Você está na página 1de 57

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ

INSTITUTO DE TECNOLOGIA
CURSO DE ESPECIALIZAÇÃO EM ENGENHARIA DE SEGURANÇA DO TRABALHO

Métodos e Técnicas em Ergonomia


Como são construídos os conhecimentos em
Ergonomia?
Conhecimentos validados e aceitos por todos, tendo como unidade básica o
sistema homem-máquina-ambiente
Parte desse sistema é governada pelas ciências naturais como a biologia,
fisiologia, física e química.

A outra parte, pelas ciências sociais, como a psicologia, sociologia e antropologia.

Abordagem Sistêmica da Ergonomia


Componentes do sistema
Fronteira: são os limites do sistema, que pode tanto ter uma existência física, como
a membrana de uma célula ou a parede de uma fábrica, como pode ser uma
delimitação imaginária para efeito de estudo, como a fronteira de um posto de
trabalho.

Subsistemas: são os elementos que compõem o sistema, e estão contidos dentro


da fronteira.

Interações: são as relações entre os subsistemas.

Entradas (inputs): Representam os insumos ou variáveis independentes do


sistema.

Saídas (outputs): Representam os produtos ou variáveis dependentes do sistema.

Abordagem Sistêmica da Ergonomia


Componentes do sistema
Processamento: são as atividades desenvolvidas pelos subsistemas que interagem
entre si para converter as entradas em saídas.

Ambiente: são variáveis que se situam dentro ou fora da fronteira e podem influir
no desempenho do sistema.

Abordagem Sistêmica da Ergonomia


Componentes do sistema
Abordagem Sistêmica da Ergonomia
Componentes do sistema
O sistema homem-máquina-ambiente é a unidade básica de estudo da ergonomia.

O sistema homem-máquina-ambiente é constituído basicamente de um homem e


uma máquina que interagem entre si para a realização de um trabalho. Pode
abranger, também, mais homens e mais máquinas, como no caso de uma linha de
produção.

Conceito de máquina bastante amplo. Abrange qualquer tipo de artefato usado


pelo homem para realizar um trabalho ou melhorar o seu desempenho, podendo
ser um simples lápis ou chave de fenda, até complexos computadores e
aeronaves.

Sistema homem-máquina-ambiente
Componentes do sistema
Máquinas tradicionais: ajuda o homem na realização de trabalhos físicos.

Ex.: ferramentas manuais, máquinas-ferramentas e veículos como os automóveis.

Máquinas cognitivas: operam sobre as informações.

Ex.: Computador.

Sistema homem-máquina-ambiente
Tipos de máquinas
Sistema homem-máquina-ambiente
Interações no sistema homem-automóvel-ambiente
O homem recebe informações do automóvel através dos instrumentos, ruído do
motor e outros.
Dentro da cabine, existe o ambiente interno: temperatura, iluminação, ruídos etc.
Recebe, também, informações do ambiente externo representadas pelas
paisagens, sinalização das estradas, iluminação externa, ouros veículos e
pedestres, podendo receber instruções como o trajeto, que deve executar, a
velocidade máxima permitida etc.

Com todas essas informações, ele dirige o automóvel atuando nos dispositivos de
controle representados pelos pedais, volante, câmbio, botões e outros comandos.

Finalmente, a saída ou resultado do sistema é o deslocamento do automóvel que


executa uma determinada trajetória, recebendo, durante o trajeto, continuamente
informações do automóvel e do ambiente, para ajustar a direção e a velocidade,
até chegar ao seu destino.

Sistema homem-máquina-ambiente
Interações no sistema homem-automóvel-ambiente
01 - Conceitue sistema. Dê um exemplo. (Seja original, não repita do slide).
Organismo humano
Principais funções do organismo humano que
interessam à ergonomia
Função neuromuscular
As forças do organismo são exercidas por contrações musculares. Os músculos
são comandados pelo sistema nervoso central.
Impulsos elétricos
O corpo humano como um sistema de alavancas
Estrutura biomecânica do corpo humano
A estrutura biomecânica do corpo humano pode ser vista como um conjunto de
alavancas, formado pelos ossos maiores que se conectam nas articulações que
são movimentadas pelos músculos.

Para cada movimento, há pelo menos dois músculos que trabalham


antagonicamente: quando um se contrai (protagonista), o outro se distende
(antagonista).

O corpo humano como um sistema de alavancas


Estrutura biomecânica do corpo humano
Funcionamento aos pares dos músculos
Para estender o antebraço, há inversão, com distensão do
bíceps e contração do tríceps
Da maneira análoga às alavancas mecânicas, o corpo trabalha com três tipos de
alavancas, que dependem das posições relativas de aplicação da força, resistência
e apoio.

Alavanca interfixa: O apoio situa-se entre a força e a resistência. Um exemplo


típico é o tríceps. Esse tipo de alavanca é o mais adequado para transmitir grande
velocidade com pouca força.

Alavanca interpotente: A força é aplicada entre o ponto de apoio e a resistência.


É o caso do bíceps. Esse tipo de alavanca é um dos mais comuns do corpo. Os
músculos inserem-se à articulação e facilitam a realização de movimentos rápidos
e amplos, embora com sacrifício da força.

Alavanca inter-resistente: A resistência situa-se entre o ponto de apoio e a força.


É o caso dos músculos da face posterior da perna, que se ligam ao calcanhar e
permitem suspender o corpo na ponta dos pés. Esse tipo de alavanca sacrifica a
velocidade para ganhar força.

Tipos de alavancas existentes no corpo humano


Tipos de alavancas existentes no corpo humano
Coluna vertebral
33 vértebras empilhadas
A coluna é uma das estruturas mais fracas do organismo, sustentada por diversos
músculos, que são responsáveis pelos seus movimentos. A coluna vertebral
apresenta maior resistência para forças na direção axial, sendo mais vulnerável
para forças de cisalhamento.

lordose: Corresponde a um aumento da concavidade posterior da curvatura na


região cervical ou lombar, acompanhado por uma inclinação dos quadris para
frente. É a postura que assume, por exemplo, temporariamente, um garçom que
carrega uma bandeja pesada com os braços mantidos na frente do corpo.

Cifose: É o aumento da concavidade, acentuando-se a curva para frente na região


torácica, correspondendo ao corcunda. Acentua-se nas pessoas idosas.

Escoliose: É um desvio lateral da coluna. A pessoa vista de frente ou de costas,


pende para um dos lados, para a direita ou para a esquerda.

Deformação da coluna
Deformação da coluna
Lombalgia: Significa “dor na região lombar”. É provocada pela fadiga da
musculatura da região das costas. O tipo mais simples ocorre quando se
permanece durante muito tempo na mesma postura, com a cabeça inclinada para
frente. Pode ser aliviada com mudanças frequentes de postura, levantando e
sentando-se.

Os casos mais graves de lombalgia provocam fortes dores e podem incapacitar a


pessoa para o trabalho, em período de 3 a 10 dias, podendo se estender para 15 a
30 dias.

Pode-se prevenir a lombalgia praticando exercícios de fortalecimento da


musculatura dorsal e adotando-se posturas corretas nos levantamentos de cargas
e evitando movimento bruscos de torção do tronco.

Deformação da coluna
Metabolismo
Estudo dos aspectos energéticos do organismo humano.
Metabolismo Basal : é a energia necessária para manter apenas as funções vitais
do organismo, sem realizar nenhum trabalho externo.

O valor do metabolismo basal é de aproximadamente 1800 kcal/dia para homens e


1600 kcal/dia para mulheres.

Um quilocaloria é a energia necessária para elevar a temperatura de 1 litro de


água em 1ºC ou, mais precisamente, para passar de 20ºC para 21ºC.

Metabolismo
Estudo dos aspectos energéticos do organismo humano.
Energia gasta no trabalho
01- Descreva algum tipo de tarefa que você costuma realizar com frequência.
Analise as principais exigências físicas dessa tarefa, em temos musculares,
energéticas?
Antropometria: medidas
Trata das medidas físicas do corpo
humano. Aparentemente, medir as
pessoas seria uma tarefa fácil, bastando,
para isso, ter uma régua, trena e balança.

Entretanto, isso não é tão simples assim,


quando se pretende obter medidas
representativas e confiáveis de uma
população.

Além disso, as condições em que essas


medidas são realizadas (com roupa ou
sem roupa, com ou sem calçado, ereto ou
na postura relaxada) influem
consideravelmente nos resultados.

Antropometria: medidas
Em alguns casos, os produtos destinam-se a apenas um segmento da população.
Até a década de 1950, os automóveis eram projetados apenas para os homens,
pois raramente as mulheres dirigiam.

Do lado do consumidor, a padronização excessiva nem sempre se traduz em


conforto, segurança e eficiência. Para que esse tipo de problema seja tratado
adequadamente, são necessárias três tipos de providências:

Definir a natureza das dimensões antropométricas exigidas em cada


situação;
Realizar medições para gerar dados confiáveis; e

Aplicar adequadamente esses dados.

Variações das medidas


Providências necessárias
Há uma diferença significativa da proporção músculo/gordura entre homens e
mulheres. Os homens têm proporcionalmente mais músculos que gordura. Além
disso, a localização de gordura também é diferenciada.

As mulheres têm uma maior quantidade de gordura sub-cultânea, que é


responsável pelas suas formas arredondadas. Esta se localiza também nas
nádegas, na parte frontal do abdômen, nas superfícies laterais e frontais da coxa e
nas glândulas mamárias (Figura 4.1).

Diferenças entre os sexos


Diferenças entre os sexos
Variações intra-individuais
A estatura atinge o ponto máximo em torno dos 20 anos e permanece
praticamente inalterada dos 20 aos 50 anos (Figura 4.3). Entretanto, a partir dos
55 a 60 anos, todas as dimensões lineares começam a decair. Outras medidas,
como o peso e a circunferência dos ossos podem aumentar.
Variações étnicas e influência da etnia nas
proporções corporais
Comparação entre as medidas dos pés de
europeus e brasileiros
Os povos que habitam regiões de climas quentes têm o corpo mais fino e os
membros superiores e inferiores relativamente mais longos. Aqueles de clima frio
têm o corpo mais cheio, são mais volumosos e arredondados. Em outras palavras,
no corpo dos povos de clima quente predomina a dimensão linear, enquanto, no de
clima frio, tende para formas esféricas. Parece que isso é o resultado da
adaptação durante vários séculos, pois os corpos mais magros facilitam a troca de
calor com o ambiente, enquanto aqueles mais cheios têm maior facilidade de
conservar o calor do corpo.

Influência do clima nas proporções corporais


Ergonomia – Projeto e Produção – Itiro
Iida
Uma das demonstrações mais interessantes das diferenças inter-individuais,
dentro da mesma população, foi apresentado por William Sheldon (1940). Ele
realizou um minucioso estudo de uma população de 4 000 estudantes norte-
americanos. Além de fazer levantamentos antropométricos dessa população,
fotografou todos os indivíduos de frente, perfil e costas. A análise dessas
fotografias, combinada com os estudos antropométricos, levou Sheldon a definir
três tipos físicos básicos, cada um com certas características dominantes:
ectomorfo, mesomorfo e endomorfo (Figura 4.6).

Influência do clima nas proporções corporais:


Pesquisa de Sheldon
Ergonomia – Projeto e Produção – Itiro
Iida
Ectomorfo - Tipo físico de formas alongadas. Tem corpo e membros longos e
finos, com um mínimo de gorduras e músculos. Os ombros são mais largos, mas
caídos. O pescoço é fino e comprido, o rosto é magro, queixo recuado e testa alta
e abdômen estreito e fino.

Mesomorfo - Tipo físico musculoso, de formas angulosas. Apresenta cabeça


cúbica, maciça, ombros e peitos largos e abdômen pequeno. Os membros são
musculosos e fortes. Possui pouca gordura subcutânea.

Endomorfo - Tipo físico de formas arredondadas e macias, com grandes


depósitos de gordura. Em sua forma extrema, tem a característica de uma pêra
(estreita em cima e larga embaixo). O abdômen é grande e cheio e o tórax parece
ser relativamente pequeno. Braços e pernas são curtos e flácidos. Os ombros e a
cabeça são arredondados. Os ossos são pequenos. O corpo tem baixa densidade,
podendo flutuar na água. A pele é macia.

Influência do clima nas proporções corporais:


Pesquisa de Sheldon
Ergonomia – Projeto e Produção – Itiro
Iida
Influência do clima nas proporções corporais
Naturalmente, a maioria das pessoas não pertence rigorosamente a nenhum desses tipos básicos e misturam as
características desses três tipos, podendo ser mesoformo-endofórmica, ectomorfo-mesofórmica e assim por diante.
Sheldon observou também diferenças comportamentais entre os três tipos, que influem até na escolha da profissão.
Variações extremas do corpo humano

Dentro de uma mesma população de adultos, as dierenças de estaturas entre os homens mais altos (97,5% da
população) e as mulheres mais baixas (2,5% da população) oscilam, respectivamente, entre 188,0 e 149,l cm, ou seja,
estatisticamente, o homem mais alto é 25% mais alto que a mulher mais baixa. Os comprimentos dos braços são de,
respectivamente, 78,2 cm e 62,7 cm, com a mesma dierença percentual de 25% (Figura 4. 7).
1- altura lombar (encosto da cadeira)

2- altura poplítea (altura do assento)

3- altura do cotovelo (altura da mesa)

4- altura da coxa (espaço entre o


assento e a mesa)
5- altura dos olhos (posicionamento
do monitor)

6- ângulo de visão

Realização de medições: definição de objetivos


projeto de um posto de trabalho para digitadores,
Antropometrias estáticas, dinâmica e funcional
Definição das medidas
A antropometria estática é aquela em que as medidas se referem ao corpo
parado ou com poucos movimentos e as medições realizam-se entre pontos
anatômicos claramente identificados. Ela deve ser aplicada ao projeto de objetos
sem partes móveis ou com pouca mobilidade, como no caso do mobiliário em
geral. A maior parte das tabelas existentes é de antropometria estática. O seu uso
é recomendado apenas para projetos em que o homem executa poucos
movimentos.
A antropometria dinâmica mede os alcances dos movimentos. Os movimentos
de cada parte do corpo são medidos mantendo-se o resto do corpo estático.
Exemplo: alcance máximo das mãos com a pessoa sentada. Deve-se aplicar a
antropometria dinâmica nos casos de trabalhos que exigem muitos movimentos
corporais ou quando se devem manipular partes que se movimentam em máquinas
ou postos de trabalho.
As medidas antropométricas relacionadas com a execução de tarefas específicas,
são chamadas de antropometria funcional.

Antropometrias estáticas, dinâmica e funcional


Definição das medidas
Métodos de medição: direto e indireto
Os métodos diretos envolvem instrumentos que entram em contato físico com, o organismo. As
medições indiretas geralmente envolvem fotos do corpo ou partes dele contra uma malha quadriculada.
Antropometria estática
Medidas antropométricas mais completas que se conhece: Norma alemã DIN 33402 de junho de 1981. Ela apresenta
medidas de 54 variáveis do corpo, sendo 9 do corpo em pé, 13 do corpo sentado, 22 da mão, 3 dos pés e 7 da cabeça.
Antropometria dinâmica e funcional
Registro dos movimentos
Zonas de alcance máximos e referenciais
Movimentos articulares
Quadro graduado
Diferentes distâncias e posturas do corpo
Alcance dos movimentos
A fisiologia usa alguns termos próprios para designar os
movimentos musculares.
Valores médios dos
movimentos
voluntários
Construção de modelos humanos

A partir das medidas antropométricas podem ser construídos diversos tipos de modelos humanos, que podem ser úteis
no projeto e avaliação de produtos e postos de trabalho. Esses modelos podem ser bidimensionais, tridimensionais,
computacionais ou matemáicos. Cada um pode ter diferentes graus de detalhamento e de realismo na representação do
corpo humano.
Modelo bidimensional articulado
Modelos tridimensionais: modelos computacionais
Modelos matemáticos do ser humano
Em pé
Modelos matemáticos do ser humano
Sentado
01- Quais são as principais diferenças antropométricas entre homens e mulheres?
02- Como ocorrem as mudanças intra-individuais?
03- Quais são as principais variações étnicas das medidas antropométricas?
04- Quais são as principais variações genéticas das medidas antropométricas?
05- Para que servem os modelos humanos?