Você está na página 1de 87

1

Tai Chi
Rotina Līn Lĭ Wĕi

Levis Litz
林理伟
2

WWW.FOTOSERUMOS.COM/TAICHI
Caixa Postal 2233.
Curitiba – Paraná
CEP: 8001-970

________________________________________

Litz, Levis
Tai Chi: Rotina Lin Li Wei

Curitiba: LL, 2007.

81p.; 21cm – ilustrado.

1. História
2. Expressão corporal - prática
3. Arte marcial chinesa – aplicação e benefícios

1. Título.
________________________________________

2007

Todos os direitos reservados.


3

Sumário
Apresentação ...................................................................................................................... 5
Rotina de Prática Básica - Lin Li Wei - 林理伟 ................................................................. 6
Aquecimento ...................................................................................................................... 7
Pa Tuan Chin (Ba Duan Jin) 八段錦 .................................................................................. 9
Os 8 exercícios do Pa Tuan Chin ....................................................................................... 12
Abraçar a árvore ................................................................................................................. 16
A Postura de Abraçar a Árvore no Tai Chi Estilo Pai Lin ................................................. 17
Chi Kung (Qì Gōng)气功 ................................................................................................ 18
Tai Chi Chi Kung – Shi Ba Shi 太极气功十八式 ............................................................. 20
Chi Kung – 8 exercícios ..................................................................................................... 29
Resfriamento & Tapotagem ............................................................................................... 30
Tai Chi Chuan (Tài Jí Quán) 太极拳 ................................................................................. 31
Interpretação do Termo “Tai Chi Chuan”........................................................................... 32
Estilos Tradicionais de Tai Chi Chuan ............................................................................... 33
História do Tai Chi ............................................................................................................. 35
Arte marcial ou prática para a saúde? ................................................................................ 38
Benefícios da prática .......................................................................................................... 40
Tai Chi Chuan no Brasil ..................................................................................................... 42
Os 10 Princípios Essenciais na Prática do Tai Chi ............................................................. 43
Tai Chi Chuan: Forma do Pequeno Círculo ....................................................................... 47
Tai Chi Chuan: Forma de Pequim ...................................................................................... 51
Meditação e o Tai Chi ........................................................................................................ 55
O Tai Chi de cada um ......................................................................................................... 57
O Cumprimento Marcial - Chin Li ..................................................................................... 59
Os Passos Mágicos ............................................................................................................. 61
Pa Kua Chang (Bā Guà Zhǎng) 八卦掌 ..............................................................................63
Para entender a escrita chinesa: Tai Chi Chuan ou Tai Ji Quan? ....................................... 65
Yin e Yang 陰 陽 ................................................................................................................ 68
A Respiração e o Tai Chi ....................................................................................................71
Tan Tien ..............................................................................................................................73
Medicina Tradicional Chinesa ............................................................................................ 75
I Ching ................................................................................................................................ 80
Tai Chi Chuan, Meditação e Movimento – Poesia ............................................................. 84
Referências & Indicações ................................................................................................... 85
4

Agradecimentos

Acredito, assim como o filósofo alemão Leibniz, que somos uma mônada,
substância simples, ativa e indivisível de que todos os seres são formados e que pela
percepção representamos, refletimos e fazemos parte de todas as coisas do universo.

Nesse contexto, que todas as referências e indicações ao longo desta obra sejam
interpretados com menção de meu sincero agradecimento aos que compartilharam seus
conhecimentos para a realização deste livro, em especial também sou grato...

☯ aos meus caros alunos e companheiros de Tai Chi Chuan – de ontem e de hoje;
☯ ao meu primeiro professor de Tai Chi Chuan (Pai Lin) nos anos 80: Cézar (São
Paulo);
☯ ao meu primeiro professor de Tai Chi Chuan (Forma de Pequim – 24
movimentos e Forma Longa Yang – 108): Bruno Davanzo;
☯ ao meu primeiro professor de chinês (mandarim) e praticante de Chi Kung e Tai
Chi Chuan: Jiang Shih Wu;
☯ ao meu atual professor de chinês (mandarim) e praticante de Chi Kung: Chang
Yuan Chiang;
☯ a, sempre prestativa, professora de Tai Chi Chi Kung: Jiang Xiu Lien;
☯ ao meu professor de Pa Kua e Tai Chi Espada da Linhagem Taoísta da
Montanha Dourada: José Onofre;
☯ a professora de arte corporal chinesa: Lídia Vaz Nunes;
☯ ao médico, pianista, homeopata, acupunturista e meu professor de Tai Chi
Espada (Forma Combinada – 32 movimentos): dr. Carlos Assis;
☯ ao professor de Chi Kung e praticante de Tai Chi Chuan: Anderson Rosa;
☯ ao professor de Tai Chi Chuan: Sergio Luiz Villasboas;
☯ a professora de arte corporal chinesa: Angela Soci;
☯ a praticante de Tai Chi Chuan (Estilo Chen – 37 movimentos): Zhang Xiao Ru;
☯ a psicóloga, cantora lírica e adepta do Tai Chi Chuan: Emerli Schlögl;
☯ a professora de História e minha esposa: Valesca Giordano Litz.
5

Apresentação
Este livro é uma publicação dirigida especialmente aos meus alunos de Tai Chi
Chuan, por isso não tem caráter comercial. Foi escrito, composto e compilado de inúmeras
fontes com o objetivo de ser uma ferramenta complementar das minhas aulas, que
compreende uma série de exercícios e técnicas.

Embasado na pesquisa e prática dos ensinamentos propagados pelos mestres e


praticantes experientes de Tai Chi, esta obra traz traduções, descrições, benefícios,
aplicações e informações teóricas e práticas.

Além de auxiliar na memorização da parte prática, ao final de cada capítulo há uma


lista com referências e indicações de livros, páginas na Internet, fotos, vídeos, entre outros,
reunidos de diversas fontes. Esta obra (básica) não apresenta minhas experiências com o
Tai Chi Estilo Chen, Tai Chi Espada, Tai Chi Leque e o Chi Kung Avançado.

As descrições aqui apresentadas são acentuadas em alguns pontos, pois sabemos da


dificuldade em aprender Tai Chi por meio de um livro, por mais bem explicado e ilustrado
que ele seja. Assim, se esse livro caiu nas suas mãos e você não for um aluno praticante de
Tai Chi, é muito importante que você procure um orientador competente, pois as técnicas e
sugestões apresentadas neste livro não visam substituir a orientação do professor. Na
página da Internet: www.fotoserumos.com/aipt_locais.htm tem uma lista de locais de prática de
Tai Chi por todo o Brasil que você pode escolher, visitar e começar a praticar.

A idéia de escrever este livro e enriquecê-lo com os ensinamentos de outros


praticantes foi para inspirar, orientar e instigar o aluno de Tai Chi a aprofundar seus
conhecimentos e explorar seus horizontes.

Boa prática!

Levis Litz
林理伟
www.fotoserumos.com/levislitz
6

Rotina de Prática Básica


Lin Li Wei - 林理伟

A rotina de prática básica do quadro abaixo serve apenas


como uma referência; foi elaborada para orientar o praticante
durante seus exercícios e pode ser feita separadamente e
com um número de repetições e tempo maiores ou menores.

Seria adequado praticar duas vezes ao dia, mas, na impossibilidade,


qualquer prática é melhor do que nenhuma.
O importante é estar ciente que a freqüência é que fará
a diferença em nossa saúde e qualidade de vida.

Prática Número de Repetições ou Tempo


Aquecimento – 7 exercícios 8 giros (voltas) para cada lado
Pa Tuan Tin – 8 exercícios oito vezes cada exercício
Tapotagem nos braços bater 8 vezes
Abraçar a árvore – Chi Kung Estático ficar imóvel de 1 a 30 minutos
Tai Chi Chi Kung – Shi Ba Shi – 18 exercícios 8 vezes cada exercício
Chi Kung – 8 exercícios 8 vezes cada exercício
Resfriamento bater, socar e cruzar 36 vezes
Tai Chi Chuan – Forma do Pequeno Círculo fazer três vezes
Tai Chi Chuan – Forma de Pequim fazer três vezes
Tai Chi Chuan – Seu estilo 5 minutos
Os Passos Mágicos – 8 passos fazer o circuito completo 8 vezes
Pa Kua Chan – Primeira Palma 8 passos para cada lado: 3 vezes
7

Aquecimento

. Girar o pescoço
Prática: em pé, deixar os pés separados na largura dos ombros e virados para a frente; colocar as
mãos na cintura; relaxar os ombros e os braços; girar o pescoço suavemente com os olhos abertos;
repetir o movimento no sentido contrário; ao terminar ficar imóvel por alguns segundos antes de
passar para o exercício seguinte. Objetivo: aliviar a tensão do pescoço.

. Girar os ombros
Prática: em pé, deixar os pés separados na largura dos ombros e virados para a frente; levantar
lentamente primeiro um ombro girando-os para trás, depois o outro ombro, num ritmo confortável,
sem forçar a respiração ou os movimentos; ficar imóvel por alguns segundos para relaxar. Objetivo:
aliviar a tensão dos ombros.

. Chacoalhar as mãos
Prática: em pé, deixar os pés separados na largura dos ombros e virados para a frente; erguer as
mãos à frente do abdômen; chacoalhar as mãos de forma circular, desde os pulsos e com os dedos
relaxados; os ombros e o pescoço devem permanecer o tempo todo relaxados.
8

. Girar o quadril
Prática: em pé, deixar os pés separados na largura dos ombros e virados para a frente; colocar as
mãos no quadril e deixar os cotovelos e os ombros soltos; girar lentamente, fazendo um círculo;
deixar os joelhos retos e firmes, movimentar apenas os quadris; repetir o movimento no sentido
contrário.

. Girar os joelhos (região da patela)


Prática: juntar os pés, flexionar os joelhos tocando-os com as pontas dos dedos; olhar para o chão
cerca de dois metros à frente, para que o pescoço e a cabeça fiquem na posição correta; fazer
círculos com os joelhos; tentar manter as solas dos pés no solo; evitar fazer pressão no pescoço e
nas costas; repetir o movimento no sentido contrário; ao terminar o exercício, ficar imóvel, em pé,
até que a respiração e os batimentos cardíacos se normalizem.

. Girar os tornozelos (região da articulação talocrural)


Prática: em pé, colocar as mãos nos quadris; apoiar o peso do corpo sobre um pé; levantar
vagarosamente uma perna até o joelho ficar na altura do quadril ou o mais alto possível; girar
lentamente o pé para fora, fazendo um círculo; abaixar a perna e transferir o peso do corpo para o
outro pé repetindo o exercício; repetir o movimento no sentido contrário.

. Dedilhar o chão (falange distal)


Prática: em pé, colocar as mãos nos quadris; apoiar o peso do corpo sobre um pé; tocar o chão meio
passo a frente com as pontas do outro pé; girar o calcanhar lentamente fazendo um círculo fazendo
com que todos os dedos dos pés toquem o chão; trocar de perna e repetir o exercício.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. Alongue-se, Bob Anderson
. Tai Chi - Passo a Passo, Mestre Lam Kam Chuen

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_alongar.htm

☯ Vídeos
. Chi Kung – Exercícios Fundamentais para Energia e Saúde, SBTCC (www. sbtcc.org.br)
. Espada Tai Chi, Mestre Liu Chih Ming – CEMETRAC (http://www.cemetrac.com.br)
9

Pa Tuan Chin (Ba Duan Jin)


八段錦

O termo chinês para os Exercícios da Seda é Pa Tuan Chin, o que significa


literalmente "Brocado¹ de oito panos". O Pa Tuan Chin é uma das formas exteriores de
exercícios chineses mais populares. Esses exercícios, vigorosos e com o uso de relativa
força, foram denominados de Exercícios da Seda, porque durante séculos os trabalhadores
os comparavam às qualidades do brocado de seda. Da época da Dinastia Song (1127-1279),
sua criação é atribuída ao marechal Yue, que desenvolveu a técnica para manter a saúde dos
seus soldados. Seu nome resulta da associação entre a beleza e perfeição dos tecidos de
seda e tapeçarias com a riqueza e satisfação originadas na boa saúde.

Há muitas variações de exercícios de Pa Tuan Chin, tanto em pé, como sentado. É


uma forma de Chi Kung externo, chamado também de Tao Yin (Dao Yin). Tao Yin pode ser
compreendido como alongamento dos canais de chi, ou ainda, alongamento interno.
10

A energia se cria no exterior, braços, cintura, com o objetivo de ativar a circulação


do Chi (Qi) e alimentar os órgãos internos, ou seja, é um conjunto de exercícios corporais
nos quais se realizam alongamentos suaves.
1. Brocado: segundo o dicionário Aurélio, brocado é um rico tecido de seda com desenhos em relevo
realçados por fios de ouro ou de prata.

História

Alguns autores atribuem estes exercícios a Zhong Li (Chung-li Ch'üan) da dinastia


Tang (618-907). A descrição do grupo de 8 exercícios sentados aparece pela primeira vez
no Zhong li ba duan jin fa, apêndice do Ziu zhen shi shu (dez textos para o estudo da
realidade), incluídos no Cânon² Taoísta (Daozang, TT 263, fascículo 125, juan 19), velado
até o séc. XII. A origem desses exercícios é indicada numa introdução escrita por Zeng Zao,
intelectual que morreu próximo a 1150 e autor de uma enciclopédia sobre alquimia interna
(o Dao Shu): "Os 8 exercícios de Zhong Li foram gravados sobre um muro de pedra da mão
do Mestre Lü (Lü Dong bin); transmitidos assim ao mundo". Zhong Li foi o mestre do
ancestral Lü. Este, por sua vez, foi o precursor do Taoísmo da Realidade Completa, escola
da qual fez parte Chang San Feng, a quem se atribui a origem do Tai Chi Chuan. Porém a
lenda atribui a Yue Fei (1.103 d.C.), na época Song, as posturas de Pa Tuan Chin em pé.

O que é fato é que o Pa Tuan Chin taoísta penetrou no monastério Shaolin na época
dos Song, a partir de um texto conhecido como She Sheng Yaoyi. Na tradição budista
Shaolin, o Pa Tuan Chin passou a chamar-se de Yi jin jing shi er duan jin (12 exercícios de
seda), segundo o clássico de transformação dos tendões, mas que é somente uma maneira
diferente de contar as ações e gestos rituais.

Acredita-se que no ano de 1624 os taoístas passaram aos budistas, graças ao


contínuo intercâmbio de conhecimentos entre ambas escolas. Durante a dinastia Qing
(1644-1911), os mestres budistas o mantiveram em forma de manuscrito, chamado yi jin
jing (clássico da transformação dos tendões). Este continha os seguintes capítulos: Teoria
geral do yin jin jing; tratado de fortalecimento externo do herói místico; gráfico das doze
posturas. Em 1854, um homem chamado Wang Zu Yuan, que residiu durante 3 meses em
Shaolin, viu esse texto e reconheceu nele os exercícios taoístas do Pa Tuan Chin. Renovou
11
o texto e publicou o Nei gong tu shuo (explicações e gráficos do exercício interno), de
onde os 8 exercícios de pé são transmitidos quase intactos até nossos dias.
O Pa Tuan Chin de pé se fez famoso a partir de 1926, quando W.C. Wang e Gun
Sun Hoh o publicaram em um periódico de Xangai e causou um furor excepcional entre os
praticantes de Tai Chi e Wu Shu. Todo mundo falava dele e o incluía nos currículos de artes
marciais. Daí veio sua fama. Por certo, na década de 30 e 40 houve um grupo de taoístas
relacionados com a tradição alquímica e energética que publicaram dois periódicos com
poemas, explicações e metodologias sobre "estudos imortais", dirigidos por Chen Ying
Ning, um mestre taoísta de especial transcendência, todavia bastante desconhecido no
Ocidente. No fim, o Pa Tuan Chin chegou a ser tão famoso que se dizia que era o Chi Kung
que praticavam o próprio Mao Tse Tung e Zhou Enlai. De fato foi um dos primeiros
exercícios reabilitados na década de 50 ainda que despojado de seu conteúdo taoísta e
adaptado à mensagem socialista da China do momento".

2. O que é Cânon: segundo o dicionário Houaiss, cânon é uma norma decretada por um conselho
religioso; uma das regras ou princípios sobre o qual algo é baseado.

Benefício e Prática

Este eficiente sistema de recuperação energética trabalha direto e fundo, alongando


os canais de energia do corpo (os denominados Meridianos da Medicina Tradicional
Chinesa) associando práticas corporais vigorosas com a respiração profunda, algumas vezes
retida, numa alternância entre tensão e relaxamento. Excelente para combater grandes
níveis de estresse proveniente de pressões emocionais do dia-a-dia. Os exercícios das 8
peças de brocado devem ser considerados como um sincretismo de técnicas de alongamento,
de absorção do ar, de visualização e da alquimia interna.

A prática dos 8 exercícios do Pa Tuan Chin auxiliam a desenvolver a força física e a


prevenir e corrigir problemas de postura. Na execução dos movimentos, deve-se manter o
corpo firme e ao mesmo tempo relaxado e flexível, bem como concentrar-se na região do
abdômen. A respiração deve ser natural e regular durante toda a série de exercícios.

É importante ressaltar que há variações dos nomes dos exercícios, como também,
sua prática, diferenciando apenas em seu grau de complexidade.
12

Os 8 exercícios
do Pa Tuan Chin

1. Sustentar o céu
两手托天理三焦 - Liang shou tuo tian li san jiao
(Sustentar o céu com as mãos para regular o Triplo Aquecedor)
Benefícios: promove o alongamento, melhora a postura,
regulariza o fluxo de energia no meridiano San Chiu (Triplo
Aquecedor) e regula os órgãos internos.
Prática: de pé, com o corpo relaxado e os braços estendidos ao
longo do corpo. Manter os calcanhares unidos, apontando os
artelhos para fora, formando um ângulo de 90º. Olhar para frente.
Elevar os braços lateralmente até acima da cabeça inspirando,
com as palmas das mãos apontadas para cima e os dedos
entrelaçados para dentro; alongar-se olhando para o dorso das
mãos; levantar os calcanhares, abaixando-os sem seguida.
Expirar ao voltar à postura inicial.

2. Arco e flecha
左右开弓似射雕 - Zuo you kai gong si she diao
(Retesar o arco e atirar a flecha para fortalecer os pulmões)
Benefícios: desenvolve os músculos da cintura escapular e
laterais do peito, fortalece as coxas, desenvolve a caixa torácica,
aumenta a capacidade respiratória e melhora a circulação
sangüínea.
Prática: de pé, com os pés paralelos, afastados na distância ao
dobro da largura dos ombros. Olhar para frente mantendo o tórax
ereto. Inspirar ao retesar o arco com o cotovelo na altura do
ombro e olhar entre o dedo indicador e o polegar. Expirar ao
abrir a mão "soltando a flecha". Repetir no lado oposto.
13

3. Empurrar o céu e a terra


调理脾胃须单举
Tiao li pi wei xu dan ju
(Elevar o braço para recuperar o apetite)
Benefícios: fortalece a parte superior das costas, ombros e dorso
dos braços e regulariza as funções do baço e do estômago,
ajudando a digestão.
Prática: de pé, com o corpo relaxado e os braços estendidos ao
longo do corpo. Manter os calcanhares unidos, apontando os
artelhos para fora, formando um ângulo de 90º. Olhar para frente.
Inspirar elevando o braço esquerdo, pela frente do tronco, acima
da cabeça, apontando a palma da mão para cima e os dedos para a
direita ao mesmo tempo em que aponta a palma da outra mão
para baixo; alongar-se. Expirar ao voltar à postura inicial. Repetir
o movimento invertendo os braços.

4. Olhar para trás


五劳七伤向后瞧
Wu lao qi shang xiang hou qiao
(Olhar para os calcanhares p/ evitar o enfraquecimento do corpo)
Benefícios: fortalece o pescoço e ajuda a aliviar a tonteira em
pacientes hipertensos, além de curar as "cinco perturbações" e os
"sete distúrbios". As "cinco perturbações" são deficiências dos
cinco órgãos - coração, fígado, baço, pulmões e rins - e os "sete
distúrbios" são as complicações decorrentes dos sete excessos -
comida, raiva, esforço, friagem, calor, ansiedade e preocupação.
Prática: de pé, com o corpo relaxado e os braços estendidos ao
longo do corpo. Manter os calcanhares unidos, apontar os artelhos
para fora, formando um ângulo de 90º. Olhar para frente. Expirar
ao girar o pescoço e o tronco para a esquerda. Tentar olhar para o
calcanhar. Repetir o movimento para o lado direito.
14

5. Inclinar a cabeça e mover os glúteos


摇头摆尾去心火
Yao tou bai wei qu xin huo
(Balançar a cabeça e o glúteo para acalmar o fogo do coração)
Benefícios: fortalece as coxas e desenvolve a flexibilidade da
coluna vertebral, além de eliminar a "flama do coração", ou
tranqüilizar o "coração angustiado, sintomas decorrentes da
agitação mental, como a insônia e a inquietação.
Prática: de pé, com os pés paralelos, afastados na distância
equivalente ao dobro da largura dos ombros. Repousar as mãos
sobre as coxas com os polegares para fora. Olhar para frente e
inspirar ao flexionar o tronco para frente e expirar girando-o
para a esquerda, ao mesmo tempo jogar o quadril para a direita.
Inspirar ao voltar ao centro. Repetir o movimento para o lado
oposto.

6. Tocar os dedos dos pés


两手攀足固 肾腰
Liang shou pan zu gu shen yao
(Tocar os pés para fortalecer os rins)
Benefícios: desenvolve a flexibilidade da coluna lombar, do
quadril e da cintura, além de fortalecer os rins.
Prática: de pé, com os pés paralelos, afastados na distância
equivalente à largura dos ombros. Olhar para frente e inspirar.
Expirar ao inclinar o tronco para frente e para baixo e, sem
flexionar os joelhos, tocar os pés com as mãos. Inspirar voltando
à postura inicial. Colocar as mãos nas costas, na altura dos rins,
e expirar ao empurrar para frente, inclinando o tronco para trás.
Inspirar ao voltar à postura inicial. Obs: caso não consiga tocar
os pés, vá até onde conseguir, sem flexionar os joelhos.
15
7. Arremessar os punhos com olhar zangado
攒拳怒目增气
Zan quan nu mu zeng qi li
(Jogar os punhos com o olhar zangado para aumentar a força
física)
Benefícios: fortalece as coxas e os braços e aumenta a energia
vital (chi).
Prática: de pé, com os pés paralelos, afastados na distância
equivalente ao dobro da largura dos ombros, posicionar as mãos
fechadas, com os dedos para cima, ao lado da cintura. Com um
olhar zangado, dê um soco brusco para frente com um dos braços,
girando o pulso com os dedos para baixo. Inspirar ao voltar à
postura inicial. Repita o movimento com o outro braço.

8. Levantar os calcanhares
背后七颠百病消
Bei hou ci dian bai bing xiao
(Elevar os calcanhares para se recuperar de doenças)
Benefícios: fortalece os músculos da perna e melhora a postura.
Prática: de pé, mãos para trás e pernas unidas. Olhar para frente.
Levantar o calcanhar o máximo possível e inspirar. Abaixar
gradualmente os calcanhares sem tocar o chão e expirar. Ao
terminar esta prática, caminhar um pouco para relaxar o corpo.

Amplie seu
conhecimento_________________________________

☯ Livro
. Tai-Chi Chuan e Ginástica Chinesa - Wushu, Timothy Tung.

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_baduanjin.htm
. Modo Oráculo: http://oraculo.cih.org.br/index.php?option=com_content&task=view&id=35&Itemid=26
. Tao Chia – Terapias e Artes Orientais: www.taochia.pro.br/patuanchin.htm
16
Abraçar a árvore

Prática mais conhecida no ocidente


como "Abraçar a Árvore", "Postura da
Árvore" ou "Chi Kung da Árvore", Zhan
Zhuang (站椿) se refere a uma forma de
meditação que é feita em pé, conservando-
se o praticante num estado de aparente
imobilidade. O termo pode ser traduzido
literalmente por "em pé" como uma
"estaca". Uma postura aparentemente
estática onde o indivíduo exercita tensão e
relaxamento, treinando o espírito, a mente e
o corpo. Pode também ser classificada
como uma técnica de Chi Kung estática.

Este método de treinamento é


comum a diversas artes marciais chinesas, é
especialmente enfatizado entre os estilos
internos (Nei Jia). Existem diversas
posturas distintas para realizar este
treinamento. Em aparente imobilidade o
praticante pode realizar exercícios respiratórios revigorantes e formas de meditação que
auxiliem a desenvolver a força interior e o equilíbrio, além de relaxar o sistema nervoso e
vitalizar o endócrino.

São utilizadas por para desenvolver a paciência, ampliar a capacidade de meditar,


aumentar a força das pernas e a vitalidade do corpo como um todo. Seu objetivo é
desenvolver a energia vital (Chi) do ser humano, proporcionando um nível elevado de
harmonia entre corpo e mente.
17
A Postura de Abraçar a Árvore
no Tai Chi Estilo Pai Lin

Na prática do Tai Chi Pai Lin a Postura de


Abraçar a Árvore é praticada como um treinamento
autônomo e também como um dos movimentos
iniciais da seqüência de Tai Chi Chuan transmitida
naquela linhagem. Relaxamento, concentração e
serenidade, são efeitos desta prática que levaram o
Mestre Liu Pai Lin a destacá-la simultaneamente
como uma das formas de Chi Kung mais
importantes dentro de sua transmissão e como uma
porta de entrada para a prática da meditação taoísta
Tao Yin. Este treinamento, quando realizada em seu
nível mais elevado, proporciona a integração de
Céu e Terra através do ser humano, assim também
recebe o nome de Postura do Universo.

Prática: Fique de pé com as pernas


separadas na distância dos ombros. Deixe o corpo
relaxado e os joelhos ligeiramente flexionados.
Respire fundo e imagine o peso da cabeça e ombros
(pontos constante de tensão) descer para os pés,
sentindo-se literalmente enraizado no solo.
Permaneça assim inicialmente por 3 minutos e depois aumente o tempo gradativamente.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ DVD
. Chi Kung – Exercícios Fundamentais para Energia e Saúde, SBTCC (www. sbtcc.org.br)
18

Chi Kung (Qì Gōng)


气功

Chi Kung significa literalmente "a arte da energia" e Tai Chi Chuan sem Chi Kung
não é Tai Chi Chuan, pois nesse caso o Tai Chi Chuan se resumiria a um tipo de exercício
suave que talvez oferecesse alguns benefícios em termos de circulação do sangue e
divertimento, mas provavelmente não traria a vitalidade e a clareza mental geralmente
atribuídas ao treinamento do Tai Chi Chuan.

Tai Chi Chi Kung (Tài Jí Qì Gōng) 太极气功

O Tai Chi Chi Kung é uma técnica de Chi Kung que tem como principal objetivo
restabelecer o equilíbrio do corpo. Sendo Tai Chi o símbolo do equilíbrio das forças (Yin /
Yang), podemos traduzir o termo Tai Chi Chi Kung, como "Trabalho de Energia buscando
o Equilíbrio Supremo". Sua utilização visa desenvolver a consciência interna, e permitir o
fluir da energia (Chi) através do corpo. Utiliza-se do Nei Dan (Elixir Interno), mesmo
sendo seus movimentos característicos do Wei Dan (Elexir Externo). São 18 posturas, que
buscam equilibrar o Chi, fazendo-o circular pelos 12 meridianos. Na Medicina Tradicional
19
Chinesa (MTC), acredita-se que as doenças em geral, são causadas por um excesso nas
emoções. Assim, um estado depressivo induz má digestão e úlceras no estômago. A cólera
leva a um desequilíbrio do fígado. A tristeza comprime e retrai os pulmões. O medo
perturba os rins e a bexiga. Por isso, se preconiza o controle e o equilíbrio das emoções.
Deve-se regular a mente para alcançar a calma. A imobilidade permite eliminar os
pensamentos que agitam a mente. A meditação é um controle das emoções. Quando a
mente se vê livre do excesso de pensamentos, o fluxo de Chi circula regularmente com
força por todo o corpo. Os obstáculos nos meridianos acabam dessa forma, desaparecendo.
Todos os movimentos, por exemplo, do Tai Chi Chi Kung, começam a partir da
posição Wu Chi. Deve-se realizá-los sempre de forma contínua, como se cada movimento
fosse a continuação do anterior e assim sucessivamente. A seqüência inicia em Wu Chi e
termina também em Wu Chi. Mostrando com isso, que todo o universo começa e termina
exatamente da mesma forma.

Chi Kung do Riso

Para quem vai praticar a meditação em movimento e também a meditação do som


de cura do triplo aquecedor, há um exercício de aquecimento popular
na China denominado de Chi Kung do Riso, que pode ser usado
como exercício de aquecimento, enfim, a risada pode ativar a energia
de cura espontânea que está dentro de nós, pois, quando rimos, todos
os diafragmas internos (pélvico, respiratório, vocal e cerebral)
estarão em movimento.
Na China antiga, os taoístas ensinavam que um constante sorriso interior, um sorriso
para si mesmo, assegurava saúde, felicidade e longevidade, pois ao sorrir para si mesmo é
como se aquecer no amor: você se torna o melhor amigo de si mesmo. Viver com um
sorriso interno é viver em harmonia consigo mesmo. Na meditação aconselha-se a sorrir
levemente, pois o rosto, geralmente contraído pelas preocupações do cotidiano, ao deixar
um leve sorriso aflorar na face, todos os músculos faciais começam a relaxar.
Prática: sentar-se confortavelmente numa cadeira, colocar as mãos sobre os joelhos,
pensar em algo engraçado, inspirar e começar a dar risadas suavemente. Um minutinho por
dia é suficiente.
20
Tai Chi Chi Kung – Shi Ba Shi
太极气功十八式
18 Exercícios

1. Elevar os braços
qĭ shì tiáo xī - 起勢調息
Prática: postura relaxada e tranqüila em pé, com a mente tranqüila,
ombros soltos; os pés devem ficar paralelos separados na largura dos
ombros; para melhor concentração, deixar os olhos semi cerrados; corpo
e cabeça eretos com os dedos das mãos estendidos porém levemente
curvados; elevar os braços paralelos para a frente até à altura dos ombros,
com as palmas voltadas para baixo, cotovelos levemente curvados, –
inspiração lenta e contínua; abaixar as palmas, flexionando as pernas, os
joelhos não devem ultrapassar a ponta dos pés, expirar gradativamente.
Benefícios: promove a serenidade; lubrifica as articulações; aumenta o suprimento de
oxigênio no sangue melhorando o funcionamento dos rins, fígado, baço, pulmões, cérebro,
coração e outros órgãos vitais, combate a pressão alta (hipertensão), hepatite e
doença do coração.

2. Expandir o tórax
kāi1 kuò xiōng huái - 開闊胸懷
Prática: seguir os mesmos movimentos do exercício 1, mas como
complemento, ao erguer os braços até a altura dos ombros, abrir os
mesmos para as laterais com as palmas voltadas para a frente;
retorne os braços até que as palmas estejam uma de frente a outra
na distância dos ombros; vire as palmas para baixo e se abaixe
como no exercício 1, flexionando as pernas; a respiração deve ser
lenta, longa e profunda.
Benefícios: expande a capacidade torácica, promove rapidez de raciocínio, aumenta a
capacidade respiratória e a quantidade de oxigênio no sangue, combate a hipertensão e a
depressão, enfisema pulmonar e previne doença do coração.
21
3. Pintar um arco-íris
hūi wū căi góng - 揮舞彩虹
Prática ; mover as mãos para à esquerda e para à direita
sobre a cabeça como se estivesse segurando um arco-íris;
inspirar ao mover-se para um lado e expirar quando
movimentar-se para o outro; transferir o peso do corpo
de um pé para o outro quando mover o arco-íris; quando
o peso estiver num pé, o outro gira naturalmente pela
ponta do pé, levantando-se o calcanhar.
Benefícios: combate a fadiga muscular; melhora a
circulação sanguínea; reduz os depósitos de gordura;
produz bons efeitos nas articulações dos ombros, pulsos
e cotovelos; melhora o digestivo; auxilia na eliminação
da gordura da cintura.
4. Separar as nuvens
lún bì fēn yún - 輪臂分雲
Prática: este movimento deve ser flexível, suave e vigoroso; ao fazer
o movimento para cima: inspirar; ao se abaixar: expirar; com
os pés paralelos, estender os braços para a lateral até a altura dos
ombros com as palmas voltadas para baixo; flexionar as pernas até
alinhar os joelhos com a ponta dos pés; abaixar os braços até cruzar
as palmas na frente do corpo; estender as pernas suspendendo os
braços pela frente do corpo; inverter as palmas diante do peito
voltando-as para cima até acima da cabeça; separar as palmas
abaixando os braços pela lateral, rotacionar o braço e
flexionando as pernas, até cruzar as palmas na frente do corpo.
Benefícios: melhora da função das articulações dos ombros, joelhos e
cotovelos; estimula a função do bombeamento do coração; previne
periartrite dos ombros devido ao amplo movimento circular dos braços; com os
movimentos e flexão e extensão da perna e da expansão e contração dos músculos torácicos,
há melhora da função da articulação do joelho e da respiração; combate a asma.
22

5. Braços rolantes
dīng bù dào júan gōng - 定步倒卷肱
Separar e juntar as palmas, circulando os braços para trás e
para a frente; derivado do movimento "Recuar e repelir o macaco"
do Tai Chi Chuan.
Prática: girar o corpo à direita 90º, estendendo um braço à
frente e o outro para atrás com as palmas voltadas para cima
até formar 180º com os dois braços; girar o corpo, passando
com a palma da mão ao lado da orelha até se encontrar com
a outra palma junto ao tronco; a concentração externa deve
ser no movimento do braço; a concentração interior deve
ser no centro das palmas.
Benefícios: ao mover os braços, as articulações dos ombros
e as articulações da coluna vertebral expande-se o tórax; previne e
auxilia na cura de doenças nessas articulações; regula e
melhora a função respiratória.
6. Remar o barco
hú xīn huá chuán - 湖心劃船
Prática: inspirar e levantar as palmas até defronte ao
tronco (altura das clavículas); fechar as mãos quando se
aproximar do tronco; flexionar as pernas e estender as palmas
traçando um arco na lateral e defronte ao corpo como se
estivesse remando (expirar); estender os joelhos, girando os
antebraços - retornar com as palmas para cima e para a frente
na altura das clavículas; concentrar no movimento dos braços
e no centro das palmas.
Benefícios: regula a respiração e trabalha a concentração;
melhora a função das articulações: quadris, joelhos, tornozelos, ombros e cotovelos;
melhora também a função dos órgãos internos: baço e estômago; exercício indicado para
quem sofre de distúrbios gástricos, indigestão e gastrite crônica.
23
7. Conduzir a bola em frente ao ombro
jiān qián tūo qiú - 肩前托球
Prática: imaginar que suspende uma bola em frente do ombro; a partir
do exercício anterior, abaixar os braços ao longo do corpo; abrir as
palmas e manter as pernas estendidas e o corpo ereto, mas não rígido;
girar o corpo 45º para a esquerda; erguer o calcanhar direito e
transferir o peso do corpo para o pé esquerdo; erguer a mão direita em
direção do ombro esquerdo, flexionando o braço (como suspendendo
uma bola); concentrar-se internamente no Lao Gong (centro das
palmas das mãos); repetir os movimentos no outro lado.
Benefícios: elimina a fadiga; tira a tensão de grupos musculares das
costas e da região lombar com as funções de contração e extensão;
eficaz na prevenção e combate de periartrite dos ombros, problemas
nas vértebras cervicais e lombares; melhora as funções
respiratórias; melhora concentração.
8. Girar o corpo e contemplar a lua
zhŭan tĭ wàng yuè - 轉體望月
Prática: girar o pé esquerdo para a esquerda, pela ponta do pé, num
ângulo de 45º; girando o corpo à esquerda; transferir o peso do corpo
para a perna esquerda, erguer o calcanhar direito; ao mesmo tempo,
erguer os braços paralelos na frente do corpo, até as palmas se
voltarem para o céu acima da cabeça; simultaneamente erguer a
cabeça e olhar para a lua, inspirando; depois abaixar os braços
lentamente, voltar o corpo para a posição central, colocar o calcanhar
direito no chão, expirando.
Benefícios: produz bons efeitos sobre as articulações e músculos do
ombro, do pescoço e da cintura; melhora a função respiratória; previne
periartrite dos ombros, hiperosteogenia nas vértebras da coluna
cervical e lombar, fadiga e lesão dos músculos das costas e da região
lombar e inflamação crônica na traquéia; melhora as funções digestivas;
bom para o baço e os rins; previne dores na cintura.
24
9. Girar a cintura, empurrando e recolhendo a palma
zhŭan yāo tūi zhăng - 轉腰推掌
Prática: flexionar um pouco as pernas como se fosse
montar um cavalo; feche os punhos ao lado da cintura;
gire a cintura para a esquerda com o punho aberto empurrando
a palma; expirar - expirar; recolher a palma - inspirar;
repetir o movimento do outro lado; concentrar-se
internamente no Lao Gong (no centro das palmas das mãos).
Benefícios: fortalece a coordenação motora; melhora a digestão;
útil na prevenção de tensões nos músculos da
região lombar e lesões do músculo piriforme; melhora as
funções das vértebras da região lombar; melhora as funções
respiratórias, a digestão e a respiração. Bom para os rins,
estômago e o baço. Este movimento tem uma boa influência no nervo ciático.
10. Mãos de nuvens
mă bù yún shŏu
馬步雲手
Prática: erguer as mãos para formar uma nuvem tranqüila.
A mão esquerda se ergue na altura do ombro e a direita fica
alinhada com a altura do quadril direito. O quadril começa
um movimento giratório, levando as mãos para o lado
oposto do corpo, com os joelhos girando no mesmo sentido,
acompanhando todo o conjunto. O olhar acompanha a mão
que passa na frente do rosto. Ao chegar no outro lado, as mãos se
invertem, e reinicia-se o movimento de volta.
Benefícios: melhora a postura; bom para o sistema nervoso e atua
sobre as úlceras do estômago e na digestão difícil; atua também
sobre o fígado; acalma o Shen (Espírito), o sistema nervoso e
atua sobre as úlceras do estômago e na digestão
difícil; atua também sobre o meridiano do fígado.
25
11. Cavar no mar e contemplar o céu
lāo hăi guān tiān - 撈海觀天
Prática: a partir de Wu Chi, avance o pé esquerdo, assumindo a postura
de arqueiro. As mãos avançam se juntando na frente do corpo que
se inclina para diante, mantendo a coluna reta. Ao voltar,
os braços se abrem num grande arco, e o corpo todo
retorna, de forma que o pé dianteiro levanta a ponta do
chão, mantendo a perna cheia atrás, enquanto a perna
dianteira fica vazia. Ao mover-se novamente para frente, o
peso do corpo vai para a perna dianteira, invertendo a
relação cheio / vazio. Ao abrir os braços,
contemple o céu que se ergue diante de você.
Benefícios: a ação terapêutica desse exercício
beneficia os pulmões, o estômago e a má digestão, as
lombalgias e o ciático, e combate a obesidade;
melhora a coordenação motora; bom para o baço
e o estômago; fortalece a cintura e as pernas; auxilia na
redução de peso.

12. Empurrando as ondas do mar


tūi pō zhù làng - 推波助浪
Prática: posicione a perna esquerda à frente na diagonal
esquerda; as mãos avançam, partindo da altura dos
quadris, num movimento de onda, que sobe até a altura do
peito, diante de si, como se fosse uma onda em forma
de arco; eleve o calcanhar do pé de trás, inspirando;
depois, retorne para a posição inicial.
Benefícios: auxilia no relaxamento e no combate a
hepatite e doenças pulmonares; bom para o fígado
e o baço; este exercício acalma o espírito e atua nas dores
na altura dos pulmões.
26

13. O pombo abre as asas


fēi gē zhăn chì - 飛鴿展翅
Prática: estender os braços para os lados com
as palmas voltadas para a frente; avançar
para a diagonal frente esquerda meio passo e
inspirar; a seguir, transferir o peso do corpo
para a frente aproximando os braços até
ficarem paralelos com as palmas voltadas
uma para a outra na largura dos ombros.
Benefícios: aumento da capacidade respiratória;
produz serenidade; útil na prevenção de
hepatite e doenças pulmonares; acalma o coração;
recomendado para .problemas relacionados com
o sistema digestivo.

14. Esticar os braços com os punhos cerrados


shēn bì chōng quán - 伸臂沖拳
Prática: deixar os braços na altura da cintura; com
os punhos cerrados, deixar os dedos das mãos
voltados para cima; ficar com o olhar no horizonte;
permanecer com os ombros devem estar relaxados;
expirar levando o braço esquerdo para a frente,
girando o punho para dentro, fazendo uma espiral
com o mesmo; retornar a mão que estava a frente
enquanto inspira; repetir o movimento com o
punho direito.
Benefícios: fortalece o físico; estimula a circulação
sanguínea; combate a insônia; bom para os tendões;
combate a fraqueza generalizada, distúrbios nervosos,
falta de ar e palpitação de disfunção pulmonar.
27

15. Garça voando e planando


dà yàn fēi xiáng - 大雁飛翔
Prática: erguer os braços pelos lados; flexionar os
cotovelos; deixar as palmas das mãos voltadas para
baixo; ao subir, levantar os calcanhares do chão;
abaixar os braços; flexionar levemente os joelhos.
Benefícios: induz ao relaxamento; aumenta a
capacidade respiratória; suaviza as articulações;
bom para prevenir o bloqueio do Chi e do sangue;
útil para combater bronquite e dores nas articulações.

16. Girando a roda celeste


huán zhŭan fēi lún - 環轉飛輪
Prática: girar a cintura movendo os braços fazendo um circulo;
ao elevar os braços – inspirar; ao baixar os braços, expirar; após
várias repetições, girar para o outro lado.
Benefícios: bom na recuperação de problemas nas vértebras
cervicais e lombares; bom para problemas nas articulações dos
ombros e dos quadris; alonga a cintura; estimula a circulação
sanguínea; alivia tensões dos músculos lombares e das costas.

17. Dar um passo e bater a bola


tà bù pāi qíu - 踏步拍球
Prática: separar os pés na largura dos ombros; deixar o peso do corpo
na perna esquerda e levantar a direita; ao mesmo tempo, elevar o braço
esquerdo na frente do ombro esquerdo, inspirando; baixar a mão
esquerda (bater a bola) e baixar a perna, expirando; trocar de lado.
Benefícios: melhora na função reguladora do cérebro; a circulação
sanguínea; bom na prevenção de doenças encéfalo-vasculares e
periartrite dos ombros; melhora das funções das articulações.
28

18. Equilibrar a energia


àn zhăng píng qì - 按掌平氣
Prática: ficar com os pés na largura dos ombros com as pernas
ligeiramente flexionadas; deixar as mãos naturalmente soltas ao
lado do corpo; levantar as mãos, próximo a frente do corpo, com as
palmas voltadas para cima até a altura do peito; depois, abaixar as
mãos até a altura da cintura; as pernas se flexionam suavemente
para cima e para baixo acompanhando as mãos.
Benefícios: relaxamento do corpo; produz equilíbrio emocional;
acalma a respiração; combate a pressão alta e distúrbios do sistema
nervoso.

Amplie seu
conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. A Energia Curativa Através do Tao, Mantak Chia
. A Estrutura Interior do Tai Chi – Tai Chi Chi Kung, Mantak Chia e Julan Li
. A Promessa de Cura do Qi, Roger Jahnke
. Chi Kung, Camise de Ferro, Mantak Chia
. Chi Nei Tsang – Massagem dos Órgãos Internos com a Energia Chi, Mantak Chia
. Cura Energética pelo Qigong, Mestra Gao Yun e Mestra Bai Yin
. O Caminho da Energia, Mestre Lam Kam Chuen
. QiGong Taoísta para Saúde e Vitalidade, Sat Chuen Hon
. Tai Ji Qi Gong em 28 exercícios - Exercícios Terapêuticos da Medicina Tradicional Chinesa, Dr. Li
Ding

☯ Internet
. AIPT: Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www. fotoserumos.com/aipt_qi_gong_1.htm
. Estudos sobre os efeitos do riso - Universidade de Maryland: www.umm.edu/features/laughter.htm
. Modo Oráculo: http://br.geocities.com/modo_oraculo

☯ Vídeos
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
http://www.fotoserumos.com/aipt_videos.htm
29

Chi Kung - 8 Exercícios


Com origem em sistemas tradicionais de Chi Kung voltados
para o benefício da saúde, esta série de exercícios apresenta posturas
que podem ser utilizados de diversas maneiras, como um simples
método para recuperação de pessoas sedentárias ou como um sistema
de fortalecimento geral do corpo com bons alongamentos, força,
flexibilidade, calma interior e energia vital.

Esses exercícios, organizados pelos diretores da Sociedade


Brasileira de Tai Chi Chuan e Cultura Oriental (SBTCC), apresenta-
se como uma sistemática de atividades de baixo impacto, que não tem
contra indicação e que são apropriados para pessoas de qualquer
idade (sistemas indicados pela Organização Mundial da Saúde).

Nomes dos Exercícios


. Exercício da garça
. Desenhando meio círculo no céu
. Círculo inteiro
. Curva da vida
. O vôo do ganso
. Mãos suaves de Buda
- 1ª versão
- 2ª versão
. Acariciando nuvens
. Nadando no ar
Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ DVD
. Chi Kung – Exercícios Fundamentais para Energia e Saúde
Sociedade Brasileira de Tai Chi Chuan e Cultura Oriental - SBTCC: www. sbtcc.org.br
30

Resfriamento
esfregar as palmas das mãos energicamente até esquentá-las;
por as mãos sobre os olhos e olhar para um lado e para o outro, para cima e para baixo e
finalmente circular os olhos para os dois sentidos;
massagear com as mãos: o nariz, as orelhas, o rosto, a cabeça e o pescoço;
golpear suavemente toda a cabeça;
massagear os rins de forma circular com movimentos vigorosos; evitar pancadas;
colocar as mãos no abdômen e massagear em círculos;
cruzar todos os dedos;
cruzar os dedos indicadores e polegares;
bater as laterais dos indicadores (palmas para baixo);
bater as laterais dos dedos mínimos (palmas para cima);
bater os punhos (articulação raio carpal);
bater as pontas dos dedos;
socar a palma - esquerda e direita (face palmar);
bater as costas das duas mãos entre si (face dorsal).
tapotagem nos ombros, braços, tronco e pernas;

Tapotagem
A tapotagem é uma técnica eficaz feita com as mãos
em forma de concha (dedos em adução). A tapotagem deve
ser feita em uma posição relaxante e não provocar dor e
desconforto para o paciente.
A percussão ou tapotagem é uma manobra de
desobstrução da energia, ou seja, seu efeito é obtido através da propagação (vibração) de
ondas de energia mecânica que são aplicadas numa determinada região do corpo. A forma
como essas ondas se manifestam podem ser comparadas aos círculos que se espalham na
água fora do ponto central de onde uma pedra foi atirada, no caso: das mãos de quem bate.
31
Tai Chi Chuan (Tài Jí Quán)

太极拳
O Tai Chi Chuan é uma arte marcial interna chinesa, categoria nomeada em chinês
de nei jia (內家). Este estilo de arte marcial é reconhecido também como uma forma de
meditação em movimento. Os princípios filosóficos do Tai Chi Chuan remetem ao Taoísmo
e à Alquimia Chinesa. A relação de Yin e Yang, os Cinco Elementos, o Pa Kua (Oito
Trigramas), o Livro das Mutações (I Ching) e o Tao Te Ching de Lao Tsé são algumas das
principais referências para a compreensão de seus fundamentos.

Apesar de ter suas raízes na antiga China, o Tai Chi Chuan é atualmente uma arte
praticada em todo o mundo. É apreciado no ocidente especialmente por sua relação com a
meditação e com a promoção da saúde, oferecendo aos que vivem no ritmo veloz das
grandes cidades uma referência de tranqüilidade e equilíbrio.

Os criadores do Tai Chi Chuan basearam sua arte na observação da Natureza - não
apenas na observação dos animais, mas no estudo dos princípios da interação entre os
diversos elementos naturais.

Como somos parte desta natureza, o conhecimento destes princípios e de como


atuam dentro de nós, estudados pela Medicina Tradicional Chinesa, revelam o Tai Chi
como uma fonte efetiva de energia que se encontra em nosso interior localizada na região
do corpo nomeada pelos chineses de tan tien médio.
32
Interpretação do Termo
Tai Chi Chuan

Os ideogramas que compõe a palavra Tai Chi Chuan significam:

太, Tai significa "o maior", "o mais alto", originalmente se referia à parte mais
alta do telhado - "cumeeira"

极, Chi significa "supremo", "absoluto"


拳, Chuan significa Punho, aqui simbolizando "soco", "luta à mãos livres"
(desarmadas), "boxe"

Portanto, algumas das possíveis traduções literais de Tai Chi Chuan são: "Punho da
Suprema Cumeeira", "Punho do Limite Supremo" ou simplesmente "Punho do Tai Chi".
Como cada ideograma pode ter mais de um sentido, há outras formas de traduzir o
termo além destas.

No Taoísmo, onde o Tai Chi Chuan teve sua origem, a "Suprema Cumeeira", ou
"Limite Absoluto" tem a conotação filosófica de "Elevação", "Sublimação", "Purificação",
resultante, entre outras, do desenvolvimento de um mecanismo de defesa emocional pelo
qual tendências ou sentimentos inferiores se transformam em outros que não o sejam.

O Tai Chi também simboliza o "Cosmos" e a interação, dos princípios energéticos


Yin e Yang, em constante mutação, sendo conhecida a sua representação pelo Tai Chi Tu
(Diagrama do Tai Chi), mais conhecido no Ocidente como o "Símbolo do Yin-Yang".
33
Estilos Tradicionais de Tai Chi Chuan
Encontramos diversas versões a respeito do surgimento desta arte. Uma delas,
imersa em lendas, atribui o seu desenvolvimento ao mestre Zhang San Feng (1247-?),
monge taoísta associado aos templos das montanhas Wudang, consideradas por diversos
historiadores o berço dos estilos internos das artes marciais chinesas. Praticantes de
diversos estilos de Tai Chi Chuan creditam a ele a criação desta arte.

Documentos históricos consideram o general chinês Chen Wang Ting (1600-1680)


o criador do estilo Chen de Tai Chi, que ganhou grande projeção e está na raiz da origem
dos estilos praticados pelas outras linhagens / famílias. Originária de Chen Jia Gou (陳家
溝), vila situada no distrito de Wen (溫縣) da província de Henan, destaca-se por utilizar
com freqüência a prática de "fa jing" (发劲, 發勁, fā jìng), a "exteriorização da energia".

Entretanto, são cinco os estilos de Tai Chi Chuan reconhecidos como tradicionais
pela comunidade internacional, cada um deles recebeu o nome da família chinesa que o
originou. Todos seguem os mesmos princípios teóricos semelhantes, mas diferem pela
abordagem dada ao treinamento.

Estilos Tradicionais

陳氏 楊氏 武氏 吳氏 孫氏
Estilo Chen Estilo Yang Estilo Wu/Hao Estilo Wu Estilo Sun
(1600) (1799) (1812) (1870) (1861)
Chen Wang Ting Yang Luchan Wu Yu Hsiang Wu Chien Chuan Sun Lutang
34
Atualmente encontramos referências a diversos outros estilos. Alguns deles são
derivados destes cinco estilos mais famosos ou estilos híbridos. Entre estes exemplos se
inclui o estilo Wudang, referência ampla à prática de Tai Chi Chuan realizada ainda hoje
nos templos da montanha de Wudang (não confundir com o estilo contemporâneo que
tomou para si o nome de Tai Chi Chuan de Wudang).

Há também o que poderíamos chamar de Tai Chi Chuan estilo de Pequim, composto
por Formas padronizadas pelo Governo Chinês, através do Comitê Nacional de Esportes da
China, desenvolvidas exclusivamente para fins terapêuticos e esportivos. Hoje em dia
muito popular em todo o mundo.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. O Livro Completo do Tai Chi Chuan, Wong Kiew Kit
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/estilos.htm
. Tao Chia – Terapias e Artes Orientais: http://www.taochia.pro.br/tcc02a.htm
35
História do Tai Chi
Uma Versão

Um famoso medico Chinês, o dr. Hua-Tuo, cerca de 1700 anos atrás, enfatizou o
exercício físico e mental como um meio de melhorar a saúde. Ele acreditava que os seres
humanos deveriam exercitar-se e imitar os movimentos de animais tais como, pássaros,
tigres, cobras e ursos, para recobrar suas habilidades originais de vida. Assim, ele
organizou artes folclóricas de luta chamadas de a Luta dos Cinco Animais. Esta foi a
primeira arte marcial sistematizada na China. Desde então, a Luta dos Cinco Animais
tornou-se popular naquele país que a praticava como um exercício para a saúde.

Por volta de 475 d.C. Ta-Mo (Bodhidharma) saiu da Índia e foi para a China, para
propagar seus ensinamentos religiosos e acabou residindo no Templo Shaolin na área de
Tang Fung, Norte da China. Além de obrigações religiosas e meditação, ele incluiu
treinamentos físicos na rotina diária dos monges. Usou a Luta dos Cinco Animais para
desenvolver uma disciplina de equilíbrio físico e mental. A dedicação ao Budismo,
combinada com uma abundância no tempo para a prática, permitiu que a Luta dos Cinco
Animais se desenvolvesse numa arte marcial de alto nível.

Quando os seguidores do Bodhidharma difundiram suas crenças pela China,


levaram junto consigo, sua Arte Marcial. O sistema desenvolvido pelos monges do Templo
Shaolin tornou-se conhecido como o Sistema Arte Marcial Shaolin que enfatizava tanto o
fortalecimento físico como o desenvolvimento espiritual. Este foi o início do
desenvolvimento sistemático das Artes Marciais externas na China.

O aspecto mental do sistema Shaolin era baseado principalmente na meditação


Budista, entretanto para os Chineses que se baseavam na filosofia sofisticada do Taoísmo e
do Yin e Yang, aquela era considerada como um sistema simples de luta física.
36

Em 1200 d.C. o monge Taoísta Chang San-feng fundou na Montanha Wudang um


templo para a prática do Taoísmo, visando o supremo desenvolvimento da vida humana,
enfatizou a harmonia do Yin/Yang como um meio de melhorar o desenvolvimento da
mente e da habilidade física.

A idéia de adaptar a teoria Taoísta a vida diária, ao invés de fazê-la de forma de


devoção religiosa, foi facilmente aceita pela sociedade Chinesa. O pensamento Tai Chi e a
sua filosofia Yin/Yang rapidamente se desenvolveram numa organização baseada no
modelo do Templo Shaolin. Desta forma, o sistema do templo da Montanha Wudang
enfatizou o poder interno e o desenvolvimento da sabedoria. Assim, os Chineses
comumente se referiam ao sistema Tai Chi como o sistema interno, para distingui-lo do
sistema de arte do Templo Shaolin. Com o passar dos anos, também houve sistemas que
combinaram elementos de ambos os sistemas, Tai Chi e Shaolin, de forma moderada no
desenvolvimento de artes marciais. Estes hoje são conhecidos como o Hsing-I, o Sistema
da Mente e da Forma, e o Pa Kua, o sistema de arte marcial dos Oito Trigramas.

Desde que um grande esforço e concentração, tão bem como firme dedicação, eram
requeridas para se atingir qualquer nível de evolução no Tai chi, um sistema monástico
rapidamente se desenvolveu e participar disto tornou-se um privilégio exclusivo. Aqueles
que atingiram altos graus tornaram-se líderes do sistema e, seguidos por seus entusiastas,
eles formaram um relacionamento de treino único entre mestre e discípulo.

Esta tradição teve um importante papel na passagem do conhecimento e da


sabedoria do Tai Chi para a sociedade e o poder imenso de sua influência foi capaz de fluir
profundamente em todas as classes sociais. O Tai Chi adquiriu tão forte imagem, que
tornou-se a suprema arte de saber viver. Mestres de Tai Chi eram observados como símbolo
de sabedoria e eram altamente respeitados especialmente por praticarem justiça, caridade,
educação e artes da medicina.

Praticantes de Tai Chi acreditavam que o povo deveria se disciplinar para ser bom,
saudável, inteligente e responsável. Auxiliar aos outros para atingir graus maiores de
37
desenvolvimento, amar a verdade, lutar contra a imoralidade e a injustiça e proteger os
necessitados e os fracos: objetivos que a arte marcial do Tai Chi desenvolveu enfatizou.

As teorias Tai Chi foram facilmente aplicadas às artes marciais. Mente e corpo em
harmonia com a ordem natural das coisas era a regra do Tai Chi. Isto ofereceu uma direção
e desenvolvimento completamente diferente das outras formas técnicas de luta. O Tai Chi
também desenvolveu alguns resultados em termos de habilidades humanas que surgem do
poder da mente e assim tornou-se uma das artes marciais mais poderosa já conhecida.

Através da história da China, os sobrenomes das famílias se associaram com os


diferentes estilos do Tai Chi que foram sendo ensinados de boca a ouvido, de geração em
geração, por exemplo, o estilo Chen, o estilo Yang e o estilo Wu. Muitos destes são ainda
conhecidos hoje. Cada estilo era distinto, mas todos seguiram os princípios Clássicos do
Tai Chi.

Quando a revolução de 1900 a 1910 aconteceu na China, muitas famílias fugiram do


país, mudando para Taiwan, Tailândia e outros países da Ásia. O Tai Chi, é claro, viajou
com eles.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. O Livro Completo do Tai Chi Chuan, Wong Kiew Kit
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux
38
Arte marcial
ou prática para a saúde?

O Tai Chi Chuan já foi empregado na antiguidade como uma forma avançada e
eficaz de combate: a função de guarda costas foi exercida por diversos praticantes da
família Chen; instrutores da família Yang deram aulas para a guarda imperial e
posteriormente para o exército republicano chinês. Sua aplicação como arte marcial
acontece através do uso de movimentos circulares e contínuos que acompanham e
complementam os movimentos do adversário de um modo similar ao ilustrado pelo
símbolo do Tai Chi (Ying / Yang).

O Wu Shu (o termo chinês para arte marcial) com o desenvolvimento da tecnologia


com armas, canhões, bombas nucleares e outras armas avançadas não serve mais ao
objetivo de lutar corpo a corpo contra animais, invasores etc. Agora, a sociedade valoriza a
prática e exibição do wu shu de formas diferentes, a melhor razão de todas para realizar
estas práticas: é que ele permite que a pessoa exercite o seu corpo e melhore a sua saúde.
39
O próprio símbolo do yin yang, denominado como Tai Chi, é a melhor metáfora
para refletir sobre quaisquer posturas que se apresentem como pólos opostos em uma
relação.

Este símbolo mostra a interação dos opostos e como um interage, define e amplia o
significado do outro. A prática do Tai Chi Chuan focada na questão marcial e a prática
focada na questão da saúde podem ser vistas como estes polos extremos, para que o
treinamento seja efetivo é necessária a presença destes dois aspectos.

A adequação da proporção entre estes dois aspectos dentro do trabalho realizado por
um instrutor com um grupo específico depende da formação do instrutor segundo uma
escola que enfatize mais um ou outro aspecto, da visão pessoal do instrutor sobre a prática e
das necessidades específicas do grupo de alunos com que trabalha (um grupo de
adolescentes e um grupo de terceira idade naturalmente necessitam de propostas distintas).
Sabendo isto, é importante que o interessado em praticar Tai Chi Chuan converse com os
responsáveis pela orientação de seu grupo para descobrir como são abordados os diferentes
aspectos pertinentes a prática, tais como o equilíbrio dos aspectos fisicos, emocionais,
mentais e espirituais; o treinamento para a saúde; a auto defesa. Enfim, verifique se estas
posturas correspondem às suas expectativas em relação à prática.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. T´ai Chi Ch´uan – Body and Mind in Harmony, Sophia Delza
. Tai Chi Chuan – Exercícios de Saúde Física, Mental e Técnica Marcial, Nilson Carvalho
. T´ai Chi Ch´uan para a Saúde, Martin e Emily Lee e JoAn Johnstone
. Tai Chi Chuan – Saúde e Equilíbrio, Fernando De Lazzari
. Tai Chi Chuan – Terapia Psicossomática e Iluminação Interior, Kwong Ming Lai
40

Benefícios da prática

O Tai Chi Chuan, segundo o professor Bruno Davanzo, é uma arte chinesa milenar
de inestimável valor para o ser humano. Seus benefícios são inúmeros, a curto, médio e
longo prazo. Num contexto amplo, a Medicina Tradicional Chinesa, que está intimamente
relacionada com o Tai Chi, considera o ser humano como um todo interdependente
resultado dos seus estados mentais, psicológicos e físicos. Assim a prática do Tai Chi afeta
positivamente o equilíbrio dinâmico, ou seja, o fluxo harmonioso de energia pelos
meridianos (canal da energia) que é um estado de saúde do praticante.

O Tai Chi Chuan é um meio de estimular e manter esse fluxo harmonioso em nosso
sistema corpo e mente. No corpo físico, o Tai Chi Chuan trabalha a circulação sangüínea.
Quando há obstrução da energia no corpo, uma doença já vai se caracterizando, se alojando
no corpo, esperando um momento propício para se revelar. O Tai Chi Chuan proporciona a
melhoria da circulação sangüínea nas veias e artérias, proporcionando assim condições
dessa energia mais sutil, o Chi, circular pelo corpo.

O primeiro passo para isso é aprender a alternar o peso em suas pernas, estimulando
sua circulação de retorno. Outro ponto fundamental a ser considerado é o relaxamento da
musculatura, especialmente de ombros e nuca, melhorando a circulação sangüínea para a
cabeça e combatendo o estresse do cotidiano, tão comum hoje em dia.

Quando nos movimentamos no Tai Chi Chuan, colocamos todos os músculos e


articulações para funcionar, aumentando nossa flexibilidade e principalmente, fortalecendo
a circulação do Sistema Nervoso Central, que corre por dentro de nossa coluna vertebral.
Ao longo do tempo, também melhoramos nossa respiração, porque ela vai sendo guiada
pelos movimentos suaves e circulares do Tai Chi, o que ocasiona uma melhor oxigenação
do sangue e portanto maior vitalidade.
41

Quanto aos aspectos psicológicos e mentais, a prática do Tai Chi nos leva a
controlar melhor nossas emoções e ter maior concentração. Os movimentos lentos e suaves
do Tai Chi nos aproximam da compreensão da natureza, reconhecendo seus ciclos e vamos
entrando em harmonia com eles. Desenvolvendo a observação e a percepção tornamo-nos
mais conscientes e confiantes em nós mesmos. Ao estar firme em nosso centro físico e
psicológico permanecemos tranqüilos, mesmo em condições adversas.

O movimento e sua observância, sua paciência em deixá-lo se completar vai lhe


dando consciência que há momentos de ação e outros de repouso, há momentos de semear e
outros de colheita, momentos de falar e outros de escutar, de expansão e recolhimento, Yin
e Yang. Assim não há desperdício, mas sim acúmulo de energia. Isso se resume em
harmonia com as quatro estações, a harmonia do céu e terra no praticante.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_beneficios.htm
42

Tai Chi Chuan no Brasil

No Brasil a divulgação da prática do Tai Chi Chuan teve seu início na década de
1960 em São Paulo e no Rio de Janeiro. Em Curitiba, nos anos 80, um representante do
mestre Liu Pai Lin, o professor César e mais tarde seu substituto, Hélio Maranhão,
transmitia seus conhecimentos de Tai Chi e Pa Kua a um grupo particular no Bosque do
Papa, no Centro Cívico. Atualmente há muitas cidades no Brasil que contam com a
presença de um grande número de chineses e praticantes.

Mestres chineses pioneiros

Entre os mestres chineses pioneiros no Brasil destacam-se em São Paulo: Liu Pai
Lin, Chan Kowk Wai, Wang Te Cheng, Wong Seung Kueng, Li Wing Kay , Leonardo Liu,
Lope Chiu Ping Lok; no Rio de Janeiro: Wu Jyh Cherng, Hu Hsin Shan, Chen Xiao Wang
e Wu Chao Hsiang; em Curitiba: Pan Yi Bo.

Brasileiros também têm se destacado no ensino dessa arte, sendo responsáveis pela
propagação do Tai Chi e do Chi Kung em muitas publicações de livros, revistas e artigos,
páginas na Internet, produção de vídeos para a TV, palestras, oficinas, dvd´s educativos etc.,
destacam-se: Bruno Davanzo, José Onofre, Lídia Vaz Nunes, Anderson Rosa, Maria Lúcia
Lee, Angela Soci, Roque Henrique Severino, Sergio Luiz Villasboas, Marco Natali, Nilson
Carvalho, Hélio Maranhão, Cid Vicentini Silveira, Silvio Kato, Fernando De Lazzari, Liana
Netto, Salomón Bernardo Vinitsky (Mestre Lalo), Marcello Giffoni, Eduardo Molon, entre
muitos outros.
43

Os 10 Princípios Essenciais
na Prática do Tai Chi
☯ Mestre Yang Cheng Fu ☯

1 – Suspender a cabeça pelo topo com leveza e sensibilidade


Xu Ling Ding Jin
Energia leve e sensível no topo da cabeça: ficar ereto e manter a cabeça e o pescoço
naturalmente eretos com a mente concentrada no topo da cabeça. Não tencionar demais,
pois isto não permite que o sangue e a energia vital circulem suavemente.

2 - Esvaziar o peito e alongar as costas


Han Xiong Ba Bei
Afundar o peito e arredondar as costas: manter o peito ligeiramente para dentro o
que o capacita a afundar ou submergir a respiração no Tan Tien (baixo ventre). Não deixar
o peito para fora (protuberante), pois isto faz com que a respiração torne-se difícil
e de alguma forma o corpo vai ficar pesado.
44

3 – Relaxar a cintura
Song Yao
Ao relaxar a cintura, os dois pés terão força o suficiente para formar uma base sólida.
Todos os movimentos dependem da ação da cintura. Os movimentos desajeitados no Tai
Chi Chuan surgem de ações erradas da cintura.

4 – Distinguir entre o cheio e o vazio


Fen Xu Shi
Discernir cheio e vazio é de importância essencial no Tai Chi Chuan para
distinguirmos entre “Xu” vazio e “Shi” cheio. Se o peso do corpo está na perna direita,
então a perna direita está cheia e a esquerda está vazia, e vice-versa. Quando conseguimos
separar o cheio do vazio, giramos o corpo levemente sem usar força. Se não conseguimos
separar, o passo é pesado e vagaroso, e a posição não é firme, não fornecendo equilíbrio.

5 – Relaxar os ombros e soltar os cotovelos


Chen Jia he Zhui Zhou
Afundar os ombros e cotovelos: manter os ombros na posição natural e relaxados.
Se elevarmos os ombros, o Chi vai subir com eles e todo o corpo vai ficar sem força.
Devemos também manter os cotovelos para baixo senão não seremos capazes de manter os
ombros relaxados e mover nosso corpo de forma suave.

6 – Usar a mente e não a força muscular


Yong Yi Bu Yong Li
Usar a mente e não a força na prática do Tai Chi Chuan. Todo o corpo deve estar
relaxado e não ter a idéia de força bruta ou endurecida nas veias ou juntas por trás dos
movimentos corporais. Se os meridianos não estiverem bloqueados a energia vital vai
circular no corpo inteiro. Mas se os meridianos forem preenchidos com força bruta, a
energia vital não será capaz de circular e conseqüentemente o corpo não vai se mover
facilmente ou suavemente. Deve-se assim usar a mente ao invés da força bruta, pois assim a
energia vital irá seguir a consciência e circular por todo o corpo. Através da prática
persistente seremos capazes de cultivar e desenvolver uma força interna genuína. Isto é o
que os mestres em Tai Chi Chuan chamam de: “Flexível na aparência, mas poderoso na
essência”.
45

7 – Interligar os movimentos da parte superior e inferior


Shang Xia Xiang Sui
Coordenar o superior e o inferior do corpo: de acordo com a teoria do Tai Chi
Chuan a raiz está nos pés, a força é emitida através das pernas, controlada pela cintura e
expressa pelos dedos; os pés, pernas e a cintura formam um todo harmonioso. Quando as
mãos e a cintura e as pernas se movem, os olhos devem seguir o seu movimento. Isto pode
acontecer quando houver coordenação entre a parte superior e inferior. Se alguma parte
para de mover-se, então os movimentos serão desconectados e cairão em desordem.

8 – Unir o interior e o exterior


Nei Wai Ziang He
Harmonia entre o interno e o externo: praticando o Tai Chi Chuan o foco está na
mente e na consciência. Assim dizem: “O Espírito (Consciência) é o comandante e o corpo
é o subordinado”. Se podemos elevar o Espírito com a mente tranqüila, então os
movimentos serão naturalmente suaves e graciosos. As posturas não vão além do cheio e
vazio, abrindo e fechando. Aquilo que é chamado abrir, significa que não apenas as mãos e
os pés estão abertos, mas a mente também está aberta. Quando pudermos fazer com que o
de dentro e o de fora se tornem um, a coordenação será completa e a perfeição será atingida.

9 – Mover-se com continuidade, sem rupturas


Xiang Liau Bu Duau
Importância da continuidade: no Tai Chi Chuan se focaliza a atenção na mente e não
na força e os movimentos de início ao final são contínuos e circulares. Assim se diz: “É
como um grande rio correndo incessantemente”.

10 – Buscar a quietude dentro do movimento


Dong Zhing Qiu Jing
Tranqüilidade no movimento: no Tai Chi Chuan o movimento é combinado com a
tranqüilidade e enquanto se executa os movimentos se mantém a tranqüilidade da mente.
Na prática da “Forma”, quanto mais lento o movimento, melhores resultados são
conseguidos. Isto acontece porque quando os movimentos são lentos, pode-se respirar
profundamente e submergir o Chi no Tan Tien. Isto produz um efeito suavizante no corpo
e na mente. Aprendizes de Tai Chi Chuan irão conseguir uma melhor compreensão de tudo
isto, através de estudo cuidadoso e prática persistente.
46

--------------------------------
Yang Cheng Fu
Percorreu a China de norte a sul divulgando o Tai Chi Chuan não apenas como
uma arte marcial, mas também como uma terapia para manter a saúde. Mudou-
se para Xanghai em 1928, onde continuou ensinando até a sua morte em 1936.
Foi neto do Mestre Yang Lu Chan, criador do Tai Chi Chuan estilo Yang.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux
. Tai Chi Chuan – Saúde e Equilíbrio, Fernando De Lazzari

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
www.fotoserumos.com/aipt_principios_index.htm
47
Tai Chi Chuan
Forma do Pequeno Círculo

Essa prática curta é uma seqüência harmoniosa e contínua de movimentos suaves.


Depois de aprendida leva-se em torno de um minuto e meio para fazê-la. Propagado pelo
Mestre Lam Kam Chuen, é indicado para aqueles que querem ter um vislumbre do que a
prática do Tai Chi Chuan e do Chi Kung pode proporcionar.

Abertura do Tai Chi


Manter o olhar para a frente; manter a coluna e a cabeça reta (não rígida), ombros
sempre relaxados; ficar concentrado nos movimentos; separar os pés paralelos até a largura
dos ombros; levantar os braços até a altura do peito, com as palmas para baixo; deixar os
dedos naturalmente separados; abaixar as mãos até a linha do quadril, ligeiramente viradas
para dentro; descer um pouco o quadril como se fosse abaixar.

Segurar a bola (direita)


Desloque o peso do corpo para a sola do pé direito até a diagonal direita.

Aparar (esquerda)
Levantar ligeiramente o pé esquerdo e levá-lo para a diagonal esquerda; cruzar os
antebraços.
48

Desviar (esquerda)
Girar os pulsos e voltar o peso do corpo para o pé direito flexionando o joelho; abaixar
as duas mãos mantendo a mesma distância entre elas.

Pressionar (esquerda)
A base das palmas das mãos devem se juntar naturalmente; cruzar as mãos na frente do
peito (borboleta com as asas abertas); deslocar o peso do corpo para a diagonal esquerda; os
braços devem subir até a altura do peito.

Empurrar (esquerda)
Levar os braços para trás e para baixo em direção à cintura; o tronco deve permanecer
ereto; empurrar as mãos para frente e para cima.

Segurar a bola (esquerda)


Deslocar o peso do corpo para a sola do pé esquerdo.

Aparar (direita)
Levantar ligeiramente o pé esquerdo e levá-lo para a diagonal direita.

Desviar (direita)
Girar os pulsos e voltar o peso do corpo para o pé esquerdo flexionando o joelho.

Pressionar (direita)
As bases das palmas das mãos devem se juntar naturalmente.

Empurrar (direita)
Levar os braços para trás e para baixo em direção à cintura; o tronco deve permanecer
reto; empurrar as mãos para frente e para cima.

Chicote simples (esquerda)


Virar os pulsos para a direita com as palmas voltadas para fora; girar o pé esquerdo
sobre o calcanhar, virando-o para a diagonal esquerda; flexionar os joelhos, como se fosse
sentar; girar o pé direito sobre o calcanhar para a esquerda; o quadril e o tronco devem
acompanhar o movimento dos braços; fazer um “gancho” com a mão direita; transferir o
49
peso do corpo do pé esquerdo para o pé direito; levantar ligeiramente o pé esquerdo do
chão e levá-lo para junto do direito; a ponta do pé esquerdo deve tocar de leve o chão e
ficar ao lado do peito do pé direito; levar a mão esquerda para baixo, fazendo um arco em
direção ao lado direito do rosto;. levar o braço esquerdo para a esquerda dando o passo do
arqueiro.

Chicote simples (direita)


Virar os pulsos para a esquerda com as palmas voltadas para fora.

Levar o tigre para a montanha


Abrir a mão esquerda; cruzar os pulsos na altura do pescoço; abrir os braços, fazendo
dois grandes arcos para os lados, quando os braços descerem, flexionar os joelhos; manter
as costas retas; as palmas das mãos devem estar voltadas para a outra.

Fechamento do Tai Chi


Erguer as duas mãos à frente, ao longo do corpo até a altura do peito; manter os ombros
relaxados e começar a se levantar; transferir o peso do corpo para o pé esquerdo; levantar o
pé direito até a distância dos ombros; o peso deve estar distribuído nos dois pés; virar a
palma das mãos para baixo na altura do peito; pressionar lentamente as duas mãos para
baixo; endireitar os joelhos, ficando ereto, virado para frente; os dedos devem apontar para
à frente, com as palmas para baixo; soltar as mãos lentamente ao longo do corpo; ficar
parado brevemente para que o equilíbrio interno flua de maneira igual para todo o corpo.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livro
. Tai Chi - Passo a Passo, Mestre Lam Kam Chuen

☯ Fotos
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
http://picasaweb.google.com/aipt.brasil/TaiChiChuanPorEliete

☯ Vídeos
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
http://www.fotoserumos.com/aipt_videos.htm
50
Forma do Pequeno Círculo
“Faça devagar até que não se possa aprender mais na lentidão"
51
Tai Chi Chuan
Forma de Pequim
24 movimentos

A Forma de Pequim – 24 movimentos, predominantemente estilo Yang, atualmente


muito popular em todo o mundo, foi elaborada em 1956, por um conselho de mestres de Tai
Chi estabelecido pela Comissão Nacional de Esportes e Cultura Física da China para
atender preventivamente, com baixo custo, problemas de saúde do povo daquele país.
Para praticar seus movimentos lentos e graciosos é muito importante estar imbuído
de consciência interior, estar relaxado e calmo e com um “sorriso no coração”.

01 - Postura Inicial | Postura do Princípio Infinito


Yù bèi 预备: Preparação / Qĭ shì 起式: Início

02 - Separar a crina do cavalo selvagem (esquerda – direita - esquerda)


Yĕ mă fēn zōng 野马分鬃(zŭo 左 – yòu 右 – zŭo 左)

03 - A garça branca abre as asas


Bái hè liàng chì 白鹤凉翅

04 - Serpente retorna ao ninho | Defender o joelho (esquerda – direita - esquerda)


Xià shì 下势| Lōu xī ăo bù 搂膝拗步(zŭo 左 – yòu 右 – zŭo 左)

05 - Tocar o alaúde | Tocar a harpa


Shŏu hūi pí pa 手挥琵琶

06 - Recuar e repelir o macaco (esquerda – direita – esquerda - direita)


Dào niăn hóu 倒撵猴 (zŭo 左 – yòu 右 – zŭo 左 – yòu 右)

07 - Alisar a cauda do pássaro à direita - aparar, puxar para trás, pressionar, empurrar
Zŭo lán què wĕi3 左拦雀尾- péng 掤, lǜ 履, jǐ 擠, àn 按
52

08 - Alisar a cauda do pássaro à esquerda - aparar, puxar para trás, pressionar, empurrar
Yòu lán qùe wĕi3 右拦雀尾- péng 掤, lǜ 履, jǐ 擠, àn 按

09 - Chicote simples
Dān biān 单鞭

10 - Mover as mãos como nuvens


Yún shŏu 云手

11 - Chicote simples
Dān biān 单鞭

12 - Acariciar o cavalo
Gāo tàn mă chūan zhăng 高探马穿掌

13 - Chutar com o calcanhar direito


Yòu dēng jiăo 右蹬脚

14 - Golpear as orelhas do oponente


Shuāng fēng guàn ĕr 双峰灌耳

15 - Girar o corpo e chutar com o calcanhar esquerdo


Zhuăn shēn zŭo dēng jiăo 转身左蹬脚

16 - Serpente que rasteja (à esquerda) | O galo dourado numa perna só


Zŭo xià shì 左下势 – Zŭo jīn jī dú lì 左金鸡独立

17 - Serpente que rasteja (à direita) | O galo dourado numa perna só


Yòu xià shì 右下势 – Yòu jīn jī dú lì 右金鸡独立

18 - Moça bonita trabalha no tear (direita - esquerda)


Chūan sūo 穿梭 (yòu 右 – zŭo 左)
53

19 - Cravar a agulha no fundo do mar


Hăi dĭ zhēn 海底针

20 - Mãos em leque
Shàn tōng bèi 扇通背

21 - Girar o corpo, desviar e dar um soco


Jìn bù bān lán2 chúi 进步搬拦捶

22 - Recuar e avançar
Rú fēng sì bì 如封似闭

23 - Cruzar as mãos
Shí zì shŏu 十字手

24 - Fechamento | Recolhimento do Tai Chi


Shōu shì 收式| Huán yuán 还原

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux
. Tai Chi Chuan – Saúde e Equilíbrio, Fernando De Lazzari

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/forma_pequim.htm

☯ Vídeos
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
http://www.fotoserumos.com/aipt_videos.htm
54
Forma de Pequim
“Busque a calma interior ao fazer os movimentos"

“Os movimentos podem ser executados individualmente ou em grupo, mas em


grupo é necessário esforçar-se para ajustar-se ao tempo do coletivo."
55
A Meditação e o Tai Chi

A meditação consiste na prática de focar a atenção, freqüentemente formalizada em


uma rotina específica. É comumente associada a religiões orientais. Há dados históricos
comprovando que ela é tão antiga quanto a humanidade. Não sendo exatamente originária
de um povo ou região, desenvolveu-se em várias culturas diferentes e recebeu vários nomes.
Apesar da associação entre as questões tradicionalmente relacionadas à espiritualidade e
essa prática, a meditação pode também ser praticada como um instrumento para o
desenvolvimento pessoal em um contexto não religioso.

A palavra meditação vem do Latim, meditare, que significa voltar-se para o centro
no sentido de desligar-se do mundo exterior e voltar a atenção para dentro de si. Em
sânscrito, é chamada dhyana, obtida pelas técnicas de dharana (concentração).

A meditação costuma ser definida da seguinte maneira:


. um estado que é vivenciado quando a mente se torna vazia e
sem pensamentos;
. prática de focar a mente em um único objeto (p.ex., em um
ícone religioso, na própria respiração, em um mantra);
. uma abertura mental para o divino, invocando a orientação
de um poder mais alto;
. análise racional de ensinamentos religiosos (como a
impermanência, para os Budistas).
56
Tai Chi & Chi Kung
A divulgação das práticas de meditação no mundo contemporâneo recebeu uma
grande contribuição das técnicas milenares preservadas pelas diversas culturas e filosofias
tradicionais do oriente, bem como em artes marciais internas como Tai Chi Chuan.

Há inúmeros métodos que vem conquistando aceitação no ocidente, como a


meditação feita em pé conhecida como Zhan Zhuang³, devido a sua simplicidade e
eficiência, muito praticada na China, executada por pessoas com pouca flexibilidade e com
dificuldades nos joelhos e coluna. Ela melhora a postura e é facilmente praticada em
qualquer local. É um excelente método procurado por muitos praticantes de artes marciais
experientes ou iniciantes. Esta prática é muito útil para aliviar o stress.

A meditação é vista como um estado que ultrapassa o intelecto, onde a mente é


posta em silêncio para dar lugar à contemplação espiritual. Esse "calar a mente" induz uma
volta ao centro (meio, daí meditar), para o vazio interior.

3. Zhan Zhuang ou Chang Chuang, (站椿) (pronuncia-se Zan Zon) é um termo chinês
que se refere a uma forma de meditação que é feita em pé, conservando-se o praticante num
estado de aparente imobilidade. Pode também ser classificada como uma técnica de Chi
Kung estática. A prática da Postura da Árvore forma de meditação em pé é considerada
uma das práticas fundamentais do Tai Chi Pai Lin.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. A Arte da Meditação, Daniel Goleman
. Meditação, Jomar Morais
. T´ai Chi Ch´uan e Meditação, Da Liu

☯ Internet
. Wikipédia – enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Medita%C3%A7%C3%A3o
57
O Tai Chi de cada um

Há professores de Tai Chi Chuan que enfatizam em que o aluno praticante deve
aprender somente um estilo e repeti-lo com exatidão. Isso é, sem dúvida, muito importante
para perpetuar uma determinada linhagem, entretanto não é necessário para o autêntico
cultivo do Chi.

Nesse sentido, para que a busca pelo conhecimento e a experiência do Tai Chi seja
uma contribuição memorável ao caminho de vida do praticante, temos a intenção de que o
próprio aluno, depois de compreender a essência dos valores do Tai Chi, se aprofunde e
desenvolva em si mesmo uma prática livre e solta com a intenção de atingir a harmonia, ou
seja, que ele mesmo exerça sua própria vontade, ao sabor do vento, da emoção e do
equilíbrio interior.

Prática

É melhor escolher um local arejado com muitas árvores (não precisa ser isolado);
ficar (se puder), com os pés descalços diretamente na terra ou na grama (para sentir bem as
plantas dos pés no solo); ficar por algum tempo em pé, na postura inicial do
58

Tai Chi; relaxar o corpo; buscar a serenidade mental, dar um passo para a esquerda e seguir
sua própria arte corporal.

A prática do Tai Chi Chuan é para ser experimentada continuamente; não se deve
interromper os movimentos, não se deter nos cantos ou no encontro com algum obstáculo
(árvores, muros e outros objetos); um círculo não tem limites; deve-se fluir como a água; o
único objetivo é atingir o equilíbrio e tentar reviver a experiência de centenas de anos atrás
quando os taoístas deram origem ao Tai Chi Chuan.

Durante a prática lembrar-se dos princípios do Tai Chi e relaxar, dar vazão para as
tensões corporais e mentais, sentir-se em harmonia e centrado em si mesmo; não se limitar,
mas ter a percepção dos detalhes dos movimentos; não ser tão racional e procurar trabalhar
e descobrir o movimento no próprio corpo e sua ressonância com o meio. Assim, você
acabou de criar um estilo próprio, o seu próprio Tai Chi.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. Expansão e Recolhimento – A Essência do T´ai Chi, Al Chung-liang Huang
. Métodos do Trabalho Corporal na Psicoterapia Junguiana, Annamaria Sannino
59
O Cumprimento Marcial
Chin Li

Chin Li significa saudação, cumprimento. Foi criado na Dinastia Ming, na China


pelos revolucionários e mais tarde foi adotado pelas escolas de artes marciais chinesas,
como cumprimento oficial. É feito com a mão direita fechada e a esquerda aberta
colocada sobre a direita.

A mão direita fechada representa o Sol, a força, o marcial, isto é, significa que você
domina uma técnica de arte marcial.

A mão esquerda aberta representa a Lua, a filosofia, a técnica, o conhecimento, a


razão e a arte. Em chinês, ao unir o Sol (日 Rì) e a Lua (月 Yuè) surge a iluminação; a
claridade.

A palma esquerda aberta contra a direita fechada significa que o seu conhecimento
controla a sua força, que você é um lutador de artes marciais, mas veio em paz, ou seja,
que tem boas intenções em seu coração.

Cada dedo da mão esquerda também tem um significado específico:


1º) O dedo que fica fechado (o polegar) significa humildade.
60
Os quatro dedos abertos representam quatro virtudes educacionais que se deve
desenvolver paralelamente:
2º) Educação Moral.
3º) Educação Intelectual (Arte).
4º) Educação (Consciência) Física ou Corporal (Marcial).
5º) Educação Comunitária ou Social (Convivência).

O cumprimento marcial é uma demonstração de respeito que simboliza nossas


qualidades e atitudes. Deve ser feito antes do início e após o término da prática.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Internet
. Academia Wu Shu Kuan: http://paginas.terra.com.br/esporte/wushukuan/html/apresentacao.html
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_chin_li.htm
. Tao Chia – Terapias e Artes Orientais: www.taochia.pro.br/tcc10.htm
61
Os Passos Mágicos

Inspirado no Quadrado Mágico do Imperador Xia Yu, os Passos Mágicos também


conhecidos como Círculo Mágico tem como objetivo fortalecer as pernas, tornozelos e pés.

Acima há uma imagem em que as palmilhas representam as posições dos pés


esquerdos (E) e direitos (D) e a ordem dos passos. Inicia-se com o pé esquerdo (1-E),
depois com o pé direito (2-D), pé esquerdo (3-E) e assim sucessivamente.

O Quadrado Mágico

É uma tabela, em que a soma dos números das linhas, das colunas
e das diagonais é constante, ou seja, resultam no número 15.

Conta a lenda que o quadrado mágico de nove casas surgiu no


centro da China, há milhares de anos, às margens de um rio; inscrito no
osso peitoral de uma tartaruga, que é o símbolo da longevidade; e foi
62

interpretado como revelação da geometria secreta do universo que está por trás de todas as
coisas.

Compõe-se dos números de 1 a 9, que formam o todo conhecido, e cada número é


uma etapa de um caminho em espiral que atravessa nove casas em cada volta. Seus
conceitos fundamentais são o ciclo e a alternância.

O número 1, é água, o princípio de tudo, o escuro e o inconsciente;


O 9, é o fogo, o fim e a transformação;
Os números 3 e 4 representam madeira, a criação, o surgimento e o crescimento;
6 e 7 são metal, outono, síntese, maturidade e recolhimento.
2, 8 e 5 são casas de transição, onde se reúnem as energias para mudar de direção.

Esses números representam também todas as coisas que existem no universo. O


Quadrado Mágico tem semelhanças profundas com o I Ching e em alguns lugares é
chamado de Astrologia das Nove Estrelas, porque reflete a posição de Vega, Polaris e as
sete estrelas da Ursa Maior no céu.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Apostila
. Ba Gua Zhang - Aspectos Teóricos, José Onofre

☯ Internet
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_p_m.htm
. Mapa do Quadrado Mágico: http://www.correcotia.com.br/heroi/quadmag.htm
. Wikipédia – enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Quadrado_m%C3%A1gico

☯ Vídeos
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
http://www.fotoserumos.com/aipt_videos.htm
63

Pa Kua Chang (Bā Guà Zhǎng)


八卦掌

Pa Kua Chang (八卦掌) é uma das três maiores escolas internas (Neijia) de artes
marciais chinesas (Wu Shu), sendo as outras duas o Tai Chi Chuan (太極拳) e o Xing Yi
Chuan (形意拳). Bā guà zhǎng, literalmente, significa "palma dos oito trigramas",
referência aos 8 trigramas do I Ching (Yi Jing), um dos livros fundamentais do Taoísmo.

Andar em círculos

A prática de andar em círculos é uma das características fundamentais do


treinamento de base e de movimentação do Pa Kua Chang. Os praticantes desta arte andam
como que ao redor de um círculo, mantém sua base baixa, o olhar dirigido para o centro do
64
círculo. Periodicamente mudam a direção do movimento enquanto
executam as formas características de cada "palma".

Os deslocamentos em torno do círculo se configuram em uma


estratégia de combate que procura evitar um confronto direto de força
bruta com o adversário ao escapar pelos lados ou pelas suas costas. Os
aspectos internos do treinamento de Pa Kua Chang são parecidos com os
do Tai Chi Chuan e do Xing Yi Chuan, artes marciais chinesas com a
mesma fundamentação nos princípios do taoísmo.

Nomes da Primeira Palma


1. Andorinha cruza a cauda
2. Tigre sai da jaula
3. Águia voa para o céu
4. Dragão amarelo vira o corpo
5. Serpente branca lança a língua
6. Condor abre as asas
7. Macaco branco oferece frutas
8. Redemoinho

Amplie seu conhecimento_________________________________

☯ Apostila
. Ba Gua Zhang - Aspectos Teóricos, José Onofre

☯ Vídeos
. AIPT - Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi:
http://www.fotoserumos.com/aipt_videos.htm
65
Para entender a escrita chinesa
Tai Chi Chuan ou Tai Ji Quan?

Tai Ji Quan ou Tai Chi Chuan, na verdade querem dizer a mesma coisa, todavia
não é correto pronunciar Tai Ji Quan - sendo o Ji como a sílaba na palavra jipe e quan
como na palavra quanto, isso é um equívoco lingüístico que cometemos ao lermos em
português palavras que pertencem ao idioma chinês.

Explicando melhor

Entre os dois métodos mais usados atualmente para aprender o mandarim (idioma
chinês) há o método conhecido como Pin Yin. A vantagem desse método é o uso do nosso
abecedário ocidental, ou seja, o alfabeto fonético românico que serve para reproduzir a
pronúncia de um determinado ideograma chinês.

Assim, por exemplo, o ideograma 太 passou a ser identificado em Pin Yin como
Tài. Desta maneira ficou mais fácil para nós ocidentais pronunciarmos Tai para
o ideograma em questão. A confusão se apresenta em algumas letras que não são
pronunciadas foneticamente da mesma forma como conhecemos em português, por
exemplo, a letra Q do Pin Yin tem a pronúncia mais próxima de um T´CH (como se fosse
dito com um sorriso nos lábios).

Eis o motivo de tantas variações para títulos de livros de Tai Chi. Há livros escritos
como Tai Chi Chuan, Tai Ji Quan, T´ai T´chi Chuan e por aí vai.
66
Tai Chi Chuan em Pyn Yin se escreve Tai Ji Quan, mas pronuncia-se mais ou
menos assim: Tai T´chi Tchuan:

Tai com a letra T levemente forçada como no inglês de Time;


T´chi como o ti da palavra tinta;
T´chuan (o T´ch deve ser dito com uma leve abertura dos lábios, como se fosse um
sorriso e a letra a abre-se a boca para falar a letra a mas o som deve ser pronunciado como
se fosse a letra e). Parece complicado, talvez seja por isso que é tão difícil entendermos um
chinês dizendo Tai Chi Chuan.

Outros casos mais comuns:

. Qi Gong é escrita Pyn Yin, cuja pronúncia aproximada ao chinês é T´chi Kun (Chi
Kung) e não Ki Góngui;
. Ba Gua é Pyn Yin, cuja pronúncia aproximada ao chinês é Pa Kua e não Ba Guá.
. Ba Duan Jin, cuja pronúncia aproximada ao chinês é Pa Tuan Chin e não Ba
Duan Gin.

Por isso, ao lermos palavras escritas em Pyn Yin, é bom termos em mente a
pronúncia correta e não literal.
Idioma Chinês relacionado às artes corporais na seguinte ordem:
Português | Pyn Yin | Ideograma | Significado

Chi | Qi | 气 ou 氣 | Vapor; sopro; energia


Chi kung | Qi gong | 气功 ou 氣功 | Trabalho (arte) da energia
Wu shu | Wu shu | 武術 | Arte Marcial; Arte de guerra
Pa Kua | Ba gua |八卦 | Oito Cantos; Oito trigramas
Pa Kua Chang | Bagua zhang | 八卦掌 | Palma dos Oito trigramas
Kung Fu | Gong fu | 功夫 | Maestria; grande habilidade
Lian Kung | Lian gong | 煉功 | A arte (trabalho) do exercício
Tai Chi | Tai ji | 太极 ou 太極 | Supremo; absoluto
Tai Chi Chuan| Tai ji quan | 太极拳 ou 太極拳 | Punho do Tai Chi
Tao Lu | Tao Lu | 套路 | Forma, seqüência
67
Estilo Chen | Chen Shi | 陳氏 | Estilo Chen
Estilo Yang | Yang Shi | 楊氏 | Estilo Yang
Estilo Wu | Wu Shi | 吳氏 | Estilo Wu
Estilo Wu/Hao| Wu/Hao Shi | 武/郝氏 | Estilo Wu/Hao
Estilo Sun | Sun Shi | 孫氏 | Estilo Sun
Tai Chi Tien | Tai ji jian | 太極劍 | Tai Chi Espada
Tai Chi Shan | Tai chi shan | 太极扇 | Tai Chi Leque
Tai Chi Tao | Tai ji dao | 太極刀 | Tai Chi Sabre
Tai Chi Kun | Tai ji gun | 太极棍 | Tai Chi Bastão
Tui Shou | Tui Shou | 推手 | Empurrar das mãos
Nei Chia | Nei jia |內家 | Escola Interna
Wai Chia | Wai jia | 外家 | Escola Externa
Pa Tuan Chin | Ba duan Jin | 八段錦 | As oito peças do brocado
Chang Chuang| Zhan Zhuang| 站樁 | Imóvel (como uma árvore)
Hsing I Chuan | Xing yi quan | 形意拳 | Punho do corpo e da mente (Intenção)
Yin | Yin |陰 | Escuro
Yang | Yang |陽 | Luminoso
Pa Xi | Ba Xi | 巴西 | Brasil
Chung Kuo | Zhong Guo |中国 ou 中國 | País do Meio; China
Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. Oxford Chinese Minidictionary, Oxford
. Chinês Essencial para brasileiros que estudam Mandarim, Levis Litz

☯ Internet
. Aprendendo chinês cantando: http://www.a-china.info/musica
. Chinese Tools.com: http://www.chinese-tools.com/
68
Yin e Yang
陰陽

Yin / Yang é na Filosofia Chinesa uma representação do princípio da dualidade de Yin e


Yang, o conceito tem sua origem no Tao (Dao), base da filosofia e metafísica da cultura
daquele país. Em chinês este conhecido símbolo que representa a integração de Yin e Yang
é denominado como "Diagrama do Tai Chi" (Tai Chi Tu).

Princípios complementares

Segundo este princípio, duas forças complementares compõem tudo que existe, e do
equilíbrio dinâmico entre elas surge todo movimento e mutação. Essas forças são:

Yin: o princípio passivo – feminino; noturno; escuro; frio


Yang: o princípio ativo – masculino; diurno; luminoso; quente.

Essas qualidades acima atribuídas a cada uma das dualidades são, não definições,
mas analogias que exemplificam a expressão de cada um deles no mundo. Os princípios em
si mesmos estão implícitos em toda e qualquer manifestação.
69
Os exemplos acima não incluem qualquer juízo de valor, e não há qualquer
hierarquia entre os dois princípios. Assim, referir-se a Yin como negativo apenas indica
que ele é negativo quando comparado com Yang, que será positivo. Esta analogia é como a
carga elétrica atribuída a prótons e elétrons: os opostos complementam-se, positivo não é
bom ou mau, é apenas o oposto complementar de negativo.

O diagrama do Tai Chi simboliza o equilíbrio das forças da natureza, da mente e do


físico. Preto e branco integrados num movimento contínuo de geração mútua representam
a interação destas forças.

A realidade observada é fluída e em constante mutação, na perspectiva da filosofia


chinesa tradicional. Portanto, tudo que existe contém tanto o princípio Yin quanto o Yang.
O símbolo Tai Chi expressa esse conceito: o Yin dá origem ao Yang e o Yang dá origem
ao Yin.

Desde os primeiros tempos, os dois pólos arquétipos da natureza foram


representados não apenas pelo claro e pelo escuro, mas, igualmente pelo masculino e pelo
feminino, pelo inflexível e pelo dócil, pelo acima e pelo abaixo.

Yang, o forte, o masculino, o poder criador era associado ao céu, enquanto o Yin, o
escuro, o receptivo, o feminino, o material, era representado pela terra. O céu está acima e
está cheio de movimento. A terra - na antiga concepção geocêntrica - está em baixo e em
repouso. Dessa forma, yang passou a simbolizar o movimento e yin o repouso. No reino do
pensamento, yin é a mente intuitiva, feminina e complexa, ao passo que yang é o intelecto
masculino, racional e claro. Yin é a tranqüilidade contemplativa do sábio, yang a vigorosa
ação criativa do rei.

Esse diagrama apresenta uma disposição simétrica do yin escuro e do yang claro. A
simetria, contudo não é estática. É uma simetria rotacional que sugere,de forma eloqüente,
um contínuo movimento cíclico. Os dois pontos do diagrama simbolizam a idéia de que
toda vez que cada uma das forças atinge seu ponto extremo, manifesta dentro de si a
semente de seu oposto.
70
No Tai Chi Chuan, na Medicina Tradicional Chinesa, no Pa Kua Chang, no I Ching,
Feng Shui, Tui Ná, entre outros, o fundamento é a busca do equilíbrio e esse equilíbrio
perfeito é representado pelo desenho do símbolo do Yin / Yang.

Associações diversas
Yin Yang
Terra Céu
Lua Sol
Noite Dia
Inverno Verão
Umidade Secura
Frescor Calidez
Interior Superfície

Valores e atitudes culturais


Yin Yang
Feminino Masculino
Contrátil Expansivo
Conservador Exigente
Receptivo Agressivo
Cooperativo Competitivo
Intuitivo Racional
Sintético Analítico
Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livros
. O Tao da Física, Fritjof Capra
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux
. Ponto de Mutação, Fritjof Capra
. T´ai Chi Ch´uan e Meditação, Da Liu

☯ Internet
. Wikipédia – a enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Yin_Yang_(Filosofia)
. AIPT – Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_yin_yang.htm
71
A Respiração e o Tai Chi
Respirar é algo muito simples e acontece sem que tenhamos que pensar muito sobre
o assunto e talvez por este mesmo motivo deixemos de saber muito sobre nós. O modo
como respiramos revela imediatamente o nosso estado emocional. Você, certamente, já se
percebeu ofegante quando ansioso, de respiração bloqueada ao não desejar se debulhar em
lágrimas publicamente, ou ainda com aquela tonturazinha que logo some assim que você se
põe a respirar novamente.
No trabalho de clínica psicológica percebo constantemente estados de “espírito” de
meus pacientes apenas observando o modo como respiram, não raras vezes é preciso lhes
dizer: “- Não se esqueça de respirar agora!”
Muitas vezes, por perturbações variadas, interrompemos o fluxo de nosso ser, é
como se em dados momentos , só por um tempinho, quiséssemos para de viver. Tudo fica
em suspenso. Como uma grande pausa que a orquestra faz e o público já não sabe se a
música terminou ou ainda vai continuar. Mas...sempre é preciso continuar.
Nossos pulmões são mais sábios do que pensamos, eles realizam a imperiosidade da
vida, independente de nossa vontade. Até parece que este texto do Tao Te King de Lao Tzu
faz a perfeita definição do processo de respiração realizado pelos pulmões.
“O que é metade ficará inteiro. O que é curvo ficará reto.
O que é vazio ficará cheio. O que é velho ficará novo.
Quem tem pouco receberá. Quem tem muito perderá.”
Reter ar nos pulmões é avareza, somente quando nos esvaziamos é que recebemos o
ar necessário, o ar novo. Desta maneira é na entrega que nos completamos, e no desapego é
que encontramos o fluir sem cessar do “Tao”.
Guimarães Rosa já profetizou que o que a vida quer da gente é coragem. Não
interromper o fluxo é um ato de coragem, sentir plenamente e agüentar firme, isto é Tai Chi
Chuan. Se você é praticante desta arte já deve ter ouvido seu mestre, vez por outra, bradar :
“- Não interrompa o fluxo!” O gesto deve fluir, bem como a respiração. No Tai Chi
movimento é respiração.
72

A Bioenergética, corrente derivada da psicoterapia corporal, recomenda que o


indivíduo sinta sua respiração e com isto desvele para si mesmo sentimentos escondidos.
No mundo ocidental a racionalidade ganhou destaque deixando para segundo plano os
sentimentos, a teoria da superioridade de sexos veio a corroborar com esta idéia. O
masculino racional, historicamente recebeu lugar de destaque e supremacia sobre os
sentimentos considerados “tão femininos”. Pelo que se sabe o primeiro Deus masculino a
parir foi Zeus, que em alto estilo (e põe alto nisto) deu à luz Atena, por meio de seu “útero
cerebral”. Pois é, a mocinha foi obra (literalmente) da cabeça de Zeus.
Bem, como tudo pode ser visto por diversos ângulos, a racionalidade ocidental nos
rendeu muitas descobertas, mas por outro lado nos deixou sem bússola interna. Sabemos
tanto... mas, não sabemos para onde ir. Pois, direção de vida quem nos dá são os nossos
sentimentos.
O trabalho terapêutico da respiração é uma excelente maneira de conectar a pessoa
com aquilo que ela sente, de trazer consciência sobre o seu sentir e portanto, lhe favorecer a
escolha de caminhos na vida. O Tai Chi Chuan em consonância com toda esta dinâmica
ajuda o praticante a dar fluxo as quatro forças internas, muito importantes: a imaginação , o
sentimento, o pensamento e ação.
“Por isso: se armas são fortes, não sairão vitoriosas; quando as árvores são duras,
são abatidas. O que é grande e forte diminui. O que é suave e fraco prospera.” Lao Tsé
Só nos resta seguir nossa respiração com suave profundidade enquanto nos movimentamos
por nossas alegrias e angústias, enquanto traçamos no ar o movimento de nossos corpos,
realizando o Tai Chi mais perfeito que pudermos.
Por Emerli Schlögl

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Internet
. AIPT – Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_respiracao.htm

☯ Livro
. Expansão Criativa por uma pedagogia da autodescoberta, Emerli Schlögl
73
Tan Tien

Tan Tien ou Dan Tian (pin yin: dān tián 丹田) é um termo de origem chinesa
relacionado às práticas de meditação, medicina tradicional e artes marciais orientais. A
palavra chinesa fù, 腹, que literalmente significa "barriga" é por vezes usada como um
sinônimo.

Também pode ser traduzido literalmente como "campo de cinábrio": o sentido desta
expressão é relacionado à alquimia chinesa, que se relaciona aos processos de transmutação
dos elementos, para os taoístas designa uma área dentro do corpo que tem um papel
fundamental nas transformações espirituais que procuram.

Foco da meditação, medicina tradicional e artes marciais

É um ponto focal fundamental na prática da meditação Tao Yin, refere-se


especificamente ao centro físico de gravidade do corpo, situado no abdômen
aproximadamente a 3 cm abaixo e 5 cm para dentro em relação ao umbigo (em diagonal:
entre o umbigo - cicatriz umbilical, e a segunda vértebra sacral – S2) .
74

O conceito de Dan tian é um princípio teórico básico nas diversas linhagens de


meditação e de artes marciais orientais especialmente nas artes marciais chinesas internas e
no Aikido japonês.

É também considerado muito importante na medicina tradicional chinesa. O


fortalecimento da saúde através da revitalização desta região fundamenta as práticas de Chi
Kung, Nei Kung, Tao Yin, e os treinamentos da respiração.

Encontramos no livro O Segredo da Flor de Ouro ilustrações que podem ser


tomadas como metáforas das diversas etapas da realização no Tao Yin. Uma destas
representações apresenta o meditante gerando um feto imortal dentro de si, concebendo um
novo corpo de energia em seu Tan Tien.

Alguns textos aprofundam a explicação deste conceito de Tan Tien, definindo três
áreas distintas de cultivo da energia vital:
. Tan Tien inferior (na altura do abdomen, como descrito anteriormente) é associado
à energia física, e por vezes à sexualidade.
. Tan Tien médio (na região do Plexo Solar), relacionado à respiração e à saúde dos
órgãos internos.
. Tan Tien superior (na altura do Terceiro olho), ligado à consciência, ou "shen", e à
mente.

Os três Tan Tien podem também ser associados por sua localização aos "3
aquecedores" (San Jiao), termo a que se refere o nome chinês do Meridiano do Triplo
Aquecedor.

Segundo a tradição Chinesa e a Japonesa, este centro físico de gravidade do corpo


humano é considerado a morada da energia vital (Chi / Qi).

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livro
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux

☯ Internet
. Wikipédia – a enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Dantian
75

Medicina Tradicional Chinesa

A medicina tradicional chinesa (MTC), também conhecida como medicina chinesa


(em chinês 中醫, zhōng yī xué, ou 中藥學, zhōng yaò xué), é a denominação usualmente
dada ao conjunto de práticas de medicina tradicional em uso na China, desenvolvidas ao
longo dos milhares de anos de sua história.

É considerada uma das mais antigas formas de medicina oriental, termo que engloba
também as outras medicinas da Ásia, como os sistemas médicos tradicionais do Japão, da
Coréia, do Tibete e da Mongólia.

A MTC se fundamenta numa estrutura teórica sistemática e abrangente, de natureza


filosófica. Ela inclui entre seus princípios o estudo da relação de Yin / Yang, da teoria dos
cinco elementos e do sistema de circulação da energia pelos Meridianos do corpo humano.
Tendo como base o reconhecimento das leis fundamentais que governam o funcionamento
do organismo humano e sua interação com o ambiente segundo os ciclos da natureza,
procura aplicar esta compreensão tanto ao tratamento das doenças quanto à manutenção da
saúde através de diversos métodos.
76

Técnicas terapêuticas da MTC


São sete os principais métodos de tratamento da medicina tradicional chinesa:
Tui Ná (推拿)
Acupuntura (針疚)
Moxabustão (艾炙)
Ventosaterapia (拔罐)
Fitoterapia chinesa (中药)
Terapia alimentar chinesa (食療) ou dietoterapia chinesa
Práticas físicas: exercícios integrados a prática de meditação relacionadas à
respiração e à circulação da energia, como o Chi Kung (氣功), o Tai Chi Chuan (太極拳) e
outras arte marciais chinesas internas que podem contribuir para o re-equilíbrio do
organismo. Estas práticas são consideradas simultaneamente métodos profiláticos para a
manutenção da saúde e formas de intervenção para recuperá-la. Práticas como o Pa tuan
Chin e o Lian Kung são realizadas atualmente fora do contexto das artes marciais.

A medicina tradicional chinesa utiliza a fitoterapia e outros medicamentos como seu


último recurso para combater os problemas de saúde.

Segundo sua crença básica, o corpo humano dispõe de um sistema sofisticado para
localizar as doenças e direcionar energia e recursos para curar os problemas por si mesmo.
O objetivo dos esforços externos deveria se focar em cuidadosamente auxiliar as funções de
auto cura do corpo humano, sem interferir. Refletindo esta mesma idéia, um ditado chinês
diz que "qualquer remédio tem 30% de ingredientes venenosos".

Atualmente, a medicina tradicional chinesa está progressivamente incorporando


técnicas e teorias da medicina ocidental em sua praxis, em especial os tipos de exames sem
características invasivas.
Outras técnicas associadas a estes métodos
Gua Sha ou "esfregar moedas" (刮痧), técnica associada ao Tui Na.
Auriculopuntura (耳燭療法), especialidade da acupuntura.
77

O Diagnóstico na MTC
Os aspectos básicos a considerar em um diagnóstico pela MTC são:
observar (望 wàng); ouvir e cheirar (聞 wén);
perguntar sobre o histórico do paciente (問 wèn);
e fazer a leitura do seu pulso (切 qiè).

A partir das informações reunidas desta forma pelo terapeuta, é elaborado um


diagnóstico usando como referência um sistema para classificar os sintomas apresentados.
Este sistema se fundamenta no conhecimento dos seguintes princípios teóricos:
A relação de Yin / Yang
A Teoria dos Cinco Elementos
Os oito princípios do Pa Kua
A teoria dos órgãos Zang Fu
Os Meridianos de energia
Os Seis níveis
Os Quatro estágios
O Triplo aquecedor

Técnicas de diagnóstico
Tomada do pulso da artéria radial do paciente em seis posições distintas para avaliar
o fluxo de energia em cada meridiano.
Observação da face do paciente.
Observação da aparência dos olhos do paciente.
Observação da aparência da língua do paciente.
Observação superficial da orelha.
Observação do som da voz do paciente.
Palpação do corpo do paciente, especialmente do abdômen.
Comparações da temperatura em diferentes partes do corpo do paciente.
78

Patologias e Síndromes
Patologia interna
Na medicina tradicional chinesa a patologia interna tem como causa desequilíbrios
internos tais como:
Emoções (demasiado fortes / demasiado prolongadas)
Má alimentação
Cansaço excessivo
Falta de repouso

As principais perturbações energéticas:


Sintomas moderados / subtis
Evolução gradual
Coincide com o conceito ocidental de patologia crónica.

Patologia externa
Na visão da medicina tradicional chinesa a patologia externa tem como causa a
penetração de factores externos (ou agentes perversos externos Xie Qi) no organismo:
Frio / Calor ; Vento / umidade; Secura / Canícula

As principais perturbações energéticas:


Início rápido; Sintomas intensos / agudos; Evolução rápida;
Corresponde ao conceito ocidental de patologia aguda; Sinais, sintomas e síndromes

Sinais, sintomas e síndromes:


Clínicos: Observados diretamente na consulta (rosto, língua, pulso)
Funcionais: O paciente diz em consulta.
Sintoma - É o sinal interpretado pelo que se torna sintoma.
Síndrome - É o conjunto de sintomas. Estes são regulares e consistentes.

Síndromes gerais
Conjunto de sintomas que dizem respeito à totalidade do organismo e a nenhum
orgão em específico.
79
Vazio de Chi (Qi); Vazio de Sangue; Vazio de Yang; Vazio de Yin
Estase: estado no qual o fluxo normal de um líquido corporal pára, por exemplo, o
fluxo de sangue através dos vasos sanguíneos ou o fluxo do conteúdo intestinal através do
trato digestivo.
Umidade-Mucosidade; Umidade-Mucosidade-Calor; Plenitude-Calor

Síndromes de órgão
Conjunto de sintomas que se referem à perturbação de um dos órgãos principais.
Baço-pâncreas; Rim; Fígado; Coração; Pulmão

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livro
. Teoria Básica da Medicina Tradicional Chinesa, Yin Hui He e Zhang Bai Ne

☯ Internet
. AIPT – Associação Internacional de Praticantes de Tai Chi: www.fotoserumos.com/aipt_mtc.htm
. Wikipédia – a enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/Medicina_tradicional_chinesa
80
I Ching

I Ching ou Livro das Mutações, é um texto clássico chinês composto de várias


camadas, sobrepostas ao longo do tempo. É um dos mais antigos e um dos poucos textos
chineses que chegaram até nossos dias. Ching, significando clássico, foi o nome dado por
Confúcio à sua edição dos antigos livros. Antes era chamado apenas I: o ideograma I é
traduzido de muitas formas, e no século XX ficou conhecido no ocidente como "mudança"
ou "mutação".

O "I Ching" pode ser compreendido e estudado tanto como um oráculo quanto como
um livro de sabedoria. Na própria China, é alvo do estudo diferenciado realizado por
religiosos, eruditos e praticantes da filosofia de vida taoísta.

Filosofia e cosmologia no I Ching

As oito figuras que formam o I Ching estão na base da cultura que se desenvolveu
na China durante milênios. Para os chineses a ordem do mundo depende de se dar o nome
correto às coisas, portanto o significado de "I" sempre foi objeto de discussão.
81

Alguns vêem o ideograma I como semelhante ao desenho de um camaleão,


representando o movimento (como o lagarto) e a mutação (como o mimetismo do
camaleão). Outros afirmam que o ideograma é formado pelo do Sol em cima e o da Lua
embaixo, a mutação sendo simbolizada pelo movimento incessante destes astros no céu.

Para o pensamento chinês, não há o que mude, há apenas o mudar. A mutação seria
o caráter mesmo do mundo. Mas a mutação é, em si mesma, invariável, ela sempre existe.
Portanto, "I" significa mutação e não-mutação. Subjaz, à complexidade do universo, uma
'simplicidade' que consiste nos princípios que estão por trás de todos os ciclos. Ao fluir com
as circunstâncias se evita o atrito e portanto a resistência: esse é o caminho do homem sábio.

Tanto o taoísmo como o confucionismo, as duas linhas da filosofia chinesa,


beberam da fonte do I.

Tudo que ocorre no céu e na terra tem sua imagem nos oito trigramas, que estão
continuamente se transformando um no outro. Têm várias camadas de significados, e
representam processos da natureza. São, portanto, o mundo arquetípico, ou o mundo das
idéias de Platão. É usada para ilustrá-los a analogia com a família:

. o pai é forte
. a mãe é maleável
. os três filhos são as três fases do movimento: início, perigo e repouso
. as três filhas são as três etapas da devoção: suave penetração, clareza e
tranqüilidade

Em Heráclito, e mais tarde na dialética européia, encontramos os ecos da fluidez


que é a base do I Ching.
História

O I Ching surgiu antes da dinastia Chou (1150-249 a.C.) e era um conjunto de oito
Kua, figuras formadas por três e seis linhas sobrepostas. James Legge, em sua tradução
para o inglês (1882), chamou de trigrama o conjunto de três linhas e hexagrama o de seis,
para distingui-los entre si.
82
A origem dos 64 hexagramas é atribuída a Fu Hsi, o criador mítico chinês, e até a
dinastia Chou eles formavam o I. Os oito trigramas têm nomes não encontrados em chinês,
sua origem é pré-literária.

O tempo obscureceu a compreensão das linhas, e no começo da dinastia Chou


surgiram dois anexos: o Julgamento, atribuído pela tradição ao rei Wên, e as Linhas,
atribuídas a seu filho, o duque de Chou, ambos fundadores desta dinastia.

Mais tarde, mesmo o significado destes textos começou a ficar obscuro, e no século
VI a.C. foram acrescentadas as Dez Asas, que a tradição atribui a Confúcio, embora seja
claro que a maioria delas não pode ser de sua autoria. O nome "I Ching" é dado ao conjunto
dos Kua e todos os textos posteriores.

O I Ching escapou da grande queima de livros feita pelo tirano Ch'in Shih Huang Ti,
no tempo em era considerado um livro de magia e adivinhação, o que levou a escola de
magos das dinastias Ch'in e Han a interpretá-lo segundo outras visões. A doutrina do yin-
yang foi sobreposta ao texto e o sábio Wang Pi veio a resgatá-lo como livro de sabedoria.

Houve várias traduções do "I Ching" para línguas ocidentais, algumas claramente
desrespeitosas, tratando a cultura chinesa como antiquada. A tradução de Legge fez parte
da série Sacred books of the East (Livros sagrados do Oriente), e foi traduzida também para
o português.

Richard Wilhelm traduziu o I Ching para o alemão ao longo dos anos em que viveu
na China, inclusive durante a invasão japonesa, quando a cidade em que estava foi cercada.
Teve o apoio de um velho e sábio mestre, Lao Nai Suan, que morreu ao ser concluída a
tradução. A edição alemã é do ano de 1923. Wilhelm traduziu também outro clássico chinês,
o Tao Te Ching.

O uso do I Ching como oráculo

A ênfase no aspecto oracular do "I" variou com o tempo. No século VI a.C. era
visto mais como livro de filosofia, ao passo que na dinastia Han, quando a magia teve
grande papel, era visto como oráculo.
83
Como todo oráculo, exige a aproximação correta: a meditação prévia, o ritual, e a
formulação precisa da pergunta. O oráculo não falha, quem falha é o consulente: se a
pergunta não foi clara e precisa, isto indica que a pessoa não tem clareza sobre o que deseja
saber. O ritual tem a função psicológica de focar a atenção da pessoa na consulta.

A consulta oracular é feita com 50 varetas (originalmente de mil-folhas, uma planta


sagrada), das quais uma é separada e as outras 49 manuseadas, seguindo seis vezes a
mesma operação matemática, para a obtenção da resposta. Dessa manipulação resulta uma
linha firme ou maleável que podem ser móveis. As linhas firmes são resultado da obtenção
dos números 7 ou 9, e as maleáveis vêm dos números 6 ou 8. Destes, 6 e 9 correspondem a
linhas móveis que, por estarem prestes a mudar, têm importância na interpretação.

O I Ching, por ser um livro sagrado, e as varetas usadas na consulta, eram


guardados em uma caixa de madeira virgem, embrulhados em seda também virgem. No
Japão, a consulta é feita com o uso de três moedas.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Livro
. I Ching, Richard Wilhelm
. O I Ching, Anton Kielce
. Manual Prático do I Ching, Minami Keizi
. T´ai Chi Ch´uan e I Ching, Da Liu

☯ Revista
. I Ching – o livro mais antigo do mundo, Super Interessante – Ed. 235

☯ Internet
. Wikipédia – a enciclopédia livre: http://pt.wikipedia.org/wiki/I_ching
84

Tai Chi Chuan, Meditação e Movimento


- Poesia -

Na aurora da vida
Sentindo o orvalho no corpo
Entro em sintonia com o universo
Para, medito e começo.
À sombra de um pinheiro
Faço a postura da abertura
O mar, depois, levanto
E seguro o cosmos como encanto.
A garça branca abre as asas
Dou o passo do arqueiro
Imito a serpente que rasteja
Sou o galo dourado verdadeiro.
Esses são os passos do Tai Chi
Recolhimento e expansão
Esse é o espírito do Praticante
Em movimento à meditação.
Nos passos lentos dos estilos
Vou reconhecendo meu ser
Percebo que todos são um
Conectados num mesmo viver.
Tai é supremo, Tai Chi é absoluto
Sua arte é o princípio do infinito
Sua prática, lenta, rápida ou normal
É um regozijo na vida de qualquer mortal.

Amplie seu conhecimento_________________________________________

☯ Fonte
. Livro: Viagens de uma Mônada, Levis Litz
85

Referências & Indicações

☯ Livros - Acervo: Lin Li Wei 林理伟)_______________________

. A Arte Chinesa do T´ai Chi Ch´uan, Chee Soo


. A Arte da Meditação, Daniel Goleman
. A Doutrina da flor de Ouro, Mokusen Miyuki
. A Energia Curativa Através do Tao, Mantak Chia
. A Estrutura Interior do Tai Chi – Tai Chi Chi Kung, Mantak Chia e Julan Li
. A Promessa de Cura do Qi, Roger Jahnke
. Artes Marciais, Peter Payne
. Cheng´s Tzu´s Thirteen Treatises on T´ai Chi Ch´uan, Cheng Man Ch´ing
. Chi Kung, Camisa de Hierro, Mantak Chia
. Chi Nei Tsang – Massagem dos Órgãos Internos com a Energia Chi, Mantak Chia
. Chinês Essencial para brasileiros que estudam Mandarim, Levis Litz
. Clássicos do T´ai Chi, Waysun Liao
. Cura Energética pelo Qigong, Mestra Gao Yun e Mestra Bai Yin
. Exercícios Chineses para a Saúde – Manual Oficial da China, Dr. Cho Ta Hung
. Expansão e Recolhimento – A Essência do T´ai Chi, Al Chung-liang Huang
. Filosofia Kung Fu – Meditações e Ensimanentos Espirituais, Marco Natali
. Guia Completo de Kung Fu & Tai Chi, Bruce Tegner
. JinGang QiGong – Chi-Kung: Ejercicios Respiratorios, Yang ShaoQuing
. Kung Fu sem Mestre (com a Forma de Pequim de Tai Chi Chuan), Ima Nim Iziek
. Lições de Tai Ji Jian com espada, W. W. Lee
. Manual Básico de Tai Chi Chuan, Salomón Bernardo Vinitsky (Mestre Lalo)
. Manual Prático do I Ching, Minami Keizi
. Meditação, Jomar Morais
. Meditação, Dra. Med. Almuth Huth e Dr. Med Werner Huth
. Métodos do Trabalho Corporal na Psicoterapia Junguiana, Annamaria Sannino
. O Caminho da Energia, Mestre Lam Kam Chuen
. O Espírito das Artes Marciais, Roque Severino
. O Espírito Marcial, Marco Natali
. O I Ching, Anton Kielce
. O Livro Básico do Tai Chi, Paul Crompton
. O Livro Completo do Tai Chi Chuan, Wong Kiew Kit
. O Tao da Física, Fritjof Capra
86

. Oxford Chinese Minidictionary, Oxford


. Ponto de Mutação, Fritjof Capra
. QiGong Taoísta para Saúde e Vitalidade, Sat Chuen Hon
. Tai Chi, Paul Tucker
. Tai Chi Chuan – A Alquimia do Movimento, Wu Jyh Cherng
. Tai-Chi Chuan – Arte Marcial – Técnica de Longa Vida, Catherine Despeux
. T´ai Chi Ch´uan – Body and Mind in Harmony, Sophia Delza
. Tai Chi Chuan – Como usar a Técnica da Grande Energia Cósmica, Wu Chao-Hsiang
. Tai Chi Chuan – Exercícios de Saúde Física, Mental e Técnica Marcial, Nilson Carvalho
. Tai-Chi Chuan e Ginástica Chinesa - Wushu, Timothy Tung.
. T´ai Chi Ch´uan e I Ching, Da Liu
. Tai Chi Chuan – It´s Effects and Practical Applications, H. C. Chao
. T´ai Chi Ch´uan e Meditação, Da Liu
. T´ai Chi Ch´uan para a Saúde, Martin e Emily Lee e JoAn Johnstone
. Tai-Chi Chuan – por uma vida longa e saudável, Roque enrique Severino
. Tai Chi Chuan – Saúde e Equilíbrio, Fernando De Lazzari
. T´ai Chi Chuan Ta Wen, Chen Wei-Ming
. Tai Chi Chuan – Terapia Psicossomática e Iluminação Interior, Kwong Ming Lai
. Tai Chi - Passo a Passo, Mestre Lam Kam Chuen
. Taijijian, República Popular da China
. Taiji Boxing in 48 Forms, Hai Feng Publishing
. Tai Ji Quan – Seqüência de 88 Exercícios, República Popular da China
. Tai Ji Qi Gong em 28 exercícios - Exercícios Terapêuticos da MTC, Dr. Li Ding
. Tai Ji Quan – Seqüência de 88 Exercícios, República Popular da China
. Taijiquan Simplicado, República Popular da China
. Tai Ji Quan (Tai Chi Chuan), Roland Habersetzer
. Taoísmo – A busca da Imortalidade, John Bolfeld
. Tao – Transformação da Mente e do Corpo, Huai-Chin Nan
. Tao Te Ching, Lao-Tsé
. Técnicas Básicas do T´ai Chi Ch´uan, Marco Natali
. Teoria Básica da Medicina Tradicional Chinesa, Yin Hui He e Zhang Bai Ne
. The Martial Arts, Peter Lewis
. The T´ai-Chi Ch´uan Experience, Sophia Delza
. Zen, Timothy Freke
87

Tai Chi

www.fotoserumos.com/taichi