Você está na página 1de 9

Indice

Intodução..........................................................................4
Desenvolvimento..............................................................5
Sistema Geológico............................................................6

Estalactites calcárias........................................................6

Estalagmite.......................................................................6
Conclusão..........................................................................8
Bibliografia.......................................................................9

1
Agradecimentos
Agradecemos primeiramente a Deus pelo facto de nos conduzir ate o dia de
hoje com saúde e munido de uma certa capacidade capaz de desbruçar
sobre a tese.
Agradecemos aos nossos Pais que financiam os trabalhos, esperando
apenas éxito da nossa parte. Sem esquecer ao Camarada Professor porque
com esse trabalho conseguimos obter mais conhecimento sobre a matéria.

2
Objectivos
Greral:
Estudar o equlíbrio químico em processos.
Específico:
Conhecer àplicação prática do princípio de Le chatelier em sistemas
geológicos.

3
Introdução

Sabemos então que hoje as reações estudadas em química não resultam de uma
conversão completa de reagentes em produtos, pois todas elas podem alcançar um
equilíbrio, mesmo que isto nem sempre seja evidente.

No estado de equilíbrio a razão entre a concentração de reagentes e produtos é


constante. O que significa dizer que a velocidade da reação direta é igual á velocidade
da reação inversa e, por isso, não é mais observado modificações macroscópicas no
sistema em estudo.

Diz-se que o equilíbrio químico é dinâmico, pois as reações direta e inversa continuam a
ocorrer, com velocidades iguais, porem opostas.

Henri Louis Le Châtelier, químico e professor francês (1850 – 1936) estudou as


perturbações/fatores que influenciam a evolução do sistema reacional e é a ele que se
deve o Princípio de Le Châtelier , também conhecido como Princípio de Le
Chatelier-Braun, que cita:

“Se um sistema em equilíbrio é sujeito a uma variação na pressão, na temperatura ou


na quantidade química de um componente, haverá tendência para a evolução da reação
no sentido em que se reduz o efeito dessa alteração.”

4
Desenvolvimento

As concentrações das substancias em equilíbrio, numa determinada temperatura,


guardam entre si uma relação definida que é expressa pela equação genérica da
constante de equilíbrio, K

aA (aq) + bB(aq) cC (aq) + c=dD (aq) K=

A relação da concentração no equilíbrio químico, ou seja, a posição do equilíbrio é


independente da forma como este equilíbrio foi alcançado. Entretanto, esta posição é
alterada pela aplicação de forcas externas, que podem ser mudanças de temperatura, de
pressão ( se houve reagentes ou produtos gasosos) de volume ou na concentração total
de um reagente ou produto. O primeiro principio de Lê Chatelier estabelece que a
posição do equilíbrio sempre mudará na direção que contrabalancei ou minimize a ação
de uma forca externa aplicada ao sistema. Isto significa que se houver aumento da
temperatura de um sistema reacional, provoca-se a reação química que contribui para
resfriar o sistema (consumindo energia térmica). Ou ainda se houver aumento o
aumento proposital de um dado reagente ou produto, o equilíbrio favorecerá a reação de
consumo desta substancia em excesso ate que seja retomado um novo equilíbrio.

Este relatório terá como objetivo identificar o principio de Lechatelier em experimentos


simples que demonstrem e reforcem o conceito de equilíbrio químico.

NH4Cl(s) NH4+(aq) + Cl-

Durante a realização deste procedimento pode-se observarque o tubo de ensaio de certa


forma “gelou” causando assim o que conhecemos por reação endotérmica, e pela adição
do íon comum pode-se afirmar que a solubilidade do sal diminuiu causando o
deslocamento do equilíbrio para a esquerda.

No que se se refere ao deslocamento do equilíbrio em reações ácido-base e efeito do íon


cromato/íon dicromato observou-se que, o tubo contendo a solução (dicromato+HCl)
também ocorreu uma reação endotérmica o mesmo ocorreu ao misturarmos dicromato e
água sendo que neste a coloração não mudou, a concentração de íons provenientes do
dicromato (Cr2O2-7) prevaleceu, e o equilíbrio se deslocou para direita a solução
adquirindo cor laranja. A reação é descrita por:

2CrO42- + 2H3O+ 2O7-2 + 3H2O

5
Sistema Geológico

Os sistemas geológicos sáo deslocamentos do eqilibrio químico a sistema como por


exemplo Estalactite e Estalagmites em grutas

Estalactites calcárias
As estalactites mais comuns são os espeleotemas , que ocorrem em cavernas
de calcário . Eles se formam através da deposição de carbonato de cálcio e outros
minerais, que é precipitado de soluções de água mineralizada . O calcário é a principal
forma de rocha de carbonato de cálcio que é dissolvida pela água que contém dióxido de
carbono , formando uma solução de bicarbonato de cálcio em cavernas subterrâneas.

Estalagmite
Estalagmite (a partir do grego - stalagmias , "soltando, gotejando" ) é um tipo de
formação rochosa que se eleva do chão de uma cavernadevido ao acúmulo de
material depositado no chão dos gotejamentos do teto . As estalagmites podem ser
compostas de lava , minerais , lama , turfa , piche , areia , sinter e amberat (urina
cristalizada de ratos de pacote )

Espeleotemas ( / s p i l i do ə q ɛ m / ; do grego : "depósito caverna"), vulgarmente


conhecido como formações de caverna , são depósitos minerais secundárias formadas
numa caverna . Os espeleotemas normalmente se formam em cavernas solitárias
de calcário ou dolostona .

A formação das estalactites e estalagmites é produto de um interessante conjunto de


reações químicas. As cavernas são normalmente criadas quando o calcário (constituinte

das rochas) sofre erosão pelas águas da chuva infiltradas através do solo. A rocha
calcária é composta de carbonato de cálcio, CaCO3, que se dissolve em água, formando
íons:

CaCO3 (sólido) Û Ca+2 + CO3-2 (solução aquosa)

Entretanto, esta dissolução ocorre muito lentamente. Um litro de água, à temperatura


ambiente, pode dissolver somente 0,014g de calcário, o que corresponde ao tamanho de
um grão de arroz. Uma maior quantidade de calcário pode ser dissolvido se a solução
for ácida, o que ocorre quando o CO2 reage com a água. A água da chuva contém uma
pequena quantidade de CO2 que é absorvido da atmosfera. Quando esta penetra através
do solo, absorve mais CO2, proveniente da decomposição de matéria orgânica (animal e
vegetal).

6
H2O
CO2(g) Û CO2(aq)

O gás carbônico combina-se com a água para formar o ácido carbônico, H2CO3. Este,
reage com o calcário produzindo uma solução de íons:

CO2(aq) + H2O(l) Û H2CO3(aq)

H2CO3(aq) Û H+(aq) + HCO3–(aq)

O íon H+ reage com o calcário sólido, produzindo íons solúveis:

H+(aq) + CaCO3(s) Û Ca+2(aq) + HCO3–(aq)

A solução moderadamente ácida, corrói o calcário, fazendo surgir buracos alagados e


cavidades. O gotejo contínuo da água que se infiltra através do solo ocasiona a
formação de novas estalactites e estalagmites.

Após a passagem através do calcário, a água fica rica em íons. Se uma gota surge
através do teto da caverna, algum CaCO3sólido pode se depositar. Entretanto, esse
depósito não é causado pela simples evaporação da água, já que a umidade relativa na
maioria das cavernas é de 100%, condição que efetivamente impede a evaporação.

Assim que a gota adere ao teto perde certa quantidade do seu CO2, porque o nível deste
no ar da caverna é relativamente baixo. Isto faz com que a reação se reverta. A solução
torna-se menos ácida fazendo com que a água segure menos calcário dissolvido e o
mineral original reaparece como uma pequena gota de CaCO3 sólido.

Progressivamente, gota após gota, forma-se um tubo oco pendurado no teto, como um
canudo. O estalactite formado pode crescer a um comprimento de 1 m ou mais; o
recorde é de 6 m (Caverna Easter, Augusta, Austrália).

A estalactite começa como um delicado canudo, mais tarde passa a ser uma sólida
coluna. Geralmente, o crescimento é de 0,2 mm por ano. O interior da cavidade da
estalactite nova, geralmente, torna-se carregado com areia ou fungos

. A água, forçada a escorrer pelo exterior do tubo, aumenta a espessura do canudo, com
adição de novos depósitos. A estalactite cresce até se assemelhar a uma massa pendente
gigantesca. O abundante mineral goteja no chão, liberando CO2 assim que respinga.
Mais carbonato de cálcio é depositado, lentamente construindo as estalagmites. Às
vezes, as duas formações crescem juntas, produzindo colunas contínuas.

7
Conclusão

Depois de um estudo Geológico concluuimos que o calcário pode ser corroído e assim
formar as grutas e as cavernas. Nessas condições, a água passa a ter uma elevada
quantidade de íons de cálcio, formando a famosa água dura. Na reação apresentada
pode-se fazer a sua inversão por aquecimento, ou evaporação natural da água. Trata-se
de um simples deslocamento de equilíbrio, que pode ser explicado pelo Princípio de Le
Chatelier.

Se no teto ocorrer um acúmulo de água dura, poderão ocorrer dois fenômenos bastante
curiosos.

Algumas gotas não caem. Com a própria evaporação lenta da água, a reação da equação
desloca-se para a esquerda, com a formação de precipitado de CaCO3. Assim, ao longo
dos milhares de anos, formou-se as tão conhecidas e chamadas Estalactites.

Outras gotas caem durante milhares de anos. Nesse caso, o processo de evap oração da
água e precipitação do sal ocorre no próprio solo, originando outras formações calcárias,
chamadas e conhecidas c omo Estalagmites.

8
Bibliografia

www.wordreference.com/definicion/estalactita

en.wikipedia.org/wiki/Stalactite

www.pregaria.cat/.../el-post-de-les-9/ estalactites

www.khanacademy.org/.../v/ le-chatelier-s –princípio

www.monografias.com/.../equilibrio-quimico.shtml