Você está na página 1de 21

ANT, Multiplicidade e Política 1

John Law * e Vicky Singleton **

* Departamento de Sociologia da Faculdade de Ciências Sociais,


Universidade Aberta, Walton Hall, Milton Keynes MK7 6AA ( john.law@open.ac.uk
)

* * Centro de Estudos de Ciência e Centro de Estudos de Gênero e das Mulheres. Departamento de


Sociologia da Universidade de Lancaster, Lancaster LA1 4YN

(21 de fevereiro de 2015; LawSingleton2014ANTMultiplicityPolicy.pdf) Uma versão

anterior deste artigo foi apresentado na 8 º Conferência Internacional em Interpretativo

Análise Política, Sociedades em Conflito: Especialistas, Públicos e Democracia;

Universidade de Viena, 3 rd- 5 º Julho de 2013

Esta versão foi publicada por heterogeneities.net em 21 de Fevereiro de 2015,


http://www.heterogeneities.net/publications/LawSingleton2014ANTMultiplicityPolicy.pdf Por favor, reconhecer e citar
qualquer utilização desta publicação on-line

1 Somos gratos aos amigos e colegas incluindo Annemarie Mol, Ingunn Moser, Helen Verran e Karel Williams para o seu mix de

perguntas, comentários, conselhos, colaborações e resistências.


Introdução
Começamos com um exemplo de política em ação - uma história sobre a febre aftosa.

Este veio para a Inglaterra em 2001. Descoberto em um matadouro em Essex perto de Londres em 19 de fevereiro º, esta condição animal

altamente infecciosa foi atribuída a uma fazenda de porcos mal executado perto de Newcastle upon Tyne, no nordeste da Inglaterra em 22 de

Fevereiro nd. Mas pelo tempo que os veterinários tinha encontrado, ele já havia saltado para ovelhas em fazendas próximas, e as ovelhas, apenas

19 deles, tinha sido transportado para um enorme mercado em Longtown perto da fronteira escocesa. Lá, e misturado com 24.500 outras

ovelhas, que tinha sido vendido a 181 compradores de todo o Reino Unido. No dia 23 rd movimentos Fevereiro de ovelhas, vacas e porcos em

todo o Reino Unido foram parados. Mas os veterinários sabia que era tarde demais. em 24 de º pé de Fevereiro e boca foi descoberto no extremo

sudoeste da Inglaterra. Dentro de uma semana, havia dezenove surtos. E, a 4 de março º, duas semanas em diante, havia sessenta e sete

explorações infectadas em toda a Inglaterra e Escócia, e este foi apenas o começo.

Foi para levar seis meses para erradicar a doença, que infectou duas mil fazendas, e cerca de seis milhões de animais foram abatidos.

O surto custar ao governo do Reino Unido cerca de £ 3 bilhões, e o custo econômico total foi de cerca de £ 8 bilhões. O surto trouxe dor

e perda de muitas comunidades rurais; causou indignação e horror nas cidades onde as piras queima de carcaças de animais em telas

de TV do país se tornou um ícone do desastre. 2 Ao longo do caminho, como a epidemia continuou a crescer durante o inverno mais

tarde e na primavera, tornou-se um escândalo político e estratégico. Em Abril, o primeiro-ministro, Tony Blair, mobilizada aparelho de

emergência central do Reino Unido, o Briefing quarto Cabinet Office, e assumiu o controle direto da resposta política. Muitos acreditam

que esta abordagem muscular salvou o dia. Outros - contamos a nós mesmos entre eles - não o fazem.

Esta história de febre aftosa não é nova, mas nós revisitá-la, porque vamos usá-lo para pensar sobre Teoria Ator-Rede (ANT) e como este

último pode se relacionar com a política. ANT foi desenvolvido na década de 1980 por Michel Callon, Bruno Latour e Law John em grande

medida para entender a inovação científica e mudança tecnológica, embora desde então, tem viajado muito para muitos outros - embora não

principalmente de política - áreas. Então, qual é ANT? Em 1999, Bruno Latour argumentou que, apesar do nome, não conta como um teoria. 3 Certamente

não é previsível, e não oferece leis sociais. Mas se isso não é uma teoria, então o que é? Uma resposta plausível é que ele é um conjunto de

ferramentas para pensar e estudar o social; 4 mais particularmente, que é um conjunto de ferramentas para criação de gráficos práticas de

associação. Voltaremos a isso em um momento. Mas queremos argumentar que é outra coisa também. Devidamente tratada também a é

sensibilidade crítica ambos analiticamente e politicamente. Torna-se uma forma de energeticamente desfazer de outra forma
dificultar premissas tomadas como certas: sobre a social e a natural; sobre a

mundo; sobre política; e vamos discutir aqui, sobre política. É - ou pode ser - uma maneira de fazer

2 As causas do surto da doença eo processo de controlá-lo foram objecto de uma série de relatórios oficiais, incluindo, nomeadamente: Febre
Aftosa 2001: lições a serem aprendidas Inquérito (2002); National Audit Office (2002); Royal Society of Edinburgh (2002); Royal Society
(2002). Há também uma grande literatura das ciências sociais sobre o surto. publicações representativos incluem: Bickerstaff e Simmons
(2004); Campbell e Lee (2003); Convery et al. (2005); Convery et al. (2008); Döring e Nerlich (2009); Lei (2006); Nerlich (2004); Nerlich (2006);
Ward, Donaldson e Lowe (2004); Woods (2004).

3 Latour (1999).
4 Law (2008).
ondas. Para usar a frase de feminista tecnociência estudioso Donna Haraway, é potencialmente uma forma de

fazendo a diferença. 5

Devemos o próprio termo, 'Teoria Ator-Rede', às tentativas de Michel Callon de entender falhou inovações industriais como o
veículo elétrico francês que (ele mostrou) era uma confusão de pessoas e teorias e física e eletrodos e políticas que singularmente
não conseguiu gel. 6 Sua pergunta era: como devemos pensar sobre essa complexidade? O que devemos chamar isso de maneira
estranha de traçar as relações? Pensando sobre esta questão levou-o a falar sobre 'la théorie de l'acteur reseau' ou 'Teoria
Ator-Rede'. Por este termo? Uma resposta é que era uma oxímoro, uma contradição em termos. Como poderia um ator também ser
uma rede? A suposição convencional era que um ator foi um local, um ponto, um lugar, um local de acção. Pode ser em uma rede,
mas não era uma rede própria. Mas isso foi precisamente o ponto. prazo de Callon quebrou a divisão, muitas vezes considerada
crucial na sociologia, entre agência e estrutura. Por esta razão, foi chocante.

Embora muitos na ciência social ainda fazer a distinção entre 'macro' e 'micro', já não é obviamente estranho dizer que um ator é
também uma rede. Talvez, então, devemos dizer que a teoria ator-rede tem sido um projeto bem sucedido. Isso pode estar certo,
mas este sucesso foi comprado a um preço, porque há um caso para dizer que ANT foi sufocado pelo seu próprio sucesso, perdeu
muito de seu poder de chocar e tornar-se a sua própria ortodoxia intelectual. Este, queremos sugerir, é ruim para a Teoria
Ator-Rede, mas também ruim para pensar sobre questões substantivas incluindo a política. É bom o suficiente para Aplique ANT à
política? É algum tipo de fórmula que pode, de fato, ser aplicado? Ou, é também

perturbador? Será que nos obrigam a repensar a forma como enquadrar questões sobre a política? Aqui é o nosso preconceito. A ciência social

não ter para ser crítico. Ele não tem de reformular a maneira como pensamos sobre o mundo analiticamente e politicamente, mas é no seu

melhor quando ele faz isso. E é isso que queremos explorar no presente trabalho.

Começamos por nos lembrar por que ANT é, ou foi, ou poderia ser chocante; com a forma como ele é, ou foi, ou poderia ser crítico; com a forma

como ele faz, ou fez, ou pode fazer uma diferença. Para fazer isso nós ensaiamos brevemente seus 1980 posição inicial quando se discutiu em

primeiro lugar, que o mundo é heterogéneo e segundo, que é

relacional. Então, vamos avançar para a década de 1990, que é quando ANT começou a falar claramente sobre

multiplicidade ontológica. ( Voltaremos a isso, mas no momento vamos apenas observar que a ontologia é o termo filósofos usam para falar

sobre o que é, em geral, no mundo). Este, vamos notar, é uma contínua controvérsia. Se dissermos que o mundo é ontologicamente múltipla

- que não é coerente - então este fica inquieto para muitos. Então, em terceiro lugar, podemos avançar novamente para os dias de hoje para

falar sobre como os projetos sucessores contemporâneos ao trabalho ANT em enquadramentos, deles performatividade ontológica,

e como estes gerar possibilidades e impossibilidades. Em seguida, e, finalmente, voltamos diretamente para a questão da política. Nós fazemos o

argumento de que se imaginarmos o mundo como ontologicamente múltiplas então mudanças políticas em seu caráter. Também argumentam que

se os formuladores de políticas reconhecido isso, então a política mudaria em seu caráter de formas interessantes e provocantes. Em suma, nós

argumentamos que ANT e seus projetos sucessores têm a capacidade de levar-nos profundamente no coração de investigação social crítico com

implicações radicais para pensar a política e política.

Uma última palavra antes de começarmos. ANT vem da disciplina da STS - Ciência, Tecnologia e Sociedade. Como todas as disciplinas, STS

tem seus próprios hábitos e práticas intelectuais. Em particular, ele geralmente faz o seu

5 HARAWAY (1994)
6 Callon (1980).
argumentos teóricos empiricamente, sob a forma de estudos de caso. É assim que vai funcionar no presente trabalho. Nosso

interesse é na política, mas nós trabalhamos com materiais sobre a febre aftosa.

Heterogeneidade
Febre aftosa foi um material Horror. Seis milhões de animais foram abatidos e, em seguida, havia seis milhões de carcaças. Um dos

autores desta peça foi em vez diretamente envolvidos. Singleton nasceu e cresceu em uma pequena fazenda. Sua família ainda

fazendas de gado de corte, e ela ainda é, embora perifericamente, envolvidos em trabalho agrícola. Para sua família - e muitos dos

vizinhos - a febre aftosa foi um flagelo e um terror. Em 2001, em larga escala agricultores industriais eram por vezes bastante pragmática:

eles pensavam sobre a compensação se seus animais foram abatidos, e muitas vezes eles deram de ombros: em uma lógica econômica

pode não importa muito. Mas, para muitos, se não todos os pequenos agricultores que era uma terrível praga. Se ele apareceu na

fazenda ou em fazendas vizinhas que iria destruir um rebanho que havia sido cuidadosamente criados, cuidada e alimentada talvez por

gerações. Foi uma época sombria. Fazendas foram fechadas. O contato social foi minimizado. As pessoas ficaram isoladas. Qualquer

chegada à fazenda pode estar trazendo morte. Cada dia da BBC agricultura Hoje trouxe mais contas de horror. Cada telefonema pode ser

o prenúncio de destruição. Felizmente fazenda da família de Singleton escapou da doença.

O outro autor, Lei, não estava envolvido na agricultura, e não compartilhar o isolamento e a dor dos agricultores. Mas um dia ele
atravessou a parte mais afetada da Grã-Bretanha, o Vale do Éden. Foi um dia molhado no final de março, fresco e úmido,
sombrio, e com um teto baixo de nuvens. Ele estava dirigindo rápido ainda levou a melhor parte de meia hora para passar as
piras de carcaças abatidas. Para milhas em colunas finais de fumaça ergueu-se no céu encharcado dos campos e as encostas e
desapareceu na nublado iminente. Era como uma cena de Dante Inferno. O fedor era acre. Ele trouxe lágrimas aos olhos, literal e
metaforicamente.

Desta vez sombria era material. ANT nos lembra que vivemos em um mundo que é materialmente diversa ou materialmente heterogêneo. Nós

não precisamos de febre aftosa para esta experiência, mas seus horrores ajudar a conduzir o repouso do ponto. Analiticamente, o

argumento é que, se queremos entender a febre aftosa - se quisermos entender nada - temos que pensar em como era praticada em

todas as suas formas materiais ou, para colocá-lo um pouco mais de cuidado, como as práticas trabalharam para gerar particulares

combinações de materiais e formas. Voltaremos a este ponto e explorá-lo em breve. No momento nós simplesmente precisamos notar

que, para a febre aftosa isso significava práticas explorando que incluíam e ajudaram a moldar toda uma gama de materiais, incluindo:

animais, vivos e mortos; celeiros e campos; pistolas de dardo cativo; homens de abate, veterinários e agricultores; os pesadelos das

crianças; dormentes e chamas; carcaças inchadas; as notificações feitas aos agricultores; papelada oficial; amostras de tecido, testes

laboratoriais, bases de dados epidemiológicos e simulações de computador; arranjos organizativos; telefonemas; comunicados de

imprensa; declarações ministeriais no parlamento. Para entender a febre aftosa você precisa olhar para a sua materiais e explorar como

estes foram praticados em diferentes sites e locais.

Isso pode ser feito de uma forma que pouco têm a ver com a Teoria Ator-Rede, mas como uma questão de fato é isso que 1980 Teoria

Ator-Rede, na verdade, nos ensinou a fazer. O mundo, ele disse, é praticada de forma materialmente heterogêneos. É acrescentado que a

relevância é um efeito relacional, uma consequência da interacção. Isto é porque os materiais não são dadas, mas são formados nas teias

que compõem mundos,


mais ou menos duradoura com seus diferentes tactilities ou texturas: liso, áspero, doce, nocivo, evasivo, ou obstinado. 7 Portanto, este foi o

primeiro sensibilidade da ANT - heterogeneidade do material e materialidade relacional. Foi chocante na época. Como era possível para

tratar dos seres humanos "e 'não-humanos' nos mesmos termos? - embora talvez seja menos chocante agora. No entanto, continua a ser

perturbador em pelo menos uma forma de relevância política, porque se você pensar desta forma segue-se que a 'natureza' não podem

ser facilmente distinguidos dos 'o social'. Em vez de ser domínios separados que são todos emaranhados juntos. 'Sociedade' e 'natureza'

estão sendo gerados - e então talvez separados - em práticas. Isto significa que a febre aftosa não é nem simplesmente 'natural', nem

(mais obviamente) apenas 'social'. Dentro prática

política tende a saber disso, mas estamos interessados ​no que acontece se fizermos isso explícito.

relacionalidade
ANT tem uma maneira de pensar sobre isso que nos pede para repensar o que é ser 'social'. Bruno Latour sugere que esta é uma

questão de Associação. 8 O argumento é que para ser social é associar e que para estudar o social é estudar associação em todas as

suas formas materiais. Se você quiser entender a febre aftosa então você vai precisar para explorar suas práticas e seus materiais. 9 Você

terá que ir em todos os lugares, nas fazendas, os quartéis, os laboratórios, as comissões governamentais e os escritórios de

veterinários. Se você quer pensar bem sobre a política terá de ir a esses lugares também. Você terá que pensar em como o que

mais commonsensically distinguir como 'o social' e 'o natural' pode ser compreendido e trabalhado em conjunto. A fazenda se torna

uma malha que combina os dois, e ele precisa ser entendido desta forma, se uma boa política sobre como lidar com a febre aftosa

está a ser desenvolvido.

Pense, por exemplo, de Burnside Farm, o lugar onde a epidemia de 2001 começou. Foi um conjunto de associações que causaram o
vírus se multiplique. Aqui está um pequeno subconjunto dessas associações. 10

1. Non-ebulição. Fervente e vírus não se misturam, mas descobriu-se que os agricultores não ferver a

restos de comida que eles estavam se alimentando de seus porcos.

2. Problemas de saúde. Por que os agricultores não ferver a alimentação como eles deveriam? Uma resposta é que eles estavam

estressados. Uma delas estava doente, como se viu com uma condição terminal.

3. O comércio ilegal. Como o vírus chegar à fazenda, em primeiro lugar? A resposta é, quase de certeza sobre a carne importada

ilegalmente que provavelmente veio de restos de cozinha.

4. A ausência de veterinários. Os agricultores Burnside sabia seus porcos estavam doentes, mas eles não chamar a

Assim, a maioria dos veterinários dos suínos tem a doença e o vírus multiplicado um vezes bilhões de mil milhões.

5. A época do ano. Fevereiro foi um bom mês para o vírus. Foi frio e úmido, e não havia
pouco de sol. O vírus sobrevive durante mais tempo fora do corpo do animal, sob tais condições. E nós podemos adicionar no fato de que

o vento predominante soprou uma nuvem de vírus para ovelhas em fazendas vizinhas.

6. Invisibilidade em ovinos. Quando contraem pé e ovelhas boca não costumam ficar muito doente. Isto significa que os agricultores não

vê-lo, ou eles colocar qualquer mal-estar para baixo a algo mais. além disso

7 Lei e Lien (2013).


8 Latour (2001).
9 Latour (1987).
10 Para o relatório veterinário original ver Dring (2001).
a doença geralmente espalha-se lentamente em ovelhas. Em um determinado momento, é provável que apenas alguns deles vão estar doente.

Em geral é difícil de detectar a menos que já é suspeita.

7. relações de mercado. A rede de relações com o mercado, a compra em larga escala e venda de animais,

isso foi muito importante. Havia um grande número de animais que passam pelo mercado gigante no Longtown no final de

Fevereiro de 2001.

8. A Política Agrícola Comum. Na época, o sistema de pagamento por cabeça PAC para animais
significava que havia incentivos ao comércio ovelhas em grandes números antes da data de contagem - o que explica o comércio enorme

Longtown.

Mais associações podem ser facilmente rastreada, mas já a rede é heterogênea. Vemos a economia, a falta de saúde pessoal,

política, natureza, geografia e competências profissionais todos sendo misturados relacionalmente em um conjunto específico de

práticas - e é isso que Teoria Ator-Rede, circa 1986, estava nos ensinando. Ele estava nos dizendo que, se quisermos entender o que

está acontecendo e intervir nele de forma eficaz, então temos de encontrar maneiras de pensar e lidar com essa heterogeneidade. E

então, e como parte disso, precisamos entender que a ANT não funciona com explicações sociais simples. Não ir à procura de

classe, ou o poder do Estado, ou sexo, ou relações de produção, ou a globalização ou o neoliberalismo ou défices democráticos. Ele

não usa estes ou seus equivalentes para explicar qualquer coisa - não é socialmente reducionista.

Multiplicidade
Argumentamos que ANT trata de relações como central para práticas e que aqueles que forma as relações e formar os atores

apanhados neles. Para colocá-lo um pouco diferente ANT está nos dizendo que as realidades, o que há é no mundo, são feito em

práticas. Isso significa, por exemplo, que a febre aftosa tomou uma forma muito particular na fazenda em Burnside: que era o que
estava lá como um resultado das relações promulgadas na fazenda.

Existe uma maneira em que isso nos leva a um lugar-comum. É óbvio, por exemplo, que, se pensar sobre o tempo, em seguida, pratica a

mudança, e assim também fazer realidades sociais. Reino Unido antes de a febre aftosa não era o mesmo do Reino Unido durante o surto de

febre aftosa. A epidemia não era o mesmo no início de março como no início de abril. Michel Callon falou sobre como realidades mudar ao

longo do tempo em seu trabalho sobre a inovação tecnológica, e sua abordagem explora tais variabilidade ontológica. 11 Mas incorporado na

abordagem ANT, embora isso não fosse bastante explícito na década de 1980, é a sugestão de que se realidades são relacionais, na prática,

em seguida, segue-se que não haverá grande quantidade de realidades não apenas ao longo do tempo, mas ao lado um do outro, ao mesmo

tempo, que não há multiplicidade ontológica, para usar o termo cunhado por Annemarie Mol e explorou em seu livro O Multiple corpo que

apareceu em

2002. 12

Pense em pé e boca novamente. o que é febre aftosa se pensarmos em termos ANT por assistir à relacionalidade de práticas? A
resposta surpreendente é que é coisas diferentes em diferentes práticas porque ele está sendo feito ou executados de forma
diferente nessas práticas diferentes. O ponto é difícil conceitualmente porque ele está tão distante do senso comum ocidental em
que tendem a assumir que, em geral, o mundo é um lugar mais ou menos estável. Quaisquer divergências podemos

11 Callon (1991)
12 Mol (2002a); embora ver também Mol (1999), Direito (2002), Stengers (2005), e para uma expressão contemporânea, Latour (2013).
ter sobre seu caráter que tendem a atribuir a diferenças em nossas perspectivas políticas, sociais ou culturais. Mas a teoria ator-rede
está nos levando em uma direção diferente. Ele está nos dizendo que é muito improvável que o que estamos vendo é uma coisa em
tudo. Assim, por exemplo, uma realidade 'natural', como a febre aftosa não é apenas visto diferentemente por veterinários, virologistas e
epidemiologistas (embora na verdade é.) É na realidade uma coisa diferente na prática veterinária, virológica e epidemiológica. É feito
ou feito para ser diferente nessas diferentes práticas. É uma realidade múltipla. Então, como isso funciona na prática? 13

Veterinários ir à procura de sintomas. Isso é o que eles fizeram quando primeiro descobriu a doença em 2001 num matadouro em Essex. Os

porcos foram guinchar, que foi incomum. Descobriu-se que eles estavam doendo quando andaram, por isso os veterinários olhou para seus

trotters e encontrou bolhas. Quando eles analisaram os focinhos de porcos e encontraram mais bolhas. Esta é uma característica da prática

veterinária. Veterinários fazer as coisas à sua maneira particular, com suas próprias tecnologias específicas e suas próprias sensibilidades

particulares. Como parte deste, as suas práticas de fazer doenças em sua própria maneira particular. Para colocá-lo de forma sucinta, para

veterinários, doenças são condições indexados pelo um conjunto de sinais o que para a febre aftosa são febre, dor, bolhas, claudicação e

apatia. Estes são os tipos de sinais que os veterinários procuram. A história é foucaultiano - é uma versão de sua conta do clínica. É sobre a

procura de sinais sobre a superfície do corpo que pode indexar uma condição clínica. 14 E a ontológico mover? No pé clínica e da boca é uma

condição dentro do corpo, revelada por meio de sinais na sua superfície. Isso é o que

é, nada mais e nada menos. É assim que é promulgada. Esta é a febre aftosa número um dentro da multiplicidade.

No laboratório, é bastante diferente. Em 2001, o padrão de laboratório ouro foi o teste ELISA. ELISA significa Enzyme-linked
immunosorbent assay. Na prática, é mais complicado, mas funciona com as seguintes linhas. Corpos infectadas por antigénios
virais fazer anticorpos. Se você quer saber se o seu animal tem febre aftosa você tirar uma amostra de sangue. Se o animal tem
a condição, em seguida, o sangue conterá anticorpos (anti-soro). Estes irão ligar-se aos antigénios virais; ou seja, eles vão ligar a
antígenos que você preparou de antemão, pé e boca antígenos. Em seguida, você adicionar um agente corante que ficará
amarela se a ligação realmente ocorreu. Em suma, o que você faz é olhar para a cor. Isto já não é um mundo de sintomas
clínicos. isto é um conjunto diferente de práticas e relações e m ateriais e habilidades. Febre aftosa aqui é um vírus em um
laboratório. Então, o que é um vírus aqui? A resposta é que no teste de ELISA um vírus é algo que carrega um antigénio. Isso é o
que é. Isso é o que ele é feito para ser, nada mais e nada menos. Isso é o que ela é realizada a ser. Então febre aftosa número
dois é um antigénio-transporte, sub-microscópico de partícula provocando-anticorpo.

Dentro epidemiologia a doença muda novamente. Torna-se algo que se move e é transmitido através de uma população. Se é ou não

se espalha é uma função do probabilidade de transmissão que é ele próprio uma função de: o número de portadores; o número de

fontes de infecção; o tamanho da população susceptível; onde está; quão suscetível é. Em epidemiologia você alimenta os números

e você pode modelar o que está acontecendo. Você também pode tentar prever o que vai acontecer. Portanto, esta é doença número

três, e é diferente mais uma vez. Em epidemiologia da febre aftosa é feito como uma condição rastreável que se propaga a partir de

um local para outro por meio de uma população susceptível.

13 Nesta seção do papel chamamos de Direito e Mol (2011).


14 Foucault (1976).
Então o que devemos estar fazendo desta multiplicidade, e das diferenças como estas? O que deveríamos estar fazendo o fato
de que a febre aftosa é feito de diferentes maneiras em diferentes práticas, e assim que é feito ser diferente?

Normalmente imaginamos que há uma doença real. Tomamos por certo que esta doença real é lá, por assim dizer, lá fora, no mundo.

Essa é a realidade. E então dizemos que, na prática, não necessariamente ver que a realidade de forma muito clara. Isso ocorre porque

existem diferentes perspectivas em que a realidade, que temos diferente Ferramentas para estudá-lo, e em qualquer caso, temos

diferentes preocupações sobre a realidade, estamos interessados ​em diferentes partes do mesmo. Assim, no contexto da febre aftosa

dizemos algo como isto: que os veterinários e os cientistas de laboratório e os epidemiologistas estão todos trabalhando duro para

tentar entender a realidade. Eles estão tentando entender os aspectos da doença. Mas, então, acrescentar que existe uma realidade

por baixo ou por trás dessas diferentes perspectivas. Tipicamente, então, que uma demarcação entre realidade por um lado, eo que nós conhecer

sobre isso no outro. Para colocá-lo no jargão dos filósofos, traçamos uma divisão entre a ontologia (que existe), por um lado, e

epistemologia (o que sabemos sobre a realidade), por outro. Mas isso é precisamente o que o ator teoria de rede não faz, porque em

ANT realidades são feitas juntamente com representações. E então o ponto crucial: uma vez que existem muitas práticas existem

também múltiplas realidades. Práticas estão sentados lado a lado em diferentes lugares e práticas, e que se torna realmente importante

(para além das práticas de si) é a forma como as diferentes realidades doença se relacionado juntos na prática.

Esta é uma questão empírica. Assim, por exemplo, práticas de laboratório precisa de amostras de sangue, e as amostras
vêm na maior parte de veterinários que pensam que eles podem ter um caso clínico de febre aftosa em suas mãos. Se o
laboratório encontra anticorpos, então as duas práticas alinhar. Eles fazem uma realidade coordenado combinado, que é
um tanto clínica e viral. Mas o que acontece se isso não acontecer? Então você pode começar a discutir. Será que os
veterinários errar, ou se algo der errado no laboratório? (Ambos aconteceu muitas vezes em 2001). E então você pode
estender a lógica de tomar em epidemiologia. Sua matéria-prima, os números de animais infectados, onde eles vêm? Em
teoria, eles vêm de diagnósticos clínicos confirmados por laboratório, mas que sobre a prática? Muitas vezes isso é o que
realmente aconteceu, mas nem sempre. Por exemplo, às vezes os laboratórios ficou sobrecarregado.

Assim que é a multiplicidade ontológica, e é muito difícil pensar porque, como já observado, ele voa tão diretamente
em face de tudo o que assumimos sobre o mundo na maioria das formas de senso comum ocidental. Nosso senso
comum geralmente diz-nos que há um mundo, um mundo com uma estrutura definida por aí. Ela nos diz que,
exceto em torno das margens da estrutura geral do mundo, sua forma e forma e os seus princípios são pouco
afetados pelas atividades humanas. Ela nos diz que o mundo é bastante independente da vontade humana, pelo
menos em geral, que antecede nossas tentativas de conhecê-lo, e talvez o mais óbvio, que há apenas um dele.
Vivemos, em suma, em um único mundo e todos nós somos, por assim dizer, dentro dela. 15

15 Esta é explorado em Direito (2004). Para recente discussão mais aprofundada ver Lei e Lien (2013).
Enquadramento
Então, o que isso pode significar no contexto da política? Para começar com o óbvio, como tecnologias, políticas mudar. Então
aqui é o que aconteceu em 2001. 16

1. número da apólice um: movimentos nacionais animais foram parados. Animais em instalações infectadas

foram abatidos, e os animais de explorações adjacentes foram colocados sob vigilância. Isso aconteceu em 23 de fevereiro rd.

2. Política de número dois: abate foi intensificada. Na área mais afetada em Cumbria ovelhas dentro
três quilômetros de instalações infectadas ovelhas - e não outros animais de fazenda - deviam ser abatidos. Este foi porque o modelo

epidemiológico do Ministério (vamos chamar isso de 'Modelo ministério') disse que havia uma epidemia que cresce lentamente, mas

só entre ovelhas. Isso aconteceu em 15 de março º.

3. número da apólice três: duas semanas depois, em 27 de º níveis de reforma de Março foram reajustados para cima novamente. Todos

animais em fazendas ao lado de uma exploração infectada foram para o matadouro - nos chamados 'instalações contíguas'. Havia

várias razões para isso. A pressão política foi importante: os principais números foram crescendo e não havia interesse da mídia

intensa e preocupação. Foi também, no entanto, porque um conjunto rival de epidemiologistas fez predições diferentes e mais

pessimistas (vamos chamar isso de 'modelo imperial' porque ele estava sendo executado no Imperial College, Londres), e essas

epidemiologistas rivais tinha uma linha direta para O primeiro-ministro Tony Blair.

4. número da apólice quatro. Os números para a infecção começou a cair. E assim fez a pressão política. UMA

mês, raças raras foram excluídos do abate por contiguidade juntamente com ovelhas levantou e gado também, com

biossegurança adequadas.

Portanto, a política mudou, pois adaptadas às novas realidades. Isso é óbvio. Também não é outra coisa do que óbvio que existem

grandes literaturas sobre a política de sucesso, fracasso da política e mudança de política. Comentaristas e políticos falam, por exemplo,

de não implementar a política, de lacunas de implementação. Eles falam sobre as lacunas entre a política por um lado, ea realidade do

outro: por vezes, estas são tomadas para ser intransponível e isso explica o fracasso da política. Às vezes diz-se que a política falhou

porque sua formulação e implementação tem sido muito lento. Ou falha política pode ser semelhante atribuída a uma abordagem

suficientemente flexível para a elaboração de políticas em que a política seguida fica fixo de maneiras que não funcionam. 17 Todas estas

falhas estavam presos no Reino Unido

16 No presente conta omitimos detalhes significativos. Para uma descrição mais cuidadosa da política de abate e seus correlatos

epidemiológicos com referências à literatura primária ver Lei e Moser (2012).


17 O site britânico Gov.uk afirma que “A política é uma declaração de que o Governo está tentando alcançar e por quê.” (Acessado em 6 de agosto de 2013) A política do governo é

descrito como um processo de transformação de declarações sobre os objectivos em resultados ou indicadores mensuráveis. No entanto, Hill (2005) em O processo de políticas

públicas argumenta que o que a política é, é notoriamente difícil de definir. Mais frequentemente do trabalho tem se concentrado em questões sobre a implementação e mudança de

comportamento. Os primeiros trabalhos sobre a implementação estava preocupado com o 'elo perdido' entre a formulação de políticas e os resultados das políticas (Hargrove: 1985).

Trabalhos subsequentes exploraram o desfasamento entre aspirações políticas e realidade Pressman e Wildavsky (1984). Um trabalho mais recente considera a execução como um

processo interativo e negociado exigindo, estratégias adaptativas flexíveis (Matland: 1995). No entanto Gill (2013) em seu estudo detalhado da gestão de resíduos argumenta que a

ontologia básica subjacente muitos dos estudos de implementação continua a ser o mesmo - política e sua implementação estão em reinos separados. Política é um objeto a ser

aplicado mesmo se através de um processo de negociação e adaptação. No documento atual que estão principalmente preocupados com os estudos de política que forem informados

pela ciência e tecnologia. Através de estudos de caso em vários locais substantivas estes estudos têm explorado como as políticas e legislação de trabalho e são promulgadas em ser.

Os estudos são críticos do conceito de política como um objeto a ser implementado, demonstrando vez que a política é um conjunto de práticas que é feito variavelmente em vários

locais. (Por exemplo, na gestão de resíduos, ver Gill (2013); na área da saúde demonstrando vez que a política é um conjunto de práticas que é feito variavelmente em vários locais.

(Por exemplo, na gestão de resíduos, ver Gill (2013); na área da saúde demonstrando vez que a política é um conjunto de práticas que é feito variavelmente em vários locais. (Por

exemplo, na gestão de resíduos, ver Gill (2013); na área da saúde


resposta política à epidemia de febre aftosa, e sem dúvida eles estão todos a ser levado a sério. Mas o ponto de rede ator que
queremos explorar é diferente e tem a ver com a multiplicidade. O argumento vem em duas formas. Primeiro, ele diz que a política
geralmente assume que há uma realidade única
(Que muda ao longo do tempo). Segundo ele assume que é possível e conveniente criar um política única. Política funciona, em outras

palavras, no pressuposto da singularidade ontológica. Mas então precisamos adicionar mais um pensamento perturbador. Este é que ele Além

disso funciona, ainda que tacitamente, assumindo que não há mais do que uma realidade e mais de uma política. Em outras palavras, as

práticas políticas promulgar um único mundo e uma política única, mas eles também promulgar vários mundos e várias políticas.

A parte singular do argumento é semelhante ao que já dissemos sobre os veterinários, os cientistas de laboratório e os

epidemiologistas. Política assume que há uma solteiro doença, pé e boca, mesmo se ela se manifesta de diferentes maneiras,

clinicamente, em termos de reações imunológicas e transmissão epidemiológica. Ele se baseia na suposição de que existe uma

única realidade enquadramento e, em seguida, ele ajuda a promulgar isso assumindo que, se existem diferenças entre as práticas,

em seguida, estas reflectem diferentes perspectivas - ou erros. Mas no caso de febre aftosa há uma complexidade muito

interessante aqui a ver com a epidemiologia. Alguns momentos atrás, disse que havia duas equipes com diferentes modelos. 18 A

história diz-nos que o número do modelo um, o 'Modelo Ministério', definido realidade epidemiológica até 27 de março º. Depois disso,

o modelo de número dois, o 'modelo imperial' criado por epidemiologistas com links para escritório gabinete do primeiro-ministro,

assumiu e o abate foi ratcheted. Então o que devemos fazer dessa mudança passo?

As explicações óbvias vêm em duas formas. Diz-se que no final de março, tornou-se claro que o modelo Ministério estava errado,

então era hora de mudar modelos e políticas. A segunda é para dizer que o modelo Ministério estava realmente certo o tempo

todo, e que estava prestes a produzir resultados. Infelizmente, esta segunda explicação continua, o primeiro-ministro Blair foi

incapaz de resistir a pressão política pública e insider, então ele desnecessariamente apoiou o modelo imperial em seu lugar.

Tudo isso foi ferozmente controversa nos corredores do poder: era uma disputa real, tanto cientificamente e politicamente. Mas, do ponto

de vista da Teoria Ator-Rede parece bastante diferente. Para fazer isso, pensar sobre as realidades que está sendo feito. Aqui está o

movimento crucial. Apesar da discordância dos dois lados, tanto tinha como certo que não havia uma única realidade lá fora. O que eles

estavam fazendo, em vez disso, foi para discutir sobre cuja abordagem modelado-lo melhor. Na verdade, a controvérsia dependia

no pressuposto de enquadramento que não havia uma única realidade lá fora, para ser estudado, modelado, e trabalhou em cima. Para colocá-lo mais

fortemente, mesmo quando eles debateram os epidemiologistas também estavam encenando uma única realidade enquadramento.

Então, essa é a parte singularidade do argumento. E a multiplicidade? A resposta é profundamente contra-intuitivo. É que, na
prática a própria realidade mudou em 27 de Março º. Em 26 de março º realidade era uma coisa para os decisores políticos. Era uma
epidemia lento entre ovelhas. Em 28 de Março º era diferente. Tinha-se tornado uma doença que estava varrendo tudo antes. O
argumento é que a realidade na prática mudou em 27 de Março º para a máquina do governo - e dado o poder do

ver Timmermans e Berg (1997), Berg e Mol (1998), Pols (2012); na agricultura ver Hinchliffe (2001); (Singleton: 2012)) É do seu 'fazer' que as
coisas - uma doença, uma política - são promulgadas em ser. No entanto os pesquisadores têm se esforçado para encontrar formas eficazes de
articulação que 'política' não é singular, mas múltipla, que é 'mais do que um, mas menos do que muitos' (Mol: 2002b). Este é o foco do papel
atual.
18Na prática, foi mais complicado, mas os detalhes não são importantes aqui. Para mais detalhes veja Kao (2002).
máquina do governo para muitos outros e suas práticas também. Nessa realidade ponto tornou-se diferente na prática.

Isto é difícil de entender e difícil pensar. Notamos a razão para isso mais cedo. É que a ANT está começando a cortar através de alguns dos

lugares-comuns de enquadramento mais básicas da metafísica ocidental. Em particular, está a minar os pressupostos que a realidade está

fora, antes, estruturado e bastante independente de tudo o que é que nós fazemos. Mas o que é que vamos saber se mantivermos nossas

armas ANT sob o ponto de vista da política? Como as coisas se reformulou? Queremos sugerir uma resposta em duas partes. Em primeiro

lugar, torna-se possível argumentar que a realidade não é destino. E em segundo lugar, se nos aponta na direção de uma versão muito mais

fluido da política em que a natureza eo social são negociados e tratadas em conjunto.

A realidade não é o destino


Primeiro uma nota de precaução. Não há nenhuma maneira que podemos inventar realidades. Isso é uma fantasia, e apesar de
mal-entendidos ocasionais, ANT nunca disse isso. Assim, por exemplo, ele nunca falou sobre a 'construção social da realidade', porque
as realidades são praticados em estar em redes heterogêneas de relações que tem um monte de esforço, muitos recursos, e uma
grande quantidade de trabalho duro. A tarefa da adoptar ou praticar realidade - ou verdades sobre a realidade - não é trivial. Basta
perguntar as pessoas que fazem o teste ELISA. Isso não era algo que sonhava-se na parte de trás de um envelope na noite anterior.
Para pegar o argumento em poucas palavras, podemos dizer que a ANT é muito sensível à diferença entre o real Napoleon por um
lado, e essas pobres almas que se proclamam para ser Napoleon por outro, e acabar a ser tratado para a doença psiquiátrica. Aquele
era real porque ele estava geralmente 'praticada' como sendo Napoleon por milhões de outras pessoas. Os outros não eram,
precisamente porque eles não estavam tão promulgada. 19

Mas tendo dito isso, como temos argumentado acima, desta forma ANT de pensar realidades são feitas de diferentes maneiras em
diferentes práticas. Então o que vamos fazer com essas diferenças? A resposta é tanto político e material. O que acontece é as
diferenças entre as realidades torna possível fazer perguntas sobre as realidades, e sobre o qual pode ser preferível se havia vários
em oferta. Estas são questões que têm a ver com o que podemos pensar a política como ontológicas ou cosmopolítica. 20

Para ver como isso pode funcionar, vamos criar um cenário e perguntar o que poderia ter acontecido se uma pessoa rede ator tinha

sido primeiro-ministro em vez de Tony Blair. Aqui, então, é o nosso primeiro-ministro imaginou falando.

'Olha, nós temos uma escolha. Temos duas realidades epidemiológicas aqui.

MINISTÉRIO MODELO IMPERIAL MODELO inteligente, rápido, e

lenta e sólido não tão sólida?

MINISTÉRIO DA REALIDADE Epidemia REALIDADE IMPERIAL espalhando

A epidemia lento em ovinos dramaticamente

MINISTÉRIO PREDUCTION Número de casos IMPERIAL PREVISÃO Número de


atingirá o pico em breve casos vai crescer
POLÍTICA DE MINISTÉRIO POLÍTICA IMPERIAL

19 Este argumento é feita com mais cuidado em Direito (2009).


20 Mol (1999); Stengers (2010).
Pendurar lá! abate por contiguidade

O que vamos fazer com isso?

A primeira coisa que precisamos fazer é: é qualquer um deles esquisito? Devemos apenas estar abandonando um deles?

Então, a resposta é não. Nós não deve ser abandonar qualquer um. Eles não foram construídos a partir do nada. Ambos são o

produto do trabalho muito sério. Então, eles são ambos muito sólida. Mas eles são apenas bastante sólida, porque o modelo

Imperial é um (como colocar isso?) um pouco sobre o lado 'experimental'. Ele veio de microfísica estatísticos e é muito, muito,

inteligente. Quase ninguém entende, e é um pouco rápido e sujo, o que é bom e ruim. Breve é ​bom, porque a velocidade

também é importante. Precisamos reagir rapidamente. Nós não podemos apenas sentar em hora mãos como a situação muda.

Mas sujo é menos bom. Assim, por exemplo, não 'saber' onde as explorações infectadas realmente são (ele faz isso por ser

'inteligente' em vez disso, estatisticamente). E não pode dizer as ovelhas dos cabritos - ou para ser mais preciso, a partir das

vacas e os porcos - porque todos os seus animais são (como eles dizem) 'genérico'.

Então esse é o modelo imperial. E o Modelo Ministério? O modelo feito pelos homens do ministério? Esta é minucioso, lento,

ele 'sabe' muito (e muito sobre ovelhas), e tem sido em outras epidemias testou-road. Assim como o primeiro-ministro a

minha primeira conclusão é que precisamos levar essas duas realidades sério. Nenhum deles estão fora da parede. Não

podemos dar ao luxo de descartá-los. Nós não estamos lidando com sonhos dementes aqui.

Segunda questão?

Nós também precisamos pensar em outras relações. Precisamos estar pensando sobre o social, bem como a natureza. Por exemplo,

é preciso estar presente para que os eleitores e os meios de comunicação estão dizendo. Eles acham que a nossa política - esperar

e ver na maioria dos lugares, e abater ovelhas dentro de 3 km de lugares com a doença - não está funcionando. Esse é um

argumento para desistir do Modelo Ministério. Na verdade, isso é o que Tony Blair acha que devemos fazer - e as pessoas imperial

modelo também. Mas as pessoas Ministério modelo não concordo. Eles dizem que a política está funcionando, mas que ele é lento

porque as infecções demorar um pouco para aparecer. Em outras palavras, se os números estão a aumentar é porque as ovelhas

que já foram diagnosticadas com febre aftosa foram principalmente contrair a doença antes que a política Ministério foi implementado.

É por isso que eles estão dizendo que a qualquer momento os números vão começar a cair. Eles estão dizendo em resumo que só

precisa pendurar lá.

E aqui está outra coisa. O modelo imperial nos levará a um abate por contiguidade nacional para todos os animais. A imprensa

está descontente com a gente agora, mas isso vai ser realmente severo. Nós vamos ser abate milhões de animais. Milhões e

milhões vão perder suas vidas prematuramente, e talvez desnecessariamente. E será perturbar todos os tipos de pessoas,

incluindo os agricultores, criadores especialistas, veterinários e muitos membros do público. Então, precisamos pensar sobre isso

também.

OK. Então o que é que vamos decidir?


Aqui é a minha decisão.

realidade, o modelo do Ministério é melhor se ele funciona. Eu acabei de explicar porquê. É socialmente melhor. E aqui está o busílis,

ele pode estar trabalhando epidemiologicamente. Então eu vou dar o Ministério Modelo uma última chance. Nós vamos nos

encontrar novamente dentro de dez dias. Se os números não estão caindo, então, vamos pular do barco e saltar realidades. Vamos

colocar o Modelo Ministério de um lado social e. Vamos ir para - vamos aprovar - uma realidade epidemiológica duro, e para o

inferno com as consequências sociais.

Esse é o nosso primeiro cenário, e julgá-lo agora voltar para a realidade - ou a sucessão de realidades - que realmente

desdobrado. Aqui verifica-se que as estatísticas são realmente importantes. Isto porque estes descobriram que os números de fato

começou a cair no período de dez dias que acabamos de mencionar. A lição é que neste mundo ator-rede, eles nunca se mudou
para a realidade promulgada pelo modelo Imperial em tudo. Eles não seguiram Tony Blair.

A lição que queremos tirar disso é que a teoria ator-rede nos ajuda a ver que as realidades - incluindo realidades ciência dura - não

definem destino. Sim, nós certamente precisa levá-los a sério. Eles são bastante reais. Mas não, eles não necessariamente nos dizer o

que fazer. Se estamos dispostos a pensar desta maneira, em alguma medida torna-se possível abrir possibilidades alternativas e

realidades alternativas. Torna-se possível, também, para pensar em como diferentes produtos e bads são amarrados com diferentes

mais ou menos plausíveis realidades.

Realidades são múltipla


Lição número dois é também sobre a multiplicidade e a explorá-lo, delineamos um segundo cenário. Isto é um pouco mais tarde na epidemia de

2001, e assume (como, aliás, foi o caso) que o abate por contiguidade ocorreu, por isso estamos agora no fundo de seus horrores. Mais uma

vez, damos a palavra ao nosso primeiro-ministro imaginado.

'Todos Ok. Aqui é o meu preconceito. Realidades são múltiplas. E precisamos tomar essa multiplicidade sério. Então aqui está

a primeira coisa que eu quero dizer. Nós realmente tem várias políticas no trabalho em todos os tipos de mais, mas também

menos óbvias maneiras '.

Em que ponto um funcionário público diz: "desculpe, primeiro-ministro, mas você pode explicar o que você quer dizer?

'Ok, todos vocês sabem sobre o abate por contiguidade. Estamos abate de todos os animais em fazendas ao lado daqueles que estão

infectados. Isso parece desagradável, mas simples, mas na verdade não é simples em tudo. Por que não? Porque, aqui está a

resposta, eles estão fazendo isso de forma diferente na Escócia. Os escoceses não estão realmente matando os animais nas

instalações contíguas. Eles abate de animais em fazendas ao redor da borda do todo área infectada. Por quê? Porque a sua prioridade

é parar a infecção se espalhando a partir do sul da Escócia para o gado mais ao norte. Então, aqui vai a primeira conclusão. Não é

uma política que estamos lidando aqui. É dois.

"Seu ponto, o primeiro-ministro?


'Deixe-me continuar, porque ele está prestes a ficar mais complicado ainda. Aqui está o número da apólice três. Estamos

matando todos os animais em partes da ilha de Anglesey porque a infecção não é tão grave.

'E então temos o número da apólice quatro, exceto que ele não é um política, não oficialmente. É só cresceu como topsy. Porque na

prática, o abate contígua não está realmente acontecendo em um monte de lugares em tudo. Ele não está sendo (como eles

dizem) 'totalmente implementado'. Muitos animais estão fugindo. Um, porque estamos com falta de homens de abate e veterinários.

Dois, vamos enfrentar desafios legais. Três, sabemos que os animais devido ao abate são por vezes vai faltando. 'Animais' dizem

que os pequenos proprietários. 'Que animais? Não há animais por aqui.' E depois há resistência ativa também. Apenas

ocasionalmente espingardas estão aparecendo nos portões de fazenda quando os veterinários subir. Então, eles vão embora de

novo e nunca mais voltar. (Quem pode culpá-los?) Então, isso é o número da apólice quatro. E cinco e seis e sete. Só que estes

não são políticas. Não oficialmente.

Em que ponto um funcionário público intervém. 'Então, qual é o seu ponto, o primeiro-ministro? Nós apreciamos que a execução da

política é sempre difícil. Isso é que é sempre feito de forma imperfeita.'

'Eu tenho três pontos', diz ela.

'1. Estamos lidando com políticas múltipla. E não apenas na Escócia e Anglesey. E eu acho que faria sentido para
reconhecer isso, em vez de ficar cruz e balindo em cerca de 'lacunas de implementação' ou similares. Aqui está o ponto. Em
uma rede ator políticas mundiais será sempre múltiplos e vamos dizer assim. '

'Sim, o primeiro-ministro', diz o funcionário público. "Então você gostaria que sejamos mais tolerantes?

'Isso ajudaria', ela continua. 'Mas eu não sou completamente ainda. Porque o que eu realmente estou dizendo é que as diferentes

políticas são reflexos e decretos de diferentes realidades. Ou, para transformar essa rodada, eu estou dizendo que diferentes realidades

estão sendo feitas. Em condições diferentes.'

'Sinto muito', diz o funcionário público, e ele está começando a soar um pouco ansioso 'mas agora você me perdeu o

primeiro-ministro'.

"Isso é porque você realmente não entendo multiplicidade ontológica. Ela diz. 'Aqui está o campo. Políticas em prática fazer coisas

diferentes. Eles tornam o mundo de maneiras diferentes. Com a ajuda de espingardas. Ou tribunais. Ou uma cadeia de montanhas

entre duas fazendas. Ou celeiros para esconder animais. Mas, aqui está o ponto, realidades estão sendo feitas nestas práticas. E essas

realidades são diferentes. Na prática, mesmo uma única política decreta diferentes realidades, juntamente com veterinários, pastores,

celeiros, espingardas e todo o resto. Se pensarmos que estamos lidando com uma única realidade quando tentamos implementar uma

política, então estamos simplesmente nos iludindo.

Até agora o funcionário está olhando alarmado, mas ele é um diplomata nascido então ele simplesmente diz:

'Talvez, o primeiro-ministro, você poderia explicar o que isso pode significar na prática?'

'Estou feliz que você me pediu', diz o primeiro-ministro ANT. 'Porque se realidades são diferentes, precisamos pensar muito antes

de instruir as pessoas o que fazer. Não estou dizendo que nunca devemos fazer isso. Mas eu acho que há uma boa razão para

dizer: olha, nenhum de nós realmente querem


nossos animais para pegar febre aftosa. Então, aqui estão alguns sugestões de políticas, pensar no como uma espécie de checklist.

Nós pensamos sobre eles, por isso gostaríamos de lhe pedir para levá-los a sério. Mas se as coisas são diferentes para você, se suas

realidades práticas são diferentes, então estamos felizes em falar com você, embora, de preferência sem a ajuda de uma espingarda.

Estamos felizes em discutir alternativas. Estamos felizes de testá-los. Em suma, estamos felizes em confiar em você, pelo menos por

um tempo, e depois ver o que acontece. Nós teremos políticas múltipla, oficialmente que é, assim como realidades múltiplas.'

Até agora, o funcionário tem sua cabeça em suas mãos, mas vamos ignorá-lo porque (este é o nosso segundo ponto de interesse político)

teoria ator-rede reformula a forma como pensamos sobre o mundo e sobre a política, porque nos ajuda a ver que as realidades são múltiplas, e

multiplicam realizado, na política e em qualquer outro lugar. Ele reconhece isso. Em seguida, ele tenta encontrar formas de trabalhar em e

nesta multiplicidade. E, finalmente, pergunta como essas realidades pode sobrepor-se uns com os outros de maneiras que não são muito

destrutivos, egoístas, ou colonizar na prática.

para terminar
Esta é uma mensagem que não vem apenas da teoria ator-rede. Filósofo Isabelle Stengers falou sobre a
necessidade de um cosmopolíticas que funciona em e estende o caráter do real. 21

Michel Callon e seus colaboradores têm debatido sobre como agir em um mundo comum que também é ontologicamente
múltipla. 22 Bruno Latour pediu um constituição não-moderno, e caracterizado por multiplicidade ontológica falando um
diferente modos de existência. 23 Donna Haraway falou sobre a interferências que ir junto com lutas de material-semiótico. 24 Annemarie
Mol falou de
multiplicidade e política ontológica. 25 Marisol de la Cadena, Mario Blaser e Arturo Escobar está lutando com as implicações
de uma pluriverse no contexto de encontros pós-coloniais. 26 Helen Veran falou sobre como diferentes tradições de
conhecimento - e realidades - pode continuar juntos. 27

Essa é a agenda compartilhada que luta com a mensagem de que após a heterogeneidade e a relacionalidade que: (1) não existe tal

coisa como uma única realidade; (2) que as realidades não podem simplesmente ser sonhado, mas ter trabalho e cuidado (mudança

negadores do clima observe); e (3) que as realidades e política ou normatividades estão todos envolvidos juntos. Para este é um mundo

em que a realidade já não é destino, mesmo que ele nunca foi.

Mas o que fazer com isso no contexto da política? Como, para usar a frase feliz de Verran, poderíamos continuar juntos - e ir bem em

conjunto? É tentador imaginar que regras podem ajudar e isso não pode ser totalmente errado. Como disse o nosso primeiro-ministro

de ficção, 'nunca diga nunca'. Mas nos cenários temos jogado acima passámos em uma direção diferente. Política, sugerimos, pode ser

mais bem concebido como uma lista de dúvidas ou problemas, de considerações que possam ser relevantes para a política, ou as

preocupações políticas. Talvez esta seja uma regra: 'vamos criar uma lista de perguntas, concorda que discutir como lidar com as

preocupações nessa lista, e as possíveis ações que possam atender a essas

21 Stengers (2005; 2010). Mas ver também Hinchliffe et al. ( 2005).


22 Callon, Lascoumes e Barthe (2009).
23 Latour (2004; 2013).
24 Haraway (1991; 2008).
25 Mol (2002a; 2008).
26 Escobar (2008), de la Cadena (2010); Blaser (2010).
27 Verran (1998; 2001).
preocupações.' Mas se é uma regra, então é uma regra da mildest forma possível. 28 É uma regra que reflita e respeita o fato de que o

mundo é irredutivelmente múltipla e irredutivelmente distribuídos entre as diferentes práticas através do tempo e espaço. É uma regra

que reconhece que as formas de conhecimento - incluindo políticas - e realidades - estão irremediavelmente situado. Claro, se você

estiver interessado em política você pode preferir para desenhá-lo todos juntos. Mas apesar de nossas histórias sobre um

primeiro-ministro ator-rede, tentamos mostrar que isso não é uma aspiração que faz sentido em qualquer coisa diferente de uma

maneira local. É por isso que ter ficado com febre aftosa e 2001 e criou apenas o mais suave possível regra, em vez de falar sobre

política em geral. Não existe uma política em geral.

Referências
Berg, Marc, e Annemarie Mol (eds) (1998), As diferenças na Medicina: Práticas Unraveling, Técnicas e Corpos ,
Durham N.Ca. e Londres: Duke University Press.

Bickerstaff, Karen, e Peter Simmons (2004), 'A ferramenta certa para o trabalho? Modelando, relações espaciais, e estilos da
prática científica na crise da febre aftosa Reino Unido, Ambiente e Ordenamento D: Sociedade e Espaço , 22: (3), 393-412.

Blaser, Mario (2010), Contar histórias Globalização do Chaco and Beyond , Durham e Londres: Duke University Press.

Callon, Michel (1980), 'Lutas e Negociações para definir o que é problemático e que não é: a sociologia da tradução',
páginas 197-219 no Karin D. Knorr, Roger Krohn, e Richard D Whitley (eds),
O processo social de Investigação Científica: Sociologia do Anuário Ciências , 4, Dordrecht e Boston, Mass .: Reidel.

Callon, Michel (1991), 'Techno-econômico Networks ea irreversibilidade', páginas 132-161 em John Law (ed.), A Sociologia da
Monstros? Ensaios sobre Energia, Tecnologia e Dominação, Sociological Review Monografia , 38, London: Routledge.

Callon, Michel, Pierre Lascoumes, e Yannick Barthe (2009), Atuando em um mundo incerto: um ensaio sobre a Democracia
Técnico , Cambridge, Mass, e Londres:. MIT Press.

Campbell, David e Robert Lee (2003), '' Carnage por Computador ': a Economia Blackboard do Pé 2001 e boca epidemia', Estudos
Sociais e Legais , 12: (4), 425-459, também disponível em http://www.fmd.brass.cf.ac.uk/carnagebycomputerDCBL.pdf.

28 Nudge Theory é actualmente muito popular com os formuladores de políticas no Reino Unido e em outros lugares. Ele inspira-se fortemente em insights de economia

comportamental para argumentar que, apresentando melhor escolha através da manipulação arquiteturas de escolha que as pessoas fazem escolhas mais sábias

(Thaler e Sunstein (2008). O governo britânico se tornou o primeiro no mundo a criar uma equipa visão comportamental desenho fortemente em nudge teoria em 2010.

os críticos argumentam que a prática nudge é a coerção por outros meios enquanto Thaler e Sunstein argumentam que é no espírito de paternalismo libertário. o júri

está fora sobre a eficácia da cotovelada em relação às recomendações de política, no entanto, continua a ser uma abordagem influente ao desenvolvimento de

políticas do governo no Reino Unido. Embora a nossa lista pode ser lido como a criação de arquiteturas de escolha, que precisamente não está tentando promover

uma mudança de comportamento específico, uma vez que não assume uma única resposta, correta. O presente trabalho defende a política como localizado em

práticas e, portanto, como co-evoluir com a mudança de comportamento e como situado, negociado e múltipla.
Convery, Ian et.al. ( 2005), 'Morte no local errado? Geografias Emocionais do Pé UK 2001 e boca epidemia', Revista
de Estudos Rurais , 21: (1), 99-109.

Convery, Ian et.al. ( 2008), Doença Animal e Trauma Humano: Geografias Emocionais de Desastres , Basingstoke: Palgrave
Macmillan.

de la Cadena, Marisol (2010), 'Cosmopolítica indígenas nos Andes: Conceitual Reflexões Beyond "Política"', Antropologia
Cultural , 25: (2), 334-370.

Döring, Martin, e Brigitte Nerlich (eds) (2009), O impacto social e cultural de febre aftosa no Reino Unido em 2001:
Experiências e análises , Manchester: Manchester University Press.

Dring, Jim (2001), 'Meu envolvimento com o Waughs', Londres: DEFRA,


http://www.defra.gov.uk/footandmouth/pdf/dringstatement.pdf, atualizadas 16 de marco de 2004, (acessada 09 de agosto de
2004).

Escobar, Arturo (2008), Territórios da Diferença: Place, Movimentos, Vida, Redes , Durham e Londres: Duke University
Press.

Febre Aftosa 2001: lições a serem aprendidas Inquérito (2002), 'Relatório', Londres: London, The Stationery Office,
http://213.121.214.218/fmd/report/index.htm, (acessada 28 de agosto de 2003) .

Foucault, Michel (1976), O nascimento da clínica: uma arqueologia da Percepção Medical , Londres: Tavistock.

Gill, Natalie (2013), Subjetividades em contextos: política de recolha de resíduos na prática , Thesis, Universidade de Lancaster, Lancaster.

Haraway, Donna J. (1991), 'Situado Conhecimentos: a questão da ciência no feminismo eo privilégio de perspectiva parcial' (ed.),
Páginas 183-201 em Donna Haraway, Símios, ciborgues e mulheres: a reinvenção da Natureza , Londres: Free Association Books,
igualmente disponíveis em http://www.staff.amu.edu.pl/~ewa/Haraway,%20Situated%20Knowledges.pdf.

Haraway, Donna J. (1994), 'A Game of Cama de Gato: Estudos de Ciências, a teoria feminista, estudos culturais', configurações
, 1, 59-71.

HARAWAY, Donna J. (2008), Quando Espécies Conheça , Minneapolis e Londres: University of Minnesota Press.

Hargrove, Erwin C. (1985), The Missing Link: O estudo da implementação da política social , Washington, DC:
Instituto Urban

Hill, Michael J. (2005), O processo de políticas públicas , Harlow, Essex: Pearson Education.

Hinchliffe, Steve (2001), 'indeterminação-decisões: Ciência, Política e política na crise da BSE',


Transações do Institute of British Geógrafos , 26, 182-204.

Hinchliffe, Steve et.al. ( 2005), 'Urban Wild Things: a Experiência cosmopolita', Society and Space , 23: (5), 643-658.
Kao, Rowland R. (2002), 'O Papel da Modelagem Matemática no controle do 2001 febre aftosa epidemia no Reino Unido', Trends
in Microbiology , 10: (6), 279-286.

Latour, Bruno (1987), Ciência em Acção: Como seguir cientistas e engenheiros Através Society , Milton Keynes: Open
University Press.

Latour, Bruno (1999), 'On Recordando ANT', páginas 15-25 em John Law e John Hassard (eds), Rede de ator e Depois ,
Oxford .: Blackwell e Sociological Review.

Latour, Bruno (2001), 'Gabriel Tarde e do Fim do social', páginas 117-132 em Patrick Joyce (ed.),
A social em questão. New Rolamentos em História e Ciências Sociais , Londres. Routledge, igualmente disponíveis em
http://www.ensmp.fr/~latour/articles/article/082.html.

Latour, Bruno (2004), Política de Natureza: Como trazer as Ciências em Democracia , Cambridge, Mass e Londres:.
Harvard.

Latour, Bruno (2013), Uma Investigação sobre modos de existência: uma antropologia dos Modernos , Cambridge, Mass e
Londres:. Harvard University Press.

Lei, John (2002), Histórias de aeronaves: Descentramento o objeto na tecnociência , Durham, N.Ca .: Duke University Press.

Lei, John (2004), Depois Método: Mess em Pesquisa em Ciências Sociais , Londres: Routledge.

Lei, John (2006), 'Disaster na Agricultura, ou de febre aftosa Mobilidades', Ambiente e Ordenamento A , 38, 227-239.

Lei, John (2008), 'Teoria Ator-Rede e material Semiótica', páginas 141-158 em Bryan S. Turner (ed.), O companheiro de
New Blackwell a Teoria Social , Oxford: Blackwell.

Lei, John (2009), 'Vendo Como um exame', Sociologia cultural , 3: (2), 239-256.

Lei, John, e Marianne Elisabeth Lien (2013), 'Slippery: Notas de campo sobre empírica Ontologia', Estudos Sociais da Ciência , 43: (3),
363-378, também disponível em
http://www.sv.uio.no/sai/english/research/projects/newcomers/publications/working-papers- web / Slippery% 20revised%
2,013% 20WP% 20version.pdf.

Lei, John, e Annemarie Mol (2011), 'Realidades veterinários: Qual é a Febre Aftosa?',
Sociologia ruralis , 51: (1), 1-19.

Lei, John, e Ingunn Moser (2012), 'Contextos e abate', Valores Ciência, Tecnologia e Humanos , 37: (4), 332-354.

Matland, Richard E (1995), 'Sintetizando a literatura implementação: O modelo ambigüidade-conflito de implementação de


políticas', Revista de Administração de Pesquisa Pública e Teoria , 5: (2), 145-
174.

Mol, Annemarie (1999), 'Ontológico Política: a Palavra e algumas questões', páginas 74-89 em John Law e John Hassard
(eds), Actor Network Theory and After , Oxford e Keele: Blackwell e Sociological Review.
Mol, Annemarie (2002a), O Corpo múltipla: Ontologia na prática médica , Durham, N. Ca., e Londres: Duke University
Press.

Mol, Annemarie (2002b), 'corte Surgeons, Caminhando Pacientes: Algumas complexidades envolvidas na Comparando',
páginas 218-257 em John Law e Annemarie Mol (eds), Complexidade em Ciência, Tecnologia e Medicina , Durham, N Ca .:
Duke University Press.

Mol, Annemarie (2008), The Logic of Care: Saúde e o problema da escolha do paciente , Londres: Routledge.

National Audit Office (2002), 'The 2001 Surto de Febre Aftosa', Londres, National Audit Office, HC 939,
http://www.nao.gov.uk/publications/nao_reports/01-02/0102939.pdf , atualizadas 21 de junho de 2002, (acessada 15
de setembro de 2003).

Nerlich, Brigitte (2004), 'Guerra ao febre aftosa no Reino Unido, 2001: Para um entendimento cultural da
agricultura', Agricultura e Valores Humanos , 21, 15-25.

Nerlich, Brigitte, e Nick Wright (2006), 'Biossegurança e Insegurança: a interação de Política e Ritual durante a crise
da febre aftosa', Valores ambientais , 15, 441-462.

Pols, Jeanette (2012), Cuidados à Distância: com a proximidade de Tecnologia , Amsterdam: Amsterdam University Press.

Pressman, Jeffrey L., e Aaron Wildavsky (1984), Implementação: Como Expectativas Grande, em Washington são frustradas em Oakland: ou, por
isso que é incrível que os programas federais trabalhar em conjunto, sendo esta uma saga da administração do desenvolvimento económico como
dito por dois observadores simpatizantes que procuram construir a moral sobre uma base de esperanças arruinadas , Berkeley: Universvity of
California Press.

Royal Society of Edinburgh (2002), Investigação em doença de pé e boca, na Escócia , Edimburgo: Royal Society of Edinburgh, também
disponível em
http://www.ma.hw.ac.uk/RSE/enquiries/footandmouth/fm_mw.pdf.

Royal Society, The (2002), 'As doenças infecciosas em animais. questões científicas relativas à transmissão, prevenção e controle de
surtos epidémicos de doenças infecciosas em animais domésticos na Grã-Bretanha, Londres, Royal Society de Londres,
http://www.royalsoc.ac.uk/inquiry/, (acessada 29 de agosto, 2003).

Singleton, Vicky (2012), 'Quando Contextos Conheça: Feminismo e prestação de contas no Reino Unido Pecuária',
Valores Ciência, Tecnologia e Humanos , 37: (4), 404-433.

Stengers, Isabelle (2005), 'The Proposal cosmopolita', páginas 994-1003 em Bruno Latour e Peter Weibel (eds), Tornando as
coisas públicas: Atmospheres da Democracia , Karslruhe e Cambridge Mass .: ZKM e MIT.

Stengers, Isabelle (2010), cosmopolíticas I , Minneapolis e Londres: University of Minnesota Press.

Sunstein, Cass R, e Richard Thaler (2008), Nudge: Melhorar as decisões sobre saúde, riqueza e felicidade , New Haven:
Yale University Press.

Timmermans, Stefan, e Marc Berg (1997), 'Normalização em Ação: Alcançar Universalidade local através de protocolos
médicos', Estudos Sociais da Ciência , 27, 273-305.
Verran, Helen (1998), 'Re-Imagining Fundiária na Austrália', Estudos pós-coloniais , 1: (2), 237-
254.

Verran, Helen (2001), Ciência e uma Logic Africano , Chicago e Londres: Chicago University Press.

Ward, Neil, Andrew Donaldson, e Philip Lowe (2004), 'enquadramento Política e aprender as lições da crise da febre aftosa no
Reino Unido', Ambiente e Ordenamento do C: Governo e Política , 22, 291-306.

Madeiras, Abigail (2004), Uma praga manufacturados: a História da Febre Aftosa na Grã-Bretanha , Londres: Earthscan.