Você está na página 1de 27

UNIVERSIDADE EDUARDO MONDLANE – Faculdade de Engenharia

Transmissão de calor


3º Ano

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 1


Aula 4 Aula Prática-1
❑ Equação Diferencial de Transmissão de Calor e
as Condições de Contorno

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 2


Problema -4.1

Calcular a temperatura no
centro Tc de uma parede plana
com k=8,4 W/m·°C e com 0,4
m de espessura, exposta, à
radiação de uma fonte de calor
à temperatura de 200 ºC com
emissividade ε = 0,7, sabendo
que a parte da parede exposta à
radiação encontra-se a 45 ºC.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 3


Problema -4.1 (Resolução I)

Assume-se:
1.Escoamento estacionário e unidimensional sendo a espessura
da parede L=0,4 m;
2.Condutibilidade térmica constante (k = 8,4 W/m⋅°C);
3.Não há geração de calor no interior da parede;
4.Desprezam-se as perdas de calor na parte superior da parede.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 4


Problema -4.1 (Resolução II)
Onde C1 e C2 são constantes arbitrárias.
Quando x= L para C1

d 2T
2
=0
dx

−k
dT (L)
dx
(
= q!s = σε Tpar
4
− Tamb
4
)⎡⎣ W/m 2 ⎤⎦

Integrando a equação diferencial duas vezes em função de x, resulta:

dT
= C1
dx

T (x) = C1x + C2

"5
Problema -4.1 (Resolução III)
Onde C1 e C2 são constantes arbitrárias.

dT (L)
dx
q!s
= C1 = − = −
k
σε 4
k
(
Tpar − Tamb
4
)
C1 = 152,2 [K / m]

Quando x= L para C1

T (L) = C1 L + C2 = T2 → C2 = 45 − 152,2 ⋅0,4 = -15,86 [C]

L 0,4
T (L 2) = C1 + C2 = 152,2 ⋅ -15,86 = 14,57 [C]
2 2

"6
Problema -4.2
Um ferro de engomar com uma base plana
de área 120 cm2 é submetido a um fluxo
de calor de 1500 W na superfície esquerda k
T2  =90°C
e a uma temperatura especificada de 90ºC Q=1500  W

na superfície direita (veja esquema). A=120 cm2


L=0,8 cm
Escreva a equação de condução de calor
para este caso sabendo que a espessura da
placa é de L=0,8 cm e que o coeficiente de
x
condutibilidade térmica k= 25 W/m°C.
Determine a temperatura na superfície
esquerda e a variação de temperatura na
base do ferro.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 3


Problema -4.2 (Resolução I)

Assume-se:
1.Escoamento estacionário e unidimensional sendo a espessura
da base do ferro desprezível;
2.Condutibilidade térmica constante (k = 25 W/m⋅°C);
3.Não há geração de calor no ferro;
4.Desprezam-se as perdas de calor na parte superior do ferro.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 4


Problema -4.2 (Resolução II)
Desprezando as perdas de calor, todo calor gerado pela resistência
eléctrica do ferro transfere-se para a base. O fluxo de calor no interior
da base determina-se de:

Q! 0 1500 W 2
q!0 = = = 125.000 W/m
Abase 120 ×10−4 m 2

Assumindo que a direcção normal é a do eixo x, para x=0 a esquerda


da superfície, a equação de condução de calor para este caso será:

d 2T
2
=0
dx
Pois, o regime é estacionário, não há geração de calor no interior da
base e a condutibilidade térmica é constante.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 5


Problema -4.2 (Resolução III)
Das condições iniciais e condições de fronteira obtém-se;
dT (0)
−k = q!0 = 125.000 W/m 2
dx

E pode-se escrever que:


T ( L) = T2 = 90°C
Integrando a equação diferencial duas vezes em função de x,
resulta:

dT T ( x ) = C1x + C2
= C1
dx

Onde C1 e C2 são constantes arbitrárias.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 6


Problema -4.2 (Resolução IV)
Aplicando as condições de fronteira tem-se:

q! dT (0)
x = 0: − kC1 = q! 0 → C1 = − 0 pois −k = q!0
k dx
q! 0 L
x = L: T ( L) = C1 L + C2 = T2 → C2 = T2 − C1 L → C2 = T2 +
k

Substituindo os valores de C1 e C2 na equação:

T ( x ) = C1x + C2

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 7


Problema -4.2 (Resolução V)
Resulta:

q!0 q!0 L q!0 ( L − x)


T ( x) = − x + T2 + = + T2
k k k
(125000 W/m 2 )(0, 008 − x)m
T ( x) = + 90°C
25 W/m ⋅°C
T ( x) = 5000(0, 008 − x) + 90

A temperatura da placa quando x=0 será:

T (0) = 5000(0, 008 − 0) + 90 = 130°C

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 8


Problema -4.3
Ar comprimido escoa numa conduta submetida a uma fluxo
uniforme de calor na parte externa. Escreva a equação de
condução para este caso. Determine a temperatura na superfície
externa da conduta e a variação de temperatura na conduta. O
coeficiente de transferência de calor por convecção é igual a 40
W/m⋅°C, o raio interno do cilindro igual a 3cm e o externo 4cm.

r
250  W
r2

Ar,  -­‐5°C r1

L=8  m

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 9


Problema -4.3 (Resolução I)

Assume-se:
1.Escoamento estacionário e unidimensional;
2.Condutibilidade térmica constante (k = 20 W/m⋅°C);
3.Não há geração de calor na conduta;
4.Todo o calor gerado no aquecimento transfere-se à conduta.

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 10


Problema -4.3 (Resolução II)
O fluxo de calor que atravessa a superfície da conduta
determina-se de:
Q! s Q! s 250 W
q!s = = = = 124,33 W/m 2
A2 2π r2 L 2π (0,04 m)(8 m)

Note-se que a transferência de calor é unidimensional na


direcção radial de r e o fluxo de calor é na direcção negativa de
r. A equação matemática de condução de calor pode ser escrita
como:
d & dT #
$r !=0
dr % dr "

dT (r1 )
e −k = h[T∞ − T (r1 )]
dr

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 11


Problema -4.3 (Resolução III)

E resulta:
dT (r2 )
k = q! s
dr

Integrando a expressão diferencial em relação ao raio r obtém-se

dT
r = C1
dr
Dividindo ambas partes da equação por r tem-se:

dT C1
=
dr r

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 12


Problema -4.3 (Resolução IV)
Integrando obtém-se:

T (r ) = C1 ln r + C2

Onde C1 e C2 são constantes arbitrárias.

Aplicando as condições de fronteira tem-se:

C1 q! r
r = r2 : k = q! s → C1 = s 2
r2 k
C1 & k # & k # q! s r2
r = r1 : − k = h[T∞ − (C1 ln r1 + C 2 )] → C 2 = T∞ − $$ ln r1 − !!C1 = T∞ − $$ ln r1 − !!
r1 % hr1 " % hr1 " k

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 13


Problema -4.3 (Resolução V)
Substituindo C1 e C2 na solução geral, a variação de temperatura
determina-se de:

" k # " k # " r k # q!s r2


T (r ) = C1 ln r + T∞ − % ln r1 − C
& 1 ∞ %= T + ln r − ln r1 + & 1 ∞ % ln +
C = T + &
' hr1 ( ' hr1 ( r
' 1 hr1 ( k

" r 20 W/m ⋅°C # (124,33 W/m 2 )(0, 04 m)


T (r ) = −5°C + % ln + 2 &
' 1 r (40 W/m ⋅°C)(0,03 m) ( 20 W/m ⋅°C
" r #
T (r ) = −5 + 0, 249 % ln + 16, 67 &
' r1 (

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 14


Problema -4.3 (Resolução VI)
A temperatura interna determina-se de:

(r = r1): T (r ) = −5 + 0, 249 $ ln r1 + 16, 67 % = −5 + 0, 249 (0 + 16, 67 ) = −0,85 º C


! "
1
& r1 '

E a temperatura na superfície de:

! r " ! 0, 04 "
(r = r2): T (r1 ) = −5 + 0, 249 $ ln 2 + 16, 67 % = −5 + 0, 249 $ ln + 16, 67 % = −0, 77 º C
& r1 ' & 0, 03 '

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 15


Problema -4.4
Um recipiente esférico é submetido a uma temperatura especificada
na superfície interna e arrefecido por ar na superfície externa.
Formule a expressão matemática de condução de calor para a esfera
e determine a taxa de transferência de calor considerando o
escoamento unidimensional e o coeficiente de troca de calor por
convecção igual a 40 W/m⋅°C. A condutibilidade térmica da esfera
é de 18 W/m⋅°C. Os raios interno e externo da esfera medem 25 cm
e 30 cm respectivamente.

k T1

r1 T∞
r2
h

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 16


Problema -4.4 (Resolução I)
Assume-se:
1.Escoamento estacionário e unidimensional;
2.Condutibilidade térmica constante (k = 18 W/m⋅°C);
3.Não há geração de calor na esfera.

Note-se que a transferência de calor é unidimensional na direcção


radial de r e o fluxo de calor é na direcção negativa de r. A
equação matemática de condução de calor pode ser escrita como:

d & 2 dT #
$r !=0 Sendo: T (r1 ) = T1 = 0° C
dr % dr "

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 17


Problema -4.4 (Resolução II)
Das condições de contorno de convecção na parte exterior tem-
se:
dT (r2 )
−k = h[T (r2 ) − T∞ ]
dr
Integrando a expressão diferencial em relação ao raio r obtém-se:
dT
2
r = C1
dr
Dividindo ambos os termos por r2 resulta que:
dT C1
= 2
dr r

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 18


Problema -4.4 (Resolução III)
Integrando a expressão tem-se:
C1
T (r ) = − + C2
r
Onde C1 e C2 são constantes arbitrárias

Aplicando as condições de fronteira tem-se:

C1
r = r1 : T (r1 ) = − + C2 = T1
r1

C1 & C1 #
r = r2 : −k 2
= h$
$ − + C 2 − T∞!
!
r2 % r2 "

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 19


Problema -4.4 (Resolução IV)
Escrevendo as equações em função de C1 e C2 tem-se:

r2 (T1 − T∞ ) C1 T1 − T∞ r2
C1 = e C2 = T1 + = T1 +
r k r1 r k r1
1− 2 − 1− 2 −
r1 hr2 r1 hr2
Substituindo C2 e C2 na equação da solução geral, a variação de
temperatura determina-se de:
C1 C " 1 1# T1 − T∞ " r2 r2 #
T (r ) = − + T1 + 1 = C1 % − & + T1 = % − & + T1
r r1 r
' 1 r ( r k ' r1 r (
1− 2 −
r1 hr2
(0 − 25)°C " 0,3 0,3 # 0,3
T (r ) = −
% 0, 25 r & + 0°C = 14, 7(1, 2 − )
0,3 18 W/m ⋅°C ' ( r
1− − 2
0, 25 (40 W/m ⋅°C)(0,3 m)

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 20


Problema -4.4 (Resolução V)

A taxa de transferência de calor através da parede da esfera será:

dT C r (T − T )
Q! = −kA = −k (4π r 2 ) 21 = −4π kC1 = −4π k 2 1 ∞
dx r r k
1− 2 −
r1 hr2
(0,3 m)(0 − 25)°C
Q! = −4π (18 W/m ⋅°C) = 997,9 W
0,3 18 W/m ⋅°C
1− −
0, 25 (40 W/m 2 ⋅°C)(0,3 m)

Prof. Dr. Engº Jorge Nhambiu & Engº Paxis Roque 21


Trabalho Para Casa 01 (I)
Considere uma grande parede plana de espessura L = 0,8 m e condutividade
térmica k = 10,4 W /m·°C. Não se tem acesso ao lado interior da mesma em x =
0, para se medir a sua temperatura. Assim, as condições térmicas nessa superfície
não são conhecidas. No entanto, na superfície exterior da parede em x = L, sua
emissividade, de ε = 0,7, é conhecida e sabe-se também que nela há troca calor por
convecção com o ar ambiente a T∞= 25 °C, com um coeficiente de transferência
de calor por convecção médio de h = 14 W/m2·°C, assim como por radiação, com
as superfícies que a rodeiam, que se encontram a temperatura média de Tamb = 290
K. A temperatura da superfície exterior foi medida e é de T2 = 55 °C. Assumindo
que a transferência de calor é em regime estacionário, (a) expresse a equação
diferencial e as condições de contorno para a condução de calor através da parede,
(b) obtenha uma expressão para a variação da temperatura no interior da parede,
resolvendo a equação diferencial, e (c) Trace em Excel, a curva da temperatura no
interior da parede, desde a parte interior até a exterior, com o passo de 0,1 m.

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 22


Tamb

55ºC

T∞
h

x
L

Enviar até as 5 horas de quinta-feira dia 27 de Fevereiro com o “subject”: TPCT01 para
o endereço nhambiu@zebra.uem.mz

Prof. Doutor Engº Jorge Nhambiu 23