Você está na página 1de 24

Escalonamento de Processos

Escalonamento de Processos
Teorema dos Pi de Buckingham

Prof.ª Ana Carolina Plens


Escalonamento de Processos

Vantagens dos Números Adimensionais


Suponhamos que se deseja determinar a força F de arraste de uma esfera lisa
mergulhada em um fluído. O pesquisador observou em laboratório que essa força
depende, qualitativamente, do diâmetro (d) e da velocidade (v) da esfera, da
massa específica (𝛒) do fluído e da sua viscosidade dinâmica (µ).

2
Escalonamento de Processos

3
Escalonamento de Processos

Diante das dificuldades de operação, consideremos os números adimensionais:

Varia-se a velocidade e medem-se as variações de F no dinamômetro. Dessa


forma, obtém-se uma tabela de F em função de v, uma vez que os dois números
adimensionais estão interligados pela existência da velocidade em ambas. Dessa
forma para cada π1 existe um π2.

Diagrama universal do
fenômeno

4
Escalonamento de Processos

Diagrama universal do
fenômeno

5
Escalonamento de Processos

O Teorema

• O teorema π de Buckingham é um dos teoremas centrais dentro da


análise dimensional (MARTINS, 2008);
• Quando a grandeza possui um número muito grande de variáveis, aplica -
se a análise dimensional a um grupo de variáveis auxiliares, simplificando
a resolução;
• Enuncia que: “em vez de fazer -se a análise dimensional de uma grandeza
que é função f de n variáveis, aplica-se a técnica a uma função g de n – k
variáveis auxiliares, aonde k é o número de grandezas fundamentais do
sistema”;
• Assim, quanto maior o número d e grandezas fundamentais envolvidas,
mais simples é a resolução do sistema por meio do teorema π;
• Reitera -se que os grupos adimensionais encontrados não são únicos para
uma grandeza, mas existem conjuntos diferentes de grupos que podem
ser obtidos.

6
Escalonamento de Processos

Passos para a aplicação

• A aplicação do teorema π de Buckingham segue seis passos simples:


1º Listar-se todas as n variáveis que influenciam a grandeza a ser analisada;
2º Selecionar o conjunto mínimo de k grandezas fundamentais necessário;
3º Escrever as variáveis anteriores em função das grandezas fundamentais
escolhidas;
4º Selecionar k das n variáveis, de forma que todas as grandezas fundamentais
estejam representadas. Nessa etapa, não seleciona -se variáveis cuja dimensão
é derivada de outra (área e volume), nem a própria grandeza analisada. Dá -se
preferência a grandezas que possam ser facilmente medidas experimentalmente;
5º Para as demais variáveis, forma-se grupos conforme o passo anterior,
elevando-se as variáveis escolhidas anteriormente a um expoente incógnita;
6º Resolver as equações dimensionais resultantes e determinar os expoentes
incógnitas definidas no passo anterior.

7
Escalonamento de Processos

Passos para a aplicação

8
Escalonamento de Processos

Aplicando
Ex.1 Verificou-se em laboratório que a força de arrasto, que age em uma esfera
lisa que se movimenta em um fluído, é dada por uma função do tipo F=f(v,d,µ,𝛒).
Determinar a função de números adimensionais, equivalente à função indicada.

9
Escalonamento de Processos

10
Escalonamento de Processos

11
Escalonamento de Processos

12
Escalonamento de Processos

Ex.2 A velocidade de um corpo em queda livre é função somente da aceleração


da gravidade g e da altura de queda h. Determinar a função de números
adimensionais referente ao fenômeno.

13
Escalonamento de Processos

14
Escalonamento de Processos

Exemplo: Scale-up – Leito Fixo

15
Escalonamento de Processos

Variável Símbolo Dimensões


L
Diâmetro da Coluna D

Densidade do Fluido ρ M. L-3

Viscosidade do Fluido µ M.L-1.t-1

Velocidade do Fluido v L.t-1

L2.t-1
Difusividade do Soluto D
AB

Coeficiente de L.t-1
Kc
Transferência de Massa

16
Escalonamento de Processos

K= m-n
m= numero de variáveis
n= numero de dimensões

K= 6-3= 3 (grupos adimensionais)

Variáveis escolhidas: D, ρ, DAB

17
Escalonamento de Processos

18
Escalonamento de Processos

19
Escalonamento de Processos

20
Escalonamento de Processos

• Sh = f (Re, Sc)

𝑭𝒐𝒓ç𝒂𝒔 𝑰𝒏𝒆𝒓𝒄𝒊𝒂𝒊𝒔
• 𝑹𝒆 = 𝑭𝒐𝒓ç𝒂𝒔 𝑽𝒊𝒔𝒄𝒐𝒔𝒂𝒔

𝑫𝒊𝒇𝒖𝒔𝒊𝒗𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒎𝒐𝒍𝒆𝒄𝒖𝒍𝒂𝒓 𝒅𝒆 𝒎𝒐𝒗𝒊𝒎𝒆𝒏𝒕𝒐


• 𝑺𝒄 =
𝑫𝒊𝒇𝒖𝒔𝒊𝒗𝒊𝒅𝒂𝒅𝒆 𝒎𝒐𝒍𝒆𝒄𝒖𝒍𝒂𝒓 𝒅𝒆 𝒎𝒂𝒔𝒔𝒂

𝑪𝒐𝒆𝒇𝒊𝒄𝒊𝒆𝒏𝒕𝒆 𝒅𝒆 𝒕𝒓𝒂𝒏𝒔𝒇𝒆𝒓ê𝒏𝒄𝒊𝒂 𝒅𝒆 𝒎𝒂𝒔𝒔𝒂 𝒄𝒐𝒏𝒗𝒆𝒄𝒕𝒊𝒗𝒂


• 𝑺𝒉 = 𝑪𝒐𝒆𝒇𝒊𝒄𝒊𝒆𝒏𝒕𝒆 𝒅𝒆 𝒕𝒓𝒂𝒏𝒔𝒇𝒆𝒓ê𝒏𝒄𝒊𝒂 𝒎𝒂𝒔𝒔𝒂 𝒅𝒊𝒇𝒖𝒔𝒊𝒗𝒂

• Re= Reynold, Sc= Schmidt, Sh=Sherwood

21
Escalonamento de Processos

𝑫.𝒗.𝝆
• 𝑹𝒆 = = 𝟔𝟔, 𝟔𝟗 𝑭𝒍𝒖𝒙𝒐 𝑳𝒂𝒎𝒊𝒏𝒂𝒓
𝝁

𝝁
• 𝑺𝒄 = 𝝆. 𝑫𝒂𝒃
= 0,935

Kc. D
• 𝑺𝒉 = D = 𝟐𝟏𝟒𝟑, 𝟕
AB

• Obs.:
𝓋 = 0,3126 cm/s
D= 1,905 cm
ρ = 0,997 g/𝒄𝒎𝟑
Kc = 1,075. 𝟏𝟎−𝟑 𝒄𝒎. 𝒔−𝟏
𝑫𝑨𝑩 = 9,553 . 𝟏𝟎−𝟕 𝒄𝒎𝟐 . 𝒔−𝟏
𝒈
𝝁 = 𝟎, 𝟎𝟎𝟖𝟗𝟎𝟑
𝒄𝒎.𝒔

22
Escalonamento de Processos

Exercício
1. Faça o estudo da queda livre de um corpo (sem fricção) aplicando o teorema de
π de Buckingham.

2 - Faz-se a aplicação do teorema π de Buckingham para analisar a tensão de


cisalhamento em um escoamento em duto circular, para obter uma expressão a
partir das variáveis. Sabe-se que a tensão de cisalhamento depende da
densidade do fluido em escoamento, da ação da gravidade sobre o mesmo,
da diferença de altura manométrica medida, do diâmetro da tubulação e da
largura total do duto. Assim, tem-se

3 – Em muitos fenômenos estudados por MecFlu comparecem as seguintes


grandezas características: 𝛒, µ, L, v, F, g, c. Determinar os números
adimensionais que podem ser formados com essas grandezas. (L =
comprimento característico e c=velocidade do som)

23
Escalonamento de Processos

Artigo de Estudo
• Qual o objetivo do artigo e em qual ramo aplica-se?

• Qual a função dos números adimensionais?

• Quais as premissas para que um processo seja considerado


similar? Explique-as

• Como se desenvolve o Teorema dos Pi de Buckingham? Quais são


as etapas para sua aplicação?

• Explique os estudos de caso apresentados no trabalho.

24

Você também pode gostar