Você está na página 1de 44

2018

Introdução às Componentes Simétricas

Fabrício Silveira Chaves

Sistemas de Potência II
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

Conteúdo do Curso

3. Componentes Simétricas – Sequência Positiva, Negativa e Zero

3.1. Teorema de Fortescue

3.2. Análise da Corrente de Sequência Zero

2
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

Conteúdo da Aula

Aula 3 Objetivos da Aula


Palavras-chave:
› Mostrar como se transforma a sequência a,b,c em 0,1,2
- Componentes › Apresentar para que serve este método
Simétricas
- Sequência 0, 1, 2

Itens Abordados
› Componentes Simétricas

3
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Considerações Iniciais Se o sistema for perfeitamente equilibrado,


somente é necessário analisar uma fase.
Sistema
Equilibrado As outras fases terão a mesma magnitude
com defasagem de 120°.

(1) Curto Circuito, 1997, (3) SEL University, 2006 4


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Considerações Iniciais
Sistema
Equilibrado Sistema
Desequilibrado

Os curto-circuitos geram
desbalanceamentos, dificultando
os cálculos.

(1) Curto Circuito, 1997, (3) SEL University, 2006 5


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Estudos de curto-circuito têm os seguintes objetivos gerais:


1) Ajustar relés de proteção e selecionar fusíveis.

2) Selecionar os disjuntores que irão interromper as correntes de curto.

3) Estimar as consequências das correntes de curto sobre cabos,


transformadores, seccionadoras, cabos para-raios, barramentos e outros
equipamentos elétricos.

4) Determinar sobretensões em vários pontos do sistema.

5) Permitir o dimensionamento de malhas de terra e de cabos para-raios.

6) Determinar as impedâncias corretas dos transformadores de força.

(5) Apostila UTFPR, 2017 6


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Tipos de Faltas (Curtos-circuitos) e Estatísticas

(5) Apostila UTFPR, 2017 7


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Tipos de Faltas (Curtos-circuitos) e Estatísticas

Relação das
Tipo de Curto-Circuito Frequência
Magnitudes
Trifásico 5% 100% Mais severo
Bifásico 15% 87%
Bifásico-terra 10% 87%
Fase-terra 70% 25% a 125%

(6) Sato, 2015 8


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Considerações Iniciais
Teorema de Fortescue
“Um sistema 3Φ de três fasores desbalanceados pode ser decomposto em
três sistemas 3Φ de três fasores balanceados chamados de
Componentes Simétricas de sequência positiva, negativa e zero.”

(1) Curto Circuito, 1997 9


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sistema Equilibrado
Sequência Positiva
de Fasesou abc
𝐼𝑎 = 𝐼∠0°
ABC 𝐼𝑏 = 𝐼∠ − 120°

C 𝐼𝑐 = 𝐼∠ + 120°
A
Considerando: 𝑎 = 1∠120°

B 𝐼𝑎 = 𝐼
𝐼𝑏 = 𝑎2 𝐼 = 𝑎2 𝐼𝑎
𝐼𝑐 = 𝑎𝐼 = 𝑎𝐼𝑎

(3) SEL University, 2006 10


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sistema Equilibrado
Sequência Negativa
de Fases ou cba
𝐼𝑎 = 𝐼∠0°
ACBou acb
𝐼𝑏 = 𝐼∠ + 120°
B 𝐼𝑐 = 𝐼∠ − 120°
A
Considerando: 𝑎 = 1∠120°

C 𝐼𝑎 = 𝐼
𝐼𝑏 = 𝑎𝐼 = 𝑎𝐼𝑎
𝐼𝑐 = 𝑎2 𝐼 = 𝑎2 𝐼𝑎

(3) SEL University, 2006 11


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sistema Equilibrado
Sequência Positiva ou abc Sequência Negativa ou cba ou acb

𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 = 0 Necessário para o sistema equilibrado, porém


𝑉𝑎 + 𝑉𝑏 + 𝑉𝑐 = 0 não indica que um sistema é equilibrado.

(3) SEL University, 2006 12


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas
𝐼𝑎 = 2 ∠0° 𝐴
Sistema Equilibrado
𝐼𝑏 = 2 ∠ − 120° 𝐴
𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 = 0 𝐼𝑐 = 2 ∠ + 120° 𝐴

𝐼𝑐 𝐼𝑐 𝐼𝑐
𝐼𝑎 + 𝐼𝑏
𝐼𝑎
=0
𝐼𝑎
𝐼𝑏
𝐼𝑏 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏

𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 =
2 ∠0°+ 2 ∠ − 120° + 2,0 ∠120° = 2 ∠ − 60°+ 2,0 ∠ + 120° = −2 ∠120°+ 2,0 ∠ + 120° =0

(3) SEL University, 2006 13


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Decomposição de um Sistema Desequilibrado

(3) SEL University, 2006 14


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Exemplo 1

Zero Positiva Negativa

𝐼𝑎0 = 𝐼𝑏0 = 𝐼𝑐0 𝐼𝑏1 = 𝑎2 𝐼𝑎1 𝐼𝑏2 = 𝑎𝐼𝑎2


𝐼𝑐1 = 𝑎𝐼𝑎1 𝐼𝑐2 = 𝑎2 𝐼𝑎2

𝐼𝑎0 = 2 ∠ − 120° 𝐼𝑎1 = 3 ∠180° 𝐼𝑎2 = 1 ∠90°


𝐼𝑏0 = 2 ∠ − 120° 𝐼𝑏1 = 3 ∠60° 𝐼𝑏2 = 1 ∠ − 150°
𝐼𝑐0 = 2 ∠ − 120° 𝐼𝑐1 = 3 ∠ − 60° 𝐼𝑐2 = 1 ∠ − 30°

𝑰𝒅𝒆𝒔𝒆𝒒𝒖𝒊𝒍𝒊𝒃𝒓𝒂𝒅𝒂 = 𝑰𝒔𝒆𝒒 𝟎 + 𝑰𝒔𝒆𝒒+ + 𝑰𝒔𝒆𝒒 − = ?


(1) Curto Circuito, 1997 15
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Exemplo 1 𝑰𝒅𝒆𝒔𝒆𝒒𝒖𝒊𝒍𝒊𝒃𝒓𝒂𝒅𝒂 = 𝑰𝒔𝒆𝒒 𝟎 + 𝑰𝒔𝒆𝒒 𝟏 + 𝑰𝒔𝒆𝒒 𝟐

Seq0 Seq1 (+) Seq2 (–) 𝐼𝑏2


𝐼𝑏1
𝐼𝑎0 𝐼𝑏0 𝐼𝑏1 𝐼𝑎2 𝐼𝑏0
𝐼𝑎2
𝐼𝑎1 𝐼𝑎1 𝐼𝑏
𝐼𝑐0 𝐼𝑏2 𝐼𝑎0

𝐼𝑐2
𝐼𝑎 𝐼𝑐1
𝐼𝑐1 𝐼𝑐2
Seq abc
Desequilibrada
𝐼𝑐 𝐼𝑐0

𝐼𝑎 = 4,066 ∠ − 169,6°
𝐼𝑏 = 0,518 ∠135°
𝐼𝑐 = 5,02 ∠ − 74,2°

(1) Curto Circuito, 1997 16


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sequência Positiva

(1) Curto Circuito, 1997 17


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sequência Negativa Real

(1) Curto Circuito, 1997 18


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sequência Negativa Modificada (Teorema de Fortescue)

(1) Curto Circuito, 1997 19


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Sequência Zero

(1) Curto Circuito, 1997 20


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas – Passos

Passo 1

𝐼𝑎0 = 𝐼𝑏0 = 𝐼𝑐0 𝐼𝑏1 = 𝑎2 𝐼𝑎1 𝐼𝑏2 = 𝑎𝐼𝑎2

𝐼𝑐1 = 𝑎𝐼𝑎1 𝐼𝑐2 = 𝑎2 𝐼𝑎2

(3) SEL University, 2006 21


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas – Passos

Passo 2 𝐼𝑑𝑒𝑠𝑒𝑞𝑢𝑖𝑙𝑖𝑏𝑟𝑎𝑑𝑎 = 𝐼𝑠𝑒𝑞 0 + 𝐼𝑠𝑒𝑞+ + 𝐼𝑠𝑒𝑞 −

𝐼𝑎 = 𝐼𝑎0 + 𝐼𝑎1 + 𝐼𝑎2 𝐼𝑎 = 𝐼𝑎0 + 𝐼𝑎1 + 𝐼𝑎2

𝐼𝑏 = 𝐼𝑏0 + 𝐼𝑏1 + 𝐼𝑏2 𝐼𝑏 = 𝐼𝑎0 + 𝑎2 𝐼𝑎1 + 𝑎𝐼𝑎2

𝐼𝑐 = 𝐼𝑐0 + 𝐼𝑐1 + 𝐼𝑐2 𝐼𝑐 = 𝐼𝑎0 + 𝑎𝐼𝑎1 + 𝑎2 𝐼𝑎2

Zero Positiva Negativa


𝐼𝑎0 = 𝐼𝑏0 = 𝐼𝑐0 𝐼𝑏1 = 𝑎2 𝐼𝑎1 𝐼𝑏2 = 𝑎𝐼𝑎2

𝐼𝑐1 = 𝑎𝐼𝑎1 𝐼𝑐2 = 𝑎2 𝐼𝑎2


(3) SEL University, 2006 22
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Equações Básicas para Tensão e Corrente

𝑉𝑎 = 𝑉𝑎0 + 𝑉𝑎1 + 𝑉𝑎2 𝐼𝑎 = 𝐼𝑎0 + 𝐼𝑎1 + 𝐼𝑎2

𝑉𝑏 = 𝑉𝑎0 + 𝑎2 𝑉𝑎1 + 𝑎𝑉𝑎2 𝐼𝑏 = 𝐼𝑎0 + 𝑎2 𝐼𝑎1 + 𝑎𝐼𝑎2

𝑉𝑐 = 𝑉𝑎0 + 𝑎𝑉𝑎1 + 𝑎2 𝑉𝑎2 𝐼𝑐 = 𝐼𝑎0 + 𝑎𝐼𝑎1 + 𝑎2 𝐼𝑎2

(3) SEL University, 2006 23


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Forma Matricial

𝐼𝑎 = 𝐼0 + 𝐼1 + 𝐼2
𝐼𝑎 1 1 1 𝐼0
𝐼𝑏 = 𝐼0 + 𝑎2 𝐼1 + 𝑎𝐼2 𝐼𝑏 = 1 𝑎2 𝑎 𝐼1
𝐼𝑐 1 𝑎 𝑎2 𝐼2
𝐼𝑐 = 𝐼0 + 𝑎𝐼1 + 𝑎2 𝐼2

1 1 1 Então
Se 𝑇= 1 𝑎2 𝑎 𝐼𝐹 = 𝑇 𝐼𝑆
1 𝑎 𝑎2

(3) SEL University, 2006 24


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3. Componentes Simétricas

Forma Matricial

𝐼𝐹 = 𝑇 𝐼𝑆 𝐼𝑠 = 𝑇 −1 𝐼𝐹

𝐼𝑜 𝐼𝑎
1 1 1 1 Então 1 1 1 1
Se 𝑇 −1 = 1 𝑎 𝑎2 𝐼1 = 1 𝑎 𝑎2 𝐼𝑏
3 3
1 𝑎2 𝑎 𝐼2 1 𝑎2 𝑎 𝐼𝑐
1
𝐼0 = 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐
3
1
𝐼1 = 𝐼𝑎 + 𝑎𝐼𝑏 + 𝑎2 𝐼𝑐
3
1
𝐼2 = 𝐼𝑎 + 𝑎2 𝐼𝑏 + 𝑎𝐼𝑐
3
(3) SEL University, 2006 25
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

Conteúdo da Aula

Aula 3-1 Objetivos da Aula


Palavras-chave:
› Apresentar o Teorema de Fortescue
- Componentes
Simétricas
- Sequência 0, 1, 2
- Equação Geral

Itens Abordados
› Teorema de Fortescue

26
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Considerações Iniciais
Teorema de Fortescue
“Um sistema 3Φ de três fasores desbalanceados pode ser decomposto em
três sistemas 3Φ de três fasores balanceados chamados de
Componentes Simétricas de sequência positiva, negativa e zero.”

(1) Curto Circuito, 1997 27


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Como transformar um sistema desequilibrado pertencente ao


“mundo das fases” no “mundo das sequências”?

𝑉𝐴𝐵𝐶 = 𝑇 ∙ 𝑉012
Mundo Atual Transformação
Mundo Novo
A, B, C 0, 1, 2 ou 0, +, –
𝑉012 = 𝑇 −1 ∙ 𝑉𝐴𝐵𝐶
1 1 1
1 1 1 1
𝑇 = 1 𝑎2 𝑎 𝑇 −1 = 1 𝑎 𝑎2
𝑎2 3
1 𝑎 1 𝑎2 𝑎

(2) Apostila Maria Helena Murta Vale (UFMG), 2003 28


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Como transformar um sistema desequilibrado pertencente ao


“mundo das fases” no “mundo das sequências”?

𝑉𝐴𝐵𝐶 = 𝑇 ∙ 𝑉012
Mundo Atual Transformação
Mundo Novo
A, B, C 0, 1, 2 ou 0, +, –
𝑉012 = 𝑇 −1 ∙ 𝑉𝐴𝐵𝐶

𝑉𝑎 𝑉0 𝑉𝑜 𝑉𝑎
1 1 1 1 1 1 1
𝑉𝑏 = 1 𝑎2 𝑎 𝑉1 𝑉1 = 1 𝑎 𝑎2 𝑉𝑏
3
𝑉𝑐 1 𝑎 𝑎2 𝑉2 𝑉2 1 𝑎2 𝑎 𝑉𝑐

(2) Apostila Maria Helena Murta Vale (UFMG), 2003 29


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Equação Geral 𝑉𝐹 = 𝑄𝐹 ∙ 𝑉𝑆
𝑉𝑎 1 1 1 1 1 𝑉𝑎0
𝑉𝑏 1 𝑎−1 𝑎−2 … 𝑎− 𝑘−1 𝑉𝑎1
𝑉𝑐 = 1 𝑎−2 𝑎−4 … 𝑎−2 𝑘−1 𝑉𝑎2
⋮ 1 ⋮ ⋮ … ⋮ ⋮
𝑉𝑘 1 𝑎− 𝑘−1
𝑎−2 𝑘−1
… 𝑎− 𝑘−1 𝑘−1 𝑉𝑎 𝑘−1

k é o número de fasores desbalanceados ou desequilibrados

› Sequência 0 = 0 ∙ 𝜃𝑐 = 0° Onde
› Sequência 1 = 1 ∙ 𝜃𝑐 = 120° 2𝜋 360°
𝜃𝑐 = =
𝑘 𝑘
› Sequência 2 = 2 ∙ 𝜃𝑐 = 240°

› Sequência k = 𝑘 − 1 𝜃𝑐
(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 30
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Equação Geral 𝑉𝐹 = 𝑄𝐹 ∙ 𝑉𝑆
𝑉𝑎 1 1 1 1 1 𝑉𝑎0
𝑉𝑏 1 𝑎−1 𝑎−2 … 𝑎− 𝑘−1 𝑉𝑎1
𝑉𝑐 = 1 𝑎−2 𝑎−4 … 𝑎−2 𝑘−1 𝑉𝑎2
⋮ 1 ⋮ ⋮ … ⋮ ⋮
𝑉𝑘 1 𝑎− 𝑘−1
𝑎−2 𝑘−1
… 𝑎− 𝑘−1 𝑘−1 𝑉𝑎 𝑘−1

𝑄𝐹 é a matriz complexa, conhecida como Matriz de Transformação de Fortescue

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 31


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Equação Geral 𝑉𝐹 = 𝑄𝐹 ∙ 𝑉𝑆
𝑉𝑎 1 1 1 1 1 𝑉𝑎0
𝑉𝑏 1 𝑎−1 𝑎−2 … 𝑎− 𝑘−1 𝑉𝑎1
𝑉𝑐 = 1 𝑎−2 𝑎−4 … 𝑎−2 𝑘−1 𝑉𝑎2
⋮ 1 ⋮ ⋮ … ⋮ ⋮
𝑉𝑘 1 𝑎− 𝑘−1
𝑎−2 𝑘−1
… 𝑎− 𝑘−1 𝑘−1 𝑉𝑎 𝑘−1

Para k = 3 (fases), tem-se:


𝑉𝑎 1 1 1 𝑉𝑎0 1 1 1 𝑉𝑎0
𝑉𝑏 = 1 𝑎−1 𝑎−2 𝑉𝑎1 = 1 𝑎2 𝑎 𝑉𝑎1
𝑉𝑐 1 𝑎−2 𝑎−4 𝑉𝑎2 1 𝑎 𝑎2 𝑉𝑎2

Onde: 𝑎−𝑚 = 𝑎 𝑘−𝑚 *Ver propriedades do operador 𝒂

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 32


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Equação para um Sistema Trifásico


𝑉𝐹 = 𝑄 ∙ 𝑉𝑆
𝑉𝑎 1 1 1 𝑉𝑎0
𝑉𝑏 = 1 𝑎2 𝑎 𝑉𝑎1
𝑉𝑐 1 𝑎 𝑎2 𝑉𝑎2
Onde
1 1 1
𝑄 = 1 𝑎2 𝑎
1 𝑎 𝑎2

𝑄 é a matriz de Fortescue ou Matriz de Transformação de Componentes Simétricas para


Sistemas Trifásicos

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 33


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue


−1
Equação Geral 𝑉𝑆 = 𝑄𝐹 ∙ 𝑉𝐹

𝑉𝑎0 1 1 1 … 1 𝑉𝑎
𝑉𝑎1 1 𝑎 1 𝑎2 … 𝑎 𝑘−1
1 𝑉𝑏
𝑉𝑎2 = 1 𝑎2 𝑎4 … 𝑎2 𝑘−1 𝑉𝑐
𝑘
⋮ ⋮ ⋮ ⋮ … ⋮ ⋮
𝑉𝑎 𝑘−1 1 𝑎 𝑘−1 𝑎2 𝑘−1
… 𝑎 𝑘−1 𝑘−1 𝑉𝑘

Para k = 3 (fases), tem-se:


𝑉𝑎𝑜 𝑉𝑎 𝑉𝑎
1 1 1 1
1 1 1 1
𝑉𝑎1 = 1 𝑎 𝑎2 𝑉𝑏 = 1 𝑎 𝑎2 𝑉𝑏
3 3
𝑉𝑎2 1 𝑎2 𝑎4 𝑉𝑐 1 𝑎2 𝑎 𝑉𝑐

Onde: 𝑎𝑚 = 𝑎− 𝑘−𝑚 *Ver propriedades do operador 𝒂

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 34


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue

Equação para um Sistema Trifásico


𝑉𝑆 = 𝑄−1 ∙ 𝑉𝐹
𝑉𝑎𝑜 𝑉𝑎
1 1 1 1
𝑉𝑎1 = 1 𝑎 𝑎2 𝑉𝑏
3
𝑉𝑎2 1 𝑎2 𝑎 𝑉𝑐
Onde
1 1 1 1
𝑄 −1 = 1 𝑎 𝑎2
3
1 𝑎2 𝑎

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 35


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas
𝑉𝑎0 1 1 1 … 1 𝑉𝑎
3.1. Teorema de Fortescue 𝑉𝑎1 1 1 𝑎1 𝑎2 … 𝑎 𝑘−1
𝑉𝑏
𝑉𝑎2 = 1 𝑎2 𝑎4 … 𝑎2 𝑘−1 𝑉𝑐
𝑘
⋮ ⋮ ⋮ ⋮ … ⋮ ⋮
𝑘−1
𝑉𝑎 𝑘−1 1 𝑎 𝑎2 𝑘−1 … 𝑎 𝑘−1 𝑘−1
𝑉𝑘
Observação Importante Matriz k x k

k fasores desequilibrados

Problema mais complexo?

𝑘 2 fasores
k conjuntos de k fasores equilibrados

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 36


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas
𝑉𝑎0 1 1 1 … 1 𝑉𝑎
3.1. Teorema de Fortescue 𝑉𝑎1 1 1 𝑎1 𝑎2 … 𝑎 𝑘−1
𝑉𝑏
𝑉𝑎2 = 1 𝑎2 𝑎4 … 𝑎2 𝑘−1 𝑉𝑐
𝑘
⋮ ⋮ ⋮ ⋮ … ⋮ ⋮
𝑘−1
𝑉𝑎 𝑘−1 1 𝑎 𝑎2 𝑘−1 … 𝑎 𝑘−1 𝑘−1
𝑉𝑘
Observação Importante Matriz k x k

Seq. 0 Seq. 1 Seq. 2 Seq. 3 Seq. k-1


𝑉𝑎 Calcular
𝑉𝑎𝑜 𝑉𝑎1 𝑉𝑎2 𝑉𝑎3 𝑘−1
k variáveis
𝑉𝑏0 𝑉𝑏1 𝑉𝑏2 𝑉𝑏3 𝑉𝑏 𝑘−1 Descobre-se
…………
𝑉𝑐0 𝑉𝑐1 𝑉𝑐2 𝑉𝑐3 𝑉𝑐 𝑘−1
diretamente com
⋮ ⋮ ⋮ ⋮ o operador

𝑉𝑘0 𝑉𝑘1 𝑉𝑘2 𝑉𝑘3 𝑉𝑘 𝑎 = 𝑒 𝑗𝜃𝑐
𝑘−1

0 ∙ 𝜃𝑐 1 ∙ 𝜃𝑐 2 ∙ 𝜃𝑐 3 ∙ 𝜃𝑐 𝑘 − 1 ∙ 𝜃𝑐 𝜃𝑐 =
360°
𝑘

k conjuntos

(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 37


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.1. Teorema de Fortescue 𝜃𝑐 =


360°
= 120°
3

Propriedades do operador 𝒂 𝑎 = 𝑒 𝑗𝜃𝑐 = 1∠𝜃𝑐 = 1∠120°

Nº Propriedade Descrição

1 𝑎−1 = 𝑒 −𝑗𝜃𝑐 = 1∠ −𝜃𝑐 Rotação de 𝜽𝒄 no sentido negativo


ou horário
2𝜋 ±𝑛𝑘 Rotação de ±𝟐𝝅𝒏 , voltando ao mesmo
2 𝑎 ±𝑛𝑘
= 𝑒 𝑗
𝑘 = 𝑒 ±𝑗2𝜋𝑛 = 1 = 𝑎0 lugar (𝒏 inteiro ≥ 0)

Rotação de −𝒎𝜽𝒄 é igual à rotação de


3 𝑎−𝑚 = 1 ∙ 𝑎−𝑚 = 𝑎𝑘 ∙ 𝑎−𝑚 = 𝑎 𝑘−𝑚
𝒌 − 𝒎 𝜽𝒄 𝟏 ≤ 𝒎 ≤ 𝒌 − 𝟏

4 𝑎𝑚 = 1 ∙ 𝑎𝑚 = 𝑎−𝑘 ∙ 𝑎𝑚 = 𝑎− 𝑘−𝑚 Rotação de 𝒎𝜽𝒄 é igual à rotação de


− 𝒌 − 𝒎 𝜽𝒄 𝟏 ≤ 𝒎 ≤ 𝒌 − 𝟏

5 1 + 𝑎−𝑚 + 𝑎−2𝑚 + ⋯ + 𝑎− 𝑘−1 𝑚


=0 Soma das k potências negativas de a,
múltiplas de m, é nula
Soma das k potências positivas de a,
6 1+𝑎 +𝑎 𝑚 2𝑚
+ ⋯+𝑎 𝑘−1 𝑚
=0 múltiplas de m, é nula
(4) Redes Elétricas, Clever Pereira (UFMG), 2015 38
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

Conteúdo da Aula

Aula 3-2 Objetivos da Aula


Palavras-chave:
› Apresentar para que serve as Componentes Simétricas
- Componentes › Mostrar as aplicações das Componentes Simétricas para Sistemas
Simétricas
- Sequência 0, 1, 2 Equilibrados no Sistema Elétrico de Potência
- Aplicações em
Sistemas
Equilibrados

Itens Abordados
› Análise da Sequência Zero
› Aplicações das Componentes Simétricas para Sistemas Equilibrados

39
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.2. Análise da Corrente de Sequência Zero

Sistema Trifásico Y aterrado ou com neutro

Pela LKC
𝐼𝑁 = 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐

Então
1 𝐼𝑁
Como 𝐼0 = 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 𝐼0 =
3 3

Só pode existir corrente de sequência zero


em um sistema com neutro ou aterrado.
(1) Curto Circuito, 1997 40
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.2. Análise da Corrente de Sequência Zero

Sistema Trifásico Y não aterrado e desequilibrado

Pela LKC
𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 = 0

Então
1
Como 𝐼0 = 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 𝐼0 = 0
3

Não há corrente de sequência zero.


Ela precisa de um circuito fechado para circular.
(1) Curto Circuito, 1997 41
Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.2. Análise da Corrente de Sequência Zero

Sistema Trifásico em ∆ desequilibrado

Pela LKC no
Super Nó
𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 = 0

Então
1
Como 𝐼0 = 𝐼𝑎 + 𝐼𝑏 + 𝐼𝑐 𝐼0 = 0
3

Não há corrente de sequência zero.

(1) Curto Circuito, 1997 42


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

3.2. Análise da Corrente de Sequência Zero

Exercício 1
Um condutor de uma linha 3Φ está aberto. A corrente que flui para uma
carga em Y pela linha “a” é de 25 A. Fazendo a corrente na linha “a”
como referência e supondo que seja a linha “c” aberta. Determinar as
componentes de sequência das correntes de linha.

(1) Curto Circuito, 1997 43


Sistemas de Potência II
Aula 3 – Introdução às Componentes Simétricas

Referências Bibliográficas

(1) KINDERMANN, Geraldo, Curto-Circuito, UFSC, Editora Sagra Luzzato, 2ª Edição – Porto
Alegre, 1997.
(2) VALE, Maria Helena Murta, Notas de Aula da Disciplina Análise de Sistemas Elétricos de
Potência, Curso de Engenharia Elétrica, UFMG, Belo Horizonte, 2003.
(3) SEL University, Introdução a Proteção de Sistemas Elétricos, 2006.
(4) Clever Pereira, Redes Elétricas no Domínio de Frequência, Editora Artliber, 1ª Edição,
2015.
(5) ALMEIDA, A.A.W. de, Sistemas de Potência – Notas de Aula, UTFPR, 190p, 2017.
(6) SATO, F., FREITAS, W., Análise de Curto-circuito e Princípios de Proteção em Sistemas de
Energia Elétrica, Elsevier Editora Ltda., 1ª Edição, 2015.

44