Você está na página 1de 3

Comparando alguns exemplos de pinturas dos séc. XVI e séc.

XVII, o autor introduz o conceito de estilo, que cada artista possue,


mas podem ser organizados em grupos maiores. Significa que, além
do estilo pessoal do artista, deve-se considerar o estilo da escola, o
estilo do páis e o estilo de uma época.

Onde nos deparamos com caracteristicas em comum nas


composições de artistas de uma mesma escola. Ainda pode-se
deparar com componentes onde sua origem nacional analisada,
podemos caracterizar o gosto formal diretamente com os elementos
espirituais e morais, sistematicamente com a questão da psicologia
nacional da forma. Além disso, o artista com seu estilo é muito
influenciado pela corrente cultural em que vive, onde podemos
encontrar em suas obras um estilo que represente a sua época.

Apresentando a história da arte através de seus aspectos


formais, o autor conceitos clássico proprio do renascimento e do
barroco como formas dicotomicas de beleza que levam a arte para
duas etapas de grande importancia para a arte. Para compreender
as diferenças de cada estilo, Wölfflin resume em cinco pares de
conceitos a explicação dessa diferença que existe entre os dois
movimentos. Os cinco pares de características elementares, são o
linear e o pictórico, plano e profundidade, a forma fechada e forma
aberta, pluralidade e unidade, e, clareza absoluta e luz relativa.

Para a forma clássica, a característica linear busca através da


linha criar sua imagem. Separando as figuras uma da outra,
buscando sempre o contorno, com o uso de linhas nitidas, além de
buscar a sensação de algo palpavel e estável à obra de arte.
Diferente da arte Barroca que busca aspectos pictóricos, perdendo o
caráter delimitador da linha, valorizando massas cromáticas. O
movimento é enfatizado para dar efeito teatral à obra de arte, e, os
elementos se tornam instáveis, destacando um aspecto oscilante da
imagem. Apenas a aparência óptica é reproduzida.

No que diz respeito ao plano e a profundidade, a arte classica


através do elemento da linha, estimula a percepção espacial do
objeto visual através de camadas dispostas paralelamente, o plano.
Ainda trás o alinhamento de figuras que sobresaltam em diferentes
camadas planas. Na forma barroca a percepção espacial é feita
através da profundidade, que está diretamente ligada à
representação da luz e à imprecisão do contorno. Fazendo o uso da
perspectiva diagonal nas composições.

Com o conceito de forma fechada e forma aberta, o autor


explica que na arte renascentista a forma tectônica tem a
caracteristica fundamental de não alterar ou remover suas
caracteristicas.O que se revela como forma fechada, pois está em
equilíbrio constante entre as partes, o que equivale a não se permitir
a entrada ou a retirada de objetos na obra. Outro aspecto desta
característica é a posição assumida pelas linhas horizontal e vertical,
que produzem um eixo central e estimulam simetria do objeto
artístico. Na forma aberta, que caracteriza o Barroco, ela faz
desaparecer a harmonia das partes, a obra deixa de se equilibrar
entre horizontais e verticais. A diagonal se torna a forma de direcionar
a obra e a simetria perde sua importância neste movimento. A
configuração da obra possibilita a entrada e retirada de objetos
secundários que compõe a cena, sendo assim atectônica.

A pluralidade se mostra como a parte que é condicionada por


um todo, mas que não deixa de possuir caracteristica particular, ou
seja, os elementos não são condicionados pelo motivo principal do
objeto artístico e sim pela sua totalidade. É própria do estilo classico.
Por sua vez, no Barroco a unidade é a junção de todos os elementos
subordinados pelo motivo principal da obra, ou seja, os objetos
secundários perdem seu sentido fora da obra. E tudo possui um
carater unitário.

O último aspecto a ser observado na forma clássica é a clareza


absoluta, trata-se de buscar o máximo de nitidez para a obra,
mostrando os elementos da obra com todos os seus detalhes. Estes
elementos são concebidos em ângulo frontal para terem maior
claridade. A clareza absoluta é a forma límpida de imagens perfeitas.
Por fim, há a clareza relativa que busca a inconsistência e oferece
apenas pontos básicos para visualização da forma, deixando os
detalhes ocultos ou a cargo da imaginação do expectador. É
caracteristica propria do Barroco. Já que sua percepção visual é
baseada em diversoso ângulos, diminui-se a necessidade da visão
frontal do objeto artístico.

Todas estas características estão interligadas, misturados e


condicionados em sua essência formal, evidenciando a arte sob o
ponto de vista clássico e barroco.

Portanto, os conceitos de Wölfflin tonam-se leis que regem a


arte em relação aos seus aspectos formais, mostrando a repetição
que as formas clássica e barroca passam ao longo do tempo, levando
a história dos objetos artísticos a caracteristicas formais dissonantes,
mas com valores artisticos que se assemelham completamente.
Desta maneira o autor trás conceitos que definem movimentos
artisticos.