Você está na página 1de 18

INSTITUTO SUPERIOR DE EDUCAÇÃO DA PARAÍBA – IESP

CURSO: PSICOLOGIA
TURNO: MANHÃ/NOITE
DISCIPLINA: TEORIAS E SISTEMAS
SEMESTRE: 2018.1 CARGA HORÁRIA: 60 HS
PROFA. MARIA DA PENHA DE LIMA COUTINHO
TEORIA COMPORTAMENTAL
(BEHAVIORISTA)

Início do século XX, a Psicologia buscava seu reconhecimento como ciência.


Os behavioristas foram os primeiros pesquisadores dos comportamento observáveis, direta ou
indiretamente, constituindo-se a partir de então, uma ciência autônoma, objetiva e, sobretudo,
experimental.

A Psicologia passa a utilizar outros métodos que não só a introspecção, como por exemplo, o da
observação, passando a quantificar, descrever o comportamento enquanto relação causa/efeito.

O termo behaviorismo foi inaugurado por John B. Watson (1878 - 1958), quando publicou um
artigo em 1913, intitulado “Psicologia: como os behavioristas a veem”.
Watson, ao postular o comportamento como objeto da Psicologia, dava a essa ciência a
consistência que os psicólogos da época vinham buscando – um objeto observável, mensurável,
cujos experimentos poderiam ser reproduzidos em diferentes condições e com diferentes sujeitos.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)
 De acordo com a teoria de Watson, os comportamentos constituiriam então a resposta de um indivíduo a
um determinado estímulo, sendo este último representado por um E que pode ser do tipo: (interno)
(movimentos dos músculos, secreções das glândulas, ou seja, as nossas alterações corporais) e (externo
(raios luminosos, ondas sonoras, vento, etc.).
 Por estímulo entende-se o conjunto de excitações que agem sobre um indivíduo de forma a provocar uma
resposta. É claro que todo o estímulo tem um limiar e um limite, por exemplo: o nosso organismo não reage
a ultra-sons, apenas a sons dentro da gama de frequências apropriadas ao ser humano.
 Quanto às respostas, podemos afirmar que se refere a tudo o que um indivíduo faz. É o conjunto de
reações concretas e observáveis no indivíduo, que derivam da relação complexa entre diferentes estímulos
provenientes do meio físico em que está inserido o sujeito, dando-se em função da situação. Seria possível
então ao psicólogo, através do estímulo, prever o comportamento que lhe estaria associado.

 E R
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)
Watson era adepto do funcionalismo, para ele o comportamento devia ser estudado como função
de certas variáveis do meio.

Para Watson, nós somos o que fazemos, e o que nós fazemos é o que o meio nos permite fazer.
Neste sentido, os indivíduos não são pessoalmente responsáveis pelos seus atos, dado que são
produto do meio em que vivem.

Neste contexto, os comportamentos são nada mais, nada menos, que aprendizagens
condicionadas pelo ambiente à sua volta. São respostas que podem ser explícitas (diretamente
observáveis) e/ou implícitas (não observáveis pelos outros).

É a partir dos comportamentos mais simples e mais elementares – e, portanto, comuns tanto a ser
humanos como a animais –, que se compreendem os comportamentos mais complexos, sendo
possível tirar conclusões explícitas a partir do desenvolvimento de pesquisas em animais.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)
A hereditariedade é, assim, posta de lado, valorizando-se
unicamente a influência do meio, do contexto social, ou seja, a
educação.

O behaviorismo de Watson sofreu modificações ao longo do tempo.


No início se entendia comportamento como uma ação isolada do
indivíduo. Atualmente, como interações entre o individuo e o
ambiente, entre as ações do indivíduo (resposta) e o ambiente
(estimulações).

O representante do behaviorismo do século XX que mais levou a


crença na possibilidade de controlar e moldar o comportamento
humano foi o norte-americano Burrhus Frederic Skinner (1904-1990).
Sua obra é a expressão mais célebre do behaviorismo, corrente que
dominou o pensamento e a prática da psicologia, em escolas e
consultórios, até os anos 1950.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

O Comportamento passa a ser o ponto de partida para uma ciência do comportamento. O ser humano começa a ser estudado a partir de
sua interação com o ambiente, sendo considerado como produto e produtor dessa interação.

Os comportamentos foram classificados por Skinner como: comportamentos reflexos, voluntários e comportamentos operantes.

O comportamento reflexo é aquele em que o indivíduo age involuntariamente.

Já o comportamento voluntário é uma ação consciente do indivíduo em relação a algum fato que ocorre no ambiente.

Enquanto o comportamento operante é aquele que tem o estímulo emitido pelo ambiente e este desencadeia um comportamento
observável.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

 Segundo Skinner todo comportamento humano poderia ser moldado ao se controlar os estímulos
do meio ambiente.
 De acordo com sua teoria, seria possível criar ou excluir comportamentos ao inserir ou eliminar
estímulos no meio ambiente.
 Os estímulos do meio foram identificados e denominados pelo psicólogo behaviorista como:
reforço positivo, reforço negativo e punição.

 O reforço positivo é o estímulo aplicado a um organismo logo depois deste ter emitido um
comportamento desejado. Assim, há maior probabilidade de que esse comportamento se repita.
 No reforço negativo, o estímulo aversivo é retirado com a finalidade de que seja mais provável a
repetição do comportamento desejado.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

REFORÇAMENTO E PUNIÇÃO

Ações são mantidas, ou não, pelas consequências que produzem no meio ambiente.
Essas consequências são denominadas reforçadoras quando aumentam a frequência de emissão das
respostas e punidoras ou aversivas quando diminuem.
No reforço negativo, dois processos merecem destaque: a esquiva e a fuga.

A Esquiva é um processo no qual os estímulos aversivos condicionados e incondicionados estão


separados por um intervalo de tempo apreciável, permitindo que o indivíduo execute um
comportamento que previna a ocorrência ou reduza a magnitude do segundo estímulo.

Fuga nesse processo, o comportamento reforçador é aquele que termina com um aversivo já em
andamento.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)
 Reforços primários, são aqueles que servem para toda espécie, como por exemplo, água, alimento e
afeto.
 Reforços secundários, são aqueles que adquiriram a função reforçadora quando pareados
temporalmente com os primários.
 Em geral tornam-se reforços generalizados, como o dinheiro e a aprovação social que reforçam,
grande parte do repertório comportamental.

 CONTROLE DE ESTÍMULOS:
 Discriminação e a Generalização.
 Discriminação de estímulos : quando uma resposta se mantém na presença de um estímulo, mas sofre
certo grau de extinção na presença de outro.
 Generalização : é quando um estímulo adquire controle sobre uma resposta devido ao reforço na
presença de um estímulo similar, mas diferente.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

 No final do século XIX e no início do século XX, um fisiologista

russo chamado Ivan Pavlov (1849-1936), ao estudar a fisiologia do


sistema gastrointestinal, fez uma das grandes descobertas
científicas da atualidade: o reflexo condicionado.

 Foi uma das primeiras abordagens realmente objetivas e


científicas ao estudo da aprendizagem. Pavlov inaugurava, assim,
a psicologia científica, acoplando-a à neurofisiologia. Por seus
trabalhos, recebeu o prêmio Nobel concedido na área de Medicina
e Fisiologia em 1904.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

O medo e a ansiedade
Medo e ansiedade são sensações muito comuns e agem como uma sinalização de perigo desencadeando uma
resposta adequada e bem adaptada.

A Ansiedade é uma das emoções mais perturbadoras que as pessoas podem sentir. É, algumas vezes, chamada
de medo ou nervosismo.

A ansiedade é uma sensação desagradável, uma inquietação interna, uma preocupação exagerada com o futuro.
Isso tudo vem acompanhado de sensações corporais como a boca seca, aperto no peito, coração acelerado,
suores, calafrios, tremores, formigamentos, tensão muscular, insônia.

Acontecimentos, positivos e negativos, importantes da vida (ambiente) podem contribuir para o surgimento da
Ansiedade, principalmente quando os indivíduos enfrentam experiências difíceis e aversivas no cotidiano.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

Quando há intenso sofrimento emocional e prejuízos na dinâmica de vida atual do indivíduo,

A Ansiedade pode configura-se em um Transtorno de Ansiedade, que inclui: Fobias (medo de


pessoas, coisas ou situações específicas, tais como: eventos sociais, pessoas, alturas, elevadores,
insetos, voar de avião, entre outros);

Transtorno de Pânico (sentimentos intensos de ansiedade, nos quais as pessoas, muito


frequentemente, sentem estar prestes a morrer ou a enlouquecer);

Transtorno de Estresse Pós-Traumático (lembranças repetitivas de traumas terríveis com altos


níveis de sofrimento);

Transtorno Obsessivo-Compulsivo (pensar e fazer coisas repetidamente) e


Transtorno da Ansiedade Generalizada (uma mistura de preocupações e sintomas de ansiedade
experimentados a maior parte do tempo).
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

O medo é compreendido como um estado emocional que surge em resposta a consciência perante uma
ameaça real ou percebida.

O aumento do batimento cardíaco, a aceleração da respiração e a contração muscular são algumas das
características físicas desencadeadas pelo medo.

Fobia é um sentimento exagerado de medo e aversão por algo ou alguém.

Quando o medo passa a ser patológico, ou seja, quando afeta profundamente um indivíduo no âmbito físico,
psicológico e social, os psicólogos podem diagnosticar a pessoa como portadora de uma fobia.
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

Diferentes tipos de fobias:


medo de palhaços (coulrofobia ),
 medo de gatos (elurofobia),
medo de tomar banho (ablutofobia),
medo de altura (acrofobia),
medo de não ter fobias (afobias),
medo de ser tocado (afefobia),
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

 Papyrofobia é o medo irracional de papéis.


 Metrofobia é o medo irracional de poemas e poesias.
 Efebofobia é o medo irracional que algumas pessoas sentem de estar próximas de outras
pessoas mais jovens.
 Somnifobia é o medo de dormir. As pessoas com essa fobia temem nunca mais acordar,
caso durmam, ou que acordem com algum tipo de doença mental.
 Onomatofobia é o medo irracional de pronunciar ou escutar algumas palavras.
 Fobofobia é o "medo de sentir medo". São pessoas que tem medo de descobrir que
possuem algum tipo de fobia e que esta possa mudar a sua qualidade de vida.
 Filofobia é o "medo de amar".
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

Sintomas Físicos:
batimento cardíaco acelerado;
boca seca;
cansaço fácil;
dificuldade para engolir ou “bola na garganta”;
esquiva de lugares que estimulam a ansiedade;
facilmente assustado;inquietação;
náusea, diarréia ou problemas estomacais;
respiração superficial;
rubores (calores) ou calafrios;
tensão muscular, dores musculares;
tonteira, vertigem;
transpiração não devido ao calor; mãos suadas;
tremores, espasmos musculares;
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

 Sintomas Cognitivos:
 dificuldade de concentração;
 dificuldade de pegar no sono ou dormir;
 incapacidade de lidar com dificuldades;
 irritabilidade;
 nervosismo;
 pensamentos freqüentes de perigo;
 pensamentos freqüentes de que algo terrível irá acontecer;
 preocupação freqüente;
 sentindo-se tenso ou excitado;
TEORIA COMPORTAMENTAL (BEHAVIORISTA)

 BEHAVIORISMO: SUA APLICAÇÃO


 - Educação;
 - Treinamento de Empresas;
 - Clínicas psicológicas;
 - Publicidades e outras.