Você está na página 1de 4

TRABALHO DE ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA

Objetivos da Administração Financeira:

A administração financeira corresponde aos esforços


administrativos de formulação a um plano que seja aplicado com o
objetivo de maximizar o retornos dos proprietários das ações da
empresa, ao mesmo tempo em que possa gerar a manutenção.
O administrador financeiro precisa de varios métodos e técnicas
lucrativas bem objetivas. Ao mesmo tempo, terá que desenvolver
uma visão ampla de toda a atividade desenvolvida pela empresa e
também da relação com públicos externos
A Administração Financeira, no ambiente empresarial, volta-se
essencialmente para as seguintes funções:

1) Planejamento Financeiro: evidenciar a necessidade de


crescimento da organização; identificar problemas e desafios futuros;
selecionar ativos rentáveis e condizentes com a empresa;
estabelecer rentabilidade mínima dos ativos;

2) Controle Financeiro ou Controladoria: acompanhar e avaliar o


desempenho financeiro da empresa; analisar desvios dos
indicadores financeiros (há pelo menos 200 deles), comparando o
previsto com o realizado; definir medidas corretivas básicas;
implementar medidas corretivas; verificar eficácia;

3) Administração de Ativos: estabelecer a melhor estrutura em


termos de risco e retorno dos ativos; acompanhar defasagens entre
entradas e saídas (fluxo de caixa, gestão do capital de giro);

4) Administração de Passivos: gerencia estrutura de capital


(financiamentos) da organização; garantir a estrutura de capital mais
eficaz em termos de liquidez, risco financeiro e redução de custos.

Para uma empresa, a tomada de decisão financeira é um processo


contínuo e inevitável. Das três decisões (de investimento, de
financiamento e de dividendos), a decisão de investimento é
considerada a mais importante, pois envolve a identificação,
avaliação e seleção da melhor opção de alocação de recursos capaz
de auferir o maior resultado econômico futuro. A decisão acertada
não é aquela que gera um resultado econômico futuro, mas a que
gera o maior resultado econômico futuro possível. Entretanto, a
decisão de investimento sempre envolve um risco, pois há um grau
variável de incerteza com relação à realização futura de lucros, o que
demanda estudos probabilísticos e estatísticos para a avaliação da
relação risco-retorno.

Objetivo da empresa no contexto da Administração Financeira

O processo de tomada de decisão financeira deve começar pela


definição, por parte da empresa, do objetivo a ser perseguido, de
forma que o processo de decisão seja totalmente orientado para a
escolha do melhor curso de ação que permita a consecução dos
objetivos pretendidos. O objetivo permite, ainda, avaliar o grau de
eficácia das decisões tomadas em relação aos resultados obtidos.

Atkinson (2011) classifica os objetivos empresariais em primários e


secundários:

a) Objetivos primários: Nas empresas privadas é o lucro e a riqueza


de seus proprietários. Nas organizações sem fins lucrativos e
governo, são objetivos multidimensionais geradores de bem estar
social.

b) Objetivos secundários: São os meios que levam ao atingimento


dos objetivos primários. Qualidade, satisfação do cliente, inovação,
qualificação de funcionários, posição competitiva no mercado,
produtividade, eficiência, qualidade da administração,
competitividade no mundo globalizado, responsabilidade pública e
social da empresa, responsabilidade ambiental, etc. Os objetivos
secundários nada mais são que meios para se atingir os objetivos
primários.

O ponto de partida, portanto, é o retorno exigido pelos proprietários


da empresa. Num sistema de livre empresa em uma economia de
mercado, o empresário deve buscar maximizar sua riqueza, pois ao
fazê-lo ele possibilita a realização dos objetivos da sociedade como
um todo. Desta forma, o propósito de maximização da riqueza (bem
estar econômico) dos proprietários é totalmente coerente com o
objetivo da Administração Financeira: criar valor.

A Administração Financeira, ao buscar maximizar a riqueza


econômica dos acionistas, é perfeitamente coerente com os objetivos
das empresas. Uma empresa deve ser lucrativa o suficiente para
remunerar adequadamente o capital investido. Ao fazê-lo, a
organização garante sua continuidade, eleva suas expectativas de
crescimento, gera empregos e trabalhos sociais.

Não há, portanto, qualquer conflito entre o objetivo da empresa e os


objetivos da sociedade. O empresário, em busca do bem estar
econômico, contribui para a elevação do número de participantes no
mercado, elevação do PIB (soma de tudo o que é produzido no país),
aumento na arrecadação tributária, nível de emprego, melhoria de
indicadores macroeconômicos e etc.