Você está na página 1de 38

UNIVERSIDADE FEDERAL DO PIAUÍ - UFPI

UNIVERSIDADE ABERTA DO BRASIL - UAB
CENTRO DE EDUCAÇÃO ABERTA E A DISTÂNCIA - CEAD
CURSO DE LICENCIATURA EM PEDAGOGIA

A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTUDO DE CASO NA ESCOLA MUNICIPAL ANA JOAQUINA DE CARVALHO –
ESPERANTINA-PI

SILVANE DA SILVA OLIVEIRA

Luzilândia
2018

SILVANE DA SILVA OLIVEIRA

A IMPORTÂNCIA DA LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTUDO DE CASO NA ESCOLA MUNICIPAL ANA JOAQUINA DE CARVALHO –
ESPERANTINA-PI

Trabalho de Conclusão de Curso
apresentado à Universidade Federal do
Piauí-UFPI / Núcleo de Educação à
Distância-NEAD, como pré-requisito para
obtenção do título em Pedagogia.

Orientador: Prof. Msc. Jean Douglas Moura
dos Santos

Luzilândia
2018

SILVANE DA SILVA OLIVEIRA

A IMPORTANCIA DA LUDICIDADE NA EDUCAÇÃO INFANTIL
ESTUDO DE CASO NA ESCOLA MUNICIPAL ANA JOAQUINA DE CARVALHO –
ESPERANTINA-PI

Trabalho apresentado em____/_____/_____

COMISSÃO EXAMINADORA

___________________________________________________________

Professor (a) orientador (a): Jean Douglas Moura dos Santos

___________________________________________________________

Professor (a) avaliador (a): Adriano Cardoso Silva

___________________________________________________________

Professor (a) avaliador (a): Maria Francisca Ferreira Machado

Luzilândia
2018

. pela força durante esses quatro anos de curso. Maria das Graças. direta ou indiretamente. à minha irmã pelo apoio e palavras de incentivo quando estava em meio às dificuldades. à minha mãe. Teófilo. Ao meu esposo pela colaboração. A UFPI – CEAD que me proporcionou a oportunidade de realizar este curso. AGRADECIMENTOS Agradeço primeiramente a Deus. A todos que. em meio a tantas dificuldades. Ao meu pai. contribuíram para a realização desta pesquisa. atenção e incentivos dados na trajetória deste curso. E por ter me guiado ao longo dessa caminhada e ter me permitido chegar até aqui.

. com toda dedicação à vocês.Dedico primeiramente a Deus pelo dom da vida e aos meus pais pela força durante essa caminhada. Enfim.

portanto mais eficaz. pois os benefícios para o desenvolvimento da criança são inegáveis. . o processo de ensino- aprendizagem nas séries iniciais. sobretudo por carência de capacitação teórica para formular e construir os recursos necessários para tal prática no cotidiano escolar. Infelizmente. Essa realidade requer efetivas mudanças de pensamento e comportamento. O estudo mais aprofundado e criterioso sobre o lúdico na educação infantil se faz necessário como ferramenta alternativa e complementar na prática pedagógica. Palavras-chave: Lúdico. ainda encontram barreiras limitadoras de tais atividades. suas habilidades visuais e auditivas. através da experiência lúdica a criança pode desenvolver sua coordenação motora. ensino infantil. aprendizagem. RESUMO A importância da ludicidade na educação infantil é imensurável. professores. seu raciocínio criativo e sua inteligência. preparando a criança para a construção do pensamento crítico em relação à percepção do meio em que vive. na ansiedade de ensinar os conteúdos propostos. já que os jogos e as brincadeiras são ótimas ferramentas de conciliação entre o prazer e o desenvolvimento cognitivo. uma vez que é responsabilidade de cada professor e instituição de ensino tornar mais atrativo e prazeroso.

since the benefits for the child’s development are undeniable. in the anxiety to teach the proposed contents. therefore more effective. This reality requires effective changes in thinking and behavior. Through playful experience the child can develop his motor coordination. his visual and auditory abilities. still find limiting barriers to such activities. Keywords: Playful. preparing the child for the construction of thought critical in relation to the perception of the environment in which he lives. since games and play are great tools to reconcile pleasure and cognitive development. his reasoning creative and their intelligence. The more thorough and judicious study on playfulness in children’s education becomes necessary as an alternative and complementary tool in pedagogical practice. since it is the responsibility of each teacher and teaching institution to make the teaching-learning process more attractive and enjoyable. ABSTRACT The importance of playfulness in early childhood education is immeasurable. mainly due to lack of theoretical training to formulate and build the necessary resources for such practice in the school routine. . teachers. learning. in the initial grades. infant education. Unfortunately.

...........1 ASPECTOS LÚDICOS DA BRINCADEIRA................................................................3 O BRINQUEDO...................................................................................34 .........................................................32 APENDICE – INSTRUMENTO DE PESQUISA........................................................................................5 O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL.........................19 2...................31 REFERÊNCIAS..............................................8 2 INFÂNCIA...................26 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS.......................................................................... SUMÁRIO 1 INTRODUÇÃO.......2 O QUE É BRINCADEIRA?..................................................................18 2...................................................29 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS............11 2.........................................................22 2...........................................................4 A BRINCADEIRA NA PRÁTICA DOCENTE........................................................................23 3 METODOLOGIA...........................12 2............ BRINCADEIRAS E APRENDIZAGEM............................................................................................................................

espera-se verificar se os docentes utilizam técnicas lúdicas no decorrer de sua atuação. Para ele. pensamentos. . A principal proposta é analisar o uso de jogos e brincadeiras no processo de ensino-aprendizagem na Educação Infantil na prática pedagógica do professor. Winnicott afirma que: “A brincadeira permite a associação livre de ideias. identificar as mesmas e descobrir a importância que os professores dão ao lúdico como uma ferramenta pedagógica. A escolha da temática se deu em decorrência da experiência durante a realização do Estágio Supervisionado em Educação Infantil. que o indivíduo. concreta e significativa. zona rural do município de Esperantina-PI. com base na brincadeira. ensinar. torna-se extremamente importante perceber as inúmeras possibilidades que a criança tem de socializar. o que resulta em uma educação de mais qualidade.” E que “É na brincadeira. a questão que motivou a realização desse estudo foi justamente a utilização do lúdico na sala de aula ainda de modo tímido e insatisfatório. se desenvolve a comunicação e se constrói a totalidade da existência experimental do homem. impulsos. raciocinar. O lúdico é uma ferramenta pedagógica que pode e deve ser utilizada dentro e fora da sala de aula como alternativa metodológica de aprendizagem. 8 1 INTRODUÇÃO A finalidade desta pesquisa é justificar a importância do lúdico na aprendizagem da criança nos anos iniciais escolares. aprender. bem como compreender como o lúdico é trabalhado no processo de ensino-aprendizagem na Educação Infantil da Escola Municipal Ana Joaquina de Carvalho localizada na localidade Beirute. sensações sem conexão aparente e emersão de ideias. No entanto. O ato de brincar não deve ser visto simplesmente um momento de diversão pura e simples. De forma mais específica. construir e descobrir através do que antes era apenas passatempo. criança ou adulto pode ser criativo e utilizar sua personalidade integral: e é somente sendo criativo que o indivíduo descobre o seu eu (self)”. uma vez que através da ludicidade as crianças aprendem de maneira mais efetiva.

9 Também Vygotsky (1994) destaca o papel do meio social e cultural na formação do indivíduo. o que vai tornando o tempo entediante e sem fins educativos. Assim. sem traumas ou consequências negativas para o seu desenvolvimento total. uma vez que “Conquanto seja fácil perceber que as crianças brincam por prazer. comunica-se e desenvolve-se de maneira holística. a uma norma de comportamento. Não é preciso que diga a uma criança coma brincadeira com este ou aquele brinquedo. tendo a oportunidade de aprender sozinha com sua própria falha sem se sentir constrangida em errar e tentar novamente. que oferece o prazer. a emoção e a fantasia. o que não acontece na brincadeira . é muito difícil para as pessoas verem que as crianças brincam para dominar a angústia. podemos ver que o brinquedo dentro de uma brincadeira tem um grande sentido e que assim ela vai transportar para este o seu mundo. controlar ideias ou impulsos que conduzem à angústia se não forem dominados”. envolvendo-a e prendendo assim sua atenção. no lúdico a iniciativa é da própria criança reconhecendo-o como algo desejado e não uma imposição. uma rotina sem mudanças. . É na brincadeira que a criança toma consciência de si mesma. O errar e o tentar de novo se torna um ato natural. ela vai transferir para ele toda a sua fantasia. aprende a atuar subordinando suas ações a um determinado modelo. emoção e fantasia que ela verbaliza. entendendo que a “brincadeira serve para o desenvolvimento de inúmeras habilidades cognitivas e afetivas. E é dentro desse contexto de prazer. pois a criança perde o interesse e a atenção para a situação imediata. 1966) Reconhecendo que a criança se expressa através do simbólico. uma obrigação. a brincadeira permite a criança resolver conflitos internos.” Portanto. (Winnicott. a sua vivencia. todo o seu potencial criador e é aí que o educador pode atuar e aproveitar para orientar as atividades lúdicas de forma a desenvolver o que for escolhido como tema de determinada aula. crescendo e se desenvolvendo intelectualmente e socialmente.

onde novas relações são formadas e vínculos são estabelecidos. e essas estarão cada vez mais fortes e preparadas para um desenvolvimento natural. mais que uma simples brincadeira. tem um valor social implícito. A cada nova brincadeira um novo e mais forte grupo será formado entre as crianças. ser um cidadão crítico e atuante na sociedade em que vive. amplo e social compreendendo melhor o significado de se viver em grupo. . as atividades que as crianças fazem com seu grupo ou até mesmo sozinhas. 10 Tendo em vista as questões colocadas acima. Fazer com que o educador descubra que. sejam essas atividades livres ou dirigidas. essa pesquisa tem como proposta estudar e mostrar a importância que a brincadeira tem para a criança. buscando por melhores condições de vida individual e coletiva.

pura. primitivos de qualquer ser humano. onde apenas não era levado em consideração seu lado intelectual. pois seu papel social não era reconhecido e ela na maior parte das vezes passava despercebida. Segundo Rousseau. 2003). vem do latim infância. ao ser respeitada a ordem natural. pois ainda não foram forjados pela sociedade ou impostas ao indivíduo. a resguardar a bondade. sem que fosse levada em consideração sua importância histórica e social. que deveria ser conservada). é importante que a educação se dê de forma natural. voltada para si. A verdade é que a criança não existia como objeto de compreensão a merecer visibilidade e reconhecimento. Coloca a criança frente a ela mesma. onde a criança era vista de modo diferente e a educação seria resultado de vontades próprias e não repetidas por imposições de regras exteriores e artificiais. como: as emoções. a felicidade comprometida pela ordem social. que existe antes do pensamento construído e merece confiança. Rousseau traça um caminho que leva a criança. fica ainda pior. Nesta mesma obra Rousseau. Indica ao mesmo tempo um entendimento da natureza social para o homem (social e maléfica) e um entendimento da natureza social da criança (boa. BRINCADEIRAS E APRENDIZAGEM A infância é um período muito importante na vida. Pois ele via a criança de maneira totalizada. ela ainda possui sua inocência e acredita na bondade e pureza dos outros. através da multiplicidade de áreas de conhecimento. em sua obra Emílio ou da Educação (1999). nela acontecem as principais mudanças. uma espécie de ordem individualista (JARDIM. Trazendo esta temática para ser discutida no contexto brasileiro. os instintos e sentimentos. tais que definem um indivíduo pelo resto de sua vida. ou seja. Etimologicamente infância. 11 2 INFÂNCIA. . defendia que a educação natural era muito maior que a educação intelectualista da época. Mesmo com toda a limitação colocada neste conceito é na infância que ocorre as principais mudanças e aprendizados. mas também suas disposições primitivas. a liberdade.

As brincadeiras possibilitam às crianças vivenciar aventuras potencializadoras da criatividade e imaginação. Assim. ao brincar. não costuma ser prazerosa” Nesse sentido. ao movimento espontâneo. das dramatizações. De modo que a definição deixou de ser o simples sinônimo de jogo. Dessa forma. das canções e das . Carneiro (1995) destaca que “todas as pessoas têm uma cultura lúdica. 12 A brincadeira até então era visto como algo sem muito significado. que é um conjunto de significações sobre o lúdico”. porque acima de tudo ela não é lúdica. onde servia apenas para entreter as crianças e fazer com que seu tempo fosse totalmente usado. É importante mencionar que o lúdico tem sua origem na palavra latina "ludus" que quer dizer "jogo”. O lúdico passou a ser reconhecido como traço essencial de psicofisiologia do comportamento humano. portanto compreende-se o lúdico como cultura.1 ASPECTOS LÚDICOS DA BRINCADEIRA As formas que se apresentam a ludicidade são das mais diversas. das músicas. é possível dizer que a cultura lúdica é produzida pelos indivíduos. essa pode ter um aprendizado mais significativo do que algo imposto. Se achasse confinado a sua origem. através das histórias. dos jogos. Todos os significados remetem ao mesmo entendimento: a brincadeira faz parte da experiência humana. Mas a brincadeira vai muito além de divertir uma criança. onde cada brinquedo ou brincadeira pode se tornar um fundamental mecanismo de aprendizagem. na idade infantil e na adolescência a finalidade é essencialmente pedagógica. das danças. o termo lúdico estaria se referindo apenas ao jogar. “a criança e mesmo o jovem opõem uma resistência à escola e ao ensino. 2. o lúdico apresenta valores específicos para todas as fases da vida humana. De acordo com Neves (2009). por meio de brincadeiras que a criança começa desde cedo. Assim. a qual se constrói a todo tempo. Conforme Antunes (2005) “as implicações da necessidade lúdica extrapolaram as demarcações do brincar espontâneo”.

essas práticas não estimulam a criatividade dos alunos. sua crítica. mas quando uma criança apresenta um enigma não deixa de ser uma questão filosófica. a construção de seu próprio pensamento ao proporcionar uma visão que inclua os seus interesses. não como uma atividade opressora e repressiva que limita e bloqueia a criatividade tornando. Ajuda-nos a entender melhor o aspecto lúdico. . algo que seja estudado em conjunto. ao mesmo tempo em que bloqueiam a organização independente das crianças para as brincadeiras. em atividades que envolvam a criatividade e o pensamento crítico e sistemático. Em nossa sociedade moderna. Para esta criança foi reservado o mínimo de tempo para que ela pudesse brincar ocupando a maior parte de seu tempo em salas de aula onde os conteúdos são considerados superiores às questões lúdicas e ao próprio processamento da aprendizagem significativa no educando. mas como a totalidade que todo ser humano está inserido. por quem tem toda jornada de conhecimento para trilhar. 13 artes. mas como algo agradável e sutil. as escolas priorizam o conteúdo. onde os profissionais se veem imersos em objetivos a serem alcançados. como uma ferramenta que auxilie a prática pedagógica. suas emoções. mas o principal motivo do interesse desse estudo gira em torno da importância que a ludicidade assume. deixando um pouco de lado as brincadeiras por não haver tempo suficiente para fazerem os dois de forma correta e sistemática. não como algo compartimentalizado do conhecimento. motora e. suas necessidades e o prazer de cada indivíduo. leva-nos a não notar quão sutil seu ensinamento age em nossas mentes. O historiador facilmente afirma que ao esboçar as fases da Filosofia. a autonomia. a ludicidade como atividade livre. O fato de ser algo desprendido do modelo escolar tradicional. durante a prática educativa. ou seja. principalmente no âmbito escolar.se um obstáculo para a aprendizagem. As instituições de Educação Infantil têm restringido as atividades das crianças aos exercícios repetitivos. “não sério” e que pode ser facilmente assimilado. A cultura de um povo leva ao questionamento do lúdico no ensino. as primeiras ideias começaram através do jogo de enigmas sagrados segundo o qual era ao mesmo tempo um ritual e um divertimento festivo.

etc. é na educação infantil que as crianças são capazes de construir a aprendizagem através do brincar. como a imaginação. É nessa brincadeira que ela acaba aprendendo que o ensino pode e deve ser algo prazeroso e que aprender não implica em somente sentar ler e escrever em um ambiente propício a isso. a princípio. as escolas e centros de ensino. isto é. dentro de uma proposta pedagógica séria. assistir uma televisão. o levantamento de hipóteses. a interpretação. voluntária e consciente. elas poderiam cumprir suas funções pedagógicas. no desenvolvimento da motricidade fina e ampla. Fora da escola o indivíduo está inserido num meio social onde a informação impera e as distrações às vezes são: mexer em um computador. a tomada de decisão. quando vivenciamos conflitos numa competição. privilegiando a educação da criança em uma perspectiva criadora. 14 como se suas ações simbólicas servissem apenas para explorar e facilitar ao educador a transmissão de determinada visão do mundo. definida. Na visão de Campos (2011) o jogo. criando e imaginando . por sua vez. através de brincadeiras direcionadas. essa aprendizagem ocorre de maneira mais duradoura através dos brinquedos porque não é nada imposto e sim algo que toda criança gosta que seja manipular uma brincadeira. auxilia no processo ensino-aprendizagem. entendendo-se aí toda a prática cotidiana do aluno. visto que. ou seja. bem como no desenvolvimento de habilidades do pensamento. uma brincadeira em jogos eletrônicos onde ele está o tempo todo recebendo novas informações. pela instituição infantil. É realmente possível a aprendizagem através do lúdico. a obtenção e organização de dados e a aplicação dos fatos e dos princípios a novas situações que. o que mudar enriquecer e modificar suas ações ou não podem acabar piorando. É imprescindível enxergar com novos olhos o verdadeiro universo mágico e encantador do lúdico em sala de aula e consequentemente. Nessa perspectiva. nas suas diversas formas. tanto no desenvolvimento psicomotor. acontecem quando jogamos. quando obedecemos a regras. a criatividade. Wayskop (1995) aponta que se as instituições fossem organizadas em torno do brincar infantil.

A brincadeira envolve uma atitude positiva diante da vida. pelo contrário. é uma experiência que envolve o corpo. após o que a psicoterapia pode começar. a ele se integrando. é através da atividade lúdica que a criança se prepara para a vida. devem oportunizar condições para que por meio do desenvolvimento dessas atividades. ele deveria ser passado de forma suave. inscrever o gesto pessoal. vivido com muito prazer e alegria. Permite ainda desenvolver a tolerância à frustração. onde podemos fazer coisas. não simplesmente pensar ou desejar. de acordo com fantasia. ensinar como um “faz de conta”. algo precisa ser feito pra ajudá-lo a tornar-se capaz de brincar. cooperar com seus semelhantes e conviver como um ser social. Portanto. na posição não de meros transmissores de informações e conhecimentos sistemáticos. os objetos. de uma forma que chegue mais próximo ao mundo imaginário dessa criança. usar objetos da realidade externa que são transfigurados. mas como mediadores desses conhecimentos. adaptando-se às condições que o mundo lhe oferece e aprendendo a competir. . Nada é mais próximo que isso do ensinar brincando. um tempo e um espaço. Nessa perspectiva. canalizar a agressividade.” O conhecimento não deveria ser passado de forma tão rígida para que as crianças não se sentissem forçadas a gravar na mente. 15 situações de representações simbólicas entre o mundo real e o mundo a ser construído com base nas suas expectativas e anseios. os professores. A brincadeira é essencial porque nele o paciente manifesta sua criatividade. meio e fim. Quando o paciente não pode brincar. pois brincar é fazer. a do paciente e do terapeuta. é à base da capacidade de discriminação necessária ao processo de aprendizagem criativo que envolve a autoria e apropriação criativa de conhecimentos. É como a vida: tem início. a criança possa construir de forma autônoma o seu próprio conhecimento. assimilando a cultura do meio em que vive. Winnicott afirma que: “A psicoterapia é efetuada na superposição de duas áreas lúdicas.

favorecendo as novas descobertas que é o objetivo de uma atividade direcionada ao saber. As experiências sociais das crianças se estabelecem desde muito cedo e na sua vivência social e cultural diária que experimentam com os adultos e o mundo imposto por eles. A brincadeira é algo imprescindível para a formação da personalidade do indivíduo. no brinquedo. pois a criança será inserida no mundo adulto através dessas brincadeiras antevendo seus papéis na sociedade e seus valores futuros. entretanto. encorajando-a a desejar e relacionar seus desejos num “eu” fictício ao seu papel no jogo e suas próprias regras. a importância da brincadeira pode ser justiçada. ou seja. que pode ser totalmente desvinculado de situações reais. No brinquedo. enriquecendo e aprimorando sua personalidade e favorecendo o desenvolvimento cognitivo. uma contradição muito interessante surge. bem como seu universo psíquico proporcionado pelas atividades lúdicas. levando em consideração o meio social da qual está inserida e tanto pode ser um processo educacional como também uma atividade social integradora entre diversas culturas. Percebe-se assim que quando a criança expõe suas ideias através da brincadeira ela se envolve num mundo ilusório e imaginário onde seus desejos podem se tornar realizados. Conforme Vygotsky. por meio de brincadeiras ela pode se desenvolver socialmente. ela inclui. A imaginação será expandida através das habilidades conceituais que a criança adquiriu. já que. Isto caracteriza a natureza de transição da atividade do brinquedo: é um estágio entre as restrições puramente situacionais da primeira infância e o pensamento adulto. Para Vygotsky (1994) o brinquedo faz aparecer uma nova forma de desejo. a criança opera com significados desligados dos objetos e ações aos quais estão habitualmente vinculados. conhecendo seus deveres e seus direitos para um bom convívio social. ações reais e objetos reais. É possível verificar tal coisa na afirmativa abaixo: . 16 Através da ludicidade a criança se apropria do conhecimento de maneira prazerosa. A brincadeira acaba por ser o instrumento condutor que lhes colocará nesse meio sociocultural dos adultos. também. Em suas experiências de brincar colocam situações e desafios que estão além de sua vivência e do seu comportamento do dia-a-dia.

por exigir das crianças formas mais complexas de relacionamento com o mundo. fundamentada em conteúdos didáticos. A brincadeira como atividade social supõe. linguagem. observamos que vários pensadores tem a mesma linha de pensamento sobre o tema proposto. afeto. levando nossos educandos a aprendizagens mais significativas e duradouras. representação. sem que o educador agisse de . Assim. No início de sua concepção o conceito do aprender brincando era totalmente deturpado por profissionais despreparados e sem nenhuma formação do que significava essa nova teoria. o jogo em sala de aula poderia ser um riquíssimo suporte pedagógico para ser utilizado nas mais diversas disciplinas. O aluno era deixado livre com seu brinquedo para fazer suas descobertas a partir de suas próprias indagações. memória e outras funções cognitivas estão profundamente interligadas. o sociológico. A partir da Montessori começou-se a popularizar o conceito de “aprender brincando” muito utilizado em nossos dias de maneira inadequada e errônea. 17 Durante a brincadeira. o biológico. o psicológico que se juntam numa realidade simbólica criada pela própria criança mediando sua relação com o mundo real (não-fictício) e contribuindo para possíveis mudanças na história de quem brinca. Isso ocorre em virtude das características da brincadeira: a comunicação interpessoal que ela envolve não pode ser considerada “ao pé da letra”. Em uma visão um pouco mais ampla. os históricos. A brincadeira favorece o equilíbrio afetivo da criança e contribui para o processo de apropriação de signos sociais. partindo por Maria Montessori. os culturais. sempre com a mesma ideia sobre essa questão tão importante da infância. Cria condições para uma transformação significativa da consciência infantil. sua indução a uma constante negociação de regras e à transformação dos papéis assumidos pelos participantes faz com que seu enredo seja sempre imprevisível (OLIVEIRA). percepção. motricidade. está interligado a vários aspectos tais como: os sociais. onde o conhecimento seja significativo no dia a dia de nossas crianças. pois estimulam ao mesmo tempo a parte motora e cognitiva das crianças. Pois a brincadeira deve ser direcionada.

Portanto. sabemos que até mesmo em brincadeiras livres. . Desta forma. é através das brincadeiras descontraídas e prazerosas que também o adulto vai construir um novo tipo de conhecimento com a pouca experiência das crianças que encaram há todos os dias os mesmos desafios de aprender. ou seja. pois interage com o meio em que está. Contudo. 2. as crianças são passiveis de influencias lúdicas de seu cotidiano. Pode-se dizer que é o lúdico em ação. Mas. brinquedo e brincadeira relacionam-se diretamente com a criança e não se confundem com o jogo”. infelizmente os adultos que convivem e brincam com as crianças não se dão conta desse fato tão importante. 18 maneira a instigar a criança. Muitos desconsideram a brincadeira como promotora de aprendizagem. a saber. ao mergulhar na ação lúdica. onde o profissional não intervém no saber. Maria Montessori (1987) pontuou “O adulto e a criança devem se unir. Diante disso.2 O QUE É BRINCADEIRA? O contexto social da criança influencia fortemente no seu desenvolvimento. Para clarear essa grande confusão conceitual construída historicamente sobre a brincadeira. Kishimoto (2005) diz que: “A brincadeira é a ação que a criança desempenha ao concretizar as regras do jogo. onde este aprender pode ser simplesmente mais prazeroso. o adulto deve se fazer humilde e aprender a ser grande com criança”. teóricos e pesquisadores da área já reconheceram que a brincadeira é uma forma privilegiada de aprendizagem infantil porque as crianças trazem para suas brincadeiras sua visão de mundo carregada de descobertas. cada vez mais sobre o que ela podia manipular o conhecimento que ela poderia obter. a criança alcança um conhecimento significativo. tanto com outras crianças na escola como com adultos em sua casa. No entanto.

houve a ação da criança. por isso ele estimula a inteligência. ela está brincando. 2. experimenta e reinventa. ela é também uma aprendizagem social. podemos dizer que.3 O BRINQUEDO O brinquedo faz-se tão importante neste contexto infantil por ter a capacidade de instigar a imaginação da criança. identifica e diversifica os seres humanos em diferentes tempos e espaços. Seu mundo interior é enriquecido e cada vez mais . Para tanto. pois quando a criança executa as regras de um jogo. 19 A partir dessa conceituação. Assim. Com o brinquedo a criança reconhece as coisas. mas sim. para a criança. O brinquedo faz com que a criança solte sua imaginação e desenvolva a criatividade possibilitando o exercício da concentração. a brincadeira é uma atividade que. “uma criança que domina o mundo que a cerca é a criança que se esforça para agir neste mundo. analisa. e é através dele que a pedagogia interage com o lúdico no sentido de também educar. descobre mais. proporcionando desafios e motivação. a brincadeira é a materialização do pensamento lúdico. É também uma forma de ação que contribui para a construção da vida social coletiva. da atenção e do engajamento. promovê-la. A brincadeira é patrimônio e prática social que cria laços de solidariedade e de comunhão entre os sujeitos que dela participam. ao mesmo tempo. compara e cria. 1991)”. utiliza objetos substitutos aos quais confere significados diferentes daqueles que se normalmente possuem. portanto declarar a brincadeira como uma ação importante para a criança exige mais do que somente permiti-la. O brinquedo simbólico e o pensamento estão separados dos objetos e a ação surge das ideias então das coisas (VYGOTSKY. A brincadeira está longe de ser somente uma atividade natural da criança no seu dia-a-dia.

a criatividade. É na magia do brinquedo que a criança desenvolve a autoestima. condutas e comportamentos socialmente significativos nas ações infantis. E essas abordagens não ajudam a compreender o papel do brinquedo no desenvolvimento posterior. as capacidades sensório- motor. de forma que se torna essencial mostrar o papel da motivação no brinquedo. sem nenhuma característica que considere específica. o brinquedo como álgebra. 20 pode se comunicar com o mundo que a cerca. o brinquedo oferece suporte que não produzirá somente novos significados. mas transmite um significado social e simbólico. a confiança.” “Pode acreditar que o brinquedo não é uma ação simbólica no sentido próprio do termo. pois ao manipulá-lo a criança está aprendendo de maneira prazerosa e significativa e ainda está lhe propiciando meios que venham ajudá-la psicologicamente. isto é. pois a variedade de situações que ele possibilita pode favorecer a aquisição de novos conceitos. Os brinquedos também estimulam a percepção. diminuindo seu sentimento de impotência. Portanto. O brinquedo oferece uma ótima oportunidade de fazer a criança desenvolver sua linguagem verbal. O apoio do brinquedo também favorece a construção dos valores e a formação do indivíduo. Diante desta concepção Kishimoto apresenta uma visão contemporânea (1999): . (Vygotsky. Na concepção Vygotskyana. 1994)”. o brinquedo é a forma mais completa que a criança tem de ser comunicar consigo mesma e com o mundo. assimilando seus códigos e o brinquedo torna-se o objeto mediador da comunicação entre a sociedade e a criança. a imaginação. a sensopercepção. o controle. “se o brinquedo é entendido como simbólico existe o perigo de que ele possa vir ser considerado como uma atividade semelhante à álgebra. a cooperação e o relacionamento interpessoal. poderia ser considerado como um sistema de signos que generalizam a realidade. A criança se socializa através da integração dela com o objeto e o ambiente cultural que a rodeia. suavizando o impacto provocado pelo tamanho e pela força dos adultos.

além de aumentarem o repertório de conhecimento da criança.. do prazer e a capacidade de ação motivadora. Como exemplos. A presença destes pequenos objetos no universo da criança. 1999)”. para se compreender a relevância das construções é necessário considerar tanto a fala como a . Usar o jogo na educação infantil significa transportar para o campo do ensino- aprendizagem condições para facilitar a construção do conhecimento. e facilitam o processo de simbolização e proporcionam experiências que. estimulando a criatividade e desenvolvendo habilidades na criança. O faz de conta dá oportunidades para expressão e elaboração em forma simbólica de desejos e conflitos. maiores serão suas chances de ajustamento do mundo ao seu redor. pegar e morder são valiosos para as estimulações sensorial e motora da criança. Brinquedos pedagógicos: costuma-se chamar brinquedo pedagógico ao que foi fabricado com objetivo de proporcionar determinadas aprendizagens. chamando sua atenção e despertando seus sentidos é uma contribuição importante para seu desenvolvimento. Ainda segundo Kishimoto (1996) os brinquedos devem ser comprados de acordo com a idade. quanto mais rica for a fantasia e a imaginação da criança. (Kishimoto. também com o auxílio de concepções. favorecem a compreensão de atribuições e de papéis. as mobílias infantis. as fantasias. ou ouvir. tais como cores. brinquedos para olhar. que reconhecem o papel de brinquedos e brincadeiras no desenvolvimento e na construção do conhecimento infantil. 21 “Hoje a imagem de infância é enriquecida. Brinquedos do faz de conta: funcionam como elementos introdutórios e de apoio à fantasia. introduzindo as propriedades do lúdico. psicológicas e pedagógicas. os teatrinhos e outros. os fantoches. Kishimoto classifica-os como: Brinquedos de berço: móbiles. etc. a capacidade e a área de interesse para a criança. formas geométricas. letras. chocalhos.. números. podemos citar as bonecas. bichinhos de vinil. Brinquedos de construção: servem para enriquecer a experiência social. os carrinhos.

a brincadeira tradicional tem a função de perpetuar a cultura infantil. mitos rituais religiosos. como elas adquirem tais temas e como o mundo real contribui para a sua construção. Sabe-se apenas.4 A BRINCADEIRA NA PRÁTICA DOCENTE A utilização de jogos pode auxiliar e muito a prática docente. . 22 ação da criança e também considerar as ideias presentes em tais representações. que provem de práticas abandonadas por adultos. as organiza de forma a ser aproveitada de maneira mais eficiente e significativa para seus educandos. Ainda hoje vemos que muito se tem para fazer em relação a quebra de paradigmas anteriormente estabelecidos e veiculados a um descrédito de tais profissionais que utilizam essa prática pedagógica. incluir um planejamento das ações lúdicas se faz necessário para que o professor não perca a essência do que a brincadeira pode oferecer ao aluno em termos de conhecimento significativo e duradouro. Portanto. a ludicidade vem resgatar esta questão na íntegra. especialmente quando o educador direciona suas ações. desenvolver formas de convivências sociais e permitir o prazer de brincar. Em uma sociedade onde até mesmo nas escolas se espera do aluno que sua produção acadêmica seja exemplar em termos de exercícios e quantidade de tarefas e não em uma aprendizagem onde ocorra o conhecimento na forma e no tempo do aluno. de fragmentos de romances. 2. Este caminho para a construção do conhecimento requer do profissional de educação muita disciplina para fazer com que seu jogo funcione. seus criadores são anônimos. poesias. a brincadeira tradicional infantil assume características de anonimato e tradicionalismo. Brincadeiras tradicionais: estes são filiados ao folclore. considerada como parte da cultura popular por ser um elemento folclórico. É extremamente importante reconhecer que a ludicidade na prática docente não basta para garantir uma prática lúdica de qualidade. ou seja. Enquanto manifestações livres e espontâneas da cultura popular.

para saber em qual aspecto deve mudar de estratégia para uma próxima confecção de atividade lúdica. afetivo e intelectual de nossos educandos. a brincadeira e o jogo. entre outras produções culturais. ou seja. a dança. que reconhece a ludicidade como comportamento social da criança. a ressignificação e a reelaboração da cultura pelas próprias crianças. Brincar auxilia o desenvolvimento físico. ao trabalho com os conhecimentos específicos. que foi a consolidação de uma aprendizagem mais significativa ocorreu de maneira esperada. nosso objetivo não é que a brincadeira saia perfeita sem nenhuma interrupção e sim se nosso objetivo proposto. as artes plásticas e a literatura. A infância é um período em que a criança está se construindo culturalmente e a brincadeira assume uma importância fundamental como forma de participação social e como atividade que possibilita a apropriação. Ao incorporar o lúdico no trabalho com os conteúdos específicos o professor apropria-se de diferentes formas de argumentar. a música. registrar e comunicar seus saberes por meio de suportes relacionados à própria ludicidade. 23 Como todo processo na educação. a avaliação também deve se fazer presente neste suporte pedagógico. o currículo da Educação Infantil deve integrar a brincadeira. mental. Incluir o lúdico no fazer educacional. . além de uma necessidade básica de toda a criança. Então. 2. integra-se na sociedade e constrói a partir daí seu próprio conhecimento. Devemos avaliar de um ângulo um pouco diferenciado este trabalho. social. contribui para a construção de uma sociedade brincante. pois a criança cria conceitos e relaciona ideias. Assim como em todo processo de avaliação o educador deve também rever sua prática pontuando os pontos positivos e negativos da atividade planejada utilizada anteriormente. estabelece relações lógicas.5 O LÚDICO NA EDUCAÇÃO INFANTIL O trabalho com o lúdico no âmbito escolar não pode ser desvinculado de um significado.

aconchego e acolhida. professores e pais. conservação e recriação do repertório lúdico infantil. A seleção dos brinquedos nessa fase envolve diversos aspectos: ser durável. a criança da Educação Infantil inicia sua vida escolar sem sofrer um desapego da sua infância. Assim. tendo suas brincadeiras agora com uma apropriação de conhecimentos. A interação entre criança e ambiente: a organização do ambiente facilita ou dificulta a realização das brincadeiras e das interações entre as crianças e adultos. estabelecendo associações e significações que ampliam suas possibilidades de aprendizagem. apropriado a diversos usos. ampliar oportunidades para brincar. o educador poderá ampliar e enriquecer as possibilidades de ações lúdicas ao trabalho com os vários suportes pedagógicos relacionados aa brincadeira. Interação com as crianças: a brincadeira com outras crianças garante a produção. atender à diversidade racial. classe social e etnia. Interação com os brinquedos e materiais: é essencial para o conhecimento do mundo dos objetos. proporciona aos espaços da Educação Infantil alegria. os eixos norteadores das práticas pedagógicas devem ser as interações e a brincadeira. atraente e adequado. artesanais e produzidos pelas crianças. garantir a segurança. ao jogo. incluir diversidade de materiais e tipos: industrializados. motivando sua autoria e autonomia na formação de grupos e construção de suas brincadeiras. indicando que não se pode pensar na brincadeira sem interações: Interação com a professora: a brincadeira interativa na escola é essencial para o conhecimento do mundo social e para dar maior riqueza. A organização dos espaços de forma a disponibilizar brinquedos e materiais para as crianças. não estimular a violência. complexidade e qualidade às brincadeiras. não conter preconceitos de gênero. de forma a apoiar os movimentos e as relações sociais das crianças. . à brincadeira. De acordo com o artigo 9º. A análise da brincadeira na Educação Infantil será efetuada de acordo com os artigos 9º ao 12º das Diretrizes Curriculares de Educação Infantil. oferecendo diferentes possibilidades de interação. 24 Assim.

de constituição de identidades e subjetividades. . imaginação. os espaços de Educação Infantil devem garantir às crianças tanto suas necessidades básicas físicas e emocionais quanto às de participação social de troca e interações. para que este seja parte integrante do processo educativo. através da brincadeira. a família e a criança: a relação entre a instituição e a família possibilita o conhecimento e a inclusão da cultura popular que inclui os brinquedos e brincadeiras que a criança conhece no projeto pedagógico. devendo ser incentivado. garantido e enriquecido com alegria. Enfim. de ampliação progressiva de experiências e conhecimentos sobre o mundo. 25 As interações (relações) entre a instituição. participação e cooperação. transgressão.

2007. (SEVERINO. a metodologia científica é um conjunto de métodos pelos quais se torna plausível o desenvolvimento dos artifícios necessários para o alcance de um determinado objetivo. 26 3 METODOLOGIA Para êxito desta pesquisa fez-se necessário o uso da metodologia científica como forma de garantir o alcance dos resultados esperados. que apresenta como vantagens. Este trabalho trata-se de uma pesquisa de abordagem qualitativa. com a sua criatividade. explicar. Para Gerhardt e Silveira (2009). o aprofundamento da pesquisa buscando compreender o contexto do fato. e oposição ao pressuposto que . “Aí entra em ação novamente o poder lógico da razão. pág. respeito ao caráter interativo entre os objetivos buscados pelos investigadores. compreender. O problema se formula então como a questão pela causa dos fenômenos observados. que formula uma hipótese. levando em consideração os métodos e os tipos de pesquisa a serem realizadas. segundo Polit et al (2004). destaca o individual como forma de tentar compreender e comentar as experiências. Para Fiorese (2003). Assim. coleta dados sem instrumentos formais estruturados. identificar. qual a relação causal constante entre eles. observância das diferenças entre o mundo social e o mundo natural. suas orientações teóricas e seus dados empíricos. recisão das relações entre o global e o local em determinado fenômeno.103). não tenta controlar o objeto da pesquisa. busca de resultados os mais fidedignos possíveis. hierarquização das ações de descrever. analisa as informações registradas de forma organizada. afirma que a pesquisa científica é a exploração. pode se dizer que a metodologia é o caminho que o pesquisador irá utilizar para chegar ao seu destino. encontrar e compreender os casos que estão implantados em uma determinada realidade. Desta forma a pesquisa exige de seu executor certa formalidade. o questionamento e é o artifício ordenado e claro que tem por fim. 102) no método científico “não basta ver é preciso olhar. Para Severino (2007. propõe uma determinada relação causal como explicação”. mas captar o máximo possível de dados. Barros e Lehfeld (2003). pág.” observar um problema já identificado de forma racional. ou seja. as características da pesquisa qualitativa são: Objetivação do fenômeno.

2009. A pesquisa foi realizada Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Ana Joaquina de Carvalho. Gerhardt e Silveira (2009. esta pesquisa é exploratória. A escola oferece atualmente as modalidades de ensino: pré-escola e anos iniciais do ensino fundamental e funciona nos turnos matutino e vespertino. o que corresponde a um espaço mais profundo das relações e dos fenômenos e que não pode ser reduzida a operacionalização de variáveis. aspirações. Ainda nesse sentido. documentos instrumentais. o que possibilitou um bom alcance dos resultados.” Quanto ao tipo de abordagem. Os procedimentos utilizados para o alcance dos resultados foram: pesquisa bibliográfica. tem sua importância para o campo das ciências sociais e humanas por possibilitar a observação do indivíduo pesquisado. 27 defende um modelo único de pesquisa para todas as ciências. pág. periódicos. (Gerhardt e Silveira. valores e atitudes. na localidade Beirute. enfatiza a importância da pesquisa qualitativa a descrever que a mesma trabalha com “o universo de significado. através da análise documental e aplicação de entrevistas. um orientador pedagógico e uma secretario escolar. motivo. O estudo de caso por sua vez. amplia. estudo de caso e pesquisa de campo. localizada na zona rural de Esperantina. revistas e artigos. Neste sentido fez se a análise de obras. contribuindo com os objetivos propostos. 32) Desta forma. buscando garantir o embasamento teórico para a pesquisa. a mesma foi fundada em 1978. acredita que a pesquisa qualitativa. produzindo maior familiaridade com um problema. Pág 31) apud Minayo (2001). A pesquisa bibliográfica conforme cita Fonseca (2002) é realizada através do levantamento de referências teóricas já analisadas e publicadas sejam por meios eletrônicos ou escritos. explana e transforma opiniões. crenças. pois conforme cita Gil (1991). tendo como produto final o esclarecimento de um problema. mediante métodos sistematizados. será importante e poderá fornecer a metodologia necessária para o alcance dos resultados propostos neste trabalho científico. . A equipe gestora da escola e composta por uma diretora.

o que permitiu gerar bons momentos de reflexão. fez-se uso da pesquisa bibliográfica. 01 sala de professores. foram utilizados os seguintes os seguintes instrumentos de coleta de dados: Pesquisa Bibliográfica. Aplicação de Questionário. A pesquisa trata-se de um estudo de caso acerca da importância do lúdico no processo de ensino-aprendizagem de uma escola pública do município de Esperantina- PI. Os muros e as pinturas da escola estão um pouco precários precisando de alguns reparos. Os dados alcançados durante a observação foram apresentados neste trabalho. Durante o estágio curricular foi utilizado a metodologia de estudo de caso. 28 A estrutura física da escola está dividida em 12 ambientes sendo estes: 05 salas de aula. 01 refeitório. . através da observação das práticas lúdicas e da satisfação das crianças em aprender a partir da brincadeira. Na fundamentação teórica. Desta forma. como forma de fundamentar a referida pesquisa e compreender sobre a importância do lúdico para a aprendizagem na educação infantil. 01 sala de direção e secretaria. 01 cozinha. O objetivo da aplicação da entrevista de maneira informal foi proporcionar um momento de reflexão mais próximo possível da realidade cotidiana sobre as ações dos professores durante as aulas e verificar opiniões dos profissionais sobre a temática. Observação de Atividades e Estudo de Caso. Foram sujeitos da pesquisa: 01 professora e 23 alunos da educação infantil. através de relato no tópico de análise e discussão dos resultados. 01 cantina e 02 banheiros. enriquecedores para a observação e elaboração deste trabalho.

Desta forma. A turma da Educação Infantil pesquisada era composta por 01 professora e 23 alunos com idade entre 04 e 05 anos. . estava em sala de aula há 06 anos. a presença dos cânticos. ela respondeu que era licenciada em pedagogia e especialista em Educação Infantil. Durante o estudo de caso foi possível diagnosticar a utilização de diversas atividades processo educativo. No ensino de português. A professora foi entrevistada durante a realização da pesquisa. 29 4 ANÁLISE DOS RESULTADOS A pesquisa foi realizada junto a uma turma da Educação Infantil da Escola Municipal Ana Joaquina de Carvalho. gravuras e colagem de figuras e o uso de dado e dominó no ensino da matemática. Citou como práticas lúdicas comumente realizadas em sala de aula: alfabetização com letras presas em prendedores. Notou-se que as crianças eram impulsionadas a aprender e fazia do ensino um momento prazeroso entre elas. bem como o grau de satisfação das crianças em aprender a partir da brincadeira. onde o aluno ia pendurando as sílabas até formar uma palavra. danças e jogos é continuo e em quase todas as atividades a professora fez uso destas práticas na abertura das atividades. segundo a mesma. algumas músicas onde o aluno é incentivado a fazer gestos com as mãos e os pés integrando-se com os demais colegas da sala de aula. foi requerido que a mesma comentasse sobre as atividades lúdicas realizadas em sala de aula. Questionou-se sobre a sua experiência em sala de aula. Perguntou-se sobre a sua formação acadêmica. pode-se perceber a utilização de um varal de palavras. fazendo parte do processo educativo. A aula inicia geralmente. Disse considerar importantes sendo que são fundamentais para o desenvolvimento da criança. Durante o estágio foi feito a observação das práticas lúdicas e dos seus efeitos sobre o processo de ensino aprendizagem.

Para o desenvolvimento cognitivo e motor são utilizadas cantigas de rodas. A sala é composta por alunos agitados. cantigas de rodas. o lúdico é muito eficaz no processo de ensino aprendizagem. são utilizados jogos de raciocínio lógico. . sendo recomendado a sua utilização nas classes de Educação Infantil e séries iniciais do Ensino Fundamental. Observou-se que a professora consegue atrair a atenção das crianças durante a realização das atividades lúdicas. pintura de desenhos e colagem de figuras e apresentação oral de histórias sobre amor. são utilizadas. perdão e solidariedade. ciências e geografia. brincadeiras e danças. há poucas brigas e discussão durante a aprendizagem. e que as os resultados destas são significativamente melhores do que as de crianças sem acesso a métodos lúdicos de aprendizagem. apresentação de filmes. com a utilização de pinturas e desenhos para descrever localidades. além do teatro de fantoche. brincadeira como pega e esconde-esconde etc. Para o ensino da matemática. o que torna imprescindível o uso de metodologias que possibilita a concentração dos alunos durante o processo de ensino aprendizagem. No ensino de religião. as crianças demonstram satisfação em aprender a partir da brincadeira. cantigas de roda e apresentação de filmes infantil na sala de vídeo. 30 Notou-se a utilização do lúdico no ensino da matemática. Verificou-se há uma parceria e um relacionamento amigável entre a professora e os alunos. Logo. Observou-se que toda criança gosta de brincar e que o lúdico possibilita a criança aprender enquanto brinca o que produz satisfação e prazer na aprendizagem. as quais foram facilmente contornadas pela professora através do diálogo. Para o desenvolvimento da linguagem e expressão. é utilizado o teatro com fantoches. as brincadeiras fazem parte do processo de ensino aprendizagem. o índice de satisfação é alto. com a utilização de jogos de dominó e dado para ensinar e no ensino de geografia. Em diversos momentos a professora faz uso do mesmo. danças.

considerando a idade da criança e o processo de construção do conhecimento. a brincadeira. O lúdico está presente em todas as fases da vida do ser humano. 31 5 CONSIDERAÇÕES FINAIS É preciso refletir sobre a necessidade de se inserir uma metodologia ativa baseada em brinquedos e brincadeiras. de forma que a aprendizagem seja plena. ficar insatisfeitas e entristecida e logo não se desenvolver plenamente. É um assunto que tem conquistado espaço nas mais diversas áreas do conhecimento. pois criatividade e autonomia se desenvolvem quando se propicia à criança um ambiente familiar e escolar que favorecem essas características. portanto. . motor e afetivo. música e contos possibilitam ao aluno o desenvolvimento cognitivo. considera-se muito insatisfatório a ideia de uma metodologia rígida de ensino. a inserção das atividades lúdicas nas práticas escolares é um grande desafio. jogos. Acredita-se que a criança aprende muito mais quando brinca. as quais o professor e a escolar devem aceitar como forma inovar no ensino e prender a atenção do aluno por meios prazerosos de aprendizagem. a brincadeira é. Logo. onde o aluno é como uma folha em branco que precisa ser preenchida e o professor é o detentor do conhecimento. a criança que não brinca tende a ter dificuldade de concentrar-se no ensino. sem o uso do lúdico. No que se refere a educação infantil. para a aquisição do conhecimento. foi possível verificar a importância da utilização do lúdico em sala de aula. uma ferramenta eficiente de ensino- aprendizagem. em especial na infância que é uma fase tão importante. logo. Durante a realização do estudo de caso. Os alunos demonstram satisfação em aprender através do lúdico. possibilita a professora atrair a atenção dos mesmos. respeitando-se assim sua predisposição natural. pois é nela que moldamos o caráter e a personalidade do indivíduo. Verificou-se que a turma é formada por alunos agitados e que a utilização do lúdico. pois o brincar faz parte da formação do cotidiano da criança. na Educação Infantil. isto porque. A escola e a professora que faz uso do lúdico na sua metodologia de ensino tende a apresentar muito mais êxito do que as práticas tradicionais e rudimentares de ensino.

32 .

. S. Rio de Janeiro: Imprensa Oficial. M. BHERING. BRASIL. 2009. n. M. São Paulo: Atlas. A. Aprendendo através da brincadeira. . GERHARDT. 2005.. – Porto Alegre: Editora da UFRGS. Editora Atlas 5ª Ed. S. UNBEHAUM. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Norma Brasileira. 1995. VALL. BAQUERO. Brasília: MEC/SEC. brincadeira e a educação. 9050. LDB 9394/96. A. Parâmetros Curriculares Nacionais. KISHIMOTO. A. Revista Educação e Pesquisa. T. D. Campinas: Papirus. ANTUNES. 220p.T. Secretaria de Educação Fundamental./abr. Ande. GIMENES. CAMPOS. Constituição Federal Brasileira. ABUCHAIM. 2011 CARNEIRO. J. 2003. B. M. 1998. Métodos de Pesquisa. B. Apostila. GIL. Jogos para a estimulação das múltiplas inteligências: os jogos e os parâmetros curriculares nacionais. 15-33. ao 13. BRASIL. N. J. e LEHFELD. 2 Ed. 2000. Fundamentos de Metodologia: Um Guia para a Iniciação Científica. 1998. Estatuto da criança e do adolescente: Lei federal nº 8069. T.C.. N. 2001. Y. Cortez Editores. 2002. São Paulo. SILVEIRA. Jogo. Cortez editora. Porto Alegre: Artes Médicas. M. A. R... 33 REFERÊNCIAS ABNT NBR 9050:2004. Vygotsky e a aprendizagem escolar. S. 2002. ABNT NBR. B.1. de 13 de julho de 1990. São Paulo: Makron Books. v.. Metodologia da pesquisa científica. BRASIL. C. Fortaleza: UEC. 97 páginas. São Paulo: 2010. jan. Ricardo. BARROS. brinquedo. E. FONSECA. E. J. Revista da Associação Nacional de Educação. BHERING. Como Elaborar Projetos de Pesquisa.. BRASIL. S. A contribuição da educação infantil de qualidade e seus impactos no início do ensino fundamental. de 20 de dezembro de1996. 5ºed São Paulo. nº 21.37.

] (Org. 2004 OLIVEIRA. VYGOTSKY. B. D. 2012.. de. O jogo e a educação infantil. P. C.. SUZUKI. E. 34 KISHIMOTO. Educação Para a Paz. T. R. C. 2007. HUNGLER. S. 2013. 2. E atual. Pioneira. S A formação social da mente. 1975. Aprendizagem. ed. VYGOTSKY. TEIXEIRA. F. A ludicidade na escola. VYGOTSKY . São Paulo.) Pesquisa social: teoria. OLIVEIRA. J.1994.W. MINAYO. de S. PFAFF. de. Z. de Ana Thorell. . Editora Papirus. 1989. Maria. 2002. K. São Paulo: Ícone. São Paulo: Loyola. 5. São Paulo: Scipione. RJ: Vozes. Metodologia da Pesquisa Qualitativa em Educação. M. 1ª ed. [et al. método e criatividade. 2010. L. ed. A. Rio de Janeiro: Imago Editora. SEVERINO. M. Juliana Telles Faria. WELLER. Petrópolis. São Paulo: Cortez. São Paulo: Pearson Education do Brasil. D. A brincadeira e a realidade. Fundamentos da pesquisa. 2004. 1995. Campinas. 2002. N. W. Ludicidade e educação. São Paulo: Martins Fontes. C. Tizuko M. MONTESSORI. ed. Ver. L. POLIT. J. Trad.. – São Paulo: Cortez. Metodologia do Trabalho Científico. Porto Alegre: Artmed. Educação Infantil: fundamentos e métodos.Aprendizado e desenvolvimento: Um processo sócio histórico. BECK. 2. 23 ed. Rio de Janeiro: Vozes. desenvolvimento e linguagem. 1998. WINNICOTT.

Como são feitos os planejamentos de ensino? E o que você acha deles? ( ) Anual ( ) Semestral ( ) Trimestral ( ) Bimestral ( ) Semanal ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ . Você trabalha a muito tempo nesta instituição? ( ) sim ( ) não 4. Qual sua formação acadêmica? ( ) Ensino Médio ( ) Ensino Superior ( ) Ensino Superior incompleto ( ) Especialização _________________________ 2. Qual o tempo de docência na educação Infantil? ( ) 1 a 2 anos ( ) 3 a 4 anos ( ) 5 a 6 anos ( ) 7 a 8 anos ( ) acima de 9 anos 3. 35 APENDICE – INSTRUMENTO DE PESQUISA Questionário 1.

Para você as brincadeiras e jogos fazem parte do desenvolvimento da criança? ( ) Sim ( ) Não 8. Como as brincadeiras são trabalhas para que haja a socialização? ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 9. 36 5. Você trabalha nesse ano letivo com alunos de qual idade? ( ) 2 anos e meio ( ) 3 anos ( ) 4 anos ( ) 5 anos 7. Como é a participação da família na vida escola dos alunos dessa escola? Eles são presentes na escola? ( ) Sim ( ) Não ( ) Às vezes ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 6. Você tem alguma dificuldade de trabalhar com brincadeiras e jogos? Cite algumas? ( ) Sim ( ) Não ( ) Às vezes .

Na escola tem salas amplas para que os alunos fiquem confortáveis enquanto estão desenvolvendo atividades lúdicas? ( ) Sim ( ) Não . sociedade e linguagem oral? ( ) Sim ( ) Não ( ) Às vezes 12. 37 ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 10. Nesta escola tem material de apoio aos docentes? Cite alguns? ( ) Sim ( ) Não ( ) Poucos 13. natureza. Dê sua opinião sobre o lúdico na Educação Infantil. ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ ______________________________________________________________________ 11. Você trabalha os jogos de acordo com os conteúdos de matemática.