Você está na página 1de 45

 

  1  
 

NOÇÕES  DE  ADMINISTRAÇÃO  EM  ENFERMAGEM  –  Profª  Geisa  Vilarins  

INTRODUÇÃO
  Conhecida  como  a  “arte  do  cuidar”,  a  enfermagem  busca  na  administração  uma  ciência  capaz  
de   tornar   a   profissão   operacionalmente   racional,   tendo   em   vista   que   administração   é   defendida  
como   um   instrumento   de   qualquer   organização   e   que   pode   ser   aplicada   em   qualquer   área.  
  Ao  longo  dos  anos  a  prática  da  enfermagem  tem  contribuído  muito  para  o  desenvolvimento  
da   profissão   o   que   faz   com   que   ela   necessite   do   apoio   de   outras   ciências   como  a   administração   para  
a   sua   expansão.     Atualmente,   a   relação   entre   paciente   e   profissional   de   enfermagem   não   está  
restrita  apenas  ao  cuidado  como  um  ato  passivo.  Existe  uma  relação  de  consumo.  O  paciente  ou  o  
usuário/cliente  busca  um  serviço  de  qualidade  proporcionado  por  um  profissional  capacitado,  ético  e  
que  saiba  administrar  esta  relação.    
  Desta   forma,   há   uma   forte   influência   da   gestão   dos   serviços   na   adoção   de   padrões   éticos,  
reavaliação   de   códigos   de   ética,   auditorias,   programas   de   treinamento,   contratação   de   assessorias  
especializadas   em   ética,   código   do   consumidor,   políticas   de   valorização   dos   profissionais,   na  
organização   do   processo   de   trabalho   entre   outros,   com   vistas   a   concretizar   as   ações   previamente  
organizadas  para  os  clientes  que  buscam  os  serviços  de  saúde.    
  A   enfermagem   tem   como   característica   a   continuidade,   que   necessita   não   só   da   colaboração  
de   todos   os   participantes   da   equipe   como   também   dos   gerentes,   responsáveis   por   tomar  
providências   para   que   haja   a   manutenção   dos   serviços   de   forma   favorável   aos   clientes   e   à   própria  
equipe   de   saúde.   Assim,   a   ação   gerencial   deve   reunir   esforços   que   visem   alcançar   os   objetivos  
propostos  na  prestação  da  assistência  de  enfermagem.    
 
ADMINISTRAÇÃO:  CONCEITOS  
 
  Segundo   Chiavenato,   a   palavra   administração   originou-­‐se   do   latim   ad   (direção,   tendência  
para)   e   minister   (subordinação   ou   obediência)   e   significa   aquele   que   realiza   uma   função   abaixo   do  
comando   de   outro,   isto   é,   aquele   que   presta   um   serviço   ao   outro.   É   uma   ciência   da   área   humana,  
que   no   decorrer   do   desenvolvimento   e   da   evolução   da   sociedade   teve   seu   significado   e   conteúdo  
ampliado  e  aprofundado,  se  modificando  em  conseqüência  do  contexto  sócio,  político  e  econômico  e  
das  transformações  nas  formas  de  organização  do  trabalho.  
  A  administração  se  caracteriza  pela  aplicação  prática  de  um  conjunto  de  princípios,  normas  e  
funções   dentro   das   organizações.   É   praticada   especialmente   nas   empresas,   sejam   elas   públicas,  
privadas,   mistas   ou   outras.   Trata   do   planejamento,   da   organização,   da   direção   e   do   controle   das  
atividades   diferenciadas   pela   divisão   do   trabalho   que   ocorrem   nas   organizações.   Para   alcançar   o  
objetivo   proposto   pela   organização   é   necessário   o   planejar,   organizar,   dirigir   e   controlar   o   uso   de  
recursos.    
  Administrar  é  conduzir  racionalmente  as  atividades  de  uma  organização.  A  tarefa  básica  da  
administração   é   a   de   fazer   as   coisas   por   meio   das   pessoas   de   maneira   eficiente   e   eficaz.   Ou   seja,   é   o  
ato   de   trabalhar   com   e   através   de   pessoas   para   realizar   os   objetivos   tanto   da   organização   quanto   de  
seus  membros.  É  o  ato  de  gerenciar  pessoas  e  recursos  a  fim  de  alcançar  objetivos  definidos.      
  Administrar  é  harmonizar  e  coordenar  pessoas.  
   
 
 

  2  
 

O  PENSAMENTO  ADMINISTRATIVO  
  O   pensamento   administrativo   sofreu   várias   influências   de   fatores   sociais,   culturais,  
econômicos  e  políticos.  Segundo  CHIAVENATO,  a  evolução  do  pensamento  administrativo    se  deu  por  
meio  dos  seguintes  influências  no  decorrer  do  tempo:    
§ Filósofos  ou  pensadores:    A  filosofia  através  de  seus  pensadores  da  antiguidade  influenciou  a  
administração  sendo  que  dentre  eles  podemos  citar:  
-­‐  Sócrates  (470  a.C.  –  399  a.C.),  que  considera  a   administração   como   uma  habilidade  pessoal  
separada  do  conhecimento  técnico  e  da  experiência;  
-­‐   Platão   (429a.C.   –   347a.C.)  –   propõe   uma   forma   democrática   de   governo   e   de   administração  
dos  negócios  públicos;  
-­‐  Aristóteles  (384  a.C.  –  322  a.C.)  –  estuda  a  organização  do  Estado,  distinguindo  três  formas  
de  Administração  pública:  Monarquia  ou  governo  de  um  só  (que  pode  se  tornar  uma  tirania);  
Aristocracia  ou  governo  de  uma  elite  (que  pode  caminhar  para  uma  oligarquia)  e  Democracia  
ou  governo  do  povo  (que  pode  se  degenerar  em  anarquia).  
-­‐   Francis   Bacon   (1561-­‐1626)   –   fundador   da   Lógica   Moderna   antecipou-­‐se   ao   princípio  
conhecido  em  Administração  como  o  principal  deve  prevalecer  sobre  o  acessório.  
-­‐   René   Descartes   (1596-­‐   1650)   –   fundador   da   filosofia   moderna,   criador   da   coordenadas  
cartesianas   influenciou   vários   princípios   da   moderna   Administração,   como   os   da   divisão   do  
trabalho,  da  ordem,  do  controle  entre  outros.  
-­‐   Thomas   Hobbes   (1588-­‐   1679)   –   desenvolveu   a   teoria   da   origem   contratualista   do   Estado,  
onde   o   homem   primitivo   por   ser   um   ser   anti-­‐social   e   viver   em   guerra   permanente   com   o  
próximo,  necessitava  do  Estado  para  impor  a  ordem  e  organização  da  vida  social.  
-­‐  Jean-­‐Jacques  Rousseau  (1712  –  1778)  –  que  com  a  Teoria  do  Contrato  Social,  compreende  o  
homem  como  sendo  por  natureza  bom  e  afável,  mas  que  com  a  vida  em  sociedade  se  torna  
deturpado  e  corrompido.  
§ Igreja  Católica:  Com  a  evolução  dos  tempos  e  da  sociedade,  a  Igreja  Católica  foi  estruturando  
sua  organização,  sua  hierarquia,  seu  estado-­‐maior  e  sua  coordenação  funcional.  Nos  dias  de  
hoje,   a   igreja   apresenta   uma   organização   hierárquica   simples   e   eficiente.   Assim   sendo,   a  
experiência  da  igreja  católica  influenciou  a  ciência  da  administração  através  de  seu  conceito  
de  hierarquia  da  autoridade  e  de  estrutura  de  poder  centralizado  apenas  em  uma  pessoa.  
§ Organização   Militar:   A   organização   militar   influenciou   e   influencia   a   ciência   da  
administração,   por   exemplo,   através   de:   organização   linear,   princípio   da   unidade   de  
comando,   escala   hierárquica   de   acordo   com   o   grau   de   autoridade   e   responsabilidade  
correspondente,   centralização   do   comando   e   descentralização   da   execução   (dicotomia   entre  
pensar  e  fazer),  princípio  de  direção  (todo  soldado  deve  saber  o  que  espera  dele  e  aquilo  que  
ele  deve  fazer),  desenvolvimento  do  pensamento  estratégico,  do  planejamento,  da  disciplina  
e  da  tomada  de  decisão  cientificamente  elaborada  e  não  intuitiva.  
§ Revolução  Industrial:  Na  Inglaterra  a  partir  de  1776,  a  partir  da  invenção  da  máquina  a  vapor  
por  James  Watt  (1736  -­‐1819),  ocorre  uma  mudança  na  concepção  de  trabalho,  modificando  
a   estrutura   social   e   comercial   da   época.   Assim   sendo,   de   1780   a   1860   viveu-­‐se   a   primeira  
Revolução   Industrial,   ou   do   carvão   e   do   ferro.   Levando   a   mecanização   da   indústria   e   da  
agricultura,   desenvolvimento   do   sistema   fabril,   de   transportes   e   de   comunicações.   Neste  
período   ocorre   a   migração   das   áreas   agrícolas   para   as   regiões   urbanas.   De   1860   a   1914  
ocorre   a   segunda   Revolução   Industrial,   ou   do   aço   e   da   eletricidade.   Assim,   do   sistema   de  

  3  
 

produção  artesanal  o  homem  passa  ao  regime  de  produção  em  série  nas  fábricas,  levando  a  
mecanização   do   trabalho,   á   divisão   do   trabalho   e   a   simplificação   das   tarefas.   Com   o  
desenvolvimento  do  capitalismo  surge  uma  nova  classe  social  o  proletariado.  Tem  inicio  uma  
luta  de  classe  entre  os  proprietários  e  os  empregados.  A  Revolução  Industrial,  apesar  de  ter  
provocado   uma   grande   modificação   na   estrutura   empresarial   e   econômica   da   época,   não  
influenciou   diretamente   os   princípios   de   administração   das   empresas,   uma   vez   que   os  
dirigentes   cuidavam   de   modo   empírico,   tendo   como   modelos   as   organizações   militares   ou  
eclesiásticas   bem   sucedidas.   Mas,   para   a   administração   a   principal   conseqüência   da  
Revolução  Industrial  foi  o  nascimento  da  organização  e  da  empresa  moderna.  
§ Economistas   Liberais:     No   final   do   século   XVIII,   os   economistas   clássicos   liberais   propõem  
que   a   vida   econômica   deve   afastar-­‐se   da   influência   estatal,   sendo   defensores,   portanto   da  
livre  concorrência.  A  influência  desses  economistas  se  dá  através  do:  princípio  da  divisão  do  
trabalho  e  da  especialização,  importância  do  planejamento  e  da  organização,  do  controle  e  
da   remuneração   dos   trabalhadores.   Entretanto,   o   liberalismo   econômico,   através   da   livre  
concorrência  criou  áreas  de  conflitos  sociais  intensos  de  modo  que  Karl  Marx  (1818  –  1883)  e  
Friedrich   Engels   (1820-­‐   1885)   criaram   o   chamado   socialismo   científico   e   o   materialismo  
histórico,   onde   afirmavam   que   todos   os   fenômenos   históricos   são   o   produto   das   relações  
econômicas  entre  os  homens.    Estas  concepções  influenciaram  e  influenciam  até  os  dias  de  
hoje  o  comportamento  administrativo  nos  níveis  individual  e  social,  assim  como  os  métodos  
e  processos,  com  ênfase  na  racionalização  do  trabalho.  A  partir  de  então,  a  Administração  foi  
ganhando   corpo,   através   da   Teoria   Geral   da   Administração   que   estuda   as   várias   teorias   ou  
escolas  de  acordo  com  as  correntes  de  pensamento.  Assim,  no  dias  atuais,  a  administração  
pode  ser  estudada  do  ponto  de  vista  da  interação  e  interdependência  entre  cinco  variáveis  
principais   que   são:   tarefa,   estrutura,   pessoas,   tecnologia,   e   ambiente.   Sendo   que   a  
adequação  entre  essas  cinco  variáveis  constitui  o  principal  desafio  da  administração.  
 
TEORIAS  ADMINISTRATIVAS    
   
  A   partir   das   influências   já   discutidas   foram   surgindo   às   teorias   administrativas.   A   palavra  
Teoria   originalmente   vem   do   grego   theoria   que   significa   uma   visão.   Assim,   o   desenvolvimento   de  
teorias   pode   ser   compreendido   como   racional   e   intelectual,   conduzindo   à   descoberta   da   verdade.  
  Uma   teoria   é   um   guia   de   ação,   um   guia   para   a   coleta   de   fatos   e   a   busca   de   novos  
conhecimentos,   ela   pode   ser   definida   como   sendo   um   conjunto   de   conceitos.   Segundo   Horta   (1979),  
a   teoria   é   um   conjunto   de   leis   particulares,   de   proposições   hipotéticas,   conceitos   e   definições,  
relacionados   a   uma   explicação   comum,   logicamente   ordenados,   que   visam   explicar   eventos,   e   são  
criados   com   algum   propósito   ou   objetivo.     Segundo   Paim   (1986)   a   teoria   é   “o   núcleo   central   da  
ciência,   sobre   cujas   bases   se   desenvolvem   a   observação,   a   descrição   e   a   experimentação”.    
  Concluindo  Teorias  podem  ser  definidas  como  sendo  uma  forma  sistemática  de  olhar  para  o  
mundo  e  descrevê-­‐lo,  explicá-­‐lo  prevê-­‐lo  ou  controlá-­‐lo.    
  O  conteúdo  e  o  significado  da  administração  sofreram  ampliação  e  aprofundamento  através  
das  diferentes  teorias  existentes,  variando  de  acordo  com  a  teoria  ou  escola  considerada.  As  teorias  
da   administração   surgiram   para   melhorar   a   produtividade   e   embasar   a   prática   através   do  
conhecimento  adquirido.    

  4  
 

  As  variáveis  “tarefa,  estrutura,  pessoas,  tecnologia  e  ambiente”,  de  acordo  com  a  abordagem  
de  cada  autor,  marcaram  a  seu  tempo  uma  ou  mais  diferentes  teorias  administrativas,  contribuindo  
no  desenvolvimento  da  administração.      
     
PRINCIPAIS  TEORIAS  ADMINISTRATIVAS  
 
TEORIA   CIENTÍFICA   (1856-­‐1915):   Frederick   Winslow   Taylor   criou   o   primeiro   modelo   científico   de  
organização   do   trabalho,   também   denominado   de   Taylorismo.   Ele   verificou   que   no   sistema   de  
pagamento   por   dia   de   trabalho   os   trabalhadores   não   percebiam   nenhuma   vantagem   em   trabalhar  
arduamente,   e   assim   ele   afirmava   que   se   a   empresa   pudesse   estabelecer   padrões   de   desempenho  
fixos,  o  trabalhador  se  esforçaria  para  receber  salários  maiores.    
§ Pressupostos   Básicos:   O   Taylorismo   consiste   na   aplicação   dos   princípios   de   organização   e   do  
método   científico,   com   os   objetivos   básicos   de   eliminar   o   desperdício   e   as   perdas,   bem   como  
elevar  os  níveis  de  produtividade.    O  que  é  conseguido  através  da:  
- Racionalização   do   trabalho,   decomposição   das   tarefas   em   operações   simples   (levando   a  
quebra  do  saber  operário  alterando  a  relação  que  o  trabalhador  tinha  até  então  com  o  seu  
trabalho),  estudo  dos  tempos  e  movimentos;    
- Especialização  do  operário;    
- Padronização  de  métodos,  instrumentos  e  tarefas,  para  obter  uniformidade  e  reduzir  custos;    
- Delimitação   de   tarefas   e   salários   de   acordo   com   a   produção   individual,   com   incentivos  
salariais  e  prêmios  por  produtividade;    
- Divisão  entre  planejamento  e  execução  do  trabalho;    
- Monopólio   do   conhecimento,   através   da   atribuição   aos   gerentes   de   superpoderes   para  
controlar  rigorosamente  a  execução.  
  Assim,   Taylor   foi   considerado   “O   pai   da   Administração   Científica”,   sendo   que   os   principais  
aspectos  do  Taylorismo  são:  
1.  Em  relação  à  ênfase:  ela  esta  centrada  na  realização  das  tarefas;    
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   a   empresa   era   vista   como   estrutura   formal   sendo  
conceituada  como  sendo  um  sistema  fechado;    
3.   Concepção   de   homem:   Homem   econômico   (homo   economicus),   considerando   o   homem  
como  sendo  motivável  por  recompensas  salariais,  econômicas  e  materiais;  
4.   Princípios:   os   quatro   princípios   fundamentais   da   administração   científica   são   –   princípio   do  
planejamento  –  a  partir  do  qual  todo  trabalho  deveria  ter  como  critérios  para  sua  realização  métodos  
baseados   em   procedimentos   científicos;   da   preparação   dos   trabalhadores   -­‐   segundo   o   qual   os  
trabalhadores   devem   ser   treinados   para   produzir   mais   e   melhor;   do   controle   –   consiste   em   se  
certificar   que   o   trabalho   esta   sendo   realizado   de   acordo   com   as   normas   estabelecidas   e   o   plano  
previsto;  e  da  execução  –  que  consiste  na  distribuição  das  tarefas  e  responsabilidades  de  acordo  com  
critérios  estabelecidos  para  disciplinar  a  execução  e  a  divisão  do  trabalho.  
§ Críticas:  Como  já  dissemos  Taylor  foi  quem  propôs  a  criação  de  uma  “Ciência  da  Administração”.  
Antes  de  suas  observações  não  havia  uma  análise  dos  processos  de  trabalho,  os  gerentes  não  se  
preocupavam  com  os  processos,  discutia-­‐se  “o  que”,  mas  não  o  “como”.  A  partir  da  racionalização  
e   da   padronização,   houve   incentivo   salarial   e   prêmios   por   produtividade.   Segundo   Kurcgant,  
talvez  o  aspecto  mais  crítico  na  Teoria  Científica  seja  o  caráter  mecanicista  de  sua  proposta.    Além  
disso,  podemos  apontar  a  “superespecialização”  do  operário,  a  visão  microscópica  do  homem,  a  
ausência   de   comprovação   científica   -­‐   uma   vez   que   pouca   pesquisa   e   experimentação   científica  

  5  
 

foram   feitas   para   comprovar   as   teses     -­‐   ,   a   abordagem   prescritiva,   normativa,   incompleta   da  
organização   e   a   compreensão   da   empresa   como   um   sistema   fechado.   Entretanto,   apesar   das  
críticas  é  importante  lembrar  que  as  contribuições  de  Taylor  são  relevantes  e  utilizadas  até  os  dias  
de   hoje,   e   que   a   partir   de   suas   observações   é   que   o   trabalho   passou   a   ser   executado   melhor   e  
economicamente,   impulsionando   toda   uma   nova   forma   de   compreender   a   Ciência   da  
Administração.  
  A   administração   científica   é   um   sistema   que   economiza   trabalho   produzindo   mais   em   menos  
tempo.   Foi   tida   como   uma   revolução   mental   e   uma   maneira   das   pessoas   encararem   o   trabalho   de  
uma   forma   mais   cordial.   A   produtividade   é   gerada   através   da   eficiência,   não   da   escravização   do  
trabalhador  e  sim  da  inteligência  de  como  se  trabalha.  Pode-­‐se  observar  a  característica  mecanicista  
advinda  desta  teoria,  com  atividades  repetitivas,  ênfase  na  eficiência,  e  a  supervisão  funcional.    
  Associa-­‐se   esta   teoria   à   prática   da   enfermagem   como   uma   forma   de   melhorar   a  
produtividade   dos   profissionais.   Observa-­‐se   alguns   reflexos   desta   teoria   na   administração   de  
pessoas,   elaboração   de   escalas   de   serviços   com   a   fragmentação   do   trabalho   da   enfermagem   em  
atividades  e  em  categorias,  fixando  a  atividade  na  tarefa  e  não  integralidade  do  paciente.  
 

TEORIA   CLÁSSICA   (1841-­‐1925)   foi  idealizada  por  Henri  Fayol.   Caracteriza-­‐se   pela   ênfase   na   estrutura  
organizacional   e   pela   busca   da   máxima   eficiência   através   da   adoção   de   uma   estrutura   que   fosse  
adequada   e   consequentemente   com   um   funcionamento   compatível   com   essa   estrutura.   Sofreu  
críticas   como   a   manipulação   dos   trabalhadores   através   dos   incentivos   materiais   e   salariais   e   a  
excessiva  unidade  de  comando  e  responsabilidade.    

§ Pressupostos   Básicos:   A   Teoria   Clássica   compreende   a   administração   como   um   corpo   de  


conhecimentos   que   pode   ser   produzido,   desenvolvido   e   planejado   racionalmente,   ela   foi  
fortemente   influenciada   pelas   estruturas   organizacionais   militares   e   da   igreja,   compreendendo   as  
empresas  como  estruturas  limitadas  a  partir  de  uma  hierarquia  rígida  e  estática.  Além  disso,  esta  
teoria  define  como  sendo  funções  administrativas  o  planejamento,  a  organização,  o  comando,  a  
coordenação  e  o  controle.  Os  principais  aspectos  da  Teoria  Clássica  são:      
1.  Em  relação  à  ênfase:  ela  esta  centrada  na  estrutura  e  no  funcionamento  organizacional.    
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   a   empresa   era   vista   como   uma   estrutura   formal,  
constituída   por   um   conjunto   de   órgãos,   com   desenho   de   cargos,   tarefas,   regras   e   normas   bem  
delimitadas  e  com  uma  divisão  vertical  do  trabalho,  seguindo  uma  hierarquia  da  autoridade.    
3.  Concepção  de  homem:  Homem  econômico  (homo  economicus),  considerando  o  homem  como  
sendo  motivável  por  recompensas  salariais,  econômicas  e  materiais;    
4.   Princípios:   Através   desta   teoria   foram   definidos   os   princípios   gerais   da   administração   sendo  
eles:  
a.   Divisão   do   trabalho   –   compreendida   como   sendo   a   especialização   dos   funcionários  
desde  a  maior  autoridade  até  os  operários,  favorecendo  a  eficiência  e  a  produtividade.  
b.     Autoridade   e   responsabilidade   –   sendo   que   a   autoridade   é   considerada   como   o   direito  
dos   superiores   darem   ordens   que   deverão   ser   seguidas   e   a   responsabilidade   como   a  
contrapartida  da  autoridade.    
c.   Disciplina   –   estabelecimento   de   regras   de   conduta   e   de   trabalho   válidas   para   todos,  
sem  elas  ocorre  o  caos  na  organização.  
d.  Unidade  de  Comando:  um  trabalhador  deve  receber  ordens  de  apenas  um  superior.  

  6  
 

e.   Unidade   de   Direção   -­‐   um   único   plano   para   um   grupo   de   atividades   com   o   mesmo  
objetivo.  
f.   Subordinação   dos   interesses   individuais   aos   interesses   gerais   –   o   interesse   de   um  
funcionário  não  deve  prevalecer  sobre  o  interesse  da  instituição.  
g.   Remuneração   -­‐   a   compensação   deve   ser   justa,   e   na   medida   do   possível   garantir   a  
satisfação  do  indivíduo  e  da  empresa.  
h.  Centralização  –  as  atividades  essenciais  e  a  autoridade  devem  ser  centralizadas.  
i.      Rede  escalar  –  deve  haver  uma  estrutura  hierárquica  com  uma  linha  de  autoridade  fixa.  
j.    Ordem  –  um  lugar  para  cada  coisa,  e  cada  coisa  em  seu  lugar.  
k.  Equidade  –  senso  de  justiça  que  deve  prevalecer  justificando  a  lealdade  e  devoção  de  
cada  funcionário  a  organização.  
l.   Estabilidade   –   a   rotatividade   tem   efeitos   negativos,   uma   vez   que   é   necessário   tempo  
para  que  o  trabalhador  se  adapte  as  suas  funções.  
m.  Iniciativa  –  em  todos  os  níveis  é  necessário  que  haja  entusiasmo  e  energia,  para  que  os  
planos  sejam  estabelecidos  e  cumpridos.  
n.   Espírito   de   Equipe   –   necessidade   do   desenvolvimento   do   trabalho   em   conjunto,   e   a  
manutenção  do  relacionamento  interpessoal.  
  Além   disso,   esta   teoria   enumera   as   funções   básicas   ,   necessárias   à   existência   de   qualquer  
empresa,  como:    
1.  Funções  técnicas  –  relacionadas  com  a  produção  de  bens  ou  de  serviços  da  empresa.    
2.  Funções  comerciais  -­‐  relacionadas  com  a  compra,  venda  e  permutação.    
3.  Funções  financeiras  –  relacionadas  com  a  procura  e  gerência  de  capitais.    
4.  Funções  de  segurança  –  relacionadas  com  a  proteção  e  preservação  dos  bens  e  das  pessoas.    
5.  Funções  contábeis  –  relacionadas  com  inventários,  registros,  balanços,  custos  e  estatísticas.    
6.  Funções  administrativas  –  relacionadas  com  a  integração  das  outras  cinco  funções.  As  funções  
administrativas  coordenam  as  demais  funções  da  empresa,  pairando  acima  delas.  São  elas:  
§ Planejar:   estabelece   os   objetivos   da   empresa,   especificando   a   forma   como   serão  
alcançados.   Parte   de   uma   sondagem   do   futuro,   desenvolvendo   um   plano   de   ações   para  
atingir   as   metas   traçadas.   É   a   primeira   das   funções,   já   que   servirá   de   base   diretora   à  
operacionalização  das  outras  funções.      
§ Organizar:   é   a   forma   de   coordenar   todos   os   recursos   da   empresa,   sejam   humanos,  
financeiros   ou   materiais,   alocando-­‐os   da   melhor   forma   segundo   o   planejamento  
estabelecido.      
§ Comandar:  faz  com  que  os  subordinados  executem  o  que  deve  ser  feito.  Pressupõe  que  as  
relações   hierárquicas   estejam   claramente   definidas,   ou   seja,   que   a   forma   como  
administradores   e   subordinados   se   influenciam   esteja   explícita,   assim   como   o   grau   de  
participação  e  colaboração  de  cada  um  para  a  realização  dos  objetivos  definidos.  
§ Coordenar:   a   implantação   de   qualquer   planejamento   seria   inviável   sem   a   coordenação  
das  atitudes  e  esforços  de  toda  a  empresa,  almejando  as  metas  traçadas.    
§ Controlar:   controlar   é   estabelecer   padrões   e   medidas   de   desempenho   que   permitam  
assegurar   que   as   atitudes   empregadas   são   as   mais   compatíveis   com   o   que   a   empresa  
espera.   O   controle   das   atividades   desenvolvidas   permite   maximizar   a   probabilidade   de  
que  tudo  ocorra  conforme  as  regras  estabelecidas  e  ditadas.    
 
   

  7  
 

§ Críticas:   Os   estudos   de   Fayol   foram   centrados   na   unidade   do   comando,   autoridade   e   na  


responsabilidade,   dando   a   Teoria   Clássica   um   caráter   prescritivo   e   normativo   na   determinação   de  
regras  e  normas,  além  disso,  uma  vez  que  se  voltou  para  a  estrutura  formal  da  organização,  não  
considerando   a   estrutura   informal,   concebeu   a   empresa   como   um   sistema   fechado,   sendo  
criticada   também   por   não   estar   voltada   para   as   necessidades   dos   trabalhadores.   Propôs   a   divisão  
horizontal   do   trabalho,   através   do   agrupamento   de   atividades   afins,   denominada  
departamentalização   e   a   divisão   vertical   estabelecendo   níveis   hierárquicos,   com   ênfase   na  
estrutura   que   a   organização   deveria   possuir   para   ser   eficiente.   Possibilitou   uma   redução   nos  
custos   dos   bens   manufaturados,   tornando   muitos   destes   antes   inacessíveis   as   camadas  
trabalhadoras,  disponíveis  para  as  massas.  Tornou  ainda  possível  o  aumento  dos  salários.  A  Teoria  
Clássica  visa  à  eficiência  da  organização.  Para  a  enfermagem,  contribuiu  com  as  estruturas  rígidas.  
Observa-­‐se  algumas  características  nas  instituições  de  saúde,  como  os  organogramas  nos  serviços  
de   enfermagem   com   linhas   de   subordinação   (enfermeiro,   técnico   e   auxiliar   de   enfermagem).  
Propostas   de   trabalho   resultantes   em   atividades   rotineiras   com   aspecto   apenas   quantitativo,   sem  
levar  em  consideração  a  qualidade.  
 

TEORIA   DAS   RELAÇÕES   HUMANAS   ou   ESCOLA   DAS   RELAÇÕES   HUMANAS   (1929)   idealizada   por    
George   Elton   Mayo,   é   um   conjunto   de   teorias   administrativas   que   ganhou   força   com   a   grande  
depressão   econômica   criada   na   quebra   da   bolsa   de   valores   de   Nova   Iorque,   em   1929.   Até   então  
como  conseqüência  das  Teorias  Científica  e  Clássica  o  trabalhador  era  considerado  de  forma  muito  
mecânica   e   econômica,   já   esta   teoria   cria   novas   perspectivas   para   a   administração,   ao   passar   a  
perceber   o   trabalhador   como   portadores   de   sentimentos   e   necessidades,   deixando   de   enfatizar   a  
estrutura  e  passando  a  preocupar-­‐se  com  os  aspectos  psicológicos  e  sociais  do  homem  no  trabalho,  
estudando   também   a   formação   de   grupos.   A   consequência   deste   estudo   foi   uma   quebra   de  
paradigma   em   relação   aos   princípios   da   Teoria   Cientifica,   incluindo   variáveis   comportamentais   dos  
indivíduos   na   execução   de   atividades   e   retirando   a   tendência   de   desumanização   do   trabalho   com  
aplicação  de  métodos  científicos  e  precisos.  A  partir  daí,  a  teoria  da  administração  passou  a  enfatizar  
a   variável   pessoa   em   lugar   da   estrutura.   A   preocupação   na   relação   do   trabalhador   com   os   grupos  
sobressaiu   a   preocupação   com   as   regras   e   normas   a   serem   executadas.   Elton   Mayo,   considerou   a  
organização   informal,   a   importância   da   cooperação   entre   trabalhadores   que   resultaria   em   maior  
produção.  

Experiência   de   Hawthorne   –   estudo   de   comportamentos   realizado   para   verificar   a   influência   da  


iluminação   na   produtividade,   buscando   variáveis   que   influenciassem,   positiva   ou   negativamente   a  
produção,   ou   seja,     objetivava-­‐se   identificar   a   correlação   entre   a   iluminação   e   a   eficiência   do  
operários,   medida   pela   produção   dos   mesmos.   Este   trabalho   ficou   conhecido   como   experiência   de  
Hawthorne,   por   ser   este   o   nome   do   bairro   onde   estava   localizada   a   Western   Electric   Company,  
fábrica   onde   Mayo   realizou   sua   pesquisa,   em   Chicago,   nos   EUA.   A   partir   desta   experiência   Mayo  
concluiu  que  a  produção  não  era  determinada  unicamente  pela  condição  física  do  trabalhador,  mas  
que  ela  era  uma  decorrência  também  e  principalmente  da  integração  dos  trabalhadores  com  o  grupo  
social.  

§ Pressupostos   Básicos:   A   partir   desta   teoria   a   administração   passou   a   discutir   novas   variáveis,  
entre  elas  a  motivação  humana,  a  liderança,  a  comunicação  e  a  dinâmica  de  grupo.  Os  principais  
aspectos  da  Teoria  das  Relações  Humanas  são:  

  8  
 

1.   Em   relação   à   ênfase:   ela   esta   centrada   na   percepção   de   que   um   problema   humano   para   ser  
resolvido  necessita  de  dados,  informações  e  ferramentas  também  humanas,  ou  seja,  a  ênfase  está  
nas  pessoas;    
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   passou-­‐se   a   salientar   a   importância   da   organização  
informal,   da   cooperação   entre   os   trabalhadores   para   os   resultados   na   produção   e   para   a  
necessidade   de   não   haver   incompatibilidade   entre   os   objetivos   da   organização   e   os   dos  
trabalhadores.    
3.   Concepção   de   homem:   nesta   teoria   as   recompensas   sociais   é   que   são   consideradas   como  
fatores   determinantes   no   desempenho   do   indivíduo,   assim   o   homem   e   considerado   um   ser   social  
–   “homem   social”.   Até   então,   o   trabalhador   era   tratado   pela   Teoria   Clássica   de   forma   muito  
mecânica.  Com  os  novos  estudos,  o  foco  mudou  e,  do  Homo  economicus  o  trabalhador  passou  a  
ser  visto  como  Homo  socialis.  
4.   Princípios:   da   mesma   forma   novos   princípios   passaram   a   ser   discutidos   entre   eles:   as  
recompensas  sociais  como  determinantes  do  desempenho  e  a  administração  participativa.  
 
§ Críticas:   As   principais   críticas   a   esta   teoria   apontam   para   a   concepção   ingênua   e   romântica   dos  
trabalhadores   e   para   a   ênfase   exagerada   nos   grupos   informais,   que   fizeram   com   que   ela   se  
tornasse   uma   forma   paternalista   de   administração,   ignorando   os   confrontos   e   conflitos   entre  
empregados   e   administradores,   levando   a   um   enfoque   manipulativo   e   demagogo.   O   maior  
impacto   desta   teoria   foi   à   constatação   de   que   os   trabalhadores   possuem   uma   capacidade   para  
agir  eficientemente  na  medida  em  que  lhes  é  oferecido  certo  grau  de  responsabilidade,  e  que  os  
problemas   humanos   no   trabalho   podem   ser   equacionados   e   solucionados.   A   influência   desta  
escola   na   administração   de   pessoal   de   enfermagem,   contribuiu   para   que   a   liderança   surgisse  
como  estratégia.  A  comunicação  entre  enfermeiro  e  outros  membros  do  grupo  (enfermagem  ou  
multiprofissional)   foi   considerado   como   fator   relevante   para   continuidade   e   otimização   do  
trabalho  de  enfermagem.  O  princípio  base  da  Teoria  das  Relações  Humanas  de  que  o  homem  tem  
necessidades   sociais,   deseja   relacionamentos   recompensantes   no   local   de   trabalho   e   responde  
mais   às   pressões   de   grupo   do   que   à   autoridade   dos   superiores   e   ao   controle   administrativo,  
constitui  a  sua  principal  contribuição  para  a  gestão.  É  a  partir  daqui  que  nasce  um  novo  tipo  de  
gestão   mais   preocupada   em   conhecer   as   necessidades   individuais   e   de   grupo   dos   operários   e   a  
procurar   a   eficiência   e   a   produtividade   através   da   liderança,   motivação   e   comunicação.   Por   outro  
lado,   é   também   a   partir   da   Teoria   das   Relações   Humanas   que   nasce   o   conceito   de   organização  
informal.  

TEORIA   BUROCRÁTICA   ou   TEORIA   DAS   ORGANIZAÇOES   (1940):   Esta   Teoria   administrativa  


desenvolveu-­‐se  quando  o  sociólogo  alemão  Max  Weber  (1864-­‐1920)  estudou  as  organizações  sob  o  
aspecto   estruturalista   enfocando   a   adequação   dos   meios   utilizados   nas   empresas   em   relação   aos  
resultados,   aos   fins   esperados.   Ele   abordou   abordou   esta   teoria   como   uma   forma   de   organizar   a  
empresa   e   controlá-­‐   la   rigidamente   em   suas   atividades.   Segundo   esta   teoria,   um   homem   pode   ser  
pago  para  agir  e  se  comportar  de  certa  maneira  preestabelecida,  a  qual  lhe  deve  ser  explicada,  muito  
minuciosamente   e,   em   hipótese   alguma,   permitindo   que   suas   emoções   interfiram   no   seu  
desempenho.   A   Sociologia   da   Burocracia   propôs   um   modelo   de   organização   e   os   administradores  
não   tardaram   em   tentar   replicá-­‐los   na   prática   em   suas   empresas.   A   burocracia   é   uma   forma   de  

  9  
 

organização   que   se   baseia   na   racionalidade,   isto   é,   na   adequação   dos   meios   aos   objetivos   (fins)  
pretendidos,  a  fim  de  garantir  a  máxima  eficiência  possível  no  alcance  dos  objetivos.  

Popularmente   por   burocrática   compreendemos   uma   organização   onde   os   papéis   se   multiplicam   e  


avolumam   tão   complexa   que   impede   as   soluções   rápidas   ou   eficientes,   ou   também   como   o  
seguimento   rígido   dos   funcionários   aos   regulamentos   e   rotinas,   levando   a   ineficiência   da   empresa,  
assim  burocracia  costuma  ser  sinônimo  de  defeitos  ou  disfunções  do  sistema  e  não  o  sistema  em  si  
mesmo,  mas  não  devemos  nos  prender  ao  julgamento  de  valores  da  palavra  burocracia.  

No   conceito   de   Max   Weber   burocracia   é   exatamente   o   contrário,   é   a   organização   eficiente   por  


excelência   que   detalha   antecipadamente   como   as   tarefas   deverão   ser   realizadas,   devendo   ser  
impessoal  e  formal.  

§ Pressupostos  básicos:    Para  Weber  as  principais  características  do  Modelo  Burocrático  seriam:    
ü Caráter  formal  e  legal  das  normas,  regulamentos,  rotinas,  procedimentos  e  comunicações;  
ü Divisão   de   trabalho,   estabelecendo   o   grau   hierárquico   de   cada   cargo,   o   poder,   a  
responsabilidade,  as  atribuições  e  as  condições  necessárias;    
ü Ênfase  e  estímulo  à  competência  técnica  e  profissionalização;  
ü O  corpo  administrativo  deve  ser  separado  da  propriedade  da  empresa,  com  especialização  da  
administração;  
ü Completa  previsibilidade  do  funcionamento.    
Os  principais  aspectos  da  Teoria  Burocrática  são:    
1.  Em  relação  à  ênfase:  ela  esta  centrada  na  estrutura  organizacional.  
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   compreende   a   empresa   como   estruturada   por   normas   e  
regulamentos   previamente   estabelecidos   por   escrito,   que   definem   antecipadamente   como   ela  
deve  funcionar,  conferindo  um  caráter  formal  à  organização.    
3.  Concepção  de  homem:  caracteriza-­‐se  pela  impessoalidade  nas  relações  humanas,  considera  os  
trabalhadores   apenas   em   função   dos   cargos   e   funções   que   exercem   na   empresa   -­‐   Homem  
organizacional.    
4.Princípios:  segue  os  mesmos  princípios  da  Teoria  Clássica.  
 
Weber   identifica   três   fatores   principais   que   favorecem   o   desenvolvimento   da   moderna  
burocracia:  
- desenvolvimento   de   uma   economia   monetária:   Na   Burocracia,   a   moeda   assume   o   lugar   da  
remuneração   em   espécie   para   os   funcionários,   permitindo   a   centralização   da   autoridade   e   o  
fortalecimento  da  administração  burocrática;  
- O  crescimento  quantitativo  e  qualitativo  das  tarefas  administrativas  do  Estado  Moderno;  
- A   superioridade   técnica   –   em   termos   de   eficiência   –   do   tipo   burocrático   de   administração:  
serviu  como  uma  força  autônoma  para  impor  sua  prevalência.  
Nesta   teoria,   observa-­‐se   o   comportamento   do   trabalhador   preestabelecido,   treinado.   As   relações  
humanas   passam   a   ser   caracterizadas   pela   impessoalidade.   Há   uma   divisão   sistematizada   do  
trabalho,  rotinas,  procedimentos  e  a  especialização  técnica  proporciona  remuneração  condizente  ao  
cargo,  possibilidade  de  ascensão  na  organização.    

§ Críticas:   Um   dos   dilemas   enfrentado   pela   Teoria   Burocrática   diz   respeito   ao   fato   de   que   a  
impessoalidade   e   a   racionalidade   do   modelo   não   permitem   uma   liderança   competitiva   ou   uma  

  10  
 

sobrevivência  em  um  ambiente  dinâmico,  onde  existem  pressões  constantes  de  forças  exteriores  
que   encorajam   o   burocrata   a   seguir   ouras   normas   diferentes   das   da   organização.   Além   disso,   o  
exagerado  apego  as  regras,  normas  e  regulamentos,  assim  como  o  modo  operacional  mecânico,  a  
desatenção   ao   comportamento   humano   inibem   a   criatividade   a   flexibilidade,   transformando  
muitas   vezes   os   meios   em   fins.   Como   aspectos   positivos   são   citados:   a   possibilidade   de   maior  
rapidez   nas   decisões;   uniformidade   de   rotinas,   procedimento   e   na   interpretação,   uma   vez   que  
toda  regulamentação  é  escrita,  redução  do  atrito  entre  as  pessoas,  subordinação  dos  mais  novos  
aos   mais   antigos,   constância   e   confiabilidade,   pois   tudo   é   conduzido   de   acordo   com   as   normas  
entre  outros.  As  propostas  da  teoria  burocrática  estão  presentes  nos  serviços  de  enfermagem,  a  
presença   de   pessoal   técnico   e   especializado,   comportamentos   e   posições   já   determinadas   pela  
estrutura  organizacional,  regras  e  normas  condicionadas  a  poucas  mudanças.  

A   TEORIA   ESTRUTURALISTA   representa   um   desdobramento   da   Teoria   da   Burocracia   e   uma   leve  


aproximação  à  Teoria  das  Relações  Humanas.  Representa  também  uma  visão  extremamente  crítica  
da   organização   formal.   O   movimento   estruturalista   teve   um   caráter   mais   filosófico   na   tentativa   de  
obter  a  interdisciplinaridade  das  ciências.  Parte  do  conceito  de  estrutura,  como  uma  composição  de  
elementos   visualizados   em   relação   à   totalidade   da   qual   fazem   parte.   Portanto,   por   sua   natureza,  
todas   as   partes   estão   estruturadas   (subordinadas   uma   a   outra)   de   tal   forma   que   alterações   em  
qualquer  delas  implica  em  rever  o  todo.    

TEORIA   COMPORTAMENTALISTA   ou   BEHAVIORISTA   (1950):     Kurt   Levin   (1890-­‐   1947)   em   suas  


pesquisas   sobre   o   comportamento   social,   reforça   a   importância   da   motivação.   Esta   teoria   teve  
origem   a   partir   de   uma   crítica   e   reestruturação   da   Teoria   das   Relações   Humanas,   e   apesar   de  
compartilhar  dos  conceitos  fundamentais  rejeita  as  concepções  românticas  e  ingênuas  desta  teoria.  
Assim,   a   partir   da   década   de   50,   inicialmente   nos   Estados   Unidos,   se   desenvolve   uma   nova  
concepção  de  administração,  que  transfere  a  preocupação  com  a  estrutura  para  o  processo,  para  o  
comportamento   humano   nas   organizações,   tendo   por   base   o   movimento   Behaviorista   ou   das  
ciências   do   comportamento.   Os   estudiosos   desta   teoria   se   debruçaram   sobre   a   análise   do  
comportamento   das   pessoas,   principalmente   no   que   diz   respeito   ao   que   motiva   as   pessoas.   Levin,  
especificamente,  elabora  a  Teoria  de  Campo,  que  se  baseia  em  duas  posições  fundamentais:  

1. Comportamento  humano  é  derivado  da  totalidade  de  fatos  coexistentes;  


2. Esses  fatos  coexistentes  têm  caráter  de  um  campo  dinâmico,  no  qual  cada  parte  do  campo  
depende  de  uma  inter-­‐relação  com  as  demais  outras  partes.  Para  explicar  o  comportamento  
humano  ele  propõe  a  seguinte  equação:  
 
C  =  f(P,M)  
 

Onde:   C   (comportamento)   é   função   (f)   ou   resultado   da   interação   entre   a   pessoa   (P)   e   o   meio  
ambiente  (M)  que  a  rodeia.  

A   teoria   passou   a   abordar   o   comportamento   das   pessoas   em   relação   ao   processo   e   a  


dinâmica   organizacional,   a   busca   de   soluções   democráticas   e   flexíveis   para   os   problemas  
organizacionais.  Dentre  as  várias  proposições  sobre  a  motivação  humana,  citam-­‐se  as  contribuições  

  11  
 

de   Maslow   com   o   estudo   das   necessidades   humanas   básicas,   de   Mc   Gregor   com   a   teoria   X   e   Y,  
Herzberg  com  a  teoria  higienista  e  Likert  com  os  sistemas  de  administração.  Vejamos  resumidamente  
o  que  falavam  estes  estudiosos:  

TEORIA   DA   MOTIVAÇÃO   DE   MASLOW   ou   da   hierárquica   das   necessidades   humanas:   Segundo  


Maslow,   as   pessoas   são   dominadas   por   motivos   ou   solicitações   de   suas   necessidades   internas  
insatisfeitas,  que  orientam  e  determinam  o  comportamento.  Há  uma  hierarquia  dessas  necessidades,  
uma  escala  de  prioridades,  conforme  demonstra  a  Fig.1.  

                   

Fig.  1  –  Necessidades  humanas  básicas,  segundo  Maslow.  

Estas   cinco   categorias   de   necessidades   são   importantes,   interdependentes   e   justapostas.   E  


elas   podem   surgir   concomitantemente,   ou   seja,   uma   necessidade   de   auto-­‐   realização   pode   surgir  
antes   que   uma   necessidade   fisiológica   esteja   completamente   satisfeita,   o   alcance   dos   níveis   não   é  
permanente   sendo   que   a   ordem   à   importância   das   necessidades   das   pessoas   e   as   maneiras   de  
satisfazê-­‐las  podem  se  modificar.  

TEORIA   DE   McGREGOR   ou   da   participação   ou   Teoria   XY:   Posteriormente   à   ideia   da   existência   de  


necessidades   humanas   lançadas   por   Maslow,   Douglas   McGregor,   complementa   tais   afirmações  
dizendo   que   essas   necessidades   encontram   satisfação   no   próprio   trabalho.   McGregor   assinala   a  
existência   de   um   conflito   básico   entre   as   necessidades   dos   indivíduos   e   as   da   organização,   e  
considera   que   nenhuma   das   partes   pode   ser   plenamente   satisfeita,   mas   cabe   ao   administrador  
orientar  seus  esforços  nesse  sentido.  A  obra  maior  de  McGregor  -­‐  O  lado  humano  da  empresa  -­‐  é  o  
registro   da   denominada   Teoria   X   e   Y.   Esta   teoria,   extremamente   interessante,   mostra   duas   formas  
distintas  de  “ser”'  do  trabalhador  ou  duas  formas  distintas  de  “ver”  o  trabalhador  relacionando  o  tipo  
de  comportamento  humano  e  os  estilos  dos  administradores:  

a)  Teoria  X  -­‐  que  corresponde  à  suposição  de  que  o  homem  é  uma  criatura  indolente  e  que  foge  à  
responsabilidade,   que   tem   aversão   ao   trabalho   e   o   evitaria   se   pudesse,   daí   a   necessidade   de  

  12  
 

organizar   todo   o   seu   trabalho   e   controlá-­‐lo,   por   meio   de   regulamentos,   disciplina,   através   de  
promessas   de   recompensas   e   elogios.   Caracterizada   por   uma   chefia   autoritária,   com   padrões   de  
desempenho   inflexíveis   e   com   rígidos   sistemas   de   controle   representou   os   estilos   das   teorias  
científica   de   Taylor,   Clássica   de   Fayol   e   a   da   Burocracia   de   Weber.   Um   trabalhador   X,   ou   um  
trabalhador   visto   por   um   gerente   de   visão   X,   não   gosta   de   trabalhar   e   o   faz   somente   quando   é  
compelido.   Não   gosta   de   assumir   responsabilidade,   é   pouco   ou   nada   ambicioso   e   busca   acima   de  
tudo  segurança.  

b)  Teoria  Y  -­‐  que  corresponde  à  suposição  de  que  o  homem  é  uma  criatura  que  tem  motivações  e  
necessidades   que   necessitam   ser   satisfeitas,   gostam   do   trabalho   quando   compreendem   o   que   se  
espera   delas   e   quando   recebem   satisfação   decorrente   do   mesmo,   daí   a   necessidade   do  
conhecimento   da   motivação   humana   como   meio   de   obtenção   de   eficiência   no   trabalho.   Um  
trabalhador   Y,   ou   um   trabalhador   visto   por   um   gerente   de   visão   Y,   é   alguém   que,   pelo   contrário,  
sente-­‐se  bem  no  trabalho  e  busca  atingir  os  objetivos  que  lhe  são  colocados;  é  alguém  criativo  e  com  
potencialidades   que   podem   e   devem   ser   exploradas.   As   ações   são   descentralizadas,   há   uma   maior  
participação  dos  trabalhadores  e  também  uma  proposta  de  auto  avaliação.  Esta  teoria  é  o  estilo  mais  
adequado  em  todas  as  situações  e  gera  um  clima  de  trabalho  favorável  que  estimula,  por  si  mesmo,  a  
alta  produtividade,  o  autocontrole  e  a  criatividade.  

A   teoria   de   McGregor   considera   que   o   homem   renova   suas   próprias   necessidades,   ela   é   normativa   e  
fornece   uma   descrição   interessante   de   uma   filosofia   da   organização   calcada   no   humanismo   e   na  
tentativa   de   integrar   as   necessidades   individuais   e   organizacionais.   Propõe   uma   administração  
participativa  ou  consultiva  na  quais  os  indivíduos  participam  ou  são  consultados  quanto  às  decisões  
que  devem  ser  tomadas  a  seu  respeito.  É  interessante  perceber  que  na  administração  de  pessoal  de  
enfermagem,  a  adoção  de  estilos  de  chefia  são  compatíveis  com  a  Teoria  X.    

TEORIA  DE  HEZBERG    ou  de  Higiene:  Outro  a  contribuir  na  teoria  comportamentalista  foi  Herzberg,  
com  a  teoria  dos  dois  fatores  que  orientam  o  comportamento  das  pessoas  em  situação  de  trabalho:  
- Elementos   ambientais   ou   higiênicos,   que   são:   condições   de   trabalho,   tipo   de   supervisão,  
políticas   administrativas,   status   e   prestígio,   relações   interpessoais,   dinheiro   e   segurança  
pessoal,  sendo  que  Hezberg  considera  que  qualquer  mudança  ou  melhoria  nesses  elementos  
diminuirá  a  insatisfação,  mas  não  aumentará  a  satisfação.  

- Elementos   motivacionais   ou   de   função,   que   são:   reconhecimento,   trabalho   estimulante,  


maior   responsabilidade,   crescimento   e   desenvolvimento   pessoal,   sendo   que   qualquer  
mudança  ou  melhoria  nesses  elementos  poderá  motivar  melhor  desempenho.  

Estes   dois   fatores   são   independentes   e   não   se   vinculam   entre   si.   Os   fatores   responsáveis   pela  
satisfação   profissional   das   pessoas   são   totalmente   desligados   e   distintos   dos   fatores   responsáveis  
pela  insatisfação  profissional.  O  oposto  da  satisfação  profissional  não  é  a  insatisfação,  mas  ausência  
de  satisfação  profissional.  
Para  Hezberg,  a  estratégia  de  desenvolvimento  organizacional  mais  adequada  é  a  reorganização  
que   ele   denomina   ‘enriquecimento   de   tarefas’   a   qual   consiste   basicamente   em   aumentar   a  
responsabilidade  do  cargo  adicionando  tarefas  gradativamente  mais  elevadas  e  desafiantes.  
 
TEORIA   DE   LIKERT   ou   dos   Perfis   Organizacionais:   para   Likert,   a   administração   é   um   processo   relativo,  
onde   não   existem   normas   e   princípios   válidos   para   todas   as   situações,   e   assim   ela   não   pode   ser   igual  

  13  
 

em   todas   as   organizações,   assumindo   feições   diferentes,   de   acordo   com   as   condições   internas   e  


externas   das   organizações.   Ele   propõe   então   uma   classificação   de   Sistemas   de   Administração  
definindo  quatro  perfis  organizacionais:  
§ Autoritário  coercitivo  –  fortemente  arbitrário  e  que  controla  rigidamente  toda  a  organização;  
§ Autoritário   benevolente   –   variação   atenuada   do   primeiro,   mais   condescendente   e   menos  
rígido;  
§ Consultivo   –   caminha   na   direção   participativa,   e   gradativamente   representa   um  
abrandamento  da  arbitrariedade  organizacional;  
§ Participativo  –  democrático  e  aberto.    
Para   chegar   a   esta   classificação   ele   analisou   as   seguintes   variáveis   organizacionais:   o   processo  
decisorial  adotado;  o  sistema  de  comunicação  existente;  o  relacionamento  interpessoal  e  o  sistema  
de  recompensas  e  punições  vigentes  na  organização.  
Estes   quatro   sistemas   mostram   as   diferentes   e   gradativas   alternativas   existentes   para  
administrar   uma   empresa,   além   disso,   Likert   constatou   que   quanto   mais   próximo   do   sistema  
participativo  estiver  o  estilo  de  administração  da  empresa,  maior  será  a  probabilidade  de  haver  alta  
produtividade,  boas  relações  de  trabalho  e  elevada  rentabilidade.  
 
§ Pressupostos   Básicos:   A   teoria   comportamentalista   abandona   as   posições   normativas   e  
prescritivas   das   teorias   anteriores   para   a   adoção   de   posições   explicativas   e   descritivas.   Apresenta  
como  principais  aspectos:    
1.  Em  relação  à  ênfase:  nas  pessoas;    
2.  Quanto  à  abordagem  da  organização:  ela  compreende  a  organização  como  um  sistema  social,  
cooperativo  e  racional  e,  portanto  formal  e  informal;    
3.  Concepção  de  homem:  esta  teoria  deu  ênfase  ao  Homem  Administrativo,  pois  visa  à  maneira  
satisfatória  e  não  a  melhor  maneira  de  realizar  o  trabalho  tendo  por  base  o  behaviorismo;    
4.   Princípios:   estuda   os   fenômenos   sociais   através   das   causas   que   influenciam   os  
comportamentos  dos  indivíduos  tanto  em  nível  micro  como  macro.  
     
§ Críticas:   questiona-­‐se   a   relatividade   da   teoria   da   motivação   que   considera   como   se   todas   as  
pessoas   possuíssem   as   mesmas   necessidades   e   como   se   estas   pudessem   ser   hierarquizadas  
linearmente.   Outra   questão   diz   respeito   ao   fato   de   estrutura   formal   da   organização   ser  
considerada   de   forma   isolada,   independente   da   estrutura   informal.   Além   disso,   ela   também   é  
criticada   pela   tendência   a   ser   manipulativa,   uma   vez   que   busca   descobrir   formas   intrínsecas   de  
obter   maior   produtividade   ou   qualquer   outro   objetivo.   Como   aspecto   positivo   é   possível   destacar  
a  grande  contribuição  desta  teoria  para  a  administração  ao  evidenciar  os  diferentes  estilos  com  
que   os   administradores   dirigiam   suas   equipes,   unindo   a   escolha   do   estilo   às   convicções   que   estes  
possuíam   sobre   o   comportamento   humano.   As   teorias   motivacionais   demonstraram   ainda   que   os  
objetivos   dos   indivíduos   nem   sempre   se   aproximam   dos   objetivos   das   organizações,   levando  
muitas   vezes,   a   um   comportamento   alienado   e   ineficiente,   que   pode   retardar   ou   impedir   o  
alcance  dos  objetivos  das  organizações.  Por  outro  lado,  é  difícil  de  definir  parâmetros  universais  
que   possam   ser   utilizados   para   motivar   as   pessoas,   há   sempre   um   componente   subjetivo   na  
motivação,  e,  portanto  o  que  é  bom  para  uma  pessoa  pode  não  ser  para  outra.  
 

  14  
 

TEORIA   NEOCLÁSSICA:   surgiu   a   partir   da   releitura   e   aprimoramento   de   algumas   características   da  


administração   clássica,   através   de   testes   e   experimentos,   sendo   vários   os   autores   que   compõem   seu  
corpo  de  conhecimentos.  Ela  é  uma  reação  à  influência  das  ciências  do  comportamento  no  campo  da  
Administração   em   detrimento   dos   aspectos   econômicos   e   concretos   que   envolvem   o  
comportamento   das   organizações.   Um   dos   produtos   da   Teoria   Neoclássica   é   a   chamada  
Administração  por  Objetivos.  

§ Pressupostos   Básicos:   Ela   se   caracteriza   pela   ênfase   na   ação,   na   operacionalização   prática   da  


administração;   reafirmação   dos   postulados   clássicos   que   são   redimensionados   e   reestruturados  
de   acordo   com   uma   configuração   mais   ampla   e   flexível;   retoma   os   princípios   de   administração  
como   critérios   elásticos   para   a   busca   de   soluções   práticas;   enfatiza   os   objetivos   e   os   resultados  
como  forma  de  avaliar  o  desempenho  das  organizações;  absorção  do  conteúdo  de  outras  teorias  
administrativas   mais   recentes;   concebe   a   administração   como   uma   técnica   social   de   lidar   com  
pessoa,   influenciando-­‐as   para   o   alcance   de   objetivos   e   resultados.   Além   disso,   os   autores  
neoclássicos   adotam   o   processo   administrativo   como   núcleo   de   sua   teoria   eclética   e   utilitarista,  
definindo   como   funções   administrativas:   o   planejamento,   a   organização,   a   direção   e   o   controle.  
Os  principais  aspectos  da  Teoria  Neoclássica  são:    
1.   Em  relação  à  ênfase:  no  ecletismo  –  tarefa,  pessoas  e  na  estrutura;    
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   considera   a   organização   um   sistema   social   com  
objetivos  a  alcançar  e,  portanto  ela  é  formal  e  informal;    
3.   Concepção  de  homem:  Homem  Organizacional  e  Administrativo;    
4.  Princípios:  da  divisão  do  trabalho,  da  especialização,  da  existência  de  níveis  hierárquicos  e  da  
amplitude  administrativa  (número  de  subordinados  que  o  administrador  pode  dirigir).  
 
§ Críticas:  Um  aspecto  positivo  é  a  tentativa  de  superação  dos  aspectos  negativos  da  teoria  clássica,  
o   caráter   prescritivo   e   normativo   na   determinação   de   regras   e   normas,   e   a   concepção   da  
organização   como   um   sistema   fechado.   O   processo   administrativo   adotado   por   esta   teoria   se  
mostra  flexível,  maleável  e  adaptável  às  situações  variadas  e  circunstâncias  diferentes.  Seu  grande  
desafio   é   conseguir   a   participação   dos   trabalhadores   e   enfrentar   o   dilema   da   centralização   versus  
descentralização.  
 

TEORIA   DO   DESENVOLVIMENTO   ORGANIZACIONAL:   surge   de   um   conjunto   de   ideias   a   respeito   do  


ser   humano,   da   organização   e   do   ambiente   na   perspectiva   de   propiciar   o   crescimento   e  
desenvolvimento   organizacional,   de   acordo   com   suas   potencialidades.   O   desenvolvimento  
organizacional  nada  mais  é  que  as  mudanças  que  ocorrem  dentro  de  uma  organização.  Segundo  essa  
teoria  aberta,  democrática  e  participativa,  as  organizações  devem  se  voltar  mais  às  pessoas  do  que  
às  técnicas  e  recursos  para  conseguir  uma  maior  capacidade  de  realizar  as  mudanças  necessárias  ao  
desenvolvimento  organizacional.  O  Desenvolvimento  Organizacional  é  um  desdobramento  prático  e  
operacional   da   Teoria   Comportamental   a   caminho   da   abordagem   sistêmica.   Consideramos   como  
precursor  deste  movimento  teórico  Leland  Bradford.  

TEORIA  DOS  SISTEMAS:  Esta  teoria  surgiu  na  década  de  60  tendo  como  base  os  principais  conceitos  
da   cibernética   que   envolve   os   estudos   dos   sistemas,   da   ciência   da   comunicação   e   do   controle.  Seu  
precursor   foi   Ludwig   Von   Bertalanffy,   que   definiu   sistema   como   sendo   um   conjunto   de   elementos  
inter-­‐relacionados   e   integrados   visando   o   alcance   de   um   objetivo   determinado,   e   um   dado   resultado  

  15  
 

ou  uma  determinada  função.  A  essência  do  pensamento  ou  enfoque  sistêmico  é  a  idéia  de  elementos  
que   interagem   e   formam   conjuntos   para   realizar   objetivos.   Esta   teoria   não   busca   solucionar  
problemas   ou   tentar   soluções   práticas,   mas   produzir   teorias   e   formulações   conceituais   para  
aplicações  na  realidade  empírica.  Com  uma  abordagem  integrative,  a  teoria  de  sistemas  fundamenta-­‐
se  em  três  premissas:  os  sistemas  existem  dentro  de  sistemas;  eles  são  abertos  e  as  funções  de  um  
sistema   dependem   de   sua   estrutura.   Assim,   as   organizações   são   consideradas   como   sistemas   de  
papéis  onde  os  trabalhadores  agem  como  transmissores  de  papel,  atores  e  pessoas  focais.  
 
§ Pressupostos:  Da  definição  de  Bertalanffy  decorrem  as  seguintes  características  de  um  sistema:    
- Todo  sistema  tem  um  ou  alguns  propósitos  ou  objetivos;    
- Tem  uma  natureza  orgânica  através  da  qual  uma  ação  que  produza  uma  mudança  em  uma  
das   unidades,   muito   provavelmente   irá   produzir   mudanças   em   todas   as   outras   unidades   –  
globalismo  ou  totalidade;    
- Tendência  para  a  integração  das  ciências  naturais  e  sociais,  o  que  conduz  a  uma  integração  
na  educação  científica;  
- Tendência  para  o  desgaste,  para  desintegração,  o  afrouxamento  dos  padrões  e  o  aumento  da  
aleatoriedade  –  entropia  –  à  medida  que  aumenta  a  informação  diminui  a  entropia;    
- Há   um   equilíbrio   dinâmico   entre   as   partes   do   sistema   –   homeostasia.   Os   sistemas   podem   ser  
classificados   ainda   em   relação   a   sua   natureza   sendo   denominados   de   sistema   abertos  
aqueles  que  trocam  matéria  e  energia  com  o  meio  ambiente  e  os  fechados  aqueles  que  não  
fazem  trocas  com  o  meio.  Os  principais  aspectos  da  Teoria  de  Sistemas  são:    
1.  Em  relação  à  ênfase:  no  ambiente;  
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   compreende   a   organização   como   um   sistema  
aberto.  
3.   Concepção   de   homem:   a   concepção   é   de   Homem   Funcional   compreendido   como   o  
indivíduo   que   tem   um   papel   dentro   das   organizações,   inter-­‐relacionando-­‐se   com   os  
demais  indivíduos,  como  um  sistema  aberto.    
4.  Princípios:  os  elementos  estão  integrados  e  inter-­‐relacionados  de  modo  a  alcançar  um  
resultado.  
§ Críticas:   para   alguns   autores   ela   considerada   abstrata   e   conceitual,   de   difícil   aplicação   às  
situações   gerenciais   práticas.   Entretanto,   pode-­‐se   dizer   que   a   abordagem   sistêmica   é  
basicamente   uma   teoria   geral   compreensiva   uma   vez   que   cobre   amplamente   todos   os  
fenômenos  organizacionais,  tendo  contribuído  para  uma  ampliação  na  visão  dos  problemas  
organizacionais.   Além   disso,   ela   é   considerada   também   como   uma   síntese   integrativa   dos  
conceitos  clássicos,  neoclássicos,  estruturalistas  e  behavioristas.  E  apesar  de  sua  abordagem  
parecer   completa,   ela   ainda   necessita   de   uma   melhor   sistematização   e   detalhamento,   pois  
sua  utilização  na  prática  ainda  é  pequena.  

TEORIA  DA  CONTINGÊNCIA  OU  CONTINGENCIAL:    A  palavra  contingência  significa  o  que  pode  vir  a  
acontecer  ou  não.  Diz  respeito  a  uma  proposição  que  só  pode  ser  verificada,  confirmada  ou  não  pela  
experiência  e  evidência  e  não  pela  razão.  Tem  sua  origem  a  partir  de  estudos,  na  década  de  60,  que  
mostraram  como  uma  mesma  organização  funcionava  de  formas  diversas  em  condições  diferentes.  E  
assim,  concluiu-­‐se  que  as  condições  em  que  uma  organização  funciona,  são  decorrentes  do  ambiente  
externo   que   influenciam   na   estruturação   e   nos   processos   administrativos   das   empresas.   De   uma  
forma   mais   ampla,   a   teoria   contingencial   mostra   que   não   se   alcança   a   eficácia   organizacional  

  16  
 

seguindo  apenas  um  único  modelo,  não  existe  uma  forma  que  seja  a  única  e  a  melhor  para  que  se  
alcancem   os   objetivos   que   são   variados   e   acontecem   em   ambientes   também   diversos   nas  
organizações.  Assim,  ambientes  e  situações  diferentes  requisitam  relações  organizacionais  diferentes  
e  modelos  apropriados  para  cada  caso  vivenciado.  A  abordagem  contigencial  explica  que  existe  uma  
relação   funcional   entre   as   condições   do   ambiente   e   as   técnicas   administrativas   apropriadas   para   o  
alcance   eficaz   dos   objetivos   da   organização.   As   variáveis   ambientais   são   variáveis   independentes,  
enquanto  as  técnicas  administrativas  são  variáveis  dependentes  dentro  de  uma  relação  funcional.  

§ Pressupostos  Básicos:  as  duas  variáveis  que  produzem  o  maior  impacto  sobre  as  empresas  são  o  
ambiente   e   a   tecnologia,   que   consequentemente   implicam   em   diferenças   na   estrutura   e   no  
funcionamento.   Ela   enfatiza   que   não   há   nada   de   absoluto   nas   organizações   ou   na   teoria  
administrativa,   tudo   é   relativo.  Tudo   depende.   Sua   tese   central   é   a   de   que   não   há   um   método   ou  
técnica  exclusivamente  válida,  ótima  ou  ideal  para  todas  as  situações.  O  que  há  é  um  conjunto  de  
alternativas,  métodos  ou  técnicas,  discutidos  pelas  diversas  teorias  administrativas,  sendo  que  um  
deles   poderá   ser   o   mais   adequado   para   uma   determinada   situação.   Assim,   as   teorias  
administrativas  anteriores  não  estão  erradas,  o  que  acontece  é  que  cada  uma  delas  foi  proposta  e  
desenvolvida   tendo   em   perspectiva   um   determinado   contexto,   uma   dada   situação,   na   qual   ela  
funciona   adequadamente.   Mas,   se   o   contexto   e   a   situação   se   modificam   ela   pode   deixar   de   ser  
válida.   Desta   forma,   a   abordagem   contingencial   consiste   em   diagnosticar   as   características   do  
ambiente  e  da  tecnologia  para  que  se  possam  verificar  as  necessidades  organizacionais  e  a  partir  
delas,   propor   a   abordagem   teórica     para   cada   situação   vivenciada.   Os   principais   aspectos   da  
Teoria  Contingencial  são:    
1.   Em   relação   à   ênfase:   no   ambiente   –   conceituado   como   sendo   tudo   o   que   envolve  
externamente   uma   organização,   contexto   dentro   do   qual   ela   está   inserida   –   e   na  
tecnologia  –  compreendida  como  conhecimentos  acumulados  ou  desenvolvidos  sobre  o  
significado   e   a   execução   de   tarefas   e   pelas   suas   manifestações   físicas   decorrentes  
(máquinas,  equipamentos,  instalações)  constituindo  um  complexo  de  técnicas  utilizadas  
na  transformação  dos  insumos  pelas  organizações.  
2.   Quanto   à   abordagem   da   organização:   considera   a   organização   um   sistema   aberto  
quando   se   considera   o   ambiente/contexto   no   qual   ela   está   inserida   e   um   sistema  
fechado  quando  se  considera  a  racionalidade  técnicas.  
3.   Concepção   de   homem:   considera   o   homem   um   individuo   complexo   em   relação   a   sua  
natureza,   as   suas   características,   as   suas   múltiplas   necessidades   e   potencialidades   -­‐  
Homem  Complexo.  
4.   Princípios:   O   ambiente   externo   influencia   a   estruturação   e   os   processos  
organizacionais,   devendo   haver   ajuste   entre   a   organização,   o   ambiente   e   a   tecnologia,  
com  ênfase  na  flexibilidade  organizacional.  
 
§ Criticas:   A   teoria   contingencial   é   eclética   e   integrativa,   absorvendo   os   conceitos   das   diversas  
teorias   administrativas   ampliando   os   horizontes   e   afirmando   que   nada   é   absoluto.   Ela   afirma   que  
todas   as   teorias   administrativas   são   válidas,   mas   para   determinados   contextos   e   circunstâncias.  
Considerada   muitas   vezes   mais   uma   maneira   relativa   e   situacional   de   se   ver   as   organizações   do  
que   propriamente   uma   Teoria   Administrativa.   É   uma   teoria   dotada   de   grande   flexibilidade,  
descentralização   e   desburocratização,   tornando-­‐se   uma   opção   para   ambientes   em   constantes  
mudanças  e  com  condições  instáveis.  A  tecnologia  passa  a  assumir  um  papel  importante  a  partir  

  17  
 

dessa  teoria.  Ainda  não  há  uma  influência  da  teoria  contingencial  nos  cursos  e  prática  profissional  
de  enfermagem.  

LEMBRETE:   cada   uma   das   teorias   abordadas   traz   uma   contribuição   particular   e   importante   para   o  
desenvolvimento  da  prática  de  administração,  influenciando  no  desenvolvimento  organizacional  de  
empresas,  serviços  e  instituições.  

A  Teoria  Geral  da  Administração  (TGA)  começou  com  a  ÊNFASE  NAS  TAREFAS,  com  a  administração  
científica   de   Taylor.   A   seguir,   a   preocupação   básica   passou   para   a   ÊNFASE   NA   ESTRUTURA   com   a  
teoria   clássica   de   Fayol   e   com   a   teoria   burocrática   de   Max   Weber,   seguindo-­‐se   mais   tarde   a   teoria  
estruturalista.   A   reação   humanística   surgiu   com   a   ÊNFASE   NAS   PESSOAS,   por   meio   da   teoria  
comportamental.  A  ÊNFASE  NO  AMBIENTE  surgiu  com  a  teoria  dos  sistemas,  sendo  completada  pela  
teoria   da   contingência.   Esta,   posteriormente,   desenvolveu   a   ÊNFASE   NA   TECNOLOGIA.   Cada   uma  
dessas   cinco   variáveis   -­‐   tarefas,   estrutura,   pessoas,   ambiente   e   tecnologia   -­‐   provocou   a   seu   tempo  
uma   diferente   teoria   administrativa,   marcando   um   gradativo   passo   no   desenvolvimento   da   TGA.  
Cada  teoria  administrativa  procurou  privilegiar  ou  enfatizar  uma  dessas  cinco  variáveis,  omitindo  ou  
relegando  a  um  plano  secundário  todas  as  demais.  
PRINCIPAIS  TEORIAS  ADMINISTRATIVAS      
TEORIAS   PRINCIPAIS  ENFOQUES   ÊNFASE  
Teoria  Científica   Organização  racional  do  trabalho  (ORT).  Homo  
Tarefas  
(Taylor)   economicus  
Organização  formal.  06  funções  básicas  para    a  
Teoria  Clássica  
existência  da  organização.  Unidade  de  comando  único.   Estrutura  
(Fayol)  
Homo  economicus.  

Organização  formal  burocrática.  Racionalidade  


Teoria  Burocrática  
organizacional.  Impessoalidade  nas  relações   Funções  
(Max  Weber)    
humanas.Homem  organizacional.  

Múltipla  abordagem:  organização  formal  e  informal;   Funções/  


Teoria  Estruturalista  
análise  intra  e  interorganizacional.   Pessoas  

Teoria  
Múltipla  abordagem:  organização  formal  e  informal;  
Comportamentalista  
estilos  de  administração.  Teoria  das  decisões.  
(Levin,  Maslow,  
Integração  dos  objetivos  organizacionais  e  
McGregor,  Hezberg,  
individuais.Homem  Administrativo.  
Likert)  

Organização  informal.  Humanização  da  organização.   Pessoas  


Teoria  das  Relações  
Motivação,  liderança,  comunicações  e  dinâmica  de  
Humanas  (Mayo)  
grupo.  Homo  sociales.  
Teoria  do  
Desenvolvimento   Caráter  aberto,  democrático  e  participativo.    
Organizacional  

  18  
 

Tarefas,  
Ação  organizacional;  flexibilidade  administrativa.  
Teoria  Neoclássica   pessoas  e  
Homem  Organizacional  e  Administrativo.  
estrutura  

Teoria  dos  Sistemas   Visão  sistêmica  das  organizações.Interação  de  


elementos.  Globalismo.  Homem  funcional.   Tecnologia,  
ambiente  
Teoria  Contingencial   Análise  ambiental.  Abordagem  de  sistema  aberto.  
Flexibilidade  organizacional.  Homem  complexo.  
       

As   teorias   de   administração   influenciaram   muito   a   enfermagem,   enquanto   prática  


profissional.  A  administração  em  enfermagem  pautava-­‐se  nas  teorias  de  Taylor  e  Fayol,  definindo-­‐a,  
como   instrumento   de   organização   e   racionalização   do   trabalho,   cabendo   ao   enfermeiro,   portanto,  
planejar,   dirigir,   controlar   e   organizar   as   atividades   da   equipe   de   enfermagem,   visando   o  
cumprimento  das  tarefas  estabelecidas.  

PRINCIPAIS  INFLUÊNCIAS  TEÓRICAS  


TEORIA   HERANÇA  PARA  A  ENFERMAGEM  
Divisão  do  trabalho  e  especialização  
Teoria  Científica    
(Taylor)  
 (ênfase  nas  tarefas  ao  nível  do  operário).  
 
Princípios   de   ordem,   disciplina,   hierárquica   (ênfase   nas  
Teoria  Clássica  
 (Fayol)  
tarefas  e  estrutura  organizacional)  
 

Teoria  Burocrática     Manuais   de   normas   e   rotinas,   regimentos,   regulamentos  


(Max  Weber)     (ênfase  na  estrutura  organizacional)  

Teoria  das  Relações   Ressalta  o  papel  das  pessoas  nas  organizações  


Humanas  (Mayo)    

BASES  LEGAIS  DA  ADMINISTRAÇÃO  EM  ENFERMAGEM  

§ A  Lei  do  Exercício  Profissional  da  Enfermagem  –  Lei  7.498/86,  Decreto  n˚  94.406/87,  define  
em  seu  Art.  11  –  inciso  I,    que  a  administração  dos  serviços  de  enfermagem  é  de  competência  
privativa  do  enfermeiro,  cabendo  a  ele:    
a)   direção   do   órgão   de   enfermagem   integrante   da   estrutura   básica   da   instituição   de  
saúde,  pública  e  privada,  e  chefia  de  serviço  e  de  unidade  de  enfermagem;    
b)   organização   e   direção   dos   serviços   de   enfermagem   e   de   suas   atividades   técnicas   e  
auxiliares  nas  empresas  prestadoras  desses  serviços;    
c)   planejamento,   organização,   coordenação,   execução   e   avaliação   dos   serviços   da  
assistência  de  enfermagem.    
E  no  inciso  II  ,  ao  apresentar  as  atividades  do  enfermeiro  como  integrante  da  equipe  de  
saúde,  cita:    
a)  participação  no  planejamento,  execução  e  avaliação  da  programação  de  saúde;    
b)  participação  na  elaboração,  execução  e  avaliação  dos  planos  assistenciais  de  saúde.  

  19  
 

 
§ O   Código   de   Ética   dos   Profissionais   de   Enfermagem   –   na   Resolução   COFEN   311/2007,  
apresenta  em  seu  Preâmbulo  que  “...O  Código  de  Ética  dos  Profissionais  de  Enfermagem  leva  
em  consideração  a  necessidade  e  o  direito  de  assistência  em  enfermagem  da  população,  os  
interesses   do   profissional   e   de   sua   organização...”   e   no   Art.   66,   afirma   que   compete   ao  
enfermeiro   “exercer   cargos   de   direção,   gestão   e   coordenação   na   área   de   seu   exercício  
profissional  e  do  setor  saúde”.  
 
Atualmente,   a   enfermagem   tem   um   campo   próprio   de   trabalho,   desenvolve   funções   em  
organizações   hospitalares,   unidades   básicas,   serviço   público   e   privado   vivenciando   processos   de  
trabalho   diversificados   e   complexos   que   exigem   dela   competências   essenciais   focadas   nas   áreas  
assistencial   e   gerencial.   Utiliza   métodos   para   sistematizar   o   raciocínio,   agrega   conhecimento   de  
diversas  áreas  do  saber,  inclusive  da  ciência  da  administração,  o  que  coopera  em  melhores  práticas  
de  enfermagem.  
 

AS  FUNÇÕES  ADMINISTRATIVAS  NA  ENFERMAGEM  

A  Administração  em  Enfermagem  passa  pela  aplicação  do  processo  administrativo  na  nossa  prática.  

Administrar   em   Enfermagem   é:   “Conjunto   de   ações,   organizar   serviços   e   funções,   planejar,  


identificar   os   objetivos   propostos   pela   instituição   afim   de   alcançá-­‐los,   prever,   prover   e   estabelecer  
metas,   sistematizar   a   ordem   de   processos   e   ações,   cuidar   direta   e   indiretamente,   analisar,   gerir  
pessoas   e   situações,   coordenar,   agir,   estruturar   o   serviço,   traçar   meios,   metodologia   e   utilizar   os  
recursos   existentes,   educar,   integrar   e   saber   ouvir,   gerenciar   recursos   humanos   e   materiais,   registrar  
e   buscar   a   qualidade,   atenção,   delegar,   promover   mudanças,   exercer   autoridade,   servir,  
persuadir,ter  comunicação  eficaz  e  ter  flexibilidade...  “  

E   para   concretizar   todas   estas   ações,   a   enfermagem   faz   uso   de   05   funções   administrativas  
que  podem  ser  resumidas  em  :  

Planejamento:  é  a  predeterminação  de  uma  seqüência  de  ações  destinados  a  chegar  a  um  resultado  
desejado,  determina  aquilo  que  deve  ser  feito  e  como  deve  ser  feito.  

Organização:  é  o  estabelecimento  das  relações  de  autoridade  e  poder  existentes  entre  a  equipe  de  
enfermagem,   é   a   definição   de   uma   estrutura   organizacional   para   o   serviço   de   enfermagem   (formal   e  
informal).  

Direção:   condução   de   todo   o   trabalho   da   unidade   de   enfermagem,   usando   todos   os   recursos  


disponíveis.  A  administração  de  enfermagem  deve  determinar  atribuições  e  conferir  as  direções,  que  
são   baseadas   nas   decisões   sobre   as   prioridades   e   na   delegação   de   obrigações   aos   membros   da  
equipe.   Significa   influenciar   a   equipe   para   que   trabalhe   por   um   objetivo   comum   –   prestar   uma  
assistência  de  enfermagem  de  qualidade.    

Coordenação:   é   uma   função   que   liga,   une,   harmoniza   todas   as   atividades,   é   a   essência   da  
administração,   pois   sincroniza   os   esforços   individuais,   no   sentido   de   obtenção   dos   objetivos   do  
grupo,  do  propósito  fundamental  da  organização,  adapta  os  meios  ao  fim,  da  às  coisas  e  aos  atos  as  
proporções  convenientes.  

  20  
 

Controle:   avalia   e   regula   todas   essas   funções   e   seus   resultados.   A   administração   de   enfermagem  
deve   saber   avaliar   o   desempenho   global   de   cada   trabalhador   e   do   grupo,   através   de   um   processo  
que   seja   contínuo   e   que   tenha   por   base   padrões   e   objetivos   predeterminados   e   que   devem   ser  
satisfeitos,  é  o  acompanhamento  do  trabalho  que  vem  sendo  realizado.  

                                                                         

A  ADMINISTRAÇÃO  E  O  PLANEJAMENTO  EM  ENFERMAGEM  

Acredita-­‐se   que   o   planejamento   é   a   função   que   possibilita   ao   enfermeiro   exercer   a  


administração   de   enfermagem   de   forma   global,   coerente   e   responsável.   Trata-­‐se   de   uma   das  
principais   ferramentas   do   processo   administrativo   na   condução   das   organizações   de   saúde.   O  
planejamento   é   a   primeira   das   funções   administrativas,   porque   sem   planejamento   não   se   pratica  
administração.   Portanto,   o   planejamento   é   a   base   que   norteia   toda   a   administração.   Segundo  
Chiavenato,  é  o  modelo  teórico  para  a  ação  futura.  
É   um   processo   cíclico,   contínuo,   constituído   do   conhecimento   do   sistema   como   um   todo,  
determinação   dos   objetivos,   estabelecimentos   de   prioridades,   seleção   de   recursos   disponíveis,  
estabelecimento   de   plano   operacional,   desenvolvimento,   implementação   e   aperfeiçoamento  
(avaliação  permanente  e  contínua)  ou  controle  e  supervisão.  
O   planejamento   representa   uma   decisão   antecipada   de   que,   quem,   como,   quando   e   onde  
fazer.  É  função  necessária  de  todos  os  administradores  para  o  atendimento  das  demandas  do  corpo  
funcional   e   das   organizações.   Na   Enfermagem   os   enfermeiros   para   realizarem   a   assistência,   a  
gerência,  a  investigação  e  o  ensino,  necessitam  lançar  mão  da  função  de  planejamento,  sendo  este  o  
ponto  de  partida  para  o  desenvolvimento  de  suas  ações.  
Para   que   o   planejamento   seja   eficiente,   eficaz   e   efetivo   ele   deve   seguir   os   seguintes  
princípios  básicos:  
•   Princípio   da   definição   dos   objetivos:   o   planejamento   deve   ser   elaborado   em   função   dos  
objetivos   que   se   quer   alcançar   assim   eles   devem   ser   definidos   de   forma   clara   e   concisa,   pois   a  
finalidade  do  planejamento  é  determinar  como  que  os  objetivos  podem  ser  alcançados;  
•   Princípio   da   flexibilidade:   uma   vez   que   o   planejamento   se   refere   ao   futuro,   ele   deve   ser  
flexível  e  elástico,  para  se  adaptar  as  situações  que  podem  sofrer  alterações,  nem  sempre  previstas;  
•  Princípio  da  participação:  o  planejamento  será  tanto  mais  efetivo  e  eficaz  na  medida  em  
que  envolva  e  contemple  no  processo  de  elaboração,  execução  e  avaliação  todas  as  áreas,  setores  e  
pessoas  envolvidas;  
•  Princípio  da  coordenação:  deve  haver  sincronia,  inter-­‐relação  e  articulação  entre  os  vários  
aspectos  envolvidos  no  planejamento  de  modo  a  que  eles  atuem  interdependentemente  e  de  modo  
integrado;  

  21  
 

•   Princípio   da   permanência:   o   planejamento   deve   ser   constantemente   revisto   para   que  


possa  permanecer  atual  e  válido.  
 
Características   de   um   bom   planejamento:   Um   planejamento   adequado   deve   contemplar   as  
seguintes  características:  
- Ter  objetivos  claros;  
- Ser  simples,  sem  ambigüidade  de  interpretação;  
- Ter  estabilidade  e  ao  mesmo  tempo  ser  flexível,  com  capacidade  de  se  adaptar  às  situações  
prioritárias,  de  emergência  ou  mudanças;  
- Ser   econômico   e   realista,   em   relação   aos   recursos   necessários,   otimizando   ao   máximo   os  
recursos  existentes;  
- Possibilitar   a   análise   das   atividades   em   cada   uma   das   fases,   tanto   durante   sua   execução  
como  no  final;  
- Estar  voltado  para  o  futuro;    
- Ser   suficientemente   importante,   racional   e   justificável   em   relação   aos   objetivos  
organizacionais  e  individuais;  
- Reconhecer  o  ambiente  organizacional,  do  ponto  de  vista  socioeconômico  e  cultural.  
 

Etapas  do  planejamento:    

§ Etapa  1  –  Conhecimento  do  sistema  ou  da  realidade:  consiste  em  uma  etapa  de  elaboração  
de   um   diagnóstico   de   situação.   Nesta   fase   é   importante   que   se   conheça   o   sistema   social   e  
técnico,   ou   seja,   os   recursos   financeiros,   materiais   e   humanos;   as   normas,   valores   e  
aspirações  do  serviço;  e  no  caso  dos  serviços  de  saúde  também  os  usuários.    

§ Etapa  2  –  Definição  de  objetivos:  de  fato,  este  é  o  ponto  de  partida  do  planejamento.    A  falta  
de  um  conjunto  de  objetivos  claramente  definidos  é  uma  causa  muito  comum  do  fracasso  de  
todo  o  processo.  Esta  fase  consiste  em  estabelecer  aquilo  que  se  quer  alcançar  (o  objetivo),  
que  não  deve  ser  confundido  com  o  método  de  trabalho  e  nem  como  a  forma  e  a  ação  para  
se   alcançar   aquilo   que   se   deseja.   Os   objetivos   são   alvos,   pretensões   futuras,   eles   indicam  
uma  orientação,  estabelecem  linhas  mestras,  e  quando  alcançados  tornam-­‐se  uma  realidade.    

§ Etapa   3   –   Estabelecimento   de   prioridades:   é   tomar   decisões   sobre   quais   são   as   ações   que  
devem   ser   realizadas   primeiro,   definir   uma   seqüência   de   prioridades,   escolhendo-­‐se   os  
meios  para  alcançar  os  fins.    

§ Etapa   4   -­‐   Seleção   de   meios   e   recursos:   nesta   fase   deve-­‐se   descrever   quais   os   recursos  
possíveis,   viáveis   e   disponíveis,   sejam   eles   humanos,   materiais   e   físicos,   necessários   à  
elaboração  das  estratégias  que  possibilitem  alcançar  os  objetivos  propostos.  

§ Etapa   5   –   Estabelecimento   do   plano   operacional:   consiste   em   se   definir,   através   de   uma  


seqüência   lógica   de   eventos   -­‐   como,   de   que   forma,   com   que   ações   e   estratégias   -­‐   irá   se  
alcançar  os  objetivos  traçados.  A  operacionalização  do  planejamento  pode  contemplar  níveis  
diversos,   pode   enfocar   a   instituição   como   um   todo   (Planejamento   Estratégico),   pode   se  
traduzir   em   planos   concretos   a   nível   local   e   ou   departamental   (Planejamento   Tático)   e   se  
desdobrar   em   planos   específicos   para   cada   tarefa   (Planejamento   Operacional).   Pode-­‐se  

  22  
 

trabalhar   com   cada   uma   dessas   dimensões   separadamente   ou   conforme   o   conteúdo,  


extensão  de  tempo  e  amplitude  pode-­‐se  trabalhar  com  esses  níveis  articuladamente.  

Quadro  1:  Níveis  de  Plano  (CHIAVENATO,  1994).  

§ Etapa  6  -­‐  Desenvolvimento:  esta  etapa  consiste  em  executar  aquilo  que  se  planejou.  Envolve  
a  ação  e  a  coordenação.  É  importante  que  as  responsabilidades  de  todas  as  partes  envolvidas  
nas   ações   estejam   definidas   para   que   os   atritos   sejam   minimizados.   Além   disso,   pode-­‐se   e  
deve-­‐se  fazer  qualquer  ajuste  que  seja  necessário  tendo  em  vista  as  possíveis  limitações    que  
poderão  ocorrer  em  relação  aos  recursos  necessários  à  situação  real.  

§ Etapa  7  –  Aperfeiçoamento:   consiste  em  avaliar  e  replanejar.  A  avaliação  do  planejamento  


não   deve   ficar   restrita   a   esta   fase,   ela   deve   ser   contínua   e   permanente,   acompanhando   cada  
uma   das   fases   anteriores,   pois   se   realizada   sistematicamente   a   avaliação   indicará   as   falhas  
possibilitando  as  correções.  Replanejar  significa  fazer  novas  propostas,  ajustes  e  reformular  
aspectos  que  necessitam  de  modificações.  

Instrumentos  utilizados  no  planejamento  

Uma   vez   que   planejar   consiste   na   sistematização   das   ações   é   necessário   que   se   tenha   uma  
programação,  ou  seja,  uma  correlação  entre  tempo  e  atividade,  como  um  instrumento  que  auxilie  no  
alcance   dos   objetivos   estabelecidos.   Vários   instrumentos   de   programação   que   auxiliam   no  
planejamento  podem  ser  utilizados,  entre  eles:  

1)  Cronograma:  é  um  dos  instrumentos  de  confecção  mais  simples,  consiste  em  um  quadro  com  duas  
entradas,   onde   as   linhas   representam   as   tarefas   ou   atividades   e   as   colunas   os   períodos   de   tempo,  
geralmente   expressos   em   dias   ou   meses.   A   duração   das   tarefas   ou   atividades   é   representada   por  
traços  horizontais  com  início  e  fim  bem  definidos,  de  acordo  com  as  colunas  que  são  preenchidas.  

  23  
 

2)   Gráfico   de   Gantt:   é   semelhante   ao   cronograma,   a   diferença   é   que   nas   colunas   relativas   ao   tempo,  
cada  mês  é  dividido  em  subcolunas  que  representam  às  semanas.  

3)   Técnica   de   Revisão   e   Avaliação   de   Projetos   ou   Programas   (Program   Evaluation   Review  


Technique   -­‐   PERT):   é   um   instrumento   um   pouco   mais   complexo,   que   consiste   na   elaboração   de   uma  
rede  básica  de  passos  seqüenciais  que  envolvem  eventos,  atividades  e  relações.    

Exemplo:   Gráfico   PERT-­‐CPM,   mostrando   as   etapas   e   os   procedimentos   necessários   para   o  


atendimento  de  uma  parada  cardiorrespiratória.  

N˚  da  Etapa   Descrição  do  Procedimento  


1   Identificação  da  parada  cardiorrespiratória  
2   Providenciar  material/equipamento  de  emergência  
3   Prestar  os  primeiros  socorros  
4   Manter  uma  via  de  infusão  venosa  
5   Aplicar  medicamentos  
6   Monitorizar  
7   Massagem  cardíaca  
8   Oxigenação  
Colher  sangue  para  dosagem  de  O2,  PO2  e  
9   eletrólitos  
10   Desfibrilação  
11   Intubação  e  ventilação  artificial  
12   Recuperação  do  paciente  
Fonte:  CIAMPONE,  M.  H.  T.  Metodologia  do  planejamento  na  enfermagem.  In:  KURCGANT,  P.  (org.)  
Administração  em  enfermagem.  São  Paulo,  EPU.  Cap.  4,  p.  41-­‐58,  1991.  

Planejamento  Estratégico  Situacional  (PES)  

  24  
 

O   enfoque   estratégico   pode   ser   compreendido   como   uma   opção   tecnológica   para   os  
gestores   que   estejam   comprometidos   com   a   construção   de   um   modelo   de   atenção   á   saúde   que  
tenha  como  premissas  à  integralidade  e  a  equidade.  Neste  sentido,  o  enfoque  situacional  se  mostra  
como  um  instrumento  adequado  para  o  processo  de  construção  de  um  novo  modelo  de  atenção  à  
saúde,   por   ser   dinâmico   e   flexível   adaptando-­‐se   à   complexidade   das   situações   epidemiológicas,  
técnico-­‐organizacionais  e  político-­‐  institucionais  de  nosso  país.  
Além  disso,  o  PES  não  deve  ser  compreendido  apenas  como  teoria  e  técnica,  tampouco  como  
um   cálculo   determinístico,   que   apresenta   um   resultado   apenas.   É   importante   que   as   habilidades  
pessoais,  a  experiência,  a  criatividade  e  a  sensibilidade  dos  atores  sejam  consideradas,  pois  planejar  
também   é   arte,   onde   os   problemas   admitem   distintas   soluções,   conforme   os   atores   que   os  
considerem.  
Os   elementos   comuns   que   permitem   considerar   a   corrente   estratégica   de   planejamento  
como  um  novo  paradigma  são:  
§ A   compreensão   de   que   os   objetos   do   planejamento   são   os   problemas   e   as   oportunidades  
reais  de  intervenção,  decorrentes  do  reconhecimento  da  existência  de  um  conflito,  virtual  ou  
real;  
§ O  entendimento  de  que  o  planejador  é  um  ator  social,  que  faz  parte  do  sistema  planejado,  
interagindo  com  este;  
§ A  compreensão  de  que  existe  uma  variedade  de  explicações  diagnósticas,  uma  vez  que  existe  
mais   de   uma   compreensão   da   realidade   e,   portanto   visões   diferenciadas   dos   conflitos  
existentes;  
§ A  aceitação  da  complexidade  dos  sistemas  sociais,  uma  vez  que  o  mundo  real  é  histórico  e  as  
categorias   sobre   as   quais   se   pensa   a   realidade   também   são   históricas,   ou   seja,   se  
transformam  no  decorrer  do  tempo;  
§ A   concepção   do   planejamento   como   sendo   um   processo   composto   por   momentos   que   se  
interpenetram,  sem  seguir  uma  lógica  seqüencial  rígida;  
§ O   entendimento   do   plano   como   sendo   composto   por   módulos  operacionais,  que  flexibilizam  
a  organização  e  possibilitam  a  participação  de  distintos  atores  sociais;  

O  PES  pode  ser  desenvolvido  por  meio  de  quatro  momentos:  o  explicativo,  o  normativo,  o  
estratégico  e  o  tático-­‐operacional.  Assim,  o  planejamento  estratégico  pressupõe  que  se  tenha  uma  
“visão   estratégica”   que   passa   pelo   conhecimento   amplo   da   realidade   sobre   a   qual   se   quer   intervir,  
bem   como   envolve   uma   “ação   comunicativa”   que   significa   que   os   dirigentes,   técnicos   e   todos   os  
envolvidos  no  processo  de  planejamento  devem  manter  um  diálogo  permanente,  para  que  se  possa  
estar  construindo  um  trabalho  coletivo.    

O  CICLO  PDCA    

Uma   das   maneiras   de   uma   instituição/empresa   gerenciar   os   problemas   existentes   na   sua  


organização  e  buscar  a  melhoria  contínua  é  através  do  uso  de  ferramentas  administrativas,  que  dão  
subsídios   para   uma   atuação   eficaz   podendo   então   alcançar   novos   padrões   de   qualidade.   Uma  
característica   fundamental   do   controle   de   qualidade   é   a   monitorização   contínua   dos   processos.   A  
aplicação  dessa  forma  de  gerenciamento  frente  a  um  problema  identificado  consiste  no  ciclo  PDCA  

  25  
 

no   controle   de   processos.   A   maioria   dos   problemas   administrativos   deve-­‐se   a   causas   comuns   que  
podem  ser  atribuídas  aos  processos  e/ou  métodos  utilizados.    

O  Ciclo  PDCA,  também  chamado  de  Ciclo  de  Shewhart-­‐Deming  é  uma  poderosa  ferramenta  
administrativa   para   o   controle   de   processos.   Trata-­‐se   de   uma   forma   sistemática   de   abordagem,  
constituída  de  um  roteiro,  composto  de  quatro  fases:    
§ P   (Plan):   Planejar   (identificar   o   problema,   observer   o   contexto,   analisar   os   dados   e  
planejar  a  ação)  
§ D  (Do):  Fazer  (executar  a  ação  planejada)  
§ C  (Check):  Verificar    (avaliar  o  resultado)  
§ A  (Act):  Agir  corretivamente  (padronizar  a  solução  adotada  e  concluir  o  estudo)  

                                                                       

O  ciclo  PDCA  foi  introduzido  no  Japão  após  a  guerra,  idealizado  por  Shewhart  e  divulgado  por  
Deming,   quem   efetivamente   o   aplicou.   Tem   por   princípio   tornar   mais   claros   e   ágeis   os   processos  
envolvidos   na   execução   da   gestão,   como   por   exemplo,   na   gestão   da   qualidade,   dividindo-­‐a   em  
quatro   principais   passos.   O   PDCA   é   aplicado   principalmente   nas   normas   de   sistema   de   gestão   e   deve  
ser   utilizado   (pelo   menos   na   teoria)   em   qualquer   empresa   de   forma   a   garantir   o   sucesso   nos  
negócios,   independentemente   da   área   ou   departamento   (vendas,   compras,   segurança   do   trabalho,  
engenharia,   instituições   de   saúde,   etc...).   Ele   proporciona   reunir   os   conceitos   básicos   de  
administração  de  forma  clara,  simples,  fácil  de  ser  gerenciada  em  qualquer  sistema  de  organização  
do  trabalho  e  gestão  de  processos.  

Comparativamente,   vê-­‐se   que   o   sistema   de   gestão,   possui   os   mesmos   componentes   do  


PDCA,  a  saber:  planejamento,  organização,  direção  e  controle,  conforme    detalhado  abaixo:  

§ PLANEJAMENTO:   corresponde   à   fase   “Plan”   do   ciclo   PDCA   e   significa   um   processo   que  


estabelece   objetivos,   define   linhas   de   atuação   e   planos   detalhados   para   atingi-­‐los,   além   de  
determiner   os   recursos   necessários   para   o   alcance   dos   resultados   esperados.   O  
planejamento   envolve   uma   visão   de   futuro,   é   dinâmico   em   si   mesmo,   uma   vez   que   a   cada  
tomada   de   decisão   é   necessário   prever   os   resultados   (as   metas)   para,   então,   escolher   a  
alternativa  de  ação  a  ser  implementada.  O  planejamento  precisa  antever  as  mudanças,  tais  

  26  
 

como  as  expectativas  dos  clientes,  as  novas  oportunidades  de  negócios,  o  desenvolvimento  
tecnológico,   os   novos   segmentos   de   mercado,   as   novas   exigências   regulamentares,   as  
expectativas  comunitárias  e  da  sociedade,  as  pressões  da  concorrência,  além  das  mudanças  
nas  relações  inter-­‐pessoais.  

§ ORGANIZAÇÃO:  corresponde  à  fase  “Do”  no  PDCA  em  que  se  utilizam  os  recursos  disponíveis  
quer   sejam   materiais,   financeiros,   humanos   e   tecnológicos,   para   implementar,   ou   melhor,  
executar  o  planejamento.  A  execução  implica  que  o  sistema  de  gestão  esteja  de  acordo  com  
os  planos  de  ação  tanto  estratégicos  como  táticos  (operacionais).  O  papel  de  organizar  é  o  de  
fazer   cumprir   os   objetivos   estabelecidos   no   planejamento,   portanto,   o   processo   utilizado  
deverá   identificar   as   alternativas   para   que   as   metas   sejam   realizadas   e   para   escolher   as  
melhores  alternativas  de  ação.  O  sucesso,  obtido  na  execução  do  planejamento,  dependerá  
do   grau   de   envolvimento   de   cada   gestor   e   dos   respectivos   integrantes   de   sua   área   de  
atividades.  

§ CONTROLE:  corresponde  à  fase  “Check”  no  PDCA,  pois  consiste  em  verificar  e  identificar  as  
variações   existentes   entre   as   fases   de   planejamento   e   organização   (execução).Controlar   é  
avaliar  as  decisões,  inclusive  aquelas  de  não  fazer  nada,  desde  que  tenham  sido  implantadas.  
O   controle   é   a   fase   o   ciclo   que   permite   o   exame   de   resultados   alcançados   em   relação   aos  
previstos,  fornecendo  dados  para  as  ações  corretivas,  no  sentido  de  melhorar  o  desempenho  
das  atividades  da  empresa.  

§ DIREÇÃO:   correspondente   ao   “Action”   no   PDCA;   é   decorrente   da   fase   anterior,   controle,  


porque   as   ações   corretivas   e/ou   de   melhoria   só   serão   implementadas   após   a   verificação  
entre   o   planejamento   (Plan)   o   executado   (Do).   A   direção   possibilita   "acertar   os   rumos"   do  
negócio,   indicar   as   correções,   as   novas   metas   a   serem   estabelecidas   no   próximo  
planejamento.  

De  fato,  o  sistema  de  gestão  como  um  conjunto  integrado  de  missão,  princípios,  conceitos,  
valores,   processos   gerenciais   e   operacionais,   destinado   à   identificação   dos   objetivos,   ameaças   e  
oportunidades,   avaliação   dos   pontos   fortes   e   fracos   e   a   tomada   de   decisões,   tem   muito   a   se  
beneficiar  com  o  "ciclo  PDCA".  

O  método  PDCA  pode  ser  empregado,  no  sistema,  para  solucionar  os  problemas,  manter  as  
metas   alcançadas,   melhorar   os   resultados   e   até   mesmo   auxiliar   o   desenvolvimento   de   novos  
projetos.    Assim,  aplicando  os  princípios  do  PDCA  ao  sistema  de  gestão,  haverá  um  fluxo  constante  
de  informações,  necessárias  ao  ciclo  de  tomada  de  decisão,  assegurando  que  os  recursos  materiais,  
financeiros,   humanos   e   tecnológicos   sejam   empregados   com   eficiência   para   obter   a   eficácia   da  
realização  das  metas  estabelecidas,  e  como  conseqüência,  cumprir  a  missão  da  organização.  

A  ADMINISTRAÇÃO  E  O  TRABALHO  DE  ENFERMAGEM  

O  processo  de  trabalho  de  enfermagem  particulariza-­‐se  em  redes  ou  subprocessos  que  são  
denominados   cuidar   ou   assistir,   administrar   ou   gerenciar,   pesquisar   e   ensinar.   Nesses   diferentes  
processos,   os   trabalhadores   de   enfermagem   inserem-­‐se   de   forma   heterogênea   e   hierarquizada,  
expressando  a  divisão  técnica  e  social  do  trabalho.  

  27  
 

A   ênfase   na   organização   ou   nas   necessidades   de   saúde   orienta   formas   distintas   de  


gerenciamento   operadas   em   enfermagem,   implicando   formas   diversas   de   organização   desses  
trabalhos.  As  formas  distintas  gerenciamento,  de  direção  ou  chefia  envolvem  os  seguintes  elementos  
rigorosamente   interdependentes:   delegação,   motivação,   liderança,   supervisão,   coordenação   e  
controle.  
Na  enfermagem,  os  enfermeiros  desempenham  a  função  de  supervisores.  Desde  os  cuidados  
prestados   diretamente   aos   pacientes   até   aos   que   chefiam   divisões,   serviços   de   enfermagem.   Os  
principais  objetivos  da  função  de  supervisão  é  desenvolver  atividades  visando  o  aprimoramento  dos  
membros   da   equipe   de   enfermagem,   manutenção   de   condições   necessárias   a   prestação   de   uma  
assistência  eficiente  e  eficaz.  
A   supervisão   é   um   processo   educativo   e   contínuo,   que   consiste   fundamentalmente   em  
motivar   e   orientar   os   supervisionados   na   execução   de   atividades   com   base   em   normas,   a   fim   de  
manter  elevada  a  qualidade  dos  serviços  prestados.  
O   trabalho   de   enfermagem   como   instrumento   do   processo   de   trabalho   em   saúde,   subdivide-­‐
se   ainda   em   vários   processos   de   trabalho   como   cuidar/assistir,   administrar/gerenciar,   pesquisar   e  
ensinar.  O  cuidar  e  o  gerenciar  são  os  processos  mais  evidenciados  no  trabalho  do  enfermeiro.  
 

AÇÕES  DE  ENFERMAGEM  NA  ORGANIZAÇÃO  DOS  SERVIÇOS  DE  ENFERMAGEM:  

§Participar  na  elaboração  dos  projetos  de  construção  e  reformas  dos  serviços  de  saúde;  
§Participar  do  planejamento,  organização  e  implantação  do  serviço  de  saúde;  
§Execução  e  avaliação  dos  programas  de  saúde;  
§Elaborar  fluxogramas  de  atendimento  dos  trabalhadores;  
§Dirigir  os  serviços  de  enfermagem;  
§Elaborar  normas,  instruções,  rotinas  e  procedimentos  de  enfermagem;  
§Dimensionar   recursos   humanos,   participando   do   recrutamento   e   seleção   de   pessoal   de  
enfermagem;    
§ Organizar  programas  de  educação  continuada  e  treinamento;  
§ Realizar   reuniões   periódicas,   avaliando   o   desempenho   da   equipe   de   enfermagem   e  
estimulando  a  elevação  do  padrão  técnico-­‐científico;  
§ Prever,  requisitar,  controlar  e  guardar  materiais,  equipamentos  e  medicamentos;  
§ Realizar  auditoria  e  consultoria  com  emissão  de  parecer  sobre  assuntos  de  enfermagem.  
 
  As  ações  e  as  atividades  de  administrar  os  serviços  de  enfermagem  têm  por  objetivo  garantir  
a  qualidade  da  prestação  dos  serviços.  
 
 
FERRAMENTAS  GERENCIAIS  DOS  SERVIÇOS  DE  ENFERMAGEM:  

A   assistência   de   enfermagem   com   qualidade   está   diretamente   ligada   à   organização   do  


serviço  de  enfermagem,  função  esta  privativa  do  profissional  enfermeiro,  conforme  as  alíneas  “b”  e  
“c”,   inciso   I   do   art.   1   da   Lei   7498/86,   que   dispõe   sobre   a   regulamentação   do   exercício   da  
enfermagem.  
Desta   forma,   algumas   ferramentas   ou   instrumentos   administrativas   visam   subsidiar   a  

  28  
 

organização  dos  serviços,  a  saber:  


1. REGULAMENTO:  É  o  ato  normativo  de  caráter  constante  determinado  pela  administração  superior  
e   contém   as   diretrizes   básicas   da   organização   de   saúde.   Regula   e   amplia   o   estatuto,  
caracterizando  a  Organização.    
 
2. REGIMENTO:   Expressa   a   missão   institucional,   as   características   da   clientela   a   ser   assistida,   bem  
como  a  disponibilidade  e  organização  dos  recursos  humanos  e  materiais,  ressalta-­‐se  a  relevância  
de   sua   elaboração,   conhecimento   e   efetiva   utilização   por   todos   os   elementos   da   equipe   de  
enfermagem.   Visa   contribuir   com   os   profissionais   no   exercício   de   sua   função   administrativa.  
Deve-­‐se   ressaltar   que   se   trata   de   um   modelo   a   ser   adequado   à   cada   realidade   e,   ao   mesmo  
tempo,  revisado  periodicamente  para  atualização  dos  dados  que  podem  ser  alterados  por  ocasião  
de   mudança   da   missão   institucional,   implantação   ou   desativação   de   serviços,   avanços  
tecnológicos,   dentre   outros.   Importante   lembrar   que   para   a   implantação   do   regimento   é  
necessária  sua  aprovação  pela  direção  da  instituição.  
 
§ REGIMENTO   DE   ENFERMAGEM:   é   o   “instrumento   administrativo   de   caráter  
normativo   e   flexível   elaborado   pela   coordenação   do   serviço   de   enfermagem,  
conjuntamente   com   toda   equipe,   ao   qual   concentra   por   escrito   toda   organização  
infra-­‐estrutural   do   serviço   de   enfermagem.   Aprovado   pela   administração   superior  
da  organização  de  saúde,  deve  conter  as  diretrizes  básicas  para  o  funcionamento  do  
serviço  de  enfermagem.  O  regimento  específica  as  disposições  do  regulamento  para  
o  serviço,  devendo,  portanto  estar  nele  embasado”.  (Kurcgant,  1991).  
 
3. NORMAS:  é  o  cumprimento  de  regras  e  seus  valores  para  a  manutenção  da  ordem.  Conjunto  de  
regras,   instituições   ou   leis   que   nortearão   o   serviço   como   um   todo,   devendo   ser   adotadas   como  
base  na  administração  do  serviço.  Ao  se  elaborar  uma  norma,  é  importante  observar  teor  de  “lei  
ou   guia“.   Por   isso,   deve   ser   abrangente   e   de   fácil   compreensão.   É   o   conjunto   de   regras   e  
instruções   para   definir   procedimentos,   métodos   e   organização.   São   leis   que   deliberam   as   ações  
quanto  ao  QUÊ  E  COMO  FAZÊ-­‐LAS.  Deve  ser  colocada  por  autoridade  reconhecida.  Fundamenta-­‐
se  em  princípios  éticos,  disciplinares,  administrativos  e  outros  a  depender  da  área  de  atuação.  A  
elaboração   deve   ser   feita   de   maneira   ampla   e   expressa,   clara   e   concisa,   flexível,   consentindo   o  
raciocínio  e  a  iniciativa.  
 
§ NORMAS   DE   ENFERMAGEM:   São   regras   técnicas   fundamentadas   em   princípios  
científicos   relacionados   à   enfermagem.   A   finalidade   importante   de   uma   norma  
técnica  é  a  proteção  ao  consumidor,  especificando  critérios  e  requisitos  que  medem  
o  desempenho  do  produto/serviço,  resguardando  assim  a  vida  e  a  saúde.    
 
§ ROTINAS  DE  ENFERMAGEM:  São  conjuntos  de  instruções  técnicas  concatenadas  que  
servem   para   execução   uma   tarefa   específica   de   assistência   em   enfermagem.  
Exemplo:  Dar  banho  no  leito  às  10h.  
 
 
4.   MANUAL:   O   Manual   de   uma   organização   também   é   denominado   em   algumas   empresas   como,  
Manual   de   Funções,   tem   por   finalidade   enfatizar   e   caracterizar   os   aspectos   formais   das   relações  
entre   os   diferentes   departamentos   (ou   unidades   organizacionais)   da   empresa,   bem   como  
estabelecer  e  definir  os  deveres  e  responsabilidade  relacionados  a  cada  um  dos  cargos  de  chefia  ou  
assessoria   da   empresa.   Deve   ser   instrumento   de   consulta   frequente   e   de   fácil   acesso,   revisto   e  
analisado  com  frequência  e  deve  refletir  diretrizes  do  serviço.  

  29  
 

§ MANUAL   DE   ENFERMAGEM:   É   a   ferramenta   que   reúne   de   forma   sistematizada  


normas,   rotinas,   procedimentos   e   outros   imprescindíveis   para   execução   das  
atividades   de   Enfermagem,   ou   seja,   instrumento   orientador   dos   profissionais   de  
enfermagem   no   desempenho   de   suas   ações.   Os   manuais   de   enfermagem  
habitualmente   ensinam   como   realizar   um   trabalho,   a   necessidade   de   manualizar   o  
serviço  independe  da  realização  de  estudos  específicos,  basta  para  isso  o  gestor  em  
enfermagem   usar   instrumentos   que   a   análise   dispõe,   tais   como;   questionários,  
entrevistas   e   observação   pessoal.   Um   manual   de   enfermagem   pode   conter   ao  
mesmo  tempo,  o  Manual  de  Rotinas  e  o  Manual  de  Procedimentos.  
 
§ MANUAL  DE  PROCEDIMENTOS  ou  MANUAL  DE  TÉCNICAS:  É  a  descrição  detalhada  e  
sequencial   de   como   a   atividade   deve   ser   feita.   É   a   definição   da   técnica,   é   uniforme  
para   toda   a   organização,   e   fundamentado   em   princípios   científicos   e   não   pode   ser  
mudado.  
 
 
LIDERANÇA  E  PROCESSO  DE  MUDANÇA  EM  ENFERMAGEM  
   
  A   liderança   é   a   capacidade   de   usar   habilidades   e   estratégias   para   influenciar   pessoas   a  
trabalharem  entusiasticamente  visando  atingir  aos  objetivos  identificados  como  sendo  para  
o   bem   comum.   Papéis   de   liderança   gerencial:   mentor,   coordenador,   facilitador,   monitor,   produtor,  
negociador  e  inovador.  
A   liderança   tem   sido   necessária   em   todas   as   atividades   do   enfermeiro,   principalmente  
quando   o   profissional   tem   o   interesse   de   exercer   com   competência   o   seu   trabalho,   onde   muitas  
vezes  tem  se  encontrado  dividido  entre  o  desempenho  de  atividades  assistenciais  ao  cuidado  direto  
ao  paciente,  ou  então  assumindo  a  função  administrativa  que  envolve  a  interação  com  o  pessoal  de  
enfermagem.  

Os  estilos  de  liderança  mais  estudados  e  discutidos  são:  o  autocrático  ou  autoritário,  liberal  
ou  Laissez-­‐faire,  situacional  e  democrático.  Cada  estilo  de  liderança  vai  dar  ênfase  a  empresa,  ao  líder  
e/ou  liderado.  

§ LIDERANÇA  AUTOCRÁTICA  (autoritária):  favorece  a  centralização  do  poder,  promovendo  


um  comportamento  dependente  e  submisso  aos  membros  do  grupo,  com  sentimentos  
de  tensão,  frustração  e  sobre  tudo  apresenta  manifestação  de  conflito  entre  membros  
da   equipe.   O   trabalho   somente   se   desenvolve   com   a   presença   física   dos   líderes,   tendo   a  
qualidade  do  serviço  realizado  inferior,  mas  produzindo  em  grande  quantidade.  

§ LIDERANÇA  LIBERAL  (Laissez-­‐faire):  o  líder  delega  totalmente  as  decisões  ao  grupo  sem  
controle  algum  e  deixa-­‐o  completamente  à  vontade.  É  mínima  a  participação  do  líder  e  o  
grupo  é  enfatizado.  

§ LIDERANÇA   DEMOCRÁTICA:   A   autonomia   do   grupo   para   decidir   e   implementar  


estratégias   para   resolução   dos   problemas,   para   atingir   metas,   deixando   o   caráter   do  
líder   intervir   apenas   quando   o   grupo   solicita   e   necessita   de   orientações   técnicas  
aconselhamento.  

§ LIDERANÇA  SITUACIONAL:  Para  o  estilo  de  liderança  situacional,  parte  a  convicção  que  
não   há   um   único   estilo   ou   característica   de   liderança   válida   para   toda   e   qualquer  

  30  
 

situação,  cada  uma  requer  um  estilo  de  liderança  diferente  para  alcançar  a  eficácia  no  
trabalho   e   promover   o   desempenho   satisfatório   dos   subordinados.   Além   de   oferecer   ao  
líder   a   possibilidade   de   se   ajustar   a   um   grupo   com   características   diferentes   as   suas  
convicções.  

O   perfil   do   enfermeiro   líder   tem   como   características:   planejamento   e   coordenação   das  


atividades   do   grupo,   o   conhecimento   técnico   e   específico,   a   determinação   de   recompensas   e   de  
punições,   além   do   papel   de   elemento   “exemplo”   do   grupo.   O   conceito   de   líder   envolve   aceitação  
voluntária  de  sua  autoridade  pelos  demais  membros,  e  sua  contribuição  para  o  progresso  do  grupo.  

A   enfermagem   passa   por   um   repensar   e   uma   redefinição   de   suas   funções,   de   maneira   a  


assegurar  seu  papel  e  seu  compromisso  com  a  sociedade  em  garantir  maior  qualidade  na  prestação  
da  assistência  à  sua  saúde.  

Atualmente,   com   a   reconstrução   dos   modelos   de   gestão,   estão   surgindo   novas   abordagens  
gerenciais   como   a   gerência   participativa   e   os   programas   de   qualidade   que   preconizam,  entre   outras,  
a  descentralização  das  decisões  e  aproximação  de  todos  os  elementos  da  equipe  de  trabalho.  

A   inserção   do   Enfermeiro   neste   contexto   de   mudanças,   acompanhando   a   evolução   do  


mundo  globalizado,  faz-­‐se  necessária,  para  a  busca  do  progresso  de  seu  conhecimento  por  meio  da  
implantação   da   política   do   saber   e   fazer   crítico,   que   certamente,   o   tornaria   um   profissional   capaz   de  
resolver  desafios  do  cotidiano.  

O   processo   de   trabalho   da   enfermagem   alinha-­‐se   às   novas   tecnologias   da   área   de   saúde.  


Inovações  e  mudanças  fazem  parte  do  novo  cenário  das  organizações  de  saúde.    

Para   o   enfermeiro   como   agente   de   mudanças   e   inovações,   algumas   estratégias   são  


fundamentais:   favorecer   as   modificações   de   tecnologia   com   estruturas   organizacionais;   dar  
autonomia   para   equipes   proporem   projetos;   assegurar   que   toda   mudança   tenha   sua   necessidade,  
adoção,   decisão,   estratégia   de   implementação   e   recursos;   conduzir   a   equipe   pelos   estágios   do  
comprometimento  com  a  mudança:  preparação,  aceitação  e  comprometimento.  

A   adaptação   à   mudança   pode   ser   difícil.   Uma   liderança   é   necessária   para   orientar   os  
trabalhadores  durante  a  turbulência  e  construção  de  um  novo  cenário.  

ADMINISTRAÇÃO  DE  MATERIAIS  E  ENFERMAGEM  

Os  serviços  que  mais  utilizam  a  área  de  recursos  materiais  nas  organizações  hospitalares  são:  
nutrição  e  dietética,  lavanderia,  farmácia  e  manutenção.  Devido  aos  número  crescente  de  materiais  
nas  instituições,  a  enfermagem  vem  se  tornando  uma  grande  usuária  dos  serviços  de  materiais.  

A   administração   de   materiais   envolve   a   totalidade   dos   fluxos   de   materiais   de   uma  


organização,  compreende  a  programação,  a  compra,  a  recepção,  o  armazenamento  no  almoxarifado,  
a   movimentação   de   materiais,   o   transporte   interno   e   o   armazenamento   no   depósito   de   produtos  
acabados.  

  31  
 

A   administração   ou   gerenciamento   de   materiais   para   as   organizações   hospitalares  


compreende  o  processo  gerencial  para  aquisição  de  disponibilização  de  materiais  já  manufaturados  
que  podem  ser  armazenados,  distribuídos  e  consumidos  para  a  produção  de  serviços.  

Os   enfermeiros   têm   exercido   atividades   referentes   à   administração   de   materiais   em   suas  


unidades   de   trabalho,   sendo   responsáveis   pela   previsão   (ato   de   prever),   provisão   (fornecimento),  
organização   e   controle   desses   materiais.   Na   verdade,   tais   funções   são   desempenhadas   pelo  
enfermeiro,   devido   estes   terem   conhecimentos   para   administrar   esses   recursos   e   por   serem  
coordenadores  de  todas  as  atividades  de  enfermagem  desenvolvidas  nas  organizações  hospitalares.  

O   papel   do   enfermeiro   é   preponderante   no   que   diz   respeito   à   determinação   do   material  


necessário  à  consecução  da  assistência  tanto  nos  aspectos  quantitativos,  como  nos  qualitativos;  na  
definição  das  especificações  técnicas;  no  estabelecimento  do  quantitativo;  na  análise  da  qualidade;  
na  participação  do  processo  de  compra;  e  no  estabelecimento  do  controle  e  avaliação.  

Quanto   à   Gerência   de   Recursos   Materiais,   deve-­‐se   aplicar   os   fundamentos   básicos   de:  


previsão,  provisão,  organização  e  controle.  Onde:  

§ PREVISÃO:   É   definida   como   um   levantamento   das   necessidades   da   unidade   de   saúde,  


identificando   a   quantidade   e   a   especificidade   deles   para   suprir   essas   unidades.   Deve   ser  
programada  para  os  três  meses  subsequentes.  

§ PROVISÃO:   Consiste   na   reposição   dos   materiais   necessários   para   a   realização   das  


atividades   da   unidade,   mediante   o   encaminhamento   do   impresso   de   solicitação   aos  
serviços  que  fornecem  materiais.  

§ ORGANIZAÇÃO:   Consiste   na   maneira   como   o   enfermeiro   irá   dispor   os   materiais   na  


unidade.  

§ CONTROLE:   Envolve   desde   a   quantidade   (consumo),   a   qualidade,   a   conservação   e  


reparos,  até  a  proteção  contra  roubos  e  extravios  dentro  da  organização.  Garante  uma  
utilização  apropriada  dos  recursos  materiais,  a  continuidade  da  assistência  ao  paciente  e  
a  diminuição  dos  custos  relacionados  aos  materiais.  

A  administração  de  recursos  materiais  envolve  capital  financeiro  e  deve  ser  bem  elaborada.  
Deve   ser   organizada   de   forma   a   obter   materiais   de   qualidade   ao   menor   custo,   e   criar   formas   de  
controle  de  estoque  e  distribuição  interna  desses  recursos.  

É   importante   que   o   enfermeiro   tenha   conhecimento   dos   recursos   materiais   com   que   lida,  
não   apenas   do   ponto   de   vista   da   especificação   do   material,   mas   de   todo   um   processo   envolvido  
desde  antes  a  aquisição.  

As   modalidades   de   compras   são   instrumentos   que   o   enfermeiro   pode   utilizar   na  


administração   dos   recursos   materiais.   Saber   por   que   comprar?   Como   comprar?   Quanto   comprar?  
Como   decidir   o   que   comprar?   São   questionamentos   mínimos   ao   se   solicitar   determinado   recurso  
material   (modalidades   de   aquisição   de   recursos   materiais   –   licitação,   pregão   eletrônico,  
concorrência,  tomada  de  preço,  convite  estão  presentes  na  Lei  8.666/1993  e  Lei  10.520/2002).  

  32  
 

ORGANIZAÇÃO,  ESTRUTURA  E  FUNCIONAMENTO  DOS  SERVIÇOS  DE  ENFERMAGEM  

Entende-­‐se   por   organização   uma   entidade   social   constituída   por   pessoas.   É   dirigida   por  
objetivos  porque  é  desenhada  para  alcançar  resultados  —  como  gerar  lucros,  ou  seja,  são  definidas  
como   ordenação   e   agrupamento   de   atividades   e   recurso,   visando   ao   alcance   e   resultados  
estabelecidos.    

Organização  formal:  A  estrutura  formal  da  organização  ou  estrutura  organizacional  é  aquela  que  está  
prescrita,   sendo   comunicada   por   meio   de   manuais,   descrições   de   cargos,   organogramas,   regras   e  
regulamentos,   evidenciando   as   linhas   hierárquicas   existentes   na   organização.   É   a   organização  
baseada   em   uma   divisão   de   trabalho   racional   que   especializa   órgãos   e   pessoas   em   determinadas  
atividades.   É   a   organização   planejada   definida   no   organograma,   sacramentada   pela   direção   e  
comunicada  a  todos  por  meio  dos  manuais  de  organização.  É  a  organização  formalizada  oficialmente.  

A   estrutura   organizacional   é   um   conjunto   de   técnicas   utilizadas   por   uma   determinada  


empresa  para  atingir  um  conjunto  de  objetivos.  É  a  base  da  Administração,  na  medida  em  que  opera,  
decide   e   coordena   um   conjunto   de   mecanismos   essenciais   ao   eficaz   funcionamento   de   uma  
empresa.   O   termo   estrutura   organizacional   possui   várias   denominações   como:   formato  
organizacional,  desenho  organizacional,  design  organizacional,  entre  outros.  

O  funcionamento  desta  estrutura  vai  sofrer  influência  direta  ou  indireta  de  variáveis,  como  
por  exemplo:  os  clientes,  fornecedores,  concorrentes,  grupos,  trabalhadores,  entre  outros.  

O   estrutura   formal   de   uma   organização   tem   a   finalidade   de   retratar   o   seu   funcionamento,  


quais   são   os   órgãos   que   a   compõem   e   como   se   dão   as   suas   relações.   Revela   como   as   funções   e  
atividades  estão  divididas  entre  os  trabalhadores  inseridos  em  uma  organização.  

As  estruturas  organizacionais  são  constituídas  pelos  seguintes   elementos:   responsabilidade,  


autoridade,   comunicação   e   capacidade   decisória.   A   estrutura   organizacional   tem   o   objetivo   de  
atender  a  três  funções  básicas  de  uma  empresa,  que  estão  relacionadas:  às  metas  a  serem  atingidas,  
ao   comportamento   dos   indivíduos   inseridos   no   seu   ambiente   de   trabalho   e   às   relações   de   poder  
existentes.  
A  estrutura  organizacional  compreende  quatro  técnicas  principais:  
§ Diferenciação:  diz  respeito  a  divisão  do  trabalho.  Pode  ser:  
- Horizontal:  divisão  por  departamentos  ou  divisões;  
- Vertical:  divisão  a  nível  hierárquico;  
- Em   Tarefas   Especializadas:   divisão   através   da   criação   de   órgãos   ou   cargos  
especializados.  
§ Formalização:   que   está   ligada   à   presença   de   regras,   instruções,   normas   e  
regulamentos   que   pretendem   determinar   e   controlar   o   comportamento.   Quanto  
maior  o  grau  de  formalização  maior  é  o  grau  de  burocracia,  mecanicismo  e  de  rotina.  
§ Centralização:   É   uma   técnica   organizacional   que   consiste   na   distribuição   da  
autoridade   dentro   da   organização.   A   forma   como   a   autoridade   é   distribuída   pode  
caracterizar-­‐se:  
- Pela   centralização:   as   decisões   são   únicas   e   exclusivamente   tomadas   pelo   topo   da  
organização  (um  individuo  ou  um  grupo  restrito  de  indivíduos);  

  33  
 

- Pela   descentralização:   as   decisões   são   delegadas   aos   níveis   hierárquicos   mais  


baixos.  
§ Integração:   está   relacionada   aos   meios   utilizados   para   promover   a   coordenação  
entre   as   atividades   desenvolvidas   em   cada   departamento,   para   que   todos   estejam  
sintonizados  e  afinados  aos  objetivos  da  instituição.  

Organização   informal:   É   a   organização   que   emerge   espontânea   e   naturalmente  


entre  os  ocupantes  de  posições  na  organização  formal  e  a  partir  dos  relacionamentos  humanos  como  
ocupantes   de   cargos.   Forma-­‐se   a   partir   das   relações   de   amizade   (ou   de   antagonismos)   e   do  
surgimento   de   grupos   informais   que   não   aparecem   no   organograma   ou  em   qualquer   outro  
documento  formal.  Os  funcionários  das  organizações  pertencem  automaticamente  a  uma  estrutura  
informal.   Pode-­‐se   citar   os   grupos   informais,   normas   e   condutas,   cultura   organizacional   e   clima  
organizacional.     Características   da   estrutura   informal:   relação   de   coesão   ou   antagonismo,   status,  
colaboração   espontânea;   possibilidade   de   oposição   à   organização   formal;   padrões   de   desempenho  
nos  grupos  informais.  

TIPOS  DE  ORGANIZAÇÕES:  

§ Organização  linear:  É  um  tipo  de  organização  simples  que  tem  por  base  a  unidade  de  
commando.   Existe   uma   autoridade   única   e   absoluta   sobre   os   subordinados   e   não  
existe  divisão  da  autoridade.  Através  da  autoridade  o  superior  tem  um  domínio  único  
e   exclusivo   sobre   os   seus   subordinados.   A   comunicação   é   feita   segundo   uma   linha  
formal   sendo   as   decisões   centralizadas   numa   só   pessoa,   a   mesma   que   possui   a  
autoridade  sobre  todos  os  outros  subordinados.  No  topo  da  unidade  organizacional  
encontra-­‐se   a   pessoa   de   comando   e   em   seguida   surgem   os   outros   elementos,  
apresentando  este  tipo  de  organização  uma  estrutura  piramidal.  

§ Organização   funcional:   Baseada   no   princípio   funcional   ou   princípio   da   especialização  


das  funções.  Autoridade  funcional:  nenhum  superior  tem  domínio  total  sobre  os  seus  
subordinados.   Linhas   diretas   de   comunicação:   não   há   necessidade   de   intervenientes,  
pois   estas   não   seguem   uma   cadeia   de   comando,   procurando   a   maior   rapidez   na  
comunicação   dentro   da   organização.   Descentralização   das   decisões:   são   delegadas  
aos   órgãos   especializados   em   cada   um   dos   cargos,   dando   assim   ênfase   à  
especialização,   em   que   cada   elemento   é   especializado   numa   área   dentro   da  
organização.  

§ Organização   matriz:   coloca   a   equipe   em   hierarquia   totalmente   funcional.   Possui  


linha  de  comando  vertical  e  funcional.  

§ Organização   linha-­‐staff:   Resulta   na   complexidade   de   tarefas   geradas   na   estrutura  


linear,  mostrando-­‐se  ineficaz  para  proporcionar  a  eficácia  e  a  eficiência  pretendida.   É  
um   tipo   misto,   híbrido   de   organização   em   que   os   órgãos   de   linha   (unidades   de   linha)  
estão   relacionados   com   os   objetivos   pretendidos   e   têm   uma   autoridade   sobre   a  
execução   das   tarefas,   por   outro   lado,   os   órgãos   de   staff   estão   indiretamente  
relacionados  com  os  objetivos  vitais  da  empresa.  

  34  
 

As   várias   estruturas   ou   desenhos   organizacionais   são   representados   por   gráficos,  


denominados   organogramas,   que   representam   as   áreas   de   trabalho   de   uma   empresa   e   suas   inter-­‐
relações   podendo   ser   visualizadas   mediante   a   utilização   de   símbolos,   geralmente   retângulos,   que  
mostram   cargos   ocupados   e   suas   linhas   de   ligação,   evidenciando,   assim,   o   grau   de   subordinação  
entre  as  pessoas  alocadas  nos  diversos  setores.  

A   maioria   dos   nossos   hospitais   ainda   apresenta   uma   configuração   clássica,   que   vem  
causando   diversas   dificuldades   gerenciais   nestas   instituições,   tais   como:   concentração   de   poder,  
falhas  na  comunicação  e  demora  em  se  obter  respostas  aos  problemas  emergenciais.  

A   organização   do   tipo   linear   encontrada   principalmente   nos   grandes   hospitais,   demonstra  


estruturas   organizacionais   verticalizadas   e   centralizadas   que   também   configuram   o   Serviço   de  
Enfermagem,   uma   vez   que   este   reflete   a   mesma   lógica   estrutural   instalada   nas   instituições  
hospitalares.  Isto  porque,  historicamente  as  enfermeiras  têm  adotado  princípios  da  Escola  Científica  
e   Clássica   da   Administração   para   gerenciarem   o   seu   trabalho,   tendo   em   vista   a   estruturação   e  
organização  do  Serviço  de  Enfermagem  nas  instituições  de  saúde.  

O  Serviço  de  Enfermagem  é  uma  organização  e  pode  ter  várias   denominações   (Diretoria   de  
Enfermagem,  Departamento  de  Enfermagem,  Divisão  de  Enfermagem,  Coordenação  de  Enfermagem,  
Chefia  de  Enfermagem,  etc.),  dependendo  da  instituição  hospitalar  em  que  está  localizado.  Portanto,  
este   serviço   é   o   órgão   centralizador   das   questões   relativas   à   profissão,   ligadas   diretamente   à  
assistência  prestada  aos  clientes  e  às  condições  de  trabalho  da  equipe.  

A   estrutura   hierárquica   do   Serviço   de   Enfermagem   nos   hospitais,   basicamente   é   composta  


pelos  seguintes  profissionais:  chefe  do  serviço,  assistente  da  chefia,  supervisoras,  enfermeiras  chefe  
de  unidades,  técnicos  de  enfermagem,  auxiliares  de  enfermagem  e  secretárias,  podendo  ter  algumas  
variações  de  cargos,  dependendo  da  instituição.  

A   chefia   do   Serviço   de   Enfermagem   geralmente   ocupa   na   instituição   a   posição   de  


Responsável   Técnica   (RT)   nessa   área   específica,   responsabilizando-­‐se   pelas   ações   de   enfermagem  
desenvolvidas   no   hospital   inteiro,   respondendo   legalmente   perante   ao   Conselho   Regional   de  
Enfermagem  (COREN)  por  todas  as  atividades  técnicas  e  administrativas.  

Na   maioria   dos   hospitais,   a   estrutura   organizacional   da   enfermagem   foi   inspirada   no  


Fayolismo,   configurando   uma   estrutura   rígida   com   centralização   do   poder   decisório,   dificultando  
sobremaneira   a   operacionalização   da   resolução   dos   problemas   ocorridos   nos   setores   de   trabalho,  
uma  vez  que  estes  são  passados  por  todos  os  níveis  de  chefia  até  chegar  à  chefia  geral  do  serviço.  

Neste   tipo   de   estrutura,   a   maioria   das   decisões   não   está   coerente   com   a   realidade,   visto   que  
as  pessoas  detentoras  do  poder  decisório  estão  situadas  no  ápice  da  cadeia  hierárquica,  distante  do  
contato  com  os  trabalhadores  e  com  as  situações  vivenciadas  nos  setores.  

  35  
 

ENFERMAGEM  E  RECURSOS  HUMANOS  –  RECRUTAMENTO  E  SELEÇÃO  

I. Introdução

A realidade nos mostra que o pessoal de enfermagem constitui-se no maior percentual de


servidores numa instituição de saúde, o que representa uma significativa parcela na relação
de despesas e também com o processo contínuo de recrutamento e seleção, admissão,
treinamento, aperfeiçoamento e avaliação. Nos serviços de enfermagem o dimensionamento
de pessoal baseava-se em parâmetros de recursos e características de clientela e
profissionais diferenciados, o que levava a adaptações nem sempre favoráveis às
necessidades reais de cada unidade de trabalho. A imaturidade gerencial, os fatores
internos, externos e ambientais, o estilo organizacional (uso do lucro com a redução do
pessoal), têm determinado em grande parte dos serviços uma dotação de recursos
insuficiente, tanto quantitativa como qualitativamente, desequilibrando assim a relação entre
volume e força de trabalho e interferindo diretamente no atendimento à clientela.

Além da insuficiência numérica de seus profissionais, a distribuição de pessoal é realizada


ainda em grande parte das situações, de forma incorreta, havendo setores/turnos com
excessos e outros com carência, os desvios de função são comuns e os sistemas de
controle/monitoramento são ineficientes, onde se observa um desestímulo em algumas
regiões por esta área de trabalho.

A busca pelo profissional enfermeiro no mercado de trabalho com a ampliação de sua área
de atuação, incluindo novos setores e programas, a reivindicação para si do desempenho de
suas atividades específicas, a consciência, cada vez maior, da população e dos demais
membros da equipe de saúde, quanto aos riscos que envolvem a assistência do paciente,
quando prestada por profissional não capacitado para tal, leva-nos a acreditar numa
mudança significativa deste panorama.

É necessário considerar que a enfermagem apresenta também características que a


diferencia de outros serviços: continuidade ininterrupta de suas atividades; diversidade de
necessidades; contingências (o que pode ou não suceder, o eventual, o incerto); a
intensidade de emoção entre outros. A questão central que se coloca é a assistência à
saúde qualificada e humanizada, o que está relacionado de forma direta com a quantidade e
principalmente com a qualidade de pessoal disponível, de forma que as ações possam ser
desenvolvidas em conformidade com as características exigidas pela clientela e os serviços
oferecidos, em um cenário onde se persiga o índice zero de riscos, condições dignas de
atendimento à pessoa humana, enquanto cidadão que o é, e satisfação entre demanda e
oferta.

  36  
 

II. Conceito, Importância e Fatores que Interferem no Dimensionamento de Pessoal de


Enfermagem

A primeira etapa do processo de provimento de pessoal em enfermagem é o


dimensionamento de pessoal de enfermagem, também chamado de dimensionamento de
recursos humanos de enfermagem (DPE), cálculo de pessoal de enfermagem, dotação de
pessoal de enfermagem, estimativa de pessoal de enfermagem e tem por finalidade atender,
direta ou indiretamente, às necessidades de assistência de enfermagem da clientela.

A dotação de pessoal pode ser definida também, como sendo uma estimativa da quantidade
necessária de recursos humanos, que possibilitem a adequação entre o volume de trabalho
(necessidade de assistência de enfermagem de acordo com a demanda) e a força de
trabalho (pessoal de enfermagem).

Na relação clientela/enfermagem podemos ter subsídios para justificar um quantitativo ideal


de pessoal de enfermagem, capaz de proporcionar uma “boa qualidade de assistência à
saúde. A adoção de modelos importados para o DPE, sem considerar as diferenças de
contexto sócio-político-econômico dos serviços especificamente, tem sido considerado um
grande erro.

De acordo com a Resolução COFEN 543/2017 a determinação do quadro de pessoal de


enfermagem depende de vários fatores, e é recomendável um estudo preliminar para
diagnosticar as peculiaridades de cada serviço e instituição de saúde onde estão inseridos,
podendo sofrer adequações regionais e/ou locais, de acordo com realidades
epidemiológicas e: 1. Missão; 2. Porte; 3. Estrutura organizacional; 4. Estrutura física; 5.
Tipos de serviços e/ou programas; 6. Tecnologia e complexidade dos serviços e/ou
programas; 7. Política de pessoal; 8. Política do RH; 9. Política financeira; 10. Atribuições e
competências dos integrantes dos diferentes serviços e/ou programas; 11. Indicadores tanto
do Ministério da Saúde quanto institucionais.

O serviço de enfermagem deve ser também considerado quanto à fundamentação legal do


exercício profissional (Lei nº 7.498/86 e Decreto nº 94.406/87), o Código de Ética dos
Profissionais de Enfermagem, Resoluções COFEN e Decisões dos CORENs, além dos
aspectos técnico-administrativos: 1. Modelo gerencial; 2. Modelo assistencial; 3. Métodos de
trabalho; 4. Jornada de trabalho; 5. Carga horária semanal; 6. Padrões de desempenho dos
profissionais; 7. Índice de segurança técnica (IST); 8. Taxa de absenteísmo (TA); 9. Taxa de
ausência de benefícios (TB); 10. Proporção de profissionais de enfermagem de nível
superior e médio; 11. Indicadores de avaliação de qualidade de assistência.

  37  
 

Indicadores conhecidos: Quedas de paciente; Contenção mecânica no leito; Úlceras por


pressão; Soromas; Flebite; Manutenção da integridade da pele; Taxa de ocupação; Tempo
médio de permanência; Índice de infecção; Índice de mortalidade; Outros.

Considerar, também, a clientela atendida: através do SCP (Sistema de Classificação de


Pacientes) e a realidade sócio-cultural e econômica. O SCP existe desde os tempos de
Florence Nightingale. Em 1930 (Estados Unidos) foi desenvolvido e passou a ser
amplamente utilizado nos hospitais. Já no Brasil, em 1972, foi introduzido e rapidamente
incorporado como um critério essencial para dimensionar pessoal de
enfermagem, se constituindo em um método capaz de determinar, validar e monitorar o
cuidado individualizado.

O SCP subsidia a alocação de pessoal de enfermagem, o planejamento de custos da


assistência, a manutenção de padrões de qualidade. As funções do SCP são: agrupar os
pacientes por complexidade assistencial, distribuir os leitos para atendimento por grupo de
pacientes, realocar recursos materiais e humanos, detalhar a dinâmica operacional do
sistema, reorientar a equipe envolvida no processo assistencial.

Deve ser garantida a autonomia do enfermeiro nas unidades assistenciais para dimensionar
e gerenciar o quadro de profissionais de enfermagem . É apenas e exclusivamente o
enfermeiro, conforme a própria Lei do Exercício Profissional e a Resolução COFEN
293/2004, quem deve identificar e avaliar continuamente os recursos humanos existentes no
serviço de enfermagem, diante das necessidades e exigências da clientela, para poder
elaborar propostas e planejar a assistência de enfermagem, envolvendo tanto ações do
cuidado direto como as do cuidado indireto.

 III. Metodologia para o DPE


O referencial mínimo para o DPE considera o Sistema de Classificação (SCP), as horas de
enfermagem, os turnos e a proporção funcionário/leito, IST, Sítio funcional (SF), os dias da
semana, unidade de internação e unidade assistencial especial. A seguir, são demonstrados
os métodos de cálculos de acordo com:

Ø Unidade Internação
Distribuição percentual dos profissionais de enfermagem, segundo Fugulin:
§ Assistência mínima e intermediária, de 33 a 37% de Enfermeiro e os demais são
Técnicos de enfermagem;
§ Assistência semi-intensiva, de 42 a 46%, de 42 a 46% de Enfermeiros e os demais
são técnicos e ou auxiliares de enfermagem;

  38  
 

§ Assistência intensiva, de 52 a 56% de Enfermeiros, demais são técnicos de


enfermagem.

OBS:
1. A distribuição de profissionais por categoria deverá seguir o grupo de clientes de
maior prevalência.
2. Para berçário e unidade de internação em pediatria, caso não tenha
acompanhante, a criança menor de seis anos e o recém-nascido devem ser
classificados com necessidades de cuidados intermediários.
3. O cliente crônico com idade superior a 60 anos, sem acompanhante, classificado
pelo SCP com demanda de assistência intermediária ou semi-intensiva deverá
ser acrescido 0,5 às horas de Enfermagem.

Cálculo da quantidade de profissionais (QUADRO DE PESSOAL – QP) de enfermagem


para unidade de internação:

QP = Km x THE

Onde THE (total de horas de enfermagem), calcula-se como segue abaixo:

THE = {(PCM x 4) + (PCI x 6) + (PCSI x 10) + (PCIt x 18)}

Onde: Km (Constante Marinho) = DS X IST


JST

PCM = Pacientes de Cuidados Mínimos (4h)


PCI = Pacientes de Cuidados Intermediários (6h)
PCSI = Pacientes de Cuidados Semi-Intensivos ou de alta dependência (10h)
PCit = Pacientes de Cuidados Intensivos (18h)
DS = dias da semana = 7
IST = Índice de segurança técnica = 15% = 1.15
JST = jornada semanal de trabalho (20, 24, 30, 32,5, 36, 40, 44h)

Portanto Km é uma constante conforme abaixo:

Km (20) = 0,4025
Km (24) = 0,3354
Km (30) = 0,2683
Km (32,5) = 0,2476
Km (36) = 0,2236
Km (40) = 0,2012
Km (44) = 0,1828

  39  
 

Ø Unidades Especiais
Cálculo de profissionais de enfermagem para unidades especiais (Sítios Funcionais):
• Sítios Funcionais (SF) – visão tridimensional: atividades, período de tempo, local ou área
operacional. Ex: ambulatório, pronto-socorro, CME, centro cirúrgico, hemodiálise, UPA, etc.
QP (SF) = Km(SF) x TSF
Onde: Km = PT x IST
JST
PT = Período de trabalho
IST = Índice de segurança técnica = 15% = 1.15
JST = jornada semanal de trabalho (20, 24, 30, 32,5, 36, 40, 44h)
TSF = total de sítios funcionais (total de turnos de trabalho por dia por semana)

Ø Horas de Enfermagem /paciente/dia

Para avaliação do quantitativo de pessoal de uma instituição de saúde, sem acesso aos
dados necessários (SCP e Taxa de Ocupação TO) será necessário: número total de
profissionais da Escala Mensal da Unidade de Internação e jornada semanal de trabalho
(JST).

CÁLCULO BÁSICO para o número de horas de enfermagem por paciente/dia:

QP x JST = THE p/ sem

Em seguida, aplicar à THE ÷ 7 (dias/sem) ÷ Total de Leitos ou TO

Ex: Unidade de Internação do Hospital “XYZ” com 50 leitos ou Taxa de Ocupação (TO) e 20
profissionais de enfermagem (QP) que trabalham 40 horas semanais (JST).

QPE x JST = THE p/ semana à 20 x 40 = 800 (THE) p/sem

THE÷7(dias/sem)÷Total de Leitos ou TO à 800÷7÷50 = 2,28 Horas de Enfermagem por


paciente por dia.

Verifica-se que o QP não atende ao mínimo da Resolução 293/2004, pois o mínimo deverá
estar acima de 3,8 h / paciente / 24 horas, segundo o SCP.

 IV. Escalas de Distribuição de Pessoal

No serviço de enfermagem (SE), a distribuição de pessoal para a efetivação da assistência


de enfermagem é feita sob a forma de escala mensal de serviço, de férias e escala diária, o
que vai exigir do enfermeiro um planejamento preciso devido ao tempo e complexidade
desse procedimento.

  40  
 

Ao elaborar uma escala de distribuição de pessoal, o enfermeiro deve reunir os


conhecimentos relativos às necessidades da clientela, à caracterização do SE / instituição
da equipe de enfermagem, e observar os princípios básicos da legislação trabalhista.
Ø Escala Mensal: também chamada de Escala de Pessoal e de Escala de Serviço e
Folgas, e refere-se ao período de um mês, distribuindo os elementos da equipe de
enfermagem nos diversos turnos, com suas folgas, férias e licenças; deve ser
elaborada tendo em vista a garantia do número suficiente de cada categoria, para a
continuidade da assistência de enfermagem nas 24 horas (durante todo período de
funcionamento do SE). Para sua elaboração observar: nome completo de cada
funcionário e seu cargo; assinatura do enfermeiro; destaque aos domingos e
feriados; número de folgas do mês (e do mês anterior também); não ultrapassar 5/6
dias sem folga; retorno de férias em dia útil; equilíbrio em número e qualificação
profissional do pessoal em cada plantão; distribuição equitativa de folgas aos
domingos e feriados solicitação de folgas pelos funcionários (determinação do prazo
e garantia da necessidade do SE); período para elaboração da escala, aprovação e
fixação da mesma para conhecimento prévio da equipe. Deve ser elaborada com a
participação de todos os enfermeiros do SE e não apenas de um turno.

Ø Escala de Férias: também chamada de Escala Anual de Férias, devendo ser


distribuída racionalmente e favorecer o andamento das atividades do SE e o
atendimento das necessidades do pessoal e sua satisfação. A preferência por férias
deve ser avaliada considerando-se o períodos aquisitivos, e a análise criteriosa em
função dos meses de maior/menor atividade na instituição.

Ø Escala Diária de Atividade: também chamada de Escala de Atribuições, e refere-


se à divisão das atividades de enfermagem diariamente e em cada turno entre os
elementos da equipe, para que a assistência de enfermagem seja prestada com
qualidade e sem sobrecarga para alguns e ociosidade para outros. O método de
trabalho utilizado pela enfermagem vai influenciar de forma direta na elaboração da
escala de atribuições, sendo necessária a integração dos mesmos para a
operacionalização das atividades. Para sua elaboração observar: escolha dos
métodos de prestação de cuidados; número e qualificação dos elementos da equipe
de enfermagem; área física, volume e complexidade da assistência e tipo de
atividade a ser desenvolvida; divisão equitativa das atividades; avaliação constante
com rodízio para evitar automatismo, visando maior preparo da equipe,  considerando
as características da clientela, as necessidades do SE e do próprio pessoal;
discussão constante com a equipe para a avaliação; importância da cooperação no
trabalho. Sua utilização favorece o atendimento a tempo hábil do paciente/clientela, a

  41  
 

supervisão e o controle do SE, o planejamento e avaliação das atividades e do


desempenho de cada elemento da equipe, bem como a organização do trabalho
como um todo.

V. Considerações Finais

O processo de provimento de pessoal em enfermagem é amplo e dinâmico, exigindo uma


ação reflexiva e crítica do enfermeiro, na busca de meios para suprir as possíveis
deficiências encontradas no trabalho.

É de competência do enfermeiro a contínua avaliação das necessidades de atendimento de


enfermagem da clientela, e torna-se fundamental considerar os recursos humanos e os
parâmetros para seu dimensionamento, como também as diversas interferências quanto à
rotatividade de pessoal nesta área.

A legislação atual que também fundamentou este estudo é a Resolução COFEN 543/2017,
que estabelece parâmetros para dimensionamento do quadro de profissionais de
enfermagem nas instituições de saúde, com o objetivo de assegurar a qualidade da
assistência a ser prestada à clientela, com eficiência e eficácia, e contribuir como base da
sustentação legal na fiscalização do exercício profissional.

Entretanto, esta Resolução necessita ainda de muita discussão e de muito estudo para sua
efetiva aplicação. Exige adequações regionais de acordo com as realidades epidemiológicas
e financeiras, sempre referenciadas pelo COREN e COFEN.
 

O  PROCESSO  DE  TOMADA  DE  DECISÃO  NA  ADMINISTRAÇÃO  EM  ENFERMAGEM  

A  enfermagem  é  a  profissão  mais  próxima  da  necessidade  do  ser  humano.  Acompanha  cada  
fase  do  indivíduo  durante  24  horas  por  dia.  Suas  ações  são  baseadas  em  evidências  e  conhecimento  
científico  na  área  de  saúde.  

Decidir,   tomar   decisões,   pode   ser   definido   como   sendo   a   escolha   entre   duas   ou   mais  
alternativas  de  ação  que  possibilitem  atingir  um  determinado  resultado  esperado.  Esta  escolha  deve  
ser   feita   com   racionalidade,   competência   e   consciência   para   que   se   escolha   a   alternativa   que   resulte  
no   objetivo   esperado   ou   mais   próximo   dele.   A   tomada   de   decisão   é   consistente   com   os   valores  
culturais,  sociais  e  ideológicos,  com  o  nível  de  conhecimento,  com  a  informação  presente  e  com  as  
práticas  experienciadas  do  indivíduo.  

  42  
 

Na  tomada  de  decisão  várias  fontes  de  informação  contribuem  para  a  escolha  da  alternativa  
adequada:   a   experiência,   o   saber   cognitivo,   os   dados   e   informações   recolhidos,   o   conselho   e  
experiência  dos  outros  e  ainda  a  pesquisa.  

O   enfermeiro   diariamente   se   depara   com   situações   em   que   deve   tomar   decisões,   seja   na  
assistência  direta  ao  paciente  ou  na  administração  dos  serviços  de  enfermagem.  As  decisões  podem  
ser  programadas  ou  não-­‐programadas.  Que  podem  ser  estratégicas,  táticas  ou  operacionais.  

A   decisão   de   um   enfermeiro   pode   afetar   e   contribuir   diretamente   na   qualidade   da   prestação  


dos  serviços  de  enfermagem.  

Etapas  do  processo  da  tomada  de  decisão:  


§ Percepção  do  problema;  
§ Definição  do  problema;  
§ Coleta  de  dados;  
§ Análise  dos  fatos;  
§ Redefinir  o  problema;  
§ Identificar  as  possíveis  soluções;    
§ Decisão:  intermediária,  apelação,  criativa.    
§ Implementação  e  avaliação  

É   importante   salientar   que   na   relação   entre   enfermeiro-­‐cliente-­‐equipe,   os   profissionais  


tomarão  decisões  respeitando  os  princípios  fundamentais  da  ética.  Os  profissionais  de  enfermagem  
devem   adotar   uma   postura   ética,   de   modo   reflexivo,   devem   buscar   conhecimento,   trabalhando  
dilemas   e   conflitos   que   emergem   no   processo   de   trabalho,   além   de   participar   dos   processos  
decisórios.  

REFERÊNCIAS:  

ALMEIDA,  M.  C.  P.  de;  ROCHA,  S.  M.  M.  O  trabalho  de  enfermagem.  São  Paulo,  Cortez,  1997.  

BALSANELLI,   Alexandre.   Liderança   no   contexto   da   enfermagem.   Disponível   em  


http//:www.medline.com.br.  

BRASIL.   COFEN  Código   de   Ética   dos   Profissionais   de   Enfermagem.   Resolução   COFEN   311/2007,   de   08  
de  fevereiro  de  2007.  Disponível  em:  http://site.portalcofen.gov.br/node/4345.  Acessado  em:  07  de  
abril  de  2011.  
 
BRASIL.   COFEN   Lei   7498/86,   de   25   de   junho   de   1986,   que   dispõe   sobre   a   regulamentação   do  
exercício   da   enfermagem   e   dá   outras   providências.   Disponível   em:  
http://site.portalcofen.gov.br/node/4161.  Acessado  em:  07  de  abril  de  2011.  
 
CARAVANTES,  G.  R.;  PANNO,  C.  C.;  KLOECKNER,  M.  C.  Administração:  teorias  e  processo.  São  Paulo:  
Pearson  Prentice  Hall,  2005.  

CHIAVENATO,  Idalberto  .  Introdução  à  Teoria  Geral  da  Administração.  Rio  de  Janeiro:  Elsevier,  2004.  

CHIAVENATO,  I.  Administração:  teoria,  processo  e  prática.  São  Paulo,  Mkron  Books,  1993.  

  43  
 

 
CHIAVENATO,   I.   Teoria   Geral   da   Administração.   São   Paulo,   MAKRON   BOOKS,   1993.   HELOANI,   R.  
Organização  do  trabalho  e  administração:  uma  visão  multidisciplinar.  São  Paulo,  Cortez,  1994.  

CIAMPONE,   M.   H.   T.   Metodologia   do   planejamento   na   enfermagem.   In:   KURCGANT,   P.   (org.)  


Administração  em  enfermagem.  São  Paulo,  EPU.  Cap.  4,  p.  41-­‐58,  1991.  
 
CIAMPONE,  M.  H.  T.;  MELLEIRO,  M.  M.  O  Planejamento  e  o  Processo  Decisório  como  Instrumentos  
do  Processo  de  Trabalho  Gerencial.  In:  KURCGANT,  P.  (org.)  Gerenciamento  em  enfermagem.  Rio  de  
Janeiro,  GUANABARA/KOOGAN.  Cap.  4,  p.  35-­‐50,  2010  

COFEN.   Resolução   no   293/2004.   Dimensionamento   de   pessoal   de   enfermagem.   Disponível   em:  


www.portalcofen.gov.br.  

COLLET,   N.   et   al.   Método   funcional   na   administração   em   enfermagem:   relato   de   experiência.   Rev.  


Brás.  Enf..  Brasília,  v.47,  n.  3  p.  258-­‐264,  jul/set.  1994.  

CUNHA,   Káthia   de   Carvalho   (coord).   Gestão   de   Pessoas.:   Foco   na   Enfemagem   Atual.   São  
Paulo:Martinari,  2008.  

FEKETE,  M.  C.  Bases  conceituais  e  metodológicas  do  Planejamento  em  Saúde.  In:  Brasil.  Ministério  da  
Saúde.   Gestão   Municipal   de   Saúde   -­‐   textos   básicos.   Rio   de   Janeiro.   Brasil.   Ministério   da   Saúde,   2001.  
p.201-­‐  217.  
 
FERREIRA,   F.   W.   Planejamento   sim   e   não.   Rio   de   Janeiro.   Paz   e   Terra,   1983.   FONSECA,   G.   M.  
Planejamento  em  enfermagem.  Apostila  de  curso,  2000  (mimeo).  
 
FUGULIN   FMT.   Dimensionamento   de   pessoal   de   enfermagem:   avaliação   do   quadro   de   pessoal   das  
unidades   de   internação   de   um   hospital   de   ensino   [tese   doutorado].   São   Paulo:   Escola   de  
Enfermagem,  Universidade  de  São  Paulo;  2002.    
   
GAMA,   B.   M.   B.   De   M.   As   Funções   Administrativas   e   o   Planejamento   em   Enfermagem.   Apostila   de  
curso,  2010  (mimeo).  
 
GEORGE.   Júlia   B.   Teorias   de   Enfermagem:   os   fundamentos   da   prática   profissional.   Porto   alegre:  
Artmed,  2000.  

HORTA,   V.   de   A.   Processo   de   Enfermagem.   São   Paulo:   EPU/Editora   da   Universidade   de   São   Paulo,  


1979.  

INSTITUTO  NACIONAL  DA  ASSISTENCIA  MÉDICA  E  PREVIDÊNCIA  SOCIAL.  Contribuição  para  um  cálculo  
de  recursos  humanos  na  área  de  enfermagem.  Rio  de  Janeiro,  1988.  

KRON,   T.;GRAY,   A.   Administração   dos   cuidados   de   enfermagem   ao   paciente.   Rio   de   Janeiro,  


Interlivros,  1989.  
 
KURCGANT,   Paulina.   Administração   em   Enfermagem.   São   Paulo:EPU,2001.   KURCGANT,   Paulina.  
Gerenciamento  em  Enfermagem.  São  Paul:  Guanabara  Kooga,  2007.  

KWASNICKA,   E.   L.   Introdução   à   administração.   São   Paulo,   Atlas   S.   A.   1991.   MARX,   K.   O   capital.   São  
Paulo,  Abril  Cultural,  1983.  

  44  
 

 
MALAGUTTI,  Willian,  Caetano,  Karen.  Gestão  do  serviço  de  enfermagem  no  mundo  globalizado.  São  
Paulo:Rubio,  2009.  

MANDELLI,   F.   P.   Planejamento   Estratégico.   In:   SÃO   PAULO.   Prefeitura   Municipal,   Projeto   de  


Desenvolvimento  Gerencial.  11O.  Curso  de  Chefia,  1994.  p.  25-­‐31.  
 
MENDES,  E.  V.  (org.)  A  organização  da  saúde  no  nível  local.  São  Paulo.  Hucitec,  1998.    
 
MENEGOLLA,   M.   ;   SANT’ANNA,   I.   M.   Por   que   planejar?   Como   planejar?   Currículo   –   área   –   aula.  
Petrópolis,   Vozes,   1997.   PAIM,   R.   Metodologia   científica   em   enfermagem.   Rio   de   Janeiro,   Espaço   e  
Tempo.  1986.  
 
PARK,  K.  H.  (coord.)  Introdução  ao  estudo  da  administração.  São  Paulo,  Pioneira,  1997.    
 
PERROCA   MG.,   Vigna   CP,   Utilização   de   sistema   de   classificação   de   pacientes   e   métodos   de    
dimensionamento  de  pessoal  de  enfermagem.  Arq  Ciências  e  Saúde.  2007,  Jan/Mar;  14(1):    
 
RIOLINO,   A.   N.;   KLIUKAS,   G.   B.   V.   Relato   de   Experiência   de   Enfermeiras   no   Campo   de   Auditoria   de  
Prontuários:  uma  ação  inovadora.  Revista  Nursing,  v.65,  n.6,  p.38,  out.  2003.  

ROCHA,   J.   S.   Y.   Saúde   e   planejamento:novos   paradigmas.   Rio   de   Janeiro,   RAP.   V.   32,   n.   2.   1998.  


p.135-­‐46.  
 
SÁ  M.  de  C.  &  PEPE.  Planejamento  Estratégico.  In:  ROZENFELD.  S.  (org.)  Fundamentos  da  Vigilância  
Sanitária.  Rio  de  Janeiro,  FIOCRUZ,  2000.  p.  197-­‐232.  
 
SANTOS,  Sérgio  Ribeiro.  Administração  aplicada  à  enfermaegm.  João  Pessoa:  Ideia,  2007.  

SPAGNOL,   C.   A,   Fernandes   MS.   Estrutura   organizacional   e   o   serviço   de   enfermagem   hospitalar:  


aspectos  teóricos.  Rev  Gaúcha  Enferm,  Porto  Alegre  (RS)  2004  ago;25(2):157-­‐64.  

TEIXEIRA,  C.  O  futuro  da  prevenção.  Salvador,  Casa  da  qualidade.  2001.  p.115  b.  
 
TEIXEIRA,   C.   Planejamento   Municipal   em   Saúde.   Salvador,   ISC   –   Instituto   de   Saúde   Coletiva.   2001.  
p.79  a.  

_________________________________________________________________________________  

  45