Você está na página 1de 28

C APÍTULO 3

AVALIAÇÕES

A partir da perspectiva do saber fazer, neste capítulo você terá os seguintes
objetivos de aprendizagem:

 Dominar as características e os tipos de títulos.

 Entender os valores e os retornos dos títulos bem como o motivo da flutuação.

 Estar ciente do impacto da inflação sobre as taxas de juros.

 Compreender os direitos, os elementos e as características de ações ordinárias
e preferenciais.

 Conhecer os diferentes modelos de crescimento.

AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO

106

o modelo CAPM pode ser considerado uma versão restrita do modelo APT. Enquanto que o modelo CAPM mede a sensibilidade do ativo frente às flutuações da carteira de mercado. Apesar de existirem algumas variações nos cálculos. mais especificamente. seriam eliminadas pelo processo de arbitragem e a impossibilidade de arbitragem levaria a uma relação linear entre os retornos dos ativos. A Teoria de Arbitragem de preços (Arbitrage Pricing Theory – APT). embora o modelo CAPM seja muito intuitivo e fácil de ser implementado. são determinados fatores que determinam a volatilidade das taxas de retorno esperadas. Capítulo 3 AVALIAÇÕES CONTEXTUALIZAÇÃO Infelizmente. serão descritos os principais títulos do governo brasileiro que são ofertados e comercializados nos mercados. pois quaisquer diferenças. TEORIA DE ARBITRAGEM DE PREÇOS A teoria de arbitragem de preços (APT) é um modelo de precificação de ativos baseado na hipótese de que a taxa de retorno de um ativo pode ser prevista utilizando a relação entre ele e seus vários fatores de risco comuns. Por exemplo. proposta pioneiramente por Ross (1976). respectivamente. caso ocorressem. utilizam os cálculos de valor presente nos fluxos de caixa projetados com o objetivo de encontrar seu preço. Encerrada a apresentação das teorias de precificação de ativos. visando identificar a maneira como um ativo se relaciona com os riscos de inflação. no modelo APT outros fatores podem ser incorporados. tais como a inflação. o PIB e a taxa de juros livre de risco. as quais dão origem ao risco sistemático. 107 . a teoria APT é mais ampla porque consiste em um modelo de múltiplos fatores os quais podem levar em conta diversas fontes de risco da economia. Assim. de renda e de juros. A teoria APT prevê uma associação entre os retornos de uma carteira e os retornos de um único ativo por meio de uma combinação linear de muitas variáveis macroeconômicas independentes. O fracasso parcial fez com que surgisse um modelo teórico e empírico alternativo para abordar a precificação de ativos. Em outras palavras. nem sempre ele consegue explicar com êxito o retorno esperado de um ativo. no modelo APT a taxa de retorno esperada de um ativo com risco é explicada por uma combinação linear de l fatores que estão correlacionados com eventos inesperados (risco sistemático) e. assim. o restante do capítulo abordará como se pode encontrar o preço dos títulos de empresas e do governo. nasceu justamente para preencher determinada lacuna. além da carteira de mercado utilizada no modelo CAPM. tanto os títulos quanto as ações utilizam os conceitos de valor do dinheiro no tempo. Ainda. além das ações. O principal pressuposto da APT é que não é possível haver preços diferentes para dois ativos com um mesmo fluxo de caixa.

mas que ofereçam retornos esperados diferentes. O risco não sistemático entra no modelo através de um erro. Ainda. De forma mais específica. os modelos empíricos têm demonstrando uma correlação positiva e direta entre o número de ativos e o número de fatores a serem estimados. inflação. taxa de juros livre de risco e taxa de câmbio. Por exemplo. sim. sendo que ele é derivado de eventos aleatórios específicos a cada ativo. 108 . o modelo APT não especifica um número de fatores (l) que influenciam o processo de formação de preço intrínseco dos ativos. no caso de duas carteiras com o mesmo grau de risco. A análise fatorial é uma técnica estatística multivariada que tem como objetivo principal reduzir o número de variáveis através da extração de fatores comuns que tenham a capacidade de explicar as variáveis originais de uma maneira mais reduzida e simples. a análise fatorial utiliza combinações lineares das variáveis observadas para obter os fatores comuns. a seguir será apresentada uma breve síntese sobre o processo de estimação do modelo. na teoria APT o risco não sistemático também é considerado no modelo. decorrentes do novo equilíbrio entre a oferta e a demanda de mercado. Em termos mais técnicos. pois utiliza a análise fatorial. pois este número irá variar conforme o tipo de ativo. as taxas de retorno esperadas convergiriam para um mesmo valor através do ajuste de preços das ações. Dada a diferença indevida de preços. que é uma variável aleatória. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Ademais. iniciando pela análise fatorial. a teoria APT requer um conhecimento mais avançado de estatística e matemática para ser estimada. De modo geral. determinados fatores retratam indicadores de atividade econômica agregada. No entanto. Embora o objetivo deste livro não seja demonstrar como o modelo APT pode ser estimado na prática. assim. ele não influencia significativamente a taxa de retorno dos demais ativos. a arbitragem decorre da má precificação entre dois ou mais ativos. Além dos fatores que mensuram o risco sistemático. os investidores comprariam apenas a carteira que apresentar o maior retorno esperado e. podendo haver apenas alguns ou até mesmo dezenas deles em um modelo. Em finanças. Como o próprio nome já sugere. a APT tem como ponto nevrálgico a arbitragem. logo. não existe a necessidade de que os fatores sejam os mesmos para todos os ativos. realizar apenas uma apresentação dos conceitos fundamentais da teoria. de forma que dependerá diretamente do tamanho do conjunto de ativos estudados. mas. além de aspectos setoriais. surge a oportunidade de algum investidor auferir facilmente lucros econômicos livres de risco.

do PIB e da taxa de juros.. Suponha que os três fatores macroeconômicos são os seguintes: a inflação (F1).. Capítulo 3 AVALIAÇÕES Neste modelo. sendo que pode ser realizado por meio de um modelo de regressão linear. os betas da inflação. Após ter sido feito. 109 . Fl o fator comum l. mas também para obter os coeficientes de sensibilidade de cada um dos ativos com relação aos fatores considerados. Quando o modelo CAPM foi estendido para lidar com múltiplos riscos. Assim. maior será o seu risco. Nesse caso. o modelo APT torna-se: E[ki] = RF + β1 F1 + β3 F3 Os betas (β1. β2 e β3) representam. Determinado modelo de regressão estabelece como variáveis explicativas os coeficientes de sensibilidade estimados via análise fatorial. a sensibilidade a cada fator é representada pelos coeficientes betas associados aos seus respectivos fatores. sendo L o número total de fatores no modelo. considere um modelo APT com três fatores aleatórios nos quais descrevem os riscos sistemáticos que influenciam os retornos de ações. βl o coeficiente beta do ativo i relacionado ao fator comum l. RF a taxa de retorno livre de risco. Ademais. L.. ainda. O modelo APT pode ser expresso da seguinte forma: L E [ ki ] = RF + ∑ βl Fl l =1 Sendo: E[ki] o retorno esperado do ativo i. originou-se a teoria APT. cada fator representa o risco que não pode ser eliminado por meio da diversificação. Como exemplo. o PIB (F2) e a taxa de juros (F3). l = 1.2. que quanto maior for o beta de um título em relação a um dado fator. deseja-se encontrar o prêmio de risco associado a cada fator estimado pela análise fatorial. a análise fatorial é utilizada não somente para determinar o número de fatores. Salienta-se que a abordagem é apenas uma das várias existentes. Pode-se afirmar.. respectivamente.

3. respectivamente. sem o componente de erro. E[kl] o retorno esperado do ativo l.2 e βSP = 0.8. fI.4. R F =2%. • Ativo C: βPIB = 0. βO = – 0. e que os coeficientes beta de cada fator são os seguintes: • Ativo A: βPIB = 0.9.3. βI = 0. βl o coeficiente beta do fator comum l. Para ilustrar. a equação deve ser modificada para acrescentar um componente aleatório de erro que não é relacionado com os fatores do modelo. fO e fSP): • Crescimento do PIB: fPIB = 4%. O componente de erro é representado por εina equação a seguir: L E [ ki ] = RF + ∑ βl Fl + ε i l =1 Na prática. Suponha que a taxa livre de risco é de 2% ao ano. suponha que os ativos A. • Ativo B: βPIB = 1. βI = 0. βI = 1. o retorno esperado para o ativo A.6. B e C pode ser calculado.9 e βSP = 1. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Uma vez que os pesquisadores ainda não chegaram a um consenso a respeito de qual é o conjunto ideal de fatores a ser inserido no modelo. dado pelo índice S&P 500: fSP = 6%. βO= – 0. B e C estão sendo avaliados e que os quatro fatores comuns a seguir foram identificados (sendo denotados por fPIB. RF a taxa de retorno livre de risco. a análise multifatorial da teoria APT é estimada partindo da relação entre risco e retorno.1. como segue: L E [ ki ] − RF = ∑ ( E [ kl ] − RF ) βl + ε i l =1 Sendo: E[ki] o retorno esperado da carteira de ativos i.7 e βSP = 1.3. • Retorno de mercado.1. • Preços do ouro: fO = 5%. • Taxa de inflação: fI = 3%. βo = – 0. Usando a fórmula APT. da seguinte forma: 110 .

05 − 0.09 − 0.02 )  = 0. 2. Conforme destacou Gitman (2005).02 )  + 0. 111 .4 × ( 0.02 )  + 0.3 × ( 0.3 × ( 0.110 E [ k B ] = 0..02 )  + 0.02 )  +  −0. Assim.09 − 0. datas.02 )  + 1.05 − 0.04 − 0.9 × ( 0.1× ( 0. fazendo com que ela também não seja uma teoria perfeita.2 × ( 0. Quando ocorre. Capítulo 3 AVALIAÇÕES L E [ ki ] − RF = ∑ ( E [ kl ] − RF ) βl l =1 E [ k A ] = 0.1× ( 0.. a teoria APT não tem suporte empírico.03 − 0.03 − 0.05 − 0. FCt o fluxo de caixa esperado para o final do período t. a teoria APT parte de pressupostos que nem sempre são observados no mundo real.. são necessárias informações relacionadas aos fluxos de caixa (resultados).102 E [ kC ] = 0.02 )  = 0.02+ 1.02 )  = 0.04 − 0.04 − 0. + (1 + k ) (1 + k ) (1 + k ) 1 2 T Sendo: Vo o valor do ativo na data zero (data de análise). o método de avaliação de um título ou de uma ação envolve o conceito de valor... Independentemente se o ativo for um título ou uma ação. a avaliação é um método de análise que considera o risco e o retorno para determinar o valor de um ativo. MÉTODO DE AVALIAÇÃO DE TÍTULOS E AÇÕES Como será visto nas seções seguintes.02 )  +  −0. k o retorno exigido (taxa de desconto) T o número de períodos.8 × ( 0.090 Portanto. a avaliação ocorre através do cálculo do valor presente de todos os fluxos de caixa esperados durante o período analisado.02+ 0. risco e retorno exigidos.09 − 0.02 )  +  −0.02 )  + 1.02 )  + 1.6 × ( 0. Ocorre especialmente quando não é possível identificar facilmente os fatores comuns que influenciam as taxas de retorno. . O modelo geral de avaliação pode ser escrito como: FC1 FC2 FCT Vo = + + .02 + 0. T.3 × ( 0. o maior retorno é o do ativo A.7 7 × ( 0.03 − 0. sendo t = 1. Assim como qualquer outro modelo.9 × ( 0.

os quais envolvem o cálculo do valor de um título de dívida e do valor de uma ação. + ( FCT × FDk . Assim. ao invés de considerar o desconto por uma taxa de juros i. a fórmula passa a ser: Vo = ( FC1 × FDk . apresentado no Capítulo 1 deste livro. podemos utilizar o fator de desconto. as obrigações emitidas pelo governo são chamadas de títulos públicos (Letras do Tesouro). sendo que as principais opções comercializadas no mercado brasileiro são apresentadas na figura a seguir. deve-se utilizar o retorno exigido k.T ) Como já é de conhecimento. separando aqueles que são títulos privados dos públicos... Por outro lado. As obrigações são instrumentos de dívida de longo prazo utilizados pelos governos e pelas empresas para captar recursos financeiros no mercado. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Como trata-se de um cálculo de valor presente. 112 .2 ) + . as obrigações são chamadas debêntures. a equação será adaptada para usos específicos nas próximas seções. percebemos que há uma variedade de títulos de renda fixa. AVALIAÇÃO DE TÍTULOS Os títulos de dívida são chamados também de obrigações. No entanto. porém. Há também um título muito emitido pelos bancos que é chamado no mercado nacional de Certificado de Depósito Bancário (CDB). determinadas equações produzem um mesmo resultado e podem ser usadas para terminar o valor de qualquer ativo. O CDB é uma fonte importante de captação de recursos para os bancos e é emitida para financiar suas atividades. Utilizando o fator de desconto. Quando as empresas tomam dinheiro emprestado e contraindo dívidas de longo prazo. visando simplificar a fórmula anterior.1 ) + ( FC2 × FDk .

os cupons são os juros contratuais prometidos em um título de dívida. Capítulo 3 AVALIAÇÕES Figura 13 – Títulos de renda fixa Fonte: O autor. um título de dívida privado paga um valor de juros periodicamente e o principal é quitado somente no final do empréstimo. então encontramos a taxa de cupom. definimos como prazo de vencimento a data deliberada para que o valor de face de um título de dívida seja quitado. Os valores referentes aos juros periódicos são chamados de cupom. O valor de face (ou valor nominal) é o valor pago ao final do seu prazo. Ainda. O modelo básico de preço para uma obrigação privada é dado pela equação a seguir: T 1   1  Bo = I ×  ∑  + VF ×  T   t =1 (1 + kd )   (1 + kd )  t 113 . Por fim. Frequentemente. portanto. se for dividido o valor do cupom periódico pago por um título de dívida pelo valor de face do título.

o novo equilíbrio acontecerá novamente no ponto de intersecção das curvas de oferta e de demanda. T o número de anos restantes para o vencimento. como será feito a seguir. A taxa de juros real (r) é um instrumento que mantém o equilíbrio entre oferta de poupança e a demanda de investimentos em uma economia. pelas taxas de juros já definidas por contrato. Para entender como funciona a determinação da taxa de juros. Desde a adoção do regime de metas de inflação. as empresas e o governo tivessem um único custo do dinheiro: a taxa de juros real. porém. O valor dos títulos de dívida é determinado. além da oferta (Q s) e da demanda (Q D) por poupança. Assim. se o juro for alto. Faria com que os consumidores. VF o valor de face do título. é necessário um exame mais profundo da taxa de juros. gerando o trade-off que é muito debatido pelos economistas até os dias de hoje. Quando algum dos fatores ocorre. maior será o crescimento econômico. ou até mesmo ele pode alterar a inclinação das curvas. que as condições da economia são constantes ao longo do tempo e que os indivíduos não têm preferência por liquidez. kd a taxa de retorno exigida do título. l os juros pagos. INFLAÇÃO VERSUS TAXA DE JUROS Conforme destacou Gitman (2005). Geralmente. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Sendo: Bo o valor do título na data zero. A figura a seguir apresenta a taxa de juros real de equilíbrio da economia representada por ro. a taxa de juros varia ao longo do tempo. os países utilizam a taxa de juros visando a controlar a inflação e o crescimento econômico. podemos dizer que a taxa de juros atua como um mecanismo regulador do dinheiro disponível na economia. pois é ela que controla a oferta e a demanda por poupança. entretanto. pode provocar uma aceleração da inflação na economia. Muitos fatores podem alterar a taxa de juros real de uma economia. na maioria das vezes. 114 . o que altera o valor de face dos títulos. entretanto reduz as possibilidades de crescimento da economia. Diferentemente. então é provável que a inflação fique sob controle. Em determinados casos. quanto menor for a taxa de juros. assuma que em uma economia não há inflação. ele pode atuar deslocando a curva de oferta ou de demanda.

O efeito Fisher pode ser escrito da seguinte forma: (1 + j ) = (1 + r ) × (1 + h ) Sendo: j a taxa de juros nominal. uma economia com inflação provoca uma perda no poder de compra do dinheiro. dado que a taxa de juros representa o custo do dinheiro ao longo do tempo. É necessário. a taxa de juros nominal não leva em conta a inflação. mas o fato é que no mundo real há inflação nas economias. então. sendo uma taxa aparente. Diferentemente. Assim. que os investidores diferenciem a taxa de juros nominal da real. Capítulo 3 AVALIAÇÕES Figura 14 – Interação entre a oferta e demanda por poupança Fonte: O autor. A relação entre taxas de juros reais e nominais é conhecida como efeito Fisher. Implica que. A taxa de juros real é aquela que foi ajustada pela inflação da economia. fazendo com que os investidores exijam uma recompensa. a taxa de juros nominal de um ativo ou título é a variação percentual do dinheiro. 115 . (2013). h a taxa de inflação. A análise anterior foi útil para apresentar a intuição de como a taxa de juros pode ser determinada no mercado. r a taxa de juros real. enquanto que a taxa de juros real é a variação percentual do poder de compra do dinheiro. de acordo com Ross et al.

sendo que seu ganho real no período. Utilizando a equação do efeito Fisher. o investidor não conseguiria mais comprar a cesta.00. se $ 120. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Manipulando a equação anterior visando isolar a taxa de juros nominal. refletido pela taxa de juros real. 116 .000. temos: j = 1 + h + r + ( r × h )  − 1 j = r + h + (r × h) Como o terceiro termo (r x h) é pequeno. ou ii) considerar os fluxos de caixa reais. então você receberia após um ano o montante de $ 120.08 r ≅ 0. deve-se deduzir a inflação dos fluxos nominais e. A resposta do cálculo de valor presente será a mesma. quando ele fosse receber os $ 120. pois seu dinheiro perdeu poder de compra. de acordo com Ross et al. Por fim. independentemente da alternativa escolhida. seria de $ 40. Entretanto. havendo duas alternativas: i) descontar os fluxos de caixa nominais por uma taxa de juros nominal. após.00 fosse exatamente o custo da cesta de consumo de um indivíduo. avaliada no período em que o investidor comprou o título. a inflação pode ser utilizada nos cálculos de valor presente. Portanto.00. a taxa de juros real é aproximadamente 4% ao ano. descontar por uma taxa de juros real. serão analisados os títulos públicos. Assim. que a taxa de juros nominal é igual a taxa de juros real somada à inflação. A seguir. A equação anterior define.00 após um ano de investimento. podemos encontrar que a taxa de juros real de: j ≅ r+h 0. se o valor aplicado no título fosse de $ 1.60. simplesmente. Suponha que um investidor tenha comprado um título que proporciona uma taxa de juros nominal de 12% ao ano e que a inflação da economia é de 8% ao ano. como segue: j ≅ r+h Conhecendo as equações. o valor da cesta estaria aproximadamente cotado em $ 129. ele pode ser eliminado. ou seja.12 ≅ r + 0. podemos demonstrar rapidamente como a inflação atua sobre os investimentos.04 Logo.00. (2013).

o comércio é feito através de leilões eletrônicos e os potenciais compradores são as instituições financeiras. primeiramente os títulos são emitidos pelo Tesouro Nacional e. Para entender melhor como funciona. caso seja interesse do investidor. por disponibilizarem um cupom predefinido. o rendimento é indexado por índices de inflação (IPCA e IGP-M) ou pela taxa básica de juros da economia (SELIC). Embora a questão já tenha sido debatida no capítulo anterior. médio e longo prazo. sendo que o rendimento pode ser prefixado ou pós- fixado. separados por seu tipo. A principal diferença entre título do governo e de uma empresa é que o do governo não tem risco. a) Títulos prefixados A principal característica de um título prefixado é que ele fornece exatamente a rentabilidade que deverá ser paga pelo governo. caso seja preciso se desfazer de um título do governo antes do seu vencimento. No mercado de títulos públicos brasileiro. ele pode apresentar um risco para o investidor. os títulos podem ser negociados antes dos seus vencimentos. são ofertados títulos de curto. ou seja. determinado tipo de título é indicado para investidores que esperam que a taxa básica de juros da economia. No caso dos pós-fixados. Mais especificamente. De modo geral. eles são ofertados pelo Banco Central em um mercado que pode ser definido como primário. posteriormente. especialmente se os juros da economia subirem. irá diminuir ao longo prazo. prefixados e pós-fixados. Vale destacar também que. alguns títulos do governo brasileiro foram listados a seguir. a Selic. Neste estágio. Entretanto. sendo que eles se diferenciam pelo prazo de vencimento e pela maneira que eles remuneram o investidor. Assim. É uma forma dos investidores “emprestarem” dinheiro para o governo. sendo necessário descontar 117 . pois aí o investidor perderia o rendimento. as pessoas físicas podem adquirir títulos do governo brasileiro diretamente do Tesouro Nacional através de um sistema chamado Tesouro Direto. existem muitas opções de títulos disponíveis no mercado nacional. desde que o título seja mantido até a sua data de vencimento. o rendimento dos títulos prefixados é nominal. situação diferente das empresas. ocorre porque os governos simplesmente podem emitir dinheiro para liquidar seus títulos. podem negociar determinados títulos com pessoas físicas ou jurídicas. Entretanto. estabelecendo um mercado secundário. No entanto. Determinadas instituições. Capítulo 3 AVALIAÇÕES TÍTULOS PÚBLICOS Os títulos públicos são emissões de dívida governamentais utilizadas para obter empréstimos. após. principalmente quando os governos necessitam de financiamento de médio/longo prazo.

pois o valor do título dependerá das condições de mercado na data da antecipação. que espere até a data de vencimento da LTN para ter seu rendimento. o cupom possui dois componentes: uma taxa de juros predeterminada no momento da compra do título e um montante variável determinado por um indexador. Assim. b) Títulos pós-fixados Um título pós-fixado parte da ideia de corrigir seu valor por meio de um indexador. então o investidor poderá ter uma perda financeira. o investidor que decidir negociar esse tipo de título antes do seu vencimento receberá do governo o valor de mercado desse título e. Assim. Caso o valor de mercado do título na hora da antecipação for menor que o valor pago na aquisição. apesar de se tratar de um título de renda fixa. Os principais títulos prefixados disponíveis no mercado brasileiro são os seguintes: • LTN . Por outro lado. • NTN-F . assim. A NTN-F também é título com rentabilidade prefixada e que é determinada por uma Taxa Interna de Retorno (TIR). podendo concluir que há um certo risco. um investidor mais paciente. se a inflação do período for maior que o cupom prefixado. nos quais variam com as condições da economia. receberá o total da rentabilidade bruta definida no ato da compra. Na data de vencimento do título. sem riscos. A rentabilidade dos pós-fixados está condicionada aos indexadores. a LTN fornece um pagamento único que ocorre no vencimento do título.Nota do Tesouro Nacional: Tais títulos são indicados para investidores que desejam complementar sua renda imediatamente após a aplicação ter sido realizada. Ademais. então o investidor terá uma perda de poder aquisitivo. No mercado 118 . outra forma de perda surge do fato que a LTN apresenta um rendimento nominal e. seu valor de face é resgatado. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO a inflação para encontrar o rendimento real.Letra do Tesouro Nacional: Trata-se dos títulos que possuem os fluxos de caixa mais simples do mercado. além do recebimento do último cupom de juros. assim. pois o cupom é pago de maneira semestral. Assim. podemos dizer que é um título para quem não tem pressa em receber os rendimentos. Entretanto. o que aumenta a liquidez e possibilita reinvestimentos. contemplando tanto o valor investido quanto sua rentabilidade. pode ocorrer perda com a liquidação antecipada. geralmente pela inflação (IPCA e IGP-M) ou pela Selic. não havendo ganho real. Os fluxos de caixa contemplam cupons semestrais. determinados títulos são chamados de pós-fixados. pois não fornecem diretamente sua rentabilidade. De forma específica.

ou seja. os 119 . Capítulo 3 AVALIAÇÕES brasileiro. é uma opção que mitiga as possíveis perdas. c) O preço dos títulos prefixados e pós-fixados Independentemente se os títulos são prefixados ou pós-fixados.000. os NTN-B e NTN-C são considerados títulos com taxa flutuante. O deságio/ágio da LFT é uma taxa utilizada para avaliar a rentabilidade do título conforme for sua demanda. a data base. Entre os títulos do governo brasileiro aqui apresentados. Desde então. pois utiliza-se o IGP-M e não o IPCA.Nota do Tesouro Nacional: Podemos dizer que esses títulos pagam uma taxa de juros real que é definida no momento de sua compra. além da taxa de juros. De forma específica. são títulos do governo que não fazem pagamento de cupom antes dos seus respectivos prazos de vencimentos. alguns títulos com determinadas características são ofertados. Referimos o cupom como taxa de juros real porque a NTN-B proporciona como rendimento. o valor é atualizado pela variação da Selic diária até o dia em que a precificação da LFT ocorrer. foi valorada em R$ 1. a remuneração da LFT é determinada pela variação da taxa Selic diária registrada entre o período de liquidação (um dia útil após a compra) e o vencimento do título. pois sua rentabilidade segue a variação da taxa Selic.Letra Financeira do Tesouro: A LFT é sugerida para investidores conservadores que esperam que a Selic irá aumentar ao longo prazo. seu preço já está considerando a taxa de ágio/deságio. • NTN-B e NTN-C . sendo o cupom pago somente no vencimento e em conjunto com o valor do título. uma unidade da LFT. De modo geral. as LTN são opções de investimento chamadas de títulos de cupom zero. Quando determinado título é ofertado no mercado.00. caso houver. Em 01/07/2000. acrescida de um ágio ou deságio no momento da compra. De forma similar. De forma contrária. embora existam também títulos com taxa flutuante indexados à Selic. caso seja necessário a antecipação do título. de modo que os juros recebidos se tornam reais. como os apresentados a seguir: • LFT . O fluxo de caixa da LFT é semelhante ao da LTN. a NTN-C modifica somente o indexador da inflação. a variação do IPCA observada no período. sendo que ele é informado no momento da compra. pois o rendimento de determinados títulos é indexado à inflação. Uma vez que o valor de mercado desse título varia pouco. eles podem ser classificados em outras duas categorias: títulos de cupom zero e títulos com taxa flutuante.

fazendo com que o valor do título se altere conforme varia seu valor de mercado. de modo geral. como: <www. du o número de dias úteis entre a data de liquidação da compra e a data de vencimento do título. sendo que ele é utilizado para calcular a taxa diária correspondente à taxa anual cotada. Qual o preço da LTN? Inserindo os valores na formula de cálculo de preços de títulos de cupom zero. o número 252 se refere ao número de dias úteis em um ano.000.com>. Se um título estabelece seu vencimento para daqui a 352 dias úteis. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO títulos de cupom zero são cotados com um grande deságio no seu valor de face. na equação que visa encontrar o preço de um título. encontramos: VF PFcz = du (1 + kd ) 252 120 . o número 252 é fixo. VF o valor de face do título na data base. Na fórmula anterior. Para títulos sem cupom. Portanto. Assim. O número de dias úteis pode ser facilmente obtido através de sites.00 esteja a 352 dias de seu vencimento e que a taxa de mercado para determinada LTN seja de 9% ao ano. basta trazer para o valor presente o seu valor de face. o preço de um título prefixado de cupom zero pode ser encontrado da seguinte forma: VF PFcz = du (1 + kd ) 252 Sendo: PFcz o preço de um título prefixado de cupom zero na sua data de aquisição. então esse número que deve ser inserido na variável du. sendo que utilizam-se. encontrar seu preço é muito simples.dias-uteis. Por exemplo. as taxas adotadas pelo mercado secundário. kd a taxa de retorno exigida do título. suponha que uma LTN que tem valor de face de R$ 1.

informação disponível no site do Banco Central.00 PFcz = (1. da seguinte forma: 100 CVcz = du (1 + tx ) 252  1  VNA = VNA0 × (1 + ms ) 252    121 . o cálculo de seu preço (PVcz) é ligeiramente diferente daquele utilizado para títulos prefixados de cupom zero.00 PFcz = 352 (1 + 0. VNA o valor nominal projetado/atualizado do título. o preço da LTN é de R$ 886. O valor foi expresso exatamente como os títulos públicos são cotados no Brasil. Assim.127920 PFcz = 886. com seis casas decimais.396825 1000. CVcz a cotação do título pós-fixado de cupom zero. Capítulo 3 AVALIAÇÕES 1000. quando se trata de um título pós-fixado de cupom zero.09 ) 1. como o caso da LFT. ou seja. pois se deve levar em conta no cálculo o valor projetado do indexador do título.00 PFcz = 1. neste caso a Selic. A cotação do título (CVcz) e o seu valor nominal atualizado projetado (VNA) podem ser obtidos. No entanto. a expressão pode ser alterada para a seguinte forma: PVcz = CVcz × VNA Sendo: PVcz o preço do título pós-fixado de cupom zero na sua data de aquisição.09 ) 252 1000.587762. respectivamente.587762 Portanto.

229.25% ao ano. corresponde ao número de 366 dias úteis entre a data de liquidação e a data de vencimento. Portanto.1125 2521  PVcz =  366    ( )       ( 1 + −0. Ademais. logo ocorreu um ágio. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Sendo: VNA0 o nominal atualizado do título na data da compra. suponha que uma LFT tenha sido comprada em 01/10/2007. tx o ágio ou deságio do título. é em 02/10/2007.577978.944554] PVcz = 3231.413041 O cálculo determinou que o preço da LFT em 02/10/2007 é de R$ 3. e a meta de inflação no período da compra é de 11. a qual ocorre sempre no dia útil seguinte após a compra que. valor divulgado no site do Banco Central.577978 × (1. caso o investidor permaneça com determinado título com objetivo de resgatar seu valor somente no seu vencimento. a precificação de um título pós-fixado de cupom zero pode ser encontrada da seguinte forma:    100    1  PVcz =  du   × VNA0 ×  (1 + ms ) 252  ( + tx )    1 252  Como exemplo. Por fim. o valor nominal atualizado da LFT em 01/10/2007 é R$ 3.41. A taxa do título na data que ocorreu a compra foi de -0. logo devemos considerar nos cálculos a sua data de liquidação. obtemos:    100    1  PVcz =  du ×   VNA0 ×  (1 + ms ) 2522     (1 + tx )  252    100  × 3229. 577978 ×  1 + 0. também disponível no site do Banco Central. neste caso.000145] × [3230.01%. ms a meta para a taxa Selic definida pelo Banco Central no período.000423)   0. e seu vencimento ocorre em18/03/2009. Agora.0001 )   252  100  PVcz =   × 3229. considere que você deseja encontrar o preço da LFT em 02/10/2007 (dia que ocorre a liquidação). o seu valor de resgate pode ser obtido corrigindo o valor nominal atualizado em sua data base pelo fator Selic até a 122 .321.999855  PVcz = [1. Utilizando a fórmula anterior. Assim.

o fator Selic é 3. como segue: VNAT = VNAb × Fs Sendo: VNAT o valor nominal da LFT em seu vencimento. Ainda.820745 e englobará o período entre 02/07/2000 e 17/03/2009. para encontrar o valor de resgate de determinada LFT. Aplicando: VNAT = VNAb × Fs VNAT = 1000. 2.. 123 .820..T e que T é a data final de recebimento. basta corrigir seu valor nominal considerando a sua data base pelo seu respectivo fator Selic para o período analisado. sendo que a informação é disponibilizada no site do Banco Central. tx a taxa de desconto dada pela TIR. Fs o fator Selic entre a data base e data de vencimento. . VNAb o valor nominal da LFT em sua data base. valor de resgate projetado.. Capítulo 3 AVALIAÇÕES véspera da data de interesse. Assim. Por outro lado..00. tc o cupom semestral pago pelo título. o cálculo do preço de um título com cupom semestral é mais complexo que o de um título com cupom zero porque todos os fluxos de caixa que ocorrerão até o vencimento do título deverão ser trazidos para o valor presente. O preço de um título pós-fixado com cupom semestral pode ser obtido da seguinte forma:   1   1   1   100 ×  (1 + tc ) 2 −1  100 ×  (1 + tc ) 2 −1  100 ×  (1 + tc ) 2 −1   PVcs =   +   + . a taxa base do título é 01/07/2000 e seu valor é R$ 1000. o de resgate projetado da LFT é de R$ 3. Para o exemplo..74.820744 VNAT = 3820.00 × 3.74 Logo. +   ×VNAr du1 du 2 duT   (1 + tx ) 252 (1 + tx ) 252 (1 + tx ) 252    Sendo: PVcs o preço do título pós-fixado de cupom semestral na sua data de aquisição. VNAt o valor nominal atualizado do título. dut refere-se ao número de dias úteis entre data de liquidação e a data de pagamento t-ésimo cupom. considerando que dut = 1.

seu VNAt é o valor nominal atualizado para o período t. IAIPCA o índice acumulado do IPCA entre sua data base e o 15º dia do mês anterior à liquidação. Assim. pode ser encontrado multiplicando o seu valor nominal base por indexadores atrelados ao IPCA da seguinte maneira: VNAt = (VNAb × IAIPCA ) × (1 + IPIPCA ) p Sendo: VNAt o valor nominal atualizado para a data de liquidação t. só devemos alterar o indexador. independentemente se o título é prefixado ou pós-fixado e se ele for com ou sem cupom semestral. perceba que a lógica de cálculo é sempre a mesma. VNAb o valor nominal no ano base.000. sem demonstrar exemplos de cálculo.00 e sua data base correspondem ao dia 15/07/2000.. +   du1 du 2 du 3   (1 + tx ) 252 (1 + tx ) 252 (1 + tx ) 252    124 . p a razão inserida na equação para calcular os juros proporcionais aos dias entre a liquidação e a correção do IPCA. partindo de sua data base.. o valor nominal atualizado da NTN-B. O preço da NTN-F e de qualquer outro título que seja prefixado com cupom semestral é calculado da seguinte forma:   1   1   1   VF ×  (1 + tc ) 2 −1  VF ×  (1 + tc ) 2 −1  VF ×  (1 + tc ) 2 −1   PFcs =   +   + . Determinada ação deve ser feita porque na data de compra o indexador do título não é conhecido. IPIPCA o índice projetado do IPCA entre o 15º dia do mês anterior à liquidação e o dia 15º do mês da liquidação. Assim. finaliza-se o conteúdo apresentado como pode-se calcular o preço da NTN-F. Os valores referentes ao IPCA acumulado podem ser obtidos no site do IBGE. Ainda. O cálculo para a NTN-C é praticamente o mesmo que o realizado para NTN-B. seu VNAb = R$1. sendo que o valor pode ser calculado considerando o valor nominal atualizado da data de compra e a projeção do IPCA para a data de liquidação. apenas sua fórmula. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO No caso da NTN-B. Determinada razão pode ser encontrada da seguinte maneira: n º de dias corridos entre a data de liquidação e o dia 15 do mês anterior à liquidação p= n º de dias corridos entre o dia 15 do mês de liquidação e o dia 15 do mês anterior à liquidação No caso da NTN-B.

ou externamente. Finalmente. 125 . Os detentores do capital próprio são os proprietários da empresa.. o capital de terceiros tem preferência em relação ao capital próprio. é mais difícil avaliar o preço de uma ação do que o valor de um título porque seus fluxos de caixa futuros nem sempre são conhecidos. existem várias diferenças entre o capital próprio e de terceiros. pois as ações não determinam um prazo de vencimento.. facilmente. a taxa de retorno exigida pelo mercado. conforme destaca Ross et al. ainda. os impostos são cobrados nos rendimentos financeiros (em caso de venda antecipada). tx a taxa de desconto (TIR). o capital próprio não. Por fim. Não obstante. as diferenças também são significativas considerando o tratamento fiscal que ambos recebem. de forma que somente eles podem influenciar a tomada de decisão da empresa. Ademais. conforme destacou Gitman (2005). Além do custo do IR. incidindo a mesma tabela de IR dos demais títulos de renda fixa. VF o valor de face do título na data base. (2013).. pois no capital de terceiros é possível deduzir os juros e no próprio não é permitido. que nas aplicações do Tesouro Direto há a incidência de Imposto de Renda (IR). Dadas as definições. 2. por fim. Cabe destacar. dut refere-se ao número de dias úteis entre data de liquidação e a data de pagamento t-ésimo cupom. em termos de direitos sobre resultados e ativos. o capital de terceiros são os empréstimos adquiridos pela empresa. . De modo geral. nos pagamentos de cupons e no vencimento dos títulos. considerando que dut = 1. tc o cupom semestral pago pelo título. ou seja. A próxima seção deste capítulo apresenta como podemos calcular o preço de uma ação. enquanto que o capital próprio se origina dos proprietários das empresas. podem existir outras taxas cobradas pelas instituições financeiras ou pelo Tesouro Direto. enquanto que o capital de terceiros estabelece um prazo determinado.T e que T é a data final de recebimento. ficando os de terceiros à margem das decisões. Ainda. seu tempo de duração é infinito e. Capítulo 3 AVALIAÇÕES Sendo: PFCS o preço do título prefixado de cupom semestral na sua data de aquisição. porque frequentemente não é possível observar. O capital próprio pode ser obtido internamente através da acumulação de lucros acumulados da própria empresa. AÇÕES PREFERENCIAIS E ORDINÁRIAS Devemos iniciar o estudo das ações conhecendo as diferenças entre capital de terceiros e capital próprio. através da venda de ações ordinárias ou preferenciais da empresa.

independentemente das interpretações sobre o mercado. Em contrapartida. o preço atual de uma ação é dado pela soma dos valores presentes de todos seus dividendos futuros. de modo que o preço definido pelo mercado deve ser considerado a melhor estimativa de valor possível para uma ação. Assim. Na teoria. seus ganhos são residuais porque eles ocorrem somente após todos os direitos provenientes dos resultados e do ativo da empresa terem sido atendidos. nem todos participantes confiam que os mercados sejam eficientes e. Uma forma da empresa se financiar no mercado é através da venda de ações ordinárias ou preferenciais. ele venderia. sua perda está restrita ao valor aplicado na empresa. Não obstante. A taxa de desconto utilizada para trazer os dividendos para o valor presente reflete o risco. as pequenas empresas costumam ser sociedades de capital fechado com ações sendo negociadas esporadicamente e em quantidades limitadas. O modelo para avaliar o preço corrente de uma ação utiliza a técnica de valor presente que foi apresentada no Capítulo 1 deste livro. Mais especificamente. na segunda. no caso em que há um amplo grupo de investidores e instituições. Os acionistas ordinários. não dá ao acionista o direito de voto e. uma ação preferencial tem prioridade nos pagamentos de dividendos e na distribuição do ativo da empresa (em caso de liquidação). contrariamente ao que ocorre com as ações ordinárias. quando dá. os acionistas preferenciais possuem uma garantia de dividendo periódico. de forma que fluxos mais arriscados implicam em 126 . ou aberto. se for verdade. o comércio de uma ação ordinária ocorreria quando o investidor esperasse que seu verdadeiro valor fosse superior ao preço de mercado ou quando a ação estivesse com um preço superior ao verdadeiro valor de mercado. com ações comercializadas nas principais bolsas de valores do mundo. o verdadeiro valor é o valor de mercado. a ação preferencial. não relacionadas entre si. Quando os mercados são eficientes. Na primeira situação o investidor compararia a ação e. que são os detentores das ações ordinárias. e as grandes são de capital aberto. é necessário saber como podemos avaliar o preço de uma ação. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Avançando sobre a definição de capital próprio. No entanto. pois ele é resultado da interação entre a oferta e a demanda de ações no mercado de capitais. Portanto. No entanto. comumente ele é restrito. ele pode ser fechado quando a empresa pertence a uma pessoa ou a um grupo restrito de pessoas (muitas vezes a uma família). Diferentemente. são os verdadeiros proprietários da empresa. muitas vezes. o preço de uma ação ordinária reflete com precisão seu verdadeiro valor se baseando em seu risco e seu retorno. Diferentemente. investindo na empresa.

se os dividendos forem infinitos. significa que D1 = D2 = . Sob determinada premissa. o preço de uma ação ordinária é dado pelo valor da participação do investidor na propriedade da empresa.. estimar o preço da ação através de determinado modelo é melhor que não ter qualquer palpite sobre ele. No entanto. a saber: o modelo de crescimento nulo. Embora os modelos de avaliação de ações sejam úteis para determinar o preço de uma ação. Capítulo 3 AVALIAÇÕES taxas de desconto mais altas. se o dividendo de cada ano for redefinido em termos de seu crescimento esperado. o modelo de crescimento constante e o modelo de crescimento variável. parte da premissa que não há crescimento no valor dos dividendos de uma ação ao longo do tempo. pois o modelo utiliza dividendos e taxas de desconto esperadas que nem sempre se concretizam no futuro.. então não é possível utilizar a fórmula supracitada para calcular o preço da ação. ks a taxa de retorno exigida (esperada) da ação. Uma vez que a fórmula é uma versão geral do modelo de avaliação de ações.. da equação geral.. então podemos derivar. MODELO DE CRESCIMENTO NULO O modelo de crescimento nulo. como o próprio nome sugere. seus resultados não devem ser encarados como uma verdade absoluta. o que realmente deve ser considerado. três modelos úteis e que possibilitam obter o valor de uma ação. = D∞ . Assim. o que implica que ele é constante. Matematicamente. a equação geral pode ser reescrita da seguinte forma: ∞ 1 P0 = D1 × ∑ (1 + ks ) t t =1 127 . Assim. + (1 + ks ) (1 + ks ) 2 (1 + ks ) ∞ Sendo: P0 o preço corrente (atual) da ação Dt o dividendo esperado da ação no final do período t. No entanto. a equação básica de avaliação de ações é a seguinte: D1 D2 D∞ P0 = + + .

Nele. a taxa de crescimento pode ser interpretada como sendo o retorno em ganhos de capital.00 por ação e o retorno esperado da ação for de 20% ao ano. MODELO DE CRESCIMENTO CONSTANTE Entre os três modelos apresentados. embora a taxa de crescimento deva ser menor que a taxa de desconto porque esta é uma condição necessária para a construção do modelo. o modelo de crescimento constante é o mais comum. Ainda..000. podemos reescrever o modelo de crescimento constate da seguinte maneira: D1 P0 = ks − g 128 . + (1 + ks ) (1 + ks ) (1 + ks ) 1 2 ∞ Sendo a notação nova g.. então podemos obter o preço da ação substituindo os valores do exemplo na fórmula anteriormente. após alguma manipulação algébrica.00 Logo. que é o dividendo mais recente da ação decorrente de D1 = D0 x (1+ g). torna-se: 1 D1 P0 = D1 × = ks ks Significa que o valor de uma ação com dividendos constantes é igual ao valor presente da perpetuidade de valor D1 deduzida da taxa de desconto ks.00. Como exemplo. O modelo de crescimento constante pode ser expresso da seguinte forma: D0 × (1 + g ) D0 × (1 + g ) D0 × (1 + g ) 2 ∞ P0 = + + . que representa a taxa de crescimento dos dividendos da ação.000. a hipótese inicial é que os dividendos crescerão com uma taxa constante (g).20 P0 = 2. (2013). e D0. de acordo com Ross et al. se uma empresa apresentar um dividendo anual constante e com prazo indeterminado no valor de $ 400. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO Que. como segue: D1 P0 = ks 400. Realizando algumas manipulações algébricas na fórmula anterior. o valor da ação é de $ 2.00 P0 = 0.

o fato de adicionar um dividendo crescente com uma ação que possuía dividendo constante. 00 P0 = 0. o denominador da fração é positivo. de novidade. MODELO DE CRESCIMENTO VARIÁVEL O modelo de crescimento variável permite que os dividendos variem ao longo dos anos sem estabelecerem uma única taxa de crescimento para eles. há. No entanto.00 no próximo período. trabalhar com taxas de crescimento variável é mais complexo. 00 Portanto. dado que. Obviamente. a outra.00. Ainda. o valor da ação passaria a ser de $ 4. Determinada abordagem gera um modelo chamado de crescimento em dois estágios e sua fórmula de cálculo do preço de uma ação é a seguinte: D0 × (1 + g1 )  1 Dθ +1  t θ P0 = ∑ + ×  (1 + ks )  (1 + ks ) ks − g1  t θ t =1 129 . com relação à fórmula do modelo de crescimento nulo. e será mantida até o infinito. porém. Torna- se interessante principalmente porque permitirá que a taxa de crescimento dos dividendos seja maior que a taxa de retorno exigida. ou seja. Ademais. agora a taxa de desconto é reduzida pela taxa de crescimento. no entanto podemos simplificar as coisas assumindo que há apenas duas taxas de crescimento no modelo (g1 e g2). pelo menos por um certo período de tempo. observe que.000. refletindo os maiores dividendos futuros que serão recebidos pelo investidor. ceteris paribus. o preço da ação passa a ser: D1 P0 = ks − g 400. faz com que o valor da ação aumente. por condição matemática necessária ks > g. 2 − 0. Considere o mesmo exemplo apresentado para o modelo de crescimento nulo. Capítulo 3 AVALIAÇÕES Determinado modelo também é conhecido como modelo de Gordon. apenas a taxa de crescimento. Se for mantido o mesmo retorno exigido.000. porém suponha agora que a empresa pagará um dividendo de $ 400. θ + 1. que o dividendo será pago por tempo indeterminado e que ele crescerá com uma taxa de 10% ao ano.1 P0 = 4. sendo que uma delas ocorrerá até o período de tempo θ e. uma taxa de desconto de 20% ao ano. iniciará no período seguinte.

65 1. o crescimento no valor dos dividendos. 130 . 00 D4 = 2. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO O símbolo θ representa o último período de ocorrência da taxa de crescimento e g1 e Dθ+1 são os dividendos esperados a partir da vigência da taxa de crescimento g2. Para testar seu conhecimento sobre os conceitos desenvolvidos neste capítulo. O retorno exigido da empresa é de 15% ao ano. Para apresentar uma aplicação do modelo. 00   1  P0 =  + +  + × 21  1.15)  (1 + 0.10 Logo: 1. 05  t 3 t =1  1. após o do período 4. 5 × (1 + 0. 44 + 1.96. 82] P0 = 17. 52  P0 = (1.15 ) 0. que tem prazo indeterminado. 05 ) 1 D4 = 2. 38 + 1.15 − 0.50 por ação espera que seus dividendos cresçam com uma taxa de 10% ao ano nos próximos três anos. foi elaborada a seguinte atividade de estudo. Uma empresa que tem como dividendo corrente o valor de $ 1. o dividendo do período 3 e. o valor do dividendo no quarto período D4.1) 3 D3 = 2. o valor atual da ação é de R$ 17.15 1. 32 ) + [13. 32 1. O valor corrente da ação da empresa em questão pode ser obtido utilizando a equação anterior.1)  2. 5 × (1 + 0. a taxa de crescimento pode ser maior que a taxa de desconto no primeiro estágio de crescimento. 52  1. Observe que o primeiro termo do lado direito da equação representa o valor presente dos dividendos no período inicial de crescimento e o segundo descreve o valor presente do preço da ação no final do período inicial de crescimento. 96 Portanto. foi utilizado o exemplo de Gitman (2005). porém no segundo não é possível. Após os três anos. 0 × (1 + 0. temos: D3 = 1. 82 2. mas antes é necessário encontrar o valor dos dividendos esperados a partir da vigência da taxa de crescimento g2. ou seja. terá uma taxa de 5% ao ano. Com determinada equação. O valor pode ser obtido através da seguinte fórmula: Dt = D0 × (1 + g ) t Encontrando.10  t 3 1 P0 = ∑ +  ×  (1 + 0. primeiramente.

o governo que não faz pagamento de cupom antes do prazo de vencimento do título. enquanto que a taxa de juros real é a variação percentual do poder de compra do dinheiro. De um modo geral. a teoria APT utiliza apenas o retorno de mercado esperado como fator. podemos dizer que a taxa de juros real é de aproximadamente 24%. g) ( ) Um título pós-fixado parte da ideia de corrigir seu valor por meio de um indexador. 131 . f) ( ) O rendimento dos títulos prefixados é real. Utilizando a equação do efeito Fisher. geralmente pela inflação (IPCA e IGP-M) ou pela Selic. portanto os cupons são os juros contratuais prometidos em um título de dívida. i) ( ) As LTN são títulos emitidos pelo governo brasileiro que se caracterizam por serem títulos de cupom zero. b) ( ) O método de avaliação de um título ou de uma ação envolve o conceito de valor do dinheiro no tempo. e) ( ) Suponha que um investidor tenha comprado um título que proporciona uma taxa de juros nominal de 16% ao ano e que a inflação é de 8% ao ano. h) ( ) Os títulos do governo brasileiro denominados NTN-B e NTN-C são considerados títulos com taxa flutuante. d) ( ) A taxa de juros nominal de um ativo ou título é a variação percentual do dinheiro. ou seja. j) ( ) Os principais modelos existentes para calcular o preço de uma ação são os seguintes: o modelo de crescimento tradicional e modelo de crescimento exponencial. pois ele leva em conta a inflação do período. devemos calcular o valor futuro dos fluxos de caixa projetados de um título ou ação. c) ( ) Os valores referentes aos juros periódicos são chamados de cupom. Capítulo 3 AVALIAÇÕES Atividade de Estudos: 1) Considerando as estratégias competitivas genéricas. pois seus rendimentos são indexados à inflação. leia cuidadosamente cada uma das afirmações a seguir e assinale V para as que considerar verdadeiras e F para as que considerar falsas: a) ( ) Enquanto que na teoria CAPM a taxa de retorno esperada de um ativo com risco é explicada por uma combinação linear de l fatores.

JORDAN. Assim. Randolph W. Tais fatores. ROSS. ed. Stephen A. a taxa de desconto utilizada no cálculo de valor presente reflete o risco dos fluxos previstos da ação. impactam na volatilidade das taxas de retorno esperadas. os fluxos de caixa esperados de uma ação. Após. 10. Por fim.. elas são chamadas de títulos públicos.. 9. por sua vez. Alternate Edition. ROSS. Quando as obrigações são emitidas pelo governo. [S. de forma que taxas mais altas de descontos refletem fluxos mais arriscados. pois somente assim ele conseguirá criar o máximo de valor para os acionistas da empresa. n.. Bradford D. Roberto. 2002. Fundamentos de administração financeira. Os títulos públicos podem ser prefixados ou pós fixados. um administrador financeiro que deseja maximizar o preço de uma ação deve sempre avaliar corretamente a relação entre retorno e risco na tomada de decisão. 3. REFERÊNCIAS GITMAN.. ROSS. 341-360. a Teoria de Arbitragem de Preços (APT). Bradford D. No caso citado. determinam seu preço. 13. demonstramos como o preço de qualquer título ou ação pode ser calculado utilizando a técnica de valor presente de seus fluxos de caixas considerando. A teoria APT é um modelo de precificação de ativos no qual a taxa de retorno esperada de um ativo com risco é explicada por uma combinação linear de l fatores que são correlacionados com os riscos sistemáticos existentes. Fundamentals of corporate finance. p. Stephen A. o valor de uma ação ordinária da empresa é determinado por seus fluxos esperados (retornos) e por seu risco (incerteza com relação aos fluxos de caixa esperados). WESTERFIELD. WESTERFIELD. o retorno exigido. Lawrence J. ed. as obrigações são chamadas debêntures e CDB. The arbitrage theory of capital asset pricing. 6. respectivamente. Assim como nos títulos. Princípios de administração financeira. Verificamos também que as taxas de juros e os retornos exigidos refletem o custo do dinheiro no tempo.l. 1976. LAMB. Quando as empresas e os bancos tomam dinheiro emprestado no mercado. Os títulos de dívida são dívidas de longo prazo utilizados pelos governos e pelas empresas para se financiar. 2005. JORDAN. AVALIAÇÃO DO TEMPO E RISCO ALGUMAS CONSIDERAÇÕES Este capítulo apresentou uma abordagem alternativa para a teoria CAPM. São Paulo: Pearson Education do Brasil. Stephen A. logo o investidor sabe exatamente o valor que irá receber no futuro. Porto Alegre: AMGH Editora LTDA. Foi constatado também que os títulos são opções financeiras mais fáceis de avaliar do que as ações porque os títulos estabelecem contratualmente as datas dos fluxos de caixa e os valores. como taxa de desconto.]. além de explicar como a inflação pode reduzir o retorno de um ativo. 132 . 2013. Journal of economic theory. New York: McGraw−Hill Companies. Randolph W. ed.. As duas opções são consideradas títulos de renda fixa. v. trazidos para o valor presente.