Você está na página 1de 152

CADERNO DE TEXTOS

Identificação
Nome:
_____________________________________________________
Movimento:
_____________________________________________________
Núcleo de Base:
_____________________________________________________
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Sumário

Sumário ........................................................................................................................................................ 1

Apresentação do CRB .............................................................................................................................. 3

Proposta pedagógica e estrutural do CRB Grande Aracaju......................................................... 4


Dimensões Filosóficas .................................................................................................................................................4

Dimensões Pedagógicas .............................................................................................................................................4

Importância do estudo ...............................................................................................................................................4

Organicidade..............................................................................................................................................................5
ORGANICIDADE GERAL...........................................................................................................................................5
NÚCLEOS DE BASE (NB´s): ......................................................................................................................................6
COORDENAÇÃO POLÍTICO PEDAGÓGICA (CPP):......................................................................................................6
EQUIPES PERMANENTES DE TRABALHO .................................................................................................................6
TEMPO TRABALHO .................................................................................................................................................8
TEMPOS EDUCATIVOS ............................................................................................................................................9

Animação e Mística – Roteiro para Debate...............................................................................................................10

Cancioneiro do Povo Brasileiro ......................................................................................................... 15


Ordem e Progresso ..............................................................................................................................................15
Mulherada ...........................................................................................................................................................15
Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua (Sérgio Sampaio).........................................................................................15
Revolta Olodum (Olodum) ...................................................................................................................................16
E Vamos Á Luta (Gonzaguinha).............................................................................................................................16
Opinião (Zé Keti) ..................................................................................................................................................17
Canto Das Três Raças (Clara Nunes) .....................................................................................................................17
Sem medo de ser mulher (Zé Pinto) ....................................................................................................................18
Despejo na Favela (Adoniran Barbosa) .................................................................................................................18
Canção da Terra (Pedro Munhoz) .........................................................................................................................19
Maria, Maria (Milton Nascimento) .......................................................................................................................19
Internacional (Eugène Pottier/ Pierre De Geyter) .................................................................................................20
América livre ........................................................................................................................................................21
Floriô ( Zé Pinto)...................................................................................................................................................21
Caminhando e cantando (Ivan Lourenço) .............................................................................................................22
Negro Nagô ..........................................................................................................................................................22

Módulo 1: Formação cultural e étnica do Povo Brasileiro ......................................................... 23


Darcy Ribeiro, Por Agnaldo dos Santos e Isa Grinspum Ferraz...................................................................................23

Módulo 2: Categorias básicas da Economia Política para compreender os processos


históricos................................................................................................................................................... 35
Prefácio à "Contribuição à Crítica da Economia Política”, por Karl Marx ..................................................................35

1
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 3: Formação Social e Econômica do Brasil: do processo de colonização e


estrutura patriarcal ao desenvolvimento capitalista dependente ........................................ 40
Caráter Inicial e Geral da Formação Econômica Brasileira, por Caio Prado Jr. ...........................................................40

Módulo 4: A questão agrária no Brasil e a luta pela terra ......................................................... 50


Introdução de “A Questão Agrária no Brasil”, por João Pedro Stedile .......................................................................50

Módulo 5: A questão urbana no Brasil, trabalho e movimento sindical e urbano ............ 62


Metrópoles, Legislação e Desigualdade, por Ermínio Maricato .................................................................................62

A presença do sindicalismo na história política do Brasil, por Armando Boito Jr. .......................................................77

Módulo 6: Revolução Brasileira e o Projeto Popular .................................................................. 95


O que é revolução, por Florestan Fernandes .............................................................................................................95

Módulo 7: Trabalho de Base e Organização Popular ............................................................... 133


Sobre a Formação Política, Por Ranulfo Peloso .......................................................................................................133
Concepção de Formação Política ........................................................................................................................133
Sobre a Educação Popular ..................................................................................................................................135
Educação Popular e dialética ..............................................................................................................................136
Uma Pedagogia classista .................................................................................................................................... 137
Método na Formação Política ............................................................................................................................138
Pedagogias .........................................................................................................................................................139
Eficiência e eficácia da Educação Popular ...........................................................................................................140

Trabalho de Base – sonho, ciência e arte, Por Ranulfo Peloso .................................................................................141


Introdução .........................................................................................................................................................141
Concepção estratégica .......................................................................................................................................142
Afirmações do trabalho de base .........................................................................................................................142
Método do trabalho de base ..............................................................................................................................144
Metodologia – o jeito de fazer o trabalho na base .............................................................................................145
Planejamento do Trabalho de Base ....................................................................................................................146
Sugestão de passos ............................................................................................................................................147
Mística da educação e do trabalho de base ........................................................................................................150

2
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Apresentação do CRB

Desde o primeiro Curso Realidade Brasileira - CRB, realizado em 2001, em Juiz de Fora – MG
(organizado por Movimentos Sociais Populares em parceria com a UFJF), já aconteceram mais de 50
turmas do CRB em todo Brasil. O curso nasceu da necessidade de se retomar a formação de
militantes de forma mais sistemática, se voltar a pensar o Brasil e o Projeto Popular, a viabilidade
da construção do Brasil como nação através das potencialidades, criatividades e da formação
histórica, social, cultural e econômica do seu povo.

Vivemos uma crise provocada pelo capitalismo. Mais do que nunca precisamos retomar a
prática do estudo, o despertar da consciência, pensar o Brasil e a organização popular. Mas não
partimos do zero. Muito ao contrário. São muitos os intelectuais brasileiros, hoje amordaçados,
renegados e boicotados pelas ideias do pensamento único, restritivo, economicista, opressor.

Neste sentido, queremos ocupar esse espaço na sociedade. Para nos ajudar nessa tarefa,
ninguém melhor que os clássicos brasileiros, pensadores (as), intelectuais e militantes que
interpretaram o Brasil com originalidade, criticidade e profundidade. Orientados pelos ideais de
mudança. Pensadores/militantes, renomados, reconhecidos e estudados muito mais fora do Brasil
que por nós brasileiros (as): Florestan Fernandes, Celso Furtado, Caio Prado Jr., Darcy Ribeiro, Paulo
Freire, Milton Santos e tantos outros e outras.

3
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Proposta pedagógica e estrutural do CRB Grande Aracaju

Dimensões Filosóficas
Os princípios filosóficos dizem respeito a nossa visão de mundo, nossas concepções mais gerais
em relação à pessoa humana, à sociedade e ao que entendemos que seja educação. São os
fundamentos dos objetivos estratégicos do trabalho educativo.
1) Educação para a transformação social.
2) Educação para o trabalho e a cooperação.
3) Educação voltada para as várias dimensões da pessoa humana.
4) Educação com / para valores humanistas.
5) Educação como um processo permanente de formação e transformação humana.

Dimensões Pedagógicas
Os princípios pedagógicos se referem ao jeito de fazer e de pensar a educação, para
concretizar os próprios princípios filosóficos. Dizem dos elementos que são essenciais e gerais na
nossa proposta de educação, incluindo especialmente a reflexão metodológica dos processos
educativos.

1) Relação entre prática e teoria.


2) Combinação metodológica entre processos de ensino e de capacitação.
3) A realidade como base da produção do conhecimento.
4) Conteúdos formativos socialmente úteis.
5) Educação para o trabalho e pelo trabalho.
6) Vínculo orgânico entre processos educativos e processos políticos.
7) Vínculo orgânico entre processos educativos e processos econômicos.
8) Vínculo orgânico entre educação e cultura.
9) Gestão democrática.
10) Auto-organização dos estudantes e das estudantes.
11) Criação de coletivos pedagógicos e formação permanente dos educadores e das educadoras.
12) Atitude e habilidades de pesquisa.
13) Combinação entre processos pedagógicos coletivos e individuais.

Importância do estudo
Estudar é procurar compreender o que se lê, refletir sobre os assuntos abordados num texto,
reter o fundamental e estabelecer relações com outras ideias aprendidas, lidas e ouvidas. Não é

4
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

fácil estudar quando não se tem o hábito do estudo. Só com o tempo se começa a compreender
melhor os textos e assimilar seu conteúdo. Por isso, é necessário ter vontade de aprender, não
desistir na primeira dificuldade e encarar o estudo como uma tarefa com o mesmo rigor que as
outras.
Estudar é necessidade vital para a militância. Desde que estudo não seja armazenar e exibir
conhecimentos, nem estudo abstrato, nem estudo da teoria como fórmula acabada, solução para
todos os problemas ou como modelo único para a luta dos trabalhadores e suas organizações.
Às vezes, falar da importância do estudo, se pensa em fazer cursos. Cursos, palestras,
seminários, debates são indispensáveis porque ajudam a organizar as ideias, traçar linhas gerais e
temas básicos, na formação teórica, ideológica e política da militância. Mas, os cursos não
substituem o estudo individual.
Ele é necessário para a preparação e aprofundamento de temas, para aproveitamento dos
cursos e a participação em debates. O estudo, embora tenha uma orientação coletiva, mas precisa
ser um exercício individual. Pois, a formação política se sustenta em três pilares básicos:
participação na luta e organização popular, atividades sistemáticas de formação e estudo
individual.
Nosso curso se desenvolverá através de aulas expositivas; seminários; estudos individuais ou
em grupo; intercâmbios entre os participantes; vídeos etc. Todos e todas deverão aproveitar
intensamente esse tempo privilegiado de estudo.

Organicidade

ORGANICIDADE GERAL
Outro aspecto relevante do processo formativo é a organicidade. A formação é uma forma de
ação, de organização. Por isso a estrutura orgânica do curso terá como base os Núcleos de Base que
elegerão uma Coordenação Geral. Os núcleos também indicarão os integrantes que farão parte das
equipes de trabalho. Além disso, haverá uma Coordenação Político Pedagógica que terá a função
de garantir a linha política do curso. Nesse processo, todos os participantes passarão pela
experiência de dirigir seus dirigidos, implementando um método participativo e responsável que
possibilita o crescimento individual e coletivo.

5
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

NÚCLEOS DE BASE (NB´s):


O Núcleo de Base (NB), como o nome já diz é a base do curso, em outras palavras, é a base
de sustentação do nosso curso. A turma será organizada em 11 NB´s. O NB tem como função garantir
o bom desempenho dos seus membros nas diferentes atividades do curso, principalmente na
participação em atividades de estudo, de trabalho, lazer, disciplina consciente e relações humanas
(novos valores), bem como no desenvolvimento das atividades práticas para o bom funcionamento
do curso.

Cada NB deverá escolher seus membros para fazerem parte das Equipes Permanentes de
Trabalho:
- 2 coordenadores (de preferência um companheiro e uma companheira)
- Pelo menos 1 responsável pela Memória e Relatoria
- Pelo menos 1 responsável para a Comunicação
- Pelo menos 1 responsável pela Infraestrutura
- Pelo menos 1 responsável pela Saúde

COORDENAÇÃO POLÍTICO PEDAGÓGICA (CPP):


É construída por formadores indicados pelos Movimentos Sociais (Populares e Sindicais) –
Assessoria Jurídica Luiz Gama; Central Única dos Trabalhadores (CUT); Coletivo Quilombo; Consulta
Popular; Levante Popular da Juventude; Marcha Mundial de Mulheres (MMM); Movimento
Camponês Popular (MCP); Movimento dos Pequenos Agricultores (MPA); Movimento dos
Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST); Movimento Organizado dos Trabalhadores Urbanos (MOTU)
- que fazem parte da construção coletiva do Curso. A CPP tem a responsabilidade de acompanhar e
dirigir politicamente e pedagogicamente o curso.

EQUIPES PERMANENTES DE TRABALHO


Todas as equipes de Trabalho são constituídas pelos responsáveis indicados pelos NB´s e por
um ou dois membros da CPP que acompanharão cada equipe específica. As equipes se reunirão ao
menos duas vezes a cada módulo do curso, uma no início para planejar as atividades e dividir as
tarefas entre os membros e outra ao fim de cada módulo para avaliar a equipe e suas atividades,
além de organizar possíveis tarefas para o próximo módulo.
6
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

COORDENAÇÃO
Tem como tarefas: Acompanhar o processo pedagógico de cada NB e da turma como um todo,
avaliando coletivamente o processo de aprendizagem e apreensão do conteúdo, da inserção
dos cursistas na organicidade de construção do curso, da integração da turma e de fazer a
relação entre a CPP e os cursistas e vice-versa.

COMUNICAÇÃO
Tem como tarefas: Construir a comunicação interna da turma de forma criativa e inovadora,
pensando o intercâmbio e integração entre as organizações; trazer notícias das ações dos
Movimentos Sociais que compõe a turma (em nível local, estadual e nacional), organizando
formas de comunicar isso a turma; trazer notícias da conjuntura atual durante o período do
curso através de Jornais, Murais, Rádios etc. Divulgar os meios de comunicação da classe
trabalhadora como o Portal Expressão Sergipana, Jornal Brasil de Fato, Rádio Agência Brasil de
Fato, Jornal Sem Terra, entre outros.

INFRA-ESTRUTURA
Tem como tarefas: Ajudar cada NB a garantir os Trabalhos necessários para o bom andamento
do curso; garantir a estrutura necessária para que o curso ocorra de forma tranquila e sem
atrasos; ajudar na organização do ônibus para transporte coletivo caso necessário; ajudar a
organizar o alojamento dos participantes; ajudar a pensar a organização dos espaços de
estudo/plenárias; resolver possíveis problemas estruturais que possam aparecer; dialogar com
as companheiras da cozinha para garantir que as refeições saiam do horário esperado; entre
outros.

SAÚDE
Tem como tarefas: Desenvolver trabalhos preventivos para a saúde dos cursistas além de
acompanhar possíveis casos de doença na turma.

MEMÓRIA E RELATORIA
Tem como tarefas: Organizar a memória de cada módulo (fotos, vídeos, textos e filmes
complementares utilizados e indicados pelos assessores, etc.); organizar a relatoria dos debates
coletivos (nos NB´s e também nas plenárias).

7
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

TEMPO TRABALHO
Na realização do curso partimos de dois princípios essenciais: a construção coletiva realizada
por todos os participantes do cursos, trabalhando a nossa co-responsabilidade por todos os feitos
positivos e negativos que venham a ocorrer; e um segundo princípio é o de que essa é uma
construção da classe trabalhadora com a classe trabalhadora, e assim sendo, é um espaço aonde
tentamos vivenciar valores e práticas da nova sociedade que queremos construir, aonde não
existam mais patrões e empregados e o trabalho seja organizado de forma coletiva.
Por estas duas razões, todo o trabalho necessário para um bom andamento do curso é
realizado por toda a turma, através da divisão destes por NB´s. – com apenas uma exceção, o
preparo das refeições é realizado por companheiros e/ou companheiras contratados.
Os trabalhos terão tempo garantido para que aconteçam no curso.
ESTES TRABALHOS SÃO:
- CAFÉ DA MANHÃ: Chegar dez minutos mais cedo no refeitório para organizar o espaço; servir a
comida; e quando o horário terminar limpar o refeitório e lavar as panelas.
- ALMOÇO: Chegar dez minutos mais cedo no refeitório para organizar o espaço; servir a comida; e
quando o horário terminar e limpar o refeitório.
- PANELAS DO ALMOÇO: Lavar as panelas do Almoço.
- JANTAR: Chegar dez minutos mais cedo no refeitório para organizar o espaço; servir a comida; e
quando o horário terminar e limpar o refeitório.
- PANELAS DO ALMOÇO: Lavar as panelas do Jantar.
- CAFEZINHOS DOS INTERVALOS: Chegar dez minutos mais cedo no refeitório para organizar o
espaço; e quando o horário terminar, limpar o refeitório e lavar as panelas.
- BANHEIROS COLETIVOS: Lavar os banheiros coletivos, tirar os lixos e repor papéis higiênicos.
- ANIMAÇÃO E MÍSTICA: Ajudar a organizar a animação da turma aliado a disciplina com os horários
acertados; Organizar as místicas diárias do curso e a parte cultural (quando necessário); Ornamentar
e organizar a Plenária com os símbolos da luta dos trabalhadores e bandeiras das organizações do
curso.
*Obs.1: Haverá um responsável da CPP para acompanhar os NB´s que estiverem com essa tarefa, e
que guardará os materiais necessários para animação e mística.
*Obs.2: Segue, logo abaixo, na pretensão de ajudar os NB´s nesta reflexão, dois textos sobre mística.

8
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

TEMPOS EDUCATIVOS

SÁBADOS DOMINGOS
06:30 – Despertar! 06:30 – Despertar!
06:40 – Organização Pessoal 06:40 – Organização Pessoal
07:00 – Café da Manhã 07:00 – Café da Manhã
07:45 – Reunião dos NB’s (Planejamento) 08:00 – Início das Atividades do Curso
08:00 – Início das Atividades do Curso 10:00 – Intervalo e Cafezinho
10:00 – Intervalo e Cafezinho 10:15 – Retorno para as atividades do Curso
10:15 – Retorno para as atividades do Curso 12:00 – Almoço
12:00 – Almoço 13:00 – Tempo Trabalho (NB’s)
13:00 – Tempo Trabalho (NB’s) 13:30 – Reunião dos NB’s (Avaliação)
13:30 – Reunião das Equipes Permanentes 14:00 – Reunião das Equipes Permanentes
14:00 – Retorno para as atividades do Curso 14:15 – Retorno para as atividades do Curso
16:00 – Intervalo e cafezinho 16:00 – Encerramento e volta pra casa!
16:15 - Retorno para as atividades do Curso
18:30 – Jantar
19:30 – Organização Pessoal
20:00 – Início da Noite Cultural
23:00 – Encerramento da Noite Cultural

9
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Animação e Mística – Roteiro para Debate

Metal e Sonho – P. Tierra Só para isto, nada mais –para caminhar!


Organizar a esperança,
Conduzir a tempestade O Nascedor – E. Galeano
Romper os muros da noite, Por que será que Che
Criar sem pedir licença tem esse perigoso costume
Um mundo de liberdade de continuar nascendo?
Trabalhar a dor, trabalhar o dia, Quanto mais o insultam,
Trabalhar a flor, irmão! mais o manipulam e o traem,
E a coragem de acender a rebeldia! mais ele nasce.
Convocar todos os sonhos É o mais nascedor de todos.
E a mãos das companheiras Não será porque Che
Feitas de espera e de flor, dizia o que pensava
Tecendo nossas bandeiras e fazia o que dizia?
Na trama de cada dor. Não será por isso
Retomamos a memória, que continua sendo
Na batalha das cidades tão extraordinário,
Empunhamos nossa história Num mundo onde palavras e fatos
Já não há quem nos detenha raramente se encontram e,
Nós somos a tempestade. se encontrando,
não se saúdam
Um olhar sobre a utopia - E. Galeano porque não se reconhecem?
Ela sempre está onde está o horizonte
Se me aproximo dois passos, Raça - Milton Nascimento
ela avança dois passos. Lá vem a força, lá vem a magia,
Se caminho dez passos, que me incendeia o corpo de alegria.
ela se apressa em deslocar-se Lá vem a santa, maldita euforia,
dez passos mais adiante. que me alucina, me joga e me rodopia.
Mesmo que eu continue caminhando Lá vem o canto, o berro da fera,
Não consigo alcançá-la jamais. lá vem a voz de qualquer primavera.
Então, para que serve a utopia? Lá vem a unha rasgando a garganta,

10
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

a fome,a fúria, o sangue que já se levanta. É Clementina cantando bonito


De onde vem essa coisa tão minha, as aventuras do seu povo aflito.
que me aquece e me faz carinho ? É seu Francisco, boné e cachimbo,
De onde vem essa coisa tão crua, me ensinando que a luta é mesmo comigo.
que me acorda e me põe no meio da rua ? Todas Marias, Maria Dominga,
É um lamento, um canto mais puro atraca Vilma e Tia Hercília.
que me ilumina a casa escura. É Monsueto e é Grande Otelo.
É minha força, é nossa energia Atraca, atraca que o Naná vem chegando.
que vem de longe prá nos fazer companhia.

a) Que é mística?
 Mística deriva de mistério. Conhecer mais e mais, entrar em comunhão cada vez mais profunda com
a realidade que nos envolve, ir para além de qualquer horizonte, é fazer a experiência do mistério.
Todas as coisas têm seu outro lado. Captar o outro lado das coisas e dar-se conta de que o visível é
parte do invisível: eis a obra da mística.
 Mística é a capacidade de se comover diante do mistério de todas as coisas. Não é pensar as coisas,
mas sentir as coisas tão profundamente que percebemos o mistério fascinante que as habita. O que
importa é sentir sua atuação e celebrar a presença desta realidade essencial. Viver esta dimensão
no cotidiano é cultivar a mística.
 A mística é alma de um povo. A mística é a alma do sujeito coletivo, a identidade que se revela como
uma paixão, que nos ajuda a ‘sacudir a poeira e dar a volta por cima’.
 “Suportarei tudo, sofrerei tudo, porque há em mim uma alegria, que nada nem ninguém conseguirá
jamais matar!” É nessa alegria que está a força dos militantes da causa social, é no sentimento da
certeza de que se luta por algo justo, é na energia interior que lhes impulsiona todo vigor e coragem,
que faz as pessoas suportarem tudo, mesmo a perda de companheiros; é aí que se materializa a
mística,
 A mística é o momento de reafirmar o compromisso com os ideais de uma concepção, de difundi-la
socialmente, fortalecê-la politicamente, de consolidá-la e legitimá-la ideologicamente e uma forma
de concretizá-la, aqui e agora.
 A mística irriga, pela paixão, a razão e nos ajuda a ser mais humanos, dispostos, e a desafiar
coletivamente nossos limites; nos impulsiona a ir além do esperado, alimenta os valores e nos faz
sentir parte de uma grande família.
11
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

 Desenvolver a mística não pode se confundir com um culto ao passado que relembre os momentos
trágicos da história e crie o sentimento da dor e morte sempre presentes, para estimular a cultura
de resistência entre sujeitos de semblantes pesados, sorrisos tristes e punhos cerrados.
 É a vida que causa paixão, é pela vida que os seres humanos se movem, é ela que deve ser celebrada.
Que se celebre os lutadores em vida, que se declare o reconhecimento a cada pessoa pelo esforço
de sua luta. Celebrar a vida e a alegria não é esquecer os compromissos da luta por transformações,
é lembrar que, como seres humanos, temos o direito de sorrir e ser feliz.
 Observa-se hoje uma conjuntura que vai de um extremo ao outro, da mística ao misticismo. Diante
da mercantilização total da vida cotidiana, a mística corre o perigo de se tornar mercadoria, chavão,
moda. Mística pode significar recitação de poesias, serenata, cantoria, reza; pode ser um olhar
contemplativo à beira de um rio, um ritual festivo na aldeia e êxtase de um monge tibetano.
 A mística não é propriedade de nenhuma instituição. A palavra “mística” tem a mesma raiz que a
palavra “mistério”. O mistério não se explica, vive-se, na contemplação e na ação cotidianas. A
mística é como a utopia. Ambas não se deixam aprisionar em conceitos ou definições. Esotéricos e
góticos, santos e militantes, movimentos sociais e comunidades religiosas se apropriam da palavra
“mística”. Uns fazem mística, outros dizem que têm mística, outros, ainda, que são místicos.
 Não podemos ter místicas como se tem uma propriedade ou um objeto. Somos místicos. A mística
não pode ser funcionalizada onde tudo é avaliado por sua função ou pela utilidade que tem. Rezar e
fazer poemas não tem utilidade, não tem preço, não pode ser vendido. A mística está no meio de
nós como dom, não como posse. Mas o que não tem preço, pode ter muita dignidade.
 Temos mística ou somos místicos? Talvez, temos e fazemos mística e ainda não somos
suficientemente místicos. Ninguém é místico 24 horas por dia. A mística se revela no serviço
desinteressado à causa dos oprimidos e nos faz simples, despojados, leves. Na mística, se vive o fim
da dicotomia entre o campo espiritual e o material; não é luta e contemplação, mas luta na
contemplação ou contemplação na luta. A redução da utopia para um suposto realismo no “aqui e
agora” cria miopia, faz perder a esperança, compromete a fé e enfraquece a solidariedade.
 A mística tem dois braços. É mística da terra, da realidade material, da luta e das marchas; e a mística
do transcendente, que se faz carne a cada dia; luta simbólica presente na transfiguração das estrelas,
do céu, da poesia, das canções, dos bonés e das palavras de ordem.
 É o conjunto de convicções profundas, as visões grandiosas e as paixões fortes que mobilizam as
pessoas e movimentos na vontade de mudança, ou que inspiram práticas capazes de afrontar
quaisquer dificuldades ou sustentar a esperança face aos fracassos históricos.”

12
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Convicções para a vida Militante


1. Sem medo de ser socialista 6. Poder como serviço
2. Busca da prosperidade de todos 7. Solidariedade universal
3. Espírito militante 8. Companheirismo
4. Viver é lutar 9. Espírito de superação, de sacrifício
5. Amor pelo povo 10. Pedagogia do exemplo

Formas de concretizar a mística


 Postura pessoal – como a mística é, sobretudo, a vivência de valores e convicções é na vida e
nas atitudes pessoais que a mística mais se manifesta: a) no amor pelo povo; b) na
solidariedade; c) no espírito de humildade, d) no espírito de superação, iniciativa e ousadia. e)
no espírito de sacrifício; f) no companheirismo, g) na pedagogia do exemplo;
 Ambiente, simbologia – Luz, cores, beleza, festa
 Celebração coletiva – Não existem receitas e cada movimento tem formas particulares de
expressar seus valores, seus princípios e sua vida. Mas a experiência recomenda que se leve em
conta alguns critérios na manifestação pública da mística: a) Deve ser uma atividade onde as
pessoas participam com o corpo, mente e sentimento; b) não é show para ser assistido, as
pessoas devem ser envolvidas (quando se usa poesia ou canção, deve-se providenciar texto
para todas as pessoas e alguém que saiba tocar); c) Não tem essa de preparar surpresas, de
causar impacto, de provocar sensação; d) A celebração da mística deve ser bonita, dentro do
tema da reunião, criativa, breve, com certa solenidade, simples e bem feita; e) É bom usar
símbolos, gestos e incorporar expressões culturais, testemunhos pessoais... mas, sempre evitar
que vire mera apresentação teatral; f) A mística pode ser expressa no começo - ajuda a
concentrar a atenção e a recordar o espírito que une o grupo, mas pode e deve ser feita a
qualquer momento – um canto, um grito de guerra, uma declamação, um silêncio.

 Algumas atitudes devem ser evitadas:


 Achar que mística é apenas motivação, abertura, enfeite, emoção: “bem, feita a mística, vamos
agora ao que interessa”;
 Virar tarefa de especialistas, embora tenha gente com mais sensibilidade/criatividade que
outras;
 Passar de parte para o todo: não participei do encontro porque estava preparando a mística;
 Não pode virar competição: a mística de fulano foi melhor que a de cicrana;
13
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

 Repetir no Nordeste um jeito que deu certo no Sul - fica manjado, fora do contexto e, por isso,
cansativo, formal e burocrático;
 Evitar a improvisação, mas sem virar tormento para quem coordena.
O importante na expressão pública é a reafirmação dos objetivos e o fortalecimento da
militância. Não existe receita - mas tem que ser participada, curta, simples, atraente, bem feita,
conforme a hora e o grupo. Às vezes, tem o tom de alegria, outras de protesto e de dor; às
vezes, o tom da política; outras a linguagem cultural e a tradição religiosa. Nunca um show para
ser assistido - as pessoas devem sentir-se bem e participantes.

“Tarefeiro cumpre ordens, funcionário trabalha pelo salário, mercenário age para satisfazer seu
interesse individual. A militância se move por um amor indignado contra qualquer forma de
opressão e se entrega de forma apaixonada pelo resgate da vida fraterna, numa sociedade onde
as pessoas se realizem como gente e como povo”.

Algumas orientações para os que militam no Movimento –


 Militância com lucidez crítica e ação coerente;
 Simplicidade e humildade (não humilhação);
 Indignação e rebeldia diante das injustiças;
 Vivência coerente e transparente das convicções e da fé;
 Liberdade e verdade – não estar nem vendido, nem comprado;
 Vida pessoal, familiar e social com integridade, pensar, querer trabalhar; cabeça, coração, sexo
– a pessoa inteira;
 Testemunho de esperança;
 Vivência e ação coletivas, trabalho em equipe sempre;
 Formar-se constantemente, para não se alienar;
 Participação co-responsável;
 Celebrar a fé e a vida

14
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Cancioneiro do Povo Brasileiro

Ordem e Progresso Mulherada


Esse é o nosso país "Vamos lá mulherada pra rua
Essa é a nossa bandeira Quero ver essa saia rodar
É por amor a essa pátria Brasil Entoando um canto de luta
Que a gente segue em fileira Se movendo pra o mundo mudar
Queremos mais felicidades Desse jeito é que começa rodando a saia,
No céu deste olhar cor de anil largando o fogão
No verde esperança sem fogo Rompendo com a velha estrutura
Bandeira que o povo assumiu Pois queremos a libertação!
No verde esperança sem fogo Rompendo com a velha estrutura
Bandeira que o povo assumiu Pois queremos a transformação!"
Amarelos são os campos floridos
As faces agora rosadas
Eu Quero É Botar Meu Bloco Na Rua
Se o branco da paz se irradia
(Sérgio Sampaio)
Vitória das mãos calejadas
Há quem diga que eu dormi de touca
Se o branco da paz se irradia
Que eu perdi a boca, que eu fugi da briga
Vitória das mãos calejadas
Que eu caí do galho e que não vi saída
Esse é o nosso país...
Que eu morri de medo quando o pau
Queremos que abrace essa terra quebrou
Por ela quem sente paixão Há quem diga que eu não sei de nada
Quem põe com carinho a semente Que eu não sou de nada e não peço
Pra alimentar a nação desculpas
Quem põe com carinho a semente
Que eu não tenho culpa, mas que eu dei
Pra alimentar a nação
bobeira
A ordem é ninguém passar fome
E que Durango Kid quase me pegou
Progresso é o povo feliz
Eu quero é botar meu bloco na rua
A Reforma Agrária é a volta Brincar, botar pra gemer
Do agricultor à raiz Eu quero é botar meu bloco na rua
A Reforma Agrária é a volta
Gingar, pra dar e vender
Do agrilcultor à raiz
Eu, por mim, queria isso e aquilo
Esse é o nosso país...
Um quilo mais daquilo, um grilo menos disso
15
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

É disso que eu preciso ou não é nada disso É com essa juventude


Eu quero é todo mundo nesse carnaval... Que não corre da raia
Eu quero é botar meu bloco na rua..... À troco de nada
Eu vou no bloco
Dessa mocidade
Revolta Olodum (Olodum)
Que não tá na saudade
Retirante ruralista, lavrador
E constrói
Nordestino lampião, salvador
A manhã desejada...(2x)
Pátria sertaneja, independente
Aquele que sabe que é negro
Antônio conselheiro em canudos presidente
O coro da gente
Zumbi em alagoas, comandou
E segura a batida da vida
Exercito de ideais
O ano inteiro
Libertador , eu
Aquele que sabe o sufoco
Sou majin kabalaiada
De um jogo tão duro
Sou malê
E apesar dos pesares
Sou búzios sou revolta, arerê
Ainda se orgulha
Ohh corisco, maria bonita mandou te chamar
De ser brasileiro
Ohh corisco, maria bonita mandou te chamar
Aquele que sai da batalha
È o vingador de lampião
Entra no botequim
È o vingador de lampião
Pede uma cerva gelada
Êta cabra da peste
E agita na mesa
Pelourinho olodum somos do nordeste
Uma batucada
Aquele que manda o pagode
E Vamos Á Luta (Gonzaguinha) E sacode a poeira
Eu acredito Suada da luta
É na rapaziada E faz a brincadeira
Que segue em frente Pois o resto é besteira
E segura o rojão E nós estamos pelaí...
Eu ponho fé Acredito
É na fé da moçada É na rapaziada
Que não foge da fera Que segue em frente
E enfrenta o leão E segura o rojão
Eu vou à luta Eu ponho fé
16
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

É na fé da moçada Eu acredito
Que não foge da fera É na rapaziada!
E enfrenta o leão
Eu vou à luta
Opinião (Zé Keti)
É com essa juventude
Podem me prender, podem me bater
Que não corre da raia
Podem até deixar-me sem comer
À troco de nada
Que eu não mudo de opinião.
Eu vou no bloco
Daqui do morro eu não saio não, daqui do
Dessa mocidade
morro eu não saio não.
Que não tá na saudade
Se não tem àgua, eu furo um poço
E constrói
Se não tem carne, eu compro um osso e
A manhã desejada...
ponho na sopa
Aquele que sabe que é negro
E deixo andar, deixo andar
O coro da gente
Fale de mim quem quiser falar
E segura a batida da vida
Aqui eu não pago aluguel
O ano inteiro
Se eu morrer amanhã, seu doutor
Aquele que sabe o sufoco
Estou pertinho do céu
De um jogo tão duro
Podem me prender, podem me bater
E apesar dos pesares
Podem até deixar-me sem comer
Ainda se orgulha
Que eu não mudo de opinião
De ser brasileiro
Daqui do morro eu não saio não, daqui do
Aquele que sai da batalha
morro eu não saio não...
Entra no botequim
Podem me prender , podem me bater, que
Pede uma cerva gelada
eu não mudo de opinião, que eu não mudo
E agita na mesa logo
de opinião...
Uma batucada
Aquele que manda o pagode
E sacode a poeira Canto Das Três Raças (Clara Nunes)
Suada da luta Ninguém ouviu
E faz a brincadeira Um soluçar de dor
Pois o resto é besteira No canto do Brasil
E nós estamos pelaí Um lamento triste
Sempre ecoou
17
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Desde que o índio guerreiro Participando sem medo


Foi pro cativeiro De ser mulher.
E de lá cantou Por que a luta não é só dos companheiros
Negro entoou Participando sem medo ser mulher.
Um canto de revolta pelos ares Pisando firme sem medir nenhum segredo
No Quilombo dos Palmares Participando sem medo ser mulher.
Onde se refugiou Pois sem mulher a luta vai pela metade
Fora a luta dos Inconfidentes Participando sem medo ser mulher.
Pela quebra das correntes Fortalecendo os movimentos populares
Nada adiantou Participando sem medo ser mulher
E de guerra em paz Na aliança operaria e camponesa
De paz em guerra Participando sem medo ser mulher.
Todo o povo dessa terra Pois a vitória vai ser nossa com certeza
Quando pode cantar Participando sem medo ser mulher
Canta de dor
ô, ô, ô, ô, ô, ô
Despejo na Favela (Adoniran
ô, ô, ô, ô, ô, ô
Barbosa)
ô, ô, ô, ô, ô, ô
Quando o oficial de justiça chegou
ô, ô, ô, ô, ô, ô
La na favela
E ecoa noite e dia E contra seu desejo entregou pra seu narciso
É ensurdecedor
um aviso pra uma ordem de despejo
Ai, mas que agonia Assinada seu doutor , assim dizia a petição
O canto do trabalhador
dentro de dez dias quero a favela vazia e os
Esse canto que devia
barracos todos no chão
Ser um canto de alegria
É uma ordem superior,
Soa apenas
Como um soluçar de dor Ôôôôôô Ô meu senhor, é uma ordem
superior { 2x
Não tem nada não seu doutor, não tem nada
Sem medo de ser mulher
(Zé Pinto) não
Pra mudar a sociedade Amanhã mesmo vou deixar meu barracão
Do jeito que a gente quer Não tem nada não seu doutor vou sair daqui

18
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

pra não ouvir o ronco do trator Mas, apesar de tudo isso


Pra mim não tem problema em qualquer O latifúndio é feito um inço
canto me arrumo de qualquer jeito me ajeito Que precisa acabar
Depois o que eu tenho é tão pouco minha Romper as cercas da ignorância
mudança é tão pequena que cabe no bolso Que produz a intolerância
de trás Terra é de quem plantar
A Terra, Terra,
Mas essa gente ai hein como é que faz???? Terra, Terra...
{2x

Maria, Maria (Milton Nascimento)


Canção da Terra (Pedro Munhoz) Maria, Maria
Tudo aconteceu num certo dia É um dom, uma certa magia
Hora de Ave Maria Uma força que nos alerta
O Universo viu gerar Uma mulher que merece
No princípio, o verbo se fez fogo Viver e amar
Nem Atlas tinha o Globo Como outra qualquer
Mas tinha nome o lugar Do planeta
Era Terra, Maria, Maria
E fez o criador a Natureza É o som, é a cor, é o suor
Fez os campos e florestas É a dose mais forte e lenta
Fez os bichos, fez o mar De uma gente que rí
Fez por fim, então, a rebeldia Quando deve chorar
Que nos dá a garantia E não vive, apenas aguenta
Que nos leva a lutar Mas é preciso ter força
Pela Terra, É preciso ter raça
Madre Terra, nossa esperança É preciso ter gana sempre
Onde a vida dá seus frutos Quem traz no corpo a marca
O teu filho vem cantar Maria, Maria
Ser e ter o sonho por inteiro Mistura a dor e a alegria
Sou Sem Terra, sou guerreiro Mas é preciso ter manha
Co'a missão de semear É preciso ter graça
A Terra, Terra, É preciso ter sonho sempre

19
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Quem traz na pele essa marca Lá Lá Lá Lerererê Lerererê


Possui a estranha mania Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
De ter fé na vida....
Mas é preciso ter força
Internacional (Eugène Pottier/
É preciso ter raça
Pierre De Geyter)
É preciso ter gana sempre De pé ó vítimas da fome
Quem traz no corpo a marca De pé famélicos da terra
Maria, Maria Da ideia a chama já consome
Mistura a dor e a alegria...
A crosta bruta que a soterra
Mas é preciso ter manha
Cortai o mal bem pelo fundo
É preciso ter graça
De pé, de pé, não mais senhores
É preciso ter sonho sempre Se nada somos em tal mundo
Quem traz na pele essa marca Sejamos tudo ó produtores.
Possui a estranha mania Refrão
De ter fé na vida.... Bem unidos façamos
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
Nesta luta final
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!!
Uma terra sem amos
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
A Internacional
Lá Lá Lá Lerererê Lerererê
Senhores patrões chefes supremos
Mas é preciso ter força Nada esperamos de nenhum
É preciso ter raça
Sejamos nós que conquistemos
É preciso ter gana sempre A terra mãe livre comum
Quem traz no corpo a marca
Para não ter protestos vãos
Maria, Maria
Para sair deste antro estreito
Mistura a dor e a alegria...
Façamos com nossas mãos
Mas é preciso ter manha
Tudo o que a nós nos diz respeito.
É preciso ter graça Refrão
É preciso ter sonho, sempre O crime do rico a lei o cobre
Quem traz na pele essa marca O Estado esmaga o oprimido
Possui a estranha mania
Não há direito para o pobre
De ter fé na vida
Ao rico tudo é permitido.
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!
À opressão não mais sujeitos
Ah! Hei! Ah! Hei! Ah! Hei!!
20
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Somos iguais todos os seres América livre


Não mais deveres sem direitos América Latina de sangue e suor
Não mais direitos sem deveres Eu quero pra ti um dia melhor
Refrão Este povo que sofre pela mesma razão
Abomináveis na grandeza Grita por liberdade numa nova canção.
Os reis da mina e da fornalha América, América, sou teu filho e digo
Edificaram a riqueza um dia quero ser livre contigo.
Sobre o suor de quem trabalha. América morena do velho e do novo
Todo o produto de quem sua Construindo a história na luta do povo
A corja rica o recolheu Numa guerra de força contra o Imperialismo
Querendo que ele o restitua que dos povos da América é o grande
O povo quer só o que é seu. inimigo.
Refrão América minha quero te ver um dia
Nós fomos de fumo embriagados Teu povo nas ruas com a mesma alegria
Paz entre nós guerra aos senhores Gritar a vitória no campo e cidade e
Façamos greve de soldados empunhar a bandeira da liberdade.
Somos irmãos trabalhadores.
Se a raça vil cheia de galas
Floriô ( Zé Pinto)
Nos quer à força canibais
Arroz deu cacho e o feijão floriô,
Logo verá que nossas balas
milho na palha, coração cheio de amor.
São para os nossos generais
Refrão
Povo sem terra fez a guerra por justiça
Pois somos do povo os ativos
visto que não tem preguiça este povo de
Trabalhador forte e fecundo
pegar
Pertence a terra aos produtivos
cabo de foice, também cabo de enxada
Ó parasita deixa o mundo.
pra poder fazer roçado e o Brasil se
Ó parasita que te nutres
alimentar.
Do nosso sangue a gotejar
Se nos faltarem os abutres
Com sacrifício debaixo da lona preta
Não deixa o sol de fulgurar
inimigo fez careta mas o povo atravessou
Refrão
rompendo cercas que cercam a filosofia
de ter paz e harmonia para quem planta o

21
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

amor. Caminhando e cantando e seguindo a canção


Aprendendo e ensinando uma nova lição
Erguendo a fala gritando Reforma Agrária, Então vem vamos embora que esperar não é
porque a luta não saber
para quando se conquista o chão e quem sabe faz a hora não espera acontecer
fazendo estudo, juntando a companheirada Então vem vamos embora que esperar não é
criando cooperativa pra avançar a produção. saber
e quem sabe faz a hora não espera acontecer

Caminhando e cantando (Ivan


Lourenço) Negro Nagô
Caminhando e cantando e seguindo a canção Eu vou tocar minha viola, eu sou um negro
Somos todos iguais braços dados ou não cantador.
Nas escolas nas ruas campos construções O negro canta deita e rola, lá na senzala do
Caminhando e cantando e seguindo a canção Senhor.
(refrão 2x)Então vem vamos embora que Dança aí negro nagô (4X)
esperar não é saber Tem que acabar com esta história de negro
e quem sabe faz a hora não espera acontecer ser inferior.
Pelos campos a fome em grandes plantações O negro é gente e quer escola, quer dançar
Pelas ruas marchando indecisos cordões samba e ser doutor.
Ainda fazem da flor seu mais nobre refrão Dança aí negro nagô (4X)
E acreditam nas flores vencendo o canhão O negro mora em palafita, não é culpa dele
Há soldados armados amados ou não não senhor.
Quase todos perdidos de armas na mão A culpa é da abolição que veio e não o
Nos quartéis lhes ensinam uma antiga lição libertou.
De morrer pela pátria e viver sem razão Dança aí negro nagô (4X)
Nas escolas nas ruas campos construções Vou botar fogo no engenho aonde o negro
Somos todos soldados armados ou não apanhou.
Caminhando e cantando e seguindo a canção O negro é gente como o outro, quer ter
Os amores na mente as flores no chão carinho e ter amor
A certeza na frente a história na mão

22
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 1: Formação cultural e étnica do Povo Brasileiro

Darcy Ribeiro, Por Agnaldo dos Santos e Isa Grinspum Ferraz

Capítulo do Livro “Intérpretes do Brasil: clássicos, rebeldes e renegados”, de Luiz Bernardo Pericás
e Lincoln Secco (orgs.), publicado pela Editora Boitempo.

De todas as coisas deste mundo tão variado, a única que me exalta, me


afeta, me mobiliza, é o gênero humano. As gentes indígenas, com quem
convivi tantos anos. As gentes que me acolheram nos meus longos anos de
exílio mundo afora. Mas, principalmente, minha amada gente brasileira que
é minha dor, por sua pobreza e seu atraso desnecessários. E também meu
orgulho, por tudo o que pode ser como uma civilização tropical de povos
morenos, feitos pela mistura de raças e pela fusão de culturas.
Darcy Ribeiro

Darcy Ribeiro foi um homem de mil faces. Brilhante, inquieto, engraçado, provocativo, polêmico,
ele era um vulcão em permanente ebulição. Dizia de si mesmo:
Eu sou atípico. O Partido Comunista não me quis porque me achava um militante muito agitado, e a
Força Expedicionária Brasileira não me aceitou porque os médicos achavam que eu era muito raquítico
para ser sargento. Eu me entendi com o marechal Rondon e passei dez anos com os índios. Dali fui ser
ministro da Educação, criei a Universidade de Brasília, fui chefe da Casa Civil do Jango, tentei fazer a
reforma de base e caí no exílio. E foi no exílio que escrevi uma larga obra. Nunca gostei de ser político.
No fundo, acho que sou político por razões éticas. Um poeta inglês pode ser só poeta. Mas num país com
o intestino à mostra, como o Brasil, o intelectual tem obrigação de tomar posição. Essa é uma briga séria
e eu estou nessa briga.
Darcy Ribeiro viveu num transe de criação e indignação. Revolucionário nas várias áreas nas
quais atuou, amava intensamente o Brasil. Criticado por muitos, chamado de “gênio da raça” pelo
amigo Glauber Rocha, ele teve a liberdade rara de inventar-se e reinventar-se em mil faces. Em seu
discurso dissonante e heterodoxo, incorporou livremente coisas como o culto popular do Espírito
Santo, o elogio da mestiçagem brasileira e uma profunda vontade de beleza. Por toda a sua vida,
defendeu um socialismo moreno que tivesse repercussões profundas na alma brasileira. A formação
e o futuro do Brasil eram sua obsessão.

23
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Darcy Ribeiro escreveu continuamente por grande parte dos seus 73 anos – muito bem
vividos. As poltronas de suas casas tinham de ter braços largos para apoiar papel e caneta. Nem a
doença freou seu impulso e sua urgência de dizer o que queria. Escreveu até o último dia de vida,
mesmo devorado por um câncer generalizado. Sua produção intelectual – estudos, ensaios, artigos,
romances – é enorme.
Aos acadêmicos e estudiosos, a tarefa de analisar a obra de Darcy Ribeiro em profundidade,
buscando nela fundamentações e incongruências, comparando, tecendo considerações críticas.
Minha abordagem é necessariamente outra: é a de quem viu, ouviu, conviveu, compartilhou
experiências profissionais e uma amizade profunda.
A liberdade com que certos pensadores cultos se propuseram a percorrer a formação
sociocultural de seus países e a refletir sobre as suas perspectivas pode produzir intuições
reveladoras. Esse é o caso de Darcy Ribeiro. Sem se filiar a nenhuma escola de pensamento, mas
bebendo em muitas fontes e conhecendo em profundidade o país no qual vivia, ele soube reler a
história do Brasil com originalidade e ousou tecer profecias sobre seu futuro.
Darcy investigou o Brasil e os brasileiros, assim como vivenciou e estudou o contexto latino-
americano – que, para ele, guardava uma unidade essencial com o processo civilizatório do Brasil,
apesar dos fatores de diversificação. Foi antropólogo, educador, criador de universidades,
romancista, político.
Fez parte de uma geração de intelectuais e artistas que acreditava firmemente ser possível
construir um projeto cultural abrangente para o Brasil e para a América Latina. Um projeto
destinado a revolucionar as estruturas do país e do continente, e não apenas reformá-las. Em um
discurso proferido no México em 1978, Darcy disse:
A meu ver, o que caracteriza a América Latina de hoje é o súbito descobrimento de que tudo é
questionável. As velhas explicações eram justificações. É necessário repensar tudo... Eu acredito que o
que caracteriza a nossa geração, a geração que começou a atuar depois de 1945, é esta consciência mais
lúcida e mais clara de que o nosso mundo tinha de ser desfeito para ser refeito.
Herdeiros das utopias socialistas e humanistas e do vazio deixado pela visão dos horrores das
duas grandes guerras que abalaram a ordem mundial no século XX, gente como Darcy, Celso
Furtado, Lina Bo Bardi, Mario Schemberg, Vilanova Artigas, Octavio Paz, Alejo Carpentier, Julio
Cortázar, entre muitos outros intelectuais em todo o continente, tinha uma perspectiva ao mesmo
tempo trágica e aguda da realidade e queria nada menos do que o todo. Gente temperada pelo
radicalismo das vanguardas europeias do começo do século, pelo existencialismo de Sartre e, mais
tarde, pelas revoluções sociais de maio de 68 e pelos movimentos beat e hippie. Pela Guerra do

24
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Vietnã e pela Revolução Cubana. E ávida por conhecer e fazer valorizar as raízes mais profundas da
híbrida formação latino-americana.
Como disse Eduardo Subirats em A penúltima visão do paraíso,
a vanguarda europeia exprimiu fundamentalmente uma angústia existencial com respeito a um passado
que, de um lado, a afogava e, de outro, temia perder... Ao contrário, os “antropófagos” brasileiros [e
latino-americanos] descobriram na própria realidade histórica americana, nas línguas indígenas e nas
expressões artísticas populares aquele princípio criador capaz de gerar o novo em termos formais e em
termos de uma utopia social de sinal emancipador... Mais além da reivindicação de uma realidade
cultural própria, a Antropofagia apontava para um projeto civilizador originalmente americano. [1]
Tratava-se de uma vanguarda local, sim, “mas perfeitamente globalizada e integralmente
civilizada”[2].
Dessa mistura complexa brotaram, no Brasil, coisas tão diversas como o cinema novo, a
poesia concreta, a bossa nova, uma MPB ativa, a Sudene, o Centro Popular de Cultura (CPC), um
teatro radicalmente novo e uma produção acadêmica comprometida com a realidade. Uma série de
caminhos se abriu também na arquitetura e nas artes plásticas. Formas livres e novas linguagens;
“uma visão radicalmente renovadora da modernidade”, como bem diria Subirats.
Darcy Ribeiro pertencia a essa linhagem. Para ele, fato e mito – contextos e estruturas
simbólicas – formam juntos a tessitura da vida, e qualquer análise que menospreze esse amálgama
será necessariamente incompleta e desinteressante.
Por um lado, seus escritos são o resultado de pesquisa e observação pacientes e aguçadas, e
de uma análise sistemática a respeito dessa experiência planetária única que é o Brasil, sendo,
portanto, fontes riquíssimas de estudo para quem quer conhecer o país. Seus livros de etnologia e
antropologia foram traduzidos e reeditados em inúmeras línguas, recebendo Darcy títulos de
doutor honoris causa em algumas das mais importantes universidades do mundo.
Ao mesmo tempo, sua obra nos faz refletir sobre a possibilidade de criar de forma livre e
descolonizada, sem complexo de inferioridade em relação aos pensadores da moda. Para Darcy,
nenhum modelo poderá jamais explicar o Brasil – país dotado e promissor “que deu e não deu
certo”. Por isso, é necessário conhecê-lo para poder reinventá-lo, sem perder de vista o que a
formação brasileira nos legou, com sua potência criadora.
A academia brasileira – principalmente a paulista – sempre olhou com reserva e ceticismo
para o pensamento independente e totalizante de Darcy Ribeiro. Muitas são também as críticas –
de várias naturezas – em relação à sua atuação política. Darcy foi um dos poucos intelectuais
brasileiros que se engajaram na luta política partidária: foi ministro da Educação e chefe da Casa

25
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Civil no governo de João Goulart nos anos 1960; candidato a governador no Rio de Janeiro nos anos
1980 pelo Partido Democrático Trabalhista (PDT) de Leonel Brizola; vice-governador e secretário de
Estado no governo Brizola; e morreu senador da República. Ele aceitou os riscos dessa exposição
pública como poucos intelectuais latino-americanos e foi, também por isso, bastante estigmatizado.
Com o golpe de 1964 e a ditadura militar que se instalou no Brasil, todo aquele universo de
renovação foi desmantelado com violência. As repercussões na universidade e na vida intelectual e
artística do país foram brutais, com a prisão, a morte e o exílio de muitos dos melhores quadros
dessa geração. Ao lado de vários outros, Darcy Ribeiro, então chefe da Casa Civil do governo
reformista de Jango, foi preso e exilado, sendo obrigado a peregrinar por muitos anos em diversos
países da América Latina. Os anos de chumbo que se seguiram deixaram marcas profundas na
cultura e na educação brasileiras. E as novas gerações que se formaram a partir de então – vítimas
de uma universidade cerceada e de uma mídia censurada – pouco sabem sobre as ambições e o
significado profundo do pensamento de tantas cabeças ilustres e brilhantes que, por décadas,
sonharam em reinventar o país.
Em Darcy Ribeiro, o pensamento e a ação engajada foram moldados por essa época confusa
e profícua. Mas também por sua trajetória pessoal de mineiro de Montes Claros – região marcada
por grandes desigualdades sociais e por um imaginário muito rico (poderosamente descrito por
Guimarães Rosa).
Darcy Ribeiro nasceu em 26 de outubro de 1922 em Montes Claros, no Vale do Rio São
Francisco, porta de entrada do sertão nordestino. Em 1946, licenciou-se em Ciências Sociais pela
Escola de Sociologia e Política de São Paulo, especializando-se em Antropologia sob a orientação de
Herbert Baldus. Nesse mesmo ano, Darcy casa-se com Berta Gleizer Ribeiro, com quem viveria e
trabalharia por muitos anos.
Como antropólogo/etnólogo, e fortemente inspirado pelas ideias do marechal Cândido
Rondon, com quem trabalhou por longo período, Darcy viveu por dez anos entre os índios
brasileiros, decifrando seu modo de existir e pensar; criou o Museu do Índio, primeira instituição
brasileira “projetada para lutar contra o preconceito contra o índio, que descrevia o índio como
canibal, preguiçoso, violento”; escreveu seus impressionantes Estudos de antropologia da
civilização (seis volumes, com quase 2 mil páginas); além de ter criado, com Eduardo Galvão e os
irmãos Villas-Boas, o revolucionário Parque Nacional do Xingu.
Em 1955, Darcy organizou o primeiro curso de pós-graduação em Antropolgia Cultural no
Brasil para a formação de pesquisadores. Sob sua orientação, o Museu do Índio produziu vasta
documentação fotográfica e cinematográfica sobre a vida dos índios Kaapor, dos Bororo e dos índios
26
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

do Xingu. No mesmo ano, assumiu a cadeira de Etnografia Brasileira e Língua da Faculdade de


Filosofia, Ciências e Letras da Universidade do Brasil. Em 1958, foi eleito presidente da Associação
Brasileira de Antropologia.
Como educador, Darcy trabalhou ao lado de Anísio Teixeira, com quem lutou por uma escola
pública e gratuita de período integral e de qualidade para todos os brasileiros. Mais tarde, viria a
criar os Centros Integrados de Educação Pública (Cieps), escola que revolucionou a educação básica
no Rio de Janeiro. Em 1960, foi incumbido pelo presidente Juscelino Kubitschek de coordenar o
planejamento e a criação da Universidade de Brasília (UnB), na qual viria a ser reitor – para, como
dizia, “transmitir todo o saber do homem como um modo de diagnosticar os problemas brasileiros,
de definir bem que problemas são e de encontrar caminhos para superar esses problemas”. Para
isso, organizou uma equipe de uma centena de notáveis cientistas e pesquisadores de várias áreas.
Mais tarde, com o exílio, andou pelo continente latino-americano reformando universidades. Em
1992, elaborou e inaugurou a Universidade Estadual Norte Fluminense, em Campos. Já no final da
vida, criou a Lei de Diretrizes e Bases da Educação (LDB), que, aliás, leva o seu nome.
Como político, Darcy assumiu, em 1962, o cargo de ministro da Educação e Cultura do
Gabinete Parlamentarista do primeiro-ministro Hermes Lima. Em 1963, assumiu a chefia da Casa
Civil do presidente João Goulart, cargo que ocupa até o golpe militar de 1964, quando se exilou no
Uruguai. Durante seu longo exílio político, trabalhou em diversos projetos de universidades em
vários países da América Latina. Nesse mesmo período, escreveu parte importante de sua vasta
obra. Mais tarde, já em 1978, casou-se com Claudia Zarvos, com quem vive até 1990.
Em 1982, foi eleito vice-governador do estado do Rio de Janeiro no governo de Leonel Brizola.
Em 1983, assumiu também a Secretaria Extraordinária de Ciência e Cultura do Rio de Janeiro. Em
1990, Darcy Ribeiro foi eleito senador pelo estado do Rio de Janeiro pelo PDT. Em 1991, licenciou-
se de seu cargo para assumir a Secretaria de Projetos Especiais, no segundo governo de Brizola.
Como romancista, Darcy Ribeiro escreveu, entre outras obras, Maíra, considerada pelo crítico
Antonio Candido “um dos mais importantes romances brasileiros do século”. Em 1992, foi eleito
membro da Academia Brasileira de Letras (ABL). E, na sua profunda inquietação, ainda fez muitas
outras coisas no Brasil e mundo afora.
O que há de comum e coerente em todas essas frentes em que Darcy Ribeiro empenhou sua
vida sem filhos parece ser o impulso quase vulcânico de um criador sem medo e cheio de utopias.
Já quase no final da vida falou para minha câmera:
O que é que nós todos queremos? É fazer um país habitável, em que as pessoas existam para serem felizes,
alegres, amorosas, afetuosas, todo mundo comendo todo dia. Não é uma alegria? Não é um absurdo que
27
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

num país tão grande, tão cheio de verde, tenha tanta gente com fome?... O Brasil não tem nenhum bezerro
abandonado, não tem nenhum cabrito abandonado, nenhum frango. Todo frango tem um dono. Mas tem
milhões de crianças abandonadas. Quando uma sociedade perde seu nervo ético, perde seu amor, seu
apego por suas crianças, que são a sua reprodução, é uma enfermidade tremenda.
Quem hoje quer ouvir essa música que arde e segue incomodando? Como disse uma vez
Aílton Krenak, “Por que o Darcy causava tanto desconforto e raiva? Qual universidade dá chance
para alguma coisa do Darcy no Brasil? Parece que eles o exilaram mais de uma vez. Eles o exilaram
vivo e aproveitaram que ele morreu e o exilaram de novo”.
Uma geração que fracassou em sua “cruzada heroica e redentora da modernização”? Sim e
não. Darcy Ribeiro afirmou várias vezes, referindo-se a suas lutas pelos índios, pela educação, pela
democracia: “Fracassei na maioria das propostas que defendi. Mas os fracassos são minhas vitórias.
Eu detestaria estar no lugar de quem me venceu”.
O temperamento vulcânico de Darcy produziu intuições em ritmo e quantidade
avassaladores, e a urgência de dizer coisas, ao lado da angústia da proximidade da velhice e da
morte, fez com que ele, em certos momentos, desdenhasse de certo tratamento do texto e um rigor
maior. Darcy se permitia generalizações, brincadeiras e incongruências que deixam arrepiados
muitos pensadores. Era amigo das grandes imagens que o tornassem compreensível por todos.
Achava que pouca gente conhecia o Brasil e os brasileiros e, na sua ambição “meio iluminista”,
acreditava poder contribuir para “desasnar” jovens e velhos, como ele dizia.
Sua obra – em parte esgotada e desconhecida – é estimulante, e não apenas como uma das
notáveis expressões de uma época profícua da produção intelectual no país. É também horizonte
aberto para pensar o Brasil contemporâneo, que até agora não superou grande parte dos problemas
e das questões nela apontados.

Alguns aspectos da obra


A obra de Darcy Ribeiro é bem menos conhecida do que sua imagem pública. Mas só a
compreendemos bem se tomamos a própria biografia do antropólogo acima exposta como
referência. Dos seus estudos etnológicos dos anos 1950 até O povo brasileiro, no final da sua vida,
sua preocupação foi sempre a de interpretar a história da formação de uma gente engendrada a
partir de um processo muito mais dramático do que o da simples “assimilação” cultural de índios e
negros, que resultou em um tipo humano sui generis. A seu ver, a boa compreensão desse
fenômeno social é que conduziria tal povo à superação das desigualdades e opressão em seu seio.

28
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Por estar convencido desse elemento idiossincrático do brasileiro, Darcy acreditava que uma
única abordagem teórica seria incapaz de captar o ethos dessa gente, daí sua clara opção pelo
ecletismo teórico-metodológico, que acabou lhe custando muito caro, especialmente entre a
comunidade acadêmica paulista, dividida entre a abordagem culturalista anglo-saxã e a forte
herança estruturalista deixada por Claude Lévy-Strauss na formação da Universidade de São Paulo
(USP), na primeira metade do século XX.
De acordo com José Maurício Arruti, a leitura dos cadernos conhecidos como Grundrisse de
Karl Marx (publicados na União Soviética em 1939-1941) impactou o antropólogo[3], que acatou a
sugestão contida nesses manuscritos, em especial aqueles referentes às formações econômicas pré-
capitalistas, de que era possível mais de uma via de desenvolvimento nos processos civilizacionais.
Assim, O processo civilizatório: etapas da evolução sociocultural, escrito no período de exílio
após o golpe de 1964, procurava apontar como aquela ruptura com os grupos humanos arcaicos,
indicada por Marx nos seus manuscritos anteriores a O capital – conduzindo à civilização escravista
greco-romana e ao modo de produção asiático –, poderia ser útil para compreender outras formas
de desenvolvimento social, tal qual achava que era a civilização formada entre os trópicos.
Mas essa simpatia pelas teses marxianas nunca indicou adesão incondicional ao marxismo,
principalmente na versão adotada pela seção nacional do Partido Comunista Brasileiro (PCB). No
Prefácio à quarta edição venezuelana de O processo civilizatório, diz Darcy Ribeiro:
[…] um conhecido intelectual marxista […] deu um parecer arrasador sobre O processo civilizatório.
Dizia ele que o autor, etnólogo de índios, brasileiro, que não era nem sequer marxista, pretendia nada
menos que reescrever a teoria da história, o que equivalia, pensava ele, a inventar o moto-contínuo. O
diabo é que eu pretendia mesmo![4]
Aqui podemos notar duas características já mencionadas de sua personalidade e de seu
projeto: inconformidade com rígidas estruturas analíticas e uma clara intenção de produzir uma
ciência social desde o terreno latino-americano, sem vassalagem aos paradigmas do Norte. Nesse
sentido, via-se próximo de autores como Gilberto Freyre, Câmara Cascudo e Sérgio Buarque de
Holanda, que percebiam na formação do Brasil traços que lhe eram muito particulares, mesmo
entre os vizinhos hispânicos. É desses autores da primeira metade do século XX, questionadores do
“carma ibérico” (a crença segundo a qual nosso subdesenvolvimento era fruto do atraso dos
portugueses, índios e africanos), que Darcy buscará inspiração para defender a cultura brasileira
como uma nova e original forma de humanidade, capaz de superar os modelos antigos herdados no
Velho Mundo.

29
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Na tentativa de elaborar uma abordagem histórico-antropológica original, resgata as teorias


da evolução sociocultural para mostrar como, em um intervalo de aproximadamente 10 mil anos,
as diversas sociedades e civilizações foram surgindo e se transformando, tendo como um dos
principais pilares a mudança tecnológica. Aqui ele é inegavelmente tributário do revolucionário e
pensador alemão:
Para Marx, a universalidade do processo evolutivo parecia estar antes no progresso continuado dos
modos de produção e na sua resultante histórica, que era o sistema capitalista industrial de base mundial
tendente ao socialismo, do que na unilinearidade da via de ascensão do primitivismo à civilização. [5]
Ele vai, assim, associando o surgimento das diferentes civilizações ao progresso técnico,
desde as sociedade nômades, passando pela diversidade de impérios (e isso para ele era
importante, a diversidade), até a sociedade industrial e termonuclear do século XX. Soa curiosa e
ultrapassada, para leitores do século XXI, a menção feita à tecnologia de base atômica, uma vez que
ainda não era nítido para quem escrevia nos anos 1960 que ela seria nebulada pelo impacto da
informática, da biotecnologia e da nanotecnologia (de todo modo, frutos dos avanços teóricos da
física). Mas sua conclusão sobre esse desenvolvimento era otimista:
O futuro mais longínquo, o do homem, será certamente o da antevisão de Marx. Este se cristalizará no
curso de uma civilização que amadurecerá com o novo homem produzido pela Revolução Termonuclear,
já não adjetivável étnica, racial ou regionalmente. Essa será a civilização da humanidade.[6]
Mas Arruti acredita existir um paradoxo nessa obra: de fato, ela é fruto dos questionamentos
de Darcy Ribeiro acerca da imprecisão do conceito de “assimilação” da cultura branca pelas indígena
e africana (a seu ver, muito mais consequência de violência do que de negociação), expressa na
análise do desenvolvimento de outros povos do passado. Mas, ao tomar de forma explícita o
princípio da evolução como eixo explicativo, acaba se rendendo aos modelos que já eram
amplamente combatidos no campo antropológico nas primeiras décadas do século passado [7]. O
curioso é que ele já tinha uma resposta a essa questão também no Prefácio à sua quarta edição
venezuelana, de 1978:
Contestar em nome de Marx a utilização do critério tecnológico no estudo da evolução social humana é
tanto mais absurdo porque é o próprio Marx quem reclama no primeiro tomo de O capital a necessidade
imperiosa de se escrever a história crítica da tecnologia. Isso porque, a seu juízo, ela seria, no plano
social, o equivalente da obra de Darwin no plano da evolução das espécies. [8]
Dificilmente um cientista social treinado ou exercendo seu ofício na segunda metade do
século XX passaria incólume pela avalanche de críticas pós-estruturalistas e pós-modernas com
essas posições. E isso certamente ajuda a explicar por que muitos alunos de ciências sociais até hoje
possuem pouco ou nenhum contato com sua obra, mesmo com sua evidente notoriedade pública.

30
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Esse difícil diálogo com os pares talvez explique a energia orientada por décadas no campo das
políticas públicas de educação.
Mas além da questão da evolução outro motivo que o levou a certo isolamento na
comunidade dos etnólogos brasileiros foi o fato de se negar a ficar circunscrito ao exótico e ao local,
que a seu ver era o erro de muitos de seus colegas de ofício.
Esses meus colegas têm um irresistível pendor barbarológico e um apego a toda conduta desviante e
bizarra. Dedicam seu parco talento a quanto tema bizarro lhes caia em mãos, negando-se sempre,
aparvalhados, a usar suas forças para entender a nós mesmos, fazendo antropologias da civilização.[9]
Suas citadas passagens pelo Ministério da Educação e Cultura, pelo governo Leonel Brizola,
no Rio de Janeiro, na criação da UnB e nos Cieps estavam em consonância com essa perspectiva de
desenvolver uma nova práxis nacional – a formação de uma nova civilização exigia uma nova forma
de pensar, e o acesso à educação garantiria esse novo pensar, tão caboclo e eclético quanto o povo.
O livro que ele julgava ser a coroação de suas reflexões de décadas foi O povo brasileiro: a
formação e o sentido do Brasil, que seguia também a trilha da reconstrução histórico/evolutiva
daquilo que seria o Brasil. A leitura do Prefácio indica um pensador que sabia estar no crepúsculo
da vida, mas antes dever legar às novas gerações uma interpretação do país que tanto amou. Ali
não só faz uma retrospectiva dos livros que antecederam O povo brasileiro, como também anuncia
o conceito que atravessa toda a sua obra, o de “transfiguração étnica”, um processo pelo qual os
povos surgem, transformam-se e morrem.
Então, mesmo tributário de autores que procuraram atribuir um sentido positivo à
mestiçagem brasileira, como o citado Gilberto Freyre (aliás, num debate de titãs com outros pesos-
pesados do nosso pensamento social, como Euclides da Cunha e Oliveira Viana), nunca negou as
dores do parto da nação. Pelo contrário, destacou nessa e em outras obras a violência que guiou o
projeto civilizatório lusitano:
Os brasilíndios foram chamados de mamelucos pelos jesuítas espanhóis horrorizados com a bruteza e a
desumanidade dessa gente castigadora do gentio materno. Nenhuma designação podia ser mais
apropriada. O termo se referia a uma casta de escravos que os árabes tomavam de seus pais para criar e
adestrar em suas casas-criatórios; [...] podiam alcançar a alta condição de mamelucos se revelassem
talento para o mando e a suserania islâmica sobre a gente de que foram tirados. [10]
Desse modo, de forma perversa, os filhos das índias com os portugueses eram o principal
elemento na empresa da captura dos não brancos – primeiro os índios, depois os negros dos
quilombos. Como sabemos, muitos deles estiveram com Domingos Jorge Velho (sobrinho) no
extermínio de Palmares.

31
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Às vezes se diz que nossa característica essencial é a cordialidade, que faria de nós um povo por
excelência gentil e pacífico. Será assim? A feia verdade é que conflitos de toda a ordem dilaceraram a
história brasileira, étnicos, sociais, econômicos, religiosos, raciais etc. […] Assim, a luta dos Cabanos,
contendo, embora, tensões inter-raciais (brancos versus caboclos), ou classistas
(senhoresversus serviçais), era, em essência, um conflito interétnico, porque ali uma etnia disputava a
hegemonia, querendo dar sua imagem étnica à sociedade. O mesmo ocorre em Palmares, tida
frequentemente como uma luta classista (escravosversus senhores) que se fez, no entanto, no
enfrentamento racial, que por vezes se exibe como seu componente principal.[11]
Aqui vemos que, sem desprezar o componente econômico, o antropólogo olha para os
conflitos de base étnica que levaram à transfiguração das populações nativas e trazidas do outro
lado do Atlântico. E é nessa forma de combinação teórica que vemos aflorar seu explícito ecletismo:
usa Marx, mas não perdoa o serviçalismo do PCB ante Moscou; usa Freyre, mas não poupa sua
abordagem idílica na relação entre a casa-grande e a senzala:
Gilberto Freyre se enlanguece, descrevendo a atração que exercia a mulher morena sobre o português,
inspirado nas lendas da moira encantada e até nas reminiscências de uma admiração lusitana à
superioridade cultural e técnica dos seus antigos amos árabes. Essas observações podem até ser
verdadeiras e são, seguramente, atrativas como bizarrices. Ocorre, porém, que são totalmente
desnecessárias para explicar um intercurso sexual que sempre se deu no mundo inteiro, onde quer que o
europeu deparasse com gente de cor em ausência de mulheres brancas. [12]
Para Darcy Ribeiro, a marca da nacionalidade reside exatamente neste ponto: a violência do
europeu serviu para desenraizar, por meio da cultura e da miscigenação, os componentes indígenas
e africanos, tornando-os “ninguém” – já não serviam para ser índios, ou nem se viam mais como
africanos, e muito menos eram considerados brancos.
Mas, se esse havia sido o destino dos povos indígenas e africanos que foram triturados ao
longo da nossa história, também essas vicissitudes desencadearam um processo “criatório de
gente”, que conduziria o país à condição de uma nova Roma:
Uma Roma tardia e tropical. [...] Mais alegre, porque mais sofrida. Melhor, porque incorpora em si mais
humanidades. Mais generosa, porque aberta a convivência com todas as raças e todas as culturas e
porque assentada na mais bela e luminosa província da Terra. [13]
Temos então a crença inabalável de um intelectual-militante que nunca duvidou das virtudes
de um povo gestado a ferro e sangue, que ao final poderia ser a antítese de todos os particularismos
e xenofobias que grassaram o século XX. As benesses da natureza, associadas a um povo em
permanente formação e capaz de incorporar e recriar o elemento exógeno, seriam as garantias
dessa nova civilização.

32
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Fica evidente, nessa rápida aproximação à obra de Darcy Ribeiro, que existem flancos
descobertos passíveis de críticas. Não só os já citados evolucionismo e ecletismo, ou ainda o
otimismo ao nível do paroxismo quanto ao destino do país, além da forma como conduziu a
elaboração e promulgação das Leis de Diretrizes e Bases da Educação, criticado à época devido ao
pouco diálogo com os diversos setores envolvidos.
Por isso vale a pena sugerir a leitura do seu último livro, preparado no mesmo período de O
povo brasileiro, após sua fuga do tratamento hospitalar – trata-se de sua autobiografia Confissões,
título não por coincidência homônimo ao de Santo Agostinho, além do de Rousseau.
Ali, ele procura descrever sua infância e formação nas Minas Gerais, o que torna clara, por
exemplo, sua predileção pelos neologismos e termos usados pelo povo simples, no melhor estilo
Guimarães Rosa (“fazimento”, “ninguendade”). Descreve suas alegrias e desencontros na
universidade, no Executivo e no Legislativo, suas amizades, seu combate à doença, seu gosto pelas
letras e por “contação” de histórias, além da obsessão de toda vida, uma explicação sobre o Brasil
e o destino do país. Ele reconhece ali, enfim, a dificuldade de usar o arcabouço conceitual que nos
foi legado para essa empreitada, muito em função de berço eurocentrista, mas indica que é trabalho
do qual não se deve fugir. Nem mesmo quando o fim se aproxima:
A você que fica aí, inútil, vivendo vida insossa, só digo: “Coragem! Mais vale errar, se arrebentando, do
que poupar-se para nada. O único clamor da vida é por mais vida, bem vivida. Essa é, aqui e agora, a
nossa parte. Depois, seremos matéria cósmica, sem memória de virtudes e gozos. Apagados, minerais.
Para sempre mortos”.[14]
Esse era Darcy Ribeiro: antropólogo, educador, político, mas acima de tudo um apaixonado.

[a] Para registro de autoria, a primeira parte foi escrita por Isa Grinspum Ferraz e a segunda por Agnaldo
dos Santos, ambos especialmente para esta coletânea e em diálogo a fim de abarcar com rigor a vida e as
múltiplas facetas da obra de Darcy Ribeiro. (N. E.)
[1] Trad. Eduardo Brandão, São Paulo, Studio Nobel, 2001, p. 158.
[2] Ibidem, p. 156.
[3] Darcy Ribeiro, O processo civilizatório: estudos de antropologia da civilização (col. Grandes Nomes do
Pensamento Brasileiro, São Paulo, Companhia das Letras/Publifolha, 2000), p. 242.
[4] Ibidem, p. xvii.
[5] Ibidem, p. 3.
[6] Ibidem, p. 178.
[7] Ibidem, p. 242-3.
[8] Ibidem, p. xxiii.

33
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

[9] Darcy Ribeiro, O povo brasileiro: a formação e o sentido do Brasil (2. ed., São Paulo, Companhia das
Letras, 1995), p. 15.
[10] Ibidem, p. 107-8.
[11] Ibidem, p. 167.
[12] Ibidem, p. 237.
[13] Ibidem, p. 454-5.
[14] Darcy Ribeiro, Confissões (São Paulo, Companhia das Letras, 1997).

34
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 2: Categorias básicas da Economia Política para compreender os


processos históricos

Prefácio à "Contribuição à Crítica da Economia Política”, por Karl Marx

Estudo o sistema da economia burguesa nesta ordem: capital, propriedade do solo, trabalho
assalariado, Estado, comércio exterior, mercado mundial. Sob os três primeiros títulos, investigo as
condições econômicas de vida de três grandes classes em que se divide a moderna sociedade
burguesa; a conexão entre os três títulos restante salta à vista. A primeira seção do livro primeiro
que trata do capital, contém os seguintes capítulos: 1) a mercadoria; 2) o dinheiro ou circulação
simples; 3) o capital, em geral. Os dois primeiros capítulos formam o conteúdo do presente fascículo.
Tenho diante de mim todos os materiais da obra na forma de monografias, redigidas a grandes
intervalos de tempo para o esclarecimento das minhas próprias idéias e não para publicação; a
elaboração sistemática de todos esses materiais, de acordo com o plano estabelecido, dependerá
de circunstâncias externas.
Embora tenha esboçado urna Introdução geral, prescindo dela, pois bem pensadas as coisas,
creio que adiantar resultados que vão ser demonstrados, seria antes um estorvo, e o leitor que
queria realmente acompanhar-me deverá estar disposto a seguir do particular para o geral. Por
outro lado, parecem-me oportunas aqui algumas referências à trajetória dos meus estudos de
economia política.
Os meus estudos profissionais eram os de jurisprudência, com que, todavia, só me preocupei
como disciplina secundária, ao lado da filosofia e da história. Em 1842-43, sendo redator da Gazeta
Renana1 vi-me pela primeira vez no difícil transe de ter que opinar sobre os chamados interesses
materiais. Os debates da Dieta renana sobre a destruição furtiva e o parcelamento da propriedade
do solo, a polêmica oficial mantida entre o sr. von Schaper, na ocasião governador da província
renana, e a Gazeta Renana sobre a situação dos camponeses do Mosela e, finalmente, os debates
sobre o livre câmbio e o protecionismo levaram-me a ocupar-me pela primeira vez de questões
econômicas. Por outro lado, naqueles tempos em que o bom desejo de 'marchar na vanguarda"
superava de muito o conhecimento da matéria, a Gazeta Renana deixava transparecer um eco do
socialismo e do comunismo, francês, tingido de um leve matiz filosófico. Declarei-me contra aqueles
embustes, m confessando ao mesmo tempo, de modo categórico, numa controvérsia com a Gazeta
Geral de Augsburgo2, que os meus estudos até então não me permitiam aventurar nenhum juízo
sobre o conteúdo propriamente dito das tendências francesas. Em vez disso, aproveitei avidamente

35
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

a ilusão dos gerentes da Gazeta Renana, que acreditavam que, suavizando a atitude do periódico,
conseguiriam a revogação da sentença de morte já decretada contra ele, para retirar-me da cena
pública para meu quarto de estudo.
O meu primeiro trabalho, empreendido para resolver as dúvidas que me assaltavam, foi uma
revisão crítica da filosofia hegeliana do direito, trabalho cuja introdução veio a lume em 1844, nos
Anais Franco-Alemães3, que se publicavam em Paris. A minha investigação desembocava no
resultado de, que tanto as relações jurídicas como as formas de Estado não podem ser
compreendidas por si mesmas nem pela chamada evolução geral do espírito humano, mas se
baseiam, pelo contrário, nas condições materiais de vida cujo conjunto Hegel resume, seguindo o
precedente dos ingleses ou franceses do século XVIII, sob o nome de "sociedade civil", e que a
anatomia da sociedade civil precisa ser procurada na economia política. Em Bruxelas, para onde me
transferi, em virtude de uma ordem de expulsão imposta pelo sr. Guizot, tive ocasião de prosseguir
nos meus estudos de economia política, Iniciados em Paris. O resultado geral a que cheguei e que,
uma vez obtido, serviu de fio condutor aos meus estudos, pode resumir-se assim: na produção social
da sua vida, os homens contraem determinadas relações necessárias e independentes da sua
vontade, relações de produção que correspondem a uma determinada fase de desenvolvimento das
suas forças produtivas materiais. O conjunto dessas relações de produção forma a estrutura
econômica da sociedade, a base real sobre a qual se levanta a superestrutura jurídica e política e à
qual correspondem determinadas formas de consciência social. O modo de produção da vida
material condiciona o processo da vida social, política e espiritual em geral. Não é a consciência do
homem que determina o seu ser, mas, pelo contrário, o seu ser social é que determina a sua
consciência. Ao chegar a uma determinada fase de desenvolvimento, as forças produtivas materiais
da sociedade se chocam com as relações de produção existentes, ou, o que não é senão a sua
expressão jurídica, com as relações de propriedade dentro das quais se desenvolveram até ali. De
formas de desenvolvimento das forças produtivas, estas relações se convertem em obstáculos a
elas. E se abre, assim, uma época de revolução social. Ao mudar a base econômica, revoluciona-se,
mais ou menos rapidamente, toda a imensa superestrutura erigida sobre ela. Quando se estudam
essas revoluções, é preciso distinguir sempre entre as mudanças materiais ocorridas nas condições
econômicas de produção e que podem ser apreciadas com a exatidão própria das ciências naturais,
e as formas jurídicas, políticas, religiosas, artísticas ou filosóficas, numa palavra, as formas
ideológicas em que os homens adquirem consciência desse conflito e lutam para resolvê-lo. E do
mesmo modo que não podemos julgar um indivíduo pelo que ele pensa de si mesmo, não podemos
tampouco julgar estas épocas de revolução pela sua consciência, mas, pelo contrário, é necessário
36
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

explicar esta consciência pelas contradições da vida material, pelo conflito existente entre as forças
produtivas sociais e as relações de produção. Nenhuma formação social desaparece antes que se
desenvolvam todas as forças produtivas que ela contém, e jamais aparecem relações de pr6dução
novas e mais altas antes de amadurecerem no seio da própria sociedade antiga as condições
materiais para a sua existência. Por isso, a humanidade se propõe sempre apenas os objetivos que
pode alcançar, pois, bem vistas as coisas, vemos sempre, que esses objetivos só brotam quando já
existem ou, pelo menos, estão em gestação as condições materiais para a rua realização. A grandes
traços podemos designar como outras tantas épocas de progresso, na formação econômica da
sociedade, o modo de produção asiático, o antigo, o feudal e o moderno burguês. As relações
burguesas de produção são a última forma antagônica do processo social de produção, antagônica,
não no sentido de um antagonismo individual, mas de um antagonismo que provém das condições
sociais de vida dos indivíduos. As forças produtivas, porém, que se desenvolvem no selo da
sociedade burguesa criam, ao mesmo tempo, as condições materiais para a solução desse
antagonismo. Com esta formação social se encerra, portanto, a pré-história da sociedade humana.
Engels, com quem mantive constante intercâmbio escrito, de idéias, desde a publicação do seu
genial esboço sobre a crítica das categorias econômicas (nos Anais Franco-Alemães), havia chegado
por caminho diferente (veja-se o seu livro A Situação da Classe Operária na Inglaterra) ao mesmo
resultado que eu. E quando, na primavera de 1845, ele se estabeleceu também em Bruxelas,
resolvemos trabalhar em conjunto para opor o nosso ponto de vista ao ponto de vista Ideológico da
filosofia alemã; na realidade, liquidar com a nossa consciência filosófica anterior. 0 propósitos foi
realizado sob a forma de uma crítica da filosofia pós-hegeliana. O manuscrito - dois grossos volumes
in octavo4 - já estava há muito tempo na Vestfália, no lugar em que deveria ser editado, quando nos
inteiramos de que novas circunstâncias imprevistas Impediam a sua publicação. Em vista disso,
entregamos o manuscrito à crítica roedora dos ratos, de muito bom grado, pois o nosso objetivo
principal- esclarecer as nossas próprias idéias, já estava alcançado. Entre os trabalhos dispersos em
que, por aquela época, expusemos ao público as nossas idéias, sob vários aspectos, só citarei o
Manifesto do Partido Comunista, redigido em colaboração por Engels e por mim, e um Discurso
Sobre o Livre Câmbio, que publiquei. Os pontos decisivos da nossa concepção foram expostos pela
primeira vez, cientificamente, embora só em forma polêmica, na obra Miséria da Filosofia, etc.,
publicada por mim em 1847 e dirigida contra Proudhon. A publicação de um estudo escrito em
alemão sobre o Trabalho Assalariado, que reunia as conferências pronunciadas por mim sobre este
tema, na Associação Operária Alemã de Bruxelas, foi interrompida pela Revolução de Fevereiro, que
trouxe como conseqüência o meu afastamento forçado da Bélgica.
37
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A publicação da Nova Gazeta Renana (1848-1849) e os acontecimentos posteriores


interromperam os meus estudos econômicos, que só pude reiniciar em 1850, em Londres. Os
imensos materiais para a história da economia política acumulados no British Museum, a posição
tão favorável que oferece Londres à observação da sociedade burguesa e, finalmente, a nova fase
de desenvolvimento em que parecia entrar esta com a descoberta do ouro da Califórnia e da
Austrália, me impulsionaram a recomeçar do princípio, abrindo caminho, de modo crítico, através
dos novos materiais. Esses estudos me levavam, às vezes, por si mesmos, a campos aparentemente
afastados e nos quais tinha de deter-me durante algum tempo. Mas o que sobretudo me roubava o
tempo era a necessidade imperiosa de trabalhar para viver. A minha colaboração, desde há oito
anos, no primeiro jornal anglo-americano, o New York Tribune5, obrigava-me a dispersar
extraordinariamente os meus estudos, de vez que só em casos excepcionais me dedico a escrever
para a imprensa correspondências propriamente ditas. Os artigos sobre os acontecimentos
econômicos mais em evidência da Inglaterra e do Continente constituíam parte tão importante da
minha colaboração, que isso me obrigava a familiarizar-me com uma série de pormenores de caráter
prático situados fora da órbita da ciência propriamente econômica.
Este esboço sobre a trajetória dos meus estudos no campo da economia política tende
simplesmente a demonstrar que as minhas idéias, qualquer que seja o juízo que mereçam, e por
muito que se choquem com os preconceitos interessados das classes dominantes. são o fruto de
longos anos de conscienciosa investigação. E à porta da ciência, como à porta do inferno, deveria
estampar-se esta divisa:
Qui si convien Iasciare ogni sospetto;
Ogni vità convien che qui sia morta6 .
K. Marx.

Londres, Janeiro de 1859. Publicado no livro de K. Marx Contribuição à Crítica da Economia Política.
Editado em Berlim em 1859. Publica-se de acordo com a edição soviética de 1931, em espanhol,
cujo texto foi traduzido da edição de 1859. Traduzido do espanhol.

______________
1
Reich Zeitung - Diário radical publicado em Colônia em 1842-1843. Marx foi seu redator-chefe de 15 de outubro de
1842 a 18 de março de 1843 (N. da R.)
2
Marx se refere aqui ao seu artigo O Comunismo e a “Gazeta Geral de Augsburgo”. Veja-se K. Marx o F. Engels,
Cesamtausgabe, Erste Abt., Bd. I. Frankfurt ª M. 1927, S. 260-265 (N. da R.)

38
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju
3
Deutsch-Franzoesische Jahrbucher - órgão da propaganda revolucionária e comunista, editado por Marx em Paris, no
ano de 1844 (N. da R)
4
Trata-se da obra de Marx e Engels A Ideologia Alem . (N. da R.)
5
New York Daily Tribune - Diário democrático que se publicou em Nova York entre 1841 e 1924. Marx colaborou nele de
1851 a 1862. (N. da R.)
6
“Deixe-se aqui tudo o que é suspeito - Mate-se aqui toda vileza” (Dante - A Divina Comédia) (N. da R.)

39
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 3: Formação Social e Econômica do Brasil: do processo de


colonização e estrutura patriarcal ao desenvolvimento capitalista
dependente

Caráter Inicial e Geral da Formação Econômica Brasileira, por Caio Prado Jr.

Capítulo do Livro “História Econômica do Brasil”, de Caio Prado Jr.

Para se compreender o caráter da colonização brasileira é preciso recuar no tempo para antes
do seu início, e indagar das circunstâncias que a determinaram. A expansão marítima dos países da
Europa, depois do séc. XV, expansão de que a descoberta e colonização da América constituem o
capítulo que particularmente nos interessa aqui, se origina de simples empresas comerciais levadas
a efeito pelos navegadores daqueles países. Deriva do desenvolvimento do comércio continental
europeu que até o séc. XIV é quase unicamente terrestre e limitado, por via marítima, a uma
mesquinha navegação costeira e de cabotagem. Como se sabe, a grande rota comercial do mundo
europeu que sai do esfacelamento do Império do Ocidente, é a que liga por terra o Mediterrâneo
ao mar do Norte, desde as repúblicas italianas, através dos Alpes, dos cantões suíços, dos grandes
empórios do Reno, até o estuário do rio onde estão as cidades flamengas. No séc. XIV, mercê de
uma verdadeira revolução na arte de navegar e nos meios de transporte por mar, outra rota ligará
aqueles dois pólos do comércio europeu: será a marítima que contorna o continente pelo estreito
de Gibraltar. Rota que subsidiária a princípio, substituirá afinal a primitiva no grande lugar que ela
ocupava. O primeiro reflexo desta transformação, a princípio imperceptível, mas que se revelará
profunda e revolucionará todo o equilíbrio europeu, foi deslocar a primazia comercial dos territórios
centrais do continente, por onde passava a antiga rota, para aqueles que formam a sua fachada
oceânica, a Holanda, a Inglaterra, a Normandia, a Bretanha, a Península Ibérica.
Este novo equilíbrio firma-se desde princípios do séc. XV. Dele derivará, não só todo um novo
sistema de relações internas do continente como, nas suas consequências mais afastadas, a
expansão européia ultramarina. O primeiro passo estava dado, e a Europa deixará de viver recolhida
sobre si mesma para enfrentar o Oceano. O papel de pioneiro nesta nova etapa caberá aos
portugueses, os melhores situados, geograficamente, no extremo desta península que avança pelo
mar. Enquanto os holandeses, ingleses, normandos e bretões se ocupam na vida comercial recém-
aberta, e que bordeja e envolve pelo mar o ocidente europeu, os portugueses vão mais longe,
procurando empresas em que não encontrassem concorrentes mais antigos já instalados, e para o

40
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

que contavam com vantagens geográficas apreciáveis: buscarão a costa ocidental da África,
traficando aí com os mouros que dominavam as populações indígenas. Nesta avançada pelo Oceano
descobrirão as Ilhas (Cabo Verde, Madeira, Açores), e continuarão perlongando o continente negro
para o sul. Tudo isso se passa ainda na primeira metade do séc. XV. Lá por meados dele, começa a
se desenhar um plano mais amplo: atingir o Oriente contornando a África. Seria abrir para seu
proveito uma rota que os poria em contacto direto com as opulentas Índias das preciosas
especiarias, cujo comércio fazia a riqueza das repúblicas italianas e dos mouros, por cujas mãos
transitavam até o Mediterrâneo. Não é preciso repetir aqui o que foi o périplo africano, realizado
afinal depois de tenazes e sistemáticos esforços de meio século.
Atrás dos portugueses lançam-se os espanhóis. Escolheram outra rota: pelo Ocidente, ao invés
do Oriente. Descobrirão a América, seguidos de perto pelos portugueses que também toparão com
o novo continente. Virão depois dos países peninsulares, os franceses, ingleses, holandeses, até
dinamarqueses e suecos. A grande navegação oceânica estava aberta, e todos procuravam tirar
partido dela. Só ficarão atrás aqueles que dominavam o antigo sistema comercial terrestre ou
mediterrâneo, e cujas rotas iam passando para o segundo plano: mal situados geograficamente com
relação às novas rotas, e presos a um passado que ainda pesava sobre eles, serão os retardatários
da nova ordem. A Alemanha e a Itália passarão para um plano secundário a par dos novos astros
que se levantavam no horizonte: os países ibéricos, a Inglaterra, a França, a Holanda.
Em suma e no essencial, todos os grandes acontecimentos desta era a que se convencionou
com razão chamar de "descobrimentos", articulam-se num conjunto que não é senão um capítulo
da história do comércio europeu. Tudo que se passa são incidentes da imensa empresa comercial a
que se dedicam os países da Europa a partir do séc. XV e que lhes alargará o horizonte pelo Oceano
afora. Não têm outro caráter a exploração da costa africana e o descobrimento e a colonização das
Ilhas pelos portugueses, o roteiro das índias, o descobrimento da América, a exploração e ocupação
de seus vários setores. É este último o capítulo que mais nos interessa aqui; mas não será, em sua
essência, diferente dos outros. É sempre como traficantes que os vários povos da Europa abordarão
cada uma daquelas empresas que lhes proporcionarão sua iniciativa, seus esforços, o acaso e as
circunstâncias do momento em que se achavam. Os portugueses traficarão na costa africana com
marfim, ouro, escravos; na Índia irão buscar especiarias. Para concorrer com eles, os espanhóis,
seguidos de perto pelos ingleses, franceses e demais, procurarão outro caminho para o Oriente; a
América, com que toparam nesta pesquisa, não foi para eles, a princípio, senão um obstáculo oposto
à realização de seus planos e que devia ser contornado. Todos os esforços se orientam então no
sentido de encontrar uma passagem cuja existência se admitiu a priori. Os espanhóis, situados nas
41
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Antilhas desde o descobrimento de Colombo, exploram a parte central do continente: descobrirão


o México; Balboa avistará o Pacífico; mas a passagem não será encontrada. Procura-se então mais
para o sul: as viagens de Solis, de que resultará a descoberta do Rio da Prata, não tiveram outro
objetivo. Magalhães será seu continuador, e encontrará o estreito que conservou o seu nome e que
constitui afinal a famosa passagem tão procurada; mas ela se revelará pouco praticável e será
desprezada. Enquanto isto se passava no sul, as pesquisas se ativam para o norte; a iniciativa cabe
aqui aos ingleses, embora tomassem para isto o serviço de estrangeiros, pois não contavam ainda
com pilotos bastante práticos para empresas de tamanho vulto. As primeiras pesquisas serão
empreendidas pelos italianos João Cabôto e seu filho Sebastião. Os portugueses também figurarão
nestas explorações do Extremo Norte com os irmãos Corte Real, que descobrirão o Labrador. Os
franceses encarregarão o florentino Verazzano de iguais objetivos. Outros mais se sucedem, e
embora tudo isto servisse para explorar e tornar conhecido o novo mundo, firmando a sua posse
pelos vários países da Europa, não se encontra a almejada passagem que hoje sabemos não existir 1.
Ainda em princípios do séc. XVII, a Virgínia Company of London incluía, entre seus principais
objetivos, o descobrimento da brecha para o Pacífico que se esperava encontrar no continente.
Tudo isto lança muita luz sobre o espírito com que os povos da Europa abordam a América. A
idéia de povoar não ocorre inicialmente a nenhum. É o comércio que os interessa, e daí o relativo
desprezo por estes territórios primitivos e vazios que formam a América; e inversamente, o prestígio
do Oriente, onde não faltava objeto para atividades mercantis. A idéia de ocupar, não como se fizera
até então em terras estranhas, apenas com agentes comerciais, funcionários e militares para a
defesa, organizados em simples feitorias destinadas a mercadejar com os nativos e servir de
articulação entre rotas marítimas e os territórios cobiçados, mas ocupar com povoamento efetivo,
isto só surgiu como contingência, necessidade imposta por circunstâncias novas e imprevistas. Aliás,
nenhum povo da Europa estava em condições naquele momento de suportar sangrias na sua
população, que no séc. XVI ainda não se refizera de todo das tremendas devastações da peste que
assolara o continente nos dois séculos precedentes. Na falta de censos precisos, as melhores
probabilidades indicam que em 1500 a população da Europa ocidental não ultrapassava a do milênio
anterior. Nestas condições, "colonizar" ainda era entendido como aquilo que dantes se praticava;
fala-se em colonização, mas o que o termo envolve não é mais que o estabelecimento de feitorias
comerciais, como os italianos vinham de longa data praticando no Mediterrâneo, a Liga Hanseática

1
Também se tentou, a partir de meados do séc. XVI, a passagem para o Oriente pelas regiões árticas, a Europa e Ásia.
A iniciativa cabe ao mesmo Sebastião Cabôto, que já encontramos na América, e mais uma vez a serviço dos ingleses
(1553).
42
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

no Báltico, mais recentemente os ingleses, holandeses e outros no Extremo-Norte da Europa e no


Levante, como os portugueses fizeram na África e na Índia. Na América a situação se apresenta de
forma inteiramente diversa: um território primitivo, habitado por rala população indígena incapaz
de fornecer qualquer coisa de realmente aproveitável. Para os fins mercantis que se tinham em
vista, a ocupação não se podia fazer como nas simples feitorias, com um reduzido pessoal incumbido
apenas do negócio, sua administração e defesa armada; era preciso ampliar estas bases, criar um
povoamento capaz de abastecer e manter as feitorias que se fundassem, e organizar a produção
dos gêneros que interessavam seu comércio. A idéia de povoar surge daí e só daí.
Aqui, ainda Portugal foi um pioneiro. Seus primeiros passos neste terreno são nas ilhas do
Atlântico, postos avançados, pela identidade de condições para os fins visados, do continente
americano; e isto ainda no séc. XV. Era preciso povoar e organizar a produção: Portugal realizou
estes objetivos brilhantemente. Repeti-lo-á na América.
Os problemas do novo sistema de colonização, implicando a ocupação de territórios quase
desertos e primitivos, terão feição variada, dependendo em cada caso das circunstâncias
particulares com que se apresentam. A primeira delas será a natureza dos gêneros aproveitáveis
que cada um daqueles territórios proporcionará. A princípio, naturalmente, ninguém cogitará de
outra coisa que não sejam produtos espontâneos, extrativos. É ainda quase o antigo sistema de
feitorias puramente comerciais. Serão as madeiras de construção ou tinturarias (como o pau-brasil
entre nós), na maior parte deles; também as peles de animais e a pesca no Extremo-Norte, como
na Nova Inglaterra; a pesca será particularmente ativa nos bancos da Terra Nova onde, desde os
primeiros anos do séc. XVI, possivelmente até antes, se reúnem ingleses, normandos, vasconhos.
Os espanhóis serão os mais felizes: toparão desde logo nas áreas que lhes couberam com os metais
preciosos, a prata e o ouro do México e do Peru. Mas os metais, incentivo e base suficiente para o
sucesso de qualquer empresa colonizadora, não ocupam na formação da América senão um lugar
relativamente pequeno. Impulsionarão o estabelecimento e a ocupação das colônias espanholas
citadas; mais tarde, já no séc. XVIII, intensificarão a colonização portuguesa da América do Sul e
levá-la-ão para o centro do continente. Mas é só 2. Os metais, que a imaginação escaldante dos
primeiros exploradores pensava encontrar em qualquer território novo, esperança reforçada pelos
prematuros descobrimentos castelhanos, não se revelaram tão disseminados como se esperava. Na
maior extensão da América ficou-se, a princípio, exclusivamente nas madeiras, nas peles, na pesca;
e a ocupação de territórios, seus progressos e flutuações subordinam-se por muito tempo ao maior

2
Se excetuarmos, quase em nossos dias, o rush da Califórnia e do Alasca.
43
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

ou menor sucesso daquelas atividades. Viria depois, em substituição, uma base econômica mais
estável, mais ampla: seria a agricultura.
Não é meu intuito entrar aqui nos pormenores e vicissitudes da colonização européia na
América. Mas podemos, e isto muito interessa nosso assunto, distinguir duas áreas diversas, além
daquela em que se verificou a ocorrência de metais preciosos, em que a colonização toma rumos
inteiramente diversos. São elas as que correspondem respectivamente às zonas temperada, de um
lado, tropical e subtropical, do outro. A primeira, que compreende grosseiramente o território
americano ao norte da Baía de Delaware (a outra extremidade temperada do continente, hoje
países platinos e Chile, esperará muito tempo antes de tomar forma e significar alguma coisa), não
ofereceu realmente nada de muito interessante, e permanecerá, ainda por muito tempo, adstrita à
exploração de produtos espontâneos: madeiras, peles, pesca. Na Nova Inglaterra, nos primeiros
anos da colonização, viam-se até com maus olhos quaisquer tentativas de agricultura que desviavam
das feitorias de peles e pesca as atividades dos poucos colonos presentes. Se esta área temperada
se povoou, o que aliás só ocorre depois do séc. XVII, foi por circunstâncias muito especiais. É a
situação interna da Europa, em particular da Inglaterra, as suas lutas político-religiosas que desviam
para a América as atenções de populações que não se sentem à vontade e vão procurar ali abrigo e
paz para suas convicções. Isto durará muito tempo; pode-se mesmo assimilar o fato, idêntico no
fundo, a um processo que se prolongará, embora com intensidade variável, até os tempos
modernos, o século passado. Virão para a América puritanos e quakers da Inglaterra, huguenotes
da França, mais tarde morávios, schwenkjelders, inspiracionalistas e menonitas da Alemanha
meridional e Suíça. Durante mais de dois séculos despejar-se-á na América todo o resíduo das lutas
político-religiosas da Europa. É certo que se espalhará por todas as colônias; até no Brasil, tanto
afastado e por isso tanto mais ignorado, procurarão refugiar-se huguenotes franceses (França
Antártica, no Rio de Janeiro). Mas concentrar-se-á quase inteiramente nas da zona temperada, de
condições naturais mais afins às da Europa, e por isso preferidas para quem não buscava "fazer a
América", mas unicamente abrigar-se dos vendavais políticos que varriam a Europa e reconstruir
um lar desfeito ou ameaçado. Há um fator econômico que também concorre na Europa para este
tipo de emigração. É a transformação econômica sofrida pela Inglaterra no correr do séc. XVI, e que
modifica profundamente o equilíbrio interno do país e a distribuição de sua população. Esta é
deslocada em massa dos campos, que de cultivados se transformam em pastagens para carneiros
cuja lã iria abastecer a nascente indústria têxtil inglesa. Constitui-se aí uma fonte de correntes
migratórias que abandonam o campo e vão encontrar na América, que começa a ser conhecida, um
largo centro de afluência. Também estes elementos escolherão, de preferência e por motivos
44
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

similares, as colônias temperadas. Os que se dirigem mais para o sul, para as colônias incluídas na
zona subtropical da América do Norte, porque nem sempre lhes foi dado escolher seu destino com
conhecimento de causa, fá-lo-ão apenas, no mais das vezes, provisoriamente; o maior número deles
refluirá mais tarde, e na medida do possível, para as colônias temperadas. São assim circunstâncias
especiais que não têm relação direta com ambições de traficantes ou aventureiros, que promoverão
a ocupação intensiva e o povoamento em larga escala da zona temperada da América.
Circunstâncias aliás que surgem posteriormente ao descobrimento do novo continente, e que não
se filiam à ordem geral e primitiva de acontecimentos que impelem os povos da Europa para o
ultramar. Daí derivará também um novo tipo de colonização que tomará um caráter inteiramente
apartado dos objetivos comerciais até então dominantes neste gênero de empresas. O que os
colonos desta categoria têm em vista é construir um novo mundo, uma sociedade que lhes ofereça
garantias que no continente de origem já não lhes são mais dadas. Seja por motivos religiosos ou
meramente econômicos (estes impulsos aliás se entrelaçam e sobrepõem), a sua subsistência se
tornara lá impossível ou muito difícil. Procuram, então, uma terra ao abrigo das agitações e
transformações da Europa, de que são vítimas, para refazerem nela sua existência comprometida.
O que resultará deste povoamento, realizado com tal espírito e num meio físico muito aproximado
do da Europa, será naturalmente uma sociedade que embora com caracteres próprios, terá
semelhança pronunciada com a do continente de onde se origina. Será pouco mais que um simples
prolongamento dele.
Muito diversa é a história da área tropical e subtropical da América. Aqui a ocupação e o
povoamento tomarão outro rumo. Em primeiro lugar, as condições naturais, tão diferentes do
habitat de origem dos povos colonizadores, repelem o colono que vem como simples povoador, da
categoria daquele que procura a zona temperada. Muito se tem exagerado a inadaptabilidade do
branco aos trópicos, meia verdade apenas que os fatos têm demonstrado e redemonstrado falha
em um sem-número de casos. O que há nela de acertado é uma falta de predisposição em raças
formadas em climas mais frios, e por isso afeiçoadas a eles, em suportarem os trópicos e se
comportarem similarmente neles. Mas falta de predisposição apenas, que não é absoluta e se
corrige, pelo menos em gerações subsequentes, por um novo processo de adaptação. Contudo, se
aquela afirmação, posta em termos absolutos, é falsa, não deixa de ser verdadeira no caso vertente,
isto é, nas circunstâncias em que os primeiros povoadores vieram encontrar a América. São trópicos
brutos indevassados que se apresentam, uma natureza hostil e amesquinhadora do homem,
semeada de obstáculos imprevisíveis, sem conta, para o que o colono europeu não estava
preparado e contra o que não contava com defesas suficientes. Aliás, a dificuldade do
45
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

estabelecimento de europeus civilizados nestas terras americanas entregues ainda ao livre jogo da
natureza, é comum também à zona temperada. Respondendo a teorias apressadas e muito em voga
(são as contidas no livro famoso de Turner, The frontier in American History) um recente escritor
norte-americano analisa este fato com grande atenção, e mostra que a colonização inglesa na
América, realizando-se embora numa zona temperada, só progrediu à custa de um processo de
seleção de que resultou um tipo de pioneiro, o característico ianque, que dotado de aptidão e
técnica particulares, foi marchando na vanguarda e abrindo caminho para as levas mais recentes de
colonos que afluíam da Europa3. Se assim foi numa zona que afora o fato de estar indevassada, se
aproxima tanto por suas condições naturais do meio europeu, que não seria dos trópicos?
Para estabelecer-se aí o colono tinha que encontrar estímulos diferentes e mais fortes que os
que o impelem para as zonas temperadas. De fato assim aconteceu, embora em circunstâncias
especiais que, por isso, também particularizarão o tipo de colono branco dos trópicos. A diversidade
de condições naturais, em comparação com a Europa, que acabamos de ver como um empecilho ao
povoamento, revelar-se-ia por outro lado um forte estímulo. É que tais condições proporcionarão
aos países da Europa a possibilidade da obtenção de gêneros que lá fazem falta. E gêneros de
particular atrativo. Coloquemo-nos naquela Europa anterior ao séc. XVI, isolada dos trópicos, só
indireta e longinquamente acessíveis, e imaginemo-la, como de fato estava, privada quase
inteiramente de produtos que se hoje pela sua banalidade, parecem secundários, eram tão
prezados como requintes de luxo. Tome-se o caso do açúcar, que embora se cultivasse em pequena
escala na Sicília, era artigo de grande raridade e muita procura; até nos enxovais de rainhas ele
chegou a figurar como dote precioso e altamente prezado. A pimenta, importada do Oriente,
constituiu durante séculos o principal ramo do comércio das repúblicas mercadoras italianas, e a
grande e árdua rota das índias não serviu muito tempo para outra coisa mais que para abastecer
dela a Europa. O tabaco, originário da América, e por isso ignorado antes do descobrimento, não
teria, depois de conhecido, menor importância. E não será este também, mais tarde, o caso do anil,
do arroz, do algodão e de tantos outros gêneros tropicais?
Isto nos dá a medida do que representariam os trópicos como atrativo para a fria Europa,
situada tão longe deles. A América por-lhe-ia à disposição, em tratos imensos, territórios que só
esperavam a iniciativa e o esforço do homem. É isto que estimulará a ocupação dos trópicos
americanos. Mas trazendo este agudo interesse, o colono europeu não traria com ele a disposição
de pôr-lhe a serviço, neste meio tão difícil e estranho, a energia do seu trabalho físico. Viria como

3
Marcus Lee Hansen, The immigrant in American History — veja-se o capítulo Immi-gration and Expansión.
46
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

dirigente da produção de gêneros de grande valor comercial, como empresário de um negócio


rendoso; mas só a contragosto, como trabalhador. Outros trabalhariam para ele.
Nesta base realizar-se-ia uma primeira seleção entre os colo-nos que se dirigem
respectivamente para um e outro setor do novo mundo: o temperado e os trópicos. Para estes, o
europeu só se dirige de livre e espontânea vontade quando pode ser um dirigente, quando dispõe
de recursos e aptidões para isto; quando conta com outra gente que trabalhe para ele. Mais uma
circunstância vem re-forçar esta tendência e discriminação. É o caráter que tomará a exploração
agrária nos trópicos. Esta se realizará em larga escala, isto é, em grandes unidades produtoras —
fazendas, engenhos, plantações (as plantations das colônias inglesas) — que reúnem, cada qual, um
número relativamente avultado de trabalhadores. Em outras palavras, para cada proprietário
(fazendeiro, senhor ou plantador), haveria muitos trabalhadores subordinados e sem propriedade.
Voltarei em outro capítulo, com mais vagar, sobre as causas que determinaram este tipo de
organização da produção tropical. A grande maioria dos colonos estava assim, nos trópicos,
condenada a uma posição dependente e de baixo nível; ao trabalho em proveito de outros e
unicamente para a subsistência própria de cada dia. Não era para isto, evidentemente, que se
emigrava da Europa para a América. Assim mesmo, até que se adotasse universalmente nos trópicos
americanos a mão de obra escrava de outras raças, indígenas do continente ou negros africanos
importados, muitos colonos europeus tiveram de se sujeitar, embora a contragosto, àquela
condição. Ávidos de partir para a América, ignorando muitas vezes seu destino certo, ou decididos
a um sacrifício temporário, muitos partiram para se engajar nas plantações tropicais como simples
trabalhadores. Isto ocorreu particularmente, e em grande escala, nas colônias inglesas: Virgínia,
Maryland, Carolina. Em troca do transporte, vendiam seus serviços por um certo lapso de tempo.
Outros partiam como deportados; também menores, abandonados ou vendidos pelos pais ou
tutores, eram levados naquelas condições para a América a fim de servirem até a maioridade. É uma
escravidão temporária que será substituída inteiramente, em meados do séc. XVII, pela definitiva
de negros importados. Mas a maior parte daqueles colonos só esperava o momento oportuno para
sair da condição que lhes fora imposta; quando não conseguiam estabelecer-se como plantador e
proprietário por conta própria — o que é exceção naturalmente —, emigravam logo que possível
para as colônias temperadas, onde (ao menos tinham um gênero de vida mais afeiçoado a seus
hábitos e maiores oportunidades de progresso. Situação de instabilidade do trabalho nas plantações
do Sul que durará até a adoção definitiva e geral do escravo africano. O colono europeu ficará então
aí na única posição que lhe competia: a de dirigente e grande proprietário rural.

47
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Nas demais colônias tropicais, inclusive no Brasil, não se chegou nem a ensaiar o trabalhador
branco. Isto porque nem na Espanha, nem em Portugal, a quem pertencia a maioria delas, havia,
como na Inglaterra, braços disponíveis e dispostos a emigrar a qualquer preço. Em Portugal, a
população era tão insuficiente que a maior parte do seu território se achava ainda, em meados do
séc. XVI, inculto e abandonado; faltavam braços por toda parte, e em-pregava-se em escala
crescente mão de obra escrava, primeiro dos mouros, tanto dos que tinham sobrado da antiga
dominação árabe, como dos aprisionados nas guerras que Portugal levou desde princípios do séc.
XV para seus domínios do norte da África; como depois, de negros africanos, que começam a afluir
para o reino desde meados daquele século. Lá por volta de 1550, cerca de 10% da população de
Lisboa era constituída de escravos negros. Nada havia, portanto, que provocasse no Reino um êxodo
da população; e é sabido como as expedições do Oriente depauperaram o país, datando de então,
e atribuível em grande parte a esta causa, a precoce decadência lusitana.
Além disso, portugueses e espanhóis, particularmente estes últimos, encontram nas suas
colônias indígenas que se puderam aproveitar como trabalhadores. Finalmente, os portugueses
tinham sido os precursores desta feição particular do mundo moderno: a escravidão de negros
africanos; e dominavam os territórios que os forneciam. Adotaram-na por isso, em sua colina, quase
de início — possivelmente de início mesmo —, precedendo os ingleses, sempre imitadores
retardatários, de quase um século.4
Como se vê, as colônias tropicais tomaram um rumo inteiramente diverso do de suas irmãs
da zona temperada. Enquanto nestas se constituirão colônias propriamente de povoamento (o
nome ficou consagrado depois do trabalho clássico de Leroy Beaulieu, De la colonisation chez les
peuples modernes) escoadouro para excessos demográficos da Europa, que reconstituem no novo
mundo uma organização e uma sociedade à semelhança do seu modelo e origem europeus; nos
trópicos, pelo contrário, surgirá um tipo de sociedade inteiramente original. Não será a simples
feitoria comercial que já vimos irrealizável na América. Mas conservará, no entanto, um acentuado
caráter mercantil; será a empresa do colono branco que reúne à natureza pródiga em recursos
aproveitáveis para a produção de gêneros de grande valor comercial, o trabalho recrutado entre
raças inferiores que domina: indígenas ou negros africanos importados. Há um ajustamento entre
os tradicionais objetivos mercantis que assinalam o início da expansão ultramarina da Europa, e que
são conservados, e as novas condições em que se realizará a empresa. Aqueles objetivos, que vemos

4
Não se sabe ao certo quando chegaram os primeiros negros ao Brasil; há grandes probabilidades de terem vindo já
na primeira expedição colonizadora em 1531. Na América do Norte, a primeira leva de escravos africanos foi
introduzida por tra-ficantes holandeses em Jamestown (Virgínia) em 1619.
48
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

passar para o segundo plano nas colônias temperadas, manter-se-ão aqui, e marcarão
profundamente a feição das colônias do nosso tipo, ditando-lhes o destino. No seu conjunto, e vista
no plano mundial e internacional, a colonização dos trópicos toma o aspecto de uma vasta empresa
comercial, mais complexa que a antiga feitoria, mas sempre com o mesmo caráter que ela,
destinada a explorar os recursos naturais de um território virgem em proveito do comércio europeu.
É este o verdadeiro sentido da colonização tropical, de que o Brasil é uma das resultantes; e ele
explicará os elementos fundamentais, tanto no social como no econômico, da formação e evolução
histórica dos trópicos americanos. Se vamos à essência da nossa formação, veremos que na
realidade nos constituímos para fornecer açúcar, tabaco, alguns outros gêneros; mais tarde, ouro e
diamante; depois algodão, e em seguida café, para o comércio europeu. Nada mais que isto. É com
tal objetivo, objetivo exterior, voltado para fora do país e sem atenção a considerações que não
fossem o interesse daquele comércio, que se organizarão a sociedade e a economia brasileiras. Tudo
se disporá naquele sentido: a estrutura social, bem como as atividades do país. Virá o branco
europeu para especular, realizar um negócio; inverterá seus cabedais e recrutará a mão de obra de
que precisa: indígenas ou negros importados. Com tais elementos, articulados numa organização
puramente produtora, mercantil, constitu-ir-se-á a colônia brasileira.
Este início, cujo caráter manter-se-á dominante através dos séculos da formação brasileira,
gravar-se-á profunda e totalmente nas feições e na vida do país. Particularmente na sua estrutura
econômica. E prolongar-se-á até nossos dias, em que apenas começamos a livrar-nos deste longo
passado colonial. Tê-lo em vista é compreender o essencial da evolução econômica do Brasil, que
passo agora a analisar.

49
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 4: A questão agrária no Brasil e a luta pela terra

Introdução de “A Questão Agrária no Brasil”, por João Pedro Stedile

Introdução da Coleção "A Questão Agrária", publicado pela Editora Expressão Popular em
vários volumes, organizado por João Pedro Stedile

O conceito “questão agrária” pode ser trabalhado e interpretado de diversas formas, de


acordo com a ênfase que se quer dar a diferentes aspectos do estudo da realidade agrária. Na
literatura política, o conceito “questão agrária” sempre esteve mais afeto ao estudo dos problemas
que a concentração da propriedade da terra trazia ao desenvolvimento das forças produtivas de
uma determinada sociedade e sua influência no poder político. Na Sociologia, o conceito “questão
agrária” é utilizado para explicar as formas como se desenvolvem as relações sociais, na organização
da produção agrícola. Na Geografia, é comum a utilização da expressão “questão agrária” para
explicar a forma como as sociedades, como as pessoas vão se apropriando da utilização do principal
bem da natureza, que é a terra, e como vai ocorrendo a ocupação humana no território. Na História,
o termo “questão agrária” é usado para ajudar a explicar a evolução da luta política e a luta de
classes para o domínio e o controle dos territórios e da posse da terra.
Aqui, vamos trabalhar o conceito de “questão agrária” como o conjunto de interpretações e
análises da realidade agrária, que procura explicar como se organiza a posse, a propriedade, o uso
e a utilização das terras na sociedade brasileira.
Os estudos acadêmicos e científicos da realidade agrária no Brasil lamentavelmente são
muito recentes. Evidentemente, essa ausência e verdadeira carência de estudos sobre a nossa
realidade, nos mais abrangentes aspectos, é conseqüência do longo período de “escuridão”
científica que nos impuseram nos 400 anos de colonialismo. Basta lembrar que a primeira
universidade brasileira surgiu apenas em 1903, a Universidade Cândido Mendes, por iniciativa de
uma família de verdadeiros iluministas, que quiseram se dedicar à ciência. As universidades públicas
foram criadas no Brasil somente após uma verdadeira revolução cultural ocorrida em 1922, por
ocasião da Semana de Arte Moderna, que projetou a necessidade do surgimento de um pensamento
nacional, brasileiro, que se dedicasse às artes, à cultura e à ciência nos seus mais diferentes
aspectos.

50
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A carência e a verdadeira ignorância sobre as questões agrárias em nosso país são frutos
dessa submissão colonial, que impediu o desenvolvimento das idéias, das pesquisas e do
pensamento nacional durante os 400 anos de colonialismo.
A história da bibliografia brasileira sobre a questão agrária é muito recente. A rigor, o
primeiro grande debate de idéias e teses que interpretavam, de maneira diferente, as origens e as
características da posse, da propriedade e do uso da terra no Brasil somente aconteceu na década
de 1960. E aconteceu não pelo desenvolvimento da ciência nas universidades, nas academias –
embora as universidades tenham também sido envolvidas por esse debate – mas, sim, pela
necessidade política e sociológica dos partidos políticos.
Antes da década de 1960, surgiram alguns estudos da realidade agrária, pelo viés da historia
econômica. Alguns pensadores realizaram importantes pesquisas sobre a historia econômica de
nosso país e, nesse contexto, trataram do processo de evolução da posse e da propriedade da terra
no Brasil. O primeiro estudo mais sistemático sobre esse tema foi realizado por Roberto Simonsen,
professor da Universidade de São Paulo – USP, um grande intelectual das elites industriais paulistas.
Ele realizou um brilhante estudo da história econômica.5 A obra é um verdadeiro compêndio de suas
aulas de História, ordenadas em uma espécie de guia de estudo, com quase 500 páginas. No seu
conteúdo, o livro nos mostra a interpretação de Simonsen sobre a evolução da questão agrária no
país,6 defendendo a tese de que sempre predominaram relações de produção capitalistas no
desenvolvimento da agricultura brasileira.
Mas foi apenas na década de 1970 que se publicaram diversos estudos sobre a evolução da
questão agrária no Brasil, construindo-se uma interpretação quase consensual do que havia sido a
evolução da posse, da propriedade e do uso da terra, desde o início da colonização aos dias atuais,
em especial a obra que se transformou em um clássico, O escravismo colonial, de Jacob Gorender
(Editora Ática).

5
Publicado pela primeira vez em julho de 1937, com o título de A história econômica do Brasil – 1500-
1820, pela Companhia Editora Nacional.
6
Outros estudos sobre a história econômica do Brasil surgiram na década de 1950, com interpretações mais
apuradas e críticas, como as obras de Celso Furtado, com diversos livros que trataram da formação
econômica do país, e de Caio Prado Júnior, com seu clássico Formação do Brasil Contemporâneo (Editora
Brasiliense).

51
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Uma interpretação da questão agrária brasileira

Primeiro período: de 50.000 a.C. a 1.500 d.C.


Partindo daquilo que hoje poderíamos afirmar ser a corrente hegemônica de interpretação
da evolução da questão agrária no Brasil, vamos elencar alguns elementos para auxiliar o leitor a se
situar no tempo e no espaço e, assim, compreender e interpretar melhor o debate havido na década
de 1960, apresentado em síntese neste volume.
A primeira etapa da formação histórica do que Darcy Ribeiro chamaria mais tarde de
“civilização brasileira” tem seus primórdios na ocupação do nosso território pelas correntes
migratórias que vieram da Ásia, cruzando o estreito do Alasca e ocupando todo o continente
americano. Segundo pesquisas antropológicas, há sinais comprovados da existência de vida humana
no território brasileiro de 50 mil anos atrás. Foram encontrados diversos instrumentos e vestígios
de presença humana no Estado do Piauí. Portanto, por ora, há fortes indícios de que a sociedade
brasileira foi sendo formada e nosso território começou a ser habitado há 50 mil anos. Desde os
primórdios da nossa sociedade até o ano de 1.500 d.C., a História registra que as populações que
habitavam nosso território viviam em agrupamentos sociais, famílias, tribos, clãs, a maioria nômade,
dedicando-se basicamente à caça, à pesca e à extração de frutas, dominando parcialmente a
agricultura. Ou seja, como a natureza era pródiga no fornecimento dos alimentos para suas
necessidades básicas, os povos de nosso território pouco desenvolveram a agricultura.
Domesticaram apenas algumas plantas existentes na natureza, em especial a mandioca, o
amendoim, a banana, o abacaxi, o tabaco; muitas frutas silvestres também eram cultivadas. Essas
tribos, em 1500, já cultivavam o milho, originário de outras regiões do continente, em especial da
América andina e da América Central, o que comprova a existência de intercâmbio e contacto entre
esses povos.
Para efeito do estudo da questão agrária nesse período, sabe-se que esses povos viviam no
modo de produção do comunismo primitivo. Organizavam-se em agrupamentos sociais de 100 a
500 famílias, unidos por algum laço de parentesco, de unidade idiomática, étnica ou cultural. Não
havia entre eles qualquer sentido ou conceito de propriedade dos bens da natureza. Todos os bens
da natureza existentes no território – terra, águas, rios, fauna, flora – eram, todos, de posse e de
uso coletivo e eram utilizados com a única finalidade de atender às necessidades de sobrevivência
social do grupo. E quando os bens da natureza se tornavam escassos em determinadas regiões, os
grupos se deslocavam para outros locais, o que caracterizava a sua condição de vida nômade.
52
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Segundo os estudos de Darcy Ribeiro, em especial os reunidos no livro O povo brasileiro


(Companhia das Letras), quando os colonizadores europeus invadiram nosso território, estima-se
que havia mais de 300 grupos tribais ocupando nosso território para sua sobrevivência, num total
de aproximadamente 5 milhões de pessoas. Ou seja, uma população razoavelmente grande para
aquela época.

Segundo período: de 1500 a 1850


Há diversas teses e registros históricos de que missões de outros povos, seja dos fenícios,
dos árabes, dos africanos e até mesmo de europeus, haviam chegado ao nosso continente antes de
1500, além do registro oficial de descoberta e apoderamento realizado por Cristóvão Colombo, em
1492. Mas este é um debate para os historiadores; a época e os motivos do intercâmbio entre os
povos não é, para a questão agrária, o aspecto principal.
Os portugueses que aqui chegaram e invadiram nosso território, em 1500, o fizeram
financiados pelo nascente capitalismo comercial europeu, e se apoderaram do território por sua
supremacia econômica e militar, impondo as leis e vontades políticas da Monarquia portuguesa. No
processo da invasão, como a História registra, adotaram duas táticas de dominação: cooptação e
repressão. E, assim, conseguiram dominar todo o território e submeter os povos que aqui viviam ao
seu modo de produção, às suas leis e à sua cultura.
Com a invasão dos europeus, a organização da produção e a apropriação dos bens da
natureza aqui existentes estiveram sob a égide das leis do capitalismo mercantil que caracterizava
o período histórico já dominante na Europa. Tudo era transformado em mercadoria. Todas as
atividades produtivas e extrativas visavam lucro. E tudo era enviado à metrópole européia, como
forma de realização e de acumulação capital.
No início, iludiram-se na busca do ouro; depois, porém, segundo nos explicam os
historiadores, preocuparam-se em transformar outros bens naturais, como o ferro, a prata e outros
minérios, em mercadorias. Mas logo perceberam que a grande vantagem comparativa de nosso
território era a fertilidade das terras e o seu potencial para cultivos tropicais de produtos que até
então os comerciantes buscavam na distante Ásia ou na África. Os colonizadores, então,
organizaram o nosso território para produzir produtos agrícolas tropicais, de que sua sociedade
européia precisava. Trouxeram e nos impuseram a exploração comercial da cana-de-açúcar, do
algodão, do gado bovino, do café, da pimenta-do-reino. E aproveitaram algumas plantas nativas,
como o tabaco e o cacau, e as transformaram, com produção em escala, em mercadorias destinadas
ao mercado europeu.
53
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Tal modelo de produção, sob a égide das leis do capitalismo, produzindo apenas produtos
agrícolas e minerais para o abastecimento do mercado europeu, foi denominado pelos nossos
historiadores de modelo agroexportador. A amplitude desse modelo era tal que, segundo as
primeiras estatísticas macroeconômicas organizadas pelo Banco do Brasil em meados do século 19,
naquela época, a colônia Brasil exportava mais de 80% de tudo o que era produzido em nosso
território.
E, do ponto de vista da organização da produção, qual foi o modelo adotado pelos
colonizadores em nosso território? Durante muitos anos, houve grande polêmica sobre esse
aspecto. Mas, hoje, já há consenso de que o modelo adotado para organizar as unidades de
produção agrícola foi o da plantation, uma palavra de origem inglesa, utilizada por sociólogos e
historiadores para resumir o funcionamento do modelo empregado nas colônias. Jacob Gorender
tentou aportuguesar a expressão, traduzindo-a para “plantagem”. Mas a tradução não se firmou e,
na prática, a maioria dos estudiosos segue utilizando a expressão original em inglês. O que
caracteriza a plantation? É a forma de organizar a produção agrícola em grandes fazendas de área
contínua, praticando a monocultura, ou seja, especializando-se num único produto, destinando-o à
exportação, seja ele a cana-de-açúcar, o cacau, o algodão, gado etc., e utilizando mão-de-obra
escrava. Produzindo apenas para o mercado externo, sua localização deveria estar próxima dos
portos, para diminuir custos com transporte. Essas unidades de produção adotavam modernas
técnicas, ou seja, apesar de utilizarem a força de trabalho da mão-de-obra escrava, do ponto de
vista dos meios de produção, das técnicas de produção, os europeus adotaram o que havia de mais
avançado. Havia também, nessas unidades, a produção de bens para a subsistência dos
trabalhadores escravizados, visando reduzir o seu custo de reprodução, assim como oficinas para a
fabricação e reparo de instrumentos de trabalho.
Em relação à propriedade da terra, a forma adotada pelos europeus foi a do monopólio da
propriedade de todo o território pela Monarquia, pela Coroa. Assim, o fato de a propriedade de
todo o território ter sido exclusiva da Coroa, não havendo propriedade privada da terra, determina
que a propriedade da terra não era capitalista. Porém, para implantar o modelo agroexportador e
estimular os capitalistas a investirem seu capital na produção das mercadorias necessárias para a
exportação, a Coroa optou pela “concessão de uso” com direito à herança. Então, utilizando
diversos critérios políticos e sociológicos, a Coroa entrega, a capitalistas-colonizadores que
dispunham de capital, enormes extensões de terra – que eram medidas em léguas, em geral
delimitadas por grandes acidentes geográficos. Assim, os capitalistas-colonizadores eram
estimulados a investir seu capital no Brasil para a produção de alguma mercadoria para exportação,
54
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

com a Coroa garantindo a posse de imensas extensões de terra para tal finalidade. O critério
fundamental para a seleção dos eleitos pela “concessão de uso” das terras era – muito além do que
simples favores a fidalgos próximos – a disponibilidade de capital e o compromisso de produzir na
colônia mercadorias a serem exportadas para ao mercado europeu.
A “concessão de uso” era de direito hereditário, ou seja, os herdeiros do fazendeiro-
capitalista poderiam continuar com a posse das terras e com a sua exploração. Mas não lhes dava
direito de venderem as terras, ou mesmo de comprarem terras vizinhas. Na essência, não havia
propriedade privada das terras, ou seja, as terras ainda não eram mercadorias.

Terceiro período: de 1850 a 1930


Em 1850, a Coroa, sofrendo pressões inglesas para substituir a mão-de-obra escrava pelo
trabalho assalariado, com a conseqüente e inevitável abolição da escravidão, e para impedir que,
com a futura abolição, os então trabalhadores ex-escravos se apossassem das terras, promulga, em
1850, a primeira lei de terras do país. Essa lei foi um marco jurídico para a adequação do sistema
econômico e de preparação para a crise do trabalho escravo, que já se ampliava.
O que caracteriza a Lei no 601, de 1850?* Sua característica principal é, pela primeira vez,
implantar no Brasil a propriedade privada das terras. Ou seja, a lei proporciona fundamento jurídico
à transformação da terra – que é um bem da natureza e, portanto, não tem valor, do ponto de vista
da economia política – em mercadoria, em objeto de negócio, passando, portanto, a partir de então,
a ter preço. A lei normatizou, então, a propriedade privada da terra.
Uma segunda característica estabelecia que qualquer cidadão brasileiro poderia se
transformar em proprietário privado de terras. Poderia transformar sua concessão de uso em
propriedade privada, com direito à venda e compra. Mas, para isso, deveria comprar, portanto,
pagar determinado valor à Coroa.
Ora, essa característica visava, sobretudo, impedir que os futuros ex-trabalhadores
escravizados, ao serem libertos, pudessem se transformar em camponeses, em pequenos
proprietários de terras, pois, não possuindo nenhum bem, não teriam, portanto, recursos para
“comprar”, pagar pelas terras à Coroa. E assim continuariam à mercê dos fazendeiros, como
assalariados.

*
A Lei de Terras está publicada na íntegra nos anexos.
55
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A Lei no 601, de 1850, foi então o batistério do latifúndio no Brasil. Ela regulamentou e
consolidou o modelo da grande propriedade rural, que é a base legal, até os dias atuais, para a
estrutura injusta da propriedade de terras no Brasil.
Por outro lado, a história das lutas sociais e das revoltas populares registra muitas
mobilizações nesse período. E um dos fatores de desestabilização do modelo agroexportador
baseado na utilização da mão-de-obra do trabalhador escravizado é a revolta deste em relação às
suas condições de vida e de trabalho.
Os trabalhadores escravizados continuaram fugindo, continuaram se rebelando.
Multiplicaram-se os quilombos. Multiplicaram-se, nas cidades, movimentos de apoio ao
abolicionismo. O tema era a grande questão entre os partidos e as elites. Chegou a surgir o
movimento dos Caifases, um movimento clandestino organizado entre os filhos brancos da classe
média urbana, que ajudavam os trabalhadores escravizados a fugiram das senzalas.
Finalmente, em 1888, com a promulgação da Lei Áurea, consolidou-se legalmente aquilo que
já vinha acontecendo na prática. A demora para a abolição legal do trabalho escravo (o Brasil foi o
último país do hemisfério ocidental a abolir a escravidão) deveu-se aos debates que ocorreram
entre os partidos da elite, no Congresso monárquico, que se reunia no Rio de Janeiro, para
determinar se o Estado, se o governo deveria ou não indenizar os proprietários de escravos por sua
libertação!
Muitos argumentos registrados nos debates sobre a libertação dos escravos e o direito
absoluto que os fazendeiros tinham sobre eles nos fazem lembrar o atual debate que ocorre na
imprensa brasileira, quando os fazendeiros argumentam sobre o seu direito absoluto de
propriedade das terras.
Com a libertação dos trabalhadores escravizados – oficializada pela Lei Áurea, de 1888 – e,
ao mesmo tempo, com o impedimento de os mesmos se transformarem em camponeses, quase
dois milhões de adultos ex-escravos saem das fazendas, das senzalas, abandonando o trabalho
agrícola, e se dirigem para as cidades, em busca de alguma alternativa de sobrevivência, agora
vendendo “livremente” sua força de trabalho. Como ex-escravos, pobres, literalmente despossuídos
de qualquer bem, resta-lhes a única alternativa de buscar sua sobrevivência nas cidades portuárias,
onde pelo menos havia trabalho que exigia apenas força física: carregar e descarregar navios. E, pela
mesma lei de terras, eles foram impedidos de se apossarem de terrenos e, assim, de construírem
suas moradias: os melhores terrenos nas cidades já eram propriedade privada dos capitalistas, dos
comerciantes etc. Esses trabalhadores negros foram, então, à busca do resto, dos piores terrenos,

56
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

nas regiões íngremes, nos morros, ou nos manguezais, que não interessavam ao capitalista. Assim,
tiveram início as favelas. A lei de terras é também a “mãe” das favelas nas cidades brasileiras.
Aprofunda-se, então, a crise do modelo agroexportador. O modelo plantation chega ao fim
com a abolição do trabalho escravo. A última pá de cal sobre o modelo agroexportador foi a eclosão
da I Guerra Mundial, de 1914-1918, que interrompeu o comércio entre as Américas e a Europa.
A saída encontrada pelas elites para substituir a mão-de-obra escrava foi realizar uma
intensa propaganda na Europa, em especial na Itália, na Alemanha e na Espanha, para atrair os
camponeses pobres excluídos pelo avanço do capitalismo industrial no final do século 19 na Europa.
E, assim, com a promessa do “eldorado”, com terra fértil e barata, a Coroa atraiu para o Brasil, no
período de 1875-1914, mais de 1,6 milhão de camponeses pobres da Europa. Como se pode ver no
anexo, nas estatísticas organizadas por Darcy Ribeiro, há uma coincidência histórica: o número de
migrantes europeus praticamente coincide com o número da última estatística de trabalhadores
escravizados.
Parte dos migrantes foi para o Sul do país, pela maior disponibilidade de terras e pelo clima,
“recebendo” lotes de 25 a 50 hectares; parte foi para São Paulo e para o Rio de Janeiro, não
recebendo terras, mas sendo obrigados a trabalhar nas fazendas de café, sob um novo regime
denominado colonato.
Todos os camponeses colonos que “receberam” terras no Sul tiveram de pagar por elas e
isso os obrigou a se integrarem imediatamente na produção para o mercado. 7
O regime de produção sob a forma de colonato, assim rotulado por sociólogos, foi o
estabelecimento de relações sociais específicas na produção de café, entre os fazendeiros e os
colonos, não se tendo notícia de sua adoção em nenhum outro país. Por esse sistema, os colonos
recebiam a lavoura de café pronta, formada anteriormente pelo trabalho escravo, recebiam uma
casa para moradia e o direito de usar uma área de aproximadamente dois hectares por família, para
o cultivo de produtos de subsistência, e de criar pequenos animais logrando, assim, melhores
condições de sobrevivência. Cada família cuidava de determinado número de pés de café e recebia
por essa mão-de-obra, no final da colheita, o pagamento em produto, ou seja, em café, que poderia

7 Sobre o assunto, há uma vasta bibliografia sobre o tema organizada e/ou produzida pelo
historiador Mário Maestri.
57
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

ser vendido junto, ou separado, com o do patrão. A esse regime de colonato sujeitaram-se milhares
de famílias migrantes, em especial da Itália e da Espanha. 8
A crise seguirá até 1930 e a migração de camponeses europeus é interrompida na I Guerra
Mundial (1914), quando também é interrompido o uso de navios para transporte dos migrantes.
Nesse período de crise, nasceu, então, no campo brasileiro, o campesinato.
Até então, havia apenas trabalhadores escravizados, originários da África ou seqüestrados
das comunidades nativas, indígenas. Podemos observar nos quadros estatísticos anexos,
organizados por Darcy Ribeiro, como, do ponto de vista da população, a adoção do modelo
agroexportador sob o império da plantation foi um verdadeiro genocídio para o povo brasileiro. A
população nativa que já habitava o território, em 1500, era de aproximadamente 5 milhões de
pessoas. Acrescente-se que foram trazidos milhões de trabalhadores escravizados da África e,
depois de 350 anos de exploração, no fim do século 19, havia pouco mais de 5 milhões de
habitantes. Ou seja, foi um grande massacre de nossa população, indígena e negra, pelo capitalista
colonizador europeu, que, sem sua presença, teria se multiplicado aos milhões no mesmo período.
Além do genocídio que representou a morte de milhões de pessoas escravizadas na África, durante
o transporte e na não adaptação ao território.
O surgimento do campesinato se deu em duas vertentes. A primeira, já mencionada, trouxe
quase dois milhões de camponeses pobres da Europa, para habitar e trabalhar na agricultura nas
regiões Sudeste e Sul, do Estado do Espírito Santo para o sul.
A segunda vertente de formação do campesinato brasileiro teve origem nas populações
mestiças que foram se formando ao longo dos 400 anos de colonização, com a miscigenação entre
brancos e negros, negros e índios, índios e brancos, e seus descendentes. Essa população, em geral,
não se submetia ao trabalho escravo e, ao mesmo tempo, não era capitalista, eram trabalhadores
pobres, nascidos aqui. Impedida pela Lei de Terras de 1850 de se transformar em pequenos
proprietários, essa população passou a migrar para o interior do país, pois, nas regiões litorâneas,
as melhores terras já estavam ocupadas pelas fazendas que se dedicavam à exportação. A longa
caminhada para o interior, para o sertão, provocou a ocupação de nosso território por milhares de
trabalhadores, que foram povoando o território e se dedicando a atividades de produção agrícola
de subsistência. Não tinham a propriedade privada da terra, mas a ocupavam, de forma individual
ou coletiva, provocando, assim, o surgimento do camponês brasileiro e de suas comunidades.

8
Também já há uma farta literatura acadêmica com estudos de caso sobre o colonato, que pode ser
pesquisada.

58
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Produto do sertão, local ermo, despovoado, o camponês recebeu o apelido de “sertanejo” e ocupou
todo o interior do território do Nordeste brasileiro e nos Estados de Minas Gerais e de Goiás.

Quarto período: de 1930 a 1964


O ano de 1930 marca uma nova fase da história econômica brasileira, com influências na
questão agrária. Com a crise do modelo agroexportador, há uma crise política e institucional no país,
sendo que as elites abastadas, as classes dominantes amplamente hegemônicas – já que a maioria
da população vivia em condições de escravidão e uma outra parte estava isolada nos confins dos
sertões – eram as únicas que tinham presença político-institucional. O resultado da crise provocou
a queda da monarquia e o estabelecimento da República, num golpe militar realizado pelo próprio
Exército da Monarquia, sem nenhuma participação popular. Produziu também um movimento de
protesto dos tenentes, o único segmento social das classes menos favorecidas com acesso ao estudo
nas academias militares. Depois, tivemos a coluna Prestes, como resultado do tenentismo. E, enfim,
em 1930, setores das elites da nascente burguesia industrial dão um golpe, fazem uma “revolução”
política por cima, tomam o poder da oligarquia rural exportadora e impõem um novo modelo
econômico para o país. Surgiu, então, o modelo de industrialização dependente, na conceituação
dada por Florestan Fernandes, conceito esse derivado do fato de a industrialização ser realizada
sem rompimento com a dependência econômica aos países centrais, desenvolvidos, e sem
rompimento com a oligarquia rural, origem das novas elites dominantes. Alguns estudiosos
chamaram esse período de projeto nacional desenvolvimentista; outros, de Era Vargas, pois o
projeto político foi coordenado pela liderança política de Getúlio Vargas, que governou o país de
1930 a 1945.
Do ponto de vista da questão agrária, esse período se caracteriza pela subordinação
econômica e política da agricultura à industria.
As oligarquias rurais continuam donas das terras, continuam latifundiárias e produzindo para
a exportação, mas não mais detêm o poder político. As elites políticas – a burguesia industrial, agora
no poder – fazem uma aliança com a oligarquia rural, tomam seu poder, mas a mantêm como classe
social, por duas razões fundamentais: primeiro, porque a burguesia industrial brasileira tem origem
na oligarquia rural, da acumulação das exportações do café e do açúcar, ao contrário dos processos
históricos ocorridos na formação do capitalismo na Europa e nos Estados Unidos. A segunda razão:
o modelo industrial, como era dependente, precisava importar máquinas, e até operários, da
Europa e dos Estados Unidos. E a importação dessas máquinas só era possível pela continuidade das

59
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

exportações agrícolas, que geravam divisas para seu pagamento, fechando o ciclo da lógica da
necessidade do capitalismo dependente.
Surge, então, um setor da indústria vinculado à agricultura, as indústrias produtoras de
insumos para a agricultura, como ferramentas, máquinas, adubos químicos, venenos etc. E outro,
da chamada agroindústria, que foi a implantação da indústria de beneficiamento de produtos
agrícolas.
Com esse modelo, começa a surgir também uma burguesia agrária, de grandes proprietários,
que procura modernizar a sua exploração agrícola e destiná-la ao mercado interno. Nasce com o
cultivo do trigo, no Sul, e com a cana, o café, o algodão e outros produtos, também para o mercado
interno. Foi um processo de modernização capitalista da grande propriedade rural9 e, em relação
ao surgimento dos camponeses, é o período histórico em que eles são induzidos a se vincularem
totalmente às regras do mercado e a se integrarem à indústria.
Porém, além de seu caráter de integração no sistema capitalista da industrialização dependente,
o modelo reservou aos camponeses, agricultores familiares, pequenos produtores, ou qualquer
outro nome que a eles se dê, algumas funções claramente determinadas:
a) Os camponeses cumpriram o papel de fornecer mão-de-obra barata para a nascente
indústria na cidade. O êxodo rural era estimulado pela lógica do capitalismo, para que os
filhos dos camponeses – em vez de sonharem com sua reprodução como camponeses, em
vez de lutarem pela terra, pela reforma agrária – se iludissem com os novos empregos e
salários na indústria. Foi, assim, um período histórico em que praticamente todas as famílias
camponesas enviaram seus filhos para as cidades, no Sudeste e no Sul do país, para serem
operários nas fábricas.
b) O êxodo contínuo de mão-de-obra camponesa cumpria também o papel de pressionar para
baixo o salário médio na indústria. Ou seja, havia sempre um exército industrial de reserva
nas portas das fábricas, à espera de emprego. A baixos salários.
c) Os camponeses também cumpriram a função de produzirem, a preços baixos, alimentos
para a cidade, em especial para a nascente classe operária. O Estado brasileiro administrava
rigorosamente os preços dos produtos alimentícios, produzidos pelos camponeses, para que
os mesmos chegassem a preços baixos na cidade. E, com isso, viabilizava a reprodução da
força de trabalho operária, com baixos salários, garantindo que a industrialização brasileira

9
Este tema foi muito bem pesquisado e descrito na tese de doutorado de Jose Graziano da Silva, publicado
pela Editora Zahar, como A modernização dolorosa.

60
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

obtivesse altas taxas de lucro e, assim, crescesse rapidamente. Por essa razão, existe até
hoje uma relação direta entre o preço da cesta básica dos produtos alimentícios de
sobrevivência da classe trabalhadora urbana e o preço da força de trabalho, que é fixado no
salário mínimo.
d) Os camponeses foram induzidos a produzirem matérias-primas agrícolas para o setor
industrial. Surgiu e se desenvolveu, então, o fornecimento de matéria-prima para energia,
carvão, celulose, lenha etc.
Dessa forma, a lógica do modelo de industrialização dependente atuava permanentemente de
forma contraditória e complementar, em que os camponeses, ao mesmo tempo em que se
reproduziam e se multiplicavam enquanto classe, tiveram parcelas crescentes de seus membros,
migrando para as cidades e se transformando em operários.
Na estrutura da propriedade da terra, a lógica contraditória se repetia. Por um lado, havia a
multiplicação de pequenas propriedades, pela compra e venda e reprodução das unidades
familiares. E, por outro lado, em vastas regiões, a grande propriedade capitalista avançava e
concentrava mais terra, mais recursos. E, no geral, havia uma tendência histórica, natural da lógica
de reprodução capitalista, de que a propriedade da terra, que já nasceu em bases latifundiárias,
continuava na média se concentrando ainda mais.
Assim, chegamos à década de 1960, num cenário que apresenta uma agricultura modernizada,
capitalista, e um setor camponês completamente subordinado aos interesses do capital industrial.
Hoje, com um maior distanciamento histórico daquela época e com acesso a muitos estudos e
pesquisas, podemos compreender melhor esse processo de evolução histórica da questão agrária
até 1964. Por outro lado, é nos anos de 1960-1964 que eclode também a primeira crise cíclica desse
modelo de industrialização dependente. E, a exemplo de qualquer crise, sempre surgem períodos
de mobilizações sociais, disputas entre as classes, disputas entre as elites, assim como a busca de
saídas, tanto para a cumulação de capital, quanto para a classe trabalhadora.
E é também nesse cenário de crise cíclica do modelo de industrialização dependente que se
situam a polêmica e os debates realizados sobre a interpretação da questão agrária.

61
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 5: A questão urbana no Brasil, trabalho e movimento sindical e


urbano

Metrópoles, Legislação e Desigualdade, por Ermínio Maricato

Introdução
O PROCESSO DE URBANIZAÇÃO brasileiro deu-se, praticamente, no século XX. No entanto,
ao contrário da expectativa de muitos, o universo urbano não superou algumas características dos
períodos colonial e imperial, marcados pela concentração de terra, renda e poder, pelo exercício do
coronelismo ou política do favor e pela aplicação arbitrária da lei.
Pretende-se fazer, aqui, uma leitura da metrópole brasileira do final do século XX,
destacando a relação entre desigualdade social, segregação territorial e meio ambiente, tendo
como pano de fundo alguns autores que refletiram sobre a “formação” da sociedade brasileira, em
especial sobre a marca da modernização com desenvolvimento do atraso.
Destaca-se o papel da aplicação da lei para manutenção de poder concentrado e privilégios,
nas cidades, refletindo e ao mesmo tempo promovendo, a desigualdade social no território urbano.
Nas décadas iniciais do século XX, as cidades brasileiras eram vistas como a possibilidade de
avanço e modernidade em relação ao campo que representava o Brasil arcaico. A proclamação da
República e a abolição da mão-de-obra escrava não superaram a hegemonia agrário-exportadora,
o que viria acontecer apenas após a revolução de 1930. Desde então, o processo de
urbanização/industrialização ganha, com as políticas oficiais, um novo ritmo.
Não é correto afirmar que as Cidades brasileiras não tinham importância no período imperial
ou colonial, como corrige Francisco de Oliveira (Oliveira, 1984). As metrópoles tinham uma
importância especial por seu papel como lugar de financiamento e comercialização dos bens
primários exigidos pelo mercado europeu. Salvador tinha, em 1780, mais de cinqüenta mil
habitantes, somando os moradores do centro e de 21 freguesias, que incluíam os subúrbios (Cedu,
1978). Era a maior metrópole das Américas segundo Milton Santos (Santos, 1993). Apesar dos
grandes e importantes pólos, que representavam o Brasil urbano, até o final do século XIX, a grande
maioria da população permaneceu no campo. A julgar pelas fontes disponíveis, a população urbana
totalizava entre 6,8 a 10% em 1890. A emergência da mão-de-obra livre, em 1888, contribui para
definir o início de um processo, no qual urbanização e industrialização caminhariam juntas sob o
lema positivista da ordem e do progresso. O rumo tomado parecia re- presentar um caminho certo

62
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

para a independência de séculos de dominação das elites oligárquicas ligadas à exportação de


produtos primários.
Não foi só o governo. A sociedade brasileira em peso embriagou-se, desde os
tempos da abolição e da república velha, com as idealizações sobre progresso e
modernização. A salvação parecia estar nas cidades, onde o futuro já havia
chegado. Então era só vir para elas e desfrutar de fantasias como emprego pleno,
assistência social providenciada pelo Estado, lazer, novas oportunidades para os
filhos... Não aconteceu nada disso, é claro, e, aos poucos, os sonhos viraram
pesadelos (Santos, 1986, p. 2).
As mudanças políticas havidas na década de 1930, com a regulamentação do trabalho
urbano (não extensiva ao campo), incentivo à industrialização, construção da infra-estrutura
industrial, entre outras medidas, reforçaram o movimento migratório campo-cidade.
No final do século XX, algumas décadas depois, a imagem das cidades brasileiras parece estar
associada à violência, poluição das águas e do ar, criança desamparada, tráfego caótico, enchentes,
entre outros inúmeros males.
As oportunidades que de fato havia nas primeiras décadas do século XX para a população
imigrante e depois para a população migrante (inserção econômica e melhora de vida) parecem
quase extintas. A extensão das periferias urbanas (a partir dos anos de 1980 as periferias crescem
mais do que os núcleos ou municípios centrais nas metrópoles) tem sua expressão mais concreta na
segregação espacial ou ambiental configurando imensas regiões nas quais a pobreza é
homogeneamente disseminada. Pela primeira vez na história do país registram-se extensas áreas
de concentração de pobreza, a qual se apresentava relativamente esparsa nas zonas rurais antes do
processo de urbanização. A alta densidade de ocupação do solo e a exclusão social representam
uma situação inédita.
A segregação urbana ou ambiental é uma das faces mais importantes da desigualdade social
e parte promotora da mesma. À dificuldade de acesso aos serviços e infra-estrutura urbanos
(transporte precário, saneamento deficiente, drenagem inexistente, dificuldade de abastecimento,
difícil acesso aos serviços de saúde, educação e creches, maior exposição à ocorrência de enchentes
e desmoronamentos etc.) somam-se menos oportunidades de emprego (particularmente do
emprego formal), menos oportunidades de profissionalização, maior exposição à violência
(marginal ou policial), discriminação racial, discriminação contra mulheres e crianças, difícil acesso
à justiça oficial, difícil acesso ao lazer. A lista é interminável.

63
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

O desenvolvimento da desigualdade desafia a construção de conceitos: exclusão social,


inclusão precária, segregação territorial, informalidade, ilegalidade, e alimenta um debate sobre a
“funcionalidade” ou não do excesso de população para o capitalismo brasileiro ou a não aplicação
do conceito marxista de exército industrial de reserva. À tradição secular de desigualdade social, a
reestruturação produtiva internacional (tomando a expressão de Harvey), do final do século XX,
acrescentou características mais radicais.
Antes mesmo das chamadas décadas perdidas (anos de 1980 e 1990) a inserção social nas
relações capitalistas apresentavam relação complexa entre regra e exceção. Trabalhadores do setor
secundário e até mesmo da indústria fordista brasileira foram excluídos do mercado imobiliário
privado e, freqüentemente, buscaram a favela como forma de moradia. Trata-se do “produtivo
excluído”, resultado da industrialização com baixos salários. A moradia tem sido
predominantemente, nas metrópoles, obtida por meio de expedientes de subsistência. Trata-se de
uma mercadoria que não é produzida via processo de trabalho marcado por relações capitalistas
(Ferro, 1969 e Maricato, 1979). A produção do ambiente construído e, em especial o ambiente
urbano, escancara a simbiose entre modernização e desenvolvimento do atraso. Padrões
modernistas detalhados de construção e ocupação do solo, presentes nas leis de zoneamento,
código de obras, leis de parcelamento do solo, entre outras, convivem com a gigantesca cidade ilegal
onde a contravenção é regra. Como lembram Schwarz e Arantes, inspirados em Brecht, “a exceção
é a regra e a regra é exceção” numa sociedade onde a maioria não alcança a condição de cidadania
(Schwarz, 1990 e Arantes, 1992).
Em sua reflexão teórica sobre as classes sociais na América Latina, Florestan Fernandes
reconhece que os “dinamismos nucleares e determinantes” nestas sociedades provêm das relações
“mais adiantadas e ativas do regime de classes”. Há especificidades, entretanto, em relação às
sociedades capitalistas européias e norte- americanas, já que as sociedades latino-americanas “não
se organizam para um desenvolvimento autônomo da economia, da sociedade e da cultura”. A
divisão repartida (externa e interna) do excedente econômico, continuidade de privilégios
senhoriais na formação da mentalidade burguesa e, portanto, adaptação de heranças coloniais no
processo de modernização, a exclusão das classes “baixas” dos processos históricos e sociais
(negando inclusive sua existência como classe com direitos a serem respeitados como ocorreu no
capitalismo “maduro”) são características às quais se soma um decorrente “complexo padrão de
mercantilização do trabalho”3.
A exclusão social não é passível de mensuração, mas pode ser caracterizada por indicadores
como a informalidade, a irregularidade, a ilegalidade, a pobreza, a baixa escolaridade, o oficioso, a
64
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

raça, o sexo, a origem e, principalmente, a ausência da cidadania. “A carência material é a face


externa da exclusão política” (Demo, 1993, p. 3).
Segundo Pedro Demo, a caracterização da pobreza a partir de números mensuráveis
relativos à carência material, obscurece o “cerne político da pobreza” ou o que o autor chama de
“pobreza política”. “Ser pobre não é apenas não ter, mas sobretudo ser impedido de ter, o que
aponta muito mais para uma questão de ser do que de ter” (Demo, 1993, p. 2).
A ilegalidade é sem dúvida um critério que permite a aplicação de conceitos como exclusão,
segregação ou até mesmo de apartheid ambiental. Não que a elite brasileira não recorra
historicamente à utilização de expedientes ilegais quando lhe convém, como lembram Schwarz e
Bosi sobre o histórico e paradigmático exemplo do tráfico de escravos no Brasil do século XIX:
proibido por lei mas apoiado, na prática, pelas autoridades. Poderíamos utilizar muitos outros
exemplos atuais. A ilegalidade em relação à propriedade da terra, entretanto, tem sido um dos
principais agentes da segregação ambiental, no campo ou na cidade. Miguel Baldez lembra que até
1850, a ocupação de terra no Brasil era forma legítima de conseguir sua posse. A emergência do
trabalhador livre é acompanhada da emergência de legislação sobre a terra que irá garantir a
continuidade do domínio dos latifundiários, sobre a produção (Baldez, 1986 e Osório Silva, 1996). A
legislação urbana não surgirá senão quando se torna necessária para a estruturação do mercado
imobiliário urbano, de corte capitalista. Os Códigos Municipais de Posturas, elaborados no final do
século XIX tiveram um claro papel de subordinar certas áreas da cidade ao capital imobiliário
acarretando a expulsão da massa trabalhadora pobre do centro da cidade. A nova normatividade
contribui para a ordenação do solo de uma parte da cidade mas também contribui, ao mesmo
tempo, para a segregação espacial. A escassez alimenta a extração da renda imobiliária. A submissão
da terra aos capitais de promoção, construção e financiamento imobiliário não se tornou
homogênea como nos países avançados, convivendo com formas arcaicas de produção do espaço
como a autoconstrução em loteamentos ilegais ou em áreas invadidas, simplesmente.
Uma das características do mercado residencial privado legal no Brasil (como em todos os
países periféricos ou semiperiféricos) é, portanto, sua pouca abrangência. Mercado para poucos é
uma das características de um capitalismo que combina relações modernas de produção com
expedientes de subsistência. A maior parte da produção habitacional no Brasil se faz à margem da
lei, sem financiamento público e sem o concurso de profissionais arquitetos e engenheiros
(Maricato, 2001 e Instituto Cidadania, 2000). A relação legislação/mercado restrito/exclusão talvez
se mostre mais evidente nas regiões metropolitanas. É nas áreas rejeitadas pelo mercado imobiliário
privado e nas áreas públicas, situadas em regiões desvalorizadas, que a população trabalhadora
65
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

pobre vai se instalar: beira de córregos, encostas dos morros, terrenos sujeitos a enchentes ou
outros tipos de riscos, regiões poluídas, ou... áreas de proteção ambiental (onde a vigência de
legislação de proteção e ausência de fiscalização definem a desvalorização).
Durante o regime militar, o Planasa – Plano Nacional de Saneamento Básico, abandonou os
critérios legais de uso e ocupação do solo para estender o fornecimento de água à população até
então não atendida em diversas áreas metropolitanas. A Sabesp, empresa pública responsável pelo
saneamento básico no Estado de São Paulo, ampliou a rede de águas até os loteamentos ilegais,
inclusive aqueles situados em área de proteção dos mananciais, desenvolvendo para isso instalação
de rede formada por elementos leves e de baixo custo. Essa atitude teve repercussão direta na
queda do índice de mortalidade e infantil, objetivo do plano.
Já entre 1989 e 1992, a mesma companhia se recusou a estender a rede de águas a
loteamentos ilegais situados na mesma região de proteção dos mananciais, e que apresentavam
inúmeros casos de hepatite (Jardim Marilda, na Capela do Socorro, município de São Paulo, por
exemplo) sob a argumentação de que o loteamento era ilegal. A mesma dificuldade, a Sabesp
manifestou ao resistir em ligar a rede de água em diversas obras de urbanização de favelas
executadas pela Sehab no período. A legislação pode servir para justificar tanto uma ação como
uma inação.
A ilegalidade em relação à posse da terra parece fornecer, freqüentemente,uma base para
que a exclusão se realize em sua globalidade. Em um estudo que trata da dimensão jurídico-social
de uma favela que o autor chama de Pasárgada, Boaventura de Souza Santos mostra que o medo
do despejo ou de chamar atenção para suas condições de ilegalidade na ocupação da terra, é motivo
(ou um dos motivos) para que os moradores nunca procurem a justiça. A mesma explicação foi dada
pelos moradores para o hábito de a polícia invadir suas casas “quando bem entende” (Souza Santos,
1993, p. 45). A legislação oficial não é seguida na favela e a polícia e os tribunais são vistos como
ameaça (Souza Santos, 1993).
A expressão “nós éramos e somos ilegais” (de um antigo morador da
favela), que, no seu contexto semântico, liga o status de ilegalidade com a própria
condição humana dos habitantes de Pasárgada, pode ser interpretada como
indicação de que nas atitudes destes para com o sistema jurídico nacional, tudo se
passa como se a legalidade da posse da terra repercutisse sobre todas as outras
relações sociais, mesmo sobre aquelas que nada têm com a terra ou com a habitação
(Souza Santos, 1993, p. 45).

66
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Não é de se estranhar que em tais situações pode ocorrer o desenvolvimento de normas,


comportamentos, mecanismos, procedimentos extralegais que são impostos à comunidade pela
violência ou que são aceitos espontaneamente e até desejados.
A indisponibilidade estrutural dos mecanismos oficiais de ordenação
e controle social e a ausência de mecanismos não oficiais comunitários criaram uma
situação que designarei por privatização possessiva do direito. A privatização
possessiva do direito constitui-se por uma dialética entre a tolerância extrema e a
violência próxima (Souza Santos, 1993, p. 47).

Entre o legal e o ilegal, arbítrio e ambigüidade


Não se trata de um “Estado paralelo” ou universo partido. A realidade é bem mais complexa.
Uma ambigüidade entre o legal e o ilegal perpassa todo o conjunto da sociedade do qual não escapa,
mas ao contrário, ganham posição de destaque, as instituições públicas.
Wanderley Guilherme dos Santos lembra que o Brasil constitui uma poliarquia (acumulação
material diversificada, intenso crescimento econômico de 1949 a 1980, diversidade e multiplicidade
de grupos de interesses etc.), mas que acaba não funcionando como tal (desperdícios continuados,
não revisão de erros etc.). Por quê?
Ao lado de abundante e contínua legislação regulatória, que o autor chama de face
poliárquica, o Brasil mostra um outro lado de desprestígio e desconfiança nas instituições (por
exemplo, na justiça e na polícia), falta de interesse pelo voto e pelos políticos. Some-se a isto a
imprevisibilidade sobre a vida futura, a insegurança, a impunidade associada à punição aleatória, a
desmoralização das normas e os códigos de conduta coletiva etc. A fratura não seria, segundo
Guilherme dos Santos, nem geográfica nem entre classes sociais, trata-se de uma “dicotomia
institucional” (Santos, 1993, p. 101). Transitamos todos, segundo o autor, entre as instituicões
poliárquicas para as não poliárquicas, como se estas constituíssem um único universo institucional.
É notável a tolerância que o Estado brasileiro têm manifestado em relação às ocupações
ilegais de terra urbana. Esse processo é significativo em suas dimensões, se levarmos em conta,
especialmente, a grande massa de migrantes que rumou para as cidades neste século e que se
instalou ilegalmente, já que não teve acesso ao mercado imobiliário privado e nem foi atendida
pelas políticas públicas de habitação. Aparentemente constata-se que é admitido o direito à
ocupação mas não o direito à cidade.
A maior tolerância e condescendência em relação à produção ilegal do espaço urbano vem
dos governos municipais aos quais cabe a maior parte da competência constitucional de controlar
67
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

a ocupação do solo. A lógica concentradora da gestão pública urbana não admite a incorporação ao
orçamento público da imensa massa, moradora da cidade ilegal, demandatária de serviços públicos.
Seu desconhecimento se impõe, com exceção de ações pontuais definidas em barganhas políticas
ou períodos pré-eleitorais. Essa situação constitui, portanto, uma inesgotável fonte para o
clientelismo político.
Em 1987, o desmoronamento de diversas encostas ocupadas por loteamentos ilegais na
cidade de Petrópolis, após uma intensa chuva, resultou em tragédia sem precedentes devido ao
número de desabrigados e mortos, os quais passaram de cem em número. Nos anos seguintes, as
mortes por soterramento repetiram-se com freqüência. Lá, como em muitas cidades, a ocupação
ilegal de encostas que apresentam riscos geotécnicos se dá a olhos vistos. O caso mais
impressionante talvez esteja na Serra do Mar junto às rodovias Anchieta e Imigrantes, que ligam
São Paulo à Baixada Santista. A segurança da ocupação fica comprometida não apenas pela
precariedade das construções mas também pelo despejo de lixo nas encostas, pela ausência de
obras de drenagem e pelo encharcamento do terreno promovido pela infiltração de esgotos
provenientes das fossas individuais. Em vez de planejar a remoção da população (cujo custo é
bastante alto) os governos incentivam a ocupação executando um programa de obras pontuais de
iluminação pública e asfaltamento do acesso para a entrada do transporte coletivo.
O poder de polícia sobre o uso das terras públicas urbanas é exercido de forma
discriminatória nos diversos bairros da cidade. Áreas de proteção ambiental, não raramente, são
priorizadas para ocupação pela população pobre, seja nas favelas ou nos loteamentos irregulares,
abertos diante da condescendente (ou inexistente) fiscalização. Não é por ausência de legislação
que tal acontece.
A tolerância pelo Estado em relação à ocupação ilegal, pobre e predatória de áreas de
proteção ambiental ou demais áreas públicas, por parte das camadas populares, está longe de
significar uma política de respeito aos carentes de moradia ou aos direitos humanos. A população
que aí se instala não compromete apenas os recursos que são fundamentais a todos os moradores
da cidade, como é o caso dos mananciais de água. Mas ela se instala sem contar com qualquer
serviço público ou obras de infra-estrutura urbana. Em muitos casos, os problemas de drenagem,
risco de vida por desmoronamentos, obstáculos à instalação de rede de água e esgotos torna
inviável ou extremamente cara a urbanização futura.
Um cenário freqüente resultante dessa dinâmica de ocupação ilegal de áreas de proteção
ambiental é o conflito que opõe a população, que luta para permanecer no local, apoiada por um
parlamentar clientelista, insensível à questão social ou ambiental, ou por um parlamentar
68
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

democrático, perplexo, sensível a ambos os problemas, e que tem, como adversários, o ministério
público e ONGs dedicadas à causa ambientalista.
O que sucede mais freqüentemente, entretanto, é a consolidação das ocupações ilegais em
áreas de proteção ambiental devido ao custo inviável de sua remoção. Os números da ilegalidade
no uso e ocupação do solo na Represa do Guarapiranga, em São Paulo (que serve a necessidade de
água de um terço da população do município) são uma prova definitiva dessa afirmação. Desde a
promulgação da lei de Proteção aos Mananciais (1975) a terra perdeu valor para o mercado
imobiliário legal e passou a ser cada vez mais ocupada por loteamentos ilegais e favelas. Os mapas
que apresentam o uso e a ocupação do solo na Bacia, evidenciam a maciça ilegalidade (UGP/Sema,
1999).
O outro manancial localizado na periferia da metrópole paulistana, a Represa Billings, tem
um diagnóstico de uso e ocupação do solo mais grave do que o da Guarapiranga.
A falta de alternativas habitacionais, seja via mercado privado, seja via políticas públicas
sociais é, evidentemente, o motor que faz o pano de fundo dessa dinâmica de ocupação ilegal e
predatória de terra urbana. A orientação de investimentos dos governos municipais revela um
histórico comprometimento com a captação da renda imobiliária gerada pelas obras (em geral,
viárias), beneficiando grupos vinculados ao prefeito de plantão. Há uma forte disputa pelos
investimentos públicos no contexto de uma sociedade profundamente desigual e historicamente
marcada pelo privilégio e pela privatização da esfera pública.
Para completar esse quadro, é preciso lembrar a intensidade do processo migratório campo
cidade que configura uma reversão demográfica: se aproximadamente 10% da população era
urbana no final do século XIX, no final do século XX aproximadamente 20% dela é rural. Essa grande
massa que se instalou nas cidades, o fez por sua própria conta e risco. Nessas condições podemos
dizer que a ocupação ilegal de terras é parte intrínseca desse processo. Ela é, de fato, institucional.
Se considerarmos que todos os moradores de favelas existentes no município de São Paulo
invadiram terra para morar (a definição da favela está exatamente na relação jurídica de não
propriedade) estamos nos referindo a aproximadamente dois milhões de pessoas. O número é
aproximado, pois o rigor nos obrigaria a descontar os moradores de aluguel, nas favelas. De
qualquer modo, a dimensão confirma a assertiva de que a exceção é a regra. Curitiba, tomada como
cidade modelo de planejamento urbano, está cercada por uma coroa formada de numerosos
núcleos de terras invadidas, muitos dos quais estão em áreas de proteção ambiental. Nenhuma
grande cidade brasileira foge ao destino aqui descrito. E cada vez mais as cidades de porte médio

69
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

seguem o mesmo caminho. Basta ver o aumento do número de cidades com favelas a cada ano
(SNIU/Mincid).
A explicação na qual se apóia a ordem dominante faz peripécias para ocultar a realidade.
Esta não pode ser assumida formalmente pelo Estado (em especial pelo judiciário) sem colocar em
risco toda a ordem jurídica vigente, em especial a que diz respeito à propriedade privada de terras
e imóveis.
Muitos são os fatores que determinam quando a lei é aplicada ou não. Um nos parece
principal. Quando a localização de uma terra ocupada por favelas é valorizada pelo mercado
imobiliário, a lei se impõe. Lei de mercado, e não norma jurídica, determina o cumprimento da lei.
Não é por outra razão que as áreas ambientalmente frágeis, objeto de legislação preservacionista,
“sobram” para o assentamento residencial da população pobre. Nessas localizações, a lei impede a
ocupação imobiliária: margens dos córregos, áreas de mangues, áreas de proteção ambiental,
reservas. Mesmo quando se trata de áreas públicas, priorizadas nos assentamentos de favelas, sua
proteção contra a ocupação depende de sua localização em relação aos bairros onde atua o
mercado imobiliário, legal, privado. As áreas públicas ocupadas estão localizadas, geralmente, nas
periferias esquecidas.
Durante uma reunião do Movimento Nacional de Luta pela Moradia (fevereiro de 1995, na
cidade de Goiânia), uma liderança de movimentos de moradia do Estado do Espírito Santo revelou
toda a sua angústia e perplexidade porque um prefeito de uma cidade litorânea daquele estado
incentivava a população pobre a ocupar as áreas de mangues, enquanto que as lideranças do
movimento buscavam evitar a ocupação daquela área ambientalmente frágil, exigindo outra
solução. Autoridades que detêm o poder de polícia e deveriam garantir a preservação do patrimônio
ambiental incentivam sua deterioração. As lideranças populares que supostamente deveriam
perfilar-se ao lado daqueles que desesperadamente lutam por um pedaço de terra para morar,
encontram-se atônitas, em conflito com seus iguais que vêem no prefeito mais “compreensão” para
seu desespero.
A ocupação pela população pobre e o progressivo aterramento de mangues nas cidades
litorâneas brasileiras é praticamente uma regra. Esse caminho combina a ausência de investimentos
em programas habitacionais (a precária e lenta urbanização do mangue alimentará a relação
clientelista durante muitos anos) e a preservação dos terrenos privados para o mercado formal. A
ação do Estado, no Brasil, fornece exemplos freqüentes nos quais o patrimônio fundiário privado
merece mais cuidados que o patrimônio público como convém a uma sociedade patrimonialista
como bem definiu Raymundo Faoro em sua obra Os donos do poder. A ocupação ilegal como as
70
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

favelas são largamente toleradas quando não interferem nos circuitos centrais da realização do
lucro imobiliário privado. Se, de um lado, o crescimento urbano foi intenso durante décadas, e o
Estado teve dificuldades de responder às dimensões da demanda, de outro, a tolerância para com
essa ocupação anárquica do solo está coerente com a lógica do mercado fundiário capitalista,
restrito, especulativo, discriminatório e com o investimento público concentrado (Maricato, 1999).
Qualquer análise superficial das cidades brasileiras revela essa relação direta entre moradia
pobre e degradação ambiental. Isto não quer dizer que a produção imobiliária privada ou que o
Estado, através da produção do ambiente construído, não causem danos ao meio ambiente. São
abundantes os exemplos de aterramento de mangues em todo o litoral do país para a construção
de condomínios de lazer. Ou poderíamos citar as indefectíveis avenidas de fundo de vale com
canalizações de córregos tão ao gosto dos prefeitos municipais e de uma certa engenharia “das
empreiteiras” (para ficarmos em apenas dois exemplos relativos à ocupação urbana do solo). O que
interessa chamar atenção aqui é que grande parte das áreas urbanas de proteção ambiental estão
ameaçadas pela ocupação com uso habitacional pobre, por absoluta falta de alternativas. As
consequências de tal processo atinge toda a cidade, mas especialmente as camadas populares.

A nova legislação urbana: o Estatuto da Cidade


Como vimos, a lei é utilizada como expediente de manutenção e fortalecimento de poder e
privilégios, contribuindo para resultados como a segregação e a exclusão. A questão central não
está na lei em si, ou seja, na sua inadequação, mas na sua aplicação arbitrária. Estamos
questionando a justiça e não a lei embora seja preciso reconhecer que a clareza e a precisão do
texto legal nunca está completamente desvinculado de sua aplicação. Tanto a Constituição Federal
de 1988, em seus capítulos dedicados à política urbana (nos.182 e 183), como o Estatuto da Cidade
não resultaram textos de fácil aplicação. A primeira porque os adversários da chamada Reforma
Urbana preconizada pelos movimentos sociais conseguiram incluir na redação alguns detalhes que
remeteram à aplicação de alguns instrumentos, como o IPTU progressivo para imóveis não
utilizados ou subutilizados, para lei complementar. O segundo porque remeteu à utilização dos
instrumentos de reforma urbana à elaboração do Plano Diretor. Isto é, com exceção dos
instrumentos de regularização fundiária, os demais, que dizem respeito ao direito à habitação e à
cidade, ficam dependentes de formulação contida no Plano Diretor. O que parece ser uma
providência lógica e óbvia resultou em um travamento na aplicação das principais conquistas
contidas na lei.

71
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A sociedade brasileira protelou longamente as providências para o enfrentamento dos


problemas urbanos, dos quais a questão fundiária/imobiliária citada aqui é central, mas não a única.
O novo século se inicia sem que o Brasil, Estado e sociedade apresentem políticas sociais para as
cidades minimamente eficazes para conflitos que passaram a adquirir dimensões gigantescas. As
mortes por desmoronamento, causadas pela ocupação irregular de encostas, têm crescido a cada
ano. Entre 1988 e 2003 morreram 1.303 pessoas por esse motivo, destas, 53 foram mortas nos
primeiros cinco meses de 2003. Dos habitantes de áreas urbanas, 60 milhões aproximadamente não
têm coleta de esgotos e do esgoto coletado 75% é jogado in natura nos córregos, rios, lagos, praias
etc. (SNIS/Mincid) A população moradora de favelas cresce mais do que a população urbana. Nas
metrópoles, as periferias crescem mais do que os bairros ricos (IBGE). O transporte de massa talvez
seja o setor que mais involuiu, especialmente nas grandes metrópoles. Um crescente número de
transportes clandestinos (muitos dos quais se descobre, no início de 2003, que estão associados ao
crime organizado e à lavagem de dinheiro) mudou, nos últimos vinte anos, o quadro da mobilidade
urbana. Mais pessoas andam a pé e exatamente os de mais baixa renda, que freqüentemente não
saem de seus bairros periféricos (Maricato, 2001). O trânsito mata mais do que qualquer outra
modalidade de violência. São perto de trezentos mil acidentes por ano, com vítimas, das quais,
aproximadamente trinta mil encontram a morte. O Ipea estima que os custos de congestionamento
e acidentes resultam em prejuízos sociais de R$ 4,3 ao ano. Mas é a chamada violência urbana
decorrente de assaltos, roubos, seqüestros e especialmente homicídios que ater- roriza os
moradores urbanos. E quem mais sofre com ela são os que habitam a periferia de forma ilegal e as
favelas, pois os levantamentos mostram que aí, as taxas de homicídios são muito mais elevadas (Ver
a respeito estudos do NEVUSP e Cesec/Ucam).
A reestruturação produtiva do capitalismo internacional do final do século XX,
transformação que tem sido chamada de globalização, tem muito a ver com a evolução (ou
involução) aqui apontada. Em primeiro lugar pelo impacto do chamado desemprego tecnológico.
Um olhar superficial na história recente do ABCD – região dos municípios de Santo André, São
Bernardo, São Caetano e Diadema, que concentrou a poderosa e moderna indústria fordista
produtora de automóveis e o sindicalismo que mudou a história do país, revela o quanto as
estratégias adotadas pelas empresas causaram impacto na vida local em todos os níveis, dos
governos aos moradores (Klink, 2000). A velocidade imposta às comunicações, a crescente
informatização e a também crescente semantização das relações humanas deu ao capitalismo
condições de mudar a relação espaço e tempo como bem desenvolveu Harvey (Harvey, 1992). À

72
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

rigidez do welfare stateseguiu-se a flexibilização e a desregulamentação das políticas sociais e da


relação capital/trabalho mudando a política, o Estado, os sindicatos e as empresas.
A ideologia presente nestas mudanças pelo Consenso de Washington completou o trabalho
de desarticular e desorganizar boa parte daquilo que não havia ainda adquirido escala
universalizante na sociedade brasileira: emprego, previdência social, assistência à saúde, educação,
moradia, transporte, saneamento...
No campo do urbanismo, não foram poucos os que se deixaram levar pelo canto das sereias
dos “planos estratégicos” inspirados no marketing urbano e nas intervenções culturais
características da “cidade do espetáculo” (Arantes e Vainer, 2000).
As cidades brasileiras foram profundamente o impacto das mudanças ocorridas nas duas
últimas décadas do século XX.
Nesse mesmo período, a eleição de governos municipais democráticos que testaram
políticas sociais participativas, as lutas sociais pela mudança dos marcos legais que regulam o uso e
a ocupação do solo lograram apresentar avanços. Já desenvolvemos, anteriormente, em diversas
ocasiões, a tese de que não é por falta de planos e leis que a situação descrita nas páginas anteriores
acontece (Maricato, 1996 e 2000 e Villaça, 1999). A conhecida lei de zoneamento, utilizada
largamente como instrumento de ampliação da carência habitacional poderia, dependendo de sua
formulação, ter o efeito contrário (Maricato, 2001). No entanto, não se pode negar que a
Constituição Federal de 1988 e o Estatuto da Cidade de 2000 constituem paradigmas inovadores e
modernizantes no que diz respeito às relações de poder sobre a base fundiária e imobiliária urbana.
O nó da questão reside, como já foi destacado, na aplicação dos novos instrumentos urbanísticos
trazidos por essa legislação quando se deseja reestruturar (porque o problema é de estrutura) todo
o quadro da produção habitacional de modo a conter essa determinação da ocupação ilegal e
predatória pela falta de alternativas.
A resistência à mudança nas regras do jogo são evidentes quando após muitas lutas sociais
as conquistas se restringem principalmente à admissão da regularização fundiária. Não que não haja
resistências para sua aprovação nos executivos, legislativos, judiciário, assim como na própria
sociedade, mas é cada vez mais óbvio que a regularização urbanística e jurídica das ocupações ilegais
vem sendo crescentemente admitida (Labhab, 2000). O mesmo não acontece com a mudança na
chamada estrutura de provisão de moradia, ou seja, a dificuldade está em apresentar alternativas
para que grande parte da população não seja forçada a invadir terras para poder morar. Em outras
palavras, o desenvolvimento urbano includente exige que se atue em dois eixos: urbanizar e
legalizar a cidade informal conferindo-lhe melhor qualidade e o status de cidadania e produzir novas
73
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

moradias para aqueles que, sem outras saídas e recursos técnicos ou financeiros, invadem terras
para morar. Aparentemente, as ações governamentais começam a reconhecer o primeiro dos eixos
descritos. A própria legislação recentemente aprovada abre mais caminho nesse sentido e menos
no outro. A consolidação e melhoria da cidade ilegal e sem urbanização exige o contraponto da
produção de novas moradias, do contrário estaremos consolidando a dinâmica da “máquina de
produzir favelas” com as políticas públicas correndo sempre atrás do prejuízo. A urbanização de
favelas tem sido uma política crescentemente adotada nos municípios brasileiros a partir das
experiências pioneiras de Recife, Belo Horizonte e Diadema (Denaldi, 2003). A regularização jurídica
completa a melhoria das condições sociais já que confere mais estabilidade e segurança ao morador
que pode até passar a livrar-se de uma condição penosa de morador de favela, condição essa que
interfere nas chances de obtenção de emprego, crediário e até salários.
A democratização da produção de novas moradias e do acesso à moradia legal e à cidade
com todos seus serviços e infra-estrutura exige a superação de dois grandes obstáculos – terra
urbanizada e financiamento – que, durante toda a história da urbanização brasileira, foram insumos
proibidos para a maior parte da população. Estamos fazendo referência mais exatamente ao
contexto da relação entre terra (urbanizada), financiamento, subsídios, Estado e mercado. O
mercado privado não tem atingido nem mesmo a classe média (cinco a dez salários-mínimos)
quando a maior parte da população situada abaixo dos cinco salários mínimos necessita de
subsídios. Esse será o grande desafio da política urbana nas primeiras décadas do século XXI, ao lado
do saneamento e do transporte de massa. É para eles que a sociedade brasileira e suas instituições
devem se preparar.

Notas
1 Esse texto foi elaborado utilizando a parte II do livro de minha autoria, Metrópole na periferia do
capitalismo, São Paulo, Hucitec, 1996.
2 O conceito de revolução utilizado aqui foi tomado de Florestan Fernandes, 1976. 3 Ela (a ordem
social competitiva) reconhece a pluralização das estruturas econômicas, sociais e políticas como
fenômeno legal. Todavia, não a aceita como fenômeno social e, muito menos como fenômeno
político. Os que são excluídos do privilegiamento econômico, sociocultural e político também são
excluídos do valimento social e do valimento político. Os excluídos são necessários para a existência
do estilo de dominação burguesa, que se monta dessa maneira (Fernandes, 1977, p. 222).
4 A autora pode viver pessoalmente uma experiência que comprova o que foi dito aqui sobre
Petrópolis em 1987: após participar de uma reunião com uma comunidade de um loteamento ilegal,
74
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

nosso retorno foi impedido devido a uma barreira de terra que havia fechado a única passagem de
veículo que dava acesso ao loteamento. O acesso tinha sido asfaltado há pouco tempo (pelo qual a
comunidade muito satisfeita agradeceu ao então prefeito) e não correspondia à boa técnica de
engenharia. Isso era evidente pela ausência de embasamento adequado e pela espessura da
pavimentação, além do temerário corte realizado na encosta do morro, para a execução do acesso
que permitia a passagem de um veículo apenas, em alguns trechos.
5 A Represa Billings foi objeto de um diagnóstico ambiental terminado em meados de 1999. Ambos
reservatórios estão em processo de mudança da legislação, sob a coordenação de Sema – Secretaria
Estadual de Meio Ambiente.

Bibliografia
ARANTES, O.; VAINER, C. e MARICATO, E. A cidade do pensamento único. Petrópolis, Vozes, 2000.
ARANTES, P. E. Sentimentos da dialética. Rio de Janeiro, Paz e Terra, 1992.
BALDEZ, M. Solo urbano, reforma urbana, propostas para a Constituinte. Rio de Janeiro,Fase, 1986.
BOSI, A. Dialética da colonização. São Paulo, Companhia das Letras, 1992.
CARVALHO, E. G. O negócio da terra. Rio de Janeiro, UFRJ, 1991.
CEDU – Companhia Estadual de Desenvolvimento Urbano/Governo do Estado da Bahia. A grande
Salvador: posse e uso da terra. Salvador, 1978.
DEMO, P. “Pobreza política”. Papers. São Paulo, Fundação Konrad Adenauer-Stiftung,1993.
DENALDI, R. Políticas de urbanização de favelas: evolução e impasses. São Paulo, Tesede Doutorado,
FAU-USP, 2003.
FERNANDES, F. A revolução burguesa no Brasil. Rio de Janeiro, Zahar, 1976.
_________. “Problemas de conceituação das classes sociais na América Latina”. Em
ZENTENO, R. B. As classes sociais na América Latina. Rio de Janeiro, Paz e Terra,1977.
FERRO, S. O canteiro e o desenho. São Paulo, Projeto, 1969.
FRANCO, M. S. “As idéias estão no lugar”. Cadernos de Debates, 1. São Paulo, Brasiliense, 1976.
HARVEY, D. A condição pós-moderna. São Paulo, Loyola, 1993.
HOLANDA, S. B. de. Raízes do Brasil. Rio de Janeiro, José Olympio, 1971.
INSTITUTO CIDADANIA. Projeto moradia. São Paulo, Instituto Cidadania, 2000.
KLINK, J. J. Cidade e região. Reestruturação produtiva da Região do Grande ABC. Rio de Janeiro, D e
P, 2000.
LABHAB. Parâmetros para urbanização de favelas. São Paulo, LABHAB/FAU-USP/Finep/CEF, 2000.

75
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

MARICATO, E. A produção capitalista da casa (e da cidade) no Brasil industrial. São Paulo, Alfa-
Ômega, 1979.
_____. “Metrópole de São Paulo, entre o arcaico e a pós-modernidade”. Em SOUZA, M. A. de et alii.
Metrópole e globalização. São Paulo, Cedesp, 1999.
_____. Brasil, cidades: alternativas para a crise urbana. Petrópolis, Vozes, 2001
MARTINS, J. de S. O poder do atraso. São Paulo, Hucitec, 1994.
OLIVEIRA, F. A economia da dependência imperfeita. Rio de Janeiro, Graal, 1984.
OSORIO SILVA, L. Terras devolutas e latifúndio. Campinas, Unicamp, 1996.
SANTOS, B. S. “Notas sobre a história jurídico-social de Pasárgada”. Em SOUZA Jr., J. G. (org.).
Introdução crítica ao direito. Brasília, UnB, 1993.
SANTOS, C. N. Está na hora de ver as cidades como elas são de verdade. Rio de Janeiro, Ibam, 1986.
SANTOS, M. A urbanização brasileira. São Paulo, Hucitec, 1993.
SANTOS, W. G. dos. As razões da desordem. Rio de Janeiro, Rocco, 1993
SCHWARZ, R. “As idéias fora do lugar”. Estudos Cebrap, 3. São Paulo, 1973.
_____. Um mestre na periferia do capitalismo: Machado de Assis. São Paulo, Duas Cidades, 1990.
UGP/Sema – Unidade de Gestão do Programa de Saneamento Ambiental da Bacia do Guarapiranga.
Cadastro de dados e mapas. Secretaria Estadual do Meio Ambiente, 1999.

76
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A presença do sindicalismo na história política do Brasil, por Armando Boito


Jr.

Este artigo é um capítulo do “O sindicalismo na política brasileira”. Campinas, Editora do


IFCHUnicamp, 2005. Armando Boito Jr. é estudioso do movimento operário e professor do
Departamento de Ciência Política da Unicamp.

A revista da Apropuc solicitou-me, para a série “Brasil 500 Anos”, um texto sobre o
sindicalismo na história do Brasil. O tema é vasto, e é claro que qualquer ambição de tratar um
conjunto muito grande de problemas contidos em tal tema seria inútil, dados os limites de espaço
da revista e de conhecimento deste autor. Há, contudo, um ponto interessante a ser considerado e
sobre o qual pretendo dizer algumas palavras. Refiro-me à intervenção da luta sindical na história
política do país. Farei isso, já que se trata de um balanço do “aniversário de 500 anos”, dando ao
leitor algumas indicações dos debates e dos autores que trataram do tema. O espaço, contudo, me
impede de dar muitas indicações e de apresentar as referências bibliográficas completas.
Existe uma concepção da história do Brasil que omite sistematicamente a intervenção dos
trabalhadores no processo histórico nacional. Essa concepção aparece em diferentes versões. Uma
primeira versão, de motivação conservadora e elitista, que consiste em abordar os acontecimentos
da história nacional, como a Independência, a Abolição, a República, a Revolução de 1930, o fim da
ditadura militar e outros, ocultando, pelo silêncio ou pela negação explícita, a importância da
interferência dos trabalhadores na definição dos rumos de tais processos políticos. Outra versão, de
motivação distinta, que subjetivamente pode, eventualmente, ser até simpática aos trabalhadores,
é aquela que analisa as condições de vida, as formas de organização e a luta dos trabalhadores ou,
mais recentemente, seus hábitos e suas práticas culturais, separadamente das transformações
políticas e sociais pelas quais o Brasil passou ao longo de sua história. Faz-se uma história dos
trabalhadores separada da história do Brasil. Esses dois modos de omitir a presença dos
trabalhadores na história nacional podem até se fundir, dando origem a uma terceira vertente. De
conteúdo aparentemente crítico e progressista, essa terceira vertente, marcada por um forte
pessimismo, não só silencia ou nega a intervenção dos trabalhadores nas transformações pelas
quais o Brasil passou, como tende a apresentar tais transformações como quimeras: a
Independência teria sido um mero acerto entre membros da família real, a República um golpe de
Estado, a Revolução de 1930 expressão de uma “dissidência oligárquica”, o fim da ditadura,
resultado da política de abertura do General Figueiredo etc. Numa história marcada por mudanças
77
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

fictícias, seria mesmo melhor que os trabalhadores se mantivessem afastados dessa comédia. Esses
enfoques são, historicamente, incorretos e, politicamente, prejudiciais ao movimento operário e
popular.
Essa corrente tem algo em que se apoiar, mas apresenta um enfoque unilateral. O Brasil
transitou para o capitalismo fazendo economia de uma revolução burguesa à moda francesa. Isso
teve implicações que marcam, profundamente, a vida econômica, política e social do país. Tivemos
a formidável ruptura que significou a abolição da escravidão, mas não tivemos, aqui, a reforma
agrária - e a luta do MST está aí para comprovar a importância e a atualidade dessa questão. No
início do século XIX, a administração colonial portuguesa foi substituída por um Estado Nacional e,
já no século XX, a Revolução de 1930 permitiu que se desencadeasse um processo de
industrialização e de expansão dos direitos sociais, mas a economia brasileira permaneceu
dependente - e o agravamento recente dessa dependência realçou essa verdade - e a expansão dos
direitos sociais não chegou a moldar um Estado de bem-estar no Brasil. Alguns marxistas brasileiros,
como João Quartim de Moraes, J. Chasin e Carlos Nelson Coutinho, utilizaram conceitos como os de
“via prussiana”, “capitalismo hipertardio” e “revolução passiva”, para indicar essa transformação
(limitada) sem revolução. Mas o fato é que entre, de um lado, o Brasil de hoje, organizado por um
Estado nacional, industrializado, e regido por um regime político democrático-burguês, e o Brasil de
ontem, colonial, agrícola e escravista, a diferença é de qualidade.

O sindicalismo brasileiro nasceu fazendo política


É claro que, sendo nosso tema o sindicalismo, não poderemos travar essa polêmica tomando
como referência o conjunto da história do Brasil. Temos de restringir nossa análise ao período em
que os trabalhadores livres assalariados, e principalmente a classe operária, já constituem o
principal setor das classes trabalhadoras. Os trabalhadores livres assalariados não existem há muito
tempo no Brasil. Até o quarto século de nossa história, a economia brasileira baseava-se no trabalho
escravo. Ligada à exportação de café desenvolveu-se, já na segunda metade do século XIX, uma
nova classe média urbana – trabalhadores do comércio, de escritório, de atividades culturais etc. –
mas toda a economia exportadora girava em torno da escravidão. Após a Abolição, cresceu o
trabalho assalariado na indústria e também nos serviços urbanos. Mas é preciso lembrar que a
indústria brasileira era, até a Primeira Grande Guerra, uma atividade econômica secundária e estava
localizada em poucos centros urbanos. No vasto interior do país, nas fazendas, ainda dominava a
figura do trabalhador que se encontrava pessoalmente subordinado ao proprietário da terra – o
antigo colono, nos cafezais de São Paulo, o agregado ou o morador nos canaviais do Nordeste etc.
78
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Ora, o escravo não organiza sindicatos. Alguns historiadores utilizam, impropriamente, o termo
negociação para se referir a alguns tipos de luta entre escravos e senhores. É certo que os escravos
lutaram. Num patamar inferior, tínhamos, de fato, pressões difusas dos escravos sobre os
fazendeiros, e, num patamar superior, rebeliões e fugas. Mas, mesmo quando dessas pressões
difusas e dessas rebeliões resultaram concessões dos fazendeiros, não é correto falar em
negociação entre trabalhador e proprietário. O trabalhador só pode negociar as condições de sua
própria exploração com os proprietários dos meios de produção, negociação que é o que caracteriza
o sindicalismo, quando esse trabalhador é reconhecido como cidadão, dotado de direitos civis
plenos, o que não ocorre (por definição) na escravidão, e só ocorre de modo parcial no caso dos
camponeses dependentes
O sindicalismo no Brasil nasce, então, com o trabalhador livre e, principalmente, com o
trabalhador livre manual, empregado na indústria. Foi a abolição da escravidão que abriu caminho
para o sindicalismo. No período imediatamente posterior à Abolição e à Proclamação da República,
a ação de tipo sindical dos trabalhadores já está presente. Estudos de Francisco Foot Hardman,
Victor Leonardi e Marcus Vinicius Pansardi mostram o forte vínculo existente, na última década do
século passado, entre esse movimento sindical incipiente e os acontecimentos políticos de então.
Os primeiros anos da República são marcados por diversos conflitos entre as classes dominantes.
De um lado, conflitos entre as correntes republicanas que tinham assumido o poder e as correntes
monarquistas que chegaram a encetar ações restauradoras, e, de outro lado, conflitos no interior
das correntes republicanas, dividindo as partidos oligárquicos regionais, ligados aos fazendeiros e
ao grande comércio exportador, e a instituição militar, cuja base política era composta por parte
dos trabalhadores urbanos. Esses conflitos deram um grande impulso ao sindicalismo e ao
movimento popular urbano. Parte da oficialidade do Exército, principalmente na cidade do Rio de
Janeiro, procurou, como mostrou também o historiador José Murilo de Carvalho, estabelecer uma
aliança com os trabalhadores, para manter-se como força governante, contra
restauradores e oligarcas. Com a ascensão dos presidentes civis e o estabelecimento da chamada
política dos governadores, reunificou-se o campo das classes dominantes e os trabalhadores e o
sindicalismo perderam espaço no processo político nacional.

O anarco-sindicalismo despolitizou o movimento sindical


Ao longo da República Velha (1894-1930) e, principalmente, até o início dos anos 20, o
movimento sindical foi dominado pela ideologia anarcosindicalista, um amálgama do anarquismo
com o sindicalismo, que propugnava o abstencionismo político dos trabalhadores. O
79
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

anarcosindicalismo predominava e era mais forte em São Paulo, no setor industrial. No Rio de
Janeiro, havia, como mostrou Lígya Osório, uma tendência sindical, menos representativa é
verdade, de tipo tradeunionista, ligada principalmente aos trabalhadores das ferrovias e do porto.
A Confederação Operária Brasileira era controlada pelos anarco-sindicalistas.
Há uma longa discussão entre os historiadores sobre as razões de ter dominado no Brasil a
orientação anarco-sindicalista. A explicação mais antiga, e de inspiração conservadora, atribuía tal
orientação à origem imigrante da classe operária. O “anarquismo” seria uma “planta exótica”,
contrabandeada pelos imigrantes, para um país pacífico como o Brasil. Essa explicação foi rejeitada
pela pesquisa historiográfica. Talvez a explicação mais consistente seja aquela lançada por Azis
Simão, retomada e desenvolvida por Sílvia Magnani. Tal explicação valoriza o fato de a classe
operária estar excluída do sistema político (o voto urbano pouco significava devido ao fato de o voto
de cabresto, o bico de pena e a Comissão de Verificação dos Poderes decidirem o resultado das
eleições) e isolada das demais classes populares (a massa camponesa encontrava-se dispersa e sob
controle dos fazendeiros, a classe média urbana estava embuída do duplo preconceito contra o
imigrante e contra o trabalhador manual, afinal mal saíramos da escravidão). Essa exclusão e esse
isolamento podem ter levado os operários fabris a desacreditarem da política e a, com seu
abstencionsimo, legitimarem, ainda que a contrapelo, o elitismo da democracia oligárquica.
O número de trabalhadores assalariados e o potencial do sindicalismo cresceram com a
industrialização que se acelerara durante a Primeira Guerra Mundial. A greve geral de 1917, em São
Paulo, está ligada a esse surto industrial. Na década de 1920, a vinculação entre a história política
do país e o movimento sindical voltaria a se evidenciar. Agora, não só uma nova conjuntura de crise
entre os de cima favoreceu o movimento operário e sindical, como também esse movimento teve
um papel importante, ainda que de modo particular, na solução dessa crise.

1930: o sindicalismo intervém no processo de revolução burguesa


A Revolução de 1930 não foi um mero golpe de Estado. Apresentada como tal pela antiga
direção do PCB e por parte dos historiadores, como o historiador Edgar de Decca, ou como uma
mera dissidência oligárquica, tal qual 1930 aparece nos trabalhos de Boris Fausto, esse movimento
tem sido redimensionado pela pesquisa mais recente na história e na ciência política, pesquisa que,
na verdade, revaloriza e desenvolve, com enfoques e métodos novos, algumas teses que já estavam
presentes em Nelson Werneck Sodré, Celso Furtado e outros. A Revolução de 1930 pode ser vista
como parte do processo de revolução burguesa no Brasil. A revolução política burguesa é um
processo prolongado. Seu ponto de partida foi, como demonstrou Décio Saes, a ruptura no Estado
80
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

brasileiro provocada pela Abolição e pela República – surge, então, no Brasil, um Estado baseado
no direito (formalmente) igualitário burguês com instituições políticas (formalmente) universalistas.
Esse é o tipo de Estado necessário para a difusão das relações de produção baseadas na exploração
do trabalho livre, isto é, capitalistas. A Revolução de 1930 deve ser situada nesse processo porque,
ao encerrar a hegemonia da grande burguesia ligada ao comércio de exportação e importação, deu
novo impulso ao desenvolvimento do Estado e da economia capitalista no Brasil: ela ampliou a
cidadania, com o desenvolvimento dos direitos políticos e sociais, unificou o mercado nacional e
desencadeou o processo de industrialização, permitindo a constituição das forças produtivas
especificamente capitalistas no Brasil.
O sindicalismo foi parte integrante desse processo. A crise política de 1930 possibilitou um
rápido crescimento do movimento sindical. Ao lado do anarco-sindicalismo e do tradeunionismo
surgira, em 1922, o Partido Comunista do Brasil. O movimento tenentista buscou, nos mais variados
pontos do país, em São Paulo, nos Estados do Nordeste e no Sul, apoio nos trabalhadores, e
particularmente no sindicalismo, para vencer a resistência da velha burguesia mercantil ao avanço
da Revolução. Trabalhos já antigos, como os de Edgard Carone e Maria Hermínia Tavares de
Almeida, e principalmente alguns trabalhos recentes, como os de Cláudio Cavalcanti, Brasília Carlos
Ferreira, Ângela Carneiro de Araújo e outros, evidenciam essa frente entre tenentismo e
sindicalismo, seja no momento da deposição de Washington Luiz, seja no de consolidação do novo
poder. Como demonstrou de modo pioneiro Virgínio Santa Rosa, a pressão difusa das massas
urbanas na década de 1920 é o pano de fundo do movimento de 1930 e, acrescentamos nós,
justamente por ter se tratado de uma pressão difusa, isto é sem direção partidária e programa
político próprios, o governo Vargas pôde implantar direitos sociais e legislação de fábrica limitados,
de modo gradativo e segmentado, e, ademais, apresentar essa legislação como se fosse uma doação
do Estado aos trabalhadores.
A Revolução de 1930 não realizou a reforma agrária, proposta que era defendida pela ala
esquerda do movimento tenentista, não rompeu com o imperialismo, embora tivesse ampliado o
controle do Estado nacional sobre a economia do país e ampliado sua autonomia no cenário
internacional, e tampouco logrou implantar um Estado de bem-estar – os trabalhadores rurais, que
compunham a maioria da população economicamente ativa até os anos 50, ficaram excluídos dos
direitos sociais e trabalhistas. Porém, ela iniciou um processo de ampliação dos direitos sociais e
criou condições para ampliar a democracia burguesa no Brasil, como se viu no período 1945-1964.
É importante repetir que o sindicalismo dos trabalhadores urbanos e, em primeiro lugar, o
sindicalismo operário foi um dos agentes dessa transformação.
81
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Há outras transformações na história política do Brasil contemporâneo que são


incompreensíveis se deixarmos de lado o papel desempenhado pelos sindicatos. Refiro-me a
transformações reacionárias, como o golpe militar de 1964, que foi apresentado pelos próprios
golpistas como uma medida preventiva contra a implantação de uma suposta “República
Sindicalista”. O simples fato de o sindicalismo ser apresentado como motivo do golpe já é um
indicador da sua presença na história política do Brasil no período da democracia populista.

O sindicalismo e a política populista


As relações complexas do sindicalismo brasileiro com os governos populistas é tema de
grandes polêmicas na bibliografia. Esse debate gira em torno de alguns temas como a natureza da
política varguista, a força real do movimento sindical, sua dependência frente aos governos
populistas, seu apego à estrutura sindical corporativa de Estado, a amplitude e importância dos
movimentos de base, “espontâneos”, e outros. Há inúmeros debates sobre esses pontos,
envolvendo autores como Luis Werneck Vianna, Francisco Weffort, José Albertino Rodrigues e
Leôncio Martins Rodrigues. Eu próprio intervim nessas polêmicas, publicando trabalhos sobre o
populismo, a estrutura sindical e as relações do sindicalismo com o Governo Vargas. Alguns
cientistas sociais e historiadores de Campinas e do Rio de Janeiro estão, atualmente, retomando de
modo polêmico essas questões. Pretendem negar a procedência do conceito de populismo. 10 Não
poderemos considerar muitas dessas questões neste nosso rápido apanhado. Queremos apenas dar
algumas indicações sobre a importância política do movimento sindical no período populista e a
pertinência do conceito de populismo para analisar o sindicalismo daquele período.
As relações do fetiche populista do Estado com o movimento sindical são mais complexas do
que podem imaginar os críticos do conceito de populismo. Tais relações, embora estabeleçam claros
limites à ação sindical, comportam contradições e instabilidades de alguns tipos.
No plano estritamente reivindicativo, esse fetiche vincula o movimento sindical à estrutura
sindical corporativa de Estado e às suas regras básicas, inibindo a organização e a luta: sindicatos
fora dos locais de trabalho, baixas taxas de sindicalização, sindicalização com expectativa
assistencial, atividade meramente sazonal dos sindicatos (a campanha salarial na data base),
fragmentação no corporativismo das categorias legais, delegação à Justiça do Trabalho do poder de

10
Na introdução desta coletânea faço uma crítica a essa tentativa, referindo-me às seguintes obras: Alexandre Fortes,
Antonio Luigi Negro, Fernando Teixeira da Silva, Hélio Costa e Paulo Fontes, Na luta por direitos – estudos recentes em
história social do trabalho. Campinas, Editora da Unicamp, 1999; Jorge Ferreira (org.), O populismo e sua história –
debate e crítica. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 1001.
82
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

tutela em substituição à luta reivindicativa, multiplicação de diretorias burocráticas e pelegas


amparadas na legalidade sindical e nos fundos que ela propicia. As lideranças pelegas que boicotam
a luta reivindicativa são, em grande medida, um resultado dessa estrutura. No plano da luta política,
o fetiche do Estado protetor que caracteriza o populismo coloca o movimento sindical sob direção
política do Estado. O papel de direção política do movimento operário reivindicativo,
desempenhado pelo partido na Europa, foi, de certa forma, desempenhado pelo Estado populista
no Brasil. A política é pensada como algo alheio ao movimento sindical, ilegítimo e divisionista. De
fato, ela poderia dividir o coletivo de trabalhadores unificados politicamente em torno do Estado. A
organização de um partido operário e de trabalhadores pela via do movimento sindical, processo
que não deve ser confundido com a caricatura petebista, é incompatível com o populismo. É
justamente por isso, de resto, que o chamado novo sindicalismo e o processo de criação do PT
podem ser tomados como o principal indicador do declínio do populismo sindical no início dos anos
80.
Temos, aí, o papel fundamentalmente desorganizador do populismo sindical, papel que os
críticos do conceito de populismo acabam ocultando. Porém, essa função desorganizadora básica
não significa, de modo algum, que a história do sindicalismo brasileiro seja uma história de
passividade. Aqui, devemos considerar dois elementos. Primeiro, e o menos importante, é que
mesmo os trabalhadores iludidos com o populismo podem organizar e participar da luta
reivindicativa. Essa pode existir e produzir, a despeito das limitações apontadas, algum resultado
prático, embora dificilmente se desdobre em educação e organização polítca. 11 Descobrir
movimentos grevistas, descrevê-los, examinar a sua importância é um dever de todo historiador
crítico e competente. Porém, isso não basta para desconstruir o conceito de populismo. Em segundo
lugar, e o mais importante, é que o populismo sindical, embora hegemônico num determinado
período da nossa história, nunca logrou, sequer nesse período de hegemonia, homogeneizar os
valores e as atitudes vigentes no movimento dos trabalhadores brasileiros. Em diferentes
conjunturas, diversos setores operários escaparam do controle do populismo.
A conjuntura do início dos anos 50 é um exemplo. A histórica Greve dos 300 mil de São Paulo,
em março-abril de 1953, foi apenas um dos pontos salientes de um conjunto de lutas que abalaram
todo o sindicalismo de Estado e o próprio populismo naquela conjuntura. Os sindicatos estavam
fechados, por determinação governamental, à ação dos comunistas e socialistas. Esses passaram,
então, a construir sindicatos livres – ou “paralelos” como se costuma dizer de modo pejorativo. O

11
No primeiro artigo desta coletânea, expliquei como se pode dar a compatibilidade entre a luta reivindicativa e o
populismo. Ver “O populismo no Brasil: natureza, formas de manifestação e raízes sociais”.
83
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Partido Comunista do Brasil adotou abertamente essa política, como mostra a pesquisa do
historiador Augusto Buonicore. A organização por fora do sindicato oficial ocorreu fortemente no
operariado de São Paulo e do Rio de Janeiro, expandiu a organização nos locais de trabalho,
multiplicou-se a imprensa sindical desses novos sindicatos livres – os operários navais do Rio de
Janeiro tinham jornais de organizações sindicais livres, ditas “paralelas”, que tiravam mais de 8.000
exemplares, como mostra a pesquisa de Denis Linhares Barsted. Tudo isso significa que os operários
começavam a romper com o populismo sindical e não que o conceito de populismo sindical seja um
conceito improcedente, como tentei mostrar em pesquisa sobre a crise política de 1954. Após muita
luta e muito vai-vem, a crise do populismo sindical foi abortada com a iniciativa do Governo Vargas
de reabrir os sindicatos aos comunistas e após a ascensão de João Goulart ao Ministério do Trabalho.
Esse exemplo indica porque o populismo sindical não impediu que o sindicalismo brasileiro
interviesse nas crises e no processo político do período.
O golpe de Estado que depôs Getulio Vargas em 1954 teve, como já tentei demonstrar na
citada pesquisa sobre esse golpe de Estado, a luta sindical como seu componente básico.
Diferentemente do que sustentaram Francisco Weffort, Octavio Ianni, a esmagadora maioria dos
pesquisadores e a própria memória política herdada do varguismo, o aspecto fundamental do golpe
de 1954 não foi a vitória
de um “projeto de desenvolvimento associado ao capital estrangeiro”, defendido pela União
Democrática Nacional (UDN), sobre um “projeto de desenvolvimento autônomo”, que seria
defendido e implementado pelo Governo Vargas. A contradição burguesa entre nacional-
reformismo e entreguismo era real, mas o seu significado e o seu peso não correspondem àqueles
apresentados na análise dominante do Golpe de 1954.
O nacionalismo de Vargas era um nacionalismo industrialista “tout court”. A política
industrialista secretava um discurso nacionalista porque havia resistências do imperialismo
norteamericano à tentativa de Vargas de reformular a antiga divisão internacional do trabalho que
condenava o capitalismo brasileiro à condição de produtor de produtos primários e importador de
produtos industriais. Se dizemos, portanto, que o nacionalismo varguista não era antiimperialista,
não estamos obrigados a dizer, por causa disso, que ele seria “demagógico”, coisa que nossas
considerações explicam que ele não era – populismo e demagogia só são sinônimos para o senso
comum ou para quem deseja travar polêmicas fáceis. Já o entreguismo da UDN era um entreguismo
antiindustrialista, que representava os interesses comerciais e agrícolas das empresas brasileiras e
estrangeiras que exploravam os negócios de exportação e importação propiciados pela antiga
divisão internacional do trabalho, divisão que esses interesses queriam manter.
84
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

E por que o peso da contradição entre o industrialismo, representado pelo intervencionismo


nacional-reformismo varguista, e o modelo agro-exportador, representado pelo liberalismo
entreguista udenista, não é aquele que normalmente se imagina? Por que podemos dizer que foi a
luta sindical e não a luta pela industrialização que esteve na base do golpe de 1954? Porque, embora
numa primeira fase da crise, a política brasileira tenha estado dividida entre industrialista e
antiindustrialistas, a ascensão da luta sindical a partir da Greve dos 300 mil reunificou o campo
burguês, preocupado com a ascensão do movimento operário. Essa reunificação, que aparece em
diversos documentos das principais associações de empresários, como mostrei no meu estudo
sobre o golpe de 1954, se deu, ao mesmo tempo, contra o movimento sindical e contra o próprio
Getúlio Vargas. Explica-se. Com efeito, diante da pressão sindical, o Governo Vargas optou por fazer
concessões ao movimento operário para abortar a crise do populismo sindical. O ponto culminante
dessa política de concessão foi o reajuste de 100% do salário mínimo em maio de 1954. A partir daí
a mobilização do conjunto da burguesia contra o governo intensificou-se. O golpe de 1954, portanto,
teve como principal fator a ascensão do movimento sindical, que engatinhava numa tentativa,
posteriormente frustrada, de rompimento com o sindicalismo populista.
Alguns aspectos semelhantes estão presentes na crise e no golpe militar de 1964. Aqui, um
dos fatores básicos é, de modo aparentemente paradoxal, o ingresso - e não a ruptura - dos
trabalhadores rurais no sindicalismo populista. Vale a pena repetir: o populismo como demagogia
nem manipulação. Nesse caso, podemos dizer o seguinte: o populismo levou a cidadania – restrita,
é preciso lembrar – para uma zona rural dominada por proprietários de terra que não queriam saber
de cidadania alguma. A incorporação, pelo Governo Goulart, do movimento dos trabalhadores
rurais ao sindicalismo populista foi o começo da perdição desse governo junto da burguesia – pode-
se consultar sobre isso os livros de Fernando Azevedo sobre as Ligas Camponesas e de Caio Navarro
de Toledo sobre o Governo Goulart. A luta das Ligas Camponesas e a agitação entre outras
categorias de trabalhadores rurais representavam uma ameaça ao sindicalismo oficial que, de resto,
ainda não se implantara no campo. Um movimento reivindicativo organizado de modo livre e
visando a reforma agrária, um objetivo “explosivo” para um capitalismo como o brasileiro, estava
crescendo. Isso colocava Goulart diante de uma alternativa semelhante àquela frente à qual Vargas
se vira dez anos antes: simplesmente reprimir o movimento contestador e arriscar-se a perder sua
base de apoio ou fazer concessões de modo a recuperar o prestígio e a força do sindicalismo
populista, correndo o risco de se indispor com a burguesia.
Os trabalhadores, o Partido Comunista e outras correntes de esquerda, sob forte impacto do
populismo, eram suscetíveis a essa oferta minguada de uma cidadania sindical sob tutelada. Não
85
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

viam o movimento sindical e reivindicativo como um grande movimento que deveria organizar de
forma independente as massas, educá-las para a hegemonia, e articular-se com partidos políticos
que representassem seus interesses. Não só aceitaram a sindicalização oficial rural, isolando as Ligas
Camponesas - já que os sindicatos oficiais rurais também podiam organizar camponeses - como
lutaram para levar o sindicalismo oficial ao campo. Porém, essa exportação do populismo para o
campo foi fatal. Goulart fez a mesma opção conciliadora que Vargas fizera dez anos antes e os
proprietários de terra e a burguesia não o perdoaram, como não haviam perdoado seu predecessor
e inspirador. E tal como ocorrera em 1954, quando os quebra-quebras foram a única ação
(impotente) de protesto contra o golpe de Estado, a esquerda brasileira permaneceu, como os
trabalhadores desorganizados pelo populismo, passiva – esperavam uma reação do Governo
Goulart – que fugiu - ou do Estado, “na pessoa” da “ala progressista” (sic) das Forças Armadas.
São, portanto, muito complexas as relações dos trabalhadores com o populismo. O
sindicalismo, apesar de populista, pode criar instabilidades e interferir no processo político nacional,
seja porque o populismo não inviabiliza a reivindicação, seja porque nem todos os setores das
classes trabalhadoras estiveram, sequer no período áureo do populismo, sob o império absoluto
dessa ideologia. Porém, nos exemplos de 1954 e 1964, vemos que o sindicalismo, justamente por
não ter rompido com o populismo, embora tenha tido o poder de provocar crises, não foi capaz de
propiciar um desfecho que lhe fosse favorável. Quem estiver interessado num desfecho favorável
aos trabalhadores não poderá, portanto, ocultar o componente populista da ação sindical. Como
podemos notar, existem sim implicações políticas importantes na discussão teórica sobre o conceito
de populismo.
Algo diferente acontece na conjuntura de crise da ditadura militar e, dentre outras razões,
porque, naquele momento, o novo sindicalismo iniciou um processo mais conseqüente de ruptura
com o populismo sindical, procurando substituí-lo por um reformismo operário de tipo social-
democrata.. Esse reformismo, diferentemente do reformismo superficial e estatista do populismo,
organiza o movimento operário no plano sindical e partidário, tornando-o capaz de intervir na
política e nos parlamentos de modo mais eficaz e organizado.

O sindicalismo acuou a ditadura militar e contribuiu para o surgimento de uma nova esquerda no
Brasil
Passemos à discussão do papel desempenhado pelo sindicalismo na luta pelo fim da ditadura
militar.

86
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Aqui nos deparamos, de novo, com um fator econômico-social e quantitativo: o crescimento


industrial induzido pelos governos militares e suas repercussões nas classes trabalhadoras. Há um
interessante livro de Duarte Pereira, intitulado O Perfil da Classe Operária, que mostra o
crescimento do operariado industrial ao longo da década de 1970. Esse crescimento teve como
“carro-chefe” a indústria automobilística concentrada no ABC paulista. Alguns autores, analisando
a liderança sindical emergente no ABC, em meados da década de 1970, diagnosticaram que essa
liderança se endereçaria para uma ação sindical de tipo norte-americano: negociação dura, setorial,
e combinada com despolitização. Maria Hermínia Tavares de Almeida foi uma das que apresentou,
então, esse diagnóstico. No final da década, já com uma perspectiva histórica mais ampla,
propiciada pelas primeiras greves que surgiam no ABC, John Humprhey polemizou com essa tese, e
insistiu que, se os operários do ABC possuíam uma situação diferenciada frente ao restante do
operariado brasileiro, eles eram, tal qual o restante da massa proletária, oprimidos pelo mesmo
regime político e pela mesma política econômica e social, o que estava levando à radicalização e à
politização do movimento sindical que ressurgia, depois de um longo hiato, como movimento
sindical de massa.
É interessante relembrar como as coisas se passaram, para compreender como a crise da
ditadura facilitou o ressurgimento da luta sindical de massa e, por sua vez, como essa luta tornou
irreversível, até onde se pode falar em irreversibilidade na política, a crise da ditadura militar. A
liderança emergente do ABC surgiu falando em livre-negociação e defendendo a separação entre
sindicalismo e luta política. Não se tratava de um retorno ao anarcosindicalismo, uma pregação
doutrinária sobre o caráter necessariamente burguês da atividade política, mas sim de uma atitude
que consistia em menosprezar a importância da política na solução dos problemas dos
trabalhadores. Livre-negociação, apoliticismo e base social nos trabalhadores qualificados do setor
mais moderno da indústria: parecia que o ABC caminhava, de fato, para um sindicalismo de tipo
norte-americano.
Desde o fim do “milagre econômico” e da derrota da luta armada, o partido burguês de
oposição, o MDB, adotara uma linha mais crítica frente à ditadura militar. Parte da grande imprensa
também passou a refletir as insatisfações de setores da burguesia nesse ambiente de fim do
“milagre”. Tanto a ação do MDB, quanto a atitude da imprensa, favoreceram, de maneiras variadas,
a retomada do movimento sindical. Quando, porém, o sindicato dos metalúrgicos de São Bernardo
sentiu-se forte para organizar sua primeira greve, em 1979, a reação da ditadura militar, de um lado,
e do movimento popular, de outro, politizaram aquele sindicalismo. A ditadura reagiu com uma
repressão dura e violenta. A greve só pode se manter graças ao apoio dos mais variados movimentos
87
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

populares e democráticos de todo país – movimento contra a carestia, movimentos de bairro,


movimento pela anistia e outros. Processou-se, então, uma virada na orientação do sindicalismo do
ABC.
A proposta de livre-negociação verificou-se uma quimera sob a ditadura: essa não admitia
nenhum tipo de sindicalismo – nem mesmo o de tipo norte-americano. A idéia de agir sozinho,
dispensando alianças e frentes políticas, revelou-se inviável: não fosse o apoio ativo do movimento
popular e a conivência da imprensa burguesa e de um setor representativo do MDB, a greve de 1979
não teria alcançado a duração e o impacto que alcançou. A partir de então, o sindicalismo do ABC
inscreve, gradativamente, a luta contra a ditadura na sua ação e no seu discurso, aproxima-se dos
movimentos populares e lança a proposta da criação de um Partido dos Trabalhadores e,
posteriormente, da CUT. Nesse processo, aquilo que ficou conhecido como novo sindicalismo, se
espraiou, ganhando amplos e novos setores das classes trabalhadoras, inclusive amplos setores das
classes médias que debutaram no movimento sindical, como mostram os trabalhos de Décio Saes,
Maria da Glória Bonelli, Márcia Maria Moreira Corsi Fantinatti, Patrícia Vieira Trópia, Silvana Soares
de Assis e outros. Foi, portanto, o processo político, além de outros fatores subjetivos como a ação
de correntes marxistas e de parte da Igreja Católica, fatores esses que não podemos analisar aqui,
que definiram o rumo do sindicalismo de São Bernardo.
Essa nova força social, representada pelo par PT/CUT, será um dado novo na conjuntura,
elevando a crise da ditadura militar para um patamar superior. Nem mesmo a campanha das diretas
pode ser entendida sem a criação dessa nova força social no cenário político nacional. De novo, o
comportamento do movimento sindical apresentou-se vinculado ao processo político do país e
influenciou, de modo decisivo, o desdobramento dos acontecimentos políticos. A ação do
movimento sindical foi um fator fundamental na crise e na superação da ditadura militar.
A própria força política e eleitoral demonstrada pela candidatura Lula em 1989 é
incompreensível se não levarmos em conta a ação do movimento sindical. A ação da CUT ao longo
da década de 1980, e particularmente as cinco greves gerais de protesto que organizou, reunindo
milhões de trabalhadores de quase todos Estados do país, contribuiu, de modo decisivo, para
demarcar um campo democrático e popular e evidenciar, para grande parte dos trabalhadores, o
caráter antipopular da política do Estado brasileiro. É claro que, também aqui, é necessário apontar
os limites dessa transformação. A estrutura sindical corporativa de Estado, a decapitação da
esquerda durante a ditadura, o economicismo da liderança emergente de São Bernardo,
economicismo do qual essa liderança não se libertou nem mesmo depois de ter criado o PT, esses e
outros fatores permitiram que a ditadura fosse substituída, sob controle da burguesia, por uma
88
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

democracia burguesa restrita que não tocou no arcaísmo da estrutura econômica e social do Brasil.
As condições de vida dos trabalhadores na atualidade são uma prova eloqüente de que, mais uma
vez, as classes populares não lograram assumir o controle do processo de mudança. Diante dessa
limitação do processo de mudança, recorrente na história do Brasil como estamos vendo, talvez se
deva falar numa “história lenta”, mas não em algo paradoxal como uma “história parada”, na qual
as lutas políticas seriam meras encenações, e nem mesmo em algo como uma “história paralela”,
em que as transformações políticas, de um lado, e a vida e a luta dos trabalhadores, de outro, nunca
se tocariam.

A defensiva do sindicalismo nos anos 90


Ao longo dos anos 90, o sindicalismo brasileiro tem estado numa posição defensiva – pouco
pode fazer além de tentar, sem muito sucesso, rechaçar o assédio do inimigo às suas antigas
conquistas. O principal responsável por essa situação foi um acontecimento político: a vitória de
Fernando Collor de Melo na eleição presidencial de 1989, vitória que deu início à “era neoliberal”
no Brasil.
A política econômica e social do neoliberalismo consiste em desmontar a pouca proteção que
existe para o trabalhador e para a economia nacional – abertura comercial e desregulamentação
financeira, privatização das empresas e serviços públicos, desregulamentação do mercado de
trabalho e redução dos gastos e dos direitos sociais. Não há espaço para demonstração, mas é
possível argumentar que essa política atende, fundamentalmente, os interesses do capital
financeiro internacional, que ganha com todas as medidas da polítca neoliberal que arrolamos
acima, e os interesses da grande burguesia interna, principalmente o grande capital bancário, que
ganha com a maioria das medidas arroladas. Como conseqüência da aplicação do programa
neoliberal, a economia brasileira tem oscilado, ao longo dos anos 90, entre o crescimento baixo e a
recessão, a política de juros está voltada para o estímulo da acumulação financeira, o desemprego
atingiu um patamar inaudito na história do Brasil e houve um nova vaga de reconcentração da
renda. Segundo o IPEA, na década de 1960, quando a renda já era muito concentrada no Brasil, os
50% mais pobres da população detiveram, como média anual, 18% da renda nacional; na década de
1970, a parcela da renda apropriada pelos mais pobres caiu para 15% e na década de 1980 para
14%. Os governos neoliberais conseguiram jogar a renda dos mais pobres ainda mais para baixo.
Entre 1990 e 1996, a média foi de 12% da renda apropriada pelos 50% mais pobres. O fato de, ao
longo dos dois primeiros anos do Plano Real, ter havido uma pequena e efêmera melhoria nos
termos da distribuição da renda foi usado, indevidamente, como propaganda pelos neoliberais.
89
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Porém, como evidenciam os dados disponíveis para 97, esse acidente foi passageiro e não alterou a
tendência concentradora da década do neoliberalismo.
São inúmeros os fatores econômicos e sociais contribuíram para colocar o sindicalismo
brasileiro na defensiva. A maioria deles está ligada, de um modo ou de outro, à aplicação da política
neoliberal no Brasil. O desemprego intimida o trabalhador, e esse desemprego afetou, de modo
marcante, dois dos setores mais ativos do sindicalismo brasileiro nos anos 80 – os metalúrgicos do
ABC e os bancários. Hoje, no ABC, há pouco mais da metade do número de metalúrgicos que havia
nos anos 80, e no setor bancário já foram suprimidos, ao longo da década de 1990, cerca de 500.000
postos de trabalho. Outro setor muito ativo do sindicalismo na década de 1980, os funcionários
públicos, também entrou em declínio: o Estado, que os governos neoliberais querem reduzir ao
mínimo, não contrata mais, tendo passado, na verdade, a demitir. Ademais, no plano ideológico, o
funcionalismo público foi colocado na defensiva – os governos neoliberais lograram identificar o
funcionário público com uma casta privilegiada, os “marajás”. O pano de fundo das situações
apontadas acima é a desindustrialização provocada pela política neoliberal, fenômeno estudado por
autores como Lucinao Coutinho, e o declínio dos direitos sociais e dos serviços públicos. Um outro
setor poderoso do sindicalismo, os petroleiros, foi vencido com o recurso à repressão – na greve
nacional de 1995, o governo FHC determinou a ocupação das refinarias pelas Forças Armadas e o
Judiciário impôs multas impagáveis aos sindicatos em greve.
Mas a defensiva do movimento sindical decorre, também, dos remanejamentos políticos
ocorridos no interior da burguesia brasileira e das mudanças no cenário internacional. Durante os
anos 80, a burgueisa brasileira estava dividida politicamente: primeiro, dividiu-se na crise da
ditadura, depois, na querela sobre a estratégia de política econômica, pois que a burguesia industrial
relutou em abrir mão do desenvolvimentismo e aderir ao neoliberalismo. Havia um partido burguês
de oposição à ditadura militar e, nos trabalhos da Constituinte, os sindicalistas puderam contar com
os votos de partidos burgueses para constitucionalizar direitos trabalhistas e sociais, medidas de
proteção ao mercado interno e de preservação de monopólios do Estado. Hoje, os partidos de
esquerda e as centrais sindicais estão isolados no Congresso Nacional, e todos partidos burgueses
votam a favor das reformas neoliberais. No cenário internacional, as mudanças foram igualmente
desfavoráveis aos trabalhadores e ao sindicalismo. Os EUA aparecem sozinhos como superpotência
política e militar, recuperaram sua economia, e podem, graças também à desagregação da antiga
URSS, agir livremente no cenário internacional. Hoje, o imperialismo norte americano, agindo
diretamente ou através de agências como o FMI e o BID, tutelam a política econômica e social dos
países periféricos.
90
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Além da situação nacional e internacional objetivamente desfavorável para a luta dos


trabalhadores, o sindicalismo foi enfraquecido pela adesão da central Força Sindical a parte da
plataforma neoliberal e pela nova linha sindical da CUT. Por iniciativa própria e por influência da
Igreja Católica e da Social-democracia, instituições cuja orientação caminhou para a direita do
espectro político ao longo dos últimos anos, a corrente majoritária da CUT, a Articulação Sindical,
fez a central adotar o chamado sindicalismo propositivo, que deprecia a ação sindical de massa e
nutre a ilusão de que é possível, com base em propostas tecnicamente bem elaboradas, convencer
o governo e os empresários da necessidade de introduzir mudanças na política econômica. O
sindicalismo propositivo multiplicou os fóruns tripartites (governo, empresários e sindicatos) mas
não logrou, ao longo de toda a década de 1990, apresentar resultados palpáveis para os
trabalhadores. A CUT acabou enredando-se numa atuação contraditória e hesitante frente ao
neoliberalismo. Apenas agora, em 1999, a direção da central dá alguns sinais de que poderá rever a
estratégia propositiva.

O sindicalismo no segundo governo FHC


A reflexão que poderíamos deixar em aberto, seguindo essa proposta de pensar as relações
entre o movimento sindical e a história política do país, seria a questão de saber se há uma
modificação importante na situação política dos anos 90 nesta conjuntura curta do segundo
mandato de FHC.
Há muitos elementos novos neste final de década que podem vir a configurar uma fase de
declínio do neoliberalismo brasileiro: as sucessivas crises cambiais que levaram à desvalorização do
real, o agravamento dos conflitos na própria base política do governo, a queda de popularidade de
FHC, o crescimento do MST e o ressurgimento, ainda tímido, de greves e de demonstrações de
massa de âmbito nacional. No plano internacional, também surgem alguns sinais alvissareiros: a
formação do governo Chávez na Venezuela e o crescimento da luta guerrilheira na Colômbia. Como
essa nova conjuntura poderá influenciar o sindicalismo? De que modo o sindicalismo poderá intervir
para, valendo-se de uma eventual crise política, contribuir para que a solução da crise seja a mais
favorável possível para os trabalhadores brasileiros?
O movimento sindical deve estar atento, nessa conjuntura, para o papel muito importante
que tem desempenhado a luta dos trabalhadores cujas vidas foram transtornadas pelo
neoliberalismo. Essa parte da população está mostrando que é sensível às propostas de ação direta:
os que foram despedidos de seu emprego, despejados da residência que alugavam ou impedidos
de trabalhar no setor informal (perueiros, camelôs) engrossaram a ação do MST na ocupação de
91
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

terras e começam a ocupar edifícios vagos para utilizá-los como moradia. O governo FHC tem ficado
na defensiva política e ideológica diante dessas ações. O mesmo governo que está forte e é
arrogante diante a luta sindical, vê-se em situação embaraçosa diante dessas novas lutas sociais. Se
em períodos anteriores de nossa história, o sindicalismo pôde valer-se da expansão industrial e do
crescimento do setor público, no período atual, marcado pela desindustrialização e pela retração
do Estado, o sindicalismo deve aliar-se às novas lutas dos desempregados por moradia, por terra e
emprego, lutas que são frutos da política neoliberal.
Se o sindicalismo influenciou a história política do país, é de se esperar que possa influenciar
também o presente. Outra questão é saber se ele, agindo com os partidos de esquerda e com os
novos movimentos populares (MST, Movimento de Moradia, luta dos trabalhadores do setor
informal), será capaz de romper com o padrão que essa intervenção tem apresentado até aqui. De
fato, vimos que a presença do sindicalismo na história política do Brasil foi, sempre, uma presença
“indireta”. Ela foi eficaz para desestabilizar regimes e governos, mas incapaz de vincular-se a forças
políticas de esquerda, reformistas ou revolucionárias, que lograssem dirigir os processos de
transição. É certo que a mudança desse padrão não depende apenas, e talvez nem
fundamentalmente, do sindicalismo. Mas, no aniversário dos 500 anos, essa é outra questão que
nos desafia e interroga.

Bibliografia
Almeida, Maria Hermína Tavares, Estado e classes trabalhaodras no Brasil (1930-1945). Tese de
Doutorado, Universidade de São Paulo. 1978.
Almeida, Maria Hermínia Tavares de, “O sindicato no Brasil: novos problemas, velhas estruturas”.
Debate e Crítica. Sâo Paulo, n. 6, julho de 1975.
Araújo, Ângela Carneiro de, Construindo o consentimento. São Paulo, Editora Scritta. 1997.
Assis, Silvana Soares de, A Apeoesp e as Reformas Neoliberais na Educação Pública Paulista.
Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas
(Unicamp). 1999.
Azevedo, Fernando Antonio, As Ligas Camponesas. Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1982.
Barsted, Dennis Linhares, Medição de forças: o movimento grevista de 1953 e a época dos operários
navais. Rio de Janeiro, Zahar. 1982.
Boito Jr., Armando, “Pré-capitalismo, capitalismo e resistência dos trabalhadores: nota para uma
teoria da ação sindical”. Crítica Marxista, n. 12, São Paulo, Editora Boitempo, 2001, p. 77-105.
Boito Jr., Armando, O Golpe de 1954: a burguesia contra o populismo. São Paulo, Brasiliense. 1982.
92
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Boito Jr., Armando, O sindicalismo de Estado no Brasil: uma análise crítica da estrutura sindical. São
Paulo e Campinas, Editoras Hucitec e Unicamp. 1991.
Bonelli, Maria da Glória, A classe média do “milagre” à recessão mobilidade social, expectativas e
identidade coletiva. São Paulo, IDESP. 1989.
Buonicore, Augusto Cesar Os comunistas e a estrutura sindical corporativa (1948 - 1952): entre a
reforma e a ruptura. Campinas, Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas,
Universidade Estadual de Campinas. 1996.
Carone, Edgard, A República Nova: 1930-1937. São Paulo, Difel. 1982.
Carvalho, José Murilo de, Os bestializados: o Rio de Janeiro e a República que não foi. São Paulo,
Companhia das Letras. 1987.
Cavalcanti, Cláudio Antônio de Vasconcelos, As Lutas e os Sonhos: um estudo sobre os trabalhadores
de São Paulo nos anos 30, Tese de Doutorado, Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas,
Universidade de São Paulo. 1996.
Fantinatti, Márcia Corsi Moreira, Sindicalismo de Classe Média e Meritocracia: O Movimento
Docente das Universidades Públicas. .
Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas
(Unicamp).1998.
Fausto, Boris, A Revolução de 1930: historiografia e história. São Paulo, Brasiliense. 1975.
Fausto, Boris, Trabalho urbano e conflito social (1890-1920). São Paulo, Difel. 1976.
Ferreira, Brasília Carlos, Trabalhadores, sindicatos e cidadania: Nordeste em tempos de Vargas. São
Paulo, Ad Hominem. 1997.
Ferreira, Jorge (org.), O populismo e sua história – debate e crítica. Rio de Janeiro, Civilização
Brasileira. 2001.

Fortes, Alexandre, Negro, Antonio Luigi et alli, Na luta por direitos. Estudos recentes em história
social do trabalho. Campinas, Editora da Unicamp. 1999.
Fortes, Alexandre; Negro, Luigi; Silva, Fernando Teixeira da; Costa, Hélio e Fontes, Paulo, Na luta por
direitos – estudos recentes em história social do trabalho. Campinas, Editora da Unicamp. 1999.
Humphrey, John, Fazendo o milagre. Petrópolis, Vozes-Cebrap. 1982.
Ianni, Octavio, Estado e planejamento econômico no Brasil. Rio de Janeiro, Civilização Brasileira.
1979.
Leonardi, Victor e Hardman, Francisco Foot, História da indústria e do trabalho no Brasil. São Paulo,
Global Editora. 1982.
93
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Magnani, Sílvia Ingrid Lang, O movimento anarquista em São Paulo (19061917). São Paulo, Editora
Brasiliense. 1982.
Pansardi, Marcos Vinicius, Republicanos e operários: os primeiros anos do movimento socialista no
Brasil 1889-1903). Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade
de Campinas (Unicamp). 1993.
Pereira, Astrogildo, Ensaios históricos e políticos. São Paulo, Alfa-Omega. 1979.
Reis, João José e Silva Eduardo, Negociação e conflito: a resistência negra no Brasil escravista. São
Paulo, Companhia das Letras. 1989.
Saes, Décio, A formação do Estado burguês no Brasil: (1888-1891). Rio de Janeiro, Paz e Terra. 1985.
Santa Rosa, Virgínio, O sentido do tenentismo. 3a ed. São Paulo, Alfa-Omega. 1976.
Silva, Lígia Maria Osório, Movimento sindical operário na Primeira República. Dissertação de
Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de Campinas (Unicamp). 1977.
Simão, Azis, Sindicato e Estado: suas relações na formação do proletariado de São Paulo. São Paulo,
Editora Dominus. 1966.
Toledo, Caio Navarro de, O governo Goulart e o golpe de 64. São Paulo, Brasiliense. 1982.
Trópia, Patrícia Vieira, Classe média, situação de trabalho e sindicalismo: o caso dos comerciários
de São Paulo. Dissertação de Mestrado, Instituto de Filosofia e Ciências Humanas, Universidade de
Campinas (Unicamp). 1994.
Weffort, Francisco, Sindicalismo e política. Tese de Livre-Docência, São Paulo, Faculdade de Filosofia
Letras e Ciências Humanas, Universidade de São Paulo. 1972.

94
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 6: Revolução Brasileira e o Projeto Popular

O que é revolução, por Florestan Fernandes

Esse texto é organizado pelo CEPIS (Centro de Educação Popular do Instituto Sedes Sapientiae, SP,
Brasil), com base no texto “O que é Revolução”, de Florestan Fernandes. Com as alterações de
termos; com os comentários, destaques e grifos o CEPIS nos auxilia no processo de leitura e
interpretação do texto. O CEPIS fez isso historicamente com diversos textos clássicos em seu
trabalho pedagógico e popular. Quem quiser ler a versão original encontrará no site do CRB ou
acha facilmente no Google.

1. O que é revolução?
A palavra revolução tem sido empregada para criar confusões. Fala-se de "revolução
institucional", referindo-se ao golpe de Estado de 1964, no Brasil, com a intenção de acobertar o
uso da violência militar que impediu a continuidade da revolução democrática. A palavra correta
seria contra-revolução. “Revolução" designa também alterações, contínuas ou súbitas, na natureza
ou na cultura. No essencial, porém, seu significado fala de mudanças drásticas e violentas da
estrutura da sociedade. O contraste entre "mudança gradual" e "mudança revolucionária" sublinha
o teor da revolução como mudança que "mexe nas estruturas", que subverte a ordem social
imperante na sociedade. O golpe de Estado foi descrito como "revolução" para esconder a
revolução democrática interrompida e intimidar, pois, uma revolução dita suas leis, seus limites, o
que ela extingue ou não tolera. Na realidade, o "império da lei" aboliu o direito e implantou a "força
das baionetas": não há mais aparências de anarquia. Uma parte precisava anular e submeter a
outra à sua vontade pela força bruta.
Quanto ao significado das palavras-chave, era fundamental para começar a inversão das
relações normais de dominação. Fica mais difícil para o dominado entender o que está acontecendo
e mais fácil para defender abusos e violações cometidas pelos donos do poder. O marco de 1964
ilustra a natureza da batalha que as classes trabalhadoras precisam travar: libertar-se da tutela
terminológica da burguesia, de relações de dominação que se definem, na área da cultura. Em uma
sociedade de classes da periferia do mundo capitalista não existem "simples palavras".
A revolução constitui uma realidade histórica; a contra-revolução é sempre o seu contrário:
é aquilo que impede ou adultera a revolução. Na luta pela transformação da sociedade, a palavra
"revolução" recebe um significado que não depende apenas do querer coletivo das classes
trabalhadoras. Toda sociedade de classes, possui certas exigências econômicas, sociais, culturais,

95
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

jurídicas e políticas. Certas "transformações estruturais" designadas como "revoluções" - revolução


agrária, revolução urbana, demográfica, nacional, democrática indicam aproximações ou
afastamentos em relação às potencialidades de expansão da ordem burguesa. Uma sociedade
capitalista que não realiza a reforma agrária e onde revolução urbana é inchaço, metropolização
segmentada, fica em débito com a revolução demográfica, nacional e democrática. Tais sociedades
capitalistas são "Nações-proletárias" ou "Nações de lúmpen - burguesias", mas possuem enorme
espaço interno para revoluções dentro da ordem. Transformações que em sociedades capitalistas
avançadas, foram desencadeadas a partir de iniciativa das classes altas ou classes médias burguesas,
aqui terão de transcorrer a partir de iniciativas das classes despossuídas e trabalhadoras. Se elas
não fazem, a história estaciona, pois, o capitalismo não gera dividendos que interessem à Nação
como um todo. Uma revolução democrática é subitamente convertida em revolução
antidemocrática.
O conceito de revolução não aparece com especificidade histórica proletária. Não se trata da
revolução dos "outros" e para os "outros", pois, as classes trabalhadoras e subalternas possuem
um interesse direto e indireto na revolução da sociedade burguesa. Quando as classes burguesas
paralisam e solapam as transformações que marcam as mudanças sociais progressivas do
capitalismo o proletariado deixa de ter o espaço histórico de que necessita para lutar por seus
interesses de classe e aumentar o seu poder real de classe. Como prêmio, recebem uma dose
adicional de superexploração e ultra- opressão, sem condições materiais e políticas para remover
esses males. A revolução, como e enquanto transformação estrutural da sociedade capitalista,
representa uma fronteira da qual as classes trabalhadoras não poderão fugir sem conseqüências
funestas. Uma sociedade capitalista semi-democrática é melhor que uma sociedade capitalista sem
democracia alguma. Nesta, nem os sindicatos nem o movimento operário podem manifestar-se com
alguma liberdade e crescer naturalmente. Por isso, a "revolução dentro da ordem" possui um
conteúdo distinto do que ela assumiu nos países capitalistas centrais.
As classes burguesas não se propõem às tarefas históricas construtivas que estão na base das
revoluções, a nacional e a democrática. As classes trabalhadoras têm de definir, por si próprias, o
eixo de uma revolução burguesa que a própria burguesia não pode levar até o fundo e até o fim,
por vários fatores. Os que repudiam tais tarefas históricas do proletariado por temor do
oportunismo e do reformismo ignoram duas coisas: a) que sem uma maciça presença das massas
destituídas e trabalhadoras na cena histórica as potencialidades nacionalistas e democráticas da
ordem burguesa não se libertam; b) o envolvimento político das classes trabalhadoras e das
massas populares no aprofundamento da revolução dentro da ordem possui conseqüências
96
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

socializadoras de importância estratégica. A burguesia tem pouco a dar e cede a medo. O


proletariado cresce com a consciência de que tem de tomar tudo com as próprias mãos e, a médio
prazo, aprende que deve passar, tão depressa quanto possível, da condição de fiel da "democracia
burguesa" para a de fator de uma democracia da maioria isto é, uma democracia popular ou
operária.
No nível mais amplo, a noção de revolução tem de ser encarada como relações antagônicas
entre burguesia e proletariado dentro do capitalismo da era atual. A época das revoluções
burguesas já passou; os países capitalistas da periferia assistem a uma falsa repetição da história:
as revoluções burguesas em atraso constituem processos estritamente estruturais, alimentados
pela energia dos países capitalistas centrais e pelo egoísmo autodefensivo das burguesias
periféricas. Estamos na época das revoluções proletárias e pouco importa que elas só tenham
aparecido nos "elos débeis" do capitalismo. O que se configurava como um processo que iria dos
países centrais para a periferia, de fato, caminhará da periferia para o centro! Por isso, as burguesias
dos países centrais se organizam como verdadeiras bastilhas e promovem seu "pluralismo
democrático" ou seu "socialismo democrático" como se fossem equivalentes políticos do
socialismo revolucionário e do comunismo.
A linguagem e a mensagem do Manifesto permanecem atuais no essencial: sob o capitalismo
e dentro do capitalismo a revolução de sentido histórico se dá contra a sociedade burguesa e o
seu Estado democrático-burguês. É a revolução que, na primeira etapa, substituirá a dominação da
minoria pela dominação da maioria; e que, na etapa mais avançada, eliminará a sociedade civil e o
Estado, tornando-se instrumental para o aparecimento do comunismo e um novo padrão de
civilização. Nesse sentido, o conceito de revolução se identifica com as tarefas maiores do
proletariado e define um longo porvir de transformações revolucionárias encadeadas. Nele, o
proletariado possui funções análogas àquelas que a burguesia preencheu na desintegração da
sociedade feudal e na construção da sociedade capitalista, só que mais complexas e difíceis. Para
realizá-Ias o proletariado precisa, antes de qualquer coisa, conquistar o poder. A partir daí, poderá
construir sua versão de democracia e, em seguida, dedicar-se à constituição de uma sociedade
igualitária e socialista. O fato do socialismo não evoluir, em todo o orbe, introduziu complicações
nesse quadro: a) as revoluções proletárias herdaram atrasos e contradições do capitalismo nos "elos
débeis": foi preciso uma terrível luta para criar condições materiais e sociais de transição que não
se encontravam configuradas historicamente; b) o cerco capitalista deformou de várias formas as
revoluções proletárias e fortaleceu a capacidade de autodefesa e de ataque das nações capitalistas
centrais, em seus pólos estratégicos da periferia.
97
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Não se pode nem se deve subestimar as inflexões da realidade histórica: o socialismo sofreu
uma compressão que o sistema de poder feudal jamais poderia infligir ao capitalismo nascente. Essa
constatação não altera o essencial: a revolução anticapitalista e antiburguesa é uma revolução
proletária e socialista. Ela nega a ordem existente em todos os níveis e de modo global. A
revolução em processo não é só uma revolução anticapitalista e antiburguesa, é uma revolução
socialista que se negará quando o socialismo se converter em padrão de uma nova civilização,
culminando no comunismo. Ou seja, a revolução proletária não terá um eixo revolucionário curto
que se esgote na substituição de uma classe dominante por outra - o proletariado deverá ser ainda
mais revolucionário depois da conquista do poder e da derrota final da burguesia. Essa é a
condição histórica para que a transição para o socialismo e para o chamado "socialismo avançado"
possua uma dinâmica democrática própria - cada avanço socialista representa um
aprofundamento comunista na negação do período de transição e do "socialismo avançado". Essa
representação marxista já foi considerada como pura utopia.
A burguesia não levou sua revolução até o fim e até o fundo porque não teve a seu favor
uma substância de classe revolucionária que a animasse a superar-se, a negar-se e a transcender-
se de modo inexorável e incessante. O mesmo não ocorre com o proletariado: ele desintegrará a
sociedade civil e o elemento político que ela engendra e reproduz, cimentando a vida social na
igualdade, na liberdade e na fraternidade entre todos os seres humanos. Então, a Humanidade
contará com uma civilização na qual as evoluções sociais deixarão de ser revoluções políticas, como
previu Marx.
2. "Quem faz" a revolução?
Há uma tendência em tornar a revolução um fato "mítico" e "heróico", individualizado e
romântico. Várias tradições tendem a anular o papel de suporte e instrumental das massas e
salientar as figuras centrais, as "figuras heróicas e decisivas". A burguesia cedeu a essas tradições e
fomentou-as; sua historiografia, mesmo quando busca os fatores externos, concentra-se no "culto
dos heróis" e dá relevo aos papéis criadores dos "grandes homens". A historiografia marxista não
anula a importância da personalidade nos processos históricos e evita uma redução mecanicista que
exclua o fator humano e psicológico. O que distingue o marxismo é sua tentativa de compreender
a revolução como um fenômeno sociológico de classe.
O marxismo parte de uma concepção objetiva do lugar que a luta de classes confere à
revolução em uma sociedade intrinsecamente antagônica. Isso exige que se evite cair no mal
oposto: um "obreirismo" rudimentar e o "redentorismo" do partido revolucionário. As dimensões
da luta de classes não são determinadas exclusivamente por uma das classes; elas constituem uma
98
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

função do desenvolvimento do capitalismo e da vitalidade que as classes em conflito demonstram


no aproveitamento das oportunidades históricas. O milagre capitalista não aparece na ascensão da
burguesia à hegemonia social de classe e à conquista do poder político, mas no fato histórico que
mostra como uma burguesia conservadora foi capaz de fomentar sucessivas revoluções técnicas,
dentro e através do capitalismo, inclusive absorvendo, filtrando e satisfazendo parcialmente
pressões anarquistas, sindicalistas e socialistas das massas operárias, pelas quais se alargou e se
modificou a democracia burguesa. Isto fez com que a modernização capitalista se desenvolvesse,
enquanto se intensificava a concentração da riqueza real e do poder real nas mãos de um tope
restrito.
Essa dialética explica-se pelas determinações econômicas, sociais e políticas da propriedade
privada dos meios de produção. Por ela a burguesia se torna, a classe possuidora mais poderosa da
história das civilizações fundadas na estratificação social. Ela proclama uma utopia do seu período
de ascensão revolucionária, e pratica uma ideologia de mistificação sistemática nas relações entre
meios e fins, indispensável para que pudesse ser modernizadora e reacionária ou ultra-
reacionária. A sua face oculta profunda aparece mais tarde, através do fascismo, da "democracia
forte" e da autocracia burguesa e se dissemina com intensidade na periferia do mundo capitalista.
A mesma estrutura de classes compelia o proletariado a um complexo movimento histórico:
os proletários surgem como uma massa dispersa e incoerente, sem união ativa e subordinada aos
interesses econômicos e aos objetivos políticos da burguesia. Graças ao desenvolvimento
industrial, o proletariado cresce, concentra-se cada vez mais, forma sindicatos e uniões
permanentes, se bate com a burguesia em escala local e nacional, e aprende a atuar em conjunto,
toma consciência de seus interesses econômicos e seus objetivos políticos. Em função do próprio
avanço das contradições da sociedade capitalista e de toda a ordem social, "a luta de classes se
aproxima da hora decisiva" e o proletariado passa a preencher em plenitude suas tarefas de classe
revolucionária, "aquela que tem o futuro em suas mãos".
Pode-se por em relevo três estágios fundamentais e distintos. O fato histórico central é a
constituição do proletariado em classe (classe em si) e o seu desenvolvimento como classe
independente no desenvolvimento concomitante das forças produtivas e da própria burguesia. No
entanto, só no primeiro estágio, os proletários ficam à mercê da burguesia, engrossando suas forças
sociais e políticas. No segundo estágio, quando se desenvolve como classe independente, o
proletariado liberta-se da tutela política burguesa e impõe-se como "partido político" (classe
capaz de lutar organizada por salários, melhores condições de trabalho e existência, maior
autonomia social e o alargamento político da ordem burguesa). Neste estágio, as reivindicações
99
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

operárias de caráter sindicalista e socialista definem o lado proletário dos direitos civis e políticos,
incorporados pela força da luta de classes à legalidade burguesa e ao funcionamento do sistema
político representativo. No terceiro estágio, o potencial revolucionário do proletariado emerge e
expande-se livremente, já que deve comandar a luta de classes e o processo global de
desintegração da "antiga sociedade" e de constituição incipiente da sociedade socialista.
"Todos os movimentos históricos precedentes foram movimentos minoritários ou em
proveito de minorias. O movimento proletário é o movimento consciente e independente, da
imensa maioria, em proveito da imensa maioria. O proletariado não pode erguer-se sem fazer
saltar todos os estratos superpostos que constituem a sociedade oficial." Ao realizar sua missão que
"é a de destruir todas as garantias e seguranças da propriedade individual", o proletariado
inaugura uma época de grandes transformações históricas. Iss mostra que o desenvolvimento do
capitalismo se enlaça ao desenvolvimento concomitante das duas classes fundamentais da
sociedade capitalista e ao agravamento da luta de classe. Por causa dele, o antagonismo entre o
capital e o trabalho se manifesta como fermento histórico. As fases do desenvolvimento do
proletariado descrevem a guerra civil mais ou menos oculta, na sociedade, até a hora em que essa
guerra explode, numa revolução aberta, e a derrubada violenta da burguesia estabelece a
dominação do proletariado". Há uma guerra civil latente e uma eclosão revolucionária aberta. As
transformações seguem as linhas dos equilíbrios e desequilíbrios de forças nas relações antagônicas
da burguesia com o proletariado.
Quem faz a revolução é a grande massa proletária e quem lhe dá sentido é a grande massa
proletária. Não se trata de uma categoria social como "Povo", mas da parte proletária do Povo e
daqueles que, não sendo proletários, identificam-se politicamente com o proletariado na
destruição das formas burguesas de propriedade e de apropriação social. Quer dizer, a maioria
descobre que a ordem burguesa não é a única possível e tenta, por seus próprios meios, a conquista
do poder e nova forma de democracia, a democracia proletária. A nova época inicia-se mediante
uma revolução pela qual o proletariado, convertido em classe dominante, "destrói
violentamente" as antigas relações de produção e "as condições dos antagonismos de classes e
as próprias classes", abrindo caminho para extinguir "sua própria dominação como classe".
Utopia e ideologia caminham juntas já que ambas extraem sua realidade histórica de uma
condição de classe revolucionária instrumental para a revolução, mas condenada ao
desaparecimento pela concretização da própria revolução. Isso permite a Marx e Engels afirmar:
"Em lugar da antiga sociedade burguesa, com suas classes e antagonismos de classes, haverá uma
associação na qual o livre desenvolvimento de cada um é a condição do livre desenvolvimento de
100
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

todos". Esta descrição propõe a revolução do proletariado que não se esgota no âmbito do
capitalismo e da sociedade burguesa. Enquanto a guerra civil é latente, a transformação
revolucionária se equaciona dentro da ordem como um processo de alargamento e
aperfeiçoamento da sociedade burguesa, pela ação coletiva do proletariado. Quando a guerra civil
se torna aberta, a transformação revolucionária se equaciona contra a ordem envolvendo,
primeiro a conquista do poder e, depois, a desagregação da antiga sociedade e a formação de
uma sociedade sem classes, destituída de dominação do homem pelo homem e de elemento
político (ordem sem sociedade civil e o Estado).
No plano prático, o reconhecimento, pelos revolucionários que situações revolucionárias não
se criam ao sabor da vontade, não se produzem por encomenda. Situações revolucionárias
encobertas e explícitas formam uma seqüência, em cadeia. O talento inventivo dos revolucionários
se mostra na sua capacidade de atinar com as exigências e possibilidades revolucionárias de cada
situação. Um diagnóstico errado conduz a sacrifícios inúteis; uma oportunidade real desperdiçada
reflete-se numa perda do movimento revolucionário em cadeia, afeta o presente e o futuro. O teor
revolucionário do movimento de classe se determina pelas potencialidades favoráveis e
desfavoráveis da situação concreta e pode-se prescindir de fórmulas dogmáticas e de líderes
messiânicos.
A firmeza da ação revolucionária de classe dependerá: a) de formas de solidariedade de
classe; b) de consciência revolucionária de classe; c) e de comportamento revolucionário de
classe. Se o proletariado não estiver preparado para enfrentar suas tarefas revolucionárias
concretas, não poderá levar a revolução até o fim e até o fundo, no contexto social imediato e, a
longo prazo. A classe que não souber aproveitar as oportunidades terá de pagar um alto preço, pois,
se a burguesia conseguir vergar o "arco histórico" do proletariado, este oscilará para uma
prolongada penumbra histórica (como aconteceu com o proletariado europeu). Se o proletariado
conseguir se antecipar ao curso da história, ele poderá deslocar a burguesia de suas posições e
precipitar a sua própria revolução social (como ocorreu na Rússia).
Quer dizer que descrever as condições da revolução não equivale a "ignorar" o elemento
humano na história. Significa buscar as linhas de determinações que fluem, através das classes e
antagonismos de classes, na objetivação das condições nas quais os seres humanos constroem
coletivamente a sua história. "A história não faz nada, 'não possui uma riqueza imensa', ‘não dá
combates'! Acima de tudo, é o homem, real e vivo, que faz tudo isso e realiza combates; não é a
história que se serve do homem como de um meio para realizar seus próprios fins; ela não é mais
que a atividade do homem que persegue seus objetivos". O homem real e vivo está nos dois pólos
101
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

da luta de classes, nos dois lados da "guerra civil mais ou menos oculta", da guerra civil que "explode
numa revolução aberta" sob a forma concreta que os antagonismos entre capital e trabalho
assumem nos conflitos da burguesia com o proletariado.
Revolução e contra-revolução constituem, por conseqüência, duas faces de uma mesma
realidade. Sob a guerra civil latente, a pressão autodefensiva da burguesia pode ser contida nos
limites da "legalidade"; por sua vez, o contra-ataque proletário fica circunscrito à defesa de sua
autonomia de classe e de sua participação coletiva no sistema de poder burguês. Quer dizer, a
burguesia afasta-se das tarefas históricas impostas por sua revolução de classe, mas o proletariado
não. Ele força e violenta os dinamismos da sociedade capitalista, obrigando os setores
estratégicos das classes burguesas a retomar pé na transformação revolucionária da ordem social
competitiva. Onde isso não ocorreu ou ocorreu de modo fraco e descontínuo, a democracia
burguesa se revelou débil e propensa às contrações contra- revolucionárias dos regimes ditatoriais.
Sob a guerra civil aberta, a pressão autodefensiva da burguesia torna-se virulenta e se coloca
acima de qualquer "legalidade". Por sua vez, o proletariado bate-se pela conquista do poder ou
pela instauração da dualidade de poder que exprima claro a legalidade que a revolução opõe à
ilegalidade da contra- revolução. O campo da luta de classes adquire uma transparência completa
e converte-se em um campo de luta armada, pela qual a revolução e a contra-revolução
metamorfoseiam a guerra civil a frio ou/e a quente, em um prolongamento da política por outros
meios. A vitória de uma ou de outra classe depende da relação da revolução e da contra-revolução
com as forças sociais que outras classes podem colocar à disposição da transformação
revolucionária ou da defesa contra-revolucionária da ordem. Isso torna decisivo o
equacionamento de estratégias revolucionárias compatibilizadas com as exigências e possibilidades
das situações concretas.
Lênin trata dos indícios de uma situação revolucionária e das probabilidades da eclosão
revolucionária: "está fora de dúvida que a revolução é impossível sem uma situação revolucionária,
mas nem toda situação revolucionária leva à revolução. Os três indícios principais de uma situação
revolucionária são: 1) impossibilidade para as classes dominantes de manter sua dominação sob
uma forma inalterada; crise do 'vértice', crise da política da classe dominante, o que cria uma fissura
onde os descontentes e a indignação das classes oprimidas abrem um caminho. Para que a
revolução estoure não é suficiente que 'a base não deseje mais' viver como antes, mas é necessário
que 'o cume não o possa mais'; 2) agravamento, mais do que é comum, da miséria e do desespero
das classes oprimidas; 3) intensificação acentuada da atividade das massas que se deixam pilhar

102
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

nos períodos 'pacíficos' mas que, no período tempestuoso, são empurradas pela crise no seu
conjunto ou pelo próprio vértice para uma ação histórica independente".
Sem essas transformações objetivas, a revolução é impossível. É o conjunto dessas
transformações objetivas que constitui uma situação revolucionária. Conheceu-se essa situação em
todas as épocas de revoluções no Ocidente, embora não tenham ocorrido revoluções em tais
momentos. Porque a revolução não surge de toda situação revolucionária, mas só quando às
transformações objetivas enumeradas, se acrescenta uma transformação subjetiva, a saber: a
capacidade da classe revolucionária de conduzir ações revolucionárias de massa vigorosas para
destruir completamente (ou parcialmente) o antigo governo que não cairá jamais, mesmo em
épocas de crises, se não for 'compelido a cair"'. "A lei fundamental da revolução, confirmada por
todas as revoluções é: para que a revolução tenha lugar não é suficiente que as massas exploradas
e oprimidas tomem consciência da impossibilidade de viver como antes e reclamem
transformações. Para que a revolução tenha lugar é necessário que os exploradores não possam
viver e governar como antes. É só quando (os de baixo) não querem mais e (os de cima) não podem
mais continuar a viver da antiga maneira, é então que a revolução pode triunfar. Essa verdade se
exprime em outras palavras: a revolução é impossível sem uma crise nacional (afetando explorados
e exploradores). Assim, para que haja uma revolução, é preciso: a) conseguir que a maioria dos
operários (pelo menos a maioria dos operários conscientes, politicamente ativos) tenha
compreendido a necessidade da revolução e esteja disposta a morrer por ela; b) que as classes
dirigentes atravessem uma crise governamental que envolva na vida política até as massas mais
retardatárias que enfraqueça o governo e torne possível aos revolucionários a sua pronta
substituição (o indício da revolução verdadeira é a rápida elevação do número de homens aptos
para a luta política, entre a massa laboriosa, oprimida e até a apática)” (Lênin).
Como parte do cerco capitalista contra o movimento socialista revolucionário, suscitou-se a
polêmica sobre o aparecimento de um partido proletário revolucionário que substituiu a classe por
uma vanguarda política e confere todo o poder de decisão ou de direção a pequenas elites de
revolucionários profissionais. Depois das experiências históricas da Comuna de Paris e em função
da dura repressão que a burguesia desencadeou sobre o proletariado na Europa, ficara claro que as
tarefas revolucionárias impunham ao proletariado uma centralização mais eficiente e produtiva de
seu potencial revolucionário. Isso não quer dizer que a constituição do partido proletário
revolucionário equivalia à formação de uma elite "exterior" à massa, em típica relação de
dominação com ela (como se o partido socialista revolucionário reproduzisse a estrutura do Estado
capitalista e, em particular, de suas Forças Armadas). Já no Manifesto Marx e Engels assinalaram o
103
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

papel dos comunistas, diante dos proletários, como "a fração mais resoluta e avançada dos
partidos operários de cada país, a fração que impulsiona as demais", com a vantagem da
"compreensão nítida das condições, da marcha e fins gerais do movimento proletário". "O fim
imediato dos comunistas é o mesmo que o dos outros partidos operários: constituição do
proletariado em classe, derrubada da supremacia burguesa, conquista do poder político pelo
proletariado."
A existência de uma classe revolucionária não constituía uma "invenção" deles. Sem um
proletariado consciente e organizado a revolução proletária nunca passaria de uma miragem.
Qualquer partido revolucionário do proletariado não pode, pois, prescindir do proletariado como
classe e nem poderia pretender mais do que ser instrumental para os três objetivos centrais
mencionados no Manifesto. Lênin ressalta: "A vanguarda do proletariado é conquistada
ideologicamente. De outro modo, mesmo dar um primeiro passo na direção da vitória, será
impossível. Porém, daí à vitória ainda há uma grande distância. Não se pode vencer somente com a
vanguarda. Lançar somente a vanguarda na batalha decisiva, enquanto toda a classe e as grandes
massas não tenham tomado uma atitude de apoio direto à vanguarda, ou pelo menos uma
neutralidade benévola, seria tolice e mesmo um crime. Para que toda a classe, as massas de
trabalhadores e oprimidos do Capital cheguem a tal posição, a propaganda, só a agitação não é
suficiente. É preciso que essas massas façam sua própria experiência política. Tal é a lei
fundamental de todas as grandes revoluções".
3. É possível "impedir" ou "atrasar" a revolução?
A revolução social do proletariado não constitui uma fatalidade do desenvolvimento
capitalista. Se fosse assim, o movimento revolucionário seria dispensável e o sindicalismo, o
socialismo, o anarquismo e o comunismo não teriam razão de ser. O Manifesto diz: “o elemento
"exterior" na ação dos comunistas provém da necessidade de levar ao proletariado "uma
compreensão nítida das condições, da marcha e dos fins gerais do movimento proletário". Em
uma dada situação, pode ser necessário fortalecer e acelerar a "constituição do proletariado em
classe"; em outra pode ser necessário solapar e abalar "a supremacia burguesa", e, onde os
proletários contem com as condições indispensáveis de organização como classe independente e
possam compelir a burguesia a aceitar sua atividade política e a tolerar sua presença revolucionária,
a necessidade central poderá ser a "conquista do poder político". Esses fins podem mesclar-se, a
partir de condições históricas típicas de uma situação revolucionária. O central é a luta de classes.
A luta de classes se manifesta desde o início, desde o "ponto zero" desse movimento histórico, no

104
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

qual o proletariado não reúne as condições materiais e sociais de uma classe e o objetivo
revolucionário larvar vem a ser a constituição da classe.
Constituir-se e expandir-se como classe independente é uma façanha, tão difícil quanto lutar
contra a supremacia burguesa, para conquistar espaço histórico e político, mais ou menos dentro
da ordem, e travar a luta direta pelo poder, o controle da sociedade e o comando do Estado.
Segundo Lênin, é depois de derrubar a burguesia e de construir uma democracia proletária que se
torna ainda mais difícil defender a revolução social e conduzi-Ia para diante. Aí é que os
proletários, com seus aliados, precisam evidenciar mais firmeza, tenacidade e capacidade coletiva
de sacrifício. Para os que acham que a revolução é uma aventura, que acreditam que se consegue
a revolução "por encomenda", tudo é simples, basta provocar a burguesia e tomar-lhe o poder.
Quanto mais desenvolvido for o sistema de produção capitalista, maior será a facilidade que
as classes possuidoras e dominantes encontrarão em se fortalecer através da luta de classes. Essa
regra se evidenciou e de maneira clara com a derrota da Comuna. Ao contrastar o poder da
burguesia ao poder da nobreza feudal, Marx e Engels assinalam a natureza das dificuldades que os
proletários teriam de enfrentar e de vencer. Só depois de conquistar o poder teria o proletariado
probabilidades de alterar sua relação com a sociedade capitalista e de usar o poder político para
levar até o fim a destruição da ordem existente ou de encetar, a fundo, a construção de uma nova
ordem social. Enquanto combate dentro da ordem capitalista e através de meios legais, qualquer
que fosse sua capacidade de recorrer à violência, o proletariado poderia, no máximo, redefinir sua
relação com a revolução burguesa, reacendendo os seus estopins, para ampliar sua autonomia e
organização, como e enquanto classe, e serrar os dentes ou amarrar os braços das classes dirigentes.
Continuando com sua hegemonia social e política, estas classes poderiam enfrentar a maré
montante, fazendo concessões e ampliando os direitos civis, sociais e políticos do proletariado,
dentro da ordem, ou aproveitar as condições favoráveis para reduzir o ímpeto da pressão operária
e, se possível, neutralizá-Ia. Em outras palavras, a luta de classes impõe ziguezagues aos dois lados
e, em termos estratégicos, a burguesia sempre dispõe de vantagens que não podem ser
subestimadas. A Comuna permitiu uma demonstração conclusiva. A burguesia pode aproveitar
todas as vantagens de uma guerra civil a quente, inclusive um forte apoio externo de outros países
capitalistas, fácil de mobilizar em virtude do caráter mundial do mercado capitalista e do interesse
mundial que liga as várias burguesias, no patrocínio à mão armada de seus interesses vitais.
Os antecedentes da I Grande Guerra mostraram um painel ainda mais sombrio. A rapidez com
que o rico movimento socialista foi convertido ao social-patriotismo revela o poder de corrupção
que o controle da economia, da sociedade e do Estado coloca nas mãos das burguesias dominantes
105
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

nos países capitalistas mais adiantados. Elas não precisam recorrer à violência para autodefender-
se, autoproteger-se e contra-atacar. Basta incorporar um setor mais amplo da vanguarda operária
e das burocracias sindicais ou partidárias do proletariado às classes médias, para convertê-Ios em
burgueses e em cavaleiros andantes da democracia burguesa. A violência é algo a que se recorre
quando a contra-revolução vitoriosa concede todos os trunfos às classes dominantes. Em
contraposição, o que os operários e camponeses são capazes de fazer, se chegam a dispor de
recursos estratégicos análogos, é demonstrado pela revolução bolchevique. Todas as forças
lançadas contra o Estado bolchevique, a partir de dentro e a partir de fora, foram batidas e
destroçadas.
Uma análise que leve em conta as evoluções ocorridas nas sociedades capitalistas centrais,
descobre que a burguesia não só aprendeu a conviver com a luta de classes, mas vergou o próprio
movimento socialista e comunista. Forçou-os a definir como seu eixo político a forma burguesa de
democracia - forçou-os a renegar a luta de classes e os meios violentos, "não democráticos", de
conquista do poder. Isso não implica que a revolução proletária tenha sido proscrita, que "o perigo
passou". Mas, implica em um avanço considerável da burguesia, em escala nacional e mundial, na
utilização da luta de classes em proveito da defesa do capitalismo. É uma aprendizagem que
proporcionou vantagens na "luta ideológica" de algo substancial: a burguesia aprendeu a usar
globalmente as técnicas que lhe são apropriadas de luta de classes e ousou incorporar essas
técnicas a uma gigantesca rede institucional, da empresa ao sindicato patronal, do Estado às
organizações capitalistas continentais e de âmbito mundial. Enquanto o movimento socialista e
comunista optaram por opções "táticas" e "defensivas", a burguesia avançou estrategicamente, ao
nível financeiro, estatal e militar, e procedeu a uma revolução das técnicas da contra-revolução.
Inclusive, abriu novos espaços para si própria, explorando as funções de legitimação do Estado, para
amarrar as classes trabalhadoras à segurança da ordem e soldar os sindicatos ou os partidos
operários aos destinos da democracia.
Não cabe, aqui, ir ao fundo do assunto, nem perguntar quais foram os erros que sindicalistas,
socialistas, anarquistas e comunistas cometeram para serem relegados à condição de massa de
manobra da burguesia, em um momento histórico, onde o proletariado possui todas as condições
de classe em si e para si. O que conta, tão-somente, são concessões traidoras e suicidas. Do
abandono do internacionalismo proletário passou-se ao social patriotismo e, deste, à renegação do
aprofundamento da luta de classes e da revolução proletária, como se a ordem social competitiva
pudesse chegar a um estágio de confraternização de classes sociais antagônicas. Isso é uma vitória
não apenas circunstancial, mas prolongada e histórica da burguesia! O movimento histórico do
106
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

proletariado vergou exatamente nos países onde ele tinha as melhores condições para dinamizar a
luta de classes de forma revolucionária. Fica claro que a marcha da luta de classes pode oscilar e
que tais oscilações se traduziram no declínio prolongado do potencial da classe operária de bater-
se pela "conquista do poder". Se ela sucumbe no plano prévio de enfrentamento com a "supremacia
burguesa", inclusive incorporando a ideologia de classe da burguesia e sua forma de democracia,
ela tem de abater-se e sucumbir ao poder do Estado. É fácil dizer: isso não quer dizer nada, o
proletariado poderá perder todas as batalhas, mas não perderá a guerra. Como ganhar a guerra
sem aceitar "todas as batalhas"?
O que tem prevalecido é a contra- revolução, macia e a frio, que drena as forças proletárias
mais estuantes para o "exército da ordem"; que perfilha os proletariados mais fortes, organizados
e promissores às palavras-chave da democracia burguesa, convertida no alfa e ômega do
sindicalismo e do socialismo militantes. Por fim, numa época de crise de civilização, que é crise da
civilização burguesa, descobre-se que o "mundo livre" é o mundo da civilização burguesa! As
"promessas do proletariado" não se concretizaram porque as classes trabalhadoras foram
batidas. Culpar o consumo de massas, as guerras, à corrupção parcial ou global de vanguardas
operárias e da aristocracia operária, à omissão da União Soviética... não muda a realidade das coisas.
As classes burguesas, ameaçadas de extinção fizeram o que estava na lógica da situação
revolucionária para que fizessem. Revitalizaram, até onde foi possível, o pólo burguês da luta de
classes e, mergulharam a fundo na contra-revolução, beneficiando-se das novas revoluções
tecnológicas e dos recursos que trouxeram ao fortalecimento do capitalismo, à renovação da
opressão e aperfeiçoamento da repressão. Comprovaram que o poder burguês não pode ser
derrotado de modo tão fácil quanto o poder feudal e que o movimento socialista revolucionário
precisa recalibrar-se e reaparelhar-se para revolucionar suas técnicas de revolução. O pólo
proletário da luta de classes entrou em declínio e sofreu um colapso prolongado. Houve
enfrentamentos e sacrifícios imensos, mas sem conseqüência à vitória da causa revolucionária do
proletariado. Nem a ótica socialista nem a comunista responderam às exigências da situação. De
concessão em concessão, de miséria em miséria, suas forças militantes perderam a oportunidade
histórica e viram-se condenadas, para salvar o "espaço histórico do proletariado", a renegar os
valores fundamentais do socialismo revolucionário e toda a estratégia revolucionária do
proletariado na luta de classes.
É hora de ler e reler o Manifesto. Não é um catecismo, nem o mundo histórico para o qual foi
calibrado existe mais. No entanto, é preciso lê-Io e relê-Io, a fundo, por outra razão: trata-se de
recuperar a verdadeira ótica do socialismo revolucionário e do comunismo. A luta de classes não
107
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

constitui um artigo de fé. Ela é uma realidade e só poderá desaparecer se o capitalismo for
destruído. Por maior que seja a parcela do "bolo" reservada à satisfação da aristocracia operária, ou
das classes trabalhadoras, a ordem capitalista nunca poderá alterar-se de modo a subverter a
relação básica entre capital e trabalho. O próprio capitalista só tem interesse no "amortecimento"
e no "solapamento" da luta de classes, enquanto puder manter integralmente a forma capitalista
de propriedade privada e de exploração do trabalho. O capitalismo reformado é uma baleIa e os
que acreditam nele como "uma forma de revolução democrática", capaz inclusive de superar o
socialismo proletário, nunca tiveram quaisquer elos efetivos com as posições proletárias na luta
de classes. A volta ao Manifesto será, pois, uma maneira de ressoldar os liames do movimento
socialista com o proletariado e com a revolução anticapitalista.
Não faltam análises mostrando o "caráter utópico" do renascimento de uma autêntica
consciência proletária da transformação do mundo porque desapareceram as condições para a
manifestação e o florescimento fermentativo dos conflitos de classes! Insiste-se no crescimento das
classes médias, no estreitamente do setor proletário ou na predominância do trabalho intelectual
para ressaltar que, sob a grande indústria ultra-moderna, a sociedade de massas despolitiza a
consciência e o comportamento ativo das classes oprimidas. Até parece que as classes possuidoras
e dominantes descobriram seu paraíso, graças à civilização industrial recente! Esse pessimismo
radical mostra até onde foi a pressão burguesa, depois de um século de subversão contra-
revolucionária do movimento e do pensamento socialista. Mostra até onde foi depois das versões
de revisionismo, do social patriotismo e do socialismo reformista, para a defesa da ordem, calcada
na idéia de que a revolução proletária tornou-se impraticável ou improvável e um contra-senso
político.
Os que não gostam do capitalismo precisam aprender a conviver com ele, a torná-Io "mais
humano", através da dissidência inteligente e dos movimentos dotados de centros múltiplos de
defesa comunitária da "qualidade da vida"! Ora, o capitalismo é o maior coveiro da qualidade da
vida. Por onde ele passou com vitalidade, nos países do centro e da periferia, superdesenvolvidos,
subdesenvolvidos ou não desenvolvidos, o efeito foi sempre o mesmo. A qualidade da vida não
passa de uma miragem e os múltiplos movimentos que propagam as suas bandeiras apenas
demonstram a impotência dos seres humanos que pretendem conciliar capitalismo e razão. Nem
é preciso a guerra, aberta ou mascarada, para deixar patente que a única defesa correta da
qualidade da vida constitui uma função do desmantelamento da civilização industrial capitalista -
ou qualidade da vida se processa através do socialismo revolucionário, ou o movimento histórico
em sua defesa nunca irá além de uma quimera.
108
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Claro que a revitalização dos ideais revolucionários não pode ocorrer "como se estivéssemos"
no século XIX. A luta de classes é suscetível a várias adaptações. O essencial é que não seja extinta
ou paralisada, em nome de mistificações, como a que a encerra no universo legal e pacifico de
defesa da forma burguesa de democracia. A via democrática compatível com a luta de classes é a
que se cria, graças ao enfrentamento das classes subalternas e oprimidas com as classes dirigentes
e opressoras. Seria ilusório supor que as classes subalternas e oprimidas possam organizar-se para
levar a luta de classes a um patamar revolucionário seguindo à risca o modelo burguês de
democracia ou prescindindo da forma concreta de democracia real interna em seu movimento
histórico. A democracia é um valor supremo, um fim maior e um meio essencial. No caso das
rebeliões dos oprimidos sob o capitalismo, um meio essencial sine qua non: a ordem capitalista
não é negada senão depois da conquista do poder. O deslocamento da supremacia burguesa e a
necessidade da conquista do poder exigem uma democratização prévia, de natureza proletária, das
organizações operárias de autodefesa e ataque. O que entra em jogo não é ou democracia ou
revolução proletária. Desde que o proletariado tenha condições de lançar-se à dinamização da luta
de classes, põe em equação histórica uma forma política de democracia que as classes burguesas
não podem endossar e realizar.
Não são os proletários que têm interesse em despojar-se das condições vantajosas de travar
a luta de classes sob o capitalismo monopolista e imperialista da era atual. Isso é imposto por meios
coercitivos ou suasórios pela violência burguesa. O Estado democrático tem de destruir o
movimento operário ou impedir que ele lute por seus objetivos históricos centrais, porque a
democracia burguesa não é forte para conter os antagonismos gerados pela produção capitalista
e pelo desenvolvimento do capitalismo. Essa forma política de democracia não comporta a
contraviolência dos proletários e oprimidos porque esta extinguiria as bases econômicas, sociais e
políticas da dominação burguesa. Ela não pode conferir liberdade igual a todas as classes sem
desintegrar-se. É impossível reformar o capitalismo de uma forma proletária. Para reformar o
capitalismo de uma forma proletária seria preciso eliminar todas as causas da desigualdade
econômica, social e política que existem e se reproduzem, sob o capitalismo. Quer dizer, engendrar
na sociedade e na civilização capitalistas existentes, a forma histórica que a sociedade e a civilização
tenderão a assumir graças e através do socialismo.
As mistificações dos "socialistas democráticos" são evidentes. A democracia burguesa de
nossos dias é uma democracia armada e, armada contra isso. A "democracia forte" possui as
mesmas causas que o fascismo e busca os mesmos fins. Nasce do temor da burguesia diante da
revolução proletária e pretende paralisar a história. Se tudo isso fosse compatível com a forma
109
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

política que a democracia tende a assumir com a erupção e ascensão das classes subalternas e
oprimidas na história, o mundo moderno nascido da revolução industrial e das revoluções técnicas
sucessivas, que enriqueceram o capitalismo sem modificá-Io em sua substância, seria muito
diferente do que ele é. A Humanidade poderia alcançar uma nova época de civilização sem passar
pelo socialismo e pelo comunismo! O sindicalismo, o anarquismo, o socialismo e o comunismo já
estariam mofando nos porões da história, pois os proletários e seus aliados poderiam construir o
mundo da igualdade, da liberdade e da fraternidade sem ter de recorrer à luta de classes e sem
lançar mão da contraviolência para assegurar certos mínimos que a democracia liberal não confere
a todos de modo universal!
4. Como "fortalecer a revolução" e "levá-Ia até o fim"?
Os proletários relacionam-se com duas revoluções distintas: a) com a revolução burguesa,
como força tutelada e cauda política da burguesia; b) com a revolução proletária, criando as
condições que a tornam possível, dentro da ordem burguesa e, mais tarde, na luta pela conquista
da hegemonia social e do poder político. A literatura socialista fala pouco da relação do
proletariado com a primeira revolução. No plano prático, nos países capitalistas
"subdesenvolvidos", vários partidos de esquerda e os partidos comunistas conferiram à revolução
burguesa o caráter de objetivo central. A falta de rigor teórico levou a erros políticos estratégicos.
É tão verdadeiro que, nos países onde a revolução proletária venceu, os partidos comunistas ou as
forças revolucionárias modificaram, em tempo, a estratégia. Deixaram de separar a burguesia
nacional do imperialismo; reconheceram que as classes burguesas internas não fariam frente às
suas tarefas revolucionárias; entenderam que as crises de poder comportavam a coexistência de
dois padrões de revolução social; e deram prioridade à revolução proletária, percebendo que as
massas a apoiariam com entusiasmo. Esses avanços foram lentos e complicados, pois era preciso
pôr à prova as classes burguesas e ver o que, dentro delas, constituía força revolucionária real. Onde
esta evolução não se concretizou, manteve-se a "ilusão constitucional e democrática", nas piores
condições possíveis. Os proletários e as massas camponesas ficaram à mercê dos apetites de
burguesias débeis e desinteressadas em aprofundar sua própria revolução. Isso abriria espaço
político para as massas destituídas e subalternas e acarretaria transformações históricas
incontroláveis relativas ao proletariado com sua revolução.
As "forças da ordem" se voltam contra as condições de organização e de desenvolvimento
independente dos proletários enquanto classe; contra os sindicatos e partidos proletários ou
identificados com o proletariado, que desenrolem uma propaganda política revolucionária. O
movimento repressivo ataca nos dois níveis centrais a posição proletária na luta de classes.
110
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Qualquer ganho no primeiro nível, oferece à burguesia a vantagem de uma debilitação estrutural e
prolongada das classes destituídas e subalternas. Estas são confinadas à "apatia", não encontram
na ordem capitalista condições para a própria constituição e fortalecimento como classe
independente. A "apatia das massas" é um produto político secretado pela sociedade capitalista
e manipulado pelas classes dirigentes. Qualquer ganho no segundo nível, permite à burguesia
reduzir o alcance e os ritmos históricos da luta de classes, porque se quebra a espinha dorsal do
movimento proletário - a sua vanguarda de classe e política. A intervenção, nesta área, visa impedir
ou solapar os riscos que a atividade revolucionária do proletariado possa acarretar para a
"supremacia burguesa" e sua dominação de classe e eliminar ou reduzir os conflitos de classes
que possam engendrar crises profundas e aproximar as classes destituídas e oprimidas da
conquista do poder.
Não estamos mais no "ambiente pioneiro" dos primeiros processos de industrialização. Nem
a via inglesa nem a via francesa podem mais ser tomadas como modelos: a mudança social
espontânea não produz mais os mesmos efeitos. Porque a burguesia já aprendeu a receita e pode
impedir, no nascedouro, transformações importantes para as classes trabalhadoras. Mas,
principalmente, porque existe um forte componente universal de pressão contra-revolucionária nas
reações burguesas autodefensivas: esmagar enquanto é tempo tem sido a receita primária e eficaz
posta em prática nos tempos atuais. Esse esmagamento sistemático produz um proletariado
anêmico e com fraca base estrutural para movimentar a luta de classes. Torna-se um "inimigo débil",
fácil de ser encurralado ou "fácil de contentar".
Esse esmagamento se faz a partir de muitas tenazes que visam fragmentar as classes
trabalhadoras, no campo e nas cidades. As tenazes vão da manipulação das leis, da polícia militar e
dos tribunais de trabalho até os quadros de dirigentes sindicais e partidários ideologicamente
perfilhados à burguesia e politicamente presos às compensações da ordem. Mas, também vai do
controle ideológico e político dos sindicatos e partidos operários até à atuação do aparelho estatal.
É "natural" para a burguesia ser e afirmar-se como uma classe: ela dispõe da ordem legal e nega a
condição de classe como um "fator de distúrbio", de "insegurança" ou de "desunidade". Com isso,
a condição de sua existência como classe tende a converter-se na condição de eliminação,
alinhamento e capitulação passiva das outras classes.
As alterações históricas mostram que os sindicalistas, socialistas, anarquistas e comunistas
precisam devotar uma atenção mais séria e concentrada às novas formas de mudança social
deliberada que precisam ser postas em prática no presente, se se pretender galvanizar a
constituição do proletariado como classe independente e intensificar o seu desenvolvimento como
111
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

tal. A burguesia tomou a dianteira, em muitas esferas, através dos movimentos em que se envolvem
o trabalho social e o serviço social como "fator de equilíbrio da ordem" e de consolidação da
"autonomia comunitária". PropaIam-se os objetivos da cultura cívica, da mobilização popular e da
participação ativa dos carentes na solução de seus problemas. Mas, deixa-se na penumbra o fato de
que os "carentes" não têm como equacionar seus problemas e resolvê-Ios, na sociedade capitalista.
A saída seria de deixar de ser "carente" através da proletarização e da luta de classes, forçando-
se o revolucionamento da ordem democrático-burguesa até seus limites e a destruição
revolucionária dessa ordem. Para isso, o movimento sindical e os partidos proletários têm de
libertar-se de certas vias tradicionais que privilegiam a mudança social espontânea, o crescimento
gradual e o aburguesamento da luta de classes.
A burguesia põe em prática uma estratégia de luta global e os proletários devem fazer o
mesmo. Pelo menos a fábrica, o sindicato, o local de existência da família, com alguma forma de
organização partidária e de pressão direta sobre o Estado, podem ser mobilizados de forma
permanente. A constituição do proletariado como classe independente abrange, essa irradiação
estrutural e dinâmica. Ao contrário do que ocorria quando os proletários europeus não constituíam
uma classe e estavam no vir-a-ser da classe, hoje impõe-se um mínimo de poder real, como ponto
de partida. Não o poder do sindicato ou o poder do partido poder mediado, mas o poder intrínseco
à classe, análogo ao que serve à burguesia para armar, manter e reproduzir sua dominação de classe
e seu controle direto e indireto sobre o Estado. A violência da repressão, inerente à contra-
revolução burguesa prolongada, exige essa forma elementar de contrapoder sobre a qual terá de se
sustentar o crescimento orgânico do proletariado como classe independente, em escala nacional.
Esse movimento básico tem de encontrar apoio nos sindicatos e nos partidos operários que não
podem fomentá-lo e dirigi-lo porque dependem da sua existência para ganhar autonomia, crescer
e incorporar-se a dinâmica mais avançada e madura de luta de classes. Só depois que essa atividade
direta produzir certos frutos e um patamar de amadurecimento médio, a classe pode deslanchar
sem que seja permanentemente pulverizada e esmagada pela pressão burguesa "espontânea",
"legal" e "organizada". O contrapoder operário se diferenciará e crescerá quando a classe assumir
os contornos morfológicos e dinâmicos da classe em si, como poder real suscetível de operar como
contrapeso ao poder burguês e de conferir aos proletários e suas organizações a base social e
política para movimentar a luta de classes, em todas as direções estratégicas, contra a supremacia
burguesa às pugnas pela conquista do poder.
Trata-se de estabelecer um patamar histórico a partir do qual eles possam funcionar para os
trabalhadores, não para a ordem existente. Sem a existência de um proletariado constituído como
112
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

classe independente, não haverá sindicatos e partidos operários independentes. As diversas


formas de união e de organização do proletariado são essenciais para a luta de classes e
principalmente, para que a classe em si possa evoluir e afirmar-se como classe em si e para si, classe
com tarefas revolucionárias. Os sindicatos e partidos operários ainda são as organizações mais
ativas e eficientes, em escala nacional, na luta de classes do proletariado. Mas, só contam com a
cena histórica apropriada quando a luta de classes propõe a redução da supremacia burguesa por
parte das classes destituídas e subalternas. A partir daí, juntam-se duas coisas decisivas: os
proletários secretam uma vanguarda própria e esta pode lançar-se na luta de classes sem as
inibições burguesas. O exemplo dessa vanguarda arrasta à luta de classes o grosso do proletariado
e comove outros setores de classes, como os camponeses pobres e alguns segmentos dissidentes
das classes médias. O marco político de luta se alarga e se aprofunda - e a massa que se mobiliza
contra a ordem burguesa deixa de ser tão-somente uma massa proletária.
É nesse nível histórico do desenvolvimento da luta de classes, que algumas organizações
operárias (o sindicato e o partido) ganham relevo, no plano econômico, social e político. O sindicato
possui um âmbito de ação que permite revolucionar a relação do operário com o trabalho, a
empresa e a dominação econômica da burguesia, direta ou por via do Estado. As greves constituem
o caminho por excelência da aprendizagem política inicial e o primeiro patamar no qual a classe
em formação demonstra a sua vitalidade e a sua capacidade de passar da "guerra civil oculta"
para a "guerra civil aberta". Os teóricos do sindicalismo revolucionário exageraram o papel criador
da greve (greve geral). Não obstante, a greve geral permite romper as barreiras do economismo,
da greve reivindicativa e contida dentro da ordem, e constitui um terreno fértil de educação do
proletariado para os alvos políticos mais importantes da luta de classes. Nem sempre será um
chamamento para a insurreição, mas sempre provoca alterações decisivas no que se refere à
disciplina operária, ao emprego de técnicas de agitação e de propaganda, recrutamento e promoção
de quadros combativos, até as que dizem respeito à superação do sindicalismo pelo
transbordamento da atividade grevista, à criação de vínculos de solidariedade na classe
trabalhadora e com outras classes assalariadas, à ativação dos partidos operários e à reeducação da
burguesia nas "atitudes autoritárias" e comportamentos egoísticos dos estratos dirigentes das
classes dominantes.
O grau de aproveitamento de toda essa fermentação criadora depende da fluidez dos
sindicatos diante da atividade dos partidos operários e da identificação revolucionária dos partidos
operários frente a luta econômica, social e política para abalar ou reduzir a supremacia burguesa
e vincular a luta de classes à conquista de poder pelo proletariado. A formação de modelos rígidos
113
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

prejudicou sindicatos e partidos; aqueles privilegiaram demais a luta reivindicativa, o reformismo


gradual e "conquistas democráticas", pelos exemplos europeus e norte-americanos; os últimos
"autonomizaram" demais a centralização de comandos políticos tidos por revolucionários, graças a
uma cópia errada do bolchevismo na sua fase de apogeu.
Foram os partidos que sofreram com maior violência a repressão da ordem e, por isso,
refletiram de modo mais concentrado a necessidade de autoproteger-se e atacar com cuidado.
Nessa evolução, o exemplo soviético deixou de ter qualquer valor e os partidos operários mais
congruentes foram levados ou à acomodação passiva com a burguesia ou à prioridade indiscutível
do partido sobre a classe. Então, o socialismo e o comunismo deixaram de ser um concomitante
estrutural e dinâmico do crescimento do proletariado como classe. Os partidos voltaram-se para o
proletariado, mas sua ótica não era nem socialista nem comunista: em vez de favorecer a
constituição e o desenvolvimento independente do proletariado, tenderam a converter a classe
proletária numa espécie de presa política e de massa de manobra. Com isso, resolviam seus
problemas práticos de relacionamento com a ordem e de resposta à intimidação das classes
possuidoras e seus círculos dirigentes. Essa técnica adaptativa retirou vários segmentos das classes
trabalhadoras da apatia forçada e do isolamento político.
Impõe-se alterar a relação do partido operário com a classe trabalhadora e com a sociedade.
A contra-revolução prolongada atinge a consciência proletária e a solidariedade ativa do
proletariado na luta de classes. A pressão é feita para a neutralização e "mobilização democrática"
e "pacífica". Só os partidos operários possuem condições de propagar o socialismo e o comunismo
no interior das classes destituídas e oprimidas. Não basta o crescimento do proletariado e o
fortalecimento do sindicalismo como "corporação". É preciso que a expansão das classes
trabalhadoras seja acompanhada da proletarização política revolucionária - movimento político que
mude a relação dos proletários com a ordem e sedimente a luta de classes, para conversão da
revolução dentro da ordem em uma revolução contra a ordem.
Isso não nasce de qualquer "espontaneísmo" operário. Precisa ser visado de modo explícito,
pois a luta de classes precisa ser orientada em sua direção de forma planejada. Neste momento,
em que a burguesia pretende eliminar todas as outras filosofias políticas e impor à sociedade a
"filosofia da livre empresa", o grau de saturação socialista e comunista da consciência proletária e
do comportamento político do proletariado constitui a garantia efetiva de que a luta de classes
corresponderá aos ideais de extinção do capitalismo e eliminação das classes. Acresce que a
dominação burguesa possui dois pólos desiguais, onde o pólo externo e imperialista possui um
poder de pressão contra- revolucionária muito mais forte. Em vez do frenesi por palavras de ordem
114
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

contra o imperialismo, é necessário educar politicamente os proletários para distinguir a sua


revolução da revolução burguesa e querer algo coletivamente: a transformação socialista da
sociedade. O socialismo não transforma o mundo: são os proletários identificados com o
socialismo revolucionário que o fazem!
A vitória do socialismo não simplificou nem facilitou a trajetória da revolução proletária nos
países capitalistas, no centro e na periferia. Na situação histórica atual, o consumo de massa e a
classificação pelo emprego alteram o contexto da constituição do proletariado. As pressões
externas da sociedade atuam de modo camuflado para identificar os destituídos e oprimidos com
as ilusões democráticas e constitucionais para envolvê-Ios na trama da dominação burguesa e da
lealdade ao Estado burguês. O aburguesamento dos oprimidos e deserdados constitui uma força
atuante e multifacetária que precisa ser combatida de frente, através da proletarização da
consciência das massas, às vezes, sem contar com uma base material e social de classe
suficientemente sólida.
A contra-revolução não deixa tempo à revolução. Ou os proletários são ganhos para a luta
contra a ordem ou a ordem se reproduz graças a uma violência ultra-refinada e concentrada, que
a contra-revolução manipula com eficácia. Não há como se evadir ao dilema nem alterar a ordem
natural das coisas, a marcha da constituição da classe, a evolução da luta de classes e a natureza
dos papéis revolucionários do proletariado. Pode-se pensar numa mudança de estratégia política -
incentivar os proletários a sentir a necessidade de antecipar a demonstração de seu contrapoder e
reexaminar o modo pelo qual a ótica socialista e comunista têm sido usadas, na saturação do
horizonte cultural do proletariado. O estrangulamento se dá porque os partidos socialistas
avançaram em direção a uma defesa do "socialismo democrático" que colide com a substância
socialista da revolução proletária e tornaram-se o setor ultra-radical da burguesia. E a ótica
comunista voltou-se demais para as funções revolucionárias do partido e deixou um vazio
histórico nas relações dialéticas com o proletariado e a dinamização proletária da luta de classes.
Nesse intervalo histórico, a burguesia ganhará uma vantagem decisiva. Além de dividir os que
deviam facilitar a concentração política das forças da revolução, pela lógica das opções e alianças se
beneficiará com o apoio tácito ou a retração das parcelas das forças da revolução que resvalaram
para posições contra-revolucionárias. Junto com a tentativa de esmagamento do proletariado como
classe, presente na ótica burguesa e mais ativa graças à contra-revolução prolongada, soma-se uma
negligência cega dentro das esquerdas quanto à qualidade da revolução proletária. Começa-se e
depois se verá foi uma norma que movimentou alguns avanços no "elo débil"; mas não pode ser
convertida em norma geral ou princípio unificador da revolução proletária. O desenraizamento do
115
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

proletário se alicerça em suas condições de trabalho e de existência. Todavia, há uma distância


muito grande entre um proletariado "idealmente" desenraizado e um proletariado
revolucionário. A eficácia do cerco capitalista às revoluções proletárias vitoriosas e as revoluções
proletárias possíveis, se funda no conhecimento dessa distância e no aproveitamento de tal
conhecimento no "controle da mudança social revolucionária".
A contra-revolução burguesa atreve-se a ir longe para resguardar-se de um risco mortal; a
revolução socialista marca passo, avançando com prudência e em oscilações, cujos fatores
determinantes se encontram nas próprias debilidades conjunturais do capitalismo mundial. É a
evolução natural da sociedade de classes que pontilha o gradiente das revoluções proletárias. Onde
surge uma situação revolucionária, surge também a oportunidade histórica para acelerar a rebelião
das classes subalternas e oprimidas, dinamizar a luta de classes e jogar os partidos revolucionários
na crista da onda.
Chegou o momento para pensar-se em uma estratégia global que redefina a relação de
partidos socialistas revolucionários e partidos comunistas, com a constituição do proletariado como
classe, o deslocamento ou a aniquilação da supremacia burguesa e a conquista do poder político
pelo proletariado. Seria preciso passar-se do "aproveitamento de oportunidades históricas" para
a criação de oportunidades históricas. A própria aceleração do movimento político do proletariado
seria um fator de radicalização crescente da revolução. O socialismo e o comunismo não são
"promessas de uma geração", eles constituem a alternativa que os proletários possuem à ordem
capitalista existente. Desde que eles descubram isso e se devotem, com firmeza, coletivamente, ao
propósito de converter a alternativa em realidade, o capitalismo das grandes corporações e do
imperialismo onipresente estará condenado.
5. Revolução nacional ou revolução proletária?
A maioria dos países de origem colonial sofreu um desenvolvimento capitalista deformado
e perverso. Muitos não lograram ter um desenvolvimento agrícola entrosado com o
desenvolvimento urbano e poucos conseguiram um patamar de desenvolvimento industrial capaz
de alimentar a formação de um proletariado industrial denso. Como conseqüência, não conheceram
as reformas típicas da revolução burguesa como revolução agrícola, urbana, industrial, nacional e
revolução democrática. Outros países, de burguesia débeis e articuladas a aristocracias poderosas
ou a burocracias influentes, conduziram a transformação capitalista a níveis altos, compensando o
poder econômico, social e político da burguesia pela centralização política (Alemanha e Japão) e
produziram grandes manifestações dos tempos modernos da civilização industrial capitalista.

116
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Os povos de origem colonial ou não partilharam da evolução do capitalismo, ficando à margem


das vantagens dessa civilização ou participaram dela como colônias, semi-colônias e nações
dependentes. Isso gerou várias formas de desenvolvimento capitalista controlado de fora e voltado
para fora onde estruturas e dinamismos de suas economias e sociedades estavam nucleados a
centros externos que exerciam ou compartilhavam do comando da exploração capitalista. Alguns
países de origem colonial conheceram o não desenvolvimento, outros o subdesenvolvimento e
todos tiveram enormes parcelas da riqueza nacional transferidas para o exterior, alimentando o
esplendor do florescimento do capitalismo na Europa, Estados Unidos, Japão.
A revolução burguesa constituiu um problema para esses países. O sistema de produção não
era bastante diferenciado e dinâmico para servir de base a uma diferenciação do regime de classes.
Suas burguesias ou eram "burguesias compradoras" ou burguesias fracas para arcar sozinhas com
o peso econômico, a responsabilidade social e os riscos políticos inerentes à revolução burguesa.
Em vários deles, a tentativa de "acelerar" a transformação capitalista, pôs a descoberto as
debilidades das classes burguesas internas e a oposição do imperialismo e a resistência das classes
burguesas externas em permitir modelos de desenvolvimento capitalista independentes que
escapassem ao colonialismo, neocolonialismo e à dependência em sentido restrito ou específico.
Em conseqüência, movimentos revolucionários que se solidarizavam com as burguesias "nacionais"
se descartaram delas e realizaram tipos de revolução que escapavam do controle imperialista e do
modelo de desenvolvimento capitalista. Algumas das principais revoluções proletárias de nossa
época têm essa origem e a opção pelo socialismo se deu exatamente para enfrentar e resolver
problemas e dilemas sociais que o capitalismo colonial, neocolonial e o capitalismo dependente
não se coloca.
Isto levou os países capitalistas centrais a uma alteração estrutural nas suas relações com a
parte da periferia com maiores potencialidades de desenvolvimento capitalista: eles forjaram uma
transformação capitalista na qual a burguesia internacional desempenhava uma função
equivalente à da aristocracia e à da burocracia nas vias “alemã" e “Japonesa". Faltando um Estado
centralizado e "absoluto", o que se conseguiu recorrendo-se à militarização das estruturas políticas
estatais e a uma articulação política entre o setor militar, o setor empresarial e as classes burguesas
externas. Assim, as ditaduras "salvadoras" e "modernizadoras" não camuflavam um arranjo como
as "burguesias compradoras" costumavam e costumam fazer. Elas exprimiam a constituição de um
Estado burguês autocrático e que devia tirar a crônica crise do poder burguês, na periferia de seu
perigoso ponto morto. As revoluções burguesas em atraso ganharam a cena histórica, mas
destituídas da maioria das funções e tarefas revolucionárias ou reformistas que cercam os "casos
117
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

clássicos" e "versões atípicas". O objetivo central era criar para a burguesia interna e externas, um
modo de aprofundar a transformação capitalista na esfera econômica, transferindo para um futuro
incerto o atendimento de outras transformações que não poderiam ser realizadas de modo
concomitante.
São alguns fatos crus, essenciais para um debate atual da orientação que deve ser imprimida
à estratégia da luta de classes na periferia, em países que contam com desenvolvimento industrial
de certo porte. Em nome do "combate ao imperialismo" ou da "democratização interna" devem as
classes oprimidas dar apoio aos "setores nacionalistas da burguesia", batendo-se ao lado das "forças
mais avançadas" das classes dominantes pelo aprofundamento da revolução burguesa? Tal debate
não é novo e em quase todos os países da América Latina ele empolgou a vida política através do
chamado desenvolvimentismo. O ponto central do debate está na escolha entre revolução nacional
ou revolução proletária. Socialistas e comunistas não entram nessa escolha já que ambos estão
comprometidos com a revolução proletária. A única saída racionalizadora seria saber se
"taticamente" seria vantajoso apoiar a revolução nacional, como um expediente para forçar a
burguesia a certas concessões, e um fortalecimento indireto do "Estado de direito". Ou para
"aumentar as contradições" do desenvolvimento capitalista, abrindo cunha entre o setor
progressista e o mais retrógrado da burguesia interna, e entre ambos e o imperialismo.
Essa saída constitui um expediente para as "forças da esquerda", quando deixam de cumprir
suas tarefas políticas específicas e, em vez de enfrentarem sua debilidade, buscam no biombo da
revolução nacional uma forma equívoca e evasiva de ilusão constitucional. O que se pôs em prática
foi um típico comportamento de cauda da burguesia, porém destituído de lógica política
proletária. Se se pusesse, em primeiro plano, a luta pela consolidação do proletariado como e
enquanto classe, a área de conflito com a burguesia seria pequena e a força da causa proletária
muito maior. Haveria uma acumulação de forças através do desenvolvimento da classe e, como
conseqüência, a formação concomitante de um espaço histórico, que tenderia a crescer através do
próprio uso pela manifestação dos conflitos de classe.
Assim, seria possível formular o apoio à burguesia em termos proletários: não dos interesses
de facções da burguesia, mas de defesa combativa do aprofundamento de certos níveis da
revolução burguesa. A reforma agrária, a reforma do sistema de saúde e do sistema de educação,
o caráter da revolução nacional e a democratização dos direitos civis e políticos estavam entre tais
níveis. A linha tática teria de definir-se mediante exigências socialistas: é muito difícil para um
proletariado em formação, entender alianças táticas se as reivindicações não forem feitas numa
linguagem proletária e sem qualquer subterfúgio. Não obstante, o que as classes dominantes
118
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

deixam crescer como problemas e dilemas sociais e não resolvem pelos dinamismos da ordem, é
suscetível de receber uma atenção combativa das classes trabalhadoras e constituir reivindicações
de conteúdo socialista e atendimento imediato.
Essa tática, além de não lançar confusão nos grupos de vanguarda e nas massas populares,
favoreceria um isolamento político crescente das facções mais antidemocráticas e reacionárias da
burguesia e ajudaria a quebrar o monolitismo das classes dirigentes. O próprio imperialismo teria
uma base menor de manobra, pois teria de se defrontar com uma burguesia que levaria em conta
a sua relação com parte das classes trabalhadoras. O que exige reflexão são os custos políticos de
uma manobra desse gênero. Para que ela pudesse concretizar-se seria necessário investir muito
tempo em produção intelectual, em propaganda, em difusão da palavra de ordem e em mobilização
de aderentes e simpatizantes. Seria essa uma escolha prudente, não seria melhor investir tanto
talento e esforços no aprofundamento em duas frentes da luta de classes? Isso não levaria a ignorar
a revolução burguesa e implicaria na análise das debilidades orgânicas e históricas das classes
dominantes e do que se ocultava por trás de seu pro-imperialismo crônico.
Tomando-se casos similares de países de origem colonial e de economia capitalista
dependente, tal análise mostra o que se exigia das classes possuidoras: que só aprofundem a
revolução burguesa em função de seus interesses de classe, do egoísmo e da cegueira que as levou
a congelar a descolonização; que mantenham a democracia como fórmula ritual de concentração
do poder político estatal nas mãos dos setores dirigentes da burguesia; que procrastinem a
revolução nacional; que procurem no imperialismo os recursos e os meios que permitam compensar
suas debilidades estruturais e históricas. Se um painel desses se traduzisse em medidas práticas de
sentido proletário, a mobilização não se faria para fomentar slogans, mas para levar as pequenas
forças organizadas das classes trabalhadoras a uma luta política coerente do pouco que restava à
revolução dentro da ordem.
Um partido proletário não pode situar-se diante da revolução nacional como se ela fosse a
antecâmara da revolução proletária como se pudesse passar de uma a outra, e que a consumação
da revolução nacional, dentro do capitalismo, seria uma etapa necessária e prévia da revolução
proletária. O que fortalece a burguesia e consolida o capitalismo torna mais remota e difícil a
revolução proletária. Por essa razão, a revolução dentro da ordem não é um objetivo intrínseco ao
movimento proletário. O proletariado não pode pretender desempenhar as tarefas revolucionárias
da burguesia e funcionar como fator de compensação histórica. A revolução dentro da ordem é
instrumental e conjuntural para o proletariado, ligado à necessidade histórica de proteger e
acelerar a constituição da classe como classe em si, capaz de tomar em suas mãos o seu
119
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

desenvolvimento independente. A partir de certo nível, o proletariado força a mudança de


qualidade da "guerra civil oculta", exige que as reivindicações socialistas mudem de teor, pondo em
cheque a supremacia burguesa e o poder político da burguesia. A partir daí, o proletariado terá de
hostilizar todas as criações do capitalismo; sua relação com a revolução burguesa mudará de
qualidade. Passará a importar-se em como passar da "guerra civil oculta" para a "guerra civil
aberta", ou seja, a derrubada da ordem e a constituição de uma democracia proletária.
Se a burguesia não dispôs de força econômica ou ânimo político para atingir fins tão centrais
que é levar a revolução nacional até o fim, em termos capitalistas, nem por isso seria essencial
pretender abrir aí uma frente de luta com o imperialismo. Fustigar e desgastar a burguesia para
que ela não possa manter-se pró-imperialista seria a maneira inteligente de combater o
imperialismo. Seria um modo de roubar-lhe aliados dóceis na periferia e diluir a base social,
econômica e política da incorporação dos espaços periféricos a espaços centrais. Esse ação revelaria
também se, dentro da burguesia, há aliados autênticos para tal evolução política.
Numa situação em que as "forças da ordem" empunham abertamente a bandeira da contra-
revolução prolongada (nacional e mundialmente), seria curioso situar a revolução nacional como
uma "frente de luta comum" entre burgueses e proletários. Está comprovado as burguesias dos
países capitalistas dependentes privilegiam a aceleração do desenvolvimento capitalista; não
privilegiam o desenvolvimento capitalista independente. Essa opção histórica traduz uma
prioridade estratégica para as burguesias da periferia e do centro. "Aberturas democráticas",
"centros nacionais de decisão", "desconcentração da renda", etc., é pura retórica. A realidade está
posta na contra-revolução prolongada, de amplitude mundial. Ela não se casa com os papéis e
funções que a revolução nacional teve, nas primeiras versões da revolução burguesa. Hoje, o
desenvolvimento do capitalismo não passa pela revolução nacional, por uma razão simples: onde
a revolução nacional constituir uma necessidade histórica, terá de opor-se ao capitalismo. As
revoluções nacionais que se atrasaram são revoluções nacionais que não puderam desatar-se e
completar-se dentro do capitalismo. Agora, têm de voltar-se contra ele. Isso define a relação
recíproca da burguesia com o proletariado no plano mundial: a revolução nacional já não é
instrumental para o desenvolvimento capitalista (tornou-se disfuncional para ele). Para que a
revolução nacional ganhe viabilidade em muitos países periféricos, é preciso que as revoluções
proletárias quebrem as amarras de seu estancamento ou paralisação. Os partidos proletários que
não dispõem de condições históricas para caminhar nessa direção precisam escolher com cuidado
os temas de sua luta política atual.

120
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

As condições históricas para caminhar nessa direção não são tão simples. No contexto latino-
americano o melhor exemplo é Cuba. Para que o nacionalismo possa assumir a forma revolucionária
e libertária é preciso a) que a descolonização não tenha desaparecido na memória viva das classes;
b) que nas classes destituídas e oprimidas, exista uma forte propensão coletiva de buscar, pela
revolução nacional, a instauração da democracia, a redenção dos humildes e o desenvolvimento
equilibrado e independente. A derrota do centro imperial opressor constitui um objetivo central,
mas externo. O essencial é liberar a Nação e eliminar todas as seqüelas da sociedade colonial que
foram reconstituídas e fortalecidas sob a "sociedade nacional", pelo capitalismo neocolonial. O
programa do Movimento 26 de Julho respondia a essa lógica política revolucionária, sem
vassalagem a padrões burgueses europeus obsoletos. No poder, os guerrilheiros congraçaram
todas as classes à concretização desse nacionalismo revolucionário e libertário.
A burguesia imperialista dos EUA repudiou; a burguesia nacional cindiu-se e o grosso sabotou
e combateu como pôde o governo revolucionário, até ser expulsa da coligação governamental e
converter-se em vítima necessária. Os proletários das cidades e do campo apoiaram em massa e
entusiasticamente a revolução desde el poder, servindo de pião à rápida sucessão do estágio
capitalista ao estágio socialista do governo revolucionário. É um exemplo de uma situação
revolucionária que gera uma revolução. O importante é que ela atingiu o seu primeiro apogeu sob
palavras de ordem revolucionárias que serviam à burguesia e aos proletários e no âmbito de uma
transformação revolucionária que se fundava na Nação e não na classe. A classe se mobilizou e se
dinamizou revolucionariamente graças à comoção provocada pela guerrilha, às vitórias sucessivas
dos guerrilheiros e à conquista do poder pelos revolucionários.
Quantos países da América Latina contariam com uma situação revolucionária análoga? Em
quantos surgiria um grupo de revolucionários com o mesmo talento político, a mesma ousadia e a
mesma prudência? Em quantos seria possível casar a situação revolucionária com a revolução nas
condições atuais? Este questionamento não visa afirmar que "Cuba não se repetirá". A resposta é
parte do temor dos Estados Unidos e de burguesias nacionais reacionárias diante de um processo
que terá de repetir-se, embora sem seguir obrigatoriamente "a via cubana". É isso que tem de ser
enfrentado e resolvido pelos que pensam com a lógica da revolução. O próprio êxito da Revolução
Cubana impõe que seja redefinido o caminho da revolução proletária. A contra-insurgência está
organizada, a partir dos EUA, para impedir que a revolução se reproduza da forma como ocorreu
em Cuba. As burguesias nacionais latino- americanas prepararam-se para enfrentar militar e
politicamente a repetição de tal eventualidade.

121
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Da década de 1950 a 1980, o proletariado cresceu quantitativa e organizativamente em


muitos países e seus aliados naturais, os camponeses, saíram ou estão saindo da "apatia
condicionada", imposta de cima para baixo pelas classes dominantes. Não existem situações
revolucionárias a não ser em alguns países. Nesses, é duvidoso que delas resultem revoluções com
êxito se os partidos proletários não se dedicarem à preparação do proletariado para passar da era
das contra-revoluções encadeadas para uma era de luta de classes aberta, organizada e firme.
Chegou o momento de dizer adeus a pseudo palavras de ordem revolucionárias. É preciso escolher
entre a social- democratização da esquerda e a paciente e laboriosa construção das vias históricas
da revolução proletária na América Latina. Os que pensam que isso é impossível esquecem que as
contra- revoluções fermentam ódios coletivos e armazenam as energias revolucionárias das
classes trabalhadoras e das massas populares. Foi assim na Rússia, China, Cuba. Nosso caminho
pode ser mais difícil, mas não é inviável.
A idéia de que os conflitos deixaram de possuir uma base de classe fermentativa e
revolucionária não deve levar ao desespero. A negação da ordem é uma função intrínseca à
existência do trabalho livre e à reprodução do capital. Os que vendem o trabalho terão, mais cedo
ou mais tarde, que se organizar para travar a última luta contra a propriedade privada e a
apropriação capitalista. A menos que as classes possuidoras e dominantes se lancem à destruição
do capitalismo, os conflitos de classe não poderão desaparecer. Eles poderão ser contidos e
reprimidos, de forma prolongada. É isso que a contra-revolução defensiva está realizando, em escala
mundial. Mas, a civilização industrial se destruirá a si própria se o estágio da propriedade privada
e da expropriação capitalista do trabalho não for ultrapassado, preservando-se os avanços que ela
logrou obter na esfera da ciência e da tecnologia.
Os que vendem o trabalho e são expropriados é que podem impedir essa estagnação que seria
involutiva ou regressiva. O capitalismo monopolista e imperialista dispõe de recursos inesgotáveis
para levar adiante a opressão e a repressão, realizando a defesa violenta do status quo dentro de
limites ainda desconhecidos. Ele não pode impedir para sempre a rebelião interior que terá de
crescer como a semente sob a neve. Também não poderá obstar, indefinidamente, o refluxo
histórico quando a implantação do comunismo quebrar a geleira forjada pela miopia democrática,
a força inexorável dos grandes processos históricos. Mesmo nos momentos de maior desânimo e
incerteza, cabe aos socialistas e aos comunistas trabalhar, mesmo na maior incompreensão e
clandestinidade, a favor do curso da história e do advento de um novo padrão de civilização. Se a
rota certa estivesse fechada para sempre, o mundo capitalista não se mobilizaria com tal furor para
conjurar as revoluções proletárias. A contra-revolução capitalista prolongada demonstra que o
122
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Manifesto ainda está em dia com as correntes históricas, embora fosse preferível dizer, atualmente:
PROLETÁRIOS DE TODOS OS PAÍSES, O MUNDO VOS PERTENCE. IDE À REVOLUÇÃO MUNDIAL!
6. Como "lutar pela revolução proletária" no Brasil?
O Brasil contou com várias situações revolucionárias. Todas foram resolvidas dentro dos
quadros da ordem e com a vitória das forças sociais conservadoras que sabem avançar nos
momentos de maior risco. Em seguida, travam o processo de fermentação social e converter a
transformação revolucionária em uma composição política. Esse padrão histórico de controle
calculado da mudança social revolucionária não é fortuito nem um traço de inteligência das elites:
é um produto do congelamento do processo de descolonização no qual a imensa parte do país
ficou excluída, permanentemente, das formas sociais organizadas e institucionalizadas dos direitos
civis e políticos.
A proletarização, vinculada à lenta generalização do trabalho livre, foi condenada a ter
repercussões maiores apenas em âmbito local ou regional, cabendo a algumas cidades de grande
porte a função de servir como amaciadores e câmaras de compensação. Isso conteve os conflitos
de classes dentro de seus muros e segregou o proletariado em formação e expansão física do resto
da "população pobre". Ficou fácil concentrar socialmente o poder de controle político, jurídico e
policial-militar sobre a sociedade, e afunilar os ganhos produzidos pelos surtos sucessivos do
desenvolvimento capitalista. A composição das classes possuidoras e dominantes alterou-se,
mantendo-se a mentalidade de elite dirigente organicamente senhorial e colonial. O Estado de
direito tornava-se uma presa fácil de setores dirigentes das classes dominantes, empenhados em
"impedir a anarquia da sociedade", em tratar os problemas sociais "como casos de polícia" e em
refazer as técnicas pelas quais a apatia provocada e o "fatalismo" conformista podiam ser
produzidos conforme as exigências da situação.
No passado, a norma era: o escravo é o inimigo público da ordem. Hoje, a norma tornou-se: o
camponês e o operário são o inimigo público da ordem. Portanto, uma forma ultra-violenta de
despotismo superpôs-se à constituição do regime de classes e preservou um padrão neocolonial
de sociedade civil, pelo qual a democracia é uma necessidade e regalia dos que são gente. Quando
veio a chance de enterrar essa herança senhorial, os estratos civis e militares dirigentes das classes
dominantes recorreram a uma contra-revolução prolongada, reconstruindo pela força bruta o
mundo de seus sonhos. Esse era o mundo dos sonhos das "nações capitalistas amigas", numa fase
em que o capitalismo financeiro leva suas formas de produção, de mercado e de consumo para as
"nações estratégicas" da periferia.

123
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Nos últimos vinte e cinco anos, houve ampla transferência de capitais, tecnologia avançada e
quadros empresariais técnicos e dirigentes e a economia e a sociedade brasileiras foram
multinacionalizadas, com a cooperação organizada entre capitalistas, militares e burocratas
brasileiros com a burguesia mundial e seus centros de poder. O Estado burguês converteu-se na
ditadura civil-militar e promoveu a centralização de poder garantiria a base econômica, a
estabilidade política e a segurança dos investimentos, na escala requerida pelo imenso "negócio
da China" em que se tornou a internacionalização dos recursos materiais e humanos do Brasil.
O que interessa ressaltar nesse quadro global é: a) a relação siamesa entre burguesia nacional
e burguesia externa. Elas não são mais divididas e opostas quando o capitalismo atinge o seu
apogeu imperialista e a divisão mundial do trabalho deixa de operar como um fator de
especialização econômica; b) a universalidade de processos de autodefesa agressiva do
capitalismo que vai do centro para a periferia e exacerba-se nesta, onde o regime de classes não
pode funcionar para preservar certos fluxos democráticos da República burguesa; c) a drenagem de
recursos materiais e de riqueza da periferia por meio de mecanismos mais complexos,
implantados nas estruturas mais dinâmicas e produtivas das economias periféricas estratégicas, e a
institucionalização de uma taxa de exploração da mais-valia muito mais alta, criando para o
proletariado um dilema econômico; d) um agravamento súbito e persistente de tendências
crônicas do desenvolvimento desigual e combinado; a modernização e a industrialização são
"internacionalizadas o que faz com que o impacto sobre o crescimento do mercado interno, a
ampliação da oferta de trabalho e o aprofundamento da revolução burguesa seja amortecido,
conferindo à situação de dependência em uma relação neocolonial; e) graças à diferenciação do
sistema de produção, à industrialização maciça e ao crescimento das forças produtivas, o regime
de classes passa por três transformações concomitantes. Primeiro, aumenta em números e em
diferenciação mais pronunciada das classes; depois, entra na fase na qual os proletários se
constituem como classe em si e começam a lutar por seu desenvolvimento independente como
classe; em terceiro, deixa de operar como parte do universo urbano-industrial, atingindo com
fluidez os que estão proletarizados e os que aguardam a proletarização. Isso representa o início da
quebra do isolamento entre os operários e o resto da população pobre, e maior fluidez, em escala
nacional, dos conflitos de classe movidos pelo proletariado.
Esse quadro global ressalta que a vitalização da revolução burguesa em atraso trouxe muitas
vantagens econômicas para a burguesia interna e acarretou um aumento de sua força como
classe. Ela pode dispor de um sistema de produção mais avançado e conta com um potencial de
defesa e agressão que precisa ser medido na órbita imperial. Os proletários e a massa da população
124
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

pobre também tiveram algumas vantagens relativas. As mais importantes relacionam-se com a
diferenciação do regime de classes, com o aparecimento de uma vanguarda operária e sindical mais
organizada e mais disposta a dinamizar a luta de classes em termos proletários e à incapacidade das
classes dominantes internas e externas de ultrapassar a crise do poder burguês. As classes
burguesas lutam para remover a exacerbação ditatorial da situação contra- revolucionária. O mais
que conseguem é disfarçar o complexo institucional introduzido na República burguesa pela
ditadura de classe e tentar diluí-lo em um sistema "constitucional" e "representativo" adaptado à
defesa do Estado, pronto para conter e reprimir os de baixo. Isso significa que a crise do poder
burguês está presente e oscilante. As classes burguesas não podem fixar livremente suas
vantagens econômicas, não podem estabelecer os limites sociais e políticos ou graduar os ritmos
da revolução nacional e da revolução democrática. Estas oscilaram para baixo e, se não estão sob
controle dos proletários e da população pobre, não podem ser determinadas independente do que
estes setores da sociedade estejam mal dispostos a tolerar. A ditadura gerada pela crise do poder
burguês não pôde sanar seus males de origem e criou algo extraordinário: uma situação histórica
que possui uma vertente contra- revolucionária e outra revolucionária.
As forças burguesas oscilaram para a primeira vertente e não lograram quebrar o impasse do
poder burguês. Contudo, não se arriscam a fazer uma marcha a ré, por temerem os riscos inerentes
a tal recomposição e por conhecerem que são débeis demais para desencadear as transformações
sociais e políticas da revolução burguesa que foram sufocadas ou restringidas. As forças proletárias
não dispõem de meios para soltar as amarras da vertente revolucionária e os grupos organizados
que lutam a seu lado temem, por interesses de classe ou inibição política, ir além do
aprofundamento da revolução burguesa. Por isso, se batem menos contra a ditadura que pela volta
ao Estado de direito que traga uma Assembléia Constituinte. Para uns, isso traria a revolução
nacional e a democrática de volta à cena histórica e para outros seria o embrião da presença
crescente dos de baixo no controle popular do Estado burguês, abrindo perspectivas para um
socialismo a partir do poder.
Nos dois extremos, prevalece uma interpretação cataclísmica diante dessa situação histórica.
A "direita" se imobiliza porque não confia na massa do povo e se predispõe a defender soluções
rígidas que levariam a contra-revolução ao fascismo. A "esquerda" não avança na defesa ativa das
próprias posições porque dá ao advento do fascismo o caráter de fato inexorável. Teme, "provocar
o leão com vara curta" e prefere colaborar com certos setores da burguesia em plena ditadura,
sustentada no poder civil e militar e no que estas podem fazer para bloquear o desgaste de uma
situação contra-revolucionária que criaram com as próprias mãos.
125
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Passar de uma contra-revolução em desgaste e de uma ditadura questionada para o fascismo


seria não uma prova de desespero, mas uma prova de força. De onde tirar a base econômica e social
de poder real para realizar tal proeza? Possui a articulação de forças capitalistas que ainda
sustentam a República burguesa autocrática, necessidade ou interesse em aumentar a pressão da
caldeira? Ou possuem os setores decisivos da burguesia financeira e tecnocrática, cujo peso está
nas grandes empresas e empresas "multinacionais", alguma vantagem em lançar-se em tal aventura
para tolher uma recomposição do poder burguês? O risco que as esquerdas enfrentam não é o de
um fascismo iminente, é o de uma saída pelo centro das forças sociais da burguesia. A revolução
burguesa foi aprofundada na esfera econômica. Agora, terá de ser aprofundada nas esferas social,
cultural e política, queiram ou não as elites dirigentes das classes dominantes e os segmentos
capitalistas, nacionais e estrangeiros. O que as classes dominantes podem fazer é ganhar tempo,
reduzir os ritmos e a intensidade da transformação da ordem social competitiva. Devem começar a
aprendizagem sobre o sentido de palavras e de práticas como "consentimento", "anuência",
"tolerância" "liberdade", "cooperação", consensos , etc.; e elxar e sabotar ou e travar mudanças
revolucionárias dentro da ordem que elas combateram com tenacidade. É esta perspectiva política
que deve preocupar os que atacam o capitalismo e não as burguesias, os que não querem só o
"aperfeiçoamento da ordem", mas a destruição da ordem existente. Os socialistas revolucionários
e os comunistas têm de realizar uma gravitação que os coloque adiante das transformações
histórico-sociais em processo e da relação que as forças burguesas mais avançadas procurarão
desenvolver com a sociedade global. Só assim poderão evitar o '”jogo do adversário" e agir com
uma racionalidade revolucionária proletária. Até há pouco tempo, partidos que se tinham como
socialistas revolucionários e comunistas podiam imaginar-se como uma vanguarda proletária. O
proletariado incipiente não possuía uma autêntica vanguarda de classe e a existência de palavras
de ordem "revolucionárias", de teor inconformista, reformista ou socialista, dependia da simulação
de uma vanguarda política atuante. Nos últimos trinta anos (com a industrialização maciça, com
tecnologia avançada e intensiva no uso do capital), a formação da classe se adiantou muito. Os que
defendem posições típicas do socialismo revolucionário e do comunismo precisam colocar-se na
situação de classe dos proletários e caminhar por dentro da classe para fazer parte de sua
vanguarda. Trata-se de uma proletarização de partidos; antes só podiam ser operários de nome
embora fossem revolucionários, por defenderem e propagarem doutrinas revolucionárias e
correrem todos os riscos que isso acarretava.
A primeira conseqüência dessa transformação que os socialistas revolucionários e os
comunistas não podem ignorar aparece no emprego correto da ótica do socialismo revolucionário
126
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

e do comunismo. A lua-de-mel com a burguesia, com o nacionalismo burguês, com o radicalismo


burguês está acabada! Não se trata de sair dando coices, de ficar na ilusão ingênua do "quanto pior
melhor". Mas de estabelecer, como parte da vanguarda da classe operária, como esta deve manejar
a luta de classes com objetivos políticos bem marcados, de curto, médio e longo prazo. Ao impedir
que os antagonismos existentes só produzam dividendos políticos para as classes dominantes, os
socialistas revolucionários e comunistas estarão cumprindo tarefas revolucionárias essenciais.
Colocarão sua experiência e sua visão dos processos, a serviço dos proletários, favorecendo sua
socialização política revolucionária no dia-a-dia da luta de classes, a constituição de quadros
treinados e o crescimento seletivo da própria vanguarda da classe. Estarão convertendo os seus
partidos em partidos proletários por sua composição, por sua orientação e por sua prática
cotidiana. Ao mesmo tempo, procurarão reeducar-se e ressocializar-se: seria funesto que não
ocorresse uma proletarização da consciência social dos revolucionários militantes e dos partidos
revolucionários. Mesmo que o revolucionário possua origem operária e experiência proletária
prévia, precisa ser moldado pela classe, não a classe por ele! Caso contrário, o proletariado
caminhará numa direção e o que deveria ser o partido da revolução proletária, caminhará em outra,
cavando-se um fosso entre ambos. Além disso, o partido proletário não poderá colocar-se
momentaneamente contra a classe, se as circunstâncias o exigirem, sem perder sua confiança e sem
comprometer sua base social de poder real que lhe permite agir tática e estrategicamente como a
vanguarda política, da vanguarda da classe na luta pela revolução.
Seria preciso levar em conta "os caminhos da revolução proletária". Todas as revoluções
proletárias deste século, com a exceção da revolução cubana, tiveram um período de incubação de
vinte a trinta anos e foram favorecidas por comoções de âmbito mundial do capitalismo. Seria uma
típica manifestação de extremismo infantil pretender aproveitar o nem uma coisa nem outra da
situação histórica para precipitar a vertente revolucionária sem qualquer consolidação prévia das
posições revolucionárias do proletariado. Se um acontecimento imprevisto desencadeasse vertente
revolucionária, os partidos revolucionários devem aproveitá-Ia, indo na medida do possível à luta
pelo poder. Apesar da crise atual, isso não se configurou como uma possibilidade à vista. O que resta
é encarar a rota mais difícil, em função das responsabilidades que um partido revolucionário do
proletariado deve enfrentar nas condições presentes. Esse partido terá de delimitar suas atividades
concretas tendo em vista a natureza e o volume das tarefas políticas que o proletariado poderá
desempenhar, a curto e a médio prazo, em seus confrontos políticos com as classes dominantes.
Por princípio, sua estratégia será a de converter a "guerra civil oculta" em "guerra civil aberta",
tão depressa quanto isso for possível. Na prática, porém, deve combinar várias táticas de luta que
127
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

unam entre si as reivindicações concretas e pequenos combates com o fortalecimento de uma


consciência de classe revolucionária e uma disposição de luta inabalável.
Um proletariado de formação recente e heterogênea já ganha grande vitória quando defende
a solidariedade proletária acima de qualquer outra coisa. Algo mais difícil é formar uma
consciência proletária revolucionária e a firme disposição de luta, mantê-Ias acesa sob o sutil
cerco capitalista e impedir que elas se deteriorem nos embates imediatistas. O partido
revolucionário terá de desempenhar essa função criadora ligando a estratégia global do movimento
proletário com táticas vinculadas ao emprego, situação de trabalho, comitês de fábrica, proliferação
de conselhos operários e populares, reuniões nos sindicatos e nas comunidades, agitação em meios
não proletários.
O espírito revolucionário e o objetivo revolucionário precedem o aparecimento da situação
revolucionária e são eles que decidem se o "elemento subjetivo" estará presente quando surgir a
oportunidade. A relação de forças é decisiva, mas a oportunidade pode ser perdida se a classe e o
partido não estiverem prontos para agarrar a oportunidade. A impaciência dos revolucionários ou
da vanguarda de classe proletária pode preparar-se para a revolução, mas não podem forjar ao bel-
prazer a situação histórica revolucionária. Esta transcende a vontade dos agentes e depende de uma
evolução extremamente complexa, não se faz revolução por encomenda. A evolução da revolução
proletária no Brasil, parece subordinar-se a fatores que não permitem vaticinar um caminho nem
fácil nem rápido para a revolução. Em vista das condições continentais do Brasil, do modo que se
manifesta o desenvolvimento desigual e combinado, do tamanho da população, da diferenciação
regional da economia e o regime de classes, das circularidades da revolução burguesa e seu forte
resíduo reacionário, da "guerra fria" dos países capitalistas e de sua superpotência, de nação
periférica tão estratégica, da necessidade de passar para um alto potencial político de mobilização
da luta de classes pelos proletários e aliados, da necessidade de aperfeiçoar os principais meios de
luta organizada do proletariado - sindicatos e partidos - e de infundir-Ihes capacidade de atuação
conjunta e de irredutibilidade revolucionária, de produzir conhecimentos teóricos sobre as vias
concretas da revolução proletária no Brasil e a alteração das relações de forças internas e externas,
da descoberta das técnicas revolucionárias para acelerar a evolução da situação histórica
revolucionária, etc., a previsão mais otimista terá de pensar, em duas décadas. Se as forças da
esquerda deixarem de digladiar-se e tomar uma atitude madura quanto a quem é o inimigo principal
a quem devem combater, em primeiro lugar.
Portanto, um partido empenhado em programar suas atividades como um meio de luta do
proletariado, deve preparar-se para uma fase longa de "guerra civil oculta" que será um tempo para
128
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

realizar sua aprendizagem, acumular forças e ganhar base social, produzir conhecimentos teóricos
de agitação, propaganda e de luta (inclusive armada), para estar pronto e com probabilidades de
aproveitar a situação revolucionária, se aparecer, ou de ajudar a criá-la, a partir de uma fase mais
avançada da "guerra civil oculta", se a história exigir empurrões decisivos e o proletariado, um
parteiro. Tal cálculo político é feito com base na "experiência anterior", levando em conta evoluções
transcorridas e na dinâmica da sociedade de classes, na América Latina. É impossível antecipar qual
vai ser o poder de desagregação dos países em transição para o socialismo depois que encontrarem
as bases para uma coexistência internacional homogênea e cooperativa - e depois que atravessarem
a fase dura da transição que assustou os setores não revolucionários do proletariado, no Ocidente,
e as classes médias, em particular. Hoje, o "cerco capitalista" tem força relativa suficiente para
desgastar os regimes socialistas em formação e em expansão, para criar tensões entre esses regimes
e, inclusive, para deformar o desenvolvimento socialista, aumentando desproporcionalmente os
investimentos não produtivos e diminuindo sensivelmente os ritmos da construção do socialismo.
É provável que, a médio prazo, essa relação será invertida a favor dos regimes socialistas. O desgaste
caminhará, então, no sentido inverso. Pode-se pensar que à atual rigidez autodefensiva do
capitalismo se seguirá uma curta fase de exacerbação da contra-revolução e, por falta de base social
para converter a defesa em ataque e em capacidade de auto-sustentação, a pulverização.
O modo pelo qual os Estados Unidos reagiram à derrota no Vietnã fornece pistas psicosociais
e políticas conclusivas. O desmoronamento, lento no início e rápido depois, será inevitável. Se esse
for o caso, a revolução proletária se beneficiará de fatores externos das correntes da história
mundial do presente. Contudo, é preciso responder às exigências da situação histórica atual,
fornecer ao proletariado, no momento em que ergue coletivamente a sua cabeça, novas
possibilidades de travar suas pequenas e grandes batalhas. Por isso, deve-se seguir a rota batida,
ainda que as esperanças possam ser maiores que as nossas realidades. Um partido desse porte terá
de perder a obsessão pela legalidade. O essencial não é a legalidade, mas o produto da atividade
de tal partido na realização das tarefas revolucionárias do proletariado. Ele deve bater-se pela
legalidade, mas essa nunca poderia nem deveria ser sua preocupação primordial e principal. Os
seus quadros terão de entender que a opção pelo partido constitui uma ruptura com a ordem. Esta
não deve consumar-se só com a vitória da revolução, mas muito antes: todo militante tem de saber
que, ao inscrever-se em um partido desses, rompe praticamente com a ordem e perde todas as
suas garantias ou compensações.
Isso não quer dizer que se deva forjar um clima de pré-revolução neurótico. Ao contrário,
devem estar prontos para defender o direito à revolução, usado pela burguesia e, mais tarde,
129
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

proscrito por ela. A imposição da "ilegalidade" às atividades revolucionárias e de subversão violenta


da ordem foi um dos primeiros atos do terrorismo burguês na Europa. Essa forma de opressão
precisa ser combatida, porém, não à custa das próprias tarefas históricas e políticas de um partido
proletário que se pretenda revolucionário. Ele deve estar permanentemente preparado para
realizar aquelas tarefas em duas frentes simultâneas, a legal, se existir, e a "ilegal", se não houver
outro remédio. O dilema desta situação está em duas tendências que ela engendra. a) a "concessão
da legalidade" constitui uma autorização para funcionar nos limites da ordem e para ser punido nas
"transgressões". Ela implica numa tendência à domesticação política e à social democratização
que deve ser repelida ou o partido só será revolucionário na intenção e de nome; b) redução
drástica do espaço político para a ação revolucionária. Essa tendência vai tão longe que até a
educação das bases e quadros no conhecimento da teoria socialista revolucionária, do comunismo
é negligenciada ou largada pelo partido. Essa tendência tem de ser combatida com persistência e
cuidado, ao mesmo tempo que se deve procurar as formas viáveis de compensação clandestina
dessa desvantagem.
O que se descreve é o grande partido revolucionário de massas, uma "repetição" e um
"sonho". Ora, o grande partido também é o pequeno partido dos revolucionários "profissionais".
Nunca é tão grande quanto ao número de militantes, uma proporção pequena da vanguarda
operária. Sua irradiação e seu potencial de luta política é de massas. Porém, o seu núcleo
organizado tem de ser o de um partido que possa desenvolver simultaneamente tarefas políticas
revolucionárias de curto, médio e longo prazo, dentro da ordem e contra ela, e que precisa prever
o desdobramento da luta política "por outros meios". Estar preparado para passar da "guerra civil
oculta" para a "guerra civil aberta" é algo que exige mais que verborragia revolucionária e
obreirismo compensatório! Se for preciso "repetir" os exemplos do que ocorreu na Rússia ou China
(Vietnã está fora?), paciência! Deve-se, apenas, fazer o possível para "repetir" com igual valor. Não
há outra saída no Brasil, dadas as proporções da Nação e das tarefas políticas a serem executadas.
Quanto ao "sonho", se deve dizer é que sem sonhos políticos realistas não existem nem
pensamento revolucionário nem ação revolucionária. Os que "não sonham" estão engajados na
defesa passiva da ordem capitalista ou na contra-revolução prolongada. A dimensão utópica do
socialismo revolucionário e do comunismo suplanta todos os sonhos e fantasias que se possa ter,
dormindo ou acordado. Um partido que não souber converter em realidade essa dimensão utópica
jamais poderá propor-se à condição de vanguarda política do proletariado e de meio válido da
revolução proletária. Por que pensar em um caminho tão difícil e prolongado quando se tem uma
burguesia débil, "lúmpen-proletária"? Não seria exagero erguer contra ela um partido
130
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

revolucionário preparado para os mais duros combates? Isto não é questão de opinião, é uma
questão de fato. Em países mais desenvolvidos da América Latina, essa burguesia mostrou-se capaz
de praticar bem sua autodefesa e de procurar uma sólida proteção no imperialismo. Uma classe
dominante, com posições de interesse internacionalizadas, não pode ser medida nacionalmente,
mas na escala mundial para a qual ela avançou historicamente através da incorporação e da contra-
revolução prolongada. Portanto, deve-se levar em conta a via cubana a via chilena e a via
nicaragüense, pois, através delas pode-se aprender muitas coisas. Inclusive porque um país das
proporções, desenvolvimento relativo e com uma burguesia tão hábil em defender seu monopólio
do poder, como o Brasil, necessita de um partido proletário de porte para ir à revolução
anticapitalista e antiimperialista.
O mais importante, na via cubana não está na guerrilha, mas no modo pelo qual os
guerrilheiros conquistaram o apoio dos camponeses e proletários agrícolas para a revolução. Um
partido revolucionário de grande porte terá de chegar ao Exército do Povo e à guerrilha, quando a
guerra civil tornar-se uma guerra civil a quente, de escala nacional. Dar prioridade à guerrilha seria
infantil - as revoluções proletárias não se repetem enquanto história, mas em suas estruturas, no
que possuem em comum, graças à luta de classes. Ignorou-se esse lado, porque não se pensou a
sério na revolução. A conquista e o apoio dos camponeses e semi-camponeses, espalhados por
todo o país, é crucial. Sem eles, uma revolução proletária não teria viabilidade porque as forças
nacionais e externas da contra-revolução fragmentariam o país e isolariam os focos revolucionários
vitoriosos, não dando tempo para que a revolução chegasse à conquista do poder e ao
escalonamento das batalhas decisivas.
Quanto à via chilena é preciso reconhecer que ela não era má em si mesma. Ela foi prematura.
Ela exigia um avanço e um peso maior dos regimes socialistas no equilíbrio mundial do poder. Só
isto poderia impedir que os capitalistas não ousassem e, se ousassem, ousariam para ser batidos
militar e politicamente. Como essa condição histórica não se realizava, a burguesia nacional e as
nações capitalistas centrais, com a superpotência à frente, aproveitaram os erros cometidos como
se apenas colhessem frutos maduros. A via nicaragüense, por sua vez, comprovou a sua eficácia.
Mas, ela cai na categoria da experiência anterior, só que sem possuir as vantagens que favoreceram
os guerrilheiros cubanos. A sua importância está na demonstração de que hoje há um espaço
comum a ser explorado por todas as forças sociais que combatem as iniqüidades das ditaduras de
classe e do imperialismo na América Latina. E que esse espaço conduz a uma redefinição histórica
da relação da burguesia radicalizada e da esquerda unificada com a transformação da ordem. Não
é axiomático que se possa montar no Brasil tal saída e que ela seria o ponto de referência obrigatório
131
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

do pensamento revolucionário. Ao revés, o que a experiência da Nicarágua prova é que a ausência


de um partido revolucionário proletário, solidamente apoiado nas massas, constitui uma
vantagem para os setores revolucionários que se limitam a defender a reforma do capitalismo e
gera um tempo de espera que é favorável às manobras diretas e indiretas do imperialismo, quando
ele se manifesta dentro da área com ânimo colonial, como fazem os Estados Unidos.
Ainda aqui, evidencia-se o drama latino-americano crônico: as situações revolucionárias
configuram-se sem que existam forças organizadas para conduzir à revolução. A única exceção é
a de Cuba. Para impedir essa cronicidade, tão vantajosa à contra-revolução capitalista, devemos
lutar para que o proletariado tenha as mesmas possibilidades de aproveitar as oportunidades
históricas que a burguesia. Por essa razão, cumpre estudar essas revoluções, vitoriosas ou
frustradas, mas para aprender e ir além. Mas, não para manter o pensamento e a ação
revolucionária dentro de círculos que não se abrem para o nosso futuro, pois dizem respeito a uma
órbita histórica que não coincide com a órbita histórica do desenvolvimento do capitalismo
dependente, do regime de classes e do Estado burguês no Brasil.

132
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Módulo 7: Trabalho de Base e Organização Popular

Sobre a Formação Política, Por Ranulfo Peloso

Roteiro: algumas ideias para um debate – De junho de 2017

Concepção de Formação Política

1. O que não é formação. Certa visão de formação reduzido a formação à realização de cursos,
seminários, palestras...; ou seja, transforma a formação em um evento. É verdade que na
formação se usa aulas, cursos, palestras, seminários.... Mas, se um evento não faz parte de um
processo ou não se torna um fato político é como um incêndio, por maior que seja, só deixa
cinzas. O pior de tudo é achar que a formação é panaceia, o remédio para resolver todos os
males e fracassos de uma organização.
2. O que é a formação – A formação faz parte de um tripé – Organização, Ação/luta e Formação.
Assim, a formação tem uma intencionalidade: qualificar pessoas que já lutam ou se dispõem a
lutar. Por isso, a formação se define como: a) instrumento/ ferramenta de uma organização
para tornar comum uma causa, uma visão de mundo, uma proposta, uma estratégia; b) ajuda a
elaborar ou implantar uma intencionalidade, implícita ou explícita; c) faz com que as ações se
tornem uma prática, uma ação pensada, a serviço de determinada proposta.
3. Tripla tarefa da formação política – A formação, por si só, não transforma a realidade, mas sem
ela não se faz mudanças. Seu papel é contribuir na: a). Elaboração ou implantação de uma
estratégia de poder; b). Qualificação de militantes para a disputa de hegemonia; numa
sociedade dividida em classes, a qualificação (técnica, política e cultural) prepara a militância
para a luta de classes; c). Elevação da consciência e incorporação da massa como sujeito
político e não massa de manobra.
4. A formação é um ato político, como o ato político é educativo. Não existe formação
politicamente neutra. Numa sociedade de classes, não pode haver educação que seja a favor de
todos – será sempre a favor de alguém e contra alguém. A formação serve para que a pessoa se
acomode ao mundo ou se envolva em sua transformação. Ao ser transformadora fica contra
quem se beneficia com a atual situação e a favor de quem é prejudicado por ela. Ao ser
conservadora, se coloca a serviço dos grupos beneficiados com a manutenção da dominação.

133
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

5. A formação acontece na escola. Escola, na origem, significa ócio, espaço do pensar criativo -
uma oficina diabólica ou simbólica. A elite tinha comida e podia filosofar. Veio a separação
entre quem pensa e quem trabalha. Hoje, a escola pode educar ou escolarizar. A simples
escolarização é a nega o ócio (nec+ócio) serve para capacitar e alienar passivos sujeitos que
vendem sua força de trabalho, no mercado, em troca de um salário para garantir sua
sobrevivência e sua continuidade.
6. A Escola trata do saber. Só o conhecimento liberta quando esse conhecimento não se reduz a
enletramento, a assimilação e repetição de conceitos. Escolarização pode levar a erudição, mas
não à formação. “Desde pequeno, tive que interromper minha educação para entrar na escola”.
A informação é conhecimento quando passa a fazer parte da ação das pessoas. É preciso
conhecer o mundo conhecer para transformá-lo.... Assim, quem sabe como fazer, mas não ainda
não fez, ainda não sabe.
7. Os ensinos da dominação viram verdades que são repassadas por instituições, como a família,
ou por lições repetidas pelo senso comum em forma de repressão física, moral e psicológica. A
dominação também usa a religião para legitimar a exploração e conformar a classe oprimida. O
sistema escolar oficial imprime o tom de científico à versão dos fatos, conforme o interesse da
classe no poder. A mídia controlada, empacota e impõe o padrão cultural, em favor dos novos
e velhos colonizadores.
8. Isso, porém, não significa desconhecer ou negar dimensões importantes na educação
"tradicional", como as sadias tradições, o espaço familiar educador, a espiritualidade
libertadora, a escola formadora do espírito crítico, e meios de comunicação que revelam a
opressão e incentivam a participação. Famílias, igrejas, escolas e meios de comunicação foram
e podem ser postos importantes no despertar da consciência e no compromisso de luta pela
transformação da sociedade.
134
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

9. A formação transforma a ação em prática, quer dizer, em ação pensada, intencionalizada. Por
isso, o conhecimento pressupõe a apreensão e a assimilação da realidade e a aplicação do saber
na vida concreta. Entre as fontes que produzem conhecimento estão: a) o trabalho humano, a
luta pela sobrevivência, a experiencia vivida de pessoas e povos; b) a luta permanente contra
toda forma de exploração e dominação – a luta de classes; c) a pesquisa científica feita dentro e
fora da academia.

Sobre a Educação Popular

a) A Educação Popular não se reduz a procedimentos, dinâmicas de grupo, uso de recursos


audiovisuais.... O pedagogismo, o metodologismo infantiliza as pessoas e produz a euforia do
participativo que não prepara sujeitos políticos para entender a realidade comprometer-se com
sua transformação. Quem faz só pedagogia, só metodologia, sem visão política, faz a contra-
educação popular. Pois, não existe Educação Popular fora de processos de luta popular.
b) Certos procedimentos “participativos” manipulam as pessoas quando criam a impressão de que
são "parte". Há grupos que praticam o sócio-negócio: ganham dinheiro, por ideologia ou
oportunismo, promovendo muitas oficinas, laboratórios, talleres, workshops, motivações... que
domesticam (capacitam) cidadãos, os novos escravos que sustentam, com sua força de trabalho,
a continuidade e o sucesso do mercado capitalista.
c) A Educação Popular usa recursos pedagógicos para incentivar a participação, a cooperação e a
assimilação de conceitos abstratos e o próprio método. Então, o uso de imagens (desenhos,
vídeos, dramatizações, poemas, brincadeiras...) são caminhos para alcançar um objetivo. São
instrumentos que ajudam no processo de tradução, reconstrução e criação coletiva do
conhecimento sobre a realidade. Nunca podem ser vistos como receitas mágicas que, por si só,
vão alcançar esse objetivo.
d) Educação Popular são todos os esforço de mobilização, organização e qualificação (política,
técnica e cultural) que preparam as classes populares para o exercício do poder que
necessariamente devem conquistar. Os educadores ajudam a desatrofiar o corpo, a mente e o
coração e, com isso, devolvem a voz e transformando o povo em sujeito político capaz de decidir
o destino coletivo de toda a sociedade.
e) É a concepção político-pedagógico de formação política a serviço da classe explorada. É um
processo longo e difícil, com o envolvimento corresponsável de cada participante na

135
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

construção, apropriação e multiplicação do conhecimento. A Educação Popular desperta e


qualifica o campo popular, na sua luta para romper a lógica do capital e construir a ordem
socialista. Essa experiência de aprender e ensinar só pode interessar à classe oprimida - no
capitalismo, não há lugar para ela.
f) A formação popular é ferramenta da organização Popular para: a) Traduzir, divulgar e recriar o
saber; b) Elaborar e acompanhar a estratégia da organização; c) Qualificar militantes para
transformar, pela raiz, o sistema capitalista; d) Elevar o nível de consciência da classe oprimida;
f) Incorporar a massa como sujeito político; e) Facilitar a assimilação e a aplicação da
metodologia participativa; f) Comprometer a pessoa na multiplicação criativa do aprendizado.

Educação Popular e dialética

1. A Educação Popular adota a concepção dialética do conhecimento. Afirma que as ideias não
caem do céu, não vêm de berço e que as afirmações idealistas e fatalistas justificam o privilégio
de pessoas e classes. As ideias nascem da prática social – a luta pela produção, luta de classe,
experiências científicas – e tornam-se força material, capaz de transformar as pessoas e o
mundo e, num movimento sem fim, renovar e revolucionar o conhecimento e a realidade.

2. A Educação Popular parte da afirmação que toda história tem dois lados. Por isso, segue o
método dialético que olha a realidade em permanente tensão e intenso processo de luta. O
conflito está na essência da vida dos minerais, vegetais, animais e dos humanos. O conflito gera
136
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

o movimento, que gera a mudança, a vida social, a história, a possibilidade de destruir e


reconstruir. Então, não há porque temer o conflito e a luta dos contrários. Em vez de
desconhecer, esconder ou conciliar, olha a contradição como um aspecto favorável à
transformação da realidade.
3. A visão dialética desperta a classe explorada para perceber que, no capitalismo, existe uma luta
de classes entre o capital e o trabalho. Em vez de temer, a classe trabalhadora, então, deve
encarar a contradição, como desafio e possibilidade – pois, é a contradição que possibilita a
mudança. O movimento gerado pelo conflito dá a certeza de que o mundo não foi e nem será
sempre assim: que tudo pode mudar porque tudo o que foi construído pode ser desconstruído
e reconstruído.

Uma Pedagogia classista

a. É uma pedagogia que tem lado, que serve à classe que trabalha na sua trajetória de construir
uma nova ordem social, alternativa à exploração e a dominação. Esta concepção opta por um
dos polos da luta de classe – a classe oprimida – está a serviço da classe que tem as condições
de entrar em um processo de transformar, pela raiz, a estrutura da sociedade capitalista.
b. A EP tem intencionalidade explícita, pois, o conhecimento tem objetivo, direção e finalidade - é
conhecimento de algo ou alguém, a partir de uma perspectiva. A intencionalidade dá a direção
do conhecimento e a direção da ação deste conhecer. A intencionalidade política da educação
popular é direcionar a ação a partir de uma ideologia, de valores e do direcionamento que dá às
forças sociais e políticas, presentes no meio dos pobres.
c. A EP é uma ferramenta da estratégia de poder da organização popular. Não se forma a pessoa
e depois se vê o que vai fazer. Aposta em quem já luta, pois, o conteúdo, método e ritmo da
formação obedecem a uma concepção de mundo, visão de sociedade e opção por princípios e
valores. A educação está à serviço de uma ideologia e proposta, como instrumento para
formular e realizar sua estratégia. O processo educativo contribui para a formulação,
aperfeiçoamento e implantação da estratégia.
d. O que une pessoas e grupos é a busca de realizar um anseio, de defender um interesse
ameaçado ou buscar uma Causa comum. Na luta, as pessoas não formam um clube de amigos,
embora possam tornar-se amigas. Para dar coesão à sua proposta, uma organização da classe
constrói processos de convencimento para fortalecer o grupo que, por sua vez, luta para tornar

137
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

possível a conquista ou a implantação de um sistema, que garanta seus interesses, de forma


permanente.
e. A Educação popular é uma disputa de hegemonia. Uma classe busca ter hegemonia sobre outras
classes para exercer sobre elas um processo de direção, no plano político, cultural ou ideológico.
Essa hegemonia da classe no poder se constrói e se recria, na vida cotidiana. Por ela que se
interioriza valores e constrói sujeitos domesticados ou críticos. O capitalismo, por exemplo,
mesmo sem resolver os problemas da maioria, convence o povo de que não há alternativa de
vida, fora desse sistema.

“Imagina-te como uma parteira. Acompanhas o nascimento de alguém, sem exibição ou


espalhafato. Tua tarefa é facilitar o que está acontecendo. Se deves assumir o comando,
faz isto de tal modo que auxilies a mãe e a deixes que ela continue livre e responsável.
Quando nascer a criança, a mãe dirá com razão: nós três realizamos esse trabalho.
Ad. de A Parteira Lao Tse, séc. V a. C.

Método na Formação Política

a) A Educação Popular entende que educar é extrair do povo o que o povo já sabe, mesmo não
sistematizado – o povo sabe o que quer, mas às vezes quer o que não conhece. E também não
sabe que sabe, não tem consciência. A educação popular acolhe o saber comum e problematiza
as “certezas”, além de partilhar o saber acumulado da prática social. Tudo isso contribui na
recriação permanente de novos conhecimentos, para responder às perguntas da vida e aos
anseios da existência.
b) Orientada pela concepção materialista dialética, a EP utiliza o método indutivo e dedutivo. O
método indutivo quando olha as partes e, por um processo de construção e síntese, supera a
ingenuidade e alienação e consegue a apreensão do todo. O método dedutivo quando parte da
visão global para entender as particularidades. Nos dois métodos, é indispensável considerar a
realidade concreta, as pessoas envolvidas como sujeitos e com sujeitos se apropriando do
conteúdo e do método.
c) A tarefa educativa é: a) recolher as ideias dispersas do povo; b) transformá-las em ideias
sistematizadas; c) voltar e divulgar essas ideias ao povo para que as assuma e as traduza em
ação; d) verificar a justeza dessas ideias na vida concreta; e) ir para o meio do povo, aprender

138
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

com ele, tirar das experiências princípios e métodos; f) ajudar o povo a pô-las em prática para
resolver seus problemas e alcançar a libertação e felicidade.
d) A pedagogia popular considera: a) o querer do educador/a, sua mundivisão e acúmulo; b) o
desejo da classe que trabalha expresso em demandas e potenciais; c) o contexto das pessoas
metidas numa teia de relações econômicas, históricas, culturais, políticas, sociais...; d) a postura
de intercâmbio de educadores e educandos em papéis complementares de parturiente e
parteira. Em processos de luta e organização, a formação aposta sobre um grupo que, em
ondas, irradie práticas exemplares.
e) Alguns princípios metodológicos norteiam a pedagogia da formação política: a) toda pessoa é
capaz; b) só a classe oprimida pode ter interesse no processo de libertação; c) quem está no
processo produtivo tem potencial e condições objetivas de fazer a transformação; d) só pessoas
que se dispõem a um processo de mudança devem ser incluídas no programa de formação.

Pedagogias

a. De forma esquemática, se fala de três modelos básicos de metodologia que se repelem e se


atraem, dialeticamente:
 A autoritária usada para "domestica" as pessoas; ensina a obedecer e a reproduzir um padrão
de comportamento adequado à ordem e ao interesse da classe no poder. Convém distinguir
autoridade de autoritarismo. Autoritarismo é a imposição de ordem ou decisão, por alguém
que se considera superior. Autoridade é a firmeza em cumprir e, fazer cumprir, os acertos
combinados. Para funcionamento de um grupo, unidade de produção... é necessária hierarquia
(cargos, funções e postos de coordenação), quando não significa privilégio ou superioridade.
Pelo povo, profetas e revolucionários tomaram posição vertical e contra a maioria. Maioria não
garante justeza de posição, pode significar que tem mais gente errada!
 A libertadora que realça a participação – nem "para", nem "sobre", mas "com" as partes
envolvidas. Serve para despertar o senso crítico, a autoestima e combater o modelo hierárquico
da formação que naturaliza a existência de superiores e inferiores, via "consensos", imposições
e preconceitos históricos agressivos e opressivos... Certo respeito pelo popular, o
horizontalismo, pode ser a aceitação de reproduções introjetadas da cultura dominante. Como
reação a hegemonia da concepção autoritária, confundiu-se pedagogia libertadora com a
pedagogia onde não pode existir o "para" ou o "contra" - somente o "com". Só que o "com"

139
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

pode ser reforço da mesmice, a satisfação com o status quo, a justificativa para o basismo, a
aceitação do contraditório senso comum, a ocasião para oportunismo e demagogia
 A populista, uma terceiro modelo, utiliza o discurso da metodologia libertadora e tem a prática
da metodologia autoritária. A intenção é manter as pessoas dominadas; pela manipulação, cria
a sensação/ ilusão de que elas são partes. Com a postura de "boazinhas", algumas pessoas
tomam iniciativa pelas outras e perpetuam nelas a dependência, o sentimento de inferioridade
e a subserviência. Mas, fazer "para" é sempre manipulação, assistencialismo, paternalismo?
Onde ficariam os gestos de gratuidade de quem faz sem exigir correspondência? E por que ficar
"contra" só pode significar ser menos amoroso, mais arrogante e chato(a)?
b. As três posturas pedagógicas: autoritária ("sobre"), libertadora ("com") e populista ("para")
existem em contínua tensão e conflito, em um jogo permanente para superar uma às outras.
Para ser coerente com a visão dialética, não se pode temer a visão crítica sobre as palavras e
conceitos de outras posturas e não se escandalizar com a "briga" das preposições. Às vezes, na
Educação Libertadora, parece haver um império da preposição "com" pela simpatia que o "com"
traz no processo educativo.

Marco de estrada - Ho Chi Minh


Nem muito alto, nem muito largo,
Nem imperador, nem rei.
Você é só um marco de estrada,
Que se ergue junto à rodovia.
As pessoas passam.
Você indica a direção certa,
E impede que elas se percam.
Você informa a distância
Que se precisa ainda percorrer.
Sua tarefa não é pequena
E toda gente lembrará sempre de você.

Eficiência e eficácia da Educação Popular

140
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A eficiência e a eficácia da EP se percebe quando: a) anima e apaixona o oprimido por


resgatar sua identidade e dignidade – a autoestima; b) mobiliza e rompe dormência e a sensação
de impotência gerada pela dominação – individualismo, consumismo e fatalismo; c) qualifica a
militância para atuar na realidade social; d) consegue resultados que beneficiam a vida e eleva o
nível de consciência - conquista e politiza; e) provoca a multiplicação criativa, a partir da parte para
atingir a massividade; f) canaliza os processos legítimos de luta pela emancipação para Projeto de
transformação; g) articula práticas, em níveis sempre mais amplos.

Trabalho de Base – sonho, ciência e arte, Por Ranulfo Peloso

Introdução

1. A pessoa entra na política, se entrega a uma Causa, quando se sente sujeitos político que
reconhece seu potencial de edificar a nova ordem social humana, livre e feliz. Por isso, o
Trabalho Popular é ajudar a massa a soltar sua voz, assumir-se como sujeito político. É mostrar
que a massa não é coadjuvante, mas decisiva, na conquista e manutenção do poder. Quando o
Trabalho Popular tem objetivo, estratégia, planejamento, disciplina, método, continuidade, grau
de organização, ligado à luta concreta... vai contagiar, sustentado pela massa reunida numa
infinidade de pequenos grupos.
2. O Trabalho de Base, então, não pode ser reduzido a atividade de agitação e propaganda,
mobilização, panfletagem, reuniões, visita de casa em casa, ... embora realize todas essas ações.
Da mesma forma, o Trabalho de Base se reduz a apropriação da metodologia de fazer o trabalho
na base. Seria um erro contrapor o conteúdo estratégico do trabalho de base e a metodologia
do trabalho na base, pois, há unidade entre conteúdo e forma - a estratégia justa exige boa
metodologia e vice-versa.
3. O desafio do trabalho popular é responder para que e com quem se quer fazer trabalho de base.
Quando a organização popular tem claro seus objetivos e o caminho para alcançá-lo, deve usar
a melhor metodologia para o trabalho na base. Se o campo popular está em crise de rumo seu
“trabalho de base” vira pedagogismo: uso de metodologias e dinâmicas “participativas”,
insuficientes para implantar na base, um projeto de mudança.

141
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Concepção estratégica

1. O capitalismo não pode e não se propõe a resolver os problemas do povo; sua preocupação é a
reprodução e a acumulação do capital. Só o sistema socialista se propõe a encarar e solucionar
as contradições da luta de classes. Por causa disso, não pode ser um discurso, tem que ser algo
que possa ser vivido e sentido, no plano econômico, político, cultural, espiritual...
2. Como instrumento da nova ordem social, o trabalho de base tem uma causa justa, um método
de ler a realidade e um projeto de País traduzido num programa popular. Isso requer uma
estratégia de poder, um caminho para alcançá-lo, uma organização que o dirija e dê coesão
política e ideológica e militantes que se disponham a um processo de transformar da sociedade
capitalista.
3. O Trabalho de base é, então, a implantação de uma estratégia de poder, feita por militantes
de uma organização, numa base social. A intenção do trabalho de base é fincar sua bandeira
em um território. Sua tarefa, nessa base social, é: a) resolver, com o povo, os problemas do
cotidiano; b) relacionar a luta imediata, econômica e local, com a luta geral e política; c)
incorporar a massa como sujeito político; d) e preparar novos militantes.
4. Ou seja, o trabalho de base é o enraizamento e a ação política de militantes de uma
organização para concretizar um projeto de transformação social. Para isso, constrói sua força
própria (seu exército) que, ao ser referência, se torna força social que atrai e envolve outros
atores, na sustentação do projeto de transformação. O Trabalho de base transforma a força
potencial da classe trabalhadora em força real capaz de fazer as mudanças. Por isso, há
profunda relação entre Trabalho de Base e Trabalho de Massa no combate ao projeto do capital
- sem hegemonia não é possível derrotar o capitalismo.

Afirmações do trabalho de base

O trabalho de base não é um evento ou debate acadêmico (abstrato). É uma experiência


de vida, longa e difícil, realizada em um contexto de luta de classes. Por isso, para entrar em um
processo de luta e organização popular, a militância, além da disposição pessoal, precisa trazer, em
sua mochila, um punhado de convicções e certezas, acumuladas pela prática popular:
1. O trabalho de Base acredita numa utopia. Mesmo que não esteja definida sua forma ou sua
hora, essa utopia alimenta o projeto de sociedade onde a produção social da riqueza tenha uma

142
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

apropriação social. Fazer Trabalho de Base é ser operário da utopia que fundamenta a
esperança coerente, criativa e subversivamente transformadora.
2. O trabalho de base tem ideologia, tem aspirações políticas: fazer o País avançar para a
sociedade sem exploração. Para isso, o trabalho de base resolve problemas concretos da
população, de uma categoria profissional, de um setor da sociedade e produz quadros
militantes capazes de dirigir a luta econômica e de transformar, pela raiz, as estruturas da
sociedade capitalista.
3. O trabalho de base se orienta por uma ética – essa atitude diante da vida leva à luta por um
mundo feliz, fraterno e livre; por causa dessa herança que vem de longe, se vive, se marcha, se
canta. A ética, é a mistura de sonho, ciência e arte que ao concretizar-se supera o discurso, o
romantismo e o idealismo.
4. O trabalho de base é a inserção do Projeto Popular, em cada formação social e cultural. A análise
concreta da realidade concreta faz o projeto se expressar em um programa capaz de mobilizar
um povo e um País. Não pode ser a repetição da formulação teórica de outras experiências
históricas.
5. O trabalho de base traduz a estratégia em táticas adequadas, em bandeiras de luta e em
planejamento com metas, prazos e responsabilidades. A estratégia traduzida é o caminho que
deve envolver todos os atores interessados, desde o conhecimento da realidade até à solução
dos desafios, individuais e coletivos.
6. O trabalho de base requer uma organização com força própria que se enraíza e se torna
referência pela capacidade de reunir, organizar e articular alianças, de conquistar direitos
econômicos e sociais e de educar a classe trabalhadora para um novo modo no exercício do
poder rumo à emancipação da classe.
7. O trabalho de base usa o método dialético que vê a realidade em permanente tensão e intenso
processo de luta. Pois, o conflito gera o movimento, a vida social, a história, a possibilidade de
solução. Por isso, a militância perde o medo do conflito e da luta dos contrários. Em vez de
desconhecer, esconder ou conciliar, vê a contradição como possibilidade de transformação.
8. O trabalho de base aplica a matriz orgânica que une, movimento de massa e direção militante.
Esse modelo de organicidade aposta na qualidade para atingir a massividade organizada, única
força capaz de transformar a realidade social. A massividade fermentada se torna a sementeira
permanente, na multiplicação de lutas e renovação de sementes.
9. O trabalho de base requer direção coletiva que sistematiza o saber que o povo traz
desorganizado. Sua missão é educar e elevar seu nível de consciência, organização e de luta. A
143
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

direção é escolhida pela confiança e reconhecida por méritos: inserção na massa, iniciativa,
vontade, coragem, disposição, clareza do rumo, leitura da realidade e propostas justas na
conjuntura.
10. Só militante faz trabalho de base porque carrega a proposta e a estratégia da organização
popular. A militância desperta a classe para assumir-se como sujeito político e transformá-la no
exército popular que enraizado no “território”, dá sustentação ao sonho, projeto, plano,
ideologia... O militante mergulha numa base social concreta e, com ela, formula o plano de
trabalho.

“Como seria a condição humana se não houvesse militantes? Não porque militantes sejam
perfeitos, sempre tenham a razão, sejam super-homens e supermulheres ou porque não
errem. Não é isso. É que militantes não vêm para buscar o seu. Vêm entregar sua alma por um
punhado de sonhos.
Afinal, o progresso da condição humana, fundamentalmente, depende de que exista gente
que se sinta feliz em gastar sua vida a serviço do progresso humano. Ser militante não é
carregar uma cruz de sacrifício. É viver a glória interior de lutar pela liberdade em seu sentido
transcendente” Pepe Mujica

Método do trabalho de base

A concepção de mundo define o objetivo estratégico, o inimigo e a via do combate. Diante


do inimigo, forte e preparado, a luta popular aposta na porção da classe com condições de derrotá-
lo. Nesse sentido, são os operários, os trabalhadores no território urbano e os camponeses que
formam a força principal capaz de travar a produção, a acumulação e apropriação capitalista da
riqueza gerada pelo trabalho. Por isso, o método popular tem como eixo:
a. Inserção, enraizamento real na classe com a perspectiva revolucionária. Ou seja: a) despir-se
da prática de casta, de elite; b) aproximar-se do povo para disputar e controlar o território; c)
incorporar a parte da população com condições de chegar ao poder; d) meter-se no setor fabril
(visando a greve geral), no território urbano (a massa) e no território camponês (comida).
b. Exemplaridade e irradiação – O principal critério para investir num processo é sua eficácia.
Então, se investe em processos com condição de universalizar-se. Na experiencia exemplar, se

144
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

cruza o quantitativo e o qualitativo, a eficiência e a eficácia, o concreto e o permanente. Essa


prática é que se irradia, se multiplica, se reproduz, se recria... conforme os tempos, ritmos e
culturas. É isso que produz impacto, ainda que demore.
c. Aposta em atores sociais com condições de mudar a realidade. Sem mudar o meio em que se
vive, não se ataca a raiz que gera a exploração. A pobreza não gera consciência, gera
conformação. Quem a classe que trabalha toma consciência do seu potencial e sua dignidade,
luta pelo interesse da classe; a força potencial transforma-se em força real para vencer a
exploração.
d. Priorizar pessoas, áreas e processos com condições de espraiar-se. Priorizar uma parte não é
excluir, é limitar o leque de atendimento e concentrar esforços e recursos na experiência que
possa irradiar-se. É investir na parte como ponto de partida, para atingir a multidão, como ponto
de chegada.
e. Relacionar luta (conquista) e consciência (organização). O povo se mobiliza quando pensa que
pode ganhar ou sente que pode perder. Para envolver cada participante no processo de luta e
organização popular, é preciso partir da porta que o povo oferece, junto com problematizar para
que veja o problema e suas raízes.

Metodologia – o jeito de fazer o trabalho na base

Antes de tudo, o trabalho de base é fazer fazer. É aproximar-se, é meter o corpo na realidade,
é mergulhar numa base social, é formular e acompanhar um plano de trabalho que cria as tarefas
permanentes para realizar. Não existe receita para fazer o trabalho de base; depende do contexto
e da conjuntura. Às vezes, é o inimigo quem determina o caminho a seguir. A militância deve
conhecer e trocar experiências, mas é por seu amor pela causa que ela tenta, cria, inventa. Porém,
ao comparar a prática de vários lugares, é possível descobrir pontos em comum que podem inspirar
novas práticas.

 Ter um plano, inclusive com os custos financeiros


 Aproximar-se de uma base popular significativa.
 Conhecer a realidade, leitura permanente do contexto.
 Descobrir pessoas para o núcleo inicial
 Ter plano de luta para resolver com o povo os problemas
145
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

 Organizar as pessoas, repartir as tarefas


 Ter programa de formação que eleve o nível de consciência.
 Plano de sustentação política e financeira;
 Revelar a intenção da proposta e da organização.
 Formular plano de formação política, técnica e cultural.
 Garantir sustentação política e financeira da organização
 Articular a experiência local e iniciativas no mesmo rumo.
 Conhecer outros trabalhos de base.
 Articulação da experiência local com outras iniciativas.

Planejamento do Trabalho de Base

1. O núcleo de militantes - A primeira tarefa do Trabalho de Base é formar de um time com


compreensão e disposição para entrar no processo. É bom ter gente nova de idade e de
mentalidade. A escolha é baseada na confiança e a tarefa é formular o plano de trabalho: escolha
do lugar, tempo de começar, jeito de aproximar, primeiros contatos, recursos necessários.
2. Onde começar - A luta acontece lá onde está a classe oprimida: na fábrica, bairro, escola, na
roça. Qualquer lugar, na cidade ou no campo; a prisão já foi lugar onde a militância fez seu posto
de luta. O melhor é escolher o grupo ou lugar com condições de espalhar e influenciar outros
grupos e lugares.
3. A organização decide a implantação da proposta em um “território estratégico” seguindo o
volume populacional, peso econômico, localização, sítio histórico, região fronteiriça...
4. Destacar militantes experimentados para essa missão com um plano que tenha objetivo, metas
e custos financeiros.

146
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Sugestão de passos

a. A militância aproxima-se da base significativa: entra na fábrica, ou território, contata através de


pessoas ou iniciativas já presentes nesses espaços. A prioridade é auscultar e refletir.
b. Conhecimento dos quatro cantos do território – Conhecer é mais que obter informações, ainda
que necessárias. Conhecer é aproximar-se, contatar, colocar o corpo numa realidade. Pode vir
pela observação, conversas, visitas, pesquisas.... Conhecer e ser conhecido - não ser estranho ao
território. Este exercício exige cumplicidade e aprendizado para favorecer a integração, a troca
e a confiança. São informações indispensáveis os dados:
a) Que tratam do território: a geografia, a linguagem, o jeito, a cultura, os costumes, os
saberes, a população...
b) Que tratam da economia: número de trabalhadores, tipo de trabalho, volume da
produção, renda...

147
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

c) Que mostram a composição social e política: lideranças, entidades, grupos a favor e


contra o povo...
d) Que indicam potenciais e carências: habilidades, situação social, valores culturais e
artísticos...
e) Que revelam “fantasias”, como sentimentos e desejos, ainda que pareçam ingênuos ou
reproduzidos.
f) Que sinalizam resistência – histórias de luta individual, grupal, espontânea, organizada,
pacífica, violenta...

f. Descobrir sementes de militantes - Mais importante que fazer grandes reuniões é descobrir
pessoas insatisfeitas e com disposição para as mudanças, que pensem além de sua família, que
sejam coerentes entre o que prometem e o que fazem, e que sejam discretas. Pessoas que se
destacam nesses critérios podem tornar-se referências, mais adiante.
g. Fazer ações concretas - Os dados da realidade ou a conjuntura podem sugerir propostas de ação.
A militância deve sentir o que o povo quer fazer. A ação a ser feita é aquela onde povo participa
porque está no seu nível de compreensão e no ritmo que o grupo suporta: um jogo, uma festa,
celebração, protesto, mutirão, disputa política... A experiência do confronto ensina mais – o
povo se mexe quando sente que vai perder ou pensa que vai ganhar.
A militância pode e deve apresentar propostas, sem impor; as ações impostas não são
assumidas ou acomodam. É decisivo acertar nas primeiras ações - é essencial analisar a
possibilidade de vitória. Na luta, se ganha ou se perde. Mas, é a vitória que anima a vontade de
continuar. A derrota, no começo, aumenta no povo o sentimento de fraqueza e impotência.
h. Organizar a base - A Organização Popular é uma ferramenta para juntar, ampliar, animar o
processo, fazer a formação, repartir o poder e conquistar vitórias. O Grupo de Base é essencial
no Movimento; é seu alicerce, sua força, seu exército organizado. É a porta de entrada que
acolhe, escolhe e prepara as pessoas que servem para a organização popular. O Grupo de Base
deve ser formado por quem já vestiu a camisa do Movimento. Nunca é um clube de amigos, um
comitê eleitoral, uma associação ou comunidade de igreja. O Grupo de Base é a afirmação do
poder popular.
i. Formação política - Uma ação para ter continuidade exige preparação e avaliação constante.
Fazer ações e refletir sobre elas é a primeira “escola” onde a militância e povo se qualificam. A
formação é uma necessidade de quem luta pela vida. Só o entusiasmo e a força são insuficientes
para vencer a opressão.
148
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

A classe oprimida precisa descobrir as raízes da exploração e criar respostas para os desafios
cotidianos; precisa juntar a força e o pensamento para vencer o inimigo. Sem formação, a luta
mais feroz se reduz a luta contra os efeitos da exploração. O trabalho de base deve formular um
programa de formação que eleve o nível de consciência de sua base, militância e direção.

j. “Sair” do território - O Trabalho de Base se fortalece quando une a luta imediata de um território
com a luta geral da classe, no nível regional, nacional e internacional. Na “saída” para ver outras
lutas a militância ganha experiência e habilidade; alarga seu horizonte e conhecimentos; observa
outras pessoas e práticas. Eleva seu nível de consciência e o ardor de sua fé socialista.
k. Fazer a propaganda - Quem acredita no que faz, quer espalhar essa proposta. Propaganda não
é inventar emoções para impressionar ou iludir. Fazer propaganda é repartir as lições que o povo
aprendeu, na sua luta. É denunciar as injustiças e falar dos sonhos para atrair gente para a
mesma esperança. No início, a propaganda se faz de pessoa a pessoa. Quando a experiência cria
raízes e já encara o sol, a propaganda se faz de forma aberta: faixas, imagens, boletins.... Muita
gente é atraída para a luta popular, atingidos pela propaganda.

149
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

Mística da educação e do trabalho de base


1. O trabalho de base não é “tática” ou técnica para obter resultados. É um jeito de fazer política
onde a pessoa coloca sua alma por amor ao povo, que é a razão e o sujeito dessa entrega. Esse
segredo, cultivado pela militância, é a força que a impulsiona, nos momentos de dor, dúvida e
derrotas. É a energia contagiante que alimenta sua alegria de viver, atitudes e comportamento,
a disposição de luta, a esperança sem ilusões, a garra, festa e o companheirismo.
2. A Educação Popular e trabalho popular é um ato de amor. É o gesto humano e político de
entrega para que as pessoas se realizem como gente, como classe e como povo. A firmeza da
entrega, gratuita e solidária, nasce da “certeza” que não se vê: a construção de uma sociedade,
livre de toda e qualquer forma de opressão.
3. A convicção de que a única vergonha da pessoa é ser feliz sozinha, vira ousadia e paixão que não
pede licença para lutar, nem tem medo de ser minoria. Muita gente, ontem e hoje, se entregou
por essa esperança e uma legião de militantes tombou por essa causa.
4. Na missão de elevar o ânimo e a consciência do povo, e de divulgar a nova ordem social sem
a marca da exploração, a militância cultiva valores que se manifestam no seu jeito de pensar,
agir, sentir e comportar-se, de forma individual e coletiva. A mística cria a nova moral que se
expressa em princípios:
a. Amor pelo povo - O povo é o sentido e a razão de sua existência e, estar fora do povo, é uma
forma de ficar contra esse povo. O povo é real, com grandezas e limites. O educador é filho
desse povo, sementeira permanente de lutas e de educadores.
b. Companheirismo - Companheirismo é a forma superior de relacionamento, maior que os
laços de sangue. Ele se revela, na atenção a quem trabalha e não entendeu a razão de lutar,
no tempo dedicado à juventude e às crianças, no carinho às pessoas mais excluídas, no
ombro solidário a quem está desanimada, no respeito à parceira de vida e de caminhada.
c. Espírito de superação - Dentro das orientações coletivas, a militância toma iniciativa, cria
caminhos, mantém-se em busca constante de soluções e não segue receitas, não espera
ordens - é um ato da vontade que, ao entender o que deve fazer, se dispõe a fazer o que
entendeu, no cumprimento da missão.
d. Espírito de humildade - O espírito de humildade é contrário a toda arrogância,
autossuficiência, submissão ou ingenuidade. Humildade é a simplicidade de alguém que
reconhece seus valores e tem clareza de seus limites. Está sempre aberta para acolher o
novo, a verdade, o conhecimento.

150
Curso Realidade Brasileira – Grande Aracaju

e. Espírito de sacrifício - Quem diz luta, diz sacrifício, mas se deve evitar os sacrifícios inúteis.
Não é martírio onde as pessoas estão mais preparadas para sofrer e morrer. O sacrifício
nasce do enfrentamento da opressão. Ninguém luta porque gosta; sabe que toda luta
envolve risco, porém, não impõe pré-condições de conforto e facilidade, nem tratamento e
mordomias.
f. Pedagogia é o exemplo - “Não basta que seja pura e justa a nossa causa, é preciso que a
pureza e a justiça existam dentro de nós”. O exemplo que é a coerência entre o que se diz e
o que se faz convence. A convicção das pessoas se manifestam na postura e palavra da
militância são força e alimento na vida, no trabalho produtivo, no estudo, nas atitudes
(dedicação, entusiasmo, uso do recurso coletivo), na participação num posto concreto da
luta e na simplicidade de vida.

NOTA: Muitas das reflexões foram extraídos de roteiros elaborados


pelo Cepis (Centro de Educação Popular do Instituto Sedes
Sapientiae, SP, Brasil) sobre o tema.

151