Você está na página 1de 68

01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

  

 Cardápio

Home > Radiologia > vol. 283, n º 1

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 1/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

 ANTERIOR PRÓXIM
O 

Pesquisa original  Acesso livre


Estado da arte

Avaliação focada com sonografia no


trauma (FAST) em 2017: o que os
radiologistas podem aprender
John R. Richards , John P. McGahan

 Afiliações do autor

Dos Departamentos de Medicina de Emergência (JRR) e


Radiologia (JPM), Universidade da Califórnia, Davis Medical
Center, 4860 Y St, Sacramento, CA 95817.

Endereço de correspondência para JPM (e-mail:


jpmcgahan@ucdavis.edu ).

Publicado on-line: Mar 14 2017


https://doi.org/10.1148/radiol.2017160107

Abstrato
Avaliação focada com ultra-sonografia em trauma (FAST) tem sido
amplamente utilizada e estudada em trauma contuso e penetrante
nas últimas 3 décadas. Antes do FAST, procedimentos invasivos,
como lavagem peritoneal diagnóstica e laparotomia exploratória,
eram comumente utilizados para diagnosticar lesão intra-abdominal.
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 2/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
p g
Hoje, o exame FAST evoluiu para um estudo mais abrangente do
abdome, coração, tórax e veia cava inferior, e existem muitas
variações na técnica, nos protocolos e na interpretação. Estratégias
de tratamento do trauma, como laparotomia, laparoscopia,
endoscopia, angiotomografia computadorizada, intervenção
angiográfica, imagem seriada e observação clínica também mudaram
ao longo dos anos. Esta revisão do estado da arte discutirá a
evolução do exame FAST para seu estado atual em 2017 e avaliará
seu papel em evolução no manejo agudo do paciente traumatizado.
Os autores também relatam a utilidade do FAST em populações
especiais de pacientes, como pacientes pediátricos e com traumas
grávidas, e o potencial para futuras pesquisas, aplicações e partes
deste exame que podem ser aplicáveis à prática baseada em
radiologia.

© RSNA, 2017

O material complementar on-line está disponível para este artigo.


Objetivos de aprendizado:
Depois de ler o artigo e fazer o teste, o leitor será capaz de:
■ Discutir a precisão e a utilidade do FAST na tomada de
decisões clínicas, bem como limitações e armadilhas

■ Descrever protocolos mais recentes, como eFAST e RUSH, e


seus usos

■ Discuta o uso do FAST em populações especiais, como


pacientes grávidas e pediátricas

Declaração de Acreditação e Designação

A RSNA é credenciada pelo Conselho de Credenciamento para


Educação Médica Continuada (ACCME) para fornecer educação
médica continuada para os médicos. O RSNA designa esta atividade
SA-CME baseada em periódicos para um máximo de 1,0 AMA PRA
Category 1 Credit ™ . Os médicos devem reivindicar apenas o crédito
proporcional à extensão de sua participação na atividade.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 3/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Declaração de Divulgação

O ACCME exige que a RSNA, como um provedor credenciado da CME,


obtenha declarações de divulgação assinadas pelos autores, editores
e revisores para esta atividade. Para esta atividade de CME baseada
em periódicos, as divulgações de autor são listadas no final deste
artigo.
A lesão traumática continua sendo a principal causa de morte de
pessoas de 1 a 44 anos, com quase 200.000 mortes por ano nos
Estados Unidos ( 1 ). Em 2013, havia 27 milhões de pacientes
atendidos em serviços de emergência, sendo 3 milhões
hospitalizados por lesões ( 1). Uma proporção substancial desses
pacientes tem lesões por trauma abdominal e / ou torácico contuso.
O advento da avaliação focalizada com ultrassonografia em trauma
(FAST) há três décadas permitiu que os clínicos realizassem uma
triagem rápida para a lesão à beira do leito dos pacientes,
especialmente aqueles pacientes também instáveis
hemodinamicamente para o transporte para a tomografia
computadorizada (TC). A identificação de fluido livre dentro da
cavidade peritoneal, pericárdio e espaços pleurais pode ser realizada

imediatamente na chegada do paciente ao hospital. Outras


aplicações do FASTincluem a detecção de lesões em órgãos sólidos,
pneumotórax, fraturas, exames em série, bem como o uso no
transporte pré-hospitalar e várias configurações de vítimas como
ferramenta de triagem. No entanto, tem havido relutância geral dos
radiologistas em aceitar o uso da ultrassonografia (US) em trauma, já
que há mais confiança na TC. Muito disso se deve ao fato de que o
uso do FAST migrou para os socorristas e inclui o uso do FAST no
campo ou durante o transporte do paciente. VELOZEStambém é
tipicamente usado como exame de imagem inicial do paciente na
chegada ao departamento de emergência. Desde a descrição original
do uso de US no paciente traumatizado, tem havido várias novas
aplicações do uso de US para esses pacientes. Vamos rever estes
desenvolvimentos mais recentes dos EUA em vítimas de trauma e
discutir as aplicações úteis para os radiologistas.

A evolução do FAST
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 4/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

A evolução do FAST
EUA foi utilizado pela primeira vez para o exame de pacientes com
trauma na década de 1970 na Europa ( 2 , 3 ). Não foi amplamente
adotado na América do Norte até a década de 1990, período em que
o acrônimo FAST foi definido como “ultra-sonografia abdominal para
trauma” ( 4 - 6 ). À medida que a FAST evoluiu para um exame mais
abrangente, a sigla foi alterada para “avaliação focalizada com
ultrassonografia para trauma” ( 7 ). Desde então, o FAST tornou-se a
modalidade inicial de rastreamento na maioria dos centros de
trauma nos Estados Unidos e no mundo, e está incluído no programa
Advanced Trauma Life Support para avaliação do paciente com
traumatismo hipotensivo (8 , 9 ). Um aspecto único do FAST é que ele
é rotineiramente utilizado por radiologistas, médicos de emergência
e cirurgiões com treinamento e experiência variáveis.

Precisão do FAST e tomada de decisão


clínica

Em 1976, Asher e colegas relataram a sensibilidade do US para


detecção de lesão esplênica por trauma abdominal contuso como
80% (quatro de cinco) ( 3 ). Durante a década de 1990, foram
publicados inúmeros estudos relatando sensibilidades que variaram
de 69% (11 de 16) a 98% (52 de 53) e especificidades de 95% (18 de
19) a 100% (259 de 259) para detecção de hemoperitônio ( 10 ). Muito
desse entusiasmo inicial pelo FAST e sua alta sensibilidade se devem
ao fato de que os achados do FAST foram inicialmente comparados
com os desfechos dos pacientes e não com o TC. Um dos primeiros
estudos a comparar FAST a CT demonstrou uma sensibilidade menor
de 63% (24 de 38) para o FAST na detecção de lesões em órgãos
sólidos ( 11). A menor sensibilidade deveu-se em grande parte ao
fato de que havia uma lesão isolada de um órgão sólido sem a
presença de fluido livre. Desde então, surgiram avaliações críticas
mais recentes do FAST , destacando sua alta taxa de falso-negativos
em pacientes com trauma estável ( 12 , 13 ). Carter et al, em um
estudo retrospectivo de 1671 pacientes com trauma abdominal
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 5/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
estudo retrospectivo de 1671 pacientes com trauma abdominal
fechado, relataram uma sensibilidade de 22% (25 de 114) em
pacientes estáveis hemodinamicamente e 28% (nove de 32) em
pacientes instáveis, e concluíram um estudo FAST negativo sem a
tomografia de acompanhamento pode falhar uma lesão intra-
abdominal (IAI) ( 14 ). O potencial de subdiagnóstico do IAI com
FASTagora é bem reconhecido ( 15 ). Em um estudo prospectivo de
772 pacientes, Chiu et al determinaram que 29% (15 de 52) dos
pacientes com FAST negativo tinham IIA ( 16 ). A suspeita clínica, o
mecanismo da lesão e a mudança no exame clínico ou no estado
hemodinâmico devem sempre ser incluídos na decisão de testes
diagnósticos adicionais em pacientes com resultados FAST iniciais
negativos ( Fig. 1 ). Para pacientes com um estudo FAST negativo ,
pode-se optar por observação em série FAST , CT ou contraste com
material reforçado.

Figura 1: Algoritmo de diagnóstico para o uso do FAST para triagem


https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 6/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
de pacientes com trauma. CEUS = US com contraste aprimorado.

Figura 1:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Com o tempo, um novo papel para o FAST evoluiu, no qual seu uso
na avaliação de pacientes com trauma hipotensivo e instável é
enfatizado ( 17 ). O uso mais efetivo do FAST foi a triagem rápida de
pacientes com trauma hemodinamicamente instável para
intervenção definitiva ( 17 ), levando a tempo reduzido para
intervenção adequada, hospitalização encurtada e custos mais
baixos ( 18 ). O exame FAST também mostrou reduzir a necessidade
de lavagem peritoneal diagnóstica (DPL), com um estudo prospectivo
de 194 pacientes relatando uma redução de 9% (17 de 194) para 1%
(dois de 194) ( 19 ).

Técnica RÁPIDA e Interpretação


A seleção da sonda na avaliação do paciente traumatizado depende
do que é o foco principal do exame. Uma sonda de setor (3 a 5 MHz)

é melhor utilizada como uma sonda multiuso. É apropriado para


examinar órgãos sólidos e determinar a presença de fluido livre no
abdome ou pelve. Um scanner de setor pode ser usado para
examinar o coração em caso de derrame pericárdico ou hemorragia.
Um scanner de setor também é útil para escanear entre as costelas o
pneumotórax. Um transdutor de matriz curva pode ser usado no
abdômen para melhor resolução, mas não é ideal para imagens do
coração ou do pulmão, especialmente durante a varredura nos
espaços intercostais. Os transdutores de matriz linear não são ideais
por causa de sua pegada maior no abdômen e no tórax e
frequentemente são de maior frequência com penetração de
profundidade limitada.

O escaneamento FAST original incluía vistas do (a) quadrante


superior direito, que incluía a área peri-hepática e recesso
hepatorenal ou bolsa de Morison ( Filmes 1 , 2 [online]), (b) o
quadrante superior esquerdo abrangendo a visão perisplênica (
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 7/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
quadrante superior esquerdo, abrangendo a visão perisplênica (
Filmes 3 - 5 [online]), (c) a vista suprapúbica (bolsa de Douglas), e
posteriormente (d) uma visão pericárdica subxifoide ( Fig. 2 ; Filmes 6
, 7 [online]). O local inicial preferido para detecção de fluido livre com
FASTé a vista do quadrante superior direito, verificada usando um
setor de frequência mais baixa (3,5 a 5 MHz) ou um transdutor de
matriz curva. Um transdutor de setor com campo longe otimizado é
ideal para melhor penetração ao examinar a fossa hepatorrenal ou
pelve profunda. Um transdutor de matriz curva também pode ser
otimizado para penetração profunda. No entanto, os transdutores de
matriz linear são raramente utilizados no abdômen. O fígado serve
como uma janela acústica conveniente para interrogar o espaço
hepatorrenal e o parênquima hepático. O hemoperitônio geralmente
parece anecóico ou hipoecoico em comparação com órgãos sólidos
adjacentes. A hemorragia prolongada pode se organizar e se tornar
mais ecogênica. Para a vista do quadrante superior esquerdo, o baço
é direcionado para o exame da fossa esplenorrenal e da área
perisplênica. A varredura cefálica permite a visualização do espaço
pleural esquerdo. Movendo a sonda caudalmente, o pólo inferior do
rim esquerdo e da calha paracólica é visualizado. A área perisplênica
pode ser escaneada inadequadamente devido ao acesso físico difícil.
Rolar o paciente para o lado direito é útil para avaliar essa área, pois
pequenas quantidades de fluido livre podem ser coletadas
superiormente ao baço.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 8/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 1: Quadrante superior direito normal RÁPIDO. Imagens


parassagitais em tempo real do quadrante superior direito mostram
fígado e rim normais.

Baixar vídeo original (2.0 MB)

Filme 2a: laceração hepática em um paciente envolvido em um


acidente de automóvel. O filme 2A, FAST, demonstrou
heterogeneidade do fígado associada a uma laceração e fluido
hepático circundante. Filme 2B, fluido livre com hematoma ecogênico
rodopiante é observado.

Baixar vídeo original (1,5 MB)

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 9/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 2b: laceração hepática em um paciente envolvido em um


acidente com veículo automotor. O filme 2A, FAST, demonstrou
heterogeneidade do fígado associada a uma laceração e fluido
hepático circundante. Filme 2B, fluido livre com hematoma ecogênico
rodopiante é observado.

Baixar vídeo original (1,5 MB)

Filme 3: Quadrante superior esquerdo normal RÁPIDO. As imagens


parassagital em tempo real do quadrante superior esquerdo
mostram baço / rim normais.

Baixar vídeo original (2,6 MB)

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 10/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 4: laceração esplênica e ruptura tardia em um paciente com


trauma abdominal contuso. RÁPIDO mostra aparência heterogênea
do baço com hematoma e fluido subcapsular circundante.

Baixar vídeo original (1.6 MB)

Filme 5: US com contraste de laceração esplênica em um paciente


com trauma abdominal contuso demonstra áreas de perfusão
normal que são ecogênicas. Existem regiões hipoecoicas não
perfundidas, correspondendo a múltiplas lacerações.
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 11/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
p , p p ç

Baixar vídeo original (1.7 MB)

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 12/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 2: As quatro visões para o escaneamento FAST original : A =


quadrante superior direito, B = quadrante superior esquerdo, C =
vista suprapúbica, D = vista subxifoide do coração.

Figura 2:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Filme 6: Visão subcostal de quatro câmaras do coração com eFAST


mostra pequena quantidade de fluido pericárdico ao redor do ápice.
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 13/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
mostra pequena quantidade de fluido pericárdico ao redor do ápice.

Baixar vídeo original (2,2 MB)

Filme 7: Hemopericárdio em paciente traumatizado com eFAST. A


visão subcostal de quatro câmaras do coração demonstra o fluido
pericárdico circundante.
Baixar vídeo original (1.0 MB)

A visão suprapúbica permite avaliar o espaço mais dependente na


cavidade peritoneal. O transdutor é colocado acima da sínfise púbica
em um plano sagital e varrido de lado a lado, em seguida, girado
transversalmente e repetido. O posicionamento reverso de
Trendelenburg pode aumentar a detecção de fluido livre na pelve.
Em pacientes do sexo feminino em idade reprodutiva, pequenas
quantidades de fluido livre de até 50 mL na bolsa de Douglas são
consideradas fisiológicas, e quantidades superiores a 50 mL devem
ser consideradas patológicas no cenário de trauma ( 20 , 21). Assim,
supondo que não haja lesão ou outra condição patológica presente,
o fluido livre não deve ser encontrado no espaço retovesicular nos
homens. Apenas pequenas quantidades de líquido devem ser
encontradas no espaço reto-uterino em mulheres em idade fértil. A
detecção de fluido livre na pélvis é auxiliada pela presença de uma
bexiga cheia de líquido Quando o fluido livre está presente é mais
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 14/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
bexiga cheia de líquido. Quando o fluido livre está presente, é mais
freqüentemente localizado posterior ou superior à bexiga e / ou ao
útero. Fluido livre na pelve pode ser perdido quando um cateter de
foley é colocado para esvaziar a bexiga, pois a janela acústica para o
exame da pelve é comprometida, permitindo a detecção de apenas
grandes quantidades de líquido pélvico. O exame ideal para detecção
de quantidades menores de líquido livre pélvico requer uma bexiga
mais distendida ( 11 ).

Existem limitações para o exame FAST , independentemente do


protocolo utilizado. Para o exame abdominal, a detecção de lesões
mesentéricas, intestinais, diafragmáticas e retroperitoneais contusas
pode ser difícil, assim como lesões penetrantes isoladas no peritônio.
Os exames falso-positivos podem resultar da detecção de ascite,
dialisado peritoneal, fluxo de derivação ventrículo-peritoneal,
hiperestimulação ovariana e ruptura do cisto ovariano. Ressuscitação
maciça do volume intravascular pode resultar em um exame FAST
falso positivo da transudação de líquido intravascular para
intraperitoneal ( 22 ). Apesar de fluido livre detectado com FASTem
pacientes com trauma é considerado hemoperitônio, também pode
representar urina relacionada ao trauma, bile e conteúdo intestinal.
O gás intestinal, o enfisema subcutâneo e a obesidade representam
obstáculos comuns à visualização total dos EUA. Pacientes com
apresentação tardia após trauma podem ter coágulos contendo
hemoperitônio ( Filme 2B [online]), que podem ter ecogenicidade
mista e serem perdidos. A gordura perirenal, que alarga a interface
hepatorrenal e esplenorrenal, pode ser mal interpretada como
hematoma líquido ou subcapsular livre, também conhecido como
sinal de “linha dupla” ( 23 ). As visões de comparação de cada rim
podem ser úteis nesses casos.

O volume de fluido livre necessário para permitir a detecção com


FAST representa uma limitação do FAST . Branney e seus colegas
determinaram que o volume médio mínimo detectável de fluidos
livres durante o exame FAST em 100 pacientes submetidos a DPL foi
de 619 mL na bolsa de Morison ( 24 ). O posicionamento de
Trendelenburg pode melhorar a visualização do fluido livre na
interface esplenorrenal e hepatorrenal. Abrams e colaboradores
demonstraram que o FAST realizado na posição de Trendelenburg
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 15/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
demonstraram que o FAST realizado na posição de Trendelenburg
possibilitou a detecção de menores quantidades de líquido livre de
hepatócitos do que o supino (mediana, 400 mL vs 700 mL) ( 25 ). Em
outro DPLestudo, Von Kuenssberg e Jehle et al determinaram
volumes ainda menores foram necessários para a detecção nas
vistas pélvicas do FAST , com um volume mediano mínimo de 100 mL
( 26 ). No entanto, outros estudos mostraram capacidade limitada de
detecção de pequenas quantidades de líquido pélvico livre com a
abordagem transabdominal após descompressão da bexiga com
cateterismo de Foley. Sistemas de pontuação para registrar a
quantidade estimada de fluido livre detectado com US e correlação
clínica com o resultado foram investigados. Estudos anteriores
incluíram protocolos para atribuir pontuações com base na
localização anatômica, número de locais livres de fluido ou altura
vertical do fluido livre ( 27 - 29). Um tema comum entre esses
estudos é quanto maior a quantidade e o número de locais de fluido
livre, maior a probabilidade de lesão ou necessidade de intervenção
cirúrgica. Esses sistemas de pontuação fornecem alguma
padronização da quantificação de fluidos, mas não levam em
consideração outras variáveis clínicas envolvidas na tomada de
decisão cirúrgica.

Protocolos mais recentes


Em meados da década de 2000, o acréscimo da avaliação americana
do tórax para detectar o pneumotórax no exame FAST tradicional
resultou em FAST (eFAST) estendido ( 30 , 31 ). Existem vários outros
protocolos desenvolvidos para avaliação de choque, desconforto
respiratório e parada cardíaca, alguns dos quais com ecocardiografia
( 30 - 48 ). Eles estão listados na Tabela 1 . Outros protocolos para
avaliação da dispnéia incluem o BLUE (US pulmonar à beira do leito
em emergência) e RADIUS (avaliação rápida da dispneia com US). O
protocolo BLUE inclui apenas US do pulmão para detecção de
pneumotórax, bem como edema pulmonar, consolidação e derrame
( 49). O protocolo RADIUS é semelhante, mas inclui avaliação da veia
cava cardíaca e inferior (IVC) ( 50 ).

Tabela 1 Resumo dos Vários Protocolos dos EUA para Avaliação de


https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 16/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
Tabela 1 Resumo dos Vários Protocolos dos EUA para Avaliação de
Choque

Nota: Adaptado, sob licença CC BY, da referência 51. Os números


indicam a sequência de exames para cada protocolo. PTX =
pneumotórax; TVP = trombose venosa profunda; ACES = avaliação
abdominal e cardíaca com ultrassonografia em choque; BEAT =
avaliação ecocardiográfica à beira do leito em trauma / cuidados
intensivos; BLEEP = ecocardiografia limitada à beira do leito pelo
médico de emergência; ECO = ecocardiografia; EGLS = suporte de
vida guiado por eco; QUEDAS = administração de fluidos limitada
por ultra-sonografia pulmonar; EFE = enfoque avaliado no
ecocardiograma transtorácico; SENTIR: RESSUS = avaliação
ecocardiográfica focalizada em ressuscitação; FEER = avaliação
ecocardiográfica focalizada em ressuscitação; LIVRE = exame
rápido ecocardiográfico focalizado; POCUS = ponto de
atendimento em US no paciente hipotenso; RUSH = EU rápido
para choque e hipotensão; HIMAP = coração, VCI, bolsa de
Morison, aneurisma da aorta, pneumotórax; UHP = paciente
hipotenso indiferenciado; NÚCLEO = visão geral concentrada de
esforços de ressuscitação; CAVEAT = peito, abdome, veia cava e
extremidades para triagem aguda.

Uma revisão de todos os protocolos não é possível, mas alguns


merecem revisão adicional. Os autores do protocolo RUSH (um
acrônimo para US rápido para choque e hipotensão) simplificaram
sua conceituação como um exame da (a) bomba, (b) tanque e (c)
tubos ( 43 ). A avaliação da “bomba” inclui eixo paraesternal longo e
curto do coração, além de vistas subxifoide e apical. A avaliação do
“tanque” envolve a interrogação do IVC , FASTexame do abdômen,
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 17/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
q g ç
incluindo vistas pleurais, e US do pulmão. A porção “canos” do RUSH
envolve a varredura da aorta supraesternal, paraesternal, epigástrica
e supra-umbilical, com varreduras adicionais das veias femoral e
poplítea para trombose venosa profunda. O exame RUSH não é
direcionado especificamente para pacientes com trauma, assim, a
parte “tubos” do protocolo geralmente não é realizada no contexto
de trauma agudo. Até onde sabemos, atualmente não há estudos
publicados que avaliem especificamente o exame RUSH
exclusivamente para pacientes com trauma hipotensivo ( 51 ). Ghane
e cols. Relataram 100% de sensibilidade (16 de 16) para a RUSH no
diagnóstico de choque hipovolêmico em 16 pacientes, cinco dos
quais tinham lesões em órgãos sólidos secundários a trauma
abdominal fechado ( 52).). Os pacientes restantes em seu estudo
foram diagnosticados com choque de condições médicas agudas.

O número de protocolos diferentes para avaliação do paciente


gravemente ferido ou doente é uma fonte de confusão,
especialmente porque ainda mais protocolos são desenvolvidos com
siglas e abreviaturas criativas ( Tabela 1 ). Estabelecer um protocolo
de exame padronizado por consenso e baseado em grandes estudos
prospectivos e / ou meta-análises seria útil. Destes protocolos, o

exame eFAST , que inclui avaliação para pneumotórax, e partes do


exame RUSH, que incluem uma breve visão subcostal do coração e
avaliação da VCI , parecem mais práticas e eficientes em termos de
tempo em nossa opinião ( Fig. 3 ). . O uso seletivo de eFAST e RUSH
especificamente para o estabelecimento de trauma são discutidos
abaixo.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 18/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 3: Vistas adicionais que podem ser úteis no paciente


traumatizado: A = visão parassagital direita do pulmão para
pneumotórax, B = vista parasagital esquerda do pulmão para
pneumotórax, C = visão longitudinal da VCI .

Figura 3:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Coração
Imagens subxifoides do coração são obtidas colocando-se o
transdutor no abdome superior e apontando-se superiormente para
o ombro esquerdo. O fluido que envolve o coração é visto como um
espaço anecoico que circunda o miocárdio ( Fig. 4 ; Filme
7[conectados]). O fígado ajuda como uma janela acústica. Se houver
dificuldade em obter a visão subxifóide, podem ser tentadas
abordagens paraesternal, apical de quatro câmaras e subcostal. Se
id d b i ld h
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 i á di f d d 19/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
uma quantidade substancial de hemopericárdio for detectada, o
tamponamento cardíaco é provável se houver colapso diastólico do
átrio direito e / ou do ventrículo. Fluido no espaço pericárdico
posterior pode ser difícil de distinguir do líquido na cavidade pleural
póstero-medial. A distinção pode ser feita visualizando-se a aorta
torácica descendente, já que o líquido pericárdico está presente
anteriormente à aorta, enquanto o líquido pleural é posterior.
Resultados falso-positivos para o hemopericárdio incluem cisto
pericárdico, coxim gorduroso e efusão pré-existente. A área
pericárdica subxifoide pode ser inadequadamente digitalizada devido
a uma janela acústica sub-ótima.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 20/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figure 4: Pericardial effusion: Four-chamber view of the heart


demonstrates moderate-size pericardial effusion (arrow).

Figura 4:
Download as PowerPoint Open in Image Viewer

Hemothorax or Pleural Effusion


The right pleural space may be scanned for free fluid at this time, as
well as the interface between the dome of the liver and diaphragm.
This interface appears as an echogenic curvilinear line, and echoes
similar to liver parenchyma can be seen superiorly. This mirror image
artifact suggests the absence of pleural fluid. Normal lung may
intermittently distort this interface during inspiration, referred to as
the “curtain sign” (53). Pleural fluid may be anechoic or have mixed
echogenicity based on its composition (eg, hemorrhage, exudate,
transudate, empyema). Atelectatic lung can also be seen with this

view (Fig 5). Upright or reverse Trendelenburg positioning may


improve detection of pleural fluid.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 21/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 5: Derrame pleural e atelectasia. Varredura através do fígado


mostra fluido livre no tórax que envolve o pulmão mais ecogênico
(setas).

Figura 5:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Pneumotórax
Como o eFAST é um protocolo relativamente novo, há menos
estudos avaliando sua precisão na detecção de pneumotórax. O
diagnóstico de pneumotórax de tamanho pequeno a moderado com

exame físico e radiografia de tórax supino é desafiador, e essas


lesões ocultas podem passar despercebidas em até 76% (81 de 107)
dos pacientes com trauma fechado ( 54 ). Em estudos que usam CT
como padrão de referência, a sensibilidade do eFAST é melhor do
que a da radiografia de tórax em supino. Kirkpatrick e colegas
realizaram um estudo cego prospectivo de 225 pacientes
traumatizados com eFAST e relataram uma sensibilidade de 48,8%
(21 de 43) para o peito US versus 20,9% (nove de 43) para radiografia
de tórax ( 31). Ianniello e colaboradores investigaram 368 pacientes
com traumatismo instável com eFAST e relataram uma sensibilidade
de 77% (67 de 87) para detecção de pneumotórax ( 55 ). Outro
estudo de 305 pacientes traumatizados concluiu que o eFAST tinha
uma sensibilidade de 43% (32 de 75) em comparação com a
radiografia de tórax (11%, oito de 75) ( 56 ).

Para detecção de pneumotórax, uma sonda de transdutor linear de


alta frequência (> 5 MHz) é preferida mas transdutores setoriais de
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 22/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
alta frequência (> 5 MHz) é preferida, mas transdutores setoriais de
frequência mais baixa e até mesmo um transdutor curvado também
podem ser usados. O transdutor é colocado no segundo ou terceiro
espaço intercostal na linha hemiclavicular na orientação sagital,
depois movido inferiormente ( Fig. 3 ). A sonda também pode ser
colocada de forma oblíqua entre as nervuras para obter uma visão
maior do pulmão. A sonda deve ser colocada em posições diferentes
no tórax anterior e comparada com o lado oposto para verificar se há
pneumotórax. O achado mais útil dos EUA na demonstração de
pulmão normal é o sinal de “pulmão deslizante” ( Fig. 6 ; Filmes 8 ,
9[conectados]). A linha ecogênica que representa a interface pleural
visceral / parietal normal é sempre observada com US: Como a
pleura parietal é fixa, o deslizamento da pleura visceral pode ser
visualizado. Se o pulmão deslizante é visto, isso exclui o
pneumotórax naquele local. A ausência do pulmão deslizante normal
é altamente sugestiva de pneumotórax, mas também pode ser vista
em qualquer situação em que não haja movimento pulmonar ( 57 ,
58 ). Isso inclui apneia, atelectasia, doença pulmonar obstrutiva
crônica, alterações bolhosas, espessamento pleural, póspleurodese,
brônquio fonte principal unilateral ou intubação esofágica. O
enfisema subcutâneo pode obstruir as tentativas de cavidade pleural
subjacente na US e é freqüentemente associado a pneumotórax (
53). A gravidade da doença pode ser um fator, já que o valor
preditivo positivo de ausência de deslizamento pulmonar na
detecção de pneumotórax é de 87% na população geral, 56% no
paciente crítico e 27% nos pacientes com insuficiência respiratória (
48 , 59 , 60 ) .

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 23/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 6a: pulmão normal. (a) A visão parassagital do pulmão entre


as costelas mostra sombreamento nas costelas anteriores (cabeças
de setas). A linha ecogênica mais anterior (seta logo abaixo da ponta
da seta) é a junção da pleura parietal e visceral, onde o movimento
do pulmão deslizante é observado. Há também linhas A (duas setas
inferiores), que são artefatos de reverberação igualmente espaçados
e diminuem a ecogenicidade com a profundidade. (b) A varredura
entre as costelas mostra a linha mais ecogênica (seta anterior), ou a
junção da pleura parietal e visceral, que representa o sinal de
“pulmão deslizante” em tempo real. Vários artefatos de reverberação
são anotados (setas posteriores). Um artefato de linha B ou "cauda
de cometa" também é visto (pontas de seta).

Figura 6a:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 24/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 25/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 6b: Pulmão normal. (a) A visão parassagital do pulmão entre


as costelas mostra sombreamento nas costelas anteriores (cabeças
de setas). A linha ecogênica mais anterior (seta logo abaixo da ponta
da seta) é a junção da pleura parietal e visceral, onde o movimento
do pulmão deslizante é observado. Há também linhas A (duas setas
inferiores), que são artefatos de reverberação igualmente espaçados
e diminuem a ecogenicidade com a profundidade. (b) A varredura
entre as costelas mostra a linha mais ecogênica (seta anterior), ou a
junção da pleura parietal e visceral, que representa o sinal de
“pulmão deslizante” em tempo real. Vários artefatos de reverberação
são anotados (setas posteriores). Um artefato de linha B ou "cauda
de cometa" também é visto (pontas de seta).

Figura 6b:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 26/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 8a: Pulmão deslizante normal visualizado usando um


transdutor de setor de 5 MHz. Filme 8A, O transdutor é colocado no
espaço intercostal e demonstra o pulmão deslizante normal. Filme
8B, O transdutor é colocado perpendicularmente ao espaço
intercostal e o pulmão deslizante é novamente observado entre as
nervuras sombreadas.

Baixar vídeo original (3,0 MB)

Filme 8b: Pulmão deslizante normal visualizado usando um


transdutor de setor de 5 MHz. Filme 8A, O transdutor é colocado no
espaço intercostal e demonstra o pulmão deslizante normal. Filme
8B, O transdutor é colocado perpendicularmente ao espaço
intercostal e o pulmão deslizante é novamente observado entre as
nervuras sombreadas.

Baixar vídeo original (3,0 MB)


https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 27/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 9a: Pulmão deslizante normal visualizado com um transdutor


linear de alta resolução de 13 MHz. Filme 9A, O transdutor é colocado
no espaço intercostal e o reflexo brilhante da pleura visceral é
notado como o pulmão deslizante. Filme 9B, O transdutor é colocado

perpendicularmente às costelas e o pulmão deslizante é novamente


identificado entre as nervuras sombreadas.

Baixar vídeo original (3.1 MB)

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 28/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 9b: Pulmão deslizante normal visualizado com um transdutor


linear de alta resolução de 13 MHz. Filme 9A, O transdutor é colocado
no espaço intercostal e o reflexo brilhante da pleura visceral é
notado como o pulmão deslizante. Filme 9B, O transdutor é colocado
perpendicularmente às costelas e o pulmão deslizante é novamente
identificado entre as nervuras sombreadas.

Baixar vídeo original (3.1 MB)

Outros achados observados na US de pulmão incluem as chamadas


“linhas A” observadas no pulmão normal. A confusão pode surgir,
pois existem linhas A normais e anormais. As linhas A normais são
artefatos de reverberação da pleura visceral e parietal. Essas linhas
são sempre igualmente espaçadas e são uma característica
predominante do pulmão normal ( Fig. 6 ). No entanto, outras linhas
A podem ser vistas em um paciente com pneumotórax ( Fig. 7 ; Filme
10 [online]). Em termos simples, as linhas A são simplesmente linhas
ecogênicas horizontais que correm paralelas ao transdutor ( 61).

Outros sinais dos EUA são “linhas B”, linhas verticais que vão do
transdutor até a borda da tela. As linhas A e B podem ser vistas tanto
no pulmão normal quanto no anormal, mas há uma distinção. No
pulmão normal, há sempre um deslizamento detectado, as linhas A
são perfeitamente espaçadas e as linhas B são muito pequenas.
Acredita-se que estas linhas B possam ser pequenas bolhas
subpleurais ou fluido aprisionado. Existem muitas variantes de linhas
B, incluindo “caudas de cometas”, que são linhas verticais finas que
se estendem apenas a uma curta distância do transdutor. No
entanto, linhas B que se estendem ainda mais baixas são vistas
ocasionalmente em pacientes normais ( 62 ). Com pneumotórax (a)
não há pulmão deslizante; (b) Linhas A estão presentes, mais
numerosas que o normal, e não espaçadas uniformemente; e(c) as
linhas B não estão mais presentes ( Fig. 7 ; 10 [online]).

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 29/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 7: Pneumotórax Note-se a presença de múltiplas linhas A


ecogênicas (setas), mas falta de interface ecogênica anterior do
"pulmão deslizante" da pleura parietal / visceral neste pequeno
pneumotórax.
Figura 7:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 30/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 10: Pulmão ponto em um paciente com pneumotórax de


trauma contuso. Há pulmão normal à esquerda com múltiplas linhas
A igualmente espaciais com pulmão deslizante normal. Existe um
“ponto de pulmão” que separa o pulmão normal à esquerda e o
pulmão anormal à direita.

Baixar vídeo original (1.3 MB)

Enquanto pequenas linhas B que não se prolongam ao longo da


imagem são vistas em pacientes normais, linhas B mais longas e mais
numerosas são observadas em pacientes com pneumonia ou edema
pulmonar. A visualização de linhas B com ausência de pulmão
deslizante não é diagnóstica de um pneumotórax, já que as linhas B
geralmente nunca estão presentes com um pneumotórax; se
presente, isso indica que o pulmão não está se movendo, mas pode
estar doente. Tanto as caudas dos cometas como as linhas B movem-
se com o deslizamento do pulmão. Os artefactos da cauda do cometa
e da linha B ocorrem apenas quando a superfície do pulmão pode
ser alcançada por ondas sonoras, representando assim um achado
reconfortante. Linhas B mais numerosas, começando na superfície
pleural e se estendendo através da imagem, são denominadas
“foguetes pulmonares”. Elas podem ser observadas com
consolidação ou edema pulmonar ( Fig. 8 ) ( 63 ).

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 31/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 8: Foguetes de pulmão. Essas linhas B mais numerosas são


identificadas em pacientes com doença pulmonar parenquimatosa.
Se presentes, estes excluem um pneumotórax, especialmente se for
observado “pulmão de deslizamento”. (Reimpresso, sob licença CC-
BY, da referência 57 ).

Figura 8:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

O perfil da costela superior, da linha pleural e da costela inferior tem


a aparência de um morcego e é chamado de “sinal de morcego”, que
é um achado normal ( 64 ). A junção entre pulmão normal e anormal
pode ser vista e é chamada de “ponto de pulmão” ( Fig 9 ; Filme 10
[online]). A ponta do pulmão pode ser usada para estimar o tamanho
do pneumotórax. Existe também o equivalente em modo M do
deslizamento do pulmão, denominado “sinal do litoral”, e quando
ausente, o “sinal do código de barras” é visto como correspondendo
ao pneumotórax ( Fig. 10).). Outro termo para o sinal de código de
barras é o “sinal da estratosfera”. Um pneumotórax só pode ser
detectado diretamente sob a sonda e pequenos pneumotórax
localizados podem ser perdidos. Os pneumotórax apicais são mais
difíceis de detectar porque há um menor grau de movimento
pulmonar em comparação com o tórax inferior. A comparação das
imagens da parede torácica direita e esquerda pode ser útil, a menos
que pneumotóraxes bilaterais estejam presentes.
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 32/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 33/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 9: ponto do pulmão. Pulmão normal à esquerda com


múltiplas linhas A igualmente espaçadas (setas curtas) e com
“pulmão deslizante” normal em tempo real. Um “ponto de pulmão”
(seta longa) separa o pulmão normal do pulmão anormal para a
direita.

Figura 9:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 34/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 10: Ponto de pulmão no modo M. À esquerda, a interface


ecogênica entre a pleural parietal e a visceral é vista, e
posteriormente há uma aparência granular no pulmão normal, o
“sinal da beira-mar”. À direita, várias linhas, denominadas “sinal de
código de barras”, representando pneumotórax. A interface entre o
pulmão normal e o pneumotórax é o “ponto do pulmão”.
(Reimpresso, sob licença CC-BY, da referência 57 ).

Figura 10:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

O transdutor também pode ser usado para identificar fraturas de


costela seguindo o comprimento da costela longitudinalmente.
Costelas normais aparecem como uma interface fina ecogênica
abaixo dos tecidos moles da parede torácica com posterior sombra
acústica. Fraturas de costela podem causar um rompimento dessa
interface suave e contínua ( Fig 11 ; Filme 11 [online]). O esterno
também pode ser similarmente insonado se houver suspeita de
fratura.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 35/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 11: Fratura de costela. As linhas ecogênicas anterior e


posterior (setas) correspondem às duas margens das costelas

anteriores e à abertura (ponta de seta) de uma fratura de costela


deslocada.

Figura 11:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 36/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Filme 11: Fratura de costela. O transdutor de matriz linear colocado


longitudinalmente à costela do paciente no ponto de maciez
demonstra uma sobreposição de extremidades de costela no local da
fratura de costela.

Baixar vídeo original (1,5 MB)


Veia Cava Inferior
Em muitos centros de trauma, o FAST foi ampliado ainda mais para
incluir a interrogação do IVC durante a respiração como um meio não
invasivo de avaliação do estado do volume. Simonson e colegas
relataram pela primeira vez a utilidade dos EUA em estimar a
pressão atrial direita em voluntários saudáveis no final dos anos 80 (
65 ). Este grupo de estudo determinou a pressão intrapleural

negativa gerada durante a inspiração aumento do retorno venoso


para o átrio direito. Isso diminuiu o diâmetro da VCI , com retorno à
linha de base durante a expiração ( 66). Esses achados foram
desenvolvidos como um método norte-americano para estimar o
status do volume intravascular, especialmente em pacientes
hipotensos. A causa mais comum de hipotensão em pacientes
traumatizados é o choque hipovolêmico por hemorragia, mas lesões
no coração ou no sistema nervoso central podem resultar em
choque cardiogênico e neurogênico ou distributivo. Essas diferentes
formas de choque podem ser diferenciadas pela realização de US do
IVC . Existe uma relação geral entre o diâmetro da VCI e a pressão
venosa central; isso forma a ciência básica da maneira como o IVC é
medido, pois um diâmetro menor do IVC pode indicar depleção de
volume.

A US do IVC é realizada com o paciente em decúbito dorsal usando o


mesmo transdutor curvilíneo de baixa frequência que as vistas
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 37/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
mesmo transdutor curvilíneo de baixa frequência que as vistas
abdominais. Uma abordagem subxifóide é feita com o transdutor na
orientação sagital. Superiormente, o IVC entra no átrio direito na
junção cavoatrial. O diâmetro da VCI é medido 2 cm abaixo da junção
cavo-atrial ( Fig. 12 ). Os diâmetros inspiratórios e expiratórios são
obtidos para comparação ( Fig 13 ). O uso do modo M tem sido
defendido por alguns como um método mais preciso para medir o
IVC .

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 38/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 12: normal VCI . O diâmetro da VCI é medido 2 cm abaixo da


junção cavo-atrial (setas) nesta visão parassagital.

Figura 12:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Figura 13: Variação normal do diâmetro da VCI com a respiração


espontânea em um paciente saudável. Esta mudança espontânea
pode não estar presente em certos estados de doença ou ventilação
com pressão positiva.

Figura 13:
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 39/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

A interpretação da CIVIV baseia-se no diâmetro e no grau de colapso


inspiratório da VCI em pacientes não intubados ou em pacientes
intubados que não recebem ventilação com pressão positiva ( Tabela
2 ) ( 67 ). O diâmetro expiratório normal da VCI é de 1,5 a 2,5 cm e, no
paciente com volume normal, a VCI colapsa durante a inspiração
para menos de 50% do seu diâmetro expiratório. O índice de cava é
calculada como uma percentagem com a fórmula: [( IVC diâmetro
expiratório - IVC diâmetro inspiratória) / VCI diâmetro expiratório] ×
100 ( 68). Um índice que se aproxima dos 100% indica um colapso
quase completo e uma provável depleção de volume, enquanto um
índice próximo de 0% indica colapso mínimo, sugerindo sobrecarga
de volume. Ferrada e colaboradores estudaram 101 pacientes com
traumatismo agudo hipotensivo submetidos à USIV e relataram mau
prognóstico para os pacientes com colapso da VCI ( 69 ). Para
pacientes com trauma, a abordagem mais simples é avaliar a VCI
para verificar se há um colapso substancial com diâmetro pequeno
(<1,5 cm), indicando depleção de volume.

Tabela 2 Alteração e Correlação do Diâmetro da VCI com PVC

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 40/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Nota: Adaptado, com permissão, da referência 68 . PVC = pressão


venosa central.

Para a USIV , há limitações diagnósticas para seu uso na estimativa


do choque em pacientes intubados com ventilação com pressão
positiva, pois o diâmetro da VCI aumentará. A doença pulmonar
obstrutiva crônica grave, a hipertensão pulmonar, a insuficiência
cardíaca direita, o tamponamento cardíaco e a regurgitação
tricúspide também podem aumentar o diâmetro da VCI e fornecer
uma estimativa imprecisa do choque. Além disso, a VCI pode ser
difícil de detectar em pacientes com trauma hipotensivo com choque
hipovolêmico devido ao seu diâmetro reduzido.

Serial FAST
Como o ultra-som FAST inicial representa um instantâneo no tempo,
os exames seriados realizados em pacientes com traumatismo
contuso estáveis podem ser úteis. O exame após a estabilização dá
ao sonografista mais tempo para uma varredura abrangente. Com a
hemorragia intraperitoneal ativa, a quantidade de fluido livre deve,
teoricamente, aumentar com o tempo. O valor do US serial não foi
totalmente investigado. Nunes et al relataram que os exames FAST
em série diminuíram a taxa de falso-negativo em 50% e aumentaram
a sensibilidade para detecção de fluido livre de 69% (nove de 13) para
85% (11 de 13) ( 70 ). Outros estudos confirmaram essa tendência (
71 , 72). Um grupo de estudo incluiu uma visão adicional do espaço
“interloop”, uma área hipoecoica triangular entre o intestino, que
melhorou a sensibilidade do FAST nos exames primário e secundário
( 72 ). Acreditamos que uma TC de base, com alta sensibilidade na
detecção de IAI , poderia ser aumentada pelo FAST realizado à beira
do leito se um paciente se torna instável ( Fig 14 ). Exames FAST em
série podem ser uma alternativa lógica para pacientes com trauma
estável, pacientes com alteração súbita do status hemodinâmico ou
exame físico e pacientes grávidas para mitigar a exposição à
radiação.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 41/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 14a: Serial FAST em um homem de 44 anos com trauma


abdominal contuso de um acidente automobilístico com dor
abdominal. (a) A tomografia computadorizada inicial foi interpretada
como normal. Pensa-se que a pouca heterogeneidade do baço seja
devida ao aumento normal da polpa esplênica. (b) Nove horas
depois, o paciente desenvolveu hipotensão e foi realizado um exame
FAST à beira do leito , que demonstrou fluido livre no abdome
superior (seta) e pelve. L = fígado, K = rim. (c) Imagens em tempo real
mostraram heterogeneidade acentuada no baço. (d) O fluxo de cores
demonstrou uma aparência bastante avascular do baço. e)O paciente
foi ressuscitado e submetido à TC, durante a qual foi detectada
grande laceração do baço com hematoma subcapsular e líquido livre.
O paciente foi levado às pressas para a sala de cirurgia para uma
esplenectomia de emergência bem-sucedida.

Figura 14a:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 42/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 43/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 14b: Serial FAST em um homem de 44 anos com trauma


abdominal contuso de um acidente automobilístico com dor
abdominal. (a) A tomografia computadorizada inicial foi interpretada
como normal. Pensa-se que a pouca heterogeneidade do baço seja
devida ao aumento normal da polpa esplênica. (b) Nove horas
depois, o paciente desenvolveu hipotensão e foi realizado um exame
FAST à beira do leito , que demonstrou fluido livre no abdome
superior (seta) e pelve. L = fígado, K = rim. (c) Imagens em tempo real
mostraram heterogeneidade acentuada no baço. (d) O fluxo de cores
demonstrou uma aparência bastante avascular do baço. e)O paciente
foi ressuscitado e submetido à TC, durante a qual foi detectada
grande laceração do baço com hematoma subcapsular e líquido livre.
O paciente foi levado às pressas para a sala de cirurgia para uma
esplenectomia de emergência bem-sucedida.

Figura 14b:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 44/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 14c: Serial FAST em um homem de 44 anos com trauma


abdominal contuso de um acidente automobilístico com dor
abdominal. (a) A tomografia computadorizada inicial foi interpretada
como normal. Pensa-se que a pouca heterogeneidade do baço seja
devida ao aumento normal da polpa esplênica. (b) Nove horas
depois, o paciente desenvolveu hipotensão e foi realizado um exame
FAST à beira do leito , que demonstrou fluido livre no abdome
superior (seta) e pelve. L = fígado, K = rim. (c) Imagens em tempo real
mostraram heterogeneidade acentuada no baço. (d) O fluxo de cores
demonstrou uma aparência bastante avascular do baço. e)O paciente
foi ressuscitado e submetido à TC, durante a qual foi detectada
grande laceração do baço com hematoma subcapsular e líquido livre.
O paciente foi levado às pressas para a sala de cirurgia para uma
esplenectomia de emergência bem-sucedida.

Figura 14c:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 45/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 14d: RÁPIDO em série em um homem de 44 anos com trauma


abdominal contuso de um acidente automobilístico com dor
abdominal. (a) A tomografia computadorizada inicial foi interpretada
como normal. Pensa-se que a pouca heterogeneidade do baço seja
devida ao aumento normal da polpa esplênica. (b) Nove horas
depois, o paciente desenvolveu hipotensão e foi realizado um exame
FAST à beira do leito , que demonstrou fluido livre no abdome
superior (seta) e pelve. L = fígado, K = rim. (c) Imagens em tempo real
mostraram heterogeneidade acentuada no baço. (d) O fluxo de cores
demonstrou uma aparência bastante avascular do baço. e)O paciente
foi ressuscitado e submetido à TC, durante a qual foi detectada
grande laceração do baço com hematoma subcapsular e líquido livre.
O paciente foi levado às pressas para a sala de cirurgia para uma
esplenectomia de emergência bem-sucedida.
Figura 14d:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 46/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 14e: Serial FAST em um homem de 44 anos com trauma


abdominal contuso de um acidente automobilístico com dor
abdominal. (a) A tomografia computadorizada inicial foi interpretada
como normal. Pensa-se que a pouca heterogeneidade do baço seja
devida ao aumento normal da polpa esplênica. (b) Nove horas
depois, o paciente desenvolveu hipotensão e foi realizado um exame
FAST à beira do leito , que demonstrou fluido livre no abdome
superior (seta) e pelve. L = fígado, K = rim. (c) Imagens em tempo real
mostraram heterogeneidade acentuada no baço. (d) O fluxo de cores
demonstrou uma aparência bastante avascular do baço. e)O paciente
foi ressuscitado e submetido à TC, durante a qual foi detectada
grande laceração do baço com hematoma subcapsular e líquido livre.
O paciente foi levado às pressas para a sala de cirurgia para uma
esplenectomia de emergência bem-sucedida.

Figura 14e:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Avaliação de Organismo Sólido


O exame FAST foi originalmente destinado a detectar fluido livre
intraperitoneal. No entanto, o US é bem adequado para descrever
anormalidades do parênquima de órgão sólido indicativas de lesão,
especialmente durante estudos seriados. Em 1983, vanSonnenberg e
seus colegas relataram pela primeira vez o aparecimento de sangue
nos EUA como focos ecogênicos lineares em órgãos sólidos após
biópsia aspirativa por agulha fina ( 73 ). Desde então, estudos
específicos para trauma abdominal contuso foram publicados. A
sensibilidade para a detecção de lesão de órgãos sólidos com a US
mostrou-se limitada, com dois estudos relatando sensibilidades de
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 47/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

41% (24 de 58) e 44% (11 de 25) ( 74 , 75). Durante as primeiras horas
após a lesão, coágulos sanguíneos frescos no órgão lesionado podem
ter ecogenicidade semelhante à dos órgãos do parênquima ( 76 ).
Richards e McGahan e colegas relataram os achados dos EUA do
parênquima em lesões de órgãos sólidos. Um padrão heterogêneo
difuso é mais comumente detectado em lacerações esplênicas ( Filme
4 [online]), enquanto um padrão hiperecoico discreto ( Filme 2
[online]) é visto com maior frequência em lacerações hepáticas ( 77 ,
78 ). Os hematomas esplênicos subcapsulares são detectados como
bordos hiperecogênicos ou hipoecóicos ao redor do parênquima (
Figs. 14 , 15 ; Filme 4[online]) e lacerações esplênicas tendem a se
tornar hipoecoicas por alguns dias. Para o trauma urológico, as
lesões renais de alto grau têm ecogenicidade mista com padrão
desorganizado, e os hematomas da bexiga freqüentemente parecem
ecogênicos ( 79 ).

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 48/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 15: Hematoma subcapsular ecogênico (seta) do baço (S) .


Figura 15:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Lesão intestinal e mesentérica


A detecção precoce de lesões intestinais e mesentéricas com FAST é
notoriamente difícil, uma vez que o volume de hemorragia e / ou
conteúdo intestinal extravasado é geralmente mínimo logo após o
tempo da lesão ( 80 ). Loops de intestino cheio de líquido não devem
ser confundidos com líquido intraperitoneal livre. Loops intestinais
podem ser distinguidos do fluido livre porque são redondos e têm
peristaltismo. Além disso, o pneumoperitôneo da perfuração

intestinal pode imitar o ar nas alças intestinais pequenas e grandes


na US ou aparecer como linhas ecogênicas, bandas ou pontos com
artefatos de reverberação posterior. O ar livre se desloca para as
áreas menos dependentes da cavidade peritoneal com mudança na
posição do paciente e é referido como o “fenômeno de
deslocamento” ( 81).). Quando ambos fluido livre e ar estão
presentes na cavidade peritoneal, o “sinal listra peritoneal” pode ser
visualizado com US: ar não dependente pode aparecer como uma
listra peritoneal ecogénico espessada com ou sem artefactos de
reverberação ( 82 , 83 ). O US pode descrever o pneumoperitônio
com alta sensibilidade e especificidade com base em dois estudos
prospectivos ( 81 , 84 ).

Pacientes grávidas
Trauma contuso e penetrante é a principal causa de mortalidade
ã b é i f d
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 é d õ 85 É 49/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
materna não-obstétrica, afetando até 7% das gestações ( 85 ). É uma
importante causa de perda fetal e a maior parte das complicações
obstétricas do trauma ocorre no terceiro trimestre. O mecanismo
mais comum de trauma é o ataque interpessoal ( 86 ). Para pacientes
grávidas com traumas, a US é vantajosa, pois não há material de
contraste ou exposição à radiação da mãe ou do feto. Além da
avaliação rápida do fluido livre, a US pode ser usada para avaliar o
movimento do coração fetal, a atividade fetal, o volume de líquido
amniótico, a idade gestacional aproximada e a placenta. Um
pequeno número de estudos mostrou que o FASTem pacientes
grávidas com trauma abdominal contuso, ter sensibilidade e
especificidade semelhantes às dos pacientes não grávidas ( 86 - 90 ).
O exame da placenta é muito importante, pois o descolamento pode
ter uma variedade de aparências, como regiões espessadas ou
avasculares na placenta, sem acompanhar fluido livre na pelve ( Fig.
16 ) ( 91 ). O descolamento de placenta só foi detectado com FAST
como fluido livre em um dos sete casos de uma série de Richards et
al ( 86 ). A atividade cardíaca fetal deve sempre ser verificada com o
modo M, e o feto deve ser examinado para outras lesões sofridas
durante o impacto no abdômen materno ( Fig. 16).). Além disso, o
útero gravídico pode distorcer os pontos de referência usuais dos

EUA na visão pélvica do FAST . Assim, a avaliação da bolsa de Douglas


para hemoperitônio neste subgrupo de pacientes requer técnica
cuidadosa e alguma experiência. A distinção entre fluido intrauterino
e extrauterino pode ser um desafio. Líquido intraperitoneal livre
pode resultar de hemorragia devido a IAI de órgãos sólidos , líquido
amniótico de ruptura uterina ou ambos. Para pacientes com achados
FAST negativos ou duvidosos , a monitorização cardiotocográfica
contínua deve ser iniciada o mais cedo possível para rastreamento
de descolamento prematuro da placenta ( 85). Embora todos os
esforços devam ser feitos para reduzir a radiação ao feto, a TC de
baixa dose com material de contraste pode ser necessária em
algumas situações, e o material de contraste intravenoso é
classificado como droga de classe B sem efeito teratogênico
conhecido para o feto ( 92 ).

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 50/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 16a: RÁPIDO na gravidez. Imagens obtidas em uma mulher de


33 anos, grávida de 34 semanas, envolvida em um acidente de carro
em alta velocidade. (a) Uma US fetal anterior de 20 semanas
demonstrou uma placenta aparentemente normal (P) . (b) FAST
mostrou que a placenta era espessa e heterogênea, preocupante
para o descolamento da placenta. (c) Outras imagens mostram um
fêmur fraturado do feto (seta). (d) Paciente foi submetido a TC, na
qual uma grande região avascular foi vista na placenta (setas pretas)
e um fêmur fraturado (seta branca) foi confirmado. e) Foi realizada
uma cesariana de emergência que mostrou um descolamento da
placenta, com parto de uma criança saudável com fratura do fêmur
direito (seta).

Figura 16a:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 51/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 16b: RÁPIDO na gravidez. Imagens obtidas em uma mulher de


33 anos, grávida de 34 semanas, envolvida em um acidente de carro
em alta velocidade. (a) Uma US fetal anterior de 20 semanas
demonstrou uma placenta aparentemente normal (P) . (b) FAST
mostrou que a placenta era espessa e heterogênea, preocupante
para o descolamento da placenta. (c) Outras imagens mostram um
fêmur fraturado do feto (seta). (d) Paciente foi submetido a TC, na
qual uma grande região avascular foi vista na placenta (setas pretas)
e um fêmur fraturado (seta branca) foi confirmado. e) Foi realizada
uma cesariana de emergência que mostrou um descolamento da
placenta, com parto de uma criança saudável com fratura do fêmur
direito (seta).

Figura 16b:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 52/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 16c: RÁPIDO na gravidez. Imagens obtidas em uma mulher de


33 anos, grávida de 34 semanas, envolvida em um acidente de carro
em alta velocidade. (a) Uma US fetal anterior de 20 semanas
demonstrou uma placenta aparentemente normal (P) . (b) FAST
mostrou que a placenta era espessa e heterogênea, preocupante
para o descolamento da placenta. (c) Outras imagens mostram um
fêmur fraturado do feto (seta). (d) Paciente foi submetido a TC, na
qual uma grande região avascular foi vista na placenta (setas pretas)
e um fêmur fraturado (seta branca) foi confirmado. e) Foi realizada
uma cesariana de emergência que mostrou um descolamento da
placenta, com parto de uma criança saudável com fratura do fêmur
direito (seta).

Figura 16c:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 53/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 54/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 16d: RÁPIDO na gravidez. Imagens obtidas em uma mulher de


33 anos, grávida de 34 semanas, envolvida em um acidente de carro
em alta velocidade. (a) Uma US fetal anterior de 20 semanas
demonstrou uma placenta aparentemente normal (P) . (b) FAST
mostrou que a placenta era espessa e heterogênea, preocupante
para o descolamento da placenta. (c) Outras imagens mostram um
fêmur fraturado do feto (seta). (d) Paciente foi submetido a TC, na
qual uma grande região avascular foi vista na placenta (setas pretas)
e um fêmur fraturado (seta branca) foi confirmado. e) Foi realizada
uma cesariana de emergência que mostrou um descolamento da
placenta, com parto de uma criança saudável com fratura do fêmur
direito (seta).

Figura 16d:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 55/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 16e: RÁPIDO na gravidez. Imagens obtidas em uma mulher de


33 anos, grávida de 34 semanas, envolvida em um acidente de carro
em alta velocidade. (a) Uma US fetal anterior de 20 semanas
demonstrou uma placenta aparentemente normal (P) . (b) FAST
mostrou que a placenta era espessa e heterogênea, preocupante
para o descolamento da placenta. (c) Outras imagens mostram um
fêmur fraturado do feto (seta). (d) Paciente foi submetido a TC, na
qual uma grande região avascular foi vista na placenta (setas pretas)
e um fêmur fraturado (seta branca) foi confirmado. e) Foi realizada
uma cesariana de emergência que mostrou um descolamento da
placenta, com parto de uma criança saudável com fratura do fêmur
direito (seta).

Figura 16e:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Pacientes RÁPIDOS E PEDIÁTRICOS


Houve vários estudos de utilização FAST em pacientes com trauma
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 56/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

pediátrico. Vários estudos demonstraram sensibilidades,


especificidades e precisões semelhantes às dos adultos ( 93 - 96 ). No
entanto, um número semelhante mostrou menor sensibilidade. Fox
et al estudaram FAST em 357 crianças com trauma abdominal
contuso ( 97 ). A sensibilidade para o hemoperitônio foi de 52% e a
especificidade foi de 96%. Os autores concluíram que um exame
FAST positivo sugere hemoperitônio, mas um exame FAST negativo
não ajuda na tomada de decisão clínica. Uma meta-análise da
questão determinada FAST pediátricaapresentou sensibilidade global
de 66% e especificidade de 95% para detecção de hemoperitônio ( 98
). Uma pesquisa com centros de trauma de nível 1 e hospitais
dedicados a crianças mostrou que o FAST foi usado em 96% dos
adultos, 85% dos adultos e pediátricos e 15% dos hospitais infantis (
99 ). Os autores concluíram que o maior impedimento para o uso do
FAST em hospitais infantis foi a percepção de sua sensibilidade
limitada e maior proporção de IAI sem acompanhamento de fluido
livre em crianças lesadas. O uso de FAST em pacientes com trauma
pediátrico tem sido usado para diminuir a exposição à radiação da
TC. Em um estudo de trauma pediátrico, a necessidade de TC foi
determinada por cirurgiões treinados emRÁPIDO ( 100 ). Em 48% (42
de 88) dos pacientes, o cirurgião não solicitou CT com base no FAST e
exame físico. Menaker e cols. Estudaram 887 crianças
hemodinamicamente estáveis com traumatismo de tronco rombudo
e questionaram seus clínicos quanto à suspeita de lesão ( 101 ). Eles
determinaram o uso de FAST aumentou conforme a suspeita de IAI
aumentou. Crianças com baixa ou moderada suspeita de IAI foram
menos propensas a se submeter a TC se tivessem um exame FAST
negativo . A figura 17 demonstra o RAPIDO de uma criança.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 57/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 17a: RÁPIDO em um recém-nascido. Imagens obtidas no


recém-nascido prematuro (nascido com 34 semanas de gestação) da
Figura 16 . O FAST foi realizado na cabeceira da criança após o parto.
(a) No dia 1, houve múltiplos achados, incluindo uma pequena
laceração do fígado (L) (seta). (b) No dia 3, o fígado (L) laceração (seta
branca) tinha aumentado em tamanho (seta preta = glândula
adrenal). (c) Fluido foi observado em torno do rim direito (K) . (d)
Fluido livre (FF) também foi observado na pélvis. Não foi realizada TC,
e o recém-nascido foi tratado de forma conservadora. FC = Cateter
de Foley.

Figure 17a:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 58/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 17b: RÁPIDO em um recém-nascido. Imagens obtidas no


recém-nascido prematuro (nascido com 34 semanas de gestação) da
Figura 16 . O FAST foi realizado na cabeceira da criança após o parto.
(a) No dia 1, houve múltiplos achados, incluindo uma pequena
laceração do fígado (L) (seta). (b) No dia 3, o fígado (L) laceração (seta
branca) tinha aumentado em tamanho (seta preta = glândula
adrenal). (c) Fluido foi observado em torno do rim direito (K) . (d)
Fluido livre (FF) também foi observado na pélvis. Não foi realizada TC,
e o recém-nascido foi tratado de forma conservadora. FC = Cateter
de Foley.

Figure 17b:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 59/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 17c: RÁPIDO em um recém-nascido. Imagens obtidas no


recém-nascido prematuro (nascido com 34 semanas de gestação) da
Figura 16 . O FAST foi realizado na cabeceira da criança após o parto.
(a) No dia 1, houve múltiplos achados, incluindo uma pequena
laceração do fígado (L) (seta). (b) No dia 3, o fígado (L) laceração (seta
branca) tinha aumentado em tamanho (seta preta = glândula
adrenal). (c) Fluido foi observado em torno do rim direito (K) . (d)
Fluido livre (FF) também foi observado na pélvis. Não foi realizada TC,
e o recém-nascido foi tratado de forma conservadora. FC = Cateter
de Foley.

Figure 17c:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 60/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 17d: RÁPIDO em um recém-nascido. Imagens obtidas no


recém-nascido prematuro (nascido com 34 semanas de gestação) da
Figura 16 . O FAST foi realizado na cabeceira da criança após o parto.
(a) No dia 1, houve múltiplos achados, incluindo uma pequena
laceração do fígado (L) (seta). (b) No dia 3, o fígado (L) laceração (seta
branca) tinha aumentado em tamanho (seta preta = glândula
adrenal). (c) Fluido foi observado em torno do rim direito (K) . (d)
Fluido livre (FF) também foi observado na pélvis. Não foi realizada TC,
e o recém-nascido foi tratado de forma conservadora. FC = Cateter
de Foley.

Figure 17d:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Treinamento e Experiência

Erros técnicos e nível de treinamento do operador representam


limitações da detecção da lesão traumática torácica e abdominal. O
nível de treinamento necessário para ser considerado “experiente”
não está claramente definido e difere entre organizações que
representam radiologistas, ultrassonografistas, médicos de
emergência e cirurgiões. Uma definição desenvolvida a partir da
primeira conferência de consenso da FAST em 1999 especifica que
pelo menos 200 exames supervisionados devem ser realizados para
serem considerados experientes. Durante a curva de aprendizado
FAST , a maioria dos erros ocorre nos 10 primeiros exames ( 102 ).
Depois disso, a precisão melhora e aumenta após 25 a 50 exames (
103 ). Jang et al determinaram FAST falso-negativoexames podem
resultar de ganho inadequado e / ou configurações de profundidade
e interrogação anatômica incompleta por médicos de emergência em
treinamento ( 104 ). Em um estudo comparativo entre operadores
experientes e altamente treinados (cirurgiões, radiologistas e
ultrassonografistas) e cirurgiões residentes com treinamento básico
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 61/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
ultrassonografistas) e cirurgiões residentes com treinamento básico
em US, a sensibilidade do FAST para detecção de IAI de órgãos
sólidos no grupo experiente foi quase o dobro do grupo menos
experiente ( 105 ).

Aplicações Futuras
O uso do FAST na configuração pré-hospitalar está se tornando mais
comum, à medida que o equipamento dos EUA se torna mais
compacto e leve. Seu uso no campo faz com que o FAST seja ideal
para a triagem rápida de pacientes feridos em vários incidentes de
acidentes ou situações de campo de batalha ( 106 - 108 ). O uso do
FAST após um desastre natural foi descrito pela primeira vez por
Sarkisian e colaboradores após um terremoto que devastou a
Armênia em 1988 ( 109 ). Como havia apenas uma tomografia
computadorizada no hospital principal, a US foi usada
exclusivamente para o diagnóstico de lesão traumática. No período
de 72 horas após o terremoto, 530 exames FAST foram realizados, 96
foram positivos para IAIe 16 pacientes foram submetidos a
tratamento cirúrgico. Outros desastres naturais nos quais o uso de
traumas nos EUA foram relatados incluem terremotos na Turquia

(1999), China (2008) e Haiti (2010), inundações na Guatemala (2005) e


um ciclone na Austrália (2007) ( 110 ). - 114 ). Ataques terroristas
continuam a aumentar em freqüência em todo o mundo. É certo que
o trauma dos EUA assumirá um papel ainda mais importante na
triagem de múltiplas vítimas nessas situações. Os prestadores de
serviços de emergência realizaram a FAST após atentados terroristas
em Madrid (2004) e Londres (2005) ( 115 , 116 ). O uso do US na
detecção de fraturas de ossos longos e da pelve, especialmente em
incidentes com vítimas em massa, está sendo investigado ( 37). A
previsão de resultados para pacientes com trauma que chegam à
parada traumática sem pulso é outro papel promissor da US ( 117 ,
118 ). Com as mortes por ferimentos em todo o mundo chegando a 6
milhões por ano, o uso de US portátil nos cuidados de pacientes com
trauma em áreas e situações de recursos limitados terá, sem dúvida,
um impacto na mortalidade ( 119 ).

Uma recente revisão sistemática mostrou evidências moderadas de


https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 62/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
Uma recente revisão sistemática mostrou evidências moderadas de
apoio ao uso do eFAST pré-hospitalar ( 120 ). Tem sido usado com
sucesso no transporte médico aéreo de pacientes feridos. Press et al
relataram acurácia moderada para os paramédicos de helicópteros
que realizaram eFAST , com sensibilidade de 46% e especificidade de
94,1% para detecção de hemoperitônio e sensibilidade de 18,7% e
especificidade de 99,5% para detecção de pneumotórax ( 121 ). Quick
e seus colegas estudaram a capacidade de identificar pneumotórax
com US torácica em voo ( 122). Os provedores aeromédicos não
físicos foram treinados para realizar e interpretar a US torácica. Os
pacientes intubados foram submetidos tanto a exames de US
torácicos em serviço de emergência quanto de emergência, e os
achados foram comparados com radiografia de tórax e tomografia
computadorizada (TC). Entre 149 indivíduos, 16 dos 20
pneumotóforos foram corretamente identificados em vôo, com
sensibilidade de 68%, especificidade de 96% e acurácia de 91%. Em
contraste, o departamento de emergência dos EUA teve sensibilidade
de 84%, especificidade de 98% e precisão de 96%. A transmissão pré-
hospitalar de imagens FAST através de microondas, satélite e
tecnologia LifeLink foi desenvolvida ( 123 , 124 ). O uso de um robô
de telessonografia portátil e vestível que os paramédicos podem
anexar ao tronco do paciente para fornecer eFAST em tempo reala
avaliação durante transportes mais longos foi desenvolvida e está
sendo avaliada ( 125 ). Os EUA também têm sido utilizados com
sucesso em situações leves e na Estação Espacial Internacional ( 126
).

O papel da US contrastada para o trauma ainda não está claro, mas


parece ser um método promissor para melhorar a detecção do órgão
parenquimatoso IAI ( Movie 5 [online]). As vantagens da US com
contraste incluem falta de exposição à radiação ionizante,
portabilidade, segurança e repetibilidade. Isso o torna ideal para o
tratamento de lesões conservadoras, especialmente em crianças e
pacientes grávidas ou férteis do sexo feminino. McGahan e
colaboradores relataram que o uso de US com contraste aumentou a
taxa de detecção de IAI de órgãos sólidos de 50% para 91% ( Fig 18 ) (
127 ). Achados semelhantes foram descritos em dois estudos
prospectivos posteriores ( 128 , 129). Menichini e cols. Mostraram a
sensibilidade da TC com contraste com abordagem norte-americana
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 63/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…
sensibilidade da TC com contraste com abordagem norte americana
em pacientes com trauma pediátrico ( 130 ). As possíveis aplicações
da US com contraste incluem a varredura em série de lesões de
órgãos conhecidas, exames de imagem de acompanhamento em
pacientes com achados inconclusivos de TC e uso em pacientes com
hipersensibilidade a agentes de contraste iodados.

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 64/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 18a: Laceração esplênica em uma mulher de 20 anos


envolvida em um acidente de automóvel. (a) tomografia
computadorizada ( TC ) do abdome mostra laceração esplênica bem
demarcada (seta). (b) Imagem de exame de US sem contraste que foi
interpretado como mostrando achados normais. (c) A imagem de US
contrastada melhora a laceração esplênica hipoecóica bem
demarcada (seta), que se correlacionou com a aparência em imagens
de TC com contraste. (Reimpresso, com permissão, da referência 127
).

Figure 18a:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 65/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 18b: Laceração esplênica em uma mulher de 20 anos


envolvida em acidente automobilístico. (a) tomografia
computadorizada ( TC ) do abdome mostra laceração esplênica bem
demarcada (seta). (b) Imagem de exame de US sem contraste que foi
interpretado como mostrando achados normais. (c) A imagem de US
contrastada melhora a laceração esplênica hipoecóica bem
demarcada (seta), que se correlacionou com a aparência em imagens
de TC com contraste. (Reimpresso, com permissão, da referência 127
).

Figure 18b:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 66/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

Figura 18c: Laceração esplênica em uma mulher de 20 anos


envolvida em um acidente de automóvel. (a) tomografia
computadorizada ( TC ) do abdome mostra laceração esplênica bem
demarcada (seta). (b) Imagem de exame de US sem contraste que foi
interpretado como mostrando achados normais. (c) A imagem de US
contrastada melhora a laceração esplênica hipoecóica bem
demarcada (seta), que se correlacionou com a aparência em imagens
de TC com contraste. (Reimpresso, com permissão, da referência 127
).

Figure 18c:
Download como PowerPoint Abrir no Visualizador de Imagens

Essentials
■ A avaliação focalizada com ultrassonografia em trauma
(FAST) e FAST estendido (eFAST) está amplamente disponível e
pode ser realizada rapidamente em tempo real; O FAST pode
ajudar a identificar fluido livre sugestivo de hemoperitônio,
hemotórax e hemoperidárdio, enquanto o eFAST pode ajudar a
identificar pneumotórax, hemotórax e atelectasia.

■ O FAST possui sensibilidade aceitável (69% a 98%) para


detecção de fluido livre e sensibilidade mais baixa (63%) para
detecção de lesão de órgão sólido; RÁPIDO pode levar a
subestimação de lesões e gravidade, especialmente em
pacientes com trauma estável sem fluido livre detectável.

■ O FAST possui alta especificidade (94% a 100%) para


detecção de lesão de fluidos livres e / ou de órgãos sólidos;
Exames periódicos em série aumentam a sensibilidade geral
(72% a 93%).
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 67/68
01/10/2018 Focused Assessment with Sonography in Trauma (FAST) in 2017: What Radiolo…

■ A sensibilidade do eFAST ao pneumotórax e ao hemotórax é


maior do que a da radiografia de tórax (11% a 21% versus 43%
a 77%).

■ A avaliação da veia cava inferior durante o FAST pode ajudar


a distinguir entre os tipos de choque em pacientes com trauma
hipotensivo.

Divulgações de Conflitos de Interesse: JRR não divulgou relações


relevantes. O JPM não divulgou relações relevantes.

Agradecimentos
Os autores agradecem Holly Murphy pela ajuda com o manuscrito, e
os Drs. Daniel Lichtenstein ( Figs. 8 , 10 ), Lisa Mills ( Fig. 4 , Filme 7 ) e
Ken Kelley ( Fig. 11 ).

Recebido em 21 de janeiro de 2016; revisão solicitada em 27 de


fevereiro; revisão recebida em 13 de abril; aceito em 22 de abril;
versão final aceita em 10 de maio; revisão final pelos autores, 18 de
novembro.

Historia do artigo
Publicado online: 14/03/2017
Publicado em Imprimir: Abr 2017

820 Jorie Blvd Oak Brook, IL 60523-2251


EUA e Canadá: 1-888-600-0064
Fora dos EUA e Canadá: 1-630-590-7770

Termos de uso
© 2011 Sociedade Radiológica da América do Norte
https://pubs.rsna.org/doi/10.1148/radiol.2017160107 68/68

Você também pode gostar