Você está na página 1de 23

FDRH/RS - Prova Instituto Geral de Perícias / RS (IGP/RS) –Perito Químico Forense

Quando as questões versarem sobre tema não pertinente a prova para Perito Criminal
Federal – Área 6 isto será comentado.
Letra C
A primeira lacuna é preenchida pela palavra “êxtase’, pois êstase não existe. A segunda lacuna
deve ser preenchida por “por que”, que deve ser usada sempre que estiverem escritas ou
subentendidas as palavras razão e motivo ( Ex: Não sei por que ele não foi aprovado). Por fim,
na última lacuna deve ser usado cujo, uma vez que este pronome relativo nunca deve ser
seguido de artigo, pois o artigo já está incluído no mesmo.

Letra C
I é incorreta, pois o autor claramente fala de uma mudança já em curso – “vivemos uma
incomparável mudança”. II é também errada, pois o autor é claramente contrário aos exemplos
citados, tendo-os como mal exemplos sobre como lidar com o envelhecimento. III é correta,
trazendo uma boa síntese das ideias do autor.
Letra D
O “lhes” da linha 26 se refere a “incautos” e não a “interesseiros”. “(d)eles” na linha 27 é uma
referência aos interesseiros, bem como “(n)eles” na mesma linha e “os” na linha seguinte.
Portanto, apenas I não é uma referência a “interesseiros”.

Letra B
A está correta, pois o adjetivo em questão é “mandante”. B é incorreta – o radical “demo” em
“demográfica” vem do grego e tem significado de “relativo a povo”, já em “demoníaco” temos
apenas uma mudança sobre a raiz “demon” que por sua vez vem do grego daemon, que era
originalmente usado para se referir a divindades inferiores. C é correta, pois o prefixo “re” não
aparece na palavra “vigoroso”. D é também certa – “anti” dá a ideia de contrário, enquanto
“ante”, a de “anterior”. Finalizando, E é correta – o advérbio é “plenamente”.

Letra B
I apresenta uma expressão que retoma as ideias apresentadas desde o primeiro parágrafo. “O
episódio” faz referência ao que é descrito no parágrafo anterior. “Os fatos” é uma referência
aos acontecimentos descritos anteriormente. Já IV não faz referência a nada anteriormente
citado.
Letra B
O trecho ficará assim: “Obviamente, tais transformações acontecerão progressivamente, mas
nem por isso deverão ocorrer sem a nossa vigilância e a nossa participação ativa”. Portanto,
são duas formas verbais a serem ajustadas.

Letra A
A da linha 21 é usada para separar a oração subordinada adjetiva explicativa (a oração que se
segue explica a expressão “condição indigna”) e as da linha 36 servem para isolar uma oração
subordinada adverbial (a frase isolada tem sentido de condição).

Letra E
“Incautos” se refere a “sem cautela”, “com falta de precaução”, e, portanto, a ideia de
precaução. Já “paradigma” é usado no sentido de “modelo constituído”, “modelo estabelecido”.

Letra C
I criaria, pois “aos” se tornaria “às” pela mudança para uma palavra feminina. II também criaria
a necessidade de vírgula, ausente, pois não se usa vírgula antes do pronome demonstrativo,
uma vez que não se usa artigo antes do mesmo. Já III não causa o aparecimento da vírgula,
pois “prescindir” rege a preposição “de” e não a preposição “a”.
Letra D
I não altera o sentido do texto. A ordem dos fatores não altera o sentido neste caso. A
alteração proposta em II deixa a frase estranha, mas nação altera o sentido.A mudança
proposta em III altera o sentido original da frase, tirando o foco das mentiras não terem efeito
nem nos enganadores, para o fato de nada se aplicar aos enganadores, conforme dá ideia a
nova redação.

Letra E
A funcionalidade apontada em I realmente existe no Windows: basta selecionar todos arquivos,
clicar em F2, renomear o primeiro escolhido e apertar Enter. A informação em II é correta – são
estes os 9 caracteres não permitidos, uma vez que são usados para controle dentro do
Sistema Operacional. III também é correta – é importante para o bom funcionamento do SO
que as pastas mantenham estes nomes originais.
Letra E
I é correta – a mudança altera todos os arquivos do tipo. II traz outra informação correta, que
permite que se aplique a todos os arquivos do tipo escolhido as preferências. A outra maneira
está enunciada em III. Logo, todas as informações são corretas.

Letra D
I é correta – quando a lixeira está cheia os arquivos mais antigos passam a ser excluídos
diretamente e espaço é liberado. II é também incorreta – nestes casos o Windows avisará que
o arquivo é maior que a Lixeira e perguntará se o usuário deseja excluí-lo definitivamente. Já III
traz uma correta informação.
Letra B
Shift+Enter serve para inserir uma nova linha sem começar com espaçamento de parágrafo
(quebra de linha). Ctrl + = coloca subscrito Ctrl + Shift + C, além de abrir a janela de trapaças
em The Sims, serve para copiar a formatação. Ctrl + Shift + F abre a janela de formatação de
fonte. Ctrl + Shift + + formata com sobrescrito (este + é o mesmo da tecla com =, não o do
teclado numérico). Ctrl + Shift + Enter adiciona uma página (quebra de seção). Ctrl + Shift + -
não tem função nenhuma, Ctrl + Shift + > aumenta o tamanho da fonte. Logo, a sequência é 3
– 6 – 8 – 5 – 2 – 1.

Letra C
I e II são verdadeiras. III é incorreta – para fazer o índice de ilsutrações deve-se ir em Inserir >
Legenda e não formatar com o estilo Legenda.
Letra C
A é incorreta – pressionar ESC no marcador não resulta em nada. A informação em B é
incorreta – as opções sugeridas não existem para isso. C é correta. D é também incorreta, pois
não é esta a opção que deve ser escolhida. As operações descritas em E também são
incorretas.

Letra B
Ctrl + D abre a janela de configuração de fontes, logo A é incorreta. B está correta. Ctrl + R não
exerce nenhuma função. Ctrl + Shift + M também não tem a função descrita em D e nem F11 a
função descrita em E.

Letra A
I está correta – a fórmula é equivalente a =soma(A1:A1048576). II está errada – a fórmula
mostrada só faz a média entre as duas células (para isso serve o ; na fórmula). III é também
incorreta – a fórmula mostrada multiplica a célula B2 da planilha Ativo pela célula B3 da
planilha atual.
Letra D
A sintaxe da função Se é SE(teste lógico; valor se verdadeiro, valor se falso). Se o valor da
célula for 10, o resultado do teste será F, pois 10 não é maior que 10, e isto fará a fhunção
devolver o valor de Passivo!G10.

Anulada
I está mal formulada, pois não se fala copiar de onde a fórmula, e isto prejudica a resolução da
questão.

As questões de 21 a 25 eram de Inglês, não presente nas provas de PCF até hoje
realizadas.

Letra A
O raciocínio é do tipo: p1 -> p2. Se p2 é F então p1 é necessariamente falso e a conclusão é
de que a campainha não tocou. A afirmação “todos os cachorros latem” é do tipo Afirmativa
Universal, logo o fato de um cachorro não latir já é uma negação desta premissa. É um
argumento do tipo Modus Tollens.
Letra C
A proposição é do tipo p <-> q e sua negação é a proposição ~(p<->q) que é equivalente a a
disjunção exclusiva p v q. Portanto a negação é “ou p ou q”. Portanto a opção correta é aquela
que aponta “ou Alfredo vai ao médico ou Alfredo está doente”.
~(p <-> q)  ( p v q) e (~q v ~p).  p v q

Letra B
A expressão deve ser convertida na proposição do tipo p v ~(p e q), onde p é “Carlito vai ao
parque de diversões” e q é “Florida não vai ao cinema”. Como podemos ver pela Tabela-
Verdade abaixo, a proposição composta é sempre verdadeira. Logo, trata-se de uma
tautologia.
p q p e q ~(p e q) p v ~(p e q)
V V V F V
V F F V V
F V F V V
F F F V V

Letra D
I é argumento inválido (se alguns cachorros pretos mordessem e nenhum gato mordesse as
duas primeiras proposições seriam C e a conclusão F). II é do tipo p ->q, ~q |= ~p, argumento
do Modus Tollens, e válido. III também é um argumento válido - a segunda premissa não é
importante e pela primeira premissa em conjunção com a terceira vemos que a conclusão é
verdadeira.
Letra E
Pela álgebra proposicional temos:
(~X -> Z) e (X->~Y) que equivale por transposição a:
(~Z -> X) e (X -> ~Y) que através do silogismo hipotético é o mesmo que
(~Z -> ~Y), que é o mesmo que, novamente por transposição
(Y -> Z) . Este último, por implicação material é o mesmo que
~Y v Z

As primeiras questões da parte específica eram de Criminalística, que nunca foi cobrada
em provas da PF. Por curiosidade, porém, as responderemos.

Letra D
As definições em III e IV são corretas. A definição em I é por demais abrangente, incluindo
questões (“estuda o criminoso”) fora da alçada da Criminalística. Já os exames de corpo de
delito, descritos em II não são parte da definição de Criminalística.
Letra E
Todos os itens são corretos e trazem questões importantes no levantamento de locais de
crimes.

Letra C
O exame em questão é de corpo de delito, que não pode ser suprido pela confissão do
acusado. É o que determina o CPP no seu Artigo 158.

Letra E
Segundo o CPP, Artigo 239: “Considera-se indício a circunstância conhecida e provada, que,
tendo relação com o fato, autorize, por indução, concluir-se a existência de outra ou outras
circunstâncias”.
Letra E
Todas as avaliações apresentadas são importantes e auxiliadas pelos procedimentos citados.

Também as questões de 36 a 40 tratam de assunto alienígena a prova do concurso da


PF, mas também, por curiosidade, serão resolvidas aqui.

Letra D
Trata-se da maceração, que assim como a putrefação é um fenômeno transformativo
destrutivo. Já mumificação e saponificação e são fenômenos conservadores.

Letra C
A definição de feridas contusas está em III. As definições em I e II não se encaixam nesta
espécie de feridas.
Letra A
Como não foram identificadas outras evidências, como zona de tatuagem e esfumaçamento e
câmaras de mina de Hoffman, conclui-se por um tiro de longa distância.

Letra E
A lei brasileira não estabelece nenhum prazo de gestação para que se caracterize o aborto,
bastando o fato da gestação e sua interrupção para caracterizar o aborto.

Letra C
Segundo o Artigo 129 do CP: caracteriza lesão corporal grave aquela que resulta em: I -
Incapacidade para as ocupações habituais, por mais de trinta dias; II - perigo de vida; III -
debilidade permanente de membro, sentido ou função; IV - aceleração de parto. Logo, a
alternativa C está contida no artigo em questão.

Letra C
A definição dada em A é de limite de quantificação e não de detecção. B traz a definição de
precisão e D traz a definição de exatidão (logo, foram invertidas). C está correta. A definição
correta de linearidade é é a capacidade de demonstrar que os resultados obtidos são
proporcionais à concentração do analito dentro de um intervalo especificado.
Letra C
A informação em C é incorreta, pois a água régia é feita pela mistura de ácido clorídrico (e não
sulfúrico) e nítrico. As demais informações são corretas.

Letra B
B está, ao contrário das demais alternativas, incorreta, pois o indicador não deve estar na faixa
de pH da amostra, e sim na faixa de equivalência da titulação.

Letra A
O UV-Vis tem maior sensibilidade do que o IV, sendo preferido para análises quantitativas para
esta concentração. Os compostos aromáticos são satisfatoriamente avaliados por UV-Vis, não
precisando de nenhuma reação adicional, como C sugere. A lei de Beer é válida em algumas
concentrações, tanto para IV quanto para UV, mas não é este o ponto principal aqui.
Letra D
A fluorimetria tem um limite de detecção inferior aos métodos de absorção. A emissão é
verificada em comprimentos de onda superiores aos de absorção, de forma que o comprimento
esperado não é inferior a 260 nm, faixa inferior da absorção, conforme o enunciado. C é
incorreta, pois o feixe usado é, sim, importante para o método. D é correta. E é incorreta, pois
os métodos de fosforescência é que exigem menores temperaturas.

Letra E
Lâmpadas de cátodo oco são usadas em absorção e não emissão, conforme a letra A.
Portanto, a informação correta é a apresentada pela alternativa E. Em B o erro está no fato de
que atomizadores eletrotérmicos não usarem gases como acetileno- óxido nitroso, próprios
para atomizadores de chama. Plasma indutivamente acoplado proporciona altas temperaturas,
ao contrário do que afirma C. D é também incorreta, pois a chama de ar não reduzirá as
interferências apontadas.
Letra A
A determinação da espessura de uma fibra polimérica é feita por microscopia de varredura
eletrônica (há outras técnicas disponíveis). A fluoxetina, componente de antidepressivos como
Prozac, precisa ser quantificada por uma técnica sensível, como HPLC. Arsênio é corretamente
determinado por EAA com geração de hidretos. A identificação de hidrocarbonetos em
amostras de solo por ser feita por técnicas simples, como CG ou mesmo CCD. A determinação
de aflotoxinas em amostras de fígado pode ser realizada com HPLC ou CG com um detector
adequado. A determinação de riboflavina em complexos vitamínicos é geralmente feita por
eletroforese capilar. Por fim, a determinação de tolueno em thinner pode ser feita por CG ou
mesmo CCD. A identificação correta é aquela presente em A.

Letra D
As fluoxetinas, cuja estrutura é dado abaixo, são compostos termicamente instáveis, de forma
que é melhor utilizar HPLC, com um detector como o de UV.
Letra C
As duas informações sobre a extração líquido-líquidos são desencontradas – primeiramente
porque nesta técnica se gera muito rejeito e segundo porque quanto mais etapas melhor a
separação. Sobre as informações da extração em fase sólida, C é correta, D é incorreta – o
analito fica retido na fase sólida e não na líquida, e E é incorreta, pois a técnica envolve
bastante manipulação da amostra e é de difícil reprodução.

Letra A
A está correta – é o que o teste de F abaixo do intervalo de confiança aponta. B é incorreta,
pois o teste F não serve para o objetivo indicado (para isso usa-se o teste Q). Em A o número
de graus de liberdade é 7 (n-1) e não 8. Pelo valor de F, com 95% de confiança não existe
diferença de precisão, e D é errada. E é incorreta, pois o teste F compara desvios e não
médias (para isso usar-se-ia, por exemplo, o teste t).
Letra D
O composto mais ácido é 4, que apresenta o Cl, elemento eletronegativo, que por indução faz
com que o H seja mais facilmente liberado da molécula, aumentando a acidez deste ácido
carboxílico. O próximo na lista é ácido carboxílico, que é mais ácido por ressonância e indução
do que os outros compostos. Depois vem o álcool, a cetona, e por fim o alcano.

Letra C
Trata-se da resolução, que também pode ser feita por outras técnicas, como cromatografia com
colunas quirais.
Letra D
A configuração é R. O grupo com maior prioridade é OH, seguido pelo COOH e por CH 3.
Trocando dois grupos para ficar mais claro (e duas trocas mantêm a configuração na projeção
de Fischer) para ficar mais claro, temos a configuração em R, conforma figura abaixo:

HO COOH

CH 3

Letra A
Trata-se de uma reação de esterificação, envolvendo um álcool e um ácido. O ácido que falta
só pode ser o HOOC – CH(CH3)CH3, ácido 2-metilpropanóico.
HO

Letra B
Deriva do triptofano. Esta questão está fora do programa para a PF.
Letra C
Pelos valores dos deslocamentos de prótons podemos descartar o 1-hexanol (seria esperado
um tripleto em 3,5 ppm e não um quarteto), o 2-hexanol (haveria um multipleto após 3,5 ppm) e
o 3 – hexanol (haveria um padrão diferente de deslocamento, com um multipleto após 3,5) e o
3-metil-3-pentanol (também um padrão diferente de deslocamentos). Só resta o 3,3-dimetil-2-
butanol, que de fato corresponde ao padrão de deslocamento de prótons:

1,1
OH
3.5

0.9 0,9

0,9

Também o padrão de C-13 bate com a estrutura:

17
OH
75

35
25 25

25

Do espectro de IV podemos confirmar as suspeitas sobre a identidade do composto,


-1
observando, por exemplo, o padrão dos estiramentos de H próximo a 3000 cm .

Letra E
Claramente é uma substituição eletrofílica, reação característica dos compostos aromáticos.
Letra D
Em 3,2g de O2 temos 0,1 mol de O2 e em 2,8g também temos 0,1 mols, logo a mistura é
equimolar. A pressão parcial de oxigênio é P = nRT/V = 0,2.0,082.300/1 = 2,46 atm. A
densidade, obviamente, é 6g/L. A pressão total da mistura é P = nRT/V = 0,2.0,082.300/1 =
4,92 atm e não 6 atm. A massa molar média é simplesmente 32g.0,1 + 28g.0,1/0,2 mol = 30
g/mol.

Letra A
Todas as informações são verdadeiras. Esta questão exigia conhecimentos (identidades
termodinâmicas) pouco prováveis para o concurso da PF.

Letra B
Basta fazer o cálculo: 1,11 = (10 – T)/(20-1) => T = 10 – 21,09 = -11,09 ºC.