Você está na página 1de 59

Umidificação e Desumidificação

Prof. Dr. Félix Monteiro Pereira


Introdução
Umidificação e Desumidificação:

• Operações Unitárias que envolvem transferência


simultânea de calor e massa.

• Estão envolvidos dois componentes e duas fases: a fase


líquida que na maioria das vezes é água; e a fase
gasosa, usualmente ar que contém uma fração de vapor
(condensável) da fase líquida.

• Não necessariamente se trata de aumento ou diminuição


de água em uma corrente de gasosa.
Objetivos da Umidificação

• Controlar a umidade de um ambiente.

• Resfriar e recuperar água de processo mediante o


contato com ar de baixa umidade (caso mais típico
desta operação).
Objetivos da desumidificação

• A desumidificação é efetuada usualmente como


uma etapa no condicionamento de ar.

• Pode ser usada como partes de sistema de


recuperação de solvente, como por
exemplo, orgânicos como o CHCl3.
Equipamentos de Umidificação

Câmara de nebulização

1. Forma mais simples de um equipamento de


umidificação.

2. O Líquido é disperso na forma de uma névoa


grossa na corrente de gás

3. Tempo de contato grande


Câmara de Nebulização
Exemplos de nebulizadores
Depurador de fumos
• É uma variedade da câmara de nebulização.

• O contato íntimo entre as correntes assegurado


pelo uso de bocais de estrangulamento.

• Pode remover poeiras de uma corrente gasosa.

• Pode realizar reação química


Depurador de fumos
Torres de resfriamento
• São equipamentos utilizados para o resfriamento de
água industrial.

• A água aquecida é gotejada na parte superior da


torre e desce lentamente através de “enchimentos”
de diferentes tipos .

• O gás frio é injetado pela base da torre.

• Processo contracorrente.
Esquema de uma
torre de
resfriamento
Torres de resfriamento

• Maioria das torres são de


madeira.
(material isolante, baixo custo).

• Podem ser também de


alumínio, aço, tijolos, concreto e
chapa de amianto.
Componentes das Torres

Hélice
Bico distribuidor

Eliminador de gotas Grades de enchimento


Equipamentos de desumidificação
Desumidificadores de contato direto

1. São câmaras horizontais, torres de recheio ou colunas de


spray.

2. Entrada de um líquido frio em contato com um gás úmido


quente a ser desumidificado.

3. o gás efluente já seco é reaquecido até a temperatura


desejada.
Desumidificador por contato
(Câmara)
Desumidificador por contato
(torre)
Desumidificadores de superfície

• Os equipamentos em sua maioria são


desumidificadores de serpentina.

• Consiste de um certo número de serpentinas pelo


interior das quais circula um refrigerante tradicional
(salmoura, freon, amônia).

• O ar úmido inside e atravessa a comeia, através da qual


troca calor com o refrigerante e condensa.
Desumidificador de serpentina
Serpentina
Uso de agentes secantes na desumidificação

Secantes líquidos (absorção)

1. Ácido sulfúrico concentrado (H2SO4)


2. Líquidos orgânicos diversos (DMSO)

Secantes sólidos (adsorção)

1. Sílica gel
2. Cloretos de lítio e cálcio hidratados
3. Hidróxido de sódio (NaOH)
Relações entre as fases e definições
• Caso especial: soluções ideais.

Leis de Raoult e Dalton: p = Py = P x


a s a
pa é a pressão parcial do componente condensável na
fase gasosa;
P é a pressão total da fase gasosa;
Pa é a pressão de vapor do componente condensável;
ys, x correspondem a fração molar do componente
condensável na fase vapor e na fase
líquida, respectivamente que estão em equilíbrio.
No caso da fase líquida ser um único componente x=1:
Pa
ys =
P
Relações entre as fases e definições
• Umidade molar (razão molar entre componente
condensável e não condensável), Umidade
absoluta (massa de vapor d’água/massa de gás não
condensável), umidade percentual (saturação
percentual) e umidade relativa (saturação
percentual relativa).
n
• Umidade molar: nYa

b
=
M
a
• Umidade absoluta: Y ' = Y
M
b

• Umidade relativa:100 YY = 100 Pp ((PP−− pP ))


s
a

a
a

• Umidade percentual: 100 yy = 100 Pp a

s a

Onde: Ys = razão molar presente na saturação.


Psicrometria
Ramo da termodinâmica que estuda:

• Propriedades das misturas ar + vapor d’água

• Propriedades das misturas formadas pelos gases perfeitos + vapores


condensáveis

• E fundamental para projetar sistemas de controle ambiental para


plantas, animais e seres humanos bem como para o controle e
dimensionamento de diferentes processos industriais.

• Fornece uma saída gráfica simples e prática para a obtenção dos


parâmetros definidos anteriormente
Terminologias
1. Carta psicrométrica

2. Carta de umidade

3. Diagrama psicrométrico

4. Diagrama de Carrier

5. Diagrama de Mollier
Unidades Inglesas
Sistema Internacional
(SI)
Uso da carta psicrométrica
• Uma das formas de determinação das propriedades
psicrométricas do ar é o uso de gráficos ou cartas
psicrométricas.

• Essas cartas diferem entre si principalmente com respeito à


pressão barométrica e ao número de propriedades que
podem apresentar.

• Qualquer ponto marcado sobre o gráfico representa uma


condição característica de temperatura e umidade em um
determinado local num determinado tempo, associado a
uma pressão de referência, sendo chamado de ponto de
estado.
Uso da carta psicrométrica
• A pressão de referência normalmente utilizada na
elaboração do gráfico é a pressão de 1013,25 kPa.

• Um ponto de estado pode ser localizado utilizando


dois termos quaisquer.

• A partir do ponto de estado, todas as demais


propriedades representadas, nesse mesmo
estado, podem ser determinadas.
Variáveis mensuráveis em uma carta
psicrométrica
Exemplo 1:
Exemplo 1:
y
= 0,5 ( ar a 70° F )
ys

Pa Pa
Ys = =
Pb P − Pa
y pa
=
ys Pa
Y 100 pa / ( P − pa )
Saturação percentual = 100 =
Ys Pa / ( P − Pa )

Ponto em saturação percentual de 49,3%


e Temperatura de 70°F
Exemplo 1:
Exemplo 2:
Exemplo 2:

Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação

Dados:
cL=75,31 J/mol°C
Hi=2011-107,1Ti+4,51*Ti²
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Resolução:
a) V’min/S=?
Determinação de Hv1:
Processo adiabático, a entalpia do vapor na entrada será a mesma que a do ar
saturado na temperatura de bulbo úmido (15°C) (Hv1=1200J/mol).
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Resolução:
a) V’min/S=?, Hv1=1200J/mol
Plote a curva de equilíbrio a partir da carta psicrométrica ou da equação empírica:
Hi=2011-107,1Ti+4,51*Ti² válida para 15<Ti<50 (erro de 3%) e adicione o ponto Hv1=1200J/mol para a
temperatura de 25°C. A curva de operação para a determinação de V’min é obtida por meio da reta que faz
interseção com a curva de equilíbrio em um único ponto, ou caso a temperatura da saída for maior que a do
ponto de tangência, deve-se construir a reta ligando o ponto de Hv1 ao ponto correspondente à temperatura
de saída na curva Hi. Nessa condição operacional (V’=V’min) o comprimento da coluna de secagem tende a
infinito.
9000 O coeficiente angular da reta dá 249, ou seja:
8000 L*cL/V’min=249
7000 Como L/S=900 mol/hm² e cL=75,31 J/mol°C
6000 900*S*75,31/V’min=249
V’min/S=900*75,31/249=272,2 mol/hm²
H (J/mol)

5000
4000
3000
2000
1000
0
15 20 25 30 35 40 45 50
T (°C)

Hi (ou HL) Hv
Cálculos de Operações de Umidificação e
Desumidificação
Resolução:
b) V’/S=2*V’min/S=544.4 mol/hm², Hv1=1200J/mol
A inclinação da reta passa a ser: L*cL/V’min=900*75,31/544.4=124,5 J/mol°C
9000
8000
7000
6000
H (J/mol)

5000
4000
3000
2000
1000
0
15 20 25 30 35 40 45 50
T (°C)

Hi (ou HL) Hv
Cálculos de Operações de Umidificação e
Resolução:
Desumidificação
b) V’/S=2*V’min/S=544.4 mol/hm², Hv1=1200J/mol, L*cL/V’min=124,5 J/mol°C
Para proceder a integração da equação de projeto é preciso achar os valores de

Hi-Hv, obtidos por meio da especificação =-600 J/mol°C


9000
Para obter os valores para a integração, pode-se considerar
8000 valores de temperatura variando entre a da entrada (25°C) e a
7000 da saída (45°C) na curva de operação (Hv) e traçar as retas
6000 com inclinação -600 J/mol°C.
H (J/mol)

5000 A integração pode ser realizada pelo método dos trapézios,


4000 onde obtém-se um comprimento para a coluna de secagem
3000 z=11,5 m
2000
1000
0
15 20 25 30 35 40 45 50
T (°C)

Hi (ou HL) Hv 25 30 35 40 45
Referências Bibliográficas e materiais de apoio
digital
• FOUST, WENZEL, CLUMP, MAUS, ANDERSEN – Princípios das
operações unitárias, 2ª Edição, LTC - Rio de Janeiro 1982.

• GOMIDE, Reynaldo – Operações unitárias Volume 5, 2ª parte-


Umidificação, condicionamento e secagem de gases, Editora do
autor – São Paulo 2005.

• GOMIDE, Reynaldo – Manual de operações unitárias, 2ª Edição,


Editora do autor – São Paulo 1991.