procurou, por um lado, apagar os traços au- Federal, promulgada em setembro: conferir liberdade de ação também aos grupos
toritários do Estado Novo e, por outro, revogar econômicos estrangeiros nessa área.165 Na práti-
a legislação nacionalista e as medidas de cunho As autorizações ou concessões serão ca, a nova Constituição estava abrindo as portas
social tomadas pelo governo Vargas. A orienta- conferidas exclusivamente a brasileiros de setores estratégicos da economia brasileira ao
ção geral adotada pelos constituintes foi a de ou a sociedades organizadas no País, capital internacional. Os deputados do então Par-
restaurar, no título sobre a “Ordem Econômica e assegurado ao proprietário do solo pre- tido Comunista do Brasil (PCB) e os nacionalistas,
Social”, as disposições da Constituição de 1934. ferência para a exploração. Os direitos em minoria na Assembleia Nacional Constituinte,
(Ver Capítulo 3.) de exploração do proprietário do solo, não conseguiram impedir tal fato.

164. BRASIL. Constituição de 1946.


165. CONH, 1968, p. 80.
100 Petróleo e Estado

FGV/CPDOC - Arquivo Gustavo Capanema

A Constituição de 1946 permitiu que setores estratégicos da economia brasileira recebessem capitais internacionais. Acima, o deputado Gustavo Capanema assina a carta, em setembro daquele ano

O Estatuto do Petróleo

Promulgada a nova Constituição, decidiu-se que a vados no setor petrolífero, mas os temores dos determinar as diretrizes, os instrumentos e
questão do petróleo seria regulamentada por le- nacionalistas aumentaram ainda mais quando se os recursos para a exploração do petróleo no
gislação ordinária. Assim, foi formada uma comis- tornou pública “a participação de dois conhecidos Brasil. Segundo Artur Levy, representante do
são especial – a Comissão de Anteprojeto da Le- consultores norte-americanos , Herbert Hoover Jr. Ministério da Guerra no CNP durante a gestão
gislação do Petróleo – com a função de elaborar e Artur Curtice, na revisão da legislação”.166 de João Carlos Barreto, a Comissão do Estatuto
um anteprojeto de lei a ser enviado ao Congresso do Petróleo “tinha instruções do Estado-Maior
Nacional. Os membros da comissão, em sua maio- A comissão deveria rever as leis existentes no do Exército para facilitar o acesso das organiza-
ria, eram favoráveis à participação de capitais pri- País, ajustando-as à Constituição de 1946, e ções estrangeiras”.167

166. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 92.


167. LEVY, Arthur. Artur Levy: depoimento [1987]. Rio de Janeiro: CPDOC: FGV, CPDOC; Petrobras, SERCOM, 1988. p. 107.
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 101

Diplomatas norte-americanos e ingleses acompanha- lio estatal indireto. A indústria do petróleo continu-

Arquivo ANP
ram de perto trabalhos da comissão. Antes mesmo aria a ser considerada de utilidade pública, e regu-
de seu início, ainda em janeiro de 1947, o presidente lada pelo CNP.171 As atividades no mercado interno
do CNP, João Carlos Barreto, levou ao conhecimento estariam abertas ao capital estrangeiro, muito em-
do plenário um memorando enviado pelo embaixa- bora a refinação e o transporte ainda permaneces-
dor William Pawley ao Itamaraty, expondo o ponto sem sob controle nacional, por meio da criação de
de vista do governo dos Estados Unidos com relação empresas estatais ou de companhias mistas, nas
à política que poderia ser adotada pelo Brasil “para quais as empresas estrangeiras poderiam deter até
dar ritmo acelerado à pesquisa, lavra e industrializa- 40% do capital, ficando os 60% restantes nas mãos
ção do petróleo, empreendimentos que requerem de empresários brasileiros. As empresas poderiam
grandes somas de capitais disponíveis, que podem, exportar o petróleo ou seus derivados, desde que
aliás, ser encontradas naquele país amigo.168 as demandas do abastecimento interno já tives-
sem sido atendidas. Em síntese, caso fosse aprova-
Durante a Conferência Interamericana pela Manu- do, o Estatuto do Petróleo abria o setor petrolífero
tenção da Paz e Segurança Continental, no mês brasileiro à participação do capital privado, fosse
de setembro, em Petrópolis, ele declarou que o ele nacional ou estrangeiro.
Brasil deveria contar com “uma legislação petro-
lífera satisfatória e que melhor se adequasse aos A intenção do governo era montar uma indústria
interesses das companhias exploradoras”.169 nacional de petróleo com tecnologia e recursos
externos. Mas isso não aconteceu. De um lado, as João Carlos Barreto foi presidente do CNP durante
grande parte da década de 1940
Além das gestões diplomáticas, as grandes em- companhias petrolíferas internacionais reivindica-
presas internacionais, que controlavam a distribui- vam uma legislação que lhes permitisse o controle
ção de petróleo e derivados no Brasil, chegaram majoritário no refino e no transporte, e liberdade
a submeter projetos de estatutos à Comissão de para vender ao mercado externo, pagando os im-
Anteprojeto da Legislação do Petróleo. Tanto a postos e royalties devidos ao governo brasileiro.
Standard Oil (Esso) quanto a Shell-Mex do Brasil Essas reivindicações tinham defensores dentro do
(Shell), as duas maiores companhias em operação governo: os titulares das pastas das Relações Exte-
no Brasil, consideraram ambíguo o texto final do riores e do Trabalho consideraram a legislação res-
Estatuto do Petróleo, como ficou conhecido o an- tritiva e capaz de afugentar “ainda mais os capitais
teprojeto de lei.170 estrangeiros”.172 Já os defensores da solução estati-
zante e os que apoiavam o capital privado nacional
Em novembro de 1947, o anteprojeto foi encami- temiam que as grandes corporações acabassem
nhado ao Presidente da República, que o remeteu controlando a indústria brasileira de petróleo, em
ao Congresso em fevereiro de 1948. Suas linhas função de seu poder econômico e da pressão polí-
mestras baseavam-se no conceito de um monopó- tica dos Estados Unidos.

168. CONSELHO NACIONAL DO PETROLÉO (Brasil). 425ª Sessão Ordinária de 23 de janeiro de 1947, Brasília, 1947, p. 2.144.
169. PAWLEY, Wiliiam. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v.4, p. 4471
170. WIRTH, 1973, p. 145.
171. WIRTH, 1973, p. 144.
172. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 108.
102 Petróleo e Estado

Campanhas na mídia
A publicação de uma série de anúncios pela sis Chateaubriand. As exceções eram o Diário de por isso a melhor maneira de industrializar o pe-
Standard Oil nos principais jornais do País, entre Notícias e a Tribuna da Imprensa, que defendiam tróleo brasileiro era abrindo o setor para as em-
1949 e 1950, deu início a uma forte estratégia de o monopólio estatal do petróleo.173 presas privadas. Foi assim que a indústria petrolí-
comunicação com o objetivo de esclarecer a po- fera se desenvolveu no Oriente Médio, na Europa,
pulação brasileira sobre a sua posição em relação A Standard Oil centrava suas baterias contra a nos Estados Unidos, na Venezuela e em outros
à questão do petróleo. proibição, ainda vigente, da participação do capi- países, argumentava a empresa,175 declarando-se
tal estrangeiro no refino de petróleo e, ao mesmo contrária ao Estatuto do Petróleo. No entender da
tempo, procurava defender-se das acusações de Standard Oil, aquele projeto de lei não permitia
que tentava impedir o desenvolvimento da indús- às empresas privadas desenvolverem suas ativi-
Grandes empresas
tria petrolífera no País, conforme declarou o pre- dades com êxito, pois o setor petrolífero brasileiro
internacionais sidente da companhia no Brasil, W. M. Anderson, deveria basear-se no sistema de livre iniciativa e
buscaram apoio ao jornal A Tarde: livre concorrência.176

da opinião pública
Na verdade, a política e a ação da nossa A Shell também procurou defender seus pontos
por meio de companhia têm sido orientadas na dire- de vista. Ainda em novembro de 1946, três me-
campanhas ção oposta. Por exemplo, nos oferecemos ses antes do início dos trabalhos da Comissão de
para suprir de petróleo bruto os diversos Anteprojeto da Legislação do Petróleo, o diretor-
de comunicação.
projetos da refinaria que têm estado sob -geral da companhia no Brasil, J. C. Reed, fez a
consideração nos recentes últimos anos e seguinte declaração ao jornal A Noite:
temos declarado a nossa vontade de par-
A maior parte dos grandes jornais posicionou- ticipar desses projetos se, porventura, leis No momento, encontramo-nos numa situ-
-se favoravelmente à abertura do setor petrolí- satisfatórias assim nos autorizarem.174 ação de expectativa, esperando a legisla-
fero ao capital estrangeiro. O Estado de S. Paulo, ção do governo que venha regulamentar,
que tinha como princípios básicos o liberalismo, O novo slogan – Esso a serviço do progresso – sin- no que toca a capitais estrangeiros, a sua
o anticomunismo e o antigetulismo, sugeriu a tetizava a imagem que a Standard Oil procurava participação na indústria da exploração do
substituição da legislação restritiva por uma ou- construir, de empresa comprometida com a mo- petróleo. Desde que, como acontece (...)
tra, que possibilitasse a articulação com o capital dernização do País. Suas mensagens publicitárias em outros países, tais como a Venezuela,
estrangeiro, de modo a desenvolver as fontes de e jornalísticas transmitiam a ideia de que o Brasil Colômbia, Equador etc., sejam assegura-
energia que o País sabidamente possuía. Essa deveria explorar os seus próprios recursos petrolí- das ao capital estrangeiro as necessárias
também era a postura dos jornais O Globo, Cor- feros, mas esse trabalho exigia um grande volume condições que permitam o seu emprego,
reio da Manhã, dos periódicos do grupo Folha e de capitais e oferecia riscos aos investidores, além a nossa companhia está disposta a investir
dos Diários Associados, de propriedade de As- de pressupor conhecimentos técnicos de ponta, grandes fundos no Brasil.177

173. CARVALHO JÚNIOR, Celso. A criação da Petrobras nas páginas dos jornais O Estado de São Paulo e Diário de Notícias. São Paulo: Assis, 2005. p. 7-9.
174. A TARDE, Rio de Janeiro, 10 de julho de 1949 apud PETROBRAS, 2000, p. 45, p. 222.
175. DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 1949 apud CARVALHO JÚNIOR, 2005, p. 70.
176. DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 1949 apud CARVALHO JÚNIOR, 2005, p. 69.
177. A NOITE, nov. 1946 apud PINHEIRO; VIANA, 1987, p. 34.
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 103

Propaganda impressa da Esso para óleo lubrificante em março de 1950.


104 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

A campanha “O petróleo é nosso” mobilizou toda a sociedade brasileira. Acima, manifestação popular nas ruas da Bahia na década de 1950
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 105

FGV/CPDOC - Arquivo Horta Barbosa


Polêmica no Clube Militar
Os militares, envolvidos no debate sobre o pe-
tróleo desde os anos 1930, tomaram a iniciativa
de discutir o assunto publicamente. Ao longo de
1947, enquanto a comissão nomeada pelo go-
verno estava às voltas com a redação do ante-
projeto do Estatuto do Petróleo, o Clube Militar
foi palco de um franco debate entre estatistas e
privatistas, tornando público um confronto que
há anos vinha sendo travado nos bastidores da
cena política.

O primeiro conferencista foi o general Juarez


Távora, estreito colaborador do governo Dutra
e subchefe do Estado-Maior do Exército. Defen-
dendo a tese da “cooperação internacional”, ele
considerava que o Brasil, na conjuntura da Guer-
ra Fria que opunha as duas superpotências vito-
riosas na Segunda Guerra Mundial, Estados Uni-
dos e União Soviética, deveria tirar vantagem da Horta Barbosa discursa no Clube Militar, em agosto de 1947, contra a participação estrangeira na indústria de petróleo nacional
necessidade que os norte-americanos tinham
de expandir suas áreas petrolíferas. Como o
Brasil não dispunha de recursos técnicos e fi-
nanceiros suficientes para arcar sozinho com a tanto indispensável a implantação do mono- zes das duas correntes evidenciava não apenas
exploração do petróleo, deveria oferecer atrati- pólio estatal em todas as fases da indústria do o interesse dos militares no debate das grandes
vos para que as empresas estrangeiras aqui se petróleo. Para isso, o Estado deveria usar seus questões nacionais, como também a divisão
instalassem. Sua argumentação também levava próprios recursos, além de tomar empréstimos existente no interior da corporação. As teses
em conta fatores de ordem militar e estratégica, no exterior, que seriam pagos com os lucros da de Távora eram respaldadas por oficiais liga-
ligados à defesa do continente americano con- refinação. Argumentava ele que, ao contrário dos à Escola Superior de Guerra e pelos vete-
tra o avanço comunista. das companhias privadas, que buscavam sem- ranos da Segunda Guerra Mundial, que mais se
pre maximizar seus lucros, o Estado poderia identificavam com os modelos de organização
Após a primeira conferência de Távora, o ge- baixar os preços de venda dos derivados como e pensamento norte-americanos. Entretanto, a
neral Horta Barbosa foi também convidado meio indireto de reduzir custos e aumentar a maioria dos oficiais brasileiros apoiava as ideias
pelo Clube Militar para prestar seu depoimen- circulação de riquezas. de Horta Barbosa, principalmente pela preocu-
to e voltou a defender a posição de que o pro- pação em manter a soberania nacional sobre
blema do petróleo deveria ser encarado como A repercussão das conferências no Clube Mili- os recursos naturais do País. Baseados no Clu-
uma questão de soberania nacional e seguran- tar levou outras instituições a iniciativas seme- be Militar, os nacionalistas procuravam difundir
ça militar. Para o ex-presidente do CNP, era im- lhantes em vários estados do País, muitas vezes suas teses dentro e fora do Exército, enviando
possível conciliar os interesses nacionais com convidando Juarez Távora e Horta Barbosa. O cópias das conferências de Horta Barbosa a di-
os das companhias estrangeiras, sendo por- fato de dois generais atuarem como porta-vo- versos setores da sociedade civil.
106 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

comparecer maciçamente às manifestações de


rua em prol do monopólio estatal do petróleo.

Quando o Estatuto do Petróleo foi apresentado


no Congresso, em fevereiro de 1948, partidários
do monopólio estatal já se organizavam para
fundar, em abril, o Centro de Estudos e Defesa
do Petróleo, depois transformado em Centro de
Estudos e Defesa do Petróleo e da Economia Na-
cional (CEDPEN). Em setembro, na abertura da
1ª Convenção Nacional de Defesa do Petróleo,
promovida pelo CEDPEN na Associação Brasilei-
ra de Imprensa, veementes discursos clamavam
pela necessidade de se resistir às investidas dos
trustes internacionais. Ao final da sessão, cerca de
300 participantes se dirigiram à Cinelândia, onde
depositaram flores junto à estátua do marechal
Floriano Peixoto. A polícia dispersou a manifes-
Juarez Távora palestra no Clube Militar, em abril de 1947, contrapondo-se a Horta Barbosa
tação, mas os trabalhos prosseguiram e a conven-
ção consagrou a tese do monopólio estatal para
Em meio a essa polarização, vale a pena regis- grupo Folha continuavam posicionando-se fa- todas as fases da indústria do petróleo.
trar a posição de Monteiro Lobato a respeito da voravelmente à abertura do setor petrolífero ao
polêmica. Para ele, nem Horta Barbosa nem Ju- capital estrangeiro. A polarização do debate não permitia posições
arez Távora estavam com a razão: quem tinha intermediárias entre os nacionalistas, que rotula-
que explorar o petróleo brasileiro era o capital As conferências de Horta Barbosa podem ser vis- vam seus opositores de “entreguistas”, e os de-
particular nacional.178 tas como o verdadeiro ponto de partida da cam- fensores do Estatuto do Petróleo, que chamavam
panha “O petróleo é nosso” – slogan surgido do de “comunistas” os que advogavam a solução
A polêmica também repercutiu fortemente na movimento estudantil.179 Reunindo militares, tra- estatal na exploração do petróleo. Na realidade,
imprensa. No Rio de Janeiro, os jornais Correio balhadores, intelectuais, políticos e estudantes, a o PCB havia participado da campanha “O petró-
da Manhã e O Globo apoiavam as posições de campanha ganhou as ruas com o intuito de com- leo é nosso”, mas até então admitia a presença
Juarez Távora, ao passo que o Diário de Notícias bater o Estatuto do Petróleo e tornou-se uma das de capitais privados nacionais.180 Sua adesão à
tornou-se o principal veículo de divulgação da maiores mobilizações populares da história do tese do monopólio estatal aconteceu mais tar-
luta pelo monopólio, além do semanário Jornal País. Organizados em diretórios, centros acadê- de. Os adversários se aproveitaram da presença
de Debates, que igualmente se destacou pelo micos, uniões estaduais de estudantes e na União de comunistas na campanha para acusar o mo-
apoio às posições de Horta Barbosa. Em São Nacional dos Estudantes (UNE), os estudantes vimento de ser conduzido de fora para dentro,
Paulo, O Estado de S. Paulo e os periódicos do promoviam congressos e conferências, além de com motivações essencialmente políticas.

178. O MUNDO, Rio de Janeiro, 25 dez. 1947.


179. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 97.
180. WIRTH, 1973, p. 151.
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 107

Reviravolta no Congresso Nacional


O governo tinha ampla maioria para aprovação

Memória Petrobras
do Estatuto do Petróleo quando o anteprojeto co-
meçou a ser debatido na Câmara dos Deputados.
Por um acordo assinado entre o PSD (situacionis-
ta) e a UDN (maior partido de oposição), além do
pequeno PR (Partido Republicano), 235 dos 286
deputados federais acompanhariam o governo
nas votações, pelos menos a princípio. A cassação
dos mandatos dos parlamentares comunistas,
depois que o registro do PCB foi declarado ilegal
pelo Superior Tribunal Eleitoral, enfraqueceu ain-
da mais a oposição.181

Porém, a Campanha do Petróleo mobilizava cada


vez mais a opinião pública em torno do ideário
nacionalista, o que acabou complicando a vo-
tação do Estatuto. Em pouco tempo, se formou Manifestação popular pela campanha de “O petróleo é nosso”, em 1948, em Belo Horizonte (MG)

um bloco nacionalista no interior da Câmara, que


embora reunindo apenas cerca de 70 deputados,
passou a fazer oposição tenaz ao Estatuto. Salte (iniciais de Saúde, Alimentação, Transporte O conflito foi atenuado quando Dutra, aten-
e Energia), elaborado pelo Departamento de Ad- dendo a reclamos dos nacionalistas, solicitou
Já se percebia que dificilmente o anteprojeto pas- ministração do Serviço Público (DASP), para co- ao Congresso a abertura de créditos especiais
saria incólume. Foi aprovado na Comissão de Cons- ordenação de despesas públicas. A intensificação para construção de uma refinaria estatal e
tituição e Justiça (CCJ), mas não por unanimidade. das pesquisas e exploração do petróleo pelo CNP, aquisição de navios e equipamentos. Ao mes-
Na Comissão de Indústria e Comércio, as dificulda- a aquisição e montagem de refinarias pela União mo tempo, autorizou o Banco do Brasil a finan-
des continuaram: tanto o projeto original quanto as e a compra de 15 navios petroleiros eram algumas ciar os grupos interessados na instalação de
modificações feitas na CCJ foram rejeitados pelo propostas do capítulo sobre energia.183 Na prática, refinarias particulares. Essas decisões busca-
relator, que ofereceu um terceiro projeto, prevendo o plano ainda vedava o setor petrolífero ao ca- vam uma conciliação entre os que defendiam o
a constituição de uma empresa de economia mis- pital estrangeiro, mas não às empresas privadas monopólio estatal e os que queriam garantir a
ta, a Jazidas Petrolíferas Nacionais S.A.182 nacionais, aguçando a luta entre os setores na- ação do capital privado nacional. A campanha
cionalistas da burocracia estatal e os empresários “O Petróleo é Nosso” havia bloqueado a parti-
Corriam rumores de que Dutra estaria interessado brasileiros, que desde 1945 tentavam construir cipação do capital estrangeiro nas atividades
numa solução menos polêmica. Em maio de 1948, uma refinaria em Manguinhos, no Rio de Janeiro, petrolíferas. A essa altura, o Estatuto do Petró-
ele encaminhou ao Congresso o chamado Plano e outra em Capuava, próxima a São Paulo. leo já era letra morta.

181. WIRTH, 1973, p. 151.


182. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 97 ; CONH, 1968, p. 115
183. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 97.
108 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

O início de operação da Refinaria de Mataripe, na Bahia, em 1950, foi uma das grandes conquistas da indústria do petróleo no governo Dutra

As realizações do CNP no governo Dutra


A situação do CNP melhorou bastante com a falta de verba e de pessoal para serem realiza- Segundo Arthur Levy, as quatro principais realiza-
aplicação do Plano Salte, pelo governo Dutra. dos. A saída de Horta Barbosa e a mudança de ções do CNP no governo Dutra – a refinaria de Mata-
Antes, o conflito com o DASP dificultava a libe- orientação do CNP coincidiram com a elabora- ripe, o oleoduto Santos-São Paulo, a Frota Nacional
ração de recursos financeiros e humanos para ção do Plano Salte pelo DASP, que estava agora de Petroleiros (Fronape) e a refinaria de Cubatão –
o órgão. Muitos projetos não saíam do papel, coordenando a gestão de verbas para empre- foram realizadas com recursos do Plano, viabilizados
ou tinham que ser drasticamente reduzidos, por endimentos de grande porte. pelo diretor do DASP, Mário Bittencourt Sampaio.184

184. LEVY, Arthur. Artur Levy: depoimento [1987]. Rio de Janeiro: CPDOC: FGV, CPDOC; Petrobras, SERCOM, 1988. p. 170-171.
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 109

Refinaria de Mataripe
Desde 1945, antes da liberação dos recursos do de construção e montagem que couberam à sua A refinaria começou a operar oficialmente em
Plano Salte, o CNP estudava a instalação de uma subsidiária Kellog Pan American Corporation. O 17 de setembro de 1950 e, com ela, a produção
refinaria na Bahia, com uma capacidade inicial de contrato, assinado em novembro de 1947, pre- de óleo bruto dos campos da Bahia atingiu um
2.500 barris por dia. Até então, duas pequenas via que a unidade estaria pronta em 18 meses, a caráter efetivamente industrial.189 Em dezembro
refinarias haviam funcionado no Recôncavo em um custo global orçado em cerca de 2 milhões desse mesmo ano, foi assinado um novo contrato
caráter experimental: a de Aratu e a de Candeias. de dólares. Em virtude da alta dos preços dos com a M. W. Kellog Co., desta vez para a con-
Havia urgência no empreendimento. A importa- materiais nos Estados Unidos, o custo da ins­ strução de uma nova unidade, já voltada para a
ção de derivados de petróleo aumentava a cada talação aumentou para 2,9 milhões de dólares. ampliação da sua capacidade de processamento.
ano, chegando em 1948 a representar 44% do va-
lor de todas as matérias-primas importadas pelo

Memória Petrobras
Brasil.185 A importação de petróleo bruto custava
ao País o mesmo que se conseguia arrecadar com
toda a exportação de café: 200 milhões de dóla-
res, em 1950.186

A Refinaria Nacional de Petróleo S.A., criada pelo


Governo Federal em 1946,187 seria uma sociedade
de economia mista. A participação estatal, limitada
a 50%, após alguns anos de operação deveria ser
transferida a particulares, através da Bolsa de Valo-
res”.188 O local escolhido para sua instalação foi Ma-
taripe, próximo do campo petrolífero de Candeias,
em vista da natureza parafínica do óleo ali produ-
zido, que ficava pastoso à temperatura ambiente.

Para sua construção foi selecionada a M. W. Kellog


Co., empresa norte-americana que ficou incumbida
não apenas do projeto básico e do detalhamento,
mas também da compra, inspeção e expedição
dos materiais e equipamentos, além dos serviços Trabalhadores resfriam tubos durante a construção da Refinaria de Mataripe, em 1950

185. MATTOS, Wilson Roberto de. et al. Uma luz na noite do Brasil: 50 anos de história da Refinaria Landulpho Alves, 1950-2000. Salvador:
Solisluna, 2000, p. 42.
186. MATTOS, Wilson, 2000, p. 42, 222.
187. BRASIL. Decreto nº 9.881, de 16 de setembro de 1946. Diário Oficial da República Federativa do Brasil , Poder Executivo, Brasília, DF, 17 set. 1946.
188. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 92.
189. MATTOS, Wilson, 2000, p. 57.
110 Petróleo e Estado

Oleoduto Santos-São Paulo


Banco de Imagens Petrobras

Autoridades visitam instalação do oleoduto Santos-São Paulo, em 1951

Em agosto de 1948, depois de dois anos de estudos, Williams Brothers Co., de Tulsa (EUA), foi encarrega- as obras tiveram início no mesmo ano. Em agosto
o CNP autorizou a Estrada de Ferro Santos-Jundiaí da da execução do projeto de engenharia, sob a su- de 1951, entrou em funcionamento a linha de dez
(EFSJ) a construir e explorar um sistema de oleodu- pervisão do engenheiro norte-americano William G. polegadas (gasolina-diesel-querosene) entre San-
tos com duas linhas de dez polegadas para produtos Heltzel e a assistência de Leopoldo Américo Miguês tos e São Paulo. O traçado deste oleoduto, embora
claros e uma de 18 polegadas para óleo combustí- de Mello, engenheiro designado pelo CNP. de pequena extensão, representou um grande de-
vel, interligando Santos e São Paulo. A EFSJ, com- safio, pois além do trecho pantanoso entre Santos
panhia de propriedade da União, transportava cerca O projeto detalhado foi concluído em 1950, a com- e Cubatão, foi necessário enfrentar pela primeira
de 80% dos derivados de petróleo entre Santos e o pra do material foi feita nos Estados Unidos, exceto vez a subida da Serra do Mar, com um desnível de
planalto paulista através de sua linha férrea. A firma uma parte da tubulação adquirida na Alemanha, e 750 metros em apenas 1,5 km.
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 111

Refinaria de Cubatão
Enquanto a construção de Mataripe se desenvolvia e

Banco de Imagens Petrobras


a discussão sobre as refinarias privadas se intensifica-
va, o CNP planejava a instalação de uma refinaria de
maiores dimensões, no centro-sul do País, mais pró-
xima dos principais centros consumidores. Depois de
intensa polêmica, que envolveu os principais jornais
do País, os ministérios militares e diferentes segmen-
tos da sociedade civil, o Governo Federal acabou op-
tando, por sugestão do Conselho de Defesa Nacional,
pela construção da nova refinaria em local próximo
ao porto de Santos (SP). Além da proximidade com
a capital paulista, onde o consumo de derivados do
petróleo era superior ao de qualquer outra região do
País, já havia nas instalações portuárias de Santos um
esquema montado para o recebimento de óleo cru.190

Por conta de sua topografia plana, que possibilitaria


a expansão da refinaria, Cubatão foi o local escolhido.
Em julho de 1949, o CNP assinou contratos com a firma
norte-americana Panamerican Hydrocarbon Research
Inc., responsável pela elaboração do traçado do projeto
e pela supervisão de montagem da refinaria; e com o
consórcio francês Fives-Lille & Schneider, encarregado
da sua construção. A assinatura dos contratos foi um
dos resultados da visita do coordenador do Plano Sal-
te, Mário Bittencourt Sampaio, à França.191 Foi previsto
um prazo de quatro a cinco anos para a conclusão das
instalações, que teriam capacidade de processar, por
dia, 45 mil barris de petróleo importado. As obras tive-
ram início em 1950, ainda no governo Dutra.

A Refinaria de Cubatão foi a primeira grande refinaria do Brasil. A imagem data de sua construção, em julho de 1952

190. LEVY, Arthur. Artur Levy: depoimento [1987]. Rio de Janeiro:


CPDOC: FGV, CPDOC; Petrobras, SERCOM, 1988. p. 216.
191. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 70.
112 Petróleo e Estado

Frota Nacional de Petroleiros


A reduzida frota petroleira do Brasil – apenas
Memória Petrobras

três navios-tanque, com capacidade total de


25 mil toneladas – havia prejudicado em muito
o fornecimento de petróleo ao País durante a
Segunda Guerra Mundial. Em 1949, o Governo
Federal decidiu constituir uma frota de navios
petroleiros e, no mesmo ano, foi adquirida a pri-
meira unidade: o navio-tanque sueco Ostbris,
de 1.230 toneladas, que passou a denominar-se
Salte 50, entregue à Companhia Nacional de
Navegação Costeira.192

Em 1950, o governo transferiu a administração


da Frota Nacional de Petroleiros para o CNP, em
virtude de sua especialização.193 Com recursos
previstos no Plano Salte, a formação da frota
teve prosseguimento com a aquisição, na Suécia,
de um navio-tanque de 16 mil toneladas, que
recebeu o nome de Presidente Dutra e entrou
em serviço ainda em 1950. Além disso, foram
firmados contratos com estaleiros da Suécia,
Inglaterra, Holanda e Japão para a construção
de 11 navios-tanque de grande tonelagem e 9
de pequeno porte, totalizando 205.500 tone-
ladas. Estes últimos, de construção japonesa,
encontravam-se em viagem para o Brasil em
1950, e os 11 restantes deveriam ser entregues
Navio petroleiro Guaporé, da Fronape, na Baía de Todos os Santos (BA), em 1956
até junho de 1952

192. O GLOBO, Rio de Janeiro, 12 de junho de 1945.


193. BRASIL. Decreto nº 28.050, de 25 de abril de 1950. Diário Oficial
da República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF,
25 abr. de 1950.
Capítulo 9 - O petróleo é nosso! 113

A polêmica sobre as refinarias privadas

Agência O Globo
Quatro grupos haviam sido classificados em con-
corrência pública promovida pelo CNP no início
de 1946, para a instalação e exploração de refi-
narias em São Paulo, no então Distrito Federal e
adjacências, utilizando inicialmente petróleo im-
portado. Eram eles o grupo Ipiranga, que propu-
nha instalar uma refinaria em São Paulo, capaz de
processar 10 mil barris por dia (bpd); o grupo So-
ares Sampaio (Distrito Federal, 8 mil bpd), Drault
Ernanny (Distrito Federal, 8 mil bpd) e Raja Gaba-
glia (São Paulo, 6 mil bpd). No entanto, os grupos
Raja Gabaglia e Ipiranga desistiram de continuar
na disputa depois que o CNP apresentou novas
exigências, entre as quais um contrato definitivo
com o fornecedor de óleo cru. Grandes compa-
nhias norte-americanas faziam pressão sobre os
empresários brasileiros, aproveitando-se da obri-
gatoriedade de um contrato de fornecimento de
petróleo e da necessidade de empréstimos em
agências oficiais dos Estados Unidos.194
Repórter conversa com operários na Refinaria de Manguinhos em dezembro de 1954
Os dois concorrentes restantes organizaram as
sociedades comerciais Refinaria e Exploração de
Petróleo União (Soares Sampaio), e Refinaria de capacidade para 20 mil barris diários e mudar seu tuação irregular. Mesmo assim, pressionado pelos
Petróleo do Distrito Federal (Drault Ernanny) e local para São Paulo, tornando-se mais tarde a re- empresários e pela postura adotada pelo Conse-
receberam os títulos de autorização, em setem- finaria Capuava. lho, de defender o ingresso da iniciativa privada no
bro de 1946, para a montagem de refinarias com setor petrolífero, o Governo Federal permitiu uma
capacidade para processar 8 mil barris por dia, Pelo contrato de concessão, essas empresas te- série de facilidades aos grupos privados, entre elas
que poderia ser elevada para 10 mil bpd, assim riam um prazo de dois anos para construírem as a prorrogação das concessões sem a abertura de
que o mercado da região permitisse. Em 1947, a refinarias. Uma série de dificuldades, no entan- nova concorrência.195 Essas medidas geraram in-
Refinaria de Petróleo do Distrito Federal recebeu to, impediu o início das obras em 1949, levando tensas polêmicas na imprensa. Em diversas maté-
autorização para o início da instalação da futura os empresários a pedirem auxílio ao governo. No rias, o Diário de Notícias condenou a atuação des-
refinaria de Manguinhos. Por sua vez, a Refinaria entanto, nenhuma das duas empresas havia cum- ses grupos, os privilégios e favores que recebiam
e Exploração de Petróleo União decidiu elevar sua prido as exigências do CNP, encontrando-se em si- do governo e a instalação das refinarias privadas.196

194. DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 91.


195. CARVALHO JÚNIOR, 2005, p. 66.
196. DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 16 out. 1948; DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 16 jan. 1949; DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 27 jan. 1949; DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 21 abr. 1949;
DIÁRIO DE NOTÍCIAS, 24 abr. 1949;
114 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 10

PROJETO PETROBRAS
MOBILIZA OPINIÃO
PÚBLICA
Consolida-se o nacionalismo
O retorno de Getúlio Vargas à Presidência da Re- política econômica, portanto, apresentava caracte- O crescimento
pública em janeiro de 1951, dessa vez pelo voto rísticas nacionalistas e estatizantes, muito embora
popular, significou uma profunda revisão da estivesse aberta à colaboração com o capital es-
industrial exigia
orientação adotada no plano econômico pelo trangeiro – uma dubiedade que também se fazia uma política
governo Dutra, privilegiando-se a postura nacio- sentir no setor de exploração de petróleo. eficaz de
nalista, em grande parte abandonada por este
último. Na mensagem presidencial enviada ao A decisão da Câmara dos Deputados de mandar
abastecimento.
Congresso Nacional, logo no início de seu novo arquivar o projeto do Estatuto do Petróleo tornava
mandato, Vargas anunciou um plano de desen- urgente a definição de um planejamento nacional mente dita ficaria a cargo de uma nova empresa a
volvimento econômico autônomo, vinculado à para o setor. O consumo de derivados de petróleo ser criada, a futura Petrobras. Enquanto esse pro-
construção de indústrias de base, sobretudo no praticamente triplicou entre 1945 e 1950. O cresci- jeto era desenvolvido, Vargas optou por manter
setor energético.197 mento industrial do País só agravava o problema, João Carlos Barreto na presidência do Conselho
exigindo uma política eficaz de abastecimento. Nacional do Petróleo. Contudo, Barreto enviou-
O novo governo concentrou suas ações numa cres- -lhe uma carta pedindo exoneração do cargo,
cente intervenção do Estado na economia, apa- A Assessoria Econômica da Presidência da Re- pedido aceito pelo Presidente da República.198 A
relhando-o com empresas estratégicas e órgãos pública, instalada em 1951 para formular a políti- presidência do CNP foi então assumida interina-
públicos de financiamento. Vargas, porém, admi- ca econômica do governo, decidiu desmembrar mente por Plínio Cantanhede, membro da Asses-
tia a necessidade de contar com a participação do as funções do CNP, que ficaria unicamente com soria Econômica e diretor da Divisão Econômica
capital e da tecnologia estrangeiros, bem como de as funções de normatização e de fiscalização do do Conselho, um defensor do projeto de criação
importar máquinas e outros produtos básicos. Sua setor. A execução da política petrolífera propria- da Petrobras e do monopólio estatal do petróleo.

197. MATTOS, Wilson, 2000, p. 49.


198. VARGAS, Getúlio. [Carta] 31 ago. 1951, [para] BARRETO, João Carlos. GETÚLIO VARGAS (1882-1954) [Arquivo GV]. Rio de Janeiro, FGV, CPDOC.
Sigla GV. Carta de Getúlio Vargas a João Carlos Barreto, datada de 31 de agosto de 1951. Accessus, GV c 1951.08.23. Série: c – Correspondência.
Capítulo 10 - Projeto Petrobras mobiliza opinião pública 115

FGV/CPDOC - Arquivo Oswaldo Aranha


Oswaldo Aranha, ministro da Fazenda durante o segundo governo Vargas, discursa sobre a questão do petróleo
116 Petróleo e Estado
Estadão Conteúdo

Trabalhadores comemoram a extração de petróleo da Bahia, em 1955


Capítulo 10 - Projeto Petrobras mobiliza opinião pública 117

Capital privado na Petrobras


O projeto de criação da Petrobras, enviado por

Memória Petrobras
Getúlio ao Congresso Nacional199 em dezembro de
1951, guardava semelhanças com o Estatuto do Pe-
tróleo. Formatava a nova empresa como sociedade
de economia mista, com a participação do capital
público e privado, e definia as suas relações com o
CNP, que passaria a se encarregar da supervisão
da política petrolífera. Controlada majoritariamen-
te pela União, a Petrobras herdaria as principais
funções do CNP, além de cuidar das atividades de
refinação e da Frota Nacional de Petroleiros.200

O Governo Federal arcaria com o capital inicial da


Petrobras, estimado em quatro bilhões de cru-
zeiros. O restante viria principalmente das recei-
tas provenientes de 25% do imposto único sobre
combustíveis líquidos e lubrificantes, e da tomada
compulsória de títulos pelos proprietários de auto-
móveis e afins. Esses títulos, segundo o governo, Vargas visita as obras da Refinaria de Cubatão, em julho de 1952
“dada a expectativa de êxito financeiro da empre-
sa”, seriam uma “fonte de renda para os seus to- percentagem mínima de 51% das ações com di- 153 da Constituição de 1946, que limitava a bra-
madores”, que poderiam “negociá-los, dentro das reito a voto, o Governo Federal poderia vender o sileiros natos a exploração do subsolo, mas es-
limitações estabelecidas no projeto de lei”.201 Além restante das ações de acordo com a linha política tendia a prerrogativa às empresas organizadas
disso, seria adaptado imposto sobre combustíveis, que considerasse mais adequada aos interesses no País, o que abria aos grupos estrangeiros a
existente desde 1940 e que vinha respaldando a nacionais. O projeto permitia, teoricamente, que possibilidade de participação acionária na em-
ação do CNP e do Fundo Rodoviário Nacional.202 cada empresa estrangeira possuísse até um déci- presa. Segundo o chefe da Assessoria Econô-
mo das ações com direito a voto da empresa hol- mica da Presidência da República, Rômulo Al-
O monopólio estatal não fazia parte do projeto ding. O capital privado como um todo não podia, meida, essa reserva à iniciativa privada de uma
inicial da Petrobras. Suas ações poderiam ser ven- contudo, exceder 15% do total das ações.203 cota minoritária de participação acionária era
didas ao público, a organizações governamentais uma forma de conseguir recursos extras e de
e a companhias particulares estabelecidas no Embora contrariasse as teses nacionalistas, esse despertar a simpatia popular para com uma em-
País, nacionais ou estrangeiras. Controlando a ponto estava em conformidade com o Artigo presa em que todo brasileiro podia participar.204

199. BRASIL. Projeto de Lei nº 1.516, de 3 de dezembro de 1951. Diário do Congresso Nacional, dez. 1951
200. MATTOS, Wilson, 2000, p. 14.
201. BRASIL. Mensagem Presidencial nº 469 de 1951, Brasília, 1951, p. 13.
202. BRASIL. Mensagem Presidencial nº 470 de 1951, Brasília, 1951, p. 1.
203. CARVALHO, Getúlio. Petrobrás: do monopólio aos contratos de risco. Rio de Janeiro: Forense-Universitária, 1977. p. 50.
204. MATTOS, Wilson, 2000, p. 49.
118 Petróleo e Estado
Capítulo 10 - Projeto Petrobras mobiliza opinião pública 119

Banco de Imagens Petrobras


Evento do Centro de Estudos e Defesa do Petróleo e da Economia Nacional (CEDPEN), em abril de 1955
120 Petróleo e Estado

Acervo Iconographia

ras, em geral a serviço do capital mono-


polista. Falemos claro: (...) o que cons-
titui o alicerce da nossa soberania não
pode ser entregue a interesses estra-
nhos, deve ser explorado por brasileiros
com organizações predominantemente
brasileiras, e, se possível, com alta per-
centagem de participação do Estado.206

Na mensagem que encaminhou o Projeto de Lei


nº 1.516 para apreciação do Congresso Nacional,
talvez já tentando se antecipar às críticas dos de-
fensores do monopólio estatal, Vargas enfatizou
a enorme importância econômica da criação da
Petrobras para o País, como também o caráter
nacionalista da proposta:

O Governo e o povo brasileiro desejam


a cooperação da iniciativa estrangeira
no desenvolvimento econômico do País,
mas preferem reservar à iniciativa nacio-
A Cinelândia, no Rio de Janeiro, foi palco de diversas manifestações populares durante a segunda fase da campanha “O petróleo é nosso”
nal o campo do petróleo, sabido que a
tendência monopolística internacional
Ele ressaltava a necessidade de um projeto nacio- em relação ao monopólio estatal do petróleo, dessa indústria é de molde a criar focos
nalista, porém estruturado de forma a não impe- nem sobre os limites da participação de capitais de atritos entre povos e entre governos.
dir o dinamismo da empresa: privados nacionais e estrangeiros no setor, mas Fiel, pois, ao espírito nacionalista da vi-
chegou a abordar essas questões inclusive duran- gente legislação do petróleo, será essa
A ideia de Getúlio era estudar o problema te a campanha presidencial, como fez nesse dis- empresa genuinamente brasileira, com
e ver como o Brasil manteria o controle curso em agosto de 1950: capital e administração nacional.207
do petróleo, mas fazendo uma organiza-
ção capaz de se desenvolver, de acumular (...) Não nos opomos, como se costuma As críticas não tardaram a chegar. O CEDPEN
recursos, de absorver e criar tecnologia e insinuar, à vinda de capitais estrangeiros acusou Vargas de ensejar a associação com com-
tudo mais, para competir com as grandes para o Brasil. Ao contrário, desejamos panhias multinacionais. E o projeto de lei come-
empresas estrangeiras.205 que venham. Somos contrários, sim, à çou a receber inúmeras modificações na Câmara,
entrega de nossos recursos naturais (...) alguns reforçando o controle acionário da União,
Vargas não explicitava claramente sua posição ao controle das companhias estrangei- outros endossando completamente as teses de

205. MATTOS, Wilson, 2000, p. 49.


206. VARGAS, 1964, apud DIAS; QUAGLINO, 1993, p. 109.
207. BRASIL. Mensagem presidencial nº 469 de 1951, Brasília, 1951, p. 10.
Capítulo 10 - Projeto Petrobras mobiliza opinião pública 121

“O Petróleo é Nosso”, porém a reação mais sur- como o que foi proferido em 6 de junho de 1952, Os meses que se seguiram foram marcados por
preendente veio da UDN, que repentinamente pelo ex-Presidente da República Artur Bernardes, uma intensa atividade política. Em junho, um co-
assumiu a bandeira do monopólio estatal, contra- então deputado federal pelo PR de Minas Gerais: mício realizado no centro do Rio de Janeiro foi
riando todas as expectativas. reprimido a tiros pela polícia. Em julho, o gover-
Está hoje provado que não necessita- no proibiu a realização da 3a Convenção Nacional
Em 4 de junho de 1952, quando o projeto do go- mos do capital estrangeiro para indus- de Defesa do Petróleo, convocada pelo CEDPEN,
verno retornava das comissões, cheio de emen- trializar o nosso petróleo. (...). Fomos os porque coincidia com a visita do secretário de Es-
das, o presidente da UDN, deputado Bilac Pinto, iniciadores da indústria ora em adianta- tado norte-americano Dean Acheson, mas teve
apresentou um substitutivo prevendo a criação da execução. Descobrimos o combustí- que recuar devido a fortes protestos. A conven-
da Empresa Nacional do Petróleo (Enape), previa vel, montamos refinarias, construímos ção foi realizada na data prevista e mais uma vez
o monopólio estatal em todas as fases da indús- oleodutos e adquirimos frota de pe- os nacionalistas condenaram o projeto governa-
tria do petróleo. troleiros. Tudo isso se fez com recursos mental, taxando-o de “impatriótico e lesivo aos
nossos, com técnicos nossos e também interesses do povo brasileiro”.209
contratados, e máquinas que adquiri-
mos. Agora que tudo está em boa mar- Vargas, por seu turno, também procurava mobilizar
cha, não necessitamos de convivas para a opinião pública a seu favor, desqualificando seus
Na campanha
a mesa posta. Os lucros integrais do adversários. Em 23 de junho, num discurso pronun-
“O petróleo é nosso”, petróleo devem ficar no Brasil, circulan- ciado em Candeias, um dos principais centros pe-
Getúlio Vargas do nas artérias da nação, estimulando trolíferos da Bahia, Vargas bateu forte nos udenistas
trabalho novo, criando novas indústrias, (”conhecidos advogados dos monopólios econômi-
foi classificado
melhorando as condições de vida do cos estrangeiros”) e comunistas (“arautos dum falso
como “aliado do seu povo e enriquecendo os brasileiros. nacionalismo que mal encobre uma filiação ideoló-
imperialismo”. Além disso, temos milhões e milhões de gica, visando novos imperialismos”):
compatriotas que morrem à fome ou
vegetam, sem roupa, sem saúde, sem Não é de espantar, pois que se levantem
O substitutivo da UDN foi apoiado por representan- escolas e devemos destinar à cura de agora uns e outros, com o objetivo de
tes de todos os partidos, inclusive por ícones dos seus males os lucros com que se quer torpedear e paralisar a atual proposta
nacionalistas, como Eusébio Rocha e Artur Bernar- presentear os trustes.208 governamental – os primeiros porque
des. A eles se uniram entidades da sociedade civil, não têm porta de acesso na nova orga-
como a UNE, o Jornal de Debates e o CEDPEN, que Nas ruas, a União Nacional dos Estudantes e o nização, e os últimos porque, para eles,
relançaram a palavra de ordem “O petróleo é nos- CEDPEN desencadearam o segundo tempo da só interessa que o petróleo seja nosso,
so”, convocando a população mais uma vez para Campanha do Petróleo, relançando o lema “O pe- mas... debaixo da terra.210
lutar em defesa da soberania nacional. tróleo é nosso”, agora com um forte sentido de
contestação a Vargas, classificado como “aliado O governo adotou então a estratégia de apressar
O Congresso voltou a ser palco de discursos contun- do imperialismo” por militares nacionalistas, co- a discussão do seu projeto, evitando a articula-
dentes em defesa do monopólio estatal do petróleo, munistas e até mesmo dirigentes do PTB. ção da oposição em torno do projeto da UDN.

208. BERNARDES, Artur. Defesa do monopólio estatal do petróleo. Brasília, Congresso Nacional, 1952. Discurso.
209. COHN, Gabriel, 1968, p. 153.
210. VARGAS, 1952, apud COHN, Gabriel, 1968, p. 145-150.
122 Petróleo e Estado

FGV/CPDOC - Arquivo Getúlio Vargas

impedia a participação de acionistas estrangei-


ros na Petrobras. Assim, no dia 2 de setembro de
1952, o projeto 1.516 foi aprovado em primeira ins-
tância, na Câmara dos Deputados, com mais de
150 emendas que instituíam o monopólio sobre
todas as fases da indústria do petróleo, exceto na
distribuição e nas concessões de refinarias parti-
culares já existentes.

Remetido ao Senado, o projeto enfrentou re-


sistências opostas às que havia enfrentado na
Câmara, demorando mais um ano para ser sub-
metido à apreciação final do Congresso. Os se-
nadores resolveram desconsiderar os pareceres
dos deputados, dividindo-se em dois grupos:
os favoráveis à ação estatal e os que eram fa-
voráveis à participação de grupos econômicos
estrangeiros. Getúlio Vargas passou a trabalhar
intensamente por uma ação combinada entre
Assessoria Econômica e os senadores favoráveis
Vargas posa dentro de um dos primeiros jatos militares encomendados aos EUA, na base aérea de Santa Cruz, no Rio de Janeiro ao monopólio estatal.

Em junho de 1953 o projeto retornou à Câmara


dos Deputados com 32 emendas, algumas de-
Com a mobilização Nesse sentido, o deputado Gustavo Capanema, las permitindo, inclusive, o completo controle da
líder do governo, enviou um pedido de urgência Petrobras por capitais privados nacionais e es-
gerada pela e a Câmara iniciou ainda em julho a discussão trangeiros. Todas elas, porém, foram derrubadas
campanha das 126 emendas ao projeto de criação da Pe- na Câmara, ficando o projeto praticamente com
“O petróleo é trobras. Antes disso houve entendimentos com as mesmas características com que fora enviado
Artur Bernardes, pois a Comissão de Segurança ao Senado. Em 21 de setembro de 1953, a Câmara
nosso”, Vargas foi Nacional, presidida por ele, foi a única comissão dos Deputados aprovou o projeto em sua reda-
obrigado a optar da Câmara dos Deputados que não tinha dado ção definitiva.
finalmente pelo parecer favorável.
Assim, em 3 de outubro de 1953, Vargas sancio-
monopólio estatal. Entretanto, com a mobilização gerada pela cam- nou a Lei nº 2.004 que criava a Petróleo Brasi-
panha “O petróleo é nosso”, Vargas foi obrigado leiro S.A. – Petrobras, empresa de propriedade e
a optar finalmente pelo monopólio estatal. Para controle totalmente nacionais, com participação
isso, foi aberto um canal de negociações com o majoritária da União, a quem cabia explorar, em
Congresso, cujo primeiro passo foi o compromis- caráter monopolista, diretamente ou através de
so da maioria governamental de apoiar a emenda subsidiárias, todas as etapas da indústria petrolí-
do deputado Lúcio Bittencourt (PTB-MG), que fera, menos a distribuição.
A III Convenção do CEDPEN, realizada em 1952, foi um marco na campanha a favor do monopólio estatal do petróleo
124 Petróleo e Estado
Capítulo 11 - Impactos da criação da Petrobras 125

1954-1964
A mudança de
perfil do CNP
126 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 11

IMPACTOS DA
CRIAÇÃO DA
PETROBRAS
Relações tensas
Criada em outubro de 1953, foi no ano seguinte ziamento do CNP é exemplarmente enunciado pelo Sempre houve muita fricção entre o
que a Petrobras deu seus primeiros passos e o art. 50 da Lei nº 2.004, que determinava o seguinte: pessoal do CNP e a Petrobras por vá-
CNP passou a ter sua atuação restrita à orientação “Sempre que o Conselho Nacional do Petróleo tiver rias razões. Primeiro que (...) a criação
e fiscalização do monopólio da União. De 1954 até que deliberar sobre assunto de interesse da Socie- da Petrobras veio levar parte das atri-
o golpe militar de 1964, exatamente dez anos, CNP dade [a Petrobras], o presidente desta participará buições do CNP. (...) Depois, a Petro-
e Petrobras viveram um relacionamento muitas ve- das sessões plenárias, sem direito a voto”. bras nasceu com mais recursos, po-
zes tenso, marcado pela sucessiva implementação dendo pagar mais aos seus técnicos,
de novas regras. Nesses anos tumultuados, carac- Em termos práticos, a adaptação do CNP às suas pagar salários de mercado, atrativos,
terizados por profundas transformações econômi- novas atribuições acarretou-lhe uma série de pro- enquanto que os do CNP continuavam
cas e sociais no País, a concretização da política blemas, sobretudo no que se refere à organização como funcionários públicos, ganhando
nacional de petróleo sofreu avanços e retrocessos. interna e ao pessoal. Embora a maior parte do mal... (...) Também havia (...) uma inca-
corpo técnico que o órgão então dispunha tenha pacitação técnica. Como o CNP perdeu
O discurso de Getúlio Vargas anunciando a cria- sido transferida para a Petrobras, disposições le- uma grande parte do seu corpo técnico
ção da Petrobras foi apenas o primeiro de muitos gais impediam que 40% das vagas ociosas de seu para a Petrobras e não conseguia repor
passos até sua instalação oficial, em 10 de maio de quadro de funcionários fossem preenchidas.211 em função dos seus salários, sempre
1954. Para o CNP, isso determinou uma profunda re- tinha engenheiro iniciante recebendo
definição das suas atribuições. Se o campo norma- A problemática questão da transferência de mal. O CNP foi perdendo parte da sua
tivo-fiscalizador da política do petróleo continuava pessoal para a Petrobras foi assim avaliada, capacitação até de trabalhar naquela
sob a jurisdição do órgão, o campo executivo pas- 35 anos depois, por Aldo Zucca, um dos en- área essencial (...), que é a formulação
sava integralmente para a esfera da nova empresa, genheiros do quadro do CNP que optou pela das especificações, a fiscalização dos
constituída exatamente com esse objetivo. O esva- empresa estatal: produtos (...) e assim por diante (...).212

211. BRASIL. Mensagem presidencial nº 469 de 1951, Brasília, 1951, p. 9.


212. ZUCCA, Aldo. Aldo Zucca: depoimento [1988]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 1992. Programa de História Oral. p. 170.
Capítulo 11 - Impactos da criação da Petrobras 127

FGV/CPDOC - Arquivo Tancredo Neves/Renato


Vargas e seu vice, Café Filho, se cumprimentam após a assinatura do decreto que criara a Petrobras em 3 de outubro de 1953
128 Petróleo e Estado

Em abril de 1954, Plínio Cantanhede foi manti-


Agência Petrobras

do na presidência do CNP. No dia 10 de maio Em 1954, a


seguinte, a Petrobras foi oficialmente instalada, Petrobras estava se
tendo como primeiro presidente o general Ju-
estruturando, em
racy Magalhães.
grande parte a partir
Ao que tudo indica, os nacionalistas brasileiros do próprio CNP,
ficaram satisfeitos com o formato final dado à
e as atividades de
Petrobras. Em telegrama enviado a Vargas por
ocasião da criação da estatal, o general Horta ambos os órgãos se
Barbosa manifestava seu contentamento: confundiam.
Congratulo-me V. Excia. Sanção lei
Petrobras com mesma orientação na- que posteriormente seriam desenvolvidas
cionalista legislação de 1938 o que apenas pela empresa. 214
constitui confirmação alentadora de
O general Juracy Magalhães foi o primeiro presidente da Petrobras
confiança capacidade brasileiros resol- A companhia estatal herdou do CNP a pro-
verem seus problemas fundamentais e dução diária de 2.700 barris dos campos de
fé robusta nosso futuro.213 Candeias, Dom João, Água Grande e Itapari-
Arquivo ANP

ca, no Recôncavo Baiano. Também recebeu


Nos primeiros meses de 1954, coube ao CNP do Conselho a refinaria de Mataripe, na Bahia,
adotar as providências que lhe competiam já em funcionamento; uma refinaria e uma
para contribuir com a rápida organização da fábrica de fertilizantes, em fase de constru-
Petrobras. Com relação à infraestrutura do ção, em Cubatão, São Paulo; a Frota N ­ acional
setor de petróleo, o Conselho continuou atu- de Petroleiros (Fronape), composta por 22
ando em diversas frentes, entre as quais pre- navios, com capacidade para transportar
paração de pessoal, instalações e produção, 221.295 toneladas; e o acervo da Comissão
transporte e comércio interno e internacional, de Industrialização do Xisto. Passou também
licenciamento e regulamentação. Como, nes- à Petrobras o Centro de Aperfeiçoamento de
se período, a Petrobras estava se estruturan- Pessoal (Cenap), criado dois anos antes, no
do, em grande parte, a partir do próprio CNP, âmbito do Conselho, e responsável pela co-
as atividades de ambos os órgãos se confun- ordenação dos estágios de aperfeiçoamento
diam. Isso fica bastante claro no Relatório de técnicos no exterior e pela organização de
de Atividades de 1954, que aponta o envol- cursos de especialização em tecnologias liga-
vimento do Conselho em frentes de trabalho das à indústria do petróleo no Brasil.
Plínio Cantanhede, presidente do CNP, em 1954

213. GETÚLIO VARGAS (1882-1954) [Arquivo GV]. Rio de Janeiro, FGV, CPDOC. Sigla GV. Telegrama enviado a Vargas pelo general Horta Barbosa,
datado de 7 de outubro de 1954. FGV/CPDOC, Arq. Getúlio Vargas (GV c 1951.11.07/4, doc. 13).
214. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de atividades [1954], Brasília, CNP, 1954.
Capítulo 11 - Impactos da criação da Petrobras 129

FGV/CPDOC - Arquivo Valfrido Moraes


Vargas visita pela última vez as obras da Refinaria de Cubatão, inaugurada oficialmente em 1955

Em 1954 foram concluídas as obras de amplia- eram os poços pioneiros de Jacarezinho (Para- a construção de seis oleodutos: Santos-São
ção da refinaria de Mataripe, cuja capacidade de ná), Riachão (Maranhão), Alter do Chão (Pará) Paulo (construído), com prolongamento até
refino passou a ser de 5 mil barris diários, e foi e Nova Olinda (Amazonas). Além disso, prosse- Campinas e ramais para Ribeirão Preto, Ubera-
planejada para o ano seguinte a entrada em fun- guiram os estudos para o aproveitamento das ja- ba e Goiânia; Paranaguá-Curitiba, com prolon-
cionamento da refinaria de Cubatão (45 mil bpd), zidas de xisto existentes na região Taubaté-Tre- gamento a Guarapuava, Foz do Iguaçu e As-
e das refinarias privadas de Capuava (20 mil bpd), membé (SP), e foram ultimadas as providências sunção (no Paraguai); Rio de Janeiro-Juiz de
em São Paulo, e de Manguinhos (10 mil bpd), no para a montagem da Estação Experimental de Fora, com prolongamento até Belo Horizonte;
Rio de Janeiro. Processamento, também em Tremembé. Torres-Porto Alegre, com prolongamento a
Santa Maria e Uruguaiana; Salvador-Mataripe,
Ao serem transferidos para a Petrobras os tra- Também em 1954, o CNP criou a Comissão com prolongamento a Feira de Santana,
balhos de perfuração, 11 poços estavam em an- da Rede Nacional de Oleodutos (Creno), que Juazeiro, Paraguaçu, Lençóis e Barreiras; e
damento, 7 deles em território baiano. Os outros após estudos técnicos e econômicos suge­riu porto de Itaqui (MA)-Teresina.
130 Petróleo e Estado

A crise de 1954
Organizada num momento de intensa radicaliza- O ministério montado pelo novo presidente, prin- Neste seu primeiro pronunciamento institucional so-
ção política, a Petrobras logo se tornou um dos cipalmente com nomes ligados à UDN, não era bre a nova empresa, os chefes militares concluíam:
principais alvos da campanha oposicionista, mo- muito favorável à Petrobras. O próprio Café Filho
[...] ser conveniente que se mantivesse
vida pelos políticos conservadores e pela grande não via com entusiasmo a criação da estatal, as-
a atual política, apoiando-a com todos
imprensa, contra a orientação nacionalista do sim como o seu ministro da Aeronáutica, o briga-
os recursos possíveis, durante um prazo
governo Vargas. deiro Eduardo Gomes, que havia sido derrotado
mínimo, experimental. Esgotado esse
por Vargas nas eleições de 1950. O ministro da
prazo, refundir, ou não, a legislação, con-
Na carta-testamento, explicando ao povo brasilei- Fazenda, Eugênio Gudin, visto como um intran-
soante os resultados apresentados.219
ro o seu suicídio, na manhã de 24 de agosto de sigente liberal, considerava “uma política eco-
1954, Getúlio fez uma referência direta a esse fato: nômica inadequada” a participação do Estado
Em janeiro de 1955, o engenheiro Plínio Cantanhe-
na indústria do petróleo.217 Acrescente-se a esse
de deixou a direção do CNP, sendo substituído no
A campanha subterrânea dos grupos ambiente desfavorável a nomeação de Juarez Tá-
dia 27 pelo também engenheiro Adroaldo Tourinho
internacionais aliou-se à dos grupos vora, ferrenho adversário do monopólio estatal
Junqueira Ayres.
nacionais revoltados contra o regime do petróleo, para a chefia do Gabinete Militar do
de garantia do trabalho. A lei de lucros novo governo, agora com a tarefa de coordenar e Nesse mesmo ano, com a entrada em serviço das re-
extraordinários foi detida no Congresso. controlar as atividades de diversos órgãos ligados finarias Presidente Bernardes (em Cubatão), União
Contra a justiça da revisão do salário mí- diretamente à Presidência da República, entre as (Capuava) e Manguinhos (Rio), o Brasil economizou
nimo se desencadearam os ódios. Quis quais o CNP e a própria Petrobras.218 US$ 56 milhões em divisas com a importação de
criar a liberdade nacional na potencia- derivados do petróleo, comprando menos 22% do
lização das nossas riquezas através da Em seu livro de memórias, Café Filho afirma que sem- que em 1953, embora o consumo tenha aumentado.
Petrobras e, mal começa esta a funcio- pre defendeu a posição de que a Petrobras deveria A produção das sete unidades de refino instaladas
nar, a onda de agitação se avoluma (...).215 adquirir maior experiência, para que então o governo no Brasil220 – as três novas, somando-se às de Uru-
pudesse avaliá-la corretamente, e assim decidir quanto guaiana e Rio Grande (RS), a do grupo Matarazzo
A ascensão do vice-presidente João Café Filho ao à oportunidade da revisão ou não da legislação sobre o (SP) e a refinaria de Mataripe (BA) – chegou a quase
poder representou, mais uma vez, uma redefinição petróleo. Era essa também a opinião das Forças Arma- 4 bilhões de litros de derivados de petróleo (gasoli-
da política econômica brasileira, marcada por tenta- das. Em 9 de novembro de 1954, o general Canrobert na comum, querosene, óleo diesel, óleo combustí-
tivas de estabilização monetária centradas no com- Pereira da Costa, chefe do Estado-Maior das Forças vel, gás liquefeito, solvente e asfalto), muito acima
bate à inflação e por medidas em direção oposta ao Armadas (EMFA), entregou-lhe um documento se- dos 392 milhões de litros do ano anterior. Para isso
rumo que vinha sendo seguido no segundo governo gundo o qual os chefes militares consideravam inopor- foi necessário importar 3.370.000 toneladas de pe-
Vargas. Foi este o caso do favorecimento à entrada tuna, naquele momento, qualquer alteração da lei do tróleo, quase 12 vezes mais do que o total de 281.188
de maquinaria e capitais externos no País.216 monopólio estatal da exploração do petróleo. toneladas do ano anterior.

215. PETROBRAS 50 anos: uma construção da inteligência brasileira. Rio de Janeiro: Petrobras, 2003, p. 109-110.
216. SUPERINTENDÊNCIA DA MOEDA E DO CRÉDITO (SUMOC). In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico
brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 5, p. 5612-5616.
217. CARVALHO, G., 1977, p. 83.
218. Sobre Juarez Távora, ver também capítulos 3 e 9.
219. CAFÉ FILHO, João. Do sindicato ao Catete: memórias políticas e confissões humanas. Rio de Janeiro: J. Olympio, 1966. v. 2, p. 468.
220. CARVALHO, Ernani Filgueiras de; SALA, Janaina Francisco. Política para a ampliação do parque de refino nacional: uma proposta. In: SUSLICK,
Saul B. (Org.). Regulação em petróleo e gás natural. Campinas: Komedi, 2001.
Capítulo 11 - Impactos da criação da Petrobras 131

Cópia do manuscrito da carta-testamento ao povo brasileiro, com a qual Vargas se despediu antes de tirar a própria vida em 24 de agosto de 1954
132 Petróleo e Estado
Capítulo 11 - Impactos da criação da Petrobras 133

Arquivo ANP
Com a morte de Vargas, Café Filho assumiu a Presidência da República. Na imagem, aparece ao lado de comitiva em visita oficial às instalações da recém-criada Petrobras
134 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 12

GOVERNO JK:
EXPANSÃO DO REFINO

O Plano de Metas
As eleições presidenciais de outubro de 1955 objetivo central era estimular o desenvolvimento Para atender às
transcorreram em clima de acentuada radicaliza- das indústrias de bens de produção e de bens de demandas do
ção política entre trabalhistas e udenistas. Estes, consumo duráveis, com destaque para os setores
sob a liderança de Carlos Lacerda, juntamente automobilísticos, de construção naval e de mecâ-
desenvolvimento,
com alguns militares, eram contrários à posse do nica pesada, que viriam a ser os mais dinâmicos era urgente
candidato eleito, Juscelino Kubitschek, e do seu da indústria brasileira nos anos seguintes. Caberia aumentar a produção
vice João Goulart. Para garantir o cumprimento ao Estado definir as prioridades de investimento,
do resultado das urnas, foi deflagrado um mo- fazendo a mediação entre as empresas públicas
de petróleo e a
vimento militar liderado pelo general Henrique e as empresas privadas, nacionais e estrangeiras. capacidade das
Teixeira Lott, afastando o presidente em exercí- A mobilização dos capitais privados deveria ser refinarias.
cio, Carlos Luz. Café Filho estava licenciado por impulsionada por um audacioso programa de in-
problemas de saúde e apresentou melhora, mas a vestimentos públicos em infraestrutura, com prio-
Câmara e o Senado aprovaram um impeachment ridade para os setores de energia e transporte.
para evitar que ele voltasse à Presidência da Re- gia, que incluía cinco metas: energia elétrica;
pública, que ficou interinamente com o vice-pre- O Plano de Metas, nome do programa do go- energia nuclear; carvão; produção de petróleo;
sidente do Senado, Nereu Ramos, até a posse de verno instituído por JK, compreendia um am- e refino de petróleo. 222 Estas duas últimas me-
JK, em janeiro de 1956.221 plo projeto de reformas destinadas a ativar o tas, referentes ao petróleo, visavam estabilizar
desenvolvimento do País em tempo recorde: o custo das importações no nível registrado
O País viveu um acelerado processo de indus- 50 anos em cinco. Eram 31 metas, reunidas em em 1956 (US$ 270 milhões) e atender à de-
trialização durante o governo JK (1956-1961). Seu seis grupos, o primeiro deles referente a ener- manda adicional que seria gerada pela expan-

221. MOVIMENTO DO 11 DE NOVEMBRO. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro:
FGV, CPDOC, 2001. v. 4, p. 3965-3975.
222. PROGRAMA DE METAS. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC,
2001. v.4, p. 4801-4807
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 135

Acervo Memorial JK
são da produção nacional. Segundo estudos
de um grupo de técnicos do Banco Nacional
de Desenvolvimento Econômico (BNDE) e da
Comissão Econômica para a América Latina
(Cepal), o consumo de petróleo cresceria em
torno de 7,2% por ano, naquele quinquênio.

Levando em conta as estimativas de recursos


disponíveis para a Petrobras e a disponibilida-
de de capitais privados para aplicações onde
não havia monopólio estatal, o programa de
JK estabelecia as seguintes metas para o setor:

a) crescimento da produção, de 5 mil para 90


mil barris diários de petróleo, cerca de um
terço do consumo previsto para 1960.

b) aumento da capacidade das refinarias exis-


tentes, de 95 mil para 175 mil barris por dia,
elevando a capacidade de refino ao nível de
60% do consumo provável em 1960.

c) ampliação da frota de petroleiros, de 220


mil para 400 mil toneladas de capacidade,
além da construção de terminais marítimos
e linhas de oleodutos. 223

Na apresentação do Plano de Metas, JK deixou


registrada a sua confiança na empresa estatal:

O que nos cumpre agora é prestigiar


a Petrobras, exigir de seus diretores e
técnicos que cumpram com seu dever e
acertem em seus programas. De fato, o
Brasil tem tremenda urgência de produ- Juscelino Kubitschek na Caravana da Integração Nacional, em fevereiro de 1960. A indústria automobilística, a convite do governo, promoveu
a viagem de 130 veículos de fabricação nacional (carros, caminhões e ônibus), saídos dos quatro cantos do país, até a nova capital, que seria
zir petróleo em grandes quantidades.224 inaugurada dois meses depois

223. KUBITSCHEK, Juscelino. Diretrizes gerais do Plano Nacional de


Desenvolvimento. [S.l.: s.n.], 1955. p.39-41.
224. KUBITSCHEK, 1955, p.41.
136 Petróleo e Estado

A gestão Poppe de Figueiredo


Arquivo ANP

Logo que assumiu a presidência do CNP em te ao Conselho um plano de atividades futuras,


substituição a Adroaldo Junqueira, no mês de com ênfase nas que seriam executadas no ano
setembro de 1956, o general Mário Poppe de seguinte, além de relatórios semestrais sobre as
Figueiredo viu-se diante de um grave proble- atividades realizadas, confrontando os resultados
ma internacional: a nacionalização do canal de
Suez, pelo Egito. O Brasil corria o risco de inter-
rupção do fornecimento de petróleo, em gran-
de parte importado do Kuwait, no Golfo Pérsi- O CNP evitou o
co. O CNP, a pedido de Juscelino, montou então
um esquema de racionamento, a ser acionado
racionamento
em caso de necessidade. em 1956, devido ao
impacto negativo
Segundo depoimento do próprio Poppe de Fi-
gueiredo, havia pessoas interessadas em que
que a medida
o racionamento ocorresse, pois isso seria “um poderia ter sobre
pretexto para atingir a política nacional de pe- o desenvolvimento
tróleo e seus executores, o Conselho [Nacional
do Petróleo] e a Petrobras, desprestigiando-os
econômico do País.
aos olhos do povo.” Havia pressão de todos os
Poppe de Figueiredo, presidente do CNP, preocupou-se lados, contou ele, “especialmente de parte da
em garantir o abastecimento interno
imprensa”.225
obtidos com os objetivos estabelecidos no plano.
Apesar das pressões, o CNP manteve seu propó- O decreto determinava ainda que o Conselho teria
sito de somente decretar um racionamento em a palavra final sobre a localização e a capacida-
caso de absoluta necessidade, tendo em vista o de das refinarias, a natureza e a quantidade dos
impacto negativo que esta medida poderia ter produtos refinados, a importação e a exportação
sobre o desenvolvimento econômico do País. As- de petróleo e seus derivados, a localização dos
sim, a crise do Oriente Médio passou sem afetar o tanques para armazenamento e os respectivos
abastecimento de derivados do petróleo. estoques mínimos a serem mantidos, bem como
as cotas que deveriam caber às empresas distri-
Em 1957, atendendo ao previsto na Lei nº buidoras, entre outros assuntos. Com isso, o CNP
2.004/1953, foram definidas por decreto as rela- ficava habilitado a desempenhar efetivamente a
ções entre o CNP e a Petrobras.226 Ficou estabele- função de gerir as medidas relativas ao abasteci-
cido que a empresa deveria apresentar anualmen- mento nacional de petróleo.

225. FIGUEIREDO, M. Poppe de. Brasil, um gigante que despertou. Rio de Janeiro: Símbolo Agência de Comunicação, 1972. p. 228.
226. BRASIL. Decreto nº 40.845, de 28 de janeiro de 1957. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 31 jan. 1957.
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 137

O “caso Capuava” e a “justa remuneração”

Banco de Imagens Petrobras


Se o Plano de Metas do governo JK já deter-
minava um aumento considerável da capaci-
dade de refino do País até 1960, crescendo de
95 mil para 175 mil barris/dia, a revisão dessa
meta foi ainda mais ousada: 308 mil barris/
dia. Para alcançá-la, seria fundamental cons-
truir novas refinarias e ampliar a capacidade
instalada das existentes.

No entanto, a Lei nº 2.004/1953, embora te-


nha preservado as concessões anteriores à
criação da Petrobras, proibia a expansão das
refinarias de empresas privadas, o que impli-
cava que esta tarefa só poderia ser realizada
pelo Estado. Essa proibição não impediu que
as refinarias particulares pressionassem para
processar petróleo acima da capacidade au-
torizada, argumentando que não fazia sentido
impedir a utilização da capacidade excedente
enquanto o Brasil ainda importava derivados
de petróleo.

O caso que envolveu a Refinaria União foi o


mais polêmico. Com alguns ajustes nos equi-
pamentos originais, melhorando condições de
temperatura, pressão, vazão e níveis originais,
a direção da refinaria conseguiu que a produ-
ção aumentasse para 31 mil barris diários, ou
seja, 11 mil além da capacidade declarada ini-
cialmente, sem que fosse preciso instalar no-
vos equipamentos.

Essa situação gerou um impasse com a Petro-


bras, que estimava obter excedentes de refino
na ampliação de Mataripe e em Cubatão. Se-
gundo o engenheiro químico Otto Perrone, o
raciocínio da Petrobras era o seguinte: “Se eu
tenho o monopólio e tenho excedente de refino,
devo limitar a capacidade das outras refinarias”. A Refinaria União (atual Refinaria de Capuava) passou a processar petróleo em nome da Petrobras em troca de “justa remuneração”
138 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

A entrada em operação das primeiras unidades petroquímicas marcou o amadurecimento da indústria do petróleo no Brasil. Na imagem, unidade em Duque de Caxias (RJ), em 1962
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 139

Enquanto isso, a Refinaria União sentia-se já que nisto repousava o autofinanciamento

Banco de Imagens Petrobras


punida por ser eficiente: “Estou conseguindo da própria indústria petrolífera. Porém, como
produzir mais e com isso baixar meus custos. a “justa remuneração” não estava expressa-
Não estou construindo uma refinaria nova”. 227 mente definida no decreto, o assunto voltou à
agenda das sessões do CNP.
Na tentativa de legalizar essa situação, a Re-
finaria União entrou com um pedido junto ao Nessa época, o coronel Ernesto Geisel passou
CNP para ampliar a sua capacidade de refino. também a fazer parte do Conselho, como repre-
Esta situação específica foi motivo para que o sentante do Ministério da Guerra. Ele teve uma
Conselho colocasse em discussão todo o con- efetiva atuação como relator do grupo de tra-
junto das refinarias, e ficou decidido que as balho que estudou os critérios da justa remu-
refinarias particulares somente poderiam pro- neração devida pelo uso das instalações da Re-
cessar mais do que a sua capacidade nominal finaria de Capuava, acima do limite de 20.000
se isso fosse feito em benefício da Petrobras. barris/dia, em benefício do monopólio da União.
Este grupo deveria apresentar, como resultado
A questão continuou sendo discutida em ses- final, os termos do acordo que o CNP promove-
sões plenárias do CNP, motivando inclusive pe- ria entre a Petrobras e a Refinaria União.
tições das refinarias privadas, resoluções e pedi-
dos de inquérito, até que o presidente Juscelino No parecer final apresentado por Geisel, apro-
Kubitschek, com base na Lei nº 2.004/1953, vado no Plenário do Conselho em abril de 1958, O coronel Ernesto Geisel, na época representante
do Ministério da Guerra no CNP
determinou por decreto228 que não seria dada ficou estabelecido que a justa remuneração se-
autorização às refinarias para ampliar sua ca- ria calculada com base no custo médio da pro-
pacidade, e instituiu a figura da “justa remune- dução, e a partir da data da vigência do Decreto
ração” para o caso de se utilizar da capacidade nº 41.652, isto é, desde 5 de junho de 1957.229
excedente, desde que autorizada pelo Conselho
no interesse do abastecimento. Essa resolução foi contestada pela Refinaria
União e o recurso retornou ao Plenário do CNP,
Portanto, se a refinaria particular tinha capa- mas Geisel, novamente como relator da matéria,
cidade para produzir mais do que o nominal, o rejeitou, mantendo sua decisão anterior. Incon-
era do interesse nacional que ela o fizesse, formada, a Refinaria União impetrou uma ação na
mas o que fosse produzido além da capacida- justiça contra ele, que se estenderia por anos, só
de nominal deveria ser refinado em nome da conseguindo ganho de causa após o golpe militar
Petrobras, que pagaria pelo produto uma jus- de 1964. De qualquer modo, os valores arrecada-
ta remuneração. A fixação de um limite para a dos pela Petrobras a partir da justa remuneração
capacidade das refinarias particulares era inte- contribuíram para o fortalecimento do caixa da
resse da Petrobras como reserva de mercado, empresa, possibilitando o seu fortalecimento.230

227. PERRONE, Otto. Otto Perrone: depoimento [2005]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2005. (Projeto Agência Nacional do Petróleo).
228. BRASIL. Decreto nº 41, de 04 junho de 1957. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 05 jun. 1957.
229. OTTO PERRONE [Coleção]. Pasta de pareceres do conselheiro Ernesto Geisel no plenário do CNP. Rio de Janeiro: FGV-CPDOC, 1957-1958.
230. VIEIRA, Carlos Meirelles. Carlos Meirelles Vieira: depoimento [2005]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2005. (Projeto Agência Nacional do Petróleo).
140 Petróleo e Estado
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 141

FGV/CPDOC - Arquivo Ernesto Geisel/Hugo


Refinaria Presidente Bernardes - Cubatão (RPBC), 1955
142 Petróleo e Estado

Os primórdios da indústria petroquímica no Brasil


Antes mesmo da constituição da Petrobras, ain- constituídas no País, mas com capital majorita- Em novembro de 1956, a Petrosil se propôs
da em 1953, a Comissão Especial da Indústria riamente estrangeiro, a Koppers e a Companhia a investir 30 milhões de dólares em um con-
Petroquímica (CEIP), formada no CNP, publicou Eletro-Cloro. A Petrobras, porém, avaliou que junto petroquímico, tendo como base o apro-
um edital convocando as empresas do ramo a seria prejudicial a instalação de quatro empre- veitamento dos gases residuais de Cubatão,
manifestarem seu interesse no aproveitamento sas para produzir etileno, e sugeriu que os inte- distribuído em fábricas de eteno, estireno,
dos gases residuais das refinarias de Mataripe e ressados se organizassem numa única empresa, polietileno, butadieno, benzeno e buna (bor-
de Cubatão, que estavam sendo construídas. Os mas esta proposta não teve continuidade. A Trol racha sintética). Isso significava, na prática,
primeiros estudos da Comissão serviram de base decidiu então organizar uma nova empresa, a o controle completo da nascente indústria
aos primeiros parâmetros elaborados pelo CNP Indústria Petroquímica Brasileira – Petrosil S.A. petroquímica brasileira. O Plenário do CNP
para regular as indústrias químicas que utilizas- discutiu o pedido da empresa e propôs ao
sem produtos ou subprodutos do petróleo como presidente Kubitschek que não o aprovasse,
matéria-prima.231 por entender que contrariava as diretrizes já
A petroquímica estabelecidas, além de prejudicar os interes-
Até então, as regras estavam indefinidas. A Lei não era monopólio ses da Petrobras.
nº 2004/1953 não tratava da atividade petro-
da União e
química e havia uma indecisão muito grande No início de 1957, ficou estabelecido233 que so-
por parte das empresas. Até que ponto pode- deveria caber, mente ao CNP caberia autorizar “a instalação
riam tomar a iniciativa nesse campo? Quem “tanto quanto das indústrias que se destinem à produção de
investisse nessa área teria condições de seguir matérias-primas básicas e produtos essenciais
possível”, à
adiante? A Resolução nº 3/54, do CNP, enfim, da indústria petroquímica, bem como autorizar
criou algumas diretrizes para a atividade pe- iniciativa privada. a ampliação das já existentes”. A Petrobras teria
troquímica, além de afirmar que a indústria o direito de exercer atividade industrial e comer-
petroquímica não era objeto de monopólio e cial no campo da indústria petroquímica,
que deveria ser preferencialmente desenvol- Nesse meio-tempo, a Petrobras acabou instalan-
vida pela iniciativa privada, tendo em vista a do, ela mesma, uma fábrica de etileno, dispon- [...] para garantir a produção de ma-
grande diversificação característica desse se- do-se a distribuir sua produção às empresas in- térias-primas básicas e de produtos
tor industrial. 232 teressadas. Inconformada, a Trol encaminhou ao essenciais da indústria petroquímica,
Ministério da Guerra uma denúncia, solicitando a quando as empresas de capitais pri-
Quatro empresas atenderam à convocação para anulação dos contratos de fornecimento de eti- vados não revelarem interesse nessa
fabricar etileno, produto básico da indústria pe- leno firmados pela Petrobras, e fez chegar sua produção; para evitar o monopólio por
troquímica: uma brasileira (Trol S.A.), uma nor- reclamação à Presidência da República. Por or- parte dos interesses privados, e para
te-americana (Union Carbide do Brasil, perten- dem de Juscelino, o CNP instituiu uma comissão, estimular o desenvolvimento adequado
cente à Carbide Corporation), e duas empresas que concluiu pela improcedência da denúncia. da indústria petroquímica no País.234

231. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 3, de 13 de abr. de 1954, Brasília, 1954.
232. PERRONE, 2005.
233. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 1, de 30 de jan. de 1955, Brasília, 1957.
234. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Página de Legislação Federal. Disponível em: <http://
anp.gov.br/?id=478> . Acesso em 29 out. 2005.
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 143

Esta resolução justificava-se, segundo o CNP, capital e não ofereceriam vantagens em rela- sibilidade da instalação integral da referida in-
pela grande importância econômica da indús- ção ao dispêndio de divisas. Ele recomendava dústria. Em abril, a estatal pleiteou atribuição
tria petroquímica para a economia do País, as- atribuir à Petrobras “a instalação e exploração para o empreendimento. O CNP examinou o as-
sim como pela existência de condições propícias da indústria de borracha sintética, com o apro- sunto e o submeteu à apreciação de Kubitschek,
de mercado e de produção das matérias-primas veitamento dos subprodutos da Refinaria Du- que em junho autorizaria a Petrobras a instalar
básicas. A presença da Petrobras também era que de Caxias, em construção no estado do Rio e explorar a fábrica de borracha sintética.
considerada extremamente importante nesse de Janeiro”. Sugeria também que a produção e
campo, “principalmente para fazer as matérias- a instalação da indústria ocorressem até 31 de Coube também a Geisel o parecer sobre o pleito
-primas petroquímicas e também para fazer até dezembro de 1960, coincidindo com o início de da Petrosil, que foi indeferido pelo Plenário, em
os produtos essenciais, quando não houvesse funcionamento da Reduc. Afirmava ainda que abril, porque – na avaliação dos conselheiros do
interesse da iniciativa privada”. Por outro lado, a Petrobras deveria organizar uma subsidiária CNP – não possuía fundamento legal, era inopor-
o Conselho entendia que a indústria petroquí- para essa atividade.237 tuno e não convinha aos interesses da Petrobras.
mica não constituía monopólio da União e que
sua implantação no País deveria caber, “tanto Enquanto as empresas eram convidadas a apre- De qualquer forma, a Resolução nº 1/57 serviu
quanto possível”, à iniciativa privada. Entretan- sentar propostas de instalação e exploração da de base para que 11 empresas solicitassem e
to, era preciso evitar a formação de monopó- indústria de borracha sintética, a Petrobras foi obtivessem registros junto ao CNP, conforme o
lios, alertava o CNP, que se tornou, então, “um instada a encaminhar um relatório sobre a pos- quadro abaixo:
fórum de julgamentos de projetos nessa área” e
“supervisionou o desenvolvimento das primei-
ras plantas petroquímicas do Brasil”.235
NOME DA EMPRESA ESTADO PRODUTOS

Além da Petrosil, que continuava insistindo por Alba S. A. Indústria e Comércio São Paulo metano
todos os meios para a aprovação de seu proje- Bakol S. A. Indústria e Comércio São Paulo poliestireno e polieteno
to petroquímico, em 1958 surgiram propostas –
Petroclor Indústria e Comércio S. A. São Paulo polieteno
estimuladas pelo CNP, por determinação de JK
Companhia Brasileira de Estireno São Paulo álcool isopropílico e acetona
– para a construção de uma planta de borracha
sintética, com capacidade para produzir 40 mil Nitrogênio S.A. Indústria Brasileira Bahia amônia e ácido nítrico
de Produtos Químicos e Fertilizantes
toneladas por ano. A própria Petrobras e dois
Companhia Brasileira de Estireno São Paulo estireno e tolueno
grupos se apresentaram.236
Companhia Brasileira de Plásticos Koppers São Paulo poliestireno
Ernesto Geisel, conselheiro encarregado de Union Carbide do Brasil S. A. São Paulo polieteno
estudar essas propostas, em seu primeiro pa-
Companhia Petroquímica Brasileira - Copebrás São Paulo negro de fumo
recer considerou que, apesar de serem bem
Petroclor - Indústria Petroquímica S. A. São Paulo dicloretano
embasadas do ponto de vista técnico, as pro-
postas apresentadas pelas empresas privadas Petróleo Brasileiro S. A. - Petrobras São Paulo propeno

seriam inconvenientes quanto à estrutura do

235. PERRONE, 2005.


236. Ibid.
237. OTTO PERRONE [Coleção]. Pareceres do Conselheiro Ernesto Geisel no Plenário do CNP, anos 1957/1958. 20/02/1958.
144 Petróleo e Estado

José Vieira Trovão/Banco de Imagens Petrobras

O presidente Juscelino Kubitschek hasteia a bandeira nacional em cerimônia de inauguração da Refinaria Duque de Caxias, a maior do estado do Rio de Janeiro

Já integrava o parque petroquímico nacional a Fá- Contudo, Poppe de Figueiredo não permanece- do coronel Geisel sobre o problema da borracha
brica de Amônia e Fertilizantes da Petrobras, em ca- ria no cargo mais do que 20 meses. Chamado ao sintética, que recebeu a aprovação unânime do
ráter experimental desde dezembro de 1957, produ- palácio presidencial no dia 7 de maio, foi instado Plenário. Poppe de Figueiredo deixou ainda as-
zindo fertilizantes nitrogenados, nitrato de amônia e por Juscelino a pedir demissão da presidência do sinadas duas exposições de motivos, que seriam
hidrogênio. Nesse mesmo ano, a Petrobras iniciou e Conselho, cargo para o qual já havia sido convi- aprovadas por Juscelino: uma sobre a indústria
concluiu a construção da Fábrica de Eteno, também dado o coronel José Alexínio Bittencourt. No dia petroquímica, envolvendo a pretensão da Petro-
junto à refinaria de Cubatão. Formava-se assim um seguinte, 8 de maio, ele presidiu sua última ses- sil, e a outra sobre a decisão relativa à fábrica de
núcleo petroquímico no estado de São Paulo. são no CNP, durante a qual foi lido o parecer final borracha sintética.
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 145

Flirckr/José Fernades
O Acordo de Roboré
A exploração do petróleo boliviano por empresas
brasileiras foi outra questão controversa enfren-
tada pelo CNP durante a gestão de Poppe de Fi-
gueiredo. O tema veio à tona em janeiro de 1955,
quando os presidentes Café Filho e Victor Paz
Estensoro inauguraram o trecho ferroviário Co-
rumbá-Santa Cruz. Dias mais tarde, o presidente
da Bolívia enviou um documento, por intermédio
de seu embaixador no Brasil, insistindo na neces-
sidade de se rever o Tratado sobre Saída e Apro-
veitamento do Petróleo Boliviano, que havia sido
firmado entre os dois países em fevereiro de 1938.
Estensoro considerava o tratado obsoleto frente
às novas condições econômicas dos dois países.

O Conselho de Segurança Nacional (CSN), embora


A ferrovia Corumbá-Santa Cruz de la Sierra passa pelo rio Paraguai, na divisa entre Brasil e Bolívia
autorizando o Itamaraty a iniciar as conversas com
o governo boliviano, decidiu que o direito de explo-
ração do óleo boliviano pelas companhias brasileiras condições necessárias para a exploração do pe- ambos era típica das discussões entre nacionalistas
permaneceria segundo as normas ditadas pelas au- tróleo boliviano. O estudo, feito em conjunto com e privatistas, tão comuns na época. Uma polariza-
toridades brasileiras. Estavam em jogo interesses ge- o BNDE, levou em conta aspectos econômicos e ção sempre presente, com pequenas variações, nas
opolíticos, mais do que econômicos. A intenção era técnicos das empresas. O diretor-superintenden- sucessivas épocas da indústria do petróleo no Brasil.
prevenir ou conter a expansão da Argentina na área, te do BNDE, Roberto Campos, por defender a
por isso não interessava ao Brasil abrir mão dos di- participação de companhias mistas, com capitais Em março de 1958, os chanceleres Macedo Soares
reitos garantidos pelo Tratado. De acordo com o Ita- estrangeiros – reembolsáveis apenas em caso de e Manuel Barrau Peláez assinaram em La Paz o
maraty, era preciso negociar com o governo bolivia- sucesso do empreendimento – tornou-se alvo da Acordo de Roboré. Elaborado sob a justificativa
no a implantação de subsidiárias da Petrobras para campanha nacionalista, acusado de ser represen- de atualização do compromisso de 1938, o do-
pesquisa e prospecção do petróleo na área reservada tante dos trustes petrolíferos americanos [...].238 cumento impedia que estatais brasileiras explo-
pelo Tratado de 1938. Essas subsidiárias deveriam ser rassem o petróleo da Bolívia, reservando-o aos
formadas principalmente por capitais privados, fican- Poppe de Figueiredo, decidido a evitar a partici- grupos privados. No Brasil, críticos do acordo
do a Petrobras como sócia minoritária. pação de capitais estrangeiros, exigiu que fossem afirmavam que ele contrariava o tratado de 1938,
revistos os critérios para a constituição de compa- que estipulava o monopólio de empresas estatais
Em março de 1957, um grupo de trabalho sob a nhias privadas brasileiras. Macedo Soares conside- dos dois países. Diante da forte campanha nacio-
direção do presidente do CNP concluiu que so- rou a revisão totalmente desnecessária e insistiu no nalista, Kubitschek preferiu retroceder e o acordo
mente três companhias brasileiras possuíam as caráter decisório da Comissão. A divergência entre permaneceu letra morta.

238. CAMPOS, Roberto. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v.
1, p. 1026-1035.
146 Petróleo e Estado

O Relatório Alexínio
Ao declarar que as atribuições legais do Conselho As críticas a Janary Nunes foram formalizadas
Banco de Imagens Petrobras

seriam “levadas a sério” em sua gestão, o coronel pelo presidente do CNP, no documento conheci-
José Alexínio Bittencourt, já no seu discurso de do como Relatório Alexínio, que ele enviou a Jus-
posse como novo presidente do CNP, em maio de celino no dia 4 de outubro de 1958:
1958, indicava que o convívio com a Petrobras es-
tava deixando de ser amistoso. (...) a política nacional do petróleo está
seriamente ameaçada de fracasso, em
O clima na área petrolífera do governo já não era consequência da maneira pela qual
dos melhores. Um dos diretores da Petrobras, vem sendo conduzida e dirigida a em-
João Neiva de Figueiredo, havia encaminhado a presa incumbida de executá-la, a Petró-
Kubitschek seu pedido de demissão, acusando o leo Brasileiro S.A. (...) O programa ora
presidente da empresa, Janary Gentil Nunes, de em marcha estabelecido pela presidên-
cometer irregularidades administrativas. Em se- cia da empresa representa um agrava-
guida, o diretor Irnack Carvalho do Amaral tam- mento da crise cambial do País; uma
bém se demitiu pelos mesmos motivos. O coronel ameaça ao êxito da Petrobras, através
Janary, segundo eles, tomava decisões sem con- da descoordenação e do descontrole
Janary Nunes, presidente da Petrobras, não aceitava os termos do Acordo
de Roboré. Mais tarde, foi acusado de irregularidades administrativas
sultar o Conselho de Administração da empresa, dos seus investimentos; um prejuízo ao
definia prioridades com base em critérios políti- consumo, através de um aumento arti-
cos e não em laudos técnicos, e anunciara prema- ficial de preços com graves reflexos na
Arquivo ANP

turamente os resultados das ações da Petrobras, economia nacional.240


gerando expectativas que nem sempre se cum-
priam, entre outras acusações.239 O coronel Alexínio enfatizava ainda o não cum-
primento, por parte do presidente da Petrobras,
Janary Nunes não aceitara os termos do Acordo das regras que regiam as relações entre os dois
de Roboré, exigindo a exclusividade da exploração órgãos. Nesse mesmo documento, denunciava
do petróleo boliviano para a Petrobras, ao passo a atuação “altamente entreguista” de Roberto
que o novo presidente do CNP defendia o Acordo. Campos, acusando-o de condicionar a colabora-
Para ele, a Petrobras deveria atuar como suporte ção do banco à aceitação, pelas empresas brasi-
invisível dos grupos privados nacionais na Bolívia. leiras interessadas na exploração do petróleo da
Agravando o clima já tenso, Bittencourt engros- Bolívia, de financiamento da Pan American Land
sava as críticas dos diretores demissionários da & Oil Co. O documento caiu como uma bomba
Petrobras, afirmando que a política executada nos círculos políticos, militares e universitários.
por Janary estava intensificando a crise cambial Dentro do grupo militar nacionalista, a discussão
vivida pelo País e prejudicando o abastecimento acabou pendendo para a posição defendida por
O coronel Alexínio Bittencourt, presidente do CNP, criticou oficialmente
o presidente da Petrobras, criando profundo mal-estar no governo interno de derivados. Janary, em detrimento de Alexínio.

239. CARVALHO, G., 1977, p. 107-110


240. JESUS SOARES PEREIRA (1910-1974) [Arquivo JSP]. Rio de Janeiro, FGV, CPDOC. Sigla JSP. Dossiê JSP mvop/cnp 1957.04.22 (doc.2), 1957.
Capítulo 12 - Governo JK: expansão do refino 147

Flirckr/U.S. Embassy Brasilia


Essas acusações do Relatório Alexínio foram ava-
liadas por uma comissão de alto nível nomeada
por Juscelino Kubitschek

Favorável às posições defendidas pelo presiden-


te da Petrobras em relação ao Acordo de Robo-
ré,241 a comissão reconheceu que várias decisões
da estatal haviam sido tomadas sem a aprova-
ção do CNP, como a compra de petroleiros e a lo-
calização de novas refinarias. Em compensação,
afirmava que o Conselho não tinha demonstra-
do a rapidez necessária na análise e aprovação
dos programas desenvolvidos pela empresa. As
demais acusações contra o presidente da Pe-
trobras, segundo o relatório da comissão, não
tinham fundamento.

Juscelino, tentando contemporizar, demitiu os Roberto Campos encontra-se com o presidente americano John Kennedy, na Casa Branca, em outubro de 1961.
Taxado de “entreguista”, Campos ganhou o apelido pejorativo de “Bobby Fields”
dois presidentes. O CNP passou a ser presidi-
do pelo tenente-brigadeiro Henrique Fleiuss,
enquanto o coronel Idálio Sardenberg assumia atualizações do acordo caracterizaram um novo presidência do BNDE, em julho de 1959. A conjun-
a presidência da Petrobras. Mas estas mudan- compromisso internacional e que, portanto, de- tura marcada pelo abandono da política de esta-
ças não foram suficientes para arrefecer a crise penderiam da aprovação prévia do Congresso bilização monetária do governo levou também à
provocada pelo Acordo de Roboré. No Congres- Nacional. No entanto, o início da campanha para saída de Lucas Lopes do Ministério da Fazenda e
so Nacional, por iniciativa do deputado Gabriel as eleições presidenciais deixaria em compasso ao rompimento do Brasil com o Fundo Monetário
Passos e com o apoio da Frente Parlamentar Na- de espera as discussões em torno do Acordo de Internacional (FMI), medida amplamente festeja-
cionalista,242 foi criada, em outubro de 1959, uma Roboré, criticado tanto pelo marechal Henrique da pelos setores nacionalistas.
Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para Lott – candidato da coligação PTB/PSD – quanto
apurar a extensão dos compromissos firmados por Jânio Quadros, candidato da UDN. A partir da criação do Ministério das Minas e Ener-
em La Paz. Ao longo dos trabalhos, Gabriel Pas- gia (MME),243 o CNP deixou de ser diretamente su-
sos solicitou que o CNP fornecesse informações A campanha da União Nacional dos Estudantes bordinado à Presidência da República, passando,
sobre as empresas brasileiras indicadas para (UNE) contra Roberto Campos, acusando-o de juntamente com a Petrobras, à esfera da nova pas-
participar da exploração do petróleo boliviano. defender interesses de companhias petrolíferas ta. Até então, os assuntos de minas e energia eram
A CPI concluiu os trabalhos afirmando que as americanas, acabou provocando sua demissão da da competência do Ministério da Agricultura.

241. NUNES, Janary. Defesa dos programas da Petrobras. Rio de Janeiro: Borsoi, 1959.
242. FRENTE PARLAMENTAR NACIONALISTA (FPN). In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio
de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 2, p. 2397-2403.
243. BRASIL. Lei nº 3.782, de 22 de agosto de 1960. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 22 de jul 1960.
148 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 13

A CONSOLIDAÇÃO
DO MONOPÓLIO
ESTATAL
Fortalecimento da Petrobras
A situação de desencontro entre CNP e Petro- para a Petrobras. Algumas providências do CNP
Em 1961, o CNP
bras, enfrentada por Kubitschek inclusive com ainda nos primeiros meses do ano contribuíram
demissões, chegou a dar sinais de agravamento para diminuir o problema de caixa da Petrobras autorizou
durante o breve governo de Jânio Quadros, em- e fortalecer a empresa. Diante de significativas o ingresso
possado como Presidente da República em 31 de alterações no sistema cambial, que estavam sen-
da Petrobras
janeiro de 1961. Depois de ter prometido a Jo- do promovidas com vistas à unificação da taxa
saphat Marinho a presidência da Petrobras, ele de câmbio, o CNP promoveu o levantamento dos no mercado
recuou e entregou o cargo a Geonísio Barroso. estoques de petróleo e seus derivados, existentes distribuidor
Marinho acabou sendo chamado por Jânio para no mercado nacional; efetuou também a revisão
de derivados
assumir a presidência do CNP, com a missão de dos preços dos derivados para ajustá-los à nova
“desenvolver uma política em favor do monopó- realidade cambial e fiscal; e atuou na fiscalização do petróleo.
lio”.244 De modo geral, durante a gestão de Josa- dos recolhimentos, ao Banco do Brasil, das dife-
phat foram sendo construídas bases efetivas de renças de preços dos derivados, que, por meio delas ao royalty pela exploração dos poços si-
cooperação entre o CNP e a Petrobras. O Con- de um plano de contas, fazia a movimentação de tuados na plataforma submarina. Na ocasião, o
selho, ao responder afirmativamente às medidas transferência dos recursos para a Petrobras. estado da Bahia seria o único beneficiado, pois
solicitadas pela empresa estatal, comprometia- era o único estado produtor de petróleo. Ainda
-se com o crescimento da Petrobras. Josaphat Marinho conseguiu ainda que o pre- nesse período, o Plenário do CNP autorizou, em
sidente Jânio Quadros aprovasse o reajuste, de 18 de junho de 1961, o ingresso da Petrobras no
A falta de coordenação no setor do petróleo re- 5% para 8%, da indenização devida às regiões mercado distribuidor de derivados do petróleo
fletia-se em uma política de preços absoluta- produtoras de petróleo, de xisto betuminoso e mediante a construção de uma rede de postos
mente inadequada, gerando problemas de caixa de gás, assim como o reconhecimento do direito de vendas e serviços.

244. VIEIRA, Carlos Meirelles. Carlos Meirelles Vieira: depoimento [2005]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2005. (Projeto Agência Nacional do Petróleo).
Capítulo 13 - A consolidação do monopólio estatal 149

Banco de Imagens Petrobras


A partir da década de 1960, a Petrobras investiu fortemente em sua estrutura de distribuição de derivados

Em 25 de agosto de 1961, Jânio Quadros re- manifestações em todo o País. A solução para Para o Ministério das Minas e Energia, Tancredo Ne-
nunciou à Presidência da República, assu- a crise veio com a aprovação, pelo Congres- ves nomeou um dos mais destacados políticos da
mindo interinamente o cargo Ranieri Mazzili, so, de emenda constitucional instaurando o corrente nacionalista, o deputado mineiro Gabriel
presidente da Câmara dos Deputados. João regime parlamentarista. Goulart tomou posse Passos, que solicitou a Josaphat Marinho sua perma-
Goulart, vice-presidente, encontrava-se na como presidente no dia 7 de setembro e, no nência na presidência do CNP. No entanto, Josaphat
China em missão diplomática e os ministros dia seguinte, Tancredo Neves foi eleito primei- havia pedido demissão logo após a renúncia da Jâ-
militares eram contra a sua posse, o que gerou ro-ministro, pela Câmara dos Deputados. nio, e não tinha interesse em permanecer no cargo.
150 Petróleo e Estado

Mesmo assim, permaneceu no Conselho até 18 de Assim, por meio de um simples telex, o ministro
FGV/CPDOC - Arquivo Gabriel Passos

dezembro, não sem antes haver apresentado ao Gabriel Passos quebrou o encaminhamento pro-
novo ministro um relatório, datado de setembro tocolar, determinando que Meireles Vieira per-
de 1961, no qual assinalava as medidas que havia manecesse no cargo. Alguns meses depois, em
tomado à frente do CNP. junho de 1962, Gabriel Passos viria a falecer. Seu
filho e chefe de gabinete, Celso Passos, assumi-
Carlos César Meireles Vieira, chefe de gabinete ria interinamente a pasta das Minas e Energia.
na gestão de Josaphat Marinho, assumiu a pre-
sidência do CNP em caráter interino e só poderia
ocupar o cargo durante 30 dias, de acordo com
No governo
o regimento. Quando esse prazo estava prestes a
expirar, ele procurou expor a situação ao ministro de João Goulart,
Gabriel Passos. O diálogo entre ambos é reprodu- o CNP reforçou
zido abaixo:
sua política
“Olha, (...) há uma série de providências a nacionalista,
serem tomadas no Conselho. (...) o pro- fortalecendo
fessor Josaphat deixou um alicerce admi-
Gabriel Passos foi deputado federal e ministro das Minas e Energia
no governo de João Goulart a Petrobras
rável, para que a gente possa incrementar
(...) uma política nacionalista, resguardar e o monopólio.
a Petrobras [e] fortalecer o monopólio.
Arquivo ANP

De forma que eu acho que é premente


escolher-se o presidente do Conselho
(...)” Ele disse: “(...) Mas o governo já esco- Nesse mesmo mês, a queda de Tancredo Neves e
lheu o presidente do Conselho. Eu com- a nomeação de Francisco Brochado da Rocha no
binei com o Tancredo e com o Jango (...) cargo de primeiro-ministro provocaram a forma-
fazermos a sua nomeação (...).” Eu disse: ção de novo ministério. João Mangabeira assu-
“Como!? Eu não posso ser presidente do miu a pasta das Minas e Energia em 25 de julho
Conselho, um cargo que foi exercitado e, em 16 de agosto, Meireles Vieira foi finalmente
por marechais, brigadeiros, professores efetivado na presidência do CNP. No entanto, a
etc. Eu sou um moço de 34 anos, [...] ad- instabilidade política não permitia que os gabi-
vogado do Banco do Brasil. Eu não sou netes ministeriais durassem muito tempo. Em
técnico em petróleo, não sou economis- apenas dois meses de mandato, nova crise pôs
ta.” Ele disse: “Não, é você. Vá trabalhar. fim ao gabinete parlamentarista de Brochado
Eu vou passar um telex” – naquele tempo da Rocha. Para seu lugar, João Goulart designou
Carlos César Meireles Vieira teve sua permanência garantida na era telex – “determinando que você per- Hermes Lima, que, por sua vez, convidou Eliezer
presidência do CNP por meio de simples telex do ministro
maneça como presidente, até que seja Batista para o Ministério das Minas e Energia em
feito o decreto e tal.245 setembro de 1962.

245. Ibid.
Capítulo 13 - A consolidação do monopólio estatal 151

GLP argentino e óleo soviético

Mercedes-Benz
Em janeiro de 1961, ao apagar das luzes da ges-
tão de Henrique Fleiuss, o CNP havia emitido uma
norma que disciplinava as atividades de distribui-
ção e comércio do GLP, a granel ou envasilhado,
incluindo a compra e venda do produto, seu ar-
mazenamento, engarrafamento, manuseio, trans-
porte e entrega, além da manutenção do equi-
pamento empregado.246 Essas atividades seriam
exercidas por empresas distribuidoras, segundo
regras determinadas pelo próprio CNP. Segundo
depoimento de Meireles Vieira, “essa portaria do
gás fora feita sem os estudos necessários das áre-
as técnicas e (...) o Plenário não chegou a aprovar
a resolução. Isso demandou uma série de dificul-
dades, de entrechoques, na própria Petrobras,
com as empresas de gás”.247

Pátio da Mercedes-Benz, em São Bernardo do Campo (SP), em 1961


Naquele momento, a produção interna de GLP
era muito pequena, obrigando o País a importar
grandes quantidades do produto. Porém, os cus- permuta: o GLP argentino poderia ser trocado por refinarias de Capuava e de Manguinhos, em ope-
tos da importação eram elevados, entre outros chassis da Mercedes Benz, que estava com os seus rar com o óleo baiano. Os empresários alegavam
motivos porque a operação, apesar de ser na pátios sobrecarregados. Por meio desta proposta, que este óleo era pesado demais para os esque-
prática um monopólio da Petrobras, fora transfe- segundo Gasparian, o Brasil poderia importar GLP mas de refino utilizados por suas refinarias. Por
rida, pela estatal, à empresa Mundogaz. Desde os a menor preço, quebrando o monopólio da Mun- decisão do próprio presidente João Goulart, o
primeiros momentos de interinidade, Meireles se dogaz, e a indústria nacional seria favorecida com Ministério das Relações Exteriores trouxe ao Bra-
deparou com esse problema. Houve então uma a troca do gás por produtos da indústria automo- sil uma missão comercial da União Soviética, que
proposta da Argentina para fornecimento de GLP bilística.248 A maioria dos jornais, como Correio da ofereceu óleo a um preço razoável, mais fino, e de
ao Brasil, através da Faros S.A. – que funcionaria Manhã e O Globo, manifestou-se contra a opera- melhor qualidade, retirado da região de Baku. O
como intermediária entre a Yacimientos Petrolí- ção. Com o aval do ministro Gabriel Passos, contu- CNP aprovou a importação do petróleo russo pela
feros Fiscales (YPF) e a Petrobras – prometendo do, a medida foi aprovada no Plenário do CNP e a Petrobras, que também ficou autorizada a super-
redução de preço e de frete. Petrobras passou a importar gás argentino. visionar o processamento experimental desse
produto nas refinarias particulares.249 Esse óleo
De imediato, a Confederação Nacional da Indús- Também por esta época, o CNP teve que enfren- soviético, por determinação do Conselho, passou
tria, por meio de Fernando Gasparian, propôs uma tar o problema da não aceitação, por parte das a ser processado pela refinaria de Capuava.

246. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 1, de 1 de janeiro de 1961.


247. VIEIRA, C. M., 2005.
248. Ibid.
249. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de atividades, 1961.
152 Petróleo e Estado

Mudanças na distribuição de derivados


Em 1962, o Ministério da Marinha desencadeou Para orientar melhor o abastecimento nacio-
Arquivo ANP

um forte movimento para que seus navios nal dos derivados de petróleo, o CNP criou a
passassem a ser abastecidos pela Petrobras. O Comissão de Coordenação do Abastecimento
ministro, almirante Pedro Paulo de Araújo Su- dos Derivados de Petróleo (Cadepe), a quem
zano, perguntava por que os navios de guerra caberia disciplinar as atividades produtoras,
brasileiros, em sua grande maioria atracados importadoras, industriais, comerciais e de
no Rio de Janeiro, no cais do Arsenal, estavam transporte. Em dezembro de 1962, a Cadepe
sendo abastecidos pela Esso, Shell, Atlantic e apresentou o Plano Nacional de Abastecimen-
Texaco, se a Petrobras produzia óleo combus- to dos Derivados de Petróleo, a ser executado
tível em quantidades suficientes. A proposta a partir do ano seguinte, de modo a norma-
do ministro recebeu apoio imediato dos sin- lizar o processo de distribuição de derivados
dicados, mas foi alvo de uma forte campanha em todo o País.
contrária nas páginas dos principais jornais.

Nos termos da Lei nº 2.004/1953, a distribui-


As distribuidoras
ção de petróleo estava fora do monopólio
exercido pela Petrobras; porém, o parque de mantinham tanques
refino da estatal já contava com o importante vazios para
reforço representado pela Refinaria de Duque
retardar o custo
Josaphat Marinho, ex-presidente do CNP, foi um dos principais
de Caxias (Reduc). Dentro de suas prerrogati-
conferencistas do I Fórum Nacional de Debate de Política de Petróleo vas, o CNP autorizou a Petrobras a fazer o for- de novas compras,
necimento direto dos derivados de petróleo à e a Petrobras
Marinha, em cotas semestrais. Essa medida, 250
era obrigada
com exceção do querosene de aviação, se es-
tenderia ao Exército, à Aeronáutica e a uma a fazer gastos
ampla gama de repartições públicas. para sustentar
estoques nas
Outro problema enfrentado por Meireles foi
a manutenção dos estoques para o abasteci- refinarias.
mento de derivados. As distribuidoras man-
tinham tanques vazios ou com carga menor,
para retardar o custo de novas compras, e a
Petrobras era obrigada a fazer gastos para
sustentar estoques nas refinarias.

250. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução CNP nº 2, de 03 de maio de 1962.


Capítulo 13 - A consolidação do monopólio estatal 153

Intensificam-se as campanhas pelo monopólio


Com a vitória do presidencialismo no plebisci-

Agência O Globo
to de 6 de janeiro de 1963, Jango recuperou a
plenitude de seus poderes como Presidente da
República, e a partir de então tentou pôr em
prática o Plano Trienal, elaborado pelo ministro
extraordinário do Planejamento, Celso Furtado.
Este plano tinha como principais objetivos: man-
ter uma elevada taxa de crescimento do Produto
Interno Bruto, combater progressivamente a in-
flação, reduzir o custo social do desenvolvimen-
to e melhorar sua distribuição, para diminuir as
desigualdades regionais. No entanto, a política
de combate à inflação adotada pelo governo se-
ria de curta duração devido às crescentes pres-
sões dos setores industriais e dos trabalhadores.
Os partidos políticos de direita e de esquerda e
O presidente Jânio Quadros condecora o guerrilheiro comunista Ernesto “Che” Guevara, em março de 1961,
a própria sociedade entraram em um processo
desagradando os setores mais conservadores da sociedade brasileira
progressivo de radicalização. Tornavam-se cada
vez mais intensas as campanhas contra o capital

FGV/CPDOC - Arquivo João Goulart/City News Bureau


estrangeiro e contra os “entreguistas”, ao mes-
mo tempo em que o debate sobre as reformas
de base entrava na ordem do dia.

As refinarias de petróleo sob controle de capital


privado nacional também se tornaram alvo da
campanha nacionalista, que pretendia fortalecer
o monopólio estatal da Petrobras. Esta campa-
nha, por sua vez, estava articulada a uma ofen-
siva mais ampla, promovida por organizações
nacionalistas e populares, como a Frente de Mo-
bilização Popular, a União Nacional dos Estudan-
tes (UNE) e o Comando Geral dos Trabalhadores
(CGT), que denunciava a atuação das empresas
estrangeiras que controlavam o fornecimento de
serviços públicos em geral.

Em setembro de 1963, o CNP aprimorou a regula-


mentação que autorizava a atuação da Petrobras
Roberto Campos (ao centro) integrou a comitiva de João Goulart que visitou os EUA, em abril de 1962,
como distribuidora. A partir de então, a Petrobras para negociar a compra de empresas americanas instaladas no Brasil
154 Petróleo e Estado

FGV/CPDOC - Arquivo Tancredo Neves

O presidente do CNP, Carlos Meireles Vieira, tam-


bém prestou depoimentos à Comissão, sendo
duramente questionado por Antônio Carlos Ma-
galhães. “Sofri um verdadeiro massacre. Foram
cinco ou seis horas de perguntas de algibeira”,
relata ele, lembrando que “os representantes das
empresas particulares passavam bilhetinhos para
os deputados, para fazer perguntas”.251

Em meio ao processo de radicalização, o próprio


CNP tornou-se palco de questões em torno do
abastecimento do GLP, por conta do desconten-
tamento que havia no setor com o ordenamento
dado a esse mercado desde a revogação da Reso-
lução nº 1/61. Assim, o Conselho dedicou atenção
especial à revisão desta questão, abordando-a em
seus diferentes aspectos (produção, importação,
armazenamento, distribuição e consumo) e pro-
curando estar de acordo com os termos da men-
sagem presidencial de 1963, na qual João Goulart
enfatizara a urgência de libertar o País da necessi-
dade de importar quantidades crescentes de “pro-
dutos nobres”, como o GLP. O ano de 1963 come-
çou com a aprovação da Resolução nº 1/63, através
da qual o CNP estabelecia normas e critérios para
Tancredo Neves foi primeiro-ministro do Brasil por apenas dez meses. O regime presidencial foi reinstaurado em 1963
a apuração das quantidades de GLP em tanques
e para a determinação das quantidades recebidas
ficava autorizada a distribuir derivados de petró- parlamentar de inquérito (CPI) para investigar pelas distribuidoras, por via marítima ou por gaso-
leo em todo o território nacional, de acordo com as origens das supostas pressões do Executivo duto. Do mesmo modo, foi criada uma comissão
sua capacidade e com os preços fixados pelo contra o Congresso. Intimado a depor nesta CPI, especialmente para verificar a aplicação feita pelas
Conselho. Essa decisão foi tomada com base na o presidente da Petrobras, general Albino Silva, concessionárias a uma parcela ponderável da es-
experiência acumulada pela empresa desde maio declarou na ocasião que não tinha conhecimen- trutura de preços, o que implicava maior controle
de 1962, quando começou a distribuir derivados to de campanhas de trustes e cartéis internacio- sobre o abastecimento deste produto. Paralela-
de petróleo aos órgãos governamentais. nais contra o fornecimento de combustíveis pela mente, o Presidente da República criou um grupo
Petrobras diretamente à Marinha brasileira. Ad- de trabalho destinado a disciplinar o abastecimen-
A reação das forças contrárias ao monopólio mitiu, no entanto, que eles tentavam influenciar to de GLP com a instalação de novos depósitos de
estatal forçou a convocação de uma comissão a opinião pública. armazenamento pelas concessionárias.

251. VIEIRA, C. M., 2005.


Capítulo 13 - A consolidação do monopólio estatal 155

Manchete do Jornal do Brasil, em 14 de março de 1964


156 Petróleo e Estado

Banco de Imagens Petrobras

Mais de 150 mil pessoas se reuniram em frente à Central do Brasil, no Rio de Janeiro, para ouvir o presidente João Goulart, em 13 de março de 1964
Capítulo 13 - A consolidação do monopólio estatal 157

Ainda em 1963, uma comissão especial analisou Todas as áreas da indústria do petróleo estavam

FGV/CPDOC - Arquivo Horta Barbosa


todo o processo petrolífero nacional, discutindo a passando pelo crivo da orientação nacionalista
ideia de se implantar o monopólio de importação. do governo de Jango. Também em dezembro de
Além de atuar como refinadora e produtora de 1963, tomando como base a Resolução nº 5/63
óleo, a Petrobras passaria a ter controle absoluto do CNP, o Presidente da República determinou o
sobre todo o óleo cru e os derivados que entra- tabelamento, em preços únicos para todo o País,
vam no Brasil, cuidando também da distribuição e dos óleos lubrificantes do tipo motor oil, vendidos
da efetiva alocação desses produtos no mercado. pela Esso, Shell, Texaco e outras empresas estran-
O Plenário do Conselho propôs, então, ao ministro geiras, quebrando assim o domínio das distribui-
Antônio Oliveira Brito, das Minas e Energia, que doras sobre o mercado brasileiro. Com essa medi-
levasse a questão para deliberação do Presidente da, foi possível uma redução geral dos preços em
da República. todas as etapas da comercialização.

Outro ponto a destacar no ano de 1963 foi o acele-


Em 13 de março rado desenvolvimento da indústria petroquímica
em escala mundial. Esse acontecimento levou o
de 1964, foram CNP a reexaminar a política traçada para o setor,
encampadas já que datava de uma época em que a Petrobras O general Aurélio de Lyra Tavares discursa no
I Fórum de Debates do CNP, em setembro de 1963
as seis refinarias havia entrado nesta atividade. Foi então criado
um grupo de trabalho, integrado por membros do
particulares Conselho e da empresa estatal, com a tarefa de
em operação rever toda a legislação existente sobre o assunto, toria Econômica do CNP, e Waldir Pires, consul-
no Brasil. e de sugerir diretrizes para a implementação de tor-geral da República, da elaboração do decreto
uma nova política petroquímica no País. de encampação das refinarias particulares. A assi-
natura deste decreto foi anunciada pelo presiden-
Em 24 de dezembro, Goulart editou o Decreto Em setembro, quando a discussão da política na- te Goulart durante o chamado Comício das Re-
nº 53.337, que conferia ao Estado a faculdade cionalista estava no auge, Carlos Meireles organi- formas, no dia 13 de março de 1964. Por esse ato,
de “autorizar, regular e controlar a importação, o zou o Fórum Nacional de Debate de Política de Pe- foram encampadas as seis refinarias particulares
transporte, inclusive a construção de oleodutos, a tróleo, com a participação de conferencistas como em operação no Brasil – Capuava (grupo Soares
distribuição e o comércio do petróleo e seus deri- o general Aurélio de Lyra Tavares, o industrial Fer- Sampaio), Manguinhos (grupo Peixoto de Castro),
vados”. Seria assim criada uma subsidiária, a Pe- nando Gasparian, o antropólogo Darcy Ribeiro e o Refinaria Ipiranga (grupo Ipiranga), Manaus, Uru-
trobras Internacional, que deteria a exclusividade senador Josaphat Marinho, entre outros. Segundo guaiana e Matarazzo –, cujas ações passariam a
para operar no exterior. Com esse decreto, as em- Meireles, “esse fórum teve uma repercussão na im- pertencer ao patrimônio nacional.
presas brasileiras que pretendiam explorar o óleo prensa muito grande. Levantou muito a ideia mo-
boliviano ficaram sem base legal para concretizar nopolista, (...) e deu mais força à Petrobras”.252 Em 31 de março de 1964, eclodiu o golpe militar
suas explorações na Bolívia. O Acordo de Roboré, que depôs o presidente João Goulart. Profunda-
a partir de então, passaria a vigorar segundo sua No início de 1964, Carlos Meireles participou, jun- mente identificado com o governo Goulart, Carlos
forma original, de 1938. tamente com José Murilo Paraíso, chefe da Dire- Meireles Vieira deixou a presidência do CNP.

252. Ibid.
158 Petróleo e Estado
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 159

1964-1997
CNP e DNC: do regime
militar à Nova República
160 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 14

O “MILAGRE BRASILEIRO”
E OS CHOQUES DO PETRÓLEO
Da recessão ao crescimento
Os militares que assumiram o poder em abril de eficácia do mercado como elemento ordenador da
Arquivo ANP

1964 não haviam definido, por ocasião do golpe, os economia. Estabelecia-se dessa forma uma nova
detalhes de um novo modelo de desenvolvimento estratégia nas relações Estado-empresariado, que
para o País. O foco naquele momento era a crise procurava facilitar a organização e a gestão da vida
política, embora os problemas econômicos, sociais econômica com base na hegemonia de poucas e
e políticos estivessem combinados, influencian- grandes empresas em cada setor.
do-se reciprocamente e gerando uma situação de
crise. O processo de substituição de importações, De 1964 a 1967, a crise foi enfrentada praticando-se
de vital importância para o desenvolvimento eco- uma recessão calculada, considerada necessária ao
nômico brasileiro do pós-guerra, dava claros sinais estabelecimento de um novo ciclo econômico. O
de esgotamento. Entre 1957 e 1961, a média anual de final da década de 1960 e os primeiros anos da dé-
crescimento da economia havia sido de aproxima- cada seguinte, mais precisamente entre os anos de
damente 6,9 %, porém, nos anos de 1962 a 1964, ela 1968 e 1974, registraram taxas recordes de cresci-
caiu para menos da metade: 3,4%. Foi nesse quadro mento econômico. Esse período ficou conhecido
recessivo da economia nacional, agravado pela crise como o “milagre” brasileiro. Em 1973, o crescimen-
política e por uma crescente mobilização social, que to da economia chegou aos 11,4%, algo inédito na
ocorreu a deposição do presidente João Goulart. história do País. Os principais responsáveis por esse
boom foram a neutralização da taxa de inflação, o
O acentuado fortalecimento do Executivo garantiu estímulo às exportações (sobretudo de manufatu-
O general Araken de Oliveira foi presidente do CNP
ao governo militar condições para a formulação e a rados), o incremento das poupanças privadas, os
e posteriormente da Petrobras execução de uma política econômica, sem espaço vultosos investimentos públicos em obras de in-
para contestações, calcada em duas linhas-mes- fraestrutura e a importação de capitais. Com efeito,
tras: criar condições para financiar os investimentos as empresas multinacionais desempenharam um
necessários à retomada do crescimento; e fornecer papel central na expansão da economia brasileira
as bases institucionais adequadas à instauração da durante esses anos.253

253. MEMÓRIA DA ELETRICIDADE, 1988, p. 191-194.


Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 161

Banco de Imagens Petrobras


O presidente Humberto Castello Branco inaugura fábrica de asfalto em Fortaleza (CE)

O CNP na primeira década do regime militar


Uma rápida consulta às atas das sessões do CNP depois do término do mandato presidencial do pelo general Araken de Oliveira, chefe de gabi-
realizadas em março de 1964 e nos meses seguin- general Humberto de Alencar Castelo Branco, nete de Levy Cardoso. A exemplo do seu ante-
tes mostra que, logo após o golpe, o quadro de que o havia indicado. cessor, Araken deixou a presidência do CNP em
conselheiros foi renovado quase completamente. outubro de 1974, no governo do general Ernesto
Quanto à presidência do Conselho, a mudança do Em abril de 1967, um mês após a tomada de posse Geisel (1974-1979), para assumir a presidência da
titular coincidia com o mandato do Presidente da do general Artur da Costa e Silva na Presidência Petrobras. Em novembro de 1974, o civil Laerte
República, embora não houvesse alterações signi- da República (1967-1969), o marechal Waldemar Penchel ocupou em caráter interino o cargo de
ficativas na orientação política do governo. Levy Cardoso foi nomeado presidente do CNP. presidente do CNP, nele permanecendo até maio
Em março de 1969, ele deixou o cargo para assu- do ano seguinte.
Após a saída de Meireles Vieira, no início de abril, mir a presidência da Petrobras.
a presidência do CNP somente foi ocupada em Ao longo desses anos, os titulares da pasta das
julho, quando o general Emílio Maurell Filho as- Em abril de 1970, já no governo do general Emílio Minas e Energia, a quem o presidente do CNP
sumiu o cargo. A gestão de Maurell Filho durou Garrastazu Médici (1969-1974) e após um inter- tinha de se reportar, foram Mauro Thibau (1964-
pouco menos de três anos. Ele deixou a presi- regno de um ano, a presidência do CNP voltou a 1967), José Costa Cavalcanti (1967-1969) e Antô-
dência do CNP no final de março de 1967, pouco ser ocupada em caráter permanente, desta feita nio Dias Leite (1969-1974).
162 Petróleo e Estado

Jônio Machado/Banco de Imagens Petrobras

A Refinaria União (atual Refinaria de Capuava) atraiu outras indústrias para a região de Mauá (SP), formando um dos maiores polos petroquímicos do País

Revogada a encampação das refinarias


Logo no início do governo Castelo Branco, foram balanços dessas empresas (o alvo principal era a Re- o “clima de tensão emocional e a pressão de forças
questionados vários decretos assinados pelo ex- finaria União), nada irregular foi encontrado. O pa- demagógicas e ideológicas” sob as quais o decreto
-presidente João Goulart, como foi o caso da en- recer final, favorável às refinarias, foi aprovado por de encampação fora expedido.255
campação das refinarias particulares. As empresas unanimidade pelos componentes do grupo de tra-
responsáveis por essas refinarias já haviam solicita- balho. Em seguida, uma comissão de notáveis, no- Embora Castelo Branco tenha revogado a encam-
do e obtido uma liminar junto ao Tribunal Federal meada por Castelo Branco para examinar o assunto, pação das refinarias privadas, o seu governo favore-
de Recursos, antes mesmo da queda de Jango. recomendou unanimemente a revogação do ato de ceu notavelmente a expansão do refino pela Petro-
João Goulart. O Conselho de Segurança Nacional, bras, adotando medidas que reforçaram os recursos
O caso se arrastava já por mais de um ano, quando também por unanimidade, fez a mesma recomen- da estatal. Uma dessas medidas foi a Lei do Imposto
Castelo Branco determinou ao presidente do CNP dação. Finalmente, no dia 9 de julho de 1965, o Presi- Único e de Preços,256 que, para calcular a remuner-
que fosse formado um grupo de trabalho para exa- dente da República revogou o decreto assinado por ação a ser paga pelos derivados, tomou por base os
minar a contabilidade das refinarias particulares, João Goulart.254 Essa decisão foi fundamentada com preços praticados pelas refinarias particulares, bem
que eram acusadas, inclusive pela Petrobras, de base em vários pronunciamentos, inclusive do con- mais altos que os da estatal, cujas refinarias tinham
praticarem desvios de conduta. Após examinar os selho de administração da Petrobras, além de citar maior capacidade de processamento.257

254. BRASIL. Decreto nº 56.570, de 9 de julho de 1964. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, de 9 de
jul. 1965. apud BARRETO, C. E. P., 2001, p.60-61.
255. PETROBRAS. In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001.
v. 4, p. 4596-4607.
256. BRASIL. Decreto-Lei nº 61, de 21 de novembro de 1966. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, de 22 nov. 1966.
257. PETROBRAS, 2001. v. 4, p. 4596-4607.
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 163

A indústria petroquímica se estabelece no Brasil

Geraldo Falcão/Banco de Imagens Petrobras


A política econômica adotada pelo governo Cas-
telo Branco previa a retomada do crescimento e o
estabelecimento pleno de uma economia de mer-
cado. Para isso, foi formulado o Programa de Ação
Econômica do Governo (PAEG),258 cujos objetivos
eram: redução gradual da inflação; aumento do
ritmo de crescimento para 7% ao ano; diminuição
das disparidades setoriais e regionais; política de
investimentos; e correção da tendência deficitária
do balanço de pagamentos. O PAEG foi elaborado
pelos ministros Otávio Gouveia de Bulhões (Fazen-
da) e Roberto Campos (Planejamento) e aprovado
pelo Congresso em 14 de agosto de 1964.

O PAEG previa, entre vários outros instrumentos,


o incentivo ao estabelecimento da indústria quí-
mica, devido às condições favoráveis de mercado
e à necessidade de produção de matérias-primas
básicas. Ao CNP caberia exercer um controle re- O polipropileno é um importante produto da indústria petroquímica, usado na fabricação de diversos tipos de plástico e de fibra

gulador, tendo sido constituída, com esse objeti-


vo, a Comissão Especial de Petroquímica.259
CNP, 260 que apresentava uma relação de pro- Entretanto, definir a petroquímica como uma ativida-
Foi também instituído, em fevereiro de 1965, o dutos petroquímicos básicos, para diferenci- de livre do monopólio estatal não era o bastante para
Grupo Executivo da Indústria Química (Geiquim), á-los dos produtos combustíveis, de modo a que investidores privados nacionais ou estrangeiros
cujo objetivo era promover o desenvolvimento deixar claro o que estava fora do monopólio da atuassem na área. Havia um problema de ordem
do setor através da concessão de incentivos. Vin- Petrobras. Definindo a indústria petroquímica, prática a ser resolvido. Em virtude da pouca dispo-
culado ao Ministério de Indústria e Comércio, o como “o ramo da indústria química que tem nibilidade de gás natural no Brasil, a matéria-prima
Geiquim tinha representantes de sete outros mi- origem no aproveitamento do gás natural e petroquímica essencial era a nafta. Principal produ-
nistérios, além de vários órgãos governamentais e dos produtos e subprodutos do petróleo e do to produzido a partir da nafta, o eteno é o ponto de
privados, inclusive a Associação da Indústria Quí- xisto”, a resolução frisava que “as atividades partida para a obtenção de outros produtos petro-
mica (Abiquim). que tenham por finalidade precípua a produ- químicos (como o propeno, o butadieno, o xileno e
ção de combustíveis e óleos lubrificantes de o benzeno). Contudo, a partir do eteno também se
O trabalho da Comissão Especial de Petroquí- petróleo e asfalto” não estavam incluídas na produz gasolina e GLP, produtos combustíveis que só
mica serviu de base a uma nova resolução do indústria petroquímica. podiam ser comercializados pela Petrobras.

258. PROGRAMA DE AÇÃO ECONÔMICA DO GOVERNO (PAEG). In: ABREU, Alzira Alves de. et al. (Coord.). Dicionário histórico e biográfico
brasileiro. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2001. v. 4, p. 4.797-4.799
259. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Portaria nº 144, de 13 de outubro de 1964.
260. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 5, de 06 de maio de 1965.
164 Petróleo e Estado

As diretrizes previstas na resolução do CNP fo- Art. 6º. Compete ao Conselho Nacional de de fabricar e comercializar, transportar e distri-
ram transformadas em um decreto, 261 em julho Petróleo superintender o abastecimento buir produtos básicos para a indústria petroquí-
de 1965, que dava mais força à regulamenta- nacional de matérias-primas e produtos mica. Surgiu assim, sob a forma de sociedade de
ção e previa claramente a participação conjun- básicos (...), para as indústrias petroquí- ações de economia mista, a Petrobras Química
ta da iniciativa privada – nacional e estrangeira micas podendo fixar, para tanto, preços S/A – Petroquisa, tendo mais de 99% do seu capi-
– e do Estado, para as atividades do setor pe- para as matérias-primas em condições tal integralizados pela Petrobras, e o restante por
troquímico. Essa questão havia sido objeto de competitivas com o mercado internacio- subscrições particulares ou públicas.265
discussão no governo, nos meses anteriores, nal, estabelecendo normas de controle e
em torno de um documento elaborado pelo fiscalização da produção e do consumo e Com os incentivos dados aos investimentos pri-
Geiquim, no qual se admitia o monopólio esta- podendo autorizar importações e expor- vados, o projeto da Petroquímica União foi apro-
tal da petroquímica. Essa orientação esbarrou tações das referidas matérias-primas. vado em janeiro de 1967, mas esbarrou na falta de
na oposição do ministro das Minas e Energia, recursos, solucionada através da associação com
Mauro Thibau, e de seus colegas da Fazenda, Art. 7º. Os produtos e subprodutos do a Petroquisa, em julho de 1968. Estava aberto o
Octavio Gouvêa de Bulhões, e do Planejamen- petróleo, sujeitos ao monopólio da União, caminho para a implantação do primeiro polo pe-
to, Roberto Campos, que consideravam que, resultantes das operações industriais pe- troquímico brasileiro.266
naquele momento, “o mais importante (...) troquímicas, serão devolvidos à refinaria
era favorecer a iniciativa privada para melhor de origem da matéria-prima pelo preço O setor petroquímico se expandiu principalmen-
atrair o capital estrangeiro”. O impasse chegou desta por unidade de peso, admitindo-se te a partir de 1971, com o início das operações
ao fim com o parecer da comissão formada no um acréscimo de, no máximo, 20% (vinte de três unidades industriais: produção de fenol
âmbito do CNP, “que recomendava a livre par- por cento), para os produtos que a crité- e acetona pela Rhodia (SP); produção de me-
ticipação tanto da iniciativa privada quanto do rio do Conselho Nacional de Petróleo jus- tanol pela Prosint (GB); e produção de amônia
Estado na implantação e no desenvolvimento tifiquem melhoria de preço.264 pelo Conjunto Petroquímico da Bahia (Copeb),
da indústria petroquímica”. 262 pertencente à Petroquisa. A Petroquisa assumiu
Ao CNP caberia autorizar a instalação, a expan- o controle acionário da Coperbo, fábrica de bor-
Mas havia ainda uma indefinição quanto aos são e a operação de empresas que se propuses- racha sintética de Pernambuco, e iniciou estudos
produtos combustíveis que fossem produ- sem a obter ou industrializar produtos básicos, para a implantação de uma central petroquímica
zidos concomitantemente à fabricação de bem como de empresas que utilizassem aque- na Bahia. Continuaram a ser implementadas a
petroquímicos básicos. 263 Finalmente, em las matérias-primas para obtenção de produtos Petroquímica União, a Cia. Brasileira de Estireno,
dezembro de 1967, esses e outros detalhes não básicos. a Copamo, a Brasivil, a Eletrocloro, a Eletroteno
foram regulamentados por decreto, estabele- e a Poliolefinas no estado de São Paulo. Já na
cendo as condições para expansão do parque Por esse mesmo decreto, a Petrobras foi autori- Bahia, estavam sendo construídas a Copeb, a Fi-
petroquímico no País: zada a constituir uma subsidiária, com a função siba, a Paskin e a Ciquine.267

261. BRASIL. Decreto nº 56.571, de 09 de julho de 1965.


262. PETROBRAS 50 anos: uma construção da inteligência brasileira. Rio de Janeiro: Petrobras, 2003, p. 142.
263. PERRONE, 2005.
264. BRASIL. Decreto nº 61.981, de 28 de dezembro de 1967. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, de
28 dez. 1967.
265. MARINHO JUNIOR, 1970, p. 455.
266. PERRONE, Otto. A petroquímica brasileira e alguns de seus mitos. Rio de Janeiro: IBOP, 2001. p. 4-6.
267. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de atividades [1971]. Brasília, DF, [1971].
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 165

Memória Petrobras
A região de Irati (PR) concentra grande formação de xisto betuminoso, o que levou a Petrobras a construir uma unidade de processamento no município vizinho de São Mateus do Sul

Xisto betuminoso também não é petróleo...


O xisto betuminoso foi outro tema de de- monopólio estatal, refletindo a nova situação va “que o xisto não contém óleo, mas um complexo
bate nas sessões do Plenário do CNP, colo- política do País. orgânico chamado querogênio” – para concluir
cando em cena, mais uma vez, a questão do que os “‘xistos não são jazidas de óleo e, conse-
monopólio estatal da Petrobras. Ao tratar da O ministro Mauro Thibau encaminhou o caso para quentemente, não estão incluídos no monopólio’”.
industrialização de rochas betuminosas e pi- a Consultoria Geral da República. Seu titular, Adro- Essa opinião serviu de base para que o governo
robetuminosas, 268 o CNP se eximiu da respon- aldo Mesquita da Costa, tomou por base uma pu- excluísse do monopólio da União a exploração e a
sabilidade de reiterar a inclusão do xisto no blicação da própria Petrobras – na qual se informa- industrialização do xisto betuminoso.269

268. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 1, de 23 de fevereiro de 1965.


269. BRASIL. Decreto nº 56.980, de 1 de outubro de 1965. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, de 11
de out. de 1965
166 Petróleo e Estado
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 167

Memória Petrobras
Construção do Edifício Sede (Edise), da Petrobras, no centro do Rio de Janeiro, em outubro de 1969
168 Petróleo e Estado

Distribuidores de GLP se organizam


buição e da revenda eram regulamentadas pelo
Ultragaz

CNP e tinham de ser cumpridas pelas empresas.

Em 1968, foram regulamentadas pelo CNP as nor-


mas de segurança para o armazenamento de GLP,
compreendendo normas para a construção e lo-
calização de depósitos, guarda de recipientes, uso
de botijões e garrafas, dispositivos de segurança
e de prevenção de acidentes, exibição em lojas e
utilização em locais abertos.270 No ano seguinte,
o CNP determinou que as empresas distribuido-
ras mantivessem em suas bases um determinado
volume mínimo de estoque e de capacidade de
armazenamento.271 Essas quantidades mínimas
passariam a ser fixadas anualmente para as bases
primárias – aquelas que recebem GLP a granel, a
partir de refinarias nacionais ou importação – ao
passo que, para as bases secundárias, as propos-
tas não precisariam ser elaboradas pelo CNP, mas
necessitariam de sua prévia aprovação.

Em 1974, as empresas distribuidoras autorizadas


pelo CNP, antes reunidas na Associgás, fundaram
o Sindicato Nacional das Empresas Distribuidoras
de Gás Liquefeito de Petróleo – Sindigás, com a
A distribuição em larga escala de gás liquefeito de petróleo (GLP) envasado, popularmente chamado finalidade de estudar, coordenar, proteger e rep-
de “gás de cozinha”, trouxe economia para milhares de lares brasileiros
resentar a categoria diante da sociedade brasilei-
ra e nas diversas esferas dos governos federal,
Desde a sua criação, o CNP foi encarregado de compra e venda e de cotas de GLP por empresa; a estadual e municipal. Reunindo inicialmente dez
regulamentar e tomar as principais decisões ope- autorização de funcionamento das empresas por grupos, que controlavam 18 empresas do setor, o
racionais relativas ao setor de GLP, o gás lique- cada região de consumo; o reembolso dos fretes; Sindigás passou a promover uma série de ações
feito de petróleo, popularmente conhecido como as obrigações das distribuidoras; as margens de com o objetivo de modernizar o mercado e ofere-
gás de cozinha. As atribuições do Conselho, nes- lucro para os representantes; os horários de fun- cer ao consumidor brasileiro produtos e serviços
se caso, compreendiam: a fixação de preços de cionamento; enfim, todas as operações da distri- com mais segurança e qualidade.

270. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 3, de 04 de julho de 1968.


271. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Resolução nº 1, de 11 de fevereiro de 1969.
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 169

Disposições legais: atribuições e estrutura do CNP


A estrutura básica e as atribuições do CNP fo- e administrativa, além de mais duas atribui- 1973. Os 250 funcionários do Conselho fo-
ram objeto de sucessivas alterações e acrésci- ções: garantir o abastecimento da matéria- ram instalados no quinto e no sexto andares
mos ao longo do regime militar, principalmente -prima para a indústria de refino, de gás ca- do prédio do Ministério das Minas e Energia,
em função da crescente importância do setor. nalizado, carboquímica e petroquímica e o na Esplanada dos Ministérios.272
Estão resumidas a seguir as principais disposi- suprimento de derivados; e supervisionar a
ções legais que afetaram o CNP nesse período: incidência do Imposto Único sobre Combus-  Portaria nº 294 do MME, de 13 de março de
tíveis e Lubrificantes e sua aplicação na área 1974 – Aprovou novo regimento interno para
 Lei nº 4.904, de 17 de dezembro de 1965 – O do Ministério. o CNP. A liberação de recursos para reorga-
CNP foi classificado como órgão da adminis- nização do setor de mineração do carvão
tração direta, subordinado ao Ministério de  Decreto nº 67.812, de 14 de dezembro de nacional e aplicação de recursos destina-
Minas e Energia, com as funções de órgão 1970 – Com a extinção da Comissão do Pla- dos à formação de estoques de combustí-
consultivo, orientador e controlador da políti- no do Carvão Nacional, o CNP foi incumbido veis visando à produção de energia elétrica
ca nacional do petróleo e de seus derivados. de orientar e controlar a política nacional do passaram a fazer parte da competência do
carvão mineral. A nova competência ficou a Conselho, cuja estrutura básica continuava
 Decreto nº 60.184, de 8 de fevereiro de 1967 cargo do recém-instituído Serviço de Com- a ser praticamente a mesma, sendo apenas
– Modificou o regimento interno do CNP, bustíveis Sólidos. criadas novas assessorias técnicas ligadas
inserindo novas atribuições, tais como pro- à presidência.
mover, orientar e fiscalizar as pesquisas e  Decreto n° 70.750, de 28 de julho de 1972 –
o aproveitamento de jazidas de rochas be- Consolidou a organização e a competência
tuminosas e pirobetuminosas, bem como a do CNP, reformulando sua estrutura básica,
industrialização de seus produtos; conceder ampliando a sua composição para dez con-
autorização para funcionamento, registro e selheiros, além do presidente do Conselho,
estabelecimento de condições para opera- e acrescentando às suas atribuições a pro-
ções financeiras, levantamento de custos de moção, orientação e fiscalização do apro-
produção das empresas que explorassem a veitamento das minas de carvão mineral e
indústria de refino ou petroquímica; estabe- o beneficiamento deste e de seus subprodu-
lecer, em comum acordo com o Instituto do tos. A competência para nomeação do pre-
Açúcar e do Álcool, os índices de mistura de sidente do Conselho voltou a ser exclusiva
gasolina com álcool anidro. do Presidente da República.

 Decreto nº 63.951, de 31 de dezembro de  Portaria nº 856 do MME, de 18 de outubro de


1968 – Alterou a estrutura básica do MME. 1972 – Determinou a transferência da sede
O CNP ganhou relativa autonomia financeira do CNP para Brasília, que se efetivou em

272. GONÇALVES, Nilson. Alguns dos aspectos mais importantes da administração Oziel Almeida Costa. Atualidades do CNP, Brasília, DF, v. 16, n.
92, p. 4-11, mar./abr. 1985.
170 Petróleo e Estado
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 171

Acervo Nacional Gás


A entrada em operação da Refinaria de Mataripe (BA), em 1950, incentivou a instalação da indústria petroquímica na região nos anos seguintes. Na imagem, esferas de armazenamento de gás liquefeito de petróleo (GLP), na década de 1970
172 Petróleo e Estado

As crises mundiais do petróleo nos governos Geisel e Figueiredo


Banco de Imagens Petrobras

O presidente João Figueiredo visita plataforma da Petrobras, em março de 1984

No final de 1973, a economia mundial foi forte- estabeleceu quotas de produção e quadruplicou mento de 10% nos preços dos derivados de petró-
mente abalada pelo chamado “primeiro choque os preços, provocando um déficit de quase US$ leo.273 A partir de então, a conjuntura econômica
do petróleo”. A crise foi provocada pelo embargo 40 bilhões, em 1974, nos balanços de pagamentos extremamente difícil tornaria evidentes os pontos
no fornecimento de petróleo, decidido pelas na- dos países em desenvolvimento. frágeis do “milagre brasileiro”, como a excessiva
ções árabes, membros da Organização dos Países dependência do sistema financeiro mundial e do
Exportadores de Petróleo (Opep), em represália No início da crise, o CNP chegou a divulgar, em comércio internacional. O Brasil importava cerca
ao apoio dado por países ocidentais à ocupa- nota oficial, que não haveria elevação do preço da de 80% do petróleo necessário ao consumo in-
ção de territórios palestinos por Israel, durante gasolina. No entanto, duas semanas mais tarde, terno e os aumentos de preço provocaram forte
a Guerra do Yom Kipur. Com o embargo, a Opep em 21 de novembro, o órgão estabeleceu um au- impacto sobre nossas contas externas.274

273. UM LAPSO de 10%. Veja, São Paulo, p. 131, 27 nov. 1973.


274. PETROBRAS 50 anos: uma construção da inteligência brasileira. Rio de Janeiro: Petrobras, 2003, p. 163.
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 173

Em 15 de março de 1974, foi empossado na Pre- US$32, atingindo níveis recordes e agravando Inaugurado sob o signo do segundo choque
sidência da República o general Ernesto Geisel, a recessão econômica mundial no início da dé- de petróleo, o governo do general João Bati-
ex-conselheiro do CNP e ex-presidente da Pe- cada de 1980. Em decorrência dessa crise, o sta Figueiredo concentrou esforços, em seus
trobras. Seu ministério foi integrado por uma governo brasileiro anunciou o congelamento primeiros meses, no combate irrestrito à espiral
mistura de técnicos e políticos, alguns oriundos das importações de petróleo. Quase no final inflacionária e à recessão econômica. Em julho
dos governos anteriores. Para a pasta das Minas do ano, o preço da gasolina subiu 58% e, em de 1979, o novo presidente anunciou o congela-
e Energia foi nomeado Shigeaki Ueki. outubro de 1980, tinha aumentado 100%. O mento das importações de petróleo e a criação
Brasil passou a ser o segundo país com a ga- do Conselho Nacional de Energia, encarregado
As metas da política econômica do governo solina mais cara do mundo. 275 de elaborar programas de pesquisa e investi-
Geisel foram sistematizadas no II Plano Na- mento em fontes energéticas alternativas.
cional de Desenvolvimento (II PND), que pro-
curou adequar o funcionamento da economia
O choque do
brasileira ao impacto da crise do petróleo. Re-
cusando-se a imprimir uma orientação reces- petróleo tornou
siva à economia, o II PND jogou suas fichas no evidentes os
desenvolvimento das indústrias básicas, das
pontos frágeis
comunicações, das ferrovias da navegação
e dos portos. Tinha como matriz principal a do “milagre
procura pela independência energética, pro- brasileiro”.
movendo construções de usinas hidrelétricas,
o desenvolvimento de um programa nuclear e
projetos paralelos como o Programa do Álcool
(Pró-Álcool). Em março de 1979, o governo Geisel chegava
ao fim. Ao longo do quinquênio, o PIB brasileiro
O segundo choque do petróleo, ocorrido em tinha crescido mais de 40%, cinco milhões de
julho de 1979, complicou ainda mais a situação novos empregos tinham sido criados e o valor
do País, que ainda não se tinha recuperado do das exportações era 50% maior, porém a taxa
choque de 1973. Dessa vez, a crise foi provo- de inflação anual situava-se em torno de 40%.
cada pela revolução iraniana, que derrubou o Porém, para conter a inflação nesse patamar, o
xá Reza Pahlevi e instalou uma república is- Governo Federal lançou mão de uma série de
lâmica. Segundo maior exportador da Opep, artifícios, como a venda de produtos das em-
atrás apenas da Arábia Saudita, o Irã ficou presas estatais por preços abaixo do custo, o
praticamente fora do mercado, o que afetou que tornava essas empresas cada vez mais de-
gravemente a produção de petróleo. O preço ficitárias, participando de uma dívida externa
do barril de petróleo duplicou de US$16 para que chegava a US$ 43 bilhões.276

275. O AUMENTO gigante. Veja, São Paulo, p. 164, 28 nov. 1979. Economia e Negócios; OUTRO aperto no cinto, Veja, São Paulo, p. 120, 08 out.
1980. Economia e Negócios.
276. PETROBRAS 50 anos: uma construção da inteligência brasileira. Rio de Janeiro: Petrobras, 2003, p. 165.
174 Petróleo e Estado

Persistência recompensada
Teve início em 1971, na gestão do general Er- A intenção de abandonar os trabalhos de per- impressionou. Quando cheguei aqui,
nesto Geisel como presidente da Petrobras, a furação na bacia de Campos chegou ao conhe- (...) o homem que controlava os po-
perfuração do primeiro poço na Bacia de Cam- cimento do chefe da Divisão de Exploração da ços pioneiros em perfuração pôs em
pos, com base em levantamentos geológicos, Petrobras, Carlos Walter Marinho Campos. Ele cima da minha mesa um telex, dizen-
sísmicos e gravimétricos que vinham sen- estivera em viagem de observação no Oriente do: “Abandonar o poço Rio de Janei-
do feitos desde 1968. Dois anos depois, sete Médio, onde verificou que poços de até 5 mil ro nº 7.” E eu achei que não, que se
poços – em profundidades de lâmina d’água metros de profundidade, em zonas calcárias, devia furar mais duzentos metros.
pouco superiores a 60 metros – não tiveram estavam produzindo grandes volumes de pe- Furaram-se mais duzentos metros e
sucesso: foram considerados secos. tróleo. Para se alcançar o calcário da Forma- houve uma indicação magnífica de
ção Macaé, faltavam 200 metros. A decisão petróleo no topo do calcário Macaé,
da Petrobras foi continuar a perfuração até a que é um calcário produtor de petró-
profundidade prevista, como ele mesmo conta leo na bacia do Rio de Janeiro. Nos
Para se alcançar
em depoimento ao CPDOC/FGV: testes com esse poço não se conse-
o calcário da guiu produzir petróleo: era micropo-
Formação Macaé, O general Geisel achou que eu, como rosidade, não era, discute-se e tal,
chefe da ExpIoração, devia conhecer não se conseguiu. Mas houve o pri-
faltavam 200
as outras partes do mundo, conver- meiro show de petróleo realmente
metros. A decisão sar com outras pessoas, e me man- bom na bacia de Campos. Em vista
foi continuar dou fazer uma viagem com o diretor disso, a sonda, que já estava abando-
da Braspetro José Inácio Fonseca. nando o poço para mudar de bacia,
a perfuração.
(...) Eu fiquei impressionado, no Ira- porque já era o sétimo poço, foi para
que, com a produção de óleo de cal- a locação Rio de Janeiro nº 9, que foi
Outros poços começaram a ser perfurados em cário em profundidades da ordem o poço descobridor.278
1973, pois havia possibilidade de se encontrar de quatro, cinco mil metros, quando
petróleo nas rochas calcárias da Formação Ma- geralmente o arenito, que é o nos- Aquela zona calcária saturada de óleo a 3.500
caé, a 3.500 metros de profundidade, mas a per- so produtor tradicional, abaixo de metros de profundidade, no poço 1-RJS-9, em-
furação era difícil e avançava muito lentamente. 2.500, três mil metros, já vai ficando bora não tivesse vazão comercial, justificava
Parte da equipe da plataforma Petrobras II (na- com uma porosidade e permeabili- o prosseguimento das perfurações. O ano de
vio-sonda construído no Japão, em 1971) queria dade reduzidas. Praticamente não 1974 já chegava ao fim quando, em novembro,
interromper as operações, que já se estendiam se conhecia produção de petróleo o poço chegou a 3.750 metros e encontrou o
por vários meses naquela área, sem resultado.277 nessas profundidades e aquilo me campo de petróleo de Garoupa: uma coluna de

277. MORAIS, José Mauro de. Petróleo em águas profundas: uma história tecnológica da Petrobras na exploração e produção offshore. Brasília,
DF: IPEA: Petrobras, 2013. p. 114.
278. CAMPOS, Carlos Walter Marinho. Carlos Walter Marinho Campos: depoimento [1988]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC; Petrobras, SERCOM, 1988. p 146.
Capítulo 14 - O “milagre brasileiro” e os choques do petróleo 175

Memória Petrobras
petróleo de mais de 100 metros de espessu-
ra, com reservas estimadas em torno de 100
­milhões de barris.

O primeiro poço a produzir petróleo em reser-


vatórios de calcários no Brasil inaugurou o ciclo
de descobertas na Bacia de Campos. A euforia
foi ainda maior quando os técnicos da Petrobras
detectaram, no entorno, estruturas geológicas
semelhantes às de Garoupa. Isso indicava que ali
existia não apenas um campo de petróleo isola-
do, e sim uma grande província petrolífera.

Com o mapeamento das estruturas geológicas


promissoras na região, a Petrobras ampliou seus
investimentos na exploração offshore, decisão
reforçada pelo impacto do choque do petróleo
em 1973. No primeiro momento foram desloca-
dos técnicos de outras regiões do Brasil para a
Bacia de Campos, enquanto se intensificava a
capacitação de uma nova geração de profissio-
nais em várias áreas para as atividades de desen-
volvimento dos campos de petróleo.

Em 1975 foi descoberto o campo de Namorado, o


primeiro gigante da plataforma continental bra-
sileira, além dos campos de Pargo e Badejo. Nos
anos seguintes, Enchova (1976), Bonito e Pampo
(1977). Descobertas que revelaram o potencial da
Bacia de Campos para solucionar a dependência
brasileira de importações de petróleo bruto.

As duas crises do petróleo colocaram em risco o abastecimento interno.


Na imagem acima, anúncio da Petrobras na revista do Clube Militar, em setembro de 1974
176 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 15

RESPOSTAS
PARA A CRISE
Os novos desafios do CNP
anteriores. Porém, diante dos impactos da tras duas metas, o CNP foi um dos principais
Arquivo ANP

primeira crise do petróleo, o órgão passou a protagonistas.


ser mais solicitado pelas autoridades do País
e assumiu um papel relevante na estratégia Em outubro de 1975, o presidente Geisel autori-
montada pelo Governo Federal para superar zou a assinatura dos contratos de risco, fazendo
as vicissitudes daquele momento. Este cená- questão de enfatizar que o monopólio estatal
rio marcou a gestão do general Oziel, que se previsto em lei não devia ser entendido como
estendeu por dez anos. um fim em si mesmo, mas sim como um meio
para “assegurar, nas melhores das condições
Para encarar a crise do petróleo, o governo de- possíveis, o abastecimento nacional de petró-
finiu três metas principais: leo”. Esta autorização era um sinal claro de que
as exigências impostas pelo choque do petró-
 aumentar a produção nacional de petróleo; leo não poderiam esperar uma transição lenta
da exploração em terra para a pesquisa no mar.
 substituir o petróleo por fontes alternativas
de energia; Em junho de 1976, pressionado por novos au-
mentos do combustível, o general Oziel afir-
 reduzir o consumo de derivados de petróleo mou, em entrevista à imprensa, que aumentar
A gestão de Oziel Almeida Costa acompanhou grandes avanços através de programas de otimização do uso preços não era a única solução para conter o
na exploração, produção e refino de petróleo no Brasil.
de combustíveis. consumo de derivados de petróleo no País. En-
tre as medidas possíveis, ele destacou a racio-
Quando foi nomeado presidente do CNP em A primeira meta ficou basicamente nas mãos nalização dos transportes coletivos, a veloci-
julho de 1975, no segundo ano do governo da Petrobras, na forma de investimentos ma- dade máxima de 80 km nas rodovias, e até um
Geisel, o general Oziel Almeida Costa encon- ciços na prospecção do petróleo, basicamen- novo formato para o campeonato nacional de
trou o Conselho em uma fase difícil, por ter te na plataforma submarina, que dobraram a futebol, com menor número de jogos. Só não
perdido muito de sua substância nos anos produção brasileira entre 1979 e 1982. Nas ou- concordava com o racionamento. 279

279. TUDO em segredo [petróleo]. Veja, São Paulo, 23 jun. 1976. p. 86-88.
Capítulo 15 - Respostas para a crise 177

Banco de Imagens Petrobras


Plataforma P-1, da Petrobras, a primeira plataforma de petróleo autoelevatória construída no Brasil, instalada no Campo de Guaricema (SE), em 1968
178 Petróleo e Estado
Banco de Imagens Petrobras

O presidente da Petrobras, Shigeaki Ueki, abastece automóvel Fiat 147 com álcool em 1979
Capítulo 15 - Respostas para a crise 179

Política energética prioriza redução do consumo


Uma das principais medidas do governo para a

Agência Petrobras
redução do consumo de derivados de petróleo
foi a utilização de álcool anidro, em larga escala,
como combustível dos veículos automotivos. Em
novembro de 1975, nascia o Programa Nacional
do Álcool (Proálcool),280 que concedia incentivos
à produção de álcool nas unidades açucareiras e
destilarias independentes, e financiava o desen-
volvimento de motores apropriados pela indús-
tria automobilística e a instalação de uma exten-
sa rede de distribuição do novo combustível.

Em novembro
de 1975, nascia
o Programa
Nacional do Álcool
(Proálcool).

Foi a partir de 1979 que o CNP começou a partici-


par mais intensamente do Proálcool. Exatamente
A Petrobras investiu na produção de álcool de cana-de-açúcar, a partir da década de 1970, como parte do Programa Proálcool
neste ano, a alta desenfreada dos preços do óleo
cru deu um novo alento ao Programa. O Conselho
de Desenvolvimento Econômico – CDE – decidiu Enquanto os preços do petróleo se mantive- Uma das intervenções mais significativas do CNP
aplicar US$ 5 bilhões durante seis anos, tendo ram elevados, o Proálcool apresentava ótimos na organização do Proálcool foi a logística de
como meta a produção de 10 bilhões de litros resultados, mas a partir dos primeiros anos da abastecimento montada pelo órgão em relação
de álcool por ano. A expectativa do governo era década de 1980, quando a oferta mundial de pe- ao transporte rodoviário. O Conselho otimizou o
“atender à demanda adicional de gasolina no fu- tróleo aumentou e os preços caíram, o programa frete do álcool, levando ao interior os derivados
turo, bem como abastecer integralmente 475 mil começou a ser questionado. O álcool tornou-se produzidos nas refinarias – quase todas situ-
veículos com motores adaptados e 1,225 milhão pouco competitivo, exigindo subsídios para a adas perto do litoral – e aproveitando os mes-
de outros com motor a álcool original”.281 manutenção do programa. mos caminhões para retornarem com o álcool.282

280. BRASIL. Decreto nº 76.593, de 14 de novembro de 1975. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, de 14 nov. 1965.
281. O PETRÓLEO da cana. Veja, São Paulo, p. 92-101, 13 jun. 1979.
282. Sobre o uso obrigatório do álcool, ver também capítulos 3 (tópico “A atuação das empresas estrangeiras”) e 7 (“Independência energética
entra na pauta das discussões nacionais”).
180 Petróleo e Estado

Agência Petrobras

ais de desenvolvimento para incentivar a subs-


tituição de equipamentos nas indústrias.

As iniciativas nessa linha tiveram prosseguimen-


to por meio de um protocolo de cooperação
firmado entre o CNP e o Instituto Brasileiro do
Petróleo (IBP), em 1977, para a elaboração de
estudos ligados à racionalização do uso de com-
bustíveis industriais. Em decorrência desses es-
tudos, foi constituída a Comissão de Racionaliza-
ção de Óleos Combustíveis Industriais, em abril
de 1978, com a missão de reduzir o consumo
de óleo combustível a partir da otimização do
rendimento dos equipamentos industriais. A co-
missão promoveu congressos e seminários com
empresários, gerentes e técnicos, sobre a impor-
tância de se fazer uso racional de combustíveis
derivados de petróleo, propondo mudanças de
métodos e procedimentos. Foram promovidos
cursos de conservação de energia destinados ao
A mecanização da colheita de cana-de-açúcar permitiu reduzir os custos de obtenção de matéria-prima para a indústria sucroalcooleira
corpo técnico das empresas, que também rece-
biam modelos de treinamento do pessoal nos di-
Além disso, novas bases de abastecimento do aproveitamento de energia seria lucrativo para versos níveis e nas diferentes áreas de produção.
combustível foram instaladas por intermédio da a própria indústria, sem exigir a substituição de
Petrobras e demais distribuidoras: os tanques equipamentos, que precisariam apenas de pe- Em abril de 1979, o general Oziel anunciou mais
construídos entre 1979 e 1984 aumentaram em quenos investimentos para uma adequação ope- um pacote de medidas voltadas para a redução
dois bilhões de litros a capacidade nacional de racional. Isso fez com que as indústrias aderis- do consumo de óleo combustível, cortando em
armazenamento de álcool.283 sem progressivamente à política do CNP, criando 10% o fornecimento às indústrias, além de redu-
Comissões Internas de Conservação de Energia zir em 5% o abastecimento de diesel às grandes
Outra ação do CNP para o enfrentamento da (CICEs) dentro de cada empresa. companhias de transporte e encurtar o prazo de
crise foi a redução do consumo de derivados pagamento às distribuidoras de 30 para 15 dias.
de petróleo pelas indústrias. Um grupo de tra- No momento seguinte, o Conselho liberou re- Entre outras medidas tomadas pelo CNP, desta-
balho, formado em 1977, durante três anos fez cursos às indústrias para que trocassem seus cam-se também o congelamento (nos níveis de
um levantamento minucioso do consumo e da equipamentos, passando a consumir carvão ou 1976) das cotas de combustível entregues às dis-
eficiência energética nos estabelecimentos in- outras fontes alternativas. Paralelamente, o ór- tribuidoras e o veto à construção de novos postos
dustriais. Os resultados mostraram que o melhor gão assinou convênio com dez bancos estadu- de gasolina no País, exceto em estradas e áreas
pioneiras.284

283. GONÇALVES, Nilson. Alguns dos aspectos mais importantes da administração Oziel Almeida Costa. Atualidades do CNP, Brasília, DF, v. 16, n.
92, p. 4-11, mar./abr. 1985.
284. NAS MALHAS da racionalização. Veja, São Paulo, p .76-78, 26 jan. 1977.
Capítulo 15 - Respostas para a crise 181

Manchete do extinto Jornal da Tarde sobre a segunda crise do petróleo, em 04 de agosto de 1979
182 Petróleo e Estado

Cresce a importância da fiscalização


Inteiramente envolvido no cumprimento das
Banco de Imagens Petrobras

determinações governamentais para redução


do consumo de combustíveis e da sua missão
de garantir o abastecimento das indústrias e da
população, o CNP precisou estruturar sua fisca-
lização para dar conta da intensificação de suas
atividades nos últimos anos do governo militar.
Este foi um dos pontos mais relevantes da ges-
tão Oziel Almeida.

No final do seu governo, além de decretar no-


vos valores para os derivados do petróleo, o
presidente Ernesto Geisel determinou altera-
ções no horário de funcionamento dos postos
e seu fechamento aos domingos, sendo que
os revendedores localizados a mais de 20 qui-
lômetros do perímetro urbano não poderiam
mais vender gasolina aos domingos e feriados,
fornecendo nesses dias apenas óleos combus-
tíveis. Outra medida de impacto foi a limitação
de velocidade máxima dos veículos em 80 qui-
lômetros por hora.

O Ministério dos Transportes foi incumbido da


fiscalização das bombas injetoras dos cami-
nhões, que, se desreguladas, ocasionavam um
consumo 30% maior. Enquanto isso, fiscais do
CNP percorriam as rodovias para ver se havia
algum posto aberto e, muitas vezes, precisavam
apelar para a Polícia Federal, porque o CNP não
tinha poder de polícia. As multas eram pouquís-
simas, porque a fiscalização deveria primeira-
mente orientar, ainda sem autorização para
multar, interditar ou fechar estabelecimentos.

Até então, o quadro de fiscais do CNP era muito


reduzido, não chegando a 40. Após concurso
público, o efetivo passou para 128, incluindo
O fechamento dos postos de serviço aos domingos e feriados foi uma das várias medidas empregadas para incentivar a economia de combustível
Capítulo 15 - Respostas para a crise 183

Agência Petrobras
À medida que a crise de desabastecimento foi afastada, os incentivos econômicos dados ao álcool deixaram de fazer sentido

alguns militares reformados. Eles fiscalizavam passava para a órbita do Conselho toda a fis- al, foi construído um edifício-anexo, inaugura-
tudo: distribuidoras de combustíveis líquidos, calização da atividade alcooleira: assegurar o do em 1984, com uma área de 8.400 m². Em
refinarias, postos de gasolina e revendedores escoamento de todo álcool anidro produzido 1985, o Conselho Nacional do Petróleo conta-
de gás de cozinha etc. No início dos anos 1980, nas destilarias; fixar e efetivar o suprimento das va com cerca de 600 funcionários lotados em
foi firmado um convênio com o Instituto Nacio- quotas de álcool para a indústria química; fixar Brasília e mais 195 distribuídos nos escritórios
nal de Pesos e Medidas, que passou a participar preços do produto; fixar percentual de álcool de representação. 286
das operações inclusive fornecendo os recursos anidro a ser utilizado na mistura carburante;
de transporte (até então, tanto o fiscal quanto entre outras responsabilidades. Sua estrutura
o motorista eram dos quadros do CNP). Mais básica também foi ampliada e assim se mante-
tarde, foi firmado também um convênio com ve até 1990. Todos os diretores eram militares,
O CNP precisou
o Instituto Nacional de Metrologia, Normaliza- coronéis e generais, sobretudo do Exército. estruturar
ção e Qualidade Industrial (Inmetro), que durou sua fiscalização
menos de um ano, devido à diferença de proce- Em 1978, o CNP inaugurou seu novo edifício-
dimentos entre os dois órgãos. -sede, com uma área de mais de 13 mil m², e
para dar conta
o Centro de Pesquisas e Análises Tecnológicas da intensificação
Com o Proálcool, a abrangência das atividades – Cepat, com mais de 2.800 m². Devido ao au- de suas atividades
do CNP ampliou-se ainda mais. De acordo com mento do número de funcionários e à neces-
o novo regimento interno aprovado em feverei- sidade de mais espaço, principalmente para a
nos últimos anos
ro de 1977 pelo ministro de Minas e Energia,285 Diretoria de Fiscalização e a Divisão de Pesso- do governo militar.

285. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Portaria nº 235, de 17 de fevereiro de 1977. Brasília, DF, [1977].
286. GONÇALVES, N.,1985, p. 8
184 Petróleo e Estado
Capítulo 15 - Respostas para a crise 185

Arquivo ANP
Fachada do novo edifício sede do CNP, em Brasília, em 1978
186 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 16

DESESTATIZAÇÕES
NA NOVA REPÚBLICA
A campanha das diretas e o governo Sarney
Os problemas econômicos, políticos e sociais acu- a presença do Estado deveria ser reduzida, por II - concorrer para diminuição do déficit
mulados em duas décadas de regime militar, além meio de políticas de desregulamentação em público;
do anseio pela democracia plena, desembocaram diversos setores, privatização de empresas es-
na campanha das Diretas-Já, que mobilizou ex- tatais e concessões de atividades econômicas III - propiciar a conversão de parte da
pressiva parcela da população brasileira. Embora e serviços públicos, com vistas à contenção do dívida externa do setor público federal
a emenda constitucional das eleições diretas para déficit público, além do incremento dos inves- em investimentos de risco, resguardado
a Presidência da República não tenha obtido vo- timentos, da eficiência e da competitividade. o interesse nacional;
tos suficientes no Congresso Nacional, os militares
não continuariam no poder: em janeiro de 1985, o O I Plano Nacional de Desenvolvimento da Nova (...)
Colégio Eleitoral elegeu para a chefia do governo República, baixado ainda em 1985, já deixava
um líder da oposição moderada, Tancredo Neves, clara essa orientação. O Estado passaria a atuar VII - proceder à execução indireta de
que adoeceu antes de tomar posse, vindo depois como prestador de serviços públicos essenciais, serviços públicos por meio de conces-
a falecer, e foi substituído pelo vice-presidente só desempenhando atividades produtivas naque- são ou permissão;
eleito José Sarney. las áreas consideradas estratégicas para o desen-
volvimento nacional de longo prazo, e de forma VIII - promover a privatização de
As tentativas de combate à inflação durante complementar à iniciativa privada. Essa perspec- atividades econômicas exploradas,
o governo Sarney (1985-1990), em sucessivos tiva também estava presente no Programa Fe- com exclusividade, por empresas
planos de estabilização econômica, refletiram- deral de Desestatização, instituído em março de estatais, ressalvados os monopólios
-se no desempenho das empresas estatais e 1988, que tinha por objetivos: constitucionais. 287
colocaram em xeque o papel do Estado bra-
sileiro como agente primordial do desenvolvi- I - transferir para a iniciativa privada Ao longo do governo Sarney, foram privatiza-
mento. Gradativamente se impôs no governo e atividades econômicas exploradas pelo das 17 empresas públicas produtoras de bens
em alguns setores da sociedade a visão de que setor público; industriais.

287. BRASIL. Decreto nº 95.886, de 29 de Março de 1988. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Poder Executivo, Brasília, DF, 30 mar.
1988. Seção 1, p. 5837.
Capítulo 16 - Desestatizações na Nova República 187

Agência O Globo/Antônio Carlos Piccino


Tancredo Neves, Luiz Inácio Lula da Silva e Ulisses Guimarães em comício da campanha Diretas-Já. São Paulo, 1984
188 Petróleo e Estado

A gestão de França Domingues


O primeiro ministério do governo Sarney, or- O general França Domingues permaneceu à
Arquivo ANP

ganizado por Tancredo Neves, incluiu políticos frente do CNP durante todo o governo Sarney.
que haviam apoiado o regime militar. Era este o Logo no início de sua gestão, ele determinou
caso de Aureliano Chaves, Vice-Presidente da a volta ao funcionamento normal dos postos
República durante o governo do general João de serviços. O racionamento de gasolina havia
Batista Figueiredo, que foi nomeado para a pas- terminado e não havia mais necessidade de se
ta das Minas e Energia no primeiro governo civil restringir o horário de funcionamento, mas os
em 20 anos. Em junho de 1985, a presidência donos de muitos postos continuavam fechando
do CNP, órgão que fazia parte da estrutura do os estabelecimentos aos sábados e domingos,
MME, foi confiada ao general Roberto França porque era mais econômico mantê-los fecha-
Domingues, indicado pelo próprio Aureliano. dos. Foi necessário que o CNP atuasse com ri-
gor para conseguir que os postos voltassem a
A nomeação de um general para o primeiro atender todos os dias.
mandato do CNP na Nova República mantinha
uma longa tradição: em toda a existência do Desde 1986, o CNP passou a integrar a Comis-
Conselho, de 1938 a 1990, apenas um presiden- são Nacional de Energia, órgão de natureza
te não era militar. Na própria Petrobras, a tutela transitória, com a finalidade de “assessorar o
França Domingues
militar esteve presente em diversos períodos. Presidente da República na formulação e exe-
De 1969 a 1973, por exemplo, a empresa intensi- cução de uma Política Nacional de Energia,
ficou a exploração no mar e ampliou sua atua- bem como no estabelecimento de diretrizes
ção por meio de novas subsidiárias, sob a presi- com vistas à obtenção da autossuficiência
dência do gen. Ernesto Geisel, que logo depois nacional em matéria de energia”. 289 As subco-
assumiria a Presidência da República. missões temáticas, que estudavam os diversos
segmentos energéticos, como energia nucle-
Além da tradição e das preocupações de se- ar, carvão, petróleo e álcool, traziam aporte
gurança nacional, a presença militar no setor de conhecimento à Comissão. Além do CNP,
do petróleo tinha outro motivo: tratava-se de tinham assento nessa Comissão o Departa-
cargos mal remunerados, que não despertavam mento Nacional de Águas e Energia Elétrica
ambições de profissionais de outras áreas. Cabe (DNAEE), o Departamento Nacional de Pro-
salientar que a presença de militares não se res- dução Mineral (DNPM), Petrobras, Eletrobrás,
tringia à presidência do Conselho: na última di- Siderbrás, Ministério da Fazenda, Ministério do
retoria do CNP, quatro dos cinco diretores eram Planejamento, Ministério da Indústria e Comér-
coronéis, assim como o chefe de gabinete e o cio e segmentos da área privada. Foi extinta ao
chefe da Divisão de Administração.288 final do governo Sarney. 290

288. CONSELHO NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Conselho Nacional do Petróleo: 50 anos de história. Brasília, 1988.
289. BRASIL. Decreto nº 92.404, de 19 de fevereiro de 1986. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Poder Executivo, Brasília, DF, 20
fev. 1986. Seção 1, p. 2701.
290. SILVA, Carlos Orlando. Carlos Orlando Silva: depoimento [2005]. Rio de Janeiro; FGV, CPDOC, 2005. (Projeto Agência Nacional do Petróleo).
Capítulo 16 - Desestatizações na Nova República 189

O mercado de combustíveis líquidos

Banco de Imagens Petrobras


Em sua atribuição legal de regulamentar o abaste-
cimento de combustíveis no País, o CNP instituiu
nesse período uma série de atos regulamentado-
res, principalmente sobre três temas: distribuição,
transporte e revenda, incluindo postos revende-
dores e a figura do transportador-revendedor-re-
talhista, conhecido como TRR.

Na distribuição,
o mercado
era atendido
pela estatal BR,
além de quatro
multinacionais
e oito nacionais
privadas.

A autorização para o funcionamento de uma dis-


tribuidora de combustíveis baseava-se na análise
de cada pedido, considerando a capacidade téc-
nica e financeira, além da experiência no ramo de
atividade. Era definida a área geográfica de atu-
ação. Quanto ao transporte de combustíveis, as
Transferência de combustível em caminhão-tanque da Petrobras
empresas interessadas eram obrigadas a dispor
de frota própria capaz de atender, no mínimo, a
20% e, no máximo, a 50% de sua demanda mé-
dia diária nas chamadas “áreas-cidades”, situadas No final dos anos 1980, a Petrobras respondia pelo Na distribuição, o mercado era atendido pela
num raio de 40 km da base de distribuição. As refino de 1,35 milhão de barris por dia, ao passo estatal BR Distribuidora, além de quatro multi-
transferências entre bases, assim como as entre- que as duas pequenas refinarias privadas, Ipiranga nacionais – Esso, Shell, Texaco e Atlantic – e oito
gas a longa distância eram confiadas a empresas e Manguinhos, processavam 20 mil bpd. Quanto ao nacionais privadas, entre as quais a Ipiranga. A
de transporte. Pessoas ligadas a outras atividades álcool, cerca de 350 destilarias privadas produziam revenda também era livre, sendo integrada por
afetas ao setor de petróleo não podiam operar no 10,4 bilhões de litros anuais de álcool etílico hidra- 25.882 postos de serviços e 833 transportado-
segmento de transporte. tado e 2,2 bilhões de álcool etílico anidro. res-revendedores-retalhistas.
190 Petróleo e Estado

Anúncio do dia dos revendedores de derivados de petróleo


Capítulo 16 - Desestatizações na Nova República 191

O estabelecimento dos preços

João Cordeiro/Banco de Imagens Petrobras


O presidente José Sarney e o ministro de Minas e Energia, Aureliano Chaves, visitam plataforma da Petrobras em 1987

Desde sua criação, a determinação dos preços e a nafta. Além disso, “um terço do preço final mensais de todos os combustíveis. Todos esses
dos derivados do petróleo era uma responsabi- da gasolina correspondia a impostos, contribui- reajustes de preços, que hoje são determinados
lidade do CNP. Já no governo Sarney, o controle ções fiscais e parafiscais, como o imposto único pela Presidência da República, eram naquela épo-
dos preços tinha um papel importantíssimo na sobre combustíveis, o empréstimo compulsório ca decididos pelo CNP.
política de combate à inflação, e os recursos e o PIS/PASEP”.291
provenientes da venda desses produtos repre- A contenção dos valores de venda dos deriva-
sentavam a maior fonte de receitas da Petro- As relações entre o CNP e a Petrobras eram pau- dos de petróleo foi iniciada antes mesmo do
bras. O agravamento da crise econômica no tadas pelo papel que cada uma dessas organiza- Plano Cruzado. Em 1985, os preços permanece-
início de 1987 afetou profundamente o sistema ções desempenhava na execução da política na- ram inalterados durante quase cinco meses, ten-
de preços da Petrobras, que era calcado na ga- cional do petróleo. Segundo a avaliação de França do como cenário uma inflação de 234% ao ano.
solina, cuja venda gerava excedentes que eram Domingues, as relações eram muito boas, mesmo Em seguida, os preços de venda do etanol e dos deri-
transferidos para outros produtos, principal- nos momentos difíceis em que a inflação chegava vados de petróleo foram reajustados em níveis mui-
mente o GLP, o diesel, o querosene combustível a 80% ao mês, o que obrigava a fazer reajustes to abaixo da inflação: 147% e 132%, respectivamente.

291. PETROBRAS 50 anos: uma construção da inteligência brasileira. Rio de Janeiro: Petrobras, 2003. 256 p.
192 Petróleo e Estado

A conta petróleo entrou em grande déficit, já que com os recursos da conta petróleo.
Cláudia Martins/Banco de Imagens Petrobras

o preço de realização da Petrobras foi comprimi-


do, o excedente gerado pela venda da gasolina No caso do álcool (etanol), era necessário que
tornava-se progressivamente insuficiente para o preço do produto para o consumidor se man-
cobrir os subsídios aos preços dos demais deriva- tivesse 25% menor que o da gasolina. Para isso,
dos de petróleo. a Petrobras tinha que vendê-lo por um preço
inferior ao da compra e ficou estabelecido que
O CNP contava com recursos oriundos da conta pe- a diferença entre compra e venda seria coberta
tróleo,292 que tinha a função de sustentar financeira- pelo Governo Federal, o que raramente acontecia.
mente custos de abastecimento não cobertos na es- A situação se agravou em 1986, quando a queda
trutura do preço, atendendo às políticas do Governo dos preços internacionais do petróleo tornou os
Federal, nos pagamentos de subsídios e subvenções subsídios ao Proálcool ainda mais onerosos. Mas o
decorrentes de múltiplos programas, principalmente governo já não podia recuar, pois havia feito uma
os relacionados com o álcool etílico carburante. grande campanha para promover o consumo do
etanol e 80% dos carros em circulação no País de-
Para assegurar que o preço do combustível para pendiam desse combustível.293 Por sua vez, só a
Osíris Silva o consumidor fosse o mesmo em todo o territó- sua estocagem gerou para a Petrobras um prejuí-
rio nacional, o CNP adicionava, ao preço final das zo de US$ 234 milhões em 1989.
refinarias, despesas gerais de distribuição, a remu-
neração das distribuidoras, as despesas de transfe- “Conservaram aquela diferença do álcool para a ga-
rência de produtos por vias internas e despesas e a solina?” – costumava perguntar o ministro Aureliano
remuneração das revendas de combustíveis. Além Chaves ao presidente do CNP. Segundo o general
disso, a partir de 1980 a conta petróleo passou a França Domingues, o ministro reconhecia a fragi-
contemplar também o ressarcimento das diferen- lidade do etanol como alternativa, por ser factível
ças cambiais relativas ao petróleo importado e das apenas quando o preço do petróleo estivesse alto.
diferenças entre o valor de importação dos deri-
vados de petróleo e o correspondente preço de Em 1987, voltou a ser discutida a questão do
faturamento vigente no País. Esses recursos per- monopólio do petróleo. Na Assembleia Nacio-
maneciam no caixa da Petrobras, que repassava os nal Constituinte, Delfim Neto e Roberto Campos
valores devidos à Shell, à Esso e à BR, de acordo atuavam na subcomissão encarregada do tema e
com despachos do CNP, calculados com base nas propuseram limitar o monopólio às atividades de
transferências dos produtos em determinado mês. pesquisa e lavra, liberando a assinatura de novos
contratos de risco. Osíris Silva, então presidente
Nessa ocasião, uma política do governo determi- da Petrobras, apoiava essas posições. Entretanto,
nava que o preço do combustível fosse o mesmo em 28 de agosto de 1987, trabalhadores e sindica-
em todos os pontos do País. Para isso, era neces- listas promoveram grande manifestação em de-
sário que alguém pagasse o frete, que contava fesa do monopólio, nas proximidades do prédio

292. BRASIL. Lei nº 4.452, de 5 de novembro de 1964. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Poder Executivo, Brasília, DF, 9 nov. 1964.
Seção 1, p. 10065.
293. MOURA, 2003, p. 192.
Capítulo 16 - Desestatizações na Nova República 193

Memória Petrobras
O monopólio do petróleo voltou a ser discutido durante a Assembleia Nacional Constituinte, em 1987, e foi reafirmado por esmagadora maioria na Constituição de 1988

central da empresa, no centro do Rio de Janeiro, varejo de combustíveis líquidos e gasosos, o qual à aprovação de postos de gasolina, pagamento de
e conseguiram reunir uma ampla base de apoio não incidia apenas sobre as operações com o óleo ressarcimento e estudos de preços. As decisões
entre os parlamentares. A Constituição de 1988 diesel, de competência municipal.294 relativas a preços passaram a ser tomadas pelos
acabou não só reafirmando o monopólio como ministérios da Fazenda ou do Planejamento, por
também proibindo a assinatura de novos contra- As medidas tomadas nesse período em relação causa das implicações na taxa de inflação.295
tos de risco por esmagadora maioria: 441 votos a ao setor de petróleo provocaram uma perda fi-
favor, sete contra e seis abstenções. nanceira e decisória para o CNP, que passou a de- No início da gestão de França Domingues, o CNP
pender exclusivamente de recursos do Orçamen- contava com mais de mil funcionários, grande
Além disso, na reforma tributária da Constituição to da União. Ao mesmo tempo, o CNP ficou sem parte em Brasília. O corpo técnico mais capacita-
de 1988 foi abolido o imposto único sobre os com- ter como cumprir suas obrigações, devido à im- do era constituído por cerca de 800 com nível de
bustíveis e lubrificantes, que passaram a ser tribu- possibilidade de realização de concursos públicos Função de Assessoramento Superior (FAS). No
tados pelo Imposto sobre Circulação de Mercado- e à perda de técnicos, ocasionada pela mudança início do governo de Fernando Collor de Mello, a
rias e Serviços – ICMS, de competência estadual. para Brasília. Tudo isso provocou um esvaziamen- FAS foi extinta e o órgão passou a contar apenas
Foi também instituído o imposto sobre vendas a to do órgão, tendo suas atividades se restringido com servidores públicos de carreira.296

294. BARBOSA, Fernando de Holanda. Aspectos econômicos das empresas estatais no Brasil: telecomunicações, eletricidade e petróleo. Rio de
Janeiro: FGV: EPGE, 1991.
295. VIEIRA, 2005.
296. SILVA, 2005.
194 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 17

O DEPARTAMENTO
NACIONAL DE
COMBUSTÍVEIS
Início da desregulamentação do setor de petróleo
Em seu discurso de posse, no dia 15 de março Era esse o espírito das medidas então adotadas
Collor reduziu
de 1990, o presidente Fernando Collor de Mello por Fernando Collor, como a extinção de 24 ór-
prometeu combater a inflação – que havia su- gãos e empresas públicas, inclusive o Conselho a presença do
perado o índice de 80% ao mês e atingido, em Nacional do Petróleo (CNP), com a demissão Estado na
cinco anos, uma taxa superior a 1.000.000% – e dos funcionários que não estivessem protegi-
economia
modernizar o País. No dia seguinte, anunciou o dos pelas regras da estabilidade; a redução da
Plano de Estabilização Econômica, cujos objeti- presença do Estado na economia, por meio da e extinguiu
vos estratégicos estavam sintonizados com as privatização de empresas estatais; e a abertura 24 órgãos e
recomendações do Consenso de Washington, econômica para o exterior, com a redução pro-
empresas públicas,
denominação dada às conclusões do seminário gressiva das alíquotas de importação.
que, em novembro de 1989, reuniu técnicos do inclusive o CNP.
FMI, do Banco Mundial, do BID e do governo A criação da pasta da Infraestrutura foi uma das
dos Estados Unidos, além de economistas de principais novidades da reforma ministerial em-
países latino-americanos, para avaliar as reformas preendida no início do governo Collor. O novo e
econômicas em curso no continente. As medidas imenso ministério – que incorporou as pastas das
recomendadas pelo Consenso de Washington, Minas e Energia, Transportes e Comunicações,
como requisitos para o estabelecimento de laços extintas na mesma ocasião – foi confiado ao te­
de cooperação financeira, giravam em torno nente-coronel da Aeronáutica, já na reserva, Osíris
de três eixos principais: a retirada do Estado Silva. Em seu discurso de posse, afinado com o do
das atividades econômicas; a liberalização dos Presidente da República na mesma solenidade,
mercados nacionais à importação de bens e anunciou a privatização da maioria das empresas
serviços e à entrada de capitais de risco; e a ob- estatais (entre elas diversas subsidiárias da Petro-
tenção da estabilidade monetária, por meio do bras), exceto as que precisavam de autorização
combate intransigente à inflação. do Congresso, e a revisão do Proálcool.
Capítulo 17 - O Departamento Nacional de Combustíveis 195

Primeira página do jornal O Estado de S. Paulo, 17 de março de 1990


196 Petróleo e Estado

Montagem, atribuições e estruturação do DNC


Para atuar no setor do extinto CNP, foi institu- carbonetos fluidos, do upstream ao downstream: Durou apenas
ído o Departamento Nacional de Combustíveis pesquisa e lavra das jazidas, refinação, importa-
(DNC), órgão integrante da Secretaria Nacional ção e exportação, transporte marítimo ou du-
dois anos o
de Energia, que por sua vez fazia parte do re- toviário. As atribuições incluíam o acompanha- Ministério da
cém-criado Ministério da Infraestrutura. Dois mento e fiscalização dos trabalhos da Petrobras, Infraestrutura,
anos depois, em abril de 1992, a pasta da In- de suas subsidiárias e de outras empresas que
fraestrutura seria extinta, tendo sido recriado o atuassem no setor; o controle e fiscalização do
criado no
Ministério de Minas e Energia, ao qual o DNC abastecimento nacional daqueles produtos e governo Collor,
ficou vinculado. seus derivados; o controle de estoques estraté- e o DNC
gicos e de cotas, produção e distribuição, con-
A primeira diretora do DNC – Maria Auxilia- sumo e importação; e a fixação de preços “em
ficou vinculado
dora Jacobina Vieira, técnica da Petrobras, conformidade com as diretrizes matriciais esta- ao Ministério de
indicada pelo ministro Osíris Silva – narra em belecidas pelo Poder Executivo”. Minas e Energia.
depoimento ao CPDOC/FGV que o novo órgão
nasceu sem estrutura e sem quadro de pessoal. Para o cumprimento dessas funções, o DNC
Trabalhando por seis meses junto ao gabinete teria uma estrutura formada por três coorde-
do ministro, ela montou sua equipe recorrendo nações gerais – Estudos Técnicos Integrados,
basicamente a técnicos da Petrobras e do se- Abastecimento e Preços e Ressarcimento –
tor elétrico. No entanto, a situação de pessoal além de três divisões em um nível imediata-
se agravaria ainda mais, quando a estrutura do mente inferior: Fiscalização; Comunicações e
Departamento, extremamente enxuta, teve de Atividades Auxiliares; e Sistemas e Métodos.
ser reduzida, por ordem da Secretaria de Admi-
nistração. Tentou-se compensar a falta de qua-
dros por meio de convênios com diversas en-
tidades que poderiam participar das ações de
fiscalização e outros serviços, como era o caso
do Inmetro. Porém, até o fim de sua gestão, a
diretora do DNC não conseguiu assinar nenhum
convênio, por falta de receita própria.297

Na regulamentação do DNC,298 cabia ao novo ór-


gão “orientar e fiscalizar as atividades relativas
ao monopólio da União” em todas as atividades
ligadas ao petróleo, gás natural e outros hidro-

297. VIEIRA, 2005.


298. BRASIL. Decreto nº 35, de 11 de fevereiro de 1991. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Poder Executivo, Brasília, DF, 14 fev. 1991.
Seção 1, p. 2909.
Capítulo 17 - O Departamento Nacional de Combustíveis 197

A revisão da política de preços


O Programa Federal de Desregulamentação,299 O primeiro ato concreto de desregulamenta- que eram ressarcidos pelo governo para que
instituído pelo governo Collor e vigente durante ção, ainda em maio de 1990, foi o fim da obri- os preços ficassem equalizados. Foi então de-
a gestão de Maria Auxiliadora Jacobina Vieira gatoriedade do título de autorização prévia cidido que a equalização seria mantida apenas
no DNC, implicou mudanças tanto de conceitos para a instalação de postos de serviços. Os in- nas bases de distribuição, e que seria repas-
quanto de orientação, objetivando fortalecer teressados ficavam obrigados apenas a obe- sado ao consumidor o custo do frete entre a
a iniciativa privada, reduzir a interferência do decer às posturas municipais e às orientações base e os pontos de consumo. 302 Esse custo,
Estado na vida e nas atividades dos cidadãos, do Corpo de Bombeiros. Após a aprovação chamado “frete-cidade”, era o mais suscetível
contribuir para maior eficiência e menor custo dos Bombeiros e da Prefeitura, eles teriam de a fraudes, por ser praticamente impossível seu
dos serviços prestados pela administração pú- fazer uma comunicação ao DNC, solicitando a controle pelo poder público. Essa medida não
blica federal, e atender satisfatoriamente aos autorização de funcionamento, que demora- teria grande impacto para os habitantes de
usuários desses serviços. va em média 30 dias. Para o DNC, o que im- áreas mais afastadas das refinarias, porque o
portava era a informação sobre os postos em governo continuaria controlando as despesas
A direção do DNC estruturou seu processo de funcionamento, para efeito de estatística e de de transporte entre a base de distribuição e o
desregulamentação em duas vertentes: a das fiscalização. 301 posto de serviço.
atividades monopolizadas e a das atividades
não monopolizadas. A primeira foi objeto de A abertura do mercado foi formalizada no dia
envio de mensagem do Poder Executivo ao 14 de novembro de 1991, quando o próprio pre-
O DNC optou
Congresso Nacional, propondo a revisão do sidente Collor assinou as primeiras liberações
monopólio, de modo a restringi-lo às atividades por uma de preços de combustíveis e de produtos de-
de pesquisa e produção de petróleo. A segun- abertura rivados do petróleo. O processo de desmon-
da não seria regulamentada em lei, mas sim por te de um controle que vinha desde a década
em etapas,
atos do próprio DNC, pelo ministro de Minas e de 1930 gerou muita discussão envolvendo
Energia ou por decreto presidencial. uma liberação as entidades do setor, como a Federação Na-
dosada, tanto cional do Comércio de Combustíveis (Fecom-
Ao avaliar que a desregulamentação acelerada bustíveis), que congrega todos os sindicatos
das atividades
dos diferentes segmentos do mercado poderia de revendedores, e o Sindicato Nacional das
levar a uma situação caótica, o DNC optou por quanto dos preços. Empresas Distribuidoras de Combustíveis e de
uma abertura em etapas, uma “liberação dosa- Lubrificantes (Sindicom). Um dos principais
da, tanto das atividades quanto dos preços, por motivos da discussão era o fato de que a des-
um processo didático que propiciasse ao mer- As dimensões do Brasil, as grandes distâncias regulamentação do setor, na forma como foi
cado tempo suficiente para apreender e desen- e a concentração das fontes de produção nas feita, esvaziaria os órgãos de representação de
volver novas posturas de (...) funcionamento”, proximidades do litoral tornavam impraticável classe em suas atribuições, por força da pró-
segundo Maria Auxiliadora Vieira.300 um controle efetivo das despesas de fretes, pria dinâmica do processo.

299. BRASIL. Decreto nº 99.179, de 15 de março de 1990. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Poder Executivo, Brasília, DF, 14 mar.
1990. Seção 1, p. 5363.
300. VIEIRA, Maria Auxiliadora Jacobina. O processo de desequalização dos preços dos combustíveis automotivos no Brasil. Brasília, DF, 1992. p. 8.
301. VIEIRA, 2005.
302. VEIRA, 1992.
198 Petróleo e Estado

Arquivo Shell
Caminhão-tanque abastece posto revendedor de combustíveis

Também no caso do GLP, o processo de desregula- O GLP era o único derivado de petróleo que a Petro- Um problema sério, que repercutia diretamente nos
mentação gerou bastante discussão com distribui- bras não distribuía. Esse mercado apresentava par- consumidores, dizia respeito exatamente aos boti-
dores e revendedores. Por meio de portaria do Minis- ticularidades com as quais o DNC teve dificuldades jões. Se o consumidor comprasse gás engarrafado
tério da Infraestrutura,303 ficou estabelecido que os em lidar, como a existência de um grande número por uma empresa e, depois, trocasse o botijão vazio
litígios entre produtores, distribuidoras, revendedo- de distribuidoras privadas, sendo que apenas quat- por um cheio de outra distribuidora, de quem seria
res e consumidores “seriam resolvidos entre as par- ro delas dominavam quase totalmente as vendas: a a responsabilidade por sua manutenção? Sem uma
tes, intervindo o DNC, exclusivamente, em caso de Nortegás, a Ultragaz, a Supergasbras e a Liquigás definição a respeito disso, os botijões iam-se deteri-
risco para o abastecimento nacional”. Por outro lado, (então controlada pela Agip Petroli, multinacional orando, tendo problemas de segurança, vazamento
outro artigo da mesma portaria determinava que “o italiana pertencente ao conglomerado estatal Ente de válvula, ferrugem, amassados, furos etc. O DNC
DNC poderia fixar o preço do GLP no nível dos pro- Nazionale Idrocarburi – ENI). Essas distribuidoras criou então um grupo de trabalho para tratar da
dutores, nas bases das distribuidoras e nos postos re- abasteciam-se do produto nas refinarias da Petro- requalificação dos botijões, mas naquele momento
vendedores”, podendo ainda “fixar a taxa de entrega bras ou nos terminais marítimos e o transportavam era difícil chegar a um consenso com as grandes,
domiciliar sempre que achasse necessário”. para suas bases de engarrafamento de botijões. médias e pequenas distribuidoras.

303. BRASIL. Ministério de Infra-Estrutura. Portaria nº 843 de 31 de outubro de 1990. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Poder
Executivo, Brasília, DF, 1 nov. 1990. Seção 1.
Capítulo 17 - O Departamento Nacional de Combustíveis 199

A continuidade da desregulamentação
Em crescente desgaste desde meados de 1991 janeiro de 1993. O novo diretor considerava que o Vale-Gás, utilizando para isso uma parte dos
e sem ter conseguido conter a inflação, o go- mercado de distribuição de combustíveis deveria recursos que eram gastos no subsídio do frete.
verno de Fernando Collor foi alvo de denún- contar com a participação de novos agentes, para Assim, o número de famílias beneficiadas pelo
cias que levaram à formação de uma Comissão diminuir a preponderância das multinacionais. Fo- programa subiu de 4,7 milhões para 6 milhões.
Parlamentar de Inquérito. A CPI recomendou ram então abrandadas as exigências de natureza
seu afastamento, em 1992, e ele renunciou à técnica para abertura de companhias distribui- Durante a gestão de Motoki no DNC, entre os
Presidência da República, sendo substituído doras e o número de empresas passou de cerca preparativos para a liberação de preços no se-
pelo vice-presidente Itamar Franco. Durante o de dez para cerca de 400. A competição acirrada tor, foi constituído um grupo de auditoria, por
governo de Itamar, foi executado um programa desse novo cenário, no entanto, não representou ordem do Presidente da República, para um
de privatizações que atingiu a Companhia Si- ganhos para o consumidor em termos de preço levantamento minucioso das práticas da Pe-
derúrgica Nacional (CSN), a Aço Minas Gerais e qualidade.304 Em novembro de 1993, Guimarães trobras nos cálculos de preço, conta petróleo
(Açominas) e a Companhia Siderúrgica Paulis- deixou a direção do DNC, sendo substituído inte- etc. Paulo Motoki tinha como parceiro o secre-
ta (Cosipa). Duas empresas ligadas ao sistema rinamente por José César da Fonseca até abril de tário-geral de Preços do Ministério da Fazenda,
Petrobras, a Petroquímica União e a Ultrafértil, 1994, quando o economista Paulo Toshio Motoki Milton Dallari, e os dois buscaram diminuir gra-
foram vendidas. foi nomeado para o cargo. dualmente o subsídio ao frete, aplicando nisso
uma parte do aumento do preço final da gaso-
Ainda na gestão do diretor interino, foi anuncia- lina.306 Outra medida importante, em 1995, foi a
do o fim do subsídio dos fretes do GLP, medida liberação do preço da nafta petroquímica, aos
Duas empresas
que resultaria em preços diferenciados para o níveis do mercado internacional.
ligadas ao produto conforme a região do País. Até então,
sistema Petrobras para equalizar os preços, o Governo Federal Paulo Motoki deixou a direção do DNC em
subsidiava integralmente o frete do gás, o que agosto de 1995, durante a gestão do ministro de
foram vendidas
onerava os cofres públicos em mais de US$ 11 Minas e Energia Raimundo Brito, já no governo
no governo Itamar: milhões mensais.305 O fim do subsídio visava Fernando Henrique Cardoso.
a Petroquímica evitar fraudes na distribuição de GLP: segundo
o então ministro interino de Minas e Energia,
União e a
José Israel Vargas, a emissão de notas falsas
Ultrafértil. de frete causava prejuízos de US$ 35 milhões a
US$ 40 milhões por ano. Esse tipo de subsídio
para o GLP foi mantido apenas nas regiões mais
Auxiliadora Vieira deixou a direção do DNC em distantes, onde o valor do frete fosse superior
dezembro de 1992, já no governo Itamar Franco, e a 20% do preço do botijão de gás no posto de
o ministro de Minas e Energia, Paulino Cícero, no- revenda. Nas demais regiões, o governo decidiu
meou Marcello Guimarães Mello para o cargo, em ampliar o universo de aplicação do chamado

304. SILVA, 2005.


305. COMBUSTÍVEL SOBE 18,5%: reduzido subsídio do gás. Folha de S. Paulo, São Paulo, 24 fev. 1994. Dísponivel em: < http://www1.folha.uol.com.
br/fsp/1994/2/24/dinheiro/10.html>.
306. SILVA, 2005.
200 Petróleo e Estado

Museu de Valores do Banco Central do Brasil

253. nota de rea;

O Real (R$) começou a circular em 1º de julho de 1994, marcando o início de um novo ciclo na economia do País

A estabilização da moeda e as últimas medidas do DNC

Como ministro da Fazenda do governo de Ita- Vitorioso nas eleições de 1994, Fernando Henri- faziam parte desse conjunto de medidas, visando
mar Franco, Fernando Henrique Cardoso pôs que assumiu a Presidência da República com o a uma alteração estrutural do Estado brasileiro.
em execução o Programa de Estabilização Eco- compromisso de dar prosseguimento ao progra-
nômica, preparando a economia para a entra- ma de estabilização da moeda e, simultaneamen- A consolidação do regime da livre concorrência no
da em circulação de uma nova moeda, o real, te, promover o crescimento econômico. Além dis- setor do petróleo foi um dos traços marcantes da
precedida pela adoção da Unidade Real de Va- so, enviou para aprovação do Congresso Nacional gestão do novo diretor do DNC, Ricardo Pinto Pi-
lor (URV). Essa etapa de mudança do padrão uma série de medidas que implicavam mudanças nheiro, nomeado em setembro de 1995 pelo minis-
monetário nacional exigiu especial atenção do na Constituição de 1988, inclusive o fim do mo- tro de Minas e Energia, Raimundo Brito. Em março
DNC, encarregado de converter em URV todos nopólio da Petrobras.307 A reforma administrativa, de 1996 ocorreu a liberação do preço do querosene
os componentes dos preços de combustíveis, a desregulamentação de mercados e a flexibiliza- de aviação em 85% do mercado e a sua vinculação
inclusive os custos e as margens da Petrobras, ção do monopólio estatal também nas áreas de aos preços praticados no mercado internacional.
dos distribuidores e dos revendedores. siderurgia, energia elétrica e telecomunicações No mês seguinte, foram liberados os preços da

307. Ver capítulo 18.


Capítulo 17 - O Departamento Nacional de Combustíveis 201

gasolina e do álcool hidratado, a partir da refina- tos de fornecimento. As distribuidoras tornaram- As unidades de refino – onze da Petrobras e duas
ria, em 92% do mercado. Em agosto, teve lugar a -se responsáveis pela mistura do álcool anidro à particulares – encontravam-se interligadas por
eliminação do controle, pelo Governo Federal, das gasolina em todo o Brasil, utilizando os dutos, ter- dutovias aos terminais marítimos, dos quais rece-
margens de distribuição, revenda e fretes de GLP, minais e navios da Petrobras. biam o petróleo a ser processado. Em 1995, a ca-
e três meses depois foram iniciados os processos pacidade total de refino era de aproximadamente
de destroca e de requalificação de botijões, com 1.560.000 barris por dia.
vistas à liberação do preço do produto.
O DNC tinha sob sua supervisão um amplo siste-
Além disso, tiveram prosseguimento várias medi-
O fim do monopólio ma de distribuição, constituído por nove terminais
das iniciadas anteriormente, como a redução do da Petrobras foi marítimos e 13 refinarias. Os terminais, todos de
subsídio ao álcool combustível; a vinculação do uma das medidas propriedade da Petrobras e distribuídos ao longo
preço do asfalto no mercado brasileiro aos preços do litoral brasileiro, desempenhavam importan-
do mercado internacional; e a flexibilização da lo-
do governo te função no abastecimento, já que 40% do pe-
gística de suprimento de álcool anidro, tornando de Fernando tróleo consumido no País provinham do exterior
possível a compra direta do produto pelas distri- Henrique Cardoso. por via marítima (dados de 1995). Os terminais
buidoras junto aos produtores. eram também responsáveis pela movimentação
dos derivados produzidos nas refinarias, tanto os
Outras importantes iniciativas no campo da des- que atendiam à navegação de cabotagem quanto
regulamentação do álcool anidro foram tomadas Em janeiro de 1997, os postos foram liberados aqueles direcionados para exportação.
em 1997 pelo DNC, juntamente com a Secretaria para comercializar combustível de qualquer dis-
de Acompanhamento Econômico (Seae), do Mi- tribuidora. Essa medida do DNC visava aumentar Para fazer frente a essas atribuições, o DNC con-
nistério da Fazenda, o Ministério da Indústria, Ci- a concorrência, mas não foi bem recebida pelas tava com apenas 232 funcionários em 1997, sen-
ência e Tecnologia e a Petrobras. Assim, o regime grandes distribuidoras, que apontavam o risco de do 99 de nível superior e 133 de nível médio. Um
de preços liberados para os produtores do álco- ter seus produtos misturados a outros de qualida- número muito baixo em relação à equipe do CNP
ol anidro, misturado à gasolina na proporção de de não assegurada.308 nos anos 1980, que chegou a comportar cerca de
22%, entrou em vigor no dia 1º de maio, após nove 1.000 pessoas. Em 14 de janeiro de 1998, o Depar-
meses de discussão envolvendo, além dos órgãos Nessa ocasião, a revenda de derivados de petróleo tamento Nacional de Combustíveis foi extinto e
governamentais, representantes de produtores era feita por aproximadamente 64 mil empresas foi criada a Agência Nacional do Petróleo – ANP.
de cana, fabricantes de álcool e distribuidoras de (micro e pequenas empresas, em sua grande maio-
combustíveis. Até então, a Petrobras fazia a in- ria), vinculadas a uma distribuidora específica. O
termediação, adquirindo de usinas e destilarias o DNC acompanhava as atividades desenvolvidas em
álcool anidro e revendendo o produto às distribui- um grande número de bases de distribuição, princi-
doras de combustíveis. Com a liberação, o preço pais e secundárias, localizadas em todo o território
deixou de ser fixado pelo governo, sendo nego- brasileiro. Em 1995, 70 distribuidoras de combustí-
ciado entre as partes envolvidas. Por conseguinte, veis líquidos e 18 de GLP possuíam e operavam cer-
as vendas passaram a ser feitas diretamente pelos ca de 200 instalações destinadas ao recebimento,
produtores às distribuidoras por meio de contra- armazenamento e movimentação desses produtos.

308. ROCHA, Juliana Alves da. Padrões de concorrência e estratégias empresariais no setor de distribuição de derivados de petróleo no Brasil.
Rio de Janeiro, 2002.
202 Petróleo e Estado
Capítulo 18 - O papel do Estado na regulação do mercado 203

1998-2013
ANP, da criação
aos dias de hoje
204 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 18

O PAPEL DO ESTADO
NA REGULAÇÃO DO
MERCADO
A flexibilização do monopólio estatal
A criação das agências reguladoras no Bra- do crédito estatal –, deficiência das condições A reforma proposta pela equipe de governo311 foi
sil, no final da década de 1990, foi uma con- de intervenção e obsolescência da burocracia subdividida em quatro grandes eixos: a reforma
sequência direta da crise do Estado, iniciada vigente até então. 309 administrativa, a reforma fiscal, a reforma previ-
vinte anos antes, e do processo de globaliza- denciária e as privatizações. A flexibilização da
ção da economia, que passou a exigir maior A redefinição do papel do Estado na economia execução do monopólio estatal do petróleo e
competitividade das nações. A intensificação brasileira foi uma marca do governo do Presiden- criação da Agência Nacional do Petróleo inserem-
do comércio exterior, dos financiamentos in- te Fernando Henrique Cardoso (1995-2002). Se- -se neste novo contexto histórico.
ternacionais e dos investimentos diretos das gundo Luiz Carlos Bresser Pereira, então à frente
empresas multinacionais, acarretando a reor- do Ministério da Administração Federal e Reforma A indústria do petróleo, entre outros setores, era
ganização da produção mundial em uma esca- do Estado (MARE), o objetivo era tornar o Estado afetada pelo esgotamento da capacidade do in-
la jamais imaginada, contribuiu para o desgas- mais eficiente. Bresser foi o principal articulador vestimento em setores de infraestrutura e em ser-
te do modelo de Estado intervencionista, que de um modelo “social-liberal”, que pudesse com- viços públicos até então operados de modo ex-
busca promover o desenvolvimento econômi- plementar e corrigir efetivamente as falhas de clusivo ou parcial pelo Estado. Havia necessidade
co pela produção de bens e serviços públicos. mercado. Social, explicava ele, porque continua- de recursos em montante superior à capacidade
No Brasil, a máquina pública havia crescido ria a proteger os direitos sociais e a promover o de financiamento exclusivo da Petrobras e, para
em demasia para cumprir suas funções e os desenvolvimento econômico; liberal, porque uti- viabilizar esses investimentos, seria preciso atrair
reflexos mais evidentes do esgotamento desse lizaria mais os controles de mercado e menos os capitais privados. Estes eram os principais argu-
modelo foram a crise fiscal – gerando perda controles administrativos governamentais.310 mentos para a mudança na Constituição.

309. PEREIRA, Luiz Carlos Bresser. A Reforma do Estado dos anos 90: lógica e mecanismos de controle. Ministério da Administração Federal
e Reforma do Estado, 1997.
310. Id., 1997.
311. BRASIL. Decreto 1.738, de 8 dezembro de 1995.Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 11 dez. 1995.
Capítulo 18 - O papel do Estado na regulação do mercado 205

Arquivo ANP
Solenidade de implantação da ANP em 1997. Da esquerda para a direita, o primeiro diretor-geral da Agência, David Zylberstajn, o presidente da Petrobras, Joel Rennó, e o Presidente da República, Fernando Henrique Cardoso
206 Petróleo e Estado

Wikipedia.org/Mario Roberto Duran Ortiz

apresentou substitutivo com modificações ao


texto original do Executivo e, por fim, o substitu-
tivo foi encaminhado ao Senado, que o aprovou
em 9 de novembro de 1995.

Em 1995 e 1996,
o monopólio estatal
do petróleo voltou a
ser intensamente
debatido no
Congresso Nacional.

Desde a chegada da PEC até a aprovação do


substitutivo, os debates no Congresso foram in-
tensos, assim como a mobilização de setores da
sociedade, favoráveis e contra a flexibilização
da execução do monopólio estatal. A principal
Congresso Nacional, na Praça dos Três Poderes, em Brasília
polêmica se deu em torno do risco de privati-
zação da Petrobras, o que levou o presidente
Um dos itens da Proposta de Emenda Constitu- deral naquele contexto de reforma do Estado, Fernando Henrique Cardoso a formalizar com
cional (PEC) no 06/95 era a possibilidade de con- a flexibilização do monopólio da Petrobras era os parlamentares, por escrito, um acordo com
tratação de empresas privadas, pela União, para compatível com a construção de uma economia o compromisso de que a empresa não seria de-
as atividades de exploração e produção, refino, mais aberta, dinâmica e competitiva.312 sestatizada. Outro compromisso firmado pelo
importação e transporte de petróleo e gás natu- governo foi manter sob controle da estatal 29
ral. Além da contratação de terceiros, o governo Em função da sua complexidade, a PEC 06/95 bacias onde a empresa já atuava, além de ga-
sugeria a realização de joint ventures e outras foi analisada inicialmente por uma Comissão Es- rantir que a Petrobras teria preferência sempre
formas de parceria da Petrobras com empresas pecial criada para este fim na Câmara dos De- que suas propostas ficassem empatadas com
privadas para construção de empreendimentos putados, que ficou conhecida como CESP do outras, nas licitações de áreas de exploração e
específicos, como refinarias. Para o Governo Fe- Petróleo. O relator da PEC, deputado Lima Neto, produção de petróleo e gás.313

312. BRASIL. Exposição de Motivos nº 39, de 16 de fevereiro de 1995. Disponível em: <http://www.camara.gov.br/proposicoesWeb/prop_
mostrarintegra;jsessionid=0FA55C0AB587C7EEFE9ACAC24AFFFAB5.proposicoesWeb2?codteor=1242703&filename=Dossie+-PEC+6/1995>
313. NUNES, Edson. O Quarto Poder: gênese, contexto, perspectivas e controle das agências regulatórias. In: SEMINÁRIO INTERNACIONAL SOBRE
AGÊNCIAS REGULADORAS DE SERVIÇOS PÚBLICOS, 2., 2001, Brasília, DF. [Trabalhos apresentados]... Brasília, DF, Instituto Hélio Beltrão, 2001
Capítulo 18 - O papel do Estado na regulação do mercado 207

A definição do modelo regulatório


Com a aprovação do substitutivo, foi alterada a re- Estava prevista no Projeto de Lei a criação do PLC 06/97, tramitou em regime de urgência e, por
dação do artigo 177 da Constituição Federal. No pa- Conselho Nacional de Política do Petróleo (CNPP), fim, resultou na Lei 9.478/97, sancionada em 6 de
rágrafo primeiro desse artigo, era “vedado à União como um órgão de assessoramento direto do mi- agosto de 1997 pelo Presidente Fernando Henrique
ceder ou conceder qualquer tipo de participação, nistro de Minas e Energia, mas a Comissão Espe- Cardoso. Nessa lei, que ficou conhecida como “Lei
em espécie ou em valor, na exploração de jazidas cial do Petróleo da Câmara transformou esse ór- do Petróleo”, está a premissa básica do modelo re-
de petróleo ou gás natural”. A nova redação, a partir gão em Conselho Nacional de Política Energética gulatório que passou a ser adotado no Brasil:
da Proposta de Emenda Constitucional,314 deu po- (CNPE), vinculado ao Presidente da República.
deres à União para contratar com empresas estatais Pertencem à União os depósitos de pe-
ou privadas a realização dessas atividades, observa- Outra mudança importante foi a extinção do De- tróleo, gás natural e outros hidrocarbone-
das as condições estabelecidas em lei. Aprovada a partamento Nacional de Combustíveis (DNC) e a tos fluidos existentes no território nacio-
Emenda Constitucional, o passo seguinte foi a ela- criação da Agência Nacional do Petróleo (ANP),316 nal, nele compreendidos a parte terrestre,
boração de um Projeto de Lei (PL)315 efetivando a como órgão executor direto do monopólio e en- o mar territorial, a plataforma continental
reestruturação do setor de petróleo e gás e explici- carregado da regulação e fiscalização das ativida- e a zona econômica exclusiva.317
tando as condições para sua exploração pela inicia- des econômicas a ele relacionadas, na forma de
tiva privada. O grupo encarregado de elaborar o PL autarquia, para garantir autonomia e a agilidade A Lei do Petróleo – nos termos do art. 177 da
contou com a participação de técnicos do Ministério indispensáveis a uma atuação fortemente des- Constituição Federal – estabelece que constituem
de Minas e Energia que haviam atuado na criação da centralizada, a partir de uma estruturação sistê- monopólio da União as seguintes atividades:
Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), além mica. A ANP também teria a responsabilidade de
de técnicos da Petrobras, e buscou conhecer as ex- planejar o atendimento das necessidades nacio- I - a pesquisa e lavra das jazidas de petró-
periências e modelos de regulação de países como nais, elaborando o Plano Nacional de Refino e o leo e gás natural e outros hidrocarbonetos
Canadá, Noruega, Estados Unidos e Inglaterra. Programa Nacional de Abastecimento, a serem fluidos; II - a refinação de petróleo nacional
aprovados pelo ministro de Minas e Energia, pro- ou estrangeiro; III - a importação e expor-
O Projeto de Lei enviado ao Congresso pelo Governo movendo as licitações para outorga de conces- tação dos produtos e derivados básicos
Federal não só resguardava o monopólio constitucio- sões de pesquisa e lavra do petróleo e conferindo resultantes das atividades previstas nos in-
nal da União na exploração e produção de petróleo as autorizações para o exercício das demais ativi- cisos anteriores; IV - o transporte marítimo
e gás natural, como também preservava o controle dades vinculadas ao monopólio. do petróleo bruto de origem nacional ou
estatal sobre a Petrobras, proporcionando à empresa de derivados básicos de petróleo produzi-
condições de plena atuação no novo cenário compe- Depois de ser aprovado na Câmara dos Deputados, dos no País, bem como o transporte, por
titivo e liberando-a dos encargos extraempresariais o substitutivo do deputado Eliseu Resende foi en- meio de conduto, de petróleo bruto, seus
decorrentes de sua condição monopolista. caminhado para aprovação do Senado, na forma de derivados e de gás natural.318

314. BRASIL. Congresso. Senado. Proposta de Emenda à Constituição PEC 6/95, de 16 de fevereiro de 1995. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 16 ago. 1995. Seção 1 - 16/8/1995, p. 12353; BRASIL. CONGRESSO. SENADO. Emenda Constitucional n° 9,
de 9 de novembro de 1995. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 10 nov. 1995.
315. BRASIL. Congresso. Projeto de Lei nº 2.142/1996. Dispõe sobre as atividades econômicas relativas ao monopólio do petróleo, institui a agência
nacional do petróleo e dá outras providências. Diário da Câmara dos Deputados, Brasília, DF, 19 jul. 1996. Ano LI, n. 131, 19 jul. 1996. p. 20559
316. BRASIL. Lei nº 11.097, de 13 de janeiro de 2005. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 14 jan. 2005.
317. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 7 ago. 1997. Capítulo III - Da
titularidade e do monopólio do petróleo e do gás natural, Artigo 3º.
318. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Artigo 4º.
208 Petróleo e Estado

Agência Petrobras

Plataforma de Garoupa, na Bacia de Campos, em 1985


Capítulo 18 - O papel do Estado na regulação do mercado 209

As boas práticas como pontos de referência


Do poço ao posto, as atribuições da ANP envolvem, como a estruturação por processos organizacio-

Arquivo ANP
desde sua criação, um amplo escopo de atividades nais, nível hierárquico mínimo, autonomia ge-
regulatórias ao longo de toda a cadeia da indústria rencial dos administradores e atuação orientada
do petróleo e do gás natural, passando a abranger, para a obtenção de resultados. A ANP surge as-
mais adiante, também os biocombustíveis.319 Os sim como uma autarquia federal dotada de uma
debates sobre a estruturação da Agência se deram direção colegiada, observando princípios como a
em torno de alguns temas básicos e fundamentais “satisfação da demanda atual da sociedade, sem
para o seu funcionamento: a necessidade de au- comprometer o atendimento da demanda das
tonomia, suas atribuições e as características dos futuras gerações”; o uso da comunicação para
mandatos dos seus dirigentes. Era imprescindível estabelecer um relacionamento adequado com
que ela fosse constituída com independência deci- agentes econômicos, órgãos do governo e socie-
sória e o máximo possível de autonomia, dentro da dade; a “regulação pautada na livre concorrência,
estrutura do Estado brasileiro, para não ficar sujeita na objetividade, na praticidade, na transparência,
a pressões nem do centro do poder político nem do na ausência de duplicidade, na consistência e no
centro do poder econômico. Não se tratava apenas atendimento das necessidades dos consumido-
de um novo órgão. A continuidade da experiência res e usuários”; a modicidade dos preços sem
acumulada nas atividades do CNP (Conselho Na- prejuízo da oferta e da qualidade; a “fiscalização
cional do Petróleo), de 1938 a 1990, e do DNC (De- exercida no sentido da educação e orientação dos
partamento Nacional de Combustíveis), de 1990 a agentes econômicos, bem como na prevenção e David Zylberstajn, diretor-geral da ANP, de 1997 a 2002

1997, a partir deste momento seria aplicada a um repressão de condutas violadoras da legislação”
modelo de gestão completamente distinto. A cria- e dos contratos firmados; a criação de ambiente
ção da ANP, juntamente com as demais agências propício a investimentos no setor.321
reguladoras, representava uma nova concepção do
papel do Estado, gerando profundas mudanças no Essas diretrizes serviram de base para a publica-
ambiente institucional brasileiro. ção do Decreto no 2.455/1998, que regulamentou
o funcionamento da ANP, aprovando sua estru-
Estruturar-se para o desempenho de sua missão tura regimental. O decreto criou seis superinten-
era o primeiro desafio do nascente órgão. Pou- dências destinadas à área de exploração e pro-
cos dias após a aprovação da Lei do Petróleo, em dução, três para organizar o segmento de refino,
agosto de 1997, o Ministério de Minas e Energia processamento, transporte e armazenamento,
e o DNC promoveram seminário para debater as três para a área de abastecimento, e quatro para
linhas gerais da estruturação e funcionamento atividades gerenciais da Agência, totalizando 16
da ANP.320 O encontro definiu conceitos básicos unidades organizacionais.322

319. A ANP recebeu novas atribuições legais em 2004, 2005, 2009, 2010 e 2011.
320. PINHEIRO, R. P., 1997.
321. BRASIL. Decreto nº 2.455, de 14 de janeiro de 1998. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 15 jan. 1998. Seção 1, p. 1 .
322. BRASIL. Decreto nº 2.455, de 14 de janeiro de 1997. Seção IX, Artigo 12.
210 Petróleo e Estado

Era um conceito novo para o País, segundo David Qual é a virtude de uma agência regu-
Arquivo ANP

Zylbersztajn, que havia participado do proces- ladora? Tem que ser, mais do que tudo,
so de discussão que resultou na Lei do Petróleo, neutra. Tem que aplicar a lei, a legisla-
desde os seus primeiros momentos, e viria a ser o ção, a técnica. Não deve ser uma entida-
primeiro diretor-geral da ANP. Em seu depoimen- de política. É claro que não existe nada
to ao CPDOC, Zylbersztajn reconstitui um pouco fora da política, mas, teoricamente, não
este processo: deve ser política. Então, a maneira de se
ter uma agência com essa característica
[...] A questão era saber os níveis de é proteger o regulador. Como é que se
controle do Estado sobre os novos protege o regulador? Dando a ele um
agentes. Quando eu digo “novos agen- mandato que é aprovado pelo Senado
tes” é para fazer um contraponto ao Es- Federal e que o faz livre de injunções
tado que era tudo, que planejava, indu- políticas do governo do momento.324
zia, executava, fiscalizava, operava... [...]
Agora, com a definição de uma políti-
ca de incorporação do capital privado,
você tinha de necessariamente criar um A agência
agente de Estado que pudesse garantir reguladora deve
a qualidade, a disponibilização do ser-
viço, o custo associado a esse serviço,
ter o máximo
Sebastião do Rego Barros, diretor-geral da ANP, de 2002 a 2007
enfim... E é na infraestrutura que os possível de
órgãos reguladores têm uma atuação autonomia, na
mais significativa. [...] A ANP entra na
esteira dessa história aí. O fim do mono-
estrutura do
pólio do petróleo, na realidade, quebrou Estado brasileiro.
o monopólio de execução da Petrobras.
[...] O monopólio ainda é da União.323

Gerida por um diretor-geral e quatro diretores,


todos nomeados pelo Presidente da República,
após aprovação no Senado Federal, para o cum-
primento de mandatos de quatro anos, não coin-
cidentes, a estruturação da ANP adotou como
pontos de referência as boas práticas regulató-
rias, de acordo com a avaliação do segundo dire-
tor-geral da Agência, o embaixador Sebastião do
Rego Barros:

323. ZYLBERSZTAJN, D. David Zylbersztajn: depoimento [2005]. Rio de Janeiro: FGV, CPDOC, 2005.
324. BARROS, S. do R. Sebastião do Rego Barros : depoimento [2005]. Rio de Janeiro, FGV, CPDOC, 2005.
Capítulo 18 - O papel do Estado na regulação do mercado 211

Memória Petrobras
Medição do grau de API, no campo de Urucu (AM)
212 Petróleo e Estado

Funcionamento da Agência
Arquivo ANP

Agência também autoriza a importação e expor-


tação de petróleo e gás natural, as atividades de
distribuição de gás natural comprimido (GNC) e
de GNL, e fiscaliza todas essas atividades.

Para garantir o abastecimento nacional,327 a


ANP regula as atividades de distribuição, re-
venda, importação e exportação de combustí-
veis líquidos, gás liquefeito de petróleo (GLP),
solventes e lubrificantes. A Agência estabelece
as especificações dos produtos, acompanha a
qualidade e os preços praticados no mercado.
Também fiscaliza e toma medidas para coibir
infrações ou irregularidades na comercialização
de combustíveis.

Na fiscalização,328 a ANP atua em parceria com


diversos órgãos públicos municipais, estaduais e
federais. As ações fiscalizadoras são planejadas
com base nas informações dos programas de
monitoramento da qualidade e de levantamen-
Ação itinerante da ANP em Manaus (AM), 2009 to de preços e também a partir das denúncias
recebidas de órgãos públicos, consumidores e
agentes do setor.
As diversas áreas de atuação da ANP, previstas na para a concessão daquelas áreas; e fiscaliza o
Lei do Petróleo, determinaram a composição da cumprimento dos contratos de concessão.325 No início de 1998, a Agência iniciou suas ati-
agência em unidades organizacionais. vidades no Rio de Janeiro, onde se localiza seu
No segmento de refino, processamento, transpor- escritório central, e na sede oficial do órgão, em
No segmento de exploração e produção, o órgão te e armazenamento,326 a ANP autoriza empresas Brasília. No final daquele ano, a ANP contava com
administra e fornece dados técnicos sobre bacias a construir, operar e ampliar: refinarias, instala- 208 funcionários, entre servidores públicos requi-
sedimentares; promove estudos para delimitar ções de processamento de gás natural, de arma- sitados, comissionados, contratados e terceiriza-
áreas para exploração, desenvolvimento e produ- zenamento e transporte de petróleo, seus deriva- dos.329 Estava dada a partida de uma nova relação
ção de petróleo e gás natural; realiza as licitações dos e gás natural, inclusive o liquefeito (GNL). A entre o Estado brasileiro e a indústria do petróleo.

325. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Artigos 21 a 30 e 36 a 52.


326. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Capítulos VI, VII e VIII.
327. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Artigo 1º, Inciso V.
328. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Artigo 8º, Inciso XV.
329. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório de Gestão 2001. Rio de Janeiro, 2002.
Capítulo 18 - O papel do Estado na regulação do mercado 213

Regulação é instrumento do Estado para promover bem-estar social


A função da regulação na economia é “promo- das para a iniciativa privada com o objetivo de os ritos jurídicos da administração pública.
ver o interesse público, garantindo, de um lado, universalizá-las e torná-las mais eficientes.
a lucratividade que viabilize os investimentos A regulação na indústria do petróleo e gás na-
privados e, de outro, o bem-estar dos consumi- As agências reguladoras setoriais surgem neste tural tem um caráter estratégico para o desen-
dores por meio da disponibilidade do serviço, novo contexto. São instituições com alto grau volvimento econômico do país e traz benefícios
em condições adequadas de qualidade e pre- de autonomia decisória e corpo técnico muito diretos à sociedade. Ajuda a conservar os re-
ço”.330 Este instrumento é tão antigo quanto a especializado. A independência é necessária cursos naturais e o meio ambiente, coordena a
existência do próprio Estado e sempre foi uti- para que estes órgãos não sofram ingerências distribuição e a manutenção de estoques dos
lizado como forma de intervenção e controle de governos e de agentes econômicos. E a au- combustíveis, controla a qualidade dos produ-
econômico, sob diversas formas. tonomia é imprescindível para o exercício de tos, cria um cenário seguro para grandes inves-
amplas e diversificadas funções normativas, timentos, fomenta a indústria local e protege
No entanto, o desenvolvimento e a difusão como criar regulamentações infralegais, fiscali- o consumidor. As atividades da ANP envolvem
das teorias regulatórias ocorreram na década zar agentes econômicos, realizar julgamentos e também a destinação das participações gover-
de 1930, após a grande depressão econômica estabelecer penalidades. namentais oriundas da exploração dos hidro-
mundial, que pôs em xeque o liberalismo clássi- carbonetos (royalties e participações especiais)
co. A regulação se consolidou nos Estados Uni- Isso não significa que as agências reguladoras para os estados ou municípios, assim como os
dos e na Europa como forma de controlar falhas estejam acima do Estado. Elas se inserem na or- recursos para programas federais da educação,
de mercado, assegurando a livre concorrência denação jurídica do país em que se encontram. da saúde e outras áreas sociais, previstos no
para que o bem-estar social promovido pelos No Brasil, as agências federais são constituídas marco regulatório do pré-sal.331
resultados da produção (desenvolvimento eco- em forma de autarquia especial, vinculadas a
nômico) possa propiciar a satisfação de neces- um ministério. Cada diretor, cujo mandato é um
sidades da população, a preços acessíveis. dos pilares da autonomia desses órgãos, passa
por sabatina no Senado Federal e tem sua in-
O controle eficaz das estruturas de mercado – dicação submetida a votação pelos senadores.
principalmente para evitar a formação de mo-
nopólios, monopsônios, oligopólios ou oligo­ As agências prestam contas anuais ao Tribunal
psônios privados – tornou-se um desafio para de Contas da União e primam pela transparên-
os Estados modernos até o final da década de cia nos seus processos decisórios. Toda regula-
1970. Já nas décadas de 1980 e 1990, a lógica mentação é precedida de consultas e audiên-
da regulação se inverteu, passando a ter como cias públicas. As contratações ou concessões se
foco as atividades econômicas que deixaram de dão por meio de processos licitatórios. Os jul-
ser executadas pelo Estado e foram transferi- gamentos e aplicações de penalidades seguem

330. SALGADO, L. H.; SEROA DA MOTTA, R. (Org.). Marcos regulatórios no Brasil: o que foi feito e o que falta fazer. Rio de Janeiro: Ipea, 2005.
331. BRASIL. Lei nº 12.351, de 22 de dezembro de 2010. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 23 dez. 2010.
214 Petróleo e Estado

CAPÍTULO 19

UMA INDÚSTRIA
QUE GERA
DESENVOLVIMENTO
Expansão das atividades de exploração e produção
Exploração e produção constituem a base da in- conhecimento geológico das bacias sedimentares (A arrecadação de royalties e participações espe-
dústria do petróleo. Grandes recursos são investi- – tarefa também a cargo da ANP. ciais compreende o período entre 2000 e maio
dos em desenvolvimento tecnológico, na amplia- de 2014. Parte destes recursos alimenta a forma-
ção do conhecimento geológico e na formação As concessões geram um efeito multiplicador na ção de recursos humanos e o desenvolvimento de
de uma cadeia de bens e serviços que lhe dê su- economia do País: mantêm o fluxo de investimen- pesquisas que permitem novos saltos explorató-
porte. Esta dinâmica pode ser estratégica para o tos, atraem empresas petrolíferas e incentivam a rios para a indústria.
desenvolvimento econômico e social das nações. consolidação de uma indústria nacional de bens
No Brasil, desde 1998, o papel de promover a ex- e serviços para o mercado. Só a demanda por Quando o assunto é a exploração da camada
pansão dessas atividades é da ANP, com a reali- bens e serviços para a indústria, nos próximos dez pré-sal – cujo leilão, que inaugurou o modelo do
zação de Rodadas de Licitações para exploração anos, está estimada em US$ 400 bilhões (cerca contrato de partilha,333 arrecadou R$ 15 bilhões
e produção de petróleo e gás. de R$ 880 bilhões). Não por acaso, a indústria do só em bônus de assinatura –, os horizontes para
petróleo foi a principal responsável pelo renasci- a indústria e para o País tornam-se proporcio-
Em 14 leilões realizados pela Agência, de 1999 a mento da indústria naval brasileira. nalmente gigantescos. Em quinze anos, o Cam-
2013 (Tabela 19.1), 84 empresas, entre elas 41 de po de Libra deverá estar produzindo cerca de
origem nacional, adquiriram o direito de atuar Entre 1999 e 2013, os cofres públicos arrecada- 1,4 milhão de barris por dia, dois terços da pro-
como concessionárias no mercado de exploração ram, com a produção de petróleo e gás natural, dução atual de petróleo no Brasil. Parte signifi-
e produção de petróleo e gás. A exploração dos mais de R$ 250 bilhões em participações go- cativa desses recursos será destinada à saúde,
campos concedidos, que até a 14a Rodada de Lici- vernamentais – bônus de assinatura, royalties e à educação e ao combate à pobreza, conforme
tações totalizava uma área de aproximadamente participações especiais – oriundas dos contra- estabelece o novo marco regulatório, aprovado
350 mil quilômetros quadrados, ajuda a ampliar o tos de concessões resultantes das licitações.332 em 2010 pelo Congresso Nacional.334

332. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Consolidação das participações governamentais e de
terceiros. Rio de Janeiro, [2014?]. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/?id=522>
333. BRASIL. Lei nº 12.351, de 22 de dezembro de 2010.
334. Leia mais sobre marco regulatório do Pré-Sal no capítulo 20.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 215

Shutterstock

Agência Petrobras
A diversificação da industria do petróleo no Brasil permite a participação de empresas de diversos portes na exploração e produção em campos terrestres e marítmos

As descobertas dos últimos anos, dentro e fora receber R$ 835 bilhões em investimentos, se- do brasileiro a partir de 1977. Nesse período, a ANP
do polígono do pré-sal, aumentaram as reservas gundo o Plano Decenal de Expansão de Energia criou as normas gerais das licitações e vários meca-
provadas nacionais de petróleo, que saltaram de da Empresa de Pesquisas Energéticas (EPE).336 nismos de estímulos ao desenvolvimento da indús-
7,1 bilhões de barris em fins de 1997 para 15,3 bi- tria, como a cláusula de conteúdo local e as regras
lhões de barris em fins de 2012, enquanto as de As rodadas de licitações realizadas pela ANP pro- de repasses para pesquisas em tecnologia. Investiu
gás natural passaram de 227,7 bilhões de metros moveram significativa expansão das atividades de em estudos geológicos que ampliaram o conheci-
cúbicos para 459 bilhões no mesmo período.335 exploração e produção no Brasil. O ingresso de 83 mento sobre nossas bacias sedimentares e criou e
Nos próximos anos, a produção dos novos cam- empresas de diversos portes neste mercado, além modernizou seu banco de dados. Fez valer o respei-
pos colocará o Brasil entre os maiores produtores da Petrobras, e a ampliação das reservas provadas to ao meio ambiente, cobrou a aplicação das me-
mundiais de petróleo, fortalecendo ainda mais a de petróleo e gás indicam que a Agência atuou de lhores práticas de segurança operacional e garantiu
posição brasileira no cenário energético interna- acordo com suas atribuições337 e em consonância que todos os processos sob a sua responsabilidade
cional. Até 2022, a indústria de óleo e gás deve com as políticas setoriais estabelecidas pelo Esta- ocorrerão sempre com total transparência.

335. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Anuário estatístico brasileiro do petróleo, gás natural
e biocombustíveis: 2013. Rio de Janeiro, c2013.
336. EMPRESA DE PESQUISA ENERGÉTICA (Brasil). Plano decenal de expansão de energia 2022. Disponível em: <http://www.epe.gov.br/
PDEE/20140124_1.pdf>.
337. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Artigo 8º, Inciso I -Implementar, em sua esfera de atribuições, a política nacional de petróleo e
gás, emanada do Conselho Nacional de Política Energética.
216 Petróleo e Estado

TABELA 19.1 – RODADAS DE LICITAÇÕES REALIZADAS PELA ANP – 1999/2013

RODADAS DE BÔNUS DE ASSINATURA PROGRAMA EXPLORATÓRIO MÍNIMO TOTAL


ANO
LICITAÇÕES (R$) (R$) (PEM + BÔNUS)

Rodada 1 1999 321.656.637,00 - 321.656.637,00

Rodada 2 2000 468.259.069,00 - 468.259.069,00

Rodada 3 2001 594.944.023,00 - 594.944.023,00

Rodada 4 2002 92.377.971,00 - 92.377.971,00

Rodada 5 2003 27.448.493,00 363.504.000,00 390.952.493,00

Rodada 6 2004 665.196.028,00 2.046.787.421,80 2.711.983.449,80

Rodada 7 2005 1.085.802.800,00 1.797.411.000,00 2.883.213.800,00

1ª Rodada
2005 3.045.804,00 61.820.000,00338 64.865.804,00
Campos Marginais

2ª Rodada
2006 10.677.058,00 24.000.000,00339 34.677.058,00
Campos Marginais

Rodada 9 2007 2.109.408.831,00 1.367.382.000,00 3.476.790.831,00

Rodada 10 2008 89.406.927,00 611.154.000,00 700.560.927,00

Rodada 11 2013 2.823.205.650,29 6.902.399.200,00 9.725.604.850,29

Rodada 12 2013 154.300.000,00* 388.400.000,00* 542.700.000,00

1ª Rodada
2013 15.000.000.000,00 610.903.087,00 15.610.903.087,00
Pré-Sal

Obs.: Valores arrecadados com a assinatura de 62 contratos até junho de 2014. Ver adiante, neste mesmo capítulo, item “Três rodadas com diferentes desfechos”.

338. O investimento nas áreas de acumulação marginal é denominado Plano de Trabalho Inicial, com previsão de dois anos.
339. Idem.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 217

Rodada Zero: a construção de um modelo


Um ano após sua criação, a ANP assinou com Na ausência de regulamentos específicos O modelo de
a Petrobras 397 contratos de concessão, re- aplicáveis às atividades de exploração e pro-
contrato
ferentes a 115 blocos exploratórios, 51 para dução sob o regime de concessão, foi elabo-
áreas de desenvolvimento e 231 campos de rado um modelo abrangente de contrato para de concessão
produção, compreendendo uma área superior ser utilizado nas concessões da Petrobras. que nasceu com
a 450 mil quilômetros quadrados. A ratifica- Para tanto, a ANP contratou escritórios de
a Rodada Zero,
ção dos direitos da empresa sobre blocos em advocacia no Brasil e nos Estados Unidos e
exploração e de campos que se encontravam aproveitou a experiência do modelo adotado também adotado
em produção era uma das exigências da Lei para o setor elétrico paulista. 343 O modelo que nas rodadas
do Petróleo, e envolvia extensa análise do nasceu naquele momento, também utilizado
seguintes,
programa de exploração, desenvolvimento e para os contratos das rodadas seguintes, ba-
produção da Petrobras. 340 seou-se nas melhores práticas da indústria do baseou-se nas
petróleo: conservação dos recursos petrolífe- melhores práticas
A partir de sua implantação, 341 a ANP orga- ros (métodos e técnicas adequadas), segu-
da indústria
nizou, entre janeiro e agosto de 1998, o pro- rança operacional (normas e procedimentos
cesso conhecido como Rodada Zero. A Pe- de prevenção de acidentes) e preservação do petróleo.
trobras submeteu à Agência o seu programa ambiental (ações para minimizar o impacto
de exploração, desenvolvimento e produção das operações no meio ambiente).
de petróleo e gás natural, confirmando seu
interesse em determinadas áreas e devolven-
do o restante para a União. A documentação
foi analisada pela ANP, com o apoio de uma
consultoria contratada junto à Universidade
Federal da Bahia e à Universidade Estadual
de Campinas. A partir de uma avaliação da
efetiva produção dos campos requeridos, das
atividades já realizadas e do compromisso de
investimentos nas áreas, foram definidas as
áreas que permaneceriam com a Petrobras. 342
A empresa teria três anos para descobrir óleo,
ao término dos quais devolveria as áreas em
que nada fosse descoberto.

340. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Seção II.


341. BRASIL. Decreto nº 2.455, de 14 de janeiro de 1998.
342. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Dois anos: 1998-2000. Rio de Janeiro, 2000. 67 p.
343. ZYLBERSZTAJN, D., 2005.
218 Petróleo e Estado
Arquivo ANP

David Zylberstajn, diretor-geral da ANP, na Primeira Rodada de Licitações, em 1999

O primeiro ciclo de ingresso das empresas no mercado


Cabe à ANP delimitar os blocos ofertados e sinado com as empresas vencedoras. Esses As quatro primeiras rodadas de licitações, en-
submetê-los à aprovação do CNPE, que en- documentos estabelecem os requisitos para tre 1999 e 2002, tiveram como características
tão autoriza o evento por meio de uma reso- a participação das empresas, as regras para principais o estímulo à competitividade no se-
lução publicada no Diário Oficial da União. a avaliação das propostas e os compromissos tor, através da atração de novos produtores de
Em seguida, a ANP submete a consultas e dos vencedores da licitação. Também cabe à petróleo e gás natural para o nascente mercado
audiências públicas as minutas do edital das ANP, em nome da União, celebrar os contra- brasileiro, a ampliação da atividade explorató-
licitações e do modelo de contrato a ser as- tos e fiscalizar a sua execução. ria para o maior número de bacias sedimenta-
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 219

res e a consolidação do processo de licitação. exploratórias (bacias pouco exploradas), ao divididos em R$ 8,3 bilhões em royal­ties (taxa en-
O incentivo à indústria nacional de bens e ser- todo 23 blocos localizados em nove bacias fo- tre 5% e 10% sobre a produção de qualquer cam-
viços também já estava presente nas primeiras ram colocados em oferta. Destes, apenas dois po), R$ 1,5 bilhão em bônus de assinatura (oferta
rodadas. Os percentuais de conteúdo local ofe- não receberam ofertas. Poucos anos depois, pela proposta das empresas na licitação); e R$ 5,2
recidos pelas empresas concorrentes represen- na Bacia de Santos, cujos blocos foram arre- bilhões em participações especiais (taxa recebida
tavam um peso de 15% na pontuação final das matados pela Petrobras, seriam descobertas de campos com grande produção e rentabilida-
ofertas para aquisição dos blocos. as imensas jazidas do pré-sal. de). Os investimentos das empresas vencedoras
na fase de exploração dos 88 blocos arrematados
A ANP lançou mão de várias estratégias para A Terceira Rodada trouxe novas alterações para entre 1998 e 2002 somavam R$ 3,2 bilhões.347
atingir estes objetivos iniciais. beneficiar as empresas de menor porte: em fun-
ção de dados sísmicos mais precisos, os blocos
Na Primeira Rodada, exigiu que as empresas e/ oferecidos tinham cerca de um terço do tama-
ou consórcios investissem entre US$ 3 milhões nho das áreas da primeira licitação; além disso,
e US$ 15 milhões no custeio da exploração sís- foi reduzida a necessidade de poços na terceira
mica ou na perfuração de poços, para ampliar o fase exploratória, de três para dois anos, e con- O incentivo à
conhecimento geológico. firmada a opção de devolução dos blocos após
indústria nacional
um ano de exploração, caso as empresas não
Na Segunda Rodada, lançou incentivos à par- considerassem satisfatórias as condições. de bens e serviços
ticipação de pequenas empresas: redução da também já
taxa de inscrição para os blocos localizados A estratégia de atrair empresas de perfis varia-
estava presente
nas bacias maduras (Potiguar, Sergipe-Alago- dos se repetiu na Quarta Rodada,345 com a oferta
as e Recôncavo); exigência de um capital mí- de 54 áreas localizadas em 18 bacias. No entanto, nas primeiras
nimo diferenciado (de US$ 3 milhões a US$ 10 verificou-se uma redução no número de partici- rodadas.
milhões, de acordo com o bloco de interesse); pantes, em comparação com a rodada anterior.
prazo de um ano após a licitação para que as Segundo avaliações da própria ANP, esta redu-
empresas pudessem analisar os dados e deci- ção foi causada pelas fusões e incorporações
dir se realmente iriam explorar as áreas, sem ocorridas no setor empresarial de petróleo e
que tivessem a obrigatoriedade de realizar in- também pelos “comprometimentos elevados
vestimentos no primeiro ano. 344 A grande dife- com atividades exploratórias das companhias
rença em relação à Primeira Rodada foi o perfil internacionais que já atuavam no País”.346
variado do cardápio: em águas rasas, águas
profundas, em terra, em bacias maduras (es- Nas quatro primeiras rodadas, foram arrecadados
tágio avançado de exploração) e em fronteiras R$ 15 bilhões em participações governamentais,

344. PETRO & QUÍMICA. São Paulo: Valete, p. 63, nov. 1999.
345. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Aspectos gerais do contrato de concessão sob o novo modelo. Rio de Janeiro, 2003.
[Disponível em: <http://www.anp.gov.br/brasil-rounds/round5/round5/apresentacoes.asp>.
346. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO (Brasil). Relatório anual 2002. Rio de Janeiro, 2002.
347. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Aspectos gerais do contrato de concessão sob o novo
modelo. Rio de Janeiro, 2003.
220 Petróleo e Estado

Arquivo ANP

A 9ª Rodada de Licitações, realizada em 2007, obteve a maior arrecadação até então: R$ 2,1 bilhões em bônus de assinatura.

Diretrizes do CNPE
A partir de 2003, as Rodadas de Licitações da trataram da organização das licitações de pe- exploratória”.349 O documento determinou que
ANP passariam a cumprir uma série de diretri- tróleo e gás. a ANP elaborasse os processos licitatórios e os
zes definidas pelo Conselho Nacional de Polí- contratos de concessões com base em seis dire-
tica Energética (CNPE), órgão que desde sua A primeira orientação veio na Resolução no 8, trizes: fixar percentual mínimo de conteúdo local
criação tem a atribuição de definir estratégias e de 2003, que estabeleceu como política nacio- a ser contratado pelas empresas concessionárias
políticas de desenvolvimento econômico e tec- nal “a expansão da produção de petróleo e gás (compra de bens e serviços da indústria nacio-
nológico da indústria do petróleo e gás natu- natural de forma a atingir e manter a autossu- nal); oferecer modelo de delimitação de blocos
ral.348 Entre 2003 e 2013, 19 resoluções do CNPE ficiência do País e a intensificação da atividade que permita ao licitante flexibilidade de esco-

348. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Artigo 2, Inciso IX.


349. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução CNPE nº 8, de 21 de julho de 2003. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 7 ago. 2003.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 221

lha; fixar critérios, no processo de julgamento (PEM) como critério de avaliação para as ofertas A partir da
das propostas, que estimulem investimentos em das empresas nas licitações, com peso de 30%
conhecimento geológico das bacias exploradas; na nota final da empresa. O PEM é o conjunto
Quinta Rodada,
incluir áreas em bacias de fronteira tecnológica, de atividades empregadas na primeira fase do a oferta de
na margem continental, de forma a atrair inves- contrato de concessão, o período de exploração. blocos menores
timentos nestas áreas, elevando o conhecimen- Também a partir da Quinta Rodada as empresas
to geológico disponível; incluir áreas produtoras passaram a planejar seus próprios programas –
proporcionou
em bacias maduras – com baixo risco explorató- até então o PEM era pré-definido pela ANP. oportunidades
rio – para incentivar a participação de pequenas a empresas de
e médias empresas no mercado; e, na seleção de A partir de 2004, a ANP intensificou os estu-
áreas para licitação, adotar eventuais exclusões dos para inclusão de áreas que atendessem
diferentes portes.
em função de restrições ambientais, sustentadas às orientações do CNPE. A disponibilidade de
em manifestação conjunta da ANP com órgãos dados geológicos e geofísicos, a avaliação do
ambientais de âmbito federal e estadual. potencial e considerações preliminares sobre
condicionantes ambientais são alguns dos fa-
A resolução também referendou a Quinta Ro- tores considerados na delimitação das áreas a
dada de Licitações, cujas etapas já estavam em serem licitadas.
andamento, por entender que os critérios da
Agência estavam em consonância com as dire- Já para a Sexta Rodada, foram oferecidas áre-
trizes formuladas pelo CNPE. Esta rodada foi a as com elevado potencial para petróleo, bacias
primeira a adotar o novo modelo de definição maduras e de novas fronteiras tecnológicas,
das áreas oferecidas. As bacias sedimentares com o objetivo de estimular a participação de
foram divididas em setores, subdivididos por empresas de todos os perfis e dar continuidade
sua vez em blocos desenhados de acordo com às atividades de exploração e produção nesses
uma grade fixa. Na prática, os blocos ofertados locais.350 A oferta de bacias com essas carac-
a partir da Quinta Rodada ficaram menores, terísticas foi sendo ampliada gradativamente,
proporcionando mais oportunidades às empre- graças ao conhecimento adquirido pelo con-
sas de diferentes portes. Com mais áreas arre- junto da atividade exploratória e pelos estudos
matadas, aumentaram os compromissos explo- contratados pela Agência.
ratórios das empresas, a produção de petróleo
e gás e a arrecadação da União, estados e mu- Na Sétima Rodada, o CNPE incluiu a oferta de
nicípios com participações governamentais, em áreas em bacias de elevado potencial de des-
especial os royalties. cobertas para gás natural e petróleo, com foco
na produção de gás, para “recompor as reser-
Outra novidade implantada a partir de 2003 foi vas nacionais e o atendimento da crescente de-
a inclusão do Programa Exploratório Mínimo manda interna”.351

350. FRANKE, M. Sexta Rodada de Licitações: visão geral do processo. Rio de Janeiro: Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis,
2004. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/brasil-rounds/round6/apresentacoes.asp>.
351. FRANKE, M. Sexta Rodada de Licitações: visão geral do processo. Rio de Janeiro: Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis,
2004. Disponível em: <http://www.anp.gov.br/brasil-rounds/round6/apresentacoes.asp>.
222 Petróleo e Estado
Arquivo ANP

Apresentação de proposta na “Rodadinha” de 2006

“Rodadinhas”
Campos marginais de petróleo e gás natural – que A partir do sucesso da primeira Rodadinha, que Nessas duas primeiras rodadas especiais foram
poderiam representar oportunidades interessan- licitou 17 campos, sob a denominação de “Áre- licitadas áreas nas bacias sedimentares de Bar-
tes a pequenas e médias empresas embora não as inativas contendo acumulações marginais”, a reirinhas (MA), Potiguar (RN), Recôncavo e Tuca-
mais tivessem interesse comercial para as gran- ANP decidiu realizar outras rodadas periódicas no-sul (BA), Sergipe-Alagoas e Espírito Santo. O
des empresas devido à pequena produção – tam- desse tipo, com cronograma próprio e desvincu- total de investimentos então previstos pelas em-
bém foram oferecidos por ocasião da Sétima ladas das Rodadas de Licitações de Áreas com presas superava R$ 85 milhões.
Rodada,352 em processo que ficou conhecido in- Risco Exploratório. Na segunda Rodadinha, em
formalmente como Rodadinha. junho de 2006, foram oferecidas 14 áreas.353

352. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 2, de 8 de dezembro de 2004. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 23 fev. 2005. Seção 1, p. 3.
353. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 1, de 23 de fevereiro de 2006. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 6 mar. 2006. Seção 1, p. 3.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 223

Três rodadas, diferentes desfechos


Na Oitava Rodada, que tinha por objetivo as províncias petrolíferas na área do pré-sal. as marítimas, incluiu exclusivamente áreas
“ampliar as reservas brasileiras minimizan- Em dezembro de 2012, a Oitava Rodada foi terrestres. Com isso, o CNPE visava promo-
do a dependência energética externa do gás definitivamente cancelada pelo CNPE, que ver o conhecimento das bacias sedimentares,
natural e a manutenção da autossuficiência determinou à ANP adotar “as providências desenvolver a pequena indústria petrolífe-
na produção de petróleo”, 354 foram ofereci- legais para a efetivação do cancelamento do ra e fixar empresas nacionais e estrangeiras
dos 284 blocos, distribuídos em sete bacias: referido certame licitatório”. 358 no País, dando continuidade à demanda por
terrestres maduras, de grande potencial em bens e serviços locais, à geração de empre-
mar e de novas fronteiras em térrea e em mar. A Nona Rodada manteve os objetivos e o gos e à distribuição de renda. 361
Realizada em novembro de 2006, essa roda- modelo da anterior, com a oferta de blocos
da superava todas as expectativas da ANP, em setores de elevado potencial, de novas As seis rodadas realizadas pela ANP entre
arrecadando quase R$ 600 milhões com o fronteiras e em bacias maduras. 359 A rodada 2003 e 2008 arrecadaram R$ 4 bilhões em
arremate de apenas 38 blocos, quando teve teve arrecadação recorde (R$ 2,1 bilhões ape- bônus de assinatura. As receitas decorrentes
que ser suspensa por duas liminares conce- nas em bônus de assinatura), embora tenha de royalties e participação especial sobre as
didas pela Justiça Federal, que questionavam ficado marcada pela retirada de 41 blocos áreas arrematadas neste certame foram de
a limitação do número de ofertas vencedoras classificados como de elevado potencial para R$ 59,6 bilhões e R$ 53,4 bilhões, respecti-
por operador de blocos arrematados (entre descobertas, a apenas 19 dias antes da sua vamente. As diretrizes do CNPE aplicadas
duas e seis, dependendo do setor ofereci- realização. O objetivo do CNPE foi preservar pela Agência, voltadas para o aperfeiçoa-
do). 355 A diretoria da ANP 356 decidiu retirar da o interesse nacional, promovendo o aprovei- mento constante dos processos licitatórios e
licitação todos os blocos cuja apresentação tamento racional dos recursos descobertos contratuais, deram continuidade à expansão
de ofertas ainda não tivesse ocorrido, confor- no pré-sal, na Bacia de Santos. 360 (Leia mais das atividades de exploração e produção e
me direito previsto no edital. E o CNPE deter- sobre o episódio no Capítulo 20.) a geração de riquezas para a nação. Ao final
minou 357 que a decisão final fosse adiada até deste ciclo, 78 empresas desse setor atuavam
a sanção presidencial dos projetos de lei que A Décima Rodada, de modo distinto das nove no País – 40 de origem estrangeira e 38 de
propunham o novo modelo regulatório para anteriores, que licitavam grande fatia de áre- origem nacional.

354. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 3, de 18 de maio de 2006. Diário Oficial [da República Federativa
do Brasil], Brasília, DF, 28 jul. 2006. Seção 1, p. 4.
355. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Edital de licitações para a outorga dos contratos de
concessão. Rio de Janeiro, 13 out. 2006. Cláusula 4.8. Disponível em: <http://www.brazilrounds.gov.br/round8/portugues_r8/edital.asp>.
356. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Resolução de Diretoria da ANP nº 1.024, de 22 de
outubro de 2004. Rio de Janeiro, 2004.
357. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 9, de 9 de dezembro de 2009. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 22 jan. 2010. Seção 1, p. 130.
358. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 2, de 18 de dezembro de 2012. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 11 jan. 2013. Seção 1, p. 51-52.
359. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 2, de 25 de junho de 2007. Diário Oficial [da República Federativa
do Brasil], Brasília, DF, 18 jul. 2007. Seção 1, p. 93.
360. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 6, de 8 de novembro de 2007. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 14 nov. 2007. Seção 1, p. 24-25.
361. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 10, de 3 de setembro de 2008. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 18 set. 2008. Seção 1, p. 102.
224 Petróleo e Estado
Agência Petrobras

Polo industrial de Urucu - Polo Arara

Diretrizes ambientais
Para assegurar a proteção do meio ambiente, ambiental. São parâmetros revisados e atualiza- ção de blocos e o licenciamento ambiental das
conforme as determinações do CNPE, as áreas li- dos a cada rodada de licitações, acompanhando áreas a serem exploradas.362
citadas a partir de 2003 passaram a ser definidas as alterações na legislação pertinente, que permi-
somente após análise conjunta da ANP e do Ins- tem ao futuro concessionário incluir corretamente A criação de áreas protegidas, a evolução do conhe-
tituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recur- a variável ambiental em seus estudos. cimento sobre os ecossistemas e as tecnologias de
sos Naturais Renováveis (Ibama), com o Instituto exploração e produção, assim como a realidade so-
Chico Mendes de Conservação de Biodiversidade Em 2008, o Ministério do Meio Ambiente criou, cioeconômica, são fatores dinâmicos que também
(ICMBio) e com órgãos ambientais estaduais. Esse com a participação do Ibama e do ICMbio, um influenciam diretamente o nível de exigência para o
trabalho resultou na elaboração de diretrizes e grupo de trabalho que desenvolveu diretrizes licenciamento ambiental, que é uma obrigação legal
guias contendo os aspectos socioambientais das técnicas mais completas para a análise das após a assinatura do contrato de concessão entre a
áreas e o nível de exigência para o licenciamento questões ambientais relacionadas com a defini- ANP e as empresas vencedoras nas licitações.

362. BRASIL. Ministério do Meio Ambiente. Portaria nº 119, de 24 de abril de 2008. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF,
25 abr. 2008. Seção 2, p. 34-35.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 225

Conhecimento geológico impulsiona exploração


Quanto mais informações disponíveis, maiores po da pesquisa geológica, como a inclusão, Em 2006, a ANP impulsionou os estudos ge-
as chances de sucesso: o conhecimento geo- nas Rodadas de Licitações, de blocos, setores ológicos e geofísicos das bacias sedimenta-
lógico de áreas de bacias sedimentares com ou áreas em bacias maduras, para estimular a res do Brasil, promovendo a elaboração e a
potencial para descoberta de jazidas de pe- entrada de pequenos e médios empresários viabilização financeira do Plano Plurianual
tróleo e gás natural é estratégico na explora- na atividade, e “áreas em bacias de fronteira de Geologia e Geofísica (PPA) para o quin-
ção. Por isso, a Lei do Petróleo 363 incluiu entre tecnológica e do conhecimento, da margem quênio 2007/2011. O plano, bastante abran-
as atribuições da ANP a missão de “promover continental, de forma a atrair investimentos gente, estabeleceu metas anuais e estudos
estudos visando à delimitação de blocos, para nessas áreas, elevando o conhecimento ge- específicos para as bacias sedimentares de
efeito de concessão ou contratação”. Também ológico disponível”. 364 A partir das novas di- todos os estados brasileiros. O Governo Fe-
por determinação da lei, a partir de 1998 todo retrizes do CNPE, a ANP pôde planejar com deral considerou o PPA como estratégico
o acervo de dados técnicos da Petrobras e os mais desenvoltura suas atividades de pesqui- para a infraestrutura do País e, em 2008, ofi-
novos dados produzidos e adquiridos pelo sa do subsolo nacional. Já em 2004, pela pri- cializou seu ingresso no Programa de Acele-
mercado foram transferidos para a ANP, que meira vez na sua história, a Agência contratou ração do Crescimento (PAC). Ainda em 2010,
em 2000 estruturou o Banco de Dados de Ex- um serviço de aquisição de dados novos, para foram incluídos no PAC 2 os projetos de pes-
ploração e Produção, o BDEP. a Bacia do Rio do Peixe (PB) e para o asso- quisa geológica da Agência, para execução
alho oceânico na Bacia de Pernambuco-Pa- até 2014. De 2007 a 2014, esses programas
Entre 1998 e 2002, quando coletava dados raíba, áreas pouco conhecidas no Nordeste totalizam cerca de R$ 1,2 bilhão, o maior in-
para a definição dos blocos licitados nas qua- brasileiro. Em 2005 e 2006, a ANP voltou a vestimento já realizado na área.
tro primeiras Rodadas, a ANP assinou seis contratar novos estudos direcionados a áreas
contratos com instituições de ensino superior terrestres desconhecidas, como as Bacias de Com esses estudos, a ANP abriu importantes
e de pesquisa para a realização de estudos em Pelotas (RS), Sergipe e São Francisco. áreas de nova fronteira nas bacias do Parecis
áreas como a Bacia de Santos, Bacia do São e do Parnaíba. Os dez blocos exploratórios
Francisco e Bacia de Camamu-Almada, entre Os estudos da ANP foram selecionados entre incluídos na Nona Rodada de Licitações, em
outras. Ainda em 2002, o Plano Decenal de as ações do Projeto-Piloto de Investimentos 2007, e os seis blocos da Décima Rodada, em
Geologia e Geofísica previu a aquisição de no- (PPI), criado em 2005 pelo Ministério da Fa- 2008, foram todos arrematados, gerando arre-
vos dados em bacias marítimas e terrestres, zenda para expandir o investimento público, cadação de R$ 108 milhões em investimentos
maduras (em estágio avançado de produção) em especial na infraestrutura do País, refle- no programa exploratório mínimo das empre-
e de nova fronteira (inexploradas). tindo a preocupação do governo brasileiro em sas. Os investimentos em aquisição de dados
aprofundar o conhecimento geológico sobre geológicos e geofísicos também permitiram à
Em 2003, o CNPE aprovou um conjunto de áreas inexploradas ou pouco conhecidas (áre- ANP a seleção de áreas exploratórias para a 11ª
diretrizes para as atividades da ANP no cam- as de novas fronteiras). e 12ª Rodadas, realizadas em 2013.

363. BRASIL. Lei nº 9.478, de 6 de agosto de 1997. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 7 ago. 1997, Seção 1, p. 16925-16932.
364. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 8, de 21 de julho de 2003. Diário Oficial [da República Federativa
do Brasil], Brasília, DF, 7 ago. 2003. Seção 1, p. 50.
226 Petróleo e Estado

Novo ciclo de oportunidades para a indústria


As rodadas de 2010
Roberto Stuckert Filho/PR

abriram para os
anos seguintes
um novo ciclo
de investimentos.

na indústria petrolífera, fixar empresas nacionais


e estrangeiras no País e dar continuidade à de-
manda por bens e serviços locais, à geração de
empregos e à distribuição de renda.365

Estudos conduzidos pela ANP indicavam grande po-


tencial exploratório para essa região, o que valorizou
os blocos em oferta. Com a participação de 64 em-
presas habilitadas (recorde na história das rodadas),
30 grupos de 12 países diferentes saíram vencedores,
sendo 18 estrangeiros. Pela primeira vez, quatro em-
presas brasileiras participaram na condição de ope-
radoras A, que podem operar blocos em terra, água
rasa e águas profundas. O leilão também marcou o
retorno de grandes empresas estrangeiras ao País.

A rodada arrecadou R$ 2,82 bilhões em bônus de


Presidenta Dilma Rousseff durante cerimônia de assinatura do Primeiro Contrato de Partilha do Pré-Sal, em 2013
assinatura. Merece destaque o bônus ofertado pelo
consórcio formado pela Total E&P (40%), Petro-
Foram cinco anos de interrupção, até que em abriu um novo ciclo de investimentos na cadeia bras (30%) e BP (30%), que arrematou o bloco Foz
2013 tornou-se possível retomar as licitações de da indústria para os próximos anos. do Amazonas Marítimo 57 (FZA-M-57). No valor de
áreas para exploração e produção de petróleo e R$ 345,9 milhões, foi o maior bônus pago até en-
gás. No mesmo ano aconteceram três rodadas, A Décima Primeira Rodada foi a maior já realizada tão por um único bloco na história dos leilões. Blo-
que despertaram grande interesse, confirmando pelo modelo de concessão. Realizada em maio, cos em todas as 11 bacias sedimentares envolvidas
a dimensão do potencial do País neste setor. A teve como foco a Margem Equatorial Brasileira e no leilão (ao todo 142 dos 289 ofertados) foram
arrecadação total da União, em torno de R$ 18 bi- seus objetivos foram: promover o conhecimento contratados, garantindo investimentos mínimos de
lhões, nas rodadas 11 e 12 e na primeira do pré-sal, das bacias sedimentares, desenvolver a peque- R$ 7 bilhões na fase de exploração.

365. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 3, de 18 de dezembro de 2012. Diário Oficial [da
República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 11 jan. 2013. Seção 1, p. 51-52.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 227

Pré-sal inaugura modelo de partilha


Na primeira licitação no Brasil sob o regime de perfuração de um poço a sete mil metros de mento de Libra foi estimado em US$ 130
partilha para a produção de petróleo e gás, a profundidade pode custar US$ 100 milhões. E bilhões. Ver capítulo 20: “O marco regula-
única área ofertada foi a de Libra, na Bacia de o montante a ser investido para o desenvolvi- tório do pré-sal”.
Santos. 366 Situado a 183 km da costa do Rio de
Janeiro, em lâmina d´água de 1.964 metros, o
campo tem reservas recuperáveis estimadas
entre 8 e 12 bilhões de barris, o que equivale a
80% de todas as reservas provadas de petró-
leo do Brasil. Em seu nível máximo, Libra será
capaz de produzir 1,4 milhão de barris de pe-
tróleo ao dia, volume equivalente a dois terços
da produção atual de todo o Brasil.

Um consórcio formado por cinco das maiores


empresas do planeta – a Petrobras, as chine-
sas CNPC e CNOOC, a anglo-holandesa Shell
e a francesa Total – arrematou a concessão,
ofertando à União a parcela mínima de 41,65%
do óleo excedente a ser produzido no local e
propondo pagar um bônus de R$ 15 bilhões de
reais. 367 O contrato é de 35 anos, não prorro-
gáveis, com uma fase de exploração estimada
em quatro anos.

A Petrobras, como operadora do consórcio,


de acordo com o disposto no regime de par-
Bacias sedimentares
tilha, tem 30% do grupo, além da participa- Bacia de
terrestres
Campos
ção de 10%. As duas empresas chinesas tam-
Bacias sedimentares Bacia de
bém têm 10% cada uma, enquanto a Shell e marítimas Santos
a Total têm 20% cada. O consórcio terá um
grande desafio técnico, operacional e logís-
tico pela frente, o que vai exigir colaboração Polígono pré-sal
tecnológica permanente entre as empresas. A
Áreas de produção
RIO DE JANEIRO
366. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil).
Resolução nº 4, de 22 de maio de 2013. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 24 maio 2013. Seção 1, p. 1.
367. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil).
Resolução nº 5, de 25 de junho de 2013. Diário Oficial [da República
Federativa do Brasil], Brasília, DF, 4 jul. 2013. Seção 1, p. 1.
228 Petróleo e Estado

A vez do gás em terra


Arquivo ANP

tos executados pela ANP no âmbito de seu Plano


Plurianual de Geologia e Geofísica. O objetivo é
ampliar ainda mais o conhecimento sobre essas
áreas: calcula-se que cinco das sete bacias oferta-
das possam conter um volume explorável de 10,1
trilhões de metros cúbicos de gás.

Novos parâmetros
de segurança
operacional foram
regulamentados
para reservatórios
não convencionais.

A ANP regulamentou, no início de 2014, a ativida-


de de perfuração seguida de fraturamento hidráu-
lico em reservatórios não convencionais (rochas
Novas bacias produtoras de gás natural surgiram a partir da 12ª Rodada, em 2013
de baixíssima permeabilidade, onde a produção
de petróleo e gás natural requer parâmetros de
A 12ª Rodada, realizada em novembro de 2013, ofe- Parnaíba e São Francisco) e bacias maduras (Re- segurança operacional que assegurem a proteção
receu áreas com potencial para gás e ainda pouco côncavo e Sergipe-Alagoas). 72 blocos foram arre- à saúde humana e ao meio ambiente).369 Para que
conhecidas geologicamente, ou com barreiras tec- matados, houve 62 assinaturas e foram arrecada- não haja contaminação, o concessionário é obriga-
nológicas a serem vencidas, possibilitando o surgi- dos R$ 154,3 milhões em bônus de assinatura, até do a informar a distância entre a rocha geradora
mento de novas bacias produtoras de gás natural e junho de 2014, além do investimento exploratório de gás e os aquíferos próximos, além de entregar
de recursos petrolíferos convencionais e não con- mínimo de R$ 388,4 milhões. Oito das 12 empresas à ANP uma análise do aquífero, antes do início da
vencionais.368 Foram ofertados 240 blocos, locali- que arremataram blocos são brasileiras. exploração, possibilitando a responsabilização do
zados em 13 setores de sete bacias sedimentares concessionário em caso de poluição. Outro com-
brasileiras, sob dois modelos exploratórios: nova As áreas ofertadas nesta rodada foram escolhi- promisso é o revestimento e a cimentação dos po-
fronteira (Acre-Madre de Dios, Paraná, Parecis, das essencialmente com base nos levantamen- ços, para evitar eventuais rompimentos.

368. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 6, de 25 de junho de 2013. Diário Oficial [da República Federativa
do Brasil], Brasília, DF, 7 ago. 2013. Seção 1, p. 1-2.
369. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Resolução nº 21, de 10 de abril de 2014. Diário Oficial [da
República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 11 abr. 2014. Seção 1, p. 91-93.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 229

Um dos maiores bancos de dados do mundo

Arquivo ANP
Com 4,5 petabytes em informações geofísicas, ge- confidenciais, durante o período de confidenciali-
ológicas e geoquímicas – um volume equivalente dade que for previsto para cada tipo de informa-
a mais de vinte bilhões de fotografias digitais ou ção (entre dois e dez anos), só pode ser feito pela
mais de dois milhões de DVDs – o Banco de Da- própria ANP e pela proprietária dos dados, ou seja,
dos de Exploração e Produção (BDEP) da ANP é a empresa que os forneceu à Agência.370 Depois,
um dos maiores do mundo na área de exploração os dados técnicos tornam-se públicos, ou seja, são
e produção de petróleo e gás natural. Criado em incorporados ao acervo do banco e ficam à dispo-
maio de 2000, o BDEP vem sendo modernizado sição para consulta e aquisição.371 As universidades
desde 2003 para atender à crescente demanda contam com uma política de cessão gratuita de da-
por dados técnicos, gerada pela descoberta das dos para fomentar os estudos de profissionais das
reservas do pré-sal e pela exploração de novas áreas de Agronomia, Computação, Geociências,
fronteiras nas bacias sedimentares terrestres do Engenharia Civil, Engenharia Química, Engenharia
Brasil. A preparação dos pacotes de dados téc- do Petróleo e Engenharia Sanitária.372
nicos para as Rodadas de Licitações promovidas
pela ANP é uma das principais funções do BDEP. Desde 2003, pode ser acessado no sítio eletrônico
O acesso rápido ao seu acervo é essencial para o do BDEP373 um serviço de mapas interativos, que
processo decisório das empresas que participam apresentam dados culturais (coordenadas e resul-
das licitações ou que pesquisam determinadas tados dos poços, entre outros) ou metadados. Pelo
áreas. Os dados técnicos, após análise e processa- BBDEP WebMaps, os interessados podem identifi-
O servidor de armazenamento do BDEP reúne mais de 4,5 petabytes
mento, ajudam a determinar as áreas das bacias car dados disponíveis sobre áreas e regiões diver- em informações geofísicas, geológicas e geoquímicas
sedimentares em que há mais probabilidade de sas e blocos de petróleo e gás em exploração.
ocorrer petróleo e gás natural.
Em 2009, o BDEP realizou seu primeiro plane-
O BDEP armazena dados técnicos obtidos tanto jamento estratégico, compreendendo projetos,
pelas empresas concessionárias, durante a fase de ações e serviços para o período 2009-2014. O bacias sedimentares brasileiras, para fomentar e
exploração das áreas arrematadas nas Rodadas planejamento definiu como missão tornar o ban- subsidiar a indústria de petróleo e gás natural no
de Licitações, como por empresas capacitadas co um “centro de referência internacional em Brasil”. Além disso, a aquisição de dados e a ges-
para a aquisição de dados, mediante autorização inovação tecnológica, pesquisa, recebimento, ar- tão desse acervo garantem ao Brasil o domínio
da ANP. Os dados coletados por essas empresas mazenamento, disponibilização, processamento sobre o conhecimento produzido a respeito do
são vendidos para o mercado. O acesso aos dados e interpretação de dados técnicos adquiridos nas seu potencial em hidrocarbonetos.

370. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Resolução nº 11, de 17 de fevereiro de 2011. Diário Oficial
[da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 18 fev. 2011. Seção 1, p. 103-105.
371. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Portaria ANP nº 114, de 5 de julho de 2000. Diário Oficial
[da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 6 jul. 2000. Seção 1, p. 27-28.
372. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Resolução nº 23, de 14 de julho de 2009. Diário Oficial
[da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 15 jul. 2009. Seção 1, p. 149-150.
373. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Banco de Dados de Exploração e Produção. BDEP. Rio de
Janeiro, 2014. Disponível em: <http://www.bdep.gov.br>.
230 Petróleo e Estado

Conteúdo Local
Como fazer com que dezenas de empresas interna- (Onip), sociedade civil sem fins lucrativos cujo ob- rem de fornecedores brasileiros ou estabelecidos
cionais operando no Brasil, em um setor que exige jetivo era atuar como um fórum de articulação e no Brasil. A cláusula obriga os operadores dos
tecnologia de ponta, contratassem fornecedores cooperação entre companhias operadoras do se- blocos a adquirirem um percentual de bens e ser-
nacionais? O que fazer para evitar o uso quase ex- tor de petróleo e derivados, fornecedores de bens viços de fornecedores brasileiros, desde que estes
clusivo de fornecedores estrangeiros, que limitaria e serviços, órgãos governamentais e agências de ofereçam condições de preço, prazo e qualidade
as possibilidades de crescimento da indústria na- fomento. Fundada em maio de 1999, sua finalidade compatíveis com os de fornecedores estrangeiros.
cional? A reserva de mercado seria uma solução? é “contribuir para o aumento da competitividade e Os percentuais a serem cumpridos, propostos pe-
sustentabilidade da indústria nacional, para a ma- las empresas durante o processo de licitação dos
Para refletir sobre essas questões, a ANP realizou em ximização do conteúdo local e para a geração de blocos de petróleo e gás, são fiscalizados pela ANP
março de 1999 um seminário sobre políticas de incen- emprego e renda no setor de petróleo e gás”.375 ao longo da execução do contrato de concessão.
tivo à indústria nacional fornecedora de máquinas e
equipamentos para o setor de petróleo. A proposta Mecanismos até então inéditos para o estímulo da Até a Quarta Rodada, em 2002, os concorrentes
do seminário era debater políticas voltadas para a ca- indústria nacional foram criados pela ANP, como podiam ofertar livremente valores de bens e ser-
pacitação da indústria nacional, de modo que o País a possibilidade de maior número de pontos aos viços a serem adquiridos de empresas brasileiras
se apropriasse mais efetivamente do incremento das concessionários que, no processo de licitação, se para a realização das atividades de exploração e
atividades do setor. Nos preparativos do evento, po- comprometessem a empregar equipamentos e desenvolvimento da produção. Os percentuais de
rém, a ANP havia encomendado à PUC-Rio um levan- serviços nacionais. Este incentivo garantiria um conteúdo local oferecidos pelas empresas partici-
tamento de várias experiências internacionais e um patamar mínimo de contratação para a indús- pantes representavam um peso de 15% na pontu-
diagnóstico sobre a indústria de base brasileira. tria nacional, próximo de 30%. Com base nessa ação final das ofertas para aquisição dos blocos.
premissa, o conceito de conteúdo local tem sido
Após a apresentação dos resultados da pesquisa, aplicado pela ANP desde a Primeira Rodada de A primeira grande mudança aconteceu em 2003,
o diagnóstico não recomendava qualquer tentati- Licitações. Já em 1999, a chamada cláusula de quando o CNPE determinou que a ANP fixasse
va de reserva de mercado, mas sim a adoção de conteúdo local – com exigência de investimentos um percentual mínimo de conteúdo nacional para
políticas explícitas de incentivo para que a indús- em bens e serviços nacionais – fazia parte dos as propostas a serem apresentadas na Quinta Ro-
tria nacional pudesse produzir com qualidade e contratos de concessão firmados entre a ANP, em dada de Licitações.376 Os percentuais fixados pela
preços compatíveis com os do mercado interna- nome da União, e as companhias ou os consórcios ANP ficaram assim:
cional.374 Segundo o estudo, a indústria nacional vencedores das Rodadas.
 blocos terrestres: 70% na fase de exploração e
teria capacidade de atender satisfatoriamente a
70% na etapa de desenvolvimento;
60% da demanda do setor; no segmento da en- O conteúdo local, nos empreendimentos de pe-
genharia, esta capacidade chegava a 100%. tróleo e gás natural, corresponde ao conjunto dos  blocos em águas rasas: 50% em exploração e
materiais, equipamentos, sistemas e serviços, pro- 60% em desenvolvimento;
A partir desses debates, a ANP incentivou a criação duzidos em território nacional, que as empresas  blocos em águas profundas: 30% em cada
da Organização Nacional da Indústria do Petróleo concessionárias em exploração e produção adqui- uma das fases.

374. ANP e o incentivo à indústria. Petro & Química, São Paulo, v. 21, n. 210, p. 51., mar. 1999.
375. ORGANIZAÇÃO NACIONAL DA INDÚSTRIA DO PETRÓLEO (Brasil). Quem somos. Rio de Janeiro, [entre 1999 e 2015]. Disponível em: <http://
www1.onip.org.br/quem-somos/>.
376. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 8, de 21 de julho de 2003. Diário Oficial [da República Federativa
do Brasil], Brasília, DF, 7 ago. 2003. Seção 1, p. 50.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 231

Agência Petrobras
Construção da Refinaria Abreu e Lima, em Ipojuca (PE), 2009

As ofertas de conteúdo local passaram a ter peso diversos agentes atuantes no setor de petróleo 2021 e de 59% para os módulos desta mesma eta-
de 40% na pontuação final das propostas das em- e gás natural do Brasil, diante da exigência de pa que iniciarem até 2022. Não houve definição
presas. As mesmas regras valeram também para conteúdo local mínimo nos contratos de conces- de percentuais máximos.378
a Sexta Rodada, realizada em 2004. Para a Sétima são dos blocos exploratórios. Em 2007, a cartilha
Rodada, em 2005, a ANP introduziu mais inova- foi retirada dos novos contratos de concessão e Um dos efeitos mais visíveis da dinâmica da in-
ções, como a definição de limites máximos para a incorporada a um regulamento da ANP,377 que dústria do petróleo na primeira década do século
oferta de conteúdo local, de modo a inibir a oferta determina sua utilização pelas certificadoras XXI foi o ressurgimento da indústria naval brasi-
de índices muito difíceis de serem cumpridos no credenciadas pela Agência para emitir os certi- leira, que havia sido uma das maiores do mundo
decorrer do contrato. Esta regra foi mantida pelo ficados de conteúdo local. O sistema começou a entre o final da década de 1960 e o início dos anos
CNPE para todas as rodadas seguintes realizadas vigorar em setembro de 2008 e já emitiu, em seis 1980, mas enfrentou forte declínio nas duas déca-
sob o modelo de concessão. anos, cerca de 45 mil certificados, que compro- das seguintes. Uma série de encomendas da Pe-
vam investimentos de aproximadamente R$ 42 trobras a estaleiros locais marcou essa retomada,
A novidade mais importante, porém, foi a Carti- bilhões na indústria nacional. no ano 2000. Com o lançamento do Programa
lha de Conteúdo Local, desenvolvida em 2004 no de Modernização e Expansão da Frota (Promef),
âmbito do Programa de Mobilização da Indústria Para a Rodada do Pré-Sal, realizada sob o modelo da Transpetro, em 2003, as encomendas de pla-
Nacional de Petróleo e Gás Natural (Prominp), de partilha em 2013, o conteúdo local mínimo exi- taformas, sondas, navios-petroleiros e navios de
criado em 2003 pelo Governo Federal. Sua ela- gido foi de 37% para fase de exploração e de 15% apoio foram ampliadas. O conteúdo local médio
boração atendeu à necessidade de se adotar para o teste de longa duração que será realizado de navios-petroleiros, embarcações de apoio e
uma forma única de medição que assegurasse nesta etapa; de 55% para os módulos da etapa de unidades de produção, depois de montados nos
uniformidade, transparência e credibilidade aos desenvolvimento que iniciarem a produção até estaleiros, fica acima dos 60%.

377. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Resolução nº 36, de 13 de novembro de 2007. Diário
Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília, DF, 16 nov. 2007. Seção 1, p. 26. Substituída pela Resolução nº 19/2013.
378. CONSELHO NACIONAL DE POLÍTICA ENERGÉTICA (Brasil). Resolução nº 5, de 25 de junho de 2013. Diário Oficial [da República Federativa
do Brasil], Brasília, DF, 4 jul. 2013. Seção 1, p. 1
232 Petróleo e Estado
Agência Petrobras

Centro de Pesquisas e Desenvolvimento da Petrobras (CENPES), na Ilha do Fundão, Cidade Universitária, Rio de Janeiro (RJ), 2010

Pesquisa, desenvolvimento e inovação


Já em 1998, a ANP introduziu nos contratos de con- mento à sua atribuição legal de prestar estímulo à nário; e no mínimo 50% devem ser investidos em
cessão a cláusula de Pesquisa, Desenvolvimento e pesquisa e às novas tecnologias na exploração, pro- universidades e instituições de pesquisa e desen-
Inovação (P,D&I), determinando que as empresas dução, transporte, refino e processamento de óleo. volvimento nacionais credenciadas pela ANP. As
petrolíferas concessionárias investissem – em seus Desde então, a cláusula de P,D&I gerou R$ 8,7 bi- regras valem para o sistema de concessão. A área
centros de pesquisa no Brasil ou em instituições de lhões em recursos para pesquisa e desenvolvimen- do polígono do pré-sal, sob o regime de partilha,
pesquisa nacionais – 1% da receita bruta que obtêm to nos setores de óleo, gás e de biocombustíveis, tem regulamentação específica. Já o contrato de
nos campos de grande produção e alta rentabili- sendo R$ 4,4 bilhões da Petrobras e, o restante, de cessão onerosa celebrado com a Petrobras, na
dade. Enquadram-se nessa categoria os campos 14 empresas. área correspondente ao aumento da participação
petrolíferos que pagam, além dos royalties, a par- da União no capital acionário da estatal petrolífe-
ticipação especial à União. Ao incluir essa exigência A cláusula de P,D&I define dois critérios para apli- ra, obriga a empresa a realizar despesas com pes-
nos contratos assinados pelas empresas vencedo- cação dos recursos: até 50% do total podem ser quisa e desenvolvimento, em valor equivalente a
ras das rodadas de licitações, a ANP deu cumpri- investidos nas instalações do próprio concessio- 0,5% da receita bruta anual da produção.
Capítulo 19 - Uma indústria que gera desenvolvimento 233

A regulamentação dessa cláusula, em 2005, TABELA 19.2 – OBRIGAÇÃO DE INVESTIMENTO EM P,D&I GERADA POR ANO – 1999/2013
permitiu às empresas mais flexibilidade para es-
truturar sua carteira de projetos, investindo di- ANO PETROBRAS OUTRAS CONCESSIONÁRIAS TOTAL (R$)
retamente nas instituições de pesquisa e desen-
volvimento.379 Por outro lado, as instituições de 1998 1.884.529 1.884.529

pesquisa cujos projetos foram aprovados pela 1999 29.002.556 29.002.556


Agência também passaram a se beneficiar com a
implantação de infraestrutura laboratorial, a for- 2000 94.197.339 94.197.339
mação de recursos humanos e até com a contra-
2001 127.274.445 127.274.445
tação de pessoal técnico-operacional e adminis-
trativo. Entre 2006 e 2014, cerca de R$ 3,9 bilhões 2002 263.536.939 263.536.939
foram autorizados pela Agência para aplicação
em mais de 1.200 projetos, em cerca de 90 insti- 2003 323.299.906 323.299.906

tuições de pesquisa, em 24 estados.


2004 392.585.953 11.117.686 403.703.639

A diversificação dos investimentos realizados en- 2005 506.529.318 2.279.136 508.808.454


tre 1998 e 2014 é responsável por várias inovações
2006 613.841.421 2.547.915 616.389.336
tecnológicas que resultaram em novas desco-
bertas e no desenvolvimento da produção. Com 2007 610.244.146 6.259.121 616.503.266
recursos de P,D&I foi possível construir e manter
equipamentos e centros de pesquisa de alta tec- 2008 853.726.089 7.132.144 860.858.233

nologia, como o Laboratório de Tecnologia Oce-


2009 633.024.264 5.858.020 638.882.284
ânica (LabOceano), o maior tanque oceânico do
mundo, capaz de reproduzir as condições oceâni- 2010 735.337.136 11.579.885 746.917.020
cas de mar aberto em escala reduzida. Construído
2011 990.480.683 41.416.212 1.031.896.895
em 2003 no Parque Tecnológico da Universidade
Federal do Rio de Janeiro, para avaliar a seguran- 2012 1.148.763.766 77.922.924 1.226.686.691
ça das plataformas em alto-mar, está agora sendo
utilizado em testes de geração de eletricidade a 2013 1.161.786.262 98.080.694 1.259.866.956
partir das ondas marítimas.
TOTAL 8.485.514.551 264.193.737 8.749.708.489

Fonte: ANP

379. AGÊNCIA NACIONAL DO PETRÓLEO, GÁS NATURAL E


BIOCOMBUSTÍVEIS (Brasil). Resolução nº 33, de 24 de novembro de
2005. Diário Oficial [da República Federativa do Brasil], Brasília,
DF, 25 nov. 2005. Seção 1, p. 61-63. Inclui como anexo o Regulamento
Técnico ANP nº 5/2005.
234 Petróleo e Estado

Diante do cenário de expansão da ativida- Já o Programa de Recursos Humanos da ANP lhões provenientes desta cláusula em outros
de exploratória, a ANP decidiu reformular as (PRH-ANP/MCTI) incentiva, desde 1999, a for- projetos de capacitação para profissionais de
regras iniciais da cláusula de P,D&I, para que mação e a capacitação de profissionais para o todos os níveis de escolaridade, como o PFRH
seus resultados sejam ainda mais relevantes. O setor de petróleo, gás natural e biocombustí- (Nível Técnico), PRH-Petrobras, Prominp,
contrato da 11ª Rodada de Licitações, realiza- veis. Este programa aplica recursos oriundos Centro de Instrução Almirante Graça Aranha
da em 2013, estabelece que 10% dos recursos dos royalties para estimular a inclusão de dis- (Ciaga), Centro de Instrução Almirante Braz
arrecadados por essa cláusula tenham como ciplinas específicas nos cursos de graduação, de Aguiar (Ciaba).
destino as empresas fornecedoras da indús- mestrado e doutorado. Mais de R$ 233 mi-
tria do petróleo, com o objetivo de fortalecer a lhões, na forma de 5.038 bolsas de estudo e
política de conteúdo local. O mesmo contrato taxas de bancada em 55 programas de nível
também prevê a criação de um comitê técni- superior, foram destinados a 32 instituições Recursos oriundos
co-científico que deverá estabelecer diretrizes em 16 estados do País, até 2013.
para a aplicação dos recursos de P,D&I, além
dos royalties e da
de preparar e divulgar anualmente uma rela- Recursos oriundos da Cláusula de P,D&I tam- cláusula de P,D&I
ção de áreas prioritárias, projetos de interesse bém passaram a subsidiar o PRH-ANP a par- são aplicados na
e temas relevantes em pesquisa, desenvolvi- tir de 2010. Desde então, a Agência também
mento e inovação para a indústria do setor. autorizou a aplicação de mais de R$ 890 mi-
capacitação de
profissionais
de todos os níveis
FIGURA 19.1 - PREVISÃO DE OBRIGAÇÃO DE INVESTIMENTOS EM P,D&I ACUMULADA de escolaridade.

35

30 Desde 2012, a ANP já autorizou o investimen-


25 to de R$ 370 milhões para o financiamento
de 2,3 mil bolsas dentro do programa Ciência
20
Sem Fronteiras, criado em 2011 pelo Gover-
15 no Federal. As bolsas são patrocinadas pelas
10 empresas concessionárias, através de acordo
de cooperação com a Coordenação de Aper-
5
feiçoamento de Pessoal de Nível Superior
0 (Capes) e o Conselho Nacional de Desen-
2014 2015 2016 2017 2018 2019 2020 2021 2022 2023
volvimento Científico e Tecnológico (CNPq).
Está prevista a oferta de outras 2,7 mil bolsas,
FONTE: ANP
no Brasil e no exterior, em áreas como: novas
tecnologias de engenharia construtiva, ciên-
Nota: Para efeito de cálculo considerou-se: US$ 107,96 o barril de petróleo (Brent); cias do mar, petróleo, gás e carvão mineral e
e R$ 2,29 a taxa média de câmbio do dólar, em novembro de 2013.