Você está na página 1de 12

CAPA

FOLHA DE ROSTO
SUMÁRIO

1. INTRODUÇÃO ..................................................................................................... 4
2. ABORDAGEM TEÓRICA ..................................................................................... 5
2.1 BIOGRAFIA ...................................................................................................... 5
2.1.1 Sistema de classificação racial de Blumenbach ....................................... 5
2.2 OBRAS ............................................................................................................. 7
2.2.1 Antropologia Física ...................................................................................... 7
2.2.2 Anatomia e Biologia do Desenvolvimento ................................................. 8
2.2.3 Blumenbach e a História Natural ................................................................ 8
2.2.4 Blumenbach e o chimpanzé ........................................................................ 8
2.3 ALGUMAS PUBLICAÇÕES ............................................................................. 9
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS ............................................................................... 11
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS .................................................................. 12
1. INTRODUÇÃO

Johann Friedrich Blumenbach (11 de Maio de 1752 – 22 JANEIRO de 1840) era um


médico alemão, fisiologista e antropólogo, um dos primeiros a explorar o estudo da
humanidade como um aspecto de história natural, cujos ensinamentos da anatomia
comparativa foram aplicados à classificação do que ele chamou de raças humanas,
dos quais ele determinou cinco. Neste trabalho será analisado a vida e obra deste
antropólogo.
2. ABORDAGEM TEÓRICA

2.1 BIOGRAFIA

Johann Friedrich Blumenbach nasceu em Gotha, estudou medicina em Jena e


depois em Göttingen, graduando-se a partir do final de 1775 com o seu M.D. Ele era
filho do professor de ensino médio Heinrich Blumenbach e Charlotte Buddeus, filha
do vice-chanceler Karl Buddeus de Gotha.

Em 1769 ele começou sua carreira médica na Universidade de Jena e de 1772 na


de Göttingen . Ele recebeu seu doutorado em 1775 com a tese de Generis Humani
Varietate Nativa (Sobre as diferenças naturais na linhagem humana). Em 1776 foi
nomeado professor extraordinário de Medicina e Inspetor da Coleção de história
natural de Göttingen e em 1778 professor ordinário.

Por quase 60 anos, ele ministrou aulas de história natural, anatomia comparada e
história da medicina, e seus alunos, vindos de todas as partes, descreveram-no
como Magister Germaniae .

Ele se aposentou em 1835 e morreu em 1840, sendo enterrado no histórico


cemitério de Albani, em Göttingen.

Dentro da celebração do seu jubileu de doutorado (1825) foram criadas bolsas de


viagem para ajudar talentosos jovens médicos e naturalistas. Em 1813, ele foi eleito
membro estrangeiro do Royal Swedish Academia de Ciências. Em 1835 ele se
aposentou. Blumenbach morreu em Göttingen em 1840.

2.1.1 Sistema de classificação racial de Blumenbach

Blumenbach dividiu a espécie humana em cinco raças em 1779, mais tarde fundada
na pesquisa craniana (descrição de crânios humanos), e os chamou (1793/1795):

 A raça caucasiana ou raça branca


 A raça mongol ou amarela
 A raça malaia ou marrom
 A raça etíope ou negra
 A raça americana ou vermelha.

Sua classificação da raça mongol incluía todos os asiáticos orientais e alguns


asiáticos centrais.

Blumenbach excluiu os povos das ilhas do Sudeste Asiático e das ilhas do Pacífico
de sua definição em 1779, considerando-os como parte da raça malaia. Ele
considerou os índios americanos como parte da raça americana (povos indígenas).
Ele não achava que eles eram inferiores à raça caucasiana e eram potencialmente
bons membros da sociedade. Ele incluiu os povos da África Subsaariana na raça
negra.

Blumenbach argumentou que características físicas como cor da pele, perfil


craniano, etc., dependiam da geografia, nutrição e costumes.
O trabalho de Blumenbach incluiu sua descrição de sessenta crania humana
(crânios) publicada originalmente em fascículos como Decas craniorum (Göttingen,
1790-1828). Este foi um trabalho de fundação para outros cientistas no campo da
craniometria.

Blumenbach encontrou na Suíça em 1783 "eine zum Verlieben schöne Négresse"


("uma mulher negra tão linda para se apaixonar"). Além disso, o "estudo anatômico"
levou-o à conclusão de que "os africanos individuais diferem tanto, ou até mais, de
outros africanos individuais quanto os europeus diferem dos europeus".

Além disso, ele concluiu que os africanos não eram inferiores ao resto da
humanidade em relação às faculdades saudáveis de compreensão, excelentes
talentos naturais".

"Finalmente, sou de opinião que, depois de todos esses numerosos casos que eu
juntei de negros de capacidade, não seria difícil mencionar províncias inteiras bem
conhecidas da Europa, das quais você não esperaria facilmente obter entregam
bons autores, poetas, filósofos e correspondentes da Academia de Paris, e, por
outro lado, não existe a chamada nação selvagem conhecida sob o sol, que tanto se
distinguiu por exemplos de perfectibilidade e capacidade original para a ciência.
cultura, e assim se ligou tão intimamente às nações mais civilizadas da terra, como o
negro ".

Essas idéias eram muito menos influentes. Suas idéias foram adoptadas por outros
pesquisadores e incentivaram o racismo científico. O trabalho de Blumenbach foi
usado por muitos biólogos e anatomistas comparativos no século XIX interessados
na origem das raças: Wells, Lawrence, Prichard, Huxley e William Flower são bons
exemplos de sua influência na biologia humana.

2.2 OBRAS

2.2.1 Antropologia Física

Uma de suas maiores contribuições para a antropologia clássica era defender a


teoria da unidade da raça humana contra a posição científica vigente no momento
postulando a existência de uma variedade de espécies animais, de acordo com suas
próprias características morfológicas dos diferentes povos .

Blumenbach afirmou que existia uma origem etológica única, sendo a espécie
humana, no entanto, conformada por cinco divisões principais segundo os diferentes
povos, conforme citado anteriormente: caucasianos , mongolóides , malaios ,
americanos e etíopes ou negróides . Essas divisões foram relacionadas de acordo
com Blumenbach com certas características físicas e psicológicas. Para a realização
deste estudo baseou-se na análise craniométrica de indivíduos pertencentes a
diversas populações.

Seus resultados são coletados na obra mais representativa deste autor: Coleçãois
suae craniorum diversarum gentium illustratae. Outro de seus trabalhos mais
significativos foi sua tese de doutorado em Antropologia (mencionada acima).
2.2.2 Anatomia e Biologia do Desenvolvimento

A concepção de Blumenbach da anatomia comparativa estabelece as bases da


morfologia transcendental: a concepção holística do organismo, o interesse na
organização interna, as relações entre estrutura e função, etc.

Blumenbach introduziu o conceito de Bildungstrieb ("força formativa") para explicar o


desenvolvimento dos animais.

2.2.3 Blumenbach e a História Natural

Blumenbach escreveu um manual de história natural intitulado Handbuch der


Naturgeschichte; 12 edições e algumas traduções. Foi publicado primeiro em
Göttingen por J. C. Dieterich em 1779/1780.

2.2.4 Blumenbach e o chimpanzé

Em sua dissertação, Blumenbach mencionou um nome Simia troglodytes com uma


breve descrição para o Chimpanzé Comum. Esta dissertação foi impressa e
apareceu em setembro de 1775, mas apenas para uso interno na Universidade de
Göttingen e não para fornecer um registro público.

A impressão pública de sua dissertação apareceu em 1776. Blumenbach sabia que


Linnaeus já tinha estabelecido um nome Homo troglodytes para um primata mal
conhecido, e em 1779 ele discutiu esse nome Linneano e concluiu corretamente que
Linnaeus estava lidando com duas espécies, uma humana e a orangotango, nenhum
deles era um chimpanzé, e por isso o nome Homo troglodytes não pôde ser usado.
Blumenbach foi um dos primeiros cientistas a entender as identidades das diferentes
espécies de primatas, que eram, excluindo humanos, orangotangos e chimpanzés
(gorilas não eram conhecidos dos europeus nessa época). Na Opinion 1368, a
Comissão ICZN decidiu em 1985 que a visão de Blumenbach devia ser seguida, e
que seus trogloditas Simia, como publicado por Blumenbach em 1779, devia ser do
tipo espécie do gênero Pan e, como era o nome mais antigo disponível para o
chimpanzé comum, ser usado para esta espécie. Contudo, a Comissão não sabia
que Blumenbach já havia mencionado esse nome em sua dissertação. Seguindo as
regras do código ICZN o nome científico de um dos animais africanos mais
conhecidos, actualmente conhecido como Pan troglodytes, deve ter o nome de
Blumenbach combinado com a data de 1776.

2.3 ALGUMAS PUBLICAÇÕES

─ 1783 - 1788: Medicinische Bibliothek (Göttingen: JC Dieterich)


─ 1786: Instituições physiologicae (Göttingen: JC Dieterich)
─ 1786: Introductio in historiam medicinae litterariam (Göttingen: JC Dieterich)
─ 1787: D. Jo. Frid. Blumenbachii, ... de Nisu formativo et generationis negotio
nuperae observações (Göttingen: JC Dieterich)
─ 1788: D. Jo. Frid. Blumenbachii, ... Comentário de vi vitali sanguinis, recitata
en consensu sollenni Soc. Reg. scientiar. Inter semisaecularia Academiae
(Göttingen: JC Dieterich)
─ 1788: Sinopse sistemática scriptorum quibus inde ab inauguratione Académie
Georgiae Augustae d. 17 de setembro 1737 usque ad sollemnia istius
inaugurationis semisaecularia 1787 disciplinam suam augere et ornare
studuerunt professores profilitérios medici gottingenses, digessit et edidit Jo.
Fr. Blumenbach (Göttingen: JC Dieterich)
─ 1790: Jo. Frid. Blumenbachii, ... Decas I (-VI) coleção é sua craniorum
diversarum gentium illustrata (Göttingen: JC Dieterich)
─ 1795: De Generis humani varietate nativo (Göttingen: Vandenhoek und
Ruprecht)
─ 1796 - 1805: Abbildungen naturhistorischer Gegenstände (Göttingen: JH
Dieterich)
─ 1798: Über die natürlichen Verschiedenheiten im Menschgeschlechte ...
(Leipzig: Breitkopf und Härtel)
─ 1803: espécime archoeologiae telluris terrarumque imprimis Hannoveranarum
(Göttingen: H. Dieterich)
─ 1803: Manuel d'histoire naturelle , tradutor do direito par François Artaud de
Soulange (2 v. Metz: Collignon)
─ 1805: Handbuch der vergleichenden Anatomie (Göttingen: H. Dieterich)
─ 1806: Vertebrado Anatomia e Fisiologia da Verdauungswerkzeuge der
Säugethiere und Vögel (Berlim)
─ 1807: Geschichte und Beschreibung der Knochen des menschlichen Corpos.
Zweyte sehr vermehrte Ausgabe (Göttingen: H. Dieterich)
─ 1807: Um Sistema Curto de Anatomia Comparativa Traduit para William
Lawrence (1785-1867) (Londres: Longman, Hurst, Rees et Orme)
─ 1808: espécime historiae naturalis, antiquae artis operibus illustratae, etque
vicissim illustrantis (Göttingen: H. Dieterich)
─ 1810: Abbildungen naturhistorischer Gegenstände (Göttingen: H. Dieterich)
3. CONSIDERAÇÕES FINAIS

Depois da pesquisa feita, podemos concluir que Johann Friedrich Blumenbach foi
um antropólogo e zoólogo alemão, que classificou o ser humano em raças, Ele foi o
criador da chamada antropologia física, que se preocupava com o estudo da
morfologia dos vários grupos humanos de acordo com o método da anatomia
comparada. Foi o orientador da tese de Arnold Adolph Berthold, faleceu em
Göttingen, 22 de Janeiro de 1840.
4. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

Schmidt-Wiederkehr P (March 1973). "[J. F. Blumenbach--Chr. Girtanner--C. F.


Becker: precursors of tissue theory of warmth production]" (in German). Medizinische
Monatsschrift 27 (3): 122–6. PMID 4579732.

McLaughlin P (1982). "Blumenbach und der Bildungstrieb. Zum Verhältnis von


epigenetischer Embryologie und typologischem Artbegriff". Medizinhistorisches
Journal 17 (4): 357–72. PMID 11620622.

Wiesemann C (November 1990). "[Johann Friedrich Blumenbach (1752–1840)]" (in


German). Der Pathologe 11 (6): 362–3. PMID 2290797.

Bhopal R (December 2007). "The beautiful skull and Blumenbach's errors: the birth of
the scientific concept of race". BMJ 335 (7633): 1308–9.
doi:10.1136/bmj.39413.463958.80. PMC 2151154. PMID 18156242.

Klatt N (2008). "Klytia und die »schöne Georgianerin« - Eine Anmerkung zu


Blumenbachs Rassentypologie". Kleine Beiträge zur Blumenbach-Forschung 1: 70-
101. urn:nbn:de:101:1-2008112813