Você está na página 1de 50

Conversor

2345.20 / 4004.78C

Client/Server de múltiplas conexões

Manual Rev. 1.20 Outubro / 2007 Ref.3-071.120


ATOS

Este manual não pode ser reproduzido, total ou parcialmente, sem autorização por escrito da Atos.

Seu conteúdo tem caráter exclusivamente técnico/informativo e a Atos se reserva no direito, sem qualquer aviso
prévio, de alterar as informações deste documento.

2
Termo de Garantia
A Atos Automação Industrial LTDA. assegura ao comprador deste produto,
garantia contra qualquer defeito de material ou de fabricação, que nele apresentar no pra-
zo de 360 dias contados a partir da emissão da nota fiscal de venda.

A Atos Automação Industrial LTDA. restringe sua responsabilidade à substi-


tuição de peças defeituosas, desde que o critério de seu Departamento de Assistência
Técnica, se constate falha em condições normais de uso. A garantia não inclui a troca gra-
tuita de peças ou acessórios que se desgastem naturalmente com o uso, cabos, chaves,
conectores externos e relés. A garantia também não inclui fusíveis, baterias e memórias
regraváveis tipo EPROM.

A Atos Automação Industrial LTDA. declara a garantia nula e sem efeito se


este produto sofrer qualquer dano provocado por acidentes, agentes da natureza, uso em
desacordo com o manual de instruções, ou por ter sido ligado à rede elétrica imprópria,
sujeita a flutuações excessivas, ou com interferência eletromagnética acima das especifi-
cações deste produto. A garantia será nula se o equipamento apresentar sinais de ter sido
consertado por pessoa não habilitada e se houver remoção e/ou alteração do número de
série ou etiqueta de identificação.

A Atos Automação Industrial LTDA. somente obriga-se a prestar os serviços


referidos neste termo de garantia em sua sede em São Paulo - SP, portanto, compradores
estabelecidos em outras localidades serão os únicos responsáveis pelas despesas e riscos
de transportes (ida e volta).

• Serviço de Suporte Atos

A Atos conta com uma equipe de engenheiros e representantes treinados na própria


fábrica e oferece a seus clientes um sistema de trabalho em parceria para especificar,
configurar e desenvolver software usuário e soluções em automação e presta serviços de
aplicações e start-up.

A Atos mantém ainda o serviço de assistência técnica em toda a sua linha de produtos,
que é prestado em suas instalações.

Com o objetivo de criar um canal de comunicação entre a Atos e seus usuários, criamos
um serviço denominado Central de Atendimento Técnico. Este serviço centraliza as
eventuais dúvidas e sugestões, visando a excelência dos produtos e serviços comercializa-
dos pela Atos.

Central de Atendimento Técnico


De Segunda a Sexta-feira
Das 7:30 às 12:00 h e das 13:00 às 17:30 h
Telefone: 55 11 5547 7411
E-mail: suportec@atos.com.br

3
CONVENÇÕES UTILIZADAS
• Títulos de capítulos estão destacados no índice e aparecem no cabeçalho das
páginas.

• Palavras em outras línguas são apresentadas em itálico, porém algumas pala-


vras são empregadas livremente por causa de sua generalidade e freqüência de
uso. Como, por exemplo, às palavras software e hardware.

Números seguidos da letra h subscrita (ex:1024h) indicam numeração hexadeci-


mal e seguidos da letra b (ex:10b), binário. Qualquer outra numeração presente
deve ser interpretada em decimal.

• O destaque de algumas informações é dado através de ícones localizados sem-


pre à esquerda da página. Cada um destes ícones caracteriza um tipo de informa-
ção diferente, sendo alguns considerados somente com caráter informativo e ou-
tros de extrema importância e cuidado. Eles estão identificados mais abaixo:

NOTA


NOTA: De caráter informativo, mostra dicas de utilização e/ou configu-
ração possíveis, ou ressalta alguma informação relevante no equipamen-

OBSERVAÇÃO: De caráter informativo, mostra alguns pontos impor-


tantes no comportamento / utilização ou configuração do equipamento.
OBSERVAÇÃO Ressalta tópicos necessários para a correta abrangência do conteúdo

" IMPORTANTE
IMPORTANTE: De caráter informativo, mostrando pontos e trechos
importantes do manual. Sempre observe e analise bem o conteúdo das
informações que são identificadas por este ícone.

ATENÇÃO: Este ícone identifica tópicos que devem ser lidos com ex-
trema atenção, pois afetam no correto funcionamento do equipamento
em questão, podendo até causar danos à máquina / processo, ou mes-
mo ao operador, se não forem observados e obedecidos.

4
ÍNDICE
C APÍTULO 1 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

. I NTRODUÇÃO A O CLIENT /S ERV E R . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 7

Descrição Geral............................................................... .................................................. 9


Dimensões ............................................................... ........................................................ 10
Códigos dos produtos ............................................................... ..................................... 10
Características Gerais ............................................................... .................................... 11
Configurações recomendadas para rodar o CS Config ........................................... 11
Esquema de ligação ............................................................... ........................................ 12

C APÍTULO 2 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3

. CO NFIGURAÇ ÃO DO CLIENT /SE RV ER . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 1 3

Configuração de Hardware ............................................................... ............................ 15


Configurando o Conversor Client/Server ............................................................... ... 15
Acessando o software de configuração ................................................................................................................... 15
Telnet via Windows 95, 98, 2000, ME ou XP......................................................................................................... 16
Telnet via Windows NT ................................................................................................................................................... 18
Cadastro de usuários .................................................................................................................................................. 21
Configurar parâmetros de rede ................................................................................................................................ 22
Configurar parâmetros das seriais .................................................................................................................................. 23
Configuração atual ...................................................................................................................................................... 24
Encerrando as configurações .................................................................................................................................... 24

C APÍTULO 3 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 7

. C OMUN ICAÇ ÃO . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 2 7

Meio de transmissão ETHERNET ............................................................... ................... 29


Cabo direto ................................................................................................................................................................... 29
Cabo cruzado................................................................................................................................................................ 29
Cabo de ligação em RS-232 (Client/Server Ù PLC) ................................................ 30
Cabo de ligação em RS-485 (rede de PLCs) .............................................................. 3 1
Características elétricas do cabo para padrão RS-485 ........................................................................................ 31
Ligando o Client/Server a uma rede ............................................................... ........... 32
Topologias ............................................................... ........................................................ 32
Intranet.......................................................................................................................................................................... 32
Internet.......................................................................................................................................................................... 33

C APÍTULO 4 . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 5

. C S C ONF IG . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 3 5

Sobre o CS Config ............................................................... ............................................ 37


Iniciando a configuração ............................................................... ............................... 37
Configurando um grupo ............................................................... ................................. 38
Exemplo de configuração........................................................................................................................................... 39
Salvando a configuração em disco............................................................... ............... 40

5
Enviando a configuração para o Client/Server ......................................................... 40

A P Ê N D IC E A . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 3

. S O L U C IO N AND O PR O B L EM A S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 3

A P Ê N D IC E B . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 7

. I ND IC AD OR E S D E D IAGN Ó ST ICO S . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . 4 7

6
ATOS

CAPÍTULO 1
.Introdução ao Client/Server.

7
ATOS INTRODUÇÃO AO CLIENT/SERVER

8
INTRODUÇÃO AO CLIENT/SERVER ATOS

Descrição Geral
O produto 2345.20 – Conversor Client/Server de múltiplas
conexões possui a capacidade de estabelecer de forma
automática conexões com estações remotas (função Client) além
de responder a solicitações de outras estações (função Server).

Estas funcionalidades são importantes para as aplicações onde


há a necessidade de troca de informações entre CPs bem como
atualização de informações com as centrais de controle.

A figura abaixo ilustra a topologia onde são explorados os re-


cursos do conversor Client/Server:

Fig. 1: Exemplo de topologia utilizando o Client/Server

Na função de “Server”, é possível estabelecer até três cone-


xões para cada porta (9003,9004) o que equivale a termos até
seis sistemas supervisórios buscando dados na mesma estação.

Para a função “Client” será possível estabelecer até duas


conexões para cada porta (9001, 9002), totalizando quatro cone-
xões simultâneas entre CPs.

Os dados a serem trocados entre os CPs são definidos sob a


forma de um “Script de comunicação” configurado
individualmente para cada estação.

Os Scripts são criados através do software de configuração


denominado CS Config.

9
ATOS INTRODUÇÃO AO CLIENT/SERVER

Dimensões Visão Geral

Códigos dos produtos


Código Características
2345.20 Montado em bastidor do MPC4004 de 1 passo
4004.78C Usado como unidade avulsa do MPC4004

Observação: A alimentação da unidade 4004.78C é feita atra-


vés do barramento do bastidor.

10
INTRODUÇÃO AO CLIENT/SERVER ATOS

Características Gerais
DESCRIÇÃO DA ALIMENTAÇÃO / OPERAÇÃO:

Tensão de alimentação CC 9 a 36Vcc


Temperatura de Armazenagem -20 a +70 °C
Temperatura de Operação 0 a +55 °C
Umidade 0 a 95% (sem condensação)
5 a 50Hz / 0,625G (0,1mm
Vibração
pico a pico)
Conforme Nema Standard
Imunidade a ruído
ICS2-230
Imunidade à descarga eletrostática Conforme IEC 801-2
Capacidade de armazenamento 200 Kbytes

INTERFACES DE COMUNICAÇÃO:

ON (vermelho)
STS (vermelho)
Indicadores LED
Link (verde)
Active (vermelho)
Software de configuração HyperTerminal / TelNet
Software de programação CS Config
Canal Ethernet 10 baseT
Interface de Comunicação 2 canais seriais: RS-232 e RS-485
independentes

Configurações recomendadas para rodar o CS


Config

• Processador: Pentium III com 128 Mb de RAM.

• Vídeo: 1024x768 pixels

• Espaço disponível no HD: 25 Mb

• Sistema Operacional: Windows® XP

11
ATOS INTRODUÇÃO AO CLIENT/SERVER

Esquema de ligação

ON

STATU

RJ45 LIN

1 TD+ ACTIV

2 TD-
REDE 3 RD+
4 NC
ETHERNET
5 NC
6 RD-
Ethernet
7 NC
8 NC

RJ11
1 RTS RS232
2 RX
CABO
3 TX
CRS232415 ou
C4004EXXX 4 NC
5 GND DO/ RI
6 CTS DO/ RI RS485
+5Vcc
CN1 GND

1 DO\ RI\
CABO
2 DO RI
C4004AXXX 3 +5Vcc
4 GND

10 a + +24Vcc
36Vcc - 0Vcc
ATERRAMENTO

2345.00

Para a unidade 4004.78C não é necessária alimentação externa de


OBSERVAÇÃO 24Vcc.

12
ATOS

CAPÍTULO

CAPÍTULO 2
.Configuração do Client/Server.

13
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

14
CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER ATOS

Configuração de Hardware
JUMPER POSIÇÃO DESCRIÇÃO
A Trabalha com os parâmetros default do Client/Server
ST1 Trabalha com os parâmetros personalizados no
B*
equipamento
ST2 B* RESERVADO
ST3 B* RESERVADO
* - Posição Default

Configurando o Conversor Client/Server


Acessando o software de configuração
A configuração do Client/Server é feita por via rede Ethernet.
O software de configuração a ser utilizado será o e Telnet ou Hy-
perTerminal. Ambos pertencem ao próprio sistema operacional
Windows.

Dependendo da versão do Windows utilizada, o Telnet é acessado


de maneira diferente, mas com o mesmo resultado.
Acompanhe a seguir o procedimento utilizado pelos usuários do
OBSERVAÇÃO Windows 95, 98, 2000, ME ou XP.
Para o sistema operacional Windows NT, ver página 18 deste ma-
nual.

15
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

Telnet via Windows 95, 98, 2000, ME ou XP.


Os sistemas operacionais Windows 95, 98, 2000, ME e XP
possuem o Telnet agregado ao HyperTerminal, portanto, a
descrição a seguir mostra como acessar as configurações do
Client/Server através do HyperTerminal:

O software HyperTerminal encontra-se no seguinte local:

“INICAR/PROGRAMAS/ACESSÓRIOS/COMUNICAÇÕES/
HYPERTERMINAL.EXE”

Ao entrar no programa, a janela de descrição da conexão será


apresentada, como mostra a figura a seguir.

Esta janela pede um nome para a nova conexão a ser


realizada, e um ícone para identificá-la. No exemplo utilizado, o
nome da conexão será “Telnet”. Clique em “OK” para confirmar.

A próxima janela apresentada chama-se “Conectar-se”. Ela


define o tipo de conexão a ser realizada.

16
CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER ATOS

Defina na caixa de
seleção “Conectar-se
usando” a opção
“TCP/IP (Winsock)”,
como mostra a figura ao
lado.

Ao fazer isso, os campos atuais da janela serão substituídos,


deixando a janela com a aparência mostrada mais abaixo:

No campo “Endereço do Host”, digite o número IP que o


conversor Client/Server foi programado. Caso seja a primeira vez
que o conversor é acessado, o número IP padrão ao sair de fá-
brica é: “192.168.0.238”.

Clique em “OK” para confirmar.

O HyperTerminal iniciará uma conexão com o conversor


Client/Server. Uma vez conectado, a primeira tela apresentada é
a tela de login do equipamento (ver figura abaixo):

17
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

Caso seja a primeira conexão com o equipamento, o único


login cadastrado é “administrador”. Pressione “ENTER” para
confirmar e no campo “Password” digite a senha do
administrador: “1234567890” (sem aspas).

" IMPORTANTE
Este login e senha vêm com a configuração padrão do
equipamento ao sair de fábrica. É recomendável trocar essa senha
durante a primeira configuração do conversor Client/Server
(ver página 21) a fim de garantir a segurança das informações /
configurações contidas no mesmo.

Após digitar a senha, pressione “ENTER”, neste momento o


HyperTerminal mostrará a tela de configuração do equipamento
(ver figura abaixo).

As descrições de cada um dos itens da configuração


encontram-se a partir da página 21 deste manual.

Telnet via Windows NT

O acesso ao programa Telnet no Windows NT é feito através


do menu “INICIAR / EXECUTAR”. No campo “Abrir” digite “Tel-
net” e pressione “ENTER” para confirmar.

O Windows iniciará o programa Telnet, apresentando a seguin-


te janela:

18
CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER ATOS

Para iniciar uma conexão,


no menu “Conectar”, clique
em “Sistema Remoto”. A
janela ao lado será
apresentada:

No campo “Endereço do
Host”, digite o número IP que
o Client/Server foi
programado. Caso seja a
primeira vez que o Client/Server é acessado, o número IP padrão
ao sair de fábrica é: “192.168.0.238”. Pressione “ENTER” para
confirmar.

O Telnet iniciará uma conexão com o conversor Client/Server.


Uma vez conectado, a primeira tela apresentada é a tela de login
do equipamento (ver figura abaixo):

Caso seja a primeira


conexão com o
equipamento, o único
login cadastrado é
“administrador”.
Pressione “ENTER” para
confirmar e no campo
“Password” digite a
senha de administrador:
“1234567890” (sem
aspas), como mostra a
figura ao lado.

19
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

" IMPORTANTE
Este login e senha vêm com a configuração padrão do
equipamento ao sair de fábrica.
É recomendável trocar essa senha durante a primeira configu-
ração do conversor Client/Server (ver página 21) a fim de
garantir a segurança das informações / configurações contidas
no mesmo.

Após digitar a senha, pressione “ENTER”, neste momento o


TelNet mostrará a tela de configuração do equipamento (ver figu-
ra abaixo).

As descrições de cada um dos itens da configuração encon-


tram-se a partir da página 21 deste manual.

20
CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER ATOS

Cadastro de usuários
O cadastro de usuários libera os acessos à configuração do
conversor Client/Server. Ele permite a criação de usuários de
diversos níveis de acesso, definindo ainda, senhas personalizadas
para cada usuário.

Para acessar o menu de cadastro de usuários, pressione a


tecla “1”. A seguinte tela será apresentada:

A parte inferior da tela mostra as instruções para alteração dos


dados apresentados. O cursor encontra-se inicialmente na
primeira linha onde está escrito “Administrador”, login padrão do
conversor Client/Server ao sair de fábrica. Para manter este login
e senha, pressione ENTER até a segunda linha.

Para criar um novo usuário, digite o login desejado na coluna


“Nome”, como no exemplo abaixo:

O conversor Client/Server não diferencia maiúsculas de minúscu-


OBSERVAÇÃO las.

21
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

Pressionando ENTER, uma senha deverá ser digitada para este


novo login. Para criar um login sem senha, basta pressionar
ENTER sem digitar nada;

Confirme sua senha no próximo campo e pressione ENTER;

No campo permissão, mude de opção utilizando a barra de


espaço. As opções disponíveis são:

• LEITURA: Permite somente visualizar as configurações


do equipamento;
• ESCRITA: Controle total sobre as configurações. Não
permite alterar o cadastro de usuários;
• TOTAL: Controle total sobre as configurações e o
cadastro de usuários.

Para sair desta tela pressione ESC.

Configurar parâmetros de rede


Para acessar a configuração dos parâmetros de rede, pressione
a tecla “2”. A seguinte tela será apresentada:

Nos campos a seguir definem-se respectivamente o endereço


MAC, a habilitação do DHCP, o endereço IP, máscara de sub-
rede, gateway padrão e por fim os endereços dos canais seriais
e o timeout de conexão de cada canal do conversor
Client/Server.

22
CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER ATOS

DHCP: As configurações do protocolo TCP/IP podem ser


definidas manualmente, isto é, configurando cada um dos
equipamentos necessários. Esta é uma solução razoável para
pequenas redes, porém pode ser um problema para redes
maiores, com um grande número de equipamentos conectados.

Para redes maiores é recomendado o uso do serviço DHCP –


Dynamic Host Configuration Protocol. O serviço DHCP pode ser
instalado em um servidor Windows. Uma vez disponível e
configurado, o serviço DHCP fornece todos os parâmetros de
configuração do protocolo TCP/IP para equipamentos conectados
à rede.

Os parâmetros são fornecidos quando o equipamento é


inicializado e podem ser renovados em períodos definidos pelo
administrador.

Com o uso do DHCP uma série de procedimentos de


configuração podem ser automatizados, o que facilita a vida do
administrador e elimina uma série de erros.

Pressione ENTER para avançar entre as opções disponíveis. A


opção DHCP é alterada pressionando-se a barra de espaço. Para
todos os outros itens, deve-se digitar um valor numérico válido
por inteiro.

Para sair desta tela pressione ESC.

Configurar parâmetros das seriais

Para acessar a configuração dos parâmetros dos canais seriais,


pressione a tecla “3”. A seguinte tela será apresentada:

23
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

Pressione ENTER para avançar entre as opções disponíveis.


Para alterar qualquer uma das opções disponíveis pressione a
barra de espaço. Para todos os outros itens, deve-se digitar um
valor numérico válido por inteiro.

Para sair desta tela pressione ESC.

Configuração atual

No menu principal, pressionando-se a tecla “4” pode-se


visualizar toda a configuração realizada no equipamento, sem
precisar entrar nos menus de edição de configuração acima cita-
dos.
A figura abaixo mostra as informações contidas neste menu:

Para sair desta tela pressione ESC.

Encerrando as configurações
Após realizar as alterações desejadas na configuração do
conversor Client/Server, escolha a opção mais apropriada para
encerrar a configuração:

• Salvar as configurações e encerrar


• Descartar as configurações e encerrar

Utilizando a opção “Salvar as configurações e encerrar”, o


conversor Client/Server salvará as alterações em FLASH e será
reiniciado para assumir as novas configurações.

24
CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER ATOS

Utilizando a opção “Descartar as configurações e encerrar” o


conversor Client/Server descarta qualquer alteração realizada e
sai da configuração sem reiniciar o módulo.

Para o envio de programa de usuário ou de firmware através do


Client/Server, é necessário que o timeout de comunicação seja
alterado para 2000ms. Assim que gravado o programa, retornar o
OBSERVAÇÃO timeout para o valor antigo.

25
ATOS CONFIGURAÇÃO DO CLIENT/SERVER

26
ATOS

ÍTULO 3 – COMUNICAÇÃO

CAPÍTULO 3
.Comunicação.

27
ATOS COMUNICAÇÃO

28
COMUNICAÇÃO ATOS

Meio de transmissão ETHERNET


O conversor Client/Server possui o padrão 10BaseT que
consiste na tecnologia de transmissão de sinais digitais através
de cabos trançados a uma banda base de 10 Mbps. A conexão
entre os componentes de uma rede Ethernet é feita através de
conectores RJ45 e por dois tipos de montagem de cabo:

Cabo direto
Utilizado para conectar o módulo a dispositivos como: hubs,
switches, roteadores, etc.

LADO 1 LADO 2
Pino Cor Nome Pino Cor Nome
1 Branco/laranja TD+ 1 Branco/laranja TD+
2 Laranja TD- 2 Laranja TD-
3 Branco/verde RD+ 3 Branco/verde RD+
4 Azul S/F 4 Azul S/F
5 Branco/azul S/F 5 Branco/azul S/F
6 Verde RD- 6 Verde RD-
7 Branco/marrom S/F 7 Branco/marrom S/F
8 Marrom S/F 8 Marrom S/F

Cabo cruzado
Utilizado para conectar o módulo diretamente a um PC
(desktop, laptop, notebook).

LADO 1 LADO 2
Pino Cor Nome Pino Cor Nome
1 Branco/laranja TD+ 1 Branco/verde RD+
2 Laranja TD- 2 Verde RD-
3 Branco/verde RD+ 3 Branco/laranja TD+
4 Azul S/F 4 Azul S/F
5 Branco/azul S/F 5 Branco/azul S/F
6 Verde RD- 6 Laranja TD-
7 Branco/marrom S/F 7 Branco/marrom S/F
8 Marrom S/F 8 Marrom S/F

29
ATOS COMUNICAÇÃO

O tipo de cabo recomendado é o denominado Categoria 5, que


pode ser encontrado com ou sem blindagem, e que permite taxas de
OBSERVAÇÃO
transmissão de até 100 Mbps. O comprimento máximo de um cabo
para conectar dois dispositivos, utilizando-se o CAT5 depende do tipo
de dispositivo e não deve ser superior a 100 metros.

Cabo de ligação em RS-232 (Client/Server Ù PLC)


RJ11 - MACHO RJ11 - MACHO
6 1 6 1

XX,Xm

RJ11 - MACHO RJ11 - MACHO

NC NC
1 1
RX RX
2 2
TX TX
3 3
NC NC
4 4
GND GND
5 5
NC NC
6 6

Fig. 1. - Cabo de Ligação C4004Exxx

"
IMPORTANTE
Os três últimos dígitos expressam o comprimento do cabo:

Cabo
C4004E030
C4004E060
Comprimento [m]
3,0
6,0
C4004E090 9,0

30
COMUNICAÇÃO ATOS

Cabo de ligação em RS-485 (rede de PLCs)

Fig. 2. - Cabo com código Atos C4004DXXX.

O comprimento máximo do cabo para rede RS-485 é de 1000m a


9600bps.
OBSERVAÇÃO

Características elétricas do cabo para padrão RS-485


• Bitola mínima dos condutores: 24 AWG
• 1 par trançado de condutores mais 1 condutor dreno em
contato com fita de poliéster metalizada aplicada
helicoidalmente sobre os pares trançados.
• Capacitância mútua do par trançado máx. 65pF/m
• Resistência de cada condutor máx. 98 Ohms/km
• Impedância característica (Z0) 120Ohms

"
IMPORTANTE
Os resistores de terminação (RT) são recomendados e devem ser
instalados nas extremidades da rede. O valor dos resistores de termi-
nação deverá estar próximo da impedância característica da linha de
transmissão, variando entre 120 a 150 ohms (valores práticos e de-
pendendo do número de receptores acoplados na linha). As dimen-
sões físicas do cabo são irrelevantes para o cálculo dos resistores de
terminação.

31
ATOS COMUNICAÇÃO

Ligando o Client/Server a uma rede

Fig. 3. - Ligando o Client/Server a uma rede RS-485.

Topologias
Abaixo seguem dois exemplos de topologias que exemplificam
as vantagens de ter um conversor Client/Server ligado a uma
rede ethernet.

Intranet
Em uma fábrica, através da rede Ethernet, PC’s podem
supervisionar / alterar os programas de CLP’s ligados a intranet
da empresa. Para isto basta possuir o endereço IP do conversor
Client/Server em que o CLP esteja conectado e configurar a
comunicação do WinSUP2 / A1 Automation Tools para uma
conexão TCP/IP.

32
COMUNICAÇÃO ATOS

Internet
Através da rede mundial de computadores, se o conversor
Client/Server estiver conectado a um servidor que disponibilize
um endereço de IP fixo na Internet, de qualquer parte do mundo
é possível comunicar com a máquina / processo, como
exemplificado abaixo:

33
ATOS COMUNICAÇÃO

34
ATOS

CAPÍTULO 4
.CS Config.

35
ATOS CS Config

36
CS Config ATOS

Sobre o CS Config
O CS Config é a ferramenta de configuração do ATOS
Client/Server. Sua interface, baseada na plataforma Windows™,
é simples e intuitiva, possibilitando a criação dos frames de co-
municação entre as estações.

Iniciando a configuração
Após inicializar o CS Config, é necessário criar
um novo arquivo “script”. Para fazer isto, clique
sobre o menu “Script” e em seguida na opção
“New”.

A configuração do conversor Client/Server é


composta por grupos. Cada grupo pode comunicar
com uma estação diferente até 8 frames de comu-
nicação de 16 bytes cada. Para criar um grupo, no
menu “Group”, clique em “New”, como mostrado
na figura ao lado.

NOTA

 O número máximo de grupos possível de ser configurado é 16.

37
ATOS CS Config

Configurando um grupo
A figura abaixo mostra os campos existentes para configuração
dos grupos.

Nome do grupo
Canal serial onde o CLP
está conectado
Endereço físico da
variável que hábili-
ta comunicação do
grupo Endereço de rede do CLP
que controla o grupo
Endereço físico da
variável de falha de
comunicação

Timeout de falha Endereço IP, porta de


de comunicação comunicação e endere-
ço do CLP de destino
dos dados

Tabela de frames de comunicação


Address client: Endereço local
Direction: Leitura / Escrita
Address server: Endereço remoto
Size: Tamanho do bloco de dados (até 16
bytes)

Descrição detalhada dos campos:

• Address Enabled: Endereço físico da variável para


habilitação do grupo. Quando ligado realiza a troca de
dados definida nos frames de comunicação do grupo.

• Address Error: Endereço físico da variável de falha de


comunicação do grupo. É habilitado quando não é
possível alcançar a estação remota para troca de dados.

• Server Æ Slave: Endereço de rede do CLP conectado


ao conversor Client/Server que fará a comunicação de
dados.

38
CS Config ATOS

• Comm. Port: Canal Serial do Client/Server em que o


CLP está conectado.

• Timeout [base de tempo em segundos]: Timeout de


espera de falha de conexão com o servidor de dados
(CLP remoto).

• IP: Endereço IP onde o CLP remoto está conectado.

• Port: Porta de comunicação onde o CLP remoto está co-


nectado.

• Client Æ Slave: Endereço de rede do CLP remoto.

Exemplo de configuração

No exemplo ao lado temos a comuni-


cação de um grupo de alarmes entre 2
CLPs.
Este grupo só será habilitado quando a
variável de endereço físico 0200 do CLP
conectado ao canal RS-485 do conversor
Client/Server for acionada. Caso existam
problemas de comunicação de algum
destes frames, a variável de endereço
físico 300 será acionada.

O CLP remoto que participa desta


troca de dados está localizado no
endereço IP 192.168.0.238 (porta 9001).

Logo abaixo é mostrado os frames de


configuração configurados para a
leitura/escrita entre os CLPs.

Considerar sempre:

Server = CLP local (conectado ao conversor Client/Server).


Client = CLP remoto.

39
ATOS CS Config

Salvando a configuração em disco


Para salvar a configuração, mesmo que ela ainda não tenha si-
do concluída, utilize o procedimento abaixo. Desta maneira é
possível armazenar os arquivos de configuração de cada Cli-
ent/Server.

• No menu “File”, escolha a opção “Save”;

• Na janela que será aberta, escolha o local de


armazenamento do arquivo que irá conter as
informações de configuração e dê um nome ao mesmo;

• Pressione o botão Salvar. O arquivo será salvo com a


extensão “.cfg”.

Enviando a configuração para o Client/Server


Após configurar todos os grupos da maneira desejada e salvar
essa configuração em disco, deve-se enviá-la para o conversor
Client/Server. Para realizar o Upload siga o procedimento mos-
trado abaixo:

• No menu “File”, escolha a opção “Upload”;

Para enviar o projeto, devem-se definir alguns parâmetros ini-


ciais, listados na janela abaixo:

• Host: Endereço do Client/Server na rede. Esta


informação já deve ter sido previamente configurada
como mostrado na página 22 do manual.
• User ID: Nome de usuário que permite a autorização de
acesso à escrita no Client/Server. Esta opção é uma
segurança que o equipamento possui garantindo as
informações contidas no mesmo. Somente usuário
cadastrados na configuração do Client/Server com
permissão total ou de escrita no equipamento (ver

40
CS Config ATOS

página 21 para mais informações) podem ter acesso via


FTP aos arquivos existentes no mesmo.
• Password: Senha de acesso do nome de usuário
declarado no campo acima.
• Local File: Definição do local onde está o arquivo de
configuração (previamente salvo) que será carregado no
conversor Client Server. Utilize o botão “Load” para
procurar o arquivo;
• Upload: Carrega o Arquivo no conversor Client/Server
(fecha a conexão automaticamente após concluir o
Upload corretamente);
• Close: Força a fechar a conexão com o conversor
Client/Server;

O andamento do Upload pode ser observado pela janela de


status do CS Config.

41
ATOS CS Config

42
ATOS

APÊNDICE A – SOLUCIONANDO PROBLEMAS

APÊNDICE A
.Solucionando problemas.

43
ATOS SOLUCIONANDO PROBLEMAS

44
SOLUCIONANDO PROBLEMAS ATOS

• Caso o conversor Client/Server apresente falhas


na comunicação

° Verifique se os cabos de conexão estão todos


conectados corretamente;

° No caso dos conversores estarem ligados a uma


rede, verifique se nenhum problema de conectividade à
rede está ocorrendo;

° Verifique o tempo de timeout definido para


conexão. Muitas vezes este tempo não é suficiente para
estabelecer todas as conexões que deveriam ser feitas.
Por isso, configure um tempo maior de timeout e veja
se o problema é solucionado.

• Caso de falha ou esquecimento do login / senha

A região de configuração do conversor Client/Server é acessa-


da somente para usuários cadastrados no equipamento (ver
página 21 para mais informações sobre cadastramento de
OBSERVAÇÃO usuários). Em casos de esquecimento da senha, o conversor
Client/Server possui um jumper interno de segurança (jumper
ST1) que ao ser passado para posição “A” coloca o cadastro de
usuários com a senha e login padrão ao sair de fábrica.

Este procedimento deve ser iniciado com o controlador desli-


gado e só pode ser realizado via Hardware, impossibilitando o
acesso remoto via rede às configurações do conversor
Client/Server, sem saber um login válido para o equipamento.

Ao colocar o jumper ST1 de volta em sua posição padrão


(ST1=B), a lista de usuários original volta a ser carregada no
Client/Server.

45
ATOS SOLUCIONANDO PROBLEMAS

46
ATOS

APÊNDICE B – INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

APÊNDICE B
.Indicadores de diagnósticos.

47
ATOS INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

48
INDICADORES DE DIAGNÓSTICO ATOS

Através dos LEDs localizados no frontal é possível verificar o


status e diagnóstico do Client/Server.

Fig. 4.- Indicadores


de diagnóstico

LED SINALIZAÇÃO DIAGNÓSTICO


ON Aceso vermelho A placa está energizada
Indica que o módulo está operando em estado nor-
STATUS Pisca vermelho
mal.
Indica que o módulo está conectado a uma rede
Ethernet. Caso o LED esteja apagado verifique a
LINK Aceso verde
conexão do cabo Ethernet, procurando mau contato
na conexão do cabo ou da placa.

ACTIVE Pisca vermelho Pisca quando um pacote é recebido ou transmitido.

49
ATOS INDICADORES DE DIAGNÓSTICO

50