Você está na página 1de 12

INTRODUÇÃO

O presente trabalho nasce da necessidade imperativa da busca pelo conhecimento e
para tal, o mesmo versa sobre o tema: As migrações – causas e consequências.

PROBLEMA

 Quais são as causas e consequências das migrações?

HPÓTESES

H1: A procura de melhores condições de vida , e consequentemente o despovoamento dos
locais de origem.

H2: A instabilidade política , resultando na busca de asilo em outros países.

IMPORTÂNCIA DO ESTUDO

OBJECTIVOS DO ESTUDO

 Objectivo Geral
Mostrar de forma clara e suscinta o fenómeno migratório.

 Objectivos Específicos
Compreender as causas das migrações;

Entender as consequências das migrações;

Descrever as formas das migrações.

METODOLOGIA

O nosso trabalho apresenta-se numa perspectiva actual com o uso da pesquisa
documental apoiada por livros, artigos e relatórios relativos ao nosso tema e da pesquisa
exploratória apoiada pela internet.

DELIMITAÇÃO DO TEMA

Fruto da abrangência do tema, o trabalho ora apresentado, cingir-se-á no estudo das
migrações dando maior destaque à imigração.

ESTRUTURA DO TRABALHO

A abordagem do referido tema foi desenvolvida em dois capítulos, onde o primeiro
terá um carácter teórico acerca dos conhecimentos abordados por diferentes autores, com

1

fundamentação essa que passará pela demonstração da matemática dentro do tema em abordagem. 2 .base nas pesquisas feitas por nós e apresentaremos também informações referentes ao nosso país. No segundo capítulo apresentaremos a fundamentação prática dos estudos.

CAPÍTULO I FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA SOBRE MIGRAÇÕES 3 .

as migrações são deslocações de pessoas ou grupos humanos que. de uma sociedade para outra. Os territórios de onde sai a população designa-se por local de origem. pode-se afirmar certamente que se revestem de um carácter secundário. abandonando os seus lugares de origem. procuram. Imigração De acordo com o INE (Instituto Nacional de Estatísitca.1993). embora não se possa dizer que as migrações forçadas acabaram. instalar-se noutros territórios. 17) define migração como transição física de um indivíduo ou grupo.2 Caracterização histórica do fenómeno migratório A história é rica em exemplos de migrações de massa. Assim. que significa passar de um lugar para outro. implicando a travessia de fronteiras e mudança de residência. ao passo que no mundo contemporâneo.1. Essa transição envolve habitualmente o abandono de um quadro social e a entrada no outro. imigração é o movimento de saída de pessoas duma determinada área geográfica. As migrações na antiguidade são evidenciadas inclusive nos textos sagrados das religiões (exemplos.1 Definições de Termos e Conceitos Migração Segundo Sabino. os povos judaicos e egípcios). 2016. mudar de residência. 2013). Emigração Mila & Lopes concordaram que emigração é a saída de pessoas de um território para o outro. aqueles que recebem essas deslocações de população têm o nome de local de acolhimento (p. por razões várias. desde que os povos abandonaram a forma de vida nómada. Para Einsenstadt (apud Lopes. Com isso percebe-se que migração é o processo transitório ou o deslocamento de seres humanos de um local para o outro à busca de melhores condições ou para realização dos seus objectivos. Etimologicamente a palavra migrar é de origem latina e formou-se a partir da palavra migrare. 29). a escravidão). na antiguidade. com duração. Este termo tem sido usado para descrever uma série de movimentos populacionais em várias direções. 1. magnitude e longitude variáveis. dum país para outro ou dentro das suas divisões administrativas do mesmo país. 4 . Estudos apontam diferenças entre migrações antigas e as modernas: as primeiras eram geralmente forçadas. enquanto as segundas são frutos da escolha intencional e consciente dos migrantes. ou descrever uma única direcção desta mobilidade (MATOS. dominaram os factores de impulso que levaram as migrações forçadas (as de âmbito religioso. p.

um movimento sazonal.. salários mais elevados. por exemplo. p. 199). O paradigma actual. esta ocorre dentro de um determinado país e integram.. terminada a causa que motivou a saída do migrante. entre outros. ele retoma ao local de origem. políticas e sociais que ocorrem no seio de uma determinada sociedade que fazem com que as pessoas emigrem (CASTLES.) uma migração só pode ser considerada (classificada) como temporária quando o migrante dá a conhecer a intenção de voltar para o seu local de origem em algum momento do futuro (2014. 199). tal como afirma Mila (. Analisando o contexto das migrações internas e externas elas são realizadas envolvendo pequenas. 2) Migração externa ou internacional: que ocorre de um país para outro e podem ser: intercontinentais (quando se realizam entre continentes diferentes) e intracontinentais (quando se realizam no mesmo continente). o êxodo rural: envolve o deslocamento do campo (área de emigração). falta de infraestruturas na zona rural. p.deslocações diárias entre o local de residência e o local de trabalho e vice-versa. ocorrendo quer a nível interno. a população sai do campo devido à falta de empregos e baixos níveis salariais. encontramos os seguintes: 1) A migração interna. as migrações classificam-se em quatro categorias: quanto aos locais de origem e destino.. Geralmente acompanha a alternância das estações climáticas sendo. são precisamente as transformações económicas. compreendendo as deslocações de indivíduos de um Estado para outro com a mudança do lugar de residência habitual. 1. quando se realizam dentro de um mesmo Estado. demonstra que as migrações de carácter internacionais constituem um importante factor de mudança social no mundo contemporâneo. quanto à duração.3 Classificação das migrações Segundo Mila. As migrações temporárias são aquelas em que uma pessoa se estabelece num dado território (localidade) por um curto espaço de tempo. quer a nível externo. podem ser temporárias e definitivas. concentração de terras nas mãos de poucos proprietários. b) Classificação quanto à duração As migrações quanto à duração. médias e ou grandes distâncias. 2005). Com feito.  Movimentos pendulares . demográficas.  Transumância: movimento temporário em que.  Êxodo urbano: ocorre pela maior oferta de empregos (economia mais dinâmica na zona urbana). a) Classificação quanto aos locais de origem e destino Se considerarmos o espaço de deslocamento. quanto às características dos migrantes e quanto às razões da migração (2014. 5 . modernização agrícola.

a) Migrações por causas económicas: provavelmente deverá ser a causa fundamental que levam os indivíduos a migrarem. erupções vulcânicas e condições ambientais indesejadas. pela colonização e mais recentemente destacam-se as migrações associadas a causas políticas. tais como: as deslocações derivadas das calamidades naturais. deixando-se assim as suas famílias nos locais de origem. como por exemplo o conflito nos Grandes Lagos e a seca que atingiu o Sudão. As migrações definitivas são aquelas em que os migrantes pensam fixar-se definitivamente nas áreas de destino. 2005). o superpovoamento e a não satisfação das necessidades essenciais são os factores de natureza económica que levam os indivíduos a deixarem determinadas áreas e dirigem-se para outras. o sobrepovoamento. conflitos armados. ou trabalhadores à procura de trabalho temporário. quando afecta comunidades completas. quase sempre resultante das assimetrias de desenvolvimento socioeconómico entre países e regiões (o desemprego e os reduzidos ordenados. as perseguições e a existência de regimes políticos ditatoriais e autoritários. que devido a mudança de governos de países. c) Classificação quanto às características dos migrantes A migração pode ser familiar (envolvendo famílias inteiras) ou colectiva. culturais e económicas associadas a procura de novas oportunidades de trabalho partindo principalmente dos países menos desenvolvidos para os países desenvolvidos (Comissão Mundial Sobre as Migrações Internacionais. geralmente ocorrido por catástrofes naturais. alguns indivíduos são forçados a saírem (as guerras. a forma como se deu a migração tem-se:  Migração voluntária: quando a decisão de migrar é feita por vontade própria.  Migração forçada: quando o migrante se vê obrigado a migrar do lugar de origem. militares. onde a democracia e as liberdades fundamentais não são respeitadas. c) Migrações por causas naturais ou ambientais: os indivíduos abandonam o seu habitat por ocorrência de catástrofes naturais. sem compromissos e à procura de oportunidades individuais. a migração também pode envolver pessoas isoladas. religiosas. inundações. sismos. Para alérm de envolver famílias ou comunidades. 1. na tentativa de melhorarem a sua condição financeira e subsequentemente de vida).4 Causas das migrações Durante vários anos as migrações foram realizadas por motivos diversos. d) Classificação quanto à forma como se deu Se considerarmos aqui. b) Migrações por causas políticas: de modo geral são migrações externas. conquista ou expansão imperialista. que considerarem mais seguras). ainda que possam regressar à origem passados muitos anos. 6 . fazem com que os indivíduos fujam de determinadas áreas para se refugiarem em outras. invasão.

políticos ou rivalidades étnicas. país ou região cuja população não tenha recebido influência de outras comunidades ou sociedades. Assim torna-se impossível encontrar povo. 48 A este respeito Serrano (2008). foi acelerado pela situação de guerra que empurrou a população nas grandes cidades principalmente na capital Luanda. Os Khoisan compreendem os subgrupos hotentotes e bosquimanos. 2014. por exemplo. vivem ao longo do rio Cunene. As migrações a nível externo. Pigmeus na parte noroeste de Angola (Cabinda). hospitais ou escolas (ocorrendo requentemente nas regiões fronteiriças). O sul do país habitado por Khoisan (bosquimanos e hotentotes). O tráfico de escravos foi outro factor que provocou um fluxo migratório. em que devemos considerar e/ou caracterizá-la como migração interna e externa. verificando- se uma saída em massa de angolanos para a Europa. p. reinos impérios e estados modernos) foram resultado de migração de povos. provavelmente. que fazem parte do fundo antigo do povoamento angolano. podemos encarar as principais correntes externas de migrações em Angola com diferentes vertentes. e) Migrações por causas religiosas: ocorre por perseguições religiosas ou grupos religiosos diferentes (o caso dos muçulmanos e cristãos na Nigéria). que habita uma estrita faixa costeira no deserto do Namibe. América e também para algumas ilhas de África. «Em Angola encontramos testemunhas muito antigo da população que aqui vivem. Essas migrações foram provocadas por factores económicos. De um modo geral e resumido. A migração interna é caracterizada pelo êxodo rural. os quais existem ainda hoje no Sul de Angola e que constituem no seu conjunto um grupo de caçadores e recolectores. que é composto por. f) Migrações por causas sociais: ocorrem quando os indivíduos procuram melhores condições para seus familiares. os primeiros povos que habitaram Angola teriam sido os Khoisan e. deslocações internas devido a procura de escravos ao mesmo tempo que 7 . explosões demográficas e até mesmo por exigências climáticas.» CUPATA. também os pigmeus ao norte que impelidos pelas migrações bantu teriam se refugiado na floresta equatorial que coincide hoje com a República do Gabão. tribos. Este facto foi realidade em Angola onde se encontram povos de diversas origens. d) Migrações por causas étnicas: por sua vez ocorrem por rivalidades entre grupos étnicos diferenciados e que provocam a saída de numerosas pessoas de uma determinada região. Em Angola tem-se registado diferentes fluxos e movimentos de população na sua mobilidade e deslocação. de dentro para fora como de fora para dentro. afirma que. MOVIMENTOS MIGRATÓRIOS EM ANGOLA Breve historial sobre os movimentos migratórios em Angola A história da humanidade mostra que as formações humanas (clãs. como referem alguns antropólogos e missionários.

12 A imigração para Angola é. – CUPATA. desde 2002. políticas e sociais com que vivem nos seus países de origem. Uma vez terminada. económica e social. à medida que iam marcando a sua presença. com o alcance da paz. As causas da entrada de imigrantes são várias desde as económicas. p. provoca nas sociedades receptoras o multiculturalismo. o da saída em massa de população.. emigrar para outros países devido essencialmente ao factor guerra. proporcionando assim uma nova realidade e um novo contexto sociocultural. Angola é um país de destino de grande número de migrantes que aqui procuram colmatar as dificuldades económicas. A imigração em Angola Em Angola. tem-se verificado o aumento de fluxos migratórios. atraindo pessoas para trabalhar nas minas. políticas e sociais. Em Angola são hoje cada vez mais visíveis os fluxos de imigração. 2014. também tem aumentado a chegada de imigrantes qualificados. depois de algum tempo se ter caracterizado por um movimento contrário. com principal realce nos países com instabilidade política. Neste contexto assiste-se de forma geral à chegada de um grande número de imigrantes de diversos países de África. dentre os quais Angola. o que por sua vez. com principal destaque para a China e da América com principal destaque para o Brasil e Cuba. isto é. da Ásia. motivada pela enorme riqueza de minerais preciosos.)». Além dos motivos acima anunciados. 8 . com principal destaque para Portugal.severificou a presença de europeus. em que as culturas influenciam-se (. em alguns casos. Segundo Cupata (2014). as migrações ressurgem no cenário internacional como opção e caminho para atingir tais objectivos para milhões de homens e mulheres que migram para variados destinos. para suprir as dificuldades que o país enfrenta em certos sectores de actividade. bem-estar social e económico. em particular portugueses. da Europa.. tem provocado certas transformações no modo de vida das pessoas e da própria sociedade. «A realidade acima descrita. ocupação e participação activa no tráfico de escravos. com a ascensão da globalização e a busca incessante por melhores condições de vida.

CAPÍTULO II FUNDAMENTAÇÃO PRÁTICA SOBRE MIGRAÇÕES 9 .

Este cápitulo destina-se a demonstrar em termos matemáticos aquilo que são as migrações bem como outros elementos que servem de complemento no estudo da mesmo. 10 .

CONCLUSÃO Este trabalho visou conhecer aquilo que é a População Activa. as nossas duas hipóteses foram de certa de certa forma confirmadas. dizemos de certa forma porque. todas as sociedades lutam. eis alguns elementos que por nós foram testados como é o caso do nosso problema. Podemos afirmar assim que a População Activa representa a mão-de-obra de uma sociedade. Neste prisma. contra o qual. Quanto aos nossos objectivos. 11 . não há um consenso geral quanto às causas do desemprego. pode ser solução para outra. dispondo de várias políticas para o fazer. o que é apontado como causa para uma determinada linha de pensamento. é o plar para o seu crescimento e desenvolvimento e que o desemprego constitui um grande problema. tendo para isto se feito um estudo aprofundado do tema abordando-se os seus elementos e como podemos calcula- lo e fez-se também um estudo do desemprego. pois. problema este que quando confrontado com as informações por nós obtidas respondido com sucesso. como vimos. mas conseguimos apresentar algumas das causas mais citadas por autores. suas causas. foram todos alcançados êxito. consequências e formas de combate.

Lisboa. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CASTLES. 16 – 30 SANTOS. 2016. Demografia. SERRANO. 2005. Luanda. Stephen. 2014. 212 páginas. Integração dos Imigrantes da República Democrática do Congo no Bairro Camama 1 em Luanda. CUPATA. Dissertação de mestrado. LOPES. 189 páginas. Nlandu Mila. Editorial Kilombelombe. Representações sociais dos angolanos sobre os imigrantes cubanos: o caso do sumbe. pp.. Évora: 2016. Lda. Dissertação de mestrado. transnacionalismo e novos fluxos migratórios – dos trabalhadores convidados às migrações globais. Lutina Bleise. Angola nascimento de uma nação: um estudo sobre a construção da identidade nacional. Dissertação de mestrado – Universidade Aberta. Lisboa: Fim do século. 2008. Carlos. Aníbal Agostinho. Globalização. Jacob Lussento. Migrações em Angola: preocupações acerca dos fluxos ilegais. 12 . Luanda: 2014. SEBASTIÃO. 84 páginas.